A UTILIZAÇÃO DO PRINCÍPIO 80/20 COMO FONTE DE VANTAGENS COMPETITIVAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A UTILIZAÇÃO DO PRINCÍPIO 80/20 COMO FONTE DE VANTAGENS COMPETITIVAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO EMPRESARIAL ALEX CARDOSO PIVA A UTILIZAÇÃO DO PRINCÍPIO 80/20 COMO FONTE DE VANTAGENS COMPETITIVAS CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2006

2 1 ALEX CARDOSO PIVA A UTILIZAÇÃO DO PRINCÍPIO 80/20 COMO FONTE DE VANTAGENS COMPETITIVAS Monografia apresentada à Diretoria de Pós- Graduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense- UNESC, para a obtenção do título de Especialista em Gestão Empresarial. Orientador: M.Sc. Prof. Silvio Luiz G. Vianna. CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2006

3 2 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, pela sabedoria e persistência. Aos colegas de trabalho, que partilharam suas experiências. Aos familiares, que souberam compreender a importância deste trabalho. Ao orientador Prof. Silvio Luiz G. Vianna, M, Eng. que habilmente orientou a execução deste trabalho, auxiliando-me a sobrepujar as dificuldades encontradas. E a todas as pessoas, que de alguma forma ajudaram-me a percorrer esta jornada.

4 3 RESUMO Uma regra simples estabelecida a mais de cem anos por meio de observação e análise empírica de dados, ainda é válida hoje, o princípio 80/20, também conhecido como regra de Pareto, Regra dos poucos vitais ou Curva ABC, tem nos últimos anos feito revolução tanto na área industrial quanto nos negócios. Esse trabalho mostrará como esse princípio pode ser usado para obter vantagem competitiva em uma organização, e o conceito por trás deste princípio. Também será apresentado um estudo de caso de duas unidades do grupo Americano ITW (Illinois Tools Works) que com 780 empresas, aplica efetivamente, em todas as unidades, estes conceitos, também serão verificados as dificuldades para sua implantação e alguns resultados alcançados. O objetivo desse trabalho é colaborar para o aprofundamento do conhecimento sobre o assunto, não somente como uma ferramenta para área de qualidade ou controle de estoque, mas uma poderosa ferramenta para tomadas de decisões em todos os níveis da organização, focando sempre no melhor resultado, contribuindo para aquisição de uma vantagem competitiva. Este trabalho justifica-se pelo pouco conhecimento que se tem sobre tema quando aplicado à gestão de negócio de forma efetiva e consistente. As questões, aqui abordas, contribuirão para a disseminação desses conceitos para as empresas e profissionais que, no dia-adia, necessitam tomar decisões e promover resultados rápidos, quer seja em sua área de atuação ou na organização. Na área acadêmica, será útil, devido a pouca publicação sobre este assunto, além de proporcionar uma nova visão teórica e prática de aplicação deste princípio, que até o momento tem sido amplamente utilizado pelos profissionais da área de qualidade. Palavras-chave: 80/20; Simplificar e focar; Análise de dados; Análise de Resultados.

5 4 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1: Duas maneiras de usar o princípio 80/ Figura 2: Quadrante 80/ Figura 3: Foto da unidade Decorative Sleeve King s lynn Inglaterra Figura 4: Produtos fabricados pela Decorative Sleeve Figura 5: Modelo de Operação das fábricas de King s lynn e Wakefield Figura 6: Novo modelo de Gestão da Planta de Wakefield Figura 7: Segundo modelo de Gestão Figura 8: Foto da fábrica ITW Canguru Rótulos Criciúma SC Figura 9: Análise 80/ Figura 10: Análise 80/ Figura 11: Sistema produtivo antes do 80/ Figura 12: Novo modelo produtivo após o 80/

6 5 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1: Unidades produzidas em 12 meses Tabela 2: Classificação 80/ Tabela 3: Faturamento por cliente Tabela 4: Classificação 80/20 por cliente Tabela 5: Resultado operacional da unidade Decorative Sleeve... 58

7 6 ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1: Venda por clientes no período de 6 meses Quadro 2: Venda por clientes no período de 6 meses com total Quadro 3: Venda por clientes no período de 6 meses com total classificado Quadro 4: Venda por clientes no período de 6 meses ordenado por total Quadro 5: Venda por clientes no período de 6 meses com 80/20 aplicado Quadro 6: Venda por clientes no período de 6 meses-definição dos quadrantes. 50 Quadro 7: Análise de quadrantes da Decorative Sleeve Quadro 8: Comparativo de Resultados... 62

8 7 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Evolução das Organizações Vantagem Competitiva Pareto e o Princípio 80/ O Princípio 80/20 e sua Aplicação A Primeira Onda 80/20 - A Revolução da Qualidade A Segunda Onda 80/20 A Revolução da Informação Algumas Implicações do 80/ O Princípio 80/20 e o Rearranjo Físico METODOLOGIA DE PESQUISA Escolha dos Casos Coleta de Dados DEMONSTRAÇÃO DA APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO 80/ Definição dos Quadrantes 80/ Compilação de Dados para Obtenção de Quadrante ESTUDO DE CASOS Empresas que Aplicam o Princípio 80/

9 8 5.2 Decorative Sleeves Kings Lynn Uk Implantação do Princípio 80/20 na Decorative Sleeve Resultados Obtidos Dificuldades Encontradas na Implantação ITW Canguru Rótulos Criciúma - SC - Brasil Implantação do Princípio 80/ Treinamento dos Funcionários Análise 80/ Resultados Alcançados Dificuldades Encontradas na Implantação CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 79

10 9 1. INTRODUÇÃO De 133 a.c. a 117d.C os Romanos conquistaram povos e ampliaram seus domínios, tornando-se o maior império da terra naquele período. Muitas das ferramentas utilizadas pelo império Romano foram fundamentais para suas conquistas. Porém, muitos dos povos conquistados também possuíam as mesmas ferramentas. Mas então porque foram conquistados? A resposta não está somente nas ferramentas utilizadas, mas sim na forma como elas foram utilizadas. Neste trabalho será apresentada uma das ferramentas utilizadas pelo grupo Americano ITW (Illinois Tools Works), o princípio 80/20 como fonte de vantagem competitiva, que foi desenvolvido em 1897 pelo economista italiano Vilfredo Pareto ( ), também conhecido como Lei de Pareto ou Lei do Menor Esforço. Segundo Pareto, 80% do que uma pessoa realiza no trabalho vêm de 20% do tempo gasto nesta realização. Em resumo, 80% do esforço consumido para todas as finalidades práticas são irrelevantes. No século XIX, Pareto comprovou que a maioria da renda e das riquezas ia para uma minoria de pessoas. Havia, portanto uma forte relação matemática entre a proporção de pessoas e a renda recebida por este grupo. Por exemplo, se a empresa constata que apenas 20% dos clientes geram 80% do lucro de sua empresa, isso significa que o restante, ou seja, os outros 80% dos clientes lhe dão muito trabalho e geram apenas 20% do resultado da empresa. Mais conhecido na área industrial, mais especificamente como uma das ferramentas de qualidade, o princípio 80/20 também pode ser uma boa ferramenta

11 10 para tomada de decisões em diversas áreas dentro de uma organização. O grupo ITW aplica este princípio na gestão do negócio da mesma forma que ele é aplicado na área qualidade, porém com enfoque no resultado global da organização. Por meio da participação em algumas unidades do grupo ITW que estavam implementando o princípio 80/20, percebeu-se a dificuldade que os gestores tem em definir e focar suas prioridades dentro da organização, sendo esse um grande problema para se estabelecer uma vantagem competitiva no mercado globalizado. Desta forma, este trabalho tem como objetivo principal, mostrar como a aplicação destes conceitos pode ajudar os gestores a definir suas prioridades, focando naquilo que trará mais resultado para sua organização. Os objetivos específicos deste trabalho são os seguintes: Estudar os conceitos que fundamentam esta pesquisa, visando proporcionar o aprofundamento teórico, contribuindo para um maior entendimento de sua aplicação prática; Demonstrar uma metodologia de aplicação, visando sua aplicação prática, focando em resultados; Apresentar através de estudo de caso de duas unidades do grupo ITW, descrevendo as dificuldades em sua implantação e alguns dos resultados alcançados; Identificar as vantagens competitivas decorrentes da aplicação do princípio em estudo; Avaliar os ganhos obtidos pela empresa com a implementação da teoria aqui apresentada.

12 11 O presente trabalho caracteriza-se por ser uma pesquisa empírica, qualitativa, conduzida pelo método de estudo de caso. Os dados e informações contidos neste trabalho foram coletados por meio de participação em treinamentos e visitas a unidades do grupo ITW nos Estados Unidos, Inglaterra, Áustria e Brasil, além da participação na implantação dos conceitos em uma de suas unidades do Brasil. Pelo pressuposto apresentado, justifica-se este trabalho por entender que este possa servir de referência para gestores, de qualquer segmento de mercado, na sua árdua tarefa de buscar resultados em um mundo globalizado e cada vez mais competitivo. Nos âmbitos econômico e social, o conceito aplicado, ajudará as organizações a compreenderem melhor suas características, buscando assim, maior competitividade no mercado, visando sua permanência no mesmo e ofertando produtos e serviços de qualidade a custos atrativos, contribuindo para a estabilização econômica. No âmbito acadêmico, este trabalho pode servir de referência literária para outros pesquisadores, tendo em vista não haver muitas informações publicadas sobre este tema. Além dessa introdução, o presente trabalho está estruturado em cinco itens conforme descrito abaixo: Item 1: Fundamentação Teórica, abordando a evolução das organizações e os processos envolvidos na formação de vantagens Competitivas, apresentando informações sobre o surgimento do princípio 80/20, bem como os principais conceitos envolvidos.

13 12 Item 2: Metodologia da pesquisa, discorrendo sobre as questões propostas, a escolha do caso e a metodologia aplicada para coleta dos dados, dando assim uma visão mais clara para sua aplicação prática. Item 3: Aplicação do Princípio 80/20, apresentando as diretrizes necessárias para sua aplicação prática em qualquer organização, mostrando dessa forma como obter os resultados práticos através de cruzamento de dados. Item 4: Estudo de Caso, Analisando os casos selecionados dentro do grupo ITW, demonstrando suas dificuldades, suas superações e os resultados alcançados com a implantação desses princípios em sua gestão. Dessa forma, este trabalho busca fortalecer os preceitos elaborados por Pareto, mundialmente conhecidos, e sua aplicação nos dias atuais pelas chamadas modernas organizações.

14 13 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Evolução das Organizações O surgimento das organizações tal como conhecemos tem início no século XVIII com a chamada Revolução Industrial, que com o avanço das técnicas de cultivos e o desenvolvimento de máquinas para confecção de produtos em escala proporcionaram diminuição dos preços, aumento da produtividade e consequentemente necessidade de consumo, aumento de mercado e dos lucros. O homem tem se associado em grupos desde o início de sua história com o objetivo de sobreviver. Esses grupos evoluíram e deram origem as sociedades tal como são conhecidas. Quando se compara a história da Administração com a história da humanidade, pode-se concluir que ela é relativamente recente, pois tem seu início no final do século XVIII com o surgimento das grandes empresas na revolução industrial. Segundo Campos (1988), a mudança da produção artesanal para a produção mecânica foi a força motriz da revolução industrial, provocando mudanças econômicas e sociais, criando assim o proletariado no campo e na indústria. Para Campos(1988), esse período foi marcado pelo crescimento das cidades, fazendo com que as pessoas migrassem do campo para trabalhar nas grandes indústrias, desenvolvendo assim a urbanização. O autor afirma que as pessoas que não saíram do campo para trabalhar nas grandes indústrias, acabaram trabalhando para elas no campo.

15 14 Pazzinato e Senise (1992), afirmam que com o surgimento das grandes empresas, também surgiram a energia elétrica e os combustíveis derivados de petróleo, o que produziu um grande impacto na vida das grandes metrópoles. Para Aquino(1995), a principal mola propulsora da Revolução Industrial foi a chamada Revolução Comercial, que promoveu o aumento do mercado, o fortalecimento da burguesia, e com isso o aumento de financiamento para o desenvolvimento de novas tecnologias que proporcionaram aumento de produção. Campos (1988) descreve a Revolução Comercial como sendo o principal combustível para o crescimento das indústrias e das grandes metrópoles. Segundo o autor, a revolução industrial provocou o aprimoramento da tecnologia e colocou a Europa à frente do processo de transformação e à frente do mercado mundial. Pazzinato e Senise (1992), afirmam que a utilização do vapor para movimentação e máquinas, trens, navios e para a produção de energia contribuiu para o desenvolvimento das indústrias e do mercado. Segundo Campos(1988), a industrialização de países como França, Alemanha, Itália, Bélgica, Holanda, Estados Unidos e Japão que ocorreu entre 1860 e 1900, contribuiu para aumentar ainda mais a produção, mas sendo a intensificação da concorrência a principal característica desse período. Segundo o autor, a substituição do ferro pelo aço deu-se nesse período. Segundo Dobb (1983), a revolução industrial promoveu o surgimento do capitalismo tal como é conhecido hoje, além de ter contribuído para o surgimento e fortalecimento da burguesia naquele período. Para Polanyi (2000), a principal mudança cultural deste período foi a inserção do trabalho pelo lucro e não mais pela subsistência, sendo toda a renda

16 15 oriunda de relações de mercado, ou seja, venda e compra de algum produto industrializado. Campos(1988), afirma que neste período surgiram novas classes sociais, os empresários (capitalistas) e os operários (assalariados) os quais foram fundamentais para o desenvolvimento do novo sistema. Segundo Aquino(1995) com o fortalecimento da burguesia inglesa e da industrialização, foi aberto o comércio internacional para escoar suas produções que eram cada vez mais altas. Esse processo contribuiu para o crescimento do mercado. O desenvolvimento de novas tecnologias de produção em massa, a criação de novas empresas, a criação dos sindicatos e o desenvolvimento dos mercados, e juntamente com tudo isso veio a concorrência, obrigando os gestores a buscar formas de consolidar suas empresas neste novo cenário. As metodologia e Técnicas de planejamento estratégico, isto é, as sistemáticas científicas de transição empresarial do presente para o futuro, a curto, médio e longo prazo, são conseqüências de um desenvolvimento histórico que teve o seu início no século XVIII. (RASMUSSEN, 1990, p. 41). Segundo Ferreira, Reis e Pereira(1999), a moderna administração surgiu no início deste século, com a publicação das experiências do Engenheiro Americano Frederick Winslow Taylor ( ), que desenvolveu a chamada escola da Administração Científica, e do engenheiro Francês Henri Fayol( ) que desenvolveu a chamada Escola Clássica da Administração. [...] A característica mais marcante do estudo de Taylor é a busca de uma organização científica do trabalho, enfatizando tempos e métodos e por isso é visto como o precursor da Teoria da Administração Científica. (FERREIRA, REIS E PEREIRA, 1999, p. 15)

17 16 Ferreira, Reis e Pereira(1999), afirmam que o Engenheiro Taylor defendia os seguintes princípios: Seleção científica do trabalho; Tempo padrão; Plano de incentivo salarial; Trabalho em conjunto; Gerentes planejam, operários executam; Divisão do trabalho; Supervisão; Ênfase na eficiência. Ferreira, Reis e Pereira(1999), afirmam que Fayol utilizou sua experiência na administração de empresas para desenvolver suas teorias paralelamente ao trabalho de Taylor, sendo que os dois se completavam. Segundo os autores, Fayol descreveu os princípios básicos da administração conforme demonstrado abaixo: Divisão do trabalho; Autoridade e responsabilidade; Unidade de direção; Unidade de comando; Disciplina; Prevalência dos interesses gerais; Remuneração; Centralização; Hierarquia; Ordem;

18 17 Equidade; Estabilidade dos funcionários; Iniciativa; Espírito de corpo. Segundo Ferreira, Reis e Pereira(1999), partir desses dois pioneiros, a história da administração moderna pode ser escrita em diversas teorias ou escolas que lhes sucederam. Independente do tamanho de uma organização, todas são influenciadas pelos desenvolvimentos produzidos no decorrer da história, o qual deu origem as teorias que regem o mercado na atualidade. Hoje, o mercado por sua vez, é influenciado pelas regras macroeconômicas, e geopolíticas, influenciando a concorrência em todas as organizações de todos os tamanhos, obrigando cada uma a identificar suas vantagens competitivas para brigar de frente com os concorrentes pela sua permanência no mercado. 2.2 Vantagem Competitiva Segundo Porter (1989), o sucesso ou o fracasso de uma organização está ligado diretamente a sua capacidade de gerar vantagem competitiva, ou seja, sua capacidade de ofertar produtos a baixo custo ou com benefícios que justifiquem seu preço. Segundo Porter (1989), a vantagem competitiva está apoiada sobre dois pilares, custo e diferenciação. O autor afirma que para se entender melhor uma

19 18 empresa é necessário enxergar seus processos separadamente, e não como um todo, pois cada atividade contribui para uma situação de custo e diferenciação. Porter (1989) sugere a cadeia de valores como uma sistemática para analisar os processos de uma organização, contribuindo assim para identificar as vantagens competitivas. Segundo o autor, esta sistemática permite que a organização enxergue melhor cada processo, e como conseqüência conhecerá melhor sua estrutura de custo e as fontes existentes e potenciais de diferenciação. Sendo assim, custo é fundamental para estabelecer e manter uma vantagem competitiva. Porter (1989) afirma que uma análise dos custos de uma empresa deve examinar os custos dentro das atividades, e não os custos da empresa como um todo, pois cada atividade dentro do processo possui sua estrutura de custo independente, e pode ser afetada pela interrelação com outras atividades dentro e fora da empresa. Uma empresa conta com uma vantagem de custo, se seu custo cumulativo da execução de todas as atividades de valor for mais baixo que o custo dos concorrentes. O valor estratégico da vantagem de custo está baseado em sua sustentabilidade. (PORTER, 1989, p. 89). Segundo Porter (1999), a empresa pode obter vantagem de custo melhorando seu fluxo de produção, seu lay-out, desenvolvendo novos fornecedores com matérias-primas de boa qualidade preços menores ou investindo em novas tecnologias que proporcionem aumento em sua produtividade ou redução do custo de seu processo. Porter (1999), afirma a empresa também pode obter vantagem de custo instalando-se próximo as fontes de matérias-primas para facilitar seu acesso a elas e

20 19 reduzir o custo de seu transporte, ou em regiões que proporcionaram redução de impostos ou custo de mão-de-obra. Segundo o autor, os fornecedores também podem instalar-se próximos a empresa, facilitando o atendimento as suas necessidades como fazem as montadoras atualmente. Diferenciação é o segundo pilar para a vantagem competitiva, ajudando na promoção de sua sustentabilidade. Para Porte (1989, p. 111), Uma empresa diferencia-se da concorrência, quando oferece alguma coisa singular valiosa para os compradores além de simplesmente oferecer um preço baixo. A diferenciação pode trazer resultados para a empresa como fidelizar o comprador em períodos sazonais, dificultar a entrada de novos concorrentes no mercado, reduzir a atuação dos atuais concorrentes, proporcionar redução de custo e até mesmo abrir novos mercados para a empresa ou aumentar sua participação no atual mercado. Porter (1989) afirma que tal como o custo, a diferenciação também não pode ser compreendida considerando a empresa como um todo, pois ela provém da execução de atividades específicas e processos específicos, e do modo como cada atividade ou processo afetam o comprador. Segundo Porter (1989), fontes de valor como matéria-prima, insumos e tecnologia pode ser uma fonte em potencial para diferenciação, pois afetam o comportamento do custo e conseqüentemente o mercado. Porter (1989), afirma que vantagem competitiva está baseada na concorrência de mercado, e uma estratégia competitiva busca uma posição favorável, ou seja, busca uma posição lucrativa e sustentável frente a concorrência.

21 20 A presença dos concorrentes certos pode produzir uma variedade de benefícios estratégicos que se enquadra em quatro categorias gerais: ampliar a vantagem competitiva, melhorar a atual estrutura industrial, ajudar no desenvolvimento do mercado e deter a entrada. (PORTER,1989, p. 188). Segundo Coutinho e Ferraz (1995), as organizações operam em uma esfera comercial mundial chamada de globalização e seu isolamento é praticamente impossível. Segundo Porter (1999), a competição no mercado é influenciada por cinco forcas, a ameaça de entrada de novos concorrentes, o poder de negociação dos fornecedores, o poder de negociação dos clientes, a ameaça de produtos substitutos e as manobras dos atuais concorrentes. Para Porter (1999, p. 27), Os clientes, os fornecedores, os entrantes em potencial e os produtos substitutos, todos são concorrentes mais ou menos ostensivos ou ativos, dependendo do setor. Segundo Porter (1999), o estrategista deve identificar os pontos fortes e fracos da organização com base nas forças de competição do mercado, e definir plano de ação que melhore o posicionamento da empresa no mesmo. Segundo Rasmussen (1990) a turbulência econômica atual traz ameaças e oportunidades para as organizações e cabe aos seus gestores usar o planejamento estratégico para obtenção dos melhores resultados dentro deste ambiente. Para Ohmae (1998), o planejamento só se faz necessário devido a concorrência, pois sua função é proporcionar a empresa vantagem competitiva promovendo sua estabilidade e crescimento no mercado. O planejamento estratégico é a ferramenta primordial que a alta gestão de empresas possui, no fim do século XX, para obter vantagens sobre os seus competidores e conseguir identificar oportunidades no seu macroambiente operacional. (RASMUSSEN, 1990, p. 33)

22 21 Coutinho e Ferraz (1995) afirmam que o nível de competitividade de uma organização além de sua capacidade tecnológica e organizacional, tem uma relação muito forte com o ambiente onde a mesma concorre. Segundo Coutinho e Ferraz (1995), as organizações devem estar preparadas para desenvolver suas estratégias competitivas sempre buscando a vantagem competitiva, e principalmente serem aptas a impor correções de rumo sempre que for necessário. Segundo Coutinho e Ferraz (1995), os fatores sistêmicos, estruturais e empresariais têm uma relação direta com o nível de competitividade de uma organização. [...] parece adequada a noção de competitividade sistêmica como modo de expressar que o desempenho empresarial depende e é também resultado de fatores situados fora do âmbito das empresas e da estrutura industrial da qual fazem parte, como a ordenação macroeconômica, as infra-estruturas, o sistema político-institucional e as características sócio-econômicas dos mercados nacionais. (COUTINHO e FERRAZ, 1995, p. 17). Segundo Montgomery e Porter (1998), as organizações devem utilizar suas competências adquiridas com o tempo e seus recursos na busca de vantagens competitivas. Coutinho e Ferraz (1995) afirmam que a capacitação das organizações é fundamental para a sustentabilidade das vantagens competitivas, e a empresa deve fazer uso de suas competências para fortalecer sua posição no mercado cada vez mais globalizado. Segundo Prahalad e Hamel (1998), a competitividade de uma organização está diretamente relacionada com sua capacidade de desenvolver internamente as competências necessárias para cada processo.

23 22 Porter (1989) afirma que as organizações devem desenvolver estratégias competitivas e traduzi-las para estratégias funcionais, ou seja, por meio das estratégias da organização devem ser desenvolvidas estratégias específicas para cada processo, visando a maximização dos resultados nos mesmos, tais como estratégia de marketing, produção, financeira e tecnológica. A empresa estabelece objetivos ou metas chamadas macroobjetivos, e sucessivamente os transforma em estratégias e objetivos operacionais, sempre observando o comportamento do macroambiente e pronta para alterar certas estratégias por planos de contingência. (RASMUSSEN, 1990, p. 31). Como destaca Ohmae (1998), a estratégia será boa quando possibilitar entender melhor as necessidades dos clientes e criar valor para eles. Segundo Porter (1989), uma empresa pode criar valor para os clientes quando ela reduz o custo para o comprador, ou quando eleva o desempenho do produto para o mesmo. Drucker (1981), afirma que uma empresa pode criar valor para o cliente quando oferta produtos ou serviços que satisfaçam suas necessidades ou seus desejos. Segundo o autor o fortalecimento de uma marca é um bom exemplo de como criar valor para o cliente. Rasmussen (1990) afirma que o planejamento estratégico permite que organização planeje o seu futuro ideal, como as suas contingências necessárias, sempre visando o fortalecimento de suas vantagens competitivas e consequentemente o seu resultado. Para o estabelecimento de uma boa estratégia competitiva, é primordial que os gestores conheçam, além do mercado em que está inserida, sua estrutura operacional.

24 23 Este conhecimento leva a identificação de seus pontos fortes e fracos, e consequentemente a ações que fortalecerão seus pontos fortes, e outras que deverão melhorar seus pontos fracos, sempre visando sua permanência no mercado. O princípio 80/20 pode contribuir com os gestores para obtenção destes conhecimentos. Dessa forma os gestores podem definir ações para o fortalecimento de sua estratégia ou mudar o rumo. Estratégia é a essência, a síntese de um processo de busca que determina a direção que a empresa vai tomar no caminho para o futuro. Emerge da inteligência de um estrategista ou o principal resultado de um sistema de planejamento estratégico. É a visão macro que define o que a organização vai ser e serve como guia para elaboração de todos os outros planos e ações. (PINA, 1994, p. 15). Objetivando um maior conhecimento sobre o assunto tratado até o momento, será apresentado no item a seguir o princípio 80/20, quem foi seu idealizador, como surgiu sua teoria e quais os conceitos envolvidos nessa teoria. 2.3 Pareto e o Princípio 80/20 O princípio 80/20 como é conhecido atualmente, foi criado pelo economista italiano Vilfredo Pareto, no final do século XIX, sendo utilizado como ferramenta administrativa somente em meados do século XX. Segundo Koch (2000), o economista se deparou com um padrão de desequilíbrio ao analisar a riqueza na Inglaterra no século XIX. Ele verificou que um grupo pequeno de pessoas detinha a maior parte da riqueza. Esse desequilíbrio, segundo autor, poderia ser verificado matematicamente.

25 24 Koch (2000) sinaliza para outra descoberta de Pareto, a repetição do padrão matemático de desequilíbrio, o qual poderia ser encontrado em outro tipo de análise de dados, eu qualquer época ou localidade. [...] Pareto era um grande inovador, porque antes dele ninguém havia examinado dois conjuntos de dados relacionados neste caso a distribuição de renda ou riqueza, comparada ao número de ganhadores de renda ou donos de propriedade e comparado às porcentagens entre os dois conjuntos. Hoje em dia este método é comum e tem levado o grande avanço nos negócios e na economia. (KOCH, 2000, p 18). Koch (2000), em sua pesquisa, verificou que após Pareto, o conceito de desequilíbrio não foi utilizado por grande período de tempo, sendo que o mesmo somente voltou a ter importância após a segunda grande guerra, por meio de dois pioneiros, o professor de filosofia em Harvard George K. Zipf e o guru da qualidade Joseph Moses Juran, que é considerado atualmente o responsável pela Revolução da Qualidade. Juran e Gryna (1992), afirmam que o princípio de Pareto deve ser utilizado para identificar as poucas causas da má qualidade que representam o maior custo para a organização. Segundo Koch (2000), o professor Zipf, elaborou a teoria do menor esforço em 1949, que era na verdade a teoria de Pareto vista de outro ângulo. [...] Zipf dizia que os recursos (pessoas, bens, tempo, habilidades ou qualquer outro fator produtivo) tendiam a se arranjar de forma a minimizar o trabalho, de forma que aproximadamente 20 30% de qualquer recurso respondessem por 70 80% da atividade relacionada àqueles recursos. (KOCH, 2000, p. 19). Segundo Koch (2000), Joseph Moses Juran utilizou a teoria de Pareto para estabelecer seus conceitos sobre qualidade juntamente com outros métodos

26 25 estatísticos, disseminando este conhecimento na indústria para análise e eliminação de defeitos em produtos. Koch (2000) identificou em seu trabalho que a empresa IBM foi uma das primeiras companhias a identificar e utilizar os conceitos elaborados por Pareto para melhorar o desempenho de seus produtos. [...] A IBM descobriu que cerca de 80% do tempo de um computador era gasto executando cerca de 20% do código operacional. A empresa imediatamente reescreveu seu software operacional para tornar os 20% mais usados muito acessíveis aos usuários, tornando, assim, os computadores IBM mais eficientes e rápidos que as máquinas dos concorrentes para a maior parte das aplicações. (KOCH, 2000, p. 20). Koch (2000), afirma que outras companhias do mesmo segmento da IBM, tais como a Apple, Lótus e Microsoft, também se utilizaram dos conceitos de Pareto para melhorarem seus produtos. Apesar de seu desenvolvimento ter ocorrido no final do século XIX, os conceitos criado por Pareto, são atualmente aplicáveis em qualquer segmento, sendo de forma geral, relativamente simples, porém com resultados muito bons dependendo da metodologia utilizada em sua aplicação. O item a seguir procura descrever de forma simples e clara, as formas de utilização dos conceitos tratados até aqui, buscando proporcionar um aprofundamento sobre o tema.

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO

MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO MBA EM GESTÃO COMERCIAL E INTELIGÊNCIA DE MERCADO O programa irá desenvolver no aluno competências sobre planejamento e força de Vendas, bem como habilidades para liderar, trabalhar em equipe, negociar

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

Teorias administrativas e o modelo de gestão empresarial: Um estudo de caso em uma empresa de engenharia

Teorias administrativas e o modelo de gestão empresarial: Um estudo de caso em uma empresa de engenharia Teorias administrativas e o modelo de gestão empresarial: Um estudo de caso em uma empresa de engenharia Ezequiel Alves Lobo 1 Roger Augusto Luna 2 Alexandre Ramos de Moura 3 RESUMO Analisar as teorias

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA

ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E CRIAÇÃO DE VALOR NA EMPRESA MODERNA Natália Igreja da Silva Ferreira 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira 4

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Automação de Processos de Governança de TI. As diversas Gerações da Gestão Organizacional. A Quarta Geração é a da Gestão de Processos

Automação de Processos de Governança de TI. As diversas Gerações da Gestão Organizacional. A Quarta Geração é a da Gestão de Processos Automação de Processos de Governança de TI Autor: Omar Mussi A Governança Corporativa vem sendo adotada pelas organizações para atender às necessidades de um mercado cada vez mais competitivo e para enfrentar

Leia mais

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica

Gestão de Pessoas: Retrospectiva Histórica Glaucia Falcone Fonseca O objetivo dessa aula é que você conheça as quatro grandes correntes existentes com relação ao tema gestão de pessoas. (Glaucia Falcone Fonseca) 1 Vimos na aula passada o que é

Leia mais

Informação estratégica

Informação estratégica IVENS CONSULT Informação estratégica Ivan Leão diretor da Ivens Consult Introdução A revolução em andamento é que a manufatura ou produção não é mais principal centro de lucro e sim a logística, os sistemas

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações.

Teorias da Administração Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações. Introdução à Teoria Geral da Administração Organização É uma combinação intencional de recursos para atingir um determinado objetivo. O que são teorias? São explicações, interpretações ou proposições sobre

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado:

ADMINISTRAÇÃO. Questão nº 1. Padrão de Resposta Esperado: Questão nº 1 Produto Para fazer frente ao problema de prazo de entrega do produto, a Megabooks poderia compensá-lo com uma agregação de valor ao produto. Poderia, por exemplo, utilizar uma sobrecapa personalizada

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão I

Sistema Integrado de Gestão I Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Integrado de Gestão I Aula - 2 A evolução da sociedade da era agrícola à era do conhecimento Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Objetivos Conhecer

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO NOS EMPREENDIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO Dennis Pessoa da Silva 1 RESUMO Ferramentas administrativas são técnicas utilizadas na gestão de empresas para solucionar problemas. Elas controlam

Leia mais

CONCURSO DA UFF - 2015 RESPOSTAS AOS RECURSOS CARGO: ADMINISTRADOR DISCIPLINA: ESPECÍFICA DE ADMINISTRADOR. Gabarito Original.

CONCURSO DA UFF - 2015 RESPOSTAS AOS RECURSOS CARGO: ADMINISTRADOR DISCIPLINA: ESPECÍFICA DE ADMINISTRADOR. Gabarito Original. CONCURSO DA UFF - 2015 RESPOSTAS AOS RECURSOS CARGO: ADMINISTRADOR DISCIPLINA: ESPECÍFICA DE ADMINISTRADOR Questão Gabarito Original Justificativa 22 C SEIS SIGMA é a resposta correta, conforme a do gabarito.

Leia mais

A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol.

A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol. ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO A abordagem clássica se divide em: Administração Científica com o americano Frederick Winslow Taylor Teoria Clássica com o europeu Henry Fayol. Partiram de pontos distintos

Leia mais

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam.

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. Evolução da Teoria Administrativa Escolas de Concepção Administrativa. Abordagem Clássica da Administração. Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. 1 - Visão Americana: Liderada

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas

Fundamentos de comércio internacional para pequenas e médias empresas Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco 1ª edição 2009 Fundamentos de comércio para pequenas e médias empresas Bruno Roque Cignacco Contador formado pela Faculdade

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO

A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO http://www.administradores.com.br/artigos/ A Revolução Industrial, as descobertas e as contribuições de Taylor, Ford e Fayol para a evolução da APO DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS),

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo

PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo PLANO DE NEGÓCIOS Faça você mesmo INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO

PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO PLANO DE NEGÓCIOS INTRODUÇÃO É um instrumento que visa estruturar as principais concepções e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, proporcionando uma avaliação antes

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração:

Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração. Abordagem Clássica da Administração: TGA Abordagem Clássica da Administração Profa. Andréia Antunes da Luz andreia-luz@hotmail.com No despontar do XX, 2 engenheiros desenvolveram os primeiros trabalhos pioneiros a respeito da Administração.

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

INTRODUÇÃO A ECONOMIA AULA 01 : CONCEITOS BÁSICOS TÓPICO 01: FUNDAMENTOS DE ECONOMIA MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados em nossas aulas, como vídeos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Artigos de PN Como fazer Produtos e Serviços

Artigos de PN Como fazer Produtos e Serviços Artigos de PN Como fazer Produtos e Serviços Para fazer uma descrição adequada dos preços e serviços em seu plano de negócio, diga quais são os serviços da sua empresa, porque ela é capaz de fornecê-los,

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROFª DANIELLE VALENTE DUARTE MODELO PARA FORMULAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Análise do ambiente externo Macroambiente Ambiente setorial feedback Ambiente Interno (forças e

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico

Conceito e Processo do Planejamento Estratégico ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 1) Conceito e Processo do Planejamento Estratégico Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Origem da Estratégia: Originalmente

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais