MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES"

Transcrição

1 MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES 1. Considerações iniciais Este manual tem por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Oculares BTOC para o preenchimento da planilha dos dados de produção elaborada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA; Esta planilha está disponível no Portal da ANVISA (www.anvisa.gov.br). Ela foi construída no formato Excel visando harmonizar o preenchimento dos campos por parte dos serviços e permitir que a ANVISA consolide os dados nacionais. Assim, solicitamos não alterar o formato da planilha (transformar em documento do Word, por exemplo) ou incluir/excluir campos de preenchimento; O preenchimento e envio trimestral da planilha à ANVISA é obrigatório, conforme item 1.4 da RDC n o. 67/08. O não cumprimento deste item constitui infração sanitária, sujeitando os infratores aos dispositivos da Lei n o /1977 e demais disposições aplicáveis; Após seu preenchimento, a planilha deve ser enviada a ANVISA, sempre até o dia 15 subsequente ao término do trimestre (15 de abril, 15 de julho, 15 de outubro e 15 de janeiro), por meio eletrônico O título do contendo a planilha deve ser: Produção BTOC XX (nome do serviço) XX (1º, 2º, 3º ou 4º) trimestre XX (ano de referência) ; A planilha já contem os campos de preenchimento para os 4 trimestres do ano, não sendo necessário criar uma planilha diferente para cada trimestre; Os campos da planilha devem ser preenchidos levando-se em conta tanto os tecidos oculares obtidos pela própria equipe de retirada do BTOC quanto os tecidos oculares obtidos por outras equipes de retirada não pertencentes ao BTOC; As córneas ou escleras já avaliadas e preservadas por um determinado BTOC e que são encaminhadas pela Central Nacional de Transplantes a outro BTOC apenas para armazenamento temporário não devem constar na planilha deste último banco e sim na planilha do banco de origem; Todos os campos da planilha são de preenchimento obrigatório, mesmo quando o valor for zero (0), exceto nos campos onde há orientação em contrário; Em caso de dúvidas, entrar em contato com a Gerência-Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos GGSTO/ANVISA pelo ou pela Central de Atendimento da ANVISA no

2 2. Preenchimento da planilha Campo 1. Número de doadores no período: corresponde ao número de doadores cuja retirada do globo ocular ou da córnea por excisão in situ foi consentida através de assinatura de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido da doação. Campo 2. Número de globos oculares obtidos: corresponde ao número de globos oculares obtidos por enucleação a partir dos doadores informados no campo 1 ; caso o serviço realize somente retirada da córnea por excisão in situ, deixar o campo sem preenchimento, isto é, em branco (não colocar o valor zero (0)). Campo 3. Número de córneas retiradas por excisão in situ: corresponde ao número de córneas obtidas por excisão in situ a partir dos doadores informados no campo 1 ; caso o serviço realize somente enucleação, deixar o campo sem preenchimento, isto é, em branco (não colocar o valor zero (0)). Obs.: se o serviço realizar tanto a enucleação quanto a excisão in situ, preencher os campos 2 e 3. Campo 4. Número de globos oculares descartados: corresponde ao número de globos oculares obtidos, informado no campo 2, que foram descartados; caso o serviço realize somente retirada da córnea por excisão in situ, deixar os campos 4 e 4.1 sem preenchimento, isto é, em branco (não colocar o valor zero (0)). Campo 4.1. Quantifique os motivos do descarte dos globos oculares Obs.: a soma dos números de globos oculares informados nos motivos de descarte abaixo pode ser maior que o número informado no campo 4 considerando que o globo ocular pode ter sido descartado por mais de um motivo. Campo Contra-indicação clínica: corresponde ao número de globos oculares que foram descartados após constatação de contra-indicação clínica do doador que inviabilizou o uso do tecido em transplante. Considerar os critérios descritos no item 4.1 da RDC n o. 67/08 e outros que o BTOC ou a Central de Transplantes determinar. Não incluir neste campo os descartes por sorologia reagente. Campo HBsAg: corresponde ao número de globos oculares que foram descartados por sorologia reagente para a presença do antígeno S do vírus da hepatite B no doador. Campo Anti-HBc: corresponde ao número de globos oculares que foram descartados por sorologia reagente para o anticorpo anti-hbc do vírus da hepatite B no doador. Campo Anti-HCV: corresponde ao número de globos oculares que foram descartados por sorologia reagente para hepatite C no doador. Campo Anti-HIV-1 e Anti-HIV-2: corresponde ao número de globos oculares que foram descartados por sorologia reagente para HIV no doador. Campo Sorologia não realizada: corresponde ao número de globos oculares que foram descartados devido a não realização da sorologia no doador, independente do motivo pelo qual a sorologia não foi realizada. Por exemplo, amostra biológica insuficiente ou hemolisada, etc. Campo Qualidade do tecido imprópria para transplante: corresponde ao número de globos oculares que, devido a critérios técnicos definidos pelo BTOC,

3 foram descartados após avaliação macroscópica ou microscópica por não serem considerados apropriados para uso em transplante. Campo Acondicionamento e/ou transporte inadequado do globo ocular: corresponde ao número de globos oculares que foram descartados por chegarem ao BTOC contendo alguma irregularidade no acondicionamento e/ou transporte, incluindo a temperatura fora dos limites estabelecidos pela RDC n o. 67/08. Campo Outros motivos: corresponde ao número de globos oculares que foram descartados por algum motivo que não esteja discriminado acima. Campo 5. Número de córneas preservadas: corresponde ao somatório do número de córneas preservadas a partir dos globos oculares obtidos, informado no campo 2, e do número de córneas retiradas por excisão in situ, informado no campo 3. Campo 6. Número de córneas descartadas pós-preservação: corresponde ao número de córneas preservadas, informado no campo 5, que foram descartadas. Obs.: - as córneas devolvidas ao BTOC após terem sido disponibilizadas para transplante e que foram descartadas não devem ser incluídas nesse campo e sim no campo 11 ; - as córneas devolvidas ao BTOC após terem sido disponibilizadas para transplante e que foram reintegradas ao estoque e posteriormente descartadas devem ser incluídas nesse campo. Campo 6.1. Quantifique os motivos do descarte das córneas pós-preservação Obs.: a soma dos números de córneas informados nos motivos de descarte abaixo pode ser maior que o número informado no campo 6 considerando que a córnea pode ter sido descartada por mais de um motivo. Campo Contra-indicação clínica: corresponde ao número de córneas que foram descartadas após constatação de contra-indicação clínica do doador que inviabilizou o uso do tecido em transplante. Considerar os critérios descritos no item 4.1 da RDC n o. 67/08 e outros que o BTOC ou a Central de Transplantes determinar. Não incluir neste campo os descartes por sorologia reagente. Campo HBsAg: corresponde ao número de córneas que foram descartadas por sorologia reagente para a presença do antígeno S do vírus da hepatite B no doador. Campo Anti-HBc: corresponde ao número de córneas que foram descartadas por sorologia reagente para o anticorpo anti-hbc do vírus da hepatite B no doador. Campo Anti-HCV: corresponde ao número de córneas que foram descartadas por sorologia reagente para hepatite C no doador. Campo Anti-HIV-1 e Anti-HIV-2: corresponde ao número de córneas que foram descartadas por sorologia reagente para HIV no doador. Campo Sorologia não realizada: corresponde ao número de córneas que foram descartadas devido a não realização da sorologia no doador, independente do motivo pelo qual a sorologia não foi realizada. Por exemplo, amostra biológica insuficiente ou hemolisada, etc. Campo Qualidade do tecido imprópria para transplante: corresponde ao número de córneas que, devido a critérios técnicos definidos pelo BTOC, foram descartadas após avaliação macroscópica ou microscópica por não serem consideradas apropriadas para uso em transplante. Campo Acondicionamento e/ou transporte inadequado da córnea: corresponde ao número de córneas que foram descartadas por chegarem ao BTOC

4 contendo alguma irregularidade no acondicionamento e/ou transporte, incluindo a temperatura fora dos limites estabelecidos pela RDC n o. 67/08. Aplica-se somente aos BTOC que fazem a excisão in situ. Caso o serviço realize somente enucleação, deixar o campo sem preenchimento, isto é, em branco (não colocar o valor zero (0)). Campo Contaminação: corresponde ao número de córneas que foram descartadas por contaminação do tecido. Obs.: considerar contaminação aquela evidenciada pela alteração de coloração do meio de preservação ou pela realização de testes microbiológicos. Campo Validade córneas ópticas: corresponde ao número de córneas classificadas como ópticas que foram descartadas por ter expirado o prazo de validade determinado pelo fabricante do meio de preservação utilizado pelo BTOC. Campo Validade córneas tectônicas: corresponde ao número de córneas classificadas como tectônicas que foram descartadas por ter expirado o prazo de validade determinado pelo fabricante do meio de preservação utilizado pelo BTOC. Campo Outros motivos: corresponde ao número de córneas que foram descartadas por algum motivo que não esteja discriminado acima. Campo 7. Número de córneas fornecidas para transplante: corresponde ao número total de córneas liberadas para transplante (óptico+tectônico+lamelar+outros) que efetivamente saíram do BTOC e foram distribuídas pela Central de Transplantes. Obs.: nos casos em que o BTOC fornecer mais de uma lamela da mesma córnea, considerar somente o número de córneas fornecidas e não de lamelas. Campo 8. Número de córneas fornecidas para pesquisa, ensino, treinamento e/ou validação de processos: corresponde ao número de córneas fornecidas para projetos de pesquisa (aprovados em Comitês de Ética e Pesquisa), ensino, treinamento e/ou validação de processos, conforme itens e da RDC n o. 67/08. Campo 9. Número de córneas devolvidas ao BTOC: corresponde ao número de córneas que saíram do BTOC e que foram devolvidas. Campo 9.1. Quantifique os motivos da devolução das córneas Obs.: a soma dos números de córneas informados nos motivos de devolução pode ser maior que o número informado no campo 9 considerando que a córnea pode ter sido devolvida por mais de um motivo. Campo Qualidade da córnea julgada inadequada pelo transplantador Campo Cirurgia não realizada, independentemente do motivo: por exemplo, o não comparecimento do paciente ou do médico, falta de material cirúrgico ou equipamento, paciente não apto para cirurgia, etc. Campo Outros motivos Campo 10. Número de córneas reintegradas ao estoque do BTOC: corresponde ao número de córneas que foram reintegradas ao estoque do BTOC após terem sido devolvidas. Campo 11. Número de córneas descartadas pós-devolução: corresponde ao número de córneas devolvidas, informado no campo 9, que foram descartadas. Campo Quantifique os motivos do descarte das córneas pós-devolução

5 Obs.: a soma dos números de córneas informados nos motivos de descarte abaixo pode ser maior que o número informado no campo 11 considerando que a córnea pode ter sido descartada por mais de um motivo. Campo Qualidade do tecido imprópria para transplante: corresponde ao número de córneas que, devido a critérios técnicos definidos pelo BTOC, foram descartadas após avaliação macroscópica ou microscópica por não serem consideradas apropriadas para reintegração ao estoque e uso em transplante. Campo Contaminação: corresponde ao número de córneas que foram descartadas por contaminação do tecido. Obs.: considerar contaminação aquela evidenciada pela alteração de coloração do meio de preservação ou pela realização de testes microbiológicos. Campo Validade: corresponde ao número de córneas que foram descartadas por ter expirado o prazo de validade determinado pelo fabricante do meio de preservação utilizado pelo BTOC. Campo Outros motivos: corresponde ao número de córneas que foram descartadas por algum motivo que não esteja discriminado acima. Campo 12. Número de notificações decorrentes de efeitos inesperados ou indesejáveis na utilização terapêutica das córneas: corresponde ao número de notificações de efeitos inesperados ou indesejáveis (eventos adversos) decorrentes do uso das córneas. Estas informações devem ser obtidas com os transplantadores. São exemplos de eventos adversos: transmissão de doenças pelo enxerto, falência por rejeição ou por qualidade do enxerto, contaminação bacteriana ou fúngica do olho receptor, etc. Os campos 13 a 19 devem ser preenchidos somente pelos serviços que preservam escleras, caso contrário, estes campos devem ficar sem preenchimento, isto é, em branco (não colocar o valor zero (0)). Campo 13. Número de escleras preservadas: corresponde ao número de escleras preservadas a partir dos globos oculares obtidos informados no campo 2. Campo 14. Número de escleras descartadas pós-preservação: corresponde ao número de escleras preservadas, informado no campo 13, que foram descartadas. Não é necessário discriminar os motivos. Campo 15. Número de escleras fornecidas para transplante: corresponde ao número de escleras liberadas para transplante que efetivamente saíram do BTOC. Campo 16. Número de escleras fornecidas para pesquisa, ensino, treinamento e/ou validação de processos: corresponde ao número de escleras fornecidas para projetos de pesquisa (aprovados em Comitês de Ética e Pesquisa), ensino, treinamento e/ou validação de processos, conforme itens e da RDC n o. 67/08. Campo 17. Número de escleras devolvidas ao BTOC: corresponde ao número de escleras que saíram do BTOC e que foram devolvidas. Não é necessário discriminar os motivos.

6 Campo 18. Número de escleras descartadas pós-devolução: corresponde ao número de escleras devolvidas, informado no campo 17, que foram descartadas. Não é necessário discriminar os motivos. Campo 19. Número de notificações decorrentes de efeitos inesperados ou indesejáveis na utilização terapêutica das escleras: corresponde ao número de notificações de efeitos inesperados ou indesejáveis (eventos adversos) decorrentes do uso das escleras. Estas informações devem ser obtidas com os transplantadores. São exemplos de eventos adversos: transmissão de doenças pelo enxerto, falência por rejeição ou por qualidade do enxerto, contaminação bacteriana ou fúngica do olho receptor, etc.

Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos

Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos 1. Considerações iniciais Estas orientações têm por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 67, DE 30 DE SETEMBRO DE 2008

RESOLUÇÃO - RDC Nº 67, DE 30 DE SETEMBRO DE 2008 RESOLUÇÃO - RDC Nº 67, DE 30 DE SETEMBRO DE 2008 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o Funcionamento de Bancos de Tecidos Oculares de origem humana A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO Nº 67, DE 30 DE SETEMBRO DE 2008

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO Nº 67, DE 30 DE SETEMBRO DE 2008 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO Nº 67, DE 30 DE SETEMBRO DE 2008 Dispõe sobre o Regulamento

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS Instruções de preenchimento - Somente itens cumpridos integralmente pelo serviço devem ser considerados SIM ; - Nos casos em que o serviço realize apenas parte do disposto no item avaliado, este deve ser

Leia mais

1. Considerações gerais

1. Considerações gerais Orientações para o preenchimento da planilha Excel de dados de produção de unidades de Células Progenitoras Hematopoéticas (CPH) de medula óssea (MO) e sangue periférico (SP) Versão 1. Jul 2012 1. Considerações

Leia mais

adoto, ad referendum, a seguinte Consulta Pública e determino a sua publicação:

adoto, ad referendum, a seguinte Consulta Pública e determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 52, de 11 de junho de 2003. D.O.U de 12/06/2003 O Diretor-Presidente Substituto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º.

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º. REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos O Banco de Olhos da Santa Casa de Campo Grande é constituído de uma estrutura administrativa, conforme o capítulo III

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DOS ROTEIROS DE INSPEÇÃO SANITÁRIA EM CNCDO e OPO

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DOS ROTEIROS DE INSPEÇÃO SANITÁRIA EM CNCDO e OPO ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DOS ROTEIROS DE INSPEÇÃO SANITÁRIA EM CNCDO e OPO 1. Considerações iniciais Este documento tem por objetivo instruir a Vigilância Sanitária no preenchimento dos roteiros

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 347, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2003 (EM VIGOR) Determina Normas Técnicas para o Funcionamento de Bancos de Olhos

RESOLUÇÃO - RDC Nº 347, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2003 (EM VIGOR) Determina Normas Técnicas para o Funcionamento de Bancos de Olhos RESOLUÇÃO - RDC Nº 347, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2003 (EM VIGOR) Determina Normas Técnicas para o Funcionamento de Bancos de Olhos A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR III ENCONTRO DE ENFERMAGEM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO HEMOCE HEMOVIGILÂNCIA RETROVIGILÂNCIA : IDENTIFICANDO UMA SOROCONVERSÃO Enfª

Leia mais

CÓRNEA O que você precisa saber...

CÓRNEA O que você precisa saber... CÓRNEA O que você precisa saber... Enf. Adriana Reña É a parte anterior do globo ocular.função de proteção e permitir uma perfeita visão pela sua transparência. CÓRNEA FLUXO PARA DOAÇÃO DE CÓRNEA Unidade

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 12 DE MAIO DE 2008

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 12 DE MAIO DE 2008 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 12 DE MAIO DE 2008 Aprova o Regulamento

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Sorologia

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Sorologia Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Rita de Cássia Azevedo Martins Especialista em Regulação e Vigilância

Leia mais

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Ajudando futuros pais a tomar uma decisão consciente Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa O que é sangue de cordão umbilical

Leia mais

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 10 CAPA Tire suas dúvidas so O avanço na profissão tem sido responsável pelo aprimoramento de técnicas para

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 75/2006 APROVA O REGULAMENTO DA ESTRUTURAÇÃO DO BANCO DE DENTES HUMANOS, DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO.

RESOLUÇÃO CONSEPE 75/2006 APROVA O REGULAMENTO DA ESTRUTURAÇÃO DO BANCO DE DENTES HUMANOS, DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. RESOLUÇÃO CONSEPE 75/2006 APROVA O REGULAMENTO DA ESTRUTURAÇÃO DO BANCO DE DENTES HUMANOS, DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

Conselho Ibero-Americano de Doação e Transplantes

Conselho Ibero-Americano de Doação e Transplantes Conselho Ibero-Americano de Doação e Transplantes Subgrupo de Segurança e Qualidade no Uso Terapêutico de Células e Tecidos GUIA DE QUALIDADE E SEGURANÇA EM TECIDOS E CÉLULAS PARA IMPLANTES Este documento

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Jofran Frejat) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. Jofran Frejat) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Jofran Frejat) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à revisão da regulamentação da captação de córneas para fins de transplante. Senhor Presidente: Nos termos do

Leia mais

Segurança do Paciente e Vigipos

Segurança do Paciente e Vigipos 14º Encontro Nacional da Rede Sentinela Fórum Internacional de Gestão de Risco e Segurança do Paciente 8 a 10 de outubro de 2013 Segurança do Paciente e Vigipos Geni Neumann N. de Lima Camara Unidade de

Leia mais

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado;

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado; Republicada no D.O. de 22/8/01 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco DESPACHO

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco DESPACHO Procedimento Administrativo n. º 1.26.000.000335/2009-11 DESPACHO O presente procedimento administrativo foi instaurado no âmbito desta Procuradoria da República como o objetivo de apurar notícia de que

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE FÍGADO CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central Estadual

Leia mais

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 Aprova o Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes. [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE CÓRNEA CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central de Transplantes?...

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 11 de dezembro de 2013 [Páginas 76-77] RESOLUÇÃO - RDC Nº 54, DE10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS

Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde - GGTPS NOTA TÉCNICA N 002/2009/GGTPS/ANVISA 1. Objeto: Orientações para o Peticionamento de Certificado

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

Atuação do Enfermeiro na Coordenação de Sala, Perfusão e Acondicionamento de Enxertos

Atuação do Enfermeiro na Coordenação de Sala, Perfusão e Acondicionamento de Enxertos Curso Prático de Extração, Perfusão e Acondicionamento de Múltiplos Órgãos para Transplantes Atuação do Enfermeiro na Coordenação de Sala, Perfusão e Acondicionamento de Enxertos Fluxo da Captação Atuações

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas que podem surgir a respeito da inspeção de

Leia mais

Guia de Submissão Eletrônica de Texto de Bula

Guia de Submissão Eletrônica de Texto de Bula Agência Nacional de Vigilância Sanitária Guia de Submissão Eletrônica de Texto de Bula Gerência-geral de Medicamentos - GGMED www.anvisa.gov.br Brasília, 13 de janeiro de 2014 Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE CORAÇÃO CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central Estadual

Leia mais

1.1. Consulta à lista de mercadorias sujeitas à vigilância sanitária. 1.2.3. Como saber o código de assunto. 1.2.4. Como saber a lista de documentos

1.1. Consulta à lista de mercadorias sujeitas à vigilância sanitária. 1.2.3. Como saber o código de assunto. 1.2.4. Como saber a lista de documentos Atualizado: 15 / 0 7 / 2013 FAQ AI 1. Importação informações Gerais 1.1. Consulta à lista de mercadorias sujeitas à vigilância sanitária 1.2. AFE para prestação de serviço em PAF 1.2.1. Quem precisa 1.2.2.

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE RIM CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central Estadual de

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 1 MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE RECEPÇÃO DE PRODUTOS PARA A SAÚDE DE USO CIRÚRGICO EM CENTRO DE MATERIAIS 2 Apresentação Menos de dez meses depois de ter sido criada pela Associação Médica Brasileira, a Câmara

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 001/2013, DE 15 DE AGOSTO DE 2013.

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 001/2013, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 001/2013, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. Versão nº 01 Aprovação em: 15/08/2013 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 42/2013 Unidade Responsável: Secretária Municipal de Saúde I -

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 CC. 010062310 INFORMAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE EQUIPES PARA TRANSPLANTE DE TECIDO OSTEO-CONDRO-FÁCIO-LIGAMENTOSO

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) I. INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) I. INFORMAÇÕES GERAIS ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE CÉLULAS E TECIDOS GERMINATIVOS (BCTG) I. INFORMAÇÕES GERAIS Período da Inspeção: / / a / / BCTG Tipo 1 ( ) BCTG Tipo 2 ( ) Tipo de Inspeção: Licença inicial ( ) Renovação

Leia mais

Solicitação e análise de exames durante um período determinado, para verificar se o acidentado com

Solicitação e análise de exames durante um período determinado, para verificar se o acidentado com 1/7 1. OBJETIVO Registrar, orientar e conduzir todo acidente de trabalho ocorrido com o colaborador do grupo SH Brasil nas instalações pertencentes à mesma, nos serviços prestados em áreas externas ou

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO MÓDULO IV PROCESSAMENTO, ARMAZENAMENTO E DISTRIBUIÇÃO PROCESSAMENTO Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Recursos Humanos Nível Sim Não NA 1.1. RH qualificado/capacitado

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Aprova o regulamento

Leia mais

Programa de Devolução Segura de Medicamentos e o Gerenciamento de Resíduos. Vanusa Barbosa Pinto Divisão de Farmácia ICHCFMUSP

Programa de Devolução Segura de Medicamentos e o Gerenciamento de Resíduos. Vanusa Barbosa Pinto Divisão de Farmácia ICHCFMUSP Programa de Devolução Segura de Medicamentos e o Gerenciamento de Resíduos Vanusa Barbosa Pinto Divisão de Farmácia ICHCFMUSP Cenário Preocupação com a segurança do paciente Uso racional do medicamento

Leia mais

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS VI CONGRESSO DE BIOÉTICA DE RIBEIRÃO PRETO Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS Maria Cristina Komatsu Braga Massarollo Escola de Enfermagem- USP massaro@usp.br TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS Modalidade

Leia mais

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo.

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo. ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de acesso expandido, uso compassivo e fornecimento de medicamento pósestudo. Apresentação: Biól. Andréia Rocha RELEMBRANDO

Leia mais

05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS

05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS 05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS Grupo: Sub-Grupo: 05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS 01-EXAMES LABORATORIAIS PARA IDENTIFICACAO DE DOADOR E RECEPTOR DE CELULAS-TRONCO HEMATOPOETICAS

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 41, de 26 de julho de 2006. D.O.U de 28/07/2006 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 26, de 21 de maio de 2009. D.O.U de 22/05/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA

Rotina da Agência Transfusional. Mara Martins Bióloga HCI / INCA Rotina da Agência Transfusional Mara Martins Bióloga HCI / INCA O ato transfusional é um delicado processo na assistência a saúde. No INCA são realizadas cirurgias de grande porte e também grande número

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

Regulação das Terapias Celulares

Regulação das Terapias Celulares Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos - GGSTO Regulação das Terapias Celulares Marina Ferreira Gonçalves Base Legal para Terapia Celular Constituição Lei nº. 11.105 de 24 de março

Leia mais

Melhoria da qualidade da informação dos dados nacionais de Hepatites Virais do Brasil

Melhoria da qualidade da informação dos dados nacionais de Hepatites Virais do Brasil Melhoria da qualidade da informação dos dados nacionais de Ronaldo de Almeida Coelho Silvano Barbosa de Oliveira Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais OBJETIVO Melhoria da qualidade da informação

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 16, DE 21 DE MARÇO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 16, DE 21 DE MARÇO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 16, DE 21 DE MARÇO DE 2012

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Coleta de sangue do caso índice e do profissional: Caso fonte. Profissional (fonte de contaminação) 2 tubos secos de 8 ml 2 tubos secos de 8 ml

Coleta de sangue do caso índice e do profissional: Caso fonte. Profissional (fonte de contaminação) 2 tubos secos de 8 ml 2 tubos secos de 8 ml Universidade Estadual de Campinas Hospital da Mulher Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti - CAISM - Seção de Apoio e Desenvolvimento do Profissional / RH COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Rotina

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2014 ERRATA Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS. Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. XV Jornada Interiorana de Hematologia e Hemoterapia II Encontro Interiorano de Enfermagem em Hemoterapia e Hemovigilância TESTES PRÉ

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE NO TERRITÓRIO NACIONAL DE ÓRGÃOS HUMANOS EM HIPOTERMIA PARA FINS DE TRANSPLANTES

REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE NO TERRITÓRIO NACIONAL DE ÓRGÃOS HUMANOS EM HIPOTERMIA PARA FINS DE TRANSPLANTES Circular 499/2009 São Paulo, 23 de dezembro de 2009. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE NO TERRITÓRIO NACIONAL DE ÓRGÃOS HUMANOS EM HIPOTERMIA PARA FINS DE TRANSPLANTES

Leia mais

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Ministério da Saúde Sistema Único de Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Grupo: 05 - TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS Sub-Grupo: - COLETA E EXAMES PARA FINS DE DOACAO DE ORGAOS,

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Proposta de RDC para Banco de Tecidos. Gerência de Tecidos, Células e Órgãos GETOR/GGSTO/ANVISA

Proposta de RDC para Banco de Tecidos. Gerência de Tecidos, Células e Órgãos GETOR/GGSTO/ANVISA Proposta de RDC para Banco de Tecidos Gerência de Tecidos, Células e Órgãos GETOR/GGSTO/ANVISA Portaria de iniciativa n. 1.774/2010; Composição do Grupo de Trabalho: GGSTO, GGTES, UBHEM; VISA municipal

Leia mais

Curso para Implantação de Comissão Intra - Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT)

Curso para Implantação de Comissão Intra - Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT) Curso para Implantação de Comissão Intra - Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT) Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos e Tecidos CNCDO/GO Tema: Operacionalização

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CONSIGNADOS COMPRAS/ RECEBIMENTO/ ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO

SOLICITAÇÃO DE CONSIGNADOS COMPRAS/ RECEBIMENTO/ ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO 1 de 8 Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Processo MTQ, OAP, JBM 1 Objetivo Gestão de material de alto custo consignado, estabelecendo fluxo de solicitação,

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS

Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Ministério da Saúde Sistema Único de Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos e OPM do SUS Grupo: 05 - TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS Sub-Grupo: - COLETA E EXAMES PARA FINS DE DOACAO DE ORGAOS,

Leia mais

ROTINAS DO SETOR 1- ABORDAGEM

ROTINAS DO SETOR 1- ABORDAGEM REGIMENTO INTERNO A Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante CIH-DOTT atende às exigências da legislação vigente, tendo sido instituída pelas Portarias n. os 191, de 09

Leia mais

INFORMATIVO TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES NO TERRITÓRIO BRASILEIRO

INFORMATIVO TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES NO TERRITÓRIO BRASILEIRO INFORMATIVO TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES NO TERRITÓRIO BRASILEIRO A legislação sanitária define que o transporte interestadual de material sob vigilância sanitária deve ser regularizado

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PREPARO DE TRANSFUSÕES E LIBERAÇÃO DE HEMOCOMPONENTES PARA TRANSFUSÃO Pagina 1 de 30 1. OBJETIVO Assegurar o procedimento de liberação e transfusão sangüínea. 2. APLICAÇÃO Receptores (Pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador de Imunohematologia

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DOS NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE MEDICINA TRANSFUSIONAL OU UNIDADES HEMOTERÁPICAS

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DOS NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE MEDICINA TRANSFUSIONAL OU UNIDADES HEMOTERÁPICAS MERCOSUL/GMC/RES. Nº 41/00 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DOS NÍVEIS DE COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS DE MEDICINA TRANSFUSIONAL OU UNIDADES HEMOTERÁPICAS TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA.

Abaixo, questionamentos referentes ao certame supracitado e respostas conforme área técnica da CESAMA. Juiz de Fora, 17 de maio de 2013. Referência: Concorrência 009/12 Objeto: Contratação de empresa especializada para fornecimento de licenças de uso perpétuo, implantação, customização, treinamento e manutenção

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 18 DE AGOSTO DE 2014

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 18 DE AGOSTO DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 18 DE AGOSTO DE 2014 Dispõe sobre a

Leia mais

Sistema Nacional de Biovigilância

Sistema Nacional de Biovigilância Marcelo A. N. Medeiros GEMOR/GGMON/SUCOM/ANVISA Gerência de Monitoramento do Risco Gerência-Geral de Monitoramento de Produtos Sujeitos a Vigilância Sanitária Superintendência de Fiscalização, Controle

Leia mais

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC.

Definir os procedimentos para gestão dos bens e materiais do TJAC. Código: MAP-DILOG-004 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Bens e Materiais Aprovado por: Diretoria de Logística 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para gestão dos bens e

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS GERENCIAMENTO DE PROCESSO Pagina:01 Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: O QUE Organizar a Sala de Vacinas RESULTADO DO PROCESSO Melhoria na qualidade de execução de Executar imunização Imunização na Diariamente

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇAO PARA O TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLOGICO ESPECIMES PARA DIAGNOSTICOS UM 3373 e ESPECIMES HUMANO EM ISENÇÃO

MANUAL DE OPERAÇAO PARA O TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLOGICO ESPECIMES PARA DIAGNOSTICOS UM 3373 e ESPECIMES HUMANO EM ISENÇÃO MANUAL DE OPERAÇAO PARA O TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLOGICO ESPECIMES PARA DIAGNOSTICOS UM 3373 e ESPECIMES HUMANO EM ISENÇÃO Este Manual tem por objetivo fazer cumprir as Normas estabelecidas na Resolução

Leia mais

Guia de Submissão Eletrônica de Texto de Bula

Guia de Submissão Eletrônica de Texto de Bula Agência Nacional de Vigilância Sanitária Guia de Submissão Eletrônica de Texto de Bula Gerência-geral de Medicamentos - GGMED www.anvisa.gov.br Setembro/2009 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Diretor-Presidente

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 ELABORAÇÃO E MONITORAMENTO DOS INDICADORES DE QUALIDADE APLICADOS AO LABORATÓRIO DE SOROLOGIA - ESTRATÉGIAS PARA CUMPRÍ-LOS - TRATAMENTO DE NÃO CONFORMIDADES - FLUXOS MAIS APROPRIADOS Vanderléia Bárbaro

Leia mais

FUNDAÇÃO ADIB JATENE GERÊNCIA DE GESTÃO DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO 004/2016 ENFERMEIRO (A)

FUNDAÇÃO ADIB JATENE GERÊNCIA DE GESTÃO DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO 004/2016 ENFERMEIRO (A) FUNDAÇÃO ADIB JATENE GERÊNCIA DE GESTÃO DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL DE ABERTURA PROCESSO SELETIVO 004/2016 ENFERMEIRO (A) ATUAÇÃO: UNIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE PROCURA DE ÓRGÃOS E

Leia mais

Manual do Usuário. Anexo 1 FORMULÁRIO PARA NOTIFICAÇÃO DE QUEIXA TÉCNICA DE AGROTÓXICO. Manual do Usuário

Manual do Usuário. Anexo 1 FORMULÁRIO PARA NOTIFICAÇÃO DE QUEIXA TÉCNICA DE AGROTÓXICO. Manual do Usuário Manual do Usuário Anexo 1 FORMULÁRIO PARA NOTIFICAÇÃO DE QUEIXA TÉCNICA DE AGROTÓXICO. Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1. Formulário para Notificação de Queixa Técnica de Agrotóxico... 3 1.1. Dados da Queixa... 3

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 21, de 06 de junho de 2013 D.O.U de 10/06/2013 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

TOXOPLASMOSE CONGÊNITA

TOXOPLASMOSE CONGÊNITA FLUXO DE ENCAMINHAMENTO SOLICITAR: exames de rotina (TOXOPLASMOSE, VDRL, HIV e FEZES) PREENCHER: Questionário epidemiológico (orientar sobre as medidas de prevenção da toxoplasmose), assinar o Termo de

Leia mais

Sistema de Devolução Web

Sistema de Devolução Web Manual Sistema de Devolução Web Usuário Cliente ÍNDICE Sumário 1. Prazos...3 2. Solicitação de Devolução... 4 3. Autorização de Devolução... 4 4. Coleta de Mercadoria... 4 5. Acompanhamento da Devolução...

Leia mais

CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS

CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS Coração 0505020041 TRANSPLANTE DE CORACAO Fígado 0505020050 TRANSPLANTE DE FIGADO (ORGAO DE DOADOR FALECIDO) 0505020068 TRANSPLANTE DE FIGADO (ORGAO DE DOADOR VIVO) Pâncreas 0505020076

Leia mais

Resultado do Monitoramento das atividades da Rede Sentinela Novembro/11 a Outubro/12

Resultado do Monitoramento das atividades da Rede Sentinela Novembro/11 a Outubro/12 Resultado do Monitoramento das atividades da Rede Sentinela Novembro/11 a Outubro/12 Diogo Penha Soares Coordenação de Vigilância em Serviços Sentinela CVISS/NUVIG Credenciamento Ao solicitarem o credenciamento

Leia mais

1 de 6 10/10/2015 02:57

1 de 6 10/10/2015 02:57 1 de 6 10/10/2015 02:57 Nome do POP / Sinonímia Nome do responsável pelo POP Fluxo 40921/15 - Reposição e Controle de Medicamentos no Centro Obstétrico *Que receberá, por exemplo, a tarefa de revisão do

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais