Números Inteiros Algoritmo da Divisão e suas Aplicações

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Números Inteiros Algoritmo da Divisão e suas Aplicações"

Transcrição

1 Números Inteiros Algoritmo da Divisão e suas Aplicações Diferentemente dos números reais (R), o conjunto dos inteiros (Z) não é fechado para a divisão. Esse não-fechamento faz com que a divisão entre inteiros seja um tanto esquisita. Na verdade, essa esquisitice é útil em uma grande variedade de interessantes aplicações práticas. A divisão de inteiros será vista nesta aula na forma de um teorema chamado de algoritmo da divisão. Depois, veremos aplicações teóricas e práticas desse teorema. 1. Algoritmo da Divisão O teorema conhecido como Algoritmo da Divisão (apesar de não ser um algoritmo), informalmente, diz que: ao dividir um inteiro n (dividendo) por um inteiro positivo d (divisor), obtemos dois resultados: o quociente q e o resto positivo r O que o lema faz é explicar a relação algébrica entre essas quatro variáveis (n, d, q e r), como veremos a seguir 1. Teorema Algoritmo da Divisão : Se n é um número inteiro e d é um número inteiro positivo Então, existem dois números inteiros únicos q e r tais que i. n = d. q + r ii. e 0 r < d (Dizemos que q e r são o resultado da divisão de n por d, sendo o q chamado de quociente da divisão e o r, chamado de resto). 1 Observe que, na forma como apresentamos este teorema, o divisor d não pode ser zero e também não pode ser negativo. Trabalharemos assim nesta disciplina, mas a última exigência pode ser relaxada. 1

2 Demonstração direta: A demonstração deste teorema se baseia na aplicação do axioma chamado de princípio da boa ordem. Provamos as partes (i) e (ii) em sequência. Sejam n e d dois inteiros quaisquer, onde d > 0. Agora, considere o conjunto abaixo construído a partir de n e d: C = { n k.d onde k é um inteiro qualquer e n k.d 0 } = {..., n 3d, n 2d, n d, n, n+d, n+2d, n+3d,... } Primeiramente, podemos afirmar que C é não-vazio, independente de n ou d. (Pois, adotando k=0 ou k=n, teremos, para um deles, que n kd 0). Assim, o princípio garante que C tem um elemento mínimo. Vamos chamar este mínimo de r. (Este mínimo corresponde exatamente ao resto que queremos). A- lém disso, pela definição de C, temos r = n qd, para algum valor inteiro q. Este inteiro q é o único que pode gerar r, por conta da equação linear envolvida. (Este q corresponde ao quociente que queremos). Rearrumando esta equação provamos uma parte do teorema: (i) n = qd + r, para certos q e r inteiros Agora, vamos provar a segunda parte. Já sabemos que r 0 (porque isso é verdade para todo elemento de C). Agora, vamos argumentar que r < d, por redução ao absurdo: Assumindo que r d. Vamos provar que, neste caso, existe um elemento de C menor do que r, que seria uma contradição. (Observe que vamos definir um certo r de modo compatível com a regra que define os elementos de C, mas usando k = q + 1). Seja r definido assim: r = n (q+1)d. Desenvolvendo, obtemos r = n qd d. Usando a definição de r, provamos que r = r d. Rearrumando a hipótese r d, obtemos r d 0. Usando a equação anterior, obtemos r 0. Logo r pertence a C. Além disso, como d é positivo, r d é menor que r. Logo r < r. Isso contradiz a escolha de r como mínimo de C. Com isso, provamos a segunda (e última) parte do teorema: (ii) 0 r < d (Provado). Observe que o teorema mostra como, a partir de um par (n, d) se define de forma única o par (q, r). É como se ele apresentasse a divisão como uma operação entre inteiros que 2

3 retorna dois resultados. Para se referir somente a um dos resultados da divisão por vez, vamos definir essas duas operações: n div d retorna o quociente inteiro (o q do teorema acima) n mod d retorna o resto inteiro positivo (o r to teorema acima) Com base nessas operações, podemos redefinir a equação do teorema como: n = d. (n div d) + (n mod d) Exemplos (todos com d=3): A divisão de n = 7 por d = 3 dá q = 2 e r = 1 o pois 7 = e 0 r < 3 A divisão de n = 27 por d = 3 dá q = 9 e r = 0 o pois 27 = e 0 r < 3 A divisão de n = 1 por d = 3 dá q = 0 e r = 1 o pois 1 = e 0 r < 3 A divisão de n = 7 por d = 3 dá q = 3 e r = 2 o pois 7 = 3.( 3) + 2 e 0 r < 3 Veja que o algoritmo de divisão exige que o resto seja sempre não-negativo. Por isso, quando o dividendo é negativo (como no último exemplo), o quociente não é aquele que estamos acostumados a usar na divisão de inteiros ele é uma unidade a menos. Por exemplo, na divisão que tipicamente usamos, 7 dividido por 3 daria quociente 2 com resto 1. Porém, no quarto exemplo, o quociente (q) ficou com uma unidade a menos (e o resto você pode calcular a partir de n, d e q). Estejam atentos a este detalhe! A seguir, veremos uma aplicação interessante do teorema algoritmo na divisão (que não é um algoritmo!), para provar a corretude de um algoritmo genuíno. 3

4 2. Algoritmo de Euclides O algoritmo de Euclides para calcular o mdc de dois números recebe seu nome de um importante matemático da Grécia antiga. Antes de apresentarmos o algoritmo propriamente dito, vamos mostrar e provar o teorema que está por trás deste algoritmo: Teorema: Se a e b são naturais e b 0, então mdc(a,b) = mdc(b, a mod b). Demonstração: Segue um esboço da idéia: Para simplificar a notação, seja r = a mod b. Como r corresponde ao resto da divisão de a por b, pelo algoritmo da divisão podemos escrever: a = b.q + r (para algum q inteiro). Logo, temos a equação I abaixo: r = a q.b Agora, a idéia central da demonstração consiste em provar que: o Todo divisor comum de a e b é divisor de b e de r. Ou seja, você prova que se x a e x b, então x b e x r. o E que todo divisor comum de b e r é também divisor de a e de b. Ou seja, você prova que se x b e x r, então x a e x b. Provando essas duas partes (tente fazer sozinho!), você garante que o par (a,b) tem os mesmos divisores comuns que o par (b,r). Logo, o máximo dos divisores comuns de (a,b) é o mesmo máximo dos divisores comuns de (b,r)! Assim, estará provado o teorema. O teorema acima nos permite reduzir o cálculo do mdc(a, b) ao cálculo do mdc entre dois valores (em geral) menores: mdc(b, a mod b). Podemos repetir essa redução sucessivamente até não ser mais possível. Essa é a idéia simples por trás do algoritmo de Euclides. Exemplificamos a seguir. Exemplo: Calcular mdc(414, 662): Esse mdc pode ser calculado assim: mdc(414, 662) = mdc(662, 414 mod 662) 4

5 Que equivale a calcular sucessivamente: = mdc(662, 414) = mdc(414, 662 mod 414) = mdc(414, 248)= mdc(248, 414 mod 248) = mdc(248, 166) = mdc(166, 248 mod 166) = mdc(166, 82)= mdc(82, 166 mod 82) = mdc(82, 2) = mdc(2, 82 mod 2) = mdc(2, 0) Como todo inteiro é divisor de 0, maior divisor comum entre 2 e 0 é o próprio 2: = 2 De modo geral, temos: para todo a inteiro positivo, mdc(a,0) = a. Essa é a informação que faltava para completarmos um algoritmos para calcular o mdc o algoritmo de Euclides. A seguir, damos uma implementação recursiva dele em Python. (Fica como exercício fazer uma implementação iterativa). def mdc(a, b): if (b == 0): return a else: return mdc(b, a % b) O algoritmo de Euclides é mais eficiente (mais rápido) computacionalmente e mais fácil de implementar do que a idéia que vimos na aula passada, baseada na fatoração de a e b em fatores primos. Agora que já sabemos calcular o mdc eficientemente, como poderíamos calcular o mmc eficientemente? Para isso, veja o último teorema da aula passada! 5

6 3. Aritmética Modular Observe que, pelo lema da divisão, o resto da divisão de um número qualquer por um valor m só pode dar m valores distintos: de 0 a m-1. Assim, obviamente, dois números inteiros diferentes, quando divididos por um mesmo m, podem dar um mesmo resto. A aritmética modular surge da idéia de relacionar os números que dão o mesmo resto ao serem divididos por um dado valor m. Esta relação é chamada de relação de congruência módulo m e sua definição é dada abaixo (porém sem mencionar resto da divisão): Usamos a notação a b (mod m) sse tivermos que 2 m > 0 e m (a b). Dizemos que a é congruente a b, módulo m, neste caso Não provaremos, mas a definição dada acima equivale à seguinte definição, que mostra claramente a ligação com o resto da divisão: a b (mod m) sse a mod m = b mod m No entanto, a definição original é, geralmente, a que deixa as demonstrações dos teoremas mais simples. Antes de provar teoremas, vamos exemplificar casos da relação dada. Exemplos: 3 0 (mod 3), pois 3 (3-0) (ou porque 3 mod 3 = 0 mod 3 = 0) 2 5 (mod 3), pois 3 (2-5) (ou porque 2 mod 3 = 5 mod 3 = 2) 29 8 (mod 3), pois 3 (29-8) (mod 2) 8 0 (mod 2) A seguir, damos alguns resultados (teoremas) bastante simples: a 0 (mod 2) é verdade sse a é par (a é múltiplo de 2) a 1 (mod 2) é verdade sse a é ímpar 2 A condição de que m > 0 pode ser relaxada, mas vamos trabalhar assim nesta disciplina. 6

7 a 0 (mod 3) é verdade sse a é múltiplo de 3 a 0 (mod 4) é verdade sse a é múltiplo de Propriedades As relações de congruência têm várias propriedades análogas às propriedades da relação de igualdade (entre números inteiros). Seguem algumas dessas propriedades, válidas para todos a, b e c inteiros e para todo m inteiro positivo: o a a (mod m) [Reflexiva] o Se a b (mod m), então b a (mod m) [Simétrica] o Se a b (mod m) e b c (mod m), então a c (mod m) [Transitiva] o Se a b (mod m), então a+c b+c (mod m) o Se a b (mod m), então ac bc (mod m) Todas estas propriedades podem ser provadas a partir da definição da relação. Como exemplo, vamos provar a penúltima propriedade dada. Exemplo: Provar o seguinte teorema (para todos a, b e c Z e m Z + ): Se a b (mod m), então a+c b+c (mod m) Prova direta. Sejam a, b e c inteiros quaisquer. Vamos, ainda, assumir que a b (mod m). Usando a definição da relação de congruência módulo m, temos que: m (a-b) Agora, pela definição da relação divide, isso nos leva a: k. m = a - b (para algum k inteiro) Desenvolvendo a equação, temos: a = b + k. m Calculando a+c com a equação acima, temos: a + c = b + k.m + c (a+c) = (b+c) + k.m (a+c) (b+c) = k.m Pela definição da relação divide temos que: m ((a+c) (b+c)) Assim, pela definição da relação de congruência modulo m, concluímos que: (a+c) (b+c) (mod m) (Provado). 7

8 3.2 Outras Propriedades Diferentemente da igualdade, o cancelamento de um inteiro c nem sempre é possível nas relações de congruência. Ou seja, a afirmação a seguir é falsa: Se ac bc (mod m), então a b (mod m) Um contra-exemplo para a afirmação acima é a=4, b=3, c=2 e m=2. Pois temos que (mod 2), porém não é verdade que 4 3 (mod 2). A regra de cancelamento correta para a relação de congruência é dada abaixo. Na lista de exercícios, há uma questão que pede para você prová-la. Se ac bc (mod m) e mdc(c,m)=1, então a b (mod m) Outras propriedades que se aplicam às relações de congruência não têm análogas na igualdade. Seguem algumas: a a mod m (mod m) a.c (a mod m).(c mod m) (mod m) a+c (a mod m)+(c mod m) (mod m) Juntas, as propriedades apresentadas nos garantem que podemos fazer substituições usando relações de congruência (tal como fazemos na igualdade), desde que seja em expressões envolvendo apenas adição e multiplicação. Veja o próximo exemplo. Exemplo: Provar que Se a x+y (mod 2), então a 2 x 2 +y 2 (mod 2). Prova direta. Hipótese: a x+y (mod 2) Objetivo: a 2 x 2 +y 2 (mod 2) Vamos começar desenvolvendo uma relação de congruência módulo 2 para a 2 (vamos omitir o mod 2, para deixar mais limpo): a 2 a.a Usando a hipótese, podemos substituir o valor de a por (x+y). (x+y).(x+y) 8

