MANUAL DE OPERAÇAO PARA O TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLOGICO ESPECIMES PARA DIAGNOSTICOS UM 3373 e ESPECIMES HUMANO EM ISENÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE OPERAÇAO PARA O TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLOGICO ESPECIMES PARA DIAGNOSTICOS UM 3373 e ESPECIMES HUMANO EM ISENÇÃO"

Transcrição

1 MANUAL DE OPERAÇAO PARA O TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLOGICO ESPECIMES PARA DIAGNOSTICOS UM 3373 e ESPECIMES HUMANO EM ISENÇÃO Este Manual tem por objetivo fazer cumprir as Normas estabelecidas na Resolução da ANTT 420/2004, IAC , RDC 302/2005 da ANVISA e no Manual de Cargas Perigosas IATA enquanto o material estiver sob a responsabilidade de um profissional da RP e da Radar Logística. Esta entrada aplica-se a material humano ou animal incluindo, limitando-se a excreção, secreção, sangue e seus componentes, tecidos e fluidos do mesmo e partes do corpo sendo transportados com o propósito de pesquisa, diagnose, atividades investigativas, tratamento de doença ou prevenção. Os Espécimes para Diagnósticos são consideradas cargas perigosas da divisão 6.2 (substancias infectantes) e devem cumprir com a Instrução de Embalagem 650. Esta Instrução exige o uso de embalagem tríplice e a embalagem externa deve ser rígida o suficiente para suportar uma queda de 1,2 metros, mantendo sua integridade. Por esse fato o isopor, definitivamente, não pode ser considerado como embalagem externa. As embalagens devem estar completamente identificadas com o nome do Laboratório de Apoio, com as marcas exigidas pelas autoridades sanitárias como o losango da UN 3373, setas indicativas para cima, dados do expedidor e do destinatário do material além de possuir telefone de emergência contato 24 hs e quando tiver gelo seco o adesivo dry ice. Os materiais de risco 1 são tratados no item do Manual de Cargas Perigosas IATA edição 2008 como Exceções e dessa forma não estão sujeitos a Regulamentação de Carga Perigosa, embora, por uma questão de segurança e preciosismo, é solicitado pelas autoridades de transporte que sejam acondicionados nas mesmas embalagens dos materiais classificados como UN 3373, baixo risco de contágio.

2 PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS A Recebimento/Retirada de remessas nas Transportadoras Aéreas e Rodoviárias 1. Receber de seu supervisor o mapa da rota de coletas do dia; 2. No ato do recebimento do Conhecimento aéreo/rodoviário que acobertam as remessas verificar o correto preenchimento do Conhecimento de Carga, conferindo a quantidade de volumes e peso de cada remessa. No caso de atraso superior a 30 minutos, o plantonista do laboratório deverá ser comunicado imediatamente, quando será informado sobre a nova previsão de liberação da carga pela transportadora e o novo horário de entrega na área técnica do laboratório, através do Nextel; 3. Verificar a integridade física dos volumes recebidos, certificando-se que o Material classificado como Espécimes para Diagnósticos UN 3373 não está consolidada com outros bens perigosos, a menos que eles sejam necessários para manter a viabilidade, estabilização ou que previna a degradação ou neutralização de perigos dos materiais biológicos; 4. Verificar a existência da Declaração de Conteúdo e seu correto preenchimento pelo laboratório de origem, comparando com os dados dos volumes recebidos; 5. Conferir e assinar em campo próprio o recebimento da carga; 6. Lançar na ficha técnica da rota de coleta os dados relativos (origem, hora de chegada, quantidade de volume de cada conhecimento) a remessa recebida; 7. Passar as informações relativas ao recebimento dos materiais ao setor responsável pelo rastreamento das cargas, através de Nextel; 8. Armazenar os volumes recebidos na caçamba do veiculo, obedecendo um empilhamento máximo de ate duas caixas/embalagens;

3 9. Conduzir com cuidado seu veiculo ate ao local de entrega das remessas recebidas; 10. Ao chegar no local definido pelo Contratante, efetuar a entrega do material contrarecibo e registrando os horários de entrega de cada origem; 11. Informar ao setor de rastreamento o horário da entrega na área técnica dos materiais destinados àquele laboratório; 12. No caso de alguma discrepância comunicar imediatamente ao supervisor de plantão através do Nextel para as providências cabíveis; 13. No final da rota entregar os relatórios de rota com os registros e eventuais discrepâncias juntamente com os Conhecimentos de carga recebidos no decorrer de sua rota.

4 PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS B Retirada de materiais do Laboratório para despacho nas Transportadoras Aéreas e Rodoviárias 1. Receber de seu supervisor o mapa da rota de coletas do dia; 2. No ato da retirada dos materiais dos laboratórios realizar as conferências das quantidades de volumes e destinos de acordo com as minutas de despachos emitidas pela empresa; 3. Verificar a existência e o correto preenchimento da Declaração de Conteúdo exigido pelas Cias. Aéreas e Rodoviárias evitando-se transtornos no ato do embarque; 4. Verificar se as embalagens estão dentro dos padrões mínimos definidos pelo Manual de Carga Perigosa ; 5. Armazenar os volumes recebidos para despacho na caçamba do veículo, obedecendo um empilhamento máximo de ate duas caixas/embalagens; 6. Conduzir com cuidado seu veiculo ate ao local de entrega das remessas recebidas; 7. Ao chegar à transportadora definida para o despacho, efetuar a entrega das minutas e das embalagens para pesagem e emissão de conhecimento aéreo/rodoviário; 8. Após emissão assinar o campo devido do Conhecimento, não sem antes realizar todas as conferências necessárias evitando-se erros no encaminhamento; 9. No caso de alguma discrepância, avisar imediatamente ao supervisor de plantão através do Nextel para as providências cabíveis; 10. No final da rota entregar os relatórios de rota com os registros e eventuais discrepâncias juntamente com os Conhecimentos de carga emitidos no decorrer de sua rota.

5 PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS C Coleta de materiais biológicos nos laboratórios conveniados para posterior entrega na área Técnica do Laboratório de Apoio 1. Receber de seu supervisor o mapa de rotas de coletas do dia; 2. Verificar os itens básicos de segurança e manutenção do veículo antes da saída para a rota; 3. Verificar a documentação de porte obrigatório do veículo bem como se a pasta dos Manuais e POP encontra-se em local de fácil acesso dentro do veículo; 4. Dar início a sua rota de coletas comparecendo aos laboratórios nos horários definidos no mapa de rota para as coletas dos materiais destinados a Área Técnica do laboratório de Apoio; 5. Retirar no laboratório junto ao pessoal de coleta, o material determinado e destinado ao Laboratório de Apoio de acordo com as orientações definidas; 6. As amostras de pacientes coletadas deverão ser transportadas e preservadas em recipiente isotérmico, quando requerido, de acordo com a temperatura exigida (ambiente, refrigerado ou congelado), higienizável, impermeável, garantindo a sua estabilidade desde a coleta até a realização do exame, identificado com a simbologia de risco biológico, com os dizeres Espécimes para Diagnóstico e com nome do laboratório responsável pelo envio. 7. Preencher todos os boletins e documentos de controles e acompanhamento das coletas com as respectivas quantidades de tubos e/ou exames recebido de cada laboratório; 8. Após realização de todas as coletas definidas no mapa de rotas do dia e no horário determinado, dirigir-se a Área Técnica do Laboratório de Apoio entregando todo o material coletado juntamente com os seus respectivos relatórios de coletas;

6 9. No caso de alguma discrepância informar ao responsável pelo recebimento dos materiais coletados bem como ao seu supervisor; 10. No caso de acidente com o veículo cumprir todas as orientações contidas em nossos Manuais no que diz respeito à preservação da integridade física dos materiais biológicos coletados, isolando a área com fita, colocando os cones em seus devidos lugares e, sendo possível, avisar imediatamente por rádio de comunicação (Nextel) ao supervisor que providenciará um carro reserva para tirar do local do acidente os materiais já coletados, entregando-os à Área Técnica do Laboratório de Apoio; 11. Se necessário, dar seguimento ao mapa de rota do dia, coletando os demais laboratórios, ficando o motorista substituto responsável pelo cumprimento dos itens 6 e 7 desse Manual.

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES

ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES ROTEIRO DE INSPEÇÃO SANITÁRIO PARA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E COMPONENTES Período da Inspeção: / / a / / Tipo de serviço REMETENTE: ( ) HC ( ) HR ( ) NH ( ) UC fixa ( ) UC móvel

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL PARA TRANSPORTE NO MERCOSUL DE SUBSTÂNCIAS INFECCIOSAS E AMOSTRAS PARA DIAGNÓSTICO

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL PARA TRANSPORTE NO MERCOSUL DE SUBSTÂNCIAS INFECCIOSAS E AMOSTRAS PARA DIAGNÓSTICO MERCOSUR/GMC/RES. Nº 25/00 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL PARA TRANSPORTE NO MERCOSUL DE SUBSTÂNCIAS INFECCIOSAS E AMOSTRAS PARA DIAGNÓSTICO TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA

ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA ROTEIRO PARA COLETA DE ALIMENTO EM CASO DE SURTOS DE DOENÇAS TRANSMITIDA POR ALIMENTO DTA 1) PRIMEIRO PASSO - Recebimento da Notificação: Quando recebida a notificação de surto de DTA, deve-se notificar

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.823/2007 21-Nov-2007

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.823/2007 21-Nov-2007 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.823/2007 21-Nov-2007 Foi publicada no Diário Oficial de 31 de agosto de 2007, RESOLUÇÃO CFM -1823/2007 que torna-se uma norma que trata da interface entre patologistas e demais médicos,

Leia mais

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea ENVIO DE AMOSTRAS Os requerimentos específicos para cada exame são fornecidos na lista alfabética da Tabela de Diretório de Exames Online. Para cada exame, são descritos o tipo de amostra, volumes mínimos,

Leia mais

Título do documento Revisão Página. A p o io a La b o ra tó rio s. Edina Regina da Silva Orelli 10/10/2010

Título do documento Revisão Página. A p o io a La b o ra tó rio s. Edina Regina da Silva Orelli 10/10/2010 Título do documento Revisão Página [ IT. 106] - Manual de Transporte Apoio 2 1 a 16 A p o io a La b o ra tó rio s ÍNDICE Elaborado Aprovação Edina Regina da Silva Orelli Cristiano Fernandes 10/10/2010

Leia mais

CURSO PARA REMETENTES 2011. Módulo V Documentação para a Expedição de Substâncias Infecciosas

CURSO PARA REMETENTES 2011. Módulo V Documentação para a Expedição de Substâncias Infecciosas Módulo V Agosto 2011 Sumário Página 2 de 33 Conhecimento de embarque aéreo Declaração de produtos perigosos do remetente (Shipper's Declaration for Dangerous Goods - DGD) Preenchimento da declaração de

Leia mais

RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Ainda em novembro, divulgamos informativo ressaltando a importância dos equipamentos de segurança no transporte de produtos perigosos. Alguns associados

Leia mais

NORMAS DE COLETA E ACONDICIONAMENTO DE AMOSTRAS Setor: Logística

NORMAS DE COLETA E ACONDICIONAMENTO DE AMOSTRAS Setor: Logística PARA TRANSPORTE DE MATERIAL HUMANO APRESENTAÇÃO Este Manual tem por finalidade se adequar às exigências do Programa de Qualidade e às Normas de Biossegurança nos Serviços de Saúde, procurando de forma

Leia mais

3.1 ANTT Agência Nacional de Transporte Terrestre, do Ministério dos Transportes.

3.1 ANTT Agência Nacional de Transporte Terrestre, do Ministério dos Transportes. POP L44 Página 1 de 6 1. Objetivo Qualificar o transporte das amostras provenientes dos diferentes locais de coleta vinculados ao Laboratório Central HNSC: sejam as unidades internas, localizadas na mesma

Leia mais

Transporte de Artigos Perigosos

Transporte de Artigos Perigosos Transporte de Artigos Perigosos Substâncias Biológicas e Infectantes Stella Silvia Dias Especialista em Regulação de Aviação Civil Contato: artigo.perigoso@anac.gov.br (21) 3501-5526 Artigos Perigosos

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01

CÓPIA CONTROLADA POP - PRIMATO 002 / REV. 01 Procedimento Operacional Padrão Sistema de Gestão Qualificação de Fornecedores e Controle de Matérias - primas e Embalagens POP - PRIMATO 002 / REV. 01 QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES Este método tem por

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas que podem surgir a respeito da inspeção de

Leia mais

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no sítio da Anvisa na internet.

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no sítio da Anvisa na internet. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 19, de 5 de abril de 2011 D.O.U de 11/04/2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO

TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO MATERIAL BIOLÓGICO HUMANO Tecido ou fluido constituinte do organismo humano, tais como excrementos, fluidos corporais, células, tecidos, órgãos ou outros fluidos

Leia mais

CURSO PARA REMETENTES 2011. Módulo VI Expedição de Substâncias Infecciosas com Gelo Seco

CURSO PARA REMETENTES 2011. Módulo VI Expedição de Substâncias Infecciosas com Gelo Seco Módulo VI Agosto 2011 Sumário Página 2 de 24 Embalagem correta Marcaões e etiquetas Documentação obrigatória Exercício: Embalagem com gelo seco Página 3 de 24 O que acontece quando a expedição é feita

Leia mais

Resolução da Diretoria Colegiada- RDC nº 20, de 10 de abril de 2014

Resolução da Diretoria Colegiada- RDC nº 20, de 10 de abril de 2014 Título: Resolução RDC n.º 20, de 10 de abril de 2014 Ementa: Dispõe sobre regulamento sanitário para o transporte de material biológico humano. Publicação: D.O.U Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

DEVOLUÇÃO DE GERADORES DE Tc-99m EXAURIDOS

DEVOLUÇÃO DE GERADORES DE Tc-99m EXAURIDOS DEVOLUÇÃO DE GERADORES DE Tc-99m EXAURIDOS A Macaw Brasil Transportes oferece o serviço de transporte das blindagens exauridas de geradores de Tc-99m aos usuários que optarem pela realização deste serviço.

Leia mais

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos

CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos Centro Nacional de Epidemiologia Elenice Deffune www.hemocentro.fmb.unesp.br CONDUTAS EM CASOS SUPEITOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE SRAG Espécimes clínicos procedentes de casos suspeitos O agente

Leia mais

Bem-vindo à. Aqui, suas remessas internacionais são entregues de forma rápida, precisa e totalmente confiável.

Bem-vindo à. Aqui, suas remessas internacionais são entregues de forma rápida, precisa e totalmente confiável. Bem-vindo à DHL EXPRESS Aqui, suas remessas internacionais são entregues de forma rápida, precisa e totalmente confiável. Conheça as diversas vantagens de enviar com a DHL Express. Confira agora mesmo

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS 1) O que são produtos perigosos? São substâncias encontradas na natureza ou produzidas por qualquer processo que coloquem em risco a segurança

Leia mais

Nº Versão/Data: Validade: 2.0 22/10/2014 OUTUBRO/2015 SA. 05 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO

Nº Versão/Data: Validade: 2.0 22/10/2014 OUTUBRO/2015 SA. 05 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO 1 de 10 EXPEDIÇÃO MACROPROCESSO ADMINISTRATIVO PROCESSO EXPEDIÇÃO EXPEDIÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 DEFINIÇÃO DO SERVIÇO E SUA ABRANGÊNCIA...

Leia mais

Setor de Protocolo Administrativo do TJAM

Setor de Protocolo Administrativo do TJAM PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO 50 Setor de Protocolo Elaborado por: Adriano Ramos Gomes Setor de Protocolo

Leia mais

GERENCIAR ATENDIMENTO A EQUIPAMENTOS DE TI 1 OBJETIVO

GERENCIAR ATENDIMENTO A EQUIPAMENTOS DE TI 1 OBJETIVO Proposto por: Equipe da Divisão de Equipamentos de TI (DIETI) Analisado por: Departamento de Suporte e Atendimento (DEATE) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de Tecnologia da Informação (DGTEC)

Leia mais

Portaria Conjunta ANVISA/SAS Nº 370 DE 07/05/2014. Publicado no DO em 8 mai 2014

Portaria Conjunta ANVISA/SAS Nº 370 DE 07/05/2014. Publicado no DO em 8 mai 2014 Portaria Conjunta ANVISA/SAS Nº 370 DE 07/05/2014 Publicado no DO em 8 mai 2014 Dispõe sobre regulamento técnico-sanitário para o transporte de sangue e componentes. O Secretário de Atenção à Saúde e o

Leia mais

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos

Segurança com Pr P odutos o Q u Q ími m cos Segurança com Produtos Químicos Assuntos a serem Abordados 1. Conceitos e Definições; 2. Pré Avaliação do Produto Químico (Compra); 3. Armazenamento de Produto Químico; 4. Resíduo / Licença Ambiental;

Leia mais

Manutenir os equipamentos de informática do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJERJ) que não pertencem a contrato de garantia.

Manutenir os equipamentos de informática do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJERJ) que não pertencem a contrato de garantia. Proposto por: Equipe da Divisão de Equipamentos de TI (DIETI) Analisado por: Departamento de Suporte e Atendimento (DEATE) Aprovado por: Diretor Geral da Diretoria Geral de Tecnologia da Informação (DGTEC)

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO 03/07/2014 1 SUMÁRIO 1. Objetivo 1.1 Abrangência 2. Definições, terminologia e siglas 3. Norma Operacional Padrão Entrada de Produção de Grãos 3.1. Estimativas de Produção dos Talhões 3.2. Liberação de

Leia mais

PROGRAMA TRANSPORTE AÉREO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS

PROGRAMA TRANSPORTE AÉREO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PROGRAMA TRANSPORTE AÉREO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS (Modulo Preparação de Embarques) Treinamentos & Serviços Especiais 1 1- OBJETIVOS: - Atender em 100 % a legislação específica da Agência Nacional de Aviação

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HEMOVIGILÂNCIA Responsáveis: Enfª Cledes Moreira Enfª Danielli S. Barbosa Enfª Luciana Paiva VAMOS TRABALHAR HOJE Os cuidados na instalação de sangue e hemocomponentes.

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS Instruções de preenchimento - Somente itens cumpridos integralmente pelo serviço devem ser considerados SIM ; - Nos casos em que o serviço realize apenas parte do disposto no item avaliado, este deve ser

Leia mais

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições:

Para fins de entendimento deste manual, apresentam-se as seguintes definições: Código: MAP-DIINF-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Acervos Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir os procedimentos de arquivamento e

Leia mais

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT.

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Versão: 01/2013 As presentes instruções aplicam-se a todas as Operações de Transportes

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE NO TERRITÓRIO NACIONAL DE ÓRGÃOS HUMANOS EM HIPOTERMIA PARA FINS DE TRANSPLANTES

REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE NO TERRITÓRIO NACIONAL DE ÓRGÃOS HUMANOS EM HIPOTERMIA PARA FINS DE TRANSPLANTES Circular 499/2009 São Paulo, 23 de dezembro de 2009. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE NO TERRITÓRIO NACIONAL DE ÓRGÃOS HUMANOS EM HIPOTERMIA PARA FINS DE TRANSPLANTES

Leia mais

DRY PORT SÃO PAULO S.A. Bonded Warehouse and Logistics Solutions INSTITUCIONAL

DRY PORT SÃO PAULO S.A. Bonded Warehouse and Logistics Solutions INSTITUCIONAL Dry Port São Paulo Porto Seco e Soluções Logísticas Dados da empresa: Fundado em: 1971 e 1991 alfandegado; Funcionários: 140. Estrutura: 40.000 m2 de alfândega e 200.000m2 pátio automotivo. Clientes Ativos:

Leia mais

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado.

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado. Acondicionamento Para o cliente que deseja enviar um objeto via Correios, o correto acondicionamento dos objetos é muito importante para assegurar que as remessas cheguem bem a seus destinos. Recomenda-se

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES NT-920 SUPORTE PARA SORO HASTE E GUIA INOX - BASE ALUMÍNIO C/ RODÍZIOS NOTA! ESTE SUPORTE PARA SORO É DESTINADO AO USO MÉDICO HOSPITALAR. Página 1 de 10 INTRODUÇÃO PARABÉNS! Você acaba

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO SUL DO ESTADO DE ALAGOAS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO SUL DO ESTADO DE ALAGOAS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Este POP tem como objetivo fixar procedimentos para assegurar o correto recebimento de medicamentos, tanto em quantidade quanto em qualidade dos medicamentos. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: Recebimento

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS Rua: Victor Sopelsa, nº 3000 Bairro Salete E-mail: sac-lableite@uncnet.br Fone: (49) 3441-1086 Fax: (49) 3441-1084 Cep: 89.700-000 Concórdia Santa Catarina Responsável /Gerente

Leia mais

PASSO 1: ANTES DE MANUSEAR A AMOSTRA, PREPARAR TODOS OS EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE

PASSO 1: ANTES DE MANUSEAR A AMOSTRA, PREPARAR TODOS OS EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE Transporte no País: Como enviar com segurança amostras de sangue humano de casos suspeitos de Ebola dentro do país por meio de transporte rodoviário, ferroviário e marítimo PASSO 1: ANTES DE MANUSEAR A

Leia mais

PRESTAR MANUTENÇÃO E SUPORTE A HARDWARE

PRESTAR MANUTENÇÃO E SUPORTE A HARDWARE Proposto por: Equipe da Divisão de Equipamentos de TI (DIETI) Analisado por: Diretor do Departamento de Suporte e Atendimento (DEATE) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de Tecnologia da Informação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.763, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 (DOU de 08/02/2012 Seção I Pág. 68)

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.763, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 (DOU de 08/02/2012 Seção I Pág. 68) AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 3.763, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 (DOU de 08/02/2012 Seção I Pág. 68) Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as

Leia mais

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES Pág.: 1/10 1. OBJETIVO Definir os procedimentos operacionais relativos às normas gerais de produção e envase de produtos formulados na TERRA NOSSA, desde a emissão da ordem de produção até a entrega do

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/8 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na administração de recursos humanos; 1.2) Garantir maior segurança na admissão e exoneração de pessoal; 1.3) Manter atualizado

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTOS 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTOS 2 Índice 1- Exames Médicos Ocupacionais. 2- Controle de Atestados Médicos. 3 - Afastamentos: INSS/Licença Maternidade. 4 - Avaliação Médica.

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO CENTRAL DE PEQUISA DE PREÇO CPP/SEINF SHIS Quadra 01 Conjunto B - Bloco A -Edifício Santos Dumont - Lago Sul, Brasília - DF CEP: 71605-001 Telefone: 61 3211 9222 / Fax - 61 3211-9219 E-mail : melquizedeque.coutinho@cnpq.br

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência:VERSÃO LIMPA 5 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO Data: 26 e 27 de outubro de 2006 Processos n 02001.001037/02-98 e 02001.000597/2004-40

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES 1. Considerações iniciais Este manual tem por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Oculares BTOC para o preenchimento

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pág. nº 1/5 1. OBJETIVO Este documento tem como objetivo descrever as regras relativas à Gestão de esíduos, de modo a garantir: Sempre que possível a edução, eutilização, ecuperação e a eciclagem de resíduos;

Leia mais

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral

Limpeza e Esterilização: normatizações aplicáveis à RDC 15 André Cabral André Cabral Divisão de Prevenção de Infecção 3M do Brasil Prezados Colegas, O processamento de produtos para saúde é uma atividade que requer conhecimento e embasamento científico necessitando atualização

Leia mais

CAPACITAÇÃO DOS AGENTES DO SNVS EM TRANSPORTE DEMATERIAL BIOLÓGICO

CAPACITAÇÃO DOS AGENTES DO SNVS EM TRANSPORTE DEMATERIAL BIOLÓGICO CAPACITAÇÃO DOS AGENTES DO SNVS EM TRANSPORTE DEMATERIAL BIOLÓGICO Experiências no transporte de sangue e componentes para fins terapêuticos. Fundação Hemocentro de Brasília Fábio de França Martins Gerência

Leia mais

Atuação do Enfermeiro na Coordenação de Sala, Perfusão e Acondicionamento de Enxertos

Atuação do Enfermeiro na Coordenação de Sala, Perfusão e Acondicionamento de Enxertos Curso Prático de Extração, Perfusão e Acondicionamento de Múltiplos Órgãos para Transplantes Atuação do Enfermeiro na Coordenação de Sala, Perfusão e Acondicionamento de Enxertos Fluxo da Captação Atuações

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

1.1. Consulta à lista de mercadorias sujeitas à vigilância sanitária. 1.2.3. Como saber o código de assunto. 1.2.4. Como saber a lista de documentos

1.1. Consulta à lista de mercadorias sujeitas à vigilância sanitária. 1.2.3. Como saber o código de assunto. 1.2.4. Como saber a lista de documentos Atualizado: 15 / 0 7 / 2013 FAQ AI 1. Importação informações Gerais 1.1. Consulta à lista de mercadorias sujeitas à vigilância sanitária 1.2. AFE para prestação de serviço em PAF 1.2.1. Quem precisa 1.2.2.

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de

Leia mais

CRISTÓFOLI S I S T E M A D E R E G I S T R O P A R A A U T O C L A V E S A V A P O R

CRISTÓFOLI S I S T E M A D E R E G I S T R O P A R A A U T O C L A V E S A V A P O R CRISTÓFOLI SISTEMA DE REGISTRO PARA AUTOCLAVES A VAPOR Este Sistema de Registro para autoclaves a vapor foi elaborado para trabalhar em conjunto com os Emuladores- Integradores de Controle TST Browne (código

Leia mais

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene

Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Seminários 2015 Resíduos Hospitalares Obrigações Legais dos Produtores de Resíduos Hospitalares e método de tratamento Cannon Hygiene Francisco Valente OBJETIVOS Informação sobre as obrigações legais dos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.763/12, DE 26 DE JANEIRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 3.763/12, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos. A Diretoria da Agência Nacional de

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS

OPERAÇÃO LOGÍSTICA CL CLIENTES DIVERSOS 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística dos de recebimento, armazenagem e expedição. 2. REGRAS/CONSIDERAÇÕES GERAIS

Leia mais

CURSO PARA REMETENTES 2011. Módulo III Embalagem de Substâncias Infecciosas

CURSO PARA REMETENTES 2011. Módulo III Embalagem de Substâncias Infecciosas Módulo III Agosto 2011 Sumário Página 2 de 24 Embalagem tripla Embalagem categoria A substâncias infecciosas (PI620) Embalagem categoria B substâncias biológicas (PI650) Embalagem espécimes humano/animal

Leia mais

Hospital Maternidade Marieta Konder Bornhausen

Hospital Maternidade Marieta Konder Bornhausen I.P.M.M.I. INSTITUTO DAS PEQUENAS MISSIONÁRIAS DE MARIA IMACULADA Hospital Maternidade Marieta Konder Bornhausen EDITAL DE NORMAS DO CONCURSO 2016 DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA Comissão de Residência

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre processos de liberação ANVISA para Pessoa Jurídica

Perguntas Frequentes sobre processos de liberação ANVISA para Pessoa Jurídica Perguntas Frequentes sobre processos de liberação ANVISA para Pessoa Jurídica Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo esclarecer possíveis dúvidas a respeito da inspeção de remessas importadas

Leia mais

GUIA DE TRANSPORTE DE SANGUE E COMPONENTES. João Batista Silva Júnior Marcelo Vogler GESAC/GGSTO/ANVISA

GUIA DE TRANSPORTE DE SANGUE E COMPONENTES. João Batista Silva Júnior Marcelo Vogler GESAC/GGSTO/ANVISA GUIA DE TRANSPORTE DE SANGUE E COMPONENTES João Batista Silva Júnior Marcelo Vogler GESAC/GGSTO/ANVISA Brasília, 09 de novembro de 2013 DO TRANSPORTE DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES EM HEMOTERAPIA Sangue e

Leia mais

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Carga horária: 50 (cinqüenta) horas aula Requisitos para matrícula Ser maior de 21 anos; Estar habilitado em uma das categorias B,

Leia mais

Transporte inter-hospitalar de pacientes - Resolução: 1672 de 2003 *****

Transporte inter-hospitalar de pacientes - Resolução: 1672 de 2003 ***** Transporte inter-hospitalar de pacientes - Resolução: 1672 de 2003 ***** Ementa: Dispõe sobre o transporte inter-hospitalar de pacientes e dá outras providências. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REMOÇÃO, ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DE PARA-RAIOS RADIOATIVOS

INSTRUÇÕES PARA REMOÇÃO, ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DE PARA-RAIOS RADIOATIVOS INSTRUÇÕES PARA REMOÇÃO, ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DE PARA-RAIOS RADIOATIVOS ATENÇÃO A REMOÇÃO E O TRANSPORTE DE PARA-RAIOS RADIOATIVOS NÃO APRESENTAM RISCOS RADIOLÓGICOS DESDE QUE SEJAM SEGUIDAS AS

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

Padronizar fluxo de entrada de enxoval limpo e procedimentos de controle e distribuição das roupas

Padronizar fluxo de entrada de enxoval limpo e procedimentos de controle e distribuição das roupas 1/6 1. OBJETIVO Padronizar fluxo de entrada de enxoval limpo e procedimentos de controle e distribuição das roupas utilizadas no Hospital Santa Helena, com qualidade, e de forma diferenciada, para atender

Leia mais

Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador

Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador Processo de Solicitação de Viagem GENS S.A. Manual do Colaborador 1 Apresentação Apresentamos o Processo de Viagens GENS Manual do Colaborador. Este Manual é parte integrante do Processo de Viagens GENS.

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP Situações de Emergência na sala de vacinação vacinas 0 Situações de Emergência na sala de vacinação Nº ASSUNTO: Padronizar Situações de Emergência na sala de vacinação. RESULTADOS ESPERADOS: Evitar perdas de vacinas. APLICAÇÃO: Este POP aplica-se

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

FedEx Univali. Importação. Marco Antônio Sabadin 19 de Setembro de 2011

FedEx Univali. Importação. Marco Antônio Sabadin 19 de Setembro de 2011 FedEx Univali Remessa Expressa na Importação Marco Antônio Sabadin 19 de Setembro de 2011 Agenda FedEx Hoje FedEx Fatos Rotas Internacionais Aeroporto de Viracopos Estrutura FedEx Viracopos Escopo da Apresentação

Leia mais

Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho

Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho O Instituto GERIR, entidade de direito privado e sem fins lucrativos, classificado como

Leia mais

MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS

MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS Elaborado por:

Leia mais

FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES

FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES CADASTRO DE CLIENTES Recebimento de equipamentos somente com cadastro completo; O cadastro do e-mail é obrigatório; É de responsabilidade do cliente manter seus dados sempre

Leia mais

Declaração de Conformidade

Declaração de Conformidade APÊNDICE A DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE PARA OPERADOR AÉREO REGIDO PELO RBAC 121 QUE TRANSPORTA APENAS PASSAGEIRO Declaração de Conformidade Esta organização requerente apresenta o Manual de Artigos Perigosos

Leia mais

ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL NO ALMOXARIFADO DO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO SAAE

ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL NO ALMOXARIFADO DO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO SAAE 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pela autarquia SAAE; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e

Leia mais

PORTARIA N.º 034/2009, de 03 de agosto de 2009

PORTARIA N.º 034/2009, de 03 de agosto de 2009 PORTARIA N.º 034/2009, de 03 de agosto de 2009 Aprova o MANIFESTO DE TRANSPORTE DE RESÍDUOS MTR e dá outras providências. A DIRETORA PRESIDENTA DA FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUIZ

Leia mais

WORKSHOP TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. REALIZADO EM 17/09/2004 LOCAL: NTC PROMOVIDO: ABTLP, NTC & LOGISTICA, ASSOCIQUIM e ABIQUIM

WORKSHOP TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. REALIZADO EM 17/09/2004 LOCAL: NTC PROMOVIDO: ABTLP, NTC & LOGISTICA, ASSOCIQUIM e ABIQUIM WORKSHOP TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS REALIZADO EM 17/09/2004 LOCAL: NTC PROMOVIDO: ABTLP, NTC & LOGISTICA, ASSOCIQUIM e ABIQUIM PAINEL DE DEBATES: ANTT: Roberto David, Carmem Caixeta e Regina

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas

Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Procedimento para Licenciamento de Fontes Radioactivas Seladas 1. Legislação e Regulamentos Aplicáveis Decreto-Lei n.º 38/2007, de 19 de Fevereiro, do

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

TÍTULO 19 DEMONSTRATIVO DE ESTOQUE - DES

TÍTULO 19 DEMONSTRATIVO DE ESTOQUE - DES 1) FINALIDADE: consolidar informações sobre os estoques adquiridos pelo governo, vinculados à PGPM, e substituir o Livro Registro de Inventário e o Livro de Produção e do Estoque, conforme Convênio ICMS

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA 1 INTRODUÇÃO A Biblioteca é referida pelos Estatutos da FAJE no Título II, Cap. II, Art. 20, 1, e no Título 111, Art. III, Artigos 61, 64 69. Este regulamento deve ser revisto

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA No-2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA No-2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA No-2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014 Regulamenta o art. 4º da Instrução Normativa Interministerial n 14 de 26 de

Leia mais

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA 1. O Que é? O Importa Fácil Ciência é destinado a pesquisadores/entidades de pesquisa cientifica ou tecnológica, devidamente credenciadas no

Leia mais