LABORATÓRIOS MINI LABS OFICINAS MINI OFICINAS OVERNIGHTS CURSOS LIVRES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LABORATÓRIOS MINI LABS OFICINAS MINI OFICINAS OVERNIGHTS CURSOS LIVRES"

Transcrição

1 SECUNDÁRIO LABORATÓRIOS MINI LABS OFICINAS MINI OFICINAS OVERNIGHTS CURSOS LIVRES EXPOSIÇÃO PERMANENTE EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA PROJETOS PEDAGÓGICOS CAMPO CINÉTICO VIAGENS CIENTÍFICAS Visionarium Centro de Ciência do Europarque Santa Maria da Feira Tel /9 Fax

2 LABORATÓRIOS [2H00 5 /Aluno] Atividade Enzimática As enzimas são biocatalizadores que intervêm em diversos fenómenos bioquímicos. Nesta sessão os participantes testam a especificidade enzimática utilizando lactase para a hidrólise da lactose, como forma de produção de leite sem este açúcar. São também feitos ensaios bioquímicos a fatores condicionantes da atividade de biocatalizadores, verificando a sua influência na velocidade das reações em que participam. Ensaios de especificidade enzimática Testes a fatores condicionantes da atividade enzimática Biocatalizadores Atividade enzimática Vitamina C Identificação e Doseamento Micropropagação de Plantas A vitamina C é uma biomolécula que desempenha importantes funções biológicas e que é necessária em pequenas quantidades, sendo particularmente sensível ao ar. Nesta sessão, os alunos fazem a identificação do ácido ascórbico em sumos naturais e refrigerantes. O doseamento da vitamina C é feito recorrendo à técnica de espectrofotometria. Identificação de ácido ascórbico Doseamento de ácido ascórbico por espectrofotometria Vitamina C funções biológicas Identificação e doseamento de compostos Desde sempre o Homem teve a necessidade de reproduzir plantas para uso agrícola e ornamental. Atualmente é possível, usando técnicas de biotecnologia, clonar diversas espécies, garantindo a manutenção de características desejáveis. Os participantes neste laboratório utilizam fragmentos vegetais, em condições adequadas de cultura, para clonar espécies vegetais destinadas a diferentes utilizações humanas. Preparação de meios de cultura Micropropagação vegetativa de plantas Clone Respiração e Fermentação Micropropagação vegetal A respiração e a fermentação são processos bioquímicos de mobilização energética a nível celular. Neste laboratório é utilizado como modelo biológico a Saccharomyces cerevisiae, fungo unicelular muito estudado pela biologia e de grande importância para Homem, nomeadamente a nível de diversas aplicações biotecnológicas. Os participantes realizam ensaios de respiração aeróbia e de fermentação alcoólica, de modo a compreender estes processos bioquímicos. Ensaios de respiração aeróbia Ensaios de fermentação alcoólica Leveduras Respiração e fermentação 1

3 Animação 2D/3D Certamente já todos conhecem o célebre jogo de computador "Os Sims". Estão portanto habituados a ver e comandar personagens em mundos virtuais. Nesta sessão o desafio é criar um mundo em que a definição do comportamento e a interação entre todos os objetos é determinado pelos participantes. Realização de animações com recurso a programas 2D e 3D Animação 2D, 3D Ciências Forenses Sessão experimental na qual se aplicam diferentes técnicas de criminalística, designadamente de biologia e química forenses. Da atividade fazem parte técnicas de revelação e recolha de impressões digitais, identificação de vestígios químicos e biológicos e reconhecimento da origem humana de vestígios. Revelação e recolha de impressões digitais Identificação de vestígios Ciências Forenses, vestígios em criminalística DNA Aplicações Forenses Nesta sessão propõe-se um estudo prático da molécula DNA, onde se utilizam algumas técnicas de genética molecular, utilizadas em biologia forense, que incluem a extração e purificação de DNA humano, amplificação por PCR e eletroforese de DNA. Extração e purificação de DNA Humano Amplificação de DNA PCR Eletroforese de DNA Aplicações Forenses do DNA, PCR e Eletroforese Fotossíntese Multimédia A fotossíntese é um processo bioquímico de produção de biomoléculas energéticas, essencial para a vida na Terra. Nesta sessão são utilizadas microalgas como modelo biológico para o estudo dos fatores condicionantes da taxa fotossintética, nomeadamente, a intensidade da luz incidente e a concentração de microalgas encapsuladas. Observação microscópica de microalgas Produção de esferas de microalgas Ensaios para testar os fatores que influenciam a atividade fotossintética Fatores que influenciam a atividade fotossintética Microscopia, ph e Indicador de ph Texto, imagem, vídeo e som são elementos fundamentais na publicidade, na televisão e na internet. Nesta sessão experimental propomos uma viagem aos conceitos relacionados com a fotografia, imagem digital, vídeo e às diferentes formas de apresentação de conteúdos na internet. Da atividade faz ainda parte a criação de um blogue como suporte à apresentação de conteúdos. Edição de um blogue e inserir diferentes tipos de conteúdos multimédia: Hipertexto; Imagem; Vídeo Editar imagens e vídeos Aplicar técnicas de edição de imagens e vídeos em diferentes contextos Internet, Imagem, Vídeo Transformação de Bactérias A engenharia genética tem-se afirmado nos últimos anos como método extremamente importante, nomeadamente, a nível da produção de medicamentos, livres de risco biológico de rejeição para o Homem. Neste laboratório os participantes, através da utilização de plasmídeos, como vetores, resultantes da técnica de DNA recombinante com um gene animal (GFP), transformam bactérias. Como resultado desta transformação é possível observar a expressão génica da bioluminescência usando luz ultravioleta. Transformação de bactérias com utilização de plasmídeos Transformação de bactérias DNA recombinante 2

4 MINI LABS [1H00 3,5 /Aluno] Pilha Eletroquímica Atualmente vive-se uma crise energética, existindo uma grande dependência dos combustíveis fósseis, forçando a comunidade científica ao desenvolvimento de formas alternativas de produção de energia. Nesta sessão, os alunos montam e colocam em funcionamento uma pilha eletroquímica com o objetivo de compreender os fenómenos químicos de oxidação-redução que levam a produção de energia. O dador primário de eletrões desta pilha eletroquímica é um microrganismo vivo - Saccharomyces cerevisiae. Produção de energia elétrica em pilhas de combustível de origem biológica Eletroquímica Pilhas de combustível de origem biológica Operações Unitárias Na natureza raramente encontramos substâncias puras, sendo necessário utilizar métodos de separação para as obter. Nesta sessão os participantes realizam um conjunto de operações unitárias com vista à separação dos componentes de uma mistura, obtendo as substâncias que dela fazem parte. Técnicas de separação de componentes de misturas. Misturas homogéneas e heterogéneas Processos de separação. Nanotecnologia A investigação em áreas como a nanociência e nanotecnologia tem-se revelado fundamental em campos tão variados como a medicina, produção de energia e na própria indústria. Nesta sessão são sintetizadas nanopartículas de ferro e explorada a importância da nanotecnologia na produção de tecidos hidrofóbicos e sprays anti-névoa. Síntese de nanopartículas Nanoescala Propriedades físicas e químicas de nanomateriais Gastronomia Molecular O principal objetivo deste laboratório é o contacto com práticas inovadoras na área da gastronomia molecular. Os participantes utilizam novos ingredientes que permitem a obter preparações culinárias com novas texturas, diferentes formas e comportamentos distintos, como por exemplo, caviar de fruta, ou lágrimas de isomalte. Confeção de alimentos recorrendo a técnicas de Gastronomia Molecular Bioquímica alimentar Gastronomia Molecular: origem, fundamentos e técnicas básicas Polímeros Os polímeros são uma área emergente da química no mundo atual e estão presentes no nosso dia-a-dia, nas mais diversas aplicações. Nesta atividade os participantes sintetizam um polímero e realizam diferentes testes físico-químicos para a identificação de polímeros. Síntese de polímeros Estudo das propriedades físico-químicas dos polímeros Polímeros Reações de polimerização 3

5 OFICINAS [2H00 4,5 /Aluno] Máquina Fotográfica Os participantes nesta oficina começam por construir uma câmara fotográfica a partir de uma caixa de cartão. De seguida fazem a captação e registo de imagens utilizando um negativo para posteriormente procederem à revelação de modo a obter a fotografia. Construção de uma câmara escura portátil Recolha e revelação de imagens Propagação da luz, revelação/positivação, história da fotografia MINI OFICINAS [1H00 3 /Aluno] Matemática Desconcertante Um Mundo Codificado Nesta atividade os alunos compreendem truques, curiosidades e conceitos matemáticos com o recurso à experimentação e ao cálculo. Os participantes são confrontados com casos misteriosos, que num primeiro olhar são mágicos, mas que na realidade são explicados por conceitos matemáticos. Pretende-se motivar os participantes a conjeturar hipóteses para explicar estes fenómenos. Adivinhar o número que outra pessoa está a pensar Analisar as variações da fita Mobius a partir de diferentes cortes Cálculo Mental, Unilateralidade e Progressão aritmética A criptografia é a ciência ou arte de escrever em cifra ou em códigos, de modo a que só o destinatário a decifre. O desafio é desvendar e criar mensagens secretas, utilizando conceitos de criptografia. Pretende-se revelar técnicas utilizadas na produção de mensagens codificadas, nomeadamente em condições de guerra. Produção de mensagens codificadas e descodificação de mensagens encriptadas Criptografia, mensagens codificadas e técnicas de codificação 4

6 OVERNIGHTS [1 NOITE - 25 /Aluno] FVI Investigação Criminal I A equipa de Investigadores Forense do Visionarium FVI está encarregue de descortinar um homicídio. Feita a análise do local do crime e recolhidas as provas, tem início a atividade laboratorial que conduzirá à identificação de um criminoso entre um grupo de suspeitos: análise de DNA, pesquisa de sangue oculto, impressões digitais, análise de balística, identificação de pólvora e reconstituição criminalística. Deteção de sangue oculto com recursos a luminescência Recolha e revelação de impressões digitais em superfícies porosas Análises forenses de DNA (técnicas de biologia molecular com PCR e eletroforese) Investigação criminal, dactiloscopia, balística forense FVI Investigação Criminal II Um outro crime acontece no Visionarium! Um novo enredo, um novo cenário, outra vítima e nova lista de suspeitos fazem deste crime horrendo um intrigante mistério policial a descortinar pela equipa de peritos forenses. O relatório de autópsia revela factos extremamente estranhos e desconcertantes que induzem à realização das seguintes perícias: identificação de sémen, deteção de cianeto por espectrofotometria, deteção de impressões digitais, análise balística e análise de pelos. Identificação de sémen oculto com recursos a Luz UV e microscopia ótica Deteção de cianeto com recursos a espectrofotometria Recolha e revelação de impressões digitais em superfícies porosas Identificação microscópica de pelos Balística de identificação Investigação criminal, Dactiloscopia, Balística forense, Biologia forense e Toxicologia forense 5

7 CURSOS LIVRES [7H00 25 /Aluno] GASTRONOMIA MOLECULAR Gelificantes Os agentes gelificantes são compostos que conferem aos líquidos a textura de um gel, modificando a sua viscosidade. O mais conhecido e geralmente utilizado nas nossas cozinhas é a gelatina. Existem, contudo, substitutos de origem vegetal que permitem a elaboração de gelatinas com diferentes consistências e texturas, são exemplos disso, o agar-agar, a metilcelulose e o alginato de sódio. Gelificação a quente e a frio e Esferificação Emulsões e Azoto Líquido Técnicas de gelificação a quente e a frio e esferificação de líquidos. Mixologia NCEITOS Quando tentamos misturar água e gordura obtemos uma mistura com um aspeto pouco apelativo, que com o tempo acaba por se separar. Existem todavia os chamados emulsionantes. Quem já tentou fazer maionese em casa? Esta emulsão só é possível devido à lecitina presente nos ovos. Nesta atividade iremos misturar ingredientes que por si só não se juntariam e confecionar um gelado em apenas 5 minutos. Elaboração de espumas e Gelado instantâneo Emulsões (emulsões água/ óleo e água/ar); propriedades e aplicação do azoto líquido. O hábito de saborear um cocktail tem vindo a crescer entre os apreciadores de bebidas. A combinação de diferentes sabores, aromas, texturas e efeitos é possível quando se conhecem as propriedades das substâncias que misturamos. Nesta atividade alteramos o estado molecular de alguns dos ingredientes (teoria da desconstrução) para promover uma experiência sensorial única. Coloridos cocktails e Bebidas sólidas Estratificação de bebidas através da manipulação de densidade e viscosidade e desconstrução de alimentos. CIÊNCIAS FORENSES Pegadas e Impressões Digitais A lofoscopia dedica-se ao estudo das impressões, nomeadamente das impressões deixadas pelas cristas dermopapilares das extremidades dos dedos impressões digitais. Para a recolha das impressões digitais serão usadas diferentes técnicas e reagentes, em função do tipo e superfície em que as impressões digitais são encontradas. Neste curso é explorada a importância identificadora destas marcas, como exemplo de uma das técnicas mais utilizadas em investigação criminal. Outro tipo de impressões que podem ter utilização forense são as marcas deixadas pelas solas do calçado pegadas. Revelação de impressões digitais latentes Revelação de impressões digitais em superfícies porosas Marcação de pontos característicos Recolha e comparação de pegadas Lofoscopia e Dactiloscopia 6

8 Balística Forense A balística forense analisa as armas de fogo e as suas munições, assim como, as questões relacionadas com o movimento dos projéteis dentro das armas e em voo, além dos efeitos provocados no Homem (balística terminal). Esta área forense tem uma enorme relevância na investigação criminal, tanto ao nível da identificação das armas como na deteção de eventuais vestígios de disparo e na interpretação dos ferimentos provocados pelos projéteis. Identificação de vestígios de disparo de arma de fogo Análise de trajetórias de projéteis Análise de marcas identificadoras em componentes de munição Balística Armas e munições Marcas identificadoras em munições Vestígios Biológicos e DNA A biologia e a genética forense são áreas auxiliares fundamentais da investigação criminal. Na análise do local de crime, a identificação de diferentes tipos de vestígios biológicos humanos, como sangue, esperma, saliva ou urina, é de extrema importância para a interpretação dos factos. A análise forense de DNA é uma das principais técnicas de identificação da origem biológica das amostras, constituindo por isso, uma verdadeira arma quer em situações criminais quer na determinação biológica da filiação. Deteção de sangue oculto e visível Deteção de esperma Extração, purificação, PCR e eletroforese de DNA Vestígios biológicos Tipagem de DNA Padrões de Dispersão de Sangue Esta área da investigação forense dedica-se à análise e interpretação das manchas de sangue, nomeadamente em situações de crime. O recurso a estas técnicas permite determinar a altura da queda do sangue, velocidade, ângulos de impacto e mesmo, o local de onde teve origem o sangue. Testes sobre a relação entre a altura e a forma das manchas de sangue Testes sobre a forma das manchas de sangue em diferentes tipos de superfície Produção de diferentes tipos de padrões de dispersão Determinação do ângulo de impacto do sangue e sua interpretação Stringing Sangue Bloodstain patern analisys 7

9 EXPOSIÇÃO PERMANENTE [2H00-3 /Aluno] Exposição Permanente Visita de enquadramento e explicação geral, acompanhada por um monitor, às cinco salas de Exposição Permanente: Odisseia da Terra Odisseia da Matéria Odisseia da Vida Odisseia do Universo Odisseia Virtual EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA [1H00-2 /Aluno] Animais Exóticos Da mostra fazem parte mais de 50 espécies de animais exóticos pertencentes a diferentes grupos taxonómicos. Em representação dos répteis temos lagartos e serpentes. Na classe dos aracnídeos destacam-se tarântulas e escorpiões e a marcar especial presença encontram-se curiosas espécies de anfíbios e mamíferos exóticos. 8

10 PROJETOS PEDAGÓGICOS Dapnhia Poluentes Domésticos [15 /kit -1 turma] O bioensaio com Daphnia magna é uma excelente ferramenta de avaliação ambiental para investigar a influência de um agente tóxico contido num efluente sobre um organismo vivo a curto prazo. Este projeto pretende colocar os alunos no papel de investigadores cuja missão é avaliar a influência de diferentes concentrações de detergentes domésticos na sobrevivência de D. magna, através da realização de bioensaios de toxicidade aguda. OBJETIVOS Permitir, através de atividades práticas, a aprendizagem dos conceitos básicos de ecologia e ambiente. Estimular a implementação de projetos de carácter científico nas escolas. Drosophila - hereditariedade [20 /kit -1 turma] Este projeto permite dotar as escolas de coleções de mutantes de Drosophila melanogaster, organismos que serão utilizados para demonstrar a transmissão hereditária de caracteres autossómicos, através de cruzamentos mendelianos, bem como de caracteres ligados ao sexo reproduzindo cruzamentos de Morgan. OBJETIVOS Permitir, através de atividades práticas, a aprendizagem dos conceitos básicos de genética e hereditariedade. Estimular a implementação de projetos de carácter científico nas escolas. Pilha de Energia Microbiológica [42 /kit -1Pilha 62 /kit -2Pilhas] Este projeto visa a construção de uma pilha eletroquímica que permitirá a produção de energia elétrica, recorrendo a um microrganismo vivo - Saccharomyces cerevisiae. Com a exploração deste dispositivo os utilizadores contactam, não só com os fenómenos químicos de oxidação-redução que permitem a produção de energia, como também com os aspetos físicos ligados aos circuitos em série e paralelo, intensidade de corrente e diferença de potencial. Este projeto multidisciplinar permite também o contacto com a microbiologia, nomeadamente no que diz respeito às técnicas de assepsia e à cultura de microrganismos. OBJETIVOS Permitir, através de atividades práticas, a aprendizagem dos conceitos básicos de eletroquímica e microbiologia. Estimular a implementação de projetos de carácter científico nas escolas. 9

11 CAMPO CINÉTICO [A partir de 4 /Aluno] Parque de Ciência e Aventura Este novo espaço associa o Desporto à Ciência, já que a prática desportiva é sempre complementada com a explanação dos principios científicos subjacentes ao manuseamento dos equipamentos e à própria atividade física. Da oferta fazem parte: canoagem, escalada, rapel, slide, orientação, BTT, tiro, caça ao tesouro, paintball, insufláveis,entre outras atividades. VIAGENS CIENTÍFICAS Saídas de Campo ITINERÁRIOS Belmonte e Sortelha Buracas do Casmilo Cabo Mondego Fisgas do Ermelo Lagos de Bertiandros e S. Pedro de Arcos Lindoso Mira e Quiaios Paúl de Arzila e Mata do Vale das Canas P.N. Litoral Norte Praia da Aguda e Miramar Praia de Lavadores Serra da Estrela Serra da Freita Serra da Lousã Penacova Buçaco [1/2 dia 4,5 /Aluno 1 dia 7 /Aluno] Expedições Científicas Campo ITINERÁRIOS P.N Douro Internacional P.N. Peneda-Gerês P.N. Serra da Estrela Parques da Europa Parque Doñana Espanha ITINERÁRIOS Parque Picos da Europa Espanha S. Miguel Açores [Preço sob consulta] [Preço sob consulta] 10

ANO LECTIVO 2011-12 WORKSHOPS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES

ANO LECTIVO 2011-12 WORKSHOPS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES ANO LECTIVO 2011-12 WORKSHOPS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES 1 3º CICLO a quente e a frio Técnicas de gelificação a quente e a frio e esferificação de líquidos.

Leia mais

LABORATÓRIOS MINI LABS OFICINAS MINI OFICINAS OVERNIGHTS CURSOS LIVRES

LABORATÓRIOS MINI LABS OFICINAS MINI OFICINAS OVERNIGHTS CURSOS LIVRES 3º CICLO LABORATÓRIOS MINI LABS OFICINAS MINI OFICINAS OVERNIGHTS CURSOS LIVRES EXPOSIÇÃO PERMANENTE EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA PROJETOS PEDAGÓGICOS CAMPO CINÉTICO VIAGENS CIENTÍFICAS Visionarium Centro de Ciência

Leia mais

PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO

PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO [2H00-5 /Aluno] Meteorologistas de Palmo e Meio Tal como verdadeiros meteorologistas, os participantes simulam alguns dos mais comuns e destrutivos fenómenos climatéricos. Constroem

Leia mais

MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO

MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO Visionarium Centro de Ciência do Europarque 4520 153 Santa Maria da Feira Tel. 256 370 605/9 Fax. 256 370 608 E-mail. Info.visionarium@aeportugal.com

Leia mais

LABORATÓRIOS MINI LABS OFICINAS MINI OFICINAS OVERNIGHTS

LABORATÓRIOS MINI LABS OFICINAS MINI OFICINAS OVERNIGHTS 2º CICLO LABORATÓRIOS MINI LABS OFICINAS MINI OFICINAS OVERNIGHTS EXPOSIÇÃO PERMANENTE EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA CAMPO CINÉTICO VIAGENS CIENTÍFICAS Visionarium Centro de Ciência do Europarque 4520 153 Santa

Leia mais

PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2010/2011 MINILABS

PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2010/2011 MINILABS PROGRAMA DE 2010/2011 MINILABS 3º CICLO Biotecnologia do Iogurte [2 /aluno] Sessão em que os participantes observam microscopicamente as bactérias utilizadas no fabrico do iogurte e executam culturas selectivas

Leia mais

ANO LECTIVO 2011-12 LABORATÓRIOS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES

ANO LECTIVO 2011-12 LABORATÓRIOS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES ANO LECTIVO 2011-12 PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES 1 PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO Chefs no Laboratorium Muitos dos alimentos que fazem as delícias dos mais pequenos resultam

Leia mais

PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2010/2011 LABORATÓRIOS

PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2010/2011 LABORATÓRIOS PROGRAMA DE 2010/2011 LABORATÓRIOS PRÉ-ESCOLAR, 1º E 2º CICLOS À Descoberta do Criminoso [3 /aluno] Um divertido enigma é ponto de partida para uma empolgante aventura pelo mundo da investigação policial.

Leia mais

Resumo das atividades para o Nível I pré-escolar, 1º e 2º anos

Resumo das atividades para o Nível I pré-escolar, 1º e 2º anos Resumo das atividades para o Nível I pré-escolar, 1º e 2º anos Papel Como atividade propõe-se a realização de um processo artesanal de reciclagem de papel. Associada a esta temática pretende-se transmitir

Leia mais

Simulação de um tornado Construção de um termómetro e medição da temperatura ambiente Construção de um barómetro e medição da pressão atmosférica

Simulação de um tornado Construção de um termómetro e medição da temperatura ambiente Construção de um barómetro e medição da pressão atmosférica LABORATÓRIOS [2H00-5 /Aluno] Meteorologistas de Palmo e Meio Tal como verdadeiros meteorologistas, os participantes simulam alguns dos mais comuns e destrutivos fenómenos climatéricos. Constroem instrumentos

Leia mais

Simulação de um tornado Construção de um termómetro e medição da temperatura ambiente Construção de um barómetro e medição da pressão atmosférica

Simulação de um tornado Construção de um termómetro e medição da temperatura ambiente Construção de um barómetro e medição da pressão atmosférica LABORATÓRIOS [2H00-5 /Aluno] Meteorologistas de Palmo e Meio Tal como verdadeiros meteorologistas, os participantes simulam alguns dos mais comuns e destrutivos fenómenos climatéricos. Constroem instrumentos

Leia mais

CRIANÇAS QUÍMICOS SABICHÕES À DESCOBERTA DA FLORA. Actividades de Verão. 11:00 13:00 (excepto aos fins de semana) 16:30 18:00

CRIANÇAS QUÍMICOS SABICHÕES À DESCOBERTA DA FLORA. Actividades de Verão. 11:00 13:00 (excepto aos fins de semana) 16:30 18:00 CRIANÇAS Actividades de Verão 11:00 13:00 (excepto aos fins de semana) 16:30 18:00 QUÍMICOS SABICHÕES Durante esta actividade os participantes contactam com experiências que lhes permitirão compreender

Leia mais

LOCALÍSTICA FORENSE. Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011

LOCALÍSTICA FORENSE. Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011 LOCALÍSTICA FORENSE Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011 PERÍCIA CRIMINAL INVESTIGAÇÃO DO CRIME Chegada do perito investigador ao local do crime e certificação da preservação; Reconhecimento inicial da

Leia mais

Testes a fatores condicionantes da atividade enzimática

Testes a fatores condicionantes da atividade enzimática LABORATÓRIOS [2H00-5 /Aluno] Atividade Enzimática As enzimas são biocatalizadores que intervêm em diversos fenómenos bioquímicos. Nesta sessão os participantes testam a especificidade enzimática utilizando

Leia mais

Aprender Ciências a Brincar

Aprender Ciências a Brincar Aprender Ciências a Brincar Os conhecimentos serão transmitidos recorrendo à exploração do meio e através de experiências simples, com materiais de uso corrente. A realização de experiências permitirá

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS

Leia mais

Projeto Genoma e Proteoma

Projeto Genoma e Proteoma Projeto Genoma e Proteoma Grupo 3: *Artur S. Nascimento *Bárbara S. Costa *Beatrice Barbosa *Tamyres S. E. Guimarães *Yara Cavalcante O que é genoma? O genoma é o conjunto de todo o material genético que

Leia mais

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BIOLOGIA NO ENEM: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO O ENEM, Exame Nacional do Ensino Médio, em sua versão 2012, apresentará uma redação e 180 questões objetivas, divididas nas quatro áreas do conhecimento: - Ciências

Leia mais

Identificar os reagentes, produtos e processos básicos da fotossíntese e da respiração celular.

Identificar os reagentes, produtos e processos básicos da fotossíntese e da respiração celular. 1 D1 (B) Identificar os reagentes, produtos e processos básicos da fotossíntese e da respiração celular. D2 (b) Explicar a inter-relação entre fotossíntese e respiração celular nas células dos organismos

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA

II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA FINAL 14 de Maio de 2007 Nas folhas de respostas preencha o cabeçalho com os seus dados e os da escola que representa. A prova tem a duração de 30 minutos. Cada resposta

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA. A visita virtual ao ExpoLab, está disponível em: http://expolab.centrosciencia.azores.gov.pt/visita-virtual

NOTA INTRODUTÓRIA. A visita virtual ao ExpoLab, está disponível em: http://expolab.centrosciencia.azores.gov.pt/visita-virtual OFERTA EDUCATIVA Ano letivo 2015/2016 NOTA INTRODUTÓRIA O ExpoLab é um centro de ciência viva, na Lagoa, cuja missão é a promoção da cultura científica e tecnológica, através da divulgação de conceitos

Leia mais

- Alunos do Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico do

- Alunos do Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico do Entidade Promotora: Público - Alvo: - Alunos do Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico do Externato Paraíso dos Pequeninos. Objectivos: - Divulgar e promover a cultura científica; - Estimular a implementação

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES MANUAL DE ATIVIDADES 2015

MANUAL DE ATIVIDADES MANUAL DE ATIVIDADES 2015 1 1 MANUAL DE ATIVIDADES 2015 ÍNDICE Atividades para o público em geral Visita à Exposição Cafetaria Termal Ateliê Pequenos Cientistas Ateliê de Pintura Safari Microbiano Passeio de Degustação das Águas

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

ANO LECTIVO 2011-12 OFICINAS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES

ANO LECTIVO 2011-12 OFICINAS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES ANO LECTIVO 2011-12 PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES 1 PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO Imagem Animada Nesta oficina os alunos desvendam os mistérios inerentes à ilusão óptica

Leia mais

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso?

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? Aluno: nº Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? OBJETIVOS Compreender a importância prática da Engenharia Genética na identificação das pessoas. Conhecer os princípios básicos da manipulação

Leia mais

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo)

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo) Questão Tema(s) predominante(s) Itens do Edital 51 Diferenças entre as metodologias de RFLP e PCR 5.4.2 Regiões repetitivas e polimorfismos. 6.2 Técnica de PCR. 6.3 Técnicas de identificação usando o DNA.

Leia mais

ANO LECTIVO 2011-12 MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES

ANO LECTIVO 2011-12 MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES ANO LECTIVO 2011-12 PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES 1 PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO Planeta Verde À Volta do Caracol O planeta Terra está seriamente ameaçado pela actividade

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

Termos Técnicos Ácidos Classe de substâncias que têm ph igual ou maior que 1 e menor que 7. Exemplo: sumo do limão. Átomos Todos os materiais são formados por pequenas partículas. Estas partículas chamam-se

Leia mais

Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos?

Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos? Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos? As investigações criminais têm um aliado poderoso na descoberta dos criminosos e na resolução dos crimes, a QUÍMICA. Na cena do crime, um perito

Leia mais

Escola Secundária de Forte da Casa

Escola Secundária de Forte da Casa Escola Secundária de Forte da Casa Informação - Prova de Equivalência à Frequência / 2012 2013 (Decreto Lei nº 139/2012, de 5 de Julho e Portaria nº 243/2012, de 10 de agosto) 12ºAno Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

Rede de Centros de Educação Ambiental CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO NÚCLEO RURAL -

Rede de Centros de Educação Ambiental CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO NÚCLEO RURAL - CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO NÚCLEO RURAL - PARQUE DA CIDADE Apresentação do Centro Integrando território das freguesias de Aldoar e Nevogilde, o Parque da Cidade é o maior parque urbano do país, inserido

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

Sala 14 Ciências Humanas e da Natureza EM Integral. Escola Estadual Alexandre Von Humboldt

Sala 14 Ciências Humanas e da Natureza EM Integral. Escola Estadual Alexandre Von Humboldt O USO DAS CIÊNCIAS FORENSES COMO FERRAMENTA NA CONTEXTUALIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DE QUÍMICA E MATEMÁTICA Sala 14 Ciências Humanas e da Natureza EM Integral Escola Estadual Alexandre Von Humboldt Professoras

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

Cientistas e Médicos por um dia

Cientistas e Médicos por um dia Para festejar a Semana da Ciência e Tecnologia, a Escola de Ciências da Saúde/Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde da Universidade do Minho abre os seus laboratórios aos alunos do ensino

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES 1

MANUAL DE ATIVIDADES 1 1 ÍNDICE Atividades para o público em geral Visita à Exposição Cafetaria Termal Laboratório com Vida Ateliê de Pintura Safari Microbiano Passeio de Degustação das Águas Mineromedicinais de Furnas 2 Atividades

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

1 DEFERIDO 1 INDEFERIDO São Luís, 29 de fevereiro de 2008

1 DEFERIDO 1 INDEFERIDO São Luís, 29 de fevereiro de 2008 Edital nº 001/2007, de 21/12/2007. CARGO: PROFESSOR ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIES FINAIS CIÊNCIAS QUESTÃO: 31 O conteúdo referente a esta questão não consta no conteúdo programático do edital. Que seria referente

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007 DE 29 DE OUTUBRO BIOLOGIA 12º ANO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007 DE 29 DE OUTUBRO BIOLOGIA 12º ANO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007 DE 29 DE OUTUBRO Duração da Prova 90 minutos + 30 minutos de tolerância BIOLOGIA 12º ANO (Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio da Água, o ar, as rochas e o solo - materiais terrestres, o aluno deve ser capaz de: Compreender a Terra como um planeta especial

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 95/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar o conhecimento das diversas disciplinas para o entendimento

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE ESTUDO DO MEIO setembro/outubro

PLANIFICAÇÃO DE ESTUDO DO MEIO setembro/outubro PLANIFICAÇÃO DE ESTUDO DO MEIO setembro/outubro À DESCOBERTA DE SI MESMO: O meu passado mais longínquo Reconhecer datas e factos importantes da sua vida Localizar datas e factos importantes numa linha

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO ESCOLA BÁSICA2,3 EUGÉNIO DOS SANTOS 2013 2014 página 1 ESCOLA BÁSICA DO 2.º E 3.º CICLOS EUGÉNIO DOS SANTOS PLANIFICAÇÃO E METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 8.º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

Início 15.09.11 03.01.12 10.04.12 Final 16.12.11 23.03.12 08.06.12 Interrupções - 20 22 Fev 2012 -

Início 15.09.11 03.01.12 10.04.12 Final 16.12.11 23.03.12 08.06.12 Interrupções - 20 22 Fev 2012 - TOTAL Outras Atividades Tema B: Terra em Transformação Tema A: Terra no Espaço Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANIFICAÇÃO 7º Ano de Ciências Físico-Químicas Ano Letivo 2011 / 2012

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Matéria

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015 Prova de Biologia Prova 302 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário, a realizar em 2015 pelos alunos que se encontram

Leia mais

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo -

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Estudo do Meio 1º Ano 1º Período 2º Período 3º Período À descoberta de si mesmo - A sua identificação Conhecer a sua identificação Conhecer o seu nome

Leia mais

CIÊNCIAS NATURAIS 6º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL. 1º Período. Domínio1- TROCAS VITAIS COMUNS AOS SERES VIVOS

CIÊNCIAS NATURAIS 6º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL. 1º Período. Domínio1- TROCAS VITAIS COMUNS AOS SERES VIVOS Ano letivo 01/016 CIÊNCIAS NATURAIS 6º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL 1º Período : Domínio1- TROCAS VITAIS COMUNS AOS SERES VIVOS 1.1. Importância de uma alimentação equilibrada e segura Alimentos e nutrientes;

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 6.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 6.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio dos Processos vitais comuns aos seres vivos o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância de uma alimentação equilibrada

Leia mais

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário

PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário PLANIFICAÇÃO CIÊNCIAS NATURAIS (8.º ANO) 2015/2016 Docentes: João Mendes, Madalena Serra e Vanda Messenário 1 Metras Curriculares Estratégias Tempo Avaliação TERRA UM PLANETA COM VIDA Sistema Terra: da

Leia mais

Plano de Educação Ambiental

Plano de Educação Ambiental Plano de Educação Ambiental Ano Lectivo 2007/08 da Quinta da Gruta, 28 de Setembro de 2007 Tipos de Actividades: Laboratoriais; Hortas; Animais; Cozinha; Atelier s Visitas temáticas; Dias Comemorativos

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES. Unidade Curricular: Estudo e preparação do etanol a partir da mandioca

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES. Unidade Curricular: Estudo e preparação do etanol a partir da mandioca CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES Unidade Curricular: Estudo e preparação do etanol a partir da mandioca Eniz Conceição Oliveira Miriam Ines Marchi Vanessa Paula Reginatto Maicon Toldi 1 Programa de Pós-Graduação

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx DEPA COLÉGIO MILITAR DE BRASÍLIA Prof. Salomão profsalomao@gmail.com PLANO DE AULA BIOLOGIA 1º ANO/EM Sem Mês Início Término CH 1ª FEV 7 11 3 ASSUNTO: ASPECTOS

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 2º Bimestre 2012 CIÊNCIAS DESCRITORES DESCRITORES DO 2º BIMESTRE DE 2012

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Programa de atividades

Programa de atividades Centro Ciência Viva de Tavira Programa de atividades Ano letivo 2012/2013 O Centro Ciência Viva de Tavira É um espaço de divulgação científica e tecnológica, integrado na Rede Nacional de Centros Ciência

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA QUÍMICA I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A química é a ciência que estuda a estrutura, a composição, as propriedades e as transformações da matéria. Ela é frequentemente

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

A NANOTEC Uma Iniciativa em Nanotecnologia

A NANOTEC Uma Iniciativa em Nanotecnologia A NANOTEC Uma Iniciativa em Nanotecnologia Em 2001, na Áustria Central (Styria), num contexto marcado pela rápida mudança tecnológica e contínuo processo de inovação, surgiu um projecto de cooperação em

Leia mais

Escola Secundária de Camões

Escola Secundária de Camões Escola Secundária de Camões INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA BIOLOGIA Código 302 Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias- 12ºano Duração da prova escrita: 90 min Duração da

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO A B C Álgebra Linear Álgebra Linear Computacional Álgebra Linear II Algoritmos e Estrutura de Dados I Algoritmos e Estrutura de Dados II Algoritmos em Bioinformática Alteridade e Diversidade no Brasil

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS

TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS TRATAMENTO DE ÁGUAS OLEOSAS NAS INDÚSTRIAS Frente às exigências cada vez mais rigorosas dos órgãos reguladores ambientais, o enquadramento da água oleosa gerada em diversas atividades industriais constitui-se

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Planificação Anual Departamento 1.º Ciclo

Planificação Anual Departamento 1.º Ciclo Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento 1.º Ciclo Ano: 2º Ano letivo 2013.2014 Disciplina: Estudo do Meio Turmas : 2º ano Professores: todos os docentes

Leia mais

SECUNDÁRIO SUPERIOR 2014-2015. Cursos

SECUNDÁRIO SUPERIOR 2014-2015. Cursos SECUNDÁRIO SUPERIOR 2014-2015 Cursos TIPOLOGIA: THINK OUTSIDE THE BOX Cursos avançados 1 TIPOLOGIA: THINK OUTSIDE THE BOX Cursos avançados 2 TIPOLOGIA: LABORATÓRIOS DE IDEIAS E PROJETOS PROGRAMA: DESIGNAÇÃO:

Leia mais

15-09-2015. Química 12º Ano. Marília Peres Esc. Sec. José Saramago - Mafra. Chemistry is all about you! http://www.youtube.com/watch?

15-09-2015. Química 12º Ano. Marília Peres Esc. Sec. José Saramago - Mafra. Chemistry is all about you! http://www.youtube.com/watch? 12º Ano Esc. Sec. José Saramago - Mafra O que é a? Chemistry is all about you! http://www.youtube.com/watch?v=9ith8us-uju 2 1 O que é a? Orgânica Física Inorgânica Bioquímica Analítica... 3 O que é a?

Leia mais

ENGENHARIA DE ALIMENTOS. COORDENADOR Regina Célia Santos Mendonça rmendoc@ufv.br

ENGENHARIA DE ALIMENTOS. COORDENADOR Regina Célia Santos Mendonça rmendoc@ufv.br ENGENHARIA DE ALIMENTOS COORDENADOR Regina Célia Santos Mendonça rmendoc@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 201 Engenheiro de Alimentos ATUAÇÃO O Engenheiro de Alimentos tem como campo profissional

Leia mais

Programação - 08 de abril de 2015

Programação - 08 de abril de 2015 Programação - 08 de abril de 2015 ÂMBITO / CURSO INICIATIVA / Geral Boas-vindas! Receção dos participantes, com apresentação da instituição por parte da Egas Moniz e das Associações de Estudantes. 0,5

Leia mais

1. Saúde individual e comunitária. 1.1. Indicadores do estado de saúde de uma população. 1.2. Medidas de ação para promoção de saúde.

1. Saúde individual e comunitária. 1.1. Indicadores do estado de saúde de uma população. 1.2. Medidas de ação para promoção de saúde. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DA GRACIOSA CIÊNCIAS NATURAIS 9º ANO ANO LETIVO 2014/2015 AULAS PREVISTAS TEMA ORGANIZADOR CONTEÚDOS CONCETUAIS (45 MINUTOS) A B VIVER MELHOR NA TERRA 1. Saúde individual e comunitária.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES ANO LECTIVO 2014 / 2015 PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano DOMÍNIO: PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES

Leia mais

ANEXO III. Domínios e áreas científicas

ANEXO III. Domínios e áreas científicas ANEXO III Domínios e áreas científicas Ciências da Vida e da Saúde Neurociências - Molecular e Celular Neurociências, Envelhecimento e Doenças Degenerativas Imunologia e Infeção Diagnóstico, Terapêutica

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS ! Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Patologia Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami Prof. Dr. Lucas Brandão BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

Leia mais

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida

Ecologia. 1) Níveis de organização da vida Introdução A ciência que estuda como os seres vivos se relacionam entre si e com o ambiente em que vivem e quais as conseqüências dessas relações é a Ecologia (oikos = casa e, por extensão, ambiente; logos

Leia mais

Este regulamento se destina a normatizar os procedimentos para realização da I Feira Estadual de Ciências e Tecnologia FECETE.

Este regulamento se destina a normatizar os procedimentos para realização da I Feira Estadual de Ciências e Tecnologia FECETE. Este regulamento se destina a normatizar os procedimentos para realização da I Feira Estadual de Ciências e Tecnologia FECETE. A FECETE está prevista para ser realizada nos dias 07, 08 de 09 de outubro

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

DESCUBRA a evolução do conteúdo educacional

DESCUBRA a evolução do conteúdo educacional DESCUBRA a evolução do conteúdo educacional Química Aprenda química de forma super interativa e inovadora. Explore diversos conteúdos da disciplina: os elementos químicos, tabela periódica, modelos atômicos

Leia mais

C(omo) S(aber) I(nvestigar) QUÍMICA E CRIME O CASO DAS IMPRESSÕES DIGITAIS

C(omo) S(aber) I(nvestigar) QUÍMICA E CRIME O CASO DAS IMPRESSÕES DIGITAIS Universidade de Évora Departamento e Centro de Química João Nabais C(omo) S(aber) I(nvestigar) QUÍMICA E CRIME O CASO DAS IMPRESSÕES DIGITAIS CSI (Crime Scene Investigation ou em Português Crime Sob Investigação)

Leia mais

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO Unidade Didática: Terra Ambiente de Vida METODOLOGIAS/ SITUAÇÕES DE.Antes de começar.como trabalhar em Ciências Terra Ambiente de Vida.Onde existe vida.primeira abordagem ao conceito de biosfera.salientar

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia. Escola Secundária de Valongo. As Professoras:

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia. Escola Secundária de Valongo. As Professoras: Escola Secundária de Valongo Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo de Biologia e Geologia As Professoras: Cláudia Rocha Fátima Garcia Tema Organizador: Viver Melhor na Terra 1º PERÍODO

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 6ºAno Ano letivo: 2015-16

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 6ºAno Ano letivo: 2015-16 Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 6ºAno Ano letivo: 2015-16 Período 1ºPeríodo Nº Aulas previstas 37 aulas Conteúdos

Leia mais

Objetivo Conteúdos Habilidades

Objetivo Conteúdos Habilidades Tema 8 Um Lugar Frio e Escuro Objetivo investigar as condições ambientais predominantes nos oceanos, com destaque para os gradientes verticais de temperatura, luz e pressão hidrostática. Conteúdos física,

Leia mais