Elementos de Matemática Finita

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elementos de Matemática Finita"

Transcrição

1 Elementos de Matemática Finita Exercícios Resolvidos 1 - Algoritmo de Euclides; Indução Matemática; Teorema Fundamental da Aritmética 1. Considere os inteiros a 406 e b 654. (a) Encontre d mdc(a,b), o máximo divisor comum entre a e b. (b) Encontre inteiros x e y, que satisfaçam a identidade de Bézout ax + by d. (c) Resolva a equação diofantina ax + by 10, com x, y inteiros e y > 0. (d) É possível resolver a equação ax + by 184 com x,y inteiros? Resolução: (a) Para determinar o mdc, usamos o algoritmo de Euclides, fazendo sucessivas divisões com resto: Logo mdc(406,654) mdc(654,444) mdc(18,6) 6. (b) Vamos usar o desenvolvimento do algoritmo de Euclides na alínea (a) para obter uma identidade da forma ax + by 6. Assim, escrevemos: ( 1) ( 1) (10 8 4) ( 1) ( 1) (444 10) ( 19) ( 19) ( ) ( 19) ( 19) ( ) ( 103) 654. Assim, (x, y) (8, 103) é uma solução. (c) Para resolver a equação ax+by 10 primeiro verificamos que 6 é divisor 1

2 de 10. De facto, Como a, b e c 10 são todos divisíveis por 6, a equação dada é equivalente a x y x + 109y 17. A identidade da alínea (a) mostra que x : 8, y : 103 é solução da equação 401x + 109y 1 (pois esta última equivale a 406x + 654y 6). Assim, (x 0,y 0 ) : (17 (8),17 ( 103))) (476, 1751) é solução da equação pedida. No entanto, a coordenada y é negativa. Para encontrar uma outra solução com y positivo, usamos o facto de que todas as soluções de 401x + 109y 17 (note-se que 401 e 109 são primos entre si) são dadas por (x k,y k ) (x k, y 0 401k), k Z. Assim, basta encontrar k inteiro de modo a ter k positivo. Temos que ter k 5. Por exemplo, com k 5, obtemos (x k,y k ) ( 69,54). [Verificação: 401 ( 69) ] (d) Como 184/ , 6 não é divisor de 184, pelo que a equação dada não tem soluções inteiras.. Mostre as seguintes propriedades da relação de divisibilidade, com a,b Z: (a) Para todos os inteiros a,k, temos a ka; (b) Se a b para todo o a Z, então b 0; Se a b para todo o b Z, então a ±1; (c) Sejam a, b Z. Se a b e b a então a b ; Resolução: (a) Sejam a,k Z. Por definição a ka q Z tal que ka qa. Esta afirmação é válida com q : k, pelo que a ka verifica-se sempre. (b) A expressão a b a Z, significa, por definição, que b é um inteiro tal que, para todo a inteiro, existe q Z, tal que b qa. Seja a > b > 0; Então a b é impossível (pois para isso teríamos q b a, que não é inteiro). Seja 0 > b > a; então novamente, a b é impossível (pela mesma razão). Assim, b só pode ser 0. De facto, com b 0 basta escolher q 0 para termos 0 0 a para todo o a Z. A expressão a b b Z, significa, por definição, que a é um inteiro tal que, para todo b inteiro, existe q Z, tal que b qa. Seja a um número natural maior que 1. Então a + 1 N e a não divide a + 1, pois o resto da divisão de a + 1 por a é 1. Se a 0 não há forma de encontrar q para resolver a equação b q 0 com b 0. Mas se a 1, dado b Z temos sempre 1 b pois existe q Z (de facto, q : b) tal que b q 1. Assim, se a N, a única hipótese é a 1. Do mesmo modo, se a N, verifica-se que a única hipótese é a 1. (c) Sejam a,b positivos. Então a b e b a implica que a b e b a respectivamente. Logo a b. Se a é positivo e b negativo, seja c b. Aplicando o raciocínio anterior, temos a b. Os outros casos são análogos, pelo que se sempre se conclui que a b. 3. Mostre ou indique um contra-exemplo para as seguintes afirmações:

3 (a) Sejam a, b, c Z. Se a bc então a b ou a c; (b) Sejam a,b,q,r Z tais que a bq + r. Então (a,b) (b,r); (c) Sejam m e n naturais cujas factorizações em primos não contém primos em comum. Então mdc(m,n) 1. (d) Sejam a,b Z. Se mdc(a,b) d então mdc( a d, b d ) 1. (e) Para a,b Z, e k N, temos mdc(ka,kb) k mdc(a,b). Resolução: (a) A afirmação é falsa em geral. Por exemplo, se a 6, b 3 e c 4 temos que a bc pois 6 1. No entanto, 6 não divide nem 3, nem 4. A afirmação é verdadeira nos casos em que a é primo (visto nas aulas), ou em que (b,c) 1 (ver o problema seguinte). (b) Seja d (a,b). Então d a e d b. Logo, d (a bq) pelo que d r. Logo d é um divisor comum a r e a b. Seja c um outro inteiro que divide b e r simultaneamente. Então também divide a bq + r. Como c divide a e b, então divide d (por definição de d (a,b)). Assim, qualquer divisor comum a b e r divide d. Conclui-se então que d é o mdc de b e r. (c) Vamos supor que d m, com d > 1. Seja p um primo que divide d. Então, pela transitividade, p m. Logo, se um inteiro é divisível por d > 1, então existe pelo menos um primo que o divide. Seja d > 1 um divisor comum a m e n. Então, há um primo p que divide m e n simultaneamente. Sejam m p 1 p r e n q 1 q s as factorizações de m e n. Por hipótese, nenhum dos p s é igual a um dos q s. Mas p p 1 p r implica que p p i para algum i (estamos a considerar os p i s podem ser iguais). Da mesma forma p n significa que p q 1 q s implica p q j para algum j. Isto contradiz o facto de {p 1,,p r } {q 1,,q s }. Logo, apenas d 1 divide simultaneamente m e n. (d) Se (a,b) d então, pela aplicação do algoritmo de Euclides, existe solução inteira de ax + by d. Mas a/d e b/d são também inteiros e aquela equação é equivalente a a d x + b d y 1. Seja ( a d, b d ) c. Então temos c a d e c b d, e esta equação implica c 1. Mas isto quer dizer que c 1. (e) Seja d mdc(a,b). Então kd ka e kd kb, porque d a e d b. Logo kd é um divisor comum a ka e kb. Por outro lado, pela identidade de Bézout, é possível resolver a equação d ax + by, com x,y Z, equação que equivale a kd kax + kby. Consideremos c Z tal que c ka e c kb. Pela última equação c kd. Assim, por definição, kd é o máximo divisor comum entre ka e kb. 4. Seja ( ) n k n! k!(n k)! o coeficiente binomial, para n k 0. Por convenção, assumimos que, para outros valores inteiros de n e k, ( n k) 0. Mostre, por indução, que ( ) n k n 1 j0 ( ) j. 3

4 Resolução: Vamos fixar um k N. Seja P(n,k) a equação acima, que se pretende mostrar. Seja n k. Então, a equação fica ( ) n n n 1 ( j j0 n 1) ( n 1), (são n 1 parcelas nulas, quando j < n 1) que equivale a 1 1 (pois 0! 1). Assim, mostrámos o passo base da indução. Assumimos agora que a fórmula é válida para n k. Temos então: ( ) n + 1 (n + 1)! k k!(n + 1 k)! (n + 1 k)n! k!(n + 1 k)! + k n! k!(n + 1 k)! n! k!(n k)! + n! ()!(n + 1 k)! ( n k n j0 ) + ( n ( ) j, (n + 1)n! (n + 1 k)n! + k n! k!(n + 1 k)! k!(n + 1 k)! ) n 1 j0 ( j ) + ( ) n onde a hipótese de indução foi usada na igualdade da penúltima linha. 5. Seja n um natural e sejam b 1,,b n números reais positivos. Mostre, por indução, que a sua média aritmética é superior ou igual á sua média geométrica, isto é: b b n n (b 1 b n ) 1 n. Resolução: Para n 1 temos um número real b b 1. A desigualdade fica, b 1 (b)1 que é verdadeira. Assumimos agora que a desigualdade acima é válida para quaisquer b 1,,b n reais positivos. Consideremos então a 1,,a n+1 reais positivos arbitrários. Seja A : (a 1 a n+1 ) 1 ou seja A n+1 a 1 a n+1. Assim, existe pelo menos um par de índices distintos, i,j [n + 1] {1,,n + 1} tais que a i A a j > 0. Sem perda de generalidade, podemos assumir que esses índices são n e n + 1, ou seja, a n A a n+1 > 0. Isto significa que 0 1 A (a n A)(a n+1 A) a na n+1 A + A (a n + a n+1 ) (1) Seja b 1 : a 1,..., b n 1 : a n 1, mas agora b n : ana n+1 A. Então, usando a equação (1) na segunda linha: a a n+1 a a n 1 + a n + a n+1 a a n 1 + a na n+1 + A A b b n + A n(b 1 b n ) 1 n + A n(a 1 a n 1 a n a n+1 A ) 1 n + A n(a n+1 1 A ) 1 n + A na + A (n + 1)A (n + 1)(a 1 a n+1 ) 1 n+1 como queriamos provar (o passo de indução é usado na terceira linha). n+1, 4

5 6. Considere a seguinte afirmação, evidentemente falsa, em geral: P(n) : n k0 k n + n + 1. Vamos assumir que a proposição é válida para um dado natural n. Então n+1 n k (n+1)+ k n+1+ n + n + 1 k0 k0 n + 3n + 3 (n + 1) + (n + 1) + 1, que é a afirmação P(n+1). Uma vez que o princípio de indução foi correctamente aplicado, porque é que P(n) não é verdadeira para todo o natural n? Resolução: Porque não começámos a indução num certo P(n 0 ) que fosse verdadeiro. De facto, por exemplo P(1) significaria que 1 k0 k , o que é falso. Da mesma forma, P() é falsa, etc, pelo que não conseguimos encontrar o natural n 0 a partir do qual aplicar a indução. 7. Seja m p k 1 1 pkr r a factorização de m Z em primos distintos (todos os k i > 0), e d > 0. Então d m se e só a factorização de d é p l 1 1 p lr r com l i 0, i 1,,r. Resolução: Seja d divisor positivo de m. Seja p um primo que entra na factorização de d. Então p d logo, pela transitividade, p m ou seja, p p k 1 1 pkr r. Assim p p k i i para algum i 1,,r. Mas p p k i i equivale a p p i (como se verifica facilmente), ou seja p p i, para algum i. Concluímos que todos os primos que entram na factorização de d pertencem a {p 1,,p r }. É fácil de ver que p l 1 1 p lr r p k 1 1 pkr r sempre que 0 l i k i (pois p k 1 1 pkr r q p l 1 1 p lr r, para certo q Z). Reciprocamente, se l i > k i então p l i i não divide p k i i, e a conclusão segue uma vez que todos os primos nesta factorização foram considerados distintos (ou seja p i p j para i e j índices distintos entre 1 e r). 8. Seja φ a função de Euler. (a) Uma função f : N N diz-se multiplicativa se f(mn) f(m)f(n) sempre que m e n sejam primos entre si. Mostre que a função φ de Euler é multiplicativa. (b) Prove que, se p 1,,p r são os inteiros que dividem um dado natural m N, então ) ) φ(m) m (1 1p1 (1 1pr. Resolução: (a) Por definição, φ(n) S n, onde S n é o conjunto de naturais n que são primos com n. Sejam m, n dois naturais primos entre si, (m, n) 1. Vamos encontrar uma bijecção entre S mn e o produto cartesiano S m S n, o que basta para mostrar: φ(mn) S mn S m S n S m S n φ(m)φ(n). 5

6 Definimos então: ψ : S mn S m S n a (a m,a n ) onde, para cada a S mn, definimos a m [m] : {1,,m} e a n [n] como, respectivamente, o resto da divisão inteira de a por m, e o resto da divisão por n. Primeiro, verificamos que ψ está bem definida. De facto, se a S mn então (a, mn) 1. Logo, (a, m) 1 e (a, n) 1 (de verificação elementar, ou pelo teorema fundamental da aritmética). Pelo algoritmo de Euclides, (a,m) (m,a m ) (a,n) (n,a n ) 1. Assim, ψ está bem definida pois a m S m e a n S n. (Note-se que os casos a m 0 ou a n 0 não podem ocorrer). Vamos agora verificar que ψ é bijectiva. Para a sobrejectividade, seja (b,c) S m S n [m] [n]. Temos que encontrar a S mn tal que ψ(a) (b,c), ou seja (b,c), são os restos da divisão de algum a S mn por m e por n. Como m e n são primos, sabemos que a equação xm yn c b tem solução, para algum par de inteiros (x,y) Z. Assim, seja a : xm + b yn + c. () Podemos ver facilmente que a é primo com mn, ou seja (a,mn) 1 (o que se deixa ao leitor). Somando um múltiplo apropriado de mn, podemos garantir que a a + kmn [mn]. Assim, provámos que ψ é sobrejectiva. Suponhase agora que ψ(a) ψ(a ) (a m,a n ). Isso corresponde a encontrar outra solução da equação (). Como as soluções são parametrizadas por (x, y) (x 0 + kn,y 0 + km), quaisquer duas soluções a e a diferem por um múltiplo de mn, e concluimos que existe uma única solução em [mn] {1,, mn}. Assim, ψ é sobrejectiva e injectiva, pelo que é bijectiva, como pretendido. (b) Vamos usar os casos simples, em que sabemos φ(p k ) p k p k 1 quando p é primo (no caso de p k é fácil ver que os naturais p k que não são primos com p k são todos os múltiplos de p, de 1 até p k, e portanto são exactamente p k 1 números). Assim, seja m p k 1 1 pkr r a factorização de m em potências de primos. Usamos agora a propriedade multiplicativa da alínea (a), dado que (p k i i,pk j ) 1 sempre que i j. Temos então: como pretendido. j φ(nm) φ(p k 1 1 pkr r ) φ(p k 1 1 ) φ(pkr r ) (p k 1 1 pk 1 1 p k 1 1 pkr r m 1 ) (p kr r p kr 1 r ) ) ) (1 1p1 (1 1pr ) (1 1pr (1 1p1 ) 6

1 Congruências e aritmética modular

1 Congruências e aritmética modular 1 Congruências e aritmética modular Vamos considerar alguns exemplos de problemas sobre números inteiros como motivação para o que se segue. 1. O que podemos dizer sobre a imagem da função f : Z Z, f(x)

Leia mais

a = bq + r e 0 r < b.

a = bq + r e 0 r < b. 1 Aritmética dos Inteiros 1.1 Lema da Divisão e o Algoritmo de Euclides Recorde-se que a, o módulo ou valor absoluto de a, designa a se a N a = a se a / N Dados a, b, c Z denotamos por a b : a divide b

Leia mais

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que:

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que: Matemática Discreta 2008/09 Vítor Hugo Fernandes Departamento de Matemática FCT/UNL Axioma (Princípio da Boa Ordenação dos Números Naturais) O conjunto parcialmente (totalmente) ordenado (N, ), em que

Leia mais

Elementos de Matemática Finita ( ) Exercícios resolvidos

Elementos de Matemática Finita ( ) Exercícios resolvidos Elementos de Matemática Finita (2016-2017) Exercícios resolvidos Ficha 3-2. Em que classes de congruência mod 8 estão os quadrados perfeitos? 4926834923 poderá ser a soma de dois quadrados perfeitos? Resolução:

Leia mais

, com k 1, p 1, p 2,..., p k números primos e α i, β i 0 inteiros, as factorizações de dois números inteiros a, b maiores do que 1.

, com k 1, p 1, p 2,..., p k números primos e α i, β i 0 inteiros, as factorizações de dois números inteiros a, b maiores do que 1. Como seria de esperar, o Teorema Fundamental da Aritmética tem imensas consequências importantes. Por exemplo, dadas factorizações em potências primas de dois inteiros, é imediato reconhecer se um deles

Leia mais

Equações Diofantinas I

Equações Diofantinas I Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível Prof. Samuel Feitosa Aula 8 Equações Diofantinas I Exemplo 1. Em Gugulândia, o jogo de basquete é jogado com regras diferentes. Existem

Leia mais

1 Potências e raízes em Aritmética Modular. Seja p primo e a um inteiro primo com p; a aplicação

1 Potências e raízes em Aritmética Modular. Seja p primo e a um inteiro primo com p; a aplicação 1 Potências e raízes em Aritmética Modular 1.1 Os Teoremas de Fermat e Euler Seja p primo e a um inteiro primo com p; a aplicação Z /p Z /p, x ax definida pela multiplicação por a (ou mais precisamente

Leia mais

ALGORITMO DE EUCLIDES

ALGORITMO DE EUCLIDES Sumário ALGORITMO DE EUCLIDES Luciana Santos da Silva Martino lulismartino.wordpress.com lulismartino@gmail.com PROFMAT - Colégio Pedro II 25 de agosto de 2017 Sumário 1 Máximo Divisor Comum 2 Algoritmo

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA ARITMÉTICA RACIONAL (6/6) Carlos Luz. EST Setúbal / IPS Maio 2012

MATEMÁTICA DISCRETA ARITMÉTICA RACIONAL (6/6) Carlos Luz. EST Setúbal / IPS Maio 2012 MATEMÁTICA DISCRETA ARITMÉTICA RACIONAL (6/6) Carlos Luz EST Setúbal / IPS 21 27 Maio 2012 Carlos Luz (EST Setúbal / IPS) Aritmética Racional (6/6) 21 27 Maio 2012 1 / 15 Congruências Lineares De nição

Leia mais

O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE

O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE ANA PAULA CHAVES AND THIAGO PORTO 1. Introdução Os temas centrais deste texto - bases numéricas e critérios de divisibilidade

Leia mais

Matemática Discreta. Introdução à Teoria de Números - Exercícios 1 o ano /2011

Matemática Discreta. Introdução à Teoria de Números - Exercícios 1 o ano /2011 Lic. em Ciências da Computação Matemática Discreta Introdução à Teoria de Números - Exercícios 1 o ano - 2010/2011 1. Determine o quociente e o resto na divisão de: (a) 310156 por 197; (b) 32 por 45; (c)

Leia mais

Algoritmo de Euclides Estendido, Relação de Bézout e Equações Diofantinas. Tópicos Adicionais

Algoritmo de Euclides Estendido, Relação de Bézout e Equações Diofantinas. Tópicos Adicionais Algoritmo de Euclides Estendido, Relação de Bézout e Equações Diofantinas Relação de Bézout e Aplicações Tópicos Adicionais Algoritmo de Euclides Estendido, Relação de Bézout e Equações Diofantinas Relação

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL ENQ 2017.1 Gabarito Questão 01 [ 1,25 ] Determine as equações das duas retas tangentes à parábola de equação y = x 2 2x + 4 que passam pelo ponto (2,

Leia mais

Portal da OBMEP. Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano

Portal da OBMEP. Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano Material Teórico - Módulo de Divisibilidade MDC e MMC - Parte 1 Sexto Ano Autor: Prof. Angelo Papa Neto Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto 1 Máximo divisor comum Nesta aula, estudaremos métodos para

Leia mais

Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c.

Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c. Divisores Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c. Quando a é múltiplo de d dizemos também que a é divisível

Leia mais

Notas sobre os anéis Z m

Notas sobre os anéis Z m Capítulo 1 Notas sobre os anéis Z m Estas notas complementam o texto principal, no que diz respeito ao estudo que aí se faz dos grupos e anéis Z m. Referem algumas propriedades mais específicas dos subanéis

Leia mais

MDC, MMC, Algoritmo de Euclides e o Teorema de Bachet-Bézout

MDC, MMC, Algoritmo de Euclides e o Teorema de Bachet-Bézout Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 3 Carlos Gustavo Moreira Aula 3 MDC, MMC, Algoritmo de Euclides e o Teorema de Bachet-Bézout 1 mdc, mmc e Algoritmo de Euclides Dados

Leia mais

Tópicos de Matemática Elementar

Tópicos de Matemática Elementar Tópicos de Matemática Elementar 2 a série de exercícios 2004/05. A seguinte prova por indução parece correcta, mas para n = 6 o lado esquerdo é igual a 2 + 6 + 2 + 20 + 30 = 5 6, enquanto o direito é igual

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Inteiros e divisão Definição: Se a e b são inteiros com a 0, dizemos que a divide

Leia mais

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios

Análise I Solução da 1ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Matemática Análise I 0- Solução da ª Lista de Eercícios. ATENÇÃO: O enunciado

Leia mais

Soma de Quadrados. Faculdade de Matemática, UFU, MG

Soma de Quadrados. Faculdade de Matemática, UFU, MG Soma de Quadrados Stela Zumerle Soares 1 Antônio Carlos Nogueira (stelazs@gmailcom (anogueira@ufubr Faculdade de Matemática, UFU, MG 1 Resultados Preliminares Historicamente, um problema que tem recebido

Leia mais

Demonstração. Sabemosqueϕémultiplicativa. Poroutrolado,sen = p α pαm m é a fatoração canônica de n em primos então temos uma fórmula explícita

Demonstração. Sabemosqueϕémultiplicativa. Poroutrolado,sen = p α pαm m é a fatoração canônica de n em primos então temos uma fórmula explícita Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 3 Carlos Gustavo Moreira Aula 15 Funções multiplicativas e a função de Möbius 1 Funções Multiplicativas Umafunçãof definidasobren >0 éditamultiplicativa

Leia mais

Números Inteiros Algoritmo da Divisão e suas Aplicações

Números Inteiros Algoritmo da Divisão e suas Aplicações Números Inteiros Algoritmo da Divisão e suas Aplicações Diferentemente dos números reais (R), o conjunto dos inteiros (Z) não é fechado para a divisão. Esse não-fechamento faz com que a divisão entre inteiros

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I

Cálculo Diferencial e Integral I Cálculo Diferencial e Integral I Texto de apoio às aulas. Amélia Bastos, António Bravo Dezembro 2010 Capítulo 1 Números reais As propriedades do conjunto dos números reais têm por base um conjunto restrito

Leia mais

Algoritmo de Euclides Estendido, Relação de Bézout e Equações Diofantinas. O Algortimo de Euclides Estendido. Tópicos Adicionais

Algoritmo de Euclides Estendido, Relação de Bézout e Equações Diofantinas. O Algortimo de Euclides Estendido. Tópicos Adicionais Algoritmo de Euclides Estendido, elação de Bézout e Equações Diofantinas O Algortimo de Euclides Estendido Tópicos Adicionais Tópicos Adicionais O Algoritmo de Euclides Estendido 1 Exercícios Introdutórios

Leia mais

Projecto Delfos: Escola de Matemática Para Jovens 1 TEORIA DOS NÚMEROS

Projecto Delfos: Escola de Matemática Para Jovens 1 TEORIA DOS NÚMEROS Projecto Delfos: Escola de Matemática Para Jovens 1 A Teoria dos Números tem como objecto de estudo o conjunto Z dos números inteiros (a letra Z vem da palavra alemã Zahl que significa número). 1. DIVISIBILIDADE

Leia mais

Equações Diofantinas + = polinómios conhecidos polinómios desconhecidos

Equações Diofantinas + = polinómios conhecidos polinómios desconhecidos 23 Considere-se a equação Equações Diofantinas polinómios conhecidos polinómios desconhecidos Há soluções? Quantas soluções há para uma dada equação? Em geral, a equação pode ser definida num anel (exs.

Leia mais

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides 1 Máximo Divisor Comum Definição 1.1 Sendo a um número inteiro, D a indicará o conjunto de seus divisores positivos,

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

Equações Diofantinas II

Equações Diofantinas II Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível Prof. Samuel Feitosa Aula 1 Equações Diofantinas II Continuaremos nosso estudo das equações diofantinas abordando agora algumas equações

Leia mais

MATEMÁTICA 1 MÓDULO 2. Divisibilidade. Professor Matheus Secco

MATEMÁTICA 1 MÓDULO 2. Divisibilidade. Professor Matheus Secco MATEMÁTICA 1 Professor Matheus Secco MÓDULO 2 Divisibilidade 1. DIVISIBILIDADE 1.1 DEFINIÇÃO: Dizemos que o inteiro a é divisível pelo inteiro b (ou ainda que a é múltiplo de b) se existe um inteiro c

Leia mais

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense Curso Satélite de Matemática Sessão n.º 1 Universidade Portucalense Conceitos Algébricos Propriedades das operações de números reais Considerem-se três números reais quaisquer, a, b e c. 1. A adição de

Leia mais

Projecto Delfos: Escola de Matemática Para Jovens 1 Experiências com a Matemática Teoria dos Números

Projecto Delfos: Escola de Matemática Para Jovens 1 Experiências com a Matemática Teoria dos Números Projecto Delfos: Escola de Matemática Para Jovens 1 A teoria dos números (elementar) é no essêncial a teoria dos números inteiros Z = {..., 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3,...}. Encontram-se de entre os problemas

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 9. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema de Euler. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 9. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema de Euler. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 9 O Teorema de Euler Nesta aula, obteremos uma generalização do teorema de Fermat. Definição 1. Dado n N,

Leia mais

TEOREMA FUNDAMENTAL DA ARITMÉTICA: APLICAÇÕES

TEOREMA FUNDAMENTAL DA ARITMÉTICA: APLICAÇÕES 4. TEOREMA FUNDAMENTAL DA ARITMÉTICA: APLICAÇÕES 1). Achando os divisores de um número natural 2). Quantidade de divisores de um número natural 3). Decidindo se um número natural divide outro 4). Extrema

Leia mais

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012 NÚMEROS INTEIROS PROF. FRANCISCO MEDEIROS Álgebra Abstrata - Verão 2012 Faremos, nessas notas, uma breve discussão sobre o conjunto dos números inteiros. O texto é basicamente a seção 3 do capítulo 1 de

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA ARITMÉTICA RACIONAL (2/6) Carlos Luz. EST Setúbal / IPS Abril 2012

MATEMÁTICA DISCRETA ARITMÉTICA RACIONAL (2/6) Carlos Luz. EST Setúbal / IPS Abril 2012 MATEMÁTICA DISCRETA ARITMÉTICA RACIONAL (2/6) Carlos Luz EST Setúbal / IPS 16 22 Abril 2012 Carlos Luz (EST Setúbal / IPS) Aritmética Racional (2/6) 16 22 Abril 2012 1 / 15 Divisão Inteira Teorema Sendo

Leia mais

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores.

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores. Aula 5 Produto interno - Aplicações MÓDULO 1 - AULA 5 Objetivos Calcular áreas de paralelogramos e triângulos. Calcular a distância de um ponto a uma reta e entre duas retas. Determinar as bissetrizes

Leia mais

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 2. Divisibilidade. Carlos Shine

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 2. Divisibilidade. Carlos Shine XIX Semana Olímpica de Matemática Nível 2 Divisibilidade Carlos Shine O projeto da XIX Semana Olímpica de Matemática foi patrocinado por: Divisibilidade Carlos Shine 1 Alguns princípios básicos Combinação

Leia mais

Tópicos de Matemática. Teoria elementar de conjuntos

Tópicos de Matemática. Teoria elementar de conjuntos Tópicos de Matemática Lic. em Ciências da Computação Teoria elementar de conjuntos Carla Mendes Dep. Matemática e Aplicações Universidade do Minho 2010/2011 Tóp. de Matemática - LCC - 2010/2011 Dep. Matemática

Leia mais

A resolução desses problemas pode geralmente ser feita com o seguinte procedimento: Problemas de divisibilidade 1

A resolução desses problemas pode geralmente ser feita com o seguinte procedimento: Problemas de divisibilidade 1 Três VIPs da Teoria dos Números É claro, VIP significa Very Important Problems. Os problemas discutidos aqui, além de suas variações, são bastante comuns em Olimpíadas de Matemática e costumam ser resolvidos

Leia mais

Lógica Matemática - Indução

Lógica Matemática - Indução Lógica Matemática - Indução Prof. Elias T. Galante - 017 Breve introdução losóca à indução Raciocinar é inferir, ou seja, passar do que já se conhece de algum modo ao que ainda não se conhece. Este processo

Leia mais

Universidade do Minho

Universidade do Minho Teórica n o 1 2007-02-22 Apresentação do docente e da disciplina. Algumas revisões de teoria de números elementar. O algoritmo de Euclides estendido; demonstração do teorema que fundamenta o algoritmo.

Leia mais

ELEMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA Exame de Segunda Data 18/01/2011

ELEMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA Exame de Segunda Data 18/01/2011 Uma Resolução ELEMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA Exame de Segunda Data 18/01/2011 1. Seleccione e transcreva para a sua folha de exame a única opção correcta: A fórmula proposicional (p q) (p q) é a) logicamente

Leia mais

ENQ Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. Questão 01 [ 1,25 ]

ENQ Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. Questão 01 [ 1,25 ] MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL ENQ 017 Gabarito Questão 01 [ 1,5 ] Encontre as medidas dos lados e ângulos de dois triângulos ABC diferentes tais que AC = 1, BC = e A BC = 0 Considere

Leia mais

Aritmética dos Restos. Problemas com Congruências. Tópicos Adicionais

Aritmética dos Restos. Problemas com Congruências. Tópicos Adicionais Aritmética dos Restos Problemas com Congruências Tópicos Adicionais Aritmética dos Restos Problemas com Congruências 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. inteiro n Prove que n 5 + 4n é divisível por

Leia mais

Dízimas e intervalos encaixados.

Dízimas e intervalos encaixados. Dízimas e intervalos encaixados. Recorde que uma dízima com n casas decimais é um número racional da forma a 0.a a 2...a n = a 0 + a 0 + a 2 0 2 + + a n n 0 n = a j 0 j em que a 0,a,...,a n são inteiros

Leia mais

Aula 14 DOMÍNIOS FATORIAIS META. Estabelecer o conceito de domínio fatorial. OBJETIVOS

Aula 14 DOMÍNIOS FATORIAIS META. Estabelecer o conceito de domínio fatorial. OBJETIVOS Aula 14 DOMÍNIOS FATORIAIS META Estabelecer o conceito de domínio fatorial. OBJETIVOS Aplicar a definição de domínio fatorial na resolução de problemas. Estabelecer a definição de máximo divisor comum

Leia mais

Congruências I. Por exemplo, 7 2 (mod 5), 9 3 (mod 6), 37 7 (mod 10) mas 5 3 (mod 4). Veja que a b (mod m) se, e somente se, m a b.

Congruências I. Por exemplo, 7 2 (mod 5), 9 3 (mod 6), 37 7 (mod 10) mas 5 3 (mod 4). Veja que a b (mod m) se, e somente se, m a b. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 6 Congruências I Definição 1. Dizemos que os inteiros a e b são congrentes módulo m se eles deixam o mesmo

Leia mais

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada:

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada: Aula 8 polinômios (Anterior: chinês. ) 8.1 séries formais Fixemos um anel A. Denotaremos por A N o conjunto de todas as funções de N = {, 1, 2,... } a valores em A. Em termos mais concretos, cada elemento

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL ENQ 016. Gabarito Questão 01 [ 1,00 ] A secretaria de educação de um município recebeu uma certa quantidade de livros para distribuir entre as escolas

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula João Roberto Gerônimo 1 1 Professor Associado do Departamento de Matemática da UEM. E-mail: jrgeronimo@uem.br. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Esta notas de aula

Leia mais

4.1 Cálculo do mdc: algoritmo de Euclides parte 1

4.1 Cálculo do mdc: algoritmo de Euclides parte 1 page 92 92 ENCONTRO 4 4.1 Cálculo do mdc: algoritmo de Euclides parte 1 OAlgoritmodeEuclidesparaocálculodomdcbaseia-senaseguintepropriedade dos números naturais. Observamos que essa propriedade está muito

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 7. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Aula de Revisão e Aprofundamento. Prof.

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 7. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Aula de Revisão e Aprofundamento. Prof. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 7 Aula de Revisão e Aprofundamento Observação 1. É recomendável que o professor instigue seus alunos a pensarem

Leia mais

a) Falsa. Por exemplo, para n = 2, temos 3n = 3 2 = 6, ou seja, um número par.

a) Falsa. Por exemplo, para n = 2, temos 3n = 3 2 = 6, ou seja, um número par. Matemática Unidade I Álgebra Série - Teoria dos números 01 a) Falsa. Por exemplo, para n =, temos 3n = 3 = 6, ou seja, um número par. b) Verdadeira. Por exemplo, para n = 1, temos n = 1 =, ou seja, um

Leia mais

Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear

Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear MÓDULO 1 - AULA 4 Objetivos Compreender os conceitos de independência e dependência linear. Estabelecer condições para determinar quando uma coleção

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 1 TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE 1.1. DEFINIÇÃO 1.2. CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE

MATEMÁTICA MÓDULO 1 TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE 1.1. DEFINIÇÃO 1.2. CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE Neste momento inicial, nosso interesse será em determinar quando a divisão entre dois números inteiros é exata, ou seja, quando o resto da divisão é 0. Antes de mais

Leia mais

Chapter Conjuntos

Chapter Conjuntos Chapter Conjuntos, funções e relações: noções básicas.1 Conjuntos Usamos o termo conjunto como um termo primitivo, ou seja, não definido a partir de outros termos. Intuitivamente um conjunto é uma qualquer

Leia mais

Matemática E Extensivo V. 6

Matemática E Extensivo V. 6 Etensivo V. 6 Eercícios ) a) P() é sempre igual à soma dos coeficientes de P(). b) P() é sempre igual ao termo independente de P(). c) P() é a raiz de P(), pois P() =. ) D a) P() = ³ + 7. ² 7. P() = +

Leia mais

Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma:

Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma: EQUAÇÕES POLINOMIAIS. EQUAÇÃO POLINOMIAL OU ALGÉBRICA Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma: p(x) = a n x n + a n x n +a n x n +... + a x + a 0 = 0 onde

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/30 3 - INDUÇÃO E RECURSÃO 3.1) Indução Matemática 3.2)

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 1. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisibilidade I. Samuel Barbosa Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 1. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisibilidade I. Samuel Barbosa Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Samuel Barbosa Feitosa Aula 1 Divisibilidade I Teorema 1. (Algoritmo da Divisão) Para quaisquer inteiros positivos a e b, existe um

Leia mais

(Ciência de Computadores) 2005/ Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação

(Ciência de Computadores) 2005/ Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação Álgebra (Ciência de Computadores) 2005/2006 Números inteiros 1. Diga quais dos conjuntos seguintes satisfazem o Princípio de Boa Ordenação (a) {inteiros positivos impares}; (b) {inteiros negativos pares};

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 8 Resumo. Equações Diofantinas Lineares

MA14 - Aritmética Unidade 8 Resumo. Equações Diofantinas Lineares MA14 - Aritmética Unidade 8 Resumo Equações Diofantinas Lineares Abramo Hefez PROFMAT - SBM Julho 2013 Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante

Leia mais

Capítulo 2. Retas no plano. 1. Retas verticais e não-verticais. Definição 1

Capítulo 2. Retas no plano. 1. Retas verticais e não-verticais. Definição 1 Capítulo 2 Retas no plano O objetivo desta aula é determinar a equação algébrica que representa uma reta no plano. Para isso, vamos analisar separadamente dois tipos de reta: reta vertical e reta não-vertical.

Leia mais

Explorando o universo dos Números Primos

Explorando o universo dos Números Primos Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Instituto de Geociências e Ciências Exatas Campus de Rio Claro Explorando o universo dos Números Primos Rafael Américo de Oliveira Dissertação apresentada

Leia mais

Indução Matemática. Matemática Discreta. Indução Matemática. Mayara Midori Omai e Sheila Morais de Almeida UTFPR-PG. Abril

Indução Matemática. Matemática Discreta. Indução Matemática. Mayara Midori Omai e Sheila Morais de Almeida UTFPR-PG. Abril Matemática Discreta Indução Matemática Mayara Midori Omai e Sheila Morais de Almeida UTFPR-PG Abril - 2017 Indução Matemática Se desejamos provar que A(n) B(n) é verdade para números inteiros k maiores

Leia mais

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 Neste curso, consideraremos o conjunto dos números naturais como sendo o conjunto N = {0, 1, 2, 3,... }, denotando por N o conjunto N \ {0}. Como

Leia mais

Exemplos: Os números 12, 18 e 30 têm conjuntos de divisores respectivamente iguais a:

Exemplos: Os números 12, 18 e 30 têm conjuntos de divisores respectivamente iguais a: Lista de atividades sobre MDC. Nesta aula, definiremos e estudaremos métodos para calcular o máximo divisor comum e o mıınimo múltiplo comum de números naturais, bem como algumas de suas propri edades.

Leia mais

UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina CCT - Centro de Ciências Tecnológicas DMAT - Departamento de Matemática

UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina CCT - Centro de Ciências Tecnológicas DMAT - Departamento de Matemática UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina CCT - Centro de Ciências Tecnológicas DMAT - Departamento de Matemática Segunda Lista de Exercícios de ITN: Números Inteiros Prof. Marnei Luis Mandler Segundo

Leia mais

Ordem dos Inteiros AULA. 4.1 Introdução. 4.2 Ordem Ordem dos Inteiros

Ordem dos Inteiros AULA. 4.1 Introdução. 4.2 Ordem Ordem dos Inteiros META: Apresentar ordem nos números inteiros e os Princípio de indução e do Menor elemento. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Usar o processo de indução finita dos Inteiros. Justificar

Leia mais

Aula Distância entre duas retas paralelas no espaço. Definição 1. Exemplo 1

Aula Distância entre duas retas paralelas no espaço. Definição 1. Exemplo 1 Aula 1 Sejam r 1 = P 1 + t v 1 t R} e r 2 = P 2 + t v 2 t R} duas retas no espaço. Se r 1 r 2, sabemos que r 1 e r 2 são concorrentes (isto é r 1 r 2 ) ou não se intersectam. Quando a segunda possibilidade

Leia mais

Capítulo 2. Ortogonalidade e Processo de Gram-Schmidt. Curso: Licenciatura em Matemática

Capítulo 2. Ortogonalidade e Processo de Gram-Schmidt. Curso: Licenciatura em Matemática Capítulo 2 Ortogonalidade e Processo de Gram-Schmidt Curso: Licenciatura em Matemática Professor-autor: Danilo Felizardo Barboza Wilberclay Gonçalves de Melo Disciplina: Álgebra Linear II Unidade II Aula

Leia mais

ENFOQUE USANDO CORTES DE DEDEKIND

ENFOQUE USANDO CORTES DE DEDEKIND Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit CONSTRUÇÃO DOS REAIS: UM ENFOQUE

Leia mais

Projecto Delfos: Escola de Matemática Para Jovens 1 Teoria dos Números 09/09/2011

Projecto Delfos: Escola de Matemática Para Jovens 1 Teoria dos Números 09/09/2011 Projecto Delfos: Escola e Matemática Para Jovens 1 Teoria os Números 09/09/2011 Funções aritméticas Este texto e apoio baseia-se no seguno capítulo e Tom M. Apostol, Introuction to Analytic Number Theory.

Leia mais

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA

INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA INE5403 FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA DISCRETA PARA A COMPUTAÇÃO PROF. DANIEL S. FREITAS UFSC - CTC - INE Prof. Daniel S. Freitas - UFSC/CTC/INE/2007 p.1/81 1 - LÓGICA E MÉTODOS DE PROVA 1.1) Lógica Proposicional

Leia mais

1). Tipos de equações. 3). Etapas na resolução algébrica de equações numéricas. 4). Os dois grandes cuidados na resolução de equações

1). Tipos de equações. 3). Etapas na resolução algébrica de equações numéricas. 4). Os dois grandes cuidados na resolução de equações 1). Tipos de equações LIÇÃO 7 Introdução à resolução das equações numéricas Na Matemática, nas Ciências e em olimpíadas, encontramos equações onde a incógnita pode ser número, função, matriz ou outros

Leia mais

ficha 1 matrizes e sistemas de equações lineares

ficha 1 matrizes e sistemas de equações lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha matrizes e sistemas de equações lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2/2

Leia mais

Binomiais e Primos. p p 2 + p 3 + p k. Demonstração. No produto n! = n, apenas os múltiplos de p contribuem com um fator p.

Binomiais e Primos. p p 2 + p 3 + p k. Demonstração. No produto n! = n, apenas os múltiplos de p contribuem com um fator p. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 3 Carlos Gustavo Moreira Aula 16 Binomiais e Primos Começamos lembrando a Proposição 1 (Fatores do Fatorial) Seja p um primo Então a maior

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ. 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II Professor Márcio Nascimento

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ. 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II Professor Márcio Nascimento UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ Coordenação de Matemática 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II - 214.1 Professor Márcio Nascimento 1. Sejam a G com o(a) = n 1 e m Z. Se a

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL GIRASSOL TD de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues

CENTRO EDUCACIONAL GIRASSOL TD de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues CENTRO EUCACIONAL GIRASSOL T de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues proftiagorodrigues@gmail.com IVISIBILIAE E RESTO. Introdução O assunto divisibilidade no Conjunto dos Inteiros ( ) é extremamente importante

Leia mais

Números Primos, MDC e MMC. O próximo teorema nos diz que os primos são as peças fundamentais dos números inteiros:

Números Primos, MDC e MMC. O próximo teorema nos diz que os primos são as peças fundamentais dos números inteiros: Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível Prof. Samuel Feitosa Aula 4 Números Primos, MDC e MMC. Definição 1. Um inteiro p > 1 é chamado número primo se não possui um divisor d

Leia mais

Material Teórico - Módulo Equações do Segundo Grau. Equações de Segundo Grau: outros resultados importantes. Nono Ano do Ensino Funcamental

Material Teórico - Módulo Equações do Segundo Grau. Equações de Segundo Grau: outros resultados importantes. Nono Ano do Ensino Funcamental Material Teórico - Módulo Equações do Segundo Grau Equações de Segundo Grau: outros resultados importantes Nono Ano do Ensino Funcamental Autor: Prof. Fabrício Siqueira Benevides Revisor: Prof. Antonio

Leia mais

Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina.

Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina. Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina. O material completo a ser estudado encontra-se no Capítulo 10 - Seções 10.1 e 10.2 do livro texto da disciplina: Aritmética, A.

Leia mais

Álgebra I. Volume 3 Módulo 1. Adilson Gonçalves Luiz Manoel Figueiredo. Apoio:

Álgebra I. Volume 3 Módulo 1. Adilson Gonçalves Luiz Manoel Figueiredo. Apoio: . Álgebra I Volume 3 Módulo 1 Adilson Gonçalves Luiz Manoel Figueiredo Apoio: Fundação Cecierj / Consórcio Cederj Rua Visconde de Niterói, 1364 Mangueira Rio de Janeiro, RJ CEP 20943-001 Tel.: (21) 2334-1569

Leia mais

Números naturais e cardinalidade

Números naturais e cardinalidade Números naturais e cardinalidade Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 5 de Janeiro de 2008 Resumo 1 Axiomas de Peano e o princípio da indução Intuitivamente, o conjunto N dos números naturais corresponde

Leia mais

Geometria Analítica II - Aula 4 82

Geometria Analítica II - Aula 4 82 Geometria Analítica II - Aula 4 8 IM-UFF K. Frensel - J. Delgado Aula 5 Esferas Iniciaremos o nosso estudo sobre superfícies com a esfera, que já nos é familiar. A esfera S de centro no ponto A e raio

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 3. Polinômios Ciclotômicos e Congruência Módulo p. Samuel Feitosa

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 3. Polinômios Ciclotômicos e Congruência Módulo p. Samuel Feitosa XIX Semana Olímpica de Matemática Nível 3 Polinômios Ciclotômicos e Congruência Módulo p Samuel Feitosa O projeto da XIX Semana Olímpica de Matemática foi patrocinado por: Semana Olímpica 2016 Polinômios

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 6 - Parte 3 Resumo

MA14 - Aritmética Unidade 6 - Parte 3 Resumo MA14 - Aritmética Unidade 6 - Parte 3 Resumo A Equação Pitagórica Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio

Leia mais

MA14 - Aritmética Lista 1. Unidades 1 e 2

MA14 - Aritmética Lista 1. Unidades 1 e 2 MA14 - Aritmética Lista 1 Unidades 1 e 2 Abramo Hefez PROFMAT - SBM 05 a 11 de agosto 2013 Unidade 1 1. Mostre, por indução matemática, que, para todo n N {0}, a) 8 3 2n + 7 b) 9 10 n + 3.4 n+2 + 5 2.

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto Material Teórico - Módulo de Divisibilidade MDC e MMC - Parte 1 Sexto Ano Prof. Angelo Papa Neto 1 Máximo divisor comum Nesta aula, definiremos e estudaremos métodos para calcular o máximo divisor comum

Leia mais

Resolução das Questões Discursivas

Resolução das Questões Discursivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO PISM III - TRIÊNIO 008-010 Prova de Matemática Resolução das Questões Discursivas São apresentadas abaixo possíveis soluções

Leia mais

Bézout e Outros Bizus

Bézout e Outros Bizus 1. Introdução Bézout e Outros Bizus Davi Lopes Olimpíada Brasileira de Matemática 18ª Semana Olímpica São José do Rio Preto, SP Neste material, iremos demonstrar o teorema de Bézout, que diz que, dados

Leia mais

Produto Misto, Determinante e Volume

Produto Misto, Determinante e Volume 15 Produto Misto, Determinante e Volume Sumário 15.1 Produto Misto e Determinante............ 2 15.2 Regra de Cramer.................... 10 15.3 Operações com matrizes............... 12 15.4 Exercícios........................

Leia mais

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x EQUAÇÃO POLINOMIAL Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n 2 +... + a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x C a incógnita e a n, a n 1,..., a

Leia mais

Cada questão da parte A vale 4 pontos e cada questão da parte B vale 10 pontos (total de pontos do nível III-fase de seleção = 60 pontos).

Cada questão da parte A vale 4 pontos e cada questão da parte B vale 10 pontos (total de pontos do nível III-fase de seleção = 60 pontos). III OLIMPÍADA REGIONAL DE MATEMÁTICA Nível III Ensino Médio DE RIEIRÃO PRETO FASE DE SELEÇÃO - 7 de setembro de 008 Cada questão da parte A vale 4 pontos e cada questão da parte vale 10 pontos (total de

Leia mais

Resolução dos Exercícios 31/05-09/06.

Resolução dos Exercícios 31/05-09/06. Resolução dos Exercícios 31/05-09/06. 1. Seja A um domínio de integridade. Mostre que todo subgrupo finito de U(A) é cíclico. Seja K o corpo de frações de A. Então A é um subanel de K (identificado com

Leia mais

Cálculo do MDC e MMC

Cálculo do MDC e MMC META: Apresentar o algoritmo do Cálculo do MMC e do MDC entre dois números OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Executar de maneira correta os algoritmos do Cálculo do MMC e do MDC.

Leia mais

Propostas de resolução. Capítulo 1 Números racionais

Propostas de resolução. Capítulo 1 Números racionais Capítulo Números racionais F Pág... O número 89 89 não é divisível por, pois não se pode aplicar qualquer um dos critérios de divisibilidade por. Por outro lado, o resto da divisão inteira entre 89 89

Leia mais