Anexo 4- Dados das entrevistas do Grupo II

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anexo 4- Dados das entrevistas do Grupo II"

Transcrição

1 Anexo 4- Dados das entrevistas do Grupo II Grupo II Informantes idade Sexo profissão escolaridade Tempo de imigração em Portugal Língua materna E Masc. Jardineiro 12º 12 anos Ucraniano E Fem. Ens. Sup. 15 anos Ucraniano E Masc. Ens. Sup. 14 anos Ucraniano E Fem. Clube gimnodesportivo Ens. Sup. (professora primária) E Fem. cozinheira Ens. Sup. (analista) 12 anos Ucraniano 13 anos Ucraniano Motivo da imigração E2.1 mau mau ucrânia (L ) procura trabalho os meus amigos vieram cá, eu também. Antes trabalhava na República Checa, lá pagaram menos E2.2 Trabalho na reforma, a reforma na Ucrânia é uma miséria, é muito muito pouco ã: primeiro o meu marido foi ã: porque tinha aqui amigos, tinha sobrinho, ele foi trabalhar em obras. E2.3 Ganhar dinheiro a vida estava difícil Já tinha cá amigos e um cunhado Sente-se adaptado/ respeitado? Sim Sim tenho, sim sim. Eu tá-- eu tá.. eu tá: muito muito feliz de verdade porque tenho muito boa pessoas, muito boa-- tenho colegas, também, tá trabalha-- eu ã: quer dizer, na minha, na minha caminho não há pessoas mau, é verdade, porque muito gosto pessoas de verdade, muita ajuda. Sim E2.3: graças a deus tenho trabalho, tenho tudo E: e sente-se bem cá em Portugal? Dificuldades A língua (frequentou um curso) E contrato de trabalho Língua (frequentou um curso apenas por dois meses por ser longe e por causa dos horários) Língua 1

2 E2.3: sinto (L 85-87) E2.4 à procura de vida melhor (L 22) primeiro veio o marido e vim atrás do marido (L24) acabei de estudar, não tinha trabalho, não tinha emprego [...] vim à procura de vida melhor (L24) E2.5 E1.5: é como toda a gente, falta-- falta trabalho na Ucrânia e queria melhor vida não é? Para a gente para os nossos filhos (L 17) Língua contei sempre com a ajuda dos portugueses (L 49) Língua; Contrato de trabalho; Documentos arranjar trabalho também é difícil (L36) tinha trabalho, mas depois aprender a língua: (L 25) documentos também era difícil. Tive cinco anos sem conseguir fazer o visto (E: sim) patroa não queria dar o contrato, tava com medo de pagar multa... (L 27) arranjar trabalho também é difícil ã: é tudo junto, não é (L 36) a patroa não queria pagar como a toda a gente... (L 40) (tudo está interligado) Relação com o país de origem/ Vontade de regressar E2.1 Costuma regressar visitar nas férias E: ok. mas mantém a sua ligação com-- com a Ucrânia? costuma voltar e (E2.1: sim) e vai nas férias ou vai quando pode? como é que faz E2.1: a: férias E: vai nas férias. e gosta de lá ir? faz sentido para si lá ir? E2.1: tenho lá filhos a: E: e é a sua terra, não é 2

3 E2.1: pois (L 64-70) E2.2 E: e a senhora, continua--continua a manter uma relação com a-- com o seu país e com a sua família? costuma ir nas férias, ou-- E2.2: sim. Sim sim, também, porque tem o meu pai tem oitenta e seis anos, também-- (L ) E2.2: e agora tá muito muito mau na Ucrânia porque coisa de-- eu já ta-- dois anos não fui porque tenho ã: tenho uma menina, tem neta, cinco anos e nós tinha medo de coisa de guerra, por isso. ã: (sim) nos-- minha cidade é onde está mora ã:-- E: mas quando pode-- quando pode, vai e visita, e telefona e-- E2.2: ã: ah todos dias. Olha para o pai todos dias. Não há problema, tem-- pai tem internet e po Skype e tem família-- todos dias, não não, todos dias (L ) E: tenta manter uma ligação com a família e com a sua terra, certo? E2.2: hum hum (L 138) E2.3 E na Ucrânia é guerra. É muito difícil, aqui já tenho tudo E: tem família, tem casa, tem trabalho E2.3: trabalho é mais fácil e-- E: então por enquanto pretende ficar por aqui E2.3: não sei E:não sabe E2.3: ninguém não sabe (riso) hoje aqui, amanhã ali ( ) E: se não fosse a história da guerra, do trabalho... E2.3: só de férias (L 118) E2.3: é Skype, telefone (L 90) E2.3: eu sinto bem, é o meu país (L 96) E2.4 E2.4: sim, claro. Sempre. Vamos de férias e: estamos ligados, tamos sempre-- temos nossas tradições temos nossa igreja, fé, nossas festas (L 69) E: e isso fá-la sentir um bocadinho mais perto de casa? E2.4: mais perto de casa, sim (L 72) E2.5 E: e costuma voltar lá de férias por exemplo? E2.5: sim, vai todos os anos ã: em agosto (L 66) E2.5: costumo falar pelo Skype ou pela internet. É mais agradável (L 63) 3

4 Relação com o país de acolhimento/ integração E2.1 E: ok. e:, já está cá há treze anos, disse-me, sente-se integrado cá em Portugal? já se sente mais á vontade com a língua, por exemplo, e com as pessoas? E2.1: sim E: sim? E2.1: [:] volta para a Ucrânia já quer ir E: ah, quando lá vai já que voltar cá a Portugal?! E2.1: pois (L ) E: então já se sente um bocadinho de cá também? E2.1: pois (L 62) E:... mas quando lá vai sente vont-- vontade de voltar, é isso? E2.1: sim. Também ã: nossos amigos que me dizem ah, já vou, já não volto mais vão para lá três quatro meses e voltam outra vez (riso) E2.2...e tenho muito amigos, tenho ã: quer dizer tenho amigos muito bons-- também eu trabalha numa casa em partic-- particular, muito ajuda amigos quando: quando aconteceu de meu marido (sim) de pronto, teve acidente. (L 47-50) muito gosto de Portugal, pessoas q-- para mim não há ninguém mau, tudo bom ã: muito simpáticos e verdade -- E: sente-se integrada cá em Portugal? E2.2: eu sinte-- (L 55-58) E2.2: tenho, sim sim. Eu tá-- eu tá.. eu tá: muito muito feliz de verdade porque tenho muito boa pessoas, muito boa-- tenho colegas, também, tá trabalha-- eu ã: quer dizer, na minha, na minha caminho não há pessoas mau, é verdade, porque muito gosto pessoas de verdade, muita ajuda. (L 64-67) E muito muito, quer dizer, muito muito boa pessoas, não há, para mim, não há muito mau pessoas, não. tá tudo-- tudo-- tem muito amigos e: ã: muito português muito muito muito. Muito boa pessoas. Quando primeiro preciso uma coisa ou doença ou não sei quê, pronto, é vida, não é (E: sim sim) e pronto ela é muita ajuda e qu-- tem também ã: muito boa ã: quer dizer... (L 70-74) 4

5 E2.2: e: e pronto- é verdade porque eu-- eu ã: trabalhei agora também no mesma grupo e: pronto tem encarregadas, e se calhar não acredito, eu falar com eles querida e eles para mim também querida porque eu ta brincar oh minha querida e eles também falar querida também E: parecem ter uma boa relação. Têm uma boa r-- E2.2: exatamente. Exatamente. Eu muito feliz. Porque agora também é guerra na minha terra e eu também-- guerra, e, pronto, e pessoas também ajudam também quando-- quer dizer ã: quando preciso eles deram dinheiro e vai mandou pa Ucrânia pa-- n-- não tinha- - quer dizer, pessoas ã: aqui, mesmo Portugal ã: eu, eu, eu sofri-- eu tinha sofrimento de comer ã: pronto-- não, não não não. E: não passou dificuldades E2.2: ã: sim, não. não, muito boa, muito boa. Eu tá-- é verdade (L ) E: e-- identifica-se-- conhece os hábitos portugueses? identifica-se por exemplo com a comida, com a maneira de pensar-- E2.2: olha eu, eu, eu tá faço na minha casa to-- cozido à portuguesa (E: sim) ã: baca-- bacalhau com natas [a]doro ã: eu só pa fazer-- eu agora mesmo fazer coisas mesmo no, no, no comida de português (L ) E: faz coisas à portuguesa E2.2: exatamente, exatamente. E então quando fui quando minha mãe tá viva, (E: sim) eu fui no natal é trouxe bolo de rei ã: bolo, pão, fazer bacalhau com natas E: para ela provar também? E2.2: exatamente. E pessoas diz ah, muito boa (riso) porque é diferente do comida também. Olha é muito muito boa. É verdade. (L ) E: e sente que as suas-- as suas origens são respeitadas cá em Portugal? as pessoas respeitam as suas origens cá em Portugal? E2.2: sim sim E: sim? nunca se sentiu desrespeitada por ser ucraniana? E2.2: não não não não. (L ) E2.3 E2.3:... aqui já tenho tudo (L109) E: e sente-se bem cá em Portugal? E2.3: sinto (L 86-87) 5

6 E2.4 E2.4: vim aqui atrás do marido, fiquei nas férias, gostei (E: gostou?) gostei do país, gostei do-- do de ver o mar, que nós não temos, gostei das pessoas (E: o clima, talvez) o clima e ã: mas mais ã: a humildade das pessoas portuguesas, porque recebem com braços abertos (L 27) E: sente-se integrada cá em Portugal? (E2.4: sim) agora ao fim deste tempo, sente-se bem cá em Portugal? E2.4: sim, muito bem E: as pessoas tratam-na bem? E2.4: tratam bem e sinto sempre como em casa (L 61-65) E2.5 E2.5: ã: não é muito bem porque-- [alguém interrompe] mas-- a gente ã: longe de família, longe de: o nosso país, é sempre:-- não é, é difícil. tenho cá filhos ma:s não é a mesma coisa do que a gente estar no-- na nossa terra, não é: é diferente (L 54)... sente que a sua cultura e as suas raízes são respeitadas cá em Portugal? E1.5: sim (E: sim?) quer dizer, já há muitos anos atrás que patrões não davam o dia do nosso natal, não é, agora já eles respeitam, já-- (L ) Língua - Português E2.1 E2.1: ya claro, é complicado, é complicado (L79) E: quando chegou cá não sabia falar português?! E2.1: claro E: nunca tinha ouvido português? E2.1: não E: e foi complicado aprender o português? frequentou algum curso de português? E2.1: ã: E: ou aprendeu só no dia a dia E2.1: tava aqui amigos (E: ***) falar qualquer coisa e*** depois (hum) e trabalho também ajuda E: e no trabalho também aprendeu, mas não frequentou nenhuma escola nem-- E2.1: depois passei também E: também foi a uma escola E2.1: de português (hum) (L42-54) E2.1: pode ser complicado mas sempre interessante (L 170) 6

7 E: então é porque correu tudo bem?! e também teve dificuldades com a língua quando chegou? ã: E2.1 : exatamente ã: aprendemos ã: primeiro obrigada ã: com licença (L 162) E2.1 : muito. muito diferentes. Não há nada-- (L 168) E2.2 E2.2: sim sim sim. Sim. O que-- depois-- porque eu não foi pa escola ã: fui ter-- há uns anos atrás meter na escola não é, para estrangeiros E: escola de português? Escola de português? E2.2: sim sim, exato. Hum e depois pronto*** eu conheceu muito boa pessoas porque aprender primeiro eu ã: eu não saber, não é, porque *** bom dia boa tarde onde está fica e: até logo e: obrigado. e depois foi preparar e: pronto muita muita boa pessoas lá. Esta primeiro colher faca garfo depois ã: *** (L 28-34) E2.2: Depois eu trabalhei num restaurante romenos, depois aprendi tudo ã: *** porque ã: nos tinha outra maneira de ser porque cultura pronto, é diferente... (L 36-38) E: sim. ã: em relação à língua, o que é que sentiu quando chegou? [...] E2.2: (riso) oh minha querida, eu tá-- eu uma coisa, uma coisa-- E: foi muito complicado? E2.2: sim... (L150)...olha, uma palavra, eu quando andei primeiro vez no camionete, então, uma senhora falava muito curva, muito curva na minha língua, curva, desculpe lá, é [asneira] (risos) e eu tá, quando tá sozinha porque tá-- tem pessoas, não é, tem pessoas ã: portuguesas e ela coitada falar comigo ai aqui tem muito-- muito cuva e eu quando cheguei ta chorei-- chorei. Primeiro falei com marido oh marido tu sabes, uma senhora fala muito vezes curva curva curva (risos) (L ) E2.2: [entre risos, ainda sobre a história do autocarro]. Olha, esta também porque nós, quer dizer, não sabia depois quando patroa diz, coitada, ela já não, pronto, já não há, ela diz [nome de E2.2 dá arroz] eu dá açúcar (risos). Primeira vez, olha, tá-- aqui na coisa tá, pronto (riso) pois agora tá pronto, porque pessoas quando não sabem língua também, tá, pronto, também muito complicado E: sentia-se perdida, no início? E2.2: exatamente, exatamente (L ) 7

8 E2.2: *** televisão (E: a televisão) televisão (E: sim) sempre televisão. E depois quando eu tá trabalha no restaurante esta senhora ensinou (E: sim) depois tem empregados também ensinou-- (L ) E: mas não frequentou nenhum curso de português? Estava-me a dizer à pouco-- E2.2: não não não, fu-- fui-- fui dois meses, depois não fui porque está muito longe e: pronto n-- não-- quer dizer, foi, depois dois meses de estudar e, pronto ã: E: não conseguiu continuar E2.2: sim, muito:-- (L ) E: ã: ok. e agora, no seu dia a dia, fala m-- fala só português, continua a falar ucraniano, russo, que línguas é que fala? E2.2: olha ã: na minha casa, na minha casa falo o-- também português na-- quer dizer, para mim melhor falar ucraniano quero água (sim) uma palavra ucraniano, russo e português, tudo misturado. (L ) E2.2: exatamente. Exatamente. Muito engraçado também. Quando-- quando foi pa Ucrânia às vezes-- às vezes, de manhã tá bom dia e muitas vezes tem pessoas a olhar para mim e eu diz bom dia e eles quê, que é esta palavra? (L ) E2.3 A :[língua]diferente, tudo! Não tem nada igual (L 47) E2.3: eu mostrava (hum) olha aqui está-- aqui *** e depois-- (L 74) E: sim, e agora já se sente mais à vontade com a língua? E2.3: bem melhor, muito (L 80) E2.4 E2.4: é completamente diferente e-- (L 40) E2.4: /não nada português\\ e russo não tem nada a ver com português e E: as línguas são muito diferentes? E2.4: muito diferentes e a dificuldade *** (L 42) então como é que aprendeu a língua? E2.4: comecei a ver televisão (E: televisão) as novelas, dá para perceber tudo (riso) e depois com o tempo e com E: com as pessoas no dia-a-dia E2.4: sim sim (L 56-60) E2.5 E2.5: eu comecei a trabalhar com portugueses e primeiro é difícil porque era só português e eu sou ucraniana, não conseguia [...] não conseguia falar... (L 78-81) E: e frequentou algum curso de português? E1.5:não E: não? aprendeu só no dia a dia? 8

9 E1.5; trabalhava oito horas não é (E: sim) com português[es] e eu aprendi sozinha (L 84-87) Língua materna E2.1 E2.1: pois. trabalho português e em casa, com a mulher, com a família é o ucraniano, russo sempre (L 90) E: ok. sempre que tem oportunidade fala ucraniano também? E2.1: sim (L 92) E: ok. faz sentido para si falar? Ou é só porque dá mais jeito? ou gosta mesmo de falar a sua língua? É mais simples falar? E2.1: pois, é mais simples, ã: claro, é melhor-- (L94) E2.2 E: mas continua-- vai continuando, por exemplo, em casa, costuma falar ucraniano, gosta de falar a sua língua? ou já tenta falar mais português, por exemplo? E2.2: quer dizer, ã: nós falamos ã: russo, e português ã: continua, sim, claro. Tem a menina [neta] fala russo, ucraniano-- nós, pronto ã: (E: sim sim) E: faz questão de ensinar à sua-- ã: à sua filha e à neta a falar ucraniano, também, não é? E2.2: hum hum (L ) E2.2: ã: olha: para mim é ã: *** pronto, para mim é melhor-- pronto, fala ucraniano-- não sei, olha eu ã: não posso-- não sei (L ) E: é mais fácil, por exemplo? Para se expressar-- E2.2: claro, claro (E: para contar uma ideia--) claro E: é mais fácil para si? pois E2.2: exatamente, exatamente (l ) E2.3 em casa só [fala] ucraniano (L137) E: ã: por exemplo, sente que é mais fácil falar ucraniano? Para expressar uma ideia, para contar uma história E2.3: sim, claro (L 138) A: a gente pensa em ucraniano (L141) E2.4 E2.4: em casa sempre ucraniano, com filhos ucraniano e no trabalho português (L74) E2.4: quando filha vem de escola portuguesa, às vezes ela fala em português e eu respondo em ucraniano (risos) (L76) 9

10 E2.5 E1.5: ah não ã: no trabalho faço ma-- mais o trabalho falo: português (E: sim) em casa, com a família, claro que a gente fala ucraniano, não é (L 96) E1.5: é normal, vocês se fossem para outro país é claro que com a família falava a vossa língua, não é. É, não sei, é-- é natural (L 103) E1.5: é mais natural a gente falar em ucraniano (L 106) E1.5: muitas vezes faço contas no trabalho, mas contar começo a contar em ucraniano. eles-- porque eu disse olha, para mim é mais fácil contar na-- E: nós pensamos na nossa língua, não é E1.5: é (riso) é verdade. Depois em português, posso dizer em português mas ã: a contar E: lá atrás está o ucraniano E1.5: a memória está no ucraniano (L ) Mudança e identidade E2.1 E: sente-se integrado, já me disse que sim, sente-se integrado cá em portugal. E como pessoa? Sente-se a mesma pessoa? Sente que seria-- o facto de ter vindo para cá, já o mudou enquanto pessoa? Ou acha que-- se mudou enquanto pessoa, por exemplo, tinha...hábitos e agora-- e agora-- E2.1: sim, claro claro E: ã: pensava se calhar de uma maneira e agora ter vindo para cá e conhecer outra realidade fê-lo pensar de outra forma? E2.1:é, é E2.1: sim, é. como encontras pessoas que ã: por exemplo que ah está fora da ucrânia (sim) já sentem outra coisa (L 128) E: a maneira de pensar é outra? E2.1: sim, de pensar. Nós seja Portugal também já levamos ã: o vida-- ã: a pensar como portugueses, ã: E: já começa a pensar um bocadinho como português? E2.1: é, claro (L ) E2.2 E2.2: ã: não. porque não sei-- ã: para mim, quer dizer, para mim é melhor ã: quer dizer quando eu mudei no Portugal para mim melhor (E: sim) é verdade, muito melhor. Porque é-- já tá, pronto, já tá habituada com esta vida e quando ver n-- noutro país, 10

11 quando foi Ucrânia agora tá muito complicado com a miséria. Já para mim-- para mim é melhor aqui E: é melhor estar aqui (L ) E: e pensa-- e acha que pensa de outra forma por exemplo por estar aqui, porque o modo de vida (E2.2: sim) aqui será diferente? Não sei-- não sei como é que é-- é muito diferente o modo de vida? E2.2: exatamente. Muito grande diferente e agora é mesmo muito grande. E: e a maneira de pensar das pessoas e*** E2.2: exatamente. Exatamente, exatamente, exatamente. (L ) E2.3 (parece não ter percebido a pergunta) E2.4 E2.4: sim sim sim. Nós fomos ã: [pequena interrupção] nós fomos criados ã: união suviéticos é mais fechados, as pessoas mais (E: mentalidade?) ma-- m-- mentalidade das pessoas é diferente, aqui somos mais abertos, abrimos aqui mais E: sim. E você sente essa diferença quando volta à Ucrânia, por exemplo? E2.4: agora não (E: não?) agora não, mas há alguns anos atrás senti grande diferença neste facto porque nós somos-- temos mais fechados, aqui pessoas mais abertas (hum) mais livres (E: ok) aquela liberdade mesmo pessoal ã: não sei explicar E: sim sim, é a maneira de ser para com as outras pessoas E2.4: sim sim (L ) E2.5 E: se tivesse ficado na Ucrânia sente que seria uma pessoa diferente hoje? E1.5: eu acho que sim (L 142) Outros E2.1 E2.1 : muito interessante, muito é muito bom. Nós ã: eu sou muito admirada de--do ã: portu--do ã: como portugue--(e: os portugueses) os portugueses gostam muito de ajudar (E: é? ) e como-- sim, gostam de ajudar e gostam de-- ã: têm outra maneira de ajudar e (L147) E2.2 pronto, o meu marido faleceu aqui, tinha acidente, coitado, tinha-- ainda não chegou a cinquenta anos (hum) e: tinha acidente e: e pronto e eu *** porque, quer dizer, não 11

12 posso voltar para a Ucrânia porque é muito-- muito: quer dizer, sempre lembrança e então para mim melhor aqui. E: então agora pretende ficar cá em Portugal? é isso? E2.2: exatamente (L 39-44) As pessoas-- quando pessoas boas-- para mim não tem-- não tem (riso) [E2.2 fica meio atrapalhada com a pergunta] e pessoas ucraniano também boas. Ã: muito-- e agora me-- mesmo que tá apanhou muito mau coisa de-- de-- esta coisa de meu marido. (E: sim) e: quem ajuda portugueses, é verdade. Ucraniano não ajuda muito. Minha família, família está (L ) E2.2: exatamente, exatamente. É muito porque aqui, por exemplo, chegou no aeroporto de Kiev, já tem-- já queria voltar para aqui para Portugal. é verdade. Porque ã: já tinha-- olha já quinze anos, é muito tempo, é muito tempo já tá-- pronto (L ) E E2.4 E2.4: sim, é tudo respeitado e tudo-- como já disse, estamos aqui com braços abertos, tudo-- é só pedir e temos ajuda (L 83) E2.5 E: ok. e aqui não conseguiu equivalência ao seu curso? E1.5: tinha que estudar outra vez. Só que é assim, eu vou para aqui para trabalhar, não para estudar, não é (E: pois) tenho dois filhos (E: exatamente) e então não-- não vou estar a estudar. Mas há muita gente que vai ã: na lista da nossa empresa diz se eu quisesse, mas eu não quero (riso) agora estudar novamente (E: é complicado) é complicado (L ) 12

Anexo Entrevista G2.5

Anexo Entrevista G2.5 Entrevista G2.4 Entrevistado: E2.5 Idade: 38 anos Sexo: País de origem: Tempo de permanência em Portugal: Feminino Ucrânia 13 anos Escolaridade: Imigrações prévias: --- Ensino superior (professora) Língua

Leia mais

Anexo 2.2- Entrevista G1.2

Anexo 2.2- Entrevista G1.2 Entrevistado: E1.2 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 53 anos Masculino Cabo-Verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: 4ª classe Imigrações prévias : -- Língua materna: Outras línguas: Agregado

Leia mais

Anexo 2.8- Entrevista G2.3

Anexo 2.8- Entrevista G2.3 Entrevista G2.3 Entrevistado: E2.3 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência e 45 anos Masculino Ucrânia 14 anos m Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias: Ensino superior Polónia Língua materna:

Leia mais

Identificação. F03 Duração da entrevista 18:12 Data da entrevista Ano de nascimento (Idade) 1974 (36) Local de nascimento/residência

Identificação. F03 Duração da entrevista 18:12 Data da entrevista Ano de nascimento (Idade) 1974 (36) Local de nascimento/residência 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Identificação F03 Duração da entrevista 18:12 Data da entrevista 4-5-2011 Ano de nascimento (Idade) 1974 (36) Local de

Leia mais

Transcrição da Entrevista

Transcrição da Entrevista Transcrição da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Praticante Fabrício Local: Núcleo de Arte do Neblon Data: 26.11.2013 Horário: 14h30 Duração da entrevista: 20min COR PRETA

Leia mais

TRANSCRIÇÃO PRÉVIA PROJETO PROFALA TRANSCRITOR(A): Késsia Araújo 65ª ENTREVISTA (J.D.T.S) Cabo Verde

TRANSCRIÇÃO PRÉVIA PROJETO PROFALA TRANSCRITOR(A): Késsia Araújo 65ª ENTREVISTA (J.D.T.S) Cabo Verde TRANSCRIÇÃO PRÉVIA PROJETO PROFALA TRANSCRITOR(A): Késsia Araújo 65ª ENTREVISTA (J.D.T.S) Cabo Verde PERGUNTAS METALINGUÍSTICAS Doc.: J. quais são as línguas que você fala " Inf.: eu " (+) inglês né falo

Leia mais

Transcrição da Entrevista

Transcrição da Entrevista Transcrição da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Praticante Igor Local: Núcleo de Arte Nise da Silveira Data: 05 de dezembro de 2013 Horário: 15:05 Duração da entrevista:

Leia mais

Olhando o Aluno Deficiente na EJA

Olhando o Aluno Deficiente na EJA Olhando o Aluno Deficiente na EJA ConhecendoJoice e Paula Lúcia Maria Santos Tinós ltinos@ffclrp.usp.br Apresentando Joice e Paula Prazer... Eu sou a Joice Eu sou a (...), tenho 18 anos, gosto bastante

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 3 Data: 18/10/2010 Hora: 19h00 Duração: 22:25 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Suelen e Sua História

Suelen e Sua História Suelen e Sua História Nasci em Mogi da Cruzes, no maternidade Santa Casa de Misericórdia no dia 23 de outubro de 1992 às 18 horas. Quando eu tinha 3 anos de idade fui adotada pela tia da minha irmã, foi

Leia mais

Anexo 2.4- Entrevista G1.4

Anexo 2.4- Entrevista G1.4 Entrevista G1.4 Entrevistado: E1.4 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 38 anos Feminino Cabo-verde/Guiné-Bissau 19 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : 12º ano Não Língua

Leia mais

29/11/2009. Entrevista do Presidente da República

29/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na chegada ao hotel Villa Itália Cascais-Portugal, 29 de novembro de 2009 Jornalista: (incompreensível) Presidente:

Leia mais

Minha História de amor

Minha História de amor Minha História de amor Hoje eu vou falar um pouco sobre a minha história de amor! Bem, eu namoro à distância faz algum tempinho. E não é uma distância bobinha não, são 433 km, eu moro em Natal-Rn, e ela

Leia mais

Os Principais Tipos de Objeções

Os Principais Tipos de Objeções Os Principais Tipos de Objeções Eu não sou como você" Você tem razão, eu não estou procurando por pessoas que sejam como eu. Sou boa no que faço porque gosto de mim como eu sou. Você vai ser boa no que

Leia mais

BALANÇO DA OCUPAÇÃO DO TEMPO DURANTE A SEMANA DE PREENCHIMENTO DA GRELHA - 1º ANO

BALANÇO DA OCUPAÇÃO DO TEMPO DURANTE A SEMANA DE PREENCHIMENTO DA GRELHA - 1º ANO BALANÇO DA OCUPAÇÃO DO TEMPO DURANTE A SEMANA DE PREENCHIMENTO DA GRELHA - 1º ANO PROFESSORA Bom dia meninos, estão bons? TODOS Sim. PROFESSORA Então a primeira pergunta que eu vou fazer é se vocês gostam

Leia mais

da quando me chama de palito de fósforo e ri de um jeito tão irritante que me deixa louco da vida, com vontade de inventar apelidos horripilantes

da quando me chama de palito de fósforo e ri de um jeito tão irritante que me deixa louco da vida, com vontade de inventar apelidos horripilantes Chiquinho MIOLO 3/8/07 9:34 AM Page 14 Meu nome é Chiquinho Meu pai é alto e magro e se chama Chico. Meu avô é baixo e gordo e se chama Francisco. Eu me chamo Chiquinho e ainda não sei como sou. Já andei

Leia mais

A sanita mutante! Coleção. Os Mutantes. Já publicados A sanita mutante. A publicar Os óculos mutantes A esferográfica mutante

A sanita mutante! Coleção. Os Mutantes. Já publicados A sanita mutante. A publicar Os óculos mutantes A esferográfica mutante Coleção A sanita mutante! Os Mutantes Já publicados A sanita mutante A publicar Os óculos mutantes A esferográfica mutante O prego mutante Frutas mutantes Estrela mutante A irmã mutante Maio de 2016 20

Leia mais

Garoto extraordinário

Garoto extraordinário Garoto extraordinário (adequada para crianças de 6 a 8 anos) Texto: Lucas 2:40-52 Princípio: ser como Jesus Você vai precisar de um fantoche de cara engraçada, um adulto para manipular o fantoche atrás

Leia mais

Os vinhateiros. Referência Bíblica: Mateus

Os vinhateiros. Referência Bíblica: Mateus Os vinhateiros Referência Bíblica: Mateus 20. 1-16 Introdução: O que é de fato o Reino de Deus começa Jesus a explicar, circundado por muita gente que o escuta atentamente... Um senhor era dono de uma

Leia mais

Equivalente ao 12º ano, já em idade adulta Estado civil

Equivalente ao 12º ano, já em idade adulta Estado civil 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 Identificação ML11 Duração da entrevista 28:21 Data da entrevista 23-11-2012 Ano de nascimento (Idade) 1943 (69) Local de nascimento/residência

Leia mais

A DOCUMENTAÇÃO DA APRENDIZAGEM: A VOZ DAS CRIANÇAS. Ana Azevedo Júlia Oliveira-Formosinho

A DOCUMENTAÇÃO DA APRENDIZAGEM: A VOZ DAS CRIANÇAS. Ana Azevedo Júlia Oliveira-Formosinho A DOCUMENTAÇÃO DA APRENDIZAGEM: A VOZ DAS CRIANÇAS Ana Azevedo Júlia Oliveira-Formosinho Questões sobre o portfólio respondidas pelas crianças: 1. O que é um portfólio? 2. Gostas do teu portfólio? Porquê?

Leia mais

P/1 E qual a data do seu nascimento? Eu te ajudo. Já te ajudo. Dia 30 de março de 1984.

P/1 E qual a data do seu nascimento? Eu te ajudo. Já te ajudo. Dia 30 de março de 1984. museudapessoa.net P/1 Então, vamos lá. Eu queria que você me falasse seu nome completo. R Meu nome é Karen Fisher. P/1 E onde você nasceu, Karen? R Eu nasci aqui no Rio, Rio de Janeiro. P/1 Na cidade mesmo?

Leia mais

Maria Luiza Braga (UFRJ)

Maria Luiza Braga (UFRJ) Entrevista Maria Luiza Braga (UFRJ) André Felipe Cunha Vieira Gostaria( de( começar( esta( entrevista( agradecendo( por( você( aceitar( nosso( convite(e(nos(receber(em(sua(casa.(ler(seu(currículo(lattes(é(um(exercício(de(

Leia mais

CIPLE CERTIFICADO INICIAL DE PORTUGUÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA

CIPLE CERTIFICADO INICIAL DE PORTUGUÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA CIPLE CERTIFICADO INICIAL DE PORTUGUÊS LÍNGUA ESTRANGEIRA COMPREENSÃO DA LEITURA PRODUÇÃO E INTERAÇÃO ESCRITAS INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES PARA OS CANDIDATOS Esta componente tem a duração de 1 hora e 15 minutos.

Leia mais

FICHA SOCIAL Nº 123 INFORMANTE: SEXO: IDADE: ESCOLARIZAÇÃO: LOCALIDADE: PROFISSÃO: DOCUMENTADORA: TRANSCRITORA: DIGITADORA: DURAÇÃO:

FICHA SOCIAL Nº 123 INFORMANTE: SEXO: IDADE: ESCOLARIZAÇÃO: LOCALIDADE: PROFISSÃO: DOCUMENTADORA: TRANSCRITORA: DIGITADORA: DURAÇÃO: FICHA SOCIAL Nº 123 INFORMANTE: M.A.M.B. SEXO: Masculino IDADE: 27 anos - Faixa II ESCOLARIZAÇÃO: 9 a 11 anos (2º grau incompleto) LOCALIDADE: Batateira - Zona Urbana PROFISSÃO: Comerciante DOCUMENTADORA:

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Actividades. portefólio( )

Actividades. portefólio( ) Categoria Sub-categoria Unidades de registo Ent. Actividades Com os profissionais: Com a profissional, ela orientou-nos sobre todo o processo( ) A3 -Explicação do processo de rvcc A primeira sessão foi

Leia mais

Todo mundo vai à festa da Giovanna. MADE Oi, tudo bem gente? Eu sou a Made, a mãe da Nana e da Nina, e queria contar um história também? Eu posso?

Todo mundo vai à festa da Giovanna. MADE Oi, tudo bem gente? Eu sou a Made, a mãe da Nana e da Nina, e queria contar um história também? Eu posso? Todo mundo vai à festa da Giovanna MADE Oi, tudo bem gente? Eu sou a Made, a mãe da Nana e da Nina, e queria contar um história também? Eu posso? SEU LOCUTOR É claro, Dona Made! Que bom! A senhora é muito

Leia mais

LELO AMARELO BELO. (Filosofia para crianças) ROSÂNGELA TRAJANO. Volume III 05 anos de idade

LELO AMARELO BELO. (Filosofia para crianças) ROSÂNGELA TRAJANO. Volume III 05 anos de idade LELO AMARELO BELO (Filosofia para crianças) Volume III 05 anos de idade ROSÂNGELA TRAJANO LELO AMARELO BELO Rosângela Trajano LELO AMARELO BELO VOLUME III (05 ANOS) DE IDADE 1ª EDIÇÃO LUCGRAF NATAL 2012

Leia mais

Eu queria desejar a você toda a felicidade do mundo e Obrigado, vô.

Eu queria desejar a você toda a felicidade do mundo e Obrigado, vô. Parabéns para o Dan Tocou o telefone lá em casa. Meu pai atendeu na sala. Alô. Meu avô, pai do meu pai, do outro lado da linha, fez voz de quem não gostou da surpresa. Eu liguei pra dar parabéns ao Dan.

Leia mais

Dimensões. Institucionalização. Entrevistado

Dimensões. Institucionalização. Entrevistado Dimensões Institucionalização Entrevistado F 2 Imagem sobre a velhice Entristece-me muito chegar aqui e olhar para determinados idosos que estão aqui, venho cá três vezes por semana no mínimo e nunca vejo

Leia mais

Juro lealdade à bandeira dos Estados Unidos da... autch! No terceiro ano, as pessoas adoram dar beliscões. Era o Zezinho-Nelinho-Betinho.

Juro lealdade à bandeira dos Estados Unidos da... autch! No terceiro ano, as pessoas adoram dar beliscões. Era o Zezinho-Nelinho-Betinho. ÍTULO 1 Juro lealdade à bandeira dos Estados Unidos da... autch! No terceiro ano, as pessoas adoram dar beliscões. Era o Zezinho-Nelinho-Betinho. Julinho sussurrou. Vou pensar no teu caso respondi -lhe,

Leia mais

(18/04/2008) (EU): OIE BB (VC): OIIIIIIIIIIIIIII (EU): TUDO CERTO (VC): TUDO CERTIN.. (EU): CONSEGUINDO LEVAR A VIDA REAL A SERIO AGORA?

(18/04/2008) (EU): OIE BB (VC): OIIIIIIIIIIIIIII (EU): TUDO CERTO (VC): TUDO CERTIN.. (EU): CONSEGUINDO LEVAR A VIDA REAL A SERIO AGORA? (18/04/2008) (EU): OIE BB (VC): OIIIIIIIIIIIIIII (EU): TUDO CERTO (VC): TUDO CERTIN.. (EU): CONSEGUINDO LEVAR A VIDA REAL A SERIO AGORA? (VC): HUAHSUASHUAHSUAHSUA SEI LÁ (EU): ENTENDO TUDO NO REAL TA DESABANDO

Leia mais

Stª Maria da Feira/ Carcavelos Grau de escolaridade + elevada

Stª Maria da Feira/ Carcavelos Grau de escolaridade + elevada 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 Identificação M10 Duração da entrevista 44:40 Data da entrevista Idade 1944 (67) Local de nascimento/residência Stª Maria da Feira/

Leia mais

A paz já lá está A paz já lá está, Página 1

A paz já lá está A paz já lá está, Página 1 A paz já lá está! A paz já lá está, Página 1 A minha mensagem é muito, muito simples. Muitas pessoas vêm ouvir-me e sentam-se aí, meio tensas: "O que é que eu vou ouvir?" E eu digo-lhes sempre: "Relaxem."

Leia mais

como diz a frase: nois é grossa mas no fundo é um amor sempre é assim em cima da hora a pessoa muda numa hora ela fica com raiva, triste, feliz etc.

como diz a frase: nois é grossa mas no fundo é um amor sempre é assim em cima da hora a pessoa muda numa hora ela fica com raiva, triste, feliz etc. SEGUIR EM FRENTE seguir sempre em frente, nunca desistir dos seus sonhos todos nós temos seu nivel ou seja todos nós temos seu ponto fraco e siga nunca desistir e tentar até voce conseguir seu sonho se

Leia mais

Fui à biblioteca tentar escolher. Um bom livro para ler. Mas era difícil descobrir. Aquele que me ia surpreender! Desisti da ideia de procurar

Fui à biblioteca tentar escolher. Um bom livro para ler. Mas era difícil descobrir. Aquele que me ia surpreender! Desisti da ideia de procurar Fui à biblioteca tentar escolher Um bom livro para ler Mas era difícil descobrir Aquele que me ia surpreender! Desisti da ideia de procurar E vim cá para fora brincar. Os meus amigos riam-se de mim E eu

Leia mais

Um ato de amor sonhador ao mundo

Um ato de amor sonhador ao mundo Um ato de amor sonhador ao mundo Este livro esta aberto para qualquer idade, pois relata uma historia de amor com a nossa sociedade, uma garotinha de 09 anos de idade busca fazer a diferença sempre dando

Leia mais

MADAME SILMARA- um, dois, três, quarto, cinco, seis, sete, oito, nove dez JOANA-Não precisa mais tirar as cartas.

MADAME SILMARA- um, dois, três, quarto, cinco, seis, sete, oito, nove dez JOANA-Não precisa mais tirar as cartas. DIÁLOGOS: 00.01.32 MADAME SILMARA- um, dois, três, quarto, cinco, seis, sete, oito, nove dez. 00.02.02 JOANA-Não precisa mais tirar as cartas. 00.02.03 MADAME SILMARA - Não? 00.02.04 JOANA -Não. A senhora

Leia mais

Integração entre Serviços e Benefícios. VI Seminário Estadual de Gestores e trabalhadores da Política de Assistência Social Santa Catariana/ 2015

Integração entre Serviços e Benefícios. VI Seminário Estadual de Gestores e trabalhadores da Política de Assistência Social Santa Catariana/ 2015 Integração entre Serviços e Benefícios VI Seminário Estadual de Gestores e trabalhadores da Política de Assistência Social Santa Catariana/ 2015 A desproteção e a vulnerabilidade são multidimensionais

Leia mais

SUGESTÃO DE LITURGIA PARA O DOMINGO DE RAMOS E O DIA DO/A PASTOR/A 2014.

SUGESTÃO DE LITURGIA PARA O DOMINGO DE RAMOS E O DIA DO/A PASTOR/A 2014. SUGESTÃO DE LITURGIA PARA O DOMINGO DE RAMOS E O DIA DO/A PASTOR/A 2014. Adoração Acolhida Leitura Bíblica: Zacarias 9.9; 16-17. Sugestões de Cânticos: - HE 105 - Louvemos ao Senhor [Ademar de Campos]-

Leia mais

Fichas de Português. Bloco V. Estruturas Gramaticais. Números cardinais ; 101 a Количественные числительные... Numerale cardinale...

Fichas de Português. Bloco V. Estruturas Gramaticais. Números cardinais ; 101 a Количественные числительные... Numerale cardinale... Fichas de Português Bloco V Estruturas Gramaticais Números cardinais ; 101 a 1 000 000 000. Количественные числительные... Numerale cardinale... Preposição + pronomes pessoais. Пpeдлoг + мecтoимeниe. Prepoziţii

Leia mais

Nº 38B- 32º Domingo do Tempo Comum

Nº 38B- 32º Domingo do Tempo Comum Nº 38B- 32º Domingo do Tempo Comum-8.11.2015 Vimos hoje como Jesus deu um grande elogio a uma pessoa pobre, a quem ninguém dava importância: a viúva que pôs na caixa das esmolas duas pequenas moedas. Como

Leia mais

A Patricinha. Ninguém é realmente digno de inveja, e tantos são dignos de lástima! Arthur Schopenhauer

A Patricinha. Ninguém é realmente digno de inveja, e tantos são dignos de lástima! Arthur Schopenhauer Roleta Russa 13 A Patricinha Ninguém é realmente digno de inveja, e tantos são dignos de lástima! Arthur Schopenhauer Oi. Eu sou a Patrícia. Prazer. Você é?... Quer sentar? Aceita uma bebida, um chá, um

Leia mais

Aprender a comer bem

Aprender a comer bem Aprender a comer bem 3 Todos os dias os Cufitas vão para escola aprender coisas novas. Aprender a ler, a escrever e no recreio brincam com os amigos. Um dia no recreio, encontraram o João a chorar e perguntaram-lhe:

Leia mais

Presente de Aniversário Vanessa Sueroz

Presente de Aniversário Vanessa Sueroz 2 Autor: Vanessa Sueroz Publicação: Novembro/2013 Edição: 1 ISBN: 0 Categoria: Livro nacional Romance Juvenil Designer: Rodrigo Vilela Leitora Crítica: Ka Alencar Disponível para Prévia do livro Contato:

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 12 por

Leia mais

PB Episódio Oferta Nível I Iniciação (A1-A2) Texto: Marta Costa e Catarina Stichini Voz: Marta Costa BEIJO OU NÃO BEIJO?

PB Episódio Oferta Nível I Iniciação (A1-A2) Texto: Marta Costa e Catarina Stichini Voz: Marta Costa BEIJO OU NÃO BEIJO? PB Episódio Oferta Nível I Iniciação (A1-A2) Texto: Marta Costa e Catarina Stichini Voz: Marta Costa BEIJO OU NÃO BEIJO? Vou visitar uns amigos brasileiros e não sei bem como fazer. Vi nas novelas que

Leia mais

o casamento do fazendeiro

o casamento do fazendeiro o casamento do fazendeiro ERA uma fez um fazendeiro que ele sempre dia mania de ir na cidade compra coisas mais ele tinha mania de ir sempre de manha cedo um dia ele acordou se arrumou e foi pra cidade,

Leia mais

No princípio Deus criou o céu e a terra

No princípio Deus criou o céu e a terra No princípio Deus criou o céu e a terra No início Deus criou céu e terra. Ele sempre pensou em todos nós e impulsionado pelo seu grande amor, Deus quis criar o mundo. Como um pai e uma mãe que preparam

Leia mais

-Oi Vô! Vamos pra água? -Calma! Ainda tem que pintar a canoa!

-Oi Vô! Vamos pra água? -Calma! Ainda tem que pintar a canoa! Sabedoria do mar Pesquisa: Fábio G. Daura Jorge, Biólogo. Leonardo L. Wedekin, Biólogo. Natália Hanazaki, Ecóloga. Roteiro: Maurício Muniz Fábio G. Daura Jorge Ilustração: Maurício Muniz Apresentação Esta

Leia mais

A Procura. de Kelly Furlanetto Soares

A Procura. de Kelly Furlanetto Soares A Procura de Kelly Furlanetto Soares Peça escrita durante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR. Teatro Guaíra, sob orientação de Andrew Knoll, no ano de 2012. 1 Cadeiras dispostas como se

Leia mais

Reportório de Janeiras do Grupo Coral Paroquial Letras: Henriqueta Santos / Maria do Carmo Lomba

Reportório de Janeiras do Grupo Coral Paroquial Letras: Henriqueta Santos / Maria do Carmo Lomba Reportório de Janeiras do Grupo Coral Paroquial Letras: Henriqueta Santos / Maria do Carmo Lomba "Vimos Cantar as Janeiras" Música: "mãe querida, mãe querida" Feliz de quem, Nos quer ouvir, P'ra começar

Leia mais

Às vezes me parece que gosto dele, mas isso não é sempre. Algumas coisas em meu irmão me irritam muito. Quando ele sai, por exemplo, faz questão de

Às vezes me parece que gosto dele, mas isso não é sempre. Algumas coisas em meu irmão me irritam muito. Quando ele sai, por exemplo, faz questão de Às vezes me parece que gosto dele, mas isso não é sempre. Algumas coisas em meu irmão me irritam muito. Quando ele sai, por exemplo, faz questão de sair sozinho. E me chama de pirralho, o que me dá raiva.

Leia mais

Nº 40 B Cristo Rei do Universo CRISTO REI

Nº 40 B Cristo Rei do Universo CRISTO REI Nº 40 B Cristo Rei do Universo 22.11.2015 CRISTO REI Hoje é a festa de Cristo-Rei, em que nos lembramos que Jesus Cristo é Rei de todo o Universo, junto com Deus Pai. Como Jesus disse a Pilatos, o Seu

Leia mais

Uma Boa Prenda. Uma boa prenda a ofertar É a doação do amor É estar pronto a ajudar Quem vive com uma dor.

Uma Boa Prenda. Uma boa prenda a ofertar É a doação do amor É estar pronto a ajudar Quem vive com uma dor. Uma Boa Prenda Uma boa prenda a ofertar É a doação do amor É estar pronto a ajudar Quem vive com uma dor. Prenda essa que pode Ser dada por um qualquer Seja rico ou seja pobre Simples homem ou mulher.

Leia mais

GRELHA DE ANÁLISE DA ENTREVISTA EFETUADA À FUNCIONÁRIA C. A entrevistada tem 31 anos e é casada. Tem o 12º ano de escolaridade.

GRELHA DE ANÁLISE DA ENTREVISTA EFETUADA À FUNCIONÁRIA C. A entrevistada tem 31 anos e é casada. Tem o 12º ano de escolaridade. GRELHA DE ANÁLISE DA ENTREVISTA EFETUADA À FUNCIONÁRIA C CATEGORIAS DE ANÁLISE Caracterização sociodemográfica Idade Sexo Estado civil Grau de escolaridade / habilitações Experiência profissional Função

Leia mais

Script de Ligação Ativa. Saiba como ligar para os seus contatos e gerar agendamentos para realizar uma apresentação de negócio.

Script de Ligação Ativa. Saiba como ligar para os seus contatos e gerar agendamentos para realizar uma apresentação de negócio. Script de Ligação Ativa. Saiba como ligar para os seus contatos e gerar agendamentos para realizar uma apresentação de negócio. Script de Ligação ativa. Temas. Como ligar para os seus amigos?. Como ligar

Leia mais

Que Nevão! Teresa Dangerfield

Que Nevão! Teresa Dangerfield Que Nevão! Teresa Dangerfield Que Nevão! Teresa Dangerfield Mamã, Mamã, está tudo branquinho lá fora! gritou o Tomás muito contente assim que se levantou e espreitou pela janela. Mariana, vem ver depressa!

Leia mais

GJI 2 - Jardim de Infância da Figueira - 22 alunos de 4 e 5 anos - 19 de Maio

GJI 2 - Jardim de Infância da Figueira - 22 alunos de 4 e 5 anos - 19 de Maio GJI 2 - Jardim de Infância da Figueira - 22 alunos de 4 e 5 anos - 19 de Maio Monitora 1 Onde é que nós estamos? Alunos 1 Na Fábrica. Monitora 2 Mas em que espaço? Ora reparem à vossa volta. Alunos 2 Numa

Leia mais

João Pedro Pinto Moreira 4º Ano EB1 Azenha Nova. A Pequena Diferença

João Pedro Pinto Moreira 4º Ano EB1 Azenha Nova. A Pequena Diferença João Pedro Pinto Moreira 4º Ano EB1 Azenha Nova A Pequena Diferença Era uma vez um menino chamado Afonso que nasceu no primeiro dia do ano de 2000. Era uma criança muito desejada por toda a família, era

Leia mais

Tânia Abrão. Coração de Mãe. Coração De Mãe

Tânia Abrão. Coração de Mãe. Coração De Mãe Coração de Mãe Coração De Mãe Página 1 Coração De Mãe 1º Edição Agosto de 2013 Página 2 Coração De Mãe 1º Edição È proibida à reprodução total ou parcial desta obra, por Qualquer meio e para qualquer fim

Leia mais

musas TAMBÉM PODE SER UMA MULHER GQ. DESPE-SE DE PRECONCEITOS E MOSTRA ANA HUGO, EX-CONCORRENTE QUE UMA MULHER COM CURVAS DO PROGRAMA PESO PESADO,

musas TAMBÉM PODE SER UMA MULHER GQ. DESPE-SE DE PRECONCEITOS E MOSTRA ANA HUGO, EX-CONCORRENTE QUE UMA MULHER COM CURVAS DO PROGRAMA PESO PESADO, musas ANA HUGO, EX-CONCORRENTE DO PROGRAMA PESO PESADO, DESPE-SE DE PRECONCEITOS E MOSTRA QUE UMA MULHER COM CURVAS TAMBÉM PODE SER UMA MULHER GQ. TEXTO RITA DE LA BLÉTIÈRE. "Qualquer mulher pode ser sexy,

Leia mais

Uma Aflição Imperial.

Uma Aflição Imperial. Uma Aflição Imperial. Amanda Silva C. Prefácio Uma aflição Imperial conta a história de uma garota chamada Anna que é diagnosticada com tipo raro de câncer leucemia sua mãe é paisagista e tem apenas um

Leia mais

Identificação. FL14 Duração da entrevista 31:10 Data da entrevista Ano de nascimento (Idade) 1973 (39) Local de nascimento/residência

Identificação. FL14 Duração da entrevista 31:10 Data da entrevista Ano de nascimento (Idade) 1973 (39) Local de nascimento/residência 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 Identificação FL14 Duração da entrevista 31:10 Data da entrevista 2-3-2013 Ano de nascimento (Idade) 1973 (39) Local de nascimento/residência

Leia mais

Escala de Autodeterminação (versão para adolescentes e adultos)

Escala de Autodeterminação (versão para adolescentes e adultos) Escala de Autodeterminação (versão para adolescentes e adultos) Original de Wehmeyer & Kelchner (1995) e adaptado por Torres e Santos (2014) Nome: Género: F M Data de nascimento: / / Idade: anos Data de

Leia mais

Meninos e Meninas Brincando

Meninos e Meninas Brincando Meninos e Meninas Brincando J. C. Ryle "As praças da cidade se encherão de meninos e meninas, que nelas brincarão." (Zc.8:5) Queridas crianças, o texto acima fala de coisas que acontecerão. Deus está nos

Leia mais

Este é o vosso tempo Este é o vosso tempo, Página 1

Este é o vosso tempo Este é o vosso tempo, Página 1 Este é o vosso tempo! Este é o vosso tempo, Página 1 Há uma coisa muito simples de que quero falar. Eu sei que as pessoas vieram para ouvir falar de paz. Já lá irei. Porque isso não é difícil, isso é fácil.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e São João dos Montes. BECRE Soeiro Pereira Gomes

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e São João dos Montes. BECRE Soeiro Pereira Gomes Após teres lido a obra de António Mota, Pedro Alecrim, assinala com uma cruz X, de acordo com a referida obra, a opção correta em cada uma das seguintes afirmações. 1 Pedro e alguns colegas fazem parte

Leia mais

*veio para Lisboa com 1 ano Entrevista é interrompida 1 vez

*veio para Lisboa com 1 ano Entrevista é interrompida 1 vez 1 Identificação FL06 Duração da entrevista 28:24 Data da entrevista 24-09-2012 Ano de nascimento (Idade) 1974 (38) Local de nascimento/residência Moçambique*/Lisboa Grau de escolaridade mais elevado Licenciatura,

Leia mais

1.º C. 1.º A Os livros

1.º C. 1.º A Os livros 1.º A Os livros Os meus olhos veem segredos Que moram dentro dos livros Nas páginas vive a sabedoria, Histórias mágicas E também poemas. Podemos descobrir palavras Com imaginação E letras coloridas Porque

Leia mais

A MULHER VESTIDA DE PRETO

A MULHER VESTIDA DE PRETO A MULHER VESTIDA DE PRETO Uma Mulher abre as portas do seu coração em busca de uma nova vida que possa lhe dar todas as oportunidades, inclusive de ajudar a família. Ela encontra nesse caminho a realização

Leia mais

Oi muito trabalho e o beija flor Henrique e Juliano Part de um amigo meu que tem que ser meio complicado pra mim é o que paresce que não vai dar

Oi muito trabalho e o beija flor Henrique e Juliano Part de um amigo meu que tem que ser meio complicado pra mim é o que paresce que não vai dar Eu desajeitado Oi muito trabalho e o beija flor Henrique e Juliano Part de um amigo meu que tem que ser meio complicado pra mim é o que paresce que não vai dar certo se ele tá impondo muita ele n tá respeitando

Leia mais

A Professora de Horizontologia

A Professora de Horizontologia A Professora de Horizontologia Já tinha parado a chuva e Clara Luz estava louca que a Gota voltasse. Felizmente a Fada-Mãe veio com uma novidade: Minha filha, hoje vem uma professora nova. Você vai ter

Leia mais

manhã a minha irmã Inês vai ter o seu primeiro dia de escola. Há mais de uma semana que anda muito irrequieta e não para de me fazer perguntas,

manhã a minha irmã Inês vai ter o seu primeiro dia de escola. Há mais de uma semana que anda muito irrequieta e não para de me fazer perguntas, 5 6 manhã a minha irmã Inês vai ter o seu primeiro dia de escola. Há mais de uma semana que anda muito irrequieta e não para de me fazer perguntas, sempre a incomodar-me. Por vezes, eu divirto-me a responder.

Leia mais

A fé. Deus. acredita em. Porque é que. Se algumas pessoas não acreditam. nem toda a gente

A fé. Deus. acredita em. Porque é que. Se algumas pessoas não acreditam. nem toda a gente A fé Porque é que nem toda a gente acredita em Deus? A fé Se algumas pessoas não acreditam em Deus, é talvez porque ainda não encontraram crentes felizes que tivessem vontade de dar testemunho da sua fé.

Leia mais

Projectos de vida de jovens com baixas qualificações escolares

Projectos de vida de jovens com baixas qualificações escolares Fórum de Pesquisas CIES 2008 Desigualdades Sociais em Portugal Projectos de vida de jovens com baixas qualificações escolares Maria das Dores Guerreiro (coord.) Frederico Cantante Margarida Barroso 1 Projecto

Leia mais

Alimentação com Saúde e Diversão. Porque comer de forma saudável não precisa ser complicado!

Alimentação com Saúde e Diversão. Porque comer de forma saudável não precisa ser complicado! Alimentação com Saúde e Diversão Porque comer de forma saudável não precisa ser complicado! Diz o ditado que A SAÚDE COMEÇA PELA BOCA. É por isso que uma de nossas primeira iniciativas é a de ajudar as

Leia mais

PETRA NASCEU COMO TODAS AS CRIANÇAS. ERA UMA

PETRA NASCEU COMO TODAS AS CRIANÇAS. ERA UMA A menina PETRA NASCEU COMO TODAS AS CRIANÇAS. ERA UMA menina alegre e muito curiosa. O que a diferenciava das outras crianças é que desde muito pequenina ela passava horas na Floresta do Sol conversando

Leia mais

VALORES RESPONSABILIDADE 11 SOLIDARIEDADE 1 RESPEITO 19 PERSEVERENÇA 2 HUMILDADE 4 AMOR AO PRÓXIMO 2 CARATER 5 FÉ 2 MORAL 3 SABER OUVIR 1

VALORES RESPONSABILIDADE 11 SOLIDARIEDADE 1 RESPEITO 19 PERSEVERENÇA 2 HUMILDADE 4 AMOR AO PRÓXIMO 2 CARATER 5 FÉ 2 MORAL 3 SABER OUVIR 1 Vilhena/Rondônia VALORES RESPONSABILIDADE 11 SOLIDARIEDADE 1 RESPEITO 19 PERSEVERENÇA 2 HUMILDADE 4 AMOR AO PRÓXIMO 2 CARATER 5 FÉ 2 MORAL 3 SABER OUVIR 1 DIGNIDADE 2 COMPROMISSO 2 ÉTICA 3 HONESTIDADE

Leia mais

É Maria quem nos convida a refletir e guardar no coração a

É Maria quem nos convida a refletir e guardar no coração a É Maria quem nos convida a refletir e guardar no coração a vida e projeto de seu FILHO. A missão dela era nos dar Jesus e fez isso de maneira ímpar. Vamos refletir nos fatos na vida de Jesus onde ELA está

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O FILHO PRÓDIGO

Bíblia para crianças. apresenta O FILHO PRÓDIGO Bíblia para crianças apresenta O FILHO PRÓDIGO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido por: Bible for Children www.m1914.org

Leia mais

FAÇA A SUA ESCOLHA JOSUÉ

FAÇA A SUA ESCOLHA JOSUÉ Filho está na hora de ir à igreja, vamos! Você já leu sua Bíblia hoje? Então, vamos logo. FAÇA A SUA ESCOLHA JOSUÉ 24.14-16 Talvez você também vá à igreja ou leia a Bíblia porque sua mãe (ou alguém outro)

Leia mais

QUANDO EU TINHA VOCÊ!

QUANDO EU TINHA VOCÊ! QUANDO EU TINHA VOCÊ! Local: Salvador(BA) Data: 02/02/1997 Estúdio:24/12/10 Estilo:Forró arrastapé Tom: C//(Dó sustenido) QUANDO EU TINHA VOCÊ A VIDA ERA TÃO BOA HOJE QUE TE PERDI VIVO COMO UM À TOA. VOCÊ

Leia mais

É Preciso Saber Viver

É Preciso Saber Viver É Preciso Saber Viver Quem espera que a vida Seja feita de ilusão Pode até ficar maluco Ou morrer na solidão É preciso ter cuidado Pra mais tarde não sofrer É preciso saber viver Toda pedra no caminho

Leia mais

Já parou para pensar para onde ele vai? Em que você gasta mais?

Já parou para pensar para onde ele vai? Em que você gasta mais? Bem-vindo(a) ao módulo 1: Cuidando do caixa. Aqui estudaremos sobre como se faz o preenchimento da Planilha de Controle de Caixa e sobre a importância do uso do Controle de Caixa para a adequada gestão

Leia mais

ANTES NUNCA, DO QUE TARDE DEMAIS! Obra Teatral de Carlos José Soares

ANTES NUNCA, DO QUE TARDE DEMAIS! Obra Teatral de Carlos José Soares AN O ANTES NUNCA, DO QUE TARDE DEMAIS! Obra Teatral de Carlos José Soares o Literária ata Soares OC. ento Social. Dois casais discutem a vida conjugal, sofrendo a influências mútuas. Os temas casamento,

Leia mais

Sara Borges. Ilustrado por: João Horta

Sara Borges. Ilustrado por: João Horta Sara Borges Ilustrado por: João Horta Título: Dislexia Autor: Sara Borges Ilustração: João Horta 1º Edição: Novembro 2012 ISNB: 978-3-16-148410-0 Porto Editora Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto Eu

Leia mais

Chordbook Baden Powell

Chordbook Baden Powell Chordbook Baden Powell Last update: Fri, 17/Dec/2010 http://my.andreanjos.org/music/artist/35/pdf/ Downloaded on Mon, 09/Jan/2017 http://my.andreanjos.org Table of Contents Canto de Ossanha...................................

Leia mais

SOE - Serviço de Orientação Educacional

SOE - Serviço de Orientação Educacional SOE - Serviço de Orientação Educacional Projeto Aprendendo a Ser para Aprender a Conviver Tema: Amizade e Conflito 3º AT Marise Miranda Gomes - Orientadora Educacional - Psicopedagoga Clínica e Institucional

Leia mais

Nº 5 C Natal e Sagrada Família

Nº 5 C Natal e Sagrada Família Nº 5 C Natal e Sagrada Família Esta semana celebramos nascimento de Jesus, no dia de Natal e depois a festa da Sagrada Família. A Sagrada Família é composta por Maria, José e o Menino Jesus. A Sagrada

Leia mais

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Psicografias Julho de 2014 Sumário Rogério Santos Costa... 2 Michele Pereira da Silva... 3 Paulo Soares... 4 Djalma Ferreira... 5 Antenor da

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 1. NOME: 2. DITADO DE UMA LISTA DE PALAVRAS

LÍNGUA PORTUGUESA 1. NOME: 2. DITADO DE UMA LISTA DE PALAVRAS LÍNGUA PORTUGUESA 1. NOME: 2. DITADO DE UMA LISTA DE PALAVRAS A PROFESSORA DA 2ª SÉRIE ESCREVEU UMA LISTA DE MATERIAIS QUE OS ALUNOS PRECISAM LEVAR PARA A ESCOLA: 3. ESCRITA DE UM TRECHO DE UMA CANTIGA

Leia mais

ANEXO 12A Protocolo da Entrevista à Catarina (Mãe do Miguel) FASE 1 TRANCRIÇÃO DE ENTREVISTA E4

ANEXO 12A Protocolo da Entrevista à Catarina (Mãe do Miguel) FASE 1 TRANCRIÇÃO DE ENTREVISTA E4 ANEXO 12A Protocolo da Entrevista à Catarina (Mãe do Miguel) FASE 1 TRANCRIÇÃO DE ENTREVISTA E4 Duração da entrevista: 40 minutos C 1 - Não sei se a Lurdes lhe disse. Eu no ano passado estive doente (

Leia mais

Leitura e Mediação Pedagógica

Leitura e Mediação Pedagógica Protocolo Colaborador: 23 Leitura e Mediação Pedagógica S. Pesquisador: Helen Danyane Soares Caetano de Souza 04-set-10 Dentro de casa tem Transcrição (1) P: Bom dia S.? (2) C: Bom dia. (3) P: Tudo bem?

Leia mais

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL)

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) Professor (a): NOME DO LIVRO: O MUNDINHO DE BOAS ATITUDES AUTOR:INGRID BIESEMEYER BELLINGHAUSEN Competências Perceber a importância do auto respeito. Desenvolver o senso critico.

Leia mais

Nº 35 C Domingo XXX do Tempo Comum

Nº 35 C Domingo XXX do Tempo Comum Nº 35 C Domingo XXX do Tempo Comum-27.10.13 Se eu for como o fariseu, rezo só a falar em mim: EU...EU...EU... Eu, Senhor, sou o melhor de todos. Eu não sou mentiroso, como os meus colegas. Eu digo bom-dia

Leia mais

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos Metamorfose IDENTIDADES Metamorfose Nome:Stefany Santos ÍNDICE O que significa metamorfose? O que significa metamorfose ambulante? Indagações Metamorfose Frase Citação Musica Considerações finais Dedicado

Leia mais

A6- Boomwhackers. Eu- boomwhackers, mais? Tu consideras que aprendeste alguma coisa nova? A4 Aprender de novo acho que só, talvez algumas técnicas a

A6- Boomwhackers. Eu- boomwhackers, mais? Tu consideras que aprendeste alguma coisa nova? A4 Aprender de novo acho que só, talvez algumas técnicas a Entrevista 4 Alunos entrevistados: Aluno 1- Inês Bártolo Aluno 2 Inês Bento Aluno 3- João Duarte Aluno 4-Miguel Coelho Aluno 5- Daniel Silva Aluno 6- Diogo Marques Eu Antes de mais quero saber se vocês

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO. (A preencher pelo aluno) (A preencher pelo professor) Nível:

ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO. (A preencher pelo aluno) (A preencher pelo professor) Nível: ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO Teste de Diagnóstico PPT (Português para Todos) 8 Páginas Duração: 90 minutos janeiro de 2016 (A preencher pelo aluno) Nome: (Indique o seu nome e apelido) Data:

Leia mais