HOSPITAL GERAL DE CURITIBA FARMÁCIA. MEDICAMENTO DE CUSTO ELEVADO PARA TRATAMENTO PROLONGADO Portaria 281 DGP de 12 de dezembro de 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HOSPITAL GERAL DE CURITIBA FARMÁCIA. MEDICAMENTO DE CUSTO ELEVADO PARA TRATAMENTO PROLONGADO Portaria 281 DGP de 12 de dezembro de 2007"

Transcrição

1 HOSPITAL GERAL DE CURITIBA FARMÁCIA MEDICAMENTO DE CUSTO ELEVADO PARA TRATAMENTO PROLONGADO Portaria 281 DGP de 12 de dezembro de 2007

2 QUEM TEM DIREITO? Beneficiários do FUSEx VINCULADOS À 5ªRM/ 5ªDE que atendam aos critérios definidos na Portaria 281 DGP de 12 de dezembro de Os requerimentos de beneficiários da Guarnição de Curitiba são solicitados na Farmácia de Medicamentos de Custo Elevado no Hospital Geral de Curitiba

3 QUANDO TEM DIREITO? Quando o custo total para aquisição do(s) medicamento(s) ou dieta prescrita(os) para utilização em 03 (três) meses, tiver valor de mercado superior a 30% do soldo do posto ou graduação do requerente. (SUGERIMOS- uma consulta prévia à Farmácia para avaliação de cada prescrição, traga apenas a(s) receita(s) e o contracheque atualizado). Utiliza-se como valor de mercado, o Preço Máximo ao Consumidor (PMC), com ICMS do Estado do Paraná, obtido a partir da tabela CMED divulgada pela ANVISA e atualizada regularmente. Nos casos em que o valor de mercado do(s) medicamento(s) ou dieta não estiver disponível na tabela CMED, será procedida pesquisa eletrônica de preços na web.

4 QUE DOCUMENTOS SÃO NECESSÁRIOS PARA FAZER UM REQUERIMENTO? Identidade Militar e Cartão do FUSEx do titular e do paciente beneficiário se não for o titular. Contracheque atualizado. PROCURAÇÃO OU CERTIDÃO DE INTERDIÇÃO OU CURATELA (caso necessário) com os documentos de identificação do procurador ou curador. Uma DECLARAÇÃO MÉDICA OU ODONTOLÓGICA original de MÉDICO OU DENTISTA MILITAR (com breve resumo clínico relacionado à utilização do referido medicamento ou dieta) nele constando o Código Internacional de Doenças (CID) e citando os medicamentos de uso contínuo, incluindo a expressão USO CONTÍNUO inclusive para PRESCRIÇÃO DE DIETAS. (inciso II do Art 5º do Cap III da Port. 281-DGP de 12 de dezembro de 2007).- vide modelo de Declaração Médica sugerida conforme anexos A, e B. Receita médica/odontológica/nutricional original e uma cópia, constando nome dos medicamentos ou dieta(s), posologia e a expressão "Uso contínuo" ou "Indeterminado por medicamento ou dieta prescrita para uso por 03 (três) meses, (pode ser de profissional civil) vide modelo de receita sugerida conforme anexo C e D. (As receitas de nutricionista também necessitam da DECLARAÇÃO MÉDICA MILITAR) Se V.Sª. foi atendido(a) por profissional civil sugerimos que marque consulta na CLÍNICA MÉDICA do HGeC através do SAME para obtenção da DECLARAÇÃO MÉDICA MILITAR ou procure o SETOR DE ODONTOLOGIA do HGeC para obter a DECLARAÇÃO ODONTOLÓGICA MILITAR. O REQUERIMENTO DE MEDICAÇÕES DE CUSTO ELEVADO É ASSINADO PELO TITULAR OU PROCURADOR OU CURADOR

5 QUANTOS MEDICAMENTOS PODEM SER INCLUÍDOS? Pode ser mais de um, mas somente para a mesma patologia, após aprovação da Comissão de Ética Médica do HGeC. PODE SER DIETA? Sim, após aprovação da Comissão de Ética Médica do HGeC. PODE SER QUALQUER MEDICAMENTO? Não. Alguns medicamentos estão excluídos (vide portaria).

6 AONDE FAZER O REQUERIMENTO DO PROCESSO DE MEDICAMENTO DE CUSTO ELEVADO PARA TRATAMENTO PROLONGADO? Na Farmácia de Medicamentos de Custo Elevado para Tratamento Prolongado (no 2º andar do Ambulatório no HGeC) Horário de atendimento externo: 9:00 as 15:00h segunda a sexta-feira

7 PRECISA RENOVAR O REQUERIMENTO DE MEDICAMENTO DE CUSTO ELEVADO PARA TRATAMENTO PROLONGADO? Sim, o requerimento de medicamento(s) ou dieta de custo elevado é trimestral. Aconselha-se que 01 (um) mês após o fornecimento da medicação ou dieta seja feita a renovação e assim sucessivamente, caso seja necessário para a continuidade de tratamento médico.

8 QUANTO TEMPO DEMORA A RECEBER O MEDICAMENTO OU A DIETA? Após a realização do requerimento, o processo depende de homologação da Comissão de Ética Médica do HGeC (quando for o caso) e da Seção de Saúde da 5ªRM/ 5ªDE. Após essas homologações é feita a cobrança no SIRE referente ao(s) medicamento(s) ou dieta solicitados. Somente após estas etapas o crédito para aquisição será disponibilizado. Todas as aquisições serão realizadas por meio de licitações. Quando o medicamento ou dieta já estiver licitado o processo será mais rápido. Se o produto tiver que ser incluído em processo licitatório o fornecimento somente poderá ser executado após a conclusão da licitação do produto e das fases já citadas. Em média, leva três meses para a primeira aquisição.

9 ONDE RECEBER O MEDICAMENTO OU DIETA? Na Farmácia de Medicamentos de Custo Elevado do HGeC. COMO SERÁ COBRADO? Apesar de iniciar com preço de mercado, a aquisição será realizada por licitação. Portanto, o valor a ser descontado será 20% do valor utilizado para aquisição (valor de licitação) acrescido de 10% do valor do soldo.

10 ANEXO A (MODELO SUGERIDO) DECLARAÇÃO MÉDICA PARA REQUERIMENTO DE MEDICAÇÃO DE CUSTO ELEVADO PARA TRATAMENTO PROLONGADO RECEITUÁRIO TIMBRADO DA INSTITUIÇÃO Nome do Paciente: Declaro que o(a) paciente está em acompanhamento por (CID 10...), em uso contínuo das seguintes medicações: 1- (nome comercial ou genérico do fármaco e concentração) Data/Local nome do médico (CRM) (carimbo e assinatura)

11 ANEXO B (MODELO SUGERIDO) DECLARAÇÃO MÉDICA PARA REQUERIMENTO DE MEDICAÇÃO DE CUSTO ELEVADO PARA TRATAMENTO PROLONGADO RECEITUÁRIO TIMBRADO DA INSTITUIÇÃO Nome do Paciente: Declaro que o(a) paciente está em acompanhamento por (CID 10...), em uso contínuo da(s) seguinte(s) dieta(s) enteral(ais): 1- (nome da dieta e apresentação) nome do médico (CRM) (carimbo e assinatura) Data/Local

12 (ANEXO C) (MODELO SUGERIDO) PRESCRIÇÃO MÉDICA PARA REQUERIMENTO DE MEDICAÇÃO DE CUSTO ELEVADO PARA TRATAMENTO PROLONGADO) RECEITUÁRIO TIMBRADO DA INSTITUIÇÃO Nome do Paciente: 1- Medicamento (nome comercial ou genérico/concentração) uso contínuo (posologia) 2-...(nome comercial ou genérico /concentração) uso contínuo (posologia) nome do médico (CRM) (carimbo e assinatura) Data/Local Obs: 1- Uso contínuo significa tratamento terapêutico por período mínimo de 90 dias. 2- Os requerimentos de medicação de custo elevado para tratamento prolongado podem ser renovados por períodos trimestrais sucessivos (a critério médico). 3- Caso a prescrição envolva medicação de referência para a qual o profissional não deseje substituição por genérico, solicita-se ao profissional que declare por escrito na prescrição que não aceita substituição do medicamento, (somente com a expressa manifestação do profissional médico é que se pode amparar processo licitatório para aquisição de tal medicamento).

13 ANEXO D (MODELO SUGERIDO) PRESCRIÇÃO MÉDICA PARA REQUERIMENTO DE MEDICAÇÃO DE CUSTO ELEVADO PARA TRATAMENTO PROLONGADO Port 281-DGP de 12 de dezembro de 2007 Refere Uso contínuo de medicação por 90 dias) Portaria nº 344, de 12 de maio de 1998 Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e med. sujeitos a controle especial Lista Substâncias NR, receita e âmbito Limite por prescrição Quantidade por receita e validade B1 Obs:(*) Psicotrópicas NRB, azul, estadual Inj: 5 ampolas Demais apresentações: quantidade para 60 dias de tratamento 1 substância 30 dias C1 Obs: (**) Outras substâncias sujeitas a Controle especial Branca, dupla, nacional Inj: 5 ampolas. Demais apresentações : quantidade para 60 dias de tratamento. Exceção antiparkinsonianos e anticonvulsivantes (quantidade para até 6 meses de tratamento) 3 substâncias 30 dias (*) - Art. 46-1º Acima das quantidades previstas neste Regulamento Técnico, o prescritor deve preencher uma justificativa contendo o CID (Classificação Internacional de Doença) ou diagnóstico e posologia, data e assinar, entregando juntamente com a Notificação de Receita B ao paciente para adquirir o medicamento em farmácia e drogaria. (**) -Art. 60 Acima das quantidades previstas nos artigos 57 e 59, o prescritor deverá apresentar justificativa com o CID ou diagnóstico e posologia, datando e assinando as duas vias. (Medicamentos sujeitos a Receita de Controle Especial em duas vias) Sugerimos apor no verso da Notificação de Receita B ou da Receita de Controle Especial a justificativa citada.

14 DÚVIDAS? Compareça ou telefone FaEx (Farmácia Ambulatorial do Exército) e Medicamentos de Custo Elevado para Tratamento Prolongado (41) Horário de atendimento externo: 9:00 as 15:00h segunda a sexta-feira

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO MÉDICA Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECÉITA MÉDICA CONCEITO Solicitação escrita, com instruções detalhadas, sobre o medicamento a ser dado ao paciente: Quantidade

Leia mais

ESTADO DA BAHIA Prefeitura Municipal de Vera Cruz GABINETE DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE www.veracruz.ba.gov.br

ESTADO DA BAHIA Prefeitura Municipal de Vera Cruz GABINETE DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE www.veracruz.ba.gov.br PORTARIA N 014 /2015 A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE VERA CRUZ, por nomeação legal e no uso das atribuições que lhe são conferidas, CONSIDERANDO a necessidade premente do controle efetivo sobre o estoque

Leia mais

Prescrição Médica. Medicina. Prática Médica. Prática Médica. Do latim ars medicina : arte da cura.

Prescrição Médica. Medicina. Prática Médica. Prática Médica. Do latim ars medicina : arte da cura. Medicina Do latim ars medicina : arte da cura. Prescrição Médica Surge de reações instintivas para aliviar a dor ou evitar a morte. Prof. Dr. Marcos Moreira Prof. Adjunto de Farmacologia, ICB/UFJF Prof.

Leia mais

DCB é a Denominação Comum Brasileira.

DCB é a Denominação Comum Brasileira. RMNRA Vias: - 2 Vias Data de Entrega: - Até o 15 dia do mês subseqüente Fixar as Notificações: -Fixar as notificações. A vigilância terá um prazo de 30 dias para devolução DCB DCB é a Denominação Comum

Leia mais

SNGPC Captura de receituário

SNGPC Captura de receituário SNGPC Captura de receituário O SNGPC monitora medicamentos sujeitos ao controle especial conforme o regime da Portaria nº SVS/MS 344/98 e Portaria SVS/MS nº 6/99 e suas atualizações. Tem como principais

Leia mais

Manual de Orientação sobre prescrições de substâncias Medicamentos sujeitos a controle especial

Manual de Orientação sobre prescrições de substâncias Medicamentos sujeitos a controle especial Manual de Orientação sobre prescrições de substâncias Medicamentos sujeitos a controle especial O Centro de Vigilãncia Sanitária de São Paulo possui o ógrão colegiado Comissão Técnica da Produtos de Controle

Leia mais

12-Nov-12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012. Curitiba, 13 de novembro 2012 Kelly Cristiane Gusso Braga Comissão de Farmácia Hospitalar CRF PR

12-Nov-12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012. Curitiba, 13 de novembro 2012 Kelly Cristiane Gusso Braga Comissão de Farmácia Hospitalar CRF PR Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Curitiba, 13 de novembro 2012 Kelly Cristiane Gusso Braga Comissão de Farmácia Hospitalar CRF PR 1 Garantir a guarda e o controle de medicamentos pertencentes às listas

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A VALIDADE DAS RECEITAS MÉDICAS - SMSA-BH 2011

ORIENTAÇÕES SOBRE A VALIDADE DAS RECEITAS MÉDICAS - SMSA-BH 2011 ORIENTAÇÕES SOBRE A VALIDADE DAS RECEITAS MÉDICAS - SMSA-BH 2011 1. Medicamentos de uso em patologias crônicas As prescrições de medicamentos de uso crônico, para efeito de dispensação, têm validade até

Leia mais

03/09/2015 MEDICAMENTOS CONTROLADOS PORTARIA N.344/98 E SUAS ATUALIZAÇÕES TALIDOMIDA ONDE ENCONTRAR INFORMAÇÕES?

03/09/2015 MEDICAMENTOS CONTROLADOS PORTARIA N.344/98 E SUAS ATUALIZAÇÕES TALIDOMIDA ONDE ENCONTRAR INFORMAÇÕES? PREPARATÓRIO PARA CONCURSO EBSERH FARMACÊUTICO DRATATYANA XAVIER ALMEIDA MATTEUCCI FERREIRA FARMACÊUTICA TÓPICO 3 - MEDICAMENTOS CONTROLADOS, MEDICAMENTOS GENÉRICOS, MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS, PADRONIZAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO ESTADUAL DE DIABETES E ENDOCRINOLOGIA LUIZ CAPRIGLIONE SERVIÇO DE FARMÁCIA

INSTITUTO ESTADUAL DE DIABETES E ENDOCRINOLOGIA LUIZ CAPRIGLIONE SERVIÇO DE FARMÁCIA MANUAL DE ORIENTAÇÃO SOBRE PROCEDIMENTOS Objetivo Orientar funcionários, corpo clínico e pacientes do IEDE sobre o funcionamento do Serviço de Farmácia e os documentos necessários para cada tipo de atendimento.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PORTARIA Nº 111, DE 27 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre normas técnicas e administrativas relacionadas à prescrição e dispensação de medicamentos e insumos do Componente Básico

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados Portaria SVS/MS nº. 344 12 de maio de 1998 Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. LISTA /

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº 20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

Manual do Prescritor

Manual do Prescritor Manual do Prescritor COMISSÃO DE MEDICAMENTOS Profa. Leila Beltrami Moreira (coordenadora da COMEDI)) Profa. Beatriz Cardoso Ferreira (professora ICBS UFRGS) Prof. Enaura Brandão Chaves (professora EENF

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

PLANO POSTAL BENEFÍCIO MEDICAMENTO PLANO PBM CAIXA DE ASSISTÊNCIA E SAÚDE DOS EMPREGADOS DOS CORREIOS

PLANO POSTAL BENEFÍCIO MEDICAMENTO PLANO PBM CAIXA DE ASSISTÊNCIA E SAÚDE DOS EMPREGADOS DOS CORREIOS CAIXA DE ASSISTÊNCIA E SAÚDE DOS EMPREGADOS DOS CORREIOS Diretoria Executiva Sérgio Francisco da Silva Diretor-Presidente Fábio Souza de Oliveira Diretor Administrativo e Financeiro Orency Francisco da

Leia mais

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil SNGPC Ferramenta informatizada para captura de dados e geração de informação, a cerca da prescrição, dispensação e consumo

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde Célula de Vigilância Sanitária

Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde Célula de Vigilância Sanitária Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde Célula de Vigilância Sanitária Célula de Vigilância Sanitária - CEVISA Setor de Produtos de Interesse à Saúde Área de Produtos e Serviços

Leia mais

São Paulo, Janeiro de 2014

São Paulo, Janeiro de 2014 Comunicado - Reembolso Prezado Cliente, Com o objetivo de aprimorarmos nossas rotinas operacionais e visando preservar a agilidade nos pagamentos dos atendimentos ocorridas na Livre-Escolha, informamos

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA Nº 003/2015

PORTARIA CONJUNTA Nº 003/2015 PORTARIA CONJUNTA Nº 003/2015 Estabelece regras operacionais complementares relativas às ações que visam o fornecimento de medicamentos, próteses, órteses ou tratamento médico-hospitalar pelo Poder Público

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente

Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Prescrição e Dispensação de Medicamentos Genéricos e Similares Destaques da Legislação Vigente Brasília, 21 de outubro de 2013. Processo nº: 25351.584974/2013-59 Tema da Agenda Regulatória 2013/2014 nº:

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4 Manual do Prestador Saúde o ANS - n 40.722-4 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Saúde, informando as características

Leia mais

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes AUDITORIA EM ENFERMAGEM UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes Conceito AUDITORIA é uma avaliação sistemática e formal de

Leia mais

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.

FAQ s. Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n. FAQ s Destinam-se a complementar as instruções constantes nas Circulares Informativas Conjuntas n.º 01/INFARMED/ACSS e n.º 02/INFARMED/ACSS Versão Versão Data FAQ s Introduzidas FAQ s Retificadas 1.0 2012-06-01

Leia mais

MANUAL DE PUBLICIDADE

MANUAL DE PUBLICIDADE MANUAL DE PUBLICIDADE DO MÉDICO VETERINÁRIO Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Paraná Manual de Publicidade do Médico Veterinário 2015 www.crmv-pr.org.br MANUAL DE PUBLICIDADE DO MÉDICO

Leia mais

Quais as vantagens do Benefício Farmácia?

Quais as vantagens do Benefício Farmácia? MENSAGEM DA GSAM/AMS Cumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho de 2007/2008, a Petrobras Distribuidora implantou o Benefício Farmácia, que prevê condições especiais na aquisição de medicamentos pelos beneficiários

Leia mais

COMO PROCEDER PARA COMERCIALIZAR MEDICAMENTOS CONTROLADOS

COMO PROCEDER PARA COMERCIALIZAR MEDICAMENTOS CONTROLADOS COMO PROCEDER PARA COMERCIALIZAR MEDICAMENTOS CONTROLADOS SNGPC Controle informatizado da Portaria 344/1998 Com o objetivo de facilitar o controle dos medicamentos pertencentes à Portaria 344/MS 1998,

Leia mais

MANUAL DO CREDENCIADO

MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO APRESENTAÇÃO Prezado (a) Doutor (a): A ORAL ODONTO é uma empresa criada e administrada por profissionais dentistas que se dedicam a oferecer os melhores recursos

Leia mais

LEI N.º 1.852/2014 DATA: 21/05/2014

LEI N.º 1.852/2014 DATA: 21/05/2014 LEI N.º 1.852/2014 DATA: 21/05/2014 SÚMULA: Cria o Programa Remédio em Casa no Município de Pinhão, e dá outras providências. Autoria do vereador: Alain César de Abreu e Eu Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Unidade Integrada de Saúde Mental U I S M 1 ENDEREÇO: MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE SAÚDE DA MARINHA CENTRO MÉDICO ASSISTENCIAL DA MARINHA UNIDADE INTEGRADA DE SAÚDE MENTAL

Leia mais

Prova de Seleção de estagiários para o Serviço de Fiscalização 2014 Gabarito comentado

Prova de Seleção de estagiários para o Serviço de Fiscalização 2014 Gabarito comentado 1) No atendimento telefônico feito na sede do CRF-RJ o estagiário de farmácia ouviu o seguinte relato de um farmacêutico: Sou farmacêutico da Drogaria do bairro e não compareci hoje ao trabalho e o proprietário

Leia mais

Antimicrobianos RDC 20/11 RDC 68/14

Antimicrobianos RDC 20/11 RDC 68/14 Antimicrobianos RDC 20/11 119 fármacos RDC 68/14 128 fármacos RECEITUÁRIO PRIVATIVO DO PRESCRITOR OU ESTABELECIMENTO DE SAÚDE 2 vias: 1 Paciente (original) Preenchido pelo prescritor. Na ausência poderá

Leia mais

Roteiro Operacional Última atualização 30/03/2015

Roteiro Operacional Última atualização 30/03/2015 Roteiro Operacional Última atualização 30/03/2015 Produto disponibilizado pela Agiplan Financeira S.A- CFI para conceder crédito pessoal em débito em conta corrente denominado Agidébito. 1. Público Alvo.

Leia mais

PARECER CRN-3 PRESCRIÇÃO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS

PARECER CRN-3 PRESCRIÇÃO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS PARECER CRN-3 PRESCRIÇÃO DE SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS INTRODUÇÃO O Conselho Regional de Nutricionistas da 3º Região, no cumprimento de suas atribuições de orientar e disciplinar a prática profissional dos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE GOIÁS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA REGISTRO DE OPERADORA DE PLANO DE ASSISTÊNCIA A SAÚDE CREMEGO 1) Cópia do Contrato Social e Alterações Contratuais, devidamente

Leia mais

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Mestrado em Odontologia da UNIP

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Mestrado em Odontologia da UNIP EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao da UNIP Recomendado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, de acordo com o Ofício CAA/GTC de 30 de julho de

Leia mais

Direitos do paciente com câncer

Direitos do paciente com câncer Direitos do paciente com câncer Saque do FGTS O trabalhador com câncer pode realizar o saque do FGTS na fase sintomática da doença, o trabalhador cadastrado no FGTS que tiver neoplasia maligna (câncer)

Leia mais

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Instrução Normativa sobre a divulgação da qualificação Primeira reunião do GT de Divulgação 07/02/2012 Quem divulgar? Todos

Leia mais

1. Qual o limite de idade para o empréstimo pessoal? 2. Qual é o valor mínimo e máximo do empréstimo? 3. Como funciona o parcelamento?

1. Qual o limite de idade para o empréstimo pessoal? 2. Qual é o valor mínimo e máximo do empréstimo? 3. Como funciona o parcelamento? 1. Qual o limite de idade para o empréstimo pessoal? De 18 anos a 90 anos, 11 meses e 29 dias. 2. Qual é o valor mínimo e máximo do empréstimo? Mínimo: R$ 200,00 Máximo: R$ 10.000,00 3. Como funciona o

Leia mais

Aviso de Sinistro por Morte Planos de Previdência com Benefício de Proteção (Pecúlio)

Aviso de Sinistro por Morte Planos de Previdência com Benefício de Proteção (Pecúlio) 1 - Dados do Sinistro Produto Plano Certificado Data do Evento Gerador Data da Comunicação 2 - Dados do Participante CPF Endereço Bairro Cidade UF CEP DDD Telefone 3 - Dados do Reclamante: Beneficiário

Leia mais

APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO

APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO APRESENTAÇÃO UNIHOSP SAÚDE S/A CNPJ: 01.445.199/0001-24 Rua Campos Sales, 517 Centro Santo André - SP MANUAL DE ORIENTAÇÕES AO CREDENCIADO Este manual visa esclarecer as regras e normas para o serviço

Leia mais

1.1.1. O que diz a Portaria SVS / MS nº 344 / 1998? 1.1.2. Histórico das atualizações da Portaria SVS / MS nº 344 / 1998

1.1.1. O que diz a Portaria SVS / MS nº 344 / 1998? 1.1.2. Histórico das atualizações da Portaria SVS / MS nº 344 / 1998 Atualizado: 15 / 01 / 2013 FAQ AI 1. Informações gerais sobre medicamentos sujeitos a controle especial (medicamentos controlados) 1.1. Portaria SVS / MS nº 344 / 1998 1.1.1. O que diz a Portaria SVS /

Leia mais

Para problemas e dúvidas freqüentes, consulte: http://ajuda.vsm.com.br. Como criar inventário no Sistema e Enviar para a Anvisa?

Para problemas e dúvidas freqüentes, consulte: http://ajuda.vsm.com.br. Como criar inventário no Sistema e Enviar para a Anvisa? Para problemas e dúvidas freqüentes, consulte: http://ajuda.vsm.com.br Como criar inventário no Sistema e Enviar para a Anvisa? Os procedimentos para efetuar o inventário no sistema são: 1º) Para este

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ABERTURA DE SINISTRO DIAGNÓSTICO DE CÂNCER

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ABERTURA DE SINISTRO DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ABERTURA DE SINISTRO DIAGNÓSTICO DE CÂNCER Prezado (a) cliente: Para nós é importante oferecer a você o apoio necessário neste momento. Para abertura do processo de indenização

Leia mais

RDC Nº 20/2011. O Controle dos Medicamentos Antimicrobianos:

RDC Nº 20/2011. O Controle dos Medicamentos Antimicrobianos: RDC Nº 20/2011 O Controle dos Medicamentos Antimicrobianos: Prescrição Dispensação Escrituração ANTÔNIO CARLOS ARAÚJO FRAGA Farmacêutico / Fiscal Municipal de Vigilância Sanitária Especialista em Vigilância

Leia mais

Conselho Regional de Farmácia do Paraná

Conselho Regional de Farmácia do Paraná Deliberação nº 833/2014 Ementa: Dispõe sobre o ato farmacêutico em farmácias de qualquer natureza e sua fiscalização O Conselho Regional de Farmácia do Estado do Paraná, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS

DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE MEDICAMENTOS DEFINIÇÃO Dispensação é o ato de assegurar que o medicamento de boa qualidade seja entregue ao paciente certo, na dose prescrita, na quantidade adequada; que sejam fornecidas as informações

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Junho/09 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Orientações Gerais 2.1 Entrega de guias 2.2 Numeração de guias 2.3 Pacotes - Autorização e cobrança 3. Identificação do Beneficiário 3.1 Modelo do

Leia mais

SNGPC versão 2.0 Antimicrobianos

SNGPC versão 2.0 Antimicrobianos SNGPC versão 2.0 Antimicrobianos Farm. Adam Macedo Adami Especialista em Dependências Químicas e Farmacologia Gerente de Medicamentos e Produtos da VISA Estadual Gestor Estadual do SNGPC de Mato Grosso

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça TABELA DE ODONTOLOGIA DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA INSTRUÇÕES DE FATURAMENTO 1. Deverão ser faturados ao STJ somente os tratamentos concluídos. 2. Quando a(s) perícia(s) for(em) obrigatória(s) para

Leia mais

Prescrição Digital com Assinatura Biométrica

Prescrição Digital com Assinatura Biométrica Prescrição Digital com Assinatura Biométrica Prescrição Digital Solução Web Prescrição Digital ϡ A área da saúde através da classe médica, farmácias e drogarias tem investido em Tecnologia da Informação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Ronaldo Nogueira) Dispõe o credenciamento de profissionais e de empresas da área de saúde, para o atendimento de pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) em nível ambulatorial.

Leia mais

PANORAMA DOS DADOS DO SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS: UM SISTEMA PARA O MONITORAMENTO DE MEDICAMENTOS NO BRASIL

PANORAMA DOS DADOS DO SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS: UM SISTEMA PARA O MONITORAMENTO DE MEDICAMENTOS NO BRASIL SNGPC 02 Boletim de Farmacoepidemiologia V.2 ano 1 jul/dez de 2011 PANORAMA DOS DADOS DO SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS: UM SISTEMA PARA O MONITORAMENTO DE MEDICAMENTOS NO BRASIL

Leia mais

Portaria n.º 344, de 12 de maio de 1998. (*) Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial.

Portaria n.º 344, de 12 de maio de 1998. (*) Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Portaria n.º 344, de 12 de maio de 1998. (*) Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. O Secretário de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no

Leia mais

Portaria n.º 344, de 12 de maio de 1998. (*)

Portaria n.º 344, de 12 de maio de 1998. (*) 1 de 37 24/11/2008 14:32 Portaria n.º 344, de 12 de maio de 1998. (*) Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. O Secretário de Vigilância Sanitária do

Leia mais

Missão da Vigilância Sanitária do Estado da Bahia: Visão: Modelo de excelência em vigilância sanitária.

Missão da Vigilância Sanitária do Estado da Bahia: Visão: Modelo de excelência em vigilância sanitária. Missão da Vigilância Sanitária do Estado da Bahia: Servir ao cidadão no Estado da Bahia nos mais altos padrões de excelência em vigilância sanitária frente ao controle de riscos CONTRA a saúde CAPA através

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ABERTURA DE SINISTRO INCAPACIDADE FISICA TOTAL E TEMPORÁRIA POR ACIDENTE

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ABERTURA DE SINISTRO INCAPACIDADE FISICA TOTAL E TEMPORÁRIA POR ACIDENTE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ABERTURA DE SINISTRO INCAPACIDADE FISICA TOTAL E TEMPORÁRIA POR ACIDENTE Prezado (a) cliente: Para nós é importante oferecer a você o apoio necessário neste momento. Para abertura

Leia mais

REF.: Documentação Necessária Para Solicitação de Reembolso

REF.: Documentação Necessária Para Solicitação de Reembolso REF.: Documentação Necessária Para Solicitação de Reembolso O envio da documentação pode ser por Correio - Carta Registrada ou Sedex para Caixa Postal 11.284 - CEP 05422-970 - São Paulo - SP - A/C SECOT.

Leia mais

Processo-Consulta Cremesp nº131.900/2012

Processo-Consulta Cremesp nº131.900/2012 Processo-Consulta Cremesp nº131.900/2012 Ementa: Dúvidas acerca da concessão de medicamentos. Diversos questionamentos. Autonomia médica. Observância das normas éticas na indicação de medicamentos pelos

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Mestrado em Odontologia da UNIP. Ano Letivo de 2013 (segundo semestre)

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Mestrado em Odontologia da UNIP. Ano Letivo de 2013 (segundo semestre) EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Mestrado em Odontologia da UNIP Recomendado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, de acordo com

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Medicamentos Unidade de Produtos Controlados - UPROC Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados - HISTÓRICO O controle de substâncias

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde Célula de Vigilância Sanitária

Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde Célula de Vigilância Sanitária Secretaria Municipal de Saúde Coordenadoria de Vigilância em Saúde Célula de Vigilância Sanitária Célula de Vigilância Sanitária - CEVISA Setor de Produtos de Interesse à Saúde Área de Produtos e Serviços

Leia mais

Direitos Sociais da pessoa com câncer

Direitos Sociais da pessoa com câncer Direitos Sociais da pessoa com câncer SUMÁRIO 1. O Serviço Social...................... 04 2. Saque do FGTS....................... 06 3. Saque do PIS/PASEP..................... 07 4. Auxílio-doença......................

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO CANDIDATOS AO PROUNI

DOCUMENTAÇÃO CANDIDATOS AO PROUNI DOCUMENTAÇÃO CANDIDATOS AO PROUNI * Organizar os documentos em blocos de cada membro do grupo familiar. A decisão quanto ao(s) documento(s) a ser(em) apresentado(s) cabe ao coordenador do Prouni, o qual

Leia mais

Anexo IV do Informe Técnico Talidomida Guia de Equivalência para Cadastro de Processos de Talidomida CADASTRAR PROCESSO

Anexo IV do Informe Técnico Talidomida Guia de Equivalência para Cadastro de Processos de Talidomida CADASTRAR PROCESSO Anexo IV do Informe Técnico Talidomida Guia de Equivalência para Cadastro de Processos de Talidomida CADASTRAR PROCESSO No Menu Principal: Cadastros => Processo de Medicamentos => Processo; No campo ações,

Leia mais

Manual do Usuário do Plano CELOS Saúde Agregados PLANO CELOS SAÚDE

Manual do Usuário do Plano CELOS Saúde Agregados PLANO CELOS SAÚDE MANUAL DO USUÁRIO DO PLANO CELOS SAÚDE AGREGADOS Revisado em 04/05/2011 O objetivo deste manual é orientar os usuários sobre a correta utilização do. As informações e instruções aqui contidas devem ser

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL PULMONAR (CID 10: I27.0; I27.2; I27.8)

HIPERTENSÃO ARTERIAL PULMONAR (CID 10: I27.0; I27.2; I27.8) Guia de Orientação ao Usuário HIPERTENSÃO ARTERIAL PULMONAR (CID 10: I27.0; I27.2; I27.8) 1. Medicamento Sildenafila 20 mg comprimidos; Iloprosta 10 mcg ampola com 1 ml de solução para nebulização; Ambrisentana

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 003/2013- VERSÃO 2.0 SNGPC

NOTA TÉCNICA Nº. 003/2013- VERSÃO 2.0 SNGPC NOTA TÉCNICA Nº. 003/2013- VERSÃO 2.0 SNGPC Orientações de procedimentos referentes à versão 2.0 SNGPC Coordenação do Sistema de Gerenciamento de Produtos Controlados Gerência Geral de Medicamentos - CSGPC/NUVIG

Leia mais

SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS FASCÍCULO DO BENEFICIÁRIO VERSÃO 2013 Instituto Curitiba de Saúde ICS - Plano Padrão ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. CONSULTA/ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA EM PRONTO ATENDIMENTO

Leia mais

Projeto de Lei Nº... de 2007 (Dep. Pompeo de Mattos)

Projeto de Lei Nº... de 2007 (Dep. Pompeo de Mattos) Projeto de Lei Nº... de 2007 (Dep. Pompeo de Mattos) Dispõe sobre a criação do Programa de Medicamentos ao Trabalhador-PMT, em complemento aos programas de saúde assistencial ou ocupacional. O Congresso

Leia mais

Projeto SNGPC para Farmácias e Drogarias

Projeto SNGPC para Farmácias e Drogarias Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto SNGPC para Farmácias e Drogarias Guia para geração do padrão de transmissão SNGPC Evolução para escrituração de medicamentos antimicrobianos Versão 2.0

Leia mais

Projeto SNGPC para Farmácias e Drogarias

Projeto SNGPC para Farmácias e Drogarias Agência Nacional de Vigilância Sanitária Projeto SNGPC para Farmácias e Drogarias Guia para geração do padrão de transmissão SNGPC Evolução para escrituração de medicamentos antimicrobianos Versão 2.2

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS

MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS Padrão TISS Atendendo à exigência da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a partir do dia 31 de Agosto do corrente ano, a Unimed Sobral se adequará ao padrão

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSO DE SOLICITAÇÃO DE MEDICAMENTOS E FÓRMULAS NUTRICIONAIS ESPECIAIS

INSTRUÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSO DE SOLICITAÇÃO DE MEDICAMENTOS E FÓRMULAS NUTRICIONAIS ESPECIAIS INSTRUÇÕES PARA ABERTURA DE PROCESSO DE SOLICITAÇÃO DE MEDICAMENTOS E FÓRMULAS NUTRICIONAIS ESPECIAIS Os Medicamentos Especiais são de responsabilidade de aquisição e fornecimento da Secretaria Estadual

Leia mais

Câmara Municipal de Itatiba

Câmara Municipal de Itatiba DOCUMENTOS PARA EFETUAR CADASTRO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE REGISTRO CADASTRAL "CRC" INFORMAÇÕES PARA CADASTRO DE FORNECEDORES Razão Social: Endereço: Bairro: Cidade: CEP: CNPJ: Inscrição Estadual:

Leia mais

SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS

SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS 2014 Tecnologia da Informação - TI Unimed Cascavel MANUAL HILUM 4.0 - FISIOTERAPIA A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar - TISS para registro

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica)

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) Eu, Enfermeiro (a), inscrito (a) sob n.º COREN-RO, em / / Endereço Residencial: Nº, Bairro:, Cidade:,

Leia mais

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS MAIO/2007 Blumenau-SC, 18 de maio de 2007. À Rede Credenciada Prezados Credenciados: Como é de conhecimento de todos, dia 31 de maio de 2007 é o prazo que a Agência

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

MANUAL Troca de Informações em Saúde Suplementar TISS

MANUAL Troca de Informações em Saúde Suplementar TISS MANUAL Troca de Informações em Saúde Suplementar TISS Plano de Auto-Gestão em Saúde da CERON - PAGSC Porto Velho ago/2007 1 APRESENTAÇÃO A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar

Leia mais

LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA

LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA 21 3891 7000 816+Ramal DIREÇÃO Gabinete do Diretor 21 Tel. Direto 3860-6570 Gabinete do Diretor (FAX) 21 Tel. Direto

Leia mais

www.anvisa.gov.br INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011

www.anvisa.gov.br INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição, isoladas ou em

Leia mais

Edital de Credenciamento 003/2012

Edital de Credenciamento 003/2012 1/5 Edital de Credenciamento 003/2012 1 DO OBJETO: 1.1. O presente Termo tem por objetivo o credenciamento de Instituições Financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, para prestação

Leia mais

Nutrição e dietética:

Nutrição e dietética: O sistema permite o cadastro de vários almoxarifados, e controla os estoques separadamente de cada um, bem como o cadastro de grupos de estocagem, visando o agrupamento dos insumos estocáveis, classificados

Leia mais

Comunicação Interna. Relatórios

Comunicação Interna. Relatórios Comunicação Interna Relatórios .com.br INSTRUÇÕES Categoria do Relatório. RELATÓRIO DE CAIXA Sub-Categoria do Relatório. CAIXA Sangria Este relatório exibe as sangrias efetuadas nos caixas. Nome do Relatório.

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

Direitos do paciente com câncer

Direitos do paciente com câncer Direitos do paciente com câncer Sumário Introdução...4 Nosso Serviço Social...7 Amparo Assistencial ao Idoso e ao Deficiente...7 Aposentadoria por Invalidez...9 Auxílio-Doença...9 Isenção de ICMS na Compra

Leia mais

Manual de Instruções Maio 2007

Manual de Instruções Maio 2007 Manual de Instruções Maio 2007 SUMÁRIO 1. Introdução 03 2. Orientações Gerais 04 2.1 Entrega de guias 04 2.2 Numeração de guias 04 2.3 Pacotes Autorização e cobrança 04 3. Identificação do Beneficiário

Leia mais