Implantação de um Processo de Medições de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implantação de um Processo de Medições de Software"

Transcrição

1 Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS

2 Agenda Introdução Processo de Medições de Software PSM PA: Medições e Análise Análise de Pontos de Função

3 Processo de Medições POR QUE MEDIR? Não se pode gerenciar o que não se pode medir

4 Processo de Medições Por Que Medir Indicar a qualidade do Produto Avaliar a produtividade do processo Melhorar a gerência de projetos e relacionamento com clientes Formar uma Baseline para estimativas Gerenciar contratos de software

5 Processo de Medições Um Processo de Medições deve: Fornecer uma base para melhoria contínua do processo Quantificar qualidade e produtividade Estar integrado com o ciclo de vida Medir o impacto de vários métodos, ferramentas, e técnicas de melhoria

6 Processo de Medições Princípios para um Processo de Medições Medições devem ser usadas para medir processos, não pessoas O processo de medição deve ter objetivos claros e bem-definidos O processo de medição deve ser fortemente acoplado com o processo de gerência da qualidade e integrado dentro de planos e orçamentos O processo de coleta de dados deve ser simples, e ferramentas automáticas para extração de dados devem ser usadas. As medições devem ser repetíveis e independente do observador O processo de medição é um processo contínuo e sujeito a melhoria Os resultados das métricas deve ser compartilhado com os desenvolvedores

7 PROBLEMAS: Blindly Jump into a Software Measurement Program Overkill Processo de Medições Muitos dados, desperdício de esforço Measurement Dysfunction Avaliação de pessoas- Tell-Them-What-They-Want-to-Hear Measurement Mismatch Medidas erradas, ambíguas ou inconsistentes Process Mismatch Medidas que reforçam os processos errados

8 PSM PSM -Practical Software Measurement

9 PSM O que é o PSM Uma abordagem para o gerenciamento a partir de fatos, destinada aos gerentes de projetos de software.

10 PSM Como Funciona o PSM O PSM utiliza dois modelos integrados: Modelo de Informação para Medição Fornece um caminho para a seleção das medidas a serem utilizadas. - Modelo do Processo de Medição Serve de guia para a implementação do PSM

11 Modelo de Informação Necessidades de Informação Produtos de Informação

12 Modelo de Processo Objetivos e Questões Processos Técnicos e Gerenciais Feedback do Usuário Resultados de Análise Estabelecer e Sustentar Compromissos Atividades Centrais da Medição Planejar Medição Plano de Medição Novas Questões Executar Medição Escopo do PSM Ações de Melhoria Avaliar Medição Resultados de Análise e Medidas de Desempenho

13 Processo disciplinado Introdução ao CMMI Processo padronizado, consistente Processo previsível 3 - Definido Foco no Processo da Organização Definição do Processo da Organização Programa de Treinamento Gerência de Software Integrada Engenharia de Produto de Software Coordenação entre Grupos Revisão por Pares 2 - Repetível Gerência de Requisitos Planejamento de Projetos de Software Acompanhamento de Projetos de Software Garantia da Qualidade de Software Gerência de Configuração de Software Gerência de Subcontratação de Software Melhoria contínua 4 - Gerenciado Gerência Quantitativa de Processos Gerência Qualitativa de Software 5 - Otimização Prevenção de Defeitos Gerência de Mudança de Tecnologia Gerência de Mudança de Processo

14 Introdução ao CMMI Modelo CMMI Nível de Maturidade 1 Inicial 2 Gerenciado 3 Definido Representação por estágios 4 Gerenciado Quantitativamente 5 Otimização

15 Introdução ao CMMI Estrutura do Modelo CMMI Níveis de Maturidade Área de Processo 1 Área de Processo 2 Área de Processo n Objetivos Específicos Objetivos Genéricos Características Comuns Compromisso para realizar Habilidade para executar Diretrizes para implementação Verificação da implementação Práticas Específicas Práticas Genéricas

16 Medição e Análise O propósito da Medição e Análise é desenvolver e sustentar uma capacidade de medição que é usada para suportar gerencialmente as necessidades de informação. Necessidades de Informação Produtos de Medição

17 Medição e Análise A PA Medição e Análise envolve o seguinte: Especificação dos objetivos de medição e análise de forma que estes sejam alinhados com as necessidades de informação identificadas e objetivos; Especificação das medidas, mecanismos de coleta de dados e de armazenamento, técnicas de análise, e mecanismos de comunicação e de feedback; Implementação da coleta, armazenamento, análise, e comunicação dos dados; Fornecimento de resultados objetivos que podem ser usados na tomada de decisão e implementação de ações corretivas apropriadas.

18 Medição e Análise Planejamento de Projeto Controle e Acompanhamento do Projeto Gerência de Configuração Desenvolvimento de Requisitos Gerência de Requisitos Definição do Processo Organizacional Gerência de Projeto Quantitativa

19 Medição e Análise Objetivos Específicos (SGs) SG1: Alinhar as Atividades de Medição e de Análise Os objetivos e as atividades de medição devem ser alinhados com as necessidades de informação e objetivos identificados. Práticas Específicas (SPs) SP 1.1 Estabelecer Objetivos de Medição SP 1.2 Especificar medidas SP 1.3 Especificar Procedimentos de coleta e armazenamento de dados SP 1.4 Especificar Procedimentos de Análise

20 Medição e Análise Objetivos Específicos (SGs) SG2: Fornecer Resultados de Medição Os resultados de medição relativos às necessidades de informação e objetivos devem ser fornecidos. Práticas Específicas (SPs) SP 2.1 Coletar Dados de Medição SP 2.2 Analisar Dados de Medição SP 2.3 Armazenar Dados e Resultados SP 2.4 Comunicar Resultados

21 Medição e Análise Objetivos Genéricos (SGs) GG2: Institucionalizar um Processo Gerenciado O processo é institucionalizado como um processo gerenciado. Práticas Genéricas (GPs) GP 2.1 (CO 1)Estabelecer a Política Organizacional GP 2.2 (AB 1) Planejar o Processo GP 2.3 (AB 2) Fornecer Recursos GP 2.4 (AB 3) Associar Responsabilidade GP 2.5 (AB 4) Treinar Pessoas GP 2.6 (DI 1) Gerenciar Configurações GP 2.7 (DI 2) Identificar e Envolver Stakeholders Relevantes GP 2.8 (DI 3) Monitorar e Controlar o Processo GP 2.9 (VE 1) Avaliar Objetivamente a Aderência GP 2.10 (VE 2)Rever o Status com Alta Administração

22 Medição e Análise Objetivos Genéricos (SGs) GG3: Institucionalizar um Processo Definido O Processo é institucionalizado como um processo definido. Este objetivo não é requerido pelo nível 2, no entanto é requerido pelo nível 3. Práticas Genéricas (GPs) GP 3.1 Estabelecer um Processo Definido GP 3.2 Coletar Informação de Melhoria

23 Análise de Pontos por Função = 1000 PF Pontos de Função (PF) É uma medida de dimensionamento de software através da funcionalidade implementada em um sistema, sob o ponto de vista do usuário.

24 Análise de Pontos por Função Medir a funcionalidade requisitada e recebida pelo usuário Medir Projetos de Desenvolvimento e de Manutenção independentemente da tecnologia utilizada Publicado como Padrão Internacional - ISO/IEC 20926

25 Análise de Pontos por Função APF relata diretamente os requisitos do negócio. APF é independente da tecnologia utilizada. APF torna possível as estimativas nas fases iniciais do processo de desenvolvimento de software. APF fornece facilidade para uma reestimativa APF fornece suporte ao gerenciamento do Projeto APF apoia a análise de produtividade e qualidade

26 Análise de Pontos por Função Visão Geral Consultas Externas (Sem Dados Derivados) Fronteira da Aplicação APLICAÇÃO Saídas Externas ( Com Dados Derivados) Arquivos Lógicos Internos Entradas Externas Funções de dados Funções transacionais Arquivos de Interface Externa Outra Aplicação Arquivo Lógico Interno

27 Contagem de PF Determinar Tipo de Contagem Identificar Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação Contar Funções de Dados Contar Funções Transacionais Determinar os PF Não Ajustados Determinar o Fator de Ajuste Calcular os PF Ajustados

28 Contagem de PF Determinar Tipo de Contagem TIPOS DE CÁLCULO DE PONTOS DE FUNÇÃO Contagem de PF de Projetos de Desenvolvimento - PF associados com a instalação inicial de um software novo Contagem de PF de Projetos de Manutenção - PF associados com a melhoria de um software já existente (inclui funcionalidade que é adicionada, modificada ou excluída) Contagem de PF de Aplicações - PF associados com uma aplicação instalada - Funcionalidade da aplicação no ponto de vista do usuário

29 Contagem de PF Identificar Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação A fronteira é determinada baseada na visão do usuário. O foco é no que o usuário pode entender e descrever. É a interface conceitual entre a aplicação Interna e o mundo do usuário externo Ponto de vista do usuário Baseada na funcionalidade do negócio, Não na implementação tecnológica

30 Contagem de PF Contar Funções de Dados Arquivos Lógicos Internos São grupos de dados ou informações de controle especificados pelo usuário logicamente relacionados, cuja manutenção é efetuada dentro da fronteira da aplicação. Armazenar dados mantidos através de um ou mais processos elementares da aplicação sendo contada.

31 Contagem de PF Contar Funções de Dados Arquivos de Interface Externa São grupos de dados ou informações de controle especificados pelo usuário logicamente relacionados, cuja manutenção é efetuada dentro da fronteira de outra aplicação Armazenar dados referenciados através de um ou mais processos elementares da aplicação sendo contada.

32 Contagem de PF Contar Funções Transacionais Entradas Externas Uma Entrada Externa é um processo elementar que processa dados ou informações de controle que vem do lado de fora da fronteira da aplicação. Manter um ou mais Arquivo Lógico Interno e/ou alterar o comportamento do sistema.

33 Contagem de PF Contar Funções Transacionais EXEMPLO: ENTRADA EXTERNA

34 Contagem de PF Contar Funções Transacionais Saídas Externas Uma Saída Externa é um processo elementar que envia dados ou informação de controle para fora da fronteira da aplicação. Apresentar informação para um usuário através de processamento lógico adicional a recuperação de dados ou informação de controle. O processamento lógico deve conter no mínimo uma fórmula matemática ou cálculo, ou criar de dados derivados.

35 Contagem de PF Contar Funções Transacionais Saídas Externas Uma Saída Externa PODE também manter um ou mais Arquivos Lógicos Internos e/ou alterar o comportamento do sistema.

36 Contar Funções Transacionais Contagem de PF EXEMPLO: SAÍDA EXTERNA Gráfico de Distribuição das Funções

37 Contagem de PF Contar Funções Transacionais Consultas Externas Consulta Externa é um processo elementar que envia dados ou informação de controle para fora da fronteira da aplicação. Apresentar informação para o usuário através da recuperação de dados ou informação de controle de um ALI ou AIE. O processamento Lógico NÃO contém fórmulas matemáticas ou cálculos, NÃO cria dados derivados. Além disso, NÃO mantém Arquivos Lógicos Internos durante o processamento, nem altera o comportamento do sistema.

38 Contagem de PF Contar Funções Transacionais EXEMPLO: CONSULTA EXTERNA

39 Contagem de PF Determinar os PF Não Ajustados Tabela de Cálculo TIPO DE COMPLEXIDADE TOTAL TOTAL FUNÇÃO FUNCIONAL COMPLEX. TIPO FUNÇÃO ARQUIVO LÓGICO INTERNO ARQUIVO DE INTERFACE EXTERNA ENTRADA EXTERNA SAÍDA EXTERNA CONSULTA EXTERNA SIMPLES X 7 = MÉDIA X 10 = COMPLEXA X 15 = SIMPLES X 5 = MÉDIA X 7 = COMPLEXA X 10 = SIMPLES X 3 = MÉDIA X 4 = COMPLEXA X 6 = SIMPLES X 4 = MÉDIA X 5 = COMPLEXA X 7 = SIMPLES X 3 = MÉDIA X 4 = COMPLEXA X 6 = * * * TOTAL DE PONTOS DE FUNÇÃO NÃO - AJUSTADOS =

40 Contagem de PF Determinar o Fator de Ajuste Cálculo do Fator de Ajuste Nível de Influência Total (NIT) NIT = Σ Características Gerais do Sistema FATOR DE AJUSTE (FA) FA = ( NIT * 0,01 ) + 0,65

41 Contagem de PF Calcular os PF Ajustados Cálculo de PFs Ajustados - Cálculo de PF de um Projeto de Desenvolvimento PF_DESENVOLVIMENTO = PF_NÃO_AJUSTADO * FATOR_AJUSTE - Cálculo de PF de um Projeto de Manutenção PF_MANUTENÇÃO = ((PF_INCLUÍDO + PF_ALTERADO)* FA_ATUAL) + (PF_EXCLUÍDO*FA_ANTERIOR)

42 Contagem de PF Calcular os PF Ajustados Cálculo de PFs Ajustados - Cálculo de PF de uma Aplicação já Implantada PF_APLICAÇÃO = PF_NÃO_AJUSTADO * FATOR_AJUSTE - Cálculo de PF de uma Aplicação a partir de um Desenvolvimento PF_APLICAÇÃO = PF_DESENVOLVIMENTO - (PF_CONVERSÃO * FATOR_AJUSTE) - Cálculo de PF de uma Aplicação após um Projeto de Manutenção PF_APLICAÇÃO = (PF_NÃO_AJUSTADO + PF_INCLUÍDO + PF_ALTERADO_ATUAL - PF_ALTERADO_ANTERIOR - PF_EXCLUÍDO) * FA_ATUAL

43 Requisitos Medições para Mudança de Escopo Gerencial Projeto Funcional Projeto Detalhado Aplicação Entregue 100 PFs 120 PFs 130 PFs 135 PFs Tela para entrada de dados modificada (3PFs) Arquivo adicionado (10 PFs) Consulta adicionada (7 PFs) Nova tabela adicionada (10 PFs) Relatório de sumário adicionado (5 PFs) Impacto Esforço Cronograma Custo + 1 mês + 2 semanas + $ mês + 1 semana + $ mês dias + $1250

44 Medições & Qualidade Total Quality Management Melhoria Contínua Foco no Cliente Melhoria do Processo Métricas, Modelos, Medições e Análises Peopleware A C P D

45 Medições & Qualidade Resultados Melhorias Produtividade Qualidade Satisfação do Cliente Custos Medições Baseline Estatísticas de Projeto/Aplicação Atributos de Projeto/Aplicação Programas Pessoal Métodos/técnicas Tecnologia Ambiente Ações Decisões Oportunidades Quais são nossos pontos fortes? Quais são nossas oportunidades de melhoria?

46 Contato Claudia Hazan MSc. Qualidade de Software Certified Function Point Specialist Consultora de Qualidade de Software Tel: (21) SERPRO: BFPUG: DI PUC-Rio:

Análise de Pontos por Função

Análise de Pontos por Função Análise de Pontos por Função Uma Aplicação na Gerência de Subcontratação de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Agenda! Introdução à Gerência de Subcontratação! Melhores Práticas:!

Leia mais

Function Point Analysis: Uma Aplicação na Gestão de Projetos de Manutenção de Software

Function Point Analysis: Uma Aplicação na Gestão de Projetos de Manutenção de Software Function Point Analysis: Uma Aplicação na Gestão de Projetos de Manutenção de Software Claudia Hazan, CFPS CENÁRIO MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Definição Desenvolvimento Manutenção GERÊNCIA DA MANUTENÇÃO Planejar

Leia mais

Definition of a Measurement Guide for Data Warehouse Projects

Definition of a Measurement Guide for Data Warehouse Projects Definition of a Measurement Guide for Data Warehouse Projects Claudia Hazan Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO) SGAN Quadra 601 Modulo V Brasilia, DF, CEP: 70836-900 BRAZIL 1 Agenda Cenário:

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Claudia Hazan, MSc. Claudinhah@yahoo.com

Claudia Hazan, MSc. Claudinhah@yahoo.com Implementação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Qualidade de Software Medições de Software Análise de

Leia mais

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS

Pontos de Função. André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos. Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Pontos de Função André Chastel Lima Andréia Ferreira Pinto Diego Souza Campos Engenharia de Software Mestrado Ciência da Computação - UFMS Roteiro Introdução Métricas de Projeto Análise de Pontos de Função

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de Software AULA NÚMERO: 13B DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar, discutir o conceito de métricas de software orientadas a função. DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Introdução - Cenário

Introdução - Cenário Como evitar Armadilhas em Contratos de Software Baseados na Métrica Pontos de Função Claudia Hazan Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO) 1 Introdução - Cenário Demanda crescente por Sistemas

Leia mais

Como Definir Processos de Estimativas aderentes às Melhores Práticas do CMMI?

Como Definir Processos de Estimativas aderentes às Melhores Práticas do CMMI? Como Definir Processos de Estimativas aderentes às Melhores Práticas do CMMI? Claudia Hazan Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO) Cenário Sintomas da Crise do Software As estimativas de prazo

Leia mais

V Simpósio Internacional de Recife, PE - Brasil 3-5/11/2003. Especificação de Indicadores para Gestão de Requisitos

V Simpósio Internacional de Recife, PE - Brasil 3-5/11/2003. Especificação de Indicadores para Gestão de Requisitos Especificação de Indicadores para Gestão de Requisitos Claudia Hazan, MSc.,CFPS claudinhah@yahoo.com Cenário Agenda Modelo CMM e CMMI Gerência de Requisitos Indicadores de Rastreabilidade Indicadores de

Leia mais

Pontos de Função na Engenharia de Software

Pontos de Função na Engenharia de Software Pontos de Função na Engenharia de Software Diana Baklizky, CFPS Este documento contém informações extraídas do Manual de Práticas de Contagem do IFPUG. Essas informações são reproduzidas com a permissão

Leia mais

Integrando o PSM ao COBIT

Integrando o PSM ao COBIT Integrando o PSM ao COBIT Diana Baklizky, CFPS Qualified PSM Instructor ti MÉTRICAS Ltda www.metricas.com.br 1 Agenda Objetivo Governança de TI COBIT 4.1 Como o PSM pode ajudar Caso Prático Conclusão Referências

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço Service Level Management SLM Gerenciamento de Níveis de Serviço 1 É o balanço o entre... Qualidade dos serviços entregues Expectativa do cliente 2 Processo: Definições Service Level Management (SLM) Têm

Leia mais

Planejamento de Projetos. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista )

Planejamento de Projetos. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Qualidade de Software Aula 9 (Versão 2012-01) 01) Planejamento de Projetos Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Revisando...

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps)

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto mps Br: Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software CMMI SPICE SCAMPI MODELO PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Gerenciamento de Níveis de Serviço

Gerenciamento de Níveis de Serviço Gerenciamento de Níveis de Serviço O processo de Gerenciamento de Níveis de Serviço fornece o contato entre a organização de TI e o cliente, para garantir que a organização de TI conhece os serviços que

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais

Fábrica de Software Fatores motivadores, restrições e tendências

Fábrica de Software Fatores motivadores, restrições e tendências Fábrica de Software Fatores motivadores, restrições e tendências Aguinaldo Aragon Fernandes Agenda Revisitando o conceito e escopo da fábrica de software Implicações do uso do conceito de Fábrica de Software

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Gerência de Configuração em Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização

Gerência de Configuração em Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização Gerência de Configuração em Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização Sávio Figueiredo, Gleison Santos, Ana Regina Rocha COPPE UFRJ {savio, gleison, darocha}@cos.ufrj.br SBQS 2004

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Análise de Ponto de Função

Análise de Ponto de Função Complemento para o Curso Análise de Ponto de Função FUNÇÕES DO TIPO DADO O termo Arquivo não significa um arquivo do sistema operacional, como é comum na área de processamento de dados. Se refere a um

Leia mais

Uma Aplicação da Análise de Pontos de Função

Uma Aplicação da Análise de Pontos de Função Uma Aplicação da Análise de Pontos de Função no Planejamento e Auditoria de Custos de Projetos de Desenvolvimento de Sistemas Renato Cesar da Cunha Ferreira renato.cesar@papem.mar.mil.br Pagadoria de Pessoal

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Qualidade de Software Produto de Software Processo de Software Modelo de Qualidade CMM Qualidade Qualidade de Software Na visão popular: Luxo Mais caro, complexo = maior

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações

I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações I Seminário sobre Segurança da Informação e Comunicações GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA (GSI/PR) OBJETIVO Identificar a Metodologia de Gestão de SIC na APF AGENDA Gestão

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Medição de tamanho para Sistemas de Data Mart

Medição de tamanho para Sistemas de Data Mart 1 Universidade Católica de Brasília Programa de Pós-Graduação em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação Medição de tamanho para Sistemas de Data Mart Angélica Toffano Seidel Calazans Orientadores:

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais

Análise de Pontos por Função - O Processo de contagem

Análise de Pontos por Função - O Processo de contagem Análise de Pontos por Função - O Processo de contagem A seguir apresento uma versão do capítulo sobre o processo de contagem da APF que faz parte de minha monografia para conclusão do curso de especialização

Leia mais

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função

15/03/2010. Análise por pontos de função. Análise por Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função. Componentes dos Pontos de Função Análise por pontos de função Análise por Pontos de Função Referência: Manual de práticas de contagem IFPUG Versão 4.2.1 Técnica que permite medir a funcionalidade de um software ou aplicativo, sob a visão

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

= PF &ODXGLD+D]DQ06F. &HQiULR $JHQGD 3URGXWLYLGDGHGH6RIWZDUH. BFPUG Brazilian Function Point Users Group. http://www.bfpug.com.br

= PF &ODXGLD+D]DQ06F. &HQiULR $JHQGD 3URGXWLYLGDGHGH6RIWZDUH. BFPUG Brazilian Function Point Users Group. http://www.bfpug.com.br BFPUG Brazilian Function Point Users Group Gerência da Melhoria de S oftware através de Indicadores da Qualidade e Produtividade BFPUG Brazilian Function Point Users Group Software Measurement & IT Project

Leia mais

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade

C.M.M. Capability Maturity Model Modelo de Maturidade da Capacidade UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina. Campus da Grande Florianópolis Pedra Branca. CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE ALUNO: Volnei A. Caetano Palhoça 02 de Junho de 2000 C.M.M. Capability

Leia mais

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES Implementação MPS.BR 26 de maio de 2008 4 horas de duração e-mail: (DEIXAR EM BRANCO) RESULTADO: Q1 Q2 Q3 Q4 Q5 Q6 Q7 Q8 Q9 Q10 Nota INSTRUÇÕES Para a maioria das questões você tem mais de uma opção e

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

17/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2.

17/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 2. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.2 2 ESCOPO 3 1 Gerência do Escopo Processos necessários

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO 2 INFRAESTRUTURA DE TI Para garantir o atendimento às necessidades do negócio, a área de TI passou a investir na infraestrutura do setor, ampliando-a,

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3 Ago/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE RECURSOS

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com. Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos

Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com. Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos ,PSODQWDomRGHXP 3URFHVVR GH *HVWmR GH 5HTXLVLWRV VHJXLQGRR R &00, 0, Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com Agenda Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos Visão Geral

Leia mais

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com

Orientações iniciais. FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Monitorando e Controlando o Projeto II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Reportar o Desempenho Realizar o Controle Integrado de Mudanças Reportar o

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

MELHORIA DE SERVIÇO CONTINUADA ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Melhoria de Serviço

MELHORIA DE SERVIÇO CONTINUADA ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Melhoria de Serviço MELHORIA DE SERVIÇO CONTINUADA ITIL FOUNDATION V3 Conteúdo deste resumo deve ser contemplado com a leitura do livro ITIL Melhoria de Serviço Melhorias continuas Proporcionar um Guia Prático para avaliar

Leia mais

Núcleo de Métricas: Alcançando a Excelência na Governança de TI

Núcleo de Métricas: Alcançando a Excelência na Governança de TI Núcleo de Métricas: Alcançando a Excelência na Governança de TI Gustavo Siqueira Simões - PMP e CFPS http://www.linkedin.com/in/gustavosimoes gustavo.simoes@fattocs.com.br skype: gustavosimoes +55(11)

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Implantação do Processo Aquisição na Synapsis Brasil. Carlos Simões Ana Regina Rocha Gleison Santos

Implantação do Processo Aquisição na Synapsis Brasil. Carlos Simões Ana Regina Rocha Gleison Santos Implantação do Processo Aquisição na Synapsis Brasil Carlos Simões Ana Regina Rocha Gleison Santos Data: 20/10/2009 Agenda Empresa Problema Alternativas Implementação Forma de contratação Processo Aquisição

Leia mais

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3

PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 PÁGINA 4 ITIL V.2 & ITIL V.3 Gerência de Níveis de Serviço Manter e aprimorar a qualidade dos serviços de TI Revisar continuamente os custos e os resultados dos serviços para garantir a sua adequação Processo

Leia mais

Determinar o Tipo de Contagem. Identificar o Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação. Contagem das Funções de Dados. Calcular os PFs Ajustados

Determinar o Tipo de Contagem. Identificar o Escopo de Contagem e Fronteira da Aplicação. Contagem das Funções de Dados. Calcular os PFs Ajustados Análise de Pontos de Função (Hazan, 2001) A Análise de Pontos de Função (APF) é um método-padrão para a medição do desenvolvimento de software, visando estabelecer uma medida de tamanho do software em

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br TMMi Test Maturity Model integration Erika Nina Höhn erikahohn@asrconsultoria.com.br Agenda Fundamentos Estrutura do TMMi TMMi x CMMi Proposta de avaliação e diagnóstico Custos

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Fábrica de Software: O Ajuste da Matriz Qualidade x Produtividade. III Encontro Nacional do GITEC e XIII ENIAL

Fábrica de Software: O Ajuste da Matriz Qualidade x Produtividade. III Encontro Nacional do GITEC e XIII ENIAL Fábrica de Software: O Ajuste da Matriz Qualidade x Produtividade III Encontro Nacional do GITEC e XIII ENIAL A PROCERGS MISSÃO Apoiar e implementar soluções em tecnologia da informação e comunicações

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro O desenvolvimento de um SI Ciclo de desenvolvimento de um SI: O desenvolvimento de um SI Definição do sistema Nessa fase estima-se as dimensões

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

O padrão de gerenciamento de projetos

O padrão de gerenciamento de projetos O padrão de gerenciamento de projetos Processos de Gerenciamento de Projetos 1 Áreas de Conhecimento do Gerenciamento de Projetos Trinômio Sagrado Custos Tempo Qualidade 2 Áreas de Conhecimento do Gerenciamento

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

Melhoria de Processos CMMi

Melhoria de Processos CMMi Melhoria de Processos CMMi Prof. Marcelo Maia 1 O que é o CMMI? Um modelo previamente comprovado de melhoria de processos na organização; Um framework para organizar e priorizar atividades de melhoria;

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação

MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação MATC99 Segurança e Auditoria de Sistemas de Informação Gestão de Segurança da Informação (Normas ISO 27001 e 27002) Italo Valcy Italo Valcy Seg e Auditoria de SI, 2013.1 Licença de

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

INFORMAÇÕES ADICIONAIS APRENDA SOBRE GOVERNANÇA DE TI Programa de Qualificação COBIT 5 Presencial ou EAD O COBIT 5 define as necessidades das partes interessadas da empresa como ponto de partida das atividades de governança

Leia mais

Implantação da Governança a de TI na CGU

Implantação da Governança a de TI na CGU Implantação da Governança a de TI na CGU José Geraldo Loureiro Rodrigues Diretor de Sistemas e Informação Controladoria-Geral da União I Workshop de Governança de TI da Embrapa Estratégia utilizada para

Leia mais