Para onde Seguem os Modelos de Qualidade em TI e Software: Relação entre os modelos CMMI, COBIT, ITIL e SPICE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para onde Seguem os Modelos de Qualidade em TI e Software: Relação entre os modelos CMMI, COBIT, ITIL e SPICE"

Transcrição

1 Para onde Seguem os Modelos de Qualidade em TI e Software: Relação entre os modelos CMMI, COBIT, ITIL e SPICE Jorge H C Fernandes CIC-UnB / DIMAp-UFRN Setembro de 2004

2 Em que se baseia a Qualidade? Na percepção dos clientes quanto à adequabilidade do produto ou serviço, relativo às especificações originais [American Society for Quality. Na habilidade de um produto ou serviço em satisfazer as necessidades declaradas ou implícitas do cliente

3 Elementos de um sistema de qualidade [www.asq.org] Gerência Clientes Desenho Compras (Relação de Troca) Produção (Projetos e Operações) Educação e Treinamento Gestão Participativa Estatísticas Tecnologia Custos da Qualidade Auditoria Melhoria Contínua

4 Um Grande Problema O que é que sua organização esta entregando? quem é o seu cliente? E o que ele deseja? Confusão entre Software, Sistema e Sistemas de Informação

5 public class Calc { import java.awt.*; private int estadointeracao; import java.awt.event.*; Software private int operacaoselecionada; public class CalcVisual extends Frame { private long acumulador0; // Cria os painéis private long acumulador1; Panel panelteclas = new Panel(); private static final int NENHUMA Panel panelteclastopo = 0; = new button_9.setlabel("9"); Panel(); } private static final int SOMA Panel = 1; panelteclasnumericas = button_soma.setlabel("+"); new Panel(); private static final int SUBTRACAO = 2; }); button_igual.setlabel("="); private static final int ACUMULANDO_0 // cria os gerenciadores = 0; de layout dos painéis private static final int ACUMULANDO_1 BorderLayout BorderLayoutPrincipal = 1; = new BorderLayout(); public Calc() {} BorderLayout BorderLayoutTodasAsTeclas = new BorderLayout(); long soma() { GridLayout gridlayoutclearcebackspace = new GridLayout(); operacaoselecionada = GridLayout SOMA; gridlayoutteclasnumericaseoperacoes = new GridLayout(); estadointeracao = ACUMULANDO_1; returnacumulador0; // cria a área de display da calculadora } TextField textfielddisplay = new TextField(); } long um() {return numerodigitado(1);} }); long dois() {return numerodigitado(2);} // cria os botões da calculadora long numerodigitado(int valor) Button { buttonbackspace = new Button(); if (estadointeracao == ACUMULANDO_0) Button buttonc = new { Button(); acumulador0 = acumulador0 Button * buttonce 10 + valor; = new Button(); estadointeracao = ACUMULANDO_0; Button button_0 = new Button(); returnacumulador0; Button button_1 = new Button(); } else if (estadointeracao Button == ACUMULANDO_1) button_2 = new Button(); { acumulador1 = acumulador1 Button * button_ valor; = new Button(); } estadointeracao = ACUMULANDO_1; Button button_4 = new Button(); }); returnacumulador1; Button button_5 = new Button(); } Button button_6 = new Button(); return0; Button button_7 = new Button(); racoes); } Button button_8 = new Button(); long igual() { Button button_9 = new Button(); long resultado = 0; Button button_pontodecimal = new Button(); if (operacaoselecionada Button == SOMA) button_igual { = new Button(); resultado = acumulador0 Button + acumulador1; button_soma = new Button(); } // cria o tratador de evento para o botão "2" button_2.addactionlistener(new java.awt.event.actionlistener() { public void actionperformed(actionevent button_2_actionperformed(e); // cria o tratador de evento para o botão "+" button_soma.addactionlistener(new // adiciona alguns botões no painel de teclas superior java.awt.event.actionlistener() { gridlayoutclearcebackspace.setcolumns(3); public void actionperformed(actionevent panelteclastopo.setlayout(gridlayoutclearcebackspace); button_soma_actionperformed(e); panelteclastopo.add(buttonbackspace, null); panelteclastopo.add(buttonce, null); panelteclastopo.add(buttonc, null); // cria o tratador de evento para o botão "-" button_subtracao.addactionlistener(new // adiciona alguns botões java.awt.event.actionlistener() no painel de teclas inferior { gridlayoutteclasnumericaseoperacoes.setrows(4); public void actionperformed(actionevent gridlayoutteclasnumericaseoperacoes.setcolumns(5); button_subtracao_actionperformed(e); gridlayoutteclasnumericaseoperacoes.sethgap(4); gridlayoutteclasnumericaseoperacoes.setvgap(4); // cria o tratador de evento para o botão "*" panelteclasnumericas.setlayout(gridlayoutteclasnumericaseope button_mult.addactionlistener(new java.awt.event.actionlistener() { panelteclasnumericas.add(button_7, null); public void actionperformed(actionevent panelteclasnumericas.add(button_8, null); button_mult_actionperformed(e); panelteclasnumericas.add(button_9, null); panelteclasnumericas.add(button_divisao, null);

6 Software Conjunto organizado de instruções e descrições de dados Escrito em uma (ou mais) linguagens compreensíveis por um sistema de computação

7 Sistema Conjunto de elementos interrelacionados que interagem no desempenho de uma função Sistema econômico, de injeção eletrônica, digestivo, Biosfera Sistemas computacionais Solução de problemas Entrada, processamento e saída de dados

8 Sistemas de Informação HIS-20 Health Physics Information System (http://www.canberra.com) O problema a ser solucionado é a sobrevivência organizacional

9 O Profissional de TI Trabalha com sistemas de informação O software é um artefato de grande importância Mas não produz nada se o sistema não permitir

10 A Solução Compreensão das diferenças entre software, sistemas e sistemas de informação, com aplicação de modelos de qualidade complementares em duas áreas

11 Duas Categorias de Modelos de Qualidade Qualidade de Software (e Sistemas) SPICE/ISO CMMI /CMM Qualidade de (Serviços) TI COBIT ITIL

12 SPICE e ISO SPICE: Software Process Improvement and Capability determination

13 SPICE: Um Framework para a Avaliação Integrada de Processos de Software [SPICE 1] Process Identifies changes to Is examined by Process Assessment Identifies capability and risks of Process Improvement leads to motivates leads to Capability Determination

14 Documentos Originais do Modelo SPICE [SPICE 1] Part 1 Concepts and Introductory Guide Part 9 Vocabulary Part 7 Guide for use in process improvement Part 8 Guide for use in determining supplier process capability Part 6 Qualification and training of assessors Part 3 Part 4 Rating Processes Guide to conducting assessment Part 5 Construction, selection and use of assessment instruments and tools Part 2 A model for process management

15 SPICE Parte 1 : Conceitos e Que deve usar? Guia Introdutório Organizações que executam ou monitoram processos de software Propósitos Avaliação e melhoria contínua de processos Estrutura Avaliação de processos, PARA: Determinar capacidade no atendimento a requisitos Determinar melhorias a serem implantadas

16 SPICE: Onde de aplica? SPICE pode ser usado por organizações envolvidas no: Planejamento Gestão Monitoramento Controle e Melhoria de processos para: Aquisição Fornecimento Desenvolvimento Operação Evolução e Suporte de software

17 SPICE: Propósitos de Uso Auto-compreensão do estado de processos de software Auto-determinação de adequabilidade de processos para determinados (classe de) requisitos Determinação da adequabilidade dos processos de uma organização (fornecedora) no atendimento a um (uma classe de) contrato particular

18 SPICE: Relacionamento com outros Padrões, Normas e Modelos ISO-9000 Modelo de garantia de qualidade de processos de software (não aborda melhoria) ISO Catálogo de processos executados por organizações de software em um contexto de contratação (aquisição-fornecimento) CMMI+SCAMPI+ARC, do SEI/CMU Modelo de qualidade aderente ao SPICE

19 SPICE Parte 2 : Um Modelo para Gestão de Processos Define como alcançar níveis de capacidade (gerencial) de processos, de 0 a 5, em Cada nível é alcançado através do desempenho de PRÁTICAS GENÉRICAS, de um total de 26. O Nível 1 é alcançado através do desempenho de PRÁTICAS BASE de PROCESSOS (35 processos, 197 Práticas Base) Os níveis 2 a 5 incorporam os níveis inferiores + práticas genéricas do Nível

20 Part 3 : Rating processes (Processos de Pontuação) Define um conjunto de requisitos para Construção de Processos de Pontuação Requisitos 1 Os resultados devem ser consistentes, repetíveis e representativos 2 A entrada de dados deve ser definida a priori 3 Um Lead Assessor deve assumir a responsabilidade pela qualidade dos resultados 4 Pontuação: Instâncias de processos, Componentes pontuáveis, escalas e ponderações 5 Registro de saída de dados

21 Part 4 : Guide to conducting assessment [SPICE 4] Método para avaliação em times, que satisfaz os requisitos da Part 3 Reviewing the assessment input Aligned to Presenting assessment output Selecting the process instances Validating the sample Validating the ratings Preparing for assessment Determining derived ratings Collecting and verifying information Determining actual ratings Assessment stages

22 Part 5 : Construction, selection and use of assessment instruments and tools Define como montar instrumentos de avaliação, em papel ou computador, que incorporam uma série de indicadores de avaliação padronizados: De gerenciamento de processos (26 práticas genéricas) Caracterização de produtos de trabalho (109 diferentes produtos de trabalho) Mapeamento de (35) processos para produtos de trabalho Mapeamento de (197) práticas base para produtos de trabalho Tabulação através de Indicadores de processos Define atributos de qualidade de instrumentos

23 Part 6 : Qualification and training of assessors Define mecanismos para registro e validação do: Treinamento Experiência Participação em avaliações e Atividades Profissionais Exercidas pelos avaliadores, em especial do lead assessor.

24 Fluxo de Qualificação de Avaliadores Assessors demonstrate their Competence results from Knowledge of the software process Skills in technologies related to this standard is gained by are gained by Education Training to carry out leads to Personal attributes which contribute to effective performance are gained by Experience are subject to Assessments Qualification to carry out may lead to Validation

25 Part 7 : Guide for use in process improvement Método para aplicação do SPICE na gestão e implantação de melhorias de processos

26 1 Examine organisation's needs Identified scope and priorities Software process improvement request Improvement initiation Organisation's needs 8 Monitor performance Institutionalised improvements 7 Sustain improvement gains Validated improvement results 2 Initiate process improvement Re-assessment request 6 Confirm the improvement Assessment request Preliminary process improvement programme plan (Parts 3 and 4) 3 Prepare and conduct process assessment Assessment results 4 Analysed re-assessment results Analyse results and derive action plan Approved action plan Implemented improvements 5 Implement improvements current assessed capability Industrial benchmarks Practice descriptions from process model (Part 8) Process improvement programme plan for capability determination Target capability profiles from capability (Part 2) Modelos de Qualidade em TI e Software: CMMI / SPICE / ITIL / COBIT. Jorge H C Fernandes. CIC/UnB. determination 2004.

27 Part 8 : Guide for use in determining supplier process capability Método para usar o SPICE na definição e negociação de alvos de capacidade e gaps de processos

28 Specified Requirement Target Capability Process Capability Report Define Target Capability Independent Assessment Analyse Risk Target Scope Target Capability Proposed Capability, plus: Assessed Capability Process Improvement Plan Process Improvement Record Capability Shortfall Plan Verify Proposed Capability PCD Sponsor Organisation Determine Proposed Capability Assess Current Capability Assessed Capability Self- Assessment Target Definition Stage Response Stage Verification and Risk Analysis Stage

29 Transição do SPICE para a ISO Um Framework Genérico para o Processo de Avaliação Qualidade de Processos de Desenvolvimento de Software Qualidade de Processos de Desenvolvimento de Sistemas Estrutura com Cinco Documentos

30 Processo Genérico de Avaliação

31 Um Novo Framework para Avaliação

32 Requisitos de Modelos para Avaliação

33 Desenvolvendo Novos Modelos de Avaliação

34 Documentos com Estrutura Revisada

35 SPICE Referências [SPICE 0] The SPICE Document Suite. [SPICE 1] SPICE. Software Process Assessment Part 1 : Concepts and introductory guide - Version pp [SPICE 2] SPICE. Software Process Assessment Part 2 : A model for process management - Version pp. [SPICE 3] SPICE. Software Process Assessment Part 3 : Rating Processes - Version pp. [SPICE 4] SPICE. Software Process Assessment Part 4 : Guide to conducting assessments - Version pp [SPICE 5] SPICE. Software Process Assessment Part 5 : Construction, selection and use of assessment instruments and tools. Version pp. [SPICE 6] SPICE. Software Process Assessment Part 6 : Qualification and training of assessors. Version pp. [SPICE 7] SPICE. Software Process Assessment Part 7 : Guide for use in process improvement - Version pp. [SPICE 8] SPICE. Software Process Assessment Part 8 : Guide for use in determining supplier process capability - Version pp. [SPICE 9] [ISO ] ISO/IEC JTC1/SC7 N2210. High Level Design for the Revision of ISO/IEC TR 15504: /10/07

36 SPICE e ISO SPICE: Software Process Improvement and Capability determination

37 Modelo de Qualidade de Software e Sistemas CMMI : Capability Maturity Model Integration

38 O Labirinto de Frameworks de Qualidade de Processo

39

40 Modelo CMMI: Um Framework de Modelos Guia de melhoria de processos e habilidades de organizações de engenharia Visando gerenciar o desenvolvimento, aquisição e manutencão de produtos ou serviços tecnológicos Representação Contínua ou em Estágios Flexibiliza a ordem de melhoria das áreas de processos Disciplinas Software, Sistemas, IPPD, Aquisição, Operações

41 CMMI: Componentes [CMMI 1]

42 Capacidade versus Maturidade [CMMI 1]

43 A Seqüência de Níveis de Capacidade Permite focar no amadurecimento da habilidade para executar, controlar, melhorar e demosntrar melhoria numa área de processo

44 A Seqüência de Níveis de Maturidade Estabelece platôs evolucionários de melhoria de processo, que estabiliza uma parte importante dos processos da organização

45 Categorias de Áreas de Processo Process Management Processes Project Management Processes Engineering Processes Support Processes

46 Process Management Processes OPF - Organizational Process Focus OPD - Organizational Process Definition OT - Organizational Training OPP - Organizational Process Performance OID - Organizational Innovation and Deployment

47 Basic Process Management Processes [CMMI 1]

48 Advanced Process Management Processes [CMMI 1]

49 Project Management Processes PP - Project Planning PMC - Project Monitoring and Control SAM - Supplier Agreement Management IPM - Integrated Project Management RSKM - Risk Management QPM - Quantitative Project Management

50 Basic Project Management Processes [CMMI 1]

51 Advanced Project Management Processes [CMMI 1]

52 Engineering Processes RD - Requirements Development RM - Requirements Management TS - Technical Solution PI - Product Integration VER Verification VAL - Validation

53 Engineering Processes [CMMI 1]

54 Support Processes CM - Configuration Management PPQA - Process and Product Quality Assurance MA - Measurement and Analysis DAR - Decision Analysis and Resolution CAR - Causal Analysis and Resolution

55 Basic Support Processes [CMMI 1]

56 Advanced Support Processes [CMMI 1]

57 Standard CMMI Appraisal Method for Process Improvement (SCAMPI SM ) v 1.1

58 SCAMPI: O que é? [SEI 2] Método de mensuração de qualidade padrão (benchmark) para modelos CMMI Satisfaz os critérios Appraisal Requirements for CMMI (ARC) Método de avaliação classe A Métodos de avaliação ISO/IEC (SPICE) Aplicável em vários modos Melhoria interna de processo Determinação de capacidade externa seleção de fornecedor Monitoramento

59 SCAMPI: Contexto de Uso Reports Findings Appraises Organizational Unit / Project Requests Appraisal Reports Rating Lead Assessor Appraisal Team Needs Appraisal Artifacts People Tools Processes Sponsoring Organization

60 SCAMPI: O que permite? Avaliar pontos fortes e fracos de processos de engenharia de uma organização, conforme o modelo CMMI Priorizar planos de melhoria de processos Produzir escore de avaliação padronizada para níveis de capacidade e maturidade

61 Conceitos Centrais Agregação de evidência coletada através de observações (instrumentos, apresentações, documentos e entrevistas) Transformações Observações -> (coletadas) -> notas Notas -> (analisadas) -> declarações de gaps ou forças na implementação de práticas Declarações -> (refinadas) -> conclusões preliminares conclusões preliminares -> (validadas) -> conclusões finais conclusões finais -> (tabuladas) -> produção de escore

62 SCAMPI: Fases do Processo 1: Plan and Prepare for Appraisal 1.1 Analyze Requirements 1.2 Develop Appraisal Plan 1.3 Select and Prepare Team 1.4 Obtain and Analyze Initial Objective Evidence 1.5 Prepare for Collection of Objective Evidence 2: Conduct Appraisal 2.1 Examine Objective Evidence 2.2 Verify and Validate Objective Evidence 2.3 Document Objective Evidence 2.4 Generate Appraisal Results 3: Report Results 3.1 Deliver Appraisal Results 3.2 Package and Archive Appraisal Assets

63 Referências [SEI 1] Software Engineering Institute. CMMI SM for Systems Engineering/Software Engineering, Version 1.1, Continuous Representation (CMMI-SE/SW, V1.1, Continuous). 647pp [SEI 2] Software Engineering Institute. Standard CMMI Appraisal Method for Process Improvement (SCAMPISM), Version 1.1: Method Definition Document. 245pp. December 2001.

64 Modelo de Qualidade de Software e Sistemas CMMI : Capability Maturity Model Integration

65 COBIT Control Objectives for Information Technology Um Framework de Governança de TI concebido pela Information Systems Audit and Control Foundation [17]

66 Framework para Governança de TI [8]

67 O Cenário Regulatório-Tecnológico de TI [5, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17] Information Technology Infrastructure Library - ITIL COSO Framework for Internal Auditing Control Objectives for Information Technology - COBIT IT Governance Sarbanes-Oxley Act EnterpriseGovernance Capability Maturity Models Business Processes OECD Corporate Governance

68 Objetivos do COBIT Guia abrangente para usuários, auditores, gestores e donos de processos de negócios que permite a Governança de TI Um meta-método (framework) para alinhar Riscos de negócio Necessidades de controle Necessidades técnicas Visando a Maximizar benefícios da TI Capitalizar em oportunidades de TI Ganhar vantagem competitiva em TI

69 Controles e Objetivos de Controles Controle [1] Políticas, procedimentos, práticas e estruturas organizacionais desenhadas para prover razoável garantia de que os objetivos de negócios serão alcançados e que eventos indesejados serão prevenidos ou detectados e corrigidos Objetivos de Controle O que se alcanca quando os controles são implementados

70 O COBIT Framework [4] Visão Executiva COBIT Framework com Objetivos de Controle de Alto Nível Ferramentas de Implementação Guias Gerenciais Objetivos de Controle Detalhados Guias de Auditoria Modelos de Maturidade Fatores Críticos de Sucesso - CSF Indicadores-Chave de Metas - KGI Indicadores-Chave de Desempenho - KPI

71 Framework COBIT Objetivos de Controle de Alto Nível [1] Definem 34 áreas de processos de TI, agrupadas em 4 domínios PO - Planejamento e Organização AI - Aquisição e Implementação DS - Entrega e Suporte M - Monitoramento Garante a implementação de um sistema de controle adequado para o ambiente de TI através da análise de informações e recursos

72

73 Quality Security Fiduciary Em cada objetivo de controle a Informação deve ser Provida dentro de certos critérios [1] Effectiveness Informação deve ser relevante e pertinente aos processos de negócios bem como ser entregue com temporalidade, corretude, consistência, e usabilidade Efficiency Informação deve ser provida com o uso de recursos da forma mais produtiva e econômica Confidentiality Informação sensível deve ser protegida de acesso não autorizado Integrity Informação deve ser precisa e completa, bem como sua validade deve estar em concordância com o conjunto de valores e expectativas do negócio Availability Informação deve ser disponível quando requerida pelo processo de negócio agora e no futuro, e deste modo deve ser salvaguardada enquanto recurso Compliance Informação deve estar em conformidade com leis, regulamentos, e arranjos contratuais qos quais os processos de negócios estão sujeitos Reliability of Information - Informação deve ser provida de forma apropriada, permitindo seu uso na operação da organização, na publicação de relatórios financeiros para seus usuários e órgãos fiscalizadores, conforme leis e regulamentos.

74 Recursos de TI [1] Data: Objetos de dados, estruturados ou não (texto, gráficos, som, etc) Application Systems: a soma de todos os procedimentos manuais e programados Technology: hardware, sistema operacional, SGBDs, redes, multimídia, etc Facilities: Infra-estrutura física e de suporte aos sistemas de informação People: Habilidades dos empregados, disponibilidade e produtividade no planejamento, organização, aquisição, entrega, suporte e monitoramento de TI

75 O Cubo COBIT [1]

76 O Cubo COBIT (Detalhes) [1]

77 Guias Gerenciais: Elementos [2] Balanced Scorecard de TI FCS Fatores Críticos de Sucesso KGI - Indicadores Chave de Metas KPI - Indicadores Chave de Desempenho Modelo de Maturidade

78 318 Objetivos de Controle Detalhados [1]

79 COBIT Generic Audit Guidelines [6] Obtendo Compreensão dos Requisitos do Negócio, Riscos, Medidas de Controle declaradas Entrevista e coleta de dados Avaliando adequabilidade dos controles declarados Medindo Conformidade Testando se os controles declarados funcionam como descritos, de forma consistente e contínua Comprovando que não há riscos dos objetivos de controle não serem alcançados Executando técnicas analíticas e alternativas

80 Visão Geral Ferramentas de Implementação [3] Amostra de apresentações e comunicações Diagnósticos gerenciais Diagnóstico de Controles de TI Estudos de caso Bechmarking

81 Referências 1. COBIT 3rd Edition Control Objectives, IT Governance Institute, COBIT 3rd Edition Management Guidelines, IT Governance Institute, COBIT 3rd Edition Implementation Toolset, IT Governance Institute, COBIT 3rd Edition Framework, IT Governance Institute, COBIT 3rd Edition Executive Summary, IT Governance Institute, COBIT 3rd Edition Audit Guidelines, IT Governance Institute, IT Control Objectives for Sarbanes- Oxley, IT Governance Institute, Board Briefing on IT Governance, 2nd Edition. IT Governance Institute, COBIT MAPPING: Overview of International IT Guidance, IT Governance Institute, Control Objectives for Enterprise Governance. IT Governance Institute, Institute of Internal Auditors, COBIT Presentation, October 9, Measuring and Improving Corporate IT Performance through the Balanced Scorecard, Wim Van Grembergen, The Balanced Scorecard and IT Governance, Wim Van Grembergen, IS AUDITING GUIDELINE, IT GOVERNANCE DOCUMENT # Maximizing the Success of Chief Information Officers: Learning From Leading Organizations. GAO United States General Accounting Office Executive Guide, OECD Principles of Corporate Governance. OECD Information Systems Audit and Control Foundation.

82 COBIT Control Objectives for Information Technology Um Framework de Governança de TI concebido pela Information Systems Audit and Control Foundation [17]

83 ITIL Information Technology Infrastructure Library Uma coleção das melhores práticas em Tecnologia da Informação, preparada pela OCG[OCG 1], do Governo do Reino Unido

84 Quebra-Cabeça de Perspectivas do Modelo ITIL [ITIL 1]

85 Núcleo de Áreas Funcionais do ITIL Suporte a Serviços [ITIL 2] Relacionadas com o usuário final Função Birô de Serviço Gerência de Incidentes Gerência de Problemas Gerência de Configuração Gerência de Mudança Gerência de Liberação Entrega de Serviço [ITIL 1] Relacionadas com os clientes pagantes Gerência de Nível de Serviço Gerência de Disponibilidade Gerência de Capacidade Gerência de Continuidade de Serviço de TI Gerência Financeira

86 Processos e Funções de Entrega de Serviços [ITIL 1]

87 Service Delivery Processes Model

88 Processos e Funções de Suporte a Serviços [ITIL 2]

89

90 Outras Organizações que Adotaram o Modelo ITIL ITILPeople [ITILPeople 1] itsmf [itsmf 1] Microsoft [MSFT 1] Microsoft Operations Framework - MOF HP [HP 1] IBM British Standards Institute [BSI 1]

91

92 Guia de Melhores Práticas nas Gerências Funcionais [ITIL 1, ITIL 2, MSFT 1]

93 Função Birô de Serviços [ITIL 2, MSFT 1] Realiza atendimento a usuários, clientes e pessoal interno da organização, atuando como primeiro ponto de contato do departamento de TI com seus clientes e usuários

94 Gerência de Incidentes [ITIL 2, MSFT 1] Restaura a operação normal de um serviço com o menor tempo possível, a fim de minimizar os aspectos negativos sobre a operação dos negócios e os melhores níveis de qualidade e disponibilidade de serviço

95 Gerência de Problemas [ITIL 2, MSFT 1] Minimiza o impacto de problemas gerenciais sobre a capacidade de negócios de uma organicação Se dá através da investigação, diagnóstico e solução de problemas

96 Gerência de Mudanças [ITIL 2, MSFT 1] Garante que a todas as partes afetadas por uma mudança seja dada a oportunidade de acompanhar e entender os impactos da mudança

97 Gerência de Liberação (Release) [ITIL 2, MSFT 1] Coordena e gerencia implantação de releases no ambiente em operação. Planeja, testa e implementa mudanças Implanta releases de forma controlada e sistemática

98 Gerência de Configuração [ITIL 2, MSFT 1] Assegura que apenas componentes autorizados (itens de configuração - software. Hardware, documentos, processos, procedimentos e outros ) são usados no ambiente de TI, e que todas as mudanças nestes componentes serão gravadas e rastreadas durante todo o cilo de vida do componente

99 Getting started Gerência de Nível de Serviço [ITIL 1, MSFT 1] Permite ao departamento de TI entregar exatamente o que foi acordado com o cliente, além de garantir que os serviços são reconhecidos como benéficos para a organização. Setup activities Service catalog definition Service level agreements definition Service level monitoring Service level reporting Service level agreement review

100 Gerência de Disponibilidade [ITIL 1, MSFT 1] Realiza o design, implementação, mediçãoe gerenciamento da disponibilidade da infraestrutura de TI, para garantir que os requisitos de disponibilidade sejam constantemente satisfeitos

101 Gerência de Continuidade de Serviço de TI [ITIL 1, MSFT 1] Garante que qualquer serviço de TI é capaz de prover valor para seus clientes e usuários mesmo na situação em que as soluções de disponibilidade normais falharem

102 Gerência de Capacidade [ITIL 1, MSFT 1] Planeja, justifica e gerencia níveis apropriados de recursos necessários para uma dada solução de TI, evitando a falta ou o excesso de recursos Atuam em três áreas Gerenciamento da capacidade de negócios Gerenciamento da Capacidade de Serviços Gerenciamento da capacidade de recursos

103 Gerência Financeira [ITIL 1, MSFT 1] Realiza a gestão dos recursos monetários da área de TI, no suporte ao alcance das metas organizacionais

104 Referências [OCG 1] Office of Government Commerce. About ITIL. [ITILPeople 1] ITILPeople.com. [itsmf 1] IT Service Management Forum (itsmf). [HP 1] HPL IT Service Management and IT Governance: Review, Comparative Analysis and their Impact on Utility Computing [MSFT 1] Microsoft. Microsoft Operations Framework (MOF). [BSI 1] BS The BS IT Service Management Standard. [ITIL 1] Office of Government Commerce. ITIL Service Delivery [ITIL 2] Office of Government Commerce. ITIL Service Support 2.0,

105 ITIL Information Technology Infrastructure Library Uma coleção das melhores práticas em Tecnologia da Informação, preparada pela OCG[OCG 1], do Governo do Reino Unido

106 Discussão

107 Discussão Qual o Modelo mais importante para sua organização? CMMI ISO /SPICE COBIT ITIL Como integrar visões de qualidade em Software e Sistemas de Informação?

108 Para onde Seguem os Modelos de Qualidade em TI e Software: Relação entre os modelos CMMI, COBIT, ITIL e SPICE Jorge H C Fernandes CIC-UnB / DIMAp-UFRN Setembro de 2004

SPICE e ISO 15504. Jorge H C Fernandes 2004

SPICE e ISO 15504. Jorge H C Fernandes 2004 SPICE e ISO 15504 Jorge H C Fernandes 2004 SPICE: Um Framework para a Avaliação Integrada de Processos de Software [SPICE 1] Process Identifies changes to Is examined by Process Assessment Identifies capability

Leia mais

A Gestão do Conhecimento por Meio da Aplicação de Modelos de Qualidade em Tecnologia da Informação

A Gestão do Conhecimento por Meio da Aplicação de Modelos de Qualidade em Tecnologia da Informação A Gestão do Conhecimento por Meio da Aplicação de Modelos de Qualidade em Tecnologia da Informação Prof. Dr. Jorge H C Fernandes Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília Junho de

Leia mais

MOF-ITIL Uma Breve Introdução. Jorge Fernandes e Célia Ghedini CIC-UnB Abril de 2004

MOF-ITIL Uma Breve Introdução. Jorge Fernandes e Célia Ghedini CIC-UnB Abril de 2004 MOF-ITIL Uma Breve Introdução Jorge Fernandes e Célia Ghedini CIC-UnB Abril de 2004 Referências ITIL http://en.itsmportal.net/binaries/itil_essen tialsstudyguide.pdf http://www.ogc.gov.uk/index.asp?id=2261

Leia mais

Governança de TI: Aspectos Gerenciais

Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança de TI: Aspectos Gerenciais 1 Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança é a forma como a estrutura organizacionalestá

Leia mais

CMMI for Services 4º Edição

CMMI for Services 4º Edição CMMI for Services 4º Edição Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com Agenda Objetivo CMMI for Services Um pouco de história... Entrando em detalhes escm-sp Comparativos CMMI-DEV X CMMI-SVC CMMI-SVC

Leia mais

Descrição das Áreas de Processo

Descrição das Áreas de Processo Descrição das Áreas de Processo Níveis 2 e 3 Foco em CMMI para SW INF326 - Modelos de Qualidade de SW - Mario L. Côrtes CMMI parte B 5B - 1 Convenções gráficas Repositório de Medições Repositório de Informações

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação CMMI Visão Geral Agenda Um histórico dos modelos CMM e CMMI Modelo CMMI Suíte do modelo Representações Níveis de maturidade Áreas de processo

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

CMMI for Services. 3º Edição. Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com

CMMI for Services. 3º Edição. Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com CMMI for Services 3º Edição Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com Agenda Objetivo Pré-requisito : O que é o CMMI? Motivação CMMI for Services Um pouco de história... Entrando em detalhes Opção :

Leia mais

Responsáveis. Conceito. COBIT Control objectives for information and related technology (Controle e governança de TI)

Responsáveis. Conceito. COBIT Control objectives for information and related technology (Controle e governança de TI) COBIT Control objectives for information and related technology (Controle e governança de TI) Responsáveis Information system audit and control association IT Governance Institute Conceito Um conjunto

Leia mais

PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE. Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços de TI

PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE. Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços de TI Pólo de Competitividade das Tecnologias de Informação, Comunicação e Electrónica TICE.PT PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços

Leia mais

Conhecendo o CMMI. Alessandro Almeida

Conhecendo o CMMI. Alessandro Almeida Conhecendo o CMMI Alessandro Almeida Agenda Objetivos Por que pensar nestas coisas? Conhecendo o CMMI Uma empresa que poderia ser a sua Objetivos Apresentar de uma forma prática e divertida o modelo CMMI,

Leia mais

Responsáveis. Conceito. COBIT Control objectives for information and related technology (Controle e governança de TI)

Responsáveis. Conceito. COBIT Control objectives for information and related technology (Controle e governança de TI) COBIT Control objectives for information and related technology (Controle e governança de TI) Responsáveis Information system audit and control association IT Governance Institute Conceito Um conjunto

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Natureza do Software e dos Sistemas

Natureza do Software e dos Sistemas Natureza do Software e dos Sistemas Jorge H C Fernandes Diferença Fundamental entre Engenharia de Software e outras Engenharias! Os materiais são diferentes As teorias fundamentais são diferentes Dificuldades

Leia mais

Implementando CMMi utilizando uma combinação de Métodos Ágeis. Implementing CMMi using a Combination of Agile Method

Implementando CMMi utilizando uma combinação de Métodos Ágeis. Implementing CMMi using a Combination of Agile Method Implementando CMMi utilizando uma combinação de Métodos Ágeis Implementing CMMi using a Combination of Agile Method Rhavy Maia Guedes IN1149 Qualidade, Processo e Gestão de Software Agenda 2 Introdução

Leia mais

Gestão de Projetos CMMI e outros modelos de referência

Gestão de Projetos CMMI e outros modelos de referência Gestão de Projetos CMMI e outros modelos de referência Autora: Ivanise M. Gomes IO SEPG Manager Mercosur General Motors do Brasil, IS&S Agenda Ø Introdução Ø Visão Estratégica Ø Malcolm Baldrige Ø ISO

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

CMMI for Services. Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com

CMMI for Services. Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com CMMI for Services Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com Agenda Objetivo Motivação CMMI for Services Um pouco de história... Entrando em detalhes CMMI-DEV X CMMI-SVC Objetivos Apresentar o modelo

Leia mais

Governança de TI através do COBIT

Governança de TI através do COBIT 4.0 COBIT III Congresso de Gestão de TI Governança de TI através do COBIT GOVERNANÇA CORPORATIVA Mercado e Empresa - Relacionamentos SOCIEDADE AGENTES FINANCEIROS PROFISSIONAIS MEIO AMBIENTE GOVERNO CLIENTES

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

HERON VIEIRA AGUIAR PEPP: PROCESSO DE SOFTWARE PARA EMPRESAS DE PEQUENO PORTE BASEADO NO MODELO CMMI

HERON VIEIRA AGUIAR PEPP: PROCESSO DE SOFTWARE PARA EMPRESAS DE PEQUENO PORTE BASEADO NO MODELO CMMI HERON VIEIRA AGUIAR PEPP: PROCESSO DE SOFTWARE PARA EMPRESAS DE PEQUENO PORTE BASEADO NO MODELO CMMI Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Lavras como

Leia mais

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI

Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI Governança e Qualidade em Serviços de TI COBIT Governança de TI COBIT Processos de TI Aplicativos Informações Infraestrutura Pessoas O que é o CObIT? CObIT = Control Objectives for Information and Related

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

GTI Governança de TI

GTI Governança de TI GTI Governança de TI Modelos de Melhores Práticas e o Modelo de Governança de TI Governança de TI FERNANDES & ABREU, cap. 4 1 COBIT Control Objectives for Information and Related Technology. Abrangente

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA: ÊNFASE EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA: ÊNFASE EM ENGENHARIA DE SOFTWARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA: ÊNFASE EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Jorge Augusto Lustosa Matos Nogueira COBIT, ITIL e CMMI colaborando

Leia mais

GOVERNANÇA DE TI: ABORDANDO COBIT E ITIL.

GOVERNANÇA DE TI: ABORDANDO COBIT E ITIL. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Disciplina de Pós-graduação Engenharia de Software. Professor Marcelo Soares Pimenta GOVERNANÇA DE TI: ABORDANDO COBIT E ITIL. Por: Dionatan

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Mestre em Informática na área de Sistemas de Informação

Leia mais

Capítulo 5: CMMI, o Capability Maturity Model Integration

Capítulo 5: CMMI, o Capability Maturity Model Integration Capítulo 5: CMMI, o Capability Maturity Model Integration Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI

Leia mais

IT Governance e ISO/IEC 20000. Susana Velez

IT Governance e ISO/IEC 20000. Susana Velez IT Governance e ISO/IEC 20000 Susana Velez Desafios de TI Manter TI disponível Entregar valor aos clientes Gerir os custos de TI Gerir a complexidade Alinhar TI com o negócio Garantir conformidade com

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

SVC: Uma Constelação no Firmamento CMMI

SVC: Uma Constelação no Firmamento CMMI SVC: Uma Constelação no Firmamento CMMI Apresentação para SPIN São Paulo - Brasil 15 de Agosto de 2012 Andrés Rubinstein, CLA SM CMM Integration, IDEAL, and SCAMPI are service marks of Carnegie Mellon

Leia mais

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade VI GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Capability Maturity Model Integration CMMI SW-CMM (Software Capability Maturity Model): prove informações para o aprimoramento de processos de desenvolvimento

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos. CMM Capability Maturity Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.br 8/3/2002 Pró-Reitoria de Administração - Diretoria de Serviços

Leia mais

ções de Processos Informaçã ção o e Inovaçõ Grinaldo Lopes de Oliveira Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

ções de Processos Informaçã ção o e Inovaçõ Grinaldo Lopes de Oliveira Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Aula 4 Metodologia para Gestão o Estratégica da Informaçã ção o e Inovaçõ ções de Processos Grinaldo Lopes de Oliveira Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Agenda Conceito

Leia mais

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao 1 Tópicos Especiais Novembro - 2008 2 Referências

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa Universidade de Mogi das Cruzes Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 4 Maio / 2014 1 Ementa da Disciplina Definição, objetivos, origens e evolução. Governança Corporativa

Leia mais

Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev

Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev Artigos técnicos selecionados Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev Rosana Fernandes Osório, Guilherme Tavares Motta Coordenação Geral de Qualidade de Software

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Tópicos Especiais Junho - 2008 Referências Acessos

Leia mais

Princípios orientadores. Bibliografia ITIL. Information Technology Infrastructure Library. Hugo Laibaças. 8 de Fevereiro de 2010

Princípios orientadores. Bibliografia ITIL. Information Technology Infrastructure Library. Hugo Laibaças. 8 de Fevereiro de 2010 Information Technology Infrastructure Library 8 de Fevereiro de 2010 Breve História O que é o? Benefícios Conceitos importantes Publicações Visão Geral Síntese Passado, Presente e Futuro Fim Breve História

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library. Arlei Calazans. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Recife, Pernambuco

ITIL. Information Technology Infrastructure Library. Arlei Calazans. Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Recife, Pernambuco ITIL Information Technology Infrastructure Library Arlei Calazans Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Recife, Pernambuco ajcm@cin.ufpe.br 24 de setembro de 2007 Agenda 1 Fundamentação

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

Coletânea Gestão e Governança de TI TCU

Coletânea Gestão e Governança de TI TCU Coletânea Gestão e Governança de TI TCU (COBIT, ITIL, PMBOK, CMMI, Planejamento Estratégico e Modelagem de Processos) Professores: Hério Oliveira e Walter Cunha http://www.waltercunha.com http://heriooliveira.wordpress.com

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v3 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v3 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v3 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v3 Livros ITIL v3 Novos Conceitos Serviço de TI: Meio para entregar valor aos clientes propicia

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

Café da Manhã Corporativo

Café da Manhã Corporativo Café da Manhã Corporativo O ITIL como ferramenta de Governança de TI Palestrante: Julio Cesar R. S. Avila Palestrante: Julio Cesar R. S. Avila Especialista Newtrend em Governança de TI, é um profissional

Leia mais

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Curso e-learning ISO/IEC 20000 Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Este é um curso independente desenvolvido pelo TI.exames em parceria com a CONÊXITO CONSULTORIA que tem grande

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Rodrigo B. Neves, PMP Diretor Gerência de Projetos - Flag IntelliWan rbneves@flag.com.br MSN: rodrigo_neves@hotmail.com

Rodrigo B. Neves, PMP Diretor Gerência de Projetos - Flag IntelliWan rbneves@flag.com.br MSN: rodrigo_neves@hotmail.com Infocon 2004 Rodrigo B. Neves, PMP Diretor Gerência de Projetos - Flag IntelliWan rbneves@flag.com.br MSN: rodrigo_neves@hotmail.com Agenda Definição; Histórico; Governança Coorporativa de TI; O Modelo

Leia mais

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações Raquel Silva 02 Outubro 2014 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 PUBLICAÇÃO DIS: - Draft International Standard

Leia mais

Information Technology Infrastructure Library (ITIL)

Information Technology Infrastructure Library (ITIL) Information Technology Infrastructure Library (ITIL) Metodologias de Sistemas 1 Profa. Rosângela Penteado Grupo Guilherme Leme Janito V. Ferreira Filho João Victor Martins Patrícia Inoue Nakagawa Rafael

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Alta Maturidade em Gestão de Projetos

Alta Maturidade em Gestão de Projetos Alta Maturidade em Gestão de Projetos 1 Agenda Excelência, Ética e Resultados A ISD Brasil CMMI melhores práticas O que é maturidade, afinal? Alta maturidade em gestão de projetos 10 atributos de uma organização

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Melhores Práticas para Melhoria do Processo de Software 22 de maio de 2006 Agenda Introdução Motivações para a Melhoria de Processos e sua importância Modelos de Qualidade de

Leia mais

Unidade V GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade V GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade V GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Control Objectives for Information and Related Technology - Cobit O CobiT é um guia para a gestão de TI recomendado pelo Information Systems Audit

Leia mais

José António Oliveira. Novembro/2011

José António Oliveira. Novembro/2011 José António Oliveira Novembro/2011 Framework COBIT Visão do COBIT Aplicação do COBIT Governação das TI Aplicação em auditoria Exemplos de aplicação em auditoria Avaliação da continuidade do negócio Caracterização

Leia mais

A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI)

A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI) A relação da Governança de TI (COBIT), Gerenciamento de Serviços (ITIL) e Gerenciamento de Projetos (PMI) Os principais modelos de melhores práticas em TI Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP, ITIL

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações www.asrconsultoria.com.br

CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações www.asrconsultoria.com.br 30 de outubro de 2003 CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações Renato Luiz Della Volpe Sergio Massao Jomori Ana Cecília Peixoto Zabeu www.asrconsultoria.com.br 1 Agenda Introdução Evolução

Leia mais

Governança de TI: O que é COBIT?

Governança de TI: O que é COBIT? Governança de TI: O que é COBIT? Agenda Governança de TI Metodologia COBIT Relacionamento do COBIT com os modelos de melhores práticas Governança de TI em 2006 Estudo de Caso Referências Governança de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE Autoria: Natércia Ponte Nogueira, Andreia Rodrigues, Adriano Albuquerque, Alessandro Câmara RESUMO.

Leia mais

ITIL v.3. Nova estrutura do modelo. Ciclo de vida de Serviços de TI. Conceitos chaves Serviço de TI. Helen Queiroz 10.06.2009

ITIL v.3. Nova estrutura do modelo. Ciclo de vida de Serviços de TI. Conceitos chaves Serviço de TI. Helen Queiroz 10.06.2009 ITIL v.3 Helen Queiroz 10.06.2009 Nova estrutura do modelo É uma nova abordagem, com base no ciclo de vida dos serviços e uma nova estrutura, para diferenciar as práticas essenciais do modelo com novos

Leia mais

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008

Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001. Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Implementação de Ferramentas de Gestão SOX ISO 20000 ISO 27001 Susana Carias Lisboa, 24 de Outubro de 2008 Agenda Introdução Desafio 1º passo Problemática ISO 27001 ISO 20000 Conclusões 2 Agenda Introdução

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK

Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA. PMBoK Exercícios: Governança de TI Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com PRIMEIRA BATERIA PMBoK 1. (FCC/ANALISTA-MPU 2007) De acordo com o corpo de conhecimento da gerência de projetos, as simulações

Leia mais

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira Governança Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira 1 Definição de Governança Governança Corporativa: É a Estrutura que identifica os objetivos de uma organização e de que forma pode-se

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Resumo. 1. Introdução. Abstract. 2. Motivação

Resumo. 1. Introdução. Abstract. 2. Motivação Um Estudo para a Definição de Processos das Gerências da Qualidade e da Configuração em um Ambiente Integrado para Apoio ao Desenvolvimento e Gestão de Projetos de Software Abdala, Martha A. D.; Lahoz,

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

Utilizando o Rational Unified Process para atender a Lei Sarbanes- Oxley

Utilizando o Rational Unified Process para atender a Lei Sarbanes- Oxley Utilizando o Rational Unified Process para atender a Lei Sarbanes- Oxley Orlando Ovigli 1, Arthur Gomes 1, Patrícia Kimie 1, Márcia Ito 1,2 1 Gestão e Engenharia de Processos para desenvolvimento de Software

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Estudo sobre a Implantação de um Modelo de Governança de Tecnologia da Informação com COBIT e ITIL

Estudo sobre a Implantação de um Modelo de Governança de Tecnologia da Informação com COBIT e ITIL Estudo sobre a Implantação de um Modelo de Governança de Tecnologia da Informação com COBIT e ITIL Ana Clara Peixoto de Castro Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO) Goiânia GO - Brasil ac.anaclara@gmail.com

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

AULA 6 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO

AULA 6 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO AULA 6 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS Definir Governança corporativa e governança em TI Especificar os modelos de gestão na área de tecnologia; Identificar as principais características do Modelo

Leia mais

Introdução ao COBIT 5

Introdução ao COBIT 5 Introdução ao COBIT 5 J. Souza Neto, PhD, CGEIT, CRISC, CLOUDF, COBIT 5 Implementation, COBIT 5 Assessor, Certified COBIT Assessor, COBIT 5 Approved Trainer souzaneto@govtiapf.com.br www.twitter.com/govtiapf

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática na área de Sistemas de Informação UFRJ/IM Pós-Graduado em Análise, Projeto e Gerência de Sistemas PUC Pós-Graduado

Leia mais

ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619

ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Gap Analysis ITIL ISO 20.000 Gerenciamento de Serviços de TI Integrado com Negócio Avalie seus processos de TI ELO Group contato@elogroup.com.br tel: 21 2561-5619 Agenda Gap Analysis ITIL ISO 20.000: Benefícios;

Leia mais

2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P.

2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. A implementação de processos Ágeis em uma organização CMMI 5 Lúcia Mazoni Couto - luciamazoni.couto@hp.com Líder do Escritório de Projetos e Processos HP

Leia mais

GERENCIAMENTO E PROCESSO Porque adotá-los? Onivaldo Roncatti e Leonardo Noshi

GERENCIAMENTO E PROCESSO Porque adotá-los? Onivaldo Roncatti e Leonardo Noshi GERENCIAMENTO E PROCESSO Porque adotá-los? Onivaldo Roncatti e Leonardo Noshi 1 Sobre a empresa A Business Station é uma provedora de soluções de tecnologia. Possui 5 filiais: São Paulo (matriz), Campinas,

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Correlação entre CobiT e ITIL e norma ISO 17799

Correlação entre CobiT e ITIL e norma ISO 17799 Correlação entre CobiT e ITIL e norma ISO 17799 1. Resumo A dependência atual das organizações da sua infra-estrutura de TI (Tecnologia da Informação), associado às oportunidades, benefícios e riscos inerentes

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais