RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS"

Transcrição

1 RESPONSABILIDADES NO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Ainda em novembro, divulgamos informativo ressaltando a importância dos equipamentos de segurança no transporte de produtos perigosos. Alguns associados encaminharam suas dúvidas relativas ao tema, que é vasto e complexo. Mas a responsabilidade no transporte não se limita apenas às Revendas, sendo aplicáveis ao também ao fabricante, ao expedidor até ao transportador da carga. Para melhor orientá-los, é preciso levar ao conhecimento as obrigações de cada parte, conforme prevê o Decreto n.º /98, que aprova o regulamento do Transporte de Produtos Perigosos. Recomendamos que o distribuidor/expedidor formalize contrato com a empresa transportadora (pessoa jurídica) para o transporte de produtos até o destinatário. Isto porque no transporte de produtos perigosos a responsabilidade é sempre solidária, ou seja, se qualquer irregularidade for constatada, a penalidade sempre recairá tanto no distribuidor/expedidor como no transportador de carga. A penalidade é dupla. Por isso, mesmo quando o distribuidor/expedidor realiza corretamente todas as operações necessárias para o transporte de produtos perigosos, o distribuidor será penalizado se o transportador falhar. A importância do contrato, nesse caso, é formalizar e disciplinar as responsabilidades da empresa transportadora. Responsabilidades dos Fabricantes: O fabricante deve fornecer ao distribuidor/expedidor: Informações relativas ao preenchimento da Ficha de Emergência e os cuidados a serem tomados no transporte e manuseio do produto. Especificações para o acondicionamento do produto e, quando for o caso, a relação do conjunto de equipamentos para emergências. As responsabilidades no momento do embarque dos produtos são do expedidor e do transportador. Responsabilidades do Expedidor: O expedidor fornecerá ao transportador:

2 Os produtos perigosos fracionados devidamente rotulados, etiquetados e marcados. A Ficha de Emergência. Nota Fiscal do Produto com as descrições exigidas. Envelope para Transporte. Os rótulos de risco e painéis de segurança para uso nos veículos, informando ao condutor as características dos produtos a serem transportados. Cabe ainda ao expedidor: A responsabilidade pelo acondicionamento do produto a ser transportado, de acordo com as especificações do fabricante. Informar os cuidados no transporte e no manuseio. As operações de carga: nas operações de carga (expedidor) e descarga (responsabilidade do destinatário), cuidados especiais serão adotados, especialmente quanto à amarração da carga, a fim de evitar danos, avarias ou acidentes. Ao expedidor e ao destinatário cumpre orientar e treinar o pessoal empregado nas atividades de carga e descarga. Responsabilidades do transportador: Constituem deveres e obrigações do transportador: Usar veículos apropriados para o transporte. Dar adequada manutenção e utilização aos veículos e equipamentos. Motorista deve ser habilitado para o Transporte de Produtos Perigosos, ou seja, deve possuir o curso MOOP Movimentação de Produtos Perigosos. Vistoriar as condições de funcionamento e segurança do veículo e equipamentos de acordo com a natureza da carga a ser transportada, na periodicidade regulamentar. Transportar produtos a granel de acordo com o especificado no "Certificado de Capacitação para o Transporte de Produtos Perigosos a Granel".

3 Acompanhar, para ressalva das responsabilidades do transporte, as operações executadas pelo expedidor ou destinatário de carga, descarga e transbordo, adotando as cautelas necessárias para prevenir riscos à saúde e integridade física de seus prepostos e ao meio ambiente. Requerer o Certificado de Capacitação para o Transporte de Produtos Perigosos a Granel e, quando for o caso, exigir do expedidor os seguintes documentos: - Documento Fiscal do produto transportado, contendo as seguintes informações: a) número e nome apropriado para embarque. b) classe e subclasse (quando for o caso) a qual o produto pertence. c) declaração assinada pelo expedidor de que o produto está adequadamente acondicionado para suportar os riscos normais de carregamento, descarregamento e transporte, conforme a regulamentação em vigor. - Ficha de Emergência e Envelope para o Transporte, emitidos pelo expedidor, de acordo com as NBR-7503, NBR-7504 e NBR-8285, preenchidos conforme instruções fornecidas pelo fabricante ou importador do produto transportado, contendo: a) orientação do fabricante do produto quanto ao que deve ser feito e como fazer em caso de emergência, acidente ou avaria; b) telefone de emergência da corporação de bombeiros e dos órgãos de policiamento do trânsito, da defesa civil e do meio ambiente ao longo do itinerário. Providenciar para que o veículo porte o conjunto de equipamentos necessários às situações de emergência, acidente ou avaria, assegurando-se do seu bom funcionamento. Instruir o pessoal envolvido na operação de transporte quanto à correta utilização dos equipamentos necessários às situações de emergência, acidente ou avaria, conforme as instruções do expedidor. Fornecer aos seus prepostos os trajes e equipamentos de segurança no trabalho, de acordo com as normas expedidas pelo Ministério do Trabalho, zelando para que sejam utilizados nas operações de transporte, carga, descarga e transbordo.

4 Providenciar a correta utilização, nos veículos e equipamentos, dos rótulos de risco e painéis de segurança adequados aos produtos transportados. Realizar as operações de transbordo observando os procedimentos e utilizando os equipamentos recomendados pelo expedidor ou fabricante do produto. Dar orientação quanto à correta estivagem da carga do veículo, sempre que, por acordo com o expedidor, seja co-responsável pelas operações de carregamento e descarregamento. Observações importantes: Se o transportador receber a carga largada ou for impedido, pelo expedidor ou destinatário, de acompanhar carga e descarga, ficará desonerado da responsabilidade por acidente ou avaria decorrentes do mau acondicionamento da carga. Quando o transporte for realizado por transportador comercial autônomo, alguns dos deveres e obrigações constituem responsabilidade de quem o tiver contratado. O Transportador deverá fazer cumprir todos os procedimentos do Decreto para Transporte, no que se refere à carga, documentação, identificação de risco, etc. O expedidor é solidariamente responsável com o transportador na hipótese de receber, para transporte, produtos cuja embalagem apresente sinais de violação, deterioração, mau estado de conservação ou de qualquer forma infrinja o Regulamento de Transportes de Produtos Perigosos e demais normas ou instruções aplicáveis. Responsabilidade solidária do EXPEDIDOR e TRANSPORTADOR: Inspeção de segurança no veículo. Emprego da simbologia de risco. Roteiro da viagem. Instruções ao motorista. Check list de despacho; e Instruções para limpeza e descontaminação.

5 OBS: Tanto o expedidor quanto o transportador devem ter conhecimentos sólidos sobre transporte de produtos perigosos. Fiscalização Competência: A fiscalização incumbe ao Ministério dos Transportes, sem prejuízo da competência das autoridades com jurisdição sobre a via por onde transite o veículo transportador de produtos perigosos. Portanto, para que a Polícia Rodoviária possa efetuar a fiscalização, é necessário que o dirigente do órgão de trânsito rodoviário delegue sua competência, mediante convênio ou outro instrumento legal. Constatada Irregularidade: O veículo será apreendido e a carga transbordada. MULTAS A quem se aplica? A empresa transportadora e ao distribuidor/expedidor de produtos perigosos. Multas exclusivas do Expedidor: - Não prestar os necessários esclarecimentos técnicos em situações de emergência ou acidentes, quando solicitados pelas autoridades. - Não comparecer ao local do acidente quando expressamente convocado pela autoridade competente. - Não lançar na nota fiscal, o Nome Apropriado para Embarque, classe de risco ou número ONU. Multas exclusivas do Transportador: - Transportar, juntamente com produto perigoso, pessoas, animais, alimentos ou medicamentos destinados ao consumo humano ou animal, ou, ainda, embalagens destinadas a estes bens. - Transportar produto perigoso desacompanhado de Certificado de Capacitação para o Transporte de Produtos Perigosos a Granel.

6 Multas exclusivas do Transportador cometidas pelo motorista: - Circular em vias públicas nas quais não seja permitido o trânsito de veículos transportando produtos perigosos. - Não dar imediata ciência da imobilização do veículo em caso de emergência, acidente ou avaria, que são cometidas pelo motorista. Multas onde o transportador e o expedidor são responsáveis solidários: - Falta da Ficha de Emergência e Envelope para Transporte. - Falta dos painéis de segurança e rótulos de risco. - Falta dos conjuntos de equipamentos para situações de emergência e EPI, que são as mais comuns. Valores: As infrações punidas com multa vão de 123,4 UFIR a 617 UFIR e classificam-se, de acordo com a sua gravidade, em três grupos: I - Primeiro Grupo UFIR; II - Segundo Grupo - 308,5 UFIR; e III - Terceiro Grupo - 123,4 UFIR. Na reincidência específica, a multa será aplicada em dobro. Valores conforme Portaria Nº 38 do DENATRAN, de 10/12/98, publicada no DOU de 11/12/98. Diferencial de custos para Transportadores (Pessoa Jurídica) e Autônomos (Pessoa Física) Nos serviços de fretes e carretos prestados por Pessoa Física à Pessoa Jurídica, há retenção na fonte de IRPF (calculado pela tabela progressiva) e INSS (11%), de acordo com exemplo abaixo: Exemplo: Serviço de Frete no valor de R$ 2.000,00 IRRF (15%) ( 2.000, x 15%) 197,05 = 102,95 INSS (11%) 2.000, x 11% = 220,00

7 Valor a pagar do serviço de frete a PF é de R$ 1.677,05 TABELA PROGRESSIVA Rendimentos do Trabalho: 15% e 27,5% conforme tabela progressiva mensal abaixo reproduzida, para fatos geradores ocorridos no ano-calendário de 2007: Base de cálculo mensal em R$ Alíquota % Parcela a deduzir do imposto em R$ Até 1.313, De 1.313,70 até 2.625,12 15,0 197,05 Acima de 2.625,12 27,5 525,19 Esclarecemos ainda que, nesses casos, compete à fonte pagadora (expedidor) a retenção dos impostos e repasse ao governo. Portanto, quando a pessoa física faz mais de um frete no mesmo mês, os valores do frete são somados para formar a base de cálculo do IRPF. Nota-se que os serviços prestados por pessoa física representam um gasto muito maior para o distribuidor/expedidor, além de outras implicações desfavoráveis, conforme descrito. Dúvidas sobre o tema? Entre em contato conosco através do telefone (19) ou escreva para ANDAV A força que une o distribuidor.

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS 1) O que são produtos perigosos? São substâncias encontradas na natureza ou produzidas por qualquer processo que coloquem em risco a segurança

Leia mais

DECRETO N.º 96.044, DE 18 DE MAIO DE 1988

DECRETO N.º 96.044, DE 18 DE MAIO DE 1988 DECRETO N.º 96.044, DE 18 DE MAIO DE 1988 Aprova o Regulamento para o Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos e dá outras providências Publicado no DOU de 19/5/88 p. 8.737/41 DECRETO N.º 96.044, DE

Leia mais

CAPÍTULO IX DO TRANSPORTE DE PRODUTOS E/OU RESÍDUOS PERIGOSOS

CAPÍTULO IX DO TRANSPORTE DE PRODUTOS E/OU RESÍDUOS PERIGOSOS CAPÍTULO IX DO TRANSPORTE DE PRODUTOS E/OU RESÍDUOS PERIGOSOS Art. 69 O transporte de produtos e/ou resíduos perigosos no Município obedecerá ao disposto na legislação federal, do e ao disposto neste Código.

Leia mais

DECRETO Nº 96.044, DE 18 DE MAIO DE 1988

DECRETO Nº 96.044, DE 18 DE MAIO DE 1988 DECRETO Nº 96.044, DE 18 DE MAIO DE 1988 Aprova o Regulamento para o Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos e dá outras providências Publicado no DOU de 19/5/88 p. 8.737/41 VIDE: ANEXO Instruções

Leia mais

III Seminário Transporte de Derivados de Petróleo

III Seminário Transporte de Derivados de Petróleo III Seminário Transporte de Derivados de Petróleo Principais Alterações Introduzidas na Regulamentação para o Transporte de Produtos Perigosos (Resoluções ANTT Nº 420 e 3.665) Paulo de Tarso Martins Gomes

Leia mais

LEGISLAÇÃO CITADA......

LEGISLAÇÃO CITADA...... LEGISLAÇÃO CITADA Lei 11.442/07... Art. 1 o Esta Lei dispõe sobre o Transporte Rodoviário de Cargas - TRC realizado em vias públicas, no território nacional, por conta de terceiros e mediante remuneração,

Leia mais

REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS RTPP Resolução nº 3665/11 ANTT Atualizada com as Resoluções ANTT nº 3762/12 e 3886/12

REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS RTPP Resolução nº 3665/11 ANTT Atualizada com as Resoluções ANTT nº 3762/12 e 3886/12 REGULAMENTO PARA O TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS RTPP Resolução nº 3665/11 ANTT Atualizada com as Resoluções ANTT nº 3762/12 e 3886/12 CAPÍTULO 1 Disposições Preliminares - Art. 2º CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.665/11, DE 4 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 3.665/11, DE 4 DE MAIO DE 2011 Atualiza o Regulamento para o Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos. A Diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT, no uso de suas atribuições, fundamentada no Voto DIB - 038/11,

Leia mais

LEI Nº 9.611, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998

LEI Nº 9.611, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998 LEI Nº 9.611, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998 Dispõe sobre o transporte multimodal de cargas e dá outras providências. CAPÍTULO IV DA RESPONSABILIDADE Art 11. Com a emissão do Conhecimento, o Operador de Transporte

Leia mais

BASE NORMATIVA. Normas Brasileiras para o Transporte Terrestre de Produtos Perigosos

BASE NORMATIVA. Normas Brasileiras para o Transporte Terrestre de Produtos Perigosos PRODUTOS PERIGOSOS Geraldo André Thurler Fontoura ABNT/CB-16 Comitê Brasileiro de Transportes e Tráfego Comissão de Estudos de Transporte Comissão de Estudos de Transporte 11 Normas Publicadas Reuniões

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso ÍNDICE 1. Introdução 5 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso 6 2.1 O que é Produto Perigoso? 6 2.2 Conceito de Risco x Perigo 6 2.3 Classe de Risco e número ONU 7 2.4 Exigências aplicáveis 8 2.4.1

Leia mais

MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS

MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS MANUAL DOCUMENTAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA EXPEDIÇÃO E TRANSPORTE DE EMBALAGENS VAZIAS NÃO LIMPAS 1. OBJETIVO DO MANUAL A TECNOTAM vem, através do presente documento, orientar os fornecedores de embalagens

Leia mais

DECRETO Nº 50.446 DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009

DECRETO Nº 50.446 DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009 DECRETO Nº 50.446 DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009 REGULAMENTA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS por veículos de carga nas vias públicas do Município de São Paulo, nos termos da legislação específica. GILBERTO

Leia mais

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980.

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. LEI Nº 11.442, de 05/01/2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

PREENCHA CORRETAMENTE A FICHA DE EMERGÊNCIA E ENVELOPE PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

PREENCHA CORRETAMENTE A FICHA DE EMERGÊNCIA E ENVELOPE PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS PREENCHA CORRETAMENTE A FICHA DE EMERGÊNCIA E ENVELOPE PARA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS As exigências para o transporte de produtos perigosos são estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Curso de Embalagem para Transporte e Exportação

Curso de Embalagem para Transporte e Exportação Curso de Embalagem para Transporte e Exportação Curso de Embalagem para Transporte e Exportação São Paulo/2013 Gloria Benazzi Sinopse do Curriculum Engenheira química formada em 1975 pela UFRJ; Aposentada

Leia mais

LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983. Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências.

LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983. Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. LEI Nº 7.877, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1983. Dispõe sobre o Transporte de Cargas Perigosas no Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. JAIR SOARES, Governador do Estado do Rio Grande do Sul. Faço

Leia mais

Novas Práticas para o Limite Legal de Peso no Transporte de Agregado no Brasil

Novas Práticas para o Limite Legal de Peso no Transporte de Agregado no Brasil Novas Práticas para o Limite Legal de Peso no Transporte de Agregado no Brasil Aspectos jurídicos da Lei da Balança a e responsabilidades do Transportador e Embarcador Dr. Moacyr Francisco Ramos agosto/2011

Leia mais

Dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul, e dá outras providências.

Dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul, e dá outras providências. LEI Nº 7.877, de 28 de Dezembro de 1983 Dispõe sobre o transporte de cargas perigosas no Estado do Rio Grande do Sul, e dá outras providências. Jair Soares, Governador do Estado do Rio Grande do Sul. Faço

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE TRANSPORTE, DESCARGA E ARMAZENAMENTO DOS PRODUTOS TRITON MÁQUINAS AGRÍCOLAS LTDA E TRITON FERTILANCE LTDA.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE TRANSPORTE, DESCARGA E ARMAZENAMENTO DOS PRODUTOS TRITON MÁQUINAS AGRÍCOLAS LTDA E TRITON FERTILANCE LTDA. MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DE TRANSPORTE, DESCARGA E ARMAZENAMENTO DOS PRODUTOS TRITON MÁQUINAS AGRÍCOLAS LTDA E TRITON FERTILANCE LTDA. 1. Do Carregamento: a) Observar quantidade de peças referente de cada

Leia mais

14APOSTILA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

14APOSTILA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS 14APOSTILA TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Caros Colegas, A BSM Engenharia S.A. apresenta a apostila com os temas de transporte de produtos perigosos e coleta seletiva. O transporte em geral faz parte

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Terrestres REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. Painel Setorial Inmetro - Produtos Perigosos

Agência Nacional de Transportes Terrestres REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. Painel Setorial Inmetro - Produtos Perigosos REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS Painel Setorial Inmetro - Produtos Perigosos Rio de Janeiro, 09 de outubro de 2007 Base legal: Lei Nº 10.233, de 5/6/2001 art.22, inciso VII,

Leia mais

NORMA VISTORIA DE VEÍCULOS DE CARGA

NORMA VISTORIA DE VEÍCULOS DE CARGA CODEBA PALAVRAS CHAVES INSPEÇÃO, VEÍCULOS, CARGA P..04 DEX- 312ª REVISÃO N.º 1 / 6 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. PROCEDIMENTOS BÁSICOS 3.1 Acesso a Área de Operação Portuária 3.2

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor

Código de Defesa do Consumidor Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Atualização Gloria Santiago Marques Benazzi 2012 Lei 8.078/90 Das Práticas Abusivas Artigo 39 inciso VIII: Código de Defesa do Consumidor É vedado ao fornecedor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.442, DE 5 DE JANEIRO DE 2007. Mensagem de veto Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS CURSO PARA CONDUTORES DE VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Carga horária: 50 (cinqüenta) horas aula Requisitos para matrícula Ser maior de 21 anos; Estar habilitado em uma das categorias B,

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: IBAMA Data: 8 de agosto de 2002 Versão Limpa 2 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO 06/12/05 Processos n 02001.001037/02-98

Leia mais

Introdução. Da Previsão Legal SÃO BERNARDO DO CAMPO, OUTUBRO DE 2014

Introdução. Da Previsão Legal SÃO BERNARDO DO CAMPO, OUTUBRO DE 2014 SÃO BERNARDO DO CAMPO, OUTUBRO DE 2014 FISCALIZAÇÃO DO TRABALHO Introdução A inspeção do trabalho tem por finalidade a prevenção e manutenção adequada dos direitos trabalhistas dos empregados, frente à

Leia mais

Decreto nº 50.446/09 Município de São Paulo. Foi publicado no Diário Oficial do Município de São Paulo o Decreto Nº 50.446, de 20 de fevereiro de

Decreto nº 50.446/09 Município de São Paulo. Foi publicado no Diário Oficial do Município de São Paulo o Decreto Nº 50.446, de 20 de fevereiro de Decreto nº 50.446/09 Município de São Paulo. Foi publicado no Diário Oficial do Município de São Paulo o Decreto Nº 50.446, de 20 de fevereiro de 2009 que regulamenta o transporte de produtos perigosos

Leia mais

TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EXIGÊNCIAS

TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EXIGÊNCIAS CONDUTOR VEÍCULO CARGA TRANSPORTADOR DE PRODUTOS PERIGOSOS GLP EIGÊNCIAS CNH Carteira Nacional de Habilitação Comprovante de Curso Específico MOPP (Certificado) CRLV Certificado de Registro e Licenciamento

Leia mais

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL Classificação Rótulos de Risco e Painéis de Segurança Interface com o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Substâncias

Leia mais

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS AULA 20 TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS Introdução O transporte de produtos perigosos é um caso particular do transporte de mercadorias numa cadeia de fornecimento. Durante esta atividade, vários fatores

Leia mais

WORKSHOP TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. REALIZADO EM 17/09/2004 LOCAL: NTC PROMOVIDO: ABTLP, NTC & LOGISTICA, ASSOCIQUIM e ABIQUIM

WORKSHOP TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS. REALIZADO EM 17/09/2004 LOCAL: NTC PROMOVIDO: ABTLP, NTC & LOGISTICA, ASSOCIQUIM e ABIQUIM WORKSHOP TRANSPORTE TERRESTRE DE PRODUTOS PERIGOSOS REALIZADO EM 17/09/2004 LOCAL: NTC PROMOVIDO: ABTLP, NTC & LOGISTICA, ASSOCIQUIM e ABIQUIM PAINEL DE DEBATES: ANTT: Roberto David, Carmem Caixeta e Regina

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência:VERSÃO LIMPA 5 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO Data: 26 e 27 de outubro de 2006 Processos n 02001.001037/02-98 e 02001.000597/2004-40

Leia mais

ANEXO 3 CONDIÇÕES DE COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA PARA INTERCONEXÃO

ANEXO 3 CONDIÇÕES DE COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA PARA INTERCONEXÃO ANEXO 3 CONDIÇÕES DE COMPARTILHAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA PARA INTERCONEXÃO 1. CLÁUSULA PRIMEIRA - CONDIÇÕES GERAIS 1.1. A PARTE proprietária dos itens de infra-estrutura cedidos e a PARTE a qual será feita

Leia mais

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei n. 6.813, de 10 de julho de 1980 Alterações: Lei n. 12249,

Leia mais

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL

O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL 1/16 O Transporte Terrestre de Produtos Perigosos no MERCOSUL Classificação Rótulos de Risco e Painéis de Segurança Interface com o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Substâncias

Leia mais

Novas resoluções para o transporte de produtos perigosos entram em vigor em maio deste ano

Novas resoluções para o transporte de produtos perigosos entram em vigor em maio deste ano Novas resoluções para o transporte de produtos perigosos entram em vigor em maio deste ano A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) divulgou, ontem (08), duas resoluções publicadas no Diário

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇAO PARA O TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLOGICO ESPECIMES PARA DIAGNOSTICOS UM 3373 e ESPECIMES HUMANO EM ISENÇÃO

MANUAL DE OPERAÇAO PARA O TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLOGICO ESPECIMES PARA DIAGNOSTICOS UM 3373 e ESPECIMES HUMANO EM ISENÇÃO MANUAL DE OPERAÇAO PARA O TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLOGICO ESPECIMES PARA DIAGNOSTICOS UM 3373 e ESPECIMES HUMANO EM ISENÇÃO Este Manual tem por objetivo fazer cumprir as Normas estabelecidas na Resolução

Leia mais

MULTA VALOR EM UFIR MULTA

MULTA VALOR EM UFIR MULTA MULTA -Imposta e arrecadada pelo órgão com circunscrição sobre a via onde haja ocorrido a infração. -O valor decorre da natureza da infração, assim como a respectiva pontuação. NATUREZA DA INFRAÇÃO MULTA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS

REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS REGULAMENTO INTERNO PARA O USO DA VIATURA DO CCD PM CASCAIS 2014 Regulamento Interno para o uso da viatura do CCD PM Cascais Página 1 Artigo 1º Objeto O presente regulamento interno estabelece as normas

Leia mais

armazenamento, manuseio e descarte de embalagens

armazenamento, manuseio e descarte de embalagens Defensivo agrícola armazenamento, manuseio e descarte de embalagens Carta do Presidente Cada vez mais, o compromisso dos cidadãos, organizações não governamentais, públicas e privadas com o desenvolvimento

Leia mais

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

NORMA OPERACIONAL PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DA ATIVIDADE DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PRODUTOS PERIGOSOS NO ÂMBITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios para o licenciamento ambiental das atividades de transporte rodoviário de produtos perigosos (exceto os das classes 1 e 7 da Resolução ANTT 42) que circulam apenas no

Leia mais

Instrumento. OBSERVAÇÃO: Sugestões referentes ao Decreto 96.044/88

Instrumento. OBSERVAÇÃO: Sugestões referentes ao Decreto 96.044/88 Superintendência de Logística e Transporte Multimodal SUGESTÕES À MINUTA DE PORTARIA ELABORADA COM BASE NA 11ª EDIÇÃO DA ONU sugestões não pertinentes ao tema (Período Audiência Pública: 15/09/03 a 10/10/03)

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: APROMAC Data: 01/03/2006 Versão Limpa 5 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO 26 e 26 e 27/10/06 Processos n 02001.001037/02-98

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Palestra Imposto de Renda: "entenda as novas regras para os profissionais da Odontologia" Abril/2015 Palestra Imposto de Renda 2015 A Receita Federal do Brasil RFB para o exercício

Leia mais

TRANSPORTE INTRA E INTERESTADUAL DE PRODUTOS PERIGOSOS, INTERAÇÃO COM A RECEITA FEDERAL E TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS E EMBALAGENS CONTAMINADAS

TRANSPORTE INTRA E INTERESTADUAL DE PRODUTOS PERIGOSOS, INTERAÇÃO COM A RECEITA FEDERAL E TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS E EMBALAGENS CONTAMINADAS TRANSPORTE INTRA E INTERESTADUAL DE PRODUTOS PERIGOSOS, INTERAÇÃO COM A RECEITA FEDERAL E TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS E EMBALAGENS CONTAMINADAS SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE AGROTÓXICOS LUFT AGRO LOCAL: SÃO LUIS

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 349, de 10 de maio de 2002. DOU de 4 DE JUNHO DE 2002

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 349, de 10 de maio de 2002. DOU de 4 DE JUNHO DE 2002 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 349, de 10 de maio de 2002 DOU de 4 DE JUNHO DE 2002 Aprova as Instruções para a Fiscalização do Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos no Âmbito Nacional. O MINISTRO

Leia mais

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Estabelece procedimentos para o transporte de bagagens e encomendas nos ônibus utilizados nos serviços de transporte interestadual e internacional de passageiros e para a identificação de seus proprietários

Leia mais

DECRETO N.º 42.868 DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011*

DECRETO N.º 42.868 DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011* DECRETO N.º 42.868 DE 28 DE FEVEREIRO DE 2011* (*publicado em 1 de março de 2011) ALTERA OS CAPÍTULOS XVI, XVII, XVIII E XIX DO REGULAMENTO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS, APROVADO

Leia mais

Transporte de Produtos e de Resíduos Perigosos. Gloria Santiago Marques Benazzi Novembro/2006

Transporte de Produtos e de Resíduos Perigosos. Gloria Santiago Marques Benazzi Novembro/2006 Transporte de Produtos e de Resíduos Perigosos Gloria Santiago Marques Benazzi Novembro/2006 ACIDENTES NÃO ACONTECEM, SÃO CAUSADOS CAUSAS DE ACIDENTES: falta de treinamento de motoristas; má conservação

Leia mais

Art. 1º Os arts. 37, 41 e 52 da Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, passam a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º Os arts. 37, 41 e 52 da Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, passam a vigorar com a seguinte redação: Instrução Normativa RFB nº 1.096, de 13 de dezembro de 2010 DOU de 14.12.2010 Altera a Instrução Normativa SRF nº 28, de 27 de abril de 1994, que disciplina o despacho aduaneiro de mercadorias destinadas

Leia mais

TRANSPORTE. 1. Referência legal do assunto. Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte

TRANSPORTE. 1. Referência legal do assunto. Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte 1. Referência legal do assunto Arts. 730 a 756 do CC. 2. Conceito de transporte TRANSPORTE O CC define o contrato de transporte no art. 730: Pelo contrato de transporte alguém se obriga, mediante retribuição,

Leia mais

Instrução Normativa 1.343, DE 08.04.2013, DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

Instrução Normativa 1.343, DE 08.04.2013, DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Instrução Normativa 1.343, DE 08.04.2013, DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL ASSISTIDOS COM INÍCIO DO RECEBIMENTO DO BENEFÍCIO NO PERÍODO DE JAN.2008 A DEZ.2012 Perguntas e respostas para entendimento

Leia mais

NORMA INTERNA STR N.º 08/2007 Versão III atualizada em 09/07/2012 SETORES ENVOLVIDOS:

NORMA INTERNA STR N.º 08/2007 Versão III atualizada em 09/07/2012 SETORES ENVOLVIDOS: PREFEITURA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE DMINISTRAÇÃO VIGENTE A PARTIR DE: 14/08/2007 NORMA INTERNA STR N.º 08/2007 Versão III atualizada em 09/07/2012 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO E CONTROLE

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/8 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na administração de recursos humanos; 1.2) Garantir maior segurança na admissão e exoneração de pessoal; 1.3) Manter atualizado

Leia mais

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores.

REGULAMENTO. Presenteador: É a pessoa física ou jurídica que adquire o VALE-VIAGEM CVC, mediante a compra direta de cargas de valores. REGULAMENTO A CVC BRASIL OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS S.A., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às

Leia mais

NRR 5 - Produtos Químicos

NRR 5 - Produtos Químicos NRR 5 - Produtos Químicos 5.1. Esta Norma trata dos seguintes produtos químicos utilizados no trabalho rural: agrotóxicos e afins, fertilizantes e corretivos. 5.1.1. Entende-se por agrotóxicos as substâncias

Leia mais

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO E SUPORTE DO LICENCIAMENTO ATLASSIAN JIRA Outubro de 2013 1 1 OBJETO Prestação de Serviço de Manutenção da licença

Leia mais

ACIDENTES NÃO ACONTECEM, SÃO CAUSADOS

ACIDENTES NÃO ACONTECEM, SÃO CAUSADOS Transporte e Rotulagem de Produtos e Resíduos Perigosos Gloria Santiago Marques Benazzi Novembro/2006 ACIDENTES NÃO ACONTECEM, SÃO CAUSADOS CAUSAS DE ACIDENTES: falta de treinamento de motoristas; má conservação

Leia mais

2º A tara será cadastrada em quilogramas como unidade de medida.

2º A tara será cadastrada em quilogramas como unidade de medida. Inspetoria da Receita Federal do Brasil em Corumbá/MS PORTARIA IRF/COR Nº 050/2015, de 27 de Regulamenta o Cadastramento Inicial e Atualização da Tara dos veículos de transporte de cargas no Porto Seco

Leia mais

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR)

Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) WORKSHOP FIOVDE (24.10.2011) Regulamentação técnica de segurança aplicável ao transporte rodoviário de mercadorias perigosas (ADR) José Alberto Franco José Silva Carvalho Aspectos que vamos passar em revista

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA ANP N. 127, DE 30.07.99 REVOGADA PELA RESOLUÇÃO ANP N. 20, DE 18.06.09 O DIRETOR da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO ANP, no uso de suas atribuições legais, conferidas

Leia mais

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a

Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Anexo IV Conhecimento específico Responsável Técnico. Estrutura Curricular do Curso para Responsável Técnico 125h/a Módulo I Conhecimentos Básicos do Setor de Transporte de Cargas O Transporte Rodoviário

Leia mais

ESCRITÓRIO CENTRAL DO PROGRAMA LBA Departamento de logística NORMATIZAÇÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE E UTILIZAÇÃO DOS VEÍCULOS

ESCRITÓRIO CENTRAL DO PROGRAMA LBA Departamento de logística NORMATIZAÇÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE E UTILIZAÇÃO DOS VEÍCULOS NORMATIZAÇÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE E UTILIZAÇÃO DOS VEÍCULOS I Do Funcionamento Geral do Serviço de Transporte 1. Os veículos do Programa LBA destinam-se ao uso exclusivo de seus pesquisadores, funcionários

Leia mais

Regulamento Interno Específico ANDEBOL

Regulamento Interno Específico ANDEBOL Instalações Desportivas São consideradas neste regulamento instalações desportivas da CPVV todas as instalações disponibilizadas pela instituição Casa do Povo de Valongo do Vouga. Elementos Desportivos

Leia mais

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece os requisitos técnicos e procedimentos para credenciamento de empresas prestadoras de serviço de vistoria em veículos automotores. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições:

REGULAMENTO. Capítulo 1º. Definições: REGULAMENTO A OPERADORA E AGÊNCIA DE VIAGENS CVC TUR LTDA., o Presenteador e o Presenteado do VALE-VIAGEM CVC, a primeira, na qualidade de prestadora de serviços de turismo, e o segundo, aderindo às condições

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.358-C, DE 2001 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.054, DE 23 DE ABRIL DE 2004. Dispõe sobre o procedimento administrativo para aplicação de penalidades por infrações cometidas

Leia mais

Apresentação DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS ELETROS

Apresentação DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS ELETROS Apresentação Os participantes de Planos de Previdência Complementar estruturados na modalidade de Contribuição Definida (CD), como é o caso do Plano CD CERON, contam com duas opções de tributação do imposto

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015)

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015) ( 2015) 1 Art. 24. Compete aos órgãos e entidades executivos de trânsito dos Municípios, no âmbito de sua circunscrição: Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência.

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência. Especial IRPF 2011 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2011 Chegou a hora de declarar o IRPF2011 Fique atento! Não descuide do

Leia mais

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a

Tipos de Cargas e Veículos - 10h/a Conhecer a evolução do Transporte no mundo, relacionando as características econômicas, sociais e culturais. Compreender a função social do transporte e o papel da circulação de bens e pessoas. Conhecer

Leia mais

GRUPO ATR. Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos. Eng. Quím. Lisiane Sberse

GRUPO ATR. Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos. Eng. Quím. Lisiane Sberse GRUPO ATR Requisitos Legais e Gestão de Riscos no Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos Eng. Quím. Lisiane Sberse Março/2009 Introdução O transporte de produtos perigosos é uma atividade que apresenta

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.823/2007 21-Nov-2007

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.823/2007 21-Nov-2007 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.823/2007 21-Nov-2007 Foi publicada no Diário Oficial de 31 de agosto de 2007, RESOLUÇÃO CFM -1823/2007 que torna-se uma norma que trata da interface entre patologistas e demais médicos,

Leia mais

Transporte de Produtos e Resíduos Perigosos Legislação e Normas Técnicas. Gloria Santiago Marques Benazzi Agosto 2014

Transporte de Produtos e Resíduos Perigosos Legislação e Normas Técnicas. Gloria Santiago Marques Benazzi Agosto 2014 Transporte de Produtos e Resíduos Perigosos Legislação e Normas Técnicas Gloria Santiago Marques Benazzi Agosto 2014 Classificação do Produto ou Resíduo Químico FISPQ ou FDSR Ficha de Emergência Rotulagem

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA PAGAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA PAGAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA 0 HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA RESOLUÇÃO 541/2007 - CJF JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SÃO PAULO NÚCLEO FINANCEIRO SEÇÃO DE

Leia mais

Bem vindos! Marcos Vilela de Moura Leite. UNOPAR Ituiutaba MG

Bem vindos! Marcos Vilela de Moura Leite. UNOPAR Ituiutaba MG Bem vindos! Marcos Vilela de Moura Leite UNOPAR Ituiutaba MG RESOLUÇÃO CONAMA 334 / 2003 Art. 2º Para efeito desta Resolução serão adotadas as seguintes definições: POSTO: unidade que se destina ao recebimento,

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 176, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006.

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 176, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006. RESOLUÇÃO - RDC Nº. 176, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006. Aprova o Regulamento Técnico Contratação de Terceirização para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A.

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. ÍNDICE DURATEX S/A POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. 1. OBJETIVO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 4.1. DURATEX 4.2. UNIDADE REQUISITANTE 4.3. UNIDADE DESTINATÁRIA

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO - N.º 19651/2012 Prezados Senhores, Brasília, 28 de novembro de 2012. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD, no âmbito do Projeto BRA/04/044 - Implementação de

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA

POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA POLÍTICA NACIONAL DE GARANTIA 1 Conteúdo Introdução... 3 Objetivo... 3 Esclarecimentos... 3 O que é considerado garantia... 4 O que são considerados itens de manutenção... 4 O que são considerados materiais

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S E S P E C I F I C A Ç Õ E S 1) DO OBJETO: É objeto da presente licitação, a contratação de empresa para Prestação de Serviço de Auditoria externa (independente), compreendendo: 1.1 Auditoria dos registros

Leia mais

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204

NORMA DE CONTROLE DE CIRCULAÇÃO INTERNA - NOR 204 ASSUNTO: MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO, FINANÇAS E PESSOAS CONTROLE DE ACESSO E CIRCULAÇÃO INTERNA NAS DEPENDENCIAS DA EMPRESA APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 77, de 08/06/2015 COD. 200 VIGÊNCIA: 08/06/2015

Leia mais

10/02/2015 IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS

10/02/2015 IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS Um Produto (único numero ONU) Único risco. ( única classe de Risco) ONU 1066 Nitrogênio, Comprimido Classe Risco 2.2 IDENTIFICAÇÃO DOS VEÍCULOS Um Produto (único numero ONU)

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Durante o ano de 2014 contribuí para a Previdência Social como autônoma. Como devo fazer para deduzir esses valores? Qual campo preencher? Se pedirem CNPJ, qual devo

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CENTROS COORDENADORES DE TRANSPORTES DE CAMINHA E VILA PRAIA DE ÂNCORA 1990 1 CAPÍTULO I OBJECTIVO E ÂMBITO DE APLICAÇÕES ARTIGO 1º - O presente regulamento destina-se

Leia mais

Imposto de Renda sem complicação

Imposto de Renda sem complicação Imposto de Renda sem complicação A Porto Seguro Vida e Previdência desenvolveu este manual para auxiliar você no preenchimento da Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física 2014. Consulte

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.763/12, DE 26 DE JANEIRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 3.763/12, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 Altera o Anexo da Resolução nº 420, de 12 de fevereiro de 2004, que aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos. A Diretoria da Agência Nacional de

Leia mais

Disciplina a concessão de auxílio-transporte às Prefeituras Municipais para garantir aos alunos acesso à escola pública estadual

Disciplina a concessão de auxílio-transporte às Prefeituras Municipais para garantir aos alunos acesso à escola pública estadual 32 São Paulo, 121 (89) Diário Ofi cial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 13 de maio de 2011 Resolução SE-28, de 12-5-2011 Disciplina a concessão de auxílio-transporte às Prefeituras Municipais para

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 01/06/2006 Emissão inicial 05/06/2007 Primeira Revisão Elaborado: 05/06/2007 Superintendente e ou Gerente da unidade Revisado: 05/06/2007

Leia mais

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC

ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC J uiz de Fora, 04 de Março de 2015. Prezado Associado: ALTERAÇÕES NA LEI DO MOTORISTA E DO TAC O SETCJ F informa as principais alterações introduzidas na Lei 12.619/12 (Lei do Motorista), na Lei 11.442/07

Leia mais