Estudo Econômico do APL de Confecções do Agreste Pernambucano 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo Econômico do APL de Confecções do Agreste Pernambucano 2012"

Transcrição

1 Estudo Econômico do APL de Confecções do Agreste Pernambucano 2012

2 Objetivos Principais Descrever quantitativamente o Polo de Confecções do Agreste Analisar a dinâmica econômica do Polo, apontando as suas potencialidades e os principais problemas

3 Critérios de Classificação dos Empreendimentos Existentes Empresas x Empreendimentos Complementares Diferem pela declaração do empresário ou entrevistado quanto à sua atividade de vendas Empresas vendem produtos finais para o consumidor, atacadista, rede de lojas, etc. Empreendimentos Complementares Não vendem produtos finais para o consumidor, atacadista ou rede de lojas

4 Fontes das Informações questionários 123 mil arrolamentos (para contagem das empresas) Grupos focais Entrevistas pessoais Dados secundários: IBGE, MTE 10 Municípios Pesquisados Caruaru* Toritama* Santa Cruz do Capibaribe* Agrestina Brejo da Madre de Deus Cupira Riacho das Almas Surubim Taquaritinga do Norte Vertentes * Fizeram parte da pesquisa de 2002

5 População, Produto Interno Bruto e Variações Unidade geográfica População 2010 PIB 2009 (R$ mil preços correntes) Variação População 2000/2010 (%) Variação total do PIB a preços constantes 2000/2009 (%) Agrestina ,2 50,9 Brejo da Madre de Deus ,6 48,2 Caruaru ,2 49,2 Cupira ,5 29,4 Riacho das Almas ,6 67,6 Sta Cruz do Capibaribe ,3 63,9 Surubim ,3 45,1 Taquaritinga do Norte ,0 53,2 Toritama ,1 101,2 Vertentes ,8 57,4 Caruaru + Toritama + SCCapibaribe (Polo-3) ,0 57,2 Total dos dez municípios (Polo-10) ,1 56,1

6 População, Produto Interno Bruto e Variações Unidade geográfica População 2010 PIB 2009 (R$ mil preços correntes) Variação População 2000/2010 (%) Variação total do PIB a preços constantes 2000/2009 (%) Total dos dez municípios (Polo-10) ,1 56,1 Marcos de comparação Brasil ,3 36,2 Nordeste ,2 47,9 Pernambuco ,1 44,3

7 Comparações Crescimento Demográfico Crescimento Econômico ,2% 56,1% 31,0% 27,1% 36,2% 47,9% 44,3% 12,3% 11,2% 11,1% Caruaru + Toritama + S C Capibaribe Polo-10 Brasil Nordeste Pernambuco

8 Dados dos Entrevistados Função do Entrevistado Sexo 93,9% 62% 1,4% 4,8% 38% Sócio/Proprietário Gerente Outros Masculino Feminino

9 Dados dos Entrevistados Idade Escolaridade 31,2% 41 a 45 12% Mais de 45 13% 18 a 24 16% 25 a 30 23% 63,4% 2,0% 0,3% 2,7% 31 a 40 36% Fundamental Ensino médio Graduação Pós-graduação Não sabem/não responderam

10 Tempo Médio de Vida das Unidades Produtivas (em anos) 5,9 Média Geral 5,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 7,3 5,8 5,2 5,1 5,0 4,3 4,1 2,7 2,7 56% 62% 70% 65% 71% 76% 71% 83% 85% 94% Caruaru S C Capibaribe Taq do Norte Anos de Vida Riacho Almas Brejo M Deus Empresas 2,1 Cupira Toritama Vertentes Agrestina Surubim % de Empresas com até 05 anos de vida Emp Com 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0%

11 Quantidades de unidades produtivas por Município ,1% Total = ,1% ,0% ,4% ,3% ,4% 2,2% 2,1% 1,6% 0,7% S C Capibaribe Caruaru Toritama Brejo M Deus Taq do Norte Surubim Riacho Almas Vertentes Agrestina Cupira

12 Quantidade de unidades produtivas por Município, segundo o Tipo Empresas Empreendimentos Complementares Empresas Empreendimentos Complementares S C Capibaribe Caruaru Toritama Brejo M Deus Taq do Norte Surubim Vertentes Agrestina Riacho Cupira Almas

13 Formalidade e Informalidade 2012 (18.803) 2002 (12.141) 100% % 66,4% 93,2% 91,8% 0% 33,6% Empresas 6,8% Empreendimentos Complementares 0% 8,2% Total Formais Informais Formais Informais

14 Quantidade de unidades produtivas, segundo formalidade e informalidade, por município pesquisado Municípios Unidades Produtivas Formais Quantidade de Formais % das Formais no total das unidades produtivas Unidades Produtivas Informais Quantidade de Informais % das informais no total das unidades produtivas Agrestina 38 12, ,3 Brejo da Madre de Deus , ,0 Caruaru , ,7 Cupira 22 16, ,7 Riacho das Almas 76 18, ,7 Santa Cruz do Capibaribe , ,2 Surubim , ,0 Taquaritinga do Norte , ,2 Toritama , ,1 Vertentes 72 18, ,0 TOTAL , ,5 Formais + Informais =

15 Segmentos de Atuação das empresas, por segmento (a soma pode ultrapassar 100% - possível mais de uma resposta) 45% 34% 9% 7% 6% 4% 3% 3% 1%

16 Os 02 principais segmentos de atuação de cada município (% do segmento no município) (a soma pode ultrapassar 100% - possível mais de uma resposta) Total de Unidades Produtivas do Município % 10% 8% 12% 22% 39% 56% 74% 23% 22% 95% 96% 82% 50% 29% 42% 19% 72% 58% 51% Agrestina Brejo M Deus Caruaru Cupira Riacho Almas S C Capibaribe Surubim Taq Norte Toritama Vertentes Moda Feminina Jeanswear Streetwear Moda íntima Moda Praia CM&B

17 Pessoas ocupadas na produção, por Município ,4% Total = ,3% ,6% ,1% ,7% ,1% 3,0% 2,5% 1,3% 1,2% S C Capibaribe Caruaru Toritama Brejo M Deus Taq do Norte Vertentes Surubim Riacho Almas Agrestina Cupira

18 Forma de Criação dos Produtos (a soma pode ultrapassar 100% - possível mais de uma resposta) 53% 59% 22% 24% 17% 4% 7% 1% 1% 0% Cópia Criação própria Criação de estilista/ designer contratado Pesquisas em livros/revistas técnicas Pesquisas na internet Empresa Empreendimentos Complementares

19 Desenvolvimento de Coleções, pelas Empresas Desenvolve coleções? 90% Sim 9% 1% Não Não sabem/não responderam Total =

20 Quantitativo de Coleções Produzidas em 01 Ano (Empresas) Quantas coleções desenvolve por ano? 32% 29% 8% 15% 10% 5% Uma Duas Três Quatro Mais de quatro Não sabem/não responderam

21 Ocorrência de Solicitação de Empréstimo, nos últimos cinco anos Solicitou empréstimo nos últimos cinco anos? Empresas (%) Empreendimentos Complementares (%) Sim, a banco 17 9 Sim, a terceiros 1 - Sim, a bancos e terceiros - - Não Não sabem / Não responderam Total

22 Avaliação dos Responsáveis pelas unidades produtivas da Adequação ou não das linhas de créditos existentes Opções Empresas (%) Sim, as linhas de crédito existentes são adequadas Não, as linhas de crédito existentes não são adequadas Em parte: as linhas de crédito existentes são adequadas, em parte Empreendimentos Complementares (%) Não sabem / Não responderam Total

23 Pessoas Ocupadas na Produção de Confecções x População em Idade Ativa* Municípios Pessoas ocupadas no setor de confecções População em Idade Ativa (PIA) * Participação das pessoas ocupadas no setor de confecções na PIA (%) Sta Cruz do Capibaribe ,8 Caruaru ,4 Toritama ,4 Brejo da Madre de Deus ,6 Taquaritinga do Norte ,3 Vertentes ,1 Surubim ,5 Riacho das Almas ,2 Agrestina ,4 Cupira ,5 Total Polo ,8 * IBGE, Censo Demográfico 2010

24 Faturamento médio e total anual (em 2011) das unidades produtivas - Empresas e Empreendimentos Complementares Faturamento Faturamento total em 2011 (R$ 1000) Faturamento médio anual em 2011 (R$ 1000) Empresas Empreendimentos Complementares Total ,4 19,0 65,7

25 Regiões para onde a Produção é Vendida (% do Total das Empresas Pesquisadas) 6,9% 74,9% 3,4% 12,8% 2,0%

26 Para onde a Produção é Vendida no Nordeste (% do Total das Empresas Pesquisadas) MA PI CE 74,9% PE RN AL SE PB 10,5% 31,3% 15,0% BA 5,3% 1,3% 3,6% 1,7% 5,0% 1,2% MA PI CE RN PB PE AL SE BA

27 Pontos Fracos Má formação da mão de obra Escassez de trabalhadores, especialmente, qualificados Falta de profissionalismo Predominância de empresas informais Carga tributária excessiva para os formalizados Questão ambiental Imagem da região, como produtora de bens de baixa qualidade Falta de segurança

28 Pontos Fortes Preço baixo do produto Baixo custo da mão de obra Capacidade empreendedora Adaptabilidade à mudança Pessoas bravas, guerreiras Capacidade produtiva elevada Localização do Polo Radiação do Polo Alta concentração de empresas em pequeno espaço

29 Oportunidades e Ameaças OPORTUNIDADES Formalização Atingir novos mercados consumidores AMEAÇAS Concorrência de fora (produtos chineses, sobretudo) Surgimento de novos arranjos produtivos no Brasil Informalidade, especialmente, nas relações de trabalho Carga tributária alta para os formais Especulação imobiliária Guerra fiscal

30 AGRESTE PERNAMBUCANO Municípios Estudados Até 500 U.P. 501 até U.P até U.P. Mais de U.P.

31 AGRESTE PERNAMBUCANO Municípios Estudados 05 municípios 90,9% 38,1% 6,3% 7,4% 15,0% 24,1% Até 500 U.P. 501 até U.P até U.P. Mais de U.P.

32 AGRESTE PERNAMBUCANO Municípios Estudados 38% % municípios somam 77% U.P. 24% sendo Empresas (55%) Emp. Comp. (45%) Até 500 U.P. 501 até U.P até U.P. Mais de U.P.

33 Resumo A população dos 10 municípios (650mil) cresceu 27% ( ) representando 7% da população do estado PIB do Polo equivale a 5% do PIB (base 2009) de Pernambuco (R$ 78,4 bilhões) Houve crescimento no número de unidades produtivas entre ( ) Houve crescimento do número de empresas formalizadas entre Em Toritama, segundo empresários pesquisados, não existem pessoas desempregadas

34 Resumo 95% dos empresários têm no máximo ensino médio 75% dos empresários têm até 40 anos de idade Produz cerca de 842,5 milhões de peças/ano Em todo o polo trabalham pessoas, sendo funcionários familiares (02 em média) Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe concentram o maior número de unidade produtivas (77%) 66% das unidades produtivas têm menos de 05 anos de existência

35 Desafios Atender um maior número de empresas Levar as vantagens competitivas da formalidade para um maior número de empreendimentos informais Fortalecer o polo de confecções o Como um centro produtor de moda o Promover inovação e a cooperação empresarial o Fortalecer a estruturação das empresas o Abrir novos mercados

36 Estudo Econômico do APL de Confecções do Agreste Pernambucano, 2012 Presidência do Conselho Pio Guerra Junior Diretoria Executiva Roberto Castelo Branco Aluísio Ferraz Adriana Lira Diretor Superintendente Diretor Técnico Diretora Adm./Financeira Equipe Técnica Sebrae Ana Claudia Arruda - Gestora do Observatório Empresarial Mário César Freitas Lins - Gestor do Projeto de Confecções Equipe Técnica Datamétrica André Magalhães, Robson Correia, Carlos Magno, Anderson Barbosa, Fabiana Barbosa Realização: Consultoria Técnica Gustavo Maia Gomes

ESTUDO ECONÔMICO DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE CONFECÇÕES DO AGRESTE PERNAMBUCANO, 2012

ESTUDO ECONÔMICO DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE CONFECÇÕES DO AGRESTE PERNAMBUCANO, 2012 ESTUDO ECONÔMICO DO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE CONFECÇÕES DO AGRESTE PERNAMBUCANO, 2012 Relatório final Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Pernambuco Sebrae / Pernambuco Recife,

Leia mais

O CENÁRIO DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO

O CENÁRIO DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO O CENÁRIO DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO Autora: IZABELLE SOUSA BARROS Resumo Este artigo propõe uma reflexão sobre o atual cenário do Arranjo Produtivo Local de Confecções do Agreste Pernambucano

Leia mais

EXPECTATIVAS DE COMPRAS PARA O CARNAVAL 2014

EXPECTATIVAS DE COMPRAS PARA O CARNAVAL 2014 EXPECTATIVAS DE COMPRAS PARA O CARNAVAL 2014 Compradores "Mais compradores devem frequentar os centros de compras no pólo de confecções do Agreste em 2014" Os compradores dos Centros de Compras do Polo

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

Convênio FIESP/SEBRAE. APL de Jóias de São José do Rio Preto

Convênio FIESP/SEBRAE. APL de Jóias de São José do Rio Preto Convênio FIESP/SEBRAE APL de Jóias de São José do Rio Preto Rio de Janeiro - Outubro, 2004 1 Metodologia FIESP 2 Objetivos: Micros e Pequenas Empresas Aumentar a Competitividade Criar Processos de Auto-Sustentação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO Tribunal Regional Federal da 5ª Região PRESIDÊNCIA DO TRF 5ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO Tribunal Regional Federal da 5ª Região PRESIDÊNCIA DO TRF 5ª REGIÃO PODER JUDICIÁRIO Tribunal Regional Federal da 5ª Região PRESIDÊNCIA DO TRF 5ª REGIÃO RESOLUÇÃO Nº 00004/2014 19/02/2014 Instala a 37ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado de Pernambuco, criada pela

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada em 1972. Desvinculado da administração pública

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIFUSÃO DO LIVRO SETOR DE VENDA PORTA-A-PORTA ANO REFERÊNCIA: 2009

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIFUSÃO DO LIVRO SETOR DE VENDA PORTA-A-PORTA ANO REFERÊNCIA: 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIFUSÃO DO LIVRO SETOR DE VENDA PORTA-A-PORTA ANO REFERÊNCIA: 2009 PERFIL DO TOTAL DE ENTREVISTADOS Perfil da área de atuação das empresas: Base: todas as empresas respondentes

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza.

PALAVRAS-CHAVE: Controle Contábil e Financeiro, Desenvolvimento Empresarial, Associação Paraibana da Beleza. 7CCSADFCOUT1 CONTROLE FINANCEIRO: UMA FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DOS SALÕES DA ASSOCIAÇÃO PARAIBANA DA BELEZA Jannielly Krystianne Laurentino dos Santos (1) ; Luzivalda Guedes Damascena

Leia mais

Características dos empreendedores formais e informais do Estado de São Paulo. Novembro/03

Características dos empreendedores formais e informais do Estado de São Paulo. Novembro/03 Características dos empreendedores formais e informais do Estado de São Paulo Novembro/03 1 Objetivos: Informações sobre a Pesquisa Identificar as principais características dos empreendedores paulistas

Leia mais

CONSELHEIROS EFETIVOS (2016-218)

CONSELHEIROS EFETIVOS (2016-218) Chapa: TRABALHANDO SEMPRE CONSELHEIROS EFETIVOS (2016-218) ANA CLÁUDIA ARRUDA LAPROVÍTERA SEBRAE É doutora em Desenvolvimento Urbano MDU/UFPE e mestre em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais-

Leia mais

Prof. Adm. José Ednaldo Ferreira Pedroza

Prof. Adm. José Ednaldo Ferreira Pedroza Prof. Adm. José Ednaldo Ferreira Pedroza Mestrando e Especialista em Gestão de Empresas; MBA em Gestão Pública Municipal; Graduado em Administração; Aperfeiçoamento Docente em EAD. Professor/Tutor do Curso

Leia mais

CENTRO DE NEGÓCIOS DA MODA

CENTRO DE NEGÓCIOS DA MODA PROGRAMA MODATECA: CENTRO DE NEGÓCIOS DA MODA Área temática: Tecnologia e Produção Izabele Barros Universidade de Pernambuco (UPE) Izabele Barros[1]; Hannah Miranda Morais[2]; Ana Rita Valverde Peroba[3];

Leia mais

Estudos e Pesquisas 1

Estudos e Pesquisas 1 Estudos e Pesquisas 1 2 Estudos e Pesquisas Sondagem sobre Empreendedorismo Digital Este documento encontra-se também disponível no site: http://www.sebrae.com.br/estudos-e-pesquisas Estudos e Pesquisas

Leia mais

A INTERNET AUXILIANDO O FORTALECIMENTO DA MODATECA NO INTERIOR PERNAMBUCANO CARLOS MÁGNO, CÉSAR HENRIQUE LEITE DE ALBUQUERQUE, DANILO MONTEIRO RIBEIRO

A INTERNET AUXILIANDO O FORTALECIMENTO DA MODATECA NO INTERIOR PERNAMBUCANO CARLOS MÁGNO, CÉSAR HENRIQUE LEITE DE ALBUQUERQUE, DANILO MONTEIRO RIBEIRO 1 A INTERNET AUXILIANDO O FORTALECIMENTO DA MODATECA NO INTERIOR PERNAMBUCANO CARLOS MÁGNO, CÉSAR HENRIQUE LEITE DE ALBUQUERQUE, DANILO MONTEIRO RIBEIRO INTRODUÇÃO Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO BANCO DO NORDESTE - BNB

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO BANCO DO NORDESTE - BNB ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DO BANCO DO NORDESTE - BNB 4ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais Brasília DF Outubro/2009 Indicadores NE/BR INDICADOR NE BRASIL NE/BR(%) Nº DE

Leia mais

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Marta Paiz 1 Márcia Bonifácio Stooc 2 Adriana Picagevicz Mellk 3 Jaime Antonio Stoffel 4 Nelson Alpini

Leia mais

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas

Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL. Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas Apresentações de Ações das Instituições do GTP APL Fomento à Inovação nas Pequenas Empresas FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Rochester Gomes da Costa Departamento de Capital Semente 29 de outubro

Leia mais

Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região. Pedro José Granja Sella

Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região. Pedro José Granja Sella Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região Pedro José Granja Sella Objetivos Conhecer, em dados, o setor de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região de Londrina;

Leia mais

Processo Seletivo UFPE SiSU 2015 ORIENTAÇÕES PARA INSCRIÇÃO QUANTO À MODALIDADE DE CONCORRÊNCIA

Processo Seletivo UFPE SiSU 2015 ORIENTAÇÕES PARA INSCRIÇÃO QUANTO À MODALIDADE DE CONCORRÊNCIA Processo Seletivo UFPE SiSU 2015 ORIENTAÇÕES PARA INSCRIÇÃO QUANTO À MODALIDADE DE CONCORRÊNCIA Todos os candidatos deverão especificar no ato da inscrição qual a modalidade de concorrência escolhida,

Leia mais

NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs

NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs 3ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais (APLs) Mansueto Almeida -IPEA 1. Principais desafios Vários APLs estão localizados em cidades

Leia mais

MEC. Censo da Educação Superior 2014

MEC. Censo da Educação Superior 2014 MEC Censo da Educação Superior 2014 BRASÍLIA DF 04 DE DEZEMBRO DE 2015 Tabela Resumo Estatísticas Gerais da Educação Superior Brasil 2014 Categoria Administrativa Estatísticas Básicas Total Geral Pública

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO. Brasília março 2011

DO DESENVOLVIMENTO. Brasília março 2011 OS PEQUENOS NEGÓCIOS NANA LIDERANÇA OS PEQUENOS NEGÓCIOS LIDERANÇA DO DESENVOLVIMENTO DO DESENVOLVIMENTO Brasília março 2011 Servi«o Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas Miss o Institucional

Leia mais

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012 Member of ICMCI International Council of Management Consulting Institutes PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição 2011 / 2012 Av. Paulista, 326 Conj. 77 Bela Vista CEP 01310902

Leia mais

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias 50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias Pesquisa realizada pela Rizzo Franchise e divulgada pela revista Exame listou as 50 cidades com as melhores oportunidades para abertura de

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

XIV Encontro Nacional da ABET 2015 Campinas/UNICAMP. GT 5 Reconfigurações do trabalho

XIV Encontro Nacional da ABET 2015 Campinas/UNICAMP. GT 5 Reconfigurações do trabalho XIV Encontro Nacional da ABET 2015 Campinas/UNICAMP GT 5 Reconfigurações do trabalho NATURALIZAÇÃO DO TRABALHO INFORMAL E FORMALIZAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS DE CONFECÇÕES NO AGRESTE PERNAMBUCANO.

Leia mais

0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

0800 570 0800 / www.sebrae.com.br Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Elaboração e Coordenação Unidade de Gestão Estratégica Camilla Carvalho Costa Gerente Ficha Técnica Diretoria Executiva Manoel

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014 Janeiro-2014 / Sebrae - GO Sebrae em Goiás Elaboração e Coordenação Técnica Ficha Técnica Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente

Leia mais

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P

Censo Nacional das Bibliotecas Públicas P Ministério da Cultura Secretaria de Articulação Institucional Diretoria de Livro, Leitura e Literatura Fundação Biblioteca Nacional Sistema Nacional de Bibliotecas PúblicasP Censo Nacional das Bibliotecas

Leia mais

Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae)

Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae) Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae) Metodologia Entrevistas por telefone com 9.657 Microempreendedores Individuais feitas em abril de 2015. Análise da base de dados do Microempreendedor Individual

Leia mais

Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama

Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama Objetivo da Pesquisa Coletar informações para diagnosticar a demanda dos jovens das Comunidades Real Parque e Jardim Panorama, quanto

Leia mais

Seminário sobre APL no BNDES Crédito e Instrumentos Financeiros

Seminário sobre APL no BNDES Crédito e Instrumentos Financeiros Seminário sobre APL no BNDES Crédito e Instrumentos Financeiros Fernando Nogueira da Costa Vice-presidente de Finanças e Mercado de Capitais Rio de Janeiro, 27 de outubro de 2004 estrutura da apresentação

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014 A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira Setembro de 2014 Lógica Econômica da Terceirização Contratos de Prestação de Serviços entre Empresas Criação de empregos no setor de serviços,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA Hoje a floricultura é um dos principais segmentos do agronegócio no Brasil. A qualidade das flores, a crescente competitividade e o crescimento do segmento são percebidos quando observa-se que muitos estados

Leia mais

Izabele Sousa Barros Docente do Curso de Adm com ênfase em MKT de Moda Universidade Pernambuco- UPE e-mail: bellebarros@hotmail.

Izabele Sousa Barros Docente do Curso de Adm com ênfase em MKT de Moda Universidade Pernambuco- UPE e-mail: bellebarros@hotmail. A Rodada de Negócio da Moda pernambucana como instrumento de competividade do APL de confecções do agreste pernambucano. Izabele Sousa Barros Docente do Curso de Adm com ênfase em MKT de Moda Universidade

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES NO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TORITAMA: O PAPEL DO ESTADO E DOS AGENTES PRIVADOS

QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES NO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TORITAMA: O PAPEL DO ESTADO E DOS AGENTES PRIVADOS 1 QUALIFICAÇÃO DOS TRABALHADORES NO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE TORITAMA: O PAPEL DO ESTADO E DOS AGENTES PRIVADOS Angela Santana do Amaral 1 Roberta Soriano Macedo 2 Resumo Nosso trabalho tem como objetivo

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES A CONSTRUÇÃO CIVIL PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS, COMERCIAIS E RESIDENCIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL É UM DOS

Leia mais

TERRITÓRIOS DA MODA A INDÚSTRIA DA MODA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

TERRITÓRIOS DA MODA A INDÚSTRIA DA MODA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO TERRITÓRIOS DA MODA A INDÚSTRIA DA MODA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO RELATÓRIO DA PESQUISA ETAPA QUANTITATIVA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO / SEBRAE CENTRO DE TECNOLOGIA E SOCIEDADE DIREITO RIO

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO NO APL DE CONFECÇÃO DE TORITAMA: UM ESTUDO SOBRE A DINÂMICA PRODUÇÃO-COMERCIALIZAÇÃO

A GESTÃO DA INOVAÇÃO NO APL DE CONFECÇÃO DE TORITAMA: UM ESTUDO SOBRE A DINÂMICA PRODUÇÃO-COMERCIALIZAÇÃO ISSN 1984-9354 A GESTÃO DA INOVAÇÃO NO APL DE CONFECÇÃO DE TORITAMA: UM ESTUDO SOBRE A DINÂMICA PRODUÇÃO-COMERCIALIZAÇÃO Jônia Marcela da Silva Lima (UFPE) Taciana de Barros Jerônimo (UFPE) Rennaly Patricio

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes?

Apresentação. - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? Apresentação - Palestrante Quem é? - Sebrae O que é? - Atendimento à Indústria? - Carteira de Alimentos? Sorvetes? 2 Importância dos Pequenos Negócios 52% dos empregos formais 40% da massa salarial 62%

Leia mais

DIAGNÓSTICO ARTESANATO

DIAGNÓSTICO ARTESANATO DIAGNÓSTICO ARTESANATO INTRODUÇÃO SEBRAE/SC e FUNDAÇÃO CULTURAL DE Estimular a reflexão sobre o segmento de artesanato em para que este ganhe o mesmo reconhecimento de outras áreas pelas quais a cidade

Leia mais

08 a 11 de outubro de 2014

08 a 11 de outubro de 2014 DESENHAR NÃO É O BASTANTE PARA EMPREENDER EM MODA 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Mercado de Moda Figuramos entre os 10 principais mercados mundiais A industria textil abrange mais

Leia mais

INTENÇÃO DE COMPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014

INTENÇÃO DE COMPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 PE MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 1 MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 PE MPRA DIA DAS CRIANÇAS 2014 2 Faculdade Estácio de Sá de Campo Grande Intenção de Compra para o Dia das Crianças 2014 Rua Venâncio Borges do

Leia mais

O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014

O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014 O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014 Novembro 2014 1 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo dos Pequenos Negócios no Brasil, quanto à questão do seu

Leia mais

III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades

III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades III Painel Microempreendedorismo, população de baixa renda e inclusão financeira: caminhos e oportunidades Rodrigo Santos Nogueira Diretor Setorial de Responsabilidade Social e Sustentabilidade FEBRABAN

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

TÍTULO. Garantia Safra: um seguro para o Nordeste e para o Semiárido Brasileiro.

TÍTULO. Garantia Safra: um seguro para o Nordeste e para o Semiárido Brasileiro. TÍTULO Garantia Safra: um seguro para o Nordeste e para o Semiárido Brasileiro. Fundo Garantia Safra. Em 10 de abril de 2002 a Lei nº 10.420 instituiu o Fundo Garantia-Safra, e o benefício Garantia-Safra.

Leia mais

Caso APL Calçado de Nova Serrana, MG Carlos Tarrasón Cluster Consulting. 5 de dezembro de 2013 Brasília, DF

Caso APL Calçado de Nova Serrana, MG Carlos Tarrasón Cluster Consulting. 5 de dezembro de 2013 Brasília, DF Caso APL Calçado de Nova Serrana, MG Carlos Tarrasón Cluster Consulting 5 de dezembro de 2013 Brasília, DF Passo 1. Entendimento da realidade do APL em 2008 Concentração geográfica dos produtores Pitangui

Leia mais

Empreendedorismo como Ferramenta de Inclusão Produtiva: Uma Análise de Perfil do Empreendedor Individual Beneficiário do Programa Bolsa Família

Empreendedorismo como Ferramenta de Inclusão Produtiva: Uma Análise de Perfil do Empreendedor Individual Beneficiário do Programa Bolsa Família Empreendedorismo como Ferramenta de Inclusão Produtiva: Uma Análise de Perfil do Empreendedor Individual Beneficiário do Programa Bolsa Família Por Rafael de Farias Moreira 1 1. Introdução Criado em 2004

Leia mais

Resultados da atuação do Bradesco em APL s

Resultados da atuação do Bradesco em APL s Resultados da atuação do Bradesco em APL s Atuação do Bradesco em APL s Por Região NORDESTE 97 APL`S NORTE 48 APL`S CENTRO-OESTE 41 APL`S SUDESTE 102 APL`S SUL 40 APL`S Posição Setembro/2013 Atuação com

Leia mais

Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco

Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco O que é o NTCPE? O Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco/NTCPE é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos.

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015

Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Expectativas dos Pequenos Negócios para 2015 Relatório Final Brasília, Novembro/2014 Método Objetivo geral: Levantar as expectativas para 2015 dos pequenos negócios atendidos pelo SEBRAE Método: Pesquisa

Leia mais

Área Geográfica 8.514.876,599 km 2 56.439,838 Km 2 População (2007) 183.987.291 habitantes 3.641.395 habitantes Densidade demográfica

Área Geográfica 8.514.876,599 km 2 56.439,838 Km 2 População (2007) 183.987.291 habitantes 3.641.395 habitantes Densidade demográfica 1- DADOS GERAIS DO ESTADO DO ESTADO DA PARAÍBA Brasil Paraíba Área Geográfica 8.514.876,599 km 2 56.439,838 Km 2 População (2007) 183.987.291 habitantes 3.641.395 habitantes Densidade demográfica 21,61

Leia mais

Processo de Formalização em Pequenas Unidades de Produção: a Experiência Brasileira Recente

Processo de Formalização em Pequenas Unidades de Produção: a Experiência Brasileira Recente Formalização do Trabalho e dos Pequenos Empreendimentos no Brasil: Diagnóstico, Avanços e Propostas de Políticas Processo de Formalização em Pequenas Unidades de Produção: a Experiência Brasileira Recente

Leia mais

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Avanços e Pontos para Reflexão Renato da Fonseca Secretário-Executivo do Conselho da Micro e Pequena Empresa da Confederação Nacional da Indústria Pontos para reflexão Por que devemos criar um regime especial

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA PEQUENA EMPRESA TÊXTIL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA PEQUENA EMPRESA TÊXTIL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM UMA PEQUENA EMPRESA TÊXTIL Diego Luiz Carneiro de Souza Santos (UFPE) diegolcss@hotmail.com.br Vitor do Nascimento (UFPE) vitor_nas@hotmail.com Maria Emilia Patriota de Lucena

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Natal, 03 de Outubro de 2015 Área Básica de Atuação Missão Atuar na promoção do desenvolvimento regional sustentável como banco público competitivo e rentável.

Leia mais

MINIPLANO DE NEGÓCIOS Fonte: Sebrae

MINIPLANO DE NEGÓCIOS Fonte: Sebrae MINIPLANO DE NEGÓCIOS Fonte: Sebrae Data: Nome da Empresa: Nome dos Proprietário(s): Endereço: Telefone: Email: 1 Empreendimento Proposto 1.1 Objetivo do Empreendimento: A empresatem por objetivo principal

Leia mais

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples.

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Perfil Sócio-Demográfico da Regional Centro - Sul Prezado Associado, Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Além da concorrência assustadora que

Leia mais

INVESTIGAÇÃO SOBRE FATORES DETERMINANTES PARA A FALÊNCIA DE MICROEMPRESAS DE PEQUENAS CIDADES DA REGIÃO DE FRANCA

INVESTIGAÇÃO SOBRE FATORES DETERMINANTES PARA A FALÊNCIA DE MICROEMPRESAS DE PEQUENAS CIDADES DA REGIÃO DE FRANCA INVESTIGAÇÃO SOBRE FATORES DETERMINANTES PARA A FALÊNCIA DE MICROEMPRESAS DE PEQUENAS CIDADES DA REGIÃO DE FRANCA Jessica da Silva Marcola (Unifran) jessica_marcola@yahoo.com Vinicius Picanco Rodrigues

Leia mais

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5 PANORAMA DO SETOR Evolução do setor 2 Crescimento do setor x crescimento da economia 3 Comparativo de índices de preços 4 Comércio Exterior 5 Perfil Empresarial 8 Mercado Brasileiro 11 Canais de distribuição

Leia mais

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto

Os Objetivos Foram Definidos de Modo a Complementar os Estudos Necessários para Responder ao Problema de Pesquisa Proposto Gestão de Pequenas e Médias Empresas Brasileiras por Sistema de Consórcio Trabalho de Conclusão de Curso - TCC MBA Executivo Internacional - Turma 34 Fábio Mattos Fernando Alcântara Fernando Moulin Jorge

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

ANÁLISE DA GESTÃO DA QUALIDADE NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO APL DE CONFECÇÃO DO AGRESTE PERNAMBUCANO

ANÁLISE DA GESTÃO DA QUALIDADE NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO APL DE CONFECÇÃO DO AGRESTE PERNAMBUCANO ANÁLISE DA GESTÃO DA QUALIDADE NA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO APL DE CONFECÇÃO DO AGRESTE PERNAMBUCANO Bruna Vanessa de Souza (UFPE/CAA) bruna_souzacv@hotmail.com Lucio Camara

Leia mais

Brasília, agosto de 2012.

Brasília, agosto de 2012. Brasília, agosto de 2012. Contas de Governo Cap. 4 (Análise Setorial) Execução do gasto Orçamentário (OFSS + RPNP) Gasto tributário (renúncia de receita) Resultado da atuação governamental no exercício

Leia mais

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples.

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Perfil Sócio-Demográfico da Regional Venda Nova 1 Prezado Lojista, Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Além da concorrência assustadora que impõe

Leia mais

O PERFIL DE CONSUMO DA CLASSE C

O PERFIL DE CONSUMO DA CLASSE C O PERFIL DE CONSUMO DA CLASSE C Francisco Nunes Pessoa, Patrícia de Almeida Zacheo, Rodrigo Yoshio Tamae Programa de Pós-graduação em Administração e Marketing CPG/FAEG Garça/SP. E-Mail: fnpessoa@yahoo.com.br

Leia mais

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015

Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Pesquisa Hábitos de Consumo Dia dos Pais 2015 Agosto de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Índice o Objetivo, metodologia e amostra... 03 o Sumário... 04 o Perfil dos respondentes... 05 o Pretensão

Leia mais

EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012)

EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012) DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012) EMPRESÁRIOS DA INDÚSTRIA, CONSTRUÇÃO, COMÉRCIO E SERVIÇOS NO BRASIL (2002-2012) Março/2014 Estudos e Pesquisas 1 SEBRAE 2 Estudos e Pesquisas

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

Atuação do Banco do Nordeste

Atuação do Banco do Nordeste São Luis MA Novembro de 2012 Atuação do Banco do Nordeste O Banco do Nordeste tem como área básica de atuação os nove Estados da região Nordeste, o norte e os Vales do Mucuri e do Jequitinhonha do Estado

Leia mais

Oportunidades para o Jovem Administrador em Novos Negócios

Oportunidades para o Jovem Administrador em Novos Negócios Oportunidades para o Jovem Administrador em Novos Negócios As MPEs As micro e pequenas empresas contribuem de forma significativa para o desenvolvimento econômico de um País. No Brasil, elas representam

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / /

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / / FICHA DE CADASTRO EMPRETEC Município Data: / / Caro Empreendedor, Obrigado por seu interesse pelo Empretec, um dos principais programas de desenvolvimento de empreendedores no Brasil e no Mundo! As questões

Leia mais

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010 Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Sumário Introdução 3 Objetivos Estratégicos 4 Metodologia 5 Resultados Estratégicos 9 Resultados Reação

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

Título: A Construção das Trajetórias de Empreendedores Líderes em Áreas de Aglomeração Industrial. Autoria: Romilson Marques Cabral

Título: A Construção das Trajetórias de Empreendedores Líderes em Áreas de Aglomeração Industrial. Autoria: Romilson Marques Cabral Título: A Construção das Trajetórias de Empreendedores Líderes em Áreas de Aglomeração Industrial Autoria: Romilson Marques Cabral Resumo O artigo pretende analisar a formação das diferentes fases da trajetória

Leia mais

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE GEPETIS - Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade

Leia mais

PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS. Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac.

PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS. Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac. PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac. 1 APRESENTAÇÃO Com a aproximação do Dia dos Pais, a Fecomércio/Ac,

Leia mais

Publicação Semestral n o 4. Perfil e dinâmica dos pequenos negócios em territórios do Rio de Janeiro com UPP

Publicação Semestral n o 4. Perfil e dinâmica dos pequenos negócios em territórios do Rio de Janeiro com UPP Publicação Semestral n o 4 Perfil e dinâmica dos pequenos negócios em territórios do Rio de Janeiro com UPP ESTRUTURA Apresentação - Cézar Vasquez e Carla Teixeira Perfil e dinâmica dos empreendedores

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais