O DESENVOLVIMENTO DO EMPREENDEDORISMO ECONÔMICO EM PRESIDENTE PRUDENTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O DESENVOLVIMENTO DO EMPREENDEDORISMO ECONÔMICO EM PRESIDENTE PRUDENTE"

Transcrição

1 O DESENVOLVIMENTO DO EMPREENDEDORISMO ECONÔMICO EM PRESIDENTE PRUDENTE Rafael Rocha SILVA Thais Pires MARCELINO Fernanda Kesrouani LEMOS RESUMO: Este artigo tem como objetivo analisar o desenvolvimento do empreendedorismo na região de Presidente Prudente, avaliando o crescimento de novos negócios. Este artigo pretende investigar as características gerais dos empreendimentos na região. A metodologia para a realização deste estudo foi baseada no levantamento de dados documentais, bibliográficos e entrevista com empreendedores. O artigo tratará de uma discussão sobre o empreendedorismo em Presidente Prudente, a sua concepção nos principais setores em que se desenvolve e suas características. Os principais conceitos envolvidos neste artigo são a definição de empreendedorismo, características setoriais e prerrogativas de caracterização destas empresas na região. Palavras-chave: Empreendedorismo. Presidente Prudente. Novos negócios. Principais setores. Características. 1 INTRODUÇÃO Este artigo tem o objetivo de estudar o desenvolvimento do empreendedorismo econômico em empresas da cidade de Presidente Prudente, analisando a concepção nos principais setores em que se desenvolve e suas características. Segundo Dornelas (2005, p.39) Constitui uma atividade empreendedora o envolvimento de pessoas e processos que, em conjunto, levam a transformação de ideias em oportunidades e a perfeita implementação destas oportunidades leva a criação de negócios de sucesso.

2 A metodologia para a realização deste estudo foi o levantamento de dados documentais e bibliográficos sobre a cidade de Presidente Prudente e sua economia. Este artigo está organizado nas seguintes seções: a primeira introdutória com uma explicação do trabalho, a segunda apresenta revisões bibliográficas sobre as características das empresas e do empreendedorismo em Presidente Prudente. 2 Empreendedorismo O conceito de empreendedorismo é bastante abrangente quanto as suas definições, podendo variar de acordo com o ponto de vista de cada autor. Segundo Gartner 1990 (apud Julien p.14), a definição de empreendedorismo significaria comportamento que leva à criação de uma nova empresa. Já segundo Cole 1942 (apud Julien p.14), a definição de empreendedorismo significaria como uma atividade que permite criar, manter e fazer crescer uma empresa lucrativa. Cada autor tem uma maneira de definir o assunto ao seu próprio modo, entretanto no geral empreendedorismo se definiria como observar uma boa oportunidade no mercado e acreditar e investir progresso dela. Nos dias atuais o empreendedorismo vem sendo o responsável por grandes mudanças na economia do país, trazendo inovação, foco, criatividade e qualidade ao mercado. Através de novos negócios e tecnologia o mercado se torna cada vez mais competitivo, não permitindo que produtos se tornem obsoleto ou tecnologias ultrapassadas. Portanto podemos afirmar que o empreendedorismo tem forte ligação com a inovação do mercado e o desenvolvimento atual da economia. 2.1 Empreendedorismo em Presidente Prudente A cidade de Presidente Prudente é a capital do oeste paulista do estado de São Paulo, sendo o centro comercial de várias pequenas cidades e distritos de sua região. Possui uma taxa de crescimento baixa. Entre os anos 2000 e

3 2005, a taxa média de crescimento do polo foi de apenas 1,1%. Presidente Prudente cresce a uma taxa um pouco superior á verificada para o polo como um todo. (1,3%). Segundo (IBGE 2010), Presidente Prudente, maior cidade da região, surge na 139ª posição no Estado, com uma taxa de empreendedorismo de 22,57%. Levando-se em consideração apenas os municípios da região, algumas cidades estão à frente de Presidente Prudente, são elas: Caiuá e Mirante do Paranapanema (25,66%), Dracena (24,33%), Ribeirão dos Índios (24,07%) e Rancharia (23,57%). Para a compreensão do desenvolvimento econômico de Presidente Prudente, deve-se levar em consideração a base da pesquisa feita pelo IBGE e pelo Ministério do trabalho. Os mesmo diferem claramente em alguns pontos importantes, como a distribuição dos trabalhadores em seus setores, e o segmento específico onde existe maior concentração desses trabalhadores e empreendedores, mostrados no gráfico abaixo: Figura 1

4 Observando-se agora o nível de formalização no mercado de trabalho e setores de atividade, nota-se a intensidade que o empreendedorismo tem na caracterização, no crescimento e na expansão da cidade e dos empregos gerados. 2.2 O desenvolvimento Econômico Segundo o Censo (IBGE 1990), Presidente Prudente em 1991 tinha por volta de mil habitantes, já no último censo (IBGE 2010) a cidade tinha mil habitantes, obtendo um aumento de mil habitantes em 20 anos aproximadamente. Já o PIB atual da cidade tem no setor de serviços o seu maior valor de R$ , seguido pelo setor da indústria com o valor de R$ e o setor agropecuário com R$ A receita orçamentária de Presidente Prudente atinge o valor de R$ e as despesas o valor de R$ Em geral o setor econômico da cidade de Presidente Prudente é bem abrangente, possibilitando várias opções de investimentos, em diversos setores para atuação de uma nova empresa, mas a cidade de Presidente Prudente não possui grandes empresas de renome. Tendo nos setores comercial, industrial e agropecuário seus pontos mais fortes, e mais uma grande quantidade de pequenos empreendedores e suas pequenas empresas, que formam o motor da economia local. 2.3 Crescimento de Novos Negócios Segundo levantamento do SEBRAE, o Brasil nas últimas décadas vem apresentando um número cada vez maior de empreendimentos formais e recémadquiridos. O que chama a atenção nesse fato, é que desses novos empreendimentos 99% são empreendedores individuais de micro e pequenas empresas. E a cidade de Presidente Prudente, segue o mesmo patrão do Brasil, tendo um comercio muito forte, com várias pequenas e micro empresas, e seus empreendedores individuais.

5 As tabelas abaixo mostram alguns dados sobre o cadastramento de novas empresas na cidade de Presidente Prudente, entre os anos de 2006 e 2010: Cadastramento de empresas em Presidente Prudente 2006 Número de unidades locais Unidades Pessoal ocupado total Pessoas Pessoal ocupado assalariado Pessoas e outras remunerações Mil Reais Salário médio mensal 3,0 Fonte: IBGE, Cadastro centro de Empresas 2006 Cadastramento de empresas em Presidente Prudente 2007 Número de unidades locais Unidades Pessoal ocupado total Pessoas Pessoal ocupado assalariado Pessoas e outras remunerações Mil Reais Salário médio mensal 2,8 Fonte: IBGE, Cadastro centro de Empresas 2007 Cadastramento de empresas em Presidente Prudente 2008 Número de unidades locais Unidades Pessoal ocupado total Pessoas Pessoal ocupado assalariado Pessoas e outras remunerações Mil Reais Salário médio mensal 2,7 Número de Empresas Atuantes Unidades Fonte: IBGE, Cadastro centro de Empresas 2008

6 Cadastramento de empresas em Presidente Prudente 2009 Número de unidades locais Unidades Pessoal ocupado total Pessoas Pessoal ocupado assalariado Pessoas e outras remunerações Mil Reais Salário médio mensal 2,7 Número de Empresas Atuantes Unidades Fonte: IBGE, Cadastro centro de Empresas 2009 Cadastramento de empresas em Presidente Prudente 2010 Número de unidades locais Unidades Pessoal ocupado total Pessoas Pessoal ocupado assalariado Pessoas e outras remunerações Mil Reais Salário médio mensal 2,6 Número de Empresas Atuantes Unidades Fonte: IBGE, Cadastro centro de Empresas 2010 Analisando todas as tabelas, notamos que durante os 5 anos entre 2006 e 2010, o número de unidades locais, pessoal ocupado total, pessoal ocupado assalariado e salários e outras remunerações sofrerão alguns aumentos com o passar dos anos, mas em contra partida o salário médio mensal foi decaindo neste mesmo período de tempo.

7 3 CONCLUSÃO Portanto, podemos concluir que nós últimos anos Presidente Prudente vêm se tornando uma cidade em total desenvolvimento econômico em seus mais variados setores. Mas continua sendo uma cidade com muito a evoluir, pois ainda obtêm uma taxa de empreendedorismo um pouco abaixo se comparado a de alguns municípios vizinhos. No entanto, seu índice de novas empresas atuantes, vem se mostrando com um bom crescimento no decorrer dos anos. A sua população que também vem crescendo neste período, pode possibilitar o aumento de mais atividades empreendedoras na cidade, reestruturando todo o cenário socioeconômico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. RAIS e CAGED. Disponível em: <http://.www.mte.gov.br>. Acesso em: 15 Maio DORNELAS, Jose Carlos Assis. Empreendedorismo: Transformando Idéias em Negócios. Campus, IBGE. IBGE CIDADES: IBGE SP. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br>. Acesso em: 25 maio JULIEN, Pierre-André. Empreendedorismo Regional e economia do conhecimento. Ed. Saraiva, SEBRAE. SEBRAE NAS CIDADES. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br>. Acesso em: 25 maio 2013.

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins.

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. Maria das Graças Bastos de Sousa 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2013: análise dos principais resultados de Goiás A 6ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio da parceria

Leia mais

PROGRAMA. A disciplina tópicos em tecnologias de gestão, terá como pano de fundo a formação empreendedora, com direcionamento à gestão de negócios.

PROGRAMA. A disciplina tópicos em tecnologias de gestão, terá como pano de fundo a formação empreendedora, com direcionamento à gestão de negócios. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP. 29075.910 -ES Brasil- Tel.

Leia mais

Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março

Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março Taxa de desemprego sobe para 5,7% em março A taxa de desemprego registrou elevação para 5,7% em março ante 5, observado em fevereiro nas seis regiões metropolitanas pesquisadas na apuração da Pesquisa

Leia mais

Las PYMES y los pequeños y medianos despachos profesionales como motor de crecimiento en Latinoamérica

Las PYMES y los pequeños y medianos despachos profesionales como motor de crecimiento en Latinoamérica Las PYMES y los pequeños y medianos despachos profesionales como motor de crecimiento en Latinoamérica O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual

Leia mais

Modalidade de trabalho: Presentación de experiencias profesionales y metodologías de intervención.

Modalidade de trabalho: Presentación de experiencias profesionales y metodologías de intervención. A incubadora de empresas como experiência de empreendedorismo social no Brasil Cirlene Aparecida Hilário da Silva Oliveira cirleneoliveira@terra.com.br Rodrigo Matos do Carmo rodrigoc@sebraesp.com.br Modalidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA Brasília, setembro de 2014

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA Brasília, setembro de 2014 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA Brasília, setembro de 2014 Eixos de atuação Mapa da Pobreza Aumento das capacidades e oportunidades Garantia de Renda Inclusão

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS

PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS Elvis Fabio Roman (Bolsista programa universidade sem fronteiras/projeto associativismo apícola no município de Prudentópolis), e-mail:

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Thaisa Rodrigues Marcondes 1, Maria Auxiliadora Antunes 2 ¹ Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

Perfil das mulheres empreendedoras

Perfil das mulheres empreendedoras Perfil das mulheres empreendedoras Estado de São Paulo Março/ 2013 Objetivos Conhecer quantas são as mulheres empreendedoras no estado de São Paulo; Conhecer o perfil das mulheres empreendedoras quanto

Leia mais

A experiência do SEBRAE no estímulo aos territórios de alta intensidade cultural

A experiência do SEBRAE no estímulo aos territórios de alta intensidade cultural A experiência do SEBRAE no estímulo aos territórios de alta intensidade cultural 4ª. Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais Brasília 27 à 29 de outubro de 2009 Nossa Missão Apoiar o desenvolvimento

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro)

INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS. Outubro/2012 (dados até setembro) INDICE DE CONFIANÇA DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (ICMPE) NO BRASIL Outubro/2012 (dados até setembro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nas MPE brasileiras

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2014

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2014 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2014 Maio/2014 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação registrou queda de 0,6% em Março de 2014,

Leia mais

4 Contextualização da pesquisa

4 Contextualização da pesquisa 4 Contextualização da pesquisa 4.1. Cenário de pequenas empresas e medias empresas no Brasil A abreviação para pequena e média empresa PME (em inglês SME) tornou-se um padrão internacional quando se refere

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA EM INOVAÇÃO NA DIMENSÃO PROCESSOS NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE (EPP) NO RAMO DE CONFECÇÃO

SITUAÇÃO ENCONTRADA EM INOVAÇÃO NA DIMENSÃO PROCESSOS NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE (EPP) NO RAMO DE CONFECÇÃO SITUAÇÃO ENCONTRADA EM INOVAÇÃO NA DIMENSÃO PROCESSOS NAS EMPRESAS DE PEQUENO PORTE (EPP) NO RAMO DE CONFECÇÃO Desirée Peñalba Machado Agente Local de Inovação atuante na região metropolitana de Goiânia

Leia mais

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas Relatório final Realização: Dezembro - 1999 Estudo da Mortalidade

Leia mais

O Empreendedor Fabiano Marques

O Empreendedor Fabiano Marques O Empreendedor Fabiano Marques O interesse pelo empreendedorismo no mundo é algo recente. Neste sentido, podese dizer que houve um crescimento acentuado da atividade empreendedora a partir de 1990. Com

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (FURB) fernandes.francisco@uol.com.br

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO

DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil RESUMO 1 DISCUSSÕES SOBRE JOVENS EMPREENDEDORES: um panorama teórico da situação atual no Brasil Willian Dela Rosa Canha FAFIJAN Jaiane Aparecida Pereira FAFIJAN/UEM RESUMO O presente estudo tem por objetivo

Leia mais

ATIVIDADE EMPREENDEDORA

ATIVIDADE EMPREENDEDORA ATIVIDADE EMPREENDEDORA Francisco Carlos Petrachi Gera Fransérgio Martins Lucas Menegheti Contini Orientadora: Profª. Ms. Silvia Alonso Y Alonso Bittar Cunha Resumo Embora o empreendedorismo seja um tema

Leia mais

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro

O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro O PAPEL DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NO DESENVOLVIMENTO REGIONAL: um estudo de caso sobre o curso técnico em administração de cruzeiro Geraldo José Lombardi de Souza, Paulo César Ribeiro Quintairos, Jorge

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás

TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás TEMA: A importância da Micro e Pequena Empresa para Goiás O presente informe técnico tem o objetivo de mostrar a importância da micro e pequena empresa para o Estado de Goiás, em termos de geração de emprego

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec CENTRO PAULA SOUZA Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócio Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA AULA 1 O PLANO DE NEGÓCIOS (PN) E SEUS ASPECTOS GERAIS; AULA 2- ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PN; AULA 3 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE UM PN APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA AULA 4 PLANO

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

A INOVAÇÃO NAS OFERTAS DE SERVIÇO EM ACADEMIAS DE GINASTICA DE ANÁPOLIS - GO

A INOVAÇÃO NAS OFERTAS DE SERVIÇO EM ACADEMIAS DE GINASTICA DE ANÁPOLIS - GO A INOVAÇÃO NAS OFERTAS DE SERVIÇO EM ACADEMIAS DE GINASTICA DE ANÁPOLIS - GO Patrícia Guimarães Mota Agente Local de Inovação atuante na região centro do Programa ALI (2013-2015), graduada em Administração

Leia mais

Walter Dallari Out 2006

Walter Dallari Out 2006 Walter Dallari Out 2006 ETAPAS DO EMPREENDEDOR 1. Despertar da motivação para criação do próprio negócio; 2. Desenvolvimento da idéia ou processo visionário; 3. Validação da idéia; 4. Definição da escala

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Julho de 00 N o 9 Parceria Seade-Agemcamp para gerenciamento dos portais na Internet Portais web para divulgação institucional, atração de investimentos e promoção da cultura e do turismo de negócios na

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO UMA DISCUSSÃO SOBRE EMPREENDEDORISMO. Palavras-chave: empreendedorismo; desenvolvimento sustentável; brasil.

REVISTA CONTEÚDO UMA DISCUSSÃO SOBRE EMPREENDEDORISMO. Palavras-chave: empreendedorismo; desenvolvimento sustentável; brasil. UMA DISCUSSÃO SOBRE EMPREENDEDORISMO Clever Eduardo Zuin Lobo 1 RESUMO Este artigo faz uma discussão sobre a importância do empreendedorismo, bem como de assuntos estreitamente relacionados com este tema,

Leia mais

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Marta Paiz 1 Márcia Bonifácio Stooc 2 Adriana Picagevicz Mellk 3 Jaime Antonio Stoffel 4 Nelson Alpini

Leia mais

Planejamento Estratégico da Rede QPC

Planejamento Estratégico da Rede QPC Planejamento Estratégico da Rede QPC Projeto GERA AÇÃO FÓRUM QPC Vitória, 24 de outubro de 2006 O caminho... 1 o o ENCONTRO 24/nov/04 24/nov/04 Desafios e Oportunidades PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO LEVANTAMENTO

Leia mais

Participação de mulheres no mercado formal de trabalho em Diadema cresce, mas homens ainda são maioria.

Participação de mulheres no mercado formal de trabalho em Diadema cresce, mas homens ainda são maioria. BOLETIM DO OBSERVATÓRIO ECONÔMICO Agosto 2013 Nº1 População Economicamente Ativa representa 52,9% da população total em Diadema. A população de Diadema, conforme o Censo IBGE 2010, era de 386.089 habitantes.

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE Brasília, 18 de maio de 2010. MPE? Conceituação Brasil REPRESENTATIVIDADE

Leia mais

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS

Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Proposta para SEBRAE/RJ Observatório de micro e pequenos empreendimentos no Rio de Janeiro IETS Maio de 2011 Introdução As boas perspectivas de desenvolvimento para o Estado do Rio de Janeiro, com grandes

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

Sobrevivência e Mortalidade das Empresas Paulistas de 1 a 5 anos. Outubro de 2005

Sobrevivência e Mortalidade das Empresas Paulistas de 1 a 5 anos. Outubro de 2005 Sobrevivência e Mortalidade das Empresas Paulistas de 1 a 5 anos Outubro de 2005 1 Objetivos: Características da pesquisa Identificar (atualizar) a taxa de mortalidade das empresas de 1 a 5 anos. Identificar

Leia mais

TÍTULO: O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E AS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA CONSTITUIÇÃO E CONDUÇÃO DE SEUS NEGÓCIOS. UM ESTUDO NA CIDADE DE JALES-SP

TÍTULO: O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E AS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA CONSTITUIÇÃO E CONDUÇÃO DE SEUS NEGÓCIOS. UM ESTUDO NA CIDADE DE JALES-SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E AS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA CONSTITUIÇÃO E CONDUÇÃO DE SEUS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS MICROFINANÇAS PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DAS MICROFINANÇAS PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DAS MICROFINANÇAS PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS V Seminário Banco Central sobre Microfinanças 8 e 9 de junho de 2006 Recife PE Carlos Alberto dos Santos A IMPORTÂNCIA DAS MICROFINANÇAS

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Empreendedorismo Administração A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de etapas,

Leia mais

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009

O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil. Julho de 2009 O Financiamento das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Brasil Julho de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras quanto

Leia mais

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.

Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com. Potencial Econômico dos Clientes dos Corretores de Seguros Independentes do Estado de São Paulo Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Julho/2005 1) Introdução O objetivo deste estudo foi avaliar

Leia mais

PRODUTIVIDADE E A PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS NA HOTELARIA E GASTRONOMIA BRASILEIRA

PRODUTIVIDADE E A PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS NA HOTELARIA E GASTRONOMIA BRASILEIRA PRODUTIVIDADE E A PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS NA HOTELARIA E GASTRONOMIA BRASILEIRA SUBSÍDIOS ESPECIAIS PARA FERTHORESP / FERTHOTEL FEVEREIRO 2012 - ALOISIO LEÃO DA COSTA...o IBGE realiza anualmente a Pesquisa

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS Gustavo Andreiev Nunes Serra 1, Adriane Aparecida Moreira de Souza 2 Universidade

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO. Prof. Líslei Rosa de Freitas

PESQUISA DE MERCADO. Prof. Líslei Rosa de Freitas PESQUISA DE MERCADO Prof. Líslei Rosa de Freitas Pontos importantes Todas as decisões sobre novos empreendimentos contêm um certo grau de incerteza, tanto em relação à informação nas quais estão baseadas,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ - CAMPUS FOZ DO IGUAÇU CURSO: LICENCITURA EM FÍSICA PRÉ - PROJETO ERICA F. GONÇALVES

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ - CAMPUS FOZ DO IGUAÇU CURSO: LICENCITURA EM FÍSICA PRÉ - PROJETO ERICA F. GONÇALVES INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ - CAMPUS FOZ DO IGUAÇU CURSO: LICENCITURA EM FÍSICA PRÉ - PROJETO ERICA F. GONÇALVES FOZ DO IGUAÇU PR 1 Sumário EVASÃO DOS ALUNOS DO PRIMEIRO ANO DO CURSO DE LICENCIATURA EM

Leia mais

Empreenda (Quase) Sem Dinheiro

Empreenda (Quase) Sem Dinheiro Empreenda (Quase) Sem Dinheiro Prof. Dr. José Dornelas www.planodenegocios.com.br Bem-vindoà versão de demonstração do curso Empreenda (Quase) Sem Dinheiro! Vocêpoderá conferir alguns vídeos do curso antes

Leia mais

Empreendedorismo e crescimento econômico

Empreendedorismo e crescimento econômico Empreendedorismo e crescimento econômico Márcio Augusto Scherma 1 O Global Entrepreneurship Monitor (GEM) é responsável por uma pesquisa mundialmente famosa por mensurar o nível de atividade empreendedora

Leia mais

SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO NO BRASIL: REALIDADE E PERPECTIVAS

SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO NO BRASIL: REALIDADE E PERPECTIVAS SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO NO BRASIL: REALIDADE E PERPECTIVAS ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL SEGUNDO DADOS DA RAIS 2011 ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL SEGUNDO DADOS DA RAIS 2011 Em

Leia mais

Universidade de Cruz Alta UNICRUZ Centro de Ciências Agrárias, Exatas e da Terra Curso de Ciência da Computação PLANO DE ENSINO

Universidade de Cruz Alta UNICRUZ Centro de Ciências Agrárias, Exatas e da Terra Curso de Ciência da Computação PLANO DE ENSINO Universidade de Cruz Alta UNICRUZ Centro de Ciências Agrárias, Exatas e da Terra Curso de Ciência da Computação PLANO DE ENSINO Curso/Habilitação: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Disciplina: Empreendimentos em Informática

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO EM BRANCO Caro empreendedor, para que você possa elaborar com facilidade seu plano de negócio, utilize o manual da Etapa 2 seguindo as orientações passo a passo que estão contidas

Leia mais

FÁBRICA DE CALÇADOS E IMPLICAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA CIDADE DE SANTO ESTEVÃO - BAHIA

FÁBRICA DE CALÇADOS E IMPLICAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA CIDADE DE SANTO ESTEVÃO - BAHIA FÁBRICA DE CALÇADOS E IMPLICAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA CIDADE DE SANTO ESTEVÃO - BAHIA 1 Ildo Rodrigues Oliveira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia. Ildo_rdliveira@hotmail.com 1.

Leia mais

BOLETIM MENSAL Julho/2011

BOLETIM MENSAL Julho/2011 Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho BOLETIM MENSAL Julho/2011 DADOS: CAGED (MTE) Mês/Ano RAIS (MTE) 2010 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS Julho de 2015 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

MENSAGEM DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DA BAHIA

MENSAGEM DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DA BAHIA enário econômico brasileiro vem sendo cada vez mais reconhecida e destacada. Além de gerador do maior número de empregos formais no país, o setor exibe, especialmente nos últimos anos, números Boletim

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir,

EMPREENDEDORISMO. RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir, EMPREENDEDORISMO WESCLEY RANGEL ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO: O presente artigo vem por meio de referenciais teóricos definir, caracterizar e por meio de citações

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 1.716, DE 2005 (Do Senado Federal)

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 1.716, DE 2005 (Do Senado Federal) COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 1.716, DE 2005 (Do Senado Federal) Aprova a Programação Monetária para o segundo trimestre de 2005. Autor: Senado Federal Relator: Deputado

Leia mais

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS

PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS PESQUISA DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM BELO HORIZONTE: ALUGUÉIS Agosto de 2014 APRESENTAÇÃO DA PESQUISA Esta pesquisa é realizada pela Fundação IPEAD/UFMG com o apoio da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada, sem fins lucrativos, criada em 1972. Desvinculado da administração pública

Leia mais

Políticas de emprego e renda e Sistema público de emprego, trabalho e renda - SPETR

Políticas de emprego e renda e Sistema público de emprego, trabalho e renda - SPETR Políticas de emprego e renda e Sistema público de emprego, trabalho e renda - SPETR Políticas de emprego e renda Fonte: Pochmann Políticas de emprego e renda - Como gerar e sustentar ocupações? Produção

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

Seja um franqueado E GARANTA SUA FATIA DESTA RECEITA DE SUCESSO

Seja um franqueado E GARANTA SUA FATIA DESTA RECEITA DE SUCESSO Seja um franqueado E GARANTA SUA FATIA DESTA RECEITA DE SUCESSO A FRANQUIA O nome fantasia é China Brasil, tendo a empresa mais de 35 anos de atuação. A mesma propõe seu diferencial no sabor e modo de

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

A GESTÃO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA INCUBADORA TÉCNOLÓGICA UNIVAP

A GESTÃO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA INCUBADORA TÉCNOLÓGICA UNIVAP A GESTÃO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NA INCUBADORA TÉCNOLÓGICA UNIVAP Feitosa, R. 1, Santos, J. 2, Lourenção, P. 3 123 Curso de Administração de Empresas, Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas. Univap

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003

esags.edu.br Santo André > Av. Industrial, 1455 - Bairro Jardim (11) 4433-6161 Santos > Av. Conselheiro Nébias, 159 (13) 2127-0003 FINANÇAS DE IMPACTO PARA EMPREENDEDORES APRESENTAÇÃO: A maior parte das micro e pequenas empresas surge da iniciativa de empreendedores que não têm experiência com controles financeiros, embora muitas

Leia mais

CONHECIMENTOS HABILIDADES ATITUDES Identificar oportunidades de novos roteiros e serviços na área. Planejar e implementar projetos de novos serviços.

CONHECIMENTOS HABILIDADES ATITUDES Identificar oportunidades de novos roteiros e serviços na área. Planejar e implementar projetos de novos serviços. COMPETÊNCIAS Perceber a importância da atitude e da atividade empreendedora para o exercício de sua profissão. Identificar, analisar oportunidades e planejar a criação e desenvolvimento de serviços inovadores

Leia mais

dialeto design de estratégia

dialeto design de estratégia FORMAÇÃO Wanessa Dose Bittar Especializada em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF); Graduada em Educação Artística pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Pelo estudo, cerca de 13 milhões de brasileiros estão envolvidos diretamente com alguma atividade empreendedora.

Pelo estudo, cerca de 13 milhões de brasileiros estão envolvidos diretamente com alguma atividade empreendedora. 1 Grande Expediente proferido pela Dep. Profª Raquel Teixeira Brasília, 20.03.2006 Uma recente pesquisa publicada pelo Global Entrepreneurship Monitor coloca o Brasil em 7º lugar entre as nações mais empreendedoras

Leia mais

COLABORADOR(ES): JACKSON VINICIUS RAVAGNANI, LUCAS HENRIQUE DIAS DA SILVA, THAIS ALEXANDRE, THAMARA DA SILVA DI LELI

COLABORADOR(ES): JACKSON VINICIUS RAVAGNANI, LUCAS HENRIQUE DIAS DA SILVA, THAIS ALEXANDRE, THAMARA DA SILVA DI LELI Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE DIADEMA X MAUÁ EM 2012 CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS

Leia mais

O PROJETO UNIMONTES SOLIDÁRIA

O PROJETO UNIMONTES SOLIDÁRIA RELATO DA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE INFORMÁTICA PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES DURANTE O PROJETO UNIMONTES SOLIDÁRIA NA ALDEIA INDÍGENA XACRIABÁ Josué Batista Antunes 1 Gislane Silva Cardoso Cerqueira

Leia mais

[ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES

[ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES [ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES D e s c u b r a c o m o m a n t e r o c a p i t a l d a e m p r e s a s o b c o n t r o l e p a r a f a z e r o n e g ó c i o c r e s c e r. Uma boa gestão

Leia mais

Benchmarking como Técnica de Apoio no Estudo de Gestão das Micro e Pequenas Empresas de Santa Maria

Benchmarking como Técnica de Apoio no Estudo de Gestão das Micro e Pequenas Empresas de Santa Maria Benchmarking como Técnica de Apoio no Estudo de Gestão das Micro e Pequenas Empresas de Santa Maria Greice de Bem Noro (UNIFRA) gbgreice@gmail.com Aline Dalmolin (UNIFRA) alinedalmolin@yahoo.com.br Lisandra

Leia mais

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva

Plano de Negócio. (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Escritório de Contabilidade na Cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Métodos de Produção do Conhecimento

Métodos de Produção do Conhecimento Cruzeiro Métodos de Produção do Conhecimento Apostila 3 Metodologia de estudo de caso 1. A COMPLEXIDADE D O ESTUDO D E CASO... 1 2. OS COMPONENTES DO ESTUDO DE CASO... 1 3. DOIS EXEMPLOS... 1 4. QUESTÕES

Leia mais

10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas. 13/Outubro/2008

10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas. 13/Outubro/2008 10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas 13/Outubro/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar (atualizar) a taxa de mortalidade das empresas; Identificar os principais

Leia mais

Discurso do Deputado COSTA FERREIRA (PSC MA). Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

Discurso do Deputado COSTA FERREIRA (PSC MA). Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Os lucros bancários continuam extratosféricos, com taxas estáveis acima de 1000% nos últimos dez anos. O fenômeno é fruto de tarifas altas, redução da despesa com pessoal e retração na concessão de crédito

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Maria Alice Wernesbach Nascimento Rosany Scarpati Riguetti Administração Geral Faculdade Novo Milênio

EMPREENDEDORISMO. Maria Alice Wernesbach Nascimento Rosany Scarpati Riguetti Administração Geral Faculdade Novo Milênio EMPREENDEDORISMO Maria Alice Wernesbach Nascimento Rosany Scarpati Riguetti Administração Geral Faculdade Novo Milênio RESUMO: O trabalho visa abordar o que vem a ser empreendedorismo e iconoclastas, bem

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

TÍTULO: DESAFIOS DO JOVEM EMPREEDEDOR EM GENERAL SALGADO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: DESAFIOS DO JOVEM EMPREEDEDOR EM GENERAL SALGADO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: DESAFIOS DO JOVEM EMPREEDEDOR EM GENERAL SALGADO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): CAIO DE SOUSA FERREIRA

Leia mais

CADASTRO CENTRAL DE EMPRESAS DO IBGE - CEMPRE -

CADASTRO CENTRAL DE EMPRESAS DO IBGE - CEMPRE - Taller Directorios de empresas y establecimientos: Desarrollos recientes y desafíos actuales y futuros en América Latina Santiago de Chile, 22 al 23 de Septiembre de 2008 CADASTRO CENTRAL DE EMPRESAS DO

Leia mais

Sobre o Professor e os Discentes

Sobre o Professor e os Discentes FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castro

Prefeitura Municipal de Castro ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 (Art. 4º, 1º, inciso II do 2º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000) DEMONSTRATIVO I ANEXO DE METAS ANUAIS Em cumprimento ao disposto

Leia mais

D9. DOSSIER DE RESULTADOS DO IV WORKSHOP. Serviços para animação de workshops de empreendedorismo cultural PR-02199

D9. DOSSIER DE RESULTADOS DO IV WORKSHOP. Serviços para animação de workshops de empreendedorismo cultural PR-02199 Serviços para animação de workshops de empreendedorismo cultural PR-02199 novembro 2014 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO... 2 1.1 Objetivos... 2 1.2 Metodologia de trabalho... 2 2. RESULTADOS IV WORKSHOP... 4 2.1

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED / DIEESE / SEADE REFERÊNCIA: Fevereiro de 2015

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED / DIEESE / SEADE REFERÊNCIA: Fevereiro de 2015 SÍNTESE / BOLETIM DA PED / FEVEREIRO 2015 RESULTADOS DAS REGIÕES METROPOLITANAS A Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, em sua metodologia, cobre as regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Porto Alegre,

Leia mais

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO

DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES E CARCTERISTICAS DO EMPREENDEDORISMO CIRLANNE TONOLI ROSANY SCARPATI RIGUETTI ADMINISTRAÇÃO GERAL FACULDADE NOVO MILÊNIO RESUMO:O texto tem como objetivo apresentar algumas características sobre

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL Abril/2014 2014 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

esocial - EFD Social (Obrigações Trabalhista e Previdenciária na Folha de Pagamento)

esocial - EFD Social (Obrigações Trabalhista e Previdenciária na Folha de Pagamento) esocial - EFD Social (Obrigações Trabalhista e Previdenciária na Folha de Pagamento) Vagas Limitadas Cód. do Curso: 0052014 06 e 07.05.2014 O EFD Social ou SPED Folha como já se tornou conhecido, terá

Leia mais

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010 Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Sumário Introdução 3 Objetivos Estratégicos 4 Metodologia 5 Resultados Estratégicos 9 Resultados Reação

Leia mais

Análise do perfil dos empreendedores. Novembro/2013

Análise do perfil dos empreendedores. Novembro/2013 Análise do perfil dos empreendedores Novembro/2013 2 SUMÁRIO Como chegamos nos números? O Estado de São Paulo e as deficiências Perfil do empreendedores com deficiência Como é no meu Escritório Regional

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE BUSINESS PLAN APLICADO AO SETOR DE BELEZA AURIFLAMA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE BUSINESS PLAN APLICADO AO SETOR DE BELEZA AURIFLAMA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE BUSINESS PLAN APLICADO AO SETOR DE BELEZA AURIFLAMA-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

O Desafio do Educador no Ensino do Empreendedorismo

O Desafio do Educador no Ensino do Empreendedorismo O Desafio do Educador no Ensino do Empreendedorismo José Dornelas www.josedornelas.com.br Premissas do Ensino Eficaz de Empreendedorismo 1. Não há regras rígidas 2. Não existe um modelo único de ensino

Leia mais