INOVAÇÃO EM OFERTA DE BENS E SERVIÇOS: análise do segmento de saúde da região metropolitana de Goiânia-GO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÃO EM OFERTA DE BENS E SERVIÇOS: análise do segmento de saúde da região metropolitana de Goiânia-GO"

Transcrição

1 INOVAÇÃO EM OFERTA DE BENS E SERVIÇOS: análise do segmento de saúde da região metropolitana de Goiânia-GO Diego Costa Madureira 1 Luciana Carvalho 2 Resumo O processo de inovação é um fato que sempre acompanhou o homem, que busca incessantemente seu bem-estar e constante avanço comportamental. As pequenas empresas do século XXI tendem a buscar sua firmação no mercado através de mudanças de comportamento em busca de maior vantagem competitiva. Este artigo objetiva demonstrar a influência que o processo de inovação pode trazer nas empresas de micro e pequeno porte do segmento de saúde e também apresentar o quanto a influência do governo possibilita um avanço no crescimento e desenvolvimento da saúde. Em seu final, o artigo retoma as principais conclusões da análise realizada, destacando: (1) a vantagem competitiva das MPE s através de inovações implantadas com base no ato de conhecer clientes e seus hábitos; (2) o grau de inovação apresentado pelas empresas do segmento da saúde analisadas na região metropolitana de Goiânia, obtidos através da aplicação do diagnóstico de inovação. Palavras chave: inovação; segmento saúde; vantagem competitiva; radar de inovação Abstract The innovation process is a fact that always followed the man, who incessantly seeks their welfare and behavioral constant advancement. Small businesses XXI century tend to seek their firmation market through changes in behavior in pursuit of competitive advantage. This article aims to demonstrate the influence that the process of innovation can bring in micro and small segment of health and also present how the influence of government enables a breakthrough in the growth and development of health. In the end, the article sets out the main findings of the analysis, which included: (1) the competitive advantage of MSEs through innovations implemented based on the act of knowing customers and their habits, (2) the degree of innovation shown by companies health segment analyzed in metropolitan Goiânia, obtained by applying the diagnostic innovation. Keywords: innovation; health segment; competitive advantage; radar innovation 1 Agente Local de Inovação. Bolsista CNPq. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Bacharel em Ciências Econômicas. Universidade Estadual de Goiás. Pós-graduando MBA em Inteligência de Negócios. Instituto de Pós-Graduação. 2 Orientadora. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Coordenadora do MBA em Gestão Estratégica da Produção. Universidade Federal de Goiás Mestre em Economia. Universidade de Uberlândia. E- mail: 1

2 1. Introdução Neste artigo o objetivo é demonstrar, através da pesquisa de campo realizada junto às empresas de pequeno porte do segmento de saúde da região metropolitana de Goiânia, a influência que a inovação em oferta de novos bens e serviços tem na busca por uma maior quantidade demandante de consumidores, e possibilitar desta forma uma maior vantagem competitiva para as empresas perante o mercado. Além disso, o trabalho é resultado do Projeto Agentes Locais de Inovação, uma iniciativa do SEBRAE com parceria do CNPq, que tem o intuito de utilizar recém formados na graduação de diversos cursos universitários para a prestação de consultoria e acompanhamento do desenvolvimento da inovação nas micro e pequenas empresas. Os agentes são capacitados para exercer tais finalidades e o desenvolvimento das mesmas são acompanhados e direcionados por consultores seniores, que possuem qualificação em gestão e inovação empresarial. A finalidade do trabalho é fazer com que as empresas do setor saúde, principalmente as MPE s, despertem o interesse em implantar de maneira contínua o hábito da inovação em seus negócios, e para isto será demonstrado dados e informações adquiridos através do diagnóstico de inovação. A disponibilidade do consumo está correlacionada com a oferta de produtos e/ou serviços no mercado e que venha satisfazer as necessidades do consumidor em um mercado tanto quanto diversificado. Será descrito a importância da inovação, principalmente no que se refere à disponibilidade de novos produtos e serviços no mercado, para o desenvolvimento das pequenas empresas e consequentemente no desenvolvimento econômico regional. Este artigo é compreendido de três partes: (1) definições e conceitos envolvendo a inovação, a influência da inovação na competitividade das empresas no mercado e a inovação presente no segmento da saúde; (2) a metodologia aplicada à pesquisa, a análise setorial do radar de inovação e a interpretação da análise da dimensão oferta; (3) considerações finais quanto o trabalho. 2. Inovação 2.1. Conceitos e Definições A forma de desenvolvimento da raça humana, em busca de meios de sobrevivência através da ocupação de territórios, adequação a climas, criação de uma sociedade com fundamentos racionais para o estabelecimento de uma efetividade produtiva tanto no que se refere a métodos materiais quanto intelectuais, sempre esteve ligada à inovação. A criatividade da mente humana diante das necessidades cotidianas faz com que o ato de inovar se conecte com a exigência do meio e desta maneira surge ações e criações que satisfazem de maneira momentânea tais necessidades. Isto quer dizer que a superação de necessidades adquiridas no momento poderá acarretar futuras exigências e consequentemente outra criação ou inovação poderá ser necessária. É notório, portanto o surgimento de um ciclo de necessidades e criações da mente humana. A máquina de escrever, por exemplo, surgiu como um facilitador para redigir documentos de maneira mais prática e veloz e foi de grande utilidade no final do século XIX e início do XX. Diante da necessidade de processamentos lógicos e arquivamento mais preciso e seguro de dados e informações foi desenvolvida a inovação do século XX, o computador e seus mais variados métodos de arquivos (disquete, CD-ROM, pendrive etc.). As condições do meio fazem com que o homem procure ferramentas, métodos, expressões para garantir sua superação. A mente humana é

3 ilimitada e isto faz surgir as possibilidades da criatividade o que reflete na inovação constante, na superação de barreiras. Porém, é necessário o domínio destas criações, o planejamento e a adequação das ações. De acordo com TAKAHASHI (2011), inovação diz respeito a mudanças e novidades. Aquelas estão diretamente relacionadas aos produtos, aos processos, à forma organizacional, ao mercado, á tecnologia e ao negócio. Por outro lado, as novidades estão ligadas a formas incrementais, radicais, plataformas e com bases em novos valores. O processo de inovação vai muito de acordo com as condições de colocar em prática a criatividade desenvolvida. Sendo assim, muitas inovações ocorridas em localizações mais desenvolvidas do nosso globo demoraram bastante para ser colocada em prática em regiões com menos possibilidades de recursos financeiros e estruturais (TAKAHASHI, 2011). Vê-se muito destas situações no segmento da saúde, onde vacinas e tratamentos demoram cerca de anos, décadas, para serem utilizados em países pobres enquanto que nos países ricos tais doenças já foram extintas ou controladas. No meio empresarial também é assim. Varias empresas veem a inovação como uma oportunidade de desenvolvimento e crescimento no mercado. E é mesmo! As empresas do século XXI tem que estarem ligadas nas exigências do mercado, nas expectativas dos consumidores que a cada dia estão mais exigentes e curiosos pelos métodos de comportamento das empresas ofertantes dos serviços e produtos por eles consumidos. Varias empresas possuem departamentos especializados em planejamento, desenvolvimento e inovação de produtos e serviços e esta realidade é cada vez mais frequente nas médias e grandes empresas. As MPE s (micro e pequenas e empresas) já estão vendo esta necessidade e a realidade de seus comportamentos perante o mercado já está começando a mudar. Segundo o SEBRAE (2012), grande parte das empresas hoje concentradas no Brasil são MPE s, cerca de 90% da mão de obra brasileira está concentrada nestas, e por isso seu mercado consumidor é grandioso influenciando bastante na economia do país. Há diante disto a necessidade destas empresas observarem mais o comportamento de seus clientes, as tendências do mercado, preocuparem-se em ter uma visão macro do negócio e adotar procedimentos com ousadia, mas levando em conta a prudência. Tornar a inovação uma prioridade não é o mesmo que colocá-la em prática. Em geral, a inovação se torna mais uma palavra de jargão ou do lema corporativo - a nova moda da administração - que recebe reverência retórica nas reuniões, nas campanhas publicitárias e nos relatórios anuais das empresas. (GIBSON, SKARZYNSKI, 2008 p.4) Inovar é possível para as MPE s. A inovação não sugere ações milionárias ou extravagantes que resultem em destaque mundial. O processo de inovação é muito mais que isto, e acrescenta à empresa a possibilidade de melhor conduzir seu negócio. Como melhorar seus métodos administrativos e controle, analisar as condições de tratamento com seus clientes, conhecer melhor seus fornecedores, realizar procedimentos de melhoria do trabalho interno da empresa, conhecer com mais detalhes o mercado que está atuando, enfim, buscar e acrescentar meios que possibilitem melhorias, resultados que acrescentem valores. 2.2.Inovação como ferramenta de competitividade

4 O mercado está cada vez mais competitivo e assim o consumidor detêm maior quantidade de escolhas e desta maneira novos parâmetros passam a ser levados em conta para a decisão final para o consumo. Preço, atendimento, layout interno, vantagens mercadológicas, acessibilidade, vários são os critérios analisados pelo consumidor, além do que as questões ambientais e sociais adotadas pelas empresas ganharam um espaço de destaque nas decisões para consumo. Ofertar produtos e serviços de acordo com os novos critérios do consumidor é de extrema vantagem competitiva para uma empresa e para isto a pesquisa de mercado, o conhecimento das necessidades de seus clientes e vários outros procedimentos de atualização empresarial são fundamentais para o sucesso empreendedor. Baseado em um estudo desenvolvido em 2005 pelo IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada), nota-se que as empresas que inovam tem 16% a mais de chance para exportar, há, portanto uma forte relação entre competitividade e inovação. Verificou-se também que estas empresas pagam maiores salários, cerca de 23% a mais. Isto representa a valorização para com os colaboradores participantes dos atos de inovação. A pesquisa conclui que devido ao baixo nível de desempenho em inovação a competitividade global é baixa. O desempenho de inovação está concentrado em poucos, principalmente aos detentores de maiores recursos financeiros. A inovação barra mais uma vez no paradigma de que inovar custa caro. No momento em que as MPE s e os países menos desenvolvidos tiverem a real percepção de que inovação é mudança de hábitos e procedimentos ultrapassados em busca de resultados satisfatórios, o nível de desempenho de inovação começará crescer e desta maneira a competitividade será mais forte. As empresas passaram a perceber que a inovação tem um papel importante para assegurar a competitividade e assim passaram a buscar instrumentos que contribuíssem para as tomadas de decisões relacionadas às estratégias de inovação. A oferta de produtos e serviços passou a adotar um processo por meio do qual a organização transforma as informações de mercado e os procedimentos técnicos obtidos em bens e informações para a fabricação de produtos comerciais. O processo de inovação pode ser visto como a passagem do abstrato, do intangível que contempla as ideias ainda subjetivas e não muito claras para o concreto, o tangível, o resultado: produto físico. (TAKAHASHI, 2011) Dentro do processo de inovação há um modelo bastante adequado para representá-lo, é o funil de inovação, que é composto por uma sequência de filtros decisão que tem a função de reduzir a incerteza e os riscos intrínsecos do processo (Figura 1.1). Cada uma das fases necessita de uma boa quantidade de informações, sendo que a clarividência destas é de extrema importância para as tomadas de decisões. Estes filtros separam as fases do processo: 1. Captura de informações sobre oportunidades e ameaças identificadas no ambiente externo; 2. Geração de ideias e conceitos; 3. Avaliação das alternativas; 4. Seleção das alternativas; 5. Revisão e convergência do conteúdo do projeto em desenvolvimento; 6. Produção do projeto

5 Figura 1.1 Funil da inovação Fonte: TAKAHASHI (2011) Inovação em Saúde A aplicação do processo de inovação no segmento da saúde requer uma atenção detalhada, onde pesquisas e aplicações devem obedecer aos critérios estabelecidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e demais órgãos ligados diretamente á fiscalização e regulamentação para com os métodos e procedimentos realizados pelo segmento. Neste trabalho quando se menciona segmento saúde, é referente ás empresas que prestam serviços, comercializam produtos e/ou produzem materiais, equipamentos ou medicamentos voltados para saúde humana. Desta maneira os três setores da economia estarão sendo representados: serviço, indústria e comércio. Há uma consideração de que o segmento saúde tem uma avançada infra-estrutura de ciência e tecnologia avançada, por outro lado, apresenta pouco dinâmica do ponto de vista da geração de inovação no âmbito empresarial (ALBUQUERQUE; CASSIOLATO, 2000). É necessária que, além da incorporação de inovações tecnológicas, haja a aplicação do desenvolvimento de reestruturações estratégicas com intuito de organizar o processo de incorporação tecnológica, com efetividade, beneficiando os interessados. Para NOVAES (2006), há cinco fatores que são considerados decisivos para a expansão e desenvolvimento do setor de saúde em um país: a) Proposição e implementação de políticas científicas e tecnológicas por parte do Estado, e a disponibilidade de recursos públicos para a pesquisa científica e desenvolvimento tecnológico; b) Consolidação de políticas de saúde que ampliam o acesso à atenção à saúde, enquanto parte do reconhecimento social e político do direito à saúde como direito essencial da população;

6 c) Fortalecimento do médico como profissional detentor de um saber, competência e autonomia próprios, e desenvolvimento de novos tipos de serviços, profissionais da saúde, modalidades assistenciais e procedimentos diagnósticos e terapêuticos; d) Ampliação, enquanto valor social, do conceito de saúde, e da sua medicalização, isto é, os problemas de saúde passam a ser também imediatamente problemas médicos, de responsabilidade dos serviços de saúde; e) mudanças no perfil demográfico e epidemiológico das populações, enquanto parte do desenvolvimento econômico e social dessas sociedades a partir do século XIX, com redução da mortalidade por doenças infecciosas, aumento e diversificação das doenças crônicodegenerativas e aumento da esperança de vida, levando a novas necessidades de saúde e demandas aos serviços de saúde. É notório que as políticas públicas adotadas pelas esferas governamentais são fundamentais para a expansão e o desenvolvimento do setor saúde. Pois, as decisões tomadas nestas esferas refletem diretamente no mercado deste setor, pois as agências reguladoras e fiscalizadores são criteriosas aos termos empregados na legislação. Gadelha et al. (2003) menciona a necessidade de tratamento das inovações em saúde em articulação e equilíbrio com as dinâmicas econômica, das instituições e da política pública. Esta afirmação é justificada pelo autor, porque segundo ele no setor da saúde há um espaço na economia que possibilita um dinamismo na acumulação de capital e de inovação, fundamental para compreender uma política de promoção e de desenvolvimento. De acordo com a análise de Medici (1998), a saúde é uma das áreas que mais há intervenção estatal, tanto no setor de serviços, quanto nas atividades cientificas. Por esta razão, que as empresas da saúde do setor comercial, como as farmácias de manipulação, limitam-se tanto nas inovações mercadológicas, produtos e processos. Há sempre uma determinação por parte dos órgãos fiscalizadores que estas empresas tem que seguir. Estes procedimentos trazem seguranças aos usuários dos medicamentos manipulados, mas por outro lado, muitas empresas de pequeno porte não suportam as exigências devido a custos de investimento de segurança no processo produtivo e acabam por fechar as portas. Há um reconhecimento atual do caráter sistêmico que envolve a geração de inovação de produtos, de processos e organizacionais na área da saúde (ALBUQUERQUE; CASSIOLATO, 2000), Esta área da saúde permite um avançado índice de inovação, diante das necessidades e possibilidades de um segmento tão expressivo e vasto de informações. As inovações atribuídas devem ser acompanhadas de uma grande sustentação regulatória com uma fonte dimensão social. 3. Resultados da Pesquisa 3.1. Metodologia Para a realização deste trabalho foi realizado um trabalho de campo com 25 empresas do segmento da saúde (farmácias de manipulação, drogarias, hospitais, revendedoras de produtos hospitalares, clínicas odontológicas, clínicas de diagnóstico e clínicas fisioterapeuticas) localizadas na região Metropolitana de Goiânia, entre o período do mês de dezembro de 2011 a julho de 2012.

7 O público escolhido para se realizar o diagnóstico de inovação, é de dirigentes com características heterogêneas na postura empreendedora. Todos os dirigentes ouvidos possuem escolaridade superior nas áreas de farmácia, medicina, administração ou enfermagem. Todos possuem idade entre 30 e 65 anos e a maioria estão em seu primeiro e único negócio. Em sua maioria cerca de 75% tiveram apoio do SEBRAE ou de outra instituição de incentivo para dar bom andamento no processo de gestão da empresa em seu primeiro momento no mercado. A maioria dos gestores ouvidos, 52%, é do sexo feminino, enquanto 48% são do sexo masculino. Entre as 25 empresas ouvidas neste período, 14 são farmácias de manipulação, 4 são clínicas de diagnósticos, 1 é clínica de medicina do trabalho, 2 são hospitais, 1 é revendedora de produtos hospitalares, 1 é clínica odontológica, 2 são clínicas fisioterapeuticas. Todas estão localizadas na cidade de Goiânia nos bairros: Central, Oeste, Vila Nova, Urias, Nova Suiça, Monte Celli, Marista, Aeroporto e Bueno, ou seja, foram analisadas empresas das regiões, central, norte, leste, sul e sudoeste de Goiânia A comunidade abordada por estas empresas vai desde a classe baixa à classe mais alta da sociedade goianiense. Todas possuem em média 10 colaboradores e possuem faturamento entre R$ 360 mil e R$ 3,6 milhões ao ano, estando assim concentradas pela Receita Federal no porte de pequenas empresas. As entrevistas realizadas junto aos dirigentes das empresas foram realizadas de maneira individual com cada empreendedor. O objeto desta entrevista é o diagnóstico de inovação desenvolvido pelo SEBRAE no intuído de levantar o grau de inovação de cada empresa participante do projeto ALI, ou seja, identificar o posicionamento de cada empresa atendida pelos agentes locais de inovação nos cenários que compreendem a inovação em uma empresa: produto, processo, organizacional e mercadológico Radar da Inovação: uma análise setorial Ao aplicar o diagnóstico de inovação nas vinte e cinco pequenas empresas do segmento da saúde analisadas neste estudo, gera-se um radar da inovação do setor saúde, conforme demonstrado na figura 3.1. O grau de inovação geral, que foi obtido pela média do grau de inovação de cada uma das dimensões das vinte e cinco empresas, é de 2,39 (figura 3.2), lembrando que este grau varia de 1 a 5.

8 Figura 3.1 Análise do setor saúde através do radar gerado pelo diagnóstico de inovação realizado nas empresas estudadas Fonte: O autor (2012) Figura 3.2 Média do grau de inovação (GI) do setor saúde levando em conta o GI de cada uma das 25 empresas analisadas. Fonte: O autor (2012) Pela média do grau de inovação obtido através das pequenas empresas do segmento da saúde analisadas, que foi de 2,39, nota-se que a aplicabilidade da inovação no setor está abaixo da média estabelecida pelo SEBRAE que é de 3,0. A falta de visibilidade dos empresários do setor, no que tange a inovação, faz com que as empresas permaneçam fora das exigências de um mercado movido pelas novidades e satisfação dos nas necessidades de clientes cada vez mais observadores das atuações das empresas. Isto faz com que a competitividade destas empresas permaneça ameaçada. Pois, o desenvolvimento de processos, produtos, organização e fatores mercadológicos são fundamentais

9 para o desenvolvimento e crescimento do negócio. Todo o procedimento novo que traz resultados de melhorias a uma organização é considerado uma inovação, entretanto, a maioria dos empresários fixam sobre o paradigma de que inovação custa caro e é para grandes empresas Análise da Dimensão Oferta O diagnóstico é composto por treze dimensões que envolvem todas possibilidades de inovação de uma empresa: processos, produtos, organização e mercadológico. Após a realização do diagnóstico de inovação junto à empresa é gerado um radar que permite a visualização da maneira como a organização está se posicionando na condução do negócio. O diagnóstico ao ser realizado analisa em um cenário amplo, interno e externo da empresa, a inovação realizada pela empresa em prol da sua competitividade no mercado. E consequentemente ao diagnóstico, é gerado um radar onde é apontado os graus de inovação da empresa em cada uma das treze dimensões e tem-se portanto uma média do grau de inovação da empresa. Este radar permite que a empresa identifique onde se encontram seus impedimentos de melhoria e estabeleça ações as quais favorecerá a melhoria do negócio. Uma das dimensões contidas no diagnóstico é a dimensão oferta a qual foi analisada com maior detalhe neste trabalho Esta dimensão corresponde à análise da postura das empresas com relação ao lançamento de novos produtos e serviços no mercado, verificando a ousadia das mesmas ao lançar estes bens e a consideração, por parte destas empresas, com relação aos impactos ao meio ambiente quando se realiza o processo de oferta. As informações obtidas através desta entrevista possibilitam observar a questão do planejamento das pequenas empresas do segmento da saúde no que tange a oferta de novos bens ao mercado. Diante do posicionamento da maioria dos dirigentes, é possível concluir que não há uma frequência de tempo definida para o lançamento de novos produtos e serviços. Nenhuma das empresas não segue um cronograma onde permite o estudo do mercado, ou seja, a aceitabilidade por parte do público alvo, a análise do desenvolvimento de tal produto que possibilita consequentemente em um prazo determinado a oferta de um bem complementar que satisfará as necessidades dos clientes permitindo que todos os procedimentos correlacionados ao procedimento possam ser realizados na empresa ou pela empresa, através da prestação de serviço ou disponibilidade do produto. O grau de inovação das empresas no que refere à dimensão oferta foi levantado e a análise da mesma realizada. De acordo com as informações dos dirigentes das 25 empresas entrevistadas, pode-se constatar um grau de inovação na média de 2,26 em um intervalo de 1 a 5. Das empresas analisadas 52% possui grau de inovação (GI) entre 1 e 2,9, outras 44% apresentou GI entre 3 e 4,9 e apenas 4% das empresas acusou grau de inovação igual a 5. As figuras 3.3 e 3.4, respectivamente, apresentam a divisão da quantidade de empresas por grau de inovação e uma visão percentual do GI.

10 Figura 3.3 Empresas divididas pelo Grau de Inovação (GI) identificado Fonte: O autor (2012) Figura 3.4 Percentual de empresas por Grau de Inovação (GI) identificado Fonte: O autor (2012) Pelas informações obtidas e pela melhor visualização indicada através da figura 3.5, verifica-se que os maiores graus de inovação na dimensão oferta tem presença maior nas empresas voltadas ao mercado de comércio do que as de serviço. Esta percepção de melhor desempenho do grau de inovação na oferta de produtos e serviços entre as empresas de pequeno porte do segmento saúde no mercado do comércio é perceptível quando se analisa os indicadores das 14 farmácias de manipulação entrevistadas que apresentam juntas, um grau de inovação de 2,93 enquanto as outras modalidades relacionadas no mercado de serviços (clínicas diagnósticas: 2,25; clínicas fisioterapeutica: 2,75; clínica medicina do trabalho: 1,0; e hospitais: 1,75) apresentam graus de inovação menores. Ao analisar a única empresa do mercado de comércio que não é farmácia percebe-se que continua o desenvolvimento desta inovação - revendedora de produtos hospitalares: 5,0 (figura 3.6).

11 Figura 3.5: Evolução da Dimensão Oferta entre as 25 empresas entrevistadas Fonte: O autor (2012) Figura 3.6: Grau de inovação da dimensão oferta por modalidade do mercado de saúde Fonte: O autor (2012) É perceptível através das entrevistas e da análise das informações adquiridas, que as pequenas empresas do segmento de saúde que se concentram na região metropolitana de Goiânia possuem maior desenvolvimento em inovação da dimensão oferta de produtos e serviços no mercado de comércio se comparando com empresas de serviço deste mesmo segmento. De acordo com o que se pode observar, este procedimento se dá pela melhor análise do comportamento do consumidor pelas empresas do mercado de comércio. A proximidade com o consumidor possibilita a estas empresas observarem com melhor nitidez o índice de satisfação daqueles. A curva de indiferença do consumidor, de uma maneira subjetiva, é mais bem analisada pelos dirigentes das empresas de comércio. Pois tem um contato mais aproximando com os seus clientes, podendo assim observar a melhor forma de trabalhar a disponibilidade de mercadorias obedecendo à taxa de substituição para o consumidor. A análise de mercado e o conhecimento do público são pontos básicos a considerar quando a empresa tem o intuito de disponibilizar novos produtos e serviços no mercado.

12 4. Considerações Finais O processo de inovação, no que se refere a produtos, deve levar em conta as necessidades do consumidor, as tendências que levam o indivíduo a obter determinado bem ou serviço, as condições econômicas, sociais e ambientais que influenciam diretamente na escolha do mesmo por determinado produto ou empresa que esteja ao alcance de suas necessidades. Levando-se em conta o segmento da saúde, percebe-se que a necessidade está muito acima dos reflexos do prazer, pois, quando se refere a serviços ou bens ofertados por clinicas, laboratórios, hospitais, farmácias ou revendedoras de produtos médicos, observam-se no comportamento do consumidor que demanda tais produtos em decorrência da ausência do prazer fisiológico ou psíquico. Por este motivo, ao se ofertar produtos voltados para este segmento específico, a empresa deve observar vários fatores que influenciam na escolha do consumidor, desde a sua receita orçamentária até a questão do atendimento diferenciado. Diante de todas estas abordagens nota-se a relevante participação do governo através dos órgãos regulamentadores e fiscalizadores, no processo de controle e organização do mercado. 5. Referencial Bibliográfico ALBUQUERQUE, Eduardo M.; CASSIOLATO, José E. As especificidades do sistema de inovação do setor saúde: uma resenha da literatura como introdução a uma discussão sobre o caso brasileiro. São Paulo: Universidade de São Paulo, Estudos FeSBE I, GADELHA, Carlos et al. O complexo industrial da saúde e a necessidade de um enfoque dinâmico na economia da saúde. Ciência & Saúde Coletiva, vol.8, no.2, GIBSON, Rowan; SKARZYNSKI, Peter. Inovação prioridade nº 1: o caminho para transformações nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, MATSUZAWA, Carla M. Inovação em saúde: estudo de caso. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, EASP, MÉDICI, A. C. Aspectos teóricos e conceituais do financiamento das políticas de saúde. In: PIOLA F.; VIANNA S. M. (org.). Economia da saúde: conceitos e contribuições para a gestão da saúde. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, p , 2ª.Ed., NOVAES, H. M. D. Da produção à avaliação de tecnologias dos sistemas de saúde: desafios do século XXI. Revista de Saúde Pública, vol. 40, Aug TAKAHASHI, Sérgio; TAKAHASHI, Vânia P. Estratégias de inovação: oportunidades e competências. Barueri, SP: Manole, 1ª.Ed., 2011.

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014 Janeiro-2014 / Sebrae - GO Sebrae em Goiás Elaboração e Coordenação Técnica Ficha Técnica Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização;

O Programa. O escopo do Programa é trabalhar, junto a esses negócios, a temática da inovação, desde sua desmistificação até a sua sistematização; O Programa Programa de âmbito nacional criado pelo SEBRAE para atuar junto aos pequenos negócios, os orientando, acompanhando e criando fidelização pelo relacionamento; O trabalho é realizado através do

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO

O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO O CLIENTE COMO FONTE DE INFORMAÇÃO PARA INOVAÇÃO: INTEGRAÇÃO ENTRE AS DIMENSÕES CLIENTES E RELACIONAMENTO Aliny Francielly de Oliveira Formada em Administração, atuante nos segmentos comércio varejista

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociedade da informação 30 h Módulo II Teoria das organizações 30 h Módulo III Redes sociais

Leia mais

A FREQUENCIA DO USO DE BOAS PRATICAS EM RESTAURANTES DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIANIA

A FREQUENCIA DO USO DE BOAS PRATICAS EM RESTAURANTES DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIANIA A FREQUENCIA DO USO DE BOAS PRATICAS EM RESTAURANTES DA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIANIA Gislaine Ferreira Bueno Agente Local de Inovação atuante na região metropolitana de Goiânia, formada em Nutrição,

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Seminário Telecentros Brasil

Seminário Telecentros Brasil Seminário Telecentros Brasil Inclusão Digital e Sustentabilidade A Capacitação dos Operadores de Telecentros Brasília, 14 de maio de 2009 TELECENTROS DE INFORMAÇÃO E NEGÓCIOS COMO VEÍCULO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO DIFERENCIANDO OS TRÊS SETORES Primeiro Setor A origem e a destinação dos recursos são públicos. Segundo Setor Corresponde ao capital privado, sendo a aplicação

Leia mais

Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade

Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade Educação Corporativa na Engenharia Naval como ferramenta de competitividade Fausto de Bessa Braga, MBA Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro fausto.bessa@amrj.mar.mil.br Nélio Domingues Pizzolato, Ph.D

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

Desenvolvimento de Competências para. Desenvolvimento de Competências para Gestão de Inovação. Gestão de Inovação

Desenvolvimento de Competências para. Desenvolvimento de Competências para Gestão de Inovação. Gestão de Inovação Desenvolvimento de para Gestão de Inovação Prof. Dr. Sérgio Takahashi GECIN /FEA-RP/USP Estrutura Paradigmas de Gestão Inovação e Realidade Nacional Conceitos sobre Inovação Gestão de Inovação: Fases Desenvolvimento

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

VII ENCAD - Seminário de Relações Trabalhistas

VII ENCAD - Seminário de Relações Trabalhistas VII ENCAD - Seminário de Relações Trabalhistas Painel Organizações e Inteligência competitiva: a ampliação de oportunidades no cenário global Tema "Inteligência competitiva: sua contribuição para a prospecção

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE COM ÊNFASE NA GESTÃO DE CLÍNICAS E HOSPITAIS

PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE COM ÊNFASE NA GESTÃO DE CLÍNICAS E HOSPITAIS PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE COM ÊNFASE NA GESTÃO DE CLÍNICAS E HOSPITAIS 2014 19010-080 -Presidente Prudente - SP 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Prof.ª Adriana Maria André,

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO CORPORATIVA E A FIDELIZAÇÃO DE SEUS PÚBLICOS ESTRATÉGICOS Vitor Roberto Krüger Gestão da Comunicação Empresarial e Relações

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO

INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO INOVAÇÃO como DIFERENCIAL ESTRATÉGICO Março/2010 A empresa A Empresa nasceu em março de 1977, como uma farmácia de manipulação, no centro de Curitiba. Durante seus 32 anos, evoluiu por diferentes cenários,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

10 Passos para o Relatório de Sustentabilidade da sua Empresa

10 Passos para o Relatório de Sustentabilidade da sua Empresa Curso Prático para Elaboração de Relatório de Sustentabilidade GRI 4.0 Taubaté- São Paulo 10 Passos para o Relatório de Sustentabilidade da sua Empresa 10 Passos para o seu Relatório de Sustentabilidade

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

PAINEL V : DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA PRODUTIVA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS

PAINEL V : DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA PRODUTIVA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS PAINEL V : DESENVOLVIMENTO REGIONAL NA AMÉRICA LATINA ESTRUTURA PRODUTIVA E DESENVOLVIMENTO REGIONAL: EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS Ricardo Romeiro Coordenador Geral de Arranjos Produtivos Locais Secretária

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

MBA EXECUTIVO EM SAÚDE

MBA EXECUTIVO EM SAÚDE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EXECUTIVO EM SAÚDE SIGA: TMBAES*06/26 Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 - Fone: (13) 3228 6000 Rua Almirante Protógenes,

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas-senai/programas/edital-de-inovacao/2015/04/1,60050/glossario.html Glossário A Atividades - Ações que os executores realizam para alcançar

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior.

A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. A Agência é responsável pela captação de negócios, orientação aos investidores, gestão de incentivos estaduais e apoio ao comércio exterior. Ainda articula ações específicas na estruturação de cadeia produtivas

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Governança Corporativa. Prof. Tiago Ramos alunos@professortiagoramos.com.br

Governança Corporativa. Prof. Tiago Ramos alunos@professortiagoramos.com.br Governança Corporativa Prof. Tiago Ramos alunos@professortiagoramos.com.br Reflexão... Fonte: www.educarparecescer.com.br Bibliografia adotada ANDRADE, A; ROSSETI, J. P. Governança Corporativa. 6ª Ed.

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Uma situação típica...

Uma situação típica... Uma situação típica... A Empresa X é do setor têxtil Tamanho - Micro-Pequena (9 Operários) Produção Diversificada (aproximadamente 800 itens) Cartela de cores com aproximadamente 100 cores variáveis Pedido

Leia mais

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA:

A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA: A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA E VANTAGEM COMPETITIVA: UMA ANÁLISE DAS PUBLICAÇÕES NO ENANPAD ENTRE OS ANOS DE 010 014. Ronaldo Maciel Guimarães 1. RESUMO Como o mercado vem sofrendo

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO PERSONAL TRAINER: CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E DE MARKETING

PERFIL PROFISSIONAL DO PERSONAL TRAINER: CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E DE MARKETING PERFIL PROFISSIONAL DO PERSONAL TRAINER: CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E DE MARKETING RESUMO: A prática regular da atividade Física e seus efeitos entram no imaginário da população como componentes essenciais do

Leia mais

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO

EFICIÊNCIA DA GESTÃO DA INOVAÇÃO 1 DESMISTIFICANDO A INOVAÇÃO Transformar a inovação em competência gerenciável é o paradigma contemporâneo para empresas, governo e organizações sociais. Nesse contexto, o Congresso Internacional de Inovação

Leia mais

O USO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS NO ACESSO A INFORMAÇÕES PARA A GESTÃO DE NEGÓCIOS

O USO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS NO ACESSO A INFORMAÇÕES PARA A GESTÃO DE NEGÓCIOS 1 O USO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS NO ACESSO A INFORMAÇÕES PARA A GESTÃO DE NEGÓCIOS Santo André SP maio/ 2015 Rita Vucinic Teles Universidade Federal do ABC rita.vucinic@ufabc.edu.br Classe: Investigação

Leia mais

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar Jacqueline Alves Torres CONASEMS Belém, 2008 O Setor Suplementar de Saúde Antes da Regulamentação:

Leia mais

Graduação Executiva. Feita para o seu momento Venha para a única graduação exclusiva para adultos a partir dos 24 anos

Graduação Executiva. Feita para o seu momento Venha para a única graduação exclusiva para adultos a partir dos 24 anos Graduação Executiva Feita para o seu momento Venha para a única graduação exclusiva para adultos a partir dos 24 anos Graduação Administração Duração: 4 anos Carga Horária Total: 3.040 horas/aula Este

Leia mais

MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores Coordenação Acadêmica: Prof. Edmarson Bacelar Mota, M. A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium

Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Metodologia de Comunicação Integrada de Marketing o caso Orium Luciano Mattana (UNIFRA) lucianomattana@unifra.br Greice de Bem Noro (UNIFRA) greice@unifra.br Milena Marinho Mottini (UNIFRA) milleninhamm@hotmail.com

Leia mais

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ Origem A preocupação com as questões sociais fez com que o professor e sacerdote italiano D. Luigi Maria Verzé chegasse ao Brasil, em 1974, através do Monte

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO

ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO ADMINISTRAÇÃO / BACHARELADO Dos cursos mais procurados pelos estudantes, o de Administração é um dos mais novos. Enquanto Medicina e Direito formam profissionais desde o século 19, foi apenas em 1946 que

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ Marlete Beatriz Maçaneiro (Professora do Departamento de Secretariado

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA? luciene@fortalnet.com.br 2 Política É um compromisso oficial expresso em um documento escrito. São decisões de caráter geral, destinadas

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais