Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro"

Transcrição

1 Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps)

2 Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC ISO/IEC CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para Melhoria do Processo de Software

3 Processo de Engenharia de Software (www.swebok.org) 2 Níveis: 1 o. Nível: trata do conjunto de atividades, métodos, práticas e tecnologias que as pessoas utilizam para desenvolver e manter software e produtos relacionados 2 o. Nível (nível meta): trata da definição, implantação, medição, gerência, mudança e melhoria do processo de software: Engenharia do Processo de Software

4 Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software ISO/IEC ISO/IEC CMMI MODELO PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE (MR mps) Níveis de Maturidade Método de Avaliação Guia Implementação Guia Geral Guia Avaliação INSTITUIÇÕES CREDENCIADAS PARA IMPLEMENTAÇÃO (ICI)... ICI 1 ICI 2 ICI n ICA 1 INSTITUIÇÕES CREDENCIADAS PARA AVALIAÇÃO (ICA) ICA 2... ICA n Empresa 1 Empresa 2 Empresa n

5 Definição do Processo Frameworks de Modelos de Ciclo de Vida definição de alto nível das fases e atividades que ocorrem durante o desenvolvimento Modelos de Processos de Ciclo de Vida definições mais detalhadas podem ser mapeados para os diferentes modelos de ciclo de vida Principais referências: ISO/IEC 12207, SPICE

6 ISO/IEC (1995) Information Technology - Software Life Cycle Processes Framework para processos de ciclo de vida com terminologia bem definida Contém processos, atividades e tarefas que devem ser aplicadas durante a aquisição de sistemas que contém software, produtos de software standalone, serviços de software e durante o fornecimento, desenvolvimento, operação e manutenção de produtos de software

7 Descreve a arquitetura de processos de ciclo de vida de software mas não especifica os detalhes de como implementar ou realizar as atividades e tarefas incluidas nos processos Não prescreve: nome, formato e conteúdo da documentação um modelo específico de ciclo de vida um método de desenvolvimento de software

8 Estrutura da Norma ISO Adaptação Processos Fundamentais Processos de Apoio Aquisição Documentação Fornecimento Gerência de Configuração Garantia da Qualidade Operação Verificação Validação Desenvolvimento Revisão Conjunta Manutenção Auditoria Resolução de Problema Processos Organizacionais Gerência Infra- estrutura Melhoria Treinamento

9 ISO/IEC PDAM (2002) Atualização da Norma Objetivo: representar a evolução da engenharia de software adequar-se às necessidades vivenciadas pelos usuários da Norma harmonizar com a série de Normas ISO/IEC 15504

10 Processos Primários do Ciclo de Vida Processos Organizacionais do Ciclo de Vida Grupo de Processos de Aquisição Grupo de Processos de Fornecimento Grupo de Processos de Engenharia Elicitação de Requisitos Análise de Requisitos do Sistema Projeto da Arquitetura do Sistema Análise de Requisitos de Software Projeto de Software Construção de Software Integração do Software Teste do Software Integração do Sistema Teste do Sistema Instalação do Software Manutenção do sistema e do software Grupo de Processos de Operação Grupo de Processos de Gerência Alinhamento Organizacional Gerência Organizacional Gerência de Projetos Gerência da Qualidade Gerência de Requisitos Medição Grupo de Processos de Melhoria de Processos Estabelecimento do Processo Avaliação do Processo Melhoria do Processo Grupo de Processos de Infra-estrutura e Recursos Gerência de Recursos Humanos Treinamento Gerência do Conhecimento Infra-estrutura Grupo de Processos de Reuso Processos de Suporte do Ciclo de Vida Grupo de Processos de Gerência de Configuração Grupo de Processos de Garantia da Qualidade Garantia da Qualidade Verificação Validação Revisão Conjunta Auditoria Avaliação do Produto

11 CMMI - Capability Maturity Model Integration Situação: vários modelos para melhoria de processos dificuldades de comunicação Proposta CMMI

12 Conceitos Propósito Objetivos Práticas objetivos específicos objetivos genéricos

13 Exemplo: Gerência de Requisitos Propósito: gerenciar os requisitos dos produtos do projeto e dos componentes do produto e identificar inconsistências entre estes requisitos e os planos do projeto e produtos de trabalho Objetivo Específico: REQM SG 1: os requisitos são gerenciados e inconsistências entre os planos do projeto e os produtos de trabalho são identificadas Prática Específica: REQM SP 1.1-1: desenvolver um entendimento com os fornecedores dos requisitos sobre o significado dos requisitos

14 Representações Em estágios (staged) perspectiva de maturidade da organização enfatiza conjuntos de áreas de processo que definem estágios comprovados de maturidade do processo Contínua (continuous) perspectiva de capacidade das áreas de processo mede resultados em cada área individualmente

15 Níveis de Maturidade em Estágios 5 4 Foco na melhoria do processo Processo medido e controlado Em Otimização Gerenciado Quantitativamente 3 Processo caracterizado para a organização e proativo Definido 2 Processo caracterizado para projetos e muitas vezes reativo Gerenciado 1 Processo imprevisível, pobremente controlado e reativo Inicial

16 Áreas de Processo CMMI agrupadas em Estágios Nível de Maturidade 2 Gerência de Requisitos Planejamento do Projeto Monitoração e Controle do Projeto Gerência de Acordos com Fornecedores Medição e Análise Garantia da Qualidade do Processo e do Produto Gerência de Configuração

17 Gerência de Requisitos Gerenciar Requisitos Obter Entendimento dos Requisitos Requisitos Identificar Inconsistências entre o Trabalho do Projeto e os Requisitos Obter Aceite/ Comprometimento com os Requisitos Gerenciar Mudanças nos Requisitos Manter Rastreabilidade bidirecional dos Requisitos Hierarquia para Rastreabilidade

18 Planejamento do Projeto Estabelecer Estimativas Dados de Planejamento Desenvolver Plano do Projeto Obter aceite/ comprometimento dos stakeholders Planos do Projeto MONITORAÇÃO E CONTROLE DO PROJETO

19 Monitoração e Controle do Projeto Monitorar o Projeto com relação aos Planos Gerenciar Ações Corretivas Monitorar Parametros do Planejamento do Projeto Monitorar Riscos do Projeto Monitorar Envolvimento dos Stakeholders Conduzir Revisões nos Marcos Analisar Aspectos Monitorar Comprometimento Monitorar Gerência de Dados Conduzir Revisões do Progresso Realizar Ações Corretivas PLANEJAMENTO DO PROJETO Planos do Projeto Gerenciar Ações Corretivas

20 Gerência de Configuração Estabelecer Baselines Identificar Itens de Configuração Sistema de Gerência de Configuração Base de Dados de Pedidos de Alteração Estabelecer Integridade Estabelecer Registros da Gerência de Configuração Status Estabelecer sistema de Gerência de Configuração Pedidos de Alteração Realisar Auditorias da Configuração Resultados de Auditorias Itens de Ações Criar ou liberar Baselines Seguir e Controlar Mudanças Seguir Mudanças Controlar Mudanças

21 Garantia da Qualidade do Processo e do Produto Produtos do Trabalho Avaliar Objetivamente Processos e Produtos do Trabalho Avaliar Objetivamente os Processos Avaliar Objetivamente os Produtos de Trabalho e Serviços Relatórios e Registros Formecer Insight Objetivo Comunicar e Garantir Resolução de Não Conformidades Estabelecer Registros

22 Gerência de Acordos com Fornecedores Estabelecer Acordos com Fornecedores Analisar Necessidades e Requisitos Selecionar Fornecedores Estabelecer Acordos com Fornecedores Lista de Produtos Requisitos do Fornecedor Produto Acordos com Fornecedor Adquirir Produtos COTS Realizar Teste de Aceitação Realizar Transição de Produtos Executar Acordo com Fornecedor Satisfazer Acordos com Fornecedores

23 Medição e Análise Definir Atividades de Medição e Análise Estabelecer Objetivos Especificar Métricas Especificar Coleta de Dados e Procedimentos de Armazenamento Especificar Procedimentos de Análise Equipe Responsável pelas Medições Objetivos das Medições Indicadores das Medições Repositório das Medições Procedimentos, Ferramentas Fornecer Resultados das Medições Comunicar Resultados Armazenar Dados e Resultados Analisar Dados das Medições Coletar Dados das Medições

24 Áreas de Processo CMMI agrupadas em Estágios Nível de Maturidade 3 Desenvolvimento de Requisitos Solução Técnica Integração do Produto Verificação Validação Foco no Processo Organizacional Definição do Processo Organizacional Treinamento Organizacional Gerência de Projeto Integrada (parte só IPPD) Gerência de Riscos Integração da Equipe (IPPD) Gerência Integrada de Fornecedores Análise de Decisão e Resolução Ambiente Organizacional para Integração (IPPD)

25 Foco no Processo Organizacional Objetivos e Necessidades do Processo Achados e Graus Iniciativas de Melhoria Determinar Oportunidades de Melhoria no Processo Estabelecer Necessidades do Processo Organizacional Avaliar Processos da Organização Identificar Melhorias no Processo da Organização Melhorias Selecionadas Equipes Piloto Ativos do Processo (Revistos) Assets do Processo Implantáveis Experiências do Processo Plano de Ação do Processo Planejar e Implementar Atividades de Melhoria de Processos Incorporar Experiências Relacionadas a Processo Implantar Processo e Assets Relacionados do Processo Implementar Planos de Ação do Processo Estabelecer Planos de Ação do Processo

26 Definição do Processo Organizacional Criar Ativos do Processo Organizacional Modelos de Ciclo de Vida Processos Padrão da Organização Estabelecer Definições de Modelos de Ciclo de Vida Tornar Disponíveis Ativos do Processo Organizacional Repositório Organizacional de Medições Implementadores do Processo Estabelecer Processo Padrão Estabelecer um Repositório Organizacional de Medições Biblioteca Organizacional de Documentação dos Processos Guias para Adaptação Estabelecer Critérios e Guias para Adaptação Criar ou liberar Baselines Implantação Melhorias FOCO NO PROCESSO ORGANIZACIONAL

27 Treinamento Organizacional Identificar Necessidades de Treinamento e Tornar o Treinamento Disponível Estabelecer Necessidades Estratégicas de Treinamento Determinar que Necessidades de Treinamento são Responsabilidade da Organização Estabelecer Plano Tático de Treinamento Organizacional Estabelecer Capacidade de Treinamento Análise Necessidades Estratégia Requisitos Materiais Repositório de Treinamento Pedidos de Mudanças Avaliar Efetividade dos Treinamentos Pesquisas Registros Estabelecer Registros de Treinamentos Materiais Registros Disponibilizar Treinamento Fornecer o Treinamento Necessário

28 Gerência Integrada do Projeto Estabelecer o Processo Definido para o Projeto DEFINIÇÃO DO PROCESSO ORGANIZACIONAL Uso do Processo Definido para o Projeto Usar Ativos do Processo da Organização para Planejar as Atividades do Projeto Integrar Planos Plano do Projeto Baseado no Processo Definido Agendas e Cronograma para Atividades Colaborativas Coordenar com Stakeholders Relevantes Gerenciar Envolvimento dos Stakeholders Estimativas e Medições Documentação Lições Aprendidas Processo Definido para o Projeto Dependências Críticas Documentadas Gerenciar Dependências Questões Técnicas Documentadas Gerenciar o Projeto usando os Planos Integrados Contribuir para os Ativos do Processo Organizacional Outras Funções Organizacionais e do Projeto Resolver Questões de Coordenação

29 Desenvolvimento dos Requisitos Desenvolver Requisitos do Usuário Desenvolver Requisitos do Produto Analisar e Validar Requisitos

30 Solução Técnica Requisitos Validados Selecionar Soluções para os Componentes do Produto Desenvolver o Projeto Implementar o Projeto do Produto Projetos Alternativos e Critérios de Seleção Projeto Detalhado e Documentação Produto Entregue

31 Integração do Produto Preparar para a Integração do Produto Plano de Integração Assegurar Compatibilidade da Interface SOLUÇÃO TÉCNICA Desenvolver o Projeto

32 Verificação Preparar para Verificação Realizar Revisão por Pares Plano de Verificação Verificar Produtos de Trabalho Selecionados Ações Corretivas

33 Validação Requisitos do Usuário Requisitos do Produto Produtos Requisitos de Validação Validar Produto ou Componentes do Produto Preparar para Validação Ações Corretivas Plano de Validação dos Requisitos Plano de Validação do Produto Necessidades do Processo e de Suporte

34 Análise e Resolução da Decisão Avaliar Alternativas Estabelecer e Usar Guias para Análise de Decisão Selecionar Técnicas de Avaliação Estabelecer Critérios de Avaliação Identificar Alternativas Propostas Guias Técnicas Critérios Alternativas Propostas Selecionar Soluções Soluções Resultados da Avaliação Avaliar Alternativas

35 Gerência de Riscos Determinar Fontes e Categorias de Riscos Preparar para a Gerência de Riscos Estabelecer Baselines Definir Parâmetros de Riscos Estabelecer uma Estratégia de Gerência de Riscos Identificar e Analisar Riscos Identificar Riscos PLANEJAMENTO DO PROJETO E MONITORAÇÃO E CONTROLE Repositório de Riscos Mitigar Riscos Avaliar, Classificar e Priorizar Riscos ANÁLISE E RESOLUÇÃO DA DECISÃO Implementar Planos de Mitigação de Riscos Desenvolver Planos de Mitigação de Riscos

36 Áreas de Processo CMMI agrupadas em Estágios Nível de Maturidade 4 Desempenho do Processo Organizacional Gerência Quantitativa do Projeto

37 Desempenho do Processo Organizacional Selecionar Processos Estabelecer Baselines e Modelos de Desempenho Sub-Processos do Processo Padrão da Organização Selecionados Estabelecer Medidas de Desempenho do Processo MEDIÇÃO E ANÁLISE Processos Padrão da Organização Estabelecer Baselines de Desempenho do Processo Medições do Processo do Projeto GERÊNCIA QUANTITATIVA DO PROCESSO Objetivos de Negócio Estabelecer Modelos de Desempenho do Processo Modelos de Desempenho do Processo Baselines de Desempenho do Processo Organizacional Objetivos de Negócio Estabelecer Objetivos de Desempenho do Objetivos de Processo Organizacional Qualidade e de Desempenho do Processo GERÊNCIA QUANTITATIVA DO PROCESSO

38 Gerência Quantitativa do Projeto FOCO NO PROCESSO ORGANIZACIONAL Predições da Qualidade e Desempenho do Processo Gerenciar Quantitativamente o Projeto Estabelecer Objetivos do Projeto Objetivos de Qualidade e Desempenho do Processo Ações Corretivas Compor o Processo Definido Sub-Processo Selecionados Repositório de Medições da Organização Gerenciar Desempenho do Projeto Processo Definido do Projeto Selecionar os Sub-Processos a serem Gerenciados Definições de Medidas derivadas dos Objetivos Medida de Capacidade de Sub-Processo Gerenciar Estatisticamente o Desempenho de Sub-Processos Registrar Dados Estatísticos de Gerência Monitorar o Desempenho de Sub-Processos Selecionados Sub- Processos Estáveis Aplicar Métodos Estatísticos para Entender Variação `Selecionar Medidas e Técnicas Analíticas

39 Áreas de Processo CMMI agrupadas em Estágios Nível de Maturidade 5 Inovação e Deployment Organizacional Análise e Resolução de Causas

40 Inovação e Deployment Organizacional Selecionar Melhorias Coletar e Analisar Propostas de Melhorias Identificar Inovações Realizar Pilotos de Melhorias Selecionar Melhorias para Implantação Resultados de Medições Propostas de Melhorias e Análises Melhorias Implantar Melhorias Medir Efeitos das Melhorias Gerenciar a Implantação Planejar a Implantação

41 Análise e Resolução de Causas Determinar Causas de Defeitos Tratar Causas de Defeitos Estabelecer Baselines Analisar Causas Implementar Propostas de Ação Planos de Ação Proposta de Ação Avaliar Efeitos de Mudanças Selecionar Dados para Análise Dados de Problemas e Defeitos Registrar Dados Medidas de Desempenho Registros Análise e Resolução de Causas

42 Modelo de Referência (MR mps) Níveis de Maturidade Base: ISO/IEC ISO/IEC Representação em Estágios do CMMI Áreas de processo CMMI (níveis 2, 3, 4 e 5)

43 Modelo de Referência (MR mps) Níveis de Maturidade 7 níveis de maturidade A - Em Otimização B - Gerenciado quantitativamente C - Definido D - Largamente definido E - Parcialmente definido F - Gerenciado G - Parcialmente Gerenciado

44 Template de Definição de Processo no MR mps PROCESSO: Nível mps: PROPÓSITO: RESULTADOS ESPERADOS: INFORMAÇÕES ADICIONAIS PARA IMPLEMENTAÇÃO: Consulte ISO/IEC Consulte CMMI... Consulte...

45 Exemplo PROCESSO: Medição Nível mps: F PROPÓSITO: O propósito da Medição é coletar e analisar os dados relativos aos produtos desenvolvidos e aos processos implementados na organização e em seus projetos de forma a apoiar os objetivos organizacionais. RESULTADOS ESPERADOS: 1 É estabelecido e sustentado um compromisso organizacional para implementação da medição 2 As necessidades de informação da medição dos processos organizacionais e de gerenciamento são identificadas com base nos objetivos de medição. Os objetivos de medição são priorizados, documentados e atualizados, e possíveis de serem rastreados em relação às necessidades de informação. 3 Um conjunto adequado de medidas, orientado pelas necessidades de informação e objetivos de medição, é identificado e/ou desenvolvido, priorizado, documentado, revisado e atualizado. 4 As atividades de medição (coleta e armazenamento) são especificadas, incluindo métodos e ferramentas.... INFORMAÇÕES ADICIONAIS: Consulte ISO/IEC e AMD (subprocesso Medição) Consulte CMMI (Área de Processo Medição e Análise) Consulte bibliografia sobre Projeto: o método mps Br GQM melhoria de processo do software Brasileiro

46 Modelo de Referência (MR mps) Nível G - Parcialmente Gerenciado

47 Nível G - Parcialmente Gerenciado Áreas de Processo CMMI Gerência de Requisitos Planejamento do Projeto Mps Br Gerência de Requisitos Gerência de Projetos Monitoração e Controle

48 Modelo de Referência (MR mps) Nível F - Gerenciado

49 Nível F - Gerenciado Áreas de Processo CMMI Gerência de Configuração Medição e Análise Garantia da Qualidade do Processo e do Produto Gerência de Acordos com Fornecedores Mps Br Gerência de Configuração Medição Garantia da Qualidade Gerência de Aquisição

50 Modelo de Referência (MR mps) Nível E -Parcialmente Definido

51 Modelo de Referência (MR mps) Nível E - Parcialmente Definido Áreas de Processo CMMI Definição do Processo Organizacional Foco no Processo Organizacional Treinamento Organizacional Mps Br Estabelecimento do Processo Organizacional Avaliação e Melhoria Treinamento Gerência Integrado de Projeto sem IPPD Adaptação do processo para a gerência do projeto

52 Modelo de Referência (MR mps) Nível D - Largamente Definido

53 Modelo de Referência (MR mps) Nível D - Largamente Definido Áreas de Processo CMMI Desenvolvimento de Requisitos Solução Técnica Integração do Produto Verificação Mps Br Especificação de Requisitos Projeto de Software Construção de Software Documentação Integração de Software Instalação do Software Liberação do Produto Verificação Validação Validação

54 Modelo de Referência (MR mps) Nível C - Definido

55 Modelo de Referência (MR mps) Nível C - Definido Áreas de Processo CMMI Análise de Decisão e Resolução Gerência de Riscos Mps Br Análise de Decisão e Resolução Gerência de Riscos Gerência Integrada de Fornecedores

56 Modelo de Referência (MR mps) Nível B -Gerenciado Quantitativamente

57 Nível B - Gerenciado Quantitativamente Áreas de Processo CMMI Desempenho do Processo Organizacional Mps Br Desempenho do Processo Organizacional Gerência Quantitativa do Projeto Gerência Quantitativa do Projeto

58 Modelo de Referência (MR mps) Nível A - Em Otimização

59 Nível A - Em Otimização Áreas de Processo CMMI Inovação e Deployment Organizacional Mps Br Inovação e Deployment Organizacional Análise e Resolução de Causas Análise e Resolução de Causas

60 Implementação do MR mps treinamento projeto piloto consultoria para implementação auditoria da fidelidade ao processo

61 Implementação do MR mps Convênio ICI e/ou ICA Contrato Contrato Projeto mps Br Convênio, se pertinente MNC MNE LEGENDA: ICI - Instituição Credenciada para Implantação do MR mps ICA Instituição Credenciada para Avaliação do MR mps MNE Modelo de Negócio Específico para Cada Empresa (personalizado) MNC Modelo de Negócio Cooperado entre Várias Empresas (pacote)

62 Implementação do MR mps treinamento treinamento Mínimo definido por níveis projeto piloto consultoria para implementação definidas por níveis recomendações auditoria da fidelidade ao processo

63 Implementação do MR mps avaliação benchmarking

64 MR mps - Método de Avaliação Baseado no SPICE (ISO/IEC 15504) Avaliação será feita através de indicadores: Diretos produtos intermediários Indiretos documentos que indicam que a atividade foi realizada Afirmação resultantes de entrevistas Decisão: Não Implementada Parcialmente implementada, Largamente implementada Totalmente implementada

65 MR mps - Método de Avaliação Nível de Implementação da Prática Totalmente Implementado Largamente Implementado Parcialmente implementado Não Implementado Caracterização O indicador direto está presente e julgado adequado Existe pelo menos um indicador indireto e/ou afirmação para confirmar a implementação Não foi notada nenhuma fraqueza substancial O indicador direto está presente e julgado adequado Existe pelo menos um indicador indireto e/ou afirmação para confirmar a implementação Foi notada uma ou mais fraquezas O indicador direto não está presente ou é julgado inadequado Artefatos ou afirmações sugerem que alguns aspectos da prática estão implementadas Fraquezas foram documentadas Qualquer situação diferente das acimas Grau de Alcance >85% a 100% >50% a 85% >15% a 50% 0 a 15%

66 Resultado da avaliação terá validade de 2 anos Avaliação para outro Nível MR mps Avaliação para manter o Nível MR mps

67 Estratégias de Trabalho das Instituições Credenciadas As instituições têm formas independentes de implementação As instituições manterão seus modos de trabalho, desde que atendam aos requisitos do modelo de referência e estejam previamente credenciadas junto ao mps Br

68 Cultura Organizacional empresa Processo de Desenvolvimento ISO/IEC Processo de Desenvolvimento existente Processo de Desenvolvimento ajustado MR mps PAs CMMI Processo Planejamento de Projetos Processo Gerência de Requisitos Processo Monitoração e Controle Processo Gerência de Configuração Processo Garantia da qualidade do processo e do Produto Processo de Medição e Análise

69 Documentação para Credenciamento Apresentação da instituição proponente, contendo seus dados com ênfase na experiência em processos de software Estratégia de Implementação do Modelo Estratégia para Avaliação Avaliação segundo o Método de

70 Documentação para Credenciamento Estratégia para seleção e treinamento de consultores para implementação do MR mps Estratégia para seleção e treinamento de avaliadores Lista de consultores de implementação treinados no Modelo e aprovados em prova específica Lista de avaliadores treinados no Modelo e aprovados em prova específica

71 Capacitação no Uso do Modelo Introdução ao MR mps (curso de 4 h, baseado na Guia Geral) Obrigatório para todos os consultores de implementação e avaliadores das instituições credenciadas e para o representante da empresa avaliada na equipe de avaliação Implementação do MR mps (curso de 16 h) Obrigatório para todos os implementadores das instituições credenciadas, incluindo prova específica Avaliação do MR mps (curso de 24 h, baseado na Guia de Avaliação) Obrigatório para todos os avaliadores das instituições credenciadas, incluindo prova específica

72 Implantação em cada Empresa A empresa deve adequar seu processo aos requisitos do MR mps considerando: Características da empresa Níveis de maturidade

73

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps)

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto mps Br: Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software CMMI SPICE SCAMPI MODELO PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Projeto mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Projeto mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Projeto mps Br melhoria de processo do software Brasileiro SUMÁRIO. Introdução 2. Projeto mps Br 3. Modelo MR mps 4. Conclusão Project: Bspi Brazilian software process improvement Comparação da Maturidade

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Descrição das Áreas de Processo

Descrição das Áreas de Processo Descrição das Áreas de Processo Níveis 2 e 3 Foco em CMMI para SW INF326 - Modelos de Qualidade de SW - Mario L. Côrtes CMMI parte B 5B - 1 Convenções gráficas Repositório de Medições Repositório de Informações

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Qualidade de Processo de Software. Implementação de Melhoria de Processos de Software

Qualidade de Processo de Software. Implementação de Melhoria de Processos de Software Qualidade de Processo de Software Implementação de Melhoria de Processos de Software Sumário Conceitos de Melhoria de Processos de Software (MPS) Implementação de Processos com Modelos e Normas de Qualidade

Leia mais

MPS.BR. O MPS.BR é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A proposta MPS.BR nasceu com base nos moldes CMMI.

MPS.BR. O MPS.BR é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A proposta MPS.BR nasceu com base nos moldes CMMI. MPS.BR O MPS.BR é um programa para Melhoria de Processo do Software Brasileiro. A proposta MPS.BR nasceu com base nos moldes CMMI. ISO - 12207 para desenvolvimento de software. ISO - 15504 para avaliação

Leia mais

Modelo de Referência para melhoria de processo do software (MR-MPS)

Modelo de Referência para melhoria de processo do software (MR-MPS) Modelo de Referência para melhoria de processo do software (MR-MPS) Ana Regina Rocha Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo Objetivo Melhoria de processos de software na grande massa de micro, pequenas

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade. Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL

Gerenciamento de Qualidade. Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL Gerenciamento de Qualidade Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL Introdução Melhoria nos níveis gerais de qualidade de software nos anos recentes. Diferenças em relação ao gerenciamento da qualidade na manufatura

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos Prof. Ricardo J. Rabelo Conteúdo Introdução & Problemática

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

do software Brasileiro

do software Brasileiro Projeto mps Br: melhoria de processo do software Brasileiro SUMÁRIO 1. Introdução 2. O Projeto mps Br 3. Conclusão Project: Bspi Brazilian software process improvement 1 Percepção da Qualidade dos Processos

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR Fonte: http://www.softex.br/mpsbr/_home/default.asp Apostilas disponíveis no site 1 NORMAS: NBR ISO NBR ISO/IEC CMM SPICE Continuação... 2 NORMAS VISÃO GERAL NBR

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães 1 1 SWQuality Consultoria e Sistemas analiddy@swquality.com.br Resumo. Este trabalho visa

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Melhoria de Processos CMMi

Melhoria de Processos CMMi Melhoria de Processos CMMi Prof. Marcelo Maia 1 O que é o CMMI? Um modelo previamente comprovado de melhoria de processos na organização; Um framework para organizar e priorizar atividades de melhoria;

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Principais resultados do Projeto mps Br melhoria de processo do software Brasileiro: 1º Ano (Dez 2003 -Dez 2004)

Principais resultados do Projeto mps Br melhoria de processo do software Brasileiro: 1º Ano (Dez 2003 -Dez 2004) Principais resultados do Projeto mps Br melhoria de processo do software Brasileiro: 1º Ano (Dez 2003 -Dez 2004) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Projeto mps Br e Modelo mps 3. Principais Resultados Alcançados

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 2-26/04/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Medição de Software e Controle Estatístico de Processos MEDIÇÃO DE SOFTWARE E CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS

Medição de Software e Controle Estatístico de Processos MEDIÇÃO DE SOFTWARE E CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS MEDIÇÃO DE SOFTWARE E CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS Presidente da República Dilma Vana Rousseff Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação Marco Antonio Raupp Secretário de Política de Informática

Leia mais

Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR

Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR SCIENTIA PLENA VOL 6, NUM 3 2010 www.scientiaplena.org.br Uma análise das Metodologias Ágeis FDD e Scrum sob a Perspectiva do Modelo de Qualidade MPS.BR F. G. Silva; S. C. P. Hoentsch, L. Silva Departamento

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos

Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Gerenciamento de Projetos Modulo III Grupo de Processos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR

Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR Danilo Scalet dscalet@yahoo.com.br Editor do Guia de Aquisição 1 2 1 MPS.BR: Desenvolvimento e Aprimoramento do Modelo Realidade

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

Programa 04/12/2008 05/12/2008. 1. Relato de experiência Integração de modelos CMMI, MPS.BR e ISO 9000 na 7COMm Sergio Esmério (7COMm)

Programa 04/12/2008 05/12/2008. 1. Relato de experiência Integração de modelos CMMI, MPS.BR e ISO 9000 na 7COMm Sergio Esmério (7COMm) Programa 04/12/2008 05/12/2008 1. Relato de experiência Integração de modelos CMMI, MPS.BR e ISO 9000 na 7COMm Sergio Esmério (7COMm) 2. A importância do fator humano no desenvolvimento de software Daniel

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro l MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro SUMÁRIO 1. Introdução 2. Modelo MPS 3. Programa MPS.BR: Resultados Alcançados (2004-2008) e Resultados Esperados (2004-2010) 4. MPS.BR Lições Aprendidas

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Prof. Sam da Silva Devincenzi sam.devincenzi@gmail.com ISO International Organization for Standardization Organização não governamental que elabora normas internacionais, que visam

Leia mais

MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho

MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho l MPS.BR: Melhoria de Processo do Software Brasileiro e dos Resultados de Desempenho SUMÁRIO 1. Introdução Programa MPS.BR e Modelo MPS 2. Programa MPS.BR Resultados Esperados, Resultados Alcançados e

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software UFES - Universidade Federal do Espírito Santo Engenharia de Software Notas de Aula PARTE I E-mail: falbo@inf.ufes.br Curso: Engenharia da Computação (Atualizadas por e Monalessa Perini Barcellos - 2011)

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

Histórico de Versões. Versão 2.2 05/05/2015 SM: EPG201500117. Fase Gestão de Mudança de Projetos - Manutenção

Histórico de Versões. Versão 2.2 05/05/2015 SM: EPG201500117. Fase Gestão de Mudança de Projetos - Manutenção SM: EPG201500117 Fase Gestão de Mudança de Projetos - Manutenção Diretrizes de Comunicação Interna Portal de Processos Fase de Planejamento de Projetos - Manutenção Atualizado o conteúdo da tarefa Registrar

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev

Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev Artigos técnicos selecionados Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev Rosana Fernandes Osório, Guilherme Tavares Motta Coordenação Geral de Qualidade de Software

Leia mais

25/05/2015. Um pouco de história. O Modelo CMMI. Capability Maturity Model Integration (CMMI) Capability Maturity Model (CMM)

25/05/2015. Um pouco de história. O Modelo CMMI. Capability Maturity Model Integration (CMMI) Capability Maturity Model (CMM) DCC / ICEx / UFMG Um pouco de história O Modelo CMMI Na década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Objetivos Fornecer software

Leia mais

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS Superintendência de Planejamento e Gestão Escritório de Processos Organizacionais Goiânia, 27 de maio de 2009 Objetivos: WORKSHOPS DE MELHORIA DE PROCESSOS Promover o mapeamento,

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Modelos de Processo Pessoal e de Equipe na Melhoria da Qualidade em Produção de Software Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Agenda Importância das Pessoas / Constatações Compromisso

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

CAPÍTULO 4 - Gerenciamento de integração do projeto

CAPÍTULO 4 - Gerenciamento de integração do projeto CAPÍTULO 4 - Gerenciamento de integração do projeto 4.1 Desenvolver o termo de abertura do projeto INICIAÇÃO.1 Contrato (quando aplicável).2 Declaração do trabalho do projeto.1 Métodos de seleção de.2

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Projeto e Desenvolvimento de Sistemas Dr. Fábio Levy Siqueira levy.siqueira@gmail.com Aula 2: Garantia da Qualidade e Padrões Qualidade de software Quais são as atividades de Gestão

Leia mais

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Deixa eu te dizer uma coisa. Teste de Software é um projeto. Certo? CERTO? Você

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro

MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro Melhoria de Processo do Software Brasileiro (MPS.BR) SUMÁRIO 1. Introdução 2. Implantação do Programa MPS.BR: 2004 2007 3. Consolidação do Programa MPS.BR: 20082010 4. Conclusão Kival Weber Coordenador

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

Histórico de Versões

Histórico de Versões SM: EPG201500112 ARTEFATO ALTERADO Histórico de Versões Geral Ciclo de Vida de Projetos de Manutenção DESCRIÇÃO Retirado o arquivo Histórico de Versões da biblioteca EPF e inserido no rodapé do portal.

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães Agenda Contextualização da Qualidade Dificuldades na construção de software Possíveis soluções

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

Implantação do MPS.BR Nível G Autor: Thais Oliveira Bergmann Florianópolis 2008/1

Implantação do MPS.BR Nível G Autor: Thais Oliveira Bergmann Florianópolis 2008/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Implantação do MPS.BR Nível G Autor: Thais Oliveira Bergmann Florianópolis 2008/1 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO)

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) MBA em Gestão de Projetos Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) Flávio Feitosa Costa, MSc. PMP (flaviopmp@gmail.com) MBA em Gerência de Projetos Escritório de Gerenciamento

Leia mais

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento

CobiT. MBA em Sistemas de Informação. Conteúdo. 1. Sumário Executivo. 2. Estrutura. 3. Objetivos de Controle. 4. Diretrizes de Gerenciamento MBA em Sistemas de Informação CobiT Conteúdo 1. Sumário Executivo 2. Estrutura 3. Objetivos de Controle 4. Diretrizes de Gerenciamento 5. Modelo de Maturidade 6. Guia de Certificação de TI 7. Implementação

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas 12, Leonardo Reis Tristão 1 1 (II-MPS.BR) Incremental

Leia mais

Palestra 03. O ICBv3 da IPMA como Instrumento para a Auto Avaliação Avaliação de Competências do

Palestra 03. O ICBv3 da IPMA como Instrumento para a Auto Avaliação Avaliação de Competências do Palestra 03 O ICBv3 da IPMA como Instrumento para a Auto Avaliação Avaliação de Competências do Gerente de Projetos O ICBV3 DA IPMA COMO INSTRUMENTO PARA A AUTO AVALIAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DO GERENTE DE

Leia mais

Gerência de Configuração em Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização

Gerência de Configuração em Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização Gerência de Configuração em Ambientes de Desenvolvimento de Software Orientados a Organização Sávio Figueiredo, Gleison Santos, Ana Regina Rocha COPPE UFRJ {savio, gleison, darocha}@cos.ufrj.br SBQS 2004

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

1. Serviços SAP Business Transformation and Plan Os serviços SAP Business Transformation and Plan atualmente incluem:

1. Serviços SAP Business Transformation and Plan Os serviços SAP Business Transformation and Plan atualmente incluem: Descrição de Serviços Serviços Business Transformation and Plan O SAP Business Transformation and Plan é um serviço de consultoria e prototipagem para promover a inovação e transformação da Licenciada

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

CMMI: Capability Maturity Model Integration

CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model Integration Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 21/10/2015 Adriano J. Holandahttp://holanda.xyz CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Qualidade do Processo de Software

Qualidade do Processo de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Qualidade do Processo de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

Escritório de Projetos e Escritório de Processos: Diferenças e Tendências ELO Group

Escritório de Projetos e Escritório de Processos: Diferenças e Tendências ELO Group Escritório de Projetos e Escritório de Processos: Diferenças e Tendências ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Agenda Algumas confusões práticas As funções básicas do(s) escritório(s) de

Leia mais

Requisitos. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista )

Requisitos. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Qualidade de Software Aula 8 (Versão 2012-01) 01) Requisitos Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Revisando... 1. Qual o

Leia mais