A NANOTEC Uma Iniciativa em Nanotecnologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A NANOTEC Uma Iniciativa em Nanotecnologia"

Transcrição

1 A NANOTEC Uma Iniciativa em Nanotecnologia Em 2001, na Áustria Central (Styria), num contexto marcado pela rápida mudança tecnológica e contínuo processo de inovação, surgiu um projecto de cooperação em rede, designada por NANONET. O NANONET reveste-se de particular importância, pelo facto de integrar numa perspectiva comum de médio-longo prazo, o desenvolvimento de um conjunto de capacidades e interesses, em torno duma área, ainda em emergência em termos mundiais, a nanotecnologia. A NANONET surge da estreita colaboração, estabelecida entre vários parceiros da área empresarial, da área da ciência/investigação e da administração pública, que ao longo da sua experiência, consideraram a cooperação como a única forma possível, de colocar em prática uma conjunto de ideias, que de uma forma individual, quer em termos económicos, quer em termos científicos seriam impraticáveis. Ao requisito de maior dimensão, associaram-se o assumir de maiores responsabilidades. Actualmente a NANONET, embora se encontre em processo de desenvolvimento, é sinónimo de sucesso. Considerando este aspecto, são as suas características chave, que iremos tentar desvendar de seguida. Uma Visão Tecnológica Comum Nos últimos 200 anos, a generalidade das revoluções técnico-industriais, desde o comboio a vapor até à electricidade, passando pela microelectrónica, centraram-se no domínio e na capacidade de produzir bens, com dimensões cada vez mais reduzidas, mas com maior nível de precisão. Este principio é particularmente válido, ao nível da nanotecnologia. Fonte: NANONET - Styria Figura1 A Nanotecnologia Enquanto Tecnologia do Futuro A importância da nanotecnologia reflecte-se precisamente, no facto de se acreditar que o desenvolvimento desta área de conhecimento, conduzirá a uma revolução tecnológica com grandes impactos ao nível da ciência, da indústria e do desenvolvimento económico. Dada a natureza das actividades desenvolvidas no âmbito da nanotecnologia, com frequência altamente dispendiosas, pouco poderá ser equacionado, sem a promoção de uma estratégia tecnológica comum entre diversos intervenientes. 1/5

2 A Nanotecnologia A nanotecnologia é uma área de conhecimento, que se baseia na utilização de átomos como blocos de construção. A utilização de átomos como unidade básica permite, em teoria, a construção de nanomáquinas capazes de realizar tarefas até agora inimagináveis. Permite ainda desenvolver novos materiais, novos computadores e novos sistemas de arquivo de informação. Hoje em dia a nanotecnologia é reconhecida como uma aposta estratégica dos Governos Europeus. Espera-se que a nanotecnologia, seja o motor da próxima revolução tecnocrata e que permita impulsionar a taxa de crescimento económico da última década. Imagine-se o que se pode fazer, se for possível manipular a matéria ao nível do átomo. Podia-se, por exemplo, construir circuitos electrónicos, átomo a átomo. Esta técnica permitiria fabricar processadores muito mais pequenos e muito mais rápidos que os actuais. Também seria possível guardar a informação a nível atómico, de modo que cada átomo representasse um bit. Espera-se que os nanocomputadores sejam 1000 vezes mais rápidos que os actuais e que consigam armazenar 1000 vezes mais informação. A capacidade de manipular o átomo abre outras perspectivas. Será possível construir nanomáquinas, capazes de interactuar com as células humanas ou mesmo com componentes das células, como o DNA. Esta tecnologia permite, por exemplo, criar pequenas máquinas que circulam na corrente sanguínea e que estão concebidas para detectar e destruir células cancerosas. Também permite criar pequenas máquinas, programadas para corrigir doenças genéticas, alterando o DNA de cada célula. Do ponto de vista puramente técnico, a nanotecnologia envolve um investimento quer em termos de tempo, competências, quer em termos financeiros elevado, quer ao nível do estudo, do desenho, da criação e síntese, da manipulação e da aplicação de materiais, de estruturas e de sistemas funcionais, envolvendo, não só o repensar dos mecanismos de controlo da matéria à nanoescala, assim como a optimização dos processos de exploração de fenómenos e propriedades da matéria à escala dos átomos. A Estratégia da NANONET Desde 2001, que a NANONET têm vindo a constituir-se enquanto plataforma tecnológica, onde a cooperação e comunicação assumem particular importância, face ao objectivo da promoção das actividades de nanociência e nanotecnologia. Este objectivo de carácter mais estratégico consubstancia-se na persecução dos seguintes objectivos específicos: Reforço do progresso científico, através do acréscimo do número de actividades de investigação científica; Desenvolvimento de projectos com aplicabilidade industrial; Implementação de actividades de sensibilização e de transferência de actividades. Paralelamente, a NANONET visa a sensibilização das entidades públicas, para a persecução do impacto, que a nanotecnologia induz na economia e para a consideração de apoios a médio-longo prazo, para a emergência das actividades de nanociência e nanotecnologia. Certamente, a tendência mais significativa na sensibilização pública, vai no sentido, da criação de condições que permitam aplicabilidade imediata dos resultados da investigação, ao nível da nanotecnologia, num contexto empresarial local. 2/5

3 As Actividades A NANONET visa essencialmente o desenvolvimento económico local e regional, através da promoção e criação de oportunidades de cooperação de excelência, induzidas pela integração de diferentes competências, complementares entre si. Para tal, a NANONET centra-se na dinamização das seguintes actividades: Consolidação das capacidades existentes, através do desenvolvimento de projectos em comum; Criação de novas competências e desenvolvimento de novas capacidades, induzidas pela participação dos intervenientes em actividades de I&D comuns; Geração de valor acrescentado, quer no âmbito científico, quer num contexto económico; Aprofundamento e transferência de conhecimento, em torno de tecnologias e seus acessórios; Apoio ao desenvolvimento de actividades a nível regional, nacional e internacional, induzindo a exploração das tecnologias desenvolvidas em conjunto, e, aplicabilidade das competências de cada um dos intervenientes; Promoção da aplicabilidade, a médio-longo prazo, do conhecimento e das tecnologias em pequenas e médias empresas nacionais; Acréscimo do nível de qualificações dos intervenientes; Divulgação do conceito e da importância da nanotecnologia, enquanto área de conhecimento capaz de influenciar o desenvolvimento económico. O sucesso destas actividades, no âmbito da NANONET, em tudo depende da intensidade com que as interacções entre os intervenientes se estabelece. Assim, a NANONET, sustentada pela premissa de desenvolvimento económico e científico, encara a dinamização das suas actividades em cooperação, numa óptica nacional e internacional, procurando envolver desde a emergência dos projecto, até ao seu término, todos os intervenientes da rede de cooperação. A NANONET Enquanto Rede de Cooperação Conforme ficou anteriormente implícito, a NANONET é uma plataforma tecnológica, sustentada pela comunicação entre diversos intervenientes do sistema científico-tecnológico, empresarial e governamental. Integrando inúmeros intervenientes, a NANONET é composta por competências na área das energias, da electrónica, da saúde, dos nanocompósitos, aos materiais, passando pela óptica e biotecnologia. 3/5

4 Fonte: NANONET - Styria Figura 2 - Os Intervenientes da Rede de Cooperação A diversidade de competências existente no seio da NANONET, permite a dinamização de actividades, com base em pequenas sub-redes redes da tipologia celular -. Ou seja, a NANONET, promove a existência no seu seio, de pequenas redes mais especializadas e vocacionadas para o desenvolvimento de actividades sectorialmente orientadas. Fonte: NANONET - Styria Figura 3 - A NANONET enquanto Rede de Cooperação À semelhança do que acontece em muitas outras redes de cooperação, a NANONET é uma rede, que se constitui enquanto plataforma central, de interface interno e externo, quer ao nível da partilha de informação, quer ao nível de gestão de projecto. Este conceito de rede de cooperação central, 4/5

5 em nada inviabiliza a emergência de redes celulares satélites, que integram competências chave em função de projectos específicos. Bibliografia Nanonet, (2006); 5/5

SISTEMAS DIGITAIS (SD)

SISTEMAS DIGITAIS (SD) SISTEMAS DIGITAIS (SD) MEEC Acetatos das Aulas Teóricas Versão 4.0 - Português Aula N o 23: Título: Sumário: Máquinas de Estado Microprogramadas: Endereçamento Expĺıcito/Impĺıcito Projecto de máquinas

Leia mais

Sistemas Digitais (SD) Máquinas de Estado Microprogramadas: Circuito de Dados e Circuito de Controlo

Sistemas Digitais (SD) Máquinas de Estado Microprogramadas: Circuito de Dados e Circuito de Controlo Sistemas Digitais (SD) Máquinas de Estado Microprogramadas: Circuito de Dados e Circuito de Controlo Aula Anterior Na aula anterior: Memórias: Circuitos e tecnologias de memória: o RAM: Estática Dinâmica

Leia mais

MEEC. Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores. Índice. MEEC Edição 2008/09 Instituto Superior de Engenharia do Porto

MEEC. Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores. Índice. MEEC Edição 2008/09 Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado em Eng. Electrotécnica e de Computadores O Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores destina-se a complementar a formação de profissionais habilitados com o grau de Licenciado, fornecendo

Leia mais

Laboratório 6 (Trabalho com Relatório) Semana 25 de Outubro a 29 de Outubro

Laboratório 6 (Trabalho com Relatório) Semana 25 de Outubro a 29 de Outubro Laboratório 6 (Trabalho com Relatório) Semana 25 de Outubro a 29 de Outubro Realização de módulo somador-subtractor. Utilização de ambiente Xilinx WebPack de edição de esquemáticos e simulação. Realização

Leia mais

Visita de Sua Excelência Presidente da República do Senegal Engº. Macky Sall. Sede da CPLP. 9 de setembro de 2015

Visita de Sua Excelência Presidente da República do Senegal Engº. Macky Sall. Sede da CPLP. 9 de setembro de 2015 Visita de Sua Excelência Presidente da República do Senegal Engº. Macky Sall Sede da CPLP 9 de setembro de 2015 Discurso de Boas-Vindas do Secretário Executivo Embaixador Murade Murargy (Só faz fé a versão

Leia mais

Os Territórios e a Economia do Conhecimento: que Respostas face aos Novos Desafios?

Os Territórios e a Economia do Conhecimento: que Respostas face aos Novos Desafios? Os Territórios e a Economia do Conhecimento: que Respostas face aos Novos Desafios? Domingos Santos CICS-UM, 3 de Novembro de 2011 Agenda 1. Novos desafios para os territórios. 2. O que nos dizem as abordagens

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Introdução à Engenharia Mecânica

Introdução à Engenharia Mecânica Introdução à Engenharia Mecânica P R O F. E D U A R D O L O U R E I R O, D S C. W W W. E D U L O U R E I R O. C O M. B R E D U A R D O L O U R E I R O @ P O L I. B R Sejam bem vindos!! Sejam bem vindos!!

Leia mais

Proposta de uma plataforma de monitoramento e acionamento remoto voltada para sistemas de hardware industriais utilizando LabVIEW

Proposta de uma plataforma de monitoramento e acionamento remoto voltada para sistemas de hardware industriais utilizando LabVIEW Proposta de uma plataforma de monitoramento e acionamento remoto voltada para sistemas de hardware industriais utilizando LabVIEW "Este artigo tem como proposta apresentar uma plataforma para monitoramento

Leia mais

IBM SPSS DATA COLLECTION

IBM SPSS DATA COLLECTION IBM SPSS DATA COLLECTION VERSÃO 6.0 IBM e SPSS são marcas registadas da IBM Corporation A PSE Produtos e Serviços de Estatística, Lda distribui esta informação na qualidade de parceiro de negócio IBM.

Leia mais

ROBÓTICA, DOMÓTICA & CASAS INTELIGENTES

ROBÓTICA, DOMÓTICA & CASAS INTELIGENTES ROBÓTICA, DOMÓTICA & CASAS INTELIGENTES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA SISTEMAS GRUPO 4 TECNOLOGIAS DO FUTURO - PROJECTO INTEGRADOR 1 A ideia de robô é bastante antiga e sua origem divide pesquisadores de

Leia mais

p. 1/1 Resumo Filtros de Capacidades Comutadas

p. 1/1 Resumo Filtros de Capacidades Comutadas p. 1/1 Resumo Filtros de Capacidades Comutadas p. 2/1 Introdução Os circuitos activos RC apresentados tem duas propriedades que fazem a produção em circuito integrado impraticável que são: a necessidade

Leia mais

E se o futuro significar uma máquina de lavar roupa maior por dentro do que por fora? E se a solução estiver numa hora? CUSTOMER SERVICE HOOVER

E se o futuro significar uma máquina de lavar roupa maior por dentro do que por fora? E se a solução estiver numa hora? CUSTOMER SERVICE HOOVER The machine Next is today Os serviços de assistência da Hoover geram uma rede com cerca de 200 técnicos autorizados em todo o país. A formação constante do pessoal técnico e o fornecimento de peças genuínas

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 242/XI/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º 242/XI/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 242/XI/1.ª ALTERA O DECRETO-LEI N.º 91/2009, DE 9 DE ABRIL, REFORÇANDO O REGIME DE PROTECÇÃO NA PARENTALIDADE DO SISTEMA PREVIDENCIAL E DO SUBSISTEMA DE SOLIDARIEDADE

Leia mais

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas:

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Somar e subtrair Mover um dado de um local de armazenamento para outro Transferir um dado para um dispositivo

Leia mais

AULA: Introdução à Informática I

AULA: Introdução à Informática I Campus Muriaé Professor: Luciano Gonçalves Moreir Disciplina: Informática Aplicada I AULA: Introdução à Informática I O que é Informática? Pode dizer-se que informática é ciência que estuda o processamento

Leia mais

CONSULTORIA E FORMAÇÃO

CONSULTORIA E FORMAÇÃO VALOR QUE SE ACRESCENTA! CONSULTORIA E FORMAÇÃO 1. Apresentação A Consultactiva é uma empresa de consultoria e formação, sediada na zona de Torres Vedras, tendo sido fundada em 2009. De acordo com a especificidade

Leia mais

Sistemas Digitais Planificação das aulas teóricas e aulas práticas Ano Lectivo 2006/ 2007

Sistemas Digitais Planificação das aulas teóricas e aulas práticas Ano Lectivo 2006/ 2007 s Teóricas Docente: Ana Cristina Sistemas Digitais Planificação das aulas teóricas e aulas práticas Ano Lectivo 2006/ 2007 Horário: Quinta-feira das 18h00 às 20h00 (sala O106) OT das 17h00 às 18h00 (sala

Leia mais

Sem data Sheet online FLOWSIC30 MEDIDOR DE GÁS

Sem data Sheet online FLOWSIC30 MEDIDOR DE GÁS Sem data Sheet online FLOWSIC30 A B C D E F H I J K L M N O P Q R S T Informações do pedido Tipo FLOWSIC30 Nº de artigo A pedido As especificações de dispositivo e os dados de desempenho exatos do produto

Leia mais

3º Encontro Técnico. A actividade da SATIVA na certificação de produtos de pecuária em modo de produção biológico

3º Encontro Técnico. A actividade da SATIVA na certificação de produtos de pecuária em modo de produção biológico 3º Encontro Técnico A actividade da SATIVA na certificação de produtos de pecuária em modo de produção biológico Escola Superior Agrária de Castelo Branco 14 Abril 2004 Objecto de actividade Empresa processadora

Leia mais

Grupo AVELEDA implementa solução integrada para voz e dados da PT Prime.

Grupo AVELEDA implementa solução integrada para voz e dados da PT Prime. Grupo AVELEDA implementa solução integrada para voz e dados da PT Prime. A solução responde às necessidades actuais do Grupo Aveleda e permite antecipar movimentos expectáveis de crescimento do Grupo,

Leia mais

Aula Teórica nº 6 Sumário:

Aula Teórica nº 6 Sumário: Aula Teórica nº 6 Sumário: A Economia real no longo prazo Crescimento Económico (cont.) Importância da produtividade média do trabalho Determinantes da produtividade média do trabalho Políticas de promoção

Leia mais

DATA: 07/12/2016 Ponto de referência: Terceira rua após o campo do Santos, entra a esquerda na Escola Milton Campos, em frente ao PSF.

DATA: 07/12/2016 Ponto de referência: Terceira rua após o campo do Santos, entra a esquerda na Escola Milton Campos, em frente ao PSF. BLOCO A 104 158.000,00 R$ 3.000,00 R$ 155.000,00 58,50-106 R$ 159.000,00 R$ 3.000,00 R$ 156.000,00 58,50-308 VENDIDO VENDIDO VENDIDO VENDIDO - 407 R$ 160.000,00 R$ 3.000,00 R$ 157.000,00 59,00 - ENTREGA

Leia mais

A Informação nos Recursos Humanos

A Informação nos Recursos Humanos A Informação nos Recursos Humanos Para que haja uma correcta Gestão de Recursos Humanos, o Banco tem de (entre toda a informação que recebe sobre este assunto), seleccionar a que é realmente relevante

Leia mais

Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em Moçambique (PEPIP )

Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em Moçambique (PEPIP ) REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CONFERENCIA DE INVESTIDORES DO CORREDOR DE NACALA Plano Estratégico de Promoção de Investimento Privado em

Leia mais

Intervenção III Fórum Abrigo

Intervenção III Fórum Abrigo Intervenção III Fórum Abrigo Este Fórum Social da Associação Abrigo convida-nos a dissertar sobre o papel da sociedade civil no mundo actual. O tema parece-me aliciante, importante e decisivo numa sociedade

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores -Sistemas de Memória Externa por Helcio Wagner da Silva Discos Magnéticos Os discos são feitos de material plástico ou metálico, coberto por material magnetizante Os cabeçotes

Leia mais

Treinamentos Programação Nesta edição Informativo dos cursos programados para Calendário. Calendário 2012.

Treinamentos Programação Nesta edição Informativo dos cursos programados para Calendário. Calendário 2012. Calendário 2012 Treinamentos 2012 2012 1º Semestre Nesta edição Informativo dos cursos programados para 2012 Manutenção em elementos de máquinas Cabos de aço, acessórios e normas Alinhamento de máquinas

Leia mais

Aula Teórica nº 6 Sumário:

Aula Teórica nº 6 Sumário: Aula Teórica nº 6 Sumário: A Economia real no longo prazo Crescimento Económico (cont.) Importância da produtividade média do trabalho Determinantes da produtividade média do trabalho Políticas de promoção

Leia mais

1. (PT) - Diário Económico, 27/02/2013, Governo quer mais investimento de Angola para tornar Portugal plataforma para a Europa e a América Latina

1. (PT) - Diário Económico, 27/02/2013, Governo quer mais investimento de Angola para tornar Portugal plataforma para a Europa e a América Latina Tema de Pesquisa: Internacional 27 de Fevereiro de 2013 Revista de Imprensa 27-02-2013 1. (PT) - Diário Económico, 27/02/2013, Governo quer mais investimento de Angola para tornar Portugal plataforma para

Leia mais

Capítulo 9 Estratégia em Portugal

Capítulo 9 Estratégia em Portugal ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Capítulo 9 Estratégia em Portugal João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Formulação da Estratégia Análise do Meio Envolvente Missão, Objectivos e Estratégia

Leia mais

SISTEMA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS POR VIA ELECTRÓNICA - SERVIÇOS E ORGANISMOS PÚBLICOS (APRESENTAÇÃO)

SISTEMA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS POR VIA ELECTRÓNICA - SERVIÇOS E ORGANISMOS PÚBLICOS (APRESENTAÇÃO) SISTEMA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS POR VIA ELECTRÓNICA - SERVIÇOS E ORGANISMOS PÚBLICOS (APRESENTAÇÃO) Tribunal de Contas Lisboa, 6 de Fevereiro de 2008 Objectivo: Facilitar o relacionamento entre o Tribunal

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Exame Prova Prática 3º MIEIC 16.06.2009 Nome: 1. Considere que um protocolo de ligação de dados é suportado num canal com capacidade igual a 128 kbit/s (em cada sentido) e que o tempo

Leia mais

O mundo do teste e medição elétrica. Test & Measureline Teste e medição

O mundo do teste e medição elétrica. Test & Measureline Teste e medição O mundo do teste e medição elétrica Test & Measureline Teste e medição STÄUBLI ELECTRICAL CONNECTORS Soluções com perspectiva: ligações efi cazes A Stäubli Electrical Connectors é um fabricante líder ao

Leia mais

ENCADERNADORA TABELA DE INVESTIMENTOS c

ENCADERNADORA TABELA DE INVESTIMENTOS c ENCADERNADORA TABELA DE INVESTIMENTOS 2016 2016.c A Up! Encadernadora Nós amamos o que fazemos! Aqui na Up! tudo é pensado para suprir suas expectativas e lhe entregar um produto de excepcional qualidade,

Leia mais

ebook Estratégia Imobiliária Online

ebook Estratégia Imobiliária Online ebook Estratégia Imobiliária Online Estratégia Imobiliária Online Introdução Numa altura em que o digital já não é o futuro, o sucesso de uma imobiliária depende, cada vez mais, do que fazemos - ou não

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS CIRCUITOS SEQUENCIAIS SÍNCRONOS

SISTEMAS DIGITAIS CIRCUITOS SEQUENCIAIS SÍNCRONOS IRUITOS SEQUENIIS SÍNRONOS Setembro de IRUITOS SEQUENIIS SÍNRONOS - 2 SUMÁRIO: IRUITOS E MOORE E MELY RTERIZÇÃO ESPEIFIÇÃO SÍNTESE ONVERSÃO EEMPLOS PROJETOS LTERNTIVOS FLIP-FLOP / ESTO UTILIZÇÃO E ONTORES

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA

ESCOLA DE ENGENHARIA COMPONENTES NA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL DEPENDÊNCIA ON LINE Critérios: 1. A alunos a partir da 2ª etapa; 2. Até 2 Componentes por semestre; 3. tenham tido, no Componente, frequência mínima de 75%; 4.

Leia mais

Sistema Embalador de Resmas de Papel

Sistema Embalador de Resmas de Papel Sistemas Industriais FEUP, 5º Ano da LEIC AJS Teste de 25 de Janeiro de 2006 Duração 1.5 Horas I Sistema Embalador de Resmas de Papel Considere uma hipotética máquina de embalar resmas de papel. As embalagens

Leia mais

44.º Geoforum Utilização de Fotografia Aérea e Imagens de Satélite

44.º Geoforum Utilização de Fotografia Aérea e Imagens de Satélite Rua Julieta Ferrão, 10-10.ºA 1600-131 Lisboa Tel.: 21 781 66 40 Fax: 21 793 15 33 info@esri-portugal.pt www.esri-portugal.pt 44.º Geoforum Utilização de Fotografia Aérea e Imagens de Satélite Por favor,

Leia mais

SISTEMAS DIGITAIS MEMÓRIAS E CIRCUITOS DE LÓGICA PROGRAMÁVEL

SISTEMAS DIGITAIS MEMÓRIAS E CIRCUITOS DE LÓGICA PROGRAMÁVEL MEMÓRIAS E CIRCUITOS DE LÓGICA PROGRAMÁVEL Setembro de 4 MEMÓRIAS - SUMÁRIO: MEMÓRIAS INTEGRADAS RAM ROM PROM EPROM LÓGICA PROGRAMÁVEL PLAs PALs FPGAs Setembro de 4 MEMÓRIAS - MEMÓRIAS Na sequência do

Leia mais

Relevância económica e social das Instituições Privadas de Solidariedade Social (IPSS) Sonia Sousa 18 Junho 2013

Relevância económica e social das Instituições Privadas de Solidariedade Social (IPSS) Sonia Sousa 18 Junho 2013 Relevância económica e social das Instituições Privadas de Solidariedade Social (IPSS) Sonia Sousa 18 Junho 2013 Síntese 1. As IPSS na economia social 2. As IPSS na economia portuguesa 3. Os (novos) desafios

Leia mais

PORTUGAL 4.0 Desafios e Oportunidades

PORTUGAL 4.0 Desafios e Oportunidades Desafios e Oportunidades Conferência NORGARANTE Braga 29 Novembro 16 José Carlos Caldeira jcaldeira@ani.pt 1 O CONTEXTO 4.0 Principais tendências HUMAN CENTERED Customização de Produtos Processos Inteligentes

Leia mais

Case study. CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study. CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 CGD Programa Caixa Carbono Zero EMPRESA Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos é o Banco que lidera o maior grupo financeiro Português. Presente em 23 países e 4 continentes, detém

Leia mais

Todos temos um papel na economia da nossa comunidade FOLHA DE SÍNTESE

Todos temos um papel na economia da nossa comunidade FOLHA DE SÍNTESE Todos temos um papel na economia da nossa comunidade FOLHA DE SÍNTESE Os participantes da AJUDADA AJUDADA AJUDADA TODOS AJUDADA AJUDADA Encontro Internacional a realizar em Portalegre entre os dias 14

Leia mais

Memórias ROM ( Read-Only Memory )

Memórias ROM ( Read-Only Memory ) Memórias ROM ( Read-Only Memory ) ESTV-ESI-Sistemas Digitais-Memórias ROM /7 As memórias ROM, também designadas por memórias mortas, são constituídas por uma matriz de dispositivos com capacidade para

Leia mais

Fluxogramas. Fluxogramas: motivação e conceitos base Uso dos fluxogramas para especificar um circuito.

Fluxogramas. Fluxogramas: motivação e conceitos base Uso dos fluxogramas para especificar um circuito. Fluxogramas - Taguspark Fluxogramas: motivação e conceitos base Uso dos fluxogramas para especificar um circuito. Nesta aula foram usados slides concebidos pelo Prof. Carlos Serro e alterados para esta

Leia mais

10. DESENHOS DETALHADOS DO EQUIPAMENTO E DIAGRAMA ELÉCTRICO

10. DESENHOS DETALHADOS DO EQUIPAMENTO E DIAGRAMA ELÉCTRICO 10. DESENHOS DETALHADOS DO EQUIPAMENTO E DIAGRAMA ELÉCTRICO 17 TALOCHA MECÂNICA 18 19 BRAÇO GUIADOR 20 EMBRAIAGEM 21 12 71 13 14 x4 36 121 15 120 22 CAIXA REDUTORA 150 x8 152 x8 90 17 158 87 62 73 18 75

Leia mais

Nota de Aplicação. Exemplo de comunicação em rede Profibus Lexium 32M com S Suporte Técnico Brasil. Versão: 1.0

Nota de Aplicação. Exemplo de comunicação em rede Profibus Lexium 32M com S Suporte Técnico Brasil. Versão: 1.0 Nota de Aplicação Exemplo de comunicação em rede Profibus Lexium 32M com S7-1200 Versão: 1.0 Suporte Técnico Brasil Arquitetura utilizada como exemplo Utilização de um Lexium 32 Modular, com placa PROFIBUS

Leia mais

Sem data Sheet online MCS100E CD SOLUÇÕES CEMS

Sem data Sheet online MCS100E CD SOLUÇÕES CEMS Sem data Sheet online MCS100E CD A B C D E F H I J K L M N O P Q R S T Informações do pedido Tipo MCS100E CD Nº de artigo A pedido As especificações de dispositivo e os dados de desempenho exatos do produto

Leia mais

Sem data Sheet online MKAS SISTEMAS DE ANÁLISE ESPECÍFICOS DO CLIENTE

Sem data Sheet online MKAS SISTEMAS DE ANÁLISE ESPECÍFICOS DO CLIENTE Sem data Sheet online MKAS A B C D E F H I J K L M N O P Q R S T Informações do pedido Tipo MKAS Nº de artigo A pedido As especificações de dispositivo e os dados de desempenho exatos do produto podem

Leia mais

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS

PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PROGRAMA BIP/ZIP LISBOA 2016 PARCERIAS LOCAIS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PONTUAÇÃO DAS CANDIDATURAS PARTICIPAÇÃO A este nível será avaliada a participação das populações dos BIP/ZIP no desenho, no desenvolvimento

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MEMÓRIA. Prof. Dr. Daniel Caetano

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MEMÓRIA. Prof. Dr. Daniel Caetano ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MEMÓRIA Prof. Dr. Daniel Caetano 2014-1 Objetivos Compreender o que é a memória e sua hierarquia Compreender os diferentes tipos de memória Entender como é feito o acesso à

Leia mais

Números Binários. Apêndice A V1.0

Números Binários. Apêndice A V1.0 Números Binários Apêndice A V1.0 Roteiro Histórico Números de Precisão Finita Números Raiz ou Base Conversão de Base Números Binários Negativos Questões Histórico As maquinas do século XIX eram decimais

Leia mais

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011

G PE AR I. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 03 março 2011 Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 3 março 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Missão Empresarial Minas Gerais

Missão Empresarial Minas Gerais Faz negócio. Convite Missão Empresarial 3º Encontro Ourém 18 a 22 de Abril Belo Horizonte Brasil 29 de Junho a 2 de Julho Centro de Negócios de Ourém Portugal Missão Empresarial 3º Encontro Ourém / Convite

Leia mais

SEMINÁRIO CPC. A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos

SEMINÁRIO CPC. A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos SEMINÁRIO CPC A actividade do Conselho de Prevenção da Corrupção e a sua recomendação sobre os Planos de prevenção de Riscos O Conselho de Prevenção da Corrupção veio preencher uma lacuna em Portugal.

Leia mais

(texto extraído de: MT/SEE; Classificação Nacional de Profissões - versão 1980, Lisboa, SICT, 1980) INTRODUÇÃO OBJECTIVOS E ESTRUTURAS DA C.N.P.

(texto extraído de: MT/SEE; Classificação Nacional de Profissões - versão 1980, Lisboa, SICT, 1980) INTRODUÇÃO OBJECTIVOS E ESTRUTURAS DA C.N.P. (texto extraído de: MT/SEE; Classificação Nacional de Profissões - versão 1980, Lisboa, SICT, 1980) INTRODUÇÃO OBJECTIVOS E ESTRUTURAS DA C.N.P. A Classificação Nacional das Profissões (C.N.P.) constitui

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013

Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação Territorial Europeia 2007/2013 Que oportunidades para Lisboa e Vale do Tejo? Centro Cultural de Belém 31 de Março 2008 Programa Operacional Regional Alentejo 2007/2013 Cooperação territorial

Leia mais

Trabalho realizado por: Guilherme F. Pires Coelho Nº Maria Beatriz Féria Nº José Sousa Nº 58102

Trabalho realizado por: Guilherme F. Pires Coelho Nº Maria Beatriz Féria Nº José Sousa Nº 58102 Trabalho realizado por: Guilherme F. Pires Coelho Nº 57966 Maria Beatriz Féria Nº 57968 José Sousa Nº 58102 Em 1996, a Siemens torna-se responsável pelo automatismo de tratamento de bagagens no aeroporto

Leia mais

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar

O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar O estado de saúde depende em muito de comportamentos saudáveis, como não utilizar drogas (licitas ou ilícitas), alimentar-se correctamente, praticar exercício físico, entre outras. No entanto, e o nosso

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO LABORAL 9ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Laboral - 9ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM: 2.000 exemplares

Leia mais

Sem data Sheet online VTE18-4P2240S01 V18 PORTFÓLIO DE PRODUTOS

Sem data Sheet online VTE18-4P2240S01 V18 PORTFÓLIO DE PRODUTOS Sem data Sheet online VTE8-P0S0 V8 VTE8-P0S0 V8 A B C D E F H I J K L M N O P R S T Figura pode ser diferente Dados técnicos em detalhe Características Princípio do sensor/detecção Forma da carcaça (saída

Leia mais

PORTUGAL 4.0 Desafios e Oportunidades Conferência NORGARANTE

PORTUGAL 4.0 Desafios e Oportunidades Conferência NORGARANTE Desafios e Oportunidades Conferência NORGARANTE Miguel Barbosa mbarbosa@ani.pt O CONTEXTO 4.0 Principais tendências HUMAN CENTERED Customização de Produtos Processos Inteligentes e Apoiados GLOBAL & NETWORKED

Leia mais

Conceição Carvalho Diretora Adjunta

Conceição Carvalho Diretora Adjunta Conceição Carvalho Diretora Adjunta NERCAB - Associação Empresarial da Região de Castelo Branco QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? QUEM PODEMOS AJUDAR? A NOSSA MISSÃO Promover o desenvolvimento das atividades

Leia mais

Introdução a Tecnologia da Informação

Introdução a Tecnologia da Informação Introdução a Tecnologia da Informação Arquitetura de Computadores Hardware e Software Prof. Jeime Nunes p Tipos de memória n RAM (random access memory) - memória de acesso aleatório, é volátil e permite

Leia mais

Infra Estrutura Hardware e Software

Infra Estrutura Hardware e Software Infra Estrutura Hardware e Software CEA145 Teoria e Fundamentos de Sistemas de Informação Universidade Prof. Federal George de H. G. Ouro Fonseca Preto DECEA / João Monlevade Universidade

Leia mais

FPGA & VHDL. Tutorial Aula 1. Computação Digital

FPGA & VHDL. Tutorial Aula 1. Computação Digital FPGA & VHDL Tutorial Aula 1 Computação Digital FPGA Field Programmable Gate Array Dispositivo lógico contendo uma matriz de: Células lógicas genéricas Configuráveis ( programáveis ) para desempenhar uma

Leia mais

ESGCS Escola Superior de Gestão Corporativa e Social. O Social pela Governança

ESGCS Escola Superior de Gestão Corporativa e Social. O Social pela Governança ESGCS Escola Superior de Gestão Corporativa e Social O Social pela Governança Por: Tamara Tavares da Silva tamara.tavares.silva@gmail.com Tlm: 00258 823 919 280 / 00258 840 649 792 Tlm: 00258 823 919 280

Leia mais

Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial: Perspectivas para o Futuro. Novembro de 2007

Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial: Perspectivas para o Futuro. Novembro de 2007 Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial: Perspectivas para o Futuro Novembro de 2007 Preocupações fundamentais da COTEC na condução das suas iniciativas Consistência das iniciativas a desenvolver,

Leia mais

Escrever scripts de PHP com HTML

Escrever scripts de PHP com HTML Escrever scripts de PHP com HTML PHP é uma linguagem de programação de scripts para serem interpretados no lado dos servidores. Numa fase inicial (1995), PHP surgiu com o significado de Personal Home Pages

Leia mais

Guia de instalação do software Xilinx ISE Design Suite 14.7

Guia de instalação do software Xilinx ISE Design Suite 14.7 Guia de instalação do software Xilinx ISE Design Suite 14.7 2016/2017 verão Etapas do processo de instalação Registo na plataforma da Xilinx Download Instalação Plataforma Microsoft Windows 10 Licenciamento

Leia mais

Aula 16 - Flip-ops comerciais e registradores de deslocamento

Aula 16 - Flip-ops comerciais e registradores de deslocamento Aula 16 - Flip-ops comerciais e registradores de deslocamento Prof. enan ebem isciplina de eletrônica digital epartemanto de engenharia elétrica Centro de Ciências Tecnológicas (CCT) Universidade o Estado

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 244/XI/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º 244/XI/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 244/XI/1.ª ALTERA O DECRETO-LEI N.º 89/2009, DE 9 DE ABRIL, REFORÇANDO A PROTECÇÃO NA PARENTALIDADE DOS TRABALHADORES ABRANGIDOS PELO REGIME CONVERGENTE Exposição

Leia mais

Sem data Sheet online VTF18-4P1112 V18 PORTFÓLIO DE PRODUTOS

Sem data Sheet online VTF18-4P1112 V18 PORTFÓLIO DE PRODUTOS Sem data Sheet online VTF8-4P V8 VTF8-4P V8 A B C D E F H I J K L M N O P Q R S T Figura pode ser diferente Características Princípio do sensor/detecção Forma da carcaça (saída de luz) Comprimento da carcaça

Leia mais

INFORMÁTICA BÁSICA HARDWARE: COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO.

INFORMÁTICA BÁSICA HARDWARE: COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. INFORMÁTICA BÁSICA HARDWARE: COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO isabeladamke@hotmail.com Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o

Leia mais

Esta tela foi responsável por criar uma revolução na maneira como empreendedores e empresas passaram a pensar em novos negócios ou novos produtos.

Esta tela foi responsável por criar uma revolução na maneira como empreendedores e empresas passaram a pensar em novos negócios ou novos produtos. Por muitos anos o termo modelo de negócios foi usado sem um consenso na sua definição. Muitos autores o mencionavam sem explicitar do que exatamente falavam. E foi exatamente pensando nisso que o consultor

Leia mais

SISTEMA CNC APLICADO À CARACTERIZAÇÃO DE ACOPLAMENTO INDUTIVO

SISTEMA CNC APLICADO À CARACTERIZAÇÃO DE ACOPLAMENTO INDUTIVO SISTEMA CNC APLICADO À CARACTERIZAÇÃO DE ACOPLAMENTO INDUTIVO Gabriel Manoel da Silva Orientador: Prof. Dr. Fernando Rangel de Sousa Universidade Federal de Santa Catarina 25 de Março de 2015 Sumário 1.

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura e Organização de Computadores Memória Externa I Prof. Sílvio Fernandes Discos

Leia mais

Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido

Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido 1 Aproveitar o calor libertado pela central de ar comprimido Características do projeto Investimento 77.473 Payback 2,2 anos Objetivos Ecoeficiência

Leia mais

Organograma Composição de um organograma de manutenção Análise do factor humano no organograma de um serviço de manutenção

Organograma Composição de um organograma de manutenção Análise do factor humano no organograma de um serviço de manutenção ÍNDICE Capítulo I - MANUTENÇÃO INDUSTRIAL - CONCEITOS GERAIS Pág. Definição..................... 7 Condições ideais de funcionamento.......... 8 Espírito do pessoal de manutenção... 9 Manutenção organizada...

Leia mais

Part. Direta de Motor AC

Part. Direta de Motor AC A B C D E F G H 1 1 -X -X e1 1 3 2 4 L1 L2 L3 PE -X 2 2 1 3 5 1 e2 e3 2 4 6 2 11 1 3 5 b1 k 12 2 4 6 1 3 5 3 e3 3 13 13 13 2 4 6 b2 k k 14 14 14 U1 V1 W1 PE M A1 -M 3 X1 k -H A2 4 X2 4 5 5 Desenhado Verificado

Leia mais

ni.com Teste de Sistema de Controle para Aplicação de Defensivos com Aeronaves Agrícolas usando Simulador de GPS NI

ni.com Teste de Sistema de Controle para Aplicação de Defensivos com Aeronaves Agrícolas usando Simulador de GPS NI Teste de Sistema de Controle para Aplicação de Defensivos com Aeronaves Agrícolas usando Simulador de GPS NI NCB: A EMPRESA INTRODUÇÃO DEFINIÇAO DO PROBLEMA MATERIAIS E MÉTODOS RESULTADOS CONCLUSÕES 3

Leia mais

A liderança dos processos de regeneração urbana Bairros Críticos

A liderança dos processos de regeneração urbana Bairros Críticos A liderança dos processos de regeneração urbana Bairros Críticos FACTORES PARA A MUDANÇA Presidente da Câmara Municipal da Moita João Manuel de Jesus Lobo . Maior envolvimento, como autarcas e uma maior

Leia mais

Disciplina: Eletrônica Digital Aluno: Nº: Código: EL52M Turma: Prof.: Gustavo B. Borba Código: Data: / /

Disciplina: Eletrônica Digital Aluno: Nº: Código: EL52M Turma: Prof.: Gustavo B. Borba Código: Data: / / Ministério da Educação Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Departamento Acadêmico de Eletrônica DAELN Curso Superior de Tecnologia em Mecatrônica Disciplina: Eletrônica Digital Aluno: Nº:

Leia mais

TEMA. As Tecnologias da Informação e Comunicação nas Organizações do Conhecimento OBJECTIVO DEFINIÇÃO

TEMA. As Tecnologias da Informação e Comunicação nas Organizações do Conhecimento OBJECTIVO DEFINIÇÃO Instituto Superior de Línguas e Administração GAIA TEMA Nuno José Rodrigues (252) António Tomás Madureira (261) 5 de Junho de 2008 Sistemas de Informação e Multimédia 1 5 de Junho de 2008 Sistemas de Informação

Leia mais

AGENDA. A Entreposto Logística. História. Caracterização Actual. Logística Integrada. Logística de Viaturas. Outros Serviços

AGENDA. A Entreposto Logística. História. Caracterização Actual. Logística Integrada. Logística de Viaturas. Outros Serviços Outubro de 2013 AGENDA 1 2 3 4 5 6 7 A Entreposto Logística História Caracterização Actual Logística Integrada Logística de Viaturas Outros Serviços Política da Qualidade, Ambiente e Segurança 1 2 3 4

Leia mais

FINICIA E QREN APOIO AO FINANCIAMENTO DE START-UP

FINICIA E QREN APOIO AO FINANCIAMENTO DE START-UP FINICIA E QREN APOIO AO FINANCIAMENTO DE START-UP Programas de Mercado Programas Programmes para o Along Ciclothe de Business Vida das Life Empresas Cycle FINICIA FINCRESCE FINTRANS FINICIA Financiamento

Leia mais

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos:

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos: Informática A informática engloba toda atividade relacionada ao uso dos computadores, permitindo aprimorar e automatizar tarefas em qualquer área de atuação da sociedade. Informática é a "Ciência do tratamento

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR TÉCNICA PLANO ANALÍTICO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA III( JAVA) SEMESTRE Nº DE CRÉDITOS

ESCOLA SUPERIOR TÉCNICA PLANO ANALÍTICO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA III( JAVA) SEMESTRE Nº DE CRÉDITOS ESCOLA SUPERIOR TÉCNICA PLANO ANALÍTICO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA III( JAVA) NÍVEL REGIME ANO ANO ACADÉMICO SEMESTRE Nº DE CRÉDITOS Nº DE HORAS/SEMANA TOTAL DE HORAS SEMESTRAIS DE CONTACTO DOCENTE 1 Laboral

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51

Sumário. CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13. CAPÍTULO 2 Padronizações e Convenções em Eletricidade 27. CAPÍTULO 3 Lei de Ohm e Potência 51 Sumário CAPÍTULO 1 A Natureza da Eletricidade 13 Estrutura do átomo 13 Carga elétrica 15 Unidade coulomb 16 Campo eletrostático 16 Diferença de potencial 17 Corrente 17 Fluxo de corrente 18 Fontes de eletricidade

Leia mais

Acções de Cooperação Transfronteiriça para a Inovação e Oportunidades de Negócio. Braga, 20 de Setembro de 2012

Acções de Cooperação Transfronteiriça para a Inovação e Oportunidades de Negócio. Braga, 20 de Setembro de 2012 Acções de Cooperação Transfronteiriça para a Inovação e Oportunidades de Negócio Braga, 20 de Setembro de 2012 1 - Enquadramento ACTION: Acções de Cooperação Transfronteiriça para a Inovação e Oportunidades

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MEMÓRIA. Prof. Dr. Daniel Caetano

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MEMÓRIA. Prof. Dr. Daniel Caetano ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MEMÓRIA Prof. Dr. Daniel Caetano 22-2 Objetivos Compreender o que é a memória e sua hierarquia Compreender os diferentes tipos de memória Entender como é feito

Leia mais

CAMINHOS PARA A EDIÇÃO DIGITAL

CAMINHOS PARA A EDIÇÃO DIGITAL CAMINHOS PARA A EDIÇÃO DIGITAL O QUE É ISTO? NÃO É UM LIVRO! PASSADO ANALÓGICO PATO LÓGICO O Pato Lógico é um animal editorial que faz livros. Uns têm folhas que se viram para desvendar a página seguinte,

Leia mais

Realimentação. gerados tanto por os componentes do circuito como interferências externas. (continua) p. 2/2

Realimentação. gerados tanto por os componentes do circuito como interferências externas. (continua) p. 2/2 p. 1/2 Resumo Realimentação Dessensibilização do Ganho Extensão de Largura de Banda Redução de Ruído Redução de Distorção não Linear As quatro tipologias básicas Amplificadores de Tensão Amplificadores

Leia mais

Controlo em Série Automatizado Para Peças Prensadas

Controlo em Série Automatizado Para Peças Prensadas Controlo em Série Automatizado Para Peças Prensadas Controlos eficientes por amostragem na BMW Regensburg através de um sistema de digitalização 3D Steinbichler SISTEMA / APLICAÇÃO SECTOR CLIENTE STEINBICHLER

Leia mais

Bem-vindos à Fort Ad Pays MARKETING E PUBLICIDADE GLOBAL

Bem-vindos à Fort Ad Pays MARKETING E PUBLICIDADE GLOBAL Bem-vindos à Fort Ad Pays MARKETING E PUBLICIDADE GLOBAL Quem é Fort Ad Pays...? FAP é uma plataforma de classificados e publicidade gratuita para usuários, comerciantes e empresas que podem anunciar seus

Leia mais

Bruno Antunes da Silva UFSCar - Sorocaba

Bruno Antunes da Silva UFSCar - Sorocaba Bruno Antunes da Silva UFSCar - Sorocaba Introdução HDFS Arquitetura Leitura e escrita Distribuição de nós Controle de réplicas Balancer MapReduce Conclusão Aplicações web com grandes quantidades de dados

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Fundamentos e Temas Actuais de Gestão MESTRADO Gestão ANO E SEMESTRE ANO

Leia mais