COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: TIPOLOGIA ORGANIZATIONAL COMMUNICATION: TYPE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: TIPOLOGIA ORGANIZATIONAL COMMUNICATION: TYPE"

Transcrição

1 Eixo Temático: Estratégia e Negócios COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL: TIPOLOGIA ORGANIZATIONAL COMMUNICATION: TYPE Daniele Silva Martins De Oliveira, Maielen Lambrecht Kuchak, Mônica Rodrigues Prestes, Juliana Crema RESUMO Neste trabalho serão apresentados os elementos constituintes da comunicação organizacional bem como as barreiras enfrentadas no processo de comunicação. Também nos mostra como é a comunicação organizacional e a comunicação eletrônica dentro de um ambiente trabalhado. As funções da comunicação interpessoal são: controle, informação, motivação e emoção dentro deste artigo foram especificados cada uma delas e também salientado que os tipos de comunicação existentes são a oral, a escrita e a não verbal. Assim sendo, especificado quais suas vantagens e desvantagens dentro do processo de comunicação. Para um melhor entendimento do leitor foi colocado duas figuras mostrando melhor a sua relação dentro da teoria exposta. Palavras-chave: Comunicação. Barreiras. Organizacional. ABSTRACT In this paper we present the elements of organizational communication as well as the barriers faced in the communication process. It also shows how organizational communication and electronic communication within a working environment. The functions of interpersonal communication are: control, information, motivation and emotion in this article are specified each of them and also pointed out that the existing types of communication are oral, written and non-verbal. Thus, specified what their advantages and disadvantages within the communication process. For a better understanding of the reader was placed two figures showing better their relationship within the exposed theory. Keywords: Communication. Barriers. Organizational. 1

2 1 INTRODUÇÃO Iniciamos conceituando artigo científico, que segundo LAKATOS (1991) é uma parte de uma publicação, que nos mostra as ideias, métodos, técnicas, processos e resultados nas etapas de conhecimentos. Este presente artigo é original, pois apresentam temas e abordagens da comunicação, que hoje em dia a forma de se comunicarmos está cada vez mais complicada, devido as suas barreiras e na forma de absorvermos o significado da mensagem á nós enviadas. Apresentaremos no decorrer deste artigo os componentes que formam o conjunto da comunicação, quais os obstáculos que possui quando absorvemos a mensagem enviada do emissor e qual são as formas que possuímos nos dias atuais de se comunicar com os demais seres humanos. Também analisaremos a comunicação organizacional, que com ela traz a eficaz, a pretendida, a recebida e a comunicação eletrônica explicando cada uma individualmente. 2 COMUNICAÇÃO Segundo BOWDITCH e BUONO (2009) a comunicação é a troca de informações entre um transmissor e um receptor, e a inferência do significado entre as pessoas envolvidas. Para os seres humanos se comunicarem entre eles, existem várias formas de se expressar: Linguagem: usada para a comunicação, e a respectiva capacidade de transmitir a informação e essa a ser entendida por todas as partes. Canal: é como as informações são recebidas através de todos os canais, como a forma falada e escrita. Conteúdo: são as boas ou más noticias, na família ou em estranhos. Características interpessoais: é a relação entre o transmissor e o receptor, nos termos de confiança e influência. Contexto: é aonde a comunicação ocorre em termos de estrutura organizacional e o ambiente social. 2.1 COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL A comunicação interpessoal possui quatro funções básicas, que são: Controle: serve para esclarecer as obrigações, implantar normas e estabelecer autoridade e responsabilidade. Informação: serve para propiciar a base para se tomar decisões e executar ordens e instruções. Motivação: tem como função influenciar os demais e obter cooperação e compromisso para as diversas metas e objetivos. Emoção: tem como objetivo expressar sentimentos e emoções Possuímos alguns diferentes modos de comunicação, que segundo ROBBINS (2005), é: Comunicação oral: Este é o principal meio de se transmitir uma mensagem, como exemplos têm: palestras, um debate entre duas pessoas e a rede informal de rumores. Possui como vantagem, a sua rapidez e o feedback, e como desvantagem é nas organizações, ou quando uma mensagem tiver de ser transmitida para várias pessoas. 2

3 Comunicação escrita: Ela engloba memorandos, cartas, jornais internos, informativos em murais, entre outros. O emissor escolhe esta comunicação, pelo fato dela ser tangível e verificável. Mas possui desvantagens, pois ela consome mais tempos para ser transmitidos. Comunicação não verbal: Em certos casos, o componente não verbal pode estar sozinho. Todo movimento que nosso corpo faz, possui um significado, mas nenhum acidentalmente. 2.2 PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO O processo de comunicação envolve uma transação de pessoas, que fica como uma ponte de informações e significados entre esses indivíduos envolvidos, sempre envolve duas pessoas, ou seja, aquela que envia a mensagem e a que recebe à informação. A comunicação em si é composta por cinco elementos, que apresento na figura: Figura 1: Modelo do processo de comunicação Fonte: Chiavenato (2007) Os elementos do processo de comunicação, segundo Chiavenato (2007,pg. 128) é: 2.3 BARREIRAS DA COMUNICAÇÃO Emissor ou fonte: é a pessoa, coisa ou processo que emite a mensagem para alguém. Transmissor: é o equipamento que liga a fonte ao canal, isto é, que codifica a mensagem emitida pela fonte para torná-la adequada ao canal. Canal: é a parte do sistema referente ao transporte de alguma forma de mensagem entre pontos fisicamente distantes. Receptor ou decodificador: é o equipamento situado entre o canal e o destino, isto é, que decodifica a mensagem para o destino. Destino: é a pessoa coisa ou processo para a qual a mensagem é enviada. Além das informações prestadas acima, o nosso processo de comunicação, do dia a dia também sofrem obstáculos, tempestades e se mantém resistentes na comunicação entre as pessoas, ou seja, fazem com que a mensagem que enviamos a um determinado destino, 3

4 chegue até o local diferente daquela que passamos. Exemplificando melhor, têm três tipos de barreiras, a qual segundo Chiavenato (2007, pg. 133) explica cada uma pra nós: Barreiras pessoais: são interferências que decorrem das limitações, emoções e valores humanos de cada pessoa [...]. As barreiras pessoais podem limitar ou distorcer as comunicações com outras pessoas. Barreiras físicas: são as interferências que ocorrem no ambiente em que acontece o processo de comunicação. Barreiras semânticas: são as limitações ou distorções decorrentes dos símbolos por meio dos quais a comunicação é feita. As palavras ou outras formas de comunicação como gestos, sinais, símbolos podem ter diferentes sentidos para as pessoas envolvidas no processo e podem distorcer seu significado. Essas barreiras fazem então com que a mensagem seja filtrada, bloqueada, e distorcidas nos significados, como ilustramos na figura: Figura 2: Como funcionam as barreiras da comunicação Fonte: Chiavenato (2007) 3 COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Como já foi visto no inicio deste artigo, que a comunicação é um dos processos fundamentais da gerência e do comportamento organizacional, e ainda na concepção BOWDITCH e BUONO (2009) a comunicação organizacional tem outras formas de ser analisada contendo três funções amplas que são: Produção e controle: é a comunicação dirigida á realização do serviço e ao cumprimento de objetivos de produção da organização, tais como controle e quantidade. Inovação: é na forma que se tem novas idéias e mudanças que ajudam a empresa a se adaptar e responder ao seu ambiente. Socialização e manutenção: é voltada para os meios de realização do trabalho, para o total envolvimento pessoal, e a motivação das pessoas dentro da empresa. E com essas funções a comunicação organizacional fica mais clara, pois ela é a disposição e a estrutura de como a comunicação é dirigida para as pessoas que dela precisam para o trabalho e também para solucionar problemas. Diante do exposto acima é possível ressaltar que esses autores contribuíram muito para mostrar as várias facetas da comunicação, e como ela é complexa diante dos olhos do ser humano e precisa para os mesmos. 4

5 3.1 COMUNICAÇÃO PRETENDIDA Nessa etapa vamos abordar outro assunto, que diz respeito a comunicação Pretendida que tem como finalidade, segundo SCHERMERHORN, HUNT, OSBORN(1999) evidenciar as tentativas da fonte de comunicação e de fazer mudanças de atitudes, conhecimento ou comportamento de um receptor pretendido. Os canais possíveis de entrega, ou meios de comunicação, tendem de influenciar na escolha do canal, pois pode fazer diferença no efeito desejado da mensagem; algumas pessoas são melhores no uso de alguns canais do que em outros e determinada mensagem será melhor falada em um canal especifico. 3.2 COMUNICAÇÃO RECEBIDA Na visão de Schermerhorn, Hunt, Osborn (1999, pg 241) essa comunicação pode ser interpretada, pelo menos parcialmente, sofrendo a influência adicional de outros pontos de vista, como aqueles oferecidos pelos amigos, colegas de trabalho ou superiores nas organizações. Com isso muitas vezes a mensagem enviada é mau interpretada pelo receptor e por isso podem ser muito diferentes do significado pretendido pelo transmissor da mesma. 3.3 COMUNICAÇÃO EFICAZ Para MINICUCCI (2007) existem instrumentos que fazem a comunicação se tornar eficaz para as pessoas dela participante e isso vai ocorrer desde que: - Quanto mais o contato psicológico se estabelece em profundidade, mais a comunicação humana terá possibilidade de ser autêntica. - Quanto mais à expressão de se conseguir integrar a comunicação verbal e a nãoverbal, mais a troca com o outro terá condições de ser mais autêntica. - Quanto mais à comunicação se estabelecer de pessoa a pessoa para além das personagens mais terá possibilidade de ter sucesso. - Quanto mais as comunicações humanas forem consumatórias, menos elas serão instrumentais e terão mais possibilidade de ser alocêntricas e autênticas. 3.4 COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA De acordo com o autor do artigo BARRETO (1998) a comunicação eletrônica diz respeito à estrutura da relação entre o fluxo de informação e o público onde o conhecimento é dirigido vem se modificando com o tempo. Elas vêm mudando pelo fato de existir funções das diferentes técnicas que fazem operações nas transferências da informação do gerador para o receptor, mas o fluxo em si é uma sucessão de eventos que vem de um processo de mediação entre a geração da informação por uma fonte emissora com a aceitação da mesma pelo receptor. Este artigo na verdade tem o propósito de mostrar o fluxo de informações que faz a ligação entre o transmissor e o receptor, e isso vêm agregando competência na transmissão com uma relação direta com fases porque passou o andamento do processo de informação até chegar à comunicação eletrônica, eu viabiliza tudo com maior intensidade com relação e interação com os que observam. Este processo de comunicação, com o transporte da mensagem é um fato bem acessível ao entendimento do ser humano, pois os eventos são claros e as pessoas se comunicam e falam entre si. 5

6 4 CONCLUSÃO Neste trabalho foi abordado o tema comunicação onde foi explicado as barreiras que o ser humano enfrenta para ter uma melhor comunicação e interação com outras pessoas no ambiente onde se encontram. Também foi visto vários conceitos onde cada um deles define de forma clara e consciente o que é comunicação, dando exemplos para que assim o receptor da mensagem entenda claramente o significado, que lhes foi enviado pelo transmissor. Foi visto neste artigo também as várias formas que existem para os indivíduos se expressarem entre eles de forma sucinta e transparente, mostrando ainda as funções básicas dentro da comunicação interpessoal e os modos de se comunicar. Desta maneira pode-se concluir que este trabalho teve uma abordagem ampla das várias facetas que existe dentro da comunicação, definida cada qual por conceitos e exemplos, também foi abordado às dificuldades e facilidades que um transmissor tem em transmitir sua mensagem até o receptor, e se teve um bom entendimento da mesma. REFERÊNCIAS BARRETO, Aldo Albuquerque; Mudança estrutural do fluxo do conhecimento: a comunicação eletrônica. Brasília, v. 27, n. 2, pg , maio\ago, BOWDITCH, James; BUONO, Anthony. F. Elementos de Comportamento Organizacional. 1. ed. São Paulo: Cengage Learning, CHIAVENATO, Idalberto. Administração de recursos humanos. 6. Ed. São Paulo: Atlas S.A., LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamento de metodologia cientifica. 3. Ed. São Paulo: Atlas, MINICUCCI, Agostinho. Psicologia Aplicada á Administração. 5. ed. São Paulo: Atlas, ROBBINS, Stephen. Comportamento organizacional. 11. Ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, SCHERMERHORN, John. R; HUNT, James. G; OSBORN, Richard. N. Fundamentos De Comportamento Organizacional. 2. ed. Porto Alegre: Bookman,

Gestão de Pessoas. Curso de Pós-Graduação em Gestão Escolar Prof. Joelma Kremer, Dra.

Gestão de Pessoas. Curso de Pós-Graduação em Gestão Escolar Prof. Joelma Kremer, Dra. Gestão de Pessoas Curso de Pós-Graduação em Gestão Escolar Prof. Joelma Kremer, Dra. Aula 7 Comunicação Organizacional Os objetivos desta aula são: Identificar as principais funções da comunicação. Descrever

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 3. Comunicação. Contextualização. Motivação dos Talentos Humanos. Instrumentalização

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 3. Comunicação. Contextualização. Motivação dos Talentos Humanos. Instrumentalização Gestão de Recursos Humanos Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Comunicação nas empresas Motivação dos talentos humanos Comunicação Processo de comunicação Contextualização Barreiras

Leia mais

Comportamento Organizacional

Comportamento Organizacional Comportamento Organizacional Profª. Taís Brenner Oesterreich 2011-1 O que é comportamento organizacional? Campo de estudo que investiga o impacto que indivíduos, grupos e a estrutura têm sobre o comportamento

Leia mais

Fatores Organizacionais que Interferem no Trabalho em Equipe 1 RESUMO. Palavras-chave: Comunicação. Integração. Trabalho em equipe.

Fatores Organizacionais que Interferem no Trabalho em Equipe 1 RESUMO. Palavras-chave: Comunicação. Integração. Trabalho em equipe. Fatores Organizacionais que Interferem no Trabalho em Equipe 1 Caroline Naiara Vieira Chaves Pinto 2 Denise Rossi 3 RESUMO O presente artigo aborda quais os fatores organizacionais podem interferir no

Leia mais

Capítulo 11. Comunicação Pearson. Todos os direitos reservados.

Capítulo 11. Comunicação Pearson. Todos os direitos reservados. Capítulo 11 Comunicação slide 1 Objetivos de aprendizagem Identificar as principais funções da comunicação. Descrever o processo de comunicação e distinguir entre comunicação formal e informal. Comparar

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac. Atividade Projeto Integrador. Comunicação Empresarial. Alunos: Venicyus Venceslencio. Geovane Alves.

Faculdade de Tecnologia Senac. Atividade Projeto Integrador. Comunicação Empresarial. Alunos: Venicyus Venceslencio. Geovane Alves. Faculdade de Tecnologia Senac Gestão em Tecnologia da Informação Atividade Projeto Integrador Comunicação Empresarial Alunos: Venicyus Venceslencio Geovane Alves Gabriel Napolis Jakson Tavares Goiânia.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÃO em PROJETOS

GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÃO em PROJETOS GERENCIAMENTO DE COMUNICAÇÃO em PROJETOS Gerenciamento de Projetos A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO: Uma boa comunicação no ambiente de Projeto resultará em uma equipe motivada; Ampliam-se as chances de sucesso

Leia mais

Comportamento Organizacional

Comportamento Organizacional Comportamento Organizacional Prof. Taís B. Oesterreich 2010-1 Algumas Conceituações e suas Respectivas Contribuições Argyris (1960): uma organização é um conjunto de quatro diferentes, mas interrelacionados

Leia mais

HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS

HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS A primeira necessidade? Comunicar-se. COMUNICAÇÃO É o processo que consiste em transmitir e receber uma mensagem, com a finalidade de afetar

Leia mais

Comunicação e Ética Aula 2

Comunicação e Ética Aula 2 Comunicação e Ética Aula 2 NENL Exercício Descrever usando criatividade e imaginação como seria um dia, na sua cidade, se todos os meios de comunicação deixassem de funcionar. Imagine: 1 se nenhuma emissora

Leia mais

Pesquisa de Comunicação Organizacional

Pesquisa de Comunicação Organizacional Pesquisa de Comunicação Organizacional Trabalho apresentado ao GT Relações Públicas (Comunicação Organizacional) do VI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação da Região Norte. * 1Neila Maria Moura

Leia mais

Competência individual essencial

Competência individual essencial Competência individual essencial Introdução Objetivo Reflexão e aprofundamento sobre o processo básico da comunicação, a fim de que haja maior exatidão na compreensão do significado daquilo que se quer

Leia mais

A importância da Comunicação na Negociação

A importância da Comunicação na Negociação Nem sempre o que se pretende falar é o que de fato é falado. E pior, nem sempre o que é falado é o que de fato é entendido. Anônimo. A importância da Comunicação na Negociação - A habilidade de entender

Leia mais

01/08/2017 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO. Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

01/08/2017 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO. Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

A influência da comunicação informal num sistema de informação

A influência da comunicação informal num sistema de informação A influência da comunicação informal num sistema de informação Eliacy Cavalcanti Lélis (UNINOVE) eliacylelis@uninove.br Resumo: Geralmente um projeto de sistema de informação envolve o investimento em

Leia mais

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM PALMAS-TO

A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM PALMAS-TO A COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM PALMAS-TO Leandro Fernandes Martins PROIC/ITOP. Email: leandrofernandes11@gmail.com Weder Ferreira dos Santos UFT. Email: eng.agricola.weder@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA. Curso: Administração 2016/1 Disciplina: Comportamento Organizacional ADM Carga Horária: 60 horas Sala: 302

PROGRAMA. Curso: Administração 2016/1 Disciplina: Comportamento Organizacional ADM Carga Horária: 60 horas Sala: 302 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP. 29075.910 -ES Brasil- Tel.

Leia mais

Remodelando a passagem de plantão. Ana Lúcia S. Mirancos da Cunha Coordenadora de enfermagem do centro cirúrgico

Remodelando a passagem de plantão. Ana Lúcia S. Mirancos da Cunha Coordenadora de enfermagem do centro cirúrgico Remodelando a passagem de plantão Ana Lúcia S. Mirancos da Cunha Coordenadora de enfermagem do centro cirúrgico Prestador de serviços 24 horas Ser humano paciente Comunicação Comunicar não significa simplesmente

Leia mais

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Teoria da Informação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Claude Elwood Shannon, 1948 Autor que estabeleceu os fundamentos da Teoria da Informação Teoria da

Leia mais

1/28/2017 PSICOLOGIA APLICADA AO FUTEBOL. A Relação Treinador Atleta. a influência do treinador vai muito além do contexto desportivo

1/28/2017 PSICOLOGIA APLICADA AO FUTEBOL. A Relação Treinador Atleta. a influência do treinador vai muito além do contexto desportivo PSICOLOGIA APLICADA AO FUTEBOL CURSO TREINADORES DE FUTEBOL NÍVEL I UEFA C Componente Específica Joana Cerqueira joanacerqueira.cifi2d@gmail.com a influência do treinador vai muito além do contexto desportivo

Leia mais

Comunicação Empresarial. Prof.: : Alexandre Lozi

Comunicação Empresarial. Prof.: : Alexandre Lozi Comunicação Empresarial Prof.: : Alexandre Lozi Helton Klinthon Lucas Arantes Danilo Divanni Joselito Vila Boa Rafael Comunicação nas empresas Comunicação empresarial Definição: - Comunicação empresarial

Leia mais

Administração. Competência Interpessoal. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Competência Interpessoal. Professor Rafael Ravazolo. Administração Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX COMPETÊNCIA INTERPESSOAL Qualquer organização que queira obter êxito não admite mais profissionais individualistas.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA PROFESSOR: Alexei Manso Correa Machado 1. EMENTA O problema científico, a hipótese e a investigação científica. Características, objetivos

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

Grupos e Equipes de Trabalho

Grupos e Equipes de Trabalho Aula 6 Grupos e Equipes de Trabalho Agenda Comportamento de grupos Caso Uma Equipe Desunida Trabalho em equipe 2 1 Fundamentos do comportamento de grupos Definição Um grupo é definido como dois ou mais

Leia mais

GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO

GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO Planejar o Gerenciamento das Comunicações O gerenciamento das comunicações do projeto inclui os processos necessários para assegurar que as informações do projeto

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA PROFESSOR: Alexei Manso Correa Machado 1. EMENTA: A disciplina tem como objetivo apresentar aos alunos os fundamentos da construção do

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Estrutura Organizacional Organização da Empresa: É a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance dos objetivos

Leia mais

O PAPEL DO CLIMA ORGANIZACIONAL NO DESEMPENHO EMPRESARIAL

O PAPEL DO CLIMA ORGANIZACIONAL NO DESEMPENHO EMPRESARIAL O PAPEL DO CLIMA ORGANIZACIONAL NO DESEMPENHO EMPRESARIAL Clariana de Lima RODRIGUES 1 Ritiely Mariano PRETEL 2 RESUMO O desempenho de cada pessoa está diretamente relacionado com a sua satisfação em relação

Leia mais

A comunicação interpessoal nas Escolas Municipais Nestor Marinho e Francisco Pereira Mattos da Cidade de Nova Cruz/RN

A comunicação interpessoal nas Escolas Municipais Nestor Marinho e Francisco Pereira Mattos da Cidade de Nova Cruz/RN A comunicação interpessoal nas Escolas Municipais Nestor Marinho e Francisco Pereira Mattos da Cidade de Nova Cruz/RN Edneide Gomes da Silva 1, Thiago José de Azevêdo Loureiro 2 1 Aluna do curso Técnico

Leia mais

Mix de Marketing (IV) 4P Promoção

Mix de Marketing (IV) 4P Promoção Mix de Marketing (IV) 4P Promoção Mix de Marketing Produto Preço Criação de valor Captação de valor Entrega de valor Comunicação de valor Praça Promoção COMUNICAÇÕES INTEGRADAS DE MARKETING (CIM) Abrange

Leia mais

Graziela Oste Graziano Cremonezi* Valéria Rueda Elias Spers**

Graziela Oste Graziano Cremonezi* Valéria Rueda Elias Spers** Comunicação interna nos cargos de secretariado Internal Communication in Secretarial Job Graziela Oste Graziano Cremonezi* Valéria Rueda Elias Spers** Dagmar Silva Pinto de Castro*** Yeda Cirera Oswaldo****

Leia mais

2.2 Elementos formais e informais

2.2 Elementos formais e informais 2.2 Elementos formais e informais A produtividade de um grupo e sua eficiência estão estreitamente relacionadas não somente com a competência de seus membros, mas, sobretudo com a solidariedade de suas

Leia mais

Liderança. A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos.

Liderança. A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos. CHEFIA E LIDERANÇA Liderança A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos. Liderança Liderar significa possuir a capacidade e o discernimento para

Leia mais

Clima e Socialização organizacional

Clima e Socialização organizacional Função Aplicação de pessoas: Clima e Socialização organizacional Livros: CHIAVENATO, Gestão de pessoas TACHIZAMA, et al. Material na xerox (pg.240-255) SOCIALIZAÇÃO ORGANIZACIONAL É a maneira pela qual

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA

ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA A fala, sem dúvida, precedeu a descoberta do fogo. Ainda continuamos a usar a palavra, não para transmitir mensagens ou expressar sentimentos, mas para estabelecer e manter o contacto humano ( ) O ato

Leia mais

Meg Silva Gestora de Processos Contato: / Blog: Uberlândia - MG

Meg Silva Gestora de Processos Contato: / Blog:  Uberlândia - MG FLUXOGRAMA CONCEITO Fluxograma é um tipo de diagrama, e pode ser entendido como uma representação esquemática de um processo, muitas vezes feito através de gráficos que ilustram de forma descomplicada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA I. IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Administração Semestre: 2012.1 Turma: 03301 Disciplina:

Leia mais

Cláudia Moura. IDOSOS: As Palavras e os Gestos na Comunicação. Centro Cultural Entroncamento,

Cláudia Moura. IDOSOS: As Palavras e os Gestos na Comunicação. Centro Cultural Entroncamento, Cláudia Moura claudiamoura@portugalmail.pt IDOSOS: As Palavras e os Gestos na Comunicação Centro Cultural Entroncamento, 30 Setembro 2010 O envelhecimento demográfico é um fenómeno social e actual, mas

Leia mais

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Forma de interagir com outras pessoas RELACIONAMENTO Estabelecimento de um processo de comunicação onde o emissor e receptor tenham claro suas reais atribuições. Para existir

Leia mais

Tema O Processo de Comunicação na Prática Gerencial

Tema O Processo de Comunicação na Prática Gerencial Tema O Processo de Comunicação na Prática Gerencial Projeto Curso Disciplina Tema Professor(a) Coordenador(a) Tutor(a) Pós-graduação MBA em Gestão de Recursos Humanos Desenvolvimento Gerencial O Processo

Leia mais

Trabalho em Equipe. São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica.

Trabalho em Equipe. São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica. Equipe Trabalho em Equipe São unidades com duas ou mais pessoas que interagem e coordenam seu trabalho para conseguir atingir uma meta específica. Objetivo comum. Objetivos do grupo acima dos interesses

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 1 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO

ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO FUNÇÕES DA LINGUAGEM ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite, codifica a mensagem Receptor recebe, decodifica a mensagem Mensagem- conteúdo transmitido pelo emissor Código conjunto de signos usado na transmissão

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial O que é comunicar? Tornar comum, compartilhar Todas as atividades humanas envolvem comunicação ato vital Comunicação Verbal (falada e escrita) Comunicação não-verbal (sons, músicas,

Leia mais

IV WORKSHOP GESTÃO DA QUALIDADE COM FOCO EM CLÍNICA DE DIÁLISE

IV WORKSHOP GESTÃO DA QUALIDADE COM FOCO EM CLÍNICA DE DIÁLISE IV WORKSHOP GESTÃO DA QUALIDADE COM FOCO EM CLÍNICA DE DIÁLISE 18 e 19 de março de 2011 RECIFE/PE A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO COM PESSOAS PARA O SUCESSO NA IMPLANTAÇÃO DO MODELO DE GESTÃO Ana Paula Penido

Leia mais

GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO (PARTE I - Teoria)

GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO (PARTE I - Teoria) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO (PARTE I - Teoria) EQUIPE: TC_045 - GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROFESSORA: ELAINE SOUZA MARINHO

Leia mais

Meios de Comunicação de Dados.

Meios de Comunicação de Dados. Meios de Comunicação de Dados www.profjvidal.com Redes sem Fio: - Com infraestrutura - Sem infraestrutura ou AD-HOC Introdução As redes de computadores vieram para revolucionar a forma como nos comunicamos

Leia mais

Comunicação e linguagens. Carlos Straccia ATO DE COMUNICAÇÃO. Referências bibliográficas

Comunicação e linguagens. Carlos Straccia ATO DE COMUNICAÇÃO. Referências bibliográficas ATO DE COMUNICAÇÃO Referências bibliográficas INFANTE, Ulisses. Do texto ao texto: curso prático de leitura e redação. 5 ed. São Paulo: Scipione, 1998, p. 17. PEREIRA, José Haroldo. Curso básico de teoria

Leia mais

Motivação e Comprometimento

Motivação e Comprometimento Motivação e Comprometimento Comunicação e Liderança como fatores motivacionais Responsável pelo Conteúdo: Profa. Ms. Gisele de Lima Fernandes Revisão Textual: Profa. Esp. Alessandra Fabiana Cavalcante

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS IGEPP - ANAC. Aula 9

GESTÃO DE PESSOAS IGEPP - ANAC. Aula 9 Disciplina: Gestão de Pessoas Organizador: Prof. Márcio Cunha Concurso: ANAC Aula 9 Nota: Podem incidir erros de digitação, impressão ou dúvidas conceituais. Em qualquer dessas hipóteses, solicitamos a

Leia mais

11/05/2015 MKI 1. Tópicos. A Implantação do Endomarketing exige a definição de um plano de ações que nos facilitará atingir os objetivos do programa.

11/05/2015 MKI 1. Tópicos. A Implantação do Endomarketing exige a definição de um plano de ações que nos facilitará atingir os objetivos do programa. Tópicos pg 1. Implantação 2 2. Fatores do Endomarketing 3 3. Plano de Ações 4 4. Liderança do Processo 5 5. Clima Organizacional 6 6. Segmentação do Cliente Interno 7 7. Ações e Instrumentos 9 8. Elementos

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite, codifica a mensagem Receptor recebe, decodifica a mensagem Mensagem- conteúdo transmitido pelo emissor Código conjunto de signos usado na transmissão

Leia mais

Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade. Departamento de Expressão Gráfica - UFPR

Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade. Departamento de Expressão Gráfica - UFPR Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade Departamento de Expressão Gráfica - UFPR COMUNICAÇÃO VISUAL Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade A informação por meio de sinais provocou

Leia mais

Inserir Título Aqui Carreira S/A Inserir Título Aqui

Inserir Título Aqui Carreira S/A Inserir Título Aqui CarreiraTítulo Inserir S/A Aqui Inserir Título Aqui Planejamento de Carreira Responsável pelo Conteúdo: Profa. Dra. Regina Tavares de Menezes Revisão Textual: Profa. Dra. Selma Aparecida Cesarin Planejamento

Leia mais

Redes de Computadores.

Redes de Computadores. Redes de Computadores www.profjvidal.com REDES PONTO-A-PONTO E CLIENTE-SERVIDOR REDES DE COMPUTADORES Uma rede de computadores é formada por um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

A COMUNICAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A COMPETÊNCIA, O PROFISSIONAL DE SECRETARIADO E A ORGANIZAÇÃO

A COMUNICAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A COMPETÊNCIA, O PROFISSIONAL DE SECRETARIADO E A ORGANIZAÇÃO A COMUNICAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM A COMPETÊNCIA, O PROFISSIONAL DE SECRETARIADO E A ORGANIZAÇÃO OLIVEIRA, Esmeralda Aparecida. Profª Mestra BENTO, Mariluz Ferreira, Graduanda¹ Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

Meios de Comunicação de Dados.

Meios de Comunicação de Dados. Meios de Comunicação de Dados www.profjvidal.com Redes sem Fio: - Com infraestrutura - Sem infraestrutura ou AD-HOC Introdução As redes de computadores vieram para revolucionar a forma como nos comunicamos

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA

METODOLOGIA DA PESQUISA Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade METODOLOGIA DA PESQUISA ENTREVISTAS E FOCUS GROUP Prof. Dr. Gilberto de Andrade Martins Orientador Belém - Pará 1 Universidade de São

Leia mais

USO DA INTRANET COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA ALFA

USO DA INTRANET COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA ALFA Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas USO DA INTRANET COMO FERRAMENTA DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA ALFA USE OF INTRANET AS A STRATEGIC INFORMATION

Leia mais

Suplemento de Aula Material Extra: Não faz parte da apostila

Suplemento de Aula Material Extra: Não faz parte da apostila Suplemento de Aula Material Extra: Não faz parte da apostila Linguagem Corporal Prof. Murillo Dias, MSc 1 Tipos de Linguagem Verbal Palavra Falada ou Escrita. Não-Verbal Gesto, Movimento, Imagem, Proximidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO

GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO Gestão de Projetos de Infraestrutura Luciano Rodrigues de Souza GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES DO PROJETO O gerenciamento das comunicações do projeto inclui os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1.1 Curso: Bacharelado em Administração Pública 1.2 Ano: 2 1.3 Módulo: 3 1.4 Disciplina: Seminário Temático II 1.5 Carga Horária: 30h 1.6 Caráter: Obrigatória

Leia mais

EMENTAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS E COMÉRCIO EXTERIOR

EMENTAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS E COMÉRCIO EXTERIOR EMENTAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS E COMÉRCIO EXTERIOR Disciplina: METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Introdução a metodologia científica, aspectos do conhecimento

Leia mais

VIABILIDADE DA TRANSMISSÃO DE DADOS VIA SATÉLITE FEASIBILITY OF DATA TRANSMISSION VIA SATELLITE

VIABILIDADE DA TRANSMISSÃO DE DADOS VIA SATÉLITE FEASIBILITY OF DATA TRANSMISSION VIA SATELLITE VIABILIDADE DA TRANSMISSÃO DE DADOS VIA SATÉLITE FEASIBILITY OF DATA TRANSMISSION VIA SATELLITE Loilson Serber Vieira 1 ; Carlos Eduardo Spinassi Elias 2 ; Rafael Scoczynski Ribeiro 3. 1 Centro de Ensino

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA CONCILIADORES E MEDIADORES

CAPACITAÇÃO PARA CONCILIADORES E MEDIADORES CAPACITAÇÃO PARA CONCILIADORES E MEDIADORES 1 COMPORTAMENTO HUMANO E COMUNICAÇÃO 2 A experiência mostra que os homens são governados por aquilo que costumam ver e fazer, a ponto de, mesmo as melhorias

Leia mais

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL. Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Sejam Bem-Vindos!

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL. Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Sejam Bem-Vindos! RELACIONAMENTO INTERPESSOAL Prof. Dr. Márcio Magalhães Fontoura Sejam Bem-Vindos! ACORDO DE TRABALHO Motivação Disposição para aprendizagem xícara de chá Comprometimento com os resultados Trazer o Vinho

Leia mais

AULA ANTERIOR: MODELOS FUNDAMENTAIS

AULA ANTERIOR: MODELOS FUNDAMENTAIS AULA ANTERIOR: MODELOS FUNDAMENTAIS Modelos fundamentais de um sistema distribuído Permitem estabelecer quais as premissas existentes a respeito de aspetos chave. Permitem avaliar de forma objetiva as

Leia mais

Relatório de Competências de Nataly Lopez (Perfil Natural) Autoconfiança. Autocontrole. Busca de Informação. Capacidade de Negociação.

Relatório de Competências de Nataly Lopez (Perfil Natural) Autoconfiança. Autocontrole. Busca de Informação. Capacidade de Negociação. IMPORTANTE: Em ótimas condições do ambiente, a grande maioria das pessoas pode ter a capacidade de desempenhar-se adequadamente em quaisquer das seguintes competências. Referimo-nos a "ótimas condições"

Leia mais

Relacionamento Interpessoal na Auditoria: Você está preparado? Elisabeth Sversut

Relacionamento Interpessoal na Auditoria: Você está preparado? Elisabeth Sversut Relacionamento Interpessoal na Auditoria: Você está preparado? Elisabeth Sversut Você está preparado? Pense bem... Curso superior, pós-graduação, dois idiomas... Um Auditor Como qualquer outro profissional,

Leia mais

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos)

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Marketing/Processos Gerenciais UC: Comunicação e Expressão COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) A comunicação verbal baseia-se na interação

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: Centro de Comunicação e Letras Curso: Publicidade e Propaganda Disciplina: PSICOLOGIA DO CONSUMIDOR I Professor(es): NORA ROSA RABINOVICH Carga horária: 34 h/a. (25,5 h). Ementa:

Leia mais

TEMA-PROBLEMA A comunicação e a construção do indivíduo

TEMA-PROBLEMA A comunicação e a construção do indivíduo TEMA-PROBLEMA 1.3. A comunicação e a construção do indivíduo Comunicação communicare pôr em comum, estar em relação com os outros, conviver. Tal implica que os indivíduos em comunicação possuam a mesma

Leia mais

O Processo de Comunicação em Formação

O Processo de Comunicação em Formação Curso de Formação Pedagógica de Formadores Manual do Formando Talentus Associação Nacional de Formadores e Técnicos de Formação 2002 Índice...3 Comunicação...4 Elementos da Comunicação...5 Linguagem Verbal

Leia mais

CURSO DE GESTÃO EM RECURSOS HUMANOS DISCIPLINA: SISTEMAS ORGANIZACIONAIS

CURSO DE GESTÃO EM RECURSOS HUMANOS DISCIPLINA: SISTEMAS ORGANIZACIONAIS DISCIPLINA: SISTEMAS ORGANIZACIONAIS APRESENTAÇÃO O conhecimento não deve ser colocado de forma muito restrita, de modo que o Aluno não acredite que o assunto está encerrado e que a pesquisa não deve ser

Leia mais

Delegação, centralização e descentralização

Delegação, centralização e descentralização Delegação, centralização e descentralização Amplitude de controle PROF. DACIANE DE O. SILVA DISCIPLINA- OSM Referência: REBOUÇAS, Djalma de Oliveira DELEGAÇÃO Definição : A Delegação pode ser definida

Leia mais

CONFLITO? O que vem à mente quando escuto essa palavra: Na família? Em casa? No trabalho? Em Tecnologia da Informação? Individualmente?

CONFLITO? O que vem à mente quando escuto essa palavra: Na família? Em casa? No trabalho? Em Tecnologia da Informação? Individualmente? CONFLITO? O que vem à mente quando escuto essa palavra: Na família? Em casa? No trabalho? Em Tecnologia da Informação? Individualmente? Conceitos: Quando as pessoas estão em desacordo e em oposição. (LUSSIER,

Leia mais

Clima organizacional dos colaboradores da indústria de Panificação do Grupo Cíntia

Clima organizacional dos colaboradores da indústria de Panificação do Grupo Cíntia Clima organizacional dos colaboradores da indústria de Panificação do Grupo Cíntia Michele Firmino Guimarães Vanessa Q. Rocha Centro Universitário do Norte (Uninorte) RESUMO Este trabalho vem mostrar o

Leia mais

Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ REITORIA Proposta de Política de Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná OBS: Política elaborada pela comissão designada

Leia mais

LIDERANÇA EM ENFERMAGEM E GERÊNCIA DO CUIDADO EM UTI NEONATAL

LIDERANÇA EM ENFERMAGEM E GERÊNCIA DO CUIDADO EM UTI NEONATAL 1 LIDERANÇA EM ENFERMAGEM E GERÊNCIA DO CUIDADO EM UTI NEONATAL Drª. Zenith Rosa Silvino e Drª. Bárbara Pompeu Christovam Curso: II Curso de Assistência de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Gerenciamento de s Planejamento e Gestão de s Prof. Msc. Maria C Lage Prof. Newman Serrano, PMP Gerenciamento de Recursos Humanos Introdução

Leia mais

design > comunicação visual Profa. Julie Pires

design > comunicação visual Profa. Julie Pires design > comunicação visual Profa. Julie Pires Teorias do Design 1 [BAV105] DESIGN Design é inventar, projetar, programar, coordenar uma longa lista de fatores humanos e técnicos, traduzir o invisível

Leia mais

Gestão da Comunicação Integrada

Gestão da Comunicação Integrada Gestão de Marketing Gestão da Comunicação Integrada Responsável pelo Conteúdo: Prof. Dr.Gleber Antonio de Paula Revisão Textual: Profa. Esp. Alessandra Fabiana Cavalcante Unidade Gestão da Comunicação

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 2

Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 2 Prof. Marcelo Machado Cunha Parte 2 www.marcelomachado.com As redes de computadores se classificam conforme a forma de ligação entre as estações nas seguintes categorias: Linear ou Barramento Estrela Anel

Leia mais

Módulo 3 Técnicas para envolvimento. 3c Comunicação estratégica

Módulo 3 Técnicas para envolvimento. 3c Comunicação estratégica Módulo 3 Técnicas para envolvimento 3c Comunicação estratégica No Módulo 3c... Porquê e o que comunicar? Comunicação eficaz Uso de redes Ser estratégico Sessão de trabalho Porquê e o que comunicar? A comunicação,

Leia mais

Comunicação. Prof. Leonardo de Barros Pinto

Comunicação. Prof. Leonardo de Barros Pinto Prof. Leonardo de Barros Pinto Programa do curso CONTEÚDO Momento 1: Organizacional e Interpessoal Momento 2: Apresentações Sistemas de comunicação 1. Orais 2. Visuais 3. Auditivos 4. Eletrônicos A.Diretos

Leia mais

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Memória: Barramentos e Registradores FAC 1 / 34

Leia mais

DADOS. DADOS versus INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES TIPOS DE DADOS TIPOS DE DADOS TIPOS DE DADOS

DADOS. DADOS versus INFORMAÇÃO ARQUITETURA DE COMPUTADORES TIPOS DE DADOS TIPOS DE DADOS TIPOS DE DADOS ARQUITETURA DE COMPUTADORES DADOS versus Aula 1 e 2_Arq Comp 1 Aula 1 e 2_Arq Comp 2 DADOS Matéria-prima essencial para extração de Informação; É um registro ou anotação a respeito de um determinado evento

Leia mais

O conceito de competência comunicativa revisitado

O conceito de competência comunicativa revisitado O conceito de competência comunicativa revisitado O construto da Competência Comunicativa (doravante CC) foi utilizado pela primeira vez por Dell Hymes, em uma palestra para pais de crianças especiais.

Leia mais

Apresentação de trabalhos científicos

Apresentação de trabalhos científicos Apresentação de Apresentação oral de trabalhos trabalhos científicos COMUNICAÇÃO Prof. Dr. Adriano Canabarro Teixeira teixeira@upf.br Abril de 2008 É como uma conversa? Pressupõe uma interação social entre

Leia mais

CLIMA ORGANIZACIONAL E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA NO TRABALHO? ORGANIZATIONAL CLIMATE AND ITS RELATIONSHIP WITH EFFICIENCY AT WORK?

CLIMA ORGANIZACIONAL E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA NO TRABALHO? ORGANIZATIONAL CLIMATE AND ITS RELATIONSHIP WITH EFFICIENCY AT WORK? Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade CLIMA ORGANIZACIONAL E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA NO TRABALHO? ORGANIZATIONAL CLIMATE AND ITS RELATIONSHIP WITH EFFICIENCY AT WORK? RESUMO Gabriela Rossato,

Leia mais

Gestão e Empreendedorismo

Gestão e Empreendedorismo Unidade III Gestão e Empreendedorismo Eliomar Borges Furquim Plano de negócios (PN): uma Visão geral. Objetivo específico - Ao concluir este módulo, você vai ser capaz de compreender o que é um Plano de

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO 1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO PROJETO A VEZ DO MESTRE GESTÃO EMPRESARIAL: LIDERANÇA FOCADA NA CONQUISTA DO BOM CLIMA ORGANIZACIONAL Daniel Luiz Vargas de

Leia mais

Dicas do livro Como gerenciar s, David Brake

Dicas do livro Como gerenciar  s, David Brake Dicas do livro Como gerenciar e-mails, David Brake Etiqueta na rede O e-mail é um meio de comunicação diferente dos demais. Ao redigir suas mensagens, observe as instruções a seguir e crie uma impressão

Leia mais

Relações Interpessoais e Gestão de Conflitos

Relações Interpessoais e Gestão de Conflitos Relações Interpessoais e Gestão de Conflitos ESSUA -Escola Superior de Saúde de Aveiro Licenciatura em Gerontologia 2º Ano 2º Semestre UC Envelhecimento Patológico e Intervenção Geriátrica II Docente:

Leia mais

Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes De Comunicação. Pedro Monteiro 10º / 13ª 2013/2014

Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Redes De Comunicação. Pedro Monteiro 10º / 13ª 2013/2014 Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Redes De Comunicação Pedro Monteiro 10º / 13ª 2013/2014 Neste trabalho vamos abordar o tema Topologias de Redes. Com a leitura

Leia mais

CONEXÃO RP 1. Fernanda Fernandes Fontes 2 Rogelle Gomes Martins 3 Daisy Mara Lima de Paula 4 Pedro Baggio 5 Ivanete Salgado 6

CONEXÃO RP 1. Fernanda Fernandes Fontes 2 Rogelle Gomes Martins 3 Daisy Mara Lima de Paula 4 Pedro Baggio 5 Ivanete Salgado 6 CONEXÃO RP 1 Fernanda Fernandes Fontes 2 Rogelle Gomes Martins 3 Daisy Mara Lima de Paula 4 Pedro Baggio 5 Ivanete Salgado 6 Centro Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, MG Resumo Os meios de comunicação

Leia mais

Linguagem e comunicação interpessoal

Linguagem e comunicação interpessoal Linguagem e comunicação interpessoal Aspectos pragmáticos uso da linguagem Aspectos contextuais Significado social do sentido Elementos não verbais da comunicação COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Design de Comunicação,

Leia mais

Comunicação de Más Notícias em Recursos Humanos Ana Silva Cristiana Ramos Isa Viamonte

Comunicação de Más Notícias em Recursos Humanos Ana Silva Cristiana Ramos Isa Viamonte Pós-Graduação em Gestão de Recursos Humanos Comunicação de Más Notícias em Recursos Humanos Ana Silva Cristiana Ramos Isa Viamonte Tópicos a abordar: Comunicação nas Organizações Comunicação de Más Notícias

Leia mais