9 x 2 + 2xy + y 2 Porém, no módulo 2, temos 2 0, logo: x xy + y 2 x 2 + y 2 (Provado). Um uso interessante da aritmética modular consiste em transformar uma equação a = b em uma relação de congruência a b (mod m) para um m de sua escolha. Isso pode ajudar a simplificar algumas demonstrações matemáticas, como no exemplo a seguir. Exemplo: Prove que se a soma de n números inteiros dá par, então existe uma quantidade par de números ímpares nesta soma. Esboço gera (se der, veremos em sala...), assumindo que há x números inteiros e y números ímpares. Escrever essa soma, agrupando os x pares e os y ímpares, e igualando tudo a 2k, para algum k inteiro. Tirar o módulo de tudo, o que zera todo o grupo dos pares, e torna 1 cada número ímpar (cuja soma dá y). Isso tudo, é congruente a 2k que é congruente a 0. Assim, ficamos com y congruente a 0. A aritmética modular é uma área bastante rica da Matemática. Além disso, ela tem ligação com alguns algoritmos importantes da Computação, em especial o algoritmo RSA, que é um dos mais importantes usados para manter de segurança de dados que trafegam na internet. Veja um pouco mais sobre essas aplicações no material extra. Veja mais de teoria e aplicações no livro do Rosen. 4. Representação de Inteiros em Diferentes Bases (Extra) Como você deve saber, no dia-a-dia, usamos uma representação dos números chamada de representação decimal, pois usamos dez símbolos (0,1,2,...,9) para representar qualquer número inteiro. Nesta notação, a posição do dígito interfere na grandeza que ele representa. Por exemplo, em um número como , cada dígito representa o seguinte: o o dígito 7 representa (ou 7x10 4 ) 9

10 o o primeiro 4 representa (ou 4x10 3 ) o o 9 representa 900 (ou 9x10 2 ) o o segundo 4 representa 40 (ou 4x10 1 ) o o 2 representa, de fato, 2 unidades (ou 2x10 0 ) Em outras palavras, pode ser expresso como a seguinte soma de potências de 10: Por outro lado, os computadores usam, internamente, uma representação binária dos números, apenas com os símbolos 0 e 1. (Um detalhe é que a linguagem de programação faz automaticamente a conversão para a base decimal antes de exibir). Analogamente ao que acontece na base decimal, o valor representado por cada dígito binário depende da sua posição na representação do número. Assim um número binário como representa a seguinte soma de potências de 2: (em decimal, este seria o número 75) Generalizando os princípios usados nas duas representações citadas, será que com uma base inteira positiva b qualquer podemos representar todos os números nela? O teorema a seguir esclarece esta questão. Teorema: Considere b (a base) como um número inteiro maior que 1. Então, se n for um inteiro positivo, ele pode ser expresso como uma única soma da forma: n = D k.b k + D k-1.b k-1 + D k-2.b k D 1.b 1 + D 0 onde: para cada (dígito) D i (onde i é um índice de 0 a k), temos: 0 D i < b e (para o dígito mais à esquerda) temos: D k 0 Em outra palavra, o teorema diz que todo número inteiro positivo n pode ser representado em uma base b qualquer maior que 1. No caso, a representação na base b do número é simplesmente a seqüência dos valores D i (ou de certos símbolos que representem esses valores). No caso geral, para bases diferentes de 10, podemos usar a seguinte notação deixando explícita a base b adotada: 10

11 n = (D k D k-1 D k-2... D 1 D 0 ) b Exemplos: (4253) 7 = = = 1508 (1021) 4 = = = 73 (1021) 3 = = = 34 Demonstração: A demonstração do teorema usa o algoritmo da divisão, mas não vamos dá-la em detalhes. A idéia geral da prova consiste em considerar a divisão de n por b, depois pegar o quociente e dividir por b, depois pegar o novo quociente e dividir por b, e assim sucessivamente, até que dê um quociente 0. Os restos dessas divisões sucessivas, na ordem inversa (do último para o primeiro) formarão exatamente os valores D i (ou seja, os dígitos da representação na base b). A demonstração do teorema nos permite deduzir um método (um algoritmo) para converter um número n qualquer para uma base b qualquer: Dividir n por b, guardar o resto. Depois, tomar o quociente da divisão anterior e dividir por b novamente, guardando o novo resto. Repetir essas divisões por b sucessivamente guardando os restos. Parar quando o quociente der 0. Retornar os valores na ordem invertida. Desafio: Tente implementar este algoritmo! Uma sugestão: guarde os restos da divisão em uma lista e a inverta no final. Esta será a representação do número na base b. A partir da representação em uma base b qualquer, podemos definir algoritmos para realizar adição e multiplicação similares aos algoritmos que aprendemos no ensino básico para a base 10: Somar dígito a dígito da direita para a esquerda Se a soma dos dígitos ultrapassar o limite da base, você transporta o excesso para a soma do próximo digito (o chamado vai o um ) 11

12 Por exemplo, se usarmos a representação na base binária, ao somar cada dígito, funciona assim: 0+0 dá 0 e não transporta nada 0+1 ou 1+0 dá 1 e não transporta nada 1+1 dá 0 e transporta 1 Desafio: Tente implementar (em qualquer linguagem, mas recomendo Python) a soma de dois números quaisquer em uma base b qualquer! Já não há condenação para quem está em Cristo Jesus. (Romanos 8:1) 12

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que:

é uma proposição verdadeira. tal que: 2 n N k, Φ(n) = Φ(n + 1) é uma proposição verdadeira. com n N k, tal que: Matemática Discreta 2008/09 Vítor Hugo Fernandes Departamento de Matemática FCT/UNL Axioma (Princípio da Boa Ordenação dos Números Naturais) O conjunto parcialmente (totalmente) ordenado (N, ), em que

Leia mais

, com k 1, p 1, p 2,..., p k números primos e α i, β i 0 inteiros, as factorizações de dois números inteiros a, b maiores do que 1.

, com k 1, p 1, p 2,..., p k números primos e α i, β i 0 inteiros, as factorizações de dois números inteiros a, b maiores do que 1. Como seria de esperar, o Teorema Fundamental da Aritmética tem imensas consequências importantes. Por exemplo, dadas factorizações em potências primas de dois inteiros, é imediato reconhecer se um deles

Leia mais

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012

NÚMEROS INTEIROS. Álgebra Abstrata - Verão 2012 NÚMEROS INTEIROS PROF. FRANCISCO MEDEIROS Álgebra Abstrata - Verão 2012 Faremos, nessas notas, uma breve discussão sobre o conjunto dos números inteiros. O texto é basicamente a seção 3 do capítulo 1 de

Leia mais

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides

Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides Introdução à Teoria dos Números - Notas 4 Máximo Divisor Comum e Algoritmo de Euclides 1 Máximo Divisor Comum Definição 1.1 Sendo a um número inteiro, D a indicará o conjunto de seus divisores positivos,

Leia mais

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez).

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez). SISTEMA DECIMAL 1. Classificação dos números decimais O sistema decimal é um sistema de numeração de posição que utiliza a base dez. Os dez algarismos indo-arábicos - 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 - servem para

Leia mais

Aritmética Binária. Adição. Subtração. Aqui tudo nasce do cálculo.

Aritmética Binária. Adição. Subtração. Aqui tudo nasce do cálculo. Aritmética Binária Aqui tudo nasce do cálculo. Todo o hardware computacional está sustentado sobre cálculos de adição e subtração de elementos binários (bits), portanto o estudo da aritmética binária é

Leia mais

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1

ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1 AULA 15 ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO - PARTE 1 15.1 O comando enquanto-faca- Considere o problema de escrever um algoritmo para ler um número inteiro positivo, n, e escrever todos os números inteiros de 1 a

Leia mais

Matemática para Ciência de Computadores

Matemática para Ciência de Computadores Matemática para Ciência de Computadores 1 o Ano - LCC & ERSI Luís Antunes lfa@ncc.up.pt DCC-FCUP Complexidade 2002/03 1 Inteiros e divisão Definição: Se a e b são inteiros com a 0, dizemos que a divide

Leia mais

Criptografia e Segurança de Rede Capítulo 4. Quarta Edição por William Stallings

Criptografia e Segurança de Rede Capítulo 4. Quarta Edição por William Stallings Criptografia e Segurança de Rede Capítulo 4 Quarta Edição por William Stallings Capítulo 4 Corpos Finitos Na manhã seguinte, ao nascer o dia, Star entrou em casa, aparentemente ávida por uma lição. Eu

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL GIRASSOL TD de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues

CENTRO EDUCACIONAL GIRASSOL TD de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues CENTRO EUCACIONAL GIRASSOL T de Matemática Prof.: Tiago Rodrigues proftiagorodrigues@gmail.com IVISIBILIAE E RESTO. Introdução O assunto divisibilidade no Conjunto dos Inteiros ( ) é extremamente importante

Leia mais

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08

MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 MA14 - Unidade 1 Divisibilidade Semana de 08/08 a 14/08 Neste curso, consideraremos o conjunto dos números naturais como sendo o conjunto N = {0, 1, 2, 3,... }, denotando por N o conjunto N \ {0}. Como

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente

Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas. Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano. Prof. Ulisses Lima Parente Material Teórico - Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Prof. Ulisses Lima Parente 1 Os números irracionais Ao longo deste módulo, vimos que a representação

Leia mais

Matemática Discreta. Introdução à Teoria de Números - Exercícios 1 o ano /2011

Matemática Discreta. Introdução à Teoria de Números - Exercícios 1 o ano /2011 Lic. em Ciências da Computação Matemática Discreta Introdução à Teoria de Números - Exercícios 1 o ano - 2010/2011 1. Determine o quociente e o resto na divisão de: (a) 310156 por 197; (b) 32 por 45; (c)

Leia mais

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos

Unidade I MATEMÁTICA. Prof. Celso Ribeiro Campos Unidade I MATEMÁTICA Prof. Celso Ribeiro Campos Números reais Três noções básicas são consideradas primitivas, isto é, são aceitas sem a necessidade de definição. São elas: a) Conjunto. b) Elemento. c)

Leia mais

Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações

Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações Curso de Aritmética Capítulo 1: Conjuntos Numéricos, Operações Básicas e Fatorações 1. A Base de Nosso Sistema Numérico Se observarmos a história, nós veremos que os primeiros números usados pelos humanos

Leia mais

MATEMÁTICA DISCRETA ARITMÉTICA RACIONAL (2/6) Carlos Luz. EST Setúbal / IPS Abril 2012

MATEMÁTICA DISCRETA ARITMÉTICA RACIONAL (2/6) Carlos Luz. EST Setúbal / IPS Abril 2012 MATEMÁTICA DISCRETA ARITMÉTICA RACIONAL (2/6) Carlos Luz EST Setúbal / IPS 16 22 Abril 2012 Carlos Luz (EST Setúbal / IPS) Aritmética Racional (2/6) 16 22 Abril 2012 1 / 15 Divisão Inteira Teorema Sendo

Leia mais

TEOREMA FUNDAMENTAL DA ARITMÉTICA: APLICAÇÕES

TEOREMA FUNDAMENTAL DA ARITMÉTICA: APLICAÇÕES 4. TEOREMA FUNDAMENTAL DA ARITMÉTICA: APLICAÇÕES 1). Achando os divisores de um número natural 2). Quantidade de divisores de um número natural 3). Decidindo se um número natural divide outro 4). Extrema

Leia mais

1 bases numéricas. capítulo

1 bases numéricas. capítulo capítulo 1 bases numéricas Os números são representados no sistema decimal, mas os computadores utilizam o sistema binário. Embora empreguem símbolos distintos, os dois sistemas formam números a partir

Leia mais

Análise de Algoritmos

Análise de Algoritmos Análise de Algoritmos Técnicas de Prova Profa. Sheila Morais de Almeida DAINF-UTFPR-PG julho - 2015 Técnicas de Prova Definição Uma prova é um argumento válido que mostra a veracidade de um enunciado matemático.

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 15 - Parte 1 Resumo. Congruências

MA14 - Aritmética Unidade 15 - Parte 1 Resumo. Congruências MA14 - Aritmética Unidade 15 - Parte 1 Resumo Congruências Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto.

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores MC102 Algoritmos e Programação de Computadores Instituto de Computação UNICAMP Primeiro Semestre de 2014 Roteiro 1 Maior número 2 Soma de n números 3 Fatorial 4 Máximo Divisor Comum (MDC) 5 Números primos

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento (POT) Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Aula 1 - Divisibilidade I

Polos Olímpicos de Treinamento (POT) Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Aula 1 - Divisibilidade I Polos Olímpicos de Treinamento (POT) Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Aula 1 - Divisibilidade I Samuel Barbosa Feitosa Arquivo Original 1 1 Documento:...gaia/educacional/matematica/teoria numeros2/aula01-divisibilidadei.pdf.

Leia mais

Lista de Exercícios sobre Recursividade

Lista de Exercícios sobre Recursividade Lista de Exercícios sobre Recursividade 1) Dado os algoritmos recursivos abaixo, apresente suas funções de complexidade de tempo. a) void Pesquisa(int n) if (n > 1) Inspecione n*n*n elementos; // custo

Leia mais

a) Falsa. Por exemplo, para n = 2, temos 3n = 3 2 = 6, ou seja, um número par.

a) Falsa. Por exemplo, para n = 2, temos 3n = 3 2 = 6, ou seja, um número par. Matemática Unidade I Álgebra Série - Teoria dos números 01 a) Falsa. Por exemplo, para n =, temos 3n = 3 = 6, ou seja, um número par. b) Verdadeira. Por exemplo, para n = 1, temos n = 1 =, ou seja, um

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo. Divisão Euclidiana

MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo. Divisão Euclidiana MA14 - Aritmética Unidade 2 Resumo Divisão Euclidiana Abramo Hefez PROFMAT - SBM Aviso Este material é apenas um resumo de parte da disciplina e o seu estudo não garante o domínio do assunto. O material

Leia mais

Deixando de odiar Matemática Parte 4

Deixando de odiar Matemática Parte 4 Deixando de odiar Matemática Parte 4 Fatoração 2 Quantidade de divisores de um número natural 3 Mínimo Múltiplo Comum 5 Simplificação de Frações 7 Máximo Divisor Comum 8 Método da Fatoração Simultânea

Leia mais

Fatorando o número 50 em fatores primos, obtemos a seguinte representação: = 50

Fatorando o número 50 em fatores primos, obtemos a seguinte representação: = 50 FATORAÇÃO DE EXPRESSÃO ALGÉBRICA Fatorar consiste em representar determinado número de outra maneira, utilizando a multiplicação. A fatoração ajuda a escrever um número ou uma expressão algébrica como

Leia mais

a) Defina uma função para obter o máximo entre dois números

a) Defina uma função para obter o máximo entre dois números IP, Resoluções comentadas, Semana 2 jrg, vs 002, Out-2012 a) Defina uma função para obter o máximo entre dois números A versão mais imediata talvez seja esta: public static int maior ( int a, int b ) {

Leia mais

Notas em Álgebra Linear

Notas em Álgebra Linear Notas em Álgebra Linear 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Definições básicas Uma equação linear, nas variáveis é uma equação que pode ser escrita na forma: onde e os coeficientes são números reais ou complexos,

Leia mais

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se

Chama-se conjunto dos números naturais símbolo N o conjunto formado pelos números. OBS: De um modo geral, se A é um conjunto numérico qualquer, tem-se UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Conjuntos Numéricos Prof.:

Leia mais

CURSO PRF 2017 MATEMÁTICA

CURSO PRF 2017 MATEMÁTICA AULA 001 1 MATEMÁTICA PROFESSOR AULA 001 MATEMÁTICA DAVIDSON VICTOR 2 AULA 01 - CONJUNTOS NUMÉRICOS CONJUNTO DOS NÚMEROS NATURAIS É o primeiro e o mais básico de todos os conjuntos numéricos. Pertencem

Leia mais

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Potenciação. Lucas Araújo - Engenharia de Produção

CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA Potenciação. Lucas Araújo - Engenharia de Produção CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2014.1 Potenciação Lucas Araújo - Engenharia de Produção Potenciação No século 3 a.c na Grécia antiga, Arquimedes resolveu calcular quantos grãos de areia

Leia mais

Eletrônica Digital. Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José. Área de Telecomunicações. Sistema de Numeração

Eletrônica Digital. Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José. Área de Telecomunicações. Sistema de Numeração Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações Curso Técnico Integrado em Telecomunicações Eletrônica Digital Sistema de Numeração INTRODUÇÃO Eletrônica digital trabalha com

Leia mais

FATORAÇÃO, SIMPLIFICAÇÃO DE RAÍZES EXATAS E MMC

FATORAÇÃO, SIMPLIFICAÇÃO DE RAÍZES EXATAS E MMC PROJETO KALI MATEMÁTICA A AULA 0 FATORAÇÃO, SIMPLIFICAÇÃO DE RAÍZES EXATAS E MMC Introdução Hoje iniciaremos o estudo de alguns assuntos extremamente importantes para uma maior compreensão no ensino da

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ. 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II Professor Márcio Nascimento

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ. 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II Professor Márcio Nascimento UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ Coordenação de Matemática 1 a Lista de Exercícios - Comentada - Estruturas Algébricas II - 214.1 Professor Márcio Nascimento 1. Sejam a G com o(a) = n 1 e m Z. Se a

Leia mais

complemento para a disciplina de Matemática Discreta versão 1 - Jerônimo C. Pellegrini Relações de Equivalência e de Ordem

complemento para a disciplina de Matemática Discreta versão 1 - Jerônimo C. Pellegrini Relações de Equivalência e de Ordem Relações de Equivalência e de Ordem complemento para a disciplina de Matemática Discreta versão 1 Jerônimo C. Pellegrini 5 de agosto de 2013 ii Sumário Sumário Nomenclatura 1 Conjuntos e Relações 1 1.1

Leia mais

= 0,333 = 0, = 0,4343 = 0, = 1,0222 = 1,02

= 0,333 = 0, = 0,4343 = 0, = 1,0222 = 1,02 1 1.1 Conjuntos Numéricos Neste capítulo, serão apresentados conjuntos cujos elementos são números e, por isso, são denominados conjuntos numéricos. 1.1.1 Números Naturais (N) O conjunto dos números naturais

Leia mais

5. Expressões aritméticas

5. Expressões aritméticas 5. Expressões aritméticas 5.1. Conceito de Expressão O conceito de expressão em termos computacionais está intimamente ligado ao conceito de expressão (ou fórmula) matemática, onde um conjunto de variáveis

Leia mais

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c

Números Reais. Víctor Arturo Martínez León b + c ad + bc. b c Números Reais Víctor Arturo Martínez León (victor.leon@unila.edu.br) 1 Os números racionais Os números racionais são os números da forma a, sendo a e b inteiros e b 0; o conjunto b dos números racionais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Múltiplos e divisores. Critérios de divisibilidade. - Escrever múltiplos

Leia mais

Conjunto Quociente e Classe de Equivalência (Alguns Exemplos e Definições)

Conjunto Quociente e Classe de Equivalência (Alguns Exemplos e Definições) Exemplos Definições Conjunto Quociente e Classe de Equivalência (Alguns Exemplos e Definições) Matemática Elementar - EAD Departamento de Matemática Universidade Federal da Paraíba 4 de setembro de 2014

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 9. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema de Euler. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 9. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. O Teorema de Euler. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Feitosa Aula 9 O Teorema de Euler Nesta aula, obteremos uma generalização do teorema de Fermat. Definição 1. Dado n N,

Leia mais

FUNDAMENTOS DA INFORMÁTICA. Sistemas de Numeração

FUNDAMENTOS DA INFORMÁTICA. Sistemas de Numeração FUNDAMENTOS DA INFORMÁTICA Sistemas de Numeração OBJETIVOS DA AULA Conhecer os sistemas de numeração antigos; Entender, compreender e usar um Sistema de Numeração; Relacionar os Sistemas de Numeração com

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA INTRODUÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SUBPROJETO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO CERES CURSO DE MATEMÁTICA APOSTILA 1 ARITMÉTICA PARTE I INTRODUÇÃO Durante muitos períodos da história

Leia mais

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS

TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS TEMA 2 PROPRIEDADES DE ORDEM NO CONJUNTO DOS NÚMEROS REAIS O conjunto dos números reais,, que possui as seguintes propriedades:, possui uma relação menor ou igual, denotada por O1: Propriedade Reflexiva:

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

Programação: Vetores

Programação: Vetores Programação de Computadores I Aula 09 Programação: Vetores José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/62 Motivação Problema Faça um programa que leia

Leia mais

Sistemas de Numeração.

Sistemas de Numeração. Sistemas de Numeração. No início deste curso dissemos que computadores só entendem informações em números binários, hexadecimais ou octais. Agora teremos a oportunidade de conhecer mais a fundo esses sistemas

Leia mais

1. CONJUNTOS NUMÉRICOS

1. CONJUNTOS NUMÉRICOS . CONJUNTOS NUMÉRICOS.. INTRODUÇÃO Uma exposição sistemática dos conjuntos numéricos, utilizados na Matemática, pode ser feita a partir dos números usados para contar, chamados de números naturais. Estes

Leia mais

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015

Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 bras.png Cálculo I Logonewton.png Aula 05 - Limite de uma Função - Parte I Data: 30/03/2015 Objetivos da Aula: Definir limite de uma função Definir limites laterias Apresentar as propriedades operatórias

Leia mais

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante.

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante. Conjunto dos Números Naturais A noção de um número natural surge com a pura contagem de objetos. Ao contar, por exemplo, os livros de uma estante, temos como resultado um número do tipo: N = {0,1,2,3 }

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA Cristina Boeres ! Sistema de escrita para expressão de números Notação matemática! Composto por símbolos Símbolos tem significados ou

Leia mais

Aula 6: Aritmética em Bases Não Decimais

Aula 6: Aritmética em Bases Não Decimais Aula 6: Aritmética em Bases Não Decimais Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Aritmética em Bases Não Decimais FAC 1 / 35 Introdução

Leia mais

MÓDULO 2 POTÊNCIA. Capítulos do módulo:

MÓDULO 2 POTÊNCIA. Capítulos do módulo: MÓDULO 2 POTÊNCIA Sabendo que as potências tem grande importância no mundo da lógica matemática, nosso curso terá por objetivo demonstrar onde podemos utilizar esses conceitos no nosso cotidiano e vida

Leia mais

FATORAÇÃO. Os métodos de fatoração de expressões algébricas são:

FATORAÇÃO. Os métodos de fatoração de expressões algébricas são: FATORAÇÃO Fatorar consiste em representar determinado número de outra maneira, utilizando a multiplicação. A fatoração ajuda a escrever um número ou uma expressão algébrica como produto de outras expressões.

Leia mais

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão)

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão) R é ordenado: Se a, b, c R i) a < b se e somente se b a > 0 (a diferença do maior com o menor será positiva) ii) se a > 0 e b > 0 então a + b > 0 (a soma de dois números positivos é positiva) iii) se a

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 2. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 2. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto Material Teórico - Módulo de Divisibilidade MDC e MMC - Parte 2 Sexto Ano Prof. Angelo Papa Neto 1 Mínimo múltiplo comum Continuando nossa aula, vamos estudar o mínimo múltiplo comum de um conjunto finito

Leia mais

UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina CCT - Centro de Ciências Tecnológicas DMAT - Departamento de Matemática

UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina CCT - Centro de Ciências Tecnológicas DMAT - Departamento de Matemática UDESC - Universidade do Estado de Santa Catarina CCT - Centro de Ciências Tecnológicas DMAT - Departamento de Matemática Segunda Lista de Exercícios de ITN: Números Inteiros Prof. Marnei Luis Mandler Segundo

Leia mais

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS Introdução: REGRA DE SINAIS PARA ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO: Sinais iguais: Adicionamos os algarismos e mantemos o sinal. Sinais diferentes: Subtraímos os algarismos e aplicamos

Leia mais

MA14 - Aritmética Lista 1. Unidades 1 e 2

MA14 - Aritmética Lista 1. Unidades 1 e 2 MA14 - Aritmética Lista 1 Unidades 1 e 2 Abramo Hefez PROFMAT - SBM 05 a 11 de agosto 2013 Unidade 1 1. Mostre, por indução matemática, que, para todo n N {0}, a) 8 3 2n + 7 b) 9 10 n + 3.4 n+2 + 5 2.

Leia mais

Decomposição de um número composto. Todo número composto pode ser decomposto em fatores primos Ex: = 2 2 X 3 X 5 X 7

Decomposição de um número composto. Todo número composto pode ser decomposto em fatores primos Ex: = 2 2 X 3 X 5 X 7 Decomposição de um número composto Todo número composto pode ser decomposto em fatores primos Ex: 420 2 210 2 105 3 35 5 7 7 1 420= 2 2 X 3 X 5 X 7 Determinação do número de divisores de um número natural

Leia mais

Sistemas de numeração e conversão de bases Decimal e binário

Sistemas de numeração e conversão de bases Decimal e binário Sistemas de numeração e conversão de bases Decimal e binário Cálculo de conversão de bases para responder às questões pertinentes à execução das especificações nas configurações de sistemas, comunicação

Leia mais

Representações numéricas e bases de numeração

Representações numéricas e bases de numeração Representações numéricas e bases de numeração Objetivos Os alunos deverão ser capazes de: * Representar números na base 2 e 16 (binária e hexadecimal) * Converter representações numéricas entre si * Realizar

Leia mais

Programação de Computadores I Dados, Operadores e Expressões PROFESSORA CINTIA CAETANO

Programação de Computadores I Dados, Operadores e Expressões PROFESSORA CINTIA CAETANO Programação de Computadores I Dados, Operadores e Expressões PROFESSORA CINTIA CAETANO Dados em Algoritmos Quando escrevemos nossos programas, trabalhamos com: Dados que nós fornecemos ao programa Dados

Leia mais

Unidade III ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. O que quer dizer 14?

Unidade III ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. O que quer dizer 14? Unidade III 6 CIRCUITOS DIGITAIS 6.1 Sistemas de numeração O que quer dizer 14? Sabemos, por força de educação e hábito, que os algarismos 1 e 4 colocados desta forma representam a quantidade catorze.

Leia mais

Elementos de Matemática Finita ( ) Exercícios resolvidos

Elementos de Matemática Finita ( ) Exercícios resolvidos Elementos de Matemática Finita (2016-2017) Exercícios resolvidos Ficha 3-2. Em que classes de congruência mod 8 estão os quadrados perfeitos? 4926834923 poderá ser a soma de dois quadrados perfeitos? Resolução:

Leia mais

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais :

Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos. Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Introdução: A necessidade de ampliação dos conjuntos Numéricos Considere incialmente o conjunto dos números naturais : Neste conjunto podemos resolver uma infinidade de equações do tipo A solução pertence

Leia mais

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano

Números Irracionais e Reais. Oitavo Ano Módulo de Potenciação e Dízimas Periódicas Números Irracionais e Reais Oitavo Ano Números Irracionais e Reais 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. No quadro abaixo, determine quais números são irracionais.

Leia mais

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano

CÁLCULO NUMÉRICO. Profa. Dra. Yara de Souza Tadano CÁLCULO NUMÉRICO Profa. Dra. Yara de Souza Tadano yaratadano@utfpr.edu.br Aulas 5 e 6 03/2014 Erros Aritmética no Computador A aritmética executada por uma calculadora ou computador é diferente daquela

Leia mais

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 05

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET  RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 05 RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 05 NÚMEROS NATURAIS O sistema aceito, universalmente, e utilizado é o sistema decimal, e o registro é o indo-arábico. A contagem que fazemos: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, e assim

Leia mais

Aula 1. e o conjunto dos inteiros é :

Aula 1. e o conjunto dos inteiros é : Aula 1 1. Números reais O conjunto dos números reais, R, pode ser visto como o conjunto dos pontos da linha real, que serão em geral denotados por letras minúsculas: x, y, s, t, u, etc. R é munido de quatro

Leia mais

7.º Ano. Planificação Matemática 2016/2017. Escola Básica Integrada de Fragoso 7.º Ano

7.º Ano. Planificação Matemática 2016/2017. Escola Básica Integrada de Fragoso 7.º Ano 7.º Ano Planificação Matemática 201/2017 Escola Básica Integrada de Fragoso 7.º Ano Geometria e medida Números e Operações Domínio Subdomínio Conteúdos Objetivos gerais / Metas Números racionais - Simétrico

Leia mais

Matemática E Extensivo V. 7

Matemática E Extensivo V. 7 Matemática E Etensivo V. 7 Eercícios ) B ) A P() = ³ + a² + b é divisivel por. Pelo teorema do resto, = é raiz de P(). P() = ³ + a. ² + b a + b = Da mesma maneira, P() é divisível por. Pelo teorema do

Leia mais

1). Tipos de equações. 3). Etapas na resolução algébrica de equações numéricas. 4). Os dois grandes cuidados na resolução de equações

1). Tipos de equações. 3). Etapas na resolução algébrica de equações numéricas. 4). Os dois grandes cuidados na resolução de equações 1). Tipos de equações LIÇÃO 7 Introdução à resolução das equações numéricas Na Matemática, nas Ciências e em olimpíadas, encontramos equações onde a incógnita pode ser número, função, matriz ou outros

Leia mais

Lógica Matemática Elementos de Lógica Digital. Sistema de numeração 09/08/2016 1

Lógica Matemática Elementos de Lógica Digital. Sistema de numeração 09/08/2016 1 Sistema de numeração 09/08/2016 1 Você já pensou sobre: Sistema de numeração a) O modo como surgiram os números? b) Como foram as primeiras formas de contagem? c) Como os números foram criados, ou, será

Leia mais

[ ] EXEMPLOS: Muitas vezes precisamos montar uma Matriz a partir de uma lei geral. Analise os exemplos a seguir:

[ ] EXEMPLOS: Muitas vezes precisamos montar uma Matriz a partir de uma lei geral. Analise os exemplos a seguir: MATRIZES CONCEITO: Um conjunto de elementos algébricos dispostos em uma tabela retangular com linhas e colunas é uma Matriz. A seguir, vemos um exemplo de Matriz de 3 linhas e 4 colunas, e que representaremos

Leia mais

MA14 - Aritmética Unidade 5 Resumo. Máximo Divisor Comum

MA14 - Aritmética Unidade 5 Resumo. Máximo Divisor Comum MA14 - Aritmética Unidade 5 Resumo Máximo Divisor Comum Abramo Hefez PROFMAT - SBM Julho 2013 Aviso Este material é apenas um resumo de parte do conteúdo da disciplina e o seu estudo não garante o domínio

Leia mais

Sistemas de Numeração. Exemplos de Sistemas de Numeração (1) Exemplos de Sistemas de Numeração (2) Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração. Exemplos de Sistemas de Numeração (1) Exemplos de Sistemas de Numeração (2) Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração (Aula Extra) Sistemas de diferentes bases Álgebra Booleana Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 27/2 Um sistema de numeração

Leia mais

1ª Ana e Eduardo. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

1ª Ana e Eduardo. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática 1ª Ana e Eduardo 8º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 1 Foco: Leitura Compreender e utilizar textos, selecionando dados, tirando conclusões, estabelecendo relações,

Leia mais

(b) O limite o produto é o produto dos limites se o limite de cada fator do produto existe, ou seja, (c) O limite do quociente é o quociente dos limit

(b) O limite o produto é o produto dos limites se o limite de cada fator do produto existe, ou seja, (c) O limite do quociente é o quociente dos limit MATEMÁTICA I AULA 03: LIMITES DE FUNÇÃO, CÁLCULO DE LIMITES E CONTINUIDADES TÓPICO 02: CÁLCULO DE LIMITES Neste tópico serão estudadas as técnicas de cálculo de limites de funções algébricas, usando alguns

Leia mais

8º ANO. Lista extra de exercícios

8º ANO. Lista extra de exercícios 8º ANO Lista extra de exercícios . Determine os valores de x que tornam as equações a seguir verdadeiras. a) (x + 4)(x ) = 0 b) (x + 6)(x ) = 0 c) (x + )(6x 9) = 0 d) 4x(x ) = 0 e) 7x(x ) = 0. Determine

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo I Aula 02 EQUAÇÕES Pense no seguinte problema: Uma mulher de 25 anos é casada com um homem 5 anos mais velho que ela. Qual é a soma das idades

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 3 PRODUTO 2 SOMA 4 DIVISÃO. 2.1 Diferença de polinômios. 4.1 Divisão Euclidiana. Matemática Polinômios

1 INTRODUÇÃO 3 PRODUTO 2 SOMA 4 DIVISÃO. 2.1 Diferença de polinômios. 4.1 Divisão Euclidiana. Matemática Polinômios Matemática Polinômios CAPÍTULO 02 OPERAÇÕES COM POLINÔMIOS 1 INTRODUÇÃO Como com qualquer outra função, podemos fazer operações de adição, subtração, multiplicação e divisão com polinômios. A soma e a

Leia mais

Notas de Aulas. Prof a Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo. Prof. Frederico Sercio Feitosa (colaborador)

Notas de Aulas. Prof a Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo. Prof. Frederico Sercio Feitosa (colaborador) Notas de Aulas Introdução à Álgebra Prof a Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Prof. Frederico Sercio Feitosa (colaborador) 2009 ii i Introdução à Álgebra (MAT128) Introdução à Teoria dos Números

Leia mais

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Introdução. Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, Paraná, Brasil

TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Introdução. Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, Paraná, Brasil TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Introdução Prof. Volmir Wilhelm Curitiba, Paraná, Brasil TP062-Métodos Numéricos para Engenharia de Produção Ementa Matrizes. Sistemas lineares. Zeros

Leia mais

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior 1

Profs. Alexandre Lima e Moraes Junior  1 Raciocínio Lógico-Quantitativo para Traumatizados Aula 07 Matrizes, Determinantes e Solução de Sistemas Lineares. Conteúdo 7. Matrizes, Determinantes e Solução de Sistemas Lineares...2 7.1. Matrizes...2

Leia mais

PROJETO KALI MATEMÁTICA B AULA 3 FRAÇÕES

PROJETO KALI MATEMÁTICA B AULA 3 FRAÇÕES PROJETO KALI - 20 MATEMÁTICA B AULA FRAÇÕES Uma ideia sobre as frações Frações são partes de um todo. Imagine que, em uma lanchonete, são vendidos pedaços de pizza. A pizza é cortada em seis pedaços, como

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS 14.2 Limites e Continuidade Nesta seção, aprenderemos sobre: Limites e continuidade de vários tipos de funções. LIMITES E CONTINUIDADE Vamos comparar o

Leia mais

Apontamentos de Matemática 6.º ano

Apontamentos de Matemática 6.º ano Revisão (divisores de um número) Os divisores de um número são os números naturais pelos quais podemos dividir esse número de forma exata (resto zero). Exemplos: Os divisores de 4 são 1, e 4, pois se dividirmos

Leia mais

a a = a² Se um número é multiplicado por ele mesmo várias vezes, temos uma a a a = a³ (a elevado a 3 ou a ao cubo) 3 fatores

a a = a² Se um número é multiplicado por ele mesmo várias vezes, temos uma a a a = a³ (a elevado a 3 ou a ao cubo) 3 fatores Operações com potências A UUL AL A Quando um número é multiplicado por ele mesmo, dizemos que ele está elevado ao quadrado, e escrevemos assim: Introdução a a = a² Se um número é multiplicado por ele mesmo

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Progressão Aritmética e Geométrica Progressão Aritmética Uma sucessão de números na qual a diferença entre dois termos consecutivos é constante, é denominada progressão aritmética,

Leia mais

Aula 10: Decidibilidade

Aula 10: Decidibilidade Teoria da Computação Segundo Semestre, 2014 Aula 10: Decidibilidade DAINF-UTFPR Prof. Ricardo Dutra da Silva Definição 10.1. Um problema de decisão P é um conjunto de questões para as quais as respostas

Leia mais

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS BANCO DE EXERCÍCIOS - HORAS 9º ANO ESPECIALIZADO/CURSO ESCOLAS TÉCNICAS E MILITARES FOLHA Nº GABARITO COMENTADO ) A função será y,5x +, onde y (preço a ser pago) está em função de x (número de quilômetros

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA 7.º ANO DE MATEMÁTICA 7.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio dos Números e Operações, o aluno deve ser capaz de multiplicar e dividir números racionais relativos. No domínio da Geometria e Medida,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira

Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira Agrupamento de Escolas de Águeda Escola Básica Fernando Caldeira Currículo da disciplina de Matemática - 7ºano Unidade 1 Números inteiros Propriedades da adição de números racionais Multiplicação de números

Leia mais

Lista de Exercícios 06 Modularização (Procedimentos e Funções)

Lista de Exercícios 06 Modularização (Procedimentos e Funções) Lista de Exercícios 06 Modularização (Procedimentos e Funções) Procedimentos: Passagem de parâmetros. 1) Escreva um procedimento que receba um número inteiro e imprima o mês correspondente ao número. Por

Leia mais

Desenho de algoritmos

Desenho de algoritmos Folha Prática Desenho de Algoritmos 1 Desenho de algoritmos Resolver as questões que se seguem usando fluxogramas ou uma outra linguagem para algoritmos. A. Instruções/acções de atribuição e leitura/escrita

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Engenharia da Computação Universidade Católica de Petrópolis Arquitetura de Computadores Sistema de Numeração v. 0.1 Luís Rodrigo de O. Gonçalves luisrodrigoog@gmail.com Petrópolis, 1 de Março de 2016

Leia mais

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Teoria dos Números 1 Noções Básicas A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Z = {..., 4, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, 4...}. Ela permite resolver de

Leia mais