Aprender Ciências a Brincar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aprender Ciências a Brincar"

Transcrição

1 Aprender Ciências a Brincar Os conhecimentos serão transmitidos recorrendo à exploração do meio e através de experiências simples, com materiais de uso corrente. A realização de experiências permitirá introduzir o método científico de uma forma muito básica e despertar a curiosidade da criança. I Água e fluidos A água está presente na maioria das nossas actividades no nosso dia-a-dia, sendo também uma fonte de brincadeiras e prazer para as crianças. Serão explorados, de forma implícita, conteúdos relacionados com: Dissolução de diferentes substâncias com água Processos de separação de misturas Flutuação de diferentes materiais Densidade dos líquidos Efeito da pressão atmosférica Importância da tensão superficial II Luz e Extracção de pigmentos Todos os dias utilizamos a luz do Sol para fazer as mais diversas tarefas. Com as actividades neste módulo, as crianças terão a oportunidade de explorar aspectos relacionados: Luz, vamos brincar com a nossa sombra Luz, quais as cores que a constituem? Quais as propriedades da luz Criar um arco-íris Como são constituídas as cores? O que são cores primárias e secundárias? III Produzir e brincar com CO 2 O ar que nos rodeia é uma mistura de vários gases. Neste módulo as crianças terão a oportunidade de descobrir de onde vem o dióxido de carbono (CO 2 ), como produzi-lo e explorar diversos fenómenos Como fazer o esparguete dançar Como produzir espuma colorida Encher um balão sem lhe soprar Criar um extintor e apagar uma vela sem esforço Construir possível um foguetão e lança-lo o mais alto Construir um vulcão e provocar a sua erupção

2 IV Animais Os animais fazem parte do dia-a-dia das crianças através de um contacto mais ou menos directo. Com as actividades neste módulo, e com o jogo envolvido, as crianças terão a oportunidade de: Identificação de animais Diferentes tipos de adaptação ao local onde vivem Adaptação ao modo como se alimentam Observação de animais à lupa Quais as características e singularidade V Electricidade e ímanes Todos os dias utilizamos a electricidade e sabemos que os ímanes atraem materiais magnéticos. Neste módulo as crianças terão a oportunidade de explorar diversos fenómenos Construir um circuito eléctrico simples, Acender lâmpadas em série e em paralelo Será que os objectos podem adquirir electricidade? Descobrir que materiais são condutores de electricidade Explorar as propriedades electromagnéticas de diversos materiais VI Plantas e Sementes Este projecto pretende dar a conhecer às crianças noções básicas sobre o que é uma planta: Identificação de cada parte da planta e introduzir o conceito de função de cada uma delas Proporcionar uma percepção clara da estrutura da folha (textura, contorno, cor, etc.). Reconhecimento do tamanho e variedade das sementes (associação das sementes a óleos e farinhas, quais as cores e cheiros característicos). Explorar as semelhanças e diferenças entre os frutos. Alargar o conhecimento das crianças a respeito do grupo alimentar dos frutos.

3 Pacote I Vida de Planta I: As plantas também transpiram! As plantas, tal como os animais, precisam de energia para assegurar as funções vitais. É através da respiração que obtêm a energia armazenada nos açúcares, decompondo-os em moléculas mais simples. Transpirar? Quem eu? Por onde é que as plantas respiram e transpiram As plantas absorvem água I? As plantas absorvem água II? Como sobe a água nas plantas? O caule ao microscópio Pacote II - Vida de Planta II Fábrica de alimento! (fotossíntese) As plantas são capazes de fabricar o seu próprio alimento. Utilizando energia solar, sintetizam todas as substâncias nutritivas de que necessitam a partir da seiva bruta e do dióxido de carbono. As plantas produzem os compostos orgânicos de que necessitam através de um processo complexo, que envolve várias reacções químicas, designado por fotossíntese. O que produz a planta? O amido mais de perto As plantas e a produção de oxigénio E se o sol fosse verde? Observa os cloroplastos Pacote III Biotecnologia Fabricar pão e fabricar queijo "Biotecnologia define-se pelo uso de conhecimentos sobre os processos biológicos e sobre as propriedades dos seres vivos, com o fim de resolver problemas e criar produtos de utilidade." Na biotecnologia enquadra-se um conjunto de actividades que o homem vem desenvolvendo há milhares de anos, como a produção de alimentos fermentados (pão, vinho, iogurte, cerveja, e outros). Fabricar pão Actividade das leveduras Fazer um pão Fabricar queijo Actividade enzimática Fazer queijo

4 Pacote IV -Fornos solares O forno solar é um forno que não utiliza fogo para preparar a comida, mas sim a luz do Sol. O forno só precisa de uma estrutura clara ou um espelho com um pote preto dentro para absorver os raios solares e cozinhar os alimentos. O forno solar pode substituir o forno que se usa actualmente nas cozinhas. O Sol como fonte de energia renovável Absorção e reflexão solar de diferentes superfícies Construção de um forno solar Utilização do forno solar Pacote V - PET Politereftalato de etileno, ou PET, é um polímero termoplástico. Utilizado principalmente na forma de fibras para tecelagem e de embalagens para bebidas. Nesta actividade pretende-se sensibilizar a reutilização do PET. Serão explorados, conteúdos relacionados com: Quais os tipos de plástico Quais as suas características Propriedades Físicas e Mecânicas Onde se utilizam? Onde podem ser reutilizados Construção de diferentes objectos, reutilizando material PET Pacote VI - Solos O solo é a camada sedimentar que cobre a superfície emersa terrestre (crusta continental), sobre a litosfera. A classificação dos solos atende, entre outros parâmetros, à sua constituição em minerais, gases, água e húmus. Classificação de solos quanto à sua textura (arenoso, argiloso, ) Observação microscópica Erosão de solos Composição química (ph, nitratos, sais)

5 Pacote VII - Electricidade A electricidade é um fenómeno físico originado por cargas eléctricas estáticas, ou em movimento, e pela sua interacção. Quando uma carga se encontra em repouso, produz forças sobre outras situadas à sua volta. Se a carga se desloca, produz também campos magnéticos. Electricidade estática Condutividade Corrente contínua e alterna Circuitos eléctricos Indução electromagnética Pacote VIII Água Análise Química e ETA A água está presente na maioria das nossas actividades diárias sendo pela sua larga utilização um bem precioso. Análise química: Propriedades físicas da água e gelo (densidade, condutividade, tensão superficial) Propriedades químicas (composição, carácter químico) ETA: Simulação dos procedimentos efectuados numa Estação de Tratamento de Águas para obtenção de água potável. Operações para o tratamento de águas Construção de um filtro de areia Tratamento de uma água bruta Análise química da água tratada

Resumo das atividades para o Nível I pré-escolar, 1º e 2º anos

Resumo das atividades para o Nível I pré-escolar, 1º e 2º anos Resumo das atividades para o Nível I pré-escolar, 1º e 2º anos Papel Como atividade propõe-se a realização de um processo artesanal de reciclagem de papel. Associada a esta temática pretende-se transmitir

Leia mais

Programa de atividades

Programa de atividades Centro Ciência Viva de Tavira Programa de atividades Ano letivo 2012/2013 O Centro Ciência Viva de Tavira É um espaço de divulgação científica e tecnológica, integrado na Rede Nacional de Centros Ciência

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS CICLOS BIOGEOQUÍMICOS O fluxo de energia em um ecossistema é unidirecional e necessita de uma constante renovação de energia, que é garantida pelo Sol. Com a matéria inorgânica que participa dos ecossistemas

Leia mais

International Space Station - ISS

International Space Station - ISS International Space Station - ISS International Space Station - ISS Agenda O que é a Estação Espacial Internacional (ISS)? O kit da ISS: Propostas de integração no currículo do 3.º ciclo - Algumas questões

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

OFERTA PEDAGÓGICA. Educação Pré-Escolar

OFERTA PEDAGÓGICA. Educação Pré-Escolar OFERTA PEDAGÓGICA Educação Pré-Escolar ANO LECTIVO 2014 2015 Durante todo o percurso escolar, é importante desenvolver ferramentas que permitam a compreensão do mundo que nos rodeia e despertar a curiosidade

Leia mais

Educação para a Ciência para o 1.º e 2.º Ciclos

Educação para a Ciência para o 1.º e 2.º Ciclos Educação para a Ciência para o 1.º e 2.º Ciclos por ÍNDICE ENQUADRAMENTO CURRICULAR 2 ACTIVIDADES 3 ACTIVIDADES EM MONSANTO 3 ACTIVIDADES NA ESCOLA 5 FUN SCIENCE 6 DURAÇÃO 9 ORÇAMENTO 9 CONTACTOS 9 1 Natureza

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

Cadeia alimentar 3º ano

Cadeia alimentar 3º ano Cadeia alimentar 3º ano O equilíbrio ecológico depende diretamente da interação, das trocas e das relações que os seres vivos estabelecem entre si e com o ambiente. Os seres respiram, vivem sobre o solo

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES

UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES ESCOLA SECUNDÁRIA CAMILO CASTELO BRANCO V. N. FAMALICÃO ACÇÃO DE FORMAÇÃO UTILIZAÇÃO DOS NOVOS LABORATÓRIOS ESCOLARES Correcção Formador: Professor Vítor Duarte Teodoro Formanda: Maria do Céu da Mota Rocha

Leia mais

Termos Técnicos Ácidos Classe de substâncias que têm ph igual ou maior que 1 e menor que 7. Exemplo: sumo do limão. Átomos Todos os materiais são formados por pequenas partículas. Estas partículas chamam-se

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

Ciência na Planície EBI de Amareleja. Propostas de atividades

Ciência na Planície EBI de Amareleja. Propostas de atividades Ciência na Planície EBI de Amareleja Propostas de atividades Escrita Invisível Com esta experiência podes torna-te num espião e deixa mensagens que os teus amigos só poderão ler depois de desvendares o

Leia mais

PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2010/2011 MINILABS

PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2010/2011 MINILABS PROGRAMA DE 2010/2011 MINILABS 3º CICLO Biotecnologia do Iogurte [2 /aluno] Sessão em que os participantes observam microscopicamente as bactérias utilizadas no fabrico do iogurte e executam culturas selectivas

Leia mais

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 2º Bimestre 2012 CIÊNCIAS DESCRITORES DESCRITORES DO 2º BIMESTRE DE 2012

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL Planos de Unidade ÁREA CURRICULAR: Ciências da Natureza 6º ANO ANO LETIVO: 2012/2013

PLANIFICAÇÃO ANUAL Planos de Unidade ÁREA CURRICULAR: Ciências da Natureza 6º ANO ANO LETIVO: 2012/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE - 161718 GRUPO DISCIPLINAR 230 MATEMÁTICA/ CIÊNCIAS DA NATUREZA ÁREA CURRICULAR: Ciências da Natureza 6º ANO ANO LETIVO: 2012/2013 TEMA/ CONTEÚDO: Processos Vitais

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2010/2011 LABORATÓRIOS

PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2010/2011 LABORATÓRIOS PROGRAMA DE 2010/2011 LABORATÓRIOS PRÉ-ESCOLAR, 1º E 2º CICLOS À Descoberta do Criminoso [3 /aluno] Um divertido enigma é ponto de partida para uma empolgante aventura pelo mundo da investigação policial.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - CIÊNCIAS DA NATUREZA - 5º ANO Temas Unidades/Conteúdos Para resolver Tempos 45 Calendarização

PLANIFICAÇÃO - CIÊNCIAS DA NATUREZA - 5º ANO Temas Unidades/Conteúdos Para resolver Tempos 45 Calendarização PLANIFICAÇÃO - CIÊNCIAS DA NATUREZA - 5º ANO 0. Terra, ambiente de vida Onde existe vida? Primeira abordagem ao conceito de biosfera. 5 + 3 Como é a forma dos animais? 1.Variedade de formas e Como é revestido

Leia mais

PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO

PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO [2H00-5 /Aluno] Meteorologistas de Palmo e Meio Tal como verdadeiros meteorologistas, os participantes simulam alguns dos mais comuns e destrutivos fenómenos climatéricos. Constroem

Leia mais

CIENTISTAS NO PARQUE Ensino Básico

CIENTISTAS NO PARQUE Ensino Básico CIENTISTAS NO PARQUE Ensino Básico Este programa aborda a disciplina de ciências naturais de uma forma prática, partindo de temas como a biodiversidade, a gestão de recursos e a monitorização ambiental.

Leia mais

MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO

MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO MINI LABS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO Visionarium Centro de Ciência do Europarque 4520 153 Santa Maria da Feira Tel. 256 370 605/9 Fax. 256 370 608 E-mail. Info.visionarium@aeportugal.com

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

Escola Secundária c/ 3º Ciclo de Azambuja Abril/2008. Recursos Naturais. Melissa Albuquerque 8º C. Ciências Físico-Químicas Profª Isabel Oliveira

Escola Secundária c/ 3º Ciclo de Azambuja Abril/2008. Recursos Naturais. Melissa Albuquerque 8º C. Ciências Físico-Químicas Profª Isabel Oliveira Escola Secundária c/ 3º Ciclo de Azambuja Abril/2008 Recursos Naturais Ciências Físico-Químicas Profª Isabel Oliveira Melissa Albuquerque 8º C INTRODUÇÃO Recursos Naturais, foi o tema escolhido por nós.

Leia mais

31/01/2015. Programa. Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org

31/01/2015. Programa. Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org Paulo Figueiredo paulo@pfigueiredo.org Programa 1. Processos de alteração dos alimentos: físicos, químicos e biológicos. 2. Processos de conservação de alimentos: métodos fermentativos, conservantes alimentares,

Leia mais

Tanto que há para saber sobre as batatas...

Tanto que há para saber sobre as batatas... Tanto que há para saber sobre as batatas... 2008 foi declarado o "Ano Internacional da Batata" pela ONU (Resolução 60/191 da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, de 22 de Dezembro de 2005).

Leia mais

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS

ECOLOGIA GERAL FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS ECOLOGIA GERAL Aula 05 Aula de hoje: FLUXO DE ENERGIA E MATÉRIA ATRAVÉS DE ECOSSISTEMAS Sabemos que todos os organismos necessitam de energia para se manterem vivos, crescerem, se reproduzirem e, no caso

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA AS ONDAS DE CALOR 2008 RECOMENDAÇÕES SOBRE VESTUÁRIO APROPRIADO EM PERÍODOS DE TEMPERATURAS ELEVADAS Nº: 21/DA DATA: 07/08/08 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX 1. IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA Nome do produto: Identificação: Tipo de formulação: Utilização: SIPFOL MAX Aminoácidos, magnésio e oligoelementos Concentrado

Leia mais

SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA

SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA SUBSTRATOS PARA CULTURAS SEM SOLO HIDROPONIA Um substrato para "hidroponia" é o suporte para o desenvolvimento das raízes, limitado fisicamente no seu volume, isolado do solo, capaz de proporcionar à planta

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Planificação de Ciências Naturais 8.º ano Ano letivo 2014/2015 Domínio: Terra em transformação Subdomínio: Dinâmica externa da Terra ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE CAMARATE Identificar os minerais constituintes de rochas, considerando as suas propriedades físicas

Leia mais

Matéria Orgânica do solo (m.o.s)

Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Matéria Orgânica do solo (m.o.s) Objetivos Proporcionar conhecimentos básicos sobre a origem e dinâmica da m.o. do solo; Conhecer suas características e propriedades; Discutir como algumas propriedades

Leia mais

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo

Estudo do Solo. 1. Introdução. 2. O solo Estudo do Solo 1. Introdução O estudo e a caracterização dos parâmetros físicos e químicos do solo constituem uma metodologia de trabalho essencial na realização de levantamentos das comunidades vegetais,

Leia mais

LABORATÓRIOS MINI LABS OFICINAS MINI OFICINAS OVERNIGHTS

LABORATÓRIOS MINI LABS OFICINAS MINI OFICINAS OVERNIGHTS 2º CICLO LABORATÓRIOS MINI LABS OFICINAS MINI OFICINAS OVERNIGHTS EXPOSIÇÃO PERMANENTE EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA CAMPO CINÉTICO VIAGENS CIENTÍFICAS Visionarium Centro de Ciência do Europarque 4520 153 Santa

Leia mais

Acção de Formação. Sabores com Muita Sabedoria. 8ª Sessão. A importância do rigor em Ciência. Doce... mas com muita ciência

Acção de Formação. Sabores com Muita Sabedoria. 8ª Sessão. A importância do rigor em Ciência. Doce... mas com muita ciência Acção de Formação Sabores com Muita Sabedoria 8ª Sessão A importância do rigor em Ciência Doce... mas com muita ciência Importância do Rigor no Estudo da Ciência Público Esta actividade destina-se a crianças

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Currículo Nacional do Ensino Básico Competências essenciais 2º CICLO CIÊNCIAS NATURAIS

Leia mais

2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS

2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS 2015 - ANO INTERNACIONAL DOS SOLOS FALANDO DOS SOLOS (8) No bloco anterior aludi à componente mineral do solo. Neste abordo a componente orgânica e as fracções líquida e gasosa que lhes estão associadas.

Leia mais

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA

10-10-2000. Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA Estudo da composição dos solos A turfa 10-10-2000 Francisco José Simões Roque, nº9 11ºA INTRODUÇÃO Os solos são sistemas trifásicos pois são constituídos por componentes sólidos, líquidos e gasosos. Cerca

Leia mais

atividade 2 Como ocorre o transporte de água no corpo das plantas Construir explicações a partir de observações

atividade 2 Como ocorre o transporte de água no corpo das plantas Construir explicações a partir de observações atividade 2 Como ocorre o transporte de água no corpo das plantas Construir explicações a partir de observações Nathália Helena Azevedo, Adriana Maria Zanforlin Martini e Daniela Lopes Scarpa Como citar:

Leia mais

Plano de Educação Ambiental

Plano de Educação Ambiental Plano de Educação Ambiental Ano Lectivo 2007/08 da Quinta da Gruta, 28 de Setembro de 2007 Tipos de Actividades: Laboratoriais; Hortas; Animais; Cozinha; Atelier s Visitas temáticas; Dias Comemorativos

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA Caderno N0901 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2 BIMESTRE Ciências 9 ano do Ensino Fundamental Nome do Aluno(a): Orientações Você está recebendo um caderno com 27 questões. Você dispõe de 2 horas para responder a

Leia mais

É caracterizado por ter uma baixa densidade, uma grande quantidade de água, carga eléctrica negativa e uma grande capacidade de permuta de iões.

É caracterizado por ter uma baixa densidade, uma grande quantidade de água, carga eléctrica negativa e uma grande capacidade de permuta de iões. Os solos Definição: O solo é um recurso renovável que facilmente se pode perder por mau uso ou gestão deficiente. O solo forma-se a partir da alterabilidade (meteorização química e/ou física) das rochas

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Pedro Miguel Bezerra Disciplina: Ciências Naturais Ano: 5.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Matéria

Leia mais

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono

Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono Escolha do agente extintor Os agentes extintores mais usados são: água Água + adiivos espuma pó químico dióxido de carbono É de notar que não se refere as substâncias halogenados por se encontrarem proibidos

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS DA NATUREZA*

METAS DE APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS DA NATUREZA* METAS DE APRENDIZAGEM DE CIÊNCIAS DA NATUREZA As Metas de Aprendizagem de Ciências são aprendizagens que os alunos deverão ter alcançado no final da escolaridade básica, no domínio das Ciências, de forma

Leia mais

Unidade 1 Energia no quotidiano

Unidade 1 Energia no quotidiano Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus Vila Real Componente da Física Energia Do Sol para a Terra Física e Química A 10º Ano Turma C Ano Lectivo 2008/09 Unidade 1 Energia no quotidiano 1.1 A energia

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

Como distinguir misturas homogéneas de misturas heterogéneas. Uma mistura é constituída por dois ou mais componentes

Como distinguir misturas homogéneas de misturas heterogéneas. Uma mistura é constituída por dois ou mais componentes Como distinguir misturas homogéneas de misturas heterogéneas Uma mistura é constituída por dois ou mais componentes Homogéneas As pizzas são misturas heterogéneas Heterogéneas coloidais A espuma para o

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

FAZ A TUA PASTA DE DENTES

FAZ A TUA PASTA DE DENTES LABORATÓRIO FAZ A TUA PASTA DE DENTES Palavras-chave: infusão, plantas, higiene oral Descrição: abordar os conceitos científicos relacionados com a higiene oral pode ser tão divertido quanto científico.

Leia mais

ANO LECTIVO 2011-12 LABORATÓRIOS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES

ANO LECTIVO 2011-12 LABORATÓRIOS PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES ANO LECTIVO 2011-12 PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO 2º CICLO 3º CICLO SECUNDÁRIO NOVAS OPORTUNIDADES 1 PRÉ-ESCOLAR E 1º CICLO Chefs no Laboratorium Muitos dos alimentos que fazem as delícias dos mais pequenos resultam

Leia mais

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manuseio Mínimo Apoio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CEAGESP - CENTRO DE QUALIDADE EM

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE UMA ESTUFA SUSTENTÁVEL E AUTO-SUFICIENTE COM ENERGIA PROVENIENTE DE LUZ SOLAR

CONSTRUÇÃO DE UMA ESTUFA SUSTENTÁVEL E AUTO-SUFICIENTE COM ENERGIA PROVENIENTE DE LUZ SOLAR EXTERNATO INFANTE D.HENRIQUE ANO LETIVO: 2014/2015 DISCIPLINA: Biologia TURMA: 12ºB ELEMENTOS: Bruna Cunha; Duarte Ribeiro; Joana Gandarela; Luís Faria; CONSTRUÇÃO DE UMA ESTUFA SUSTENTÁVEL E AUTO-SUFICIENTE

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A MÉDIO/LONGO PRAZO CIÊNCIAS DA NATUREZA 6º ANO

PLANIFICAÇÃO A MÉDIO/LONGO PRAZO CIÊNCIAS DA NATUREZA 6º ANO PLANIFICAÇÃO A MÉDIO/LONGO PRAZO CIÊNCIAS DA NATUREZA 6º ANO Competências essenciais Conteúdos Materiais N.º de aulas (45 min.) Compreender que a vida dos seres é assegurada pela realização de funções

Leia mais

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar CIÊNCIAS NATURAIS

Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar CIÊNCIAS NATURAIS Uma perspectiva de ensino para as áreas de conhecimento escolar CIÊNCIAS NATURAIS A proposta A proposta de ensino das Ciências Naturais se fundamenta na construção do pensamento científico acerca dos fenômenos

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume V Riscos de Incêndio. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume V Riscos de Incêndio. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume V Riscos de Incêndio um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA

FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA FLUXO DE ENERGIA E CICLOS DE MATÉRIA Todos os organismos necessitam de energia para realizar as suas funções vitais. A energia necessária para a vida na Terra provém praticamente toda do sol. Contudo,

Leia mais

SESSÃO DE FORMAÇÃO. 1. Finalidades e Objectivos. 2. O Inquiry Based Learning e as Ciências no ensino básico

SESSÃO DE FORMAÇÃO. 1. Finalidades e Objectivos. 2. O Inquiry Based Learning e as Ciências no ensino básico SESSÃO DE FORMAÇÃO SEMENTES DE CIÊNCIA NA CIDADE 1. Finalidades e Objectivos 2. O Inquiry Based Learning e as Ciências no ensino básico 3. A Liberdade do professor e as consequências da Aprendizagem *

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES MANUAL DE ATIVIDADES 2015

MANUAL DE ATIVIDADES MANUAL DE ATIVIDADES 2015 1 1 MANUAL DE ATIVIDADES 2015 ÍNDICE Atividades para o público em geral Visita à Exposição Cafetaria Termal Ateliê Pequenos Cientistas Ateliê de Pintura Safari Microbiano Passeio de Degustação das Águas

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos 49 Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos fig. V.. Atmosfera terrestre é uma camada essencialmente gasosa um fluido. Na segunda parte da figura podemos ver a um fluido em movimento escoando em um

Leia mais

Linguagem da Termodinâmica

Linguagem da Termodinâmica Linguagem da Termodinâmica Termodinâmica N A = 6,022 10 23 Ramo da Física que estuda sistemas que contêm um grande nº de partículas constituintes (átomos, moléculas, iões,...), a partir da observação das

Leia mais

Os microrganismos e suas funções

Os microrganismos e suas funções ós na ala de Aula - Ciências 6º ao 9º ano - unidade 3 essa unidade, as atividades propostas visam colaborar para desenvolver novas perspectivas sobre a fermentação, processo realizado por fungos e bactérias.

Leia mais

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro.

Microfone e altifalante. Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. sinal elétrico num sinal sonoro. Microfone e altifalante Conversão de um sinal sonoro num sinal elétrico. Conversão de um sinal elétrico num sinal sonoro. O funcionamento dos microfones e dos altifalantes baseia-se na: - acústica; - no

Leia mais

Os microrganismos são essenciais na produção de alimentos.

Os microrganismos são essenciais na produção de alimentos. Os microrganismos são essenciais na produção de alimentos. Vinho Queijo Cerveja Pão Vinagre Iogurte Louis Pasteur (1822-1895) Primeiro cientista a defender e comprovar a existência de microrganismos na

Leia mais

EsEscola Básica 2.3 de Pedro de Santarém Ano Lectivo: 2010/2011 5º Ano Planificação Anual de Ciências da Natureza

EsEscola Básica 2.3 de Pedro de Santarém Ano Lectivo: 2010/2011 5º Ano Planificação Anual de Ciências da Natureza Preparar e organizar o trabalho a realizar com os. Reconhecer a diversidade de ambientes e de seres vivos existentes na Biosfera. Compreender as relações entre as características dos organismos e os ambientes

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

O AR É UMA MISTURA DE GASES QUE FORMAM A ATMOSFERA DO PLANETA TERRA.

O AR É UMA MISTURA DE GASES QUE FORMAM A ATMOSFERA DO PLANETA TERRA. O AR É UMA MISTURA DE GASES QUE FORMAM A ATMOSFERA DO PLANETA TERRA. Imagem: Vista da lua crescente do topo da atmosfera da Terra / NASA Earth Observatory / Domínio Público COMPOSIÇÃO APROXIMADA DOS GASES

Leia mais

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária.

Classificação das fontes Todos os corpos visíveis são fontes de luz e podem classificar-se em primária ou secundária. Luz: é uma onda eletromagnética, que tem comprimento de onda (do espectro visível) na faixa de 400 nm a 700 nm (nm = nanômetros = 10-9 m). Além da luz visível, existem outras onda eletromagnéticas om diferentes

Leia mais

Simulação de um tornado Construção de um termómetro e medição da temperatura ambiente Construção de um barómetro e medição da pressão atmosférica

Simulação de um tornado Construção de um termómetro e medição da temperatura ambiente Construção de um barómetro e medição da pressão atmosférica LABORATÓRIOS [2H00-5 /Aluno] Meteorologistas de Palmo e Meio Tal como verdadeiros meteorologistas, os participantes simulam alguns dos mais comuns e destrutivos fenómenos climatéricos. Constroem instrumentos

Leia mais

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação . Novas Técnicas de Avaliação Elsa Gonçalves Ano 2003 Objectivos Revisão crítica do estado de conhecimento sobre: A influência do processo de congelação na qualidade dos produtos vegetais; Novas técnicas

Leia mais

Acção de Formação. Sabores com Muita Sabedoria. 3ª Sessão. Actividades Propostas

Acção de Formação. Sabores com Muita Sabedoria. 3ª Sessão. Actividades Propostas Acção de Formação Sabores com Muita Sabedoria 3ª Sessão Actividades Propostas Obra Proposta na Acção para a introdução do estudo de temas de ciência: O Grilo Verde Autor António Mota Editora Gailivro O

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

Células procarióticas

Células procarióticas Pró Madá 1º ano Células procarióticas Citosol - composto por 80% de água e milhares de tipos de proteínas, glicídios, lipídios, aminoácidos, bases nitrogenadas, vitaminas, íons. Moléculas de DNA e ribossomos

Leia mais

PLANEJAMENTO JULHO, AGOSTO E SETEMBRO 2014

PLANEJAMENTO JULHO, AGOSTO E SETEMBRO 2014 CENTRO EDUCACIONAL DA LAGOA PLANEJAMENTO JULHO, AGOSTO E SETEMBRO 2014 PROJETO VENCER OU PERDER: O desafio da vida JULHO Dia 26/07 : Dia dos avós INVESTIGAÇÃO SOBRE ALGUNS FENÔMENOS DA NATUREZA: Início

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2A

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2A CADERNO DE EXERCÍCIOS 2A Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Cadeia alimentar e fluxo de energia H43 2 Esquema do sistema digestório H46 3 Órgãos

Leia mais

Características dos Ovos

Características dos Ovos Características dos Ovos Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE

A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE A MATÉRIA E SEUS ESTADOS FÍSICOS I TRIMESTRE CIÊNCIAS NATURAIS SABRINA PARENTE Matéria é tudo em que você puder pensar, destas páginas que você está lendo até a cadeira que você está sentado, a água que

Leia mais

A água. Alexandra Daniela

A água. Alexandra Daniela A água Novembro de 2007 Alexandra Daniela Luciana 12 1 Essa água poluída pode matar peixes e outros animais que a bebem e provocar doenças nas pessoas. Também faz com que as reservas de água potável (que

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES. PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LUÍS DE CAMÕES ESCOLA BÁSICA 2, 3 LUÍS DE CAMÕES ANO LECTIVO 2014 / 2015 PROJECTO CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º Ano DOMÍNIO: PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES

Leia mais

Aluno(a): Código: 2 Rua T-53 Qd. 92 Lt. 10/11 nº 1356 Setor Bueno 62-3285-7473 www.milleniumclasse.com.br

Aluno(a): Código: 2 Rua T-53 Qd. 92 Lt. 10/11 nº 1356 Setor Bueno 62-3285-7473 www.milleniumclasse.com.br Aluno(a):_ Código: Série: 1ª Turma: Data: / / 01. O casal Fernando e Isabel planeja ter um filho e ambos têm sangue do tipo A. A mãe de Isabel tem sangue do tipo O. O pai e a mãe de Fernando têm sangue

Leia mais

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA

BIOLOGIA COMENTÁRIO DA PROVA COMENTÁRIO DA PROVA Nesta edição do vestibular da UFPR, a prova de Biologia da segunda fase apresentou questões com diferentes níveis de dificuldade. Mas, de forma geral, podemos afirmar que a criatividade,o

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Água como solvente. Objectivos de Aprendizagem. No final desta lição, você será capaz de:

Água como solvente. Objectivos de Aprendizagem. No final desta lição, você será capaz de: Lição N o 3 Água como solvente Objectivos de Aprendizagem No final desta lição, você será capaz de: Mencionar as propriedades físicas da água. Descrever a composição química da água. Material de apoio

Leia mais

Ano Letivo: 2015/2016. Disciplina de: CIÊNCIAS NATURAIS 6º ANO. Período de Calendarização: 1º, 2º E 3º PERÍODOS. Nº de blocos semanais: 1,5

Ano Letivo: 2015/2016. Disciplina de: CIÊNCIAS NATURAIS 6º ANO. Período de Calendarização: 1º, 2º E 3º PERÍODOS. Nº de blocos semanais: 1,5 Escola EB 2,3 de António Feijó Ponte de Lima Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Subestrutura de Ciências Naturais PROGRAMA CALENDARIZAÇÃO Ano Letivo: 2015/2016 Disciplina de: CIÊNCIAS

Leia mais

Luz Solar. 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres humanos.

Luz Solar. 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres humanos. Luz Solar 1. Cite duas doenças que podem ser prevenidas com a luz solar? Raquitismo e Osteoporose 2. Em qual dia da criação, Deus criou a luz? 1 dia 3. Cite alguns benefícios da luz solar para os seres

Leia mais

PROF: KELTON WADSON OLIMPIADA / 8º SÉRIE ASSUNTO: PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO DA MATÉRIA

PROF: KELTON WADSON OLIMPIADA / 8º SÉRIE ASSUNTO: PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO DA MATÉRIA PROF: KELTON WADSON OLIMPIADA / 8º SÉRIE ASSUNTO: PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO DA MATÉRIA FENÔMENOS FÍSICOS E QUÍMICOS Um fenômeno físico ocorre sem que a substância transforme-se em outra substância, ou

Leia mais

MATÉRIA- PROPRIEDADES DA MATÉRIA- SUBSTÂNICAS (Pura e Composta)- MISTURAS- ANÁLISE IMEDIATA.

MATÉRIA- PROPRIEDADES DA MATÉRIA- SUBSTÂNICAS (Pura e Composta)- MISTURAS- ANÁLISE IMEDIATA. ATENÇÃO: Não sou o detentor dos direitos e também não tenho a intenção de violá-los de nenhuma imagem, exemplo prático ou material de terceiros que porventura venham a ser utilizados neste ou em qualquer

Leia mais

Nesse sistema de aquecimento,

Nesse sistema de aquecimento, Enem 2007 1- Ao beber uma solução de glicose (C 6 H 12 O 6 ), um corta-cana ingere uma substância: (A) que, ao ser degradada pelo organismo, produz energia que pode ser usada para movimentar o corpo. (B)

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

CRIANÇAS QUÍMICOS SABICHÕES À DESCOBERTA DA FLORA. Actividades de Verão. 11:00 13:00 (excepto aos fins de semana) 16:30 18:00

CRIANÇAS QUÍMICOS SABICHÕES À DESCOBERTA DA FLORA. Actividades de Verão. 11:00 13:00 (excepto aos fins de semana) 16:30 18:00 CRIANÇAS Actividades de Verão 11:00 13:00 (excepto aos fins de semana) 16:30 18:00 QUÍMICOS SABICHÕES Durante esta actividade os participantes contactam com experiências que lhes permitirão compreender

Leia mais