2. Computação algébrica usando Maxima

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. Computação algébrica usando Maxima"

Transcrição

1 2. Computação algébrica usando Maxima 2.1 A interface do Maxima Existem várias interfaces diferentes para trabalhar com Maxima. Algumas delas podem estar incorporadas dentro de um editor de texto e a representação das equações no écran pode ter um aspecto gráfico simplista ou mais sofisticado em diferentes interfaces. Neste documento vamos admitir que se está a usar a interface xmaxima, versão (figura 2.1), que é a que normalmente aparece por omissão e funciona igual em diferentes plataformas. 2.2 Entrada e saída Para lançar a interface, existirá provavelmente no seu menu uma opção xmaxima ou simplesmente maxima ; desde um terminal tipo Unix pode usar o comando xmaxima. A interface de xmaxima reconhece-se por ter uma barra de menu com sub-menus File, Edit, Options, Maxima e Help (ver figura 2.1). Sugiro que antes de começar a trabalhar entre no sub-menu Options e seleccione a opção Toggle Browser Visibility ; enquanto não estiver a ler o tutorial ou o manual, pode aproveitar a área completa da janela para introduzir comandos do Maxima. Se algum momento seleccionar Maxima Help, deverá lembrar-se de fazer aparecer novamente o browser para poder consultar a ajuda. Uma outra opção que me parece muito útil é Plot Windows ; aconselho seleccionar Separate para que quando seja criado um gráfico apareça numa janela separada. Quando se inicia uma sessão do maxima, aparece um símbolo (C1) seguido do prompt. Os símbolos C1, C2, C3,... representam os comandos in- 6 Física dos Sistemas Dinâmicos

2 Figura 2.1: Xmaxima, versão seridos pelo utilizador; e as respostas obtidas a cada comando representam-se por D1, D2, D3,.... Começemos por exemplo por fazer umas contas simples, 2, 5 3, 1 + 5, 2 log(2), guardando o resultado numa variável res: (C1) 2.5*3.1; (D1) 7.75 (C2) (D2) 5.2*log(2); 5.2 log 2 (C3) D2, numer; Computação algébrica usando Maxima 7

3 (D3) (C4) res: d1 + D3; (D4) Podiamos ter feito tudo numa linha só sem ter que o fazer por partes. Repare que cada comando deve ser finalizado com ;. Se não for assim, não aparecerá o resultado (D1) pois Maxima pensará que estamos a escrever um comando de várias linhas. Os números irracionais, como log(2) não são calculados como um número decimal, pois Maxima trabalha com a maior precisão numérica possível. Para forçar log(2) a dar um número decimal, usamos a D2, numer na alínea C3, que significa o valor numérico do resultado D2. Na alínea C4 repare que para dar um valor a uma variável usa-se : e não =, que será utilizado para outros fins. 2.3 Variáveis O nome das variáveis poderá ser qualquer combinação de letras, números e os símbolos % e. O primeiro caracter no nome da variável não pode ser um número. Maxima não faz distinção entre maiúsculas e minúsculas. Alguns exemplos: (C5) x1 : 2; (D5) 2 (C6) area : 5$ (C7) %d_23 : 8; (D7) 8 8 Física dos Sistemas Dinâmicos

4 (C8) (D8) a%2 : (x1 : x1 + 2, x1*x1); 16 Na alínea C6 usámos $ em vez de ponto e vírgula para terminar o comando. O $ no fim faz com que o comando seja executado, mas o resultado não seja apresentado na interface. Na alínea C8 foi escrita uma sequência de comandos, entre parêntesis e separados por coma; os comandos são executados em sequência, e o resultado é armazenado na variável a%2; o primeiro comando na sequência incrementa o valor de x1 em 2, e logo calcula o quadrado de x1. Alguns nomes de variáveis não podem ser usados por estarem reservados. Já vimos que os nomes Cn e Dn, onde n é um inteiro positivo, estão reservados para referir os comandos inseridos numa sessão, e os resultados obtidos. Uma variável também não pode ter o mesmo nome de algum comando do Maxima; por exemplo FOR, WHILE e SUM. 2.4 Constantes Existem algumas constantes importantes já predefinidas em Maxima. Os seus nomes começam sempre por %. Três constantes importantes são o número π, representado por %pi, o número e, base dos logaritmos naturais, representado por %e, e o número imaginário i = 1, representado por %i. (C9) (D9) %pi, numer; (C10) (D10) %e, numer; Computação algébrica usando Maxima 9

5 (C11) (D11) (3 + %i*4) * (2 + %i*5), expand; 23i 14 No último comando calculámos o produto entre dois números complexos, utilizando o comando expand que obriga a que as expressões entre parêntesis sejam multiplicadas. 2.5 Equações O sinal de igualdade é usado para equações matemáticas. Uma equação matemática pode ser memorizada numa variável. Exemplo 2.1 Encontre as soluções da equação cúbica 3x 3 + 5x 2 x + 6 = 0. (C12) eq1: 3*x^3 + 5*x^2 -x + 6 = 0; (D12) 3x 3 + 5x 2 x + 6 = 0 x = (C13) (D13) x = solve(eq1, x); ( 3i ) ( ) 1 3 ( ) 1 ( ) 3i x = + ( ) 1 ( ) 3i , ( 34 ) 3i ( ( ) ( ) ) , 10 Física dos Sistemas Dinâmicos

6 3x 3 + 5x 2 - x x Figura 2.2: Gráfico do polinómio 3x 3 + 5x 2 x + 6. O comando solve foi usado para resolver a equação para a variável x. O resultado é uma lista com três elementos; cada um desses 3 elementos é uma equação que define uma das soluções da equação. Há duas raízes complexas e uma raiz real. Se quisermos isolar a raiz real, podemos usar o comando part; a raiz real é a terceira parte da lista anterior, e dentro dessa terceira parte queremos isolar o lado direito da equação (segunda parte): (C14) (D14) part(%, 3, 2), numer; A figura 2.2 mostra o gráfico do polinómio, obtido com os comandos: (C15) pol: 3*x^3-5*x^2 - x + 6; (D15) 3x 3 5x 2 x + 6 Computação algébrica usando Maxima 11

7 (C16) "plot2d(pol, [x, -3, 1])"$ Exemplo 2.2 Calcule a corrente em cada uma das resistências do circuito. 5 kω 6 V 4 V 8 kω 4 kω 2 kω 1 kω Admitindo que I 1 e I 2 são as correntes de malha, medidas em mili amperes, em sentido dos ponteiros do relógio, as equações das duas malhas no circuito são (C17) malha1: (4 + 8)*I1-8* I2 = 6 + 4; (D17) 12I1 8I2 = 10 (C18) malha2: ( )*I2-8*I1 = -4; (D18) 16I2 8I1 = 4 podemos usar mais uma vez o comando solve para resolver o sistema de duas equações; as duas equações e as duas variáveis a calcular deverão ser incluídas dentro de uma lista: (C19) (D19) solve([malha1, malha2], [I1, I2]); [[ I1 = 1, I2 = 1 ]] 4 12 Física dos Sistemas Dinâmicos

8 A corrente na resistência de 4 kω é I 1 = 1 ma, a corrente nas resistências de 2 kω, 5 kω e 1 kω é I 2 = 0, 15 ma, e a corrente na resistência de 8 kω é igual a I 1 I 2 = 0, 75 ma. Observe que a resolução do sistema de equações mostra os valores para I1 e I2, mas não guarda nenhum valor nas variáveis I1 e I2. O sistema anterior também poderia ter sido resolvido mais rapidamente com linsolve, em vez de solve, por tratar-se de um sistema de equações lineares. 2.6 Funções Para definir funções usa-se o símbolo := (C20) (D20) f(x) := 3 + x^2; f (x) := 3 + x 2 (C21) (D21) f(5); 28 (C22) g(x,y,z) := x*y^2 + z; (D22) g (x, y, z) := xy 2 + z (C23) (D23) g(2,3,4); 22 Também existem funções que definem listas. Por exemplo (C24) (D24) cubo[n] := n^3; cubo n := n 3 Computação algébrica usando Maxima 13

9 (C25) makelist(cubo[i], i, 1, 8); (D25) [1, 8, 27, 64, 125, 216, 343, 512] o comando makelist foi usado para criar uma lista com os oito primeiros cubos. Há que ter algum cuidado com as funções que definem listas, pois quando um determinado elemento da lista já tem sido calculado, a função não voltará a ser usada para o calcular. Por exemplo, se agora redefinirmos cubo (C26) (D26) cubo[n] := 4*n^3; cubo n := 4n 3 e pedissemos o valor de cubo[3] continuará a ser 27, e não 108, já que quando criamos a lista dos oito primeiros cubos já foi calculado cubo, ficando com o valor 27. Se quisermos redefinir uma lista, será melhor primeiro apagá-la usando kill (C27) (D27) cubo[n] := 4*n^3; cubo n := 4n 3 (C28) (D28) cubo[3]; 27 (C29) (D29) kill(cubo); DONE (C30) (D30) cubo[n] := 4*n^3; cubo n := 4n 3 14 Física dos Sistemas Dinâmicos

10 (C31) (D31) cubo[3]; 108 Exemplo 2.3 O banco empresta-nos 500, a uma taxa de juros de 5% anual, com prazo de 20 meses. Qual será a prestação mensal que temos que pagar? A taxa de juro mensal será (C32) J : 0.05/12$ Se M[n] for o montante em dívida no mês número n, este será igual a o montante que já tínhamos em dívida no mês anterior, mais os juros devidos neste período, menos o a prestação (P) paga neste mês: (C33) (D33) M[n] := expand(m[n-1] + J*M[n-1] - P); M n := EXPAND (M n 1 + JM n 1 P ) A função expand foi usada porque como P é uma variável desconhecida, Maxima deixa vários produtos indicados, tornando a expressão para M[n] complicada, a menos que os produtos em M[n-1] já tenham sido calculados. O nosso problema consiste em encontrar o valor de P que faz com que M[20] seja nula, começando com M[0]= 500, que é o valor inicialmente em dívida. (C34) M[0] : 500$ (C35) sol: solve(m[20] = 0, P); RAT replaced by 95631//176 = RAT replaced by //728 = (D35) [ P = ] Computação algébrica usando Maxima 15

11 (C36) (D36) part(sol, 1, 2), numer; A prestação mensal será de 26, Álgebra e trigonometria Maxima facilita a manipulação de expressões algébricas. Por exemplo, vamos expandir um polinómio: (C37) (D37) (x + 4*x^2*y + 2*y^2)^3; ( 2y 2 + 4x 2 y + x ) 3 (C38) (D38) expand(%); 8y 6 +48x 2 y 5 +96x 4 y 4 +12xy 4 +64x 6 y 3 +48x 3 y 3 +48x 5 y 2 +6x 2 y 2 +12x 4 y +x 3 Se quisermos agora substituir x por 1/(z 3), escrevemos (C39) (D39) %, x=1/(z-3); 12y 4 z y5 (z 3) 2 + 6y2 (z 3) y3 (z 3) (z 3) y4 (z 3) y (z 3) y 2 (z 3) y3 (z 3) 6 + 8y6 16 Física dos Sistemas Dinâmicos

12 e para reduzir tudo a um denominador comum usamos a função ratsimp (o resultado ocupa várias linhas e não vamos apresentá-lo) (C40) ratsimp(%)$ Podemos factorizar a expressão anterior, para obter um resultado mais simples (C41) (D41) factor(%); ( 2y 2 z 2 12y 2 z + z + 18y 2 + 4y 3 ) 3 (z 3) 6 A função trigexpand serve para expandir senos ou co-senos de somas ou diferenças de ângulos; trigreduc tenta expandir de forma que cada termo só tenha uma função seno ou co-seno. (C42) (D42) sin(u+v)*cos(u)^3; cos 3 u sin (v + u) (C43) (D43) trigexpand(%); cos 3 u (cos u sin v + sin u cos v) (C44) (D44) trigreduce(%); sin (v + 4u) + sin (v 2u) sin (v + 2u) + 3 sin v Passar informação entre sessões Para guardar o conteúdo de uma sessão em Xmaxima, existe a opção Save Console to File no menu Edit. Essa opção guarda toda a informação que Computação algébrica usando Maxima 17

13 apareceu no écran, incluindo os símbolos (Cn) e (Dn). Para gravar os comandos executados, numa forma que possa ser aproveitada em sessões posteriores, usase o comando stringout. Vejamos um exemplo 1 (C45) stringout("/home/villate/trig.mac", C41, D42)$ (C46) stringout("/home/villate/prestacao.mac", [31, 35])$ (C47) stringout("/home/villate/capitulo2.mac", input)$ No ficheiro /home/villate/trig.mac fica armazenado: SIN(u+v)*COS(u)^3; COS(u)^3*(COS(u)*SIN(v)+SIN(u)*COS(v)); No ficheiro /home/villate/prestacao.mac ficam guardados os passos necessários (C31, C32,..., C35) para resolver o Exemplo 2.3 acima: J:0.05/12; M[n]:=EXPAND(M[n-1]+J*M[n-1]-P); M[0]:500; sol:solve(m[20] = 0,P); EV(PART(sol,1,2),NUMER); esses passos podem ser executados posteriormente por meio do comando (C48) batch("/home/villate/prestacao.mac")$ Finalmente, o ficheiro /home/villate/capitulo2.mac terá uma cópia de todos os comandos usados neste capítulo. O conteúdo desse ficheiro é texto simples, que pode ser modificado com um editor de texto e executado em Maxima com o comando batch. 1 Em Windows será preciso usar algo como C:\\MeusDocumentos\\trig.mac para os nomes dos ficheiros (com barras a dobrar). 18 Física dos Sistemas Dinâmicos

14 2.9 Problemas 1. A equação quadrática x 2 = x + 1 aparece frequentemente em problemas de dinâmica de sistemas. Essa equãção tem duas raízes reais, positiva e negativa. Usando Maxima, demonstre que a raiz positiva é o número φ = (em Maxima esse número é a constante %phi) e a raiz negativa é 1/φ. Use Maxima para demonstrar as propriedades: φ n+2 = φ n+1 + φ n 1 φ = φ 1 O número φ, designado de relação áurea, é conhecido desde a época dos gregos, e era considerada a relação geométrica perfeita para obter os melhores resultados estéticos. 2. Encontre a equação da circunferência que passa pelos pontos ( 2, 7), ( 4, 1) e (4, 5). Sugestão: Procure uma solução da forma: (x a) 2 + (y b) 2 = r 2 3. Desenhe o gráfico de cada uma das seguintes funções, usando intervalos que mostrem bem a forma das funções. y = x 3 5x 2 + 2x + 3, y = sin(x) x. y = 20 x 2, y = 3x2 + 2 x Defina um procedimento em maxima para calcular os números de Fibonacci, F n = 1, 1, 2, 3, 5, 8,..., definidos, para (n = 0, 1, 2, 3,...), por: F 0 = 1 F 1 = 1 F n = F n 1 + F n 2 Calcule a relação F n+1 /F n para alguns valores crescentes de n, e mostre que a relação aproxima-se do limite φ, onde φ é a relação áurea (problema 1). (A sucessão de Fibonacci foi proposta por Leonardo de Pisa, também conhecido por Filius Bonacci, no século XIII, para estudar o crescimento anual de uma população de coelhos). Computação algébrica usando Maxima 19

15 5. O gráfico da função y = x 3 6x 2 +7x+2 apresenta dois pontos extremos (designados de mínimo local e máximo local). Desenhe o gráfico dessa função e faça uma estimativa das coordenadas x e y desses dois pontos. Melhore a sua estimativa usando o comando subst (consulte o sistema de ajuda em linha) para encontrar os valores maior ou menor de y nessas vizinhanças. Sugestão: É útil primeiro definir uma expressão f: x^3-6*x^2 + 7*x + 2. Faça várias tentativas até conseguir melhorar o seu resultado. Pode sugerir algum outro método gráfico de obter uma melhor estimativa inicial para os valores do máximo e o mínimo local? 6. A nota final nesta disciplina é calculada udando a fórmula 0.3 F req + T rab ( F req) onde F req e T rab são as notas do trabalho feito nas aulas e o trabalho feito em casa, ambas entre 0 e 20 valores. Demonstre que a nota final será sempre maior o igual do que a nota do trabalho de casa. 20 Física dos Sistemas Dinâmicos

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

Departamento: Matemática Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007. Aula prática n o 1 - Introdução ao MATLAB

Departamento: Matemática Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007. Aula prática n o 1 - Introdução ao MATLAB Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Departamento: Matemática Métodos Numéricos Curso: Eng a Madeiras Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2006/2007 Aula prática n o 1 - Introdução

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

1 Módulo ou norma de um vetor

1 Módulo ou norma de um vetor Álgebra Linear I - Aula 3-2005.2 Roteiro 1 Módulo ou norma de um vetor A norma ou módulo do vetor ū = (u 1, u 2, u 3 ) de R 3 é ū = u 2 1 + u2 2 + u2 3. Geometricamente a fórmula significa que o módulo

Leia mais

5 Equacionando os problemas

5 Equacionando os problemas A UA UL LA Equacionando os problemas Introdução Nossa aula começará com um quebra- cabeça de mesa de bar - para você tentar resolver agora. Observe esta figura feita com palitos de fósforo. Mova de lugar

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

Macsyma ODE Lab Book. Darren Redfern, Edgar Chandler and Richard N. Fell

Macsyma ODE Lab Book. Darren Redfern, Edgar Chandler and Richard N. Fell Macsyma ODE Lab Book Darren Redfern, Edgar Chandler and Richard N. Fell 1998 ii Índice 1 Primeiros passos com Maxima 1 1.1 Iniciar o programa Maxima..................... 1 1.2 Sintaxe básica do Maxima......................

Leia mais

Processamento Numérico

Processamento Numérico Matlab 1 Conceitos Básicos e Processamento Numérico 1. Iniciar o programa Matlab. Há duas formas: Fazer duplo-clique sobre o atalho, existente no ambiente de trabalho do Windows Menu Iniciar > Programas

Leia mais

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Introdução às equações de primeiro grau Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que

Leia mais

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau MATEMATICA 13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR OBJETIVO O objetivo desta atividade é trabalhar com as propriedades de igualdade, raízes

Leia mais

2. Noções de Matemática Elementar

2. Noções de Matemática Elementar 2. Noções de Matemática Elementar 1 Notação cientíca Para escrever números muito grandes ou muito pequenos é mais cómodo usar a notação cientíca, que consiste em escrever um número na forma n é o expoente

Leia mais

Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição

Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição 1 2 Sumário 1 WOLFRAM ALPHA 5 1.1 Digitando Fórmulas e Expressões Matemáticas......... 6 1.1.1 Expoentes......................... 6 1.1.2 Multiplicação.......................

Leia mais

AULA 12 FUNÇÕES Disciplina: Algoritmos e POO Professora: Alba Lopes alba.lopes@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/albalopes

AULA 12 FUNÇÕES Disciplina: Algoritmos e POO Professora: Alba Lopes alba.lopes@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/albalopes AULA 12 FUNÇÕES Disciplina: Algoritmos e POO Professora: Alba Lopes alba.lopes@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/albalopes FUNÇÕES E PROCEDIMENTOS Também chamados de subalgoritmos São trechos de algoritmos

Leia mais

Função Logarítmica Função Exponencial

Função Logarítmica Função Exponencial ROTEIRO DE ESTUDO MATEMÁTICA 2014 Aluno (a): nº 1ª Série Turma: Data: /10/2014. 3ª Etapa Professor: WELLINGTON SCHÜHLI DE CARVALHO Caro aluno, O objetivo desse roteiro é orientá-lo em relação aos conteúdos

Leia mais

AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON

AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON Computadores e Programação Engª Biomédica Departamento de Física Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2003/2004 FICHA 1 AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON 1.1. Objectivos

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

A equação do 2º grau

A equação do 2º grau A UA UL LA A equação do 2º grau Introdução Freqüentemente, ao equacionarmos um problema, obtemos uma equação na qual a incógnita aparece elevada ao quadrado. Estas são as chamadas equações do 2º grau.

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

Aula: Equações polinomiais

Aula: Equações polinomiais Aula: Equações polinomiais Turma 1 e 2 Data: 05/09/2012-12/09/2012 Tópicos Equações polinomiais. Teorema fundamental da álgebra. Raízes reais e complexas. Fatoração e multiplicação de raízes. Relações

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho nº 0 Instalação dos programas

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Segundo grau Conteúdo Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 1 Introdução

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

Um Pequeno Manual. Adelmo Ribeiro de Jesus

Um Pequeno Manual. Adelmo Ribeiro de Jesus Um Pequeno Manual do Winplot Adelmo Ribeiro de Jesus O WINPLOT é um programa de domínio público, produzido por Richard Parris, da Phillips Exeter Academy, em New Hampshire. Recentemente traduzido para

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

2. Função polinomial do 2 o grau

2. Função polinomial do 2 o grau 2. Função polinomial do 2 o grau Uma função f: IR IR que associa a cada IR o número y=f()=a 2 +b+c com a,b,c IR e a0 é denominada função polinomial do 2 o grau ou função quadrática. Forma fatorada: a(-r

Leia mais

Introdução aos cálculos de datas

Introdução aos cálculos de datas Page 1 of 7 Windows SharePoint Services Introdução aos cálculos de datas Aplica-se a: Microsoft Office SharePoint Server 2007 Ocultar tudo Você pode usar fórmulas e funções em listas ou bibliotecas para

Leia mais

Exemplo de utilização do Scilab na solução de circuitos elétricos em cc. 16V E3. Fig. 1 circuito resistivo CC

Exemplo de utilização do Scilab na solução de circuitos elétricos em cc. 16V E3. Fig. 1 circuito resistivo CC Neste material é apresentado um exemplo simples de utilização do Scilab na solução de circuitos elétricos em cc. Os comandos apresentados neste tutorial servem também para o Octave. Os nomes das varáveis

Leia mais

Lívia Braga Sydrião de Alencar. Bergson da Silva Matias. PET Civil

Lívia Braga Sydrião de Alencar. Bergson da Silva Matias. PET Civil MAPLE 13 Lívia Braga Sydrião de Alencar Bergson da Silva Matias PET Civil Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Histórico... 3 1.2. Interface... 3 1.3. Comandos Básicos... 7 1.3.1. Operações básicas... 7 1.4.

Leia mais

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms O uso da Calculadora Científica (Casio fx) fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms Prof. Ms. Renato Francisco Merli 2013 1 Sumário 1. Antes de Começar... 2 2. Cálculos Básicos... 8 3. Cálculos

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Integrais Duplas e Coordenadas Polares Nas primeiras aulas discutimos integrais duplas em algumas regiões bem adaptadas às coordenadas

Leia mais

Scilab. Introdução ao Scilab. Como obter ajuda

Scilab. Introdução ao Scilab. Como obter ajuda Scilab Scilab é uma linguagem de programação associada a uma rica coleção de algoritmos numéricos cobrindo muitos aspectos dos problemas de computação científica. Do ponto de vista do software, Scilab

Leia mais

Aula 13 Técnicas de Integração

Aula 13 Técnicas de Integração Aula 13 Técnicas de Integração Objetivos da Aula Estudar técnicas especiais de integração: integração por substituição e por partes, mostrando que estes processos são ferramentas poderosas para facilitar

Leia mais

Linguagem algorítmica: Portugol

Linguagem algorítmica: Portugol Programação de Computadores I Aula 03 Linguagem algorítmica: Portugol José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/34 Introdução I Lógica A lógica é usada

Leia mais

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior.

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. Bruno Marques Collares, UFRGS, collares.bruno@hotmail.com Diego Fontoura Lima, UFRGS,

Leia mais

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Fundamentos da Matemática Fernando Torres Números Complexos Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Sumário 1. História...3 2.Introdução...4 3. A origem de i ao quadrado igual a -1...7 4. Adição, subtração,

Leia mais

Cálculo Numérico Computacional Exercícios lista 04 Raizes aproximadas

Cálculo Numérico Computacional Exercícios lista 04 Raizes aproximadas 1 Cálculo Numérico Computacional Exercícios lista 04 Raizes aproximadas Varredura, método da tangente Prof. Tarcisio Praciano-Pereira Dep. de Matemática tarcisio@member.ams.org aluno: Univ. Estadual Vale

Leia mais

Algoritmos Computacionais ( Programas )

Algoritmos Computacionais ( Programas ) Algoritmos Computacionais ( Programas ) A partir deste tópico, consideramos a utilização do universo Computacional na solução de problemas. Para tanto devemos lembrar que a transposição de problemas do

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 1. MATEMÁTICA I 1 FUNÇÃO DO 1º GRAU FUNÇÃO IDENTIDADE... FUNÇÃO LINEAR... FUNÇÃO AFIM... GRÁFICO DA FUNÇÃO DO º GRAU... IMAGEM... COEFICIENTES DA FUNÇÃO AFIM... ZERO DA FUNÇÃO AFIM... 8 FUNÇÕES CRESCENTES OU DECRESCENTES... 9 SINAL DE UMA

Leia mais

Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões. Conteúdos do Capítulo. Programação Linear. Lindo. s.t. Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador

Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões. Conteúdos do Capítulo. Programação Linear. Lindo. s.t. Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador ª Edição Pesquisa Operacional na Tomada de Decisões Resolvendo Programação Linear Em um Microcomputador Gerson Lachtermacher,00 Programação Linear Software Versão Windows e comandos Formulação do problema

Leia mais

POLINÔMIOS SIMÉTRICOS Carlos A. Gomes, UFRN, Natal RN.

POLINÔMIOS SIMÉTRICOS Carlos A. Gomes, UFRN, Natal RN. POLINÔMIOS SIMÉTRICOS Carlos A. Gomes, UFRN, Natal RN. Nível Avançado Uma ferramenta bastante útil na resolução de problemas algébricos de fatoração, na resolução de sistemas de equações não lineares,

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Lista de Exercícios - Séries Matemáticas

Lista de Exercícios - Séries Matemáticas Lista de Exercícios - Séries Matemáticas Agosto de 203 Introdução à Programação Orientada a Objetos Usando Java 2 a Edição Exercícios Introdução Cientistas da computação e programadores frequentemente

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

O Excel é um software de Planilha Eletrônica integrante dos produtos do Microsoft Office.

O Excel é um software de Planilha Eletrônica integrante dos produtos do Microsoft Office. EXCEL O Excel é um software de Planilha Eletrônica integrante dos produtos do Microsoft Office. É composto das seguintes partes: Pasta de Trabalho um arquivo que reúne várias planilhas, gráficos, tabelas,

Leia mais

Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário.

Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário. 10. NÚMEROS COMPLEXOS 10.1 INTRODUÇÃO Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário. O número a é denominado parte real do número complexo

Leia mais

Preenchimento automático, Séries

Preenchimento automático, Séries Preenchimento automático, Séries O Microsoft Excel pode preencher automaticamente datas, períodos de tempo e séries de números, incluindo números combinados com texto, como Mês 1, Mês 2,..., etc. Preenchimento

Leia mais

Informática no Ensino da Matemática

Informática no Ensino da Matemática Informática no Ensino da Matemática Humberto José Bortolossi http://www.professores.uff.br/hjbortol/ Lista de Exercícios 2 ATIVIDADE 1 Para poupar esforço de digitação, você pode usar o tradicional sistema

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1998/99. Erros

Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1998/99. Erros Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise Numérica 1998/99 Erros Objectivos: Arredondar um número para n dígitos significativos. Determinar os erros máximos absoluto e relativo

Leia mais

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares Folha de cálculo Excel Agrupamento de Escolas de Amares Índice 1. Funcionalidades básicas... 3 1.1. Iniciar o Excel... 3 1.2. Criar um livro novo... 3 1.3. Abrir um livro existente... 3 1.4. Inserir uma

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

Procalc v1.0. Versão Programador

Procalc v1.0. Versão Programador Procalc v1.0 Versão Programador Conteúdo Procalc... 4 Primeiros botões... 5 Funções Básicas... 6 Como funciona... 7 Funções avançadas... 8 Logaritmo... 8 Logaritmo Natural... 9 Expoente... 10 Factorial...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática Introdução ao GeoGebra software livre 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS Curso de Matemática Primeiros Passos Com o Software Livre GeoGebra Março de 2010 Prof. Ilydio Pereira de Sá Introdução ao

Leia mais

7. Usar o último resultado: --> ans -->a*2+a*3 -->ans*2. 8. Ver as variáveis existentes: --> who -->who

7. Usar o último resultado: --> ans -->a*2+a*3 -->ans*2. 8. Ver as variáveis existentes: --> who -->who INTRODUÇÃO AO SCILAB 1. INFORMAÇÕES GERAIS Prof. Alexandre Ortiz Calvão. 02/10/05-18/10/05 ÍNDICE DOS ASSUNTOS 1. Informações iniciais. 2. Comandos iniciais. 2.1- Scilab como uma calculadora. 2.2- Algumas

Leia mais

Programação. Folha Prática 3. Lab. 3. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015. Copyright 2010 All rights reserved.

Programação. Folha Prática 3. Lab. 3. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015. Copyright 2010 All rights reserved. Programação Folha Prática 3 Lab. 3 Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015 Copyright 2010 All rights reserved. LAB. 3 3ª semana EXPRESSÕES E INSTRUÇÕES 1. Revisão de conceitos

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

computador-cálculo numérico perfeita. As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de Matemática - CCE Cálculo Numérico - MAT 271 Prof.: Valéria Mattos da Rosa As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia

Leia mais

Sua interface é semelhante a de um processador de textos do tipo WYSIWYG, ou seja, What you see is what you get (o que você vê é o que você faz).

Sua interface é semelhante a de um processador de textos do tipo WYSIWYG, ou seja, What you see is what you get (o que você vê é o que você faz). Mathcad COMANDOS BÁSICOS O software Mathcad é um ambiente de trabalho baseado em Álgebra Computacional, dirigido a profissionais técnicos, educadores e estudantes. Permite a escrita de epressões matemáticas

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo

Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Plano Curricular de Matemática 9º ano - 2014 /2015-3º Ciclo Tema/Subtema Conteúdos Metas Nº de Aulas Previstas Org.Trat.Dados / Planeamento Estatístico Especificação do problema Recolha de dados População

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB

UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB NOME: UNIVERSIDADE GAMA FILHO Laboratório de Controle I - MATLAB O que é o Matlab? O Matlab é um sistema para cálculo científico que proporciona um ambiente de fácil utilização com uma notação intuitiva,

Leia mais

Algoritmo e Programação

Algoritmo e Programação Algoritmo e Programação Professor: José Valentim dos Santos Filho Colegiado: Engenharia da Computação Prof.: José Valentim dos Santos Filho 1 Ementa Noções básicas de algoritmo; Construções básicas: operadores,

Leia mais

- TUTORIAL - MAXIMA 5.9.2 Para Windows. Por Bruno F. Milaré de Macêdo RA 042290 MA111 Turma A

- TUTORIAL - MAXIMA 5.9.2 Para Windows. Por Bruno F. Milaré de Macêdo RA 042290 MA111 Turma A - TUTORIAL - MAXIMA 5.9. Para Windows Por Bruno F. Milaré de Macêdo RA 0490 MA111 Turma A 1 - INTRODUÇÃO Este tutorial tem como objetivo fornecer informações para que iniciantes possam aprender a manipular

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

Equações do segundo grau

Equações do segundo grau Módulo 1 Unidade 4 Equações do segundo grau Para início de conversa... Nesta unidade, vamos avançar um pouco mais nas resoluções de equações. Na unidade anterior, você estudou sobre as equações de primeiro

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens

Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens Luís Caldas de Oliveira Março de 2009 O objectivo deste laboratório é o de explorar a utilização de matrizes em Matlab e de usá-las para construir

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA QUINZE: Matrizes & Determinantes (Parte II) Olá, amigos! Pedimos desculpas por não ter sido possível apresentarmos esta aula na semana passada. Motivos de força maior nos impediram de fazê-lo, mas

Leia mais

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior http://www.unifal-mg.edu.br/matematica/?q=disc jc Aula 02 ATIVIDADE 01 Para poupar esforço de digitação, você pode usar o tradicional

Leia mais

NO ESTUDO DE FUNÇÕES

NO ESTUDO DE FUNÇÕES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SEMANA DA MATEMÁTICA 2014 UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES GRÁFICOS NO ESTUDO DE FUNÇÕES PIBID MATEMÁTICA 2009 CURITIBA

Leia mais

Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL. Fevereiro/2002 - Portalegre

Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL. Fevereiro/2002 - Portalegre Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL Fevereiro/2002 - Portalegre Introdução A necessidade de efectuar cálculos complexos de uma forma mais rápida e fiável,

Leia mais

Introdução ao GeoGebra

Introdução ao GeoGebra Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Introdução ao GeoGebra Prof. Dr. José Carlos de Souza Junior AGOSTO 2010 Sumário 1 Primeiros Passos com o GeoGebra 4 1.1 Conhecendo o Programa............................

Leia mais

Plano de Aula. 1 - Como abrir o programa KmPlot

Plano de Aula. 1 - Como abrir o programa KmPlot Plano de Aula Aluno(a):PIBID MATEMÁTICA Escola: Escola Estadual de Ensino Médio Mestre Santa Bárbara Disciplina: Matemática Conteúdo: Função quadrática Assunto: Gráficos, coeficientes da função Público

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 O que é a Análise Numérica? Ramo da Matemática dedicado ao estudo e desenvolvimento de métodos (métodos

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

QUESTÕES PARA O 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES

QUESTÕES PARA O 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES QUESTÕES PARA O 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATEMÁTICA 2º BIMESTE SUGESTÕES DE RESOLUÇÕES QUESTÃO 01 1 Identificar a localização/movimentação de objeto, em mapas, croquis e outras representações gráficas.

Leia mais

Treinamento Excel 2010

Treinamento Excel 2010 + Treinamento Excel 2010 Thalles Cezar Montenegro thalles.montenegro@citi.org.br + Roteiro Revisão Operadores e Fórmulas Operadores Fórmulas + Aviso! As aulas estarão disponíveis na seguinte página: www.cin.ufpe.br/~tcam/excel

Leia mais

MÓDULO VI. Mas que tal estudar o módulo VI contemplando uma vista dessas...

MÓDULO VI. Mas que tal estudar o módulo VI contemplando uma vista dessas... 1 MÓDULO VI Como podemos observar, já estamos no MÓDULO VI que traz temas sobre matemática financeira (porcentagem, juros simples e montante), bem como, alguma noção sobre juros compostos e inflação. Mas

Leia mais

1 A Integral por Partes

1 A Integral por Partes Métodos de Integração Notas de aula relativas aos dias 14 e 16/01/2004 Já conhecemos as regras de derivação e o Teorema Fundamental do Cálculo. Este diz essencialmente que se f for uma função bem comportada,

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFPE. VESTIBULAR 2013 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFPE. VESTIBULAR 2013 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFPE VESTIBULAR 0 a Fase Profa. Maria Antônia Gouveia. 0. A ilustração a seguir é de um cubo com aresta medindo 6cm. A, B, C e D são os vértices indicados do cubo, E é o centro da

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino da Matemática

Novas Tecnologias no Ensino da Matemática UFF Novas Tecnologias no Ensino da Matemática 1 Novas Tecnologias no Ensino da Matemática Humberto José Bortolossi http://www.professores.uff.br/hjbortol/ Lista 8 ATIVIDADE 1 Uma outra maneira de se poupar

Leia mais

Programas simples em C

Programas simples em C Programas simples em C Problema 1. Escreve um programa em C que dados dois inteiros indique se são iguais ou qual o maior. Utilizar a construção em 5 etapas... quais? 1. Perceber o problema 2. Ideia da

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1) Considerações gerais sobre os conjuntos numéricos. Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Curso de Linguagem C

Curso de Linguagem C Curso de Linguagem C 1 Aula 1 - INTRODUÇÃO...4 AULA 2 - Primeiros Passos...5 O C é "Case Sensitive"...5 Dois Primeiros Programas...6 Introdução às Funções...7 Introdução Básica às Entradas e Saídas...

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU 1 EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES DE 1º GRAU Equação do 1º grau Chamamos de equação do 1º grau em uma incógnita x, a qualquer expressão matemática que pode ser escrita sob a forma: em que a e b são números reais,

Leia mais

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14 EQUAÇÃO DO 1º GRAU EQUAÇÃO: Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que esteja escrita em linguagem matemática. Esta

Leia mais

Python: Comandos Básicos. Claudio Esperança

Python: Comandos Básicos. Claudio Esperança Python: Comandos Básicos Claudio Esperança Primeiros passos em programação Até agora só vimos como computar algumas expressões simples Expressões são escritas e computadas imediatamente Variáveis podem

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Introdução à Programação em Visual Basic Fabricio Breve Objetivos Ser capaz de escrever programas simples em Visual Basic Ser capaz de usar os comandos de entrada e saída Familiarizar-se

Leia mais

Considere um triângulo eqüilátero T 1

Considere um triângulo eqüilátero T 1 Considere um triângulo eqüilátero T de área 6 cm. Unindo-se os pontos médios dos lados desse triângulo, obtém-se um segundo triângulo eqüilátero T, que tem os pontos médios dos lados de T como vértices.

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina0.com.br Funções Reais CÁLCULO VOLUME ZERO - Neste capítulo, estudaremos as protagonistas do longa metragem

Leia mais

GNUPLOT Uma breve introdução

GNUPLOT Uma breve introdução GNUPLOT Uma breve introdução O GNUPLOT é um programa para traçado de gráficos bi e tridimensionais distribuído livremente na Internet. Ele está disponível para plataformas Linux, Windows e outras do mundo

Leia mais

Matriz Curricular de Matemática 6º ao 9º ano 6º ano 6º Ano Conteúdo Sistemas de Numeração Sistema de numeração Egípcio Sistema de numeração Romano Sistema de numeração Indo-arábico 1º Trimestre Conjunto

Leia mais