NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs"

Transcrição

1 NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs 3ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais (APLs) Mansueto Almeida -IPEA

2 1. Principais desafios Vários APLs estão localizados em cidades pequenas que têm infra-estrutura precária; Em muitos casos não existe uma rede de serviços moderna de apoio as atividades industriais; A baixa escolaridade dos trabalhadores é algo comum em vários dos APLs no Brasil; A informalidade de empresas e, principalmente, de trabalhadores ainda é elevada.

3 ..apesar dos problemas, o desenvolvimento dos APLs tem sido positivo: As atividades industriais em em APLs são, geralmente, intensivas em mão-de-obra empregam muitos trabalhadores; O desenvolvimento de atividades econômicas em cidades pequenas tem contribuído para o desenvolvimento local e para redução de pobreza; O desenvolvimento dos APLs no interior do Brasil ajuda a desconcentrar o crescimento econômico e a pressão por emprego e moradia nas grandes Metrópoles;

4 A difícil realidade das empresas nos APLs Às vezes, firmas pequenas em APLs não cumprem às leis ambientais, trabalhistas e tributárias por vários motivos: Firmas pequenas utilizam a tecnologia mais barata (mesmo que poluente) e não a mais eficiente; Pequenos empresários têm como foco o lucro no curtoprazo; Alguns empresários competem em preço e não em qualidade; Os empresários e trabalhadores não têm consciência dos efeitos negativos da poluição; O lucro das firmas nesses APLs pode ser resultado do não cumprimento da legislação ambiental, trabalhista, e tributária. Não têm apoio do governo local e estadual na provisão de bens públicos. Como modificar essa situação?

5 Informalidade é Equilibrio Estável -baixa oferta de bens públicos; -Empresas não cumprem a legislação tributária, trabalhista e ambiental -baixa oferta de bens públicos; -Empresas cumprem a legislação tributária, trabalhista e ambiental - Elevada oferta de bens públicos; -Empresas não cumprem a legislação tributária, trabalhista e ambiental - Elevada oferta de bens públicos; -Empresas cumprem a legislação tributária, trabalhista e ambiental

6 O desafio é passar dessa situação.

7 para esta, onde se estabelece o mínimo de segurança no ambiente de trabalho.

8 Municípios com crescimento do emprego industrial de pelo menos 500 postos de emprego formal ( )

9 Crescimento do emprego formal na industria tem ocorrido no interior

10 Como conciliar o crescimento econômico de MPEs com padrões ambientais e trabalhista? Quatro exemplos: Redução da poluição das lavanderias em Toritama (PE). Essa cidade tem o menor índice de pobreza (27,32%) dentre os municípios no Nordeste; Combate a pirataria e redução da informalidade em Jaraguá (GO); o percentual de pessoas com renda inferior a 0,5 sal. mínimo passou de 57,83% em 1990 para 30,68% em 2000; Crescimento do registro dos trabalhadores em Nova Serrana (MG). Esta cidade é á cidade com menos de 100 mil habitantes com a maior expansão do emprego formal no Brasil de 1995 a 2005.

11 Santo Antônio do Monte (MG): Essa cidade que era famosa por mortes de trabalhadores na produção de fogos de artifício hoje certifica a segurança dos fogos de artifício importados da China. O que todas essas cidades têm em comum? Em todas elas o crescimento e redução de pobreza decorreu do crescimento de MPEs no setor industrial APLs.

12 O que foi feito? Ipea Toritama: Min. Publico junto com a Agencia estadual do Meio Ambiente (CPRH) implementou uma política de controle da poluição ambiental nas lavanderias poluição em menos de 3 anos foi reduzida pela metade e todas as lavanderias se formalizaram. Jaraguá: calote de compradores de marcas piratas levou várias firmas à falência. Associação empresarial junto com o SEBRAE passou a promover uma feira de confecções local que estimulou algumas empresas a desenvolverem marcas própria e se formalizarem. Município hoje está entre os 30 com maior arrecadação própria entre os 230 municípios de Goiás.

