As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira"

Transcrição

1 As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

2 Tomás de Aquino ( ) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano e sacerdote italiano cujas obras tiveram enorme influência na teologia e na filosofia. Aquino" é uma referência ao condado de Aquino, uma região da Itália que foi propriedade de sua família até 1137.

3 São Tomás de Aquino - É a figura mais destacada do pensamento cristão medieval. Elaborou os princípios da doutrina cristã baseado no pensamento aristotélico. - Parte da argumentação e estruturação lógica de Aristóteles comprovar a existência de Deus. - Não conhecemos a essência do criador, mas podemos conhecê-lo pela sua criação. - Baseando-se nesses princípios São Tomás reativa o mundo natural, pois o mundo natural é criação de Deus.

4 Tomás de Aquino O tomismo, como ficou conhecido o sistema filosófico de Tomas, têm como princípio a abstração aristotélica. Simplificando podemos interpretar o pensamento de Tomás como uma apropriação da filosofia de Aristóteles.

5 Um problema aristotélico Para Aristóteles todos os homens tendem ao conhecimento, e a prova disto é o amor pelas sensações. Tomás, aprofundando seus estudos em torno da lógica e da física, da metafísica, busca nestes termos novos sentidos para as teses aristotélicas.

6 Essência Existência Este conhecimento racional advém por meio dos sentidos Nosso intelecto trabalha por meio de abstrações Partimos do Particular para o Universal. Neste sentido para Aristóteles, a essência é diferente da existência. Tomás vai revigorar este problema a partir da questão do Ente e da Essência é quidade, é natureza, forma e matéria de determinada coisa.

7 Essência Existência Este conhecimento racional advém por meio dos sentidos Nosso intelecto trabalha por meio de abstrações Partimos do Particular para o Universal. Neste sentido para Aristóteles, a essência é diferente da existência.

8 Essência Existência Tomás vai revigorar este problema a partir da questão do Ente e da Essência é quidade, é natureza, forma e matéria de determinada coisa, elemento sem o qual não há a possibilidade de se pensar na definição, no conceito. Por exemplo, a esencia do homem, como animal racional, compreende não só a racionalidade ( forma) mas a animalidade ( matéria). Podemos saber o que é a essência (quid) sem saber de sua existência...

9 Sensações Diferentes Percepções e Sentimentos Diferentes Objetos Abstração Conceito (Universal Geral e não Ideal) Matéria ( Causa Material das sensações) DIFERENÇA LÓGICA ESSÊNCIA ( aporte conceitual) EXISTÊNCIA (aporte material)

10 Como o homem conhece... Para Tomás de Aquino, nossos sentidos externos ou corpóreos são passivos; Os sentidos estão potencialmente, aptos a receberem as informações, advindas do mundo exterior e registrá-las nos nossos sentidos internos; Estes por sua vez, vão ser a base ou substrato do qual o intelecto ativo irá extrair os dados, em potência e transformá-los em ato cognicível.

11 O intelecto passivo Sensibilidade que recebe os dados sensíveis de maneira mecânica e os transporta para que seja trabalhado pelo intelecto ativo. Percebemos apenas as coisas em ato, sua relação com as causas primeiras (potência) e mesmo com seus aspectos eficiente, causal e final nos são desconhecidos, sendo necessário o trabalho do intelecto ativo para que de fato tenhamos o conhecimento das formas das coisas.

12 O intelecto agente (ativo) Responsável pela passagem da potência ao ato, ou seja, responsável pelo trabalho de abstração necessário ao conhecimento real das causas e suas relações entre potência e ato, matéria e forma, substância e acidente.

13 Deus Ser necessário Ato puro Imutável e infinito Causa de sua existência Essência = Existência Criaturas Ser contingente Ato e potência ( transformação) Mutável e Finito Existência dependente Existência concreta e essência abstrata Essência Existência Intelecto Puro Agente Intelecto Passivo (predominante) e Ativo

14 Tomás de Aquino esquematizou o direito com base na seguinte classificação das leis: Lei Divina: revelada por Deus aos homens, que consiste nos Dez Mandamentos. Lei Eterna: o plano racional de Deus que ordena todo o universo. Lei Natural: conceituada como a participação da Lei Eterna na criatura racional, ou seja, aquilo que o homem é levado a fazer pela sua natureza racional; Lei Positiva: feita pelo homem, de modo a possibilitar uma vida em sociedade. Esta subordinase à Lei Natural, não podendo contrariá-la sob pena de se tornar uma lei injusta.

15 Razão e Fé A filosofia a serviço da teologia A razão (ratio), faculdade discursiva do ser e dos porquês, é o modo pelo qual a perfeição absoluta da inteligência (intelligentia) realiza-se no homem. Ela caracteriza-se por sua força abstrativa (abstractio, abstrahere), a qual denominamos intelecto (intellectus; intus-legere= ler dentro), capaz de alcançar o ser inteligível das coisas sensíveis e os primeiros princípios, e que se especifica pela sua capacidade de avançar no conhecimento da verdade, mediante um encadeamento lógico, que parte de princípios auto evidentes e que denominamos raciocínio.

16 Razão e Fé A filosofia a serviço da teologia Ora bem, a filosofia é o conhecimento pelas causas primeiras e mais universais, através da luz da razão (lumen rationis).2 Agora bem, a fé é para a teologia o que os princípios naturais são para a razão.3contudo, diferentemente da luz da razão (lumen rationis), que é auto-evidente, a luz da fé (lumen fidei) é uma luz infusa (lumen infusum). Ora, a teologia é uma reflexão que parte da luz da fé (lumen fidei) como de seus princípios primeiros. A teologia não é, pois, a pura fé, mas fruto da razão iluminada pela fé (ratio fidei illustrata).

17 As provas empíricas e ontológicas da existência de Deus, demonstradas logicamente... As cinco vias (quinque viis) podem ser interpretadas como uma adequação das teses de Aristóteles ao cristianismo. Diferentemente do empreendimento filosófico de Agostinho, Tomás, parte do zero, ou seja não define de saída a existência da alma como devedora da criação divina.

18 VIAS 1ª NATUREZA SE OBSERVA 2º PRINCÍPIO DE CAUSALIDADE 3º PRINCÍPIO IMPOSSIBILIDADE DE UMA INFINITA DE CAUSAS ( AD INFINITUM) 4º DEMONSTRAÇÃO Atributos de um Ser - 1ª Movimento Todo movimento é efeito de um motor Motriz Princípio do Movente que não pode ser movimentado Primeiro Motor 2ª Causalidade Todo efeito procede de uma causa prévia Eficiente Todo efeito tem sua causa exterior a si mesmo Causa Primeira D 3ª Contingencia Todo ser contingente procede de outro prévio Seres contingentes Todo ser contingente deriva sua existência. Ser Necessário E 4ª Perfeição Tudo possui um nível de perfeição Seres perfeitos A ideia de perfeição necessita ter uma matriz. Ser Perfeito U 5ª Ordem Todo nível inferior na ordem dos seres depende de outro superior. Níveis de ordem Toda a ordem pressupõe a ação de uma finalidade perfeita que organiza e para qual estão dirigidas todas as coisas. Causa Final ( Fim último) S

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino

Leia mais

FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II FILOSOFIA NA IDADE MEDIEVAL A IDADE MÉDIA INICIOU-SE NA Europa com as invasões germânicas ou bárbaras no

Leia mais

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL Santo Agostinho séc. IV São Tomás de Aquino séc. XIII PATRÍSTICA e ESCOLÁSTICA Platão séc. IV a.c. Aristóteles séc. III a.c A RELAÇÃO ENTRE FÉ E RAZÃO Questões fundamentais para

Leia mais

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO 1 ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO A ESCOLÁSTICA E OS PRINCIPAIS REPRESENTANTES ALBERTO MAGNO TOMÁS DE AQUINO Buscaram provar a existência de Deus utilizando argumentos racionais. 2 A UNIDADE ENTRE A FÉ

Leia mais

ARISTÓTELES I) TEORIA DO CONHECIMENTO DE ARISTÓTELES

ARISTÓTELES I) TEORIA DO CONHECIMENTO DE ARISTÓTELES AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. Todo exemplo citado em aula é, meramente,

Leia mais

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33.

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 91 tornar-se tanto quanto possível imortal Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 92 5. Conclusão Qual é o objeto da vida humana? Qual é o seu propósito? Qual é o seu significado? De todas as respostas

Leia mais

A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS PELA VIA DO MOVIMENTO EM SÃO TOMÁS DE AQUINO.

A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS PELA VIA DO MOVIMENTO EM SÃO TOMÁS DE AQUINO. doi: 10.4025/10jeam.ppeuem.04006 A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS PELA VIA DO MOVIMENTO EM SÃO TOMÁS DE AQUINO. IZIDIO, Camila de Souza (UEM) Essa pesquisa tem como objetivo a análise da primeira das cinco

Leia mais

Nascido em Estagira - Macedônia ( a.c.). Principal representante do período sistemático.

Nascido em Estagira - Macedônia ( a.c.). Principal representante do período sistemático. Aristóteles Nascido em Estagira - Macedônia (384-322 a.c.). Principal representante do período sistemático. Filho de Nicômaco, médico, herdou o interesse pelas ciências naturais Ingressa na Academia de

Leia mais

TOMÁS DE AQUINO SÉC. XIII AS PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS

TOMÁS DE AQUINO SÉC. XIII AS PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS TOMÁS DE AQUINO SÉC. XIII AS PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS NA SUA OBRA DENOMINADA SUMA TEOLÓGICA, TOMÁS DE AQUINO CONSIDERA CINCO VIAS QUE, POR MEIO DE ARGUMENTOS, CONDUZEM À DEUS, TODAS COM CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 Aula Véspera UFU 2015 Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 NORTE DA AVALIAÇÃO O papel da Filosofia é estimular o espírito crítico, portanto, ela não pode

Leia mais

FILOSOFIA MEDIEVAL: ESCOLÁSTICA 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP

FILOSOFIA MEDIEVAL: ESCOLÁSTICA 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP Por Filosofia Escolástica entende-se a filosofia dominante no período compreendido entre os séculos IX e XIV XV, ensinada comumente nas escolas,

Leia mais

Aula 08 Terceiro Colegial.

Aula 08 Terceiro Colegial. Aula 08 Terceiro Colegial Cristianismo: Entre a Fé e a Razão Busca por uma base racional para sustentar a fé Formulações filosóficas se estendendo por mais de mil anos Cristianismo Palavra de Jesus, que

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ - ESALQ/USP

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ - ESALQ/USP ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ - ESALQ/USP CAIO HENRIQUE AMPARO ROSATELI JOÃO PEDRO BACCHIN MILANEZ PEDRO INNOCENTE COLLARES VINÍCIUS HORSTMANN FERNANDES SÃO TOMÁS DE AQUINO Piracicaba

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 1ª EM TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Esta atividade contém

Leia mais

O SUBSTANCIALISMO DO ENTE E DA ESSÊNCIA NA METAFÍSICA DE AQUINO

O SUBSTANCIALISMO DO ENTE E DA ESSÊNCIA NA METAFÍSICA DE AQUINO O SUBSTANCIALISMO DO ENTE E DA ESSÊNCIA NA METAFÍSICA DE AQUINO Jorge-Américo Vargas-Freitas Rio de Janeiro, 03 de Dezembro de 2014 Resumo: A pesquisa se endereça a tratar das substâncias compostas e das

Leia mais

Patrística e Escolástica

Patrística e Escolástica Patrística e Escolástica 1. (Uff 2012) A grande contribuição de Tomás de Aquino para a vida intelectual foi a de valorizar a inteligência humana e sua capacidade de alcançar a verdade por meio da razão

Leia mais

Trabalho 2 da UC Teoria do Conhecimento I Camila Cardoso Diniz 9 de maio de 2008

Trabalho 2 da UC Teoria do Conhecimento I Camila Cardoso Diniz 9 de maio de 2008 Camila Cardoso Diniz Universidade Federal De São Paulo Unifesp -Campus Guarulhos A verdade é índice de si mesma e do falso. UC Teoria do Conhecimento Prof. Dr. Fernando Dias Andrade. Guarulhos, 27 de junho

Leia mais

AGOSTINHO O FILÓSOFO

AGOSTINHO O FILÓSOFO Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz AGOSTINHO O FILÓSOFO ENTRE O BEM E O MAL OU SE CORRER, O BICHO PEGA; SE FICAR, O BICHO COME. Santo Agostinho no detalhe

Leia mais

Filosofia na Idade Média. Patrística e Escolástica

Filosofia na Idade Média. Patrística e Escolástica Filosofia na Idade Média Patrística e Escolástica Tomai cuidado para que ninguém vos escravize por vãs e enganadoras especulações da filosofia, segundo a tradição dos homens, segundo os elementos do mundo,

Leia mais

Roteiro de estudos para recuperação trimestral

Roteiro de estudos para recuperação trimestral Roteiro de estudos para recuperação trimestral Disciplina: Professor (a): FILOSOFIA JOSÉ LUCIANO GABEIRL Conteúdo: Referência para estudo: A Filosofia de Aristóteles A Filosofia Helenística Idade Média

Leia mais

SOFISTAS E SÓCRATES Os sofistas são pensadores que questionam pela retórica o ideal democrático e racionalidade grega que colocava a centralidade da

SOFISTAS E SÓCRATES Os sofistas são pensadores que questionam pela retórica o ideal democrático e racionalidade grega que colocava a centralidade da SOFISTAS E SÓCRATES Os sofistas são pensadores que questionam pela retórica o ideal democrático e racionalidade grega que colocava a centralidade da vida ética na coletividade e no bem comum. Neste sentido,

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

O processo do conhecimento humano em Tomás de Aquino

O processo do conhecimento humano em Tomás de Aquino ÁGORA FILOSÓFICA O processo do conhecimento humano em Tomás de Aquino The Process of Human Knowledge in Thomas Aquinas Prof. Dr. Marcos Roberto Nunes Costa 1 Resumo Na Suma Teológica, especialmente nas

Leia mais

S. Tomás de Aquino SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO

S. Tomás de Aquino SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO. : Index. S. Tomás de Aquino SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO Índice Geral PRIMEIRA QUESTÃO SEGUNDA

Leia mais

O homem é composto de substância corporal e de substância espiritual, sendo esta por via da sua subsistência, incorruptível.

O homem é composto de substância corporal e de substância espiritual, sendo esta por via da sua subsistência, incorruptível. S. TOMÁS DE AQUINO Nasceu em Roccasecca em 1225. Ingressou na ordem dos dominicanos, tal como Alberto Magno, de quem foi aluno. Faleceu em 1274. É indubitavelmente o maior dos filósofos escolásticos. S.

Leia mais

AULA FILOSOFIA. O realismo aristotélico

AULA FILOSOFIA. O realismo aristotélico AULA FILOSOFIA O realismo aristotélico DEFINIÇÃO O realismo aristotélico representa, na Grécia antiga, ao lado das filosofias de Sócrates e Platão, uma reação ao discurso dos sofistas e uma tentativa de

Leia mais

A filosofia Moderna. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre

A filosofia Moderna. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre A filosofia Moderna Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes 1º Ano Ensino Médio Terceiro Trimestre Uma nova forma de se pensar a realidade A era moderna é marcada por um

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO BIMESTRAL DE FILOSOFIA

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO BIMESTRAL DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO Valor: 2,0 pontos Nota: Data: / /2016 Professor: WAGNER GUEDES Disciplina: FILOSOFIA Nome: n o : SÉRIE: 2ª 4º bimestre TRABALHO DE RECUPERAÇÃO BIMESTRAL DE FILOSOFIA 1. O nascimento do conhecimento

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - abril ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - abril ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Considere as seguintes afirmações de Aristóteles e assinale a alternativa correta. I -... é a ciência dos primeiros princípios e das primeiras causas. II -... é a ciência do ser enquanto

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I

MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I 4 MATÉRIA DA DISCIPLINA ÉTICA E CIDADANIA APLICADA AO DIREITO I MINISTRADA PELO PROFESSOR MARCOS PEIXOTO MELLO GONÇALVES PARA A TURMA 1º T NO II SEMESTRE DE 2003, de 18/08/2003 a 24/11/2003 O Semestre

Leia mais

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I 1.1 1.2 1.3 Conhecimento filosófico, religioso, científico e senso comum. Filosofia e lógica. Milagre Grego.

Leia mais

Clóvis de Barros Filho

Clóvis de Barros Filho Clóvis de Barros Filho Sugestão Formação: Doutor em Ciências da Comunicação pela USP (2002) Site: http://www.espacoetica.com.br/ Vídeos Produção acadêmica ÉTICA - Princípio Conjunto de conhecimentos (filosofia)

Leia mais

FÍSICA FILOSOFIA. Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. Características Fundamentais da Idade Média

FÍSICA FILOSOFIA. Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. Características Fundamentais da Idade Média FILOSOFIA FÍSICA Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA O período histórico comumente chamado de Idade Média inicia- se no século V e termina no século XV. Portanto, ele representa mil anos de

Leia mais

A TEOLOGIA COMO CIÊNCIA: O CASO DA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO

A TEOLOGIA COMO CIÊNCIA: O CASO DA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO A TEOLOGIA COMO CIÊNCIA: O CASO DA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO CAMPOS, Fernanda Ferreira de (PGF/UEM) Introdução O questionamento sobre a cientificidade da Teologia acompanha seu estudo há muito

Leia mais

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS

O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS O CONHECIMENTO E SEUS NÍVEIS 1. O CONHECIMENTO é uma relação que se estabelece entre o sujeito que conhece e o objeto conhecido. O sujeito que conhece se apropria, de certo modo, do objeto conhecido. Através

Leia mais

MÉTODOS DE PESQUISA. O conhecimento científico, Senso Comum e os tipos de conhecimentos. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro.

MÉTODOS DE PESQUISA. O conhecimento científico, Senso Comum e os tipos de conhecimentos. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro. MÉTODOS DE PESQUISA O conhecimento científico, Senso Comum e os tipos de conhecimentos Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro Santos-SP, 2012 Evandro Prestes Guerreiro O Conhecimento Científico, Senso Comum

Leia mais

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro.

Leia mais

Você sabe por que vamos à escola? Ensino é responsabilidade do Estado e de que todos têm direito à educação ideias novas.

Você sabe por que vamos à escola? Ensino é responsabilidade do Estado e de que todos têm direito à educação ideias novas. Escolástica: a filosofia das escolas cristãs 3º BIMESTRE 7º Ano A filosofia cristã na Escolástica Você sabe por que vamos à escola? Ensino é responsabilidade do Estado e de que todos têm direito à educação

Leia mais

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( )

TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant ( ) TEORIA DO CONHECIMENTO Immanuel Kant (1724-1804) Obras de destaque da Filosofia Kantiana Epistemologia - Crítica da Razão Pura (1781) Prolegômenos e a toda a Metafísica Futura (1783) Ética - Crítica da

Leia mais

Racionalismo Capítulo XXXIII

Racionalismo Capítulo XXXIII Racionalismo Capítulo XXXIII Renè Descartes (ou Catesio, 1596 1650) Doutrina: I) Método: Meta ou Finalidade: Estabelecer uma ciência geral que permaneça a mesma aplicada a vários sujeitos. Para obtê-la,

Leia mais

Da semelhança entre geometria e ontologia na teoria do conhecimento de S. Tomás de Aquino

Da semelhança entre geometria e ontologia na teoria do conhecimento de S. Tomás de Aquino Convenit Internacional 24 mai-ago 2017 Cemoroc-Feusp / IJI - Univ. do Porto Da semelhança entre geometria e ontologia na teoria do conhecimento de S. Tomás de Aquino José Alexandre Fogaça 1 Resumo: Este

Leia mais

Sócrates, Sofistas, Platão e Aristóteles (ética) Séc. III e IV a. C

Sócrates, Sofistas, Platão e Aristóteles (ética) Séc. III e IV a. C Sócrates, Sofistas, Platão e Aristóteles (ética) Séc. III e IV a. C Nunca deixou nada escrito Patrono da Filosofia Sh As principais fontes: Platão, Xenofonte e Aristóteles Questões Antropológicas O início

Leia mais

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO

A ÉTICA NA HISTÓRIA DO PENSAMENTO SOFISTAS Acreditavam num relativismo moral. O ceticismo dos sofistas os levava a afirmar que, não existindo verdade absoluta, não poderiam existir valores que fossem validos universalmente. A moral variaria

Leia mais

A prova da existência de Deus em Duns Escoto

A prova da existência de Deus em Duns Escoto 1 A prova da existência de Deus em Duns Escoto Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado e Pós-Graduado em Filosofia Pela Universidade Federal de Mato Grosso. Introdução João Duns Escoto

Leia mais

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7 Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 1 Igreja na Era Medieval Importância: 1. Único poder universal. 2.

Leia mais

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura

O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura O caminho moral em Kant: da transição da metafísica dos costumes para a crítica da razão prática pura Jean Carlos Demboski * A questão moral em Immanuel Kant é referência para compreender as mudanças ocorridas

Leia mais

ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr.

ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás. Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. ESTÉTICA: Plotino, Sto. Agostinho e Sto. Tomás Prof. Arlindo F. Gonçalves Jr. http://www.mural-2.com PLOTINO A BELEZA FÍSICA É UMA IMAGEM QUE POSSIBILITA AO HOMEM PRESSENTIR A BELEZA DA ALMA, A QUAL, EM

Leia mais

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea V Congresso Espiritismo O Céu e o Inferno de Platão e Dante à Kardec O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea Agosto de 2015 Claudio C. Conti www.ccconti.com Qual a melhor receita para uma vitamina

Leia mais

João Damasceno: Deus Transcende toda Essência

João Damasceno: Deus Transcende toda Essência João Damasceno: Deus Transcende toda Essência Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado em Filosofia Pela Universidade Federal de Mato Grosso. 1.1) O Conhecimento Universal da Existência

Leia mais

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid Racionalismo René Descartes Prof. Deivid Índice O que é o racionalismo? René Descartes Racionalismo de Descartes Nada satisfaz Descartes? Descartes e o saber tradicional Objetivo de Descartes A importância

Leia mais

A teoria das das idéias no médio-platonismo: o capítulo IX do Didascálios de Alcínoo

A teoria das das idéias no médio-platonismo: o capítulo IX do Didascálios de Alcínoo A teoria das das idéias no médio-platonismo: o capítulo IX do Didascálios de Alcínoo Bernardo Guadalupe dos Santos Lins Brandão geraldosantos@yahoo.com.br Programa de Pós-Graduação em Filosofia, UFMG 1.

Leia mais

IDEALISMO ESPECULATIVO E ESPÍRITO ABSOLUTO ARTE, RELIGIÃO E FILOSOFIA CURSO DE EXTENSÃO 24/10/ Prof. Ricardo Pereira Tassinari TEXTO BASE 1

IDEALISMO ESPECULATIVO E ESPÍRITO ABSOLUTO ARTE, RELIGIÃO E FILOSOFIA CURSO DE EXTENSÃO 24/10/ Prof. Ricardo Pereira Tassinari TEXTO BASE 1 IDEALISMO ESPECULATIVO E ESPÍRITO ABSOLUTO ARTE, RELIGIÃO E FILOSOFIA CURSO DE EXTENSÃO 24/10/2011 - Prof. Ricardo Pereira Tassinari TEXTO BASE 1 535 O Estado é a substância ética autoconsciente - a unificação

Leia mais

HEIDEGGER, Martin. História da Filosofia: de Tomás de Aquino a Kant. Primeira Seção: Tomás de Aquino

HEIDEGGER, Martin. História da Filosofia: de Tomás de Aquino a Kant. Primeira Seção: Tomás de Aquino 116 HEIDEGGER, Martin. História da Filosofia: de Tomás de Aquino a Kant. Primeira Seção: Tomás de Aquino. Tradução: Enio Paulo Giachini. Editora Vozes. São Paulo SP. Adonay Ramos Moreira 1 É inegável que,

Leia mais

Tema 2 - Um panorama histórico da física II

Tema 2 - Um panorama histórico da física II Universidade Federal de Ouro Preto ICEB - Departamento de Física Professor Armando Brizola FIS119 - A física no mundo moderno Tema 2 - Um panorama histórico da física II Assunto: A ciência no mundo medieval

Leia mais

JOSÉ RENATO GAZIERO CELLA RAZÃO E EXPERIÊNCIA; IDEAL E REAL EM DEWEY

JOSÉ RENATO GAZIERO CELLA RAZÃO E EXPERIÊNCIA; IDEAL E REAL EM DEWEY JOSÉ RENATO GAZIERO CELLA RAZÃO E EXPERIÊNCIA; IDEAL E REAL EM DEWEY Trabalho de Graduação apresentado ao Curso de Filosofia, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná.

Leia mais

Exercitando o raciocínio lógico-dedutivo!

Exercitando o raciocínio lógico-dedutivo! Exercitando o raciocínio lógico-dedutivo! Exercícios de raciocínio lógico-dedutivo a favor de Deus. Primeiramente devemos entender o conceito da dedução lógica, para então, realizarmos o seu exercício.

Leia mais

Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz SANTO AGOSTINHO. Entre a cidade dos homens e a cidade de Deus

Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz SANTO AGOSTINHO. Entre a cidade dos homens e a cidade de Deus Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz SANTO AGOSTINHO Entre a cidade dos homens e a cidade de Deus VIDA E OBRA Aurélio Agostinho destaca-se entre os Padres como

Leia mais

INTRODUÇÃO AO O QUE É A FILOSOFIA? PENSAMENTO FILOSÓFICO: Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior

INTRODUÇÃO AO O QUE É A FILOSOFIA? PENSAMENTO FILOSÓFICO: Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO FILOSÓFICO: O QUE É A FILOSOFIA? Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior INTRODUÇÃO FILOSOFIA THEORIA - ONTOS - LOGOS VER - SER - DIZER - A Filosofia é ver e dizer aquilo que

Leia mais

SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO

SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO SANTO AGOSTINHO SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO Aos 28 anos, Agostinho partir para Roma. Estava cansando da vida de professor em Cartago e acreditava que em Roma encontraria alunos mais capazes. Em Milão,

Leia mais

"A verdade jamais é pura e raramente é simples." (Oscar Wilde)

A verdade jamais é pura e raramente é simples. (Oscar Wilde) "A verdade jamais é pura e raramente é simples." (Oscar Wilde) Qual é a verdade? São possíveis várias realidades? É possível que haja mais verdades na realidade do que podemos perceber? As sensações podem

Leia mais

ARTE PRIMEIRA PRIMÁRIAS CAPÍTULO D EUS. Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO

ARTE PRIMEIRA PRIMÁRIAS CAPÍTULO D EUS. Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO O LIVRO DOS ESPÍRITOS PAR ARTE PRIMEIRA AS CAUSAS PRIMÁRIAS CAPÍTULO 1 D EUS Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO 1 O que é Deus? Deus é a inteligência

Leia mais

Afirma que a realidade mais fundamental é composta de ideias ou formas abstratas. Para Platão, estas ideias ou formas são objetos do verdadeiro

Afirma que a realidade mais fundamental é composta de ideias ou formas abstratas. Para Platão, estas ideias ou formas são objetos do verdadeiro Afirma que a realidade mais fundamental é composta de ideias ou formas abstratas. Para Platão, estas ideias ou formas são objetos do verdadeiro conhecimento. Elas residem no mundo inteligível e sua natureza

Leia mais

Primeiro Motor Aristotélico

Primeiro Motor Aristotélico Motor Imóvel Primeiro Motor Aristotélico Deus Criador Tomista Pedro Henrique Ciucci da Silva Tomás de Aquino aceitou e aprofundou a filosofia aristotélica, pois fundamentou sua primeira via que leva a

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Natureza humana e teoria do conhecimento em Tomás de Aquino: o corpo como determinante para a realização do processo intelectivo André de Deus Berger UFSCar/ Programa de pós-graduação em Filosofia, mestrado.

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO SECUNDÁRIO Planificação Anual 2012-2013 FILOSOFIA

Leia mais

A filosofia da história hegeliana e a trindade cristã

A filosofia da história hegeliana e a trindade cristã A filosofia da história hegeliana e a trindade cristã Resumo: Lincoln Menezes de França 1 A razão, segundo Hegel, rege o mundo. Essa razão, ao mesmo tempo em que caracteriza o homem enquanto tal, em suas

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA SOBRE FILOSOFIA DEFINIÇÃO TRADICIONAL (segundo a perspectiva ocidental) TEOLOGIA CIÊNCIA certezas dúvidas Bertrand Russell (1872-1970) utiliza seus temas

Leia mais

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra

Teorias do conhecimento. Profª Karina Oliveira Bezerra Teorias do conhecimento Profª Karina Oliveira Bezerra Teoria do conhecimento ou epistemologia Entre os principais problemas filosóficos está o do conhecimento. Para que investigar o conhecimento? Para

Leia mais

ÁGORA FILOSÓFICA. Deus finalidade teleológica do homem, segundo Tomás de Aquino

ÁGORA FILOSÓFICA. Deus finalidade teleológica do homem, segundo Tomás de Aquino Deus finalidade teleológica do homem, segundo Tomás de Aquino Prof. Dr. Marcos Roberto Nunes Costa 1 Telma Tennille Vilar de Andrade 2 Resumo Tomás de Aquino coloca como principal finalidade teleológica

Leia mais

Assinalar a importancia da proximidade do académico do estudo da filosofía do direito;

Assinalar a importancia da proximidade do académico do estudo da filosofía do direito; 1 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: II CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: FILOSOFIA JURÍDICA NOME DO CURSO: DIREITO 2 EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Filosofia, Direito

Leia mais

Deus. Coisas físicas Nº1

Deus. Coisas físicas Nº1 A ESSÊNCIA DE TUDO, A Santidade, Retidão e Justiça de Nº1 Deus Deus é diferente de todos os outros seres. Só Ele é infinito e não criado. Todos os demais são finitos e criados. O termo bíblico para essa

Leia mais

Aula do Curso Básico DEUS

Aula do Curso Básico DEUS Aula do Curso Básico DEUS Gênese evolução da ideia de Deus Os mecanismos da evolução Os animais e os fenômenos naturais A vida do ser humano primitivo A descoberta do espírito e suas consequências O animismo

Leia mais

PERÍODO GREGO e Psicologia

PERÍODO GREGO e Psicologia PERÍODO GREGO e Psicologia De 700 a. C. ao início Era Cristã: (») Apogeu Conhecimento Humano :: Riqueza na Pólis (++) Produtos e Recursos O homem livre para se dedicar à Arte e Filosofia : Especulação

Leia mais

Estudo do Livro : O Espírito da Filosofia Oriental de Huberto Rohden

Estudo do Livro : O Espírito da Filosofia Oriental de Huberto Rohden Estudo do Livro : O Espírito da Filosofia Oriental de Huberto Rohden 1º PARTE Introdução A filosofia oriental é a filosofia desenvolvida nos países da Ásia Oriental e do Oriente Médio, como Índia, Irã,

Leia mais

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen

Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen 1 Vocabulário Filosófico Dr. Greg L. Bahnsen Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto / felipe@monergismo.com GERAL Razão: capacidade intelectual ou mental do homem. Pressuposição: uma suposição elementar,

Leia mais

Filosofia (aula 9) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 9) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 9) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Lógica O problema lógico, embora para alguns possa parecer artificial, impõe-se por si. Ele surge logo que se nota que alguns conhecimentos

Leia mais

O MOVIMENTO DO INTELECTO EM DIREÇÃO A DEUS

O MOVIMENTO DO INTELECTO EM DIREÇÃO A DEUS O MOVIMENTO DO INTELECTO EM DIREÇÃO A DEUS THE MOVEMENT OF INTELLECT TOWARD GOD Anderson D Arc Ferreira 1 RESUMO: O presente trabalho visa esboçar alguns elementos centrais do projeto da Teologia Natural

Leia mais

online Número 8 Julho - Dezembro 2010

online Número 8 Julho - Dezembro 2010 F I C H A T É C N I C A R e c e n s ã o H e l e n a C o s t a Revista ISSN 1 6 4 6-740X online Número 8 Julho - Dezembro 2010 Titulo: Recensão J. M. COSTA MACEDO, J. M. - Anselmo e a Astúcia da Razão.

Leia mais

FILOSOFIA Introdução à Filosofia Prof. Dr. Álvaro Maia AULA SEGUNDA: O PENSAMENTO MEDIEVAL. 1. Entre Aristóteles e a Patrística

FILOSOFIA Introdução à Filosofia Prof. Dr. Álvaro Maia AULA SEGUNDA: O PENSAMENTO MEDIEVAL. 1. Entre Aristóteles e a Patrística FILOSOFIA Introdução à Filosofia Prof. Dr. Álvaro Maia AULA SEGUNDA: O PENSAMENTO MEDIEVAL 1. Entre Aristóteles e a Patrística Após o período sistêmico percorrido pela tríade Sócrates, Platão e Aristóteles,

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

Deus fala através do trovão

Deus fala através do trovão Deus fala através do trovão Já havia dois dias que os israelitas, acampados próximo ao Sinal, estavam se preparando para a grande teofania. No terceiro dia, Deus enviou tão impressionantes sinais que o

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA. Perfeição: entre a gradação e a completude

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA. Perfeição: entre a gradação e a completude UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA II SEMANA DE FILOSOFIA Perfeição: entre a gradação e a completude Aylton Fernando Andrade 1 fs_nandodrummer@hotmail.com O tema da concepção de perfeição é debatido

Leia mais

AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA

AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA AULA 01 FILOSOFIA DO DIREITO KANT E A FILOSOFIA CRÍTICA 1. A VIDA DE EMANUEL KANT (1724 1804) Nasceu em Königsberg, cidade da Prússia, em 1724. A condição de sua família era modesta. Foi educado no Colégio

Leia mais

7 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA

7 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro III Ensinos e Parábolas de Jesus Parte 2 Módulo II Ensinos Diretos de Jesus Roteiro 7 Objetivo Interpretar, à luz da Doutrina

Leia mais

Filosofia Medieval e o fundamento cristão

Filosofia Medieval e o fundamento cristão Disciplina: Filosofia Professor: Reinaldo Souza Aluno(a): Turno: Série:3º ANO Turma: Data: / / 2016 Filosofia Medieval e o fundamento cristão 1. A Patrística (meados do séc. IV ao séc. VIII): busca da

Leia mais

RETOMANDO CONCEITOS FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL: UMA VIA DE MÃO DUPLA O PROCESSO DE FILOSOFAR 11/10/2010 FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DO SERVIÇO SOCIAL

RETOMANDO CONCEITOS FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL: UMA VIA DE MÃO DUPLA O PROCESSO DE FILOSOFAR 11/10/2010 FUNDAMENTOS FILOSÓFICOS DO SERVIÇO SOCIAL FILOSOFIA E SERVIÇO SOCIAL: UMA VIA DE MÃO DUPLA Prof. José Rômulo de Magalhães Filho 1 RETOMANDO CONCEITOS Filosofar é refletir sobre a experiência vivida; Experiência que se vive: Individualmente Na

Leia mais

Conceitos Básicos e História

Conceitos Básicos e História Psicologia na Educação Aula 1 Conceitos Básicos e História Profa. Adriana Straube Nesta aula discutiremos sobre o conceito de psicologia. As origens da psicologia como ciência nascendo na Alemanha. História

Leia mais

PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO A FILOSOFIA DE PARMÊNIDES E SUA CONTRAPOSIÇÃO COM HERÁCLITO

PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO A FILOSOFIA DE PARMÊNIDES E SUA CONTRAPOSIÇÃO COM HERÁCLITO PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO A FILOSOFIA DE PARMÊNIDES E SUA CONTRAPOSIÇÃO COM HERÁCLITO Metafísica é quando o que escuta não ouve nada, e o que fala já não ouve. Voltaire Parmênides

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Metodologia do Trabalho Científico O Método Cientifico: o positivismo, a fenomenologia, o estruturalismo e o materialismo dialético. Héctor José

Leia mais

UNIDADE 2 FILOSOFIA MEDIEVAL

UNIDADE 2 FILOSOFIA MEDIEVAL UNIDADE 2 FILOSOFIA MEDIEVAL CONTEXTO HISTÓRICO A QUEDA DE ROMA Antes da queda, numa tentativa desesperada de salvar o Império Romano, em 380 o imperador Teodósio torna o cristianismo, que já era a seita

Leia mais

Introdução à obra de Wallon

Introdução à obra de Wallon Henri Wallon Introdução à obra de Wallon A atividade da criança: conjunto de gestos com significados filogenéticos de sobrevivência. Entre o indivíduo e o meio há uma unidade indivisível. A sociedade é

Leia mais

Antônio Augusto Caldasso Couto OS VESTÍGIOS DE DEUS NO ESPELHO DO MUNDO:

Antônio Augusto Caldasso Couto OS VESTÍGIOS DE DEUS NO ESPELHO DO MUNDO: Antônio Augusto Caldasso Couto OS VESTÍGIOS DE DEUS NO ESPELHO DO MUNDO: UM ESTUDO SOBRE O CONHECIMENTO DE DEUS E A SIGNIFICAÇÃO DOS NOMES DIVINOS NA SUMA TEOLÓGICA DE SANTO TOMÁS DE AQUINO Dissertação

Leia mais

O conceito ética. O conceito ética. Curso de Filosofia. Prof. Daniel Pansarelli. Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles

O conceito ética. O conceito ética. Curso de Filosofia. Prof. Daniel Pansarelli. Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles Curso de Filosofia Prof. Daniel Pansarelli Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles O conceito ética Originado do termo grego Ethos, em suas duas expressões Êthos (com inicial

Leia mais

Aristóteles. (384 a.c 347 a.c)

Aristóteles. (384 a.c 347 a.c) Aristóteles (384 a.c 347 a.c) Trajetória histórica Nasce em Estagira império macedônio Encontro com Platão academia aos 17 anos (fica 20 anos) Preceptor de Alexandre Muito estudo biblioteca e investigação

Leia mais

SUMÁRIO PRIMEIRA PARTE 31 CONSIDERAÇÃO PREVIA 15 DETERMINAÇÃO POSITIVA DA FILOSOFIA A PARTIR DO CONTEÚDO DA QUESTÃO DA LIBERDADE

SUMÁRIO PRIMEIRA PARTE 31 CONSIDERAÇÃO PREVIA 15 DETERMINAÇÃO POSITIVA DA FILOSOFIA A PARTIR DO CONTEÚDO DA QUESTÃO DA LIBERDADE SUMÁRIO CONSIDERAÇÃO PREVIA 15 1. A aparente contradição entre a questão "particular" acerca da essência da liberdade humana e a tarefa "geral" de uma introdução à filosofia 15 a) O "particular" do tema

Leia mais

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo:

John Locke ( ) Inatismo e Empirismo: Inatismo: Empirismo: John Locke (1632 1704) John Locke é o iniciador da teoria do conhecimento propriamente dita por que se propõe a analisar cada uma das formas de conhecimento que possuímos a origem de nossas idéias e nossos

Leia mais

A CIÊNCIA GENUÍNA DA NATUREZA EM KANT 1

A CIÊNCIA GENUÍNA DA NATUREZA EM KANT 1 A CIÊNCIA GENUÍNA DA NATUREZA EM KANT 1 Ednilson Gomes Matias 2 RESUMO: O seguinte trabalho trata da concepção de ciência genuína da natureza desenvolvida por Immanuel Kant nos Princípios metafísicos da

Leia mais

IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO

IMMANUEL KANT ( ) E O CRITICISMO AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas RUBENS expostos. RAMIRO Todo JR exemplo (TODOS citado

Leia mais