Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori"

Transcrição

1 Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori

2 Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. O processo transfusional contempla uma assistência multidisciplinar em que cada um responde individualmente por suas ações. O sangue como Dom de cura foi utilizado pelo homem já em outros séculos, é um liquido que se confunde com a própria vida. A hemoterapia baseia-se no uso seletivo dos componentes do sangue e na utilização correta dos diversos hemocomponentes e hemoderivados. História da hemoterapia Realizado a primeira transfusão de sangue humano por James Blundell; descoberta dos grupos sanguíneos ABO por karl lanstainer; Surgiu em Barcelona o primeiro banco de sangue, durante a guerra civil espanhola. Na época enfrentavam problemas relacionados a coagulação do sangue; Levine descobre o fator Rh. Após a Segunda guerra mundial surgem no Brasil os primeiros bancos de sangue privados Implantação dos hemocentros, iniciando a política do sangue. Legislação: RDC 153 de 14 de julho de 2004 da ANVISA: determina o regulamento técnico para os procedimentos hemoterápicos, incluindo coleta, processamento, testagem, armazenamento, transporte, controle de qualidade, transfusão de sangue e componentes obtidos de cordão umbilical e medula óssea. Resolução do COFEN-200/97 (ANEXO I): dispõe sobre a atuação dos profissionais de enfermagem em hemoterapia e transplante de medula óssea. Doação de sangue deve ser voluntária, anônima, não remunerada, direta ou indiretamente. Todo candidato à doação de sangue deve assinar um termo de consentimento, no qual declara consentir em doar o seu sangue e consentir a realização de testes de laboratório. Critérios para doação de sangue: Apresentar documento de identidade; Ter entre 18 e 65 anos; Ter peso igual ou superior a 50 kg; Ter boa saúde; Intervalo das doações de 60 dias para homens e 90 dias para mulheres. Doação autóloga: é doado pelo próprio receptor para transfusões futuras. Tipos de transfusão: Programada: para determinado dia e hora. Não urgente: a se realizar dentro de 24hs. Urgente: a se realizar dentro de 3hs. De extrema urgência: quando o retardo do início da transfusão coloque a vida do paciente em risco.

3 Sangue e componentes sangüíneos comumente usados na transfusão: Sangue total: sua utilização se restringe a obtenção dos hemocomponentes. Hemocomponentes: são produtos obtidos a partir do sangue total por meio de processos físicos (centrifugação, congelamento). Hemoderivados: produtos obtidos a partir do plasma por meio de processos físicoquímicos, geralmente industrializados (albumina, concentrados, fatores de coagulação). Hemocomponentes: Concentrado de hemácias (chaad): Eritrócitos permanecem na bolsa, depois da centrifugação e extração do plasma. Estocagem: 2 a 6 graus. Validade: 35 dias. Indicação: hemorragias, anemias. Plasma: Hemocomponente congelado até 8hs após a coleta. Estocagem:- 20 graus. Validade: 12 meses. Após descongelada a bolsa deverá ser administrada em no máximo 6 horas. Indicação: Reposição de fatores de coagulação, doenças hepáticas, reposição de volemias Crioprecipitado: É a fração do plasma insolúvel em frio,obtida através do plasma fresco congelado. Estocagem: -20 graus. Validade:12 meses. Indicação: Deficiência de fibrinogênio, deficiência de fatores de coagulação. Concentrado de plaquetas: É obtida através do sangue total, com dupla centrifugação. Validade: de 3 a 5dias. Estocagem: 22 graus. Indicação: doenças neoplásicas, leucemias, procedimentos cirúrgicos e disfunção de plaquetas. REAÇÕES TRANSFUSIONAIS: 1. AGUDAS: Hemolíticas: erro na identificação da amostra colhida, erro na identificação da bolsa de sangue ou erro na identificação do paciente. Sintomas: febre, mal estar, agitação, dispnéia, náuseas, cefaléia, hipotenção, perda de consciência. Reação febril: pode ocorrer logo após o início da transfusão ou até 4hs após. Ocorre a presença de anticorpos citotóxicos. Sintomas: tremores, calafrios, cefaléia, náuseas, vômitos, febre, alterações respiratórias.

4 Reações alérgicas e anafiláticas: pode ocorrer logo após o início da transfusão ou até duas horas depois. Os sintomas são urticária, eritema, tosse, cefaléia, dispnéia, hipertensão, edema de glote. Hipervolemia: Quando o paciente recebe a infusão de grande volume de sangue ou a infusão é muito rápida. Sintomas: dispnéia, hipertensão, cianose, tosse, dor pré-cordial e edema pulmonar. Contaminação bacteriana: devido a bactérias que resistem às temperaturas de refrigeração e contaminação no preparo do sangue. Sintomas: febre, vômito, hipotensão, dor abdominal, choque séptico. 2. TARDIAS: Hemolíticas: febre, anemia e icterícia. Pode aparecer de 3 a 7 dias após transfusão. Ocorre em receptores sensibilizados, ocasionando a hemólise lenta do sangue transfundido. Doenças infecciosas: hepatites, AIDS, malária, citomegalovírus. HEMOVIGILÂNCIA É a investigação de ocorrência de incidentes transfusionais tardios infecciosos. Todo o processo deve permitir a rastreabilidade, permitindo a identificação do doador e do receptor do sangue. Toda reação transfusional deve ser comunicada para a agência transfusional. CUIDADOS DE ENFERMAGEM NAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS: Compete a Unidade do Paciente: 1. Vigiar o paciente durante a transfusão; 2. Fechar imediatamente a transfusão ao observar alterações; 3. Manter acesso venoso com SF 0,9%; 4. Solicitar a presença do médico; 5. Disponibilizar material de urgência; 6. Registrar o evento no prontuário e comunicar Agência Transfusional (AT 1 ). Compete a Agência Transfusional: 1. Conferir a identificação do paciente com rótulo da bolsa e conservar todo o sistema para análise; 2. Coletar nova amostra do paciente e bolsa para reavaliar provas; 3. Encaminhar bolsa de sangue ao laboratório para realização de hemocultura; 4. Fornecer requisição para coleta de exames laboratoriais; 5. Solicitar laboratório para coleta de hemocultura do paciente; 6. Preencher formulário de notificação e investigação de incidentes transfusionais; 7. Registrar sinais e volume transfundido no prontuário.. 1 AT: agência transfusional.

5 PROCEDIMENTOS PARA REALIZAR A TRANSFUSÃO Pré- transfusional: Atender solicitação via telefone. Anotar dados na planilha de controle. Dirigir-se ao setor solicitante Na Unidade do Paciente: Conferir requisição; Confirmar prescrição médica; Verificar identificação do paciente, perguntando ao paciente seu nome quando possível. Verificar acesso venoso existente. Solicitar novo acesso para a enfermeira do setor se necessário. Acesso venoso calibroso (abocath nº úmero 20); Realizar tipagem do paciente, identificar o tubo de coleta com etiqueta do paciente, data, hora,nome do profissional que realizou a coleta. Utilizar tubo de hemograma coletando 5 ml de sangue do paciente; Manter técnica asséptica. Na Agência Transfusional: Verificar a identificação do hemocomponente. Realizar preparo do sangue, provas, retipificação ABO e Rh da bolsa, determinação do grupo ABO e fator Rh, prova reversa e PAI receptor, prova cruzada. Observar as condições do produto relativas a estocagem, aspecto, validade e liberação. Transfusão: Dirigir-se ao leito do paciente. Comunicar paciente do procedimento Verificar sinais vitais, não instalar sangue na presença de hipertermia. Redeterminar sangue e bolsa antes de instalar no paciente. Nenhum medicamento pode ser adicionado à bolsa do sangue e nem ser infundido paralelo a não ser com soro fisiológico. Determinar a velocidade da infusão pela condição clínica do paciente e pelo volume a ser infundido. O tempo da infusão de uma bolsa não deve exceder a 4 horas. Monitorar os primeiros dez minutos da infusão, para detectar alterações. Checar a prescrição no prontuário, colocando etiqueta própria, data, hora, identificação do profissional da agência transfusional. Registrar sinais vitais. A agência transfusional não permanece presente em todo processo.a unidade do paciente também é responsável pelo procedimento. Sangue sem provas cruzadas só pode ser instalado com a assinatura do médico solicitante, em formulário próprio. O tempo de preparo do sangue da tipagem até a instalação leva em torno de quarenta minutos. Plasma e crioprecipitado pode ser administrado em pool de múltiplas unidades preparado em capela de fluxo laminar. Descongela em banho maria a 37 graus, com tempo de 30 minutos.

6 Pós transfusão: Verificar sinais vitais do paciente Descartar material utilizado no lixo de resíduo biológico (saco branco). Monitorizar paciente. A última unidade de sangue infundida é retirada pela enfermagem da Unidade do paciente. Descartar no lixo de resíduos biológicos (saco branco) e registrar horário de término no prontuário. MEDIDAS DE BIOSSEGURANÇA: Utilizar material de uso único e descartável; Utilizar EPI; Executar técnica com segurança na realização do procedimento. REFERÊNCIAS: 1. BRUNNER, SUDDARTH, Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. 9 ed. Rio de janeiro: Guanabara, 2002; 2. MADUEL, Maria da Graça. Conduta das reações adversas à transfusão de sangue. Serviço de hemoterapia do GHC. 3. HEMOCENTRO. Procedimento Operacional Padrão Procedimentos em Hemoterapia. 5. Resolução do COREN. www. portal coren-rs.gov.br 6. RDC 153. ANVISA, julho Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Enfª Claudete Sartori Enfª Tarcisia Colpo Enfª Fátima Ali COREN COREN Coren/RS: Coordenação de Enfermagem

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

Projeto coordenado por Denise Costa Dias

Projeto coordenado por Denise Costa Dias A hemoterapia moderna baseia-se no uso seletivos dos componentes do sangue. A utilização correta dos diversos hemocomponentes, associados a um maior controle de qualidade nas diversas etapas desde a coleta

Leia mais

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA PREMISSAS A transfusão sanguínea é uma terapêutica

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO

BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO BOAS PRÁTICAS DE ENFERMAGEM NA INSTALAÇÃO DA TRANSFUSÃO Jaciane Vargas de Freitas Silva Enfermeira RT Serviço de Enfermagem do Ambulatório do HBH Fundação Hemominas BOA PRÁTICA TRANSFUSIONAL Aplicação

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM HOSPITAL DE CLÍNICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM. O Papel do Enfermeiro em Hemoterapia

SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM HOSPITAL DE CLÍNICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM. O Papel do Enfermeiro em Hemoterapia SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM HOSPITAL DE CLÍNICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM O Papel do Enfermeiro em Hemoterapia CONDUTAS DE ENFERMAGEM NA TRANSFUSÃO DE SANGUE Enf.ª Luciana Paiva Enf.ª Ms.

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de

INSTALAÇÃO E CONTROLE DE TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTE Enf a Chefe de Enfermagem do Serviço de Hemoterapia: Gilce Erbe de Revisão: 00 PÁG: 1 CONCEITO Instalação e administração de concentrado de hemácias, plaquetas ou plasma fresco congelado. FINALIDADE Estabelecer a rotina para instalação e controle da transfusão de hemocomponentes

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL INSTALAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA TRANSFUSÃO E REAÇÕES ADVERSAS Pagina 1 de 20 1. OBJETIVO Assegurar todo o procedimento de transfusão sanguínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia (

Leia mais

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL

O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL O PAPEL DO ENFERMEIRO NO COMITÊ TRANSFUSIONAL HEMOCENTRO DE BELO HORIZONTE 2015 TRANFUSÃO SANGUÍNEA BREVE RELATO Atualmente a transfusão de sangue é parte importante da assistência à saúde. A terapia transfusional

Leia mais

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Protocolo Transfusional do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) Módulo: Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo. 1 Edição,

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado;

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado; Republicada no D.O. de 22/8/01 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional

Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional www.anvisa.gov.br Como diagnosticar e notificar uma reação transfusional II Encontro Goiano de Gerenciamento de Risco 1 a 3 de outubro de 2012 Termos e Palavras-chave Hemoterapia Uso Racional do sangue

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/6 SUMÁRIO 1.OBJETIVO: Fazer a reposição de sangue e/ou componentes sanguíneos conforme a necessidade terapêutica dos pacientes. 2.APLICAÇÃO: Aos pacientes internados e ambulatoriais com prescrição

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES Elisandro Luis Lima Saldanha Orientadora: Profª Themis Dovera Porto Alegre

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 Assunto: Autotransfusão intra-operatória. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a atuação dos profissionais de Enfermagem na autotransfusão intra-operatória.

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 PROJETO: Curso Técnico em Hemoterapia DOCENTE DE CONCENTRAÇÃO Atribuições: ministrar aulas teóricas Habilitação

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: CUIDADOS EM HEMOTRANSFUSÃO Dda ENF LEOMAR ALBINI Ms ENF MIRELA PEZZINI VERAN Comitê Transfusional/ Hemovigilância HC UFPR Transfusão Ciclo do sangue Candidato à Doação DOADOR AMOSTRAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM EMILYN MARTINS MATIAS RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIDADE DE BANCO DE SANGUE DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO Pagina 1 de 30 1. OBJETIVO Assegurar o procedimento de liberação e transfusão sangüínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes

Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Produção, Armazenamento e Procedimentos de Hemocomponentes Keicia Moreira Pinto Instituto Nacional do Câncer Hospital do Câncer I Serviço de Hemoterapia Setor de Fracionamento e Expedição de Hemocomponentes

Leia mais

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea Transfusão de Hemocomponentes Especiais Belo Horizonte Abril 2015 Ricardo Olivo Hemocentro Regional de Uberaba Hemocomponentes Especiais São hemocomponentes

Leia mais

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade.

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Auditoria em Hemoterapia Experiências vivenciadas BREVE HISTÓRICO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA HEMOCOMPONENTES HEMODERIVADOS TRANSFUSÃO

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

MÓDULO II- Referenciado

MÓDULO II- Referenciado MÓDULO - Referenciado CAPTAÇÃO, RECEPÇÃO/REGSTRO, TRAGEM CLÍNCA E COLETA 1. Captação de Doadores 1.1. Recursos Humanos Nível Sim Não 1.1.1. Pessoal qualificado/capacitado. (RDC 34/, Art. 19) 1.1.2. Supervisão

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, IA 1 Objetivo: Identificar, qualificar e principalmente evitar qualquer tipo

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO PROCESSAMENTO Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Recursos Humanos Nível Sim Não NA 1.1. RH qualificado/capacitado

Leia mais

Segurança do Paciente e Vigipos

Segurança do Paciente e Vigipos 14º Encontro Nacional da Rede Sentinela Fórum Internacional de Gestão de Risco e Segurança do Paciente 8 a 10 de outubro de 2013 Segurança do Paciente e Vigipos Geni Neumann N. de Lima Camara Unidade de

Leia mais

Gerência de Riscos no HUWC. Tatiana Campos Gerente de Riscos

Gerência de Riscos no HUWC. Tatiana Campos Gerente de Riscos Gerência de Riscos no HUWC Tatiana Campos Gerente de Riscos Comissão de Riscos Hospitalares Criada em Janeiro de 2002 Composição multidisciplinar Membros: Eugenie (farmacêutica) Magno (engenheiro) Tatiana

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 - REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 306/2006

RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 - REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 306/2006 Página 1 de 5 Publicado Portal do Cofen - Conselho Federal de Enfermagem (http://site.portalcofen.gov.br) Início > RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 - REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 306/2006 RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 -

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

(nome da Unidade de Saúde), com sede na

(nome da Unidade de Saúde), com sede na TERMO DE COMPROMISSO que entre si celebram o Estado do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, neste ato representada pela Dra. Simone Silva da Silveira, Diretora Geral do Instituto

Leia mais

APLICAÇÃO DE COMPONENTES DO SANGUE

APLICAÇÃO DE COMPONENTES DO SANGUE Universidade Federal do Rio de Janeiro HOSPITAL UNIVERSITÁRIO APLICAÇÃO DE COMPONENTES DO SANGUE PRESCRIÇÃO, INSTALAÇÃO, MONITORAMENTO E HEMOVIGILÂNCIA Comitê Transfusional Novembro/2011 DOAR SANGUE DAR

Leia mais

Hemoterapia 100 Questões Potenciais

Hemoterapia 100 Questões Potenciais Especial Hemoterapia Parte 1 Preparação Enfermagem HEMOCENTRO SES-DF Hemoterapia 100 Questões Potenciais 1 PORTARIA Nº 2.712, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 Art. 42. No momento da seleção, será determinada

Leia mais

Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014

Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014 Curso Básico de inspeção em Serviços de Hemoterapia Vitória Espirito Santo 13 a 17 de outubro de 2014 Gerência de Processamento e Distribuição de Hemocomponentes Fundação Hemocentro de Brasília Processamento

Leia mais

BRIEFING BAHIA RECALL REVELAÇÃO. Apoio Social: HEMOBA - Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia

BRIEFING BAHIA RECALL REVELAÇÃO. Apoio Social: HEMOBA - Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia BRIEFING BAHIA RECALL REVELAÇÃO Clientes: Rede Bahia e Instituto ACM Apoio Social: HEMOBA - Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia Tema: Doação de Sangue Objetivo de Comunicação: Estimular a doação

Leia mais

FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM

FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM HC FMB MANUAL DE TRANSFUSÃ PARA ENFERMAGEM Patrícia Carvalho Garcia Pedro Bonequini Júnior Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu Botucatu 2015 Agência Transfusional Tel.: (14) 3811-6041

Leia mais

Estratégias de Gerenciamento de Estoque no Hemocentro. Elmiro Ribeiro Filho Médico Hematologista e Hemoterapeuta Hemocentro Regional de Uberlândia

Estratégias de Gerenciamento de Estoque no Hemocentro. Elmiro Ribeiro Filho Médico Hematologista e Hemoterapeuta Hemocentro Regional de Uberlândia Estratégias de Gerenciamento de Estoque no Hemocentro Elmiro Ribeiro Filho Médico Hematologista e Hemoterapeuta Hemocentro Regional de Uberlândia Fundação Hemominas * Cobertura de 90% das transfusões *

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES. Doar sangue engorda ou faz emagrecer? Ao doar sangue você não engorda nem emagrece.

DÚVIDAS FREQUENTES. Doar sangue engorda ou faz emagrecer? Ao doar sangue você não engorda nem emagrece. DÚVIDAS FREQUENTES Existe regulamento sobre doações de sangue? Sim. Todas as unidades coletoras seguem extensa regulamentação da Anvisa e pode ser encontrada no site: www.saude.gov.br Doar sangue engorda

Leia mais

Hematopoese. Hemólise

Hematopoese. Hemólise SISTEMA HEMATOPOIÉTICO Hematopoese As células do sangue são temporárias, o que implica em produção (hematopoese) e destruição (hemólise) constante destas, mantendo o número de células circulantes estável

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR III ENCONTRO DE ENFERMAGEM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO HEMOCE HEMOVIGILÂNCIA RETROVIGILÂNCIA : IDENTIFICANDO UMA SOROCONVERSÃO Enfª

Leia mais

Resolução Estadual nº 05, de 1988

Resolução Estadual nº 05, de 1988 Resolução Estadual nº 05, de 1988 ASSUNTO: Aprovação da Norma Técnica Especial (NTE) relativa ao Controle de Transfusão de Sangue em Estabelecimentos Hospitalares e Afins. DATA DE ENTRADA EM VIGOR: REVOGAÇÃO:

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL. SANGRIA TERAPÊUTICA Pagina 1 de 32

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL. SANGRIA TERAPÊUTICA Pagina 1 de 32 SANGRIA TERAPÊUTICA Pagina 1 de 32 1. OBJETIVO Assegurar todo o procedimento de sangria terapêutica 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes com indicação médica para este procedimento). 3. RESPONSABILIDADES

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço REMETENTE: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel

Leia mais

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Adriana Barretto de Mello hemoba@hemoba.ba.gov.br Todo sangue é fracionado em componentes Vantagens Uma doação pode ajudar vários pacientes Para manter as propriedades

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação)

Temporalidade dos Documentos (Para Aprovação) Temporalidade dos s (Para Aprovação) Pág. 001 / 028 80 HU (HOSPITAL UNIVERSITÁRIO) C.Custo: 30600 DIVISÃO DE HEMOCENTRO (HEMO) 1 ORDENAMENTO LEGAL Subfunção: 2 LEGISLAÇÃO Normas e Instruções (78) Leis

Leia mais

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER

AGÊNCIA TRANSFUSIONAL - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MULLER PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO: TRANSFUSÃO EM NEONATOS E CRIANÇAS ATÉ 4 MESES DE IDADE Versão: 05 Código: APTRN/4M 05 paginação: 1 de 12 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração:

Leia mais

Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001

Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001 Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21/3/2001 - Decreto 3990 de 30/10/2001 Ementa: Regulamenta o art. 26 da Lei n.º 10.205, de 21 de março de 2001, que dispõe sobre a coleta, processamento, estocagem,

Leia mais

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260

CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL... 260 CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM FRENTE AO PACIENTE SUBMETIDO À TERAPIA TRANSFUSIONAL. PRISCILA VICENTIN

Leia mais

ANEXO I REGIME DE TRABALHO REMUNERAÇÃO

ANEXO I REGIME DE TRABALHO REMUNERAÇÃO PORTARIA CONJUNTA SAD/HEMOPE Nº 63, 2/7/29 ANEXO I a) QUADRO, e Lotação: Diretoria de Hemoterapia ESPECIALIDA NECESSIDAS ESPECIAIS Tec. Laboratório Diarista 4, 3 4 Tec. Laboratório Plantonista 52, 3 4

Leia mais

INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇO DE HEMOTERAPIA CICLO DO SANGUE. Captação, Recepção/Registro, Triagem Clínica e Coleta

INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇO DE HEMOTERAPIA CICLO DO SANGUE. Captação, Recepção/Registro, Triagem Clínica e Coleta INSPEÇÃO SANITÁRIA EM SERVIÇO DE HEMOTERAPIA CICLO DO SANGUE Captação, Recepção/Registro, Triagem Clínica e Coleta DEFINIÇÃO DE CICLO DO SANGUE ART. 2º RDC N 34, DE 11 DE JUNHO DE 2014 Captação e seleção

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos antígenos eritrocitários, julgue os itens a seguir. 41 No fenótipo McLeod, a presença da proteína Kx leva à produção de glóbulos vermelhos acantocíticos e à anemia hemolítica. 42 Indivíduos

Leia mais

Rio Grande 2012/1ºsemestre

Rio Grande 2012/1ºsemestre UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE ESCOLA DE ENFERMAGEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA II Administração de Soluções Endovenosas Profª Enfª Msc Bárbara Tarouco da Silva Rio Grande

Leia mais

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 Ementa: Realização de testes prétransfusionais por profissionais de Enfermagem. 1. Do fato Enfermagem. Solicitado parecer sobre

Leia mais

Carlos Alberto Dias Pinto. Vitória, 2014

Carlos Alberto Dias Pinto. Vitória, 2014 Carlos Alberto Dias Pinto Enfermeiro Sanitarista Mestre em Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ Especialista em Vigilância Sanitária de Serviços de Saúde ENSP/FIOCRUZ STO/DVFS/SUVISA/SVS/SESDEC-RJ cadias.pinto2572@gmail.com

Leia mais

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 010 / 2011 Assunto: Testes Pré-Transfusionais. 1. Do fato Solicitado parecer sobre a realização de testes pré-transfusionais por profissionais de Enfermagem. 2. Da fundamentação

Leia mais

Deixe-se levar por esta ideia

Deixe-se levar por esta ideia Requisitos básicos para Doação de Sangue Estar em boas condições de saúde; Ter entre 16 e 67 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos; Para os menores de 18 anos é necessário autorização

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade Apresentação Projeto Cultura Doadora É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos, bem como na

Leia mais

Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses

Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo odila@chsp.org.br Unidades transfundidas

Leia mais

Cartilha Transfusional

Cartilha Transfusional Cartilha Transfusional I. Introdução: Esta cartilha tem como objetivo sensibilizar os médicos e demais funcionários do H.M.G quanto ao uso racional do sangue. Como todos sabem não há substituto para o

Leia mais

Conselho Ibero-Americano de Doação e Transplantes

Conselho Ibero-Americano de Doação e Transplantes Conselho Ibero-Americano de Doação e Transplantes Subgrupo de Segurança e Qualidade no Uso Terapêutico de Células e Tecidos GUIA DE QUALIDADE E SEGURANÇA EM TECIDOS E CÉLULAS PARA IMPLANTES Este documento

Leia mais

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram

No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram No início do século XX, o austríaco Karl Landsteiner, misturando o sangue de indivíduos diferentes, verificou que apenas algumas combinações eram compatíveis. Descobriu, assim, a existência do chamado

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES 1. Considerações iniciais Este manual tem por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Oculares BTOC para o preenchimento

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS

PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS PERFIL DAS HEMOTRANSFUSÕES REALIZADAS PELA AGÊNCIA TRANSFUSIONAL DE UM HOSPITAL PRIVADO DA CIDADE DE LIMEIRA/SP GLAUCIA ALINE DIBBERN DOS SANTOS LIMEIRA/SP 215 RESUMO O estudo teve como objetivo descrever

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Testes pré-transfusionais. Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Testes pré-transfusionais Profa. Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Imunohematologia Antígenos eritrocitários Importância do estudo dos antígenos Incompatibilidades transfusionais

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS Versão atual: 05 Código: PHEsp-03 Paginação: 1 de 11 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 05/06/04

Leia mais

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS câncer. 3 Atualmente, fatores como envelhecimento populacional, intenso processo de TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS João Evangelista da Costa - UFRN. hevan33@oi.com.br

Leia mais

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT

Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Avaliação de Risco Potencial - Resultados do Projeto AT Equipe GESAC/GGSTO/Anvisa Brasília, 09 de novembro de 2013 Vigilância Sanitária RISCO SANITÁRIO...eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE HEPÁTICO HISTÓRICO 1967 - Starzl realizou o 1º TX bem sucedido 1970 - Início das atividades na U.F - HCFMUSP 1985-1º TX hepático do hemisfério sul 2001 Transplantes

Leia mais

Cadernos da Escola de Saúde

Cadernos da Escola de Saúde DO DOADOR AO RECEPTOR: O CICLO DO SANGUE FROM THE DONATOR TO THE RECEPTOR: THE BLOOD CYCLE Biografia *Acadêmica do primeiro período de Biomedicina da UNIBRASIL - Faculdades Integradas do Brasil, Curitiba

Leia mais

XII Encontro Nacional da Rede Sentinela 08 a 10 de dezembro de 2010 Brasília DF HEMOVIGILÂNCIA

XII Encontro Nacional da Rede Sentinela 08 a 10 de dezembro de 2010 Brasília DF HEMOVIGILÂNCIA XII Encontro Nacional da Rede Sentinela 08 a 10 de dezembro de 2010 Brasília DF HEMOVIGILÂNCIA Maria de Fátima Alves Fernandes Unidade de Bio e Hemovigilância UBHEM/NUVIG/ANVISA Premissas A transfusão

Leia mais

III Oficina Macrorregional de Hemovigilância: do doador ao receptor. Rio de janeiro, 26e 27 de agosto de 2015

III Oficina Macrorregional de Hemovigilância: do doador ao receptor. Rio de janeiro, 26e 27 de agosto de 2015 III Oficina Macrorregional de Hemovigilância: do doador ao receptor Rio de janeiro, 26e 27 de agosto de 2015 Formulário de notificação de reações graves à doação Tema apresentado por: Auristela Maciel

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes

Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes III Oficina HEMOBRÁS Controle de Qualidade no Serviço de Hemoterapia Papel do CQ na Validação da Técnica de Produção de Hemocomponentes Martha Cristina Dicencia Centro de Hematologia e Hemoterapia da UNICAMP

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA Versão atual: 05 código: Transang - 04 Paginação: 1 de 18 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 13/05/03 Aprovado e liberado

Leia mais