13 Nova Serrana: Empresários tiveram apoio do SEBRAE para construir sede do sindicato e apoio do governo do estado para a aquisição de uma máquina da CAD/CAM. Sindicato ajudou empresas a cortarem custos e se formalizar. Santo Antônio do Monte: Fiscais do trabalho ajudaram empresários a melhorarem o processo de produção com o uso de produtos químicos mais seguros e as empresas implementaram as normas de saúde e segurança do trabalho. Hoje, um laboratório nesta cidade é que certifica todas as importações de fogos de artifício no Brasil no quesito segurança.

14 Como explicar o sucesso desses programas em cidades nas quais o governo foi tradicionalmente ausente? Clara ligação entre as exigências de se adequar à lei e retornos de curto-prazo; Desenvolvimento de ações simples e customizadas ao problema local; O papel fiscalizador e tutorial do governo (stick-andcarrot policies). Procurado em Toritama ajudou as empresas a conseguirem recursos públicos para se adequarem à legislação ambiental; Cooperação entre instituições públicas e associações de empresariais no desenho e implementação dos programas de fomento ao APL.

15 Cooperação institucional Em todos os casos que estudei onde podemos perceber uma avanço das empresas no cumprimento da legislação trabalhista e ambiental; esse avanço decorreu da atuação simultânea de agências de desenvolvimento com Min. Público e Fiscais do Trabalho; mesmo que às vezes de forma descoordenada; Essa adequação das MPEs à lei ocorre de maneira gradual: não vale a pena querer resolver todos os problemas do dia para noite; As MPEs precisam da ajuda do setor público para se adequar a lei e o custo dessas políticas são baratas. Em Jaraguá, por exemplo, o custo total da feira de confecções anual não passa de R$ por empresa. É importante que o SEBRAE, secretarias de industria e comércio, Bancos públicos, etc. estabeleçam benefícios maiores para empresas que queiram se formalizar: linhas especiais de crédito voltados para formalização; programas subsidiados para investimentos que reduzam a poluição, etc.

16 Agenda de Pesquisa do IPEA Ipea Vários pesquisadores colocam que a única forma de reduzir os custos de transação e aumentar o crescimento econômico é por meio de um conjunto de reformas: trabalhista, judiciário, previdência, etc.; No entanto, parte dos custos de transação na economia decorre também de normas informais e da maneira que as leis são aplicadas pelos agentes de enforcement: Min. Público, Fiscais do Trabalho, etc. street level regulators (SLRs) Queremos entender a partir de uma série de estudos de casos em municípios, de que forma o a lei trabalhista e ambiental pode ser aplicada de forma mais positiva, aumentando a competitividade das empresas ao inv;es de apenas trazer custos adicionais para os empresários.

17 Questões Básicas: 1) Por que em alguns casos os fiscais do trabalho, promotores dos Min. Publico estaduais, etc. conseguem aplicar a lei de forma conciliatória? Ipea 2) De que forma essas soluções locais são replicadas em outros casos? Qual o mecanismo institucional de aprendizagem dessas instituições? 3) Quais as circunstâncias facilitam a atuação conciliatória desses agentes na solução de conflitos locais?

18 Produtos Esperados: Ipea A DIUR e a DISET pretendem desenvolver estudos de desenvolvimento em APLs; Possível parceria com o BID e DFID para o estudo de novos casos de melhoria dos padrões ambientais e trabalhista em APLs; Tentar influenciar instituições públicas a incorporarem a questão trabalhista e ambiental nas politicas de promoção às MPEs em APLs; Novos estudos de casos e a publicação de um livro com descrevendo essas práticas sustentáveis de promoção de MPEs. Estudar casos de inovação popular inovação de produtos e processos voltados para baixa MPEs. O sistema de reciclagem de água em Toritama é um exemplo disto.

19 Escrevam para o IPEA Escrevam para o IPEA e nos ajude a identificar como os casos de conflitos nas áreas fiscal, ambiental e trabalhista estão sendo solucionados nos APLs. Vocês conhecem esses casos que vocês acham que devam ser divulgados? Obrigado, TEL: (61) e

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 007 /2014

RESOLUÇÃO N 007 /2014 RESOLUÇÃO N 007 /2014 SICME/MT - Aprovar o benefício fiscal para as empresas fornecedoras de máquinas, equipamentos e insumos às indústrias de confecções participantes dos APL(s) Arranjos Produtivos Locais

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de Tecnologia e Inovação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT de

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais

Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais Cooperação e Governança em Arranjos Produtivos Locais 1ª Conferência Brasileira sobre Arranjos Produtivos Locais Carlos Roberto Rocha Cavalcante Superintendente 2004 Histórico de Atuação do IEL 1969 -

Leia mais

Integração Produtiva MERCOSUL

Integração Produtiva MERCOSUL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria do Desenvolvimento da Produção Integração Produtiva MERCOSUL XLV Reunião Ordinária de Coordenadores Nacionais FCCR O tema Integração

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Tributação e Incentivos à Inovação

Tributação e Incentivos à Inovação VIII Seminário do Setor de Saúde - BRITCHAM Tributação e Incentivos à Inovação São Paulo/SP, 17 de junho de 2009 Inovação Tecnológica no Brasil 30% das empresas industriais realizam algum tipo de inovação

Leia mais

METALMECÂNICO DO ESPÍRITO SANTO. Francisco Ramaldes Gerente de Arranjos Produtivos

METALMECÂNICO DO ESPÍRITO SANTO. Francisco Ramaldes Gerente de Arranjos Produtivos METALMECÂNICO DO ESPÍRITO SANTO Francisco Ramaldes Gerente de Arranjos Produtivos 1 CAPACIDADE DE PRODUÇÃO MENSAL ATIVIDADES INDICADORES GRANDE VITÓRIA REGIÃO NORTE REGIÃO SUL TOTAL Empresas Nº 47 31 46

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

Secretária de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal

Secretária de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal Secretária de Desenvolvimento Econômico do Distrito Federal Subsecretaria de Pequenas Empresas A Subsecretaria é uma unidade orgânica subordinada ao Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico e

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

PROGRAMA DE PRODUÇÃO E DIFUSÃO DE INOVAÇÕES PARA A COMPETITIVIDADE DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS (APL) DO ESTADO DE PERNAMBUCO (PROAPL).

PROGRAMA DE PRODUÇÃO E DIFUSÃO DE INOVAÇÕES PARA A COMPETITIVIDADE DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS (APL) DO ESTADO DE PERNAMBUCO (PROAPL). 1 BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL PROGRAMA DE PRODUÇÃO E DIFUSÃO DE INOVAÇÕES PARA A COMPETITIVIDADE DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS (APL) DO ESTADO DE PERNAMBUCO (PROAPL).

Leia mais

Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas

Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Minas Gerais Prof. Antônio Otávio Fernandes Universidade Federal de Minas Gerais FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013

Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Novos Prefeitos e Prefeitas 2013 Curso de Prefeitos Eleitos 2013 a 2016 ARDOCE Missão Ser um banco competitivo e rentável, promover o desenvolvimento sustentável do Brasil e cumprir sua função pública

Leia mais

Ruas asfaltadas Rede de iluminação Atender a demanda de água bruta no DISM

Ruas asfaltadas Rede de iluminação Atender a demanda de água bruta no DISM Coordenador: Visão: Que a indústria de Santa seja reconhecida pela utilização de processos ambientalmente sustentáveis e alcance 1,5% de participação no VAB Industrial do Estado Objetivo 1. Universalizar

Leia mais

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO

PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO PROGRAMA CATARINENSE DE INOVAÇÃO O Governo do Estado de Santa Catarina apresenta o Programa Catarinense de Inovação (PCI). O PCI promoverá ações que permitam ao Estado

Leia mais

Programa Regionalização

Programa Regionalização Programa Regionalização Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Setembro/2010 Gestor: Henrique Villa da Costa Ferreira Secretário de Políticas de Desenvolvimento

Leia mais

Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil. MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009

Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil. MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009 Possíveis impactos do REACH nas micro e pequenas empresas do Brasil MDIC/SECEX Brasília, DF - 7 de abril de 2009 Possíveis Impactos nas MPE: Redução de vendas Redução de mercados Férias coletivas Perda

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA Participantes: Dr. Roberto Simões, presidente do CDN (Conselho Deliberativo Nacional) e Dr. Carlos Alberto dos Santos, Diretor Técnico do Sebrae Nacional. Objetivo:

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública

Sistema produtivo e inovativo de software e serviços de TI brasileiro: Dinâmica competitiva e Política pública Conferência Internacional LALICS 2013 Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentável 11 e 12 de Novembro, 2013 - Rio de Janeiro, Brasil Sistema produtivo

Leia mais

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Projeto de Apoio a Inserção Internacional de MPE s Brasileiras Calçadistas do APL de São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Identificar OBJETIVOS DA AÇÃO e solucionar gargalos na gestão das empresas, principalmente

Leia mais

Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins

Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins O CTCCA - Centro Tecnológico do Couro, Calçados e Afins é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, localizada na cidade de Novo Hamburgo/RS, que

Leia mais

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal

Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Audiência Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) Senado Federal Brasília 22 de março o de 2009 Inovação Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Chile Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios A Lei nº 20.416 estabelece regras especiais para as Empresas de Menor Tamanho (EMT).

Leia mais

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13 A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas 15 ago 13 Associação Iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou jurídicas com objetivos comuns, visando superar

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN O que é o GVN Parceiro: O GVN Parceiro é uma modalidade de parceria de negócios criada pelo Grupo Vila Nova para ampliar sua capilaridade de oferta e garantir que

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2 Training of Trainers Program on Effective Intellectual Property Asset Management by Small and Medium Sized Enterprises (SMEs) in Portuguese-Speaking African Countries (PALOP) Lisboa, Portugal 11 de abril

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás Dezembro 2013 Tópicos Cenário P&G Rede de Núcleos de P&G - CNI e Federações Desenvolvimento de APLs

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores

A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores A agenda de inovação das micro e pequenas empresas e o desenvolvimento da cadeia de fornecedores Reunião da Mobilização Empresarial pela Inovação São Paulo 05.11.2010 Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015

Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Ciclo de Debates ABRALATAS 2015 Viabilidade da Tributação Verde Lucilene Prado Existe no sistema jurídico brasileiro fundamentos para uma tributação que induza a comportamentos e atividades empresariais

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015

CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015 PROGRAMA DE COMPETITIVIDADE DAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS DO ENCADEAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSTRUINDO RIO SUSTENTÁVEL 2012/2015 Desempenho recente da Construção Civil De

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO. Brasília março 2011

DO DESENVOLVIMENTO. Brasília março 2011 OS PEQUENOS NEGÓCIOS NANA LIDERANÇA OS PEQUENOS NEGÓCIOS LIDERANÇA DO DESENVOLVIMENTO DO DESENVOLVIMENTO Brasília março 2011 Servi«o Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas Miss o Institucional

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Participação do do Banco nos nos Arranjos Produtivos Locais APL s

Participação do do Banco nos nos Arranjos Produtivos Locais APL s Bradesco Participação do do Banco nos nos Arranjos Produtivos Locais APL s Missão Ampliar a concessão de crédito e assistência financeira; Disponibilizar Produtos e Serviços Financeiros adequados; Facilitar

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1)

SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1) SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 Página 1 de 13 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTOS

Leia mais

ENCONTRO DE FOMENTO EMPRESARIAL - ENFOMEM REALIZAÇÃO: APOIO:

ENCONTRO DE FOMENTO EMPRESARIAL - ENFOMEM REALIZAÇÃO: APOIO: ENCONTRO DE FOMENTO EMPRESARIAL - ENFOMEM REALIZAÇÃO: APOIO: OBJETIVO Geral: O Encontro de Fomento Empresarial tem por objetivo informar os empresários e os novos empreendedores por meio dos agentes de

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL MARCOS ARAÚJO Presidente do SINDSIME ÍNDICE 1 3 5 7 9 INTRODUÇÃO LEI 2 VANTAGENS COMO ME ESCREVO OBTENÇÃO DE ALVARÁ 4 OBTENÇÃO DE ALVARÁ DOCUMENTAÇÃO FISCAL 6 AMBULANTES

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. *

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * Lúcio Alcântara ** Senhores Contadores, É com muita honra que em nome do hospitaleiro povo cearense participo

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

Projeto Prominp IND P&G 75 Propostas de Política para Mobilização e Desenvolvimento de APLs para o Setor de Petróleo, Gás E Naval

Projeto Prominp IND P&G 75 Propostas de Política para Mobilização e Desenvolvimento de APLs para o Setor de Petróleo, Gás E Naval WORKSHOP INICIAL Plano de Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais para o Setor de Petróleo, Gás e Naval Projeto Prominp IND P&G 75 Propostas de Política para Mobilização e Desenvolvimento de APLs

Leia mais

Ações Estruturantes da SECTI

Ações Estruturantes da SECTI Ações Estruturantes da SECTI Rede de Apoio aos APLs: Resultado da parceria entre Governo, Empresas e Universidades visando promover uma maior articulação entre os diversos atores que realizam ações em

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia

GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia GOVERNANÇA METROPOLITANA NO BRASIL: Subsídios para a Construção de uma Agenda e uma Estratégia Dr. Josef Leitmann 12 de junho de 2015 Qual a Importância da Questão Metropolitana e dos Aspectos de Governança

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais Lei nº 2677 BENEDITO PEREIRA DOS SANTOS, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada em 1972. Desvinculado da administração pública

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 Quem disse que nada é impossível? Tem gente que faz isso todos os dias!. Alfred E. Newman O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos / / Fique ligado Notícias / Especiais Promenino Fundação Telefônica 10/12/2012 Os desafios da fiscalização do trabalho infantil Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas

Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Sustentabilidade nas Micro e Pequenas Empresas Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo. Otimizar o uso dos recursos naturais

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Índice 1. O Sistema Tributário Brasileiro...3 1.1. Breve histórico do sistema tributário brasileiro... 3 1.1.1. A reforma dos

Leia mais

Incentivos fiscais para a manutenção. da competitividade das indústrias mineiras

Incentivos fiscais para a manutenção. da competitividade das indústrias mineiras Incentivos fiscais para a manutenção da competitividade das indústrias mineiras Histórico do APL Eletroeletrônico de Santa Rita do Sapucaí A pequena cidade de Santa Rita do Sapucaí, no sul de Minas Gerais,

Leia mais

Departamento de Competitividade e Tecnologia

Departamento de Competitividade e Tecnologia Custos Econômicos e Sociais da Guerra Fiscal do ICMS na Importação DECOMTEC/FIESP Se não bastassem os efeitos da guerra cambial, dos elevados juros e da elevada carga, a indústria nacional enfrenta agora

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS Eunápolis, Julho/2013 1. CONTEXTUALIZAÇÃO Eunápolis possui a terceira maior população do Extremo Sul da Bahia estimada em 102 mil habitantes, sendo

Leia mais

INT VIDEO INSTITUCIONAL

INT VIDEO INSTITUCIONAL INT VIDEO INSTITUCIONAL Carlos Alberto Teixeira 16 de Fevereiro de 2011 Investimentos e Incentivos Fiscais - Projetos de Inovação em Ciência e Tecnologia Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

Leia mais

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica

Núcleo de Capital Inovador. Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Núcleo de Capital Inovador Estratégia de Inovação e Difusão Tecnológica Anápolis cenário atual Segunda maior cidade do estado, com mais de 335 mil habitantes; 4,7 bilhões de reais de produto interno bruto,

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais