UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE PRINCÍPIOS BÁSICOS DA GESTÃO DE ESTOQUES VISANDO GARANTIR O NÍVEL DE SERVIÇO DESEJADO E A REDUÇÃO DO CUSTO TOTAL LOGÍSTICO. Por: Glauceane de Azevedo Cordeiro Orientador: Prof (a). Yasmin R. M. da Costa Rio de Janeiro (RJ), março de 2002

2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE Princípios básicos da gestão de estoques visando garantir o nível de serviço desejado e a redução do custo total logístico. Por: Glauceane de Azevedo Cordeiro Trabalho monográfico apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Logística Empresarial. Rio de Janeiro (RJ), março de 2002

3 Agradeço a todos aqueles que de alguma forma contribuíram para a elaboração deste trabalho.

4 Esta monografia é dedicada aos meus pais, que sempre usaram das palavras certas nos momentos em que as incertezas pairavam no ar, e ao meu estimado irmão, que sempre se faz presente nos momentos em que eu mais preciso.

5 Quando se busca o cume da montanha, não se dá importância às pedras no caminho. (Provérbio Oriental)

6 SUMÁRIO Resumo 5 Introdução 7 Capítulo 1: Conceito e importância dos estoques 9 Capítulo 2: Objetivos permanentes e metodologia da Gestão de Estoques 13 Capítulo 3: Planejamento na Gestão de Estoques 16 Capítulo 4: Matriz gerencial de estoques 22 Capítulo 5: Estoque de Segurança 32 Capítulo 6: Técnicas para previsão de demandas 38 Capítulo 7: Modelo de Custos 43 Capítulo 8: Nível de Serviço 48 Capítulo 9: Case Projeto traz melhoria na gestão de estoques do Pão de Açúcar 56 Conclusão 63 Bibliografia 65

7 RESUMO Dentre as principais razões para se manter estoques está a melhoria no nível de serviço oferecido. Este têm sido um dos principais objetivos das empresas face a grande concorrência da era globalizada. Os clientes passaram, não só a terem sempre razão, bem como a ditarem as regras do jogo. Existem no mercado vários softwares de gestão de estoques, porém há muito pouca divulgação quanto aos objetivos e a metodologia destes. Os objetivos, embora ditos permanentes, possuem variáveis que, como o próprio nome já diz, variam de acordo com a política estabelecida pelas empresas. O processo inclui três fases: planejamento, programação e execução. O planejamento por sua vez, ocorre em três níveis: estratégico, que consiste na definição de objetivos de longo prazo; o tático, que é o processo de formulação de objetivos e metas, que devem estar paralelamente ligados aos objetivos definidos no nível anterior porém, desta vez, a curto prazo; e o operacional que nada mais é que o detalhamento do plano tático. Todo o planejamento, independente do nível, deve estar formalizado em um plano de ação no qual deve constar os objetivos, a evolução esperada das atividades operacionais, seus programas de trabalho e a forma de alocação dos recursos necessários a sua execução. É óbvio concluir que este processo de planejamento deve ser participativo, de forma a obter o comprometimento da equipe, e ser negociado com as outras áreas da empresa envolvida, para que as ações sejam integradas. Uma das ferramentas básicas é a matriz gerencial de estoques que visa permitir uma ação seletiva na gestão bem como apoiar as decisões gerencias. Essa seletividade é obtida classificando o item quanto ao seu tipo de demanda, valor, nível de criticidade, natureza, mercado (dificuldade de obtenção), dentre outras. Uma outra forma utilizada para garantir o nível de serviço esperado, uma vez que o processo de previsão de demanda, apesar das técnicas aqui apresentadas, está diretamente ligado ao mercado sendo, desta forma, impossível a obtenção de acuracidade no mesmo, seria manter um nível de estoque de segurança capaz de atender a tais flutuações. Não podemos esquecer, no entanto, da questão de custos. Este é o motivo pelo qual devemos estar sempre voltados a elaboração de lotes econômicos, sejam eles de compras ou fabricação. Foi observando a todas essas premissas e, levando também em consideração as particularidades da empresa, que o Pão de Açúcar conseguiu desenvolver um projeto capaz de lhe permitir diversas melhorias no nível de gestão de seus estoques.

8 INTRODUÇÃO O estoque pode absorver de 25% a 40% dos custos logísticos, representando uma porção substancial do capital da empresa que poderia estar sendo investido de outra forma. Aumentar a rotatividade do estoque libera ativo e economiza o custo de manutenção do inventário. As empresas atualmente têm por premissa básica garantir um bom nível de serviço sem que para isso tenham de manter estoques elevados. Trata-se de um processo bastante complexo que envolve várias áreas da empresa. Todos devem falar a mesma língua e estar voltados ao mesmo objetivo. É bem verdade que o objetivo de todas as empresa é obter lucro e isso não implica somente em manter um alto volume de vendas. As empresas podem apesar de possuírem um alto volume de vendas não obterem a margem de lucro esperada em função de seus custos estarem bem acima do previsto. Para isso é necessário que as políticas estejam definidas de forma clara e possuam caráter participativo. Independente da forma de gestão adotada pela empresa, que vai variar em função das particularidades da mesma, os princípios básicos para uma boa gestão de estoque não se alteram.

9 O objetivo deste trabalho é, não somente conceituar estoques e apresentar seus princípios, mas também demonstrar a importância e benefícios de uma boa gestão.

10 CAPÍTULO 1: CONCEITO E IMPORTÂNCIA DOS ESTOQUES Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo; constituem estoques tanto os produtos acabados que aguardam venda ou despacho, como matérias-primas e componentes que aguardam utilização na produção. Os estoques possuem uma série de finalidades, dentro das quais destacamos: - Melhoria no nível do serviço oferecido Estoques auxiliam a função de marketing a vender os produtos da empresa. Estes podem ser localizados mais próximos aos pontos de venda e com quantidades adequadas. Isto é vantajoso para clientes que precisam de disponibilidade imediata ou possuem curto tempo de ressuprimento. Para a firma fornecedora, isto significa vantagem competitiva e menores custos de vendas perdidas, especialmente para produtos particularmente elásticos quanto ao nível de serviço. O marketing também pode beneficiar-se da disponibilidade constante do produto, mesmo quando a oferta é sazonal. - Incentivo econômico na produção O mínimo custo unitário de produção geralmente ocorre para grandes lotes de fabricação. Estoques agem como amortecedores entre oferta e demanda, possibilitando uma produção mais constante, que não oscila com as flutuações de venda. A mão-de-obra pode ser mantida em níveis estáveis e os custos de preparação de lotes podem ser diminuídos. - Economia de escala nas compras e no transporte

11 Muitas vezes, pequenos lotes de compra são gerados para satisfazer necessidades de produção ou para abastecimento direto a clientes a partir da manufatura. Isto implica maiores custos de frete, pois não há volume suficiente para obter os descontos oferecidos aos lotes de grande porte. Entretanto, uma das finalidades do estoque é possibilitar descontos no transporte pelo emprego de lotes equivalentes à capacidade dos veículos, gerando assim fretes com menor custo unitário. De modo similar, menores preços podem ser obtidos na compra de mercadorias em quantidades maiores que as demandas imediatas. - Proteção quanto a aumentos de preços Bens comprados em mercados abertos têm seus preços ditados pela curva de oferta e demanda. Minérios, produtos agrícolas e petróleo são bons exemplos. Compras podem ser antecipadas em função de aumentos previstos nos preços. Isto acaba criando estoques que, de alguma forma, deve ser administrado pelo pessoal de logística. - Proteção à empresa quanto as incertezas na demanda e no tempo de ressuprimento Na maioria das ocasiões não é possível prever, de forma precisa, as demandas de produtos ou tempos de ressuprimento no sistema logístico. Para garantir disponibilidade de produto, deve-se manter um estoque adicional (estoque de segurança). Estoques de segurança são adicionados aos estoques regulares para atender as variações positivas da demanda. - Segurança contra contingências Greves, incêndios e inundações são apenas algumas das contingências que podem atingir uma empresa. Manter estoques de reserva é uma maneira de garantir o fornecimento normal nessas ocasiões. Com base nas premissas anteriores, constatamos que os estoques exercem, basicamente, três funções:

12 - Função operacional : estoque cuja existência decorre da impossibilidade de dispormos dos materiais no exato momento em que as demandas ocorrem, uma vez que as empresas estão condicionas ao mercado fornecedor. - Função precaucional : estoque cuja existência visa garantir segurança no atendimento ao cliente, em função das variações positivas das demandas durante o tempo de ressuprimento e atraso nos fornecimentos. - Função especulativa : Estoque formado como forma de investimento ou proteção contra aumento de preços. Teoricamente, sua formação não é uma atribuição normal e rotineira da gerência de estoques. Supõe a existência de disponibilidade de recursos excedentes e só se justifica quando a taxa de aumento de preços for maior que a taxa obtida em outras aplicações financeiras. Parece claro que manter estoques oferece inúmeros benefícios mas seus custos são elevados e têm subido dramaticamente com as taxas de juros. Para os especialistas em logística, existe o desafio de minimizar o investimento em estoques e, ao mesmo tempo, balancear a eficiência da produção/logística com as necessidades de marketing. O alto custo do capital tornou esse problema um assunto vital para a empresa. Existem várias técnicas de gestão de estoques no mercado porém todas fundamentam-se em princípios críticos objetivando a otimização de seus resultados. São estes: - Integração com os clientes, de forma a conhecer claramente suas necessidades e obter sua fundamental colaboração. Nossa visão deve estar sempre focada no atendimento ao cliente para que a empresa obtenha o nível de serviço desejado. - Seletividade na atuação, concentrando esforços nos itens mais importantes em termos de valor e criticidade, ou seja, priorizando as ações. - Avaliação permanente, tanto dos processos quanto dos resultados, de forma a podermos direcionar corretamente nossos esforços, medirmos nossos resultados e atendermos as diretrizes e políticas estabalecidas. - Valorização dos Recursos Humanos, entendendo o homem como nosso principal patrimônio, possibilitando sua capacitação e desenvolvimento, estimulando sua

13 criatividade, garantindo sua satisfação e, consequentemente, sua maior produtividade.

14 CAPÍTULO 2: OBJETIVOS PERMANENTES E METODOLOGIA DA GESTÃO DE ESTOQUES. Com base nas informações constantes no capítulo anterior, podemos definir alguns objetivos permanentes para a Gestão de Estoques: - Assegurar o suprimento de material com os riscos de falta julgados convenientes. - Manter níveis de estoques compatíveis com a Política de Suprimento estabelecida. - Controlar os níveis de estoque e promover o ressuprimento de forma econômica. - Realizar a análise dos estoques e promover o aproveitamento ou destinação dos itens desnecessários. - Gerenciar os estoques utilizando critérios de seletividade. - Manter um sistema de informação que atenda a própria gestão e todas as suas inferfaces. - Avaliar a contribuição da Gestão de Estoques para os objetivos da empresa. O atendimento desses objetivos, de forma racional e aos menores custos, exige que a Gestão de estoques se organize segundo uma metodologia que facilite suas ações e permita uma avaliação de seu desempenho. Para atender seus objetivos, a Gestão de Estoques segue uma seqüência lógica de ações: 1. Fase de Planejamento Estabelecimento de normas básicas Regras de atuação e padronização de conceitos em relação às principais atividades da Gestão de Estoques.

15 Análise das Políticas e Diretrizes Gerais da Empresa Verificação das Políticas, Diretrizes gerais, Objetivos e Programas constantes do Planejamento Estratégico da empresa que impactam a área de materiais. Planejamento Tático de Suprimento Planejamento da área de Suprimento de forma a atingir os resultados esperados definidos no planejamento Estratégico da Empresa. Planejamento Operacional de Suprimento Detalhamento do Planejamento Tático, para o gerenciamento do dia-a-dia. 2. Fase de Programação Análise das Demandas Análise das necessidades de materiais apresentadas pelos clientes, com as informações necessárias ao gerenciamento de cada item. Matriz Gerencial de Estoques Enquadramento das necessidades informadas pelos clientes nas diversas classificações dos estoques, formando a matriz gerencial de cada item. Determinação do Modelo Logístico de Suprimento Análise conjunta das informações prestadas pelo cliente, matriz gerencial, Política de Estoques e mercado do item, determinando seu modelo logístico de suprimento. 3. Fase de Execução Controle de Estoques Suprimento inicial, registro, controle e análise da movimentação dos estoques formados, seu ressuprimento e saneamento/destinação dos estoques inativos.

16 Avaliação de Desempenho Avaliação do processo de suprimento e dos resultados alcançados, em comparação com as metas de desempenho estabelecidas.

17 CAPÍTULO 3: PLANEJAMENTO NA GESTÃO DE ESTOQUES CONCEITO DE PLANEJAMENTO Antes de analisarmos o Planejamento na Gestão de Estoque, cabe internalizarmos o conceito de Planejamento: Planejamento é uma atividade contínua e permanente, que se desenvolve de modo ordenado e racional, sistematizando um processo de tomada de decisões e definindo ações no sentido de um futuro desejado para a instituição, levando em conta as mudanças do ambiente futuro. O planejamento, nas empresas, normalmente ocorre em três níveis: - Planejamento Estratégico - Planejamento Tático - Planejamento Operacional PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Processo de definição de objetivos, diretrizes e estratégicas de longo prazo, considerando a organização como um todo e sua relação com o ambiente, buscando antecipar-se e adaptar-se às mudanças. O Planejamento Estratégico, como definido, orienta e direciona os demais níveis de planejamento, em todas as áreas (finanças, produção, recursos humanos, etc.) cabendo à área de materiais identificar qual sua contribuição para os resultados da empresa. Os objetivos, diretrizes e estratégias definidos devem ser dissecados, buscando os subsídios para a formulação do Plano Tático de

18 Suprimentos, o qual deve, evidentemente, ser coerente com as orientações corporativas. Evidencia-se a importância do Planejamento Estratégico: sua existência faz com que os planejamentos setoriais se tornem um detalhamento das grandes orientações, facilitando a definição de metas, diretrizes e planos de ação, e determinando um rumo comum para todas as áreas, prevalecendo a visão de resultados da empresa e não a de cada área isoladamente, evitando a dispersão de esforços. PLANEJAMENTO TÁTICO DE SUPRIMENTO Focando especificamente a área de suprimentos, podemos definir o Planejamento Tático de Suprimentos como: Processo de formulação de objetivos e metas de curto prazo para a área de suprimentos da empresa, visando otimizar a utilização de seus recursos para a consecução dos objetivos e estratégias aprovadas no nível estratégico. É importante destacar que o planejamento Tático de Suprimento abrange as suas funções (compras, gestão, qualidade, movimentação, transporte, estocagem, etc.) devendo haver uma avaliação conjunta de forma a gerar, para cada função, objetivos e metas que sejam hamonicos e efetivamente direcionem o sistema para um rumo comum. É necessário, portanto, enfocar a área de suprimentos considerando todo o ciclo logístico de materiais. 3.1 Normas Básicas O processo de planejamento da área de suprimentos inclui um passo preliminar, que é a definição de Normas Básicas que padronizem conceitos e estabeleçam regras de atuação em relação as principais atividades da Gestão de

19 Estoques ( e das demais funções), sendo fundamentais para orientar a formulação de diretrizes de forma mais seletiva e objetiva. Devem ser destacadas, entre outras: - Matriz Gerencial dos Estoques Classificações que permitam a adoção de critérios de seletividade na tomada de decisões. - Condições para formação de Estoques Informações básicas necessárias ao gerenciamento de cada item, quando o cliente deseja manter um item em estoque. A inexistência deste filtro é responsável pela formação desnecessária de estoques ou por níveis de estoques não compatíveis com as políticas. Estas informações são, resumidamente: a) quanto ao material código, unidade de fornecimento, aplicação, materiais equivalentes e permutáveis, restrições, mercado, etc. b) quanto às demandas - criticidade, quantidade e data requerida (demanda programa), consumo médio previsto (demanda probabilistica), estoque base (demanda incerta), quantidade de equipamentos e quantidade de unidades instaladas, lotes de consumo, etc. - Critérios para Avaliação de Desempenho É de suma importância que todas as ações desenvolvidas pela Gestão de Estoques sejam medidas e avaliadas. Devem ser estabelecidos índices e parâmetros de avaliação que permitam mensurar as metas e objetivos estabelecidos, de forma a permitir o acompanhamento, correção de rumos, análise de disfunções, replanejamento e, em resumo, garantir o atingimento dos resultados esperados. 3.2 Conceitos Básicos de Planejamento Cabe definir alguns conceitos básicos da atividade de planejamento, para facilitar a compreensão dos tópicos seguintes: Objetivo Permanente Objetivo relacionado com a razão de ser da área de materiais; é geral e não se prende a características conjunturais, sendo válido por largos períodos de tempo. Objetivo Atual

20 Objetivo relacionado com uma determinada conjuntura ou administração; são válidos por menores períodos de tempo e acompanham as mudanças no meio-ambiente. Meta Etapa para a consecução de um objetivo, quantificada e com prazo definido, visando permitir um melhor controle dos resultados de uma determinada estratégia. Estratégia Forma de aplicação dos meios disponíveis para se atingir um objetivo. Diretriz Direção ou rumo a ser seguido, visando atingir os objetivos, definindo os limites para o estabelecimento de estratégias. Política Conjunto harmônico de diretrizes. 3.3 Formulação do Plano Tático de suprimento Na formulação do Plano Tático de Suprimentos, na função de Gestão de Estoques, dois aspectos são fundamentais, e devem ser claramente definidos: a) Objetivos e Metas A Gestão de Estoques é parte de um sistema caracterizado como atividade-meio, e nem sempre encontramos nas orientações estratégicas, de forma direta, as expectativas relacionadas com a área de material. De modo geral, nosso clientes são internos, ligados à atividade-fim, e nossos objetivos e metas devem ser correlacionados com os destas atividades (observado nosso cliente Finanças), contribuindo, dessa forma, para o alcance dos objetivos da empresa. O primeiro passo do processo é a definição dos Objetivos Permanentes da Gestão de Estoques, os quais orientarão a definição dos objetivos atuais.

21 Na definição dos objetivos atuais e suas metas, duas visões, às vezes conflitantes, devem ser trabalhadas: - Imobilização de Capital em Estoque, gerando ações como: aumento do giro de estoques, redução de itens inativos, reaproveitamento de materiais, formas alternativas de suprimento, etc. - Nível de atendimento as clientes, com ações como melhoria no nível de atendimento, redução dos prazos, etc. Não devem ser esquecidas as oportunidades relacionadas com o processo de suprimento (eficiência do suprimento), capacitação dos recursos humanos, integração com os clientes e qualidade total. traçados. A formulação das Estratégias é decorrente dos objetivos e metas b) Política de Estoque A Política de Estoque deve conter diretrizes compatibilizadas com os objetivos e metas, contemplando os aspectos de: - Formação de Estoques - Manutenção de Estoques - Desmobilização de Estoques PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE SUPRIMENTO Também já sob o enfoque da área, podemos definir Planejamento Operacional de Suprimentos como: Processo de detalhamento do Planejamento Tático, programando as atividades operacionais e o gerenciamento dos meios necessários para sua execução. O Planejamento Operacional deve contemplar aspectos como: - Procedimentos e rotinas - Detalhamento dos Métodos de Controle - Fluxo das atividades

22 - Responsáveis pelas atividades - Controles e Relatórios - Avaliações de desempenho - Inventários - Programas de Trabalho - Recursos para Informação FORMALIZAÇÃO DO PLANEJAMENTO As atividades de planejamento devem ser formalizadas em um Plano de Ação, documento que explica os objetivos, a evolução esperada de suas atividades operacionais, seus programas de trabalho e a forma de alocação dos recursos necessários para sua execução. Por sua vez, cada Programa de Trabalho deve ser explicitado em documento indicando as ações que deverão ser tomadas para a consecução de um determinado objetivo, seus responsáveis, resultados esperados, recursos humanos, financeiros e materiais requeridos, bem como o envolvimento de outras áreas. É obvio concluir que o processo de planejamento deve ser participativo, de forma a obter o comprometimento da equipe, e negociado com as outras áreas da empresa evolvidas, para que as ações sejam integradas.

23 CAPÍTULO 4 : MATRIZ GERENCIAL DE ESTOQUES O objetivo da Matriz Gerencial de Estoques é permitir a ação seletiva na Gestão de Estoques, bem como apoiar as decisões gerenciais, através do conhecimento da importância, sob diversos aspectos, de cada item em relação as demais. Apresentamos, a seguir, as classificações consideradas essenciais, nada impedindo que cada organização utilize qualquer outra que contribua para um melhor conhecimento do item. 1. CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO TIPO DE DEMANDA 2.1 Conceito de Demanda Demanda é a quantidade de material/produtos necessária ao atendimento dos clientes, relacionada a uma determinada unidade de tempo. As demandas podem ser classificadas por sua lei de formação, em duas modalidades: - Demanda Independente É a demanda que não pode ser estabelecida por uma lei de formação exata, isto é, a necessidade não se vincula diretamente com a demanda de qualquer outro item. - Demanda Dependente É a demanda que pode ser estabelecida por uma lei de formação exata, isto é, a necessidade está diretamente relacionada com a demanda de outro item. Para facilitar a operacionalização, utilizaremos o detalhamento das modalidades acima como tipos de demanda. 2.2 Tipos de Demanda

24 - Demanda Programada (Dependente) São as demandas planejadas quanto à quantidades e prazos de utilização, vinculadas a programas de operação ou investimentos específicos. - Demanda Probabilística (Independente) São as demandas não vinculadas a programas específicos, com distribuição de probabilidades conhecida, previsíveis através de modelos estatísticos. - Demanda Incerta (Independente) São as demandas decorrentes de fatores de difícil previsão. - Demanda Eventual São as demandas decorrentes de necessidades específicas, para aplicação imediata e cuja repetição não prevista. 2.3 Importância e Aplicação tipo, são diferentes: O conhecimento do tipo de demanda é fundamental, pois para cada - os critérios de formação dos estoques; - a responsabilidade pelas informações para manutenção de estoques; - os métodos de controle de estoques; - os índices e parâmetros de avaliação; - a necessidade de interferência gerencial na decisão de manutenção de estoque.

25 3. Classificação quanto ao valor 3.1 Conceito A classificação quanto ao valor consiste no agrupamento de todos os itens em 3 categorias, de acordo com o valor atualizado ou corrigido de cada item. Esta classificação é formalmente chamada de Método, Técnica ou Curva ABC Alternativas A Curva ABC pode ser elaborada a partir do: - Valor do Estoque Real de cada item em uma determinada data, comum a todos os itens, ou - Valor do Consumo Anual de cada item, calculado em data comum a todos os itens Etapas para elaboração da Curva ABC a) Calcular o Valor do Estoque Real ou o Valor do Consumo Anual de cada item, conforme alternativa escolhida; b) Listar todos os itens em ordem decrescente de valor; c) Calcular o percentual de valor de cada item em relação ao valor do Estoque Real acumulado ou valor do Consumo Anual acumulado, conforme alternativa escolhida; d) Acumular os percentuais do valor de cada item; e) Calcular o percentual de um item em relação ao total de itens; f) Acumular o percentual encontrado, item a item; g) Separar os itens nas categorias A, B e C Definição das Classes A definição da categoria (A, B, C) é feita estabelecendo-se, na Política de Estoques, limites em relação ao percentual acumulado do valor, sendo mais comum considerar: - Classe A até 75% do valor acumulado;

26 - Classe B entre 75% e 95% do valor acumulado; - Classe C entre 95% e 100% do valor acumulado. 3.5 Distribuição padrão quantidade de itens é: Quando aplicada a estoques a distribuição mais usual em relação à CLASSE % DO VALOR % ITENS A B C Importância e Aplicação A classificação ABC, em relação ao Valor do consumo Anual, identifica a importância de cada item, de acordo com sua classe, em relação aos desembolsos com compras a serem efetuadas anualmente. Permite, portanto, tratamento seletivo aos mais representativos. O Planejamento Tático de Suprimento utiliza a classificação por valor para determinar a diretriz de compra de cada item em função da classe a que pertence, formando estoques operacionais de giros diferenciados para cada classe. Quanto à classificação ABC relacionada ao Valor do Estoque Real, identifica a importância de cada item em relação às imobilizações em estoque, permitindo verificar a compatibilidade dos níveis de estoque praticados com o consumo anual, através do cruzamento das duas classificações (Valor do Estoque Real x Valor do Consumo Anual), e, consequentemente, ações de correção também de forma seletiva. 4. CLASSIFICAÇÃO QUANTO À CRITICIDADE 4.1 Conceito A classificação quanto à criticidade consiste no agrupamento de todos os itens em 3 níveis, de acordo com a importância operacional de cada item, sob a ótica, portanto, das implicações dos riscos decorrentes de sua falta.

27 4.2 Níveis de Criticidade - Nível 1 Materiais/produto cuja falta ocasiona custos não recuperáveis, ameaça a segurança de pessoas, equipamentos, instalações ou agressões ao meio ambiente. - Nível 2 Materiais/produtos cuja falta pode ocasionar custos adicionais, compensáveis por menores níveis de estoques e seus custos decorrentes. Distinguem-se dos itens do nível 1 por fatores como facilidade de compra ou a possibilidade de utilização de itens equivalentes. - Nível 3 Materiais/produtos cuja falta não implica em custos adicionais significativos. 4.3 Determinação da criticidade A criticidade de cada item deve ser determinada pelo cliente principal, apoiado nas informações prestadas pela área de suprimento, como tempo de ressuprimento do item e política de suprimento vigente. 4.4 Importância e Classificação A classificação pela criticidade indica a importância de cada item para a continuidade operacional da empresa, independente de seu valor. O planejamento Tático de Suprimento utiliza esta classificação para formular diretrizes diferenciadas de Nível de Serviço (grau de atendimento arbitrado para a demanda de um item) vinculadas a cada nível de criticidade, formando estoques precaucionais, para cada item, de tamanho compatível com a sua importância. Como dito, a determinação da criticidade é feita pelo cliente (utilizador do material) e que, muitas vezes, tende a optar desnecessariamente pelo nível 1 sistematicamente. É importante que a área de suprimento esclareça aos clientes as conseqüências da classificação inadequada: elevação dos valores imobilizados em estoque e a impossibilidade do suprimento poder agir de forma seletiva,

28 concentrando seus esforços nos itens realmente prioritários, em todo o ciclo logístico do material, e em última análise, atendendo melhor o próprio cliente. 5. CLASSIFICAÇÃO QUANTO À NATUREZA 5.1 Conceito A classificação quanto à natureza visa agrupar os materiais em subconjuntos em função das perspectivas de sua utilização futura. 5.2 Natureza dos Estoques Estoque Ativo Estoque resultante de um planejamento prévio e destinado a uma utilização conhecida. Para facilitar o controle operacional, pode ser subdividido em função das necessidades de cada empresa. Uma das possíveis alternativas de subdivisão pode ser: - Estoque para Produção: constituído por matérias-primas e componentes que integrem o produto final. - Estoque para Manutenção, Reparo e Operação: formado por materiais empregados durante o processo produtivo, sem integrar o produto final. - Estoque de Produtos em Processo : constituído por materiais em diferentes estágios de produção. - Estoque de Produtos Acabados: compreende os materiais ou produtos em condições de serem vendidos. - Estoques de Materiais Administrativos: formado por materiais de aplicação geral na empresa, sem vinculação direta com o processo produtivo Estoque Inativo Estoque sem perspectiva de utilização, total ou parcial, decorrente de mudanças nas políticas de estoques, conclusão e/ou alterações de programas e/ou

29 cronogramas, devoluções ao estoque ou eventuais falhas de planejamento. Pode ser subdividido, como sugerido abaixo: - Estoque disponível: materiais sem prespectivas de utilização, total ou parcial, em perfeito estado de conservação, constituindo-se em disponibilidade de uso para outras filiais, fábricas ou empresas do mesmo grupo empresarial. - Estoque Alienável : constituídos de materiais inservíveis, obsoletos e sucatas destinados à alienação. 5.3 Importância e Aplicação A classificação quanto a natureza dos estoques permite identificar o tipo de ação gerencial a ser adotada: ressuprir, programar, disponibilizar, reaproveitar ou alienar materiais. Identifica, ainda, a responsabilidade pelos valos estocados: a inclusão ou manutenção de qualquer item no estoque ativo representa a aprovação da área de suprimentos quanto a existência do estoque e sua adequação a política de estoques. As causas da passagem de um item para o Estoque Inativo devem ser registradas, permitindo o rastreamento, pois determinam também a responsabilidade pelo estoque desnecessário. 6. CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO MERCADO (DIFICULDADE DE OBTENÇÃO) 6.1 Conceito A classificação quanto ao mercado propriamente não divide o estoque em categorias, mas informa os fatores que influenciam o Tempo de Ressuprimento do item, cujo tamanho e regularidade constituem-se em elementos fundamentais na determinação das ações de gerenciamento dos estoques. 6.2 Fatores externos - Origem do material (nacional, importado, etc.); - Natureza do item (prateleira, fabricação específica, etc.);

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL ACORDO - Celular: Silencioso ou desligado - Chamada 19:10hs e 22:10hs. - Entrada ou saída no decorrer da aula em silencio para não atrapalhar os demais participantes. -Trabalho final

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE GESTÃO DE ESTOQUES Por: Carlos dos Santos Silva Orientador Profª. Ana Cristina Guimarâes Rio de Janeiro 2005 2 UNIVERSIDADE

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Orçamento Empresarial Definição Instrumento que traz a definição quantitativa dos objetivos e o detalhamento dos fatores necessários para atingi -los, assim como o controle do desempenho. Permite acompanhar

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar:

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar: 1. INTRODUÇÃO: O nível da organização da manutenção reflete as particularidades do estágio de desenvolvimento industrial de um país. A partir do momento em que começa a ocorrer o envelhecimento dos equipamentos

Leia mais

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Profa. Marinalva Barboza Atividades da gestão de materiais e a logística Segundo Pozo, as atividades logísticas podem ser vistas por duas grandes áreas: atividades

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial Página 1 de 5. 05/09/2011 ORÇAMENTO BASE ZERO uma ferramenta gerencial para redução de custos e otimização de resultados, distribuição de dividendos e nível de retorno dos investimentos Prof. Ricardo Ferro

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS PRIAD - Adm. Materiais e Logística Prof. Célio 1 PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS QUESTÃO 1. Aponte a alternativa que não corresponde aos objetivos da Logística Empresarial

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais