VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea"

Transcrição

1 VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea Transfusão de Hemocomponentes Especiais Belo Horizonte Abril 2015 Ricardo Olivo Hemocentro Regional de Uberaba

2 Hemocomponentes Especiais São hemocomponentes que passam por procedimentos para garantir menor risco transfusional ao paciente. São eles: Desleucocitação ou Filtração Irradiação Fenotipagem Eritrocitária Lavagem de Concentrado de Hemácias Aquecimento de Concentrado de Hemácias Brasil. Ministério da Saúde. Guia para o Uso de Hemocomponentes. 2010

3 Desleucocitação

4 Introdução É a remoção de leucócitos de concentrado de hemácias e concentrado de plaquetas. Finalidade: Diminuir a incidência de Reação Febril não Hemolítica Diminuir o risco de transmissão de CMV Reduzir a aloimunização HLA

5 Aspectos Técnicos Método: filtração. Leucócitos em CH: Leucócitos em CP: Remoção: CH < 5,0x10 6 e CP < 8,3x10 5 Redução de 4 logs de leucócitos ( ~ 99%): BioR 01 plus BBS concentrado de hemácias BioP plus BS concentrado de plaquetas Não altera o tempo de armazenamento do CH e CP.

6 Desleucocitação Qual o momento? CH podução e estocagem 3 dias CP - Pós-estocagem - beira do leito

7 Vantagens da desleucocitação pré-estocagem Diminui a produção de citocinas durante armazenamento de CH (prevenção de Reação Febril não Hemolítica) Diminui a sensibilização por antígenos do sistema HLA (relacionado à refratariedade a transfusão de CP) Diminui a transmissão de vírus leucotrópicos (CMV, EBV e HTLV). Facilita a realização do controle de qualidade. Pós-estocagem: não é tão efetiva quanto a pré-estocagem

8 Indicações Hemoglobinopatias anemia falciforme Duas reações transfusionais febris não hemoliticas Transplante de medula óssea Leucemia mielóide aguda Doenças onco-hematológicas graves Anemia aplástica Anemias hemolíticas adquiridas Paciente que tem imunodeficiência congênita Brasil. Ministério da Saúde. Guia para o Uso de Hemocomponentes. 2010

9 Indicações Prevenção de CMV nas situações: Paciente HIV com sorologia negativa para CMV Candidato a transplante de órgãos e medula óssea se doador e receptor forem negativos para CMV Transfusão intra-uterina Gestante com sorologia não reativa ou desconhecida para CMV RN prematuro e baixo peso (1.200g) de mães CMV negativas ou com sorologia desconhecida. Brasil. Ministério da Saúde. Guia para o Uso de Hemocomponentes. 2010

10 Portaria MS 2712 de Controle de Qualidade Hemoglobina maior que 40 g/unidade Percentual de hemólise menor que 0,8% Leucócitos residuais em CH menor que 5x10 6 /unidade Leucocitos residuais em CP menor que 8,3x10 5 Microbiologia: negativa.

11 Irradiação

12 Introdução Procedimento pelo qual CH e CP sofrem irradiação ionizante a fim de evitar a proliferação de linfócitos Finalidade: evitar a ocorrência de DECH-AT (Doença do Enxerto Contra Hospedeiro Associada à Transfusão)

13 DECH-AT Patogenia: linfócitos do doador em pacientes imunossuprimidos ou HLA idênticos não são destruídos, proliferam e produzem citocinas que agridem o receptor. Órgãos envolvidos: pele, intestino, fígado, medula óssea (pancitopenia) óbito maior que 90%. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Relatório Consolidado Nenhum caso de DECH-AT.

14 Portaria MS 2712 de Aspectos Técnicos Radiação ionizante: raios gama ou raios-x Dose: 25 Gy ou cgy (não pode < 15 Gy ou > 50 Gy) As unidades devem ser rotuladas informando sobre a irradiação. Processo tem que ser validado periodicamente

15 Portaria MS 2712 de Aspectos Técnicos Período de irradiação: CH: até 14 dias pós-coleta. CP: até 5 dias Validade: CH: 28 dias após irradiação observando a validade original do hemocomponentes. CP: mantém os 5 dias Irradiação após 14º dia, a validade é por 48 horas. Em transfusão intra-uterina: até 5 dias da coleta e uso nas primeiras 24 horas pós-irradiação

16 Portaria MS 2712 de Aspectos Técnicos Os hemocomponentes devem apresentar um dispositivo provando que a irradiação ocorreu.

17 Indicações RN prematuros (< 28 semanas) RN baixo peso (1,2 kg) Apos transplante de medula óssea (autologo ou alogênico) Pacientes com linfomas Pacientes com Leucemia Mieloide Aguda Pacientes com anemia aplastica tratados com imunossupresores Brasil. Ministério da Saúde. Guia para o Uso de Hemocomponentes. 2010

18 Transfusão intra-uterina Exsanguineo-transfusão Indicações Imunodeficiências congênitas Transplante de coração ou pulmão Transplante com células de cordão umbilical Tratamento com fludarabina e cladribina Paciente em uso de alemtuzumabe. Paciente que recebe plaquetas HLA compatíveis (doadores de 1º grau) Não tem indicação para paciente HIV positivo. Não recomendado para pacientes em uso de rituximabe Brasil. Ministério da Saúde. Guia para o Uso de Hemocomponentes. 2010

19 Complicações Hemólise Aumento de potássio Complicações em pacientes sem indicação? Guidelines on the use of irradiated blood components British Committee for Standards in Hematology

20 Fenotipagem Eritrocitária

21 Introdução Fenotipar é determinar quais antígenos estão presentes nas hemácias do doador e do receptor. Finalidade: evitar reação hemolítica imune em pacientes aloimunizados ou que poderão entrar em esquema de transfusão crônica.

22 Portaria MS 2712 de Antígemos fenotipados Portaria Rh (E,e, C, c) Kell (K) Duffy (Fya, Fyb) Kidd (Jka, Jkb) MNS (S,s)

23 Aspectos Técnicos Em paciente transfundido: esperar 4 meses da última transfusão para fenotipar. A duração do CH é mantida. Os CH podem ser irradiados, desleucocitados, lavados.

24 Indicações Pacientes que poderão entrar em esquema de transfusão crônica. Transfusão de paciente com aloanticorpo. Mulher em idade fértil: antígeno Kell negativo. As indicações relativas à correção da anemia são as mesmas. Brasil. Ministério da Saúde. Guia para o Uso de Hemocomponentes. 2010

25 Lavagem de CH

26 Introdução Procedimento utilizado para remoção de plasma do CH, a fim de diminuir a quantidade de proteína plasmática presente.

27 Aspectos Técnicos Lavagem do CH com SF 0,9% no volume de 1 a 3 litros até a remoção do plasma residual (observado em inspeção visual). Tempo: 14 dias pós-coleta. É procedimento aberto: duração de 24 horas. Pode receber outros procedimentos. Não substitui a filtração. Contém 10 7 leucócitos residuais

28 Portaria MS 2712 de Controle de Qualidade Hemoglobina maior que 40g/unidade Hematócrito de 50 a 75% Percentual de hemólise menos que 0,8% Recuperação maior que 80% da massa eritrocitária Proteína residual menos que 0,5g/unidade Microbiologia negativa

29 Indicações Antecedente de reação alérgica em outras transfusões Antecedente de reação anafilática e com deficiência de IgA. Brasil. Ministério da Saúde. Guia para o Uso de Hemocomponentes. 2010

30 Aquecimento de CH

31 Introdução Procedimento realizado para aquecer o CH quando o mesmo será infundido em grandes volumes, a fim de evitar reação de hipotermia.

32 Riscos da hipotermia Arritmia cardíaca Disfunção da hemostasia: plaquetas e fatores de coagulação Vasoconstricção Diminuida liberação de O2 para tecidos Hiperpotassemia Em casos mais graves: fibrilação ventricular

33 Aspectos Técnicos Realizada em equipamento próprio. Portanto, não deve ser realizado em banho-maria, agua corrente morna, banho de imersão. Tempo: a qualquer momento pós-coleta. Não sofre influência de outros procedimentos. Não se aquece CP. PFC e CRIO são descongelados e não aquecidos.

34 Brasil. Ministério da Saúde. Guia para o Uso de Hemocomponentes Indicações Paciente adulto que receberá CH em velocidade superior a 15 ml/kg/hora por 30 minutos Paciente pediátrico que receberá CH em velocidade superior a 15mL/Kg/hora. Transfusão maciça (transfusão correspondente a 1 volemia) Paciente com altos títulos de anticorpos frios Pacientes com fenômeno de Raynauld Exsanguineo-transfusão

35 Riscos Hemólise Induz a sepse

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. HEMOCOMPONENTES: POR QUE IRRADIAR? Franklin José Candido Santos Hematologista-HemoterapêutaHemoterapêuta do HEMOCE e ICC Indicação: Prevenção

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO/2014 Edital n o 044/2014 Especialidade: TÉCNICO EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA 258 INSTRUÇÕES AO

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Adriana Barretto de Mello hemoba@hemoba.ba.gov.br Todo sangue é fracionado em componentes Vantagens Uma doação pode ajudar vários pacientes Para manter as propriedades

Leia mais

Leucorredução em Plaquetas (20 min) Dr José Francisco Comenalli Marques Jr

Leucorredução em Plaquetas (20 min) Dr José Francisco Comenalli Marques Jr Leucorredução em Plaquetas (20 min) Dr José Francisco Comenalli Marques Jr abril.2015 PROGRAMAÇÃO Definições / Modalidades Princípio Físico Premissas Legislação Limitações Posição da ABHH para Leucorredução

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos antígenos eritrocitários, julgue os itens a seguir. 41 No fenótipo McLeod, a presença da proteína Kx leva à produção de glóbulos vermelhos acantocíticos e à anemia hemolítica. 42 Indivíduos

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Keicia Moreira Pinto Instituto Nacional do Câncer Hospital do Câncer I Serviço de Hemoterapia Setor de Fracionamento e Expedição de Hemocomponentes

Leia mais

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional www.anvisa.gov.br Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional II Encontro Goiano de Gerenciamento de Risco 1 a 3 de outubro de 2012 Termos e Palavras-chave Hemoterapia Uso Racional do sangue

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO PROCESSAMENTO Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Recursos Humanos Nível Sim Não NA 1.1. RH qualificado/capacitado

Leia mais

Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses

Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo odila@chsp.org.br Unidades transfundidas

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. O processo transfusional contempla

Leia mais

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado;

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado; Republicada no D.O. de 22/8/01 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

Hemocomponentes. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com

Hemocomponentes. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com Hemocomponentes Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com Banco de sangue Hemocomponentes: Produtos gerados nos serviços de hemoterapia a partir do sangue total por meio de centrifugação,

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

UTILIDADE E APLICAÇÕES DA GENOTIPAGEM ERITROCITÁRIA NA TRANSFUSÃO: A EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO HEMOMINAS. Maria Clara Fernandes da Silva Malta

UTILIDADE E APLICAÇÕES DA GENOTIPAGEM ERITROCITÁRIA NA TRANSFUSÃO: A EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO HEMOMINAS. Maria Clara Fernandes da Silva Malta UTILIDADE E APLICAÇÕES DA GENOTIPAGEM ERITROCITÁRIA NA TRANSFUSÃO: A EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO HEMOMINAS Maria Clara Fernandes da Silva Malta Antígenos de grupos sanguíneos eritrocitários Carboidratos ou

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA

RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA Residência Pediátrica 2015;5(1):14-20. RESIDÊNCIA PEDIÁTRICA ARTIGO DE REVISÃO Transfusão de hemocomponentes em crianças: o quê, quando e como usar? Blood transfusion in children: what, when and how prescribe

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO MODULO IV PROCESSAMENTO DE HEMOCOMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO MODULO IV PROCESSAMENTO DE HEMOCOMPONENTES CURSO CAPACITAÇÃO EM INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO MODULO IV PROCESSAMENTO DE HEMOCOMPONENTES Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

IX Congresso do Grupo Cooperativo Ibero-Americano de Medicina Transfusional (GCIAMT)

IX Congresso do Grupo Cooperativo Ibero-Americano de Medicina Transfusional (GCIAMT) IX Congresso do Grupo Cooperativo Ibero-Americano de Medicina Transfusional (GCIAMT) Pool de plaquetas ou plaquetas por aférese? Belo Horizonte Abril 2015 Ricardo Olivo Hemocentro Regional de Uberaba Introdução

Leia mais

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade.

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Auditoria em Hemoterapia Experiências vivenciadas BREVE HISTÓRICO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA HEMOCOMPONENTES HEMODERIVADOS TRANSFUSÃO

Leia mais

A amostra e a requisição transfusional: o primeiro passo antes de inicar os testes imunohematológicos de uma rotina transfusional...

A amostra e a requisição transfusional: o primeiro passo antes de inicar os testes imunohematológicos de uma rotina transfusional... HEMOCENTRO DE CAMPINAS Serviço de Transfusão do Laboratório de Compatibilidade 2010 A amostra e a requisição transfusional: o primeiro passo antes de inicar os testes imunohematológicos de uma rotina transfusional...

Leia mais

HCT (desejado) HCT (inicial) X Volemia (*) HCT do CH(**) - (HCT inicial + HCT desejado)

HCT (desejado) HCT (inicial) X Volemia (*) HCT do CH(**) - (HCT inicial + HCT desejado) INDICAÇÕES TRANSFUSIONAIS NAS DOENÇAS HEMATOLÓGICAS 1 DOENÇA FALCIFORME Deve-se transfundir sangue desleucocitado profilaticamente. Nestes pacientes, não se deve transfundir hemácias com traço falcêmico

Leia mais

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas 20 Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Hospital Mãe de Deus Transplante de Células Tronco Hematopoéticas Enfermeira Fabiane Marek Especialista em Enfermagem Oncológica Unidade de Ambiente Protegido

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 Assunto: Autotransfusão intra-operatória. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a atuação dos profissionais de Enfermagem na autotransfusão intra-operatória.

Leia mais

Indicações transfusionais dos principais hemocomponentes e indicações do Transplante de Medula Óssea (TMO)

Indicações transfusionais dos principais hemocomponentes e indicações do Transplante de Medula Óssea (TMO) Indicações transfusionais dos principais hemocomponentes e indicações do Transplante de Medula Óssea (TMO) Damiana Maria Ferdinandi 1 Otávio Henrique Ferdinandi 2 Resumo Os benefícios oferecidos através

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO Jaciane Vargas de Freitas Silva Enfermeira RT Serviço de Enfermagem do Ambulatório do HBH Fundação Hemominas BOA PRÁTICA TRANSFUSIONAL Aplicação

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO Dda ENF LEOMAR ALBINI Ms ENF MIRELA PEZZINI VERAN Comitê Transfusional/ Hemovigilância HC UFPR Transfusão Ciclo do sangue Candidato à Doação DOADOR AMOSTRAS

Leia mais

Hemoterapia 100 Questões Potenciais

Hemoterapia 100 Questões Potenciais Especial Hemoterapia Parte 1 Preparação Enfermagem HEMOCENTRO SES-DF Hemoterapia 100 Questões Potenciais 1 PORTARIA Nº 2.712, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 Art. 42. No momento da seleção, será determinada

Leia mais

Tiragem: 50.000 exemplares. Impresso no Brasil

Tiragem: 50.000 exemplares. Impresso no Brasil Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia de Minas Gerais. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que seja citada a fonte e não seja para venda ou

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA PREMISSAS A transfusão sanguínea é uma terapêutica

Leia mais

Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014

Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014 Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014 Gerência de Processamento e Distribuição de Hemocomponentes Fundação Hemocentro de Brasília Processamento

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR O estudo dos antígenos eritrocitários e de seus anticorpos forma a base da medicina transfusional. Esses antígenos estão vinculados a um sistema de grupos sanguíneos com base na estrutura e semelhança

Leia mais

Disfunção plaquetária em situações especiais

Disfunção plaquetária em situações especiais Disfunção plaquetária em situações especiais Fernanda Andrade Orsi Médica Hematologista do Serviço de Hemostasia do Hemocentro de Campinas - UNICAMP Atividade plaquetária Exposição do colágeno subendotelial

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora Texto Introdutório TESTES IMUNO-HEMATOLÓGICOS E TRANSFUSÃO EM ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE A FRIO Margarida de Oliveira Pinho. Bióloga, Responsável pelo Laboratório de Imunohematologia

Leia mais

Segurança do Paciente e Vigipos

Segurança do Paciente e Vigipos 14º Encontro Nacional da Rede Sentinela Fórum Internacional de Gestão de Risco e Segurança do Paciente 8 a 10 de outubro de 2013 Segurança do Paciente e Vigipos Geni Neumann N. de Lima Camara Unidade de

Leia mais

CLINICA MÉDICA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES ANEMIA NEUTROPENIAS TROMBOCITOPENIAS HEMATOLOGIA 2003-2004 TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS

CLINICA MÉDICA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES ANEMIA NEUTROPENIAS TROMBOCITOPENIAS HEMATOLOGIA 2003-2004 TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA TERAPÊUTICA COM SANGUE E COMPONENTES 2003-2004 ANEMIAS TROMBOCITOPENIAS TROMBOCITOPATIAS ANEMIA NEUTROPENIAS FERRO VITAMINA B12 ÁCIDO FÓLICO COAGULOPATIAS CONGÉNITAS COAGULOPATIAS

Leia mais

Cartilha Transfusional

Cartilha Transfusional Cartilha Transfusional I. Introdução: Esta cartilha tem como objetivo sensibilizar os médicos e demais funcionários do H.M.G quanto ao uso racional do sangue. Como todos sabem não há substituto para o

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 PROJETO: Curso Técnico em Hemoterapia DOCENTE DE CONCENTRAÇÃO Atribuições: ministrar aulas teóricas Habilitação

Leia mais

Duração desta prova: 4 horas

Duração desta prova: 4 horas Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. Preencha os dados pessoais. Autorizado o início da prova, verifique se este caderno contém 50 ( cinquenta)

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: hemocomponentes; transfusão; plaquetas; comitê transfusional

PALAVRAS-CHAVE: hemocomponentes; transfusão; plaquetas; comitê transfusional PARECER CRM/MS N 009/2014 Processo consulta CRM MS nº 07/2014 Interessado: Fundação Serviços de Saúde do Estado de Mato Grosso do Sul Parecerista: Luís Henrique Mascarenhas Moreira Assunto: Solicita parecer

Leia mais

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 ASPECTOS MÉDICOS M DA DOAÇÃO DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ INTRODUÇÃO ; TRANSPLANTE

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO

DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO DETERMINAÇÃO DOS GRUPOS SANGÜÍNEOS ABO INTRODUÇÃO Foi no início do século XX que a transfusão de sangue, adquiriu bases mais científicas. Em 1900 foram descritos os grupos sanguíneos A, B e O por Landsteiner

Leia mais

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação)

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação) Temporalidade dos s (Para Aprovação) Pág. 001 / 028 80 HU (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO) C.Custo: 30600 DIVISÃO DE HEMOCENTRO (HEMO) 1 ORDENAMENTO LEGAL Subfunção: 2 LEGISLAÇÃO Normas e Instruções (78) Leis

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

TMO em Anemia Falciforme O cenário brasileiro

TMO em Anemia Falciforme O cenário brasileiro TMO em Anemia Falciforme O cenário brasileiro Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina Ribeirão Preto Universidade de São Paulo TMO em Anemia Falciforme O objetivo do TMO na anemia falciforme: Eliminar

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

MEDICINA TRANSFUSIONAL DANIEL MERCANTE

MEDICINA TRANSFUSIONAL DANIEL MERCANTE MEDICINA TRANSFUSIONAL DANIEL MERCANTE MEDICINA TRANSFUSIONAL ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO SANGUE E DA MEDULA ÓSSEA ANTÍGENOS E ANTICORPOS DE CÉLULAS SANGUÍNEAS HISTÓRICO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE RICARDO APARECIDO OLIVO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE RICARDO APARECIDO OLIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE RICARDO APARECIDO OLIVO AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DA IRRADIAÇÃO DE CONCENTRADO DE HEMÁCIAS EM ACELERADOR LINEAR UBERABA

Leia mais

Hemoterapia e Banco de sangue. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Hemoterapia e Banco de sangue. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Hemoterapia e Banco de sangue Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Banco de sangue Empresa que presta serviços de hemoterapia e imunohematologia. Hemoterapia: compreendem

Leia mais

Sistema do Ciclo do Sangue Fundação Hemominas HEMOTE Plus

Sistema do Ciclo do Sangue Fundação Hemominas HEMOTE Plus Sistema do Ciclo do Sangue Fundação Hemominas HEMOTE Plus A partir de 24 de Fevereiro de 2015 a Fundação HEMOMINAS (FH) substituirá o Sistema de informática do Ciclo do Sangue. Esta mudança permitirá melhoria

Leia mais

(A) 3 x 10 10 plaquetas/mm³; (B) 3 x 10 11 plaquetas/mm³; (C) 4 x 10 11 plaquetas/mm³; (D) 5 x 10 6 plaquetas / mm³; (E) 5,5 x 10 10 plaquetas/mm³.

(A) 3 x 10 10 plaquetas/mm³; (B) 3 x 10 11 plaquetas/mm³; (C) 4 x 10 11 plaquetas/mm³; (D) 5 x 10 6 plaquetas / mm³; (E) 5,5 x 10 10 plaquetas/mm³. 01 - De acordo com a Resolução RDC 343/02 do Ministério da Saúde, os níveis mínimos da Hemoglobina em g/dl requeridos para doação de sangue em mulheres e homens são, respectivamente: (A) 12,5 e 13,0; (B)

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS LIMEIRA/SP 215 RESUMO O estudo teve como objetivo descrever

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA

ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: TÉCNICO EM LABORATÓRIO / HEMOTERAPIA 258

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO I INFORMAÇOES GERAIS. ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel ( ) UCT ( ) CTLD ( ) AT

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO I INFORMAÇOES GERAIS. ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel ( ) UCT ( ) CTLD ( ) AT MÓDULO I ORMAÇOES GERAIS Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel ( ) UCT ( ) CTLD ( ) AT Objetivo da Inspeção: Inspeção ( )Licença Inicial Reinspeção

Leia mais

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: TRANSFUSÃO EM NEONATOS E CRIANÇAS ATÉ 4 MESES DE IDADE Versão: 05 Código: APTRN/4M 05 paginação: 1 de 12 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração:

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS Pagina 1 de 20 1. OBJETIVO Assegurar todo o procedimento de transfusão sanguínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia (

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O Fígado na Hematologia Dominique Muzzillo Prof a. Adjunto UFPR 1. Anemias - siderose secundária - hemólise transfusão 2. Doenças Malignas - leucemia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES Elisandro Luis Lima Saldanha Orientadora: Profª Themis Dovera Porto Alegre

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Protocolo. Cuidados Transfusionais em TCTH

Protocolo. Cuidados Transfusionais em TCTH Protocolo Cuidados Transfusionais em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Nas últimas décadas observou-se um contínuo aumento do número de transplantes de células tronco hematopoéticas (TCTH)

Leia mais

MANUAL PARA USO RACIONAL DO SANGUE

MANUAL PARA USO RACIONAL DO SANGUE CENTRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO CEARÁ HEMOCE MANUAL PARA USO RACIONAL DO SANGUE Comitê Transfusional - 2014 - FL 1 de 42 INTRODUÇÃO A transfusão é uma terapêutica de suporte importante para a prática

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 442/2005 Despacho DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE EXAME SOROLÓGICO PRÉ-NATAL EM MULHERES GRÁVIDAS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE DE VÍRUS DA AIDS, DAS HEPATITES B E C E DOS

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Imunogenética. Silva Júnior, R L. M.Sc. UCG/BIO

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia. Imunogenética. Silva Júnior, R L. M.Sc. UCG/BIO Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Imunogenética Hematopoese Glóbulos brancos (leucócitos) Glóbulos vermelhos (eritrócitos) Plaquetas Tecido hematopoiético Glóbulos brancos

Leia mais

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte Perguntas Frequentes Desde quando o Banco Público de Células Estaminais do Cordão Umbilical serve gratuitamente a criopreservação às grávidas? O Despacho do Banco Público de células estaminais do cordão

Leia mais

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014

INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 INUMO-HEMATOLOGIA DOADOR E RECEPTOR VITÓRIA 2014 Imuno-Hematologia Conceito: é o estudo relacionado com imunologia de grupos sanguíneos presentes nas hemácias, e imunologia de plaquetas e leucócitos. É

Leia mais

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE EM PEDIATRIA UNIHEMO CLÍNICA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LTDA

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE EM PEDIATRIA UNIHEMO CLÍNICA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LTDA TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE EM PEDIATRIA UNIHEMO CLÍNICA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA LTDA MAIO 2009 COMITÊ TRANSFUSIONAL MULTIDISCIPLINAR Dr. Aminadab Francisco de Sousa Enfª Rosimélia Ferreira Dr. Manoel

Leia mais

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade Apresentação Projeto Cultura Doadora É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos, bem como na

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS 1 TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS Adriano dos Santos Pereira RESUMO Desde o primeiro procedimento realizado em 1968, o transplante de medula óssea vem sendo utilizado de maneira crescente, o tratamento

Leia mais

TABELA DE CÓDIGOS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS

TABELA DE CÓDIGOS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS UNIDADE HEMACIAS CONCENTRADO DE HEMÁCIAS TRIAGEM CLÍNICA DE DOADOR COLETA DE SANGUE DE DOADOR 40402045 27020010 PROCESSAMENTO ABO/RH(**) Doador ANTICORPOS IRREGULARES(**) Doador TAXA DE BOLSA PLASTICA

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora SISTEMA ABO E DISCREPÂNCIAS NA CLASSIFICAÇÃO DIRETA E REVERSA Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço

Leia mais

Investigação sorológica de autoanticorpos frios e quentes. Shirley Castilho Instituto Estadual de Hematologia Arthur Siqueira Cavalcanti HEMORIO

Investigação sorológica de autoanticorpos frios e quentes. Shirley Castilho Instituto Estadual de Hematologia Arthur Siqueira Cavalcanti HEMORIO Investigação sorológica de autoanticorpos frios e quentes Shirley Castilho Instituto Estadual de Hematologia Arthur Siqueira Cavalcanti HEMORIO Definição: Autoanticorpos eritrocitarios São imunoglobulinas

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas

Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Diagnóstico Imunológico das Infecções Congênitas Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Rubéola e Síndrome da Rubéola Congênita Vírus da Rubéola Togavirus Vírus de RNA fita simples Principal epítopo dominante:

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO NAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS Versão atual: 05 código do documento: Reatransf-10 Página 1 de 25 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Data da Elaboração: 01/05/03 Assinatura

Leia mais

Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos

Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos 1. Considerações iniciais Estas orientações têm por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos

Leia mais

PROTOCOLO DE EXSANGUINEOTRANSFUSÃO NO RN HOSPITAL FÊMINA

PROTOCOLO DE EXSANGUINEOTRANSFUSÃO NO RN HOSPITAL FÊMINA HOSPITAL FÊMINA Praticamente todos os recém-nascidos (98%) apresentam níveis de bilirrubina indireta (BI) acima de 1mg/dL durante a primeira semana de vida (4), o que, na maioria das vezes, reflete a adaptação

Leia mais

Avaliação de hemocomponentes: garantia do produto. Flavia Naves Givisiez Gerência Controle Qualidade

Avaliação de hemocomponentes: garantia do produto. Flavia Naves Givisiez Gerência Controle Qualidade Avaliação de hemocomponentes: garantia do produto Flavia Naves Givisiez Gerência Controle Qualidade Produto hemoterápico Garantia do produto Doadores Pacientes Como a avaliação de hemocomponentes pode

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

HEMOTERAPIA BRASILEIRA

HEMOTERAPIA BRASILEIRA FAZENDO HISTÓRIA NA HEMOTERAPIA BRASILEIRA COLSAN - ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE COLETA DE SANGUE fazendo história na hemoterapia brasileira A Colsan Associação Beneficente de Coleta de Sangue é uma entidade

Leia mais

EM DISCUSSÃO PÚBLICA NÚMERO: 010/2012 DATA: 16/12/2012 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS:

EM DISCUSSÃO PÚBLICA NÚMERO: 010/2012 DATA: 16/12/2012 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: EM DISCUSSÃO PÚBLICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 010/2012 DATA: 16/12/2012 Utilização Clínica de Concentrados Plaquetários no Adulto Plaquetas Médicos do Sistema Nacional de Saúde

Leia mais

HEMATOLOGIA / HEMATOTERAPIA

HEMATOLOGIA / HEMATOTERAPIA HEMATOLOGIA / HEMATOTERAPIA Para responder às questões de números 01 a 05, leia o texto destacado a seguir. TEXTO 01 STENDHAL E NÓS Luiz Antônio de Assis Brasil 1 É conhecida a história do jovem protagonista

Leia mais

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Testes pré-transfusionais Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Imunohematologia Antígenos eritrocitários Importância do estudo dos antígenos Incompatibilidades transfusionais

Leia mais

Guia de Condutas Hemoterápicas. Guia de Condutas. Hemoterápicas. 2ª edição

Guia de Condutas Hemoterápicas. Guia de Condutas. Hemoterápicas. 2ª edição Guia de Condutas Hemoterápicas Guia de Condutas Hemoterápicas 2ª edição 1 Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio-Libanês Guia de Condutas Hemoterápicas 2ª edição Impresso em maio de 2010. PADRONIZAÇÃO

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais