Soma de Quadrados. Faculdade de Matemática, UFU, MG

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Soma de Quadrados. Faculdade de Matemática, UFU, MG"

Transcrição

1 Soma de Quadrados Stela Zumerle Soares 1 Antônio Carlos Nogueira Faculdade de Matemática, UFU, MG 1 Resultados Preliminares Historicamente, um problema que tem recebido uma atenção considerável é a representação de números como soma de quadrados Por exemplo: 1= 1 = = = 5= + 1 6= = Nos preocuparemos, neste trabalho, em descrever os inteiros positivos que podem ser representados como soma de dois quadrados Observamos inicialmente que, a solução do problema proposto depende do conhecimento de alguns resultados pertinentes às congruências quadráticas, ou seja, congruências do tipo ax + bx + c 0(mod n Começamos então, considerando a congruência ax + bx + c 0(mod p, onde p é um primo ímpar e a/ 0(mod p Definição 11 Seja p um primo ímpar e mdc ( a, p = 1 Se a congruência quadrática x a(mod p tem uma solução, então a é dito ser um resíduo quadrático de p Exemplo 11 Considere o primo p = 13 Para encontrar quais dos inteiros 1,, 3, L, 1 são resíduos quadráticos de 13, precisamos saber quais das congruências x a mod13 são solúveis com 1,, 3, L, 1 são a percorrendo a série { 1,, L, 1} Módulo 13, as equações dos inteiros 1 Bolsista do PET -Matemática da Universidade Federal de Uberlândia Docente da Faculdade de Matemática da Universidade Federal de Uberlândia

2 Consequentemente, os resíduos quadráticos de 13 são 1, 3, 4, 9, 10, 1, e os não resíduos quadráticos são, 5, 6, 7, 8, 11 Critério de Euler Seja p um primo ímpar e mdc ( a, p 1 quadrático se, e somente se, p 1 ( p a 1mod = Então a é um resíduo Demonstração: Seja a um não resíduo quadrático de p e seja c um dos inteiros 1,, L, p 1 Pela teoria das congruências lineares, existe uma solução c ' de cx a( mod p, com c ' também no conjunto {1,, L, p 1} Note que c' c; caso contrário teremos que c a mod p, o que contradiz o que assumimos na definição de resíduo quadrático Assim, os inteiros entre 1 e p 1 p 1 p 1 podem ser divididos em pares, cc, ', onde cc' a( modp Isto leva às congruências cc 1 1' a( modp cc ' a( modp M c c a p ' 1 1 ( mod p p Multiplicando-os e observando o produto cc ' cc ' Lc c ' ( p ( p É simplesmente um rearranjo de 1 3 L ( p 1, nós obtemos ( p 1 ( p 1! a ( modp Neste ponto o Teorema de Wilson entra em cena; para ( p 1! 1mod ( p p 1 ( p a 1mod que é o Critério de Euler quando a é um não resíduo quadrático de p, vem que

3 Posteriormente, examinamos o caso em que a é um resíduo quadrático de p Estabelecendo ( mod que a congruência x a p admite duas soluções x = x1 e x = p x1, para algum x 1 satisfazendo 1 x1 p 1 Se x 1 e p x1 são tirados do conjunto {1,, L, p 1}, então sobram p 3 inteiros que podem ser agrupados em pares cc, ' (onde c' c tal que cc' a( modp Para estas ( p 3 congruências, adicionamos a congruência x p x x a p mod Tomando o produto de todas as congruências envolvidas, chegamos à relação ( p 1! ( p 1 a ( modp Do Teorema de Wilson temos que ( p 1! 1mod ( p p 1 e daí segue que p 1 ( p a 1mod Juntando tudo, mostramos que a 1mod ( p quadrático ou não resíduo quadrático de Corolário - Seja não resíduo quadrático de Exemplo 1 No caso onde p 1 ou a 1mod ( p, caso a p seja um resíduo p um primo ímpar e mdc ( a, p = 1 Então a é um resíduo quadrático (resp p 1 p se a 1mod ( p p 1 (resp a 1mod ( p p =13, nós encontramos que mod13 = = Assim, em virtude do último corolário, o inteiro é um não resíduo quadrático de 13 Por outro lado, = 3 = 7 1 1( mod13, e isto indica que 3 é um resíduo quadrático de 13 e assim a congruência 3( mod13 solúvel, de fato, as duas soluções não congruentes são x 4e ( mod13 x é Definição 1 Seja p um primo ímpar e seja mdc ( a, p = 1 O símbolo de Legendre ( a/ p é definido por ( a/ p 1 se a e um residuo quadratico de p = 1 se a e um nao residuo quadratico de p

4 Exemplo 13 Tomemos o primo p = 13, em particular Tomando o símbolo de Legendre, o resultado do exemplo 11 pode ser expresso como 1/13 = 3/13 = 4/13 = 9/13 = 10/13 = 1/13 = 1 e /13 = 5/13 = 6/13 = 7 /13 = 8/13 = 11/13 = 1 Teorema 11 Seja p um primo ímpar e sejam a e b inteiros relativamente primos a p Então o símbolo de Legendre tem as seguintes propriedades: a Se a b(mod p, então ( a/ p ( b/ p a / p = 1 b ( p 1 c ( a/ p a ( mod d d ( a/ p = ( a/ p( b/ p ( p = ( p 1 1/ p 1 e 1/ 1 e = Observe que a propriedade c é simplesmente o corolário reformulado nos termos dos Símbolos de Legendre Corolário Se p é um primo ímpar, então: 1 se p 1( mod4 ( 1/ p = 1 se p 3( mod4 Este corolário pode ser considerado como uma afirmação de que a congruência quadrática x 1modp tem uma solução para um primo ímpar p se, e somente se, p é da forma 4k + 1 Exemplo 14 - Vamos verificar se a congruência x 46( mod17 é solúvel Isto acontece pela avaliação do símbolo de Legendre ( 46/17 Primeiramente, recorremos às propriedades (d e (e do teorema 11 para escrever 46/17 = 1/17 16/17 = 46/17 Como 46 1( mod17, segue do item (a do teorema 11 que ( 46/17 = ( 1/17 Agora da propriedade (f segue que 1/17 = 3 /17 = 3/17 Mas,

5 /17 = 3 3 ( 81 ( 4 1( mod17 onde usamos a propriedade (c do teorema 11; daí, ( 3/17 = 1 Visto que ( 46/17 = 1, a congruência quadrática 46( mod17 Inteiros que são escritos como soma de dois quadrados Consideremos o seguinte lema x não admite solução Lema 1 - Se m e também o é n são cada um uma soma de dois quadrados, então seu produto mn Demonstração: Se m= a + b e n= c + d para inteiros abcd,,, então mn a b c d ac bd ad bc = ( + ( + = ( + + ( É claro que nem todo primo pode ser escrito como uma soma de dois quadrados, por 3 = a + b a provar o teorema 11 exemplo, não tem solução para inteiros e b No caso mais geral, podemos Teorema 1 - Nenhum primo p da forma 4k + 3 é uma soma de dois quadrados Demonstração: Dado qualquer inteiro a, temos que a 0, 1,, ou 3(mod 4 ; consequentemente, a 0 ou1( mod4 Daí, segue que, para inteiros arbitrários a e b, a + b ou 0, 1, (mod 4 Como p 3(mod 4, a equação p a b = + é impossível De outro modo, todo primo que é congruente a 1 módulo 4 é expresso como a soma de dois quadrados A demonstração deste fato, utiliza um teorema de congruência devido ao matemático norueguês Axel Thue Este, por sua vez, fez uso do Princípio da Casa dos Pombos de Dirichlet Princípio da Casa dos Pombos Se n objetos são dispostos em m pombos, e se n> m, então alguma caixa conterá ao menos dois objetos caixas (ou casa de Exprimindo em termos mais matemáticos, este simples princípio afirma que se um conjunto com n elementos está na união de m de seus subconjuntos, e se n> m, então algum de seus subconjuntos têm mais que um elemento

6 Lema de Thue - Seja admite uma solução x, y, onde p um número primo e mdc(, a p = 1 Então a congruência o o ax y(mod p 0 xo < < p e 0 < yo < p Demonstração: Seja k = p + 1, e considere o conjunto de inteiros { 0 1,0 1} S = ax y x k y k Como ax y tem k > pvalores possíveis, o Princípio da Casa dos Pombos garante que ao menos dois membros de S são congruentes módulo p ; chamá-lo-emos de ax1 y1 e ax y, onde x 1 x ou y1 y Então podemos escrever ( a x x y y p 1 1 mod Fazendo x0 = x1 x e y 0 = y 1 y, segue que x 0 e y 0 fornece uma solução para a congruência ax y( mod p Se x 0 ou y 0 é igual a zero, então o fato de que mdc(, a p = 1 pode ser usado para mostrar que o outro também pode ser zero, contrariando a hipótese Daí, 0< x k 1< p e 0< y k 1< p o o Agora deduziremos um teorema devido a Fermat que diz que todo primo da forma 4k + 1 pode ser expresso como a soma dos quadrados de dois inteiros (Em termos precedentes, Albert Girard reconheceu este fato vários anos antes e o resultado é referido somente como o teorema de Girard Fermat citou seu teorema numa carta para Mersenne, datada de 5 de dezembro de 1640, declarando que ele possuía uma demonstração irrefutável Contudo, a primeira demonstração publicada foi dada por Euler em 1754, que nos acréscimos sucessivos mostrou que a representação é única Teorema (Fermat - Um primo ímpar só se, p 1 mod4 Demonstração: p é expresso como uma soma de dois quadrados se, e

7 Suponha que p possa ser escrito como a soma de dois quadrados, digamos p = a + b Como p é um primo, temos que p não divide a e p não divide b (Se p divide a, então p divide b, e assim, p divide b, levando à contradição de que p divide p Assim, pela teoria de congruências lineares, existe um inteiro c tal que bc 1mod ( p Módulo p, a relação torna-se ac + bc = pc ( ac 1mod ( p =, e daí, fazendo 1 um resíduo quadrático de p Para a recíproca, seja encontrar um inteiro a satisfazendo p 1mod4 Como 1 é um resíduo quadrático de a 1modp ; de fato, a= ( p 1/! p, podemos é um tal inteiro Agora mdc(, a p = 1, assim, a congruência ( ac = 1mod ( p admite uma solução x, y o ou o devido ao lema de Thue Segue que, ( x = ax ax y p mod x + y = kp 0 0 para algum inteiro que implica que k 1 Visto que 0 < xo < p e 0 < yo < p, obtemos k =1 Consequentemente, x + y = p, e terminamos 0 0 0< x + y < p, o 0 0 a Calculando e a como uma soma, temos o corolário seguinte Corolário Todo primo p da forma 4k + 1 pode ser representado de forma única (exceto da ordem das parcelas como uma soma de dois quadrados Demonstração: Para estabelecer a afirmação única, suponhamos que p = a + b = c + d

8 onde abcd,,, são todos inteiros positivos Então donde ad bc ( mod p ou ad bc ( mod p estas relações implicam que 0( mod ad bc = p d b p Como abcd,,, são todos menores que p, ad bc = 0 ou ad + bc = p Se a segunda igualdade é assegurada, então temos que ac = bd ; pois p = a + b c + d = ad + bc + ac bd = p + ac bd e então ad bc = 0 Segue que ad = bc ou ac = bd a bc (, Suponha, por exemplo, que ad = bc Então, com mdc a b = 1, o que força que a c; seja c = ka A condição ad = bc = b( ka então reduz a d = bk Mas p = c + d = k a + b implica que k = 1 Neste caso, adquirimos a= c e b= d Por um argumento similar, a condição ac = bd leva a a= d e b= c O que é importante é que, num outro evento, suas duas representações do primo p tornam-se idênticas Exemplo 1 - Para o passo seguinte utilizaremos o primo p = 13 Uma escolha para o inteiro a é 6! 70 Uma solução para a congruência = 70x y( mod13 dizendo, 5 x y( mod13 é obtido considerando o conjunto Os elementos de S são justamente os inteiros que, módulo 13, tornam-se { 5 0, } S = x y x y< , ou, melhor

9 Entre as várias possibilidades, temos ou, ( mod13 51 ( 3 3mod13 Assim, nós podemos tomar x = e y 0 = 3 para obter 0 13 = x + y = Observe que alguns autores alegam que um primo p 1mod4 pode ser escrito como uma soma de dois quadrados de oito maneiras Para p = 13, temos ( ( = + = + = + = + = = + = + = + = + Como todas as oito representações podem ser obtidas de algumas delas pela troca dos sinais de e 3 ou pela troca das parcelas, existe essencialmente somente uma maneira de fazer isto Assim, do nosso ponto de vista, 13 é representado de forma única como a soma de dois quadrados Mostramos que todo primo tal que p 1mod4 é expresso como a soma de dois quadrados Mas outros inteiros também possuem esta propriedade, por exemplo, p 10 = O próximo passo é caracterizar explicitamente quais inteiros positivos que podem ser representados como a soma de dois quadrados Teorema Seja o número positivo n que pode ser escrito como n= N m, onde m é livre de quadrados Então n pode ser representado como a soma de dois quadrados se, e só se, m não contém nenhum fator primo da forma 4k + 3

10 Demonstração: Inicialmente suponhamos que m não tem nenhum fator primo da forma 4 k + 3 Se m = 1, então n= N + 0 e completamos No caso em que m > 1, seja m= p1 p L pr a fatoração de m como um produto de primos distintos Cada um destes primos p i, sendo iguais a ou à forma 4 k +1, podem ser escritos como a soma de dois quadrados Agora, a identidade ( a + b c + d = ac + bd + ad bc mostra que o produto de dois inteiros que são representados como uma soma de dois quadrados, é também representável como soma de quadrados Assim, existem inteiros x ey tal que m= x + y Concluímos que uma soma de dois quadrados n= N m= N x + y = Nx + Ny Agora, para a volta Assumimos que n pode ser representado como uma soma de dois quadrados n= a + b = N m e seja p um primo ímpar divisor de m (sem perda de generalidade, podemos assumir que m >1 Se d = mdc(, a b, então a= r d, b= sd, onde mdc ( r, s = 1 Adquirimos que d r + s = N m e deste modo, m sendo livre de quadrados, d N Mas então para algum inteiro t, que leva que N r + s = m= tp d ( r s 0mod ( p +, pois p é divisor de m Agora a condição mdc r, s =1, implica que um dos rous, digamos r é relativamente primo a p Digamos que, r satisfaça a congruência

11 + ( p rr ' 1 mod Quando a equação ( r s 0modp é multiplicada por, obtemos ( sr + ( ' 1 0 modp ( r ' ou, para colocar diferentemente, ( 1/ p = 1 Como 1 é um resíduo quadrático de que p 1 mod4 p, temos Assim, pelo nosso desenvolvimento temos que não existe nenhum primo p da forma 4k + 3 que divide m Corolário Um inteiro positivo n é representado como uma soma de dois quadrados se, e só se, cada um de seus fatores primos da forma 4k + 3 apresentam-se com uma potência par Exemplo O inteiro 459 não pode ser escrito como a soma de dois quadrados, pois = 3 17, com o primo 3 tendo expoente ímpar De outro modo, 153 = 3 17 admite representação Um pouco mais complicado é o exemplo = + = + n = Neste caso, temos que n = = Duas aplicações da identidade aparecidas no teorema dão que e = = Quando isto é combinado, concluímos que = = n = + =

12 3 Diferença de Quadrados Existem certos inteiros positivos (obviamente, não primos da forma 4 k + 1 que podem ser representados de mais de uma maneira com a soma de dois quadrados O menor deles é = + = + Se a b(mod, então a relação a+ b a b ab = permite-nos encontrar uma variedade de tais exemplos Tome n=153 como uma ilustração; daí e = 17 9 = = 13 4 e, assim Isto produz duas distintas representações = 51 3 = = = = = 745 Uma questão a ser feita é saber quais inteiros positivos admitem uma representação como uma diferença de dois quadrados A resposta está disposta a seguir Teorema 31 Um inteiro positivo n pode ser representado como a diferença de dois quadrados se, e só se, n não é da forma 4k + Demonstração: Como a 0 ou1( mod4 para todo inteiro a, segue que a b ou 0, 1 3 mod 4

13 Assim, se n mod4 Voltando, suponha que o inteiro, nós não temos que n= a b para todo a e b n não é da forma 4k + ; ou seja, n 0, 1 ou 3( mod 4 Se n 1ou 3 mod4, então n + 1 e n 1 são ambos inteiros pares; daí, n pode ser escrito como n+ 1 n 1 n = uma diferença de quadrados Se n 0mod4, então temos que n n n 1 = Corolário Um primo ímpar é uma diferença de dois quadrados sucessivos Exemplos deste último corolário são dados por 11 = = = Um outro ponto a ser mencionado é que a representação de um dado primo diferença de dois quadrados é única Para ver isto, suponha que p = a b = a b a+ b p como a onde a > b > 0 Como 1 e p são os únicos fatores de p, necessariamente temos que De onde podemos concluir que a b= 1 e a+ b= p p+ 1 p 1 a= e b= Assim, todo primo p pode ser escrito como a diferença de dois quadrados de dois inteiros em precisamente um modo, a saber p+ 1 p 1 p =

14 Uma situação diferente ocorre quando passamos de primos a inteiros arbitrários Suponha que n é um inteiro positivo que nem é primo e nem é da forma 4k + n Começando com um divisor d de n, tomando d ' = (assumimos que d d' Agora se d ( d + d' ( d d' e d ' são ambos pares, ou ambos ímpares, então e são inteiros d Além disso, podemos escrever d + d' d d' n= dd' = Para uma ilustração, considere o inteiro 4 Daí, e = 1 = = = 6 4 = = 5 1 dando-nos duas representações para 4 como uma diferença de quadrados 4 Referências bibliográficas [1] BURTON, D M Elementary Number Theory 5ª ed Mc-Graw-Hill Higher Education, 00

Aritmética. Somas de Quadrados

Aritmética. Somas de Quadrados Aritmética Somas de Quadrados Carlos Humberto Soares Júnior PROFMAT - SBM Objetivo Determinar quais números naturais são soma de dois quadrados. PROFMAT - SBM Aritmética, Somas de Quadrados slide 2/14

Leia mais

, com k 1, p 1, p 2,..., p k números primos e α i, β i 0 inteiros, as factorizações de dois números inteiros a, b maiores do que 1.

, com k 1, p 1, p 2,..., p k números primos e α i, β i 0 inteiros, as factorizações de dois números inteiros a, b maiores do que 1. Como seria de esperar, o Teorema Fundamental da Aritmética tem imensas consequências importantes. Por exemplo, dadas factorizações em potências primas de dois inteiros, é imediato reconhecer se um deles

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 6. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Congruências II. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 6. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Congruências II. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 6 Congruências II Na aula de hoje, aprenderemos um dos teoremas mais importantes do curso: o pequeno teorema

Leia mais

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012 NÚMEROS INTEIROS PROF. FRANCISCO MEDEIROS Álgebra Abstrata - Verão 2012 Faremos, nessas notas, uma breve discussão sobre o conjunto dos números inteiros. O texto é basicamente a seção 3 do capítulo 1 de

Leia mais

NÚMEROS DE FERMAT. (Pedro H. O. Pantoja, Universidade de Lisboa, Portugal)

NÚMEROS DE FERMAT. (Pedro H. O. Pantoja, Universidade de Lisboa, Portugal) NÚMEROS DE FERMAT (Pedro H. O. Pantoja, Universidade de Lisboa, Portugal) Intrudução: O matemático francês Pierre de fermat (1601-1665) é famoso pelo seu extensivo trabalho em teoria dos números. Suas

Leia mais

O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE

O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE O REI MALIGNO E A PRINCESA GENEROSA: SOBRE BASES NUMÉRICAS E CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE ANA PAULA CHAVES AND THIAGO PORTO 1. Introdução Os temas centrais deste texto - bases numéricas e critérios de divisibilidade

Leia mais

Congruências I. Por exemplo, 7 2 (mod 5), 9 3 (mod 6), 37 7 (mod 10) mas 5 3 (mod 4). Veja que a b (mod m) se, e somente se, m a b.

Congruências I. Por exemplo, 7 2 (mod 5), 9 3 (mod 6), 37 7 (mod 10) mas 5 3 (mod 4). Veja que a b (mod m) se, e somente se, m a b. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 6 Congruências I Definição 1. Dizemos que os inteiros a e b são congrentes módulo m se eles deixam o mesmo

Leia mais

Módulo de Equações do Segundo Grau. Relações entre coeficientes e raízes. Nono Ano

Módulo de Equações do Segundo Grau. Relações entre coeficientes e raízes. Nono Ano Módulo de Equações do Segundo Grau Relações entre coeficientes e raízes. Nono Ano Relações entre Coeficientes e Raízes. Exercícios Introdutórios Exercício. Fazendo as operações de soma e de produto entre

Leia mais

Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c.

Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c. Divisores Definição. Diremos que um número inteiro d é um divisor de outro inteiro a, se a é múltiplo de d; ou seja, se a = d c, para algum inteiro c. Quando a é múltiplo de d dizemos também que a é divisível

Leia mais

Elementos de Matemática Finita

Elementos de Matemática Finita Elementos de Matemática Finita Exercícios Resolvidos 1 - Algoritmo de Euclides; Indução Matemática; Teorema Fundamental da Aritmética 1. Considere os inteiros a 406 e b 654. (a) Encontre d mdc(a,b), o

Leia mais

1 Conjuntos, Números e Demonstrações

1 Conjuntos, Números e Demonstrações 1 Conjuntos, Números e Demonstrações Definição 1. Um conjunto é qualquer coleção bem especificada de elementos. Para qualquer conjunto A, escrevemos a A para indicar que a é um elemento de A e a / A para

Leia mais

Problemas e Soluções

Problemas e Soluções FAMAT em Revista Revista Científica Eletrônica da Faculdade de Matemática - FAMAT Universidade Federal de Uberlândia - UFU - MG Problemas e Soluções Número 0 - Abril de 008 www.famat.ufu.br Comitê Editorial

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL ENQ 016. Gabarito Questão 01 [ 1,00 ] A secretaria de educação de um município recebeu uma certa quantidade de livros para distribuir entre as escolas

Leia mais

MA14 - Aritmética Lista 1. Unidades 1 e 2

MA14 - Aritmética Lista 1. Unidades 1 e 2 MA14 - Aritmética Lista 1 Unidades 1 e 2 Abramo Hefez PROFMAT - SBM 05 a 11 de agosto 2013 Unidade 1 1. Mostre, por indução matemática, que, para todo n N {0}, a) 8 3 2n + 7 b) 9 10 n + 3.4 n+2 + 5 2.

Leia mais

Devemosconsiderardoiscasos: 7 k ou7 k+1. Alémdisso, lembremo-nosdoseguintefato:

Devemosconsiderardoiscasos: 7 k ou7 k+1. Alémdisso, lembremo-nosdoseguintefato: Polos Olímicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível Prof. Samuel Feitosa Aula 18 Resíduos Quadráticos Definição 1. Para todos a tais que mdc(a,m) = 1, a é chamado resíduo quadrático módulo

Leia mais

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides 1 Máximo Divisor Comum Definição 1.1 Sendo a um número inteiro, D a indicará o conjunto de seus divisores positivos,

Leia mais

Álgebra A - Aula 02 Teorema da fatoração única, Propriedade fundamental dos primos, números primos

Álgebra A - Aula 02 Teorema da fatoração única, Propriedade fundamental dos primos, números primos Álgebra A - Aula 02 Teorema da fatoração única, Propriedade fundamental dos primos, números primos Elaine Pimentel Departamento de Matemática, UFMG, Brazil 2 o Semestre - 2010 Teorema da fatoração única

Leia mais

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores.

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores. Aula 5 Produto interno - Aplicações MÓDULO 1 - AULA 5 Objetivos Calcular áreas de paralelogramos e triângulos. Calcular a distância de um ponto a uma reta e entre duas retas. Determinar as bissetrizes

Leia mais

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que:

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que: Matemática Discreta 2008/09 Vítor Hugo Fernandes Departamento de Matemática FCT/UNL Axioma (Princípio da Boa Ordenação dos Números Naturais) O conjunto parcialmente (totalmente) ordenado (N, ), em que

Leia mais

A resolução desses problemas pode geralmente ser feita com o seguinte procedimento: Problemas de divisibilidade 1

A resolução desses problemas pode geralmente ser feita com o seguinte procedimento: Problemas de divisibilidade 1 Três VIPs da Teoria dos Números É claro, VIP significa Very Important Problems. Os problemas discutidos aqui, além de suas variações, são bastante comuns em Olimpíadas de Matemática e costumam ser resolvidos

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 9. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema de Euler. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 9. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema de Euler. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 9 O Teorema de Euler Nesta aula, obteremos uma generalização do teorema de Fermat. Definição 1. Dado n N,

Leia mais

Elementos de Matemática Finita ( ) Exercícios resolvidos

Elementos de Matemática Finita ( ) Exercícios resolvidos Elementos de Matemática Finita (2016-2017) Exercícios resolvidos Ficha 3-2. Em que classes de congruência mod 8 estão os quadrados perfeitos? 4926834923 poderá ser a soma de dois quadrados perfeitos? Resolução:

Leia mais

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense

Curso Satélite de. Matemática. Sessão n.º 1. Universidade Portucalense Curso Satélite de Matemática Sessão n.º 1 Universidade Portucalense Conceitos Algébricos Propriedades das operações de números reais Considerem-se três números reais quaisquer, a, b e c. 1. A adição de

Leia mais

Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17)

Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17) Errata da lista 1: Na página 4 (respostas), a resposta da letra e da questão 13 é {2, 3, 5, 7, 11, 13, 17} (faltou o número 17) Lista 1 - Bases Matemáticas Elementos de Lógica e Linguagem Matemática 1

Leia mais

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F.

Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 8 ano E.F. Módulo de Números Naturais. Divisibilidade e Teorema da Divisão Euclideana. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1.

Leia mais

1).- Significado de congruência e de congruência numérica

1).- Significado de congruência e de congruência numérica 5. CONGRUÊNCIAS NUMÉRICAS 1). Significado de congruência e de congruência numérica 2). Exemplos exploratórios e a notação mod q 3). Definição geral de congruência numérica 4). Regras: somando e multiplicando

Leia mais

Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma:

Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma: EQUAÇÕES POLINOMIAIS. EQUAÇÃO POLINOMIAL OU ALGÉBRICA Denominamos equação polinomial ou equação algébrica de grau n a toda equação da forma: p(x) = a n x n + a n x n +a n x n +... + a x + a 0 = 0 onde

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 11. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema Chinês dos Restos. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 11. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema Chinês dos Restos. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 11 O Teorema Chinês dos Restos Iremos estudar um antigo teorema descoberto pelos chineses no início século

Leia mais

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 2. Equações Diofantinas Lineares e o Teorema Chinês dos Restos. Samuel Feitosa

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 2. Equações Diofantinas Lineares e o Teorema Chinês dos Restos. Samuel Feitosa XIX Semana Olímpica de Matemática Nível Equações Diofantinas Lineares e o Teorema Chinês dos Restos Samuel Feitosa O projeto da XIX Semana Olímpica de Matemática foi patrocinado por: Semana Olímpica 016

Leia mais

Identidades algébricas

Identidades algébricas LIÇÃO 5 Identidades algébricas Dos três tipos básicos de transformações algébricas: decomposições, reduções e fatorações, os dois primeiros já foram estudados na lição anterior. Antes de passarmos ao terceiro

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula

Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula Cálculo Diferencial e Integral Química Notas de Aula João Roberto Gerônimo 1 1 Professor Associado do Departamento de Matemática da UEM. E-mail: jrgeronimo@uem.br. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Esta notas de aula

Leia mais

r O GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Março de 2013

r O GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Março de 2013 GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Março de 013 Questão 1. (pontuação: 1,5) É dado um retângulo ABCD tal que em seu interior estão duas circunferências tangentes exteriormente no ponto T, como mostra a figura abaixo.

Leia mais

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 Neste curso, consideraremos o conjunto dos números naturais como sendo o conjunto N = {0, 1, 2, 3,... }, denotando por N o conjunto N \ {0}. Como

Leia mais

5 Congruências lineares. Programa. 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações. 1 Conjuntos. 4 Indução matemática e divisibilidade

5 Congruências lineares. Programa. 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações. 1 Conjuntos. 4 Indução matemática e divisibilidade Matemática Discreta 2008/09 Jorge André & Vítor Hugo Fernandes Departamento de Matemática FCT/UNL Programa 1 Parte 1 - Conjuntos e Aplicações 1 Conjuntos 2 Relações Binárias 3 Aplicações 4 Indução matemática

Leia mais

a) Falsa. Por exemplo, para n = 2, temos 3n = 3 2 = 6, ou seja, um número par.

a) Falsa. Por exemplo, para n = 2, temos 3n = 3 2 = 6, ou seja, um número par. Matemática Unidade I Álgebra Série - Teoria dos números 01 a) Falsa. Por exemplo, para n =, temos 3n = 3 = 6, ou seja, um número par. b) Verdadeira. Por exemplo, para n = 1, temos n = 1 =, ou seja, um

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Prof. Ulisses Lima Parente 1 Os números irracionais Ao longo deste módulo, vimos que a representação

Leia mais

Representação dos Naturais

Representação dos Naturais Representação dos Naturais O Sitema Decimal Os números naturais foram representados ao longo da história de vários modos distintos. O modo universalmente utilizado na atualidade é a representação decimal

Leia mais

MATEMÁTICA 1 MÓDULO 2. Divisibilidade. Professor Matheus Secco

MATEMÁTICA 1 MÓDULO 2. Divisibilidade. Professor Matheus Secco MATEMÁTICA 1 Professor Matheus Secco MÓDULO 2 Divisibilidade 1. DIVISIBILIDADE 1.1 DEFINIÇÃO: Dizemos que o inteiro a é divisível pelo inteiro b (ou ainda que a é múltiplo de b) se existe um inteiro c

Leia mais

Triângulos retângulos com lados inteiros: Procurando as hipotenusas

Triângulos retângulos com lados inteiros: Procurando as hipotenusas MATEMÁTICA UNIVERSITÁRIA n o 41 Dezembro/2006 pp. 1 10 Triângulos retângulos com lados inteiros: Procurando as hipotenusas José F. Andrade 1 Introdução O objetivo principal deste artigo é determinar os

Leia mais

Ficha de trabalho Decomposição e resolução de equações e inequações polinomiais

Ficha de trabalho Decomposição e resolução de equações e inequações polinomiais Ficha de trabalho Decomposição e resolução de equações e inequações polinomiais 1. Verifique, recorrendo ao algoritmo da divisão, que: 6 4 0x 54x + 3x + é divisível por x 1.. De um modo geral, que relação

Leia mais

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c Números Reais Víctor Arturo Martínez León (victor.leon@unila.edu.br) 1 Os números racionais Os números racionais são os números da forma a, sendo a e b inteiros e b 0; o conjunto b dos números racionais

Leia mais

Uma curiosa propriedade com inteiros positivos

Uma curiosa propriedade com inteiros positivos Uma curiosa propriedade com inteiros positivos Fernando Neres de Oliveira 21 de junho de 2015 Resumo Neste trabalho iremos provar uma curiosa propriedade para listas de inteiros positivos da forma 1, 2,...,

Leia mais

GABARITO Prova Verde. GABARITO Prova Rosa

GABARITO Prova Verde. GABARITO Prova Rosa Sistema ELITE de Ensino COLÉGIO NAVAL 011/01 GABARITO Prova Verde MATEMÁTICA 01 E 11 D 0 D 1 A 03 E 13 ANULADA 0 E 1 ANULADA 05 D 15 B 06 D 16 C 07 B 17 C 08 E 18 B 09 A 19 A 10 C-Passível de anulação

Leia mais

Matemática Discreta. Introdução à Teoria de Números - Exercícios 1 o ano /2011

Matemática Discreta. Introdução à Teoria de Números - Exercícios 1 o ano /2011 Lic. em Ciências da Computação Matemática Discreta Introdução à Teoria de Números - Exercícios 1 o ano - 2010/2011 1. Determine o quociente e o resto na divisão de: (a) 310156 por 197; (b) 32 por 45; (c)

Leia mais

O Problema da Pirâmide de Base Quadrada

O Problema da Pirâmide de Base Quadrada Proceeding Series of the Brazilian Society of Applied and Computational Mathematics, Vol. 3, N. 1, 015. Trabalho apresentado no XXXV CNMAC, Natal-RN, 014. O Problema da Pirâmide de Base Quadrada Jaime

Leia mais

XXXV Olimpíada Cearense de Matemática Nível 3 - Ensino Médio

XXXV Olimpíada Cearense de Matemática Nível 3 - Ensino Médio XXXV Olimpíada Cearense de Matemática Nível 3 - Ensino Médio Reservado para a correção Prova Probl. 1 Probl. Probl. 3 Probl. 4 Probl. 5 Total # 3000 Nota - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

Inteiros que são soma de dois quadrados

Inteiros que são soma de dois quadrados UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS DEPARTAMENTO DE MATEMATICA ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Inteiros que são soma de dois quadrados Ana Carolina Neves Pinto 80603 Bruno Alves Pereira 90531 Lislene

Leia mais

Capítulo Coordenadas no Espaço. Seja E o espaço da Geometria Euclidiana tri-dimensional.

Capítulo Coordenadas no Espaço. Seja E o espaço da Geometria Euclidiana tri-dimensional. Capítulo 9 1. Coordenadas no Espaço Seja E o espaço da Geometria Euclidiana tri-dimensional. Um sistema de eixos ortogonais OXY Z em E consiste de três eixos ortogonais entre si OX, OY e OZ com a mesma

Leia mais

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização

Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização Dedução Indução Contra-exemplos Contradição Contrapositiva Construção Diagonalização 1 Provas, lemas, teoremas e corolários Uma prova é um argumento lógico de que uma afirmação é verdadeira Um teorema

Leia mais

Universidade do Minho

Universidade do Minho Teórica n o 1 2007-02-22 Apresentação do docente e da disciplina. Algumas revisões de teoria de números elementar. O algoritmo de Euclides estendido; demonstração do teorema que fundamenta o algoritmo.

Leia mais

Números Primos, MDC e MMC. O próximo teorema nos diz que os primos são as peças fundamentais dos números inteiros:

Números Primos, MDC e MMC. O próximo teorema nos diz que os primos são as peças fundamentais dos números inteiros: Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível Prof. Samuel Feitosa Aula 4 Números Primos, MDC e MMC. Definição 1. Um inteiro p > 1 é chamado número primo se não possui um divisor d

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

Cada questão da parte A vale 4 pontos e cada questão da parte B vale 10 pontos (total de pontos do nível III-fase de seleção = 60 pontos).

Cada questão da parte A vale 4 pontos e cada questão da parte B vale 10 pontos (total de pontos do nível III-fase de seleção = 60 pontos). III OLIMPÍADA REGIONAL DE MATEMÁTICA Nível III Ensino Médio DE RIEIRÃO PRETO FASE DE SELEÇÃO - 7 de setembro de 008 Cada questão da parte A vale 4 pontos e cada questão da parte vale 10 pontos (total de

Leia mais

(b) Em quantos destes anagramas as letras CI aparecem juntas e nesta ordem? (c) Em quantos anagramas a letra A aparece antes (a esquerda) da letra E?

(b) Em quantos destes anagramas as letras CI aparecem juntas e nesta ordem? (c) Em quantos anagramas a letra A aparece antes (a esquerda) da letra E? Exercício 1. (a) Quantos são os anagramas da palavra CINEMA. (b) Em quantos destes anagramas as letras CI aparecem juntas e nesta ordem? (c) Em quantos anagramas a letra A aparece antes (a esquerda) da

Leia mais

Teorema do ângulo externo e sua consequencias

Teorema do ângulo externo e sua consequencias Teorema do ângulo externo e sua consequencias Definição. Os ângulos internos de um triângulo são os ângulos formados pelos lados do triângulo. Um ângulo suplementar a um ângulo interno do triângulo é denominado

Leia mais

Exercícios. setor Aula 39 DETERMINANTES (DE ORDENS 1, 2 E 3) = Resposta: 6. = sen 2 x + cos 2 x Resposta: 1

Exercícios. setor Aula 39 DETERMINANTES (DE ORDENS 1, 2 E 3) = Resposta: 6. = sen 2 x + cos 2 x Resposta: 1 setor 0 00508 Aula 39 ETERMINANTES (E ORENS, E 3) A toda matriz quadrada A de ordem n é associado um único número, chamado de determinante de A e denotado, indiferentemente, por det(a) ou por A. ETERMINANTES

Leia mais

Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples

Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples Números Inteiros Axiomas e Resultados Simples Apresentamos aqui diversas propriedades gerais dos números inteiros que não precisarão ser provadas quando você, aluno, for demonstrar teoremas nesta disciplina.

Leia mais

Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos Análise de Algoritmos Técnicas de Prova Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG julho - 2015 Técnicas de Prova Definição Uma prova é um argumento válido que mostra a veracidade de um enunciado matemático.

Leia mais

Equações Diofantinas Quadráticas. As triplas de números inteiros positivos (a, b, c) que satisfazem a equação. a 2 +b 2 = c 2

Equações Diofantinas Quadráticas. As triplas de números inteiros positivos (a, b, c) que satisfazem a equação. a 2 +b 2 = c 2 Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 3 Carlos Gustavo Moreira Aula 11 Equações Diofantinas Quadráticas 1 Ternas Pitagóricas As triplas de números inteiros positivos (a, b,

Leia mais

Notas de Aulas. Prof a Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo. Prof. Frederico Sercio Feitosa (colaborador)

Notas de Aulas. Prof a Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo. Prof. Frederico Sercio Feitosa (colaborador) Notas de Aulas Introdução à Álgebra Prof a Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Prof. Frederico Sercio Feitosa (colaborador) 2009 ii i Introdução à Álgebra (MAT128) Introdução à Teoria dos Números

Leia mais

Notas sobre os anéis Z m

Notas sobre os anéis Z m Capítulo 1 Notas sobre os anéis Z m Estas notas complementam o texto principal, no que diz respeito ao estudo que aí se faz dos grupos e anéis Z m. Referem algumas propriedades mais específicas dos subanéis

Leia mais

TEOREMA DE LEGENDRE GABRIEL BUJOKAS

TEOREMA DE LEGENDRE GABRIEL BUJOKAS TEOREMA DE LEGENDRE GABRIEL BUJOKAS A nossa meta hoje é responder a seguinte questão: Questão. Para a, b Z, determine se a equação ( ) tem uma solução com x, y, z Z, além da solução trivial x = y = z =

Leia mais

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais :

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Neste conjunto podemos resolver uma infinidade de equações do tipo A solução pertence

Leia mais

Matemática A Extensivo V. 2

Matemática A Extensivo V. 2 GRITO Matemática Extensivo V. Exercícios 0) a) Verdadeira. e são elementos de. b) Verdadeira. Pois {} é elemento de. c) Verdadeira. Pois não é elemento de. d) Verdadeira. Pois {} é um subconjunto de. e)

Leia mais

Quantos Dígitos...? 1

Quantos Dígitos...? 1 1 Introdução Quantos Dígitos? 1 Roberto Ribeiro Paterlini Departamento de Matemática da UFSCar É muito comum encontrarmos, em textos de Matemática para o 1 e 2 graus, questões sobre contagem de dígitos

Leia mais

Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina.

Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina. Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina. O material completo a ser estudado encontra-se no Capítulo 11 - Seção 1.3 do livro texto da disciplina: Aritmética, A. Hefez,

Leia mais

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 3. Polinômios em Z[x] Matheus Secco

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 3. Polinômios em Z[x] Matheus Secco XIX Semana Olímpica de Matemática Nível 3 Polinômios em Z[x] Matheus Secco O projeto da XIX Semana Olímpica de Matemática foi patrocinado por: Polinômios em Z[x] N3 Professor Matheus Secco 1 Ferramentas

Leia mais

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada:

Definimos a soma de seqüências fazendo as operações coordenada-a-coordenada: Aula 8 polinômios (Anterior: chinês. ) 8.1 séries formais Fixemos um anel A. Denotaremos por A N o conjunto de todas as funções de N = {, 1, 2,... } a valores em A. Em termos mais concretos, cada elemento

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO ÁLGEBRA LINEAR

RACIOCÍNIO LÓGICO ÁLGEBRA LINEAR RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 11 ÁLGEBRA LINEAR I - POLINÔMIOS POLINÔMIOS E EQUAÇÕES ALGÉBRICAS 1 Definição Seja C o conjunto dos números complexos ( números da forma a + bi, onde a e b são números reais e i

Leia mais

TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA

TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA TEORIA 6: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 2º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA Nome: Turma: Data / / Prof: Walnice Brandão Machado Equações de 2º grau Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação

Leia mais

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Números Irracionais e Reais 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. No quadro abaixo, determine quais números são irracionais.

Leia mais

Resposta:

Resposta: Gabarito - Dia 1 Exercício 1. Utilizando a Cifra de ATBASH decifre a mensagem VHHV VCVIXRXRL V UZXRO. Esse exercício é fácil. Exercício 2. Utilize o código de Políbio para codicar a mensagem Pensar é um

Leia mais

Olimpíada Pernambucana de Matemática Nível 2 (8 o e 9 o anos)

Olimpíada Pernambucana de Matemática Nível 2 (8 o e 9 o anos) Olimpíada Pernambucana de Matemática - 205 Nível 2 (8 o e 9 o anos). Quantos números com dois algarismos distintos são compostos? Resolução. Para fazer essa contagem utilizaremos o príncipio da inclusão-exclusão.

Leia mais

4 de outubro de MAT140 - Cálculo I - Método de integração: Frações Parciais

4 de outubro de MAT140 - Cálculo I - Método de integração: Frações Parciais MAT140 - Cálculo I - Método de integração: Frações Parciais 4 de outubro de 2015 Iremos agora desenvolver técnicas para resolver integrais de funções racionais, conhecido como método de integração por

Leia mais

OBMEP NA ESCOLA Soluções

OBMEP NA ESCOLA Soluções OBMEP NA ESCOLA 016 - Soluções Q1 Solução item a) A área total do polígono da Figura 1 é 9. A região inferior à reta PB é um trapézio de área 3. Isso pode ser constatado utilizando a fórmula da área de

Leia mais

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos

Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios sugeridos MAT 1351 Cálculo para funções uma variável real I Curso noturno de Licenciatura em Matemática 1 semestre de 2016 Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Resumo das aulas dos dias 4 e 11 de abril e exercícios

Leia mais

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA Potenciação Radiciação Fatoração Logaritmos Equações Polinômios Trigonometria

APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA Potenciação Radiciação Fatoração Logaritmos Equações Polinômios Trigonometria APOSTILA DE MATEMÁTICA BÁSICA Potenciação Radiciação Fatoração Logaritmos Equações Polinômios Trigonometria O que é preciso saber (passo a passo) Seja: Potenciação O expoente nos diz quantas vezes à base

Leia mais

Módulo de Elementos básicos de geometria plana. Conceitos Geométricos Básicos. Oitavo Ano

Módulo de Elementos básicos de geometria plana. Conceitos Geométricos Básicos. Oitavo Ano Módulo de Elementos básicos de geometria plana Conceitos Geométricos Básicos Oitavo Ano Conceitos Geométricos Básicos 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. Dados quatro pontos distintos A, B, C e D,

Leia mais

Colégio Naval 2003 (prova verde)

Colégio Naval 2003 (prova verde) Colégio Naval 00 (prova verde) 01) Analise as seguintes afirmativas sobre um sistema S se duas equações do primeiro grau com duas incógnitas X e Y. I - S sempre terá ao menos uma solução, se os seus termos

Leia mais

Algoritmos. OBMEP Teoria dos números - Parte I. Algoritmo da divisão:

Algoritmos. OBMEP Teoria dos números - Parte I. Algoritmo da divisão: OBMEP Teoria dos números - Parte I Elaine Pimentel 1 o Semestre - 2006 Algoritmos Algoritmo = processo de cálculo baseado em regras formais Especificação de um algoritmo: entrada + instruções + saída Perguntas:

Leia mais

Números naturais e cardinalidade

Números naturais e cardinalidade Números naturais e cardinalidade Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 5 de Janeiro de 2008 Resumo 1 Axiomas de Peano e o princípio da indução Intuitivamente, o conjunto N dos números naturais corresponde

Leia mais

Matemática II /06 - Matrizes 1. Matrizes

Matemática II /06 - Matrizes 1. Matrizes Matemática II - 00/0 - Matrizes Matrizes Introdução Se m e n são números naturais, chama-se matriz real de tipo m n (m vezes n ou m por n) a uma função A : f; ; :::; mg f; ; :::; ng R: (i; j) A (i; j)

Leia mais

MATEMÁTICA MÓDULO 1 TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE 1.1. DEFINIÇÃO 1.2. CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE

MATEMÁTICA MÓDULO 1 TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE 1.1. DEFINIÇÃO 1.2. CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE TEORIA DOS NÚMEROS 1. DIVISIBILIDADE Neste momento inicial, nosso interesse será em determinar quando a divisão entre dois números inteiros é exata, ou seja, quando o resto da divisão é 0. Antes de mais

Leia mais

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x

Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma anxn + an 1 xn 1 + an 2 xn a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x EQUAÇÃO POLINOMIAL Equação algébrica Equação polinomial ou algébrica é toda equação na forma a n x n + a n 1 x n 1 + a n 2 x n 2 +... + a 2 x 2 + a 1 x + a 0, sendo x C a incógnita e a n, a n 1,..., a

Leia mais

RESOLUÇÕES LISTA 02. b) FALSA, pois para termos a equação de uma reta em um certo ponto a função deve ser derivável naquele ponto.

RESOLUÇÕES LISTA 02. b) FALSA, pois para termos a equação de uma reta em um certo ponto a função deve ser derivável naquele ponto. UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CAMPUS DA CIDAO CURSO DE MATEMÁTICA CÁLCULO NUMÉRICO JOSÉ CLAUDIMAR DE SOUSA RESOLUÇÕES LISTA 02 QUESTÃO 1 a) Pela equação

Leia mais

Teoria Combinatória dos Números

Teoria Combinatória dos Números Teoria Combinatória dos Números Samuel Feitosa, Yuri Lima, Davi Nogueira 27 de fevereiro de 2004 O objetivo deste artigo é mostrar algumas propriedades dos números inteiros, que combinadas podem originar

Leia mais

Equações de 2º grau. Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: IR e

Equações de 2º grau. Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: IR e Equações de 2º grau Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: ax 2 + bx + c = 0; a, b, c IR e Exemplo: x 2-5x + 6 = 0 é um equação do 2º grau com a = 1, b = -5 e

Leia mais

MDC, MMC, Algoritmo de Euclides e o Teorema de Bachet-Bézout

MDC, MMC, Algoritmo de Euclides e o Teorema de Bachet-Bézout Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 3 Carlos Gustavo Moreira Aula 3 MDC, MMC, Algoritmo de Euclides e o Teorema de Bachet-Bézout 1 mdc, mmc e Algoritmo de Euclides Dados

Leia mais

XXV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA Segunda Fase Nível 2 (7 a. ou 8 a. séries)

XXV OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA Segunda Fase Nível 2 (7 a. ou 8 a. séries) PROBLEMA No desenho ao lado, o quadrado ABCD tem área de 30 cm e o quadrado FHIJ tem área de 0 cm. Os vértices A, D, E, H e I dos três quadrados pertencem a uma mesma reta. Calcule a área do quadrado BEFG.

Leia mais

a é sempre o coeficiente de x²; b é sempre o coeficiente de x, c é o coeficiente ou termo independente.

a é sempre o coeficiente de x²; b é sempre o coeficiente de x, c é o coeficiente ou termo independente. Definições Denomina-se equação do 2º grau na incógnita x, toda equação da forma: ax 2 + bx + c = 0; a, b, c Exemplo: x 2-5x + 6 = 0 é um equação do 2º grau com a = 1, b = -5 e c = 6. 6x 2 - x - 1 = 0 é

Leia mais

Números Primos e Criptografia RSA

Números Primos e Criptografia RSA Números Primos e Criptografia RSA Jean Carlo Baena Vicente Matemática - UFPR Orientador: Carlos Henrique dos Santos 6 de outubro de 2013 Sumário Criptografia RSA Por que o RSA funciona? Fatoração Primalidade

Leia mais

6. FUNÇÃO QUADRÁTICA 6.1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

6. FUNÇÃO QUADRÁTICA 6.1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 47 6. FUNÇÃO QUADRÁTICA 6.1. CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Na figura abaixo, seja a reta r e o ponto F de um determinado plano, tal que F não pertence a r. Consideremos as seguintes questões: Podemos obter,

Leia mais

TEORIA DOS NÚMEROS ****************************** Departamento de Matemática. Universidade de Aveiro

TEORIA DOS NÚMEROS ****************************** Departamento de Matemática. Universidade de Aveiro INTRODUÇÃO À TEORIA DOS NÚMEROS Vítor Neves ****************************** Departamento de Matemática Universidade de Aveiro 2001 Introdução O presente texto resulta da evolução de um conjunto de notas

Leia mais

Resolução dos Exercícios 31/05-09/06.

Resolução dos Exercícios 31/05-09/06. Resolução dos Exercícios 31/05-09/06. 1. Seja A um domínio de integridade. Mostre que todo subgrupo finito de U(A) é cíclico. Seja K o corpo de frações de A. Então A é um subanel de K (identificado com

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 22 Resumo. Aritmética das Classes Residuais

MA14 - Aritmética Unidade 22 Resumo. Aritmética das Classes Residuais MA14 - Aritmética Unidade 22 Resumo Aritmética das Classes Residuais Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio

Leia mais

Aula 14 DOMÍNIOS FATORIAIS META. Estabelecer o conceito de domínio fatorial. OBJETIVOS

Aula 14 DOMÍNIOS FATORIAIS META. Estabelecer o conceito de domínio fatorial. OBJETIVOS Aula 14 DOMÍNIOS FATORIAIS META Estabelecer o conceito de domínio fatorial. OBJETIVOS Aplicar a definição de domínio fatorial na resolução de problemas. Estabelecer a definição de máximo divisor comum

Leia mais

Matemática Régis Cortes EQUAÇÕES DE GRAUS

Matemática Régis Cortes EQUAÇÕES DE GRAUS EQUAÇÕES DE 1 0 E 2 0 GRAUS 1 EQUAÇÃO DO 1º GRAU As equações do primeiro grau são aquelas que podem ser representadas sob a forma ax+b=0,em que a e b são constantes reais, com a diferente de 0, e x é a

Leia mais

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 2. Divisibilidade. Carlos Shine

XIX Semana Olímpica de Matemática. Nível 2. Divisibilidade. Carlos Shine XIX Semana Olímpica de Matemática Nível 2 Divisibilidade Carlos Shine O projeto da XIX Semana Olímpica de Matemática foi patrocinado por: Divisibilidade Carlos Shine 1 Alguns princípios básicos Combinação

Leia mais

matematicaconcursos.blogspot.com

matematicaconcursos.blogspot.com Professor: Rômulo Garcia Email: machadogarcia@gmail.com Conteúdo Programático: Teoria dos Números Exercícios e alguns conceitos imortantes Números Perfeitos Um inteiro ositivo n diz-se erfeito se e somente

Leia mais

Definição. Dois ângulos são congruentes se eles têm a mesma medida.

Definição. Dois ângulos são congruentes se eles têm a mesma medida. Axiomas de Congruência A partir das noções de medida de segmentos e de ângulos são introduzidos os conceitos de congruência de segmentos, ângulos e triângulos. São apresentados, também, teoremas que dão

Leia mais