Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos"

Transcrição

1 Orientações para o preenchimento da planilha dos dados de produção de Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos 1. Considerações iniciais Estas orientações têm por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Músculo-esqueléticos (BTME) sobre o preenchimento da planilha dos dados de produção disponibilizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa, conforme as definições e as exigências da Resolução RDC/Anvisa n o 220, de 27 de dezembro de 2006; A planilha para preenchimento dos dados de produção foi construída no formato Excel visando harmonizar o preenchimento dos campos por parte dos serviços e permitir que a Anvisa consolide os dados nacionais; assim, solicitamos não alterar o formato da planilha. Caso seja necessário incluir relato ou informação além do discriminado na planilha, pedimos fazê-lo ao final da mesma e com a devida ressalva; O preenchimento mensal e o envio semestral da planilha à Gerência Geral de Sangue, Outros Tecidos, Células e Órgãos - GGSTO/Anvisa deve ser realizado por meio eletrônico (ggsto@anvisa.gov.br). O não cumprimento deste item constitui infração sanitária, sujeitando os infratores aos dispositivos da Lei n o /1977 e demais disposições aplicáveis; Em caso de dúvidas quanto ao preenchimento da planilha, entrar em contato com a GGSTO/Anvisa pelo ggsto@anvisa.gov.br ou pela Central de Atendimento Preenchimento da planilha Importante observar o preenchimento da aba correspondente à atividade de Banco de Tecidos Músculo-esqueléticos e, em separado, outra aba para atividade de Banco de Pele; Todos os campos da planilha são de preenchimento obrigatório, mesmo quando o valor for zero (0), exceto nos campos onde há orientação em contrário; Para fins de preenchimento da planilha, considera-se peça o osso/tendão/fáscia/cartilagem humana, inteiro ou pedaço, retirado do doador, por exemplo, longo (costelas, o fêmur, o úmero e outros ossos dos membros), curto (calcâneo, cabeça femoral, cabeça de úmero). Unidade é a peça ou o derivado da peça submetida ao processamento. Dados sobre calotas cranianas autólogas não deverão ser considerados nesta planilha. Os campos da planilha devem ser preenchidos levando-se em conta tanto as peças obtidas pela própria equipe de retirada do BTME quanto às peças obtidas por outras equipes de retirada não pertencentes ao BTME; As peças já avaliadas e processadas por um determinado BTME e que são encaminhadas pela Central Nacional de Transplantes a outro BTME apenas para armazenamento

2 temporário não devem constar na planilha deste último banco e sim na planilha do banco de origem. Para fins de preenchimento da planilha, considera-se desqualificação de peças ou de unidades, os tecidos que foram desqualificados para uso terapêutico na fase pré e pósprocessamento, isto é, uma unidade desqualificada implica em destino que excetue a utilização para fins de terapia odontológica ou ortopédica. O quantitativo de unidades desqualificadas pós-processamento refere-se tanto a desqualificação das unidades captadas no referido período, quanto às unidades captadas em meses anteriores. Para fins de preenchimento da planilha, considera-se unidade liberada para uso aquele tecido que se encontra disponível no Banco para ser fornecido ao uso terapêutico, independente do mês/ano em que foi captado. 3. Descrição das variáveis Campo 1. Identificação do serviço: inserir nome fantasia do serviço. Campo 2. Ano: inserir o ano respectivo ao preenchimento dos dados. Deve ser digitado de forma numérica. Campo 3. N de doadores triados: inserir o número total de potenciais doadores que foram notificados ao Banco e submetidos à triagem clínica e laboratorial para fins de avaliação da oportunidade de retirada. Exclusão de doadores Campo 4. Perfil do doador: número de doadores que foram excluídos segundo o seu perfil (ex: história social e clínica, exame físico, entre outros) de acordo com protocolos pré-estabelecidos pelo Banco. Campo 5. Infecção: número de doadores que foram excluídos devido a identificação de infecção (ex: infecção prévia ou diagnosticada no curso da internação hospitalar). Campo 6. Hemotransfusão: número de doadores que foram excluídos devido história de transfusão de hemocomponentes ou hemoderivados de acordo com protocolos pré-estabelecidos pelo Banco. Campo 7. Sorologia não realizada: número de doadores que foram excluídos devido a não realização da sorologia, independente do motivo (ex: amostra biológica insuficiente ou hemolisada, etc). Campo 8. Outros motivos: número de doadores que foram excluídos por algum motivo que não esteja discriminado acima. Campo 9. N de doadores vivos efetivos: inserir o número total de doadores vivos cuja retirada do tecido foi efetivada. Campo 10. N de doadores falecidos efetivos: inserir o número total de doadores falecidos cuja retirada do tecido ósseo/tendão/fáscia/cartilagem foi efetivada. 2/5

3 Campo 11. N de doadores desqualificados por sorologia reagente: número total de doadores (vivos e falecidos) efetivos desqualificados por sorologia reagente. Obs.: o número de doadores informado para os marcadores sorológicos descritos abaixo pode ser maior que o número informado no campo 11 considerando que um mesmo doador pode ter sido desqualificado por mais de uma sorologia reagente. Campo Anti-HBc: número de doadores desqualificados por sorologia reagente para o anticorpo anti-hbc do vírus da hepatite B. Campo HBsAg: número de doadores desqualificados por sorologia reagente para a presença do antígeno S do vírus da hepatite B. Campo Anti-HCV: número de doadores desqualificados por sorologia reagente para hepatite C. Considerar também o resultado do teste complementar do tipo molecular (ex: NAT, PCR, etc.) realizado. Campo Anti-HTLV: número de doadores desqualificados por sorologia reagente para HTLV I e II. Campo Anti-Chagas: número de doadores desqualificados por sorologia reagente para anti-t.cruzi. Campo Sífilis: número de doadores desqualificados por sorologia reagente a um teste treponêmico ou um teste não treponêmico. Campo Toxoplasmose: número de doadores desqualificados por sorologia reagente para o anticorpo anti-toxoplasma IgM. Campo Citomegalovírus: número de doadores desqualificados por sorologia reagente para o anticorpo anti-cmv IgM. Campo Anti-HIV-1 e Anti-HIV-2: número de doadores desqualificados por sorologia reagente para HIV. Considerar também o resultado do teste complementar do tipo molecular realizado (ex: NAT, PCR, etc.). Campo 12. Nº de peças obtidas de doador vivo: número total de peças ósseas obtidas na etapa de retirada a partir dos doadores informados no campo 9. Caso o serviço não tenha realizado retiradas no período, deixar o campo sem preenchimento, isto é, em branco, (não colocar o valor zero (0)). Campo 13. Nº de peças obtidas de doador falecido: número total de peças (tíbia, fêmur, cabeça de femur, tendões, entre outros) obtidas na etapa de retirada a partir dos doadores informados no campo 10. Caso o serviço não tenha realizado retiradas no período, deixar o campo sem preenchimento, isto é, em branco, (não colocar o valor zero (0)). Desqualificação pré-processamento. Campo 14. N de peças desqualificadas no pré-processamento: total de peças desqualificadas no pré-processamento. Obs.: a soma das peças desqualificadas por exames microbiológicos positivos descritos abaixo pode ser maior que o número informado no campo 14 considerando que a peça pode ter sido desqualificada por mais de um exame positivo ou por dois motivos distintos. Campo Aspergillus: número de peças com exame microbiológico positivo para Aspergillus. Campo Staphilococcus aureus: número de peças com exame microbiológico positivo para Staphilococcus aureus. Campo Bacillus sp: número de peças com exame microbiológico positivo para Bacillus sp. 3/5

4 Campo Candida sp: número de peças com exame microbiológico positivo para Candida sp. Campo 15. Outros microorganismos: número de peças com exame microbiológico positivo para outros microorganismos que não estejam discriminados acima. Campo 16. Descreva outros microorganismos: descreva os outros microorganismos que foram identificados e levaram à desqualificação das peças na etapa de pré-processamento. Campo 17. Outros motivos: número de peças desqualificadas no pré-processamento por outros motivos, que não estejam discriminados acima, quando couber. Campo 18. Descreva outros motivos de desqualificação no pré-processamento: descreva os outros motivos de desqualificação das peças na etapa anterior ao processamento. Processamento Campo 19. N de peças processadas: número total de peças que foram submetidas à etapa de processamento, independente do mês/ano em que foram captadas. Campo 20. N de unidades produzidas: número total de unidades produzidas decorrentes de todas as etapas de processamento e liberadas para uso. Exemplo 1: o osso inteiro processado deve ser considerado uma unidade. Exemplo 2: o osso inteiro processado e dividido em três partes deve ser considerado três unidades. Desqualificação pós-processamento. Campo 21. N de unidades desqualificadas no pós-processamento: número total de unidades desqualificadas no pós-processamento. Obs.: a soma das unidades desqualificadas por exames microbiológicos positivos descritos abaixo pode ser maior que o número informado no campo 21 considerando que uma unidade pode ter sido desqualificada por mais de um exame positivo ou por dois motivos distintos. Campo Aspergillus: número de unidades com exame microbiológico positivo para Aspergillus. Campo Staphilococcus aureus: número de unidades com exame microbiológico positivo para Staphilococcus aureus. Campo Bacillus sp: número de unidades com exame microbiológico positivo para Bacillus sp. Campo Candida sp: número de unidades com exame microbiológico positivo para Candida sp. Campo 22. Outros microorganismos: número de unidades com exame microbiológico positivo para outros microorganismos que não estejam discriminados acima. Campo 23. Descreva outros microorganismos: descreva os outros microorganismos que foram identificados e levaram à desqualificação das unidades na etapa de pós-processamento. Campo 24. Outros motivos: número de unidades desqualificadas no pós-processamento por outros motivos, que não estejam discriminados acima, quando couber. Campo 25. Descreva outros motivos de desqualificação no pós-processamento: descreva os outros motivos que levaram à desqualificação das unidades após o processamento. 4/5

5 Destino Campo 26. Terapêutico odontológico: total de unidades fornecidas para procedimentos odontológicos. Campo 27. Terapêutico ortopédico: total de unidades fornecidas para fins de transplantes. Campo 28. Pesquisa (básica, clínica e pré-clínica): total de unidades fornecidas para projetos de pesquisa, sejam estes realizados no próprio serviço ou não, devidamente aprovados em Comitês de Ética e Pesquisa, conforme 1º do art. 4º da RDC/Anvisa n o. 220/06. Campo 29. Outros: total de unidades fornecidas para ensino, treinamento, validação de processos ou controle de qualidade ou permuta de serviço, conforme 2º do art. 4º da RDC/Anvisa n o. 220/06. Campo 30. Descarte: total de unidades não utilizadas para os destinos discriminados acima e que foram descartadas no período, independente do mês/ano em que foram captadas. Campo 31. Número de eventos adversos notificados ao banco: número de notificações de eventos adversos decorrentes do uso das unidades liberadas. Estas informações devem ser obtidas com os transplantadores/odontólogos. São exemplos de eventos adversos: transmissão de doenças pelo enxerto, falência por rejeição ao enxerto, falência por qualidade do enxerto, contaminação bacteriana ou fúngica no receptor, entre outros. Campo Observações: reservado para demais informações relevantes. Brasília, junho de Gerência de Tecidos, Células e Órgãos Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa 5/5

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES 1. Considerações iniciais Este manual tem por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Oculares BTOC para o preenchimento

Leia mais

1. Considerações gerais

1. Considerações gerais Orientações para o preenchimento da planilha Excel de dados de produção de unidades de Células Progenitoras Hematopoéticas (CPH) de medula óssea (MO) e sangue periférico (SP) Versão 1. Jul 2012 1. Considerações

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 12 DE MAIO DE 2008

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 12 DE MAIO DE 2008 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 29, DE 12 DE MAIO DE 2008 Aprova o Regulamento

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR III ENCONTRO DE ENFERMAGEM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO HEMOCE HEMOVIGILÂNCIA RETROVIGILÂNCIA : IDENTIFICANDO UMA SOROCONVERSÃO Enfª

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Sorologia

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Sorologia Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Rita de Cássia Azevedo Martins Especialista em Regulação e Vigilância

Leia mais

Regulação das Terapias Celulares

Regulação das Terapias Celulares Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos - GGSTO Regulação das Terapias Celulares Marina Ferreira Gonçalves Base Legal para Terapia Celular Constituição Lei nº. 11.105 de 24 de março

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Consulta Pública nº 34, de 28 de junho de 2011. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe confere o inciso IV do art. 11 e o art. 35 do Regulamento

Leia mais

Orientações para preenchimento da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e)

Orientações para preenchimento da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) Orientações para preenchimento da Índice APRESENTAÇÃO...3 ENTENDENDO AS MUDANÇAS...4 1. NOTAS FISCAIS REFERENTES A PEDIDO DE COMPRA...5 2. NOTAS FISCAIS REFERENCIADAS...6 3. NOTAS FISCAIS COMPLEMENTARES...7

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 41, de 26 de julho de 2006. D.O.U de 28/07/2006 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

MANUAL PAPELETA MOTORISTA Criado em: 15/02/2013 Atualizado em: 12/11/2014

MANUAL PAPELETA MOTORISTA Criado em: 15/02/2013 Atualizado em: 12/11/2014 O objetivo deste manual é explicar passo a passo o controle da papeleta do motorista realizado no SAT. De acordo com a LEI Nº 12.619, DE 30 DE ABRIL DE 2012, que pode ser acessada em: http://www.planalto.gov.br

Leia mais

Gestão inteligente de documentos eletrônicos

Gestão inteligente de documentos eletrônicos Gestão inteligente de documentos eletrônicos MANUAL DE UTILIZAÇÃO VISÃO DE EMPRESAS VISÃO EMPRESAS - USUÁRIOS (OVERVIEW) No ELDOC, o perfil de EMPRESA refere-se aos usuários com papel operacional. São

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES

BANCO DE SANGUE PAULISTA PROCEDIMENTO OPERACIONAL RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÕES PARA A TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES Pagina 1 de 17 1. OBJETIVO Atender com eficácia as solicitações realizadas pelo corpo clínico dos hospitais. 2. APLICAÇÃO Receptores (pacientes). 3. RESPONSABILIDADES Médicos Supervisora Técnica Coordenador

Leia mais

DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ Através do presente sintetizamos as exigências legais previstas

Leia mais

O setor comercial emite um comunicado de adesão de um novo contrato GDO para o setor.

O setor comercial emite um comunicado de adesão de um novo contrato GDO para o setor. 1/6 1. OBJETIVO Além de tornar uma atividade comum a todos do setor, proporcionar a promoção da saúde ocupacional dos empregados, resguardar a empresa de riscos empresariais perante órgãos fiscalizadores,

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.982/2012 (publicada no D.O.U. de 27 de fevereiro de 2012, Seção I, p. 186-7) Dispõe sobre os critérios de protocolo e avaliação para o reconhecimento de

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE FÍGADO CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central Estadual

Leia mais

2 9 4.3 2.10 4.4 2.11 4.5 4.6 4.6.1 4.6.2 A N

2 9 4.3 2.10 4.4 2.11 4.5 4.6 4.6.1 4.6.2 A N Índice 2 1. Login Menu...03 a 06 2. Funcionalidades da Conta (Empresa)...07 2.1 presentar Dados da Conta (empresa)...08 2.2 lterar (Dados da Conta)...09 2.3 Gestores da Conta...10 a 11 2.4 Gestores do

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL... Seção II Da Saúde... Art. 199. A assistência à saúde é livre à iniciativa privada. 1º

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE CORAÇÃO CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central Estadual

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Instrução Operacional nº 27 SENARC/MDS Brasília, 22 janeiro de 2009. Divulga aos municípios orientações sobre a utilização do Sistema de Atendimento e Solicitação de Formulários (Sasf) 1 APRESENTAÇÃO O

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Ajudando futuros pais a tomar uma decisão consciente Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa O que é sangue de cordão umbilical

Leia mais

PORTARIA Nº 219/SUMED/ANVISA, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 219/SUMED/ANVISA, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 219/SUMED/ANVISA, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015 A Superintendente de Medicamentos e Produtos Biológicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso das atribuições que lhe confere Portaria

Leia mais

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente?

2. Quais os objetivos do Programa Nacional de Segurança do Paciente? O tema Segurança do Paciente vem sendo desenvolvido sistematicamente pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) desde sua criação, cooperando com a missão da Vigilância Sanitária de proteger

Leia mais

Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis. 18 de junho de 2012

Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis. 18 de junho de 2012 Linhas de Cuidado da Transmissão Vertical do HIV e Sífilis 18 de junho de 2012 LINHA DE CUIDADO TV DO HIV Unidade Básica de Saúde (diagnóstico e encaminhamento) Serviço de Atenção Especializada (Pré-natal,

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 CC. 010062310 INFORMAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE EQUIPES PARA TRANSPLANTE DE TECIDO OSTEO-CONDRO-FÁCIO-LIGAMENTOSO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 75/2006 APROVA O REGULAMENTO DA ESTRUTURAÇÃO DO BANCO DE DENTES HUMANOS, DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO.

RESOLUÇÃO CONSEPE 75/2006 APROVA O REGULAMENTO DA ESTRUTURAÇÃO DO BANCO DE DENTES HUMANOS, DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. RESOLUÇÃO CONSEPE 75/2006 APROVA O REGULAMENTO DA ESTRUTURAÇÃO DO BANCO DE DENTES HUMANOS, DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

Índice 3. Funcionalidades do Perfil 3.1 3.2 1. Login Menu 3.3 2. Funcionalidades da Conta (Empresa 3.4 2.1 3.5 2.2 3.6 2.3 3.7 2.4 3.7.1 2.5 3.7.

Índice 3. Funcionalidades do Perfil 3.1 3.2 1. Login Menu 3.3 2. Funcionalidades da Conta (Empresa 3.4 2.1 3.5 2.2 3.6 2.3 3.7 2.4 3.7.1 2.5 3.7. Índice 2 1. Login Menu...03 a 06 2. Funcionalidades da Conta (Empresa)...07 2.1 presentar Dados da Conta (empresa)...08 2.2 lterar (Dados da Conta)...09 2.3 Gestores da Conta...10 a 11 2.4 Gestores do

Leia mais

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade.

Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Nestes 30 anos, crescemos, amadurecemos e compreendemos nosso papel na sociedade. Auditoria em Hemoterapia Experiências vivenciadas BREVE HISTÓRICO TRANSFUSÃO SANGUÍNEA HEMOCOMPONENTES HEMODERIVADOS TRANSFUSÃO

Leia mais

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado;

a) do Serviço de Hemoterapia para a Vigilância Sanitária Municipal, até o 10º dia útil subsequente ao mês/período informado; Republicada no D.O. de 22/8/01 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA, aprovado pelo Decreto

Leia mais

Escritório Virtual Administrativo

Escritório Virtual Administrativo 1 Treinamento Módulos Escritório Virtual Administrativo Sistema Office Instruções para configuração e utilização do módulo Escritório Virtual e módulo Administrativo do sistema Office 2 3 1. Escritório

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 48, de 13 de julho de 2012. D.O.U de 23/07/12 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 120, DE 25 DE ABRIL DE 2002

RESOLUÇÃO - RDC Nº 120, DE 25 DE ABRIL DE 2002 RESOLUÇÃO - RDC Nº 120, DE 25 DE ABRIL DE 2002 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do art. 11 do Regulamento da ANVISA, aprovado

Leia mais

INFORMATIVO TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES NO TERRITÓRIO BRASILEIRO

INFORMATIVO TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES NO TERRITÓRIO BRASILEIRO INFORMATIVO TRANSPORTE INTERESTADUAL DE SANGUE E HEMOCOMPONENTES NO TERRITÓRIO BRASILEIRO A legislação sanitária define que o transporte interestadual de material sob vigilância sanitária deve ser regularizado

Leia mais

Manual do Usuário Sistema APR Web. Aprovação de Projeto Elétrico e Análise de Carga na Rede via Web

Manual do Usuário Sistema APR Web. Aprovação de Projeto Elétrico e Análise de Carga na Rede via Web Manual do Usuário Sistema APR Web Aprovação de Projeto Elétrico e Análise de Carga na Rede via Web Belo Horizonte Novembro de 2015 SUMÁRIO APR Web 1 Introdução... 5 2 Objetivo... 5 3 Acessar o sistema

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Janeiro / 2010 1 Índice ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 PEDIDO DE VIABILIDADE MATRIZ... 4 PEDIDO DE VIABILIDADE FILIAL... 10

Leia mais

Guia para Comprovação de Investimentos

Guia para Comprovação de Investimentos Guia para Comprovação de Investimentos 1 2 4 5 Introdução Acompanhamento na Fase de Análise ETAPA 1 Comprovação Financeira ETAPA 2 Comprovação Física ETAPA Comprovação Jurídica ETAPA 4 Liberação Penalidades

Leia mais

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA).

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). 1. Como proceder para corrigir, nas Demonstrações Atuariais, as informações do campo características dos benefícios?

Leia mais

Norma para Registro de Projetos de Pesquisa - UNIFEI-

Norma para Registro de Projetos de Pesquisa - UNIFEI- Norma para Registro de Projetos de Pesquisa - UNIFEI- Página 1 / 8 TÍTULO I Das definições Art. 1º - Projeto de Pesquisa constitui-se em um conjunto de ações que geram conhecimento científico e/ou tecnológico,

Leia mais

Sistema Auto Frota. Itaú Seguros de Auto e Residência S.A. Itaú Seguros de Auto e Residência S.A.

Sistema Auto Frota. Itaú Seguros de Auto e Residência S.A. Itaú Seguros de Auto e Residência S.A. Sistema Auto Frota Itaú Seguros de Auto e Residência S.A Como Acessar Acesse o Portal do corretor www.itauseguros.com.br/portal, no caminho: Home> Meus Negócios> Cotações e Propostas> Auto Frota> Cotação

Leia mais

05. Quem é o Gestor de Segurança de uma Instituição? 08. O que são e como cadastrar usuários de uma Instituição?

05. Quem é o Gestor de Segurança de uma Instituição? 08. O que são e como cadastrar usuários de uma Instituição? CADASTRO DE USUÁRIOS - NOTIVISA PERGUNTAS FREQUENTES 05. Quem é o Gestor de Segurança de uma Instituição? O Gestor de Segurança é a pessoa que será responsável por administrar os usuários relacionados

Leia mais

SICLOM Estoque. 1 Estoque. Manual de utilização do menu de Estoque. Versão: 2013. SICLOM Operacional

SICLOM Estoque. 1 Estoque. Manual de utilização do menu de Estoque. Versão: 2013. SICLOM Operacional 1 Estoque SICLOM Estoque Manual de utilização do menu de Estoque SICLOM Operacional Versão: 2013 2 Estoque 3 Estoque Índice Estoque................... 5 Entrada...................... 5 Nova entrada..........................

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2014 ERRATA Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS. Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar

Leia mais

Apresentação Figura 01:

Apresentação Figura 01: Apresentação O Sistema Online de Iniciação Científica da Universidade do Estado foi desenvolvido pela Pró- Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação (PPG) com a finalidade de agilizar o processo de

Leia mais

Unidade 5. Aba Anexos. Objetivos de Aprendizagem. Ao final desta Unidade, você deverá ser capaz de:

Unidade 5. Aba Anexos. Objetivos de Aprendizagem. Ao final desta Unidade, você deverá ser capaz de: Unidade 5 Aba Anexos Objetivos de Aprendizagem Ao final desta Unidade, você deverá ser capaz de: Anexar os documentos necessários para reconhecimento federal; Enviar o processo para homologação; e Enviar

Leia mais

L 256/32 Jornal Oficial da União Europeia 1.10.2005

L 256/32 Jornal Oficial da União Europeia 1.10.2005 L 256/32 Jornal Oficial da União Europeia 1.10.2005 DIRECTIVA 2005/61/CE DA COMISSÃO de 30 de Setembro de 2005 que aplica a Directiva 2002/98/CE do Parlamento Europeu e do Conselho no que se refere aos

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

Resolução - RDC nº 260, de 23 de setembro de 2002 D.O.U de 03/10/2002

Resolução - RDC nº 260, de 23 de setembro de 2002 D.O.U de 03/10/2002 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA aprovado pelo Decreto nº 3.029, de 16 de abril de

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE REFERÊNCIA DE CUSTOS Orientações para cadastro de fornecedores

MANUAL DO SISTEMA DE REFERÊNCIA DE CUSTOS Orientações para cadastro de fornecedores SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MANUAL DO SISTEMA DE REFERÊNCIA DE CUSTOS Orientações para cadastro de fornecedores Secretaria de Gestão, Controles e Normas Departamento de

Leia mais

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015.

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Assunto: Orientações sobre os procedimentos para solicitação de alterações na lista de alimentos alergênicos. I. Introdução. A Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

MANUAL PASSO-A-PASSO DO SISTEMA ONLINE

MANUAL PASSO-A-PASSO DO SISTEMA ONLINE MANUAL PASSO-A-PASSO DO SISTEMA ONLINE Junho 2015 Editor, ler com atenção as orientações informadas neste manual. Informamos que documentação preenchida incompleta e/ou que não atenda as normas da Agência

Leia mais

Especificação de Requisitos

Especificação de Requisitos Projeto/Versão: Versão 11.80 Melhoria Requisito/Módulo: 000552 / Conector Sub-Requisito/Função: Multas Tarefa/Chamado: 01.08.01 País: Brasil Data Especificação: 13/05/13 Rotinas Envolvidas Rotina Tipo

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade de execução e notificação de ações de campo por detentores de registro de produtos para a saúde no Brasil. A Diretoria Colegiada

Leia mais

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 10 CAPA Tire suas dúvidas so O avanço na profissão tem sido responsável pelo aprimoramento de técnicas para

Leia mais

GUIA DE USO SERVIÇOS PARA IMOBILIÁRIAS

GUIA DE USO SERVIÇOS PARA IMOBILIÁRIAS GUIA DE USO SERVIÇOS PARA IMOBILIÁRIAS Diretoria Comercial Corporativa Página 2 de 14 Sumário 1 Introdução... 4 2 Acessando os serviços para Imobiliárias... 5 3 Gerenciando clientes... 8 4 Serviços...

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13.

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13. Página 1 / 15 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13 Página 2 / 15 APRESENTAÇÃO O que é: O Sistema de Registro

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Maio / 2008 Índice Introdução... 3 Pedido de Consulta da Viabilidade... 4 Acompanhamento do Pedido de Viabilidade... 11 Registro

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV. Execução Cotação Eletrônica de Preços. Entidades Privadas sem Fins Lucrativos. Manual do Usuário

Portal dos Convênios SICONV. Execução Cotação Eletrônica de Preços. Entidades Privadas sem Fins Lucrativos. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios SICONV Execução Cotação Eletrônica de Preços

Leia mais

Manual do Sistema. SMARSA WEB Atendimento de Processos

Manual do Sistema. SMARSA WEB Atendimento de Processos Manual do Sistema SMARSA WEB Atendimento de Processos Módulo Atendimento ÍNDICE INTRODUÇÃO...1 OBJETIVOS...1 BEM VINDO AO SISTEMA SMARSA WEB MÓDULO ATENDIMENTO...2 TELA DE LOGIN...2 COMO UTILIZAR?... 2

Leia mais

MOVIMENTAÇÕES PELO SITE UNIODONTO

MOVIMENTAÇÕES PELO SITE UNIODONTO MOVIMENTAÇÕES PELO SITE UNIODONTO Com o intuito de agilizar e facilitar as adesões, cancelamentos e al terações de usuários, estamos disponibilizando em nosso site o processo de movimentação bem como o

Leia mais

para outro) 23 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04

para outro) 23 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04 1 2 ÍNDICE ERP 1- Cadastro de Produtos (Implantação no Almoxarifado) 04 2- Notas de Compra (Incluindo Quantidades no Almoxarifado) 07 2.1 - Notas complementares 12 2.2 - Desmembramento de bens 13 3- Requisições

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física

Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Perguntas Frequentes sobre liberação de processos ANVISA Pessoa Física Prezado cliente, Este material foi criado com o objetivo de esclarecer todas as dúvidas que podem surgir a respeito da inspeção de

Leia mais

Manual de digitação de contas Portal AFPERGS

Manual de digitação de contas Portal AFPERGS Manual de digitação de contas Portal AFPERGS 1 Sumário Acesso à função digitação de contas... 3 O que é a Função digitação de contas (DC)... 4 Como proceder na função digitação de conta médica (DC)...

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE RIM CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central Estadual de

Leia mais

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Florianópolis, Agosto 2004 Células-tronco O que são células-tronco e o que podemos fazer com elas? Qual a relação

Leia mais

FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS

FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS Para uso de profissionais da saúde, hospitais, clínicas, farmácias

Leia mais

Qualitor. Abertura de chamados

Qualitor. Abertura de chamados Qualitor Abertura de chamados PESQUISA DE SATISFAÇÃO PESQUISA DE SATISFAÇÃO 1 Abra o chamado 2 Clique em Ações 3 Clique em Responder pesquisa de satisfação PESQUISA DE SATISFAÇÃO REABERTURA DE CHAMADO

Leia mais

Cadastro Avaliação 2013 Manual de Instruções

Cadastro Avaliação 2013 Manual de Instruções Cadastro Avaliação 2013 Manual de Instruções Manual de instruções Cadastro Avaliação 2013 Caro Usuário, Este manual contém todas as instruções necessárias para preenchimento dos dados de sua escola e alunos.

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

CADASTRO DE INSTITUIÇÕES E USUÁRIOS - NOTIVISA PERGUNTAS FREQUENTES

CADASTRO DE INSTITUIÇÕES E USUÁRIOS - NOTIVISA PERGUNTAS FREQUENTES CADASTRO DE INSTITUIÇÕES E USUÁRIOS - NOTIVISA PERGUNTAS FREQUENTES 01. Como cadastrar uma... 2 02. Quem é o Responsável Legal de uma... 2 03. Como associar o Responsável Legal a uma... 2 04. Como Desassociar

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

Brasília, 6 de novembro de 2013

Brasília, 6 de novembro de 2013 Brasília, 6 de novembro de 2013 Gerência de Controle Sanitário no Comércio Exterior GCCOE Gerência Geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados - GGPAF Alteração na forma de protocolizar

Leia mais

CADASTRO DE INSTITUIÇÕES E ACESSO AO SISTEMA CANAIS PERGUNTAS FREQUENTES

CADASTRO DE INSTITUIÇÕES E ACESSO AO SISTEMA CANAIS PERGUNTAS FREQUENTES Agência Nacional de Vigilância Sanitária CADASTRO DE INSTITUIÇÕES E ACESSO AO SISTEMA CANAIS PERGUNTAS FREQUENTES Brasília, 27 de setembro de 2011 www.anvisa.gov.br Página 1 de 8 CADASTRO DE INSTITUIÇÕES

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco DESPACHO

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco DESPACHO Procedimento Administrativo n. º 1.26.000.000335/2009-11 DESPACHO O presente procedimento administrativo foi instaurado no âmbito desta Procuradoria da República como o objetivo de apurar notícia de que

Leia mais

Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária Cadastro de Instituições e Usuários - NOTIVISA Setembro - 2012 NUVIG - Núcleo de Gestão do Sistema Nacional de Notificação e Investigação em Vigilância Sanitária

Leia mais

Manual B/L Web GRIEG

Manual B/L Web GRIEG Manual B/L Web GRIEG Introdução Acesse o site www.grieg.com.br e no menu SERVIÇOS escolha a opção B/L VIA WEB ou clique no ícone abaixo para o redirecionamento automático. Em seguida, o cliente preencherá

Leia mais

DIRF 2013 Ano calendário 2012. DIRF Fase I - Geração dos Valores referentes a Plano de Saúde

DIRF 2013 Ano calendário 2012. DIRF Fase I - Geração dos Valores referentes a Plano de Saúde 1 1 DIRF Fase I - Geração dos Valores referentes a Plano de Saúde Conceitos das rotinas de desconto de Plano de Saúde utilizados no Protheus: Plano 0: Caracterizado pelo uso dos parâmetros 22 e 58, em

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Quadro do Magistério QM GDAE

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Quadro do Magistério QM GDAE ESTÁGIO PROBATÓRIO Quadro do Magistério QM GDAE Decreto nº 52.344 de 09/11/2007 - Dispõe sobre o Estágio Probatório dos integrantes do Quadro do Magistério da Secretaria da Educação. Lembramos que: 1.

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 015/2011 PROJETO: Curso Técnico em Hemoterapia DOCENTE DE CONCENTRAÇÃO Atribuições: ministrar aulas teóricas Habilitação

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 ELABORAÇÃO E MONITORAMENTO DOS INDICADORES DE QUALIDADE APLICADOS AO LABORATÓRIO DE SOROLOGIA - ESTRATÉGIAS PARA CUMPRÍ-LOS - TRATAMENTO DE NÃO CONFORMIDADES - FLUXOS MAIS APROPRIADOS Vanderléia Bárbaro

Leia mais

Manual do Usuário Sistema APR Web. Aprovação de Projeto Elétrico e Análise de Carga na Rede via Web

Manual do Usuário Sistema APR Web. Aprovação de Projeto Elétrico e Análise de Carga na Rede via Web Manual do Usuário Sistema APR Web Aprovação de Projeto Elétrico e Análise de Carga na Rede via Web Belo Horizonte Março de 2015 SUMÁRIO APR Web 1 Introdução... 5 2 Objetivo... 5 3 Acessar o sistema APR

Leia mais

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3

SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 Atendente... 3 SUMÁRIO Acesso ao sistema... 2 1. Login no sistema... 2 Atendente... 3 1. Abrindo uma nova Solicitação... 3 1. Consultando Solicitações... 5 2. Fazendo uma Consulta Avançada... 6 3. Alterando dados da

Leia mais

ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR

ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR ROTEIRO PARA INSCRIÇÃO NO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE EM MAMOGRAFIA CBR 1. PRIMEIRO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE QUALIDADE: 1.1 Os serviços que desejarem obter a certificação da qualidade deverão

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS DISCENTES DESTE CAMPUS EM: VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - Visita técnica é atividade complementar dos componentes curriculares dos cursos

Leia mais

Módulo de Acesso Remoto

Módulo de Acesso Remoto Módulo de Acesso Remoto Manual do Usuário Página 1 de 30 Índice 1. Introdução 3 1.1. Objetivos deste documento 3 2. Requisitos do Sistema 4 2.1. Acrobat Reader 4 2.2. Pop Up Liberados 4 3. Acesso ao Sistema

Leia mais

cartórios as funcionalidades disponíveis em todas as três Centrais de Informação (RCTO, CEP e CESDI) e servir como apoio nas ações diárias.

cartórios as funcionalidades disponíveis em todas as três Centrais de Informação (RCTO, CEP e CESDI) e servir como apoio nas ações diárias. MANUAL DO USUÁRIO - CARTÓRIOS VERSÃO 1.0 Objetivo: Este documento tem como objetivo apresentar aos usuários dos cartórios as funcionalidades disponíveis em todas as três Centrais de Informação (RCTO, CEP

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL AQUISIÇÃO / QUALIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Histórico de Revisões Rev. Modificações 01 30/04/2007 Primeira Emissão 02 15/06/2009 Alteração de numeração de PO 7.1 para. Alteração do título do documento de: Aquisição para: Aquisição / Qualificação

Leia mais

Manual do Painel de Gestão

Manual do Painel de Gestão Manual do Painel de Gestão Acesso e Navegação Manual do Painel de Gestão Página 1 A. O Painel de Gestão O Painel de Gestão é a nova interface disponível para as instituições financeira para fazer a gestão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º.

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º. REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos O Banco de Olhos da Santa Casa de Campo Grande é constituído de uma estrutura administrativa, conforme o capítulo III

Leia mais