Como Iniciar uma Melhoria Viável e Necessária em uma Micro ou Pequena Empresa de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como Iniciar uma Melhoria Viável e Necessária em uma Micro ou Pequena Empresa de Software"

Transcrição

1 PRO QUALITI 2005 Como Iniciar uma Melhoria Viável e Necessária em uma Micro ou Pequena Empresa de Software Clênio F. Salviano Campinas - SP Lavras, MG 12 de Novembro de 2005 CFS, Este contexto é caracterizado por micro e pequenas organizações intensivas em software, com processos de baixa capacidade, que queiram iniciar um ciclo de melhoria: o mais rápido possível, investindo poucos recursos e com resultados de curto prazo (melhoria viável e necessária). Em geral PRO2PI-WORK pode ser realizado em 5 dias de trabalho, orienta melhorias que podem ser realizadas pelos próprios membros da organização, com resultados em cerca de 4 a 6 meses. A estratégia é identificar melhorias importantes para a organização, que possam ser realizadas por seus próprios e tenham resultados a curto prazo. CFS, (C) Clenio F. Salviano,

2 Proposta: Utilizar o método PRO2PI-WORK! Em geral PRO2PI-WORK pode ser realizado em 5 dias de trabalho, orienta melhorias que podem ser realizadas pelos próprios membros da organização, com resultados em até 4 meses. A estratégia é identificar melhorias importantes para a organização, que possam ser realizadas por seus próprios membros e tenham resultados a curto prazo Esta melhoria é representada por um Perfil de Capacidade de Processo CFS, Exemplo: Empresa Ampla micro empresa (8 pessoas) fundada em 1995 localizada em Campinas, SP desenvolveu 90 projetos, para clientes diferentes, utilizando em média 1 a 2 pessoas, 2 a 3 meses projeto de melhoria 2002, cooperação CenPRA- UFLATEC, focando 5 processos da 15504: CUS.2: Fornecimento Processo da Fábrica de Software: Prospecção -> Contrato -> Desenvolvimento -> Entrega -> Encerramento CUS.3: MAN.2: ENG.1.6: Elicitação Gerência Teste de Reqs. de Projeto de Sw. ORG.5: Medição CFS, (C) Clenio F. Salviano,

3 5: Otimizando Inovação de Proc. Otimização de Proc. 4: Previsível Medição de Proc. Controle de Proc. 3: Estabelecido Definição de Proc. Implementação Proc. 2: Gerenciado. Ger. da Execução Ger. de Produtos 1: Executado Execução de Proc. 0: Incompleto Exemplo de um Perfil de Capacidade de Processo no nível 3 no nível 3 no nível 2 no nível 4 no nível 2 Níveis de Capacidade e Exemplos de Processos da Gerência de Projeto escopo estimativas planos progresso Elicitação de Requisitos comunicação requisitos necessidade mudança Construção de Software critérios unidades código verificação Teste de Software critérios integração teste regressão Suporte ao Cliente serviços satisfação solicitações necessidades CFS, Clênio Figueiredo Salviano Mineiro, de Pedra Azul (Vale do Jequitinhonha) Bacharel/Mestre Ciência da Computação (UFMG, 82/87) e Doutorando (UNICAMP) Especialista em Melhoria de Processo, Chefe da Divisão de Melhoria de Processo de Software do CenPRA Professor Pós-Graduação UFLA e SENAC-SP 25 anos de experiência em Desenvolvimento de Software, Pesquisa Tecnológica, Treinamento e Consultoria. Áreas de Experiência: Software Orientado a Objetos, Software Patterns, Melhoria de Processo (15504,CMM,CMMI,MPS.BR,outros) Co-editor ISO/IEC , Equipe Técnica MPS.BR CFS, Pedra. Azul (C) Clenio F. Salviano,

4 Agenda do Curso (4 horas-aula) 1: Motivação 2: Visão Geral do Método 3: Contexto da Empresa 4: Fatores de Negócio 5: Relevância dos Processos 6: Escolha do Perfil 7: Conclusão CFS, Histórico PRO2PI-WORK: 1999: AMP1 e MEP : uso e evolução OUTROS: 2003: PRO2PI v0.1 e uso : v1.0 e uso 2000: RAPID 2003: Goal-problem : MARES 2004: Constagedeous 2004: SEI Toolkit CFS, (C) Clenio F. Salviano,

5 Abordagem PRO2PI An Approach oriented by Process Capability Profile for Process Improvement Uma Abordagem orientada a Perfis de Capacidade de Processo para Melhoria de Processo Note: The name PRO2PI uses the number 2 to mean the double PRO (Process Profile) and also as to Process Improvement Nota: O nome PRO2PI é baseado no nome em inglês da abordagem [Salviano, 2004] CFS, PRO2PI-CYCLE: Decisão e comprometimento para a melhoria Contexto, objetivos e estratégia de negócio da organização Avalia práticas correntes Planeja ações de melhoria Boas práticas de modelos de capacidade de processo (SW-CMM, ISO/IEC , icmm, CMMI-SE/SW, OPM3, MR-MPS,...); outros modelos (ISO 9001, PMBoK, EFQM, PNQ, RUP,...); e/ou qualquer outra fonte Inicia ciclo de melhoria Define e utiliza PRO2PI PRO2PI Realiza ações de melhoria Melhoria da Organização institucionaliza a melhoria Prepara institucionalização da melhoria Experiência e resultados de outras organizações PRO2PI-WORK: Preparação do trabalho Escolha de PRO2PI Orientações para PRO2PI Conclusão do trabalho CFS, (C) Clenio F. Salviano,

6 PRO2PI-CYCLE: Decision and commitment for improvement Organization's business goals and context Asses current practices Plan improvement actions Best practices from PCMs (9001, SW-CMM, 12207, , CMMI-SE/SW PMBoK, OPM3,... and other sources Start improvement cycle Define and use PRO2PI PRO2PI Perform improvement actions improved organization improvement institutionalization Prepare improvement institutionalization Experiences and results from other organizations PRO2PI-WORK: Work preparation PRO2PI Definition Actions for PRO2PI Work conclusion CFS, Objetivos de PRO2PI-WORK: Capacitar pessoas da organização em fundamentos e técnicas da engenharia de processo em modelos relevantes de capacidade de processo Consolidar informações relevantes sobre a unidade organizacional Consolidar objetivos de negócio para a melhoria Consolidar representação dos processos atuais Definir um perfil de capacidade de processo para a melhoria da unidade organizacional (PRO2PI) Entender processos atuais em relação ao perfil definido Definir orientações para atingir o perfil Reforçar motivação para melhoria de processo CFS, (C) Clenio F. Salviano,

7 PRO2PI-WORK como processo (em ETVX) Propósito: Estabelecer um perfil de capacidade de processo para um ciclo de melhoria de processo (PRO2PI) Critério para Início: AcordoTrab assinado Entradas: A01-AcordoTrab A02-PlanoTrab A03-AcordoConf Tarefas/Fases: início, escolha, orientações, conclusão Verificação: propriedades de PRO2PI Critério para Término: RelatPRO2PI aprovado Saídas: A04-RelatPRO2PI A05-RelatAvalTrab Atores: Especialista, Patrocinador, Contato, Multiplicadores, Dirigentes, Gerentes, Técnicos e Outros CFS, F.1: Preparação do trabalho (8-16 hs.) A.1.1: Obter informações da Unidade Organizacional A.1.2: Analisar informações da Unidade Organizacional A.1.3: Preparar próximas atividades Fases e atividades do método PRO2PI-WORK para consultoria F.2: Escolha de PRO2PI (16-20 hs.) A.2.1: Apresentar abordagem e trabalho A.2.2: Identificar fatores de negócio A.2.3: Obter fatores organizacionais A.2.4: Identificar relevância dos processos A.2.5: Mapear subsídios nos processos A.2.6: Escolher perfil de processo A.2.7: Apresentar e revisar perfil F.3: Orientações para PRO2PI (16-20 hs.) A.3.1: Preparar próximas atividades A.3.2: Apresentar técnicas da abordagem A.3.3: Identificar práticas correntes A.3.4: Consolidar identificação e revisar perfil A.3.5: Definir orientações para melhoria A.3.6: Consolidar orientações e revisar perfil A.3.7: Apresentar perfil e orientações NOTAS: Nota 1: Total de 20 atividades Nota 2: Em vermelho, cinco atividades mais importantes F.4: Conclusão do trabalho (8-12 hs.) A.4.1: Consolidar relatório final A.4.2: Entregar relatório final A.4.3: Avaliar o trabalho realizado Nota 3: (<Ni>-<Ns> hs.) : intervalo do número típico de horas para execução da fase em uma MPE Nota 4: F.1 e F.4: off-site (16-28hs), e F.2 e F.3: on-site (32-40 hs, 3-4 dias) Nota 5: Total intervalo (48-68 hs) POHE, PRO2PI, PRO2PI-WORK Salviano 2004,2005 CFS, (C) Clenio F. Salviano,

8 F.1: Preparação do trabalho (8-16 hs.) Análise da unidade organizacional, seleção de 16 a 24 áreas de processo Fases e construção do resultado do método PRO2PI- WORK F.2: Escolha de PRO2PI (16-20 hs.) objetivos de negócio para melhoria, processo atual, e PRO2PI com 4 a 8 áreas de processo F.3: Orientações para PRO2PI (16-20 hs.) PRO2PI com 2 a 6 áreas de processo, situação atual dos processos e orientações para melhoria com PRO2PI F.4: Conclusão do trabalho (8-12 hs.) relatório final com PRO2PI CFS, Capa, controle, titulo, apresentação, resumo executivo (R1DescUO) Descrição geral da Unidade Organizacional (R2IntroPOHE) Introdução a POHE, PRO2PI-WORK e processos usados (R3ResTrab) Resumo do trabalho realizado, incluindo subsídios levantados (R4ProcAtual) Descrição em alto nível do processo atual (R5DescNeg) Descrição da estratégia e objetivos de negócio da UO (R6PCPAtual) Descrição da situação atual (PCP atual, avaliado) (R7DescPRO2PI)Descrição de PRO2PI (R8OrientMelh) Orientações para a melhoria buscando PRO2PI (R9GerMelh) Considerações gerais para gerência desta melhoria Referências, Anexos CFS, (C) Clenio F. Salviano,

9 Atividade 1 Descrever um contexto, por exemplo uma organização, para o qual o trabalho será desenvolvido. Por exemplo: A Empresa E1, fundada em 1988 com sede na cidade de XX, é uma empresa nacional que atualmente desenvolve, evolui e comercializa quatro produtos: P1, para administração de recursos humanos; P2, para gestão empresarial; P3, para administração de agências de viagens; e P4, para controle de acesso. E1 conta com cerca de 200 funcionários, sendo que aproximadamente 50% deles estão na área de desenvolvimento de software. CFS, Técnica SWOT (1) SWOT (Strenghts, Weakness, Opportunities, Threats) é um resultado de uma pesquisa conduzida pelo Stanford Research Institute entre 1960 e 1970 [Humphrey 2004]. Esta pesquisa buscava entender porque planejamentos corporativos geralmente falhavam. A análise SWOT orienta a identificação de fatores que devem influenciar o desempenho e resultados de uma organização. SWOT identifica fatores os pontos fortes ( strenghts ) e fraquezas ( weakness ) internos de uma organização e as oportunidades ( opportunities ) e ameaças ( threats ) do ambiente externo. CFS, (C) Clenio F. Salviano,

10 Técnica SWOT (2) Pontos fortes são condições do ambiente interno de uma organização, que apresentam situação atual favorável, em relação ao seu desempenho geral. Fraquezas são condições do ambiente interno de uma organização, que apresentam situação atual desfavorável, em relação ao seu desempenho geral. Ambas as condições de pontos fortes e fraquezas podem se relacionar a capacidades, estrutura de apoio à pesquisa, recursos financeiros, desempenho organizacional e alianças estratégicas. Oportunidades são variáveis do ambiente externo, de alta importância futura e positiva sobre as atividades e o desempenho da organização, enquanto que ameaças são variáveis do ambiente externo, de alta importância futura e negativa sobre as atividades e o desempenho da organização [Castro et al. 2005, p ]. A partir destas quatro variáveis, pode ser derivada estratégias próativas, para aproveitar oportunidades, ou reativas, para minimizar ameaças, sempre considerando os pontos fortes e fraquezas da organização. CFS, Atividade 2 Identificar pontos fortes, fraquezas, oportunidades e ameaças segundo o SWOT Por exemplo: Pontos fortes: Competência técnica; Base de clientes; Fraquezas: Competência gerencial; Pouca reserva financeira; Oportunidades: Desenvolver novo produto para domínio X; ampliar mercado de regional para nacional e internacional Ameaças: Novo concorrente no mercado; Perda de cliente por qualidade inadequada CFS, (C) Clenio F. Salviano,

11 Trecho do questionário sobre fatores de negócio da unidade organizacional: (1 de 2) (... ) 3.4 Relate de um a três principais pontos fortes da unidade organizacional. (Nota: Pontos fortes são condições do ambiente interno de uma organização, que apresentam situação atual favorável, em relação ao seu desempenho geral) a) [ ] max 320 cars.; b) [ ] max 320 cars.; c) [ ] max 320 cars. 3.5 Relate de um a três principais fraquezas da organização. (Nota: fraquezas são condições do ambiente interno de uma organização, que apresentam situação atual desfavorável, em relação ao seu desempenho geral) a) [ ] max 320 cars.; b) [ ] max 320 cars.; c) [ ] max 320 cars. 3.6 Relate de uma a três das principais experiências na organização que foram bem sucedidas (por exemplo, o que já foi feito na organização, deu certo e você faria de novo). a) [ ] max 320 cars.; b) [ ] max 320 cars.; c) [ ] max 320 cars. 3.7 Relate de uma a três das principais experiências na organização que não foram bem sucedidas (por exemplo, o que já foi feito na organização, não deu certo e você não faria de novo ou faria de outra maneira). a) [ ] max 320 cars.; b) [ ] max 320 cars.; c) [ ] max 320 cars. (... ) CFS, Trecho do questionário sobre fatores de negócio da unidade organizacional: (2 de 2) (... ) 3.8 Relate de uma a três das principais ameaças à organização (Nota: ameaças são variáveis do ambiente externo, de alta importância futura e negativa sobre as atividades e o desempenho da organização) a) [ ] max 320 cars.; b) [ ] max 320 cars.; c) [ ] max 320 cars. 3.9 Relate de uma a três das principais oportunidades de negócio para a organização. (Nota: oportunidades são variáveis do ambiente externo, de alta importância futura e positiva sobre as atividades e o desempenho da organização) a) [ ] max 320 cars.; b) [ ] max 320 cars.; c) [ ] max 320 cars Relate de uma a três das ações para a melhoria da organização que você gostaria que fossem realizadas. (podem ser ações novas, modificações de ações já existentes ou mesmo eliminação de alguma ação). a) [ ] max 320 cars.; b) [ ] max 320 cars.; c) [ ] max 320 cars Relate de uma a cinco das principais características de diferenciam esta organização das outras. (por exemplo, aquilo que somente ela faz, aquilo que ela faz melhor do que as outras, aquilo que é o diferencial da organização,...) a) [ ] max 320 cars.; b) [ ] max 320 cars.; c) [ ] max 320 cars. d) [ ] max 320 cars.; e) [ ] max 320 cars.. (... ) CFS, (C) Clenio F. Salviano,

12 Melhoria de Processo baseada em problemas e metas Livro: Making Process Improvement Work: A concise action guide for software managers and practitioners Neil S. Potter and Mary E. Sakry 2002, Addison-Wesley Professional (ISBN ) CFS, Exemplos de metas objetivas (Potter, Sakry 2002) (a) aumentar a qualidade do produto para no máximo 10 defeitos por liberação, (b) ganhar de volta os clientes X, Y, e Z, e (c) aumentar a participação no mercado em 10%. (a) Reduzir o retrabalho de 30 para até 10% do esforço do projeto, e (b) utilizar este tempo para criar um novo produto PY. (a) Melhorar a estimativa de esforço para +/- 10 % de acurácia, (b) eliminando cancelamento forçado de férias. CFS, (C) Clenio F. Salviano,

13 Exemplos de metas não objetivas (Potter, Sakry 2002) * Documentar todos os processos * Desenvolver uma representação detalhada do ciclo de vida do software * Estabelecer um programa de medições Ações: 1) Neste caso, pergunte por que é desejado atingir esta meta, buscando os benefícios desejados. 2) Então os benefícios mais importantes, devem se tornar as novas metas! 3) As metas originais podem ser removidas ou passarem a ser metas intermediárias. CFS, Exemplo Metas Processo => Negócio (Potter, Sakry 2002) Meta original: ENG e Ger.Proj. nível 2 Por que ENG e Ger.Proj. nível 2? Respostas: Encontrar defeitos cedo na codificação para reduzir custos de teste (e retrabalho); Reduzir os U$ 2 milhões gastos em retrabalho por ano Ganhar mais contratos reduzindo o custo de retrabalho Melhorar previsibilidade de prazo e custo Reduzir atrasos devido a riscos não gerenciados de sistemas complexos Melhorar engenharia de sistemas e simplificar integração de produto CFS, (C) Clenio F. Salviano,

14 Exemplo Metas Processo => Negócio (Potter, Sakry 2002) Meta original: ENG e Ger.Proj. Nível 2 Nova meta principal: Reduzir os U$ 2 milhões gastos atualmente em retrabalho por ano Outras metas e nível 2 viram metas e práticas intermediárias para a meta principal CFS, Atividade 3 Consolide uma ou mais metas objetivas para a melhoria Exemplo: Reduzir em seis meses o re-trabalho de 30 para 10% por meio de uma melhor gerência das solicitações de mudanças e evolução do produto. CFS, (C) Clenio F. Salviano,

15 Atividade 4 [PRO2PI-WORK A.2.4] Identificar relevância dos processos Tarefas: Para cada processo (estimativa: 20 minutos por processo): Apresentar o processo por: a) definição do processo, conforme o modelo; b) sintomas quando não é bem executado, e c) razões porque é importante. Discutir e identificar a correspondência dele na organização (Nota: neste momento é possível a subdivisão do processo, nestes casos os passos seguintes são executados para cada subdivisão). Identificar como ele é executado hoje (ou seja, em qual nível de capacidade e justificativas) Definir a importância: Qual a importância deste processo para os objetivos de negócio da organização. (resposta: baixo, medio ou alto, e porque) Definir o risco: Qual o risco deste processo, em relação aos seus objetivos, se ele continuar a ser executado como é hoje.(resposta baixo, médio ou alto, e porque) CFS, Trecho do questionário sobre relevância de uma área de processo para a unidade organizacional: (... ) 1. Identificações 1.1 Identificação da Unidade Organizacional: [ ] max 72 cars. 1.2 Identificação da Área de Processo: [ ] max 32 cars. 1.3 Identificação do Modelo de Capacidade de Processo: [ ] max 32 cars. 2. Área de Processo e a Unidade Organizacional 2.1 Comentários gerais sobre qualquer assunto relacionado: (tamanho sugerido: 10 linhas) [ ] max 800 caracteres 2.2 Correspondência desta área de processo na Unidade Organizacional: (tamanho sugerido: 10 linhas) [ ] max 800 caracteres 2.3 Comentários sobre como esta área de processo é realizada na Unidade Organizacional: (tamanho sugerido: 10 linhas) [ ] max 800 caracteres 2.4 Estimativa do Nível de Capacidade do processo atual na Unidade Organizacional: [ ] 2.5 Importância da área de processo para o desempenho global da Unidade Organizacional: [ ] Justifique: (tamanho sugerido: 10 linhas) [ ] max 800 caracteres 2.6 Risco de manter o desempenho atual da área de processo para o desempenho global da Unidade Organizacional: [ ] Justifique: (tamanho sugerido: 10 linhas) [ ] max 800 caracteres (... ) CFS, (C) Clenio F. Salviano,

16 Exemplo de cinco áreas de processo para uma determinada unidade organizacional Processo Identificado e (Modelo) GerR - Gerência de Projetos ( ) REQM - Gerência de Requisitos (CMMI- SE/SW) RD - Desenvolvim ento de Requisitos (CMMI- SE/SW) STE - Solução Técnica (MR- MPS) Como é executado (atualmente) Importância para a U.O. Risco para a U.O. Nível Nível Nível Cap. Descrição Descrição Descrição Não existe processo formal e/ou padronizado; cada analista de sistemas é responsável por vários projetos, de diversas áreas. Visando melhorar a produtividade do departamento, deve-se melhorar o cumprimento de prazos e alocação de recursos. 1 Média Médio Existe uma comunicação informal com o usuário, porém não existe documentação deste entendimento Não há refinamento dos requisitos para o desenvolvimento do produto Não existe documentação adequada e nem um padrão de teste a ser seguido. Alta Alta Alta O correto entendimento dos requisitos proporciona uma melhor elaboração dos projetos, bem como a definição de prazos de entrega Com o correto refinamento evita-se o retrabalho no desenvolvimento Alto Alto O atraso contínuo nas entregas pode comprometer a imagem do Departamento a longo prazo. Sem a devida documentação os requisito podem ser mal compreendidos e constantemente sofrem alterações dentro do projeto. Existe constantes mudanças durante o desenvolvimento do produto acarretando atrasos Uma boa Apesar dos documentação e constantes padrões de testes atrasos na entrega, são indispensável para conseguimos manter Médio evitar a um perda de bom nível de qualidade conhecimentos nos produtos e garantir a qualidade. entregues. Quadro de Relevância: Importância do processo para a unidade organizacional alto médio baixo LP STE GerP RD REQM baixo médio alto Risco: Potencial impacto negativo do processo atual LP - Liberação do Produto ( ) Muitas vezes o produto é liberado e não é feita 2 Média a confirmação formal da operação Garantir que o produto entregue satisfaça as necessidades do usuário Baixo Muistas vezes é necessário o retrabalho. adaptado de [de Petri et al. 2005] CFS, ISO/IEC : (6) Níveis de Capacidade ( ) e (48) Processos (12207 Amd2) Processos Fundamentais Grupo de Processos de Aquisição (ACQ) ACQ.1 Preparação da Aquisição ACQ.2 Seleção de Fornecedor ACQ.3 Acordo Contratual ACQ.4 Monitoramento de Fornecedor ACQ.5 Aceitação pelo Cliente Grupo de Processos de Fornecimento (SPL) SPL.1 Prospecção de Fornecimento SPL.2 Liberação de Produto SPL.3 Apoio para Aceitação do Produto Grupo de Processos de Engenharia (ENG) ENG.1 Elicitação de Requisitos ENG.2 Análise de Requisitos de Sistema ENG.3 Projeto da Arquitetura de Sistema ENG.4 Análise de Requisitos de Software ENG.5 Projeto de Software ENG.6 Construção de Software ENG.7 Integração de Software ENG.8 Teste de Software ENG.9 Integração de Sistema ENG.10 Teste de Sistema ENG.11 Instalação de Software ENG.12 Manutenção de Software e Sistema Grupo de Processos de Operação (OPE) OPE.1 Operação OPE.2 Suporte ao Cliente Níveis de Capacidade 5: Em Otimização 5.1 Inovação 5.2 Melhoria Contínua 4: Previsível 4.1 Medição 4.2 Controle 3: Definido 3.1 Definição 3.2 Implantação 2: Gerenciado 2.1 Gerência de Execução 2.2 Gerência de Produtos 1: Executado 1.1 Execução 0: Incompleto Processos Processos de Apoio Processos Organizacionais Grupo de Processos de Gerência (MAN) MAN.1 Alinhamento Organizacional MAN.2 Gerência Organizacional MAN.3 Gerência de Projeto MAN.4 Gerência da Qualidade MAN.5 Gerência de Riscos MAN.6 Medição Grupo de Processos de Melhoria de Processo (PIM) PIM.1 Estabelecimento de Processo PIM.2 Avaliação de Processo PIM.3 Melhoria de Processo Grupo de Processos de Recursos e Infraestrutura (RIN) RIN.1 Gerência de Recursos Humanos RIN.2 Treinamento RIN.3 Gerência de Conhecimento RIN.4 Infra-estrutura Grupo de Processos de Reuso (REU) REU.1 Gerência de Ativos REU.2 Gerência de Programa de Reuso REU.3 Engenharia de Domínio Grupo de Processos de Apoio (Support) (SUP) SUP.1 Garantia da Qualidade SUP.2 Verificação SUP.5 Auditoria SUP.8 Gerência de Configuração SUP.3 Validação SUP.6 Avaliação de Produto SUP.9 Gerência de Resolução de Problemas SUP.4 Revisão Conjunta SUP.7 Documentação SUP.10 Gerência de Solicitação de Mudança CFS, 2005 [Salviano 2005] 32 (C) Clenio F. Salviano,

17 Área CMMI-SE/SW MPS.BR Engenharia de Requisitos RD/REQM ER/ARS RE/GRE Construção de Software TS/PI PS/CS/IntS STE/ITP Manutenção de Software x MSS/GSM x Verificação e Validação VER/VAL TstS/Ve/Va VER/VAL Gerência de Projeto PP/PMC GerP GPR Garantia da Qualidade PPQA GarQ GQA Medição MA Med MED Gerência de Configuração CM GC GCO Aquisição SAM PAq/SF/ACo/MF/ACl AQU Fornecimento x PF/LP/AAP LIP Suporte ao Cliente x SupC x Engenharia de Domínio x EngD x Engenharia de Processo OPF/OPD EP/AP/MP DFP/AMP CFS, Área de Processo CRMP Processo de Gerência de Solicitações de Mudanças Change Request Management Process (CRMP) Processo SUP.10 da ISO/IEC Propósito: Garantir que as solicitações de mudanças são gerenciadas, acompanhadas e controladas ensure that change requests are managed, tracked and controlled CFS, (C) Clenio F. Salviano,

18 Como resultado de uma implementação com sucesso do processo de gerência de solicitação de mudança: uma estratégia para gerência de mudança é desenvolvida; solicitações de mudanças são armazenadas e identificadas; dependências e relacionamentos para outras solicitações de mudanças são identificadas; critérios para confirmação da implementação das mudanças solicitadas são definidos; solicitações de mudanças são priorizadas e os recursos requeridos são estimados; mudanças são aprovadas com base na prioridade das mudanças e disponibilidade de recursos; mudanças aprovadas são implementadas e acompanhadas até a conclusão; e o estado de todas as solicitações de mudanças é conhecido. CFS, CFG.4.BP1: Develop a change management strategy. A change management strategy is established and implemented to ensure changes can be described, recorded, analyzed, and actioned. [Outcome: 1] CFG.4.BP2: Record the request for change. Each change request is uniquely identified, and recorded. [Outcome: 2] CFG.4.BP3: Record the status of change requests. Change requests and changes are allocated a status indication to facilitate tracking. [Outcome: 8] NOTE 1: Provide traceability to the reason for the change. Change requests submitted as a resolution to a problem or error report should retain a link to the originating problem or error report. [Outcome: 3] CFG.4.BP4: Establish the dependencies and relationships to other change requests. Identify the relationship of a change request to other change requests to establish dependencies (e.g. towards another change to the same software element or for a set of changes related to a planned release). [Outcome: 3] CFS, (C) Clenio F. Salviano,

19 CFG.4.BP5: Assess the impact of the change. Assess the impact, resources, risks, and potential benefits of the change request and establish criteria for confirming implementation. [Outcome: 4,5] NOTE 2: A Change Request Board (CRB) is a common mechanism used to assess change requests. When conducting impact and resource assessment, the effect on the infrastructure and users must be considered together with the resources required for implementing the change, including likely costs, the number and availability of people and the elapsed time to implement. CFG.4.BP6: Identify the verification and validation activities to be performed for implemented changes. Before implementing a change the scope of verification and validation activities to be undertaken are identified. [Outcome: 7] CFS, CFG.4.BP7: Approve changes. All changes are approved before implementation. [Outcome: 6] CFG.4.BP8: Schedule the change. Approved changes are scheduled for implementation. [Outcome: 7, 5] NOTE 3: Scheduled changes may be incorporated into target releases. A packaged release may incorporate corrective and adaptive changes. Part of change scheduling will involve ensuring estimated resources and costs are within overall budget. CFG.4.BP9: Review the implemented change. All changes are reviewed after implementation and before closure to ensure that they had the desired effect and met their objectives. [Outcome: 7,8] CFS, (C) Clenio F. Salviano,

20 Área de Processo DE [ISO/IEC (*) ] Engenharia de Domínio (Domain Enginnering DE) Propósito: Desenvolver e manter modelos e arquiteturas do domínio e ativos para o domínio Objetivos: OE 1: Desenvolver e manter elementos do domínio (*): descrito como uma área de processo no formato do CMMI CFS, AP Engenharia de Domínio (Domain Enginnering DE) OE 1 Desenvolver e manter elementos do domínio. Desenvolver e manter modelos e arquiteturas do domínio e ativos para o domínio. PE 1.1 Selecionar representação do domínio. Selecionar as formas de representação para os modelos do domínio e arquitetura do domínio. PE 1.2 Estabelecer fronteiras do domínio. Estabelecer fronteiras do domínio e seus relacionamentos com outros domínios PE 1.3 Desenvolver modelo do domínio. Desenvolver um modelo do domínio que capture os pontos essenciais e diferentes características, capacidades, conceitos e funções do domínio. PE 1.4 Desenvolver arquitetura do domínio. Desenvolver uma arquitetura do domínio descrevendo a família de sistemas abrangida pelo domínio. PE 1.5 Definir ativos do domínio. Definir os ativos pertencentes ao domínio. PE 1.6 Adquirir ou desenvolver, e manter ativos. Adquirir ou desenvolver, e manter durante seu ciclo de vida, os ativos pertencentes ao domínio. PE 1.7 Manter modelos e arquiteturas do domínio. Manter os modelos do domínio e arquiteturas do domínio durante seu ciclo de vida. CFS, (C) Clenio F. Salviano,

21 Objetivo DE.1: Desenvolver e manter elementos domínio Desenvolver e manter elementos do domínio Estabelecer delimitações do domínio Selecionar representação do domínio Definir ativos do domínio Adquirir ou desenvolver, e manter ativos Desenvolver modelo do domínio Desenvolver arquitetura do domínio Manter modelo e arquitetura do domínio Modelo do Domínio Arquitetura do Domínio Ativos CFS, Quando DE não é bem feita Sintomas: Pouco reuso entre projetos Projetos novos são sempre surpresas e em novas áreas Tempo muito longo para desenvolver ou customizar soluções e o design do produto Por que se preocupar com isto? Porque Tendência de especialização das organizações de software, e sem uma engenharia de domínio CFS, (C) Clenio F. Salviano,

22 Área de Processo RD Desenvolvimento de Requisitos Requirements Development RD Propósito: Objetivos: Produzir e analisar requisitos do cliente, produto e componentes do produto OE 1: Desenvolver requisitos do cliente OE 2: Desenvolver requisitos do produto OE 3: Analisar e validar os requisitos CFS, Objetivo RD.1: Desenvolver requisitos do cliente Desenvolver requisitos do cliente Necessidades dos Stakeholders Coletar necessidades dos Stakeholders Desenvolver os requisitos dos clientes Elicitar necessidades Requisitos do Cliente CFS, (C) Clenio F. Salviano,

23 Objetivo RD.2: Desenvolver requisitos do produto Desenvolver requisitos do produto Requisitos do Cliente Estabelecer requisitos do produto e dos componentes do produto Alocar requisitos aos componentes do produto Identificar requisitos de interface Requisitos de Produto, Componente de Produto e Interface CFS, Objetivo RD.3: Analisar e validar os requisitos Analisar e validar os requisitos Estabelecer conceitos operacionais e cenários Estabelecer a definição da funcionalidade requerida Analisar requisitos Analisar requisitos para atingir balanço Validar requisitos Validar requisitos com metodos Requisitos de Produto, Componente de Produto e Interface Validar os Requisitos CFS, (C) Clenio F. Salviano,

Uma Experiência de Capacitação e Início de Melhoria de Processo de Software com o Método PRO2PI-WORK

Uma Experiência de Capacitação e Início de Melhoria de Processo de Software com o Método PRO2PI-WORK Uma Experiência de Capacitação e Início de Melhoria de Processo com o Método PRO2PI-WORK Flávia de Petri 1,4, Juliana Rodrigueiro 1,4, Luiz Mapelli 2,4, Vera Lúcia Oliveira 2,4 e Clênio F. Salviano 3,4,5

Leia mais

Uma visão pessoal, baseada em processos, para competitividade em software

Uma visão pessoal, baseada em processos, para competitividade em software I DO 2003 - Exportação de Software São Paulo, 08-10 de dezembro de 2003 Painel: A Qualidade nos Produtos e das Fábricas de Software e a Exportação Brasileira Uma visão pessoal, baseada em processos, para

Leia mais

V Simpósio Internacional de Recife, PE - Brasil 3-5/11/2003

V Simpósio Internacional de Recife, PE - Brasil 3-5/11/2003 Recife - PE, 3 de novembro de 2003 Tutorial: Introdução aos Modelos CMM, ISO/IEC 15504 (SPICE) e CMMI Clenio F. Salviano (clenio.salviano@cenpra.gov.br) Centro de Pesquisas Renato Archer DMPS: Divisão

Leia mais

Este atributo evidencia o quanto o processo atinge o seu propósito

Este atributo evidencia o quanto o processo atinge o seu propósito Alterações no Guia Geral:2011 Este documento lista todas as alterações realizadas nos resultados esperados de processos e resultados esperados de atributos de processo presentes no MR-MPS versão de 2011

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

Introdução aos Modelos de Capacidade de Processo do CMMI, MPS-BR, ISO/IEC 15504 e outros Clênio F. Salviano e Alfredo Tsukumo

Introdução aos Modelos de Capacidade de Processo do CMMI, MPS-BR, ISO/IEC 15504 e outros Clênio F. Salviano e Alfredo Tsukumo Introdução aos Modelos de Capacidade de Processo do CMMI, MPS-BR, ISO/IEC 15504 e outros Clênio F. Salviano e Alfredo Tsukumo Este tutorial apresenta uma visão geral, estrutura e principais elementos dos

Leia mais

Descrição das Áreas de Processo

Descrição das Áreas de Processo Descrição das Áreas de Processo Níveis 2 e 3 Foco em CMMI para SW INF326 - Modelos de Qualidade de SW - Mario L. Côrtes CMMI parte B 5B - 1 Convenções gráficas Repositório de Medições Repositório de Informações

Leia mais

Gestão de Projetos CMMI e outros modelos de referência

Gestão de Projetos CMMI e outros modelos de referência Gestão de Projetos CMMI e outros modelos de referência Autora: Ivanise M. Gomes IO SEPG Manager Mercosur General Motors do Brasil, IS&S Agenda Ø Introdução Ø Visão Estratégica Ø Malcolm Baldrige Ø ISO

Leia mais

Uma Proposta Orientada a Perfis de Capacidade de Processo para Evolução da Melhoria de Processo de Software

Uma Proposta Orientada a Perfis de Capacidade de Processo para Evolução da Melhoria de Processo de Software Departamento de Engenharia de Computação e Automação Industrial Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Estadual de Campinas DCA FEEC Unicamp Tese de Doutorado Março 2006 Orientador:

Leia mais

25/05/2015. Um pouco de história. O Modelo CMMI. Capability Maturity Model Integration (CMMI) Capability Maturity Model (CMM)

25/05/2015. Um pouco de história. O Modelo CMMI. Capability Maturity Model Integration (CMMI) Capability Maturity Model (CMM) DCC / ICEx / UFMG Um pouco de história O Modelo CMMI Na década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Objetivos Fornecer software

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Melhores Práticas para Melhoria do Processo de Software 22 de maio de 2006 Agenda Introdução Motivações para a Melhoria de Processos e sua importância Modelos de Qualidade de

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Definição do Modelo de Processo

Definição do Modelo de Processo Definição do Modelo de Processo 1. Introdução 1.1. Finalidade Mapear práticas sugeridas (i) pelo Padrão para Gestão de Portfólio do PMI, (ii) pelo Modelo de Referência do MPS.BR e (iii) pela Norma ISO/IEC

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Qualidade em TIC: Principais normas e modelos

Qualidade em TIC: Principais normas e modelos Qualidade em TIC: Principais normas e modelos "Falta de tempo é desculpa daqueles que perdem tempo por falta de métodos." Albert Einstein CMMI Visão Geral Three Complementary Constellations CMMI-DEV fornece

Leia mais

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas 1 2 1 (II-MPS.BR) Incremental

Leia mais

PRO2PI: Perfis de Capacidade de Processo para Melhoria de Processo

PRO2PI: Perfis de Capacidade de Processo para Melhoria de Processo # Programa Brasileiro de EQPS - Belém, PA Qualidade e Produtividade 23-24 de novembro de 26 Projeto 4.7, Ciclo 25 3º lugar PRO2PI: Perfis de Capacidade de Processo para Melhoria de Processo Clenio F. Salviano

Leia mais

Propondo um Método de Avaliação de Processo de Software em Micro Empresas Incubadas

Propondo um Método de Avaliação de Processo de Software em Micro Empresas Incubadas Propondo um Método de Avaliação de Processo de Software em Micro Empresas Incubadas Kênia Karim Pickler 1, Christiane Gresse von Wangenheim 1, Clenio Figueiredo Salviano 2 1 Universidade do Vale do Itajaí

Leia mais

A Gestão do Conhecimento por Meio da Aplicação de Modelos de Qualidade em Tecnologia da Informação

A Gestão do Conhecimento por Meio da Aplicação de Modelos de Qualidade em Tecnologia da Informação A Gestão do Conhecimento por Meio da Aplicação de Modelos de Qualidade em Tecnologia da Informação Prof. Dr. Jorge H C Fernandes Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília Junho de

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev

Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev Artigos técnicos selecionados Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev Rosana Fernandes Osório, Guilherme Tavares Motta Coordenação Geral de Qualidade de Software

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação CMMI Visão Geral Agenda Um histórico dos modelos CMM e CMMI Modelo CMMI Suíte do modelo Representações Níveis de maturidade Áreas de processo

Leia mais

Modelo de Referência para melhoria de processo do software (MR-MPS)

Modelo de Referência para melhoria de processo do software (MR-MPS) Modelo de Referência para melhoria de processo do software (MR-MPS) Ana Regina Rocha Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo Objetivo Melhoria de processos de software na grande massa de micro, pequenas

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, MSc rafael.espinha@primeup.com.br João Condack, MSc condack@primeup.com.br Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Gerenciando Riscos

Leia mais

Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa

Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa Odair Jacinto da Silva 1, Carlos Alberto Borges 1, Clênio Sampaio Salviano 2, Adalberto N. Crespo

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

SPICE e ISO 15504. Jorge H C Fernandes 2004

SPICE e ISO 15504. Jorge H C Fernandes 2004 SPICE e ISO 15504 Jorge H C Fernandes 2004 SPICE: Um Framework para a Avaliação Integrada de Processos de Software [SPICE 1] Process Identifies changes to Is examined by Process Assessment Identifies capability

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao CMMI-SE/SW

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao CMMI-SE/SW Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao CMMI-SE/SW Christiane Gresse von Wangenheim 1, Kênia Karim Pickler 1, Marcello Thiry 1, Alessandra Casses Zoucas 1, Clenio

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

CMMI Capability Maturity Model Integration

CMMI Capability Maturity Model Integration www.asrconsultoria.com.br CMMI Capability Maturity Model Integration Visão Geral Capability Maturity Model and CMMI are registered in the U.S. Patent and Trademark Office 1 Agenda Introdução Maturidade

Leia mais

CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações www.asrconsultoria.com.br

CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações www.asrconsultoria.com.br 30 de outubro de 2003 CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações Renato Luiz Della Volpe Sergio Massao Jomori Ana Cecília Peixoto Zabeu www.asrconsultoria.com.br 1 Agenda Introdução Evolução

Leia mais

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos. CMM Capability Maturity Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.br 8/3/2002 Pró-Reitoria de Administração - Diretoria de Serviços

Leia mais

Qualidade do Processo de Software

Qualidade do Processo de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Qualidade do Processo de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Rodrigo Araujo Barbalho 1, Marília Paulo Teles 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Faculdade de Computação

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Quem Somos CMM/ CMMI. ISO 9000 PNQ ISO 12207 ISO 15504 ITIL Outros modelos. Gestão Sistêmica da. Alinhamento às Diretrizes Organizacionais.

Quem Somos CMM/ CMMI. ISO 9000 PNQ ISO 12207 ISO 15504 ITIL Outros modelos. Gestão Sistêmica da. Alinhamento às Diretrizes Organizacionais. Quem Somos Missão Promover a melhoria e a busca da excelência na gestão organizacional e o aperfeiçoamento contínuo dos processos dos nossos clientes, por meio de modelos e padrões de qualidade adequados

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade VI GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Capability Maturity Model Integration CMMI SW-CMM (Software Capability Maturity Model): prove informações para o aprimoramento de processos de desenvolvimento

Leia mais

HERON VIEIRA AGUIAR PEPP: PROCESSO DE SOFTWARE PARA EMPRESAS DE PEQUENO PORTE BASEADO NO MODELO CMMI

HERON VIEIRA AGUIAR PEPP: PROCESSO DE SOFTWARE PARA EMPRESAS DE PEQUENO PORTE BASEADO NO MODELO CMMI HERON VIEIRA AGUIAR PEPP: PROCESSO DE SOFTWARE PARA EMPRESAS DE PEQUENO PORTE BASEADO NO MODELO CMMI Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Lavras como

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

Avaliação de Processos para Início de Programas de Melhoria em Micro e Pequenas Empresas de Software

Avaliação de Processos para Início de Programas de Melhoria em Micro e Pequenas Empresas de Software Avaliação de Processos para Início de Programas de Melhoria em Micro e Pequenas Empresas de Software Alessandra Anacleto 1, Christiane Gresse von Wangenheim 2 e Clenio F. Salviano 3 1 Universidade Federal

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

Capability Maturity Model and CMMI are registered in the U.S. Patent and Trademark Office

Capability Maturity Model and CMMI are registered in the U.S. Patent and Trademark Office Capability Maturity Model and CMMI are registered in the U.S. Patent and Trademark Office Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng.

Leia mais

Uma Abordagem para a Implementação Multi- Modelos de Qualidade de Software Adotando a CERTICS e o CMMI-DEV

Uma Abordagem para a Implementação Multi- Modelos de Qualidade de Software Adotando a CERTICS e o CMMI-DEV Revista de Sistemas de Informação da FSMA n. 16 (2015) pp. 26-40 Uma Abordagem para a Implementação Multi- Modelos de Qualidade de Software Adotando a CERTICS e o CMMI-DEV Fabrício Wickey da Silva Garcia,

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível

Leia mais

ISO 9001:2000, MPS.BR F, CMMI 3: Uma estratégia de melhoria de processos na BL Informática

ISO 9001:2000, MPS.BR F, CMMI 3: Uma estratégia de melhoria de processos na BL Informática ISO 9001:2000, MPS.BR F, CMMI 3: Uma estratégia de melhoria de processos na BL Informática Gerente de Desenvolvimento Analia Irigoyen Ferreiro Ferreira analia@blnet.com Agenda BL Informática Histórico

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

Avaliação e Melhoria do Processo Organizacional

Avaliação e Melhoria do Processo Organizacional Avaliação e Melhoria do Processo Organizacional (AMP) Alinhada ao MPS.BR e PGQP Isabel Albertuni isabel.albertuni@qualita.inf.br Graduada em Análise de Sistemas pela FARGS em 2008. Autora de artigos na

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 2. Qualidade do

Leia mais

Análise da Maturidade de um Processo de Teste Orientado a Artefatos

Análise da Maturidade de um Processo de Teste Orientado a Artefatos Análise da Maturidade de um Processo de Teste Orientado a Artefatos Paulo M. S. Bueno 1*, Adalberto N. Crespo 1, Mario Jino 2 1 Divisão de Melhoria de Processo - CenPRA Rodovia Dom Pedro I, km 143,6 -

Leia mais

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM UM BREVE DESCRITIVO DO MODELO MPS-BR (MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO) E SUAS PERSPECTIVAS PARA O FUTURO CLÉVERSON TRAJANO PRÉCOMA PORTES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Melhoria de Processos de Software com o MPS.BR

Melhoria de Processos de Software com o MPS.BR Melhoria de Processos de Software com o MPS.BR Prof. Dr. Marcos Kalinowski (UFF) kalinowski@acm.org Agenda do Curso Motivação para processos de software Visão geral do programa MPS.BR e do modelo MPS-SW

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Implementando CMMi utilizando uma combinação de Métodos Ágeis. Implementing CMMi using a Combination of Agile Method

Implementando CMMi utilizando uma combinação de Métodos Ágeis. Implementing CMMi using a Combination of Agile Method Implementando CMMi utilizando uma combinação de Métodos Ágeis Implementing CMMi using a Combination of Agile Method Rhavy Maia Guedes IN1149 Qualidade, Processo e Gestão de Software Agenda 2 Introdução

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Project Management Activities

Project Management Activities Id Name Duração Início Término Predecessoras 1 Project Management Activities 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 2 Plan the Project 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 3 Define the work 15 dias Sex 05/10/12

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática na área de Sistemas de Informação UFRJ/IM Pós-Graduado em Análise, Projeto e Gerência de Sistemas PUC Pós-Graduado

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Mestre em Informática na área de Sistemas de Informação

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software André Mesquita Rincon Instituto de Informática/Universidade Federal de Goiás (UFG) Goiânia GO Brasil Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas/Fundação

Leia mais

TI Digital: Rede Social Corporativa alavancando produtividade em desenvolvimento de sistemas com modelo CMMI

TI Digital: Rede Social Corporativa alavancando produtividade em desenvolvimento de sistemas com modelo CMMI TI Digital: Rede Social Corporativa alavancando produtividade em desenvolvimento de sistemas com modelo CMMI Autores Caroline Donato Dario Almeida Marisa Fraga Apresentação Dario Almeida Gerente Executivo

Leia mais

Implementando MPS BR nível F como preparação para certificação CMMi nível 3

Implementando MPS BR nível F como preparação para certificação CMMi nível 3 Implementando MPS BR nível F como preparação para certificação CMMi nível 3 Analia Irigoyen Ferreiro Ferreira 1, Roberta Cerqueira 1, Gleison Santos 2 1 BL Informática Ltda. Av. Visconde do Rio Branco

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Cláudia Maria Lima Werner. werner@cos.ufrj.br Programa de Engenharia de Sistemas e Computação COPPE/UFRJ

Cláudia Maria Lima Werner. werner@cos.ufrj.br Programa de Engenharia de Sistemas e Computação COPPE/UFRJ Gerência da Reutilização de Software Cláudia Maria Lima Werner werner@cos.ufrj.br Programa de Engenharia de Sistemas e Computação COPPE/UFRJ Tópicos Parte I Fundamentos Parte II Aspectos Gerenciais Parte

Leia mais

Resumo. 1. Introdução. Abstract. 2. Motivação

Resumo. 1. Introdução. Abstract. 2. Motivação Um Estudo para a Definição de Processos das Gerências da Qualidade e da Configuração em um Ambiente Integrado para Apoio ao Desenvolvimento e Gestão de Projetos de Software Abdala, Martha A. D.; Lahoz,

Leia mais

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I

Normas e Padrões de Qualidade em Software - I Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em - I Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Certificação da Qualidade Certificações emitidas por entidades públicas conceituadas: 9 ABIC Selo

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Governança de TI: Aspectos Gerenciais

Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança de TI: Aspectos Gerenciais 1 Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança é a forma como a estrutura organizacionalestá

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

Capítulo 5: CMMI, o Capability Maturity Model Integration

Capítulo 5: CMMI, o Capability Maturity Model Integration Capítulo 5: CMMI, o Capability Maturity Model Integration Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI

Leia mais

ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619

ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Gap Analysis ITIL ISO 20.000 Gerenciamento de Serviços de TI Integrado com Negócio Avalie seus processos de TI ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Agenda Gap Analysis ITIL ISO 20.000: Benefícios;

Leia mais

Qualidade de Processo de Software. Implementação de Melhoria de Processos de Software

Qualidade de Processo de Software. Implementação de Melhoria de Processos de Software Qualidade de Processo de Software Implementação de Melhoria de Processos de Software Sumário Conceitos de Melhoria de Processos de Software (MPS) Implementação de Processos com Modelos e Normas de Qualidade

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais