MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR NA CADEIA PRODUTIVA EM EMPRESA DE INJEÇÃO E EXTRUSÃO PLÁSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR NA CADEIA PRODUTIVA EM EMPRESA DE INJEÇÃO E EXTRUSÃO PLÁSTICA"

Transcrição

1 MAURICIO RAGADALLI MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR NA CADEIA PRODUTIVA EM EMPRESA DE INJEÇÃO E EXTRUSÃO PLÁSTICA JOINVILLE SC 2010

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS MAURICIO RAGADALLI MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR NA CADEIA PRODUTIVA EM EMPRESA DE INJEÇÃO E EXTRUSÃO PLÁSTICA Trabalho de graduação apresentado ao curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro de Produção e Sistemas. Orientador: Adalberto Tavares Vieira JOINVILLE SC 2010

3 MAURICIO RAGADALLI MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR NA CADEIA PRODUTIVA EM EMPRESA DE INJEÇÃO E EXTRUSÃO PLÁSTICA Trabalho de graduação apresentado ao curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro de Produção e Sistemas. Banca Examinadora: Orientador: Adalberto Tavares Vieira Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Membro: Valdésio Benevenutti Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Membro: Fernando Natal Pretto Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Joinville, 24 de maio de 2010.

4 Dedico este trabalho à minha família, minha namorada, aos meus amigos, aos meus professores e a todos que participam da minha caminhada.

5 AGRADECIMENTOS A Deus, pelo dom da vida, por desfrutar deste momento e poder contar com o apoio de pessoas especiais que estiveram comigo nesta caminhada e que, de alguma forma, contribuíram para eu concretizar este sonho; Aos meus pais, pelo apoio e carinho; À minha namorada, pelo carinho e companheirismo; Aos amigos, sempre presentes na vida fora da universidade; Ao professor Adalberto Tavares Vieira, meu orientador, que sempre respeitou minhas idéias e opiniões, respondendo minhas dúvidas, sem deixar de apontar os pontos a serem melhorados na construção dessa monografia; A todos que de alguma forma contribuíram para a minha formação acadêmica.

6 Todas as inovações eficazes são surpreendentemente simples. Na verdade, o maior elogio que uma inovação pode receber é haver quem diga: isto é óbvio. Por que não pensei nisso antes? PETER DRUCKER

7 RESUMO O ponto de vista inicial para o pensamento empresarial é a clara compreensão do valor. O valor é medido pela quantia que o cliente está disposto a pagar por um bem ou serviço. Entretanto, por diversos motivos, é muito difícil definir o valor com precisão, quantificar tudo que é gerado desde a solicitação até a entrega do produto. Este trabalho procurou identificar o caminho percorrido desde o pedido do cliente até a entrega do mesmo, expondo todos os passos desse fluxo e identificando os desperdícios, visando à otimização desse processo. Este trabalho está dividido em duas partes. Na primeira, é feita uma pesquisa bibliográfica, com um levantamento da história, conceitos e princípios da ferramenta de mapeamento de fluxo de valor. Na segunda, a análise do fluxo de valor foi feita através de estudo de caso em empresa do setor plástico, em busca de uma melhoria global do fluxo e eliminação das atividades que não agregam valor. Os resultados mostraram a grande eficácia do mapeamento de fluxo de valor, em especial na clara exposição dos pontos a serem melhorados. Conseguiu-se chegar a melhorias significativas no processo e diminuir drasticamente os desperdícios dentro da cadeia produtiva. Pode-se concluir que a ferramenta do Mapeamento de Fluxo de Valor é extremamente válida quando se busca melhorias numa cadeia produtiva sem recorrer a novas tecnologias ou gastos excessivos. Foi possível melhorar o processo reconhecendo os pontos falhos e atuando de forma pro ativa nos potenciais ganhos expostos pelo mapeamento, alcançando grandes resultados. PALAVRAS-CHAVE: Cadeia produtiva. Fluxo de Valor. Injeção e Extrusão Plástica.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Estrutura do Sistema Toyota de Produção Ghinato (2000) Figura 2 - Exemplo de um mapa do fluxo de valor Figura 3 Produção por lote Figura 4 Produção com fluxo contínuo Figura 5 - Organograma da empresa (2010) Figura 6 - Esquema de uma extrusora com suas diversas partes funcionais Figura 7 - DFD da empresa (2010) Figura 8 - Fluxo de atendimento ao cliente na empresa (2010) Figura 9 - Layout empresa (2010) Figura 10 - Esboço do Layout de produção Figura 11 - Diagrama Fluxo Geográfico do setup de troca de ferramenta Figura 12 Layout do processo produtivo Figura 13 Fluxo do produto Figura 14 Mapa de Fluxo atual Figura 15 Análise em cima do mapa de fluxo atual Figura 16 Mapa de Estado Futuro Figura 17 Layout futuro Figura 18 Diagrama do Fluxo Geográfico do Estado Futuro... 77

9 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Exemplo de Aplicação do gráfico Radar Gráfico 2 Setores produtivos na empresa Gráfico 3 Demanda do tubo Gráfico 4 GBO Estado atual Gráfico 5 GBO Estado futuro... 70

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Análise dos desperdícios segundo Dario Miyake (2006)...34 Tabela 2 Divisão das linhas e operadores no setor fabril da empresa...59 Tabela 3 Melhoria adquirida com o mapeamento...75

11 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS AV Análise de Valor ERP Enterprise Resource Planning FIFO First in First out JIT Just-in-time LT Lead Time. MFV Mapa do Fluxo de Valor MP Matéria-prima MRP Material Requeriment Planning (planejamento para requisição de materiais) PCP Planejamento e Controle da Produção QFD - Quality Function Deployment (Desdobramento da Função Qualidade) T/C Tempo de ciclo TQM - Total Quality Management (Gestão da Qualidade Total) 5S Seiri, Seiron, Seiso, Seiketsu, Shitsuke

12 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO DO TRABALHO INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS QUESTÃO DE PESQUISA JUSTIFICATIVA ORGANIZAÇÃO DO TEXTO MÉTODO VALOR DEFINIÇÕES FLUXO DE VALOR PENSAMENTO ENXUTO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR DEFINIÇÕES IMPLEMENTAÇÃO DO MAPEAMENTO DE FLUXO DE VALOR BENEFÍCIOS DO MAPEAMENTO DE FLUXO DE VALOR FLUXO DE VALOR NO SISTEMA TOYOTA DEFINIÇÕES DESPERDÍCIOS Sete desperdícios PRINCÍPIOS LEAN Cadeia de valor Gerente de Fluxo de Valor Fluxo de Materiais Fluxo de Informação Fluxo contínuo Produção puxada Produção nivelada... 42

13 4.4 FERRAMENTAS LEAN Diagrama do Fluxo Geográfico A Célula Família de Produtos Takt Time Mapa Estado Atual Mapa Estado Futuro A EMPRESA MERCADO PLÁSTICO MACROPROCESSO DA EMPRESA Descrição do processo produtivo INTERAÇÃO ENTRE OS PROCESSOS ESCOLHA DO SETOR PARA MELHORIA COLETA E ANÁLISE DOS DADOS MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR NA EMPRESA O Estado atual Família a ser mapeada Cadeia de valor Volume de estoques Lead time O Estado Futuro Ganhos quantitativos Ganhos qualitativos DISCUSSÃO BENEFÍCIOS TRAZIDOS PELO MAPEAMENTO DE FLUXO DE VALOR CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS: DIAGRAMAS DE FLUXO GEOGRÁFICO DE TROCA DE FERRAMENTA ANTES E DEPOIS DO MAPEAMENTO DE FLUXO DE VALOR...85

14 1 APRESENTAÇÃO DO TRABALHO 1.1 INTRODUÇÃO A análise de valor constitui um estudo para reduzir custos de produção de bens e serviços e aumentar o valor para o usuário. Consiste em estratificar os passos realizados por cada produto, avaliar e propor uma forma mais conveniente de desenvolver esse fluxo, produzindo mais em menor tempo e com menos recursos. O mais ferrenho defensor da análise e eliminação de desperdícios foi o executivo da Toyota Taiichi Ohno, ele identificou 7 principais desperdícios e começou com a mentalidade de pensamento enxuto. Esse pensamento busca especificar valor, alinhar da melhor forma as atividades que criam valor e ser eficaz na realização das mesmas (WOMACK, 2004). O uso da ferramenta de Análise de valor / Engenharia de valor começou no período da 2ª Guerra Mundial e se consolidou primeiramente nos Estados Unidos entre 1947 e 1952, buscando materiais mais baratos e que tivessem o mesmo desempenho sob os olhos do consumidor final. Lawrence Miles formulou as primeiras técnicas de análise de valor, idéias essas que foram assimiladas por diversas companhias, entre elas, a General Electric. A atividade de AV chegou à Europa graças a empresas filiadas a matrizes americanas. O pioneiro no continente foi o Reino Unido, seguido da Alemanha Ocidental, Áustria, Holanda e países escandinavos. Entretanto, a nova metodologia só obteve sucesso em meados da década de 70. No Brasil, essa metodologia é bastante efetiva em conjunto com ferramentas como QFD (Quality Function Deployment), TQM (Total Quality Management) e Reengenharia. O QFD é uma técnica que pode ser empregada durante todo o processo de desenvolvimento de produto e que tem por objetivo auxiliar o time de desenvolvimento a incorporar no projeto as reais necessidades dos clientes. O QFD é mais que uma metodologia

15 da qualidade baseada em matrizes; é uma importante ferramenta de planejamento, comunicação e documentação do desenvolvimento de novos produtos e melhoria dos existentes, que auxilia a redução de custos e garante a melhoria da qualidade. Segundo AKAO (1990), QFD é a conversão dos requisitos do consumidor em características de qualidade do produto e o desenvolvimento da qualidade de projeto para o produto acabado através de desdobramentos sistemáticos das relações entre os requisitos do consumidor e as características do produto. Esses desdobramentos iniciam-se com cada mecanismo e se estendem para cada componente ou processo. A qualidade global do produto será formada através desta rede de relações. A gestão da qualidade total (em língua inglesa "Total Quality Management" ou simplesmente "TQM") consiste numa estratégia de administração orientada a criar consciência da qualidade em todos os processos organizacionais. A Gestão pela Qualidade Total (TQM) é acima de tudo um conceito que deve influenciar positivamente a cultura de toda uma Organização. Desde 1996, no mundo Ocidental, as corporações industriais e organizações têm despendido consideráveis esforços e recursos no sentido de promover a melhoria contínua do processo de manufatura e assim garantir a competitividade e uma posição sólida no mercado. Uma ferramenta introduzida por Mike Rother e John Shook em 1998, chamada de Mapeamento de Fluxo de Valor (Value Stream Mapping) tem papel fundamental neste processo de construção do cenário atual e perspectiva de um cenário futuro para as empresas. Este trabalho irá discorrer sobre um estudo feito em uma empresa do segmento plástico, que está reestruturando seu planejamento fabril, sua logística e administração, com a compra de novas máquinas, mudança de cultura organizacional, alteração de layout e busca constante de oferecer ao cliente exatamente o que ele precisa ao preço justo. 1.2 OBJETIVO GERAL O objetivo geral desse trabalho é analisar e propor melhorias ao fluxo de valor de um produto dentro da empresa. Isso se dará com o uso do mapeamento do fluxo de valor,

16 utilizando conhecimentos em manufatura enxuta e experiência no próprio processo fabril dentro da empresa. 1.3 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Mapear o processo produtivo para delimitar as atividades que agregam ou não valor ao produto; Basear-se nos sete desperdícios delimitados por Ohno (1988) para descobrir os pontos a serem melhorados no processo; Propor soluções e estabelecer ganhos dentro do mapa de fluxo de valor; Realizar melhoria contínua no processo. 1.4 QUESTÃO DE PESQUISA A empresa está em busca de aumento do lucro sem prejudicar o consumidor final, ou seja, transformar desperdícios decorrentes do processo em valor a ser agregado ao seu produto final. Segundo análise da empresa, a implementação do mapeamento de fluxo de valor é essencial para que a fábrica cresça e consiga se manter competitiva, identificando as perdas decorrentes no seu processo de atendimento ao cliente, desde a implantação do pedido até a entrega do produto acabado. A pesquisa foi realizada em cima de tal estudo. A pesquisa teve em vista a seguinte pergunta: 1. Em que partes do caminho percorrido pelo produto o valor é criado e quais valores são percebidos e pagos pelo cliente? E tentando encontrar as respostas para ela, os objetivos deste trabalho são: Definir as percentagens de valores dentro da empresa;

17 Mapear o fluxo de valor da cadeia produtiva da empresa em busca de desperdícios; Fazer uma análise crítica sobre o fluxo de valor, buscando potenciais melhorias que gerem um maior lucro à empresa; Sabe-se que a redução do lead-time está diretamente ligada à redução dos estoques de matéria-prima e do estoque em processo. Todas essas reduções são viabilizadas através da eliminação dos desperdícios no fluxo de material e informação, desperdícios esses que são claramente visualizados quando o fluxo é mapeado. 1.5 JUSTIFICATIVA Na visão da produção enxuta, os desperdícios na maioria dos processos produtivos são enormes, ou seja, existem inúmeras atividades que não agregam valor e são desnecessárias. Segundo Womack (2004), a análise de valor quase sempre mostra que ocorrem três tipos de ação ao longo de sua extensão: muitas atividades certamente criam valor, como a solda de uma bicicleta ou o transporte de um passageiro num avião; muitas outras etapas não criam valor, mas são inevitáveis com as atuais tecnologias e ativos de produção, como a inspeção de soldas visando à qualidade e a alocação de aviões para centro de maior movimento; muitas etapas não criam valor e devem ser evitadas imediatamente. Por isso, a eliminação quase que imediata das atividades que não agregam valor gera grandes economias de custos. Segundo Womack (2004), o pensamento enxuto precisa ir além da empresa e olhar o todo: o conjunto inteiro de atividades envolvido na criação e na fabricação de um produto específico, da concepção à sua disponibilidade.

18 1.6 ORGANIZAÇÃO DO TEXTO Este trabalho está dividido em sete capítulos, sendo eles: Capítulo 1 Serão encontrados uma apresentação breve da pesquisa, os objetivos finais do projeto, sua justificativa, questão de pesquisa e como o texto está organizado. Capítulo 2 Apresenta a revisão da literatura atual para dar base teórica e científica à pesquisa. Foram estudados temas relacionados à Produção Enxuta: sua origem, seus conceitos, definições e paradigmas. Capítulo 3 Será descrita uma das principais ferramentas da produção enxuta, o Mapeamento de Fluxo de Valor (MFV). Capítulo 4 Os princípios Lean: seus benefícios, conceitos, algumas de suas ferramentas e as formas de aplicação do Mapa de Fluxo de Valor. Capítulo 5 Apresenta a empresa e o setor de atuação. Capítulo 6 Mostrará como foi feita a coleta e análise de dados. Descreverá o plano de ação, bem como suas melhorias ao longo da cadeia produtiva. Várias informações serão dadas no que se refere aos desperdícios observados e o fluxo. Mostrará o MFV antigo, descreverá o processo produtivo, fluxos dentro da fábrica e as mudanças efetuadas. Capítulo 7 Discute as melhorias propostas e efetivadas.

19 1.7 MÉTODO A metodologia utilizada nesta pesquisa será do tipo estudo de caso, na qual será mostrada a influência do arranjo físico nos desperdícios da filosofia Lean em um processo produtivo de uma família de produtos em uma indústria do ramo plástico. Foram coletados dados na linha de produção antiga e, a partir da análise dos mesmos, foi proposto um novo modelo de arranjo físico, que foi discutido com o uma equipe de trabalho dentro da empresa e então implementado. Após isso, foram coletados novos dados para a comparação com os antigos, com o intuito de estabelecer as melhorias adquiridas com a nova célula de trabalho. Com a observação do fluxo de trabalho que era realizado, foram propostas mudanças no arranjo físico dos setores produtivos, baseadas na análise crítica do MFV, dos diagramas de Fluxo geográfico e na filosofia da produção enxuta. O objetivo da pesquisa e da coleta de dados é criar um arranjo físico que aumente a produtividade da indústria, eliminando os desperdícios, estoques e tempos de espera. Os procedimentos utilizados para coletar os dados foram os seguintes: - A matriz da família de produtos; - Mapa de fluxo de valor; - Layout dos setores produtivos; - Diagrama do Fluxo Geográfico; - Observação local; - Análise de documentos da empresa; - Análise da demanda; - Coleta de dados pelo pesquisador, com base no histórico de produção e vendas dos últimos seis meses e previsão para os 6 meses seguintes, feito pelo próprio pesquisador.

20 Yin (2005) apresenta três condições para escolha do método de pesquisa a ser adotado: tipo de questão colocada; grau de controle que o pesquisador tem sobre os eventos; grau de focalização no contemporâneo como oposição a eventos históricos. Ele ressalta que o esquema básico para categorização para os tipos de questão de pesquisa é: quem, o que, onde e como. A questão pertinente nesse trabalho é como aplicar e melhorar o processo com o Mapeamento de Fluxo de valor, logo, este trabalho pode ser classificado como Pesquisa- Ação. Esta classificação fica evidente quando consideramos que o autor participou ativamente do planejamento e implantação do projeto. Segundo Silva (2000), a Pesquisa-Ação é aquela planejada e implantada conjuntamente com uma ação ou com a solução de um problema coletivo. Quanto à manipulação de dados, esta pesquisa pode ser classificada como qualitativa. A coleta de dados será feita diariamente pelo próprio autor, e de hora em hora pelo encarregado de produção através de um quadro-hora colocado ao lado da célula.

21 2 VALOR 2.1 DEFINIÇÕES O ponto de partida essencial para o pensamento enxuto é o valor. Deve-se começar com uma tentativa consistente de definir precisamente valor em termos de produtos específicos com capacidades específicas, oferecidas a preços específicos através do diálogo com clientes específicos. (WOMACK, 2006). O valor só pode ser definido pelo cliente final. E só é significativo quando expresso em termos de um produto específico que atenda às necessidades do cliente a um preço específico em um momento específico. (ROTHER e SHOCK, 2003). Valor pode ser definido como tudo que o cliente reconhece como valor, a cor, a forma, a embalagem, o serviço de entrega, a forma de comprar, o preço, a marca; tudo isso pode ser valor, desde de que o cliente o considere. Valor é todo atributo que o cliente está disposto a pagar por ele. (WOMACK, 1998). Os processos que agregam valor são aqueles que agregam ou adicionam valor ao produto e que os clientes estão dispostos a pagar. Existem os processos que não agregam valor, mas que são fundamentais ao processo e também os processos que não agregam valor e, que por não serem fundamentais ao processo, deverão ser rapidamente eliminados. 2.2 FLUXO DE VALOR Entende-se por Fluxo de Valor o conjunto de todas as atividades desde a obtenção da matéria-prima até a entrega ao consumidor final. Corresponde a todas as ações necessárias

22 para conduzir um produto do início ao fim do seu ciclo. Pode ser visto como todas as atividades, agregando valor ou não, que uma organização precisa realizar para criar algum valor para o cliente, podendo ser abordadas questões como: projeto, engenharia, compras, transporte, armazenagem, serviços, expedição e especialmente produção. Segundo Rother e Shook (2003) o fluxo de valor é toda a ação necessária para levar um produto por todos os fluxos essenciais de cada produto: do projeto até o lançamento e da matéria-prima até o consumidor. Segundo Womack & Jones (1996), fluxo de valor é o conjunto de todas as ações específicas necessárias para se levar um produto específico a passar pelas três tarefas gerenciais críticas em qualquer negócio: a tarefa de solução de problemas, gerenciamento da informação e a transformação física. Henry Ford e seus sócios foram os primeiros a perceber totalmente o potencial do fluxo, conseguindo reduzir em 90% o lead-time de montagem do modelo T da Ford em Abrangendo esse método na produção em grandes lotes. Depois da 2ª Guerra Mundial, Taiichi Ohno e seus colaboradores, como Shigeo Shingo, se preocuparam em criar esse fluxo na produção em pequenos lotes. O que se vê é uma queda drástica do tempo necessário para atender ao cliente. O estudo do fluxo diminui o lead-time de projetos e processos sem a necessidade de gastos absurdos ou de tecnologias complexas. As melhorias podem surgir da melhor organização da mão-de-obra, melhor aproveitamento dos insumos e maquinários já existentes, otimização do espaço disponível, surgimento de uma cultura enxuta dentro da empresa e de uma eficaz melhoria contínua. As atividades que não podem ser medidas não podem ser adequadamente gerenciadas. Atividades não precisamente identificadas não podem ser questionadas, melhoradas ou até eliminadas. Um dos conceitos mais importantes da produção enxuta é conhecido pelo nome JIT. Este é citado por Womack & Jones (1996) e se baseia em instaurar o fluxo contínuo onde for possível. Segundo Slack et al. (2007), JIT pode ser definido como a produção de bens e serviços exatamente no mesmo tempo em que estes são solicitados pelo cliente, evitando-se estoques e esperas.

23 2.3 PENSAMENTO ENXUTO Womack e Jones (1998) definem Manufatura Enxuta como uma abordagem que busca uma forma melhor de organizar e gerenciar os relacionamentos de uma empresa com seus clientes, cadeia de fornecedores, desenvolvimento de produtos e operações de produção, segundo a qual é possível fazer cada vez mais com menos. Ghinato (2000) considera o Sistema de Manufatura Enxuta uma filosofia de gerenciamento a qual procura otimizar a organização de forma a atender as necessidades do cliente no menor prazo possível, na mais alta qualidade e no mais baixo custo, ao mesmo tempo em que aumenta a segurança e o moral de seus colaboradores, envolvendo e integrando não só a manufatura, mas todas as partes da organização. O foco está no fluxo de valor de produtos específicos como um todo e repensando todos os aspectos a fim de efetivamente especificar o valor e fazê-lo fluir continuamente ao longo do fluxo. Segundo Leal (2003), o conhecimento do Just in Time, apesar de ter sido originado a partir de processos de manufatura, contribui para o enriquecimento da análise do mapeamento e caracterização de processos de prestação de serviço. Um dos principais focos da filosofia Just in Time é a redução de desperdícios. Neste sentido, a observação do processo do ponto de vista da agregação de valor é fundamental. A Produção Enxuta tem feito com que as empresas consigam produzir mais com o mesmo número de recursos antes utilizado. O resultado é o aumento abrupto de produtividade sem que incorra em aumento dos custos de produção. A Produção Enxuta está apoiada sobre dois pilares, o Just in Time (JIT) e o Jidoka. Três conceitos principais compõem o Just in Time: Fluxo Contínuo, Tempo Takt e Sistema Puxado. A figura 1 mostra os conceitos sob o qual a Produção Enxuta do Sistema Toyota de Produção se fundamenta.

24 Figura 1 - Estrutura do Sistema Toyota de Produção Fonte: Ghinato (2000) Basicamente, o termo valor agregado pode ser entendido a partir da visão do cliente do processo em atividades que agregam valor, atividades desnecessárias que não agregam valor e atividades necessárias que não agregam valor. são: Dessa forma, os cinco princípios do pensamento enxuto lançados por Womack (1996) Determinar precisamente o valor por produto específico; Identificar a cadeia de valor por produto específico; Fazer o valor fluir sem interrupções (fluxo contínuo); Deixar que o cliente puxe o valor do produto (produção puxada); Buscar a perfeição (melhoria contínua)

25 3 MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR 3.1 DEFINIÇÕES O Mapeamento do Fluxo de Valor (Value Stream Mapping) é um processo de identificação de todas as atividades específicas que ocorrem ao longo do fluxo de valor referente a um produto ou família de produtos. Segundo Womack (2004), os objetivos são muito simples: especificar corretamente o valor para o cliente, evitando a tendência normal de cada empresa ao longo do fluxo, definindo de forma diferente, favorecendo seu próprio papel no fornecimento de valor. Em seguida, identificar todas as ações necessárias para levar um produto até as mãos do cliente ao longo de sua vida útil. Em seguida, eliminar quaisquer ações que não criem valor e fazer com que as ações que criam valor prossigam no fluxo contínuo. Por fim, analisar os resultados e iniciar novamente o processo de avaliação. O Léxico Lean (2003) define o MFV como um diagrama simples de todas as etapas envolvidas nos fluxos de material e informação, necessárias para atender aos clientes, desde o pedido até a entrega. Os mapas do fluxo de valor são desenhados em diferentes momentos, a fim de revelar as oportunidades de melhoria (estado atual, estado futuro e estado ideal em alguns casos). Segundo Rentes (2004), o mapeamento pode servir como um catalisador para a análise do processo, possibilitando um compartilhamento do conhecimento sobre o processo como um todo com todos os seus componentes. Além disso, permite a identificação de pontos a serem melhorados, auxiliando o alcance de um consenso entre os elementos participantes sobre os pontos específicos passíveis de melhoria.

26 Ferro (2003) afirma que o MFV compõe uma ferramenta capaz de olhar para os processos de agregação de valor horizontalmente, enfatizando as atividades, ações e conexões no sentido de criar valor e fazê-lo fluir desde os fornecedores até os clientes finais. Rother & Shook (1999) apresentam uma série de afirmações sobre porque o MFV é importante, dentre as quais podemos destacar: Ajuda a visualizar mais do que simplesmente os processos individuais, enxergando o fluxo como um todo; Ajuda a identificar mais do que os desperdícios, mas também suas fontes; Torna as decisões sobre o fluxo visíveis, de modo que possam ser discutidas. Mostra a relação entre o fluxo de informação e o fluxo de material. Para Womack & Jones (2004), o mapeamento de fluxo de valor é o simples processo de observação direta dos fluxos de informação e de materiais conforme eles ocorrem, resumindo-se visualmente e vislumbrando um estado futuro com um melhor desempenho. O fluxo de informação representa o movimento da informação dos requisitos dos clientes até os pontos onde a informação for necessária para direcionar cada etapa do processo. Empresas baseadas nos princípios da produção em massa possuem normalmente fluxo de informações paralelas: previsões, programações, ordens de entrega, etc. Em geral, estas são enviadas a cada etapa do processo. O conceito de produção enxuta tem também por objetivo a simplificação do fluxo de informações, procurando estabelecer pontos únicos de programação para a produção e definir loops puxados de informação. 3.2 IMPLEMENTAÇÃO DO MAPEAMENTO DE FLUXO DE VALOR O primeiro passo para implementação da ferramenta é a identificação das atividades. Esta identificação das atividades culmina com a criação de um dicionário de atividades que relaciona e define cada grande atividade na instalação da produção. Todas as atividades devem ser documentadas, mesmo as que não agregam valor. Deve-se tomar cuidado com o

27 grau de definição das atividades. Uma empresa que identifica suas atividades com excesso de detalhes pode complicar a sua análise global. Porém, uma empresa que identifica de forma ampla deixa de revelar oportunidades de melhorias no processo. Assim, tente abordar um nível de detalhes que sejam úteis para o seu processo de manufatura. O fluxo de material representa a movimentação física de itens ao longo do fluxo completo de valor. Na produção em massa os produtos vão em grandes lotes até processos centralizados, por meio de uma programação empurrada. Na produção enxuta, as etapas do processo para diferentes famílias de produtos são movimentadas ao mesmo tempo, sempre que possível, em uma seqüência bem definida, de modo que quantidades pequenas do produto possam fluir diretamente de etapa a etapa, a partir da puxada do próximo processo até o cliente final (LEAN ENTERPRISE INSTITUTE, 2003). Outro componente do Mapa do Fluxo de Valor é a linha do tempo, que é posicionada abaixo das caixas de processos e dos triângulos de estoque para registrar o LT de produção, o tempo que leva uma peça para percorrer todo o caminho no chão - de- fábrica, começando com a sua chegada como matéria-prima até a liberação para o cliente. Rother & Shook (1998) argumentam que o uso da ferramenta deve ser feito a partir do desenho do estado atual, feito a partir da coleta de informações no chão-de fábrica, para cada família de produtos. A partir das informações contidas no MFV atual, desenvolve-se um desenho do estado futuro. No entanto, o desenho do estado atual e futuro não ocorrem de forma totalmente separada e seqüencial. Outro passo importante é a obtenção do tempo de execução de cada atividade inerente ao processo de manufatura. Esta definição de tempos deve ser medida através do acompanhamento de cada atividade tendo como somatório o ciclo completo de produção. As estimativas do tempo devem ser somadas separadamente, a fim de se obter os tempos de processamento e os tempos de não processamento. Depois de coletada as informações relativas as atividades exercidas, definição dos tempos e valores agregados, devemos introduzir no processo os custos referentes a cada etapa do mesmo. É importante salientar que, as técnicas de custeio devem ser bem aplicadas de forma a otimizar o processo, identificando os meio mais eficazes de apropriação dos custos.

28 Por fim, deve-se elaborar um plano de trabalho e implementação para o alcance da situação futura projetada. A aplicação do pensamento enxuto no MFV do estado futuro, invariavelmente deve fazer com que a nova linha do tempo seja drasticamente menor, reduzindo os custos e o lead time. O ciclo de aplicação do MFV se completa quando as ações de melhoria para alcançar o estado futuro são realizadas e o estado futuro torna-se o estado presente. 3.3 BENEFÍCIOS DO MAPEAMENTO DE FLUXO DE VALOR O Mapeamento do Fluxo de Valor é uma ferramenta que traz além da eliminação de desperdício e otimização do fluxo do processo de manufatura, uma série de outros de modo a garantir a alta administração das corporações o conhecimento e o controle do seu processo produtivo (WOMACK & JONES, 1998).. A figura 2 mostra o exemplo de uma mapa de fluxo de um sistema produtivo. Podemos citar alguns deles: Definição real da capacidade produtiva da fábrica; Previsão real do prazo de entrega dos seus produtos ou serviços; Definição do efetivo real da empresa; Definição dos custos de matéria-prima, estoque, produção, movimentação, etc... Viabilização de recursos (Matéria-prima e Mão de Obra); Definição real da situação atual da empresa; Elaboração de metas de melhorias do processo; Viabilidade de espaço físico devido a redução de estoques; Aumentar a capacidade de resposta referente as variações do mercado;

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1 INTRODUÇÃO A CONSTRUÇÃO NAVAL AJUSTADA ( Lean Shipbuilding ) é o processo de construção de navios e unidades offshore, orientado e executado segundo os princípios do sistema de gestão LEAN. Como em muitas

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura Aplicação de Layout Celular na Recuperação de Produtos: Uma Proposta Lean para Aumentar a Eficiência na Remanufatura (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Carlos M. Taboada Rodriguez taboada@deps.ufsc.br Abelardo

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Introdução ao Lean Thinking Ministrante: Christopher Thompson Lean Institute Brasil Contatos: lean@lean.org.br Apoio São Paulo, 16 de setembro de 2010 Observação:

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Nelson Eiji Takeuchi Uma cadeia logística convencional é composta por logística inbound, logística outbound, warehouse e movimentação interna. Fala-se que

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Iniciando com a Logística Enxuta [1 de 11]

Iniciando com a Logística Enxuta [1 de 11] Iniciando com a Logística [1 de 11] Rogério Bañolas Consultoria ProLean Logística Esta série de artigos foi elaborada de tal forma que os artigos fazem referências uns aos outros. Portanto, para melhor

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES DEDICADOS PARA O DESENVOLVIMENTO E ELABORAÇÃO DO MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR (MFV) EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA LEAN PRODUCTION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA

O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA Alexandro Gilberto Silva 1 Eduardo Gonçalves Magnani 2 Sabrina G. Cabral 3 RESUMO: Neste trabalho é feito uma análise da diferença

Leia mais

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente!

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! Sakichi Toyoda - Fundador do grupo TOYOTA. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) O é um Ideal,

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Lean na Microbiologia Conceito de Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Agenda Lean Thinking Sistema de Produção da Toyota

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

Eliminando os picos artificiais de vendas. Alexandre Cardoso

Eliminando os picos artificiais de vendas. Alexandre Cardoso Eliminando os picos artificiais de vendas Alexandre Cardoso Os mercados se comportam de maneiras erráticas e imprevisíveis, gerando sempre uma variação nos volumes e no mix de produção. As causas estão

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Lando T. Nishida O prazo ou lead time desde a concepção do produto até o lançamento no mercado é um dos fatores mais importantes

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Mapeamento do Fluxo de Valor

Mapeamento do Fluxo de Valor Mapeamento do Fluxo de Valor O que é Fluxo de Valor É um conjunto de ações as que agregam valor, bem como as que não agregam valor necessárias para viabilizar o produto: da concepção ao lançamento do produto

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 5 Lean Office Isto não é... LEAN OFFICE 1 Aqui parece ser... LEAN OFFICE Lean Thinking: Os 5 Princípios Fundamentais 1. Definir o que é VALOR sob a ótica do

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE)

ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE) ESCRITÓRIO ENXUTO (LEAN OFFICE) Jeferson Duarte Oliveira * Este artigo tem como objetivo fazer uma revisão bibliográfica das mais importantes formas de desperdício nos escritórios e apresentar os métodos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real

Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real José Antonio de Queiroz (SC-USP) jaq@prod.eesc.usp.br Antonio Freitas Rentes (SC-USP) rentes@sc.usp.br Cesar Augusto

Leia mais