A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS PELA VIA DO MOVIMENTO EM SÃO TOMÁS DE AQUINO.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS PELA VIA DO MOVIMENTO EM SÃO TOMÁS DE AQUINO."

Transcrição

1 doi: /10jeam.ppeuem A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS PELA VIA DO MOVIMENTO EM SÃO TOMÁS DE AQUINO. IZIDIO, Camila de Souza (UEM) Essa pesquisa tem como objetivo a análise da primeira das cinco vias que provam a existência de Deus propostas pelo filósofo e teólogo Tomás de Aquino. Essas vias têm como princípio argumentos atestados pela nossa razão, ou seja, será provado que Deus é, não pela via da fé, mas por premissas que podem ser demonstradas. Tomás de Aquino mostrará a partir das coisas sensíveis que são mais facilmente conhecidas pelo nosso intelecto, que as mesmas são efeitos que dependem de uma causa primeira. É na Suma Teológica, mais precisamente na questão II, artigo terceiro e na Suma Contra os Gentios, livro I, capitulo XIII que é encontrada a argumentação acerca da primeira via, que tem como principio o movimento. De maneira que, Tomás tem como premissa fundamental que tudo aquilo que se move no mundo é movido por outro; Na primeira obra citada acima, o filósofo inicia seu texto já observando que a primeira das cinco vias, a qual por sua vez, trata essa pesquisa é a mais clara e manifesta dentre todas as outras, pois tem como fundamento o movimento que, por sua vez é atestado pelos nossos sentidos estando nas coisas sensíveis. Em ambas as obras, Tomás emprega em seus argumentos um principio advindo de Aristóteles, o ato e potência em outras palavras, aquilo que a coisa é nesse momento e aquilo que a coisa pode vir a ser, o que parece envolver claramente o movimento. Diante disso, na Suma Teológica, o filósofo considera que mover é reduzir algo de potência a ato, como por exemplo, considerando uma semente ela é uma árvore em potência, pois futuramente é isso que ela se tornará, movimento, nesse caso, seria a mudança de semente à árvore. No entanto, como esse movimento de passagem de potência a ato, terá como principio a própria coisa, se ela não pode estar em ato e potência simultaneamente, usando o exemplo acima, a semente não pode ser ao mesmo tempo semente e árvore. Tomás então argumenta que considerando que as coisas não podem mover-se a si mesmas, passando de 1

2 potência a ato, pois isso implicaria em um erro lógico, é necessário que algo fora da coisa a mova, ou seja, aquilo que se move é movido por outro. Porém, esse outro não pode estar em potência já que potência é o estado de vir a ser algo, dessa maneira aquilo que move as coisas deve ser algo que esteja em ato. Na Suma contra os Gentios Tomás inicia seu texto partindo da premissa enunciada acima de que tudo aquilo que é movido é movido por outro. 1 Sendo assim esse outro movente ou também é movido por outro ou não. Nesse caso se A é movido por B, ou B não é movido, ou o é por C. Entretanto C também necessitaria de algo que o movesse e assim por diante, dessa maneira prosseguiríamos ao infinito na série de moventes e movidos, o que não é possível. Porém, se tal movente é imóvel a ele denomina-se Deus. Para melhor entender o que foi dito acima, Tomás apresenta uma análise mais detalhada acerca do pressuposto de que o que se move é movido por outro e não por si mesmo. Primeiramente, diz que, se algo movesse a si mesmo, nele também residiria o principio do seu movimento, se assim não fosse seria movido por outro. Se algo move-se a si, deve também ser movido em razão de si mesmo e não em razão de uma parte sua 2, ou seja, se algo se move por si mesmo, se move como um todo e não dependente de uma de suas partes. Como é caso dos animais que são movidos, a partir do movimento de suas partes. Todavia, Aristóteles no livro VIII da física, afirma que aquilo que se move deve ser divisível e ter partes. De que maneira então, algo que é divisível pode ter o principio do movimento em si como um todo, e não em uma de suas partes? Para melhor explicitar a objeção dita acima consideremos os argumentos de Tomás, pois como vimos àquilo que se move a si é primeiramente movido, logo se é também divisível, o repouso do todo se segue do repouso das partes. Porém, se uma das partes estiver em repouso, e outra se mover conclui-se que o todo não foi o primeiro a ser movido, mas sim uma das partes, por aquela que estava em repouso. Mas nada que repousa devido ao repouso de outro movimenta-se a si mesmo. 3 De maneira que, ao repouso de uma, a outra também repousa, e que ao movimento de uma parte segue-se o movimento da outra. Disso concluí-se que as coisas não se movem a si mesmas, já que 1 Suma contra os Gentios, I, cap. XIII. 2 Suma contra os Gentios, I, cap. XIII. 3 Suma contra os Gentios, I, cap. XIII. 2

3 dependem primeiro do movimento de uma parte, para que depois o todo se movimente. Logo é necessário que a coisa seja movida por outro. Outra proposição analisada por Tomás referente à primeira via, é a seguinte Na série de moventes e movidos não se pode proceder indefinidamente. 4 Para demonstrar isso ele nos apresenta os seguintes argumentos: Primeiramente, o filósofo diz que se houver um processo ao infinito entre moventes e movidos, considerando que os moventes e movidos encontram-se em uma ordem em que um é movido pelo outro, se o primeiro movente é retirado todo o resto cessa de mover-se já que há uma relação de dependência. Entretanto, se houver moventes infinitamente, não haverá um primeiro motor, mas apenas moventes intermediários, que por sua vez, não se moveriam e consequentemente nada mundo se moveria. Tomás na Suma contra os Gentios apresenta mais um argumento para provar a existência de Deus, tendo também como principio o movimento. Diz que Se todo movente se move tal proposição é verdadeira ou por si mesma ou por acidente. 5, Se for verdadeira por acidente não é necessária, visto que o acidente é algo que pode ou não ser inerente à coisa, por outro lado que nenhum movente se mova é contingente, partindo do principio de que contingente é aquilo que ora é, ora não é, ou seja, o não-necessário. No entanto, se nenhum movente se move, nada será movido por ele, de maneira que também é contingente que nada seja movido, pois se nada se move nada é movido. Todavia, como afirma Aristóteles na Física, livro VIII, capítulo I, é impossível que em algum momento no mundo não tenha havido movimento, dessa forma o primeiro movente não pode ser contingente. Por outro lado vemos que se duas coisas estão unidas por acidente em uma terceira, e uma pode ser encontrada sem a outra, é também provável que esta outra possa ser encontrada sem a primeira. 6 Logo movente e movido estando unidos por acidente, é possível que aquilo que move a coisa não esteja na mesma, é possível também que o movente seja encontrado sem aquilo que move. Entretanto, mesmo que movente e movido estejam unidos somente por acidente, de que maneira aquilo que move algo será primeiramente movido? Será pelo mesmo tipo de movimento que movente e movido serão movidos? Se assim fosse seria certo que, aquele que ensina algo seria também ensinado, o 4 Suma contra os Gentios, I, cap. XIII. 5 Suma contra os Gentios, I, cap.xiii 6 Suma contra os Gentios, I, cap.xiii 3

4 que é impossível já que quem ensina uma ciência deve primeiramente dominá-la. Entretanto, se o movido tiver um movimento diferente do movente, existirão inúmeras formas de movimento, considerando que há vários moventes e movidos intermediários e que um move o outro. Dessa maneira prosseguiríamos ao infinito o que não é possível, se assim fizéssemos suprimiríamos o principio do movimento, temos então que admitir que haja um primeiro motor, que por sua vez, não é movido por outro extrínseco ao mesmo. Admitindo que haja um primeiro motor que não é movido por algo extrínseco, ainda assim não resultará que ele seja imóvel, Tomás então se fundamenta no argumento aristotélico e propõe duas possibilidades acerca do primeiro motor, ou ele é algo imóvel ou é algo que move-se por si mesmo. Entendamos por si mesmo algo que tem em si o principio do movimento. Um exemplo são os animais, pois seu movimento advém de uma de suas partes, no caso a alma. Entretanto mesmo sendo movidos por si, ainda assim são entes corruptíveis no mundo, fazendo com que o movimento esteja unido a eles por acidente, pois em um tempo eles existem e em outro não mais. Parece então que é necessário que haja uma causa da geração e corrupção desses auto-moventes, e que por sua vez seja também, causa da eternidade dessa corrupção e geração. Dessa maneira os entes corruptíveis, mesmo que o principio do movimento esteja neles, ainda assim dependem mediante a sua geração e corrupção de um ente que seja infinito e eterno, e que por sua vez, não se mova nem por si e nem por acidente. A prova de um motor imóvel decorre da premissa que Tomás usa como principio do argumento, o que é movido é movido por outro. Este princípio mostra que o movimento é secundário e dependente de um tipo imóvel de ser, como vimos acima. Em seu texto Aquinas on God no segundo capitulo intitulado The First Thing to Know: Does God Exist? Rudi Te Velde, dentre outros assuntos, faz uma breve analise do conceito de movimento defendido por Aristóteles em seu livro da Física, e que por sua vez é utilizado na argumentação de Tomás. Faz-se necessária a análise do conceito de movimento dentro da presente pesquisa, levando em consideração que o mesmo, é o principio básico para a formulação da primeira via aqui discutida. Em sua obra The Metaphysical Thought of Thomas Aquinas, John F.Wippel apresenta na terceira parte do livro, uma análise da primeira via que prova a existência de Deus. Conseqüentemente o autor começa por explicitar o conceito de movimento utilizado por Tomás na Suma Contra os Gentios e na Suma Teológica. 4

5 Segundo Wippel, na SCG Tomás apresenta a primeira via que prova a existência de Deus, baseada em dois argumentos que tem como principio o movimento. Primeiramente ele analisa a proposição de que tudo o que se move é movido por outro, o conceito de movimento aqui é advindo de Aristóteles, o qual considerava que mover era levar aquilo que é potência a ato. Logo, aquilo que é potência só pode ser movido por algo que esteja em ato, como já foi dito acima, a coisa não pode mover-se a si mesma, sendo assim movente e movido, ato e potência simultaneamente. O segundo argumento parte de que se algo se move é movido por outro e esse outro também necessita de um movente e assim por diante, porém não se admite um regresso ao infinito nessa argumentação, de forma que Tomás propõe que haja um primeiro motor imóvel, partindo aqui também de um principio aristotélico. A partir disso, Wippel diz que o conceito de movimento em sentido estrito é dividido de três modos; qualidade que consiste na alteração de algo, quantidade no sentido de diminuir e aumentar algo e no movimento em um local. Tomado de maneira mais abrangente o conceito de movimento é considerado como mudança nas substâncias que consiste na geração e corrupção de algo. Wippel fala que Tomás parece usar de todos os sentidos do conceito de movimento nessa primeira via, para explicitar a questão do movimento. Porém, vimos que Tomás considera que movimento é a redução de potência a ato, logo se vê que o conceito é empregado de forma estrita, desconsiderando a questão da geração e corrupção que será na verdade tratada na terceira via da existência de Deus. Wippel diz ainda que levando em consideração os dois argumentos de Tomás, ato e potência e regresso ao infinito, o movimento é tomado em sentido estrito, mais precisamente como movimento local e alteração das coisas. As cinco vias são em geral consideradas metafísicas exceto a primeira, da qual trata essa pesquisa, que parte de um princípio físico, o movimento. E é por partir desse principio que é levantada uma argumentação contrária à via do movimento, baseada no conceito de inércia. É na obra Aquinas on God mais precisamente no segundo capitulo intitulado The First Thing to Know: Does God Exist? A partir da página 47, que Rudi Te Velde trata desse assunto. A via do movimento, como já foi dito acima parte do pressuposto de que tudo o que se move é movido por outro, já o principio da inércia tem como fundamento que um corpo não precisa de outro para se movimentar ou continuar em movimento. Ou seja, partindo disso a primeira via seria refutada cientificamente, no entanto Velde mostra que o principio da inércia é fundado em leis físico-matemáticas, que por sua vez 5

6 consideram movimento observando apenas o estado de um corpo. O argumento de Tomás de Aquino que é baseado na definição de movimento Aristotélica, não considera movimento apenas como o estado de um corpo, mas a mudança desse estado. Enquanto a inércia considera que um corpo se movimenta essencialmente de acordo com a necessidade que ele tem de uma força física, o argumento de Tomás acaba por ultrapassar essa afirmação, pois para o filósofo um corpo está em movimento essencialmente por reação, já que ele foi movido por outro que será dito Deus. Velde então mostra que o argumento de Tomás apesar de partir de um principio físico, como o movimento, assume a posição de um argumento ontológico, pois mostra que a causa desse movimento está em um plano metafísico e não na realidade física. De maneira que a prova de Tomás acerca da existência de Deus não pode ser negada tão facilmente por uma lei da física moderna. REFERÊNCIAS TOMÁS DE AQUINO. Suma Contra Os Gentios. Trad. D. Odilão Moura e Ludgero Jaspers. Rev. Luis A. De Boni. Porto Alegre: Livraria Sulina Editora Suma Teológica. Trad. Aimom - Marie Roguet et al. São Paulo: Loyola, TORREL, Jean Pierre. Iniciação a São Tomás de Aquino. Trad. Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Loyola, VAZ DE LIMA, Pedro Henrique. Raízes da Modernidade. São Paulo: Loyola, WIPPEL, John F.The Metaphysical Thought of Thomas Aquinas: from finite being to uncreated being. Washington: The Catholic University of America Press VELDE, Rudi A.te. Aquinas on God: The Divine Science of the Summa Theologiae. England: ASHGATE ARISTÓTELES, Metafísica. Trad. Giovanni Reale.São Paulo: Loyola, 2005 TOMÁS DE AQUINO, Commentary on Aristotle s Physics. Trad. Livros: I-II: Richard J. Blackwell, Richard J. Spath & W. Edmund Thirlkel. Livros III-VIII: Pierre H. Conway, O.P. Disponível em: Acesso em: 01\04\

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano

Leia mais

TOMÁS DE AQUINO SÉC. XIII AS PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS

TOMÁS DE AQUINO SÉC. XIII AS PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS TOMÁS DE AQUINO SÉC. XIII AS PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS NA SUA OBRA DENOMINADA SUMA TEOLÓGICA, TOMÁS DE AQUINO CONSIDERA CINCO VIAS QUE, POR MEIO DE ARGUMENTOS, CONDUZEM À DEUS, TODAS COM CARACTERÍSTICAS

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Natureza humana e teoria do conhecimento em Tomás de Aquino: o corpo como determinante para a realização do processo intelectivo André de Deus Berger UFSCar/ Programa de pós-graduação em Filosofia, mestrado.

Leia mais

FILOSOFIA MEDIEVAL: ESCOLÁSTICA 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP

FILOSOFIA MEDIEVAL: ESCOLÁSTICA 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP Por Filosofia Escolástica entende-se a filosofia dominante no período compreendido entre os séculos IX e XIV XV, ensinada comumente nas escolas,

Leia mais

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO 1 ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO A ESCOLÁSTICA E OS PRINCIPAIS REPRESENTANTES ALBERTO MAGNO TOMÁS DE AQUINO Buscaram provar a existência de Deus utilizando argumentos racionais. 2 A UNIDADE ENTRE A FÉ

Leia mais

A TEOLOGIA COMO CIÊNCIA: O CASO DA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO

A TEOLOGIA COMO CIÊNCIA: O CASO DA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO A TEOLOGIA COMO CIÊNCIA: O CASO DA SUMA TEOLÓGICA DE TOMÁS DE AQUINO CAMPOS, Fernanda Ferreira de (PGF/UEM) Introdução O questionamento sobre a cientificidade da Teologia acompanha seu estudo há muito

Leia mais

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL Santo Agostinho séc. IV São Tomás de Aquino séc. XIII PATRÍSTICA e ESCOLÁSTICA Platão séc. IV a.c. Aristóteles séc. III a.c A RELAÇÃO ENTRE FÉ E RAZÃO Questões fundamentais para

Leia mais

Patrística e Escolástica

Patrística e Escolástica Patrística e Escolástica 1. (Uff 2012) A grande contribuição de Tomás de Aquino para a vida intelectual foi a de valorizar a inteligência humana e sua capacidade de alcançar a verdade por meio da razão

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino

Leia mais

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33.

Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 91 tornar-se tanto quanto possível imortal Aristóteles, Ética a Nicômaco, X 7, 1177 b 33. 92 5. Conclusão Qual é o objeto da vida humana? Qual é o seu propósito? Qual é o seu significado? De todas as respostas

Leia mais

AULA FILOSOFIA. O realismo aristotélico

AULA FILOSOFIA. O realismo aristotélico AULA FILOSOFIA O realismo aristotélico DEFINIÇÃO O realismo aristotélico representa, na Grécia antiga, ao lado das filosofias de Sócrates e Platão, uma reação ao discurso dos sofistas e uma tentativa de

Leia mais

Exercitando o raciocínio lógico-dedutivo!

Exercitando o raciocínio lógico-dedutivo! Exercitando o raciocínio lógico-dedutivo! Exercícios de raciocínio lógico-dedutivo a favor de Deus. Primeiramente devemos entender o conceito da dedução lógica, para então, realizarmos o seu exercício.

Leia mais

O homem é composto de substância corporal e de substância espiritual, sendo esta por via da sua subsistência, incorruptível.

O homem é composto de substância corporal e de substância espiritual, sendo esta por via da sua subsistência, incorruptível. S. TOMÁS DE AQUINO Nasceu em Roccasecca em 1225. Ingressou na ordem dos dominicanos, tal como Alberto Magno, de quem foi aluno. Faleceu em 1274. É indubitavelmente o maior dos filósofos escolásticos. S.

Leia mais

Breve Reflexão Acerca da Onipotência Divina

Breve Reflexão Acerca da Onipotência Divina 1 Breve Reflexão Acerca da Onipotência Divina Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado e Pós-Graduado em Filosofia Pela Universidade Federal de Mato Grosso. Esta reflexão é baseada no instigante

Leia mais

A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS EM DESCARTES EM RELAÇÃO AO PENSAMENTO MEDIEVAL DE SÃO TOMÁS DE AQUINO.

A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS EM DESCARTES EM RELAÇÃO AO PENSAMENTO MEDIEVAL DE SÃO TOMÁS DE AQUINO. A PROVA DA EXISTÊNCIA DE DEUS EM DESCARTES EM RELAÇÃO AO PENSAMENTO MEDIEVAL DE SÃO TOMÁS DE AQUINO. Alexandre Ferreira Margarido 1 Renée Silveira Ferreira 2 Resumo O presente artigo objetiva discutir,

Leia mais

Roteiro de estudos para recuperação trimestral

Roteiro de estudos para recuperação trimestral Roteiro de estudos para recuperação trimestral Disciplina: Professor (a): FILOSOFIA JOSÉ LUCIANO GABEIRL Conteúdo: Referência para estudo: A Filosofia de Aristóteles A Filosofia Helenística Idade Média

Leia mais

ÁGORA FILOSÓFICA. Deus finalidade teleológica do homem, segundo Tomás de Aquino

ÁGORA FILOSÓFICA. Deus finalidade teleológica do homem, segundo Tomás de Aquino Deus finalidade teleológica do homem, segundo Tomás de Aquino Prof. Dr. Marcos Roberto Nunes Costa 1 Telma Tennille Vilar de Andrade 2 Resumo Tomás de Aquino coloca como principal finalidade teleológica

Leia mais

Filosofia na Idade Média. Patrística e Escolástica

Filosofia na Idade Média. Patrística e Escolástica Filosofia na Idade Média Patrística e Escolástica Tomai cuidado para que ninguém vos escravize por vãs e enganadoras especulações da filosofia, segundo a tradição dos homens, segundo os elementos do mundo,

Leia mais

A teoria das das idéias no médio-platonismo: o capítulo IX do Didascálios de Alcínoo

A teoria das das idéias no médio-platonismo: o capítulo IX do Didascálios de Alcínoo A teoria das das idéias no médio-platonismo: o capítulo IX do Didascálios de Alcínoo Bernardo Guadalupe dos Santos Lins Brandão geraldosantos@yahoo.com.br Programa de Pós-Graduação em Filosofia, UFMG 1.

Leia mais

Matemática Discreta - 04

Matemática Discreta - 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

As cinco vias para se demonstrar a existência de Deus em Tomás de Aquino

As cinco vias para se demonstrar a existência de Deus em Tomás de Aquino 1 As cinco vias para se demonstrar a existência de Deus em Tomás de Aquino Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado e Pós-Graduado em Filosofia Pela Universidade Federal de Mato Grosso.

Leia mais

n. 18 ALGUNS TERMOS...

n. 18 ALGUNS TERMOS... n. 18 ALGUNS TERMOS... DEFINIÇÃO Uma Definição é um enunciado que descreve o significado de um termo. Por exemplo, a definição de linha, segundo Euclides: Linha é o que tem comprimento e não tem largura.

Leia mais

O processo do conhecimento humano em Tomás de Aquino

O processo do conhecimento humano em Tomás de Aquino ÁGORA FILOSÓFICA O processo do conhecimento humano em Tomás de Aquino The Process of Human Knowledge in Thomas Aquinas Prof. Dr. Marcos Roberto Nunes Costa 1 Resumo Na Suma Teológica, especialmente nas

Leia mais

Título do artigo: Necessidade e contingência na Ética de Espinosa Autor: Laio Serpa de Assis Mestrando do PPGLM - UFRJ

Título do artigo: Necessidade e contingência na Ética de Espinosa Autor: Laio Serpa de Assis Mestrando do PPGLM - UFRJ Título do artigo: Necessidade e contingência na Ética de Espinosa Autor: Laio Serpa de Assis Mestrando do PPGLM - UFRJ Necessidade e contingência na Ética de Espinosa Resumo: O presente trabalho pretende

Leia mais

FILOSOFIA MEDIEVAL (1º / 2017)

FILOSOFIA MEDIEVAL (1º / 2017) FILOSOFIA MEDIEVAL (1º / 2017) Prof. Marcos Aurélio Fernandes EMENTA: Estudo do pensamento filosófico de protagonistas da filosofia medieval latina no seu contexto histórico e em relação à influente produção

Leia mais

O fim último do homem segundo Tomás de Aquino

O fim último do homem segundo Tomás de Aquino 1 O fim último do homem segundo Tomás de Aquino Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado e Pós-Graduando em Filosofia Pela Universidade. Federal de Mato Grosso. E-mail: saviolaet@filosofante.org

Leia mais

LÓGICA I. André Pontes

LÓGICA I. André Pontes LÓGICA I André Pontes 1. Conceitos fundamentais O que é a Lógica? A LÓGICA ENQUANTO DISCIPLINA Estudo das leis de preservação da verdade. [Frege; O Pensamento] Estudo das formas válidas de argumentos.

Leia mais

COMENTÁRIO AO DE ANIMA DE ARISTÓTELES

COMENTÁRIO AO DE ANIMA DE ARISTÓTELES CONDENSADO DO COMENTÁRIO AO DE ANIMA DE ARISTÓTELES ESCRITO POR SÃO TOMÁS DE AQUINO:Index. S. Tomás de Aquino COMENTÁRIO AO DE ANIMA DE ARISTÓTELES CONDENSADO Livro I I. INTRODUÇÃO E QUESTÃO PRELIMINAR

Leia mais

Discussão sobre a Matéria Celeste em Aristóteles 1

Discussão sobre a Matéria Celeste em Aristóteles 1 Logic, Language and Knowledge. Essays on Chateauriand s Logical Forms Walter A. Carnielli and Jairo J. da Silva (eds CDD: 185 Discussão sobre a Matéria Celeste em Aristóteles 1 FÁTIMA REGINA RODRIGUES

Leia mais

A filosofia de Espinosa

A filosofia de Espinosa A filosofia de Espinosa Para tratar de qualquer âmbito da filosofia de Espinosa, é necessário de antemão compreender a imagem de Deus feita pelo filósofo, bem como a importância d Ele para sua filosofia.

Leia mais

FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II FILOSOFIA NA IDADE MEDIEVAL A IDADE MÉDIA INICIOU-SE NA Europa com as invasões germânicas ou bárbaras no

Leia mais

Da semelhança entre geometria e ontologia na teoria do conhecimento de S. Tomás de Aquino

Da semelhança entre geometria e ontologia na teoria do conhecimento de S. Tomás de Aquino Convenit Internacional 24 mai-ago 2017 Cemoroc-Feusp / IJI - Univ. do Porto Da semelhança entre geometria e ontologia na teoria do conhecimento de S. Tomás de Aquino José Alexandre Fogaça 1 Resumo: Este

Leia mais

ARISTÓTELES I) TEORIA DO CONHECIMENTO DE ARISTÓTELES

ARISTÓTELES I) TEORIA DO CONHECIMENTO DE ARISTÓTELES AVISO: O conteúdo e o contexto das aulas referem-se aos pensamentos emitidos pelos próprios autores que foram interpretados por estudiosos dos temas expostos. Todo exemplo citado em aula é, meramente,

Leia mais

A noção de princípio no Comentário à Física de Tomás de Aquino

A noção de princípio no Comentário à Física de Tomás de Aquino The notion of principle in Thomas Aquinas' Physics Maria Clara Pereira e Silva 1 Resumo: O objetivo deste texto é analisar a noção de princípio em Tomás de Aquino, notadamente no Comentário à Física, Livro

Leia mais

Tomás de Aquino acerca dos atributos divinos

Tomás de Aquino acerca dos atributos divinos Thomas Aquinas about the divine attributes Elói Maia de Oliveira 1 Resumo: Tomás de Aquino não findou a análise do problema de Deus através das cinco vias para demonstrar a sua existência. Prova disso

Leia mais

Uma curiosa propriedade com inteiros positivos

Uma curiosa propriedade com inteiros positivos Uma curiosa propriedade com inteiros positivos Fernando Neres de Oliveira 21 de junho de 2015 Resumo Neste trabalho iremos provar uma curiosa propriedade para listas de inteiros positivos da forma 1, 2,...,

Leia mais

Primeiro Motor Aristotélico

Primeiro Motor Aristotélico Motor Imóvel Primeiro Motor Aristotélico Deus Criador Tomista Pedro Henrique Ciucci da Silva Tomás de Aquino aceitou e aprofundou a filosofia aristotélica, pois fundamentou sua primeira via que leva a

Leia mais

METAFÍSICA E ÉTICA EM DUNS SCOTUS METAPHYSICS AND ETHICS IN DUNS SCOTUS. Palavras-chave: Lei natural. Intelecto. Vontade. Contingência.

METAFÍSICA E ÉTICA EM DUNS SCOTUS METAPHYSICS AND ETHICS IN DUNS SCOTUS. Palavras-chave: Lei natural. Intelecto. Vontade. Contingência. Thaumazein, Ano V, Número 11, Santa Maria (Julho de 2013), pp. 140-157. METAFÍSICA E ÉTICA EM DUNS SCOTUS METAPHYSICS AND ETHICS IN DUNS SCOTUS Solange Dejeanne 1 Resumo Em certa medida parece correto

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - abril ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - abril ª Prova Comum - PROVA TIPO 1 FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Considere as seguintes afirmações de Aristóteles e assinale a alternativa correta. I -... é a ciência dos primeiros princípios e das primeiras causas. II -... é a ciência do ser enquanto

Leia mais

A Refutação do Argumento Ontológico e a Demonstração da Existência de Deus em Santo Tomás de Aquino

A Refutação do Argumento Ontológico e a Demonstração da Existência de Deus em Santo Tomás de Aquino A Refutação do Argumento Ontológico e a Demonstração da Existência de Deus em Santo Tomás de Aquino Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Licenciado e Bacharel em Filosofia Pela Universidade Federal de Mato

Leia mais

Trabalho 2 da UC Teoria do Conhecimento I Camila Cardoso Diniz 9 de maio de 2008

Trabalho 2 da UC Teoria do Conhecimento I Camila Cardoso Diniz 9 de maio de 2008 Camila Cardoso Diniz Universidade Federal De São Paulo Unifesp -Campus Guarulhos A verdade é índice de si mesma e do falso. UC Teoria do Conhecimento Prof. Dr. Fernando Dias Andrade. Guarulhos, 27 de junho

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO HISTÓRIA DA FILOSOFIA MEDIEVAL I 2º Semestre de 2015 Disciplina Obrigatória Destinada: a alunos de Filosofia Código: FLF0268 Pré-requisito: FLF0113 e FLF0114 Prof. Carlos Eduardo de Oliveira Carga horária:

Leia mais

extensões algébricas.

extensões algébricas. META: Determinar condições necessárias e/ou suficientes para caracterizar extensões algébricas. OBJETIVOS: Ao final da aula o aluno deverá ser capaz de: Reconhecer se uma dada extensão é algébrica. PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

A existência de Deus na Filosofia de Tomás de Aquino: abertura e universalidade

A existência de Deus na Filosofia de Tomás de Aquino: abertura e universalidade 1 A existência de Deus na Filosofia de Tomás de Aquino: abertura e universalidade Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado em Filosofia Pela Universidade Federal de Mato Grosso. No presente

Leia mais

A prova da existência de Deus em Guilherme de Ockham

A prova da existência de Deus em Guilherme de Ockham 1 A prova da existência de Deus em Guilherme de Ockham Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado e Pós-Graduado em Filosofia Pela Universidade Federal de Mato Grosso. Introdução Guilherme

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II (UEL) Tales foi o iniciador da filosofia da physis, pois foi o primeiro a afirmar a existência de um princípio originário

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez).

SISTEMA DECIMAL. No sistema decimal o símbolo 0 (zero) posicionado à direita implica em multiplicar a grandeza pela base, ou seja, por 10 (dez). SISTEMA DECIMAL 1. Classificação dos números decimais O sistema decimal é um sistema de numeração de posição que utiliza a base dez. Os dez algarismos indo-arábicos - 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 - servem para

Leia mais

A REVOLUÇÃO CARTESIANA. Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV.

A REVOLUÇÃO CARTESIANA. Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV. A REVOLUÇÃO CARTESIANA Apresentação baseada principalmente em Friedrick Copleston: History of Philosophy, vol. IV. Descartes (1596-1650) foi educado por jesuítas. Ele iniciou a filosofia moderna com um

Leia mais

S. Tomás de Aquino SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO

S. Tomás de Aquino SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO. : Index. S. Tomás de Aquino SE A VIDA CONTEMPLATIVA CONSISTE SOMENTE EM UM ATO DO ENTENDIMENTO Índice Geral PRIMEIRA QUESTÃO SEGUNDA

Leia mais

A Ética da Alegria em Baruch Spinoza

A Ética da Alegria em Baruch Spinoza A Ética da Alegria em Baruch Spinoza Contextualizando Fonte: wikipedia.com Spinoza: Polidor de Lentes e Filósofo 1632, Amsterdã Haia, 1677 Cronologia de Suas Obras 1660: Breve Tratado sobre Deus, o Homem

Leia mais

OS DIFERENTES TIPOS DE DEMONSTRAÇÕES: UMA REFLEXÃO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

OS DIFERENTES TIPOS DE DEMONSTRAÇÕES: UMA REFLEXÃO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA Revista da Educação Matemática da UFOP, Vol I, 2011 - XI Semana da Matemática e III Semana da Estatística, 2011 ISSN 2237-809X OS DIFERENTES TIPOS DE DEMONSTRAÇÕES: UMA REFLEXÃO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA

Leia mais

COMENTÁRIO AO DE INTERPRETATIONE DE ARISTÓTELES

COMENTÁRIO AO DE INTERPRETATIONE DE ARISTÓTELES CONDENSADO DO COMENTÁRIO DE S. TOMÁS DE AQUINO AO DE INTERPRETATIONE DE ARISTÓTELES:Index. S. Tomás de Aquino COMENTÁRIO AO DE INTERPRETATIONE DE ARISTÓTELES CONDENSADO Livro Primeiro I. INTRODUÇÃO DE

Leia mais

Conceitos Básicos e História

Conceitos Básicos e História Psicologia na Educação Aula 1 Conceitos Básicos e História Profa. Adriana Straube Nesta aula discutiremos sobre o conceito de psicologia. As origens da psicologia como ciência nascendo na Alemanha. História

Leia mais

Números naturais e cardinalidade

Números naturais e cardinalidade Números naturais e cardinalidade Roberto Imbuzeiro M. F. de Oliveira 5 de Janeiro de 2008 Resumo 1 Axiomas de Peano e o princípio da indução Intuitivamente, o conjunto N dos números naturais corresponde

Leia mais

DA IMPOSSIBILIDADE DE SE DEMONSTRAR A EXISTÊNCIA DE DEUS: CRÍTICAS HUMEANAS AO ARGUMENTO ONTOLÓGICO DE SANTO ANSELMO.

DA IMPOSSIBILIDADE DE SE DEMONSTRAR A EXISTÊNCIA DE DEUS: CRÍTICAS HUMEANAS AO ARGUMENTO ONTOLÓGICO DE SANTO ANSELMO. DA IMPOSSIBILIDADE DE SE DEMONSTRAR A EXISTÊNCIA DE DEUS: CRÍTICAS HUMEANAS AO ARGUMENTO ONTOLÓGICO DE SANTO ANSELMO. I Rubens Sotero dos Santos Universidade Federal da Paraíba Neste trabalho, buscarei

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

A prova da existência de Deus em Duns Escoto

A prova da existência de Deus em Duns Escoto 1 A prova da existência de Deus em Duns Escoto Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado e Pós-Graduado em Filosofia Pela Universidade Federal de Mato Grosso. Introdução João Duns Escoto

Leia mais

COMEÇAM OS ERROS DOS FILÓSOFOS ARISTÓTELES, AVERRÓIS, AVICENA, ALGAZEL, AL-KINDI, MAIMONIDES, COLETADOS POR IRMÃO EGÍDIO DA ORDEM DE SANT AGOSTINHO 1

COMEÇAM OS ERROS DOS FILÓSOFOS ARISTÓTELES, AVERRÓIS, AVICENA, ALGAZEL, AL-KINDI, MAIMONIDES, COLETADOS POR IRMÃO EGÍDIO DA ORDEM DE SANT AGOSTINHO 1 TRADUÇÃO COMEÇAM OS ERROS DOS FILÓSOFOS ARISTÓTELES, AVERRÓIS, AVICENA, ALGAZEL, AL-KINDI, MAIMONIDES, COLETADOS POR IRMÃO EGÍDIO DA ORDEM DE SANT AGOSTINHO 1 Introdução I. Vida de Egídio Romano Aegídius

Leia mais

QUESTÕES DISPUTADAS SOBRE A SANTÍSSIMA TRINDADE

QUESTÕES DISPUTADAS SOBRE A SANTÍSSIMA TRINDADE Santo Tomás de Aquino QUESTÕES DISPUTADAS SOBRE A SANTÍSSIMA TRINDADE :Index. Santo Tomás de Aquino QUESTÕES DISPUTADAS SOBRE A SANTÍSSIMA TRINDADE Índice Geral A SANTÍSSIMA TRINDADE NO SÍMBOLO `QUICUMQUE'.

Leia mais

A questão da linguagem em Tomás de Aquino

A questão da linguagem em Tomás de Aquino 1 A questão da linguagem em Tomás de Aquino Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado em Filosofia Pela Universidade Federal de Mato Grosso. 1. A linguagem: falada e escrita A fala e a própria

Leia mais

A existência de Deus na filosofia de Tomás de Aquino: abertura e universalidade

A existência de Deus na filosofia de Tomás de Aquino: abertura e universalidade 1 A existência de Deus na filosofia de Tomás de Aquino: abertura e universalidade Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado e Pós-Graduando em Filosofia Pela Universidade Federal de Mato

Leia mais

In principio erat verbum: Aspectos da metafísica da criação na concepção tomista

In principio erat verbum: Aspectos da metafísica da criação na concepção tomista In principio erat verbum: Aspectos da metafísica da criação na concepção tomista Anderson Santana Cunha 1 Resumo: Este artigo aborda alguns dos diversos aspectos da metafísica da criação proposta por São

Leia mais

Nascido em Estagira - Macedônia ( a.c.). Principal representante do período sistemático.

Nascido em Estagira - Macedônia ( a.c.). Principal representante do período sistemático. Aristóteles Nascido em Estagira - Macedônia (384-322 a.c.). Principal representante do período sistemático. Filho de Nicômaco, médico, herdou o interesse pelas ciências naturais Ingressa na Academia de

Leia mais

ARISTÓTELES O TRATADO DO INFINITO (FÍSICA III, 4-8)

ARISTÓTELES O TRATADO DO INFINITO (FÍSICA III, 4-8) ARISTÓTELES O TRATADO DO INFINITO (FÍSICA III, 4-8) Arlene Reis, Fernando Coelho e Luís Felipe Bellintani Ribeiro Tradução a partir da edição do texto grego: Aristotelis Physica. Recognovit brevique adnotatione

Leia mais

Exercícios de lógica -sensibilização

Exercícios de lógica -sensibilização Exercícios de lógica -sensibilização 1. Lógica matemática: Qual a lógica da seqüência dos números e quem é x? 2,4,4,6,5,4,4,4,4,x? 2. Charadas: lógica filosófica. Um homem olhava uma foto, e alguém lhe

Leia mais

MAT Laboratório de Matemática I - Diurno Profa. Martha Salerno Monteiro

MAT Laboratório de Matemática I - Diurno Profa. Martha Salerno Monteiro MAT 1511 - Laboratório de Matemática I - Diurno - 2005 Profa. Martha Salerno Monteiro Representações decimais de números reais Um número real pode ser representado de várias maneiras, sendo a representação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA DISCIPLINA: Filosofia I CARGA HORÁRIA: 60 H CRÉDITOS: 04 FCF110 EMENTA Introdução à filosofia desde um ponto de vista temático. PROGRAMA A história da filosofia deve ser compreendida como o desfile cronológico

Leia mais

Tarefa 06 Todos Subconjuntos

Tarefa 06 Todos Subconjuntos Tarefa 06 Todos Subconjuntos Disciplina: Estatística Básica para Bioinformática Discentes: Diego M Salvanha, Madeleine Ernst Enunciado da tarefa: Dado que o número de subconjuntos que podem ser feitos

Leia mais

O tempo na terceira Enéada de Plotino

O tempo na terceira Enéada de Plotino Daniel Schiochett Resumo: Plotino é conhecido pela doutrina das três hipóstases: o Uno, a Inteligência e a Alma. Enquanto neoplatônico, sua doutrina é pensada a partir da visão platônica do mundo. Todavia,

Leia mais

O presente trabalho busca responder à seguinte questão: É capaz, a. Esse duplo desdobramento exige uma explicação: por capacidade para

O presente trabalho busca responder à seguinte questão: É capaz, a. Esse duplo desdobramento exige uma explicação: por capacidade para 1 Introdução O presente trabalho busca responder à seguinte questão: É capaz, a linguagem poética ou metafórica, de dizer a verdade? que pode se desdobrar em outras duas: Qual é o valor especulativo da

Leia mais

O CONHECIMENTO PRÁTICO, EM KANT

O CONHECIMENTO PRÁTICO, EM KANT O CONHECIMENTO PRÁTICO, EM KANT Aluno: Daniel Leite Cabrera Pereira da Rosa Orientador: Edgard José Jorge Filho Introdução Um conhecimento prático é, em poucas palavras, um conhecimento que diz respeito

Leia mais

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA

A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA MAT1513 - Laboratório de Matemática - Diurno Professor David Pires Dias - 2017 Texto sobre Lógica (de autoria da Professora Iole de Freitas Druck) A LINGUAGEM DO DISCURSO MATEMÁTICO E SUA LÓGICA Iniciemos

Leia mais

ÍNDICE. Bibliografia CRES-FIL11 Ideias de Ler

ÍNDICE. Bibliografia CRES-FIL11 Ideias de Ler ÍNDICE 1. Introdução... 5 2. Competências essenciais do aluno... 6 3. Como ler um texto... 7 4. Como ler uma pergunta... 8 5. Como fazer um trabalho... 9 6. Conteúdos/Temas 11.º Ano... 11 III Racionalidade

Leia mais

FILOSOFIA. Comentário Geral:

FILOSOFIA. Comentário Geral: 1 FILOSOFIA Comentário Geral: A prova apresentou algumas mudanças em relação à dos anos anteriores. Isso tanto na utilização de textos que levaram os candidatos a ultrapassar a leitura e interpretação

Leia mais

1. Prelúdio fragmentário

1. Prelúdio fragmentário 1 UMA CORRIDA ENTRE AQUILES E A TARTARUGA Plínio Fernandes Toledo 1 1. Prelúdio fragmentário Se tudo o que há está situado num espaço, é evidente que haverá um espaço do espaço, e isto se seguirá até o

Leia mais

Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica II. Entropia e Temperatura. Marcos Moura & Carlos Eduardo Aguiar

Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica II. Entropia e Temperatura. Marcos Moura & Carlos Eduardo Aguiar UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física Entropia

Leia mais

PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO A FILOSOFIA DE PARMÊNIDES E SUA CONTRAPOSIÇÃO COM HERÁCLITO

PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO A FILOSOFIA DE PARMÊNIDES E SUA CONTRAPOSIÇÃO COM HERÁCLITO PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO A FILOSOFIA DE PARMÊNIDES E SUA CONTRAPOSIÇÃO COM HERÁCLITO Metafísica é quando o que escuta não ouve nada, e o que fala já não ouve. Voltaire Parmênides

Leia mais

Filosofia (aula 9) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 9) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 9) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Lógica O problema lógico, embora para alguns possa parecer artificial, impõe-se por si. Ele surge logo que se nota que alguns conhecimentos

Leia mais

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor.

Objetividade do conhecimento nas ciências sociais. - primeiro passo: evitar confusões entre juízos de fato e juízos de valor. Objetividade do conhecimento nas ciências sociais Objetividade +> rejeição à posição positivista no que se refere à neutralidade valorativa: rígida separação entre fatos e valores; => demarcação entre

Leia mais

Se não existisse nada de eterno, não poderia existir nem mesmo o devir. (Aristóteles, Metafísica Β 4, 999 b.)

Se não existisse nada de eterno, não poderia existir nem mesmo o devir. (Aristóteles, Metafísica Β 4, 999 b.) O SUPRA-SENSÍVEL EM ARISTÓTELES Aluno: Carlos Eduardo da Silva Rocha Orientadora: Barbara Botter Introdução Se não existisse nada de eterno, não poderia existir nem mesmo o devir. (Aristóteles, Metafísica

Leia mais

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL

ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL 1 ANOTAÇÕES SOBRA A CRÍTICA DE MARX À CONCEPÇÃO DO ESTADO DE HEGEL Wellington de Lucena Moura Mestrando em Filosofia Universidade Federal da Paraíba O objetivo deste trabalho é o exame das críticas à filosofia

Leia mais

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO Questão Problema: O conhecimento alcança-se através da razão ou da experiência? (ver página 50) Tipos de conhecimento acordo a sua origem Tipos de juízo de acordo com

Leia mais

O ABSURDO DO INFINITO

O ABSURDO DO INFINITO O ABSURDO DO INFINITO Felipe Soares Forti 1 Podemos dizer que dentre os pensamentos mais complexos da humanidade estão as reflexões sobre o infinito, o tempo e sobre Deus. Todas igualmente interessantes

Leia mais

CAPÍTULO II NOÇÕES TOPOLÓGICAS EM R

CAPÍTULO II NOÇÕES TOPOLÓGICAS EM R CAPÍTULO II NOÇÕES TOPOLÓGICAS EM R 1. Distância e vizinhanças Ao número real não negativo d(x, y) = x y chama-se distância entre os números reais x e y. São imediatas as seguintes propriedades: P1 : d(x,

Leia mais

Apresentar os conceitos fundamentais da termodinâmica estatística e como aplicá-los as propriedades termodinâmicas vista até então.

Apresentar os conceitos fundamentais da termodinâmica estatística e como aplicá-los as propriedades termodinâmicas vista até então. Introdução À Termodinâmica Estatística Aula 15 Meta Apresentar os conceitos fundamentais da termodinâmica estatística e como aplicá-los as propriedades termodinâmicas vista até então. Objetivos Ao final

Leia mais

O Um existe em si ou é uma exigência da razão?

O Um existe em si ou é uma exigência da razão? O Um existe em si ou é uma exigência da razão? Expositor: Miguel Spinelli * 1 - A proposta ontológica de Parmênides repercutiu extensamente pelo mundo grego. As suas teses se tornaram fonte de discussão

Leia mais

Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação

Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação 1 1. Artigo Tema: Ensino de argumentação filosófica Construindo uma tese científica: pesquisa e argumentação Gabriel Goldmeier Conhecimento: crença verdadeira corretamente justificada A Teoria do Conhecimento

Leia mais

MA11 - Unidade 4 Representação Decimal dos Reais Semana 11/04 a 17/04

MA11 - Unidade 4 Representação Decimal dos Reais Semana 11/04 a 17/04 MA11 - Unidade 4 Representação Decimal dos Reais Semana 11/04 a 17/04 Para efetuar cálculos, a forma mais eciente de representar os números reais é por meio de expressões decimais. Vamos falar um pouco

Leia mais

A teoria da relação na filosofia de Tomás de Aquino e seus pressupostos filosóficos

A teoria da relação na filosofia de Tomás de Aquino e seus pressupostos filosóficos Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós Graduação Lógica e Metafísica - PPGLM Seminário de Pesquisa dos Alunos de Mestrado - 2011.2 A teoria da relação na filosofia de Tomás de Aquino e

Leia mais

Prolegômenos à metafísica aristotélica

Prolegômenos à metafísica aristotélica 1 Prolegômenos à metafísica aristotélica Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado e Pós-Graduado em Filosofia Pela Universidade Federal de Mato Grosso. 1. Introdução O presente artigo é

Leia mais

Um pouco de história. Ariane Piovezan Entringer. Geometria Euclidiana Plana - Introdução

Um pouco de história. Ariane Piovezan Entringer. Geometria Euclidiana Plana - Introdução Geometria Euclidiana Plana - Um pouco de história Prof a. Introdução Daremos início ao estudo axiomático da geometria estudada no ensino fundamental e médio, a Geometria Euclidiana Plana. Faremos uso do

Leia mais

Racionalismo Capítulo XXXIII

Racionalismo Capítulo XXXIII Racionalismo Capítulo XXXIII Renè Descartes (ou Catesio, 1596 1650) Doutrina: I) Método: Meta ou Finalidade: Estabelecer uma ciência geral que permaneça a mesma aplicada a vários sujeitos. Para obtê-la,

Leia mais

Do conceito de Complexidade I. Uma introdução ao tema da complexidade e dos sistemas complexos.

Do conceito de Complexidade I. Uma introdução ao tema da complexidade e dos sistemas complexos. Do conceito de Complexidade I Uma introdução ao tema da complexidade e dos sistemas complexos. 1 Uma preocupação: Tema complexo e vago que acena para o irracional? 2 Uma motivação: Está em curso uma mudança

Leia mais

A COMPATIBILIDADE ENTRE OS CONCEITOS DE ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA NA METAFÍSICA TOMISTA

A COMPATIBILIDADE ENTRE OS CONCEITOS DE ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA NA METAFÍSICA TOMISTA A COMPATIBILIDADE ENTRE OS CONCEITOS DE ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA NA METAFÍSICA TOMISTA Wagner de Avila Quevedo O presente trabalho tem como foco, numa leitura de São Tomás de Aquino, as passagens da Suma

Leia mais

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária.

III) se deste número n subtrairmos o número 3816, obteremos um número formado pelos mesmos algarismos do número n, mas na ordem contrária. 1 Projeto Jovem Nota 10 1. (Fuvest 2000) Um número inteiro positivo n de 4 algarismos decimais satisfaz às seguintes condições: I) a soma dos quadrados dos 1 e 4 algarismos é 58; II) a soma dos quadrados

Leia mais

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia

22/08/2014. Tema 6: Ciência e Filosofia. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes. Ciência e Filosofia Tema 6: Ciência e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Ciência e Filosofia Ciência: vem do latim scientia. Significa sabedoria, conhecimento. Objetivos: Conhecimento sistemático. Tornar o mundo compreensível.

Leia mais

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I 1.1 1.2 1.3 Conhecimento filosófico, religioso, científico e senso comum. Filosofia e lógica. Milagre Grego.

Leia mais

MATEMÁTICA 1 MÓDULO 2. Divisibilidade. Professor Matheus Secco

MATEMÁTICA 1 MÓDULO 2. Divisibilidade. Professor Matheus Secco MATEMÁTICA 1 Professor Matheus Secco MÓDULO 2 Divisibilidade 1. DIVISIBILIDADE 1.1 DEFINIÇÃO: Dizemos que o inteiro a é divisível pelo inteiro b (ou ainda que a é múltiplo de b) se existe um inteiro c

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 714/2.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais