ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008"

Transcrição

1 ASPECTOS MÉDICOS M DA DOAÇÃO DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008

2 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ INTRODUÇÃO ; TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ; DOADOR DE CÉLULA-TRONCO; PERGUNTAS.

3 INTRODUÇÃO TRANSPLANTE DE CÉLULASC LULAS TRONCO HEMATOPOÉS S É A INFUSÃO INTRAVENOSA DESTA CÉLULAS C DESTINADA A RESTABELECER A FUNÇÃO MEDULAR E IMUNE EM PACIENTES COM DESORDENS MALIGNAS E NÃO-MALIGNAS, HERDADAS OU ADQUIRIDAS.

4 INTRODUÇÃO OU SEJA... SUBSTITUIÇÃO DE UMA MEDULA ÓSSEA DOENTE OU DESTRUÍDA DA POR OUTRA NORMAL CAPAZ DE FUNCIONAR PERFEITAMENTE.

5 INTRODUÇÃO CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ OU CÉLULA LULA PROGENITORA OU CÉLULA MÃE É CARACTERIZADA PELA CAPACIDADE DE GERAR NOVAS CÉLULAS-TRONCO E CÉLULAS C DIFERENCIADAS - HEMÁCIAS (GLÓBULOS VERMELHOS), LEUCÓCITOS CITOS (GLÓBULOS BRANCOS) E PLAQUETAS.

6 INTRODUÇÃO EMBORA A MAIOR PARTE DAS CÉLULAS TRONCO RESIDA NA MEDULA ÓSSEA, PODEM SER ENCONTRADAS EM MENOR QUANTIDADE NO SANGUE CIRCULANTE E TAMBÉM M NO SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL.

7 CLASSIFICAÇÃO Quanto à fonte de célula c progenitora: - MEDULA ÓSSEA (coletada por punção nas cristas ilíacas em centro cirúrgico); rgico); - SANGUE PERIFÉRICO RICO (coletada por aférese após s estímulo com G-CSF G em banco de sangue); - SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL.

8 CLASSIFICAÇÃO Quanto ao tipo de doador: ALOGÊNICO DOADOR APARENTADO (GERALMENTE IRMÃO) / DOADOR NÃO APARENTADO SINGÊNICO GÊMEO IDÊNTICO AUTÓLOGO DO PRÓPRIO PRIO PACIENTE

9 CLASSIFICAÇÃO Quanto à compatibilidade: - Compatível (HLA classe I e II idênticos); - Semi- compatível (HLA diferem em 1 ou mais locus). PACIENTE DOADOR A B DRB

10 CLASSIFICAÇÃO Quanto à compatibilidade: - Compatível (HLA classe I e II idênticos); - Semi-compat compatível (HLA diferem em 1 ou mais locus). PACIENTE DOADOR A B DRB

11 CLASSIFICAÇÃO Quanto à compatibilidade: - Compatível (HLA classe I e II idênticos); - Semi- compatível (HLA diferem em 1 ou mais locus). PACIENTE DOADOR A B C DRB1 DQ

12 INDICAÇÕES DOENÇAS MALIGNAS: LEUCEMIA MIELÓIDE IDE AGUDA LEUCEMIA LINFÓIDE IDE AGUDA LEUCEMIA MIELÓIDE IDE CRÔNICA SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS SICAS DESORDENS MIELOPROLIFERATIVAS LINFOMAS LEUCEMIA LINFOCÍ CRÔNICA MIELOMA MÚLTIPLOM

13 INDICAÇÕES DOENÇAS NÃO MALIGNAS: ANEMIA APLÁS SEVERA ANEMIA DE FANCONI TALASSEMIA MAJOR IMUNODEFICIÊNCIA GRAVE COMBINADA SÍNDROME DE WISKOTT-ALDRICH ERROS INATOS DO METABOLISMO ANEMIA FALCIFORME

14 INDICAÇÕES TRANSPLANTE NÃO APARENTADO (Portaria no. 931) LEUCEMIA MIELÓIDE IDE AGUDA EM REMISSÃO LEUCEMIA LINFÓIDE IDE AGUDA 2ª.. REMISSÃO LEUCEMIA MIELÓIDE IDE CRÔNICA FASE CRÔNICA OU ACELERADA SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS SICAS MIELOFIBROSE ANEMIA APLÁS S ANEMIA DE FANCONI IMUNODEFICIÊNCIA GRAVE COMBINADA

15 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ - ETAPAS PRÉ ADMISSÃO: Avaliação clínica Avaliação do doador Avaliação Psico-social social Avaliação sócios cio-econômica Entrevista Paciente-Fam Família

16 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ - ETAPAS INSERÇÃO DO CATETER:

17 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ - ETAPAS QUIMIOTERAPIA REGIME DE CONDICIONAMENTO: PROTOCOLOS DE ACORDO COM O TIPO DE TRANSPLANTE E A DOENÇA A BASE (QUIMIOTERAPIA, QUIMIOTERAPIA + IRRADIAÇÃO CORPORAL TOTAL); SEU OBJETIVO É DESTRUIR A MEDULA ÓSSEA DOENTE E PREPARAR O ORGANISMO PARA RECEBER UMA NOVA MEDULA ÓSSEA.

18 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ - ETAPAS COLETA DA CÉLULAC LULA-TRONCO HEMATOPOÉ: :

19 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ - ETAPAS INFUSÃO DA CÉLULA C TRONCO HEMATOPOÉ: :

20 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ. MEDULA ÓSSEA DOADOR QUIMIOTERAPIA RADIAÇÃO PROFILAXIA DECH Dia zero A medula óssea é administrada por via endovenosa após a quimiorradioterapia. Após o transplante, o paciente recebe drogas imunossupressoras para a prevenção de DECH.

21 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ - COMPLICAÇÕES PRECOCES - RESULTANTES DA QUIMIORRADIOTERAPIA; TARDIAS

22 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ - COMPLICAÇÕES PRECOCES MUCOSITE; DOENÇA VENO-OCLUSIVA HEPÁ; INFECÇÃO; DOENÇA DO ENXERTO CONTRA HOSPEDEIRO AGUDA; REJEIÇÃO.

23 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ - COMPLICAÇÕES TARDIAS INFECÇÃO; DOENÇA DO ENXERTO CONTRA HOSPEDEIRO CRÔNICA USO DE CORTICÓIDE; REJEIÇÃO; INFERTILIDADE; OUTROS CÂNCERES.

24 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ - RESULTADOS DEPENDEM DA DOENÇA; CARACTERÍSS DO PACIENTE E SEU DOADOR; REGIME DE QUIMIORRADIOTERAPIA; REGIME DE PROFILAXIA PARA DECH.

25 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ

26 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Sem Doador 70% Doador Familiar 30%

27 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Registro de Doador Não Aparentado 40% Doador Familiar 30% 10 milhões de doadores; Busca 3-5 meses; 1/3 indisponível; Minorias étnicas pouco representadas. 30% Sem Doador SCU

28 QUEM PODE SER UM DOADOR DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ??

29 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ DOADOR DE CÉLULAC LULA-TRONCO HEMATOPOÉ : IDADE 18 E 55 ANOS; HIV-1, HIV-2 2 E HCV NÃO REAGENTES; CONDIÇÃO CLÍNICA SEGURA PARA DOAÇÃO NÃO ESTAR GESTANTE.

30 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ ANTES DA DOAÇÃO É IMPORTANTE SE CERTIFICAR DE QUE: 1.A A DOAÇÃO PODE SER FEITA COM SEGURANÇA (PROTEÇÃO PARA O DOADOR); 2.AS CÉLULASC LULAS-TRONCO DO DOADOR SÃO REALMENTE SEGURAS PARA O PACIENTE (PROTEÇÃO PARA O PACIENTE); 3.O O DOADOR COMPREENDE SEU PAPEL E A SUA RESPONSABILIDADE.

31 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ AVALIÇÃO DO DOADOR DE CÉLULAC LULA-TRONCO: 1. QUESTIONÁRIO; 2.EXAME FÍSICO; F 3. EXAMES LABORATORIAIS; 4.TERMO DE CONSENTIMENTO.

32 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ AVALIÇÃO DO DOADOR DE CÉLULAC LULA-TRONCO: 1. QUESTIONÁRIO: HÁBITOS DE VIDA, INTERROGATÓRIO RIO SISTEMÂTICO, ANTECEDENTES MÉDICOS M - USO DE MEDICAMENTOS, ALERGIAS, CIRURGIAS PRÉVIAS, TRANSFUSÕES, ANESTESIA, ANTECEDENTES FISIOLÓGICOS N DE GESTAÇÕES, CICLO MESTRUAL E ANTECEDENTES FAMILIARES.

33 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ AVALIÇÃO DO DOADOR DE CÉLULAC LULA-TRONCO: 1. QUESTIONÁRIO; 2.EXAME FÍSICO: F DADOS VITAIS, PESO, AVALIAÇÃO CUIDADOSA DO SISTEMA CÁRDIO C VASCULAR E RESPIRATÓRIO, RIO, IDENTIFICAR PRESENÇA A DE ESPLENOMEGALIA, ACESSO VENOSO PERIFÉRICO RICO (DOAÇÃO DE CÉLULAC LULA-TRONCO PERIFÉRICA). RICA).

34 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ AVALIÇÃO DO DOADOR DE CÉLULAC LULA-TRONCO: 1. QUESTIONÁRIO; 2.EXAME FÍSICO; 3.EXAMES LABORATORIAIS: HEMOGRAMA, AVALIAÇÃO HEPÁ E RENAL, SOROLOGIA (HIV 1 e 2, HEPATITE B / C, CHAGAS, SIFILIS, HTLV I / II, CMV), BETA-HCG, RX DE TÓRAX, T ECG, TIPAGEM SANGUÍNEA, NEA, COOMBS DIRETO E INDIRETO, GLICEMIA,...

35 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ AVALIÇÃO DO DOADOR DE CÉLULAC LULA-TRONCO: 1. QUESTIONÁRIO; 2.EXAME FÍSICO; 3. EXAMES LABORATORIAIS; 4.TERMO DE CONSENTIMENTO: DEVEM SER FORNECIDADAS TODAS AS INFORMAÇÕES SOBRE RISCOS DE DOAÇÃO, TIPOS DE COLETA, TEMPO DE INTERNAÇÃO, ANESTESIA,... SUAS DÚVIDAS DEVER SER CUIDADOSAMENTE ESCLARECIDAS.

36 COMO É FEITA A COLETA DE MEDULA ÓSSEA?

37 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ COLETA DE MEDULA ÓSSEA

38 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ COLETA DE MEDULA ÓSSEA

39 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ COLETA DE MEDULA ÓSSEA

40 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ COLETA DE MEDULA ÓSSEA

41 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ COLETA DE MEDULA ÓSSEA

42 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ COLETA DE MEDULA ÓSSEA

43

44 EVENTOS ADVERSOS ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA

45 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA: COMPLICAÇÕES MENORES OCORREM EM 6 A 20% DAS DOAÇÕES; ANEMIA COMPLICAÇÃO LABORATORIAL MAIS FREQUENTE; DOADORES MAIS VELHOS MENOS EFEITOS ADVERSOS (NMDP). RISCO ESTIMADO DE MORTE 1:

46 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA: NÁUSEA, VÔMITOS E DOR DE GARGANTA ANESTESIA GERAL; ANESTESIA GERAL MENOS CANSAÇO (NMDP); CEFALÉIA RAQUIANESTESIA;

47 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA: NMDP / N= 9601 DOADORES ( ) SINTOMA MULHERES (4106) (%) HOMENS (5495) (%) CANSAÇO DOR (PUNÇÃO) DOR (COSTAS) NÁUSEA DOR GARGANTA DOR (SENTAR) TONTURA 53 42

48 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA: NMDP / N= 9601 DOADORES ( ) SINTOMA MULHERES (4106) (%) HOMENS (5495) (%) CEFALÉIA VÔMITO FLEBITE FEBRE DOR (CURATIVO) SANGRAMENTO 10 8 DESMAIO 7 5

49 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS GRAVES ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA: IBMTR / N= 8296 DOADORES SINTOMA INCIDÊNCIA (N ) IAM 3 ANEMIA GRAVE 3 ANAFILAXIA 2 RECUP. ANESTÉSICA SICA LENTA EMBOLIA PULMONAR 2 DOR SEVERA 2 INSUF. RENAL AGUDA 1 2

50 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS GRAVES ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA: IBMTR / N= 8296 DOADORES SINTOMA INCIDÊNCIA (N ) ANAFILAXIA (TRANSF.) 1 HEPATITE VIRAL B 1 PROLAPSO DE DISCO VERTEBRAL HIPERTERMIA MALIGNA 1 ARRITMIA 1 EDEMA PULMONAR 1 HEMATOMA RETROP. 1 1

51 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Blood, Vol 81, No 7 (April I), 1993: pp

52 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA: 48 HORAS INICIAIS: 5,9% DOS PACIENTES APRESENTARAM COMPLICAÇÕES AGUDAS (HIPOTENSÃO, FEBRE, DOR, CEFALÉIA, NÁUSEA,FLEBITE, ALT. DE PELE E SANGRAMENTO). APENAS 1 PACIENTE (0,2%) APRESENTOU COMPLICAÇÃO GRAVE - PARADA RESPITARÓRIA DURANTE ANESTESIA.

53 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA: DOIS DIAS DEPOIS DA ALTA: 74,8% DOS PACIENTES RELATAVAM CANSAÇO; 67,8% INFORMAVAM DOR EM LOCAL DE PUNÇÃO; REFERIAM DOR NAS COSTAS. 51,6%

54 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA: MÉDIA DIA DE TEMPO PARA TOTAL RECUPERAÇÃO FOI 15,8 DIAS. DURAÇÃO DA COLETA FOI O FATOR QUE MELHOR SE CORRELACIONOU COM TEMPO PARA RECUPERAÇÃO DO DOADOR.

55 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE CÉLULAC LULA-TRONCO HEMATOPÉ: : EVENTOS ADVERSOS SÉRIOS S SÃO RAROS!

56 COMO É FEITA A COLETA DE CÉLULAC LULA-TRONCO PERIFÉRICA? RICA?

57 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ COLETA DE CÉLULAC LULA-TRONCO PERIFÉRICA RICA 3 A 5 DIAS ANTES DA COLETA DEVE-SE APLICAR FATOR DE CRESCIMENTO DE GRANULÓCITOS INJEÇÕES SUBCUTÂNEAS AUMENTO DO NÚMERO N DE CÉLULAC LULA-TRONCO CIRCULANTE.

58 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ COLETA DE CÉLULAC LULA-TRONCO PERIFÉRICA RICA

59 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ COLETA DE CÉLULAC LULA-TRONCO PERIFÉRICA RICA

60 EVENTOS ADVERSOS ASSOCIADOS À DOAÇÃO DE CÉLULAC LULA-TRONCO PERIFÉRICA RICA

61 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE CTH: SECUNDÁRIO AO USO DO FATOR DE CRESCIMENTO DE GRANULÓCITOS (FILGRASTRIN); PODE OCORRER REDUÇÃO TRANSITÓRIA RIA DO NÚMERO N DE PLAQUETAS; NECESSIDADE DE BOM ACESSO VENOSO PERIFÉRICO RICO CATÉTER TER VENOSO CENTRAL DEVE SER EVITADO!

62 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS ASSOCIADOS À DOAÇÃO DE CTP: NMDP / N= 1000 DOADORES SINTOMA INCIDÊNCIA (%) MIALGIA 54 CEFALÉIA 52 INDISPOSIÇÃO 49 INSÔNIA 28 NÁUSEA 15 SUDORESE 14 SINTOMAS GRIPAIS 12

63 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE CTP: NMDP / N= 1000 DOADORES SINTOMA INCIDÊNCIA (%) INAPETÊNCIA 11 FEBRE 6 TREMORES 6 VÔMITOS 2

64 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ EFEITOS ADVERSOS ASSOCIADOS A DOAÇÃO DE CTP: EFEITOS ADVEROS SÉRIOSS RIOS: - RUPTURA DE BAÇO; TIREOIDIANA; - DISFUNÇÃO - EXACERBAÇÃO DE FENÔMENOS AUTO-IMUNES; - INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO; - DOENÇA A MALIGNA??

65 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ MEDULA ÓSSEA X CÉLULAC LULA-TRONCO PERIFÉRICA RICA MEDULA ÓSSEA CENTRO CIRÚRGICO RGICO ANESTESIA TRANSFUSÃO (AUTÓLOGA) DOR - QUADRIL PTS C/ DOENÇA A NÃO MALIGNA / NÃO AVANÇADA ADA CÉLULA-TRONCO PERIFÉRICA RICA BANCO DE SANGUE FILGRASTIN BOM ACESSO VENOSO DOR ÓSSEA/CEFALÉIA PTS COM DOENÇA A AVANÇADA ADA

66 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ 1) DOAR MEDULA DÓI? NÃO, MAS É COMUM ACONTECER DOR EM REGIÃO DA BACIA APÓS O EFEITO DA ANESTESIA. GERALMENTE ESTE SINTOMA DURA 3 A 5 DIAS. 2) COMO É A CIRURGIA? NÃO EXISTE UMA CIRURGIA. O PROCEDIMENTO ACONTECE NO CENTRO CIRÚRGICO PELA NECESSIDADE DA ANESTESIA.

67 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ 3) QUANTAS VEZES POSSO DOAR MEDULA? NÃO EXISTE UM NÚMERO DETERMINADO. ALGUNS DOADORES JÁ DOARAM 2 VEZES SEM NENHUM DANO POSTERIOR. 4) EM QUANTO TEMPO A MEDULA VOLTA A FUNCIONAR? A MEDULA ÓSSEA NORMAL NÃO PARA DE FUNCIONAR É DINÂMICA. EM POUCO DIAS JÁ ESTÁ REFEITA.

68 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ 5) HÁ RISCO DE FICAR PARALÍTICO? NÃO. A DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA NÃO MEXE NA COLUNA ESPINHAL (VÉRTEBRAS). 6) AUMENTA A CHANCE DE TER CÂNCER? NÃO. O DESENVOLVIMENTO DE CÂNCER EM UM DOADOR DE MEDULA ÓSSEA NÃO TEM RELAÇÃO COM A DOAÇÃO.

69 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ 7) POSSO ESCOLHER ENTRE DOADAR MEDULA ÓSSEA OU SANGUE PERIFÉRICO? SIM. ESTA ESCOLHA É FEITA PELO DOADOR - É IMPORTANTE OUVIR A OPINIÃO DE MÉDICO. 8) QUAL O MELHOR? DEPENDE...HÁ VANTAGENS E DESVANTAGENS EM AMBOS.

70 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ 9) QUANTO TEMPO FICO INTERNADO? NA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA O TEMPO DE INTERNAÇÃO É DE 1 OU 2 DIAS. NA DOAÇÃO DE CÉLULA-TRONCO PERIFÉRICA NÃO HÁ NECESSIDADE DE INTERNAÇÃO. 10) COMO É A ANESTESIA? NORMALMENTE É FEITA A RAQUIANESTESIA.

71 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ 11) QUANTO VÃO TIRAR DE MEDULA ÓSSEA? DEPENDE DO PESO DO PACIENTE E DO DOADOR. O IDEAL : 10 ML/CADA KG DO PACIENTE. P.EX: 50 KG = 500 ML DE MEDULA ÓSSEA. MAS SEMPRE SERÁ RESPEITADO O PESO DO DOADOR (10% DA VOLEMIA). 12) FICA CICATRIZ? NA MAIORIA DAS VEZES NÃO APENAS UM PONTO.

72 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ 13) HÁ RISCO DE PEGAR ALGUMA DOENÇA? NÃO. 14) PODE DAR ALGUMA REAÇÃO? PODEM ACONTECER EFEITOS ADVERSOS RELACIONADOS A ANESTESIA (NÁUSEA, VÔMITOS, DOR DE CABEÇA) E DOR EM LOCAL DE PUNÇÃO. EFEITOS MAIS GRAVES SÃO RAROS.

73 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ 15) POSSO CONHECER O PACIENTE? NÃO. 16) VOU GANHAR ALGUM DINHEIRO OU BENEFÍCIO COM A DOAÇÃO? NÃO.

74 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ 17) O QUE É AUTO-TRANSFUSÃO? SANGUE DO PRÓPRIO DOADOR. É COLETADA CERCA DE 1 SEMANA ANTES DA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA. EVITA QUE O DOADOR TENHA ANEMIA. 18) MULHERES GRÁVIDAS PODEM DOAR? NÃO.

75 CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ 19) QUE DOENÇAS IMPEDEM A DOAÇÃO? AIDS, HEPATITE POR VÍRUS C. 20) HÁ NECESSIDADE DE FAZER ALGUMA DIETA? NÃO.

76

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de Nesta sexta-feira (12) o Rádio Clube se dedica à solidariedade. Será feita uma campanha de captação de doadores de medula óssea no clube. A intenção da ação é sensibilizar as pessoas para aumentar o número

Leia mais

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo

II Workshop Internacional de Atualização. em Hepatologia. na Hematologia. Dominique Muzzillo II Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia O Fígado na Hematologia Dominique Muzzillo Prof a. Adjunto UFPR 1. Anemias - siderose secundária - hemólise transfusão 2. Doenças Malignas - leucemia

Leia mais

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas 20 Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Hospital Mãe de Deus Transplante de Células Tronco Hematopoéticas Enfermeira Fabiane Marek Especialista em Enfermagem Oncológica Unidade de Ambiente Protegido

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO FRITZ, E. R.¹; GARCIA, M. C. ² ; FILIPINI, S. M. 3 1,2,3, Universidade do Vale do

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS 1 TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS Adriano dos Santos Pereira RESUMO Desde o primeiro procedimento realizado em 1968, o transplante de medula óssea vem sendo utilizado de maneira crescente, o tratamento

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea Transfusão de Hemocomponentes Especiais Belo Horizonte Abril 2015 Ricardo Olivo Hemocentro Regional de Uberaba Hemocomponentes Especiais São hemocomponentes

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário O desconhecimento sobre a doação de medula óssea é enorme. Quando as pessoas são informadas de como é fácil ser doador voluntário

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

HLA HLA. HEMOSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina. Tipagem HLA ROTINA DE EXAMES DE HISTOCOMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE

HLA HLA. HEMOSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina. Tipagem HLA ROTINA DE EXAMES DE HISTOCOMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE HEMSC Centro de Hematologia e Hemoterapia de Santa Catarina RTINA DE EXAMES DE HISTCMPATIBILIDADE PARA TRANSPLANTE LABRATÓRI RI DE IMUNGENÉTICA Farmacêutica-Bioquímica: Mariana Chagas Laboratório rio de

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Tema: Mielodisplasia: Novidades no tratamento Total de pessoas que participaram: 34 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO I - DEFINIÇÕES 1. TCTH de Medula Óssea - Substituição de células-tronco hematopoéticas a partir de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Doenças potencialmente tratáveis com transplantação de medula óssea Leucemias

Leia mais

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Ajudando futuros pais a tomar uma decisão consciente Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa O que é sangue de cordão umbilical

Leia mais

células Vários tipos de

células Vários tipos de Células tronco Bioquímicas Maria Alice Vieira Willrich Adriana Helena Sedrez Patricia Bernardi Curso de Gestantes Unimed Brusque, 03 de setembro de 2007. O que são células tronco? Tipos de Células-Tronco

Leia mais

Cuidados e indicações atuais

Cuidados e indicações atuais Hemotransfusão em Pediatria Cuidados e indicações atuais Priscila Cezarino Rodrigues Pediatra Hematologista e Hemoterapeuta Fundação Hemominas Grupo de Hematologia Pediátrica do HC UFMG Belo Horizonte

Leia mais

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte Perguntas Frequentes Desde quando o Banco Público de Células Estaminais do Cordão Umbilical serve gratuitamente a criopreservação às grávidas? O Despacho do Banco Público de células estaminais do cordão

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 Assunto: Autotransfusão intra-operatória. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a atuação dos profissionais de Enfermagem na autotransfusão intra-operatória.

Leia mais

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Tema: Entenda a Síndrome Mielodisplásica (Mielodisplasia) Total atingido de pessoas na sala: 24 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários

Leia mais

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Adriana Barretto de Mello hemoba@hemoba.ba.gov.br Todo sangue é fracionado em componentes Vantagens Uma doação pode ajudar vários pacientes Para manter as propriedades

Leia mais

Tipos de células-tronco:

Tipos de células-tronco: Células-tronco Profa. Dra. Patricia Pranke, PhD Professora dehematologia da Faculdade de Farmácia e da Pós-graduação em Ciências Médicas da Faculdade de Medicina, da Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Transplante de rim. Perguntas frequentes. Avitum

Transplante de rim. Perguntas frequentes. Avitum Transplante de rim Perguntas frequentes Avitum Por que irei precisar de um transplante de rim? Quando o rim de uma pessoa falha há três tratamentos disponíveis: Hemodiálise Diálise Peritoneal Transplante

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS (TCTH)

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS (TCTH) UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Diretoria de Enfermagem Serviço de Educação em Enfermagem ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS (TCTH) Patricia Afonso Regino

Leia mais

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade Apresentação Projeto Cultura Doadora É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos, bem como na

Leia mais

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva EU VENCI A LEUCEMIA Alexandra Oliveira da Silva Descoberta da doença Ano 2012 Sintomas gripe medo da gripe A Emergência do Mãe de Deus Exames não conclusivos, procurar hematologista Marcada consulta com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 18 - Área de atuação em Hematologia e Hemoterapia Nome do Candidato

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori

Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor. Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori Grupo Hospitalar Conceição Hospital Cristo Redentor Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão Enfermeira Claudete Carmen Girotto Sartori Rotina de Enfermagem na Hemotransfusão. O processo transfusional contempla

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Ano CXXXVIII Nº 232-E Brasília - DF, 4/12/00 ISSN 1415-1537 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.315, DE

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LINFOMA NÃO-HODGKIN EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Linfoma Não-Hodgkin Introdução Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES. Doar sangue engorda ou faz emagrecer? Ao doar sangue você não engorda nem emagrece.

DÚVIDAS FREQUENTES. Doar sangue engorda ou faz emagrecer? Ao doar sangue você não engorda nem emagrece. DÚVIDAS FREQUENTES Existe regulamento sobre doações de sangue? Sim. Todas as unidades coletoras seguem extensa regulamentação da Anvisa e pode ser encontrada no site: www.saude.gov.br Doar sangue engorda

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA

XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA XV JORNADA INTERIORANA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA II ENCONTRO INTERIORANO DE ENFERMAGEM EM HEMOTERAPIA E HEMOVIGILÂNCIA CICLO DO SANGUE DRA LUCIANA PREMISSAS A transfusão sanguínea é uma terapêutica

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O presente Projeto de Lei tem como base e inspiração a Lei Federal nº 11.930, de 22 de abril de 2009, de autoria do deputado federal Beto Albuquerque uma homenagem a seu filho e a

Leia mais

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES Elisandro Luis Lima Saldanha Orientadora: Profª Themis Dovera Porto Alegre

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Tipos de Transplantes

Tipos de Transplantes TRANSPLANTADOS Tipos de Transplantes Doador Vivo Um dos Rins Parte dos Pulmões Parte do Fígado Medula Óssea Doador Falecido Diagnóstico de Morte Encefálica Rins, Pulmões, Coração, Valvas Cardíacas, Fígado

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais

Deixe-se levar por esta ideia

Deixe-se levar por esta ideia Requisitos básicos para Doação de Sangue Estar em boas condições de saúde; Ter entre 16 e 67 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos; Para os menores de 18 anos é necessário autorização

Leia mais

O que você deve saber sobre Leucemia Mielóide Aguda

O que você deve saber sobre Leucemia Mielóide Aguda O que você deve saber sobre Leucemia Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma

Leia mais

PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA)

PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA) PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA) 29/08/2013 14:00-15:30 h PEDIATRIA (SALA SÃO PAULO) - DISCUSSÃO DE CASOS TCTH em Tumores Sólidos Moderador: Cláudio Galvão de Castro

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Hemoterapia e Banco de sangue. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br

Hemoterapia e Banco de sangue. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Hemoterapia e Banco de sangue Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Banco de sangue Empresa que presta serviços de hemoterapia e imunohematologia. Hemoterapia: compreendem

Leia mais

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com

VIROSES. Prof. Edilson Soares www.profedilson.com VIROSES Prof. Edilson Soares www.profedilson.com CATAPORA OU VARICELA TRANSMISSÃO Saliva Objetos contaminados SINTOMAS Feridas no corpo PROFILAXIA Vacinação HERPES SIMPLES LABIAL TRANSMISSÃO Contato

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: HEMATOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Solução injetável Myograf 300 mcg/ml: Embalagens contendo 5 frascos-ampola com 1 ml USO SUBCUTÂNEO / INFUSÃO

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Tema: Novas perspectivas no tratamento das Leucemias Agudas Total atingido de pessoas na sala: 25 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação aos antígenos eritrocitários, julgue os itens a seguir. 41 No fenótipo McLeod, a presença da proteína Kx leva à produção de glóbulos vermelhos acantocíticos e à anemia hemolítica. 42 Indivíduos

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

DOENÇAS TRATÁVEIS. Existem dois tipos de transplante:

DOENÇAS TRATÁVEIS. Existem dois tipos de transplante: DOENÇAS TRATÁVEIS Nestes casos, o tratamento com células estaminais e progenitoras hematopoiéticas é eficaz e está totalmente comprovado, padronizado e generalizado. Para algumas destas doenças, as células

Leia mais

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS Garantir o futuro da saúde do seu filho com Patrícia SEGURANÇA Cruz e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia

Leia mais

Transplante de Medula Óssea em Talassemia Maior

Transplante de Medula Óssea em Talassemia Maior Transplante de Medula Óssea em Talassemia Maior Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP Beta talassemia major Doença genética resultando em redução ou ausência da síntese da cadeia

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE RESOLUÇÃO 47/2009 MODELO DE BULA 352582. TEVAGRASTIM filgrastim

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE RESOLUÇÃO 47/2009 MODELO DE BULA 352582. TEVAGRASTIM filgrastim MODELO DE BULA PARA O PACIENTE RESOLUÇÃO 47/2009 MODELO DE BULA BU_08 352582 TEVAGRASTIM filgrastim APRESENTAÇÕES Solução Injetável de 300 mcg/0,5 ml Embalagem contendo 1 ou 5 seringas preenchidas de 0,5

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica Manual de Leucemia (LLC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Você está lutando contra algum câncer do sangue? Existe ajuda gratuita. A ABRALE -

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

MÓDULO II- Referenciado

MÓDULO II- Referenciado MÓDULO - Referenciado CAPTAÇÃO, RECEPÇÃO/REGSTRO, TRAGEM CLÍNCA E COLETA 1. Captação de Doadores 1.1. Recursos Humanos Nível Sim Não 1.1.1. Pessoal qualificado/capacitado. (RDC 34/, Art. 19) 1.1.2. Supervisão

Leia mais

Informações sobre anestesia

Informações sobre anestesia Informações sobre anestesia Estamos fornecendo este documento para ajudar os pacientes que serão submetidos a anestesia, para melhor entendimento do processo. Leia-o cuidadosamente e entenda o conteúdo.

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. HEMOCOMPONENTES: POR QUE IRRADIAR? Franklin José Candido Santos Hematologista-HemoterapêutaHemoterapêuta do HEMOCE e ICC Indicação: Prevenção

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação Aula 5.2 Conteúdo: Sangue

Unidade I Energia: Conservação e transformação Aula 5.2 Conteúdo: Sangue A A Unidade I Energia: Conservação e transformação Aula 5.2 Conteúdo: Sangue 2 A A Habilidade: Identificar os componentes do sangue e a função de cada um deles; Conhecer os sistemas ABO e RH. 3 A A O sangue

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

A C D E CRONOGRAMA PREVISTO

A C D E CRONOGRAMA PREVISTO Enfermagem - Transplante de Medula Óssea TPETM INSTRUÇÕES GERAIS Você recebeu do fiscal: - Um caderno de questões contendo 40 (quarenta) questões de múltipla escolha da Prova Objetiva e 5 (cinco) questões

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Vereador DR. JAIRINHO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº 442/2005 Despacho DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE DE REALIZAÇÃO DE EXAME SOROLÓGICO PRÉ-NATAL EM MULHERES GRÁVIDAS PARA DIAGNÓSTICO PRECOCE DE VÍRUS DA AIDS, DAS HEPATITES B E C E DOS

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI)

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI) O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Trombocitopenia Imune Primária (PTI) Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico Científico ABRALE Bianca

Leia mais

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta

Leia mais

PORTARIA Nº 931 DE 2 DE MAIO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e

PORTARIA Nº 931 DE 2 DE MAIO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e PORTARIA Nº 931 DE 2 DE MAIO DE 2006. Aprova o Regulamento Técnico para Transplante de Células-Tronco Hematopoéticas. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e Considerando

Leia mais

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Eu, (nome do paciente(a) abaixo identificado(a) e firmado(a)), declaro ter sido

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR O estudo dos antígenos eritrocitários e de seus anticorpos forma a base da medicina transfusional. Esses antígenos estão vinculados a um sistema de grupos sanguíneos com base na estrutura e semelhança

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO. Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO. Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia Clínica As células estaminais

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

?respondaessa O que acontece com o corpo com anemia?

?respondaessa O que acontece com o corpo com anemia? 26 2 DOENÇAS DO SANGUE O sangue é um tecido fundamental à manutenção de todos os demais tecidos e órgãos do organismo humano. O equilíbrio entre o ritmo de produção e de destruição das células do sangue,

Leia mais

O UNIVERSITÁRI FACULDADE ATENAS ESTÁ INTEGRADA COM A COMUNIDADE DE PARACATU

O UNIVERSITÁRI FACULDADE ATENAS ESTÁ INTEGRADA COM A COMUNIDADE DE PARACATU FACULDADE ATENAS ESTÁ INTEGRADA COM A COMUNIDADE DE PARACATU COM A REALIZAÇÃO DE DIVERSAS ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL, A INSTITUIÇÃO PROPORCIONA FORMAÇÃO HUMANIZADA AOS ALUNOS E TRAZ BENEFÍCIOS

Leia mais

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada.

Questão 1. a) Cite as duas hipóteses diagnósticas mais prováveis para o caso. b) Descreva, em linhas gerais, a abordagem terapêutica mais adequada. Questão 1 Uma paciente de 35 anos é internada com história de cinco dias de cefaleia progressiva, febre e astenia. A avaliação laboratorial mostrou contagem plaquetária de 23.000/mm³, anemia com hemácias

Leia mais