4.5 Sistema de Gerenciamento de Qualidade (Sistema GQ)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4.5 Sistema de Gerenciamento de Qualidade (Sistema GQ)"

Transcrição

1 Página : 1 / Introdução 4.2 Explicações Básicas sobre a Política Empresarial 4.3 Metas da Empresa 4.4 Diretrizes da Empresa 4.5 Sistema de Gerenciamento de (Sistema GQ)

2 Página : 2 / Introdução O grupo ifm deseja CRESCER COM SUCESSO E COM SEGURANÇA. Segurança e sucesso significam que a nossa Empresa precisa de uma base estável para o crescimento previsto. Com isto se subentende que, além de outros fatores importantes, a base financeira também deve oferecer segurança, pois nossa empresa precisa ter lucros. A nossa principal tarefa administrativa é determinar o equilíbrio entre fatores individuais como, por exemplo, lucros, satisfação, crescimento, inovação e gerenciamento de necessidades e qualidade. Alcançar estes equilíbrios é meta primordial da ifm electronic. 4.2 Explicações Básicas sobre a Política Empresarial Há muitos anos a ifm adota uma política que exige e incentiva a responsabilidade inata das pessoas, individualmente, e dos departamentos da Empresa. O senso de responsabilidade não é obtido sob comando, ele só poderá ser alcançado quando cada pessoa estiver consciente de que é individualmente co-responsável pelo sucesso da empresa. Mas isto não depende apenas das pessoas individualmente, mas também da interação entre elas, grupos e esferas. Além disso, cada funcionário deveria estar certo de seu papel como cliente e fornecedor. Mas assumir uma responsabilidade significa, também, que cada pessoa possua as habilidades necessárias, ou que venha a desenvolvê-las, para um local de trabalho. Devemos insistir no ponto que, cada local de trabalho da empresa seja ocupado por uma pessoa que não apenas possua a capacidade de pensar de forma responsável, comercial e qualitativa, mas que seja capaz de aplicar estes conhecimentos na prática. Estabelecidas estas exigências e descritos todos os processos essenciais na empresa, não se deverá impor limites à prática comercial. As descrições contidas neste manual estão reduzidas ao essencial; elas não poderão ser usadas como substitutos inadequados para procedimentos lógicos e razoáveis. Desejamos, sem exceções, animar e incentivar a todos os funcionários e diretores a melhorarem continuamente seus resultados em prol do bom andamento do trabalho. Neste ramo de atividade, cada funcionário tem o dever e o direito de agir no sentido de eliminar obstáculos que impeçam a livre fabricação de produtos e o fornecimento de serviços com qualidade. A Diretoria Hr. Bernhard v. Spiczak (A explicação básica assinalada poderá ser consultada no QW)

3 Página : 3 / Metas da Empresa Em 1990 a ifm lançou o livro VISÃO; FILOSOFIA; DIRETRIZES. Tendo por base a atual edição deste livro bem como outras fontes, nos parágrafos a seguir serão formuladas metas que deverão acompanhar e dirigir os funcionários em sua determinação de valores e comportamentos. Sempre que possível, estas metas verbais deverão ser transformadas em metas concretas e mensuráveis A Empresa Queremos crescer com segurança e com sucesso. A ifm deseja oferecer produtos de qualidade, atendimento com desempenho e confiabilide. Realmente queremos dizer aquilo que dizemos e fazemos o que dizemos. A ifm deseja ser uma empresa internacionalmente ativa Nosso Compromisso A ifm vê-se como uma empresa orientada ao mercado e ao cliente. A ifm procura seu sucesso na criação e manutenção de unidades descomplicadas. Jamais desejaremos ver as coisas de forma unilateral. A ifm deseja ser uma empresa otimista A Imagem da Empresa A ifm deseja ser uma empresa moral. A ifm exige e incentiva decisões que levem em consideração o meio ambiente e as formas de comportamento. Os representantes da ifm são bons ouvintes. Eles trazem estampada a imagem da ifm através de seu comportamento e aparência externa. Daqui para a frente, a ifm deseja oferecer locais de trabalho com futuro garantido. A ifm investe em produtos e comportamentos estáveis, em processos que protejam o meio ambiente e com o uso responsável dos recursos. Basicamente, a ifm não desenvolverá, fabricará ou venderá produtos que sirvam diretamente a questões militares ou armamentistas Mercados Clientes A ifm é uma empresa com visão global. Os principais pontos de atividade na atualidade estão no Oeste da Ásia, Europa e América. Consequentemente, a ifm deseja expandir-se na América e na Ásia.

4 Página : 4 / 8 A ifm deseja que seu cliente não somente usufrua da qualidade de seus produtos mas que também usufrua da qualidade de sua assistência técnica. A ifm deseja a fidelidade do cliente através de sua satisfação. A ifm não deseja apenas suprir as necessidades, mas também alertar para necessidades específicas. A ifm dedica-se a atender, exatamente, as exigências dos clientes.

5 Página : 5 / Produtos/Assistência Técnica A ifm deseja oferecer, em todo o mundo, os seus produtos e serviços no campo da percepçãp de posição e processo, da comunicação do sistema e da técnica de direção. Os produtos e serviços da ifm são bastante eficientes, principalmente nos aspectos qualidade e desempenho. A ifm deseja atuar exclusivamente na área de produtos que possam ser tecnicamente abrangentes e que possam ser controlados com o seu conhecimento. A ifm deseja uma gama de produtos comprovados. O desenvolvimento de produtos da ifm segue uma estratégia de longo prazo do Produto Produtos de alta qualidade e a veracidade dos dados técnicos são valores intocáveis da ifm.. Os produtos da ifm são um exemplo quanto à sua qualidade e desempenho. não se obtém sob comando, senão que deve ser inerente a todos os funcionários. e contenção de despesas, em nossa opinião, não são antagônicos, senão que se complementam mutuamente Concorrência Despesas continuamente elevadas para pesquisa e desenvolvimento, aliadas a uma elevada eficiência desta aplicação, deverá nos garantir um avanço tecnológico em relação a nossos concorrentes, fortalecendo nossa posição no mercado. É possível a cooperação com concorrentes, mas a nossa independência deverá ser garantida. A ifm agirá, não reagirá. A ifm deseja obter sua fatia no mercado de sensores, oferecendo seus produtos a preços competitivos. A ifm manterá e ampliará sua competitividade em todas as áreas Funcionários A ifm deseja ter funcionários satisfeitos e motivados através de um tratamento igualitário, convívio social adequado, liberdade, confiança, bem como através de um salário justo. A ifm deseja ter funcionários independentes, incentivando o reconhecimento pessoal. Para motivar os funcionários é necessário estabelecer-se metas atraentes e que possam ser atingidas. Cada funcionário é uma fonte para idéias novas e eficazes. A ifm deseja incentivar a aplicação de novas idéias, aonde sejam apoiados riscos calculados e aceitas as tentativas mal sucedidas. Para incentivar o potencial do funcionário, a ifm oferece acompanhamento funcional interno e cursos (eventualmente com apoio externo).

6 Página : 6 / Gerentes Os gerentes da ifm estão aptos a delegar tarefas de responsabilidade aos funcionários, eles não têm medo de, através da delegação de tarefas, colocar em risco sua própria posição. Os gerentes da ifm são, através de sua postura pessoal, exemplos para todos os demais funcionários. Os gerentes (e funcionários) mantém acordos e prazos Direção Uma direção convincente baseia-se em informações abrangentes. Dirigir significa que todos vivam em harmonia, não excluíndo, contudo, divergências construtivas sobre temas importantes. A direção, na forma de pensar da ifm, significa que ninguém tem sempre direitos Organização A organização é uma tarefa para os funcionários, reduzindo-se a algumas poucas e importantes regras e responsabilidades bem definidas. Para nós, a organização significa a batalha contra a burocracia. A organização deve simplificar e minimizar pontos críticos na empresa. A centralização e a descentralização são autorizadas na ifm. A organização é uma instituição que serve e o trabalho em conjunto dos funcionários é uma instituição estimulante Capital O lucro é um bem inalienável pelo desempenho da empresa e é de suma importância para um crescimento seguro. A ifm deseja alcançar segurança e independência através de capitais próprios que sejam adequados ao empreendimento. O aumento da receita pode ser melhor que a redução de custos Sobrevivência Os comerciantes e gerentes comerciais somente assumirão aqueles riscos que sejam de interesse comercial e que estejam de acordo com a grandeza da ifm. Em um mercado competitivos, não existe segurança sem luta constante. A ifm está disposta a entrar nesta luta. Os comerciantes e gerentes comerciais se dedicarão ao máximo para manter a estrutura da ifm tão segura quanto possível, para que possa enfrentar adequadamente as oscilações da conjuntura mundial e o desenvolvimento diferenciado das empresas. Os comerciantes e gerentes comerciais estão cientes de sua resposabilidade de utilizar as experiências do passado para a concretização do futuro.

7 Página : 7 / Técnica A ifm atuará exclusivamente no âmbito de produtos que lhe pareçam tecnicamente viáveis e que possam ser dirigidos com seu próprio conhecimento. A ifm, fundamentalmente, deseja oferecer seus produtos em âmbito mundial. A ifm deseja ser reconhecida como empresa tecnicamente flexível e inovadora. Despesas continuamente elevadas para pesquisa e desenvolvimento, aliadas a uma elevada eficiência desta aplicação, deverá nos garantir um avanço tecnológico em relação a nossos concorrentes, fortalecendo nossa posição no mercado. O desenvolvimento de produtos da ifm segue uma estratégia de longo prazo segura e representativa. Disputas de mercado e o desenvolvimento de produtos pela concorrência não nos devem incentivar a copiar, impensadamente e sem um conceito próprio de marketing, os aparelhos dos concorrentes Metas Gerais A ifm deseja evitar erros e atuar levando em consideração os custos. A ifm deseja estabelecer os relacionamentos comerciais com seus fornecedores tendo em vista a meta de melhorar sempre. A ifm está ansiosa para evitar a perda bem como o desaparecimento de força de trabalho, materiais e matérias. Devemos assegurar que cada local de trabalho da empresa esteja ocupado por uma pessoa que possua as habilidades requeridas por aquele local de trabalho. O bem da empresa está acima de quaisquer outros interesses Trabalho em Conjunto/Comunicação A ifm deseja trabalho de equipe e a concordância sobre os limites de cada atividade.isto significa que as soluções sejam criadas o mais rapidamente possível pela atuação simultânea de todos os setores envolvidos. O trabalho em conjunto e a comunicação não devem ser praticados de forma hierárquica ou apenas em determinada esfera, mas devem ser orientados para o processo como um todo. Para o bem de nossa empresa devemos olhar ao mesmo tempo, como um único corpo, na mesma direção.

8 Página : 8 / Diretrizes da Empresa O livro VISÃO, FILOSOFIA, DIRETRIZES, contém, em sua terceira parte, diretrizes que os funcionários deverão assumir e representar, a longo prazo, em sua determinação de valores e em seu comportamento. Deveria ser a meta de cada funcionário, na medida de suas possibilidades, alcançar estas metas. 4.5 Sistema de Gerenciamento de (Sistema GQ) A diretoria comercial, em conjunto com todas as áreas da empresa, com base na DIN EN ISO , desenvolveu um sistema de gerenciamento de qualidade para alcançar a política de qualidade e as metas de qualidade que façam parte das metas da empresa. Este sistema de gerenciamento de qualidade deve assegurar que os processos e andamentos sejam claros, não dêm margem a dúvidas e possam ser reproduzidos, levando, em relação aos pontos de vista comerciais, a produtos de qualidade e serviços qualificados; transmitir a confiança, para o cliente e outras partes interessadas, de que suas exigências de qualidade serão atendidas e que ocorrerá uma melhoria permanente de qualidade; Transmitir a confiança de que as exigências expostas nos Sistema GQ foram atendidas; Esclarecer para todos tudo o que foi planejado; Fornecer diretrizes que permitam alcançar uma melhor rentabilidade; Garantir, a longo prazo, a satisfação do cliente.

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

"BUSSINES PLAN"- PLANO DE NEGÓCIOS

BUSSINES PLAN- PLANO DE NEGÓCIOS "BUSSINES PLAN"- PLANO DE! Os componentes do Business Plan.! Quem precisa fazer um Business Plan! Colocando o Business Plan em ação Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 8ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo 20

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

VISIÓN FILOSOFÍA PRINCIPIOS VISIONE FILOSOFIA PRINCIPI GUIDA VISÃO FILOSOFIA PRINCÍPIOS VISION PHILOSOPHIE PRINCIPES VISION PHILOSOPHY PRINCIPLES

VISIÓN FILOSOFÍA PRINCIPIOS VISIONE FILOSOFIA PRINCIPI GUIDA VISÃO FILOSOFIA PRINCÍPIOS VISION PHILOSOPHIE PRINCIPES VISION PHILOSOPHY PRINCIPLES VISION PHILOSOPHY PRINCIPLES VISION PHILOSOPHIE PRINCIPES VISIÓN FILOSOFÍA PRINCIPIOS VISIONE FILOSOFIA PRINCIPI GUIDA VISÃO FILOSOFIA PRINCÍPIOS 9. a edição Copyright 2012 by ifm electronic gmbh, Friedrichstraße

Leia mais

FASF - FACULDADE SAGRADA FAMILIA - CURSO DE ADM 5º PERIODO CONTROLE INTERNO. Aula 3 e 4

FASF - FACULDADE SAGRADA FAMILIA - CURSO DE ADM 5º PERIODO CONTROLE INTERNO. Aula 3 e 4 CONTROLE INTERNO Aula 3 e 4 Objetivos Conceito Sistema Categorias de Controle Interno Controles Organizacionais e Segregação de Funções É o controle obtido por meio da maneira de designar responsabilidade

Leia mais

PASSO 1 COMO VOCÊ ESTÁ ADMINISTRANDO SUA EMPRESA?

PASSO 1 COMO VOCÊ ESTÁ ADMINISTRANDO SUA EMPRESA? PASSO 1 COMO VOCÊ ESTÁ ADMINISTRANDO SUA EMPRESA? São os passos que fazem os caminhos. MÁRIO QUINTANA Para chegar a um destino, é preciso dar o primeiro passo. Muitas vezes, preocupados com o dia a dia,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico)

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico) CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING (Extrato do Projeto Pedagógico) PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO São habilidades e competências gerais trabalhadas no projeto pedagógico: Visão Holística e Cultural:

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO CÓDIGO DE ÉTICA DA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO 0 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ABRANGÊNCIA... 2 3 - PRINCÍPIOS GERAIS... 2 4 - INTEGRIDADE PROFISSIONAL E PESSOAL... 3 5 - RELAÇÕES COM

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg Valores & Princípios Grupo Freudenberg C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o Nossos Princípios & Conduta e Comportamento 3 Os Nossos Princípios e o documento de

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Ano 2013 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Caro Colaborador Estamos entregando o Código de Ética e Conduta da Instituição, o qual fará parte

Leia mais

Roteiro para apresentação do Plano de Negócio. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a preparar seu Plano de Negócio.

Roteiro para apresentação do Plano de Negócio. Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a preparar seu Plano de Negócio. Roteiro para apresentação do Plano de Negócio Preparamos este roteiro para ajudá-lo(a) a preparar seu Plano de Negócio. Abaixo encontra-se a estrutura recomendada no Empreenda! O Plano de Negócio deverá

Leia mais

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado FACÇÃO TECIDO PLANO 1 - Introdução Nesta apresentação o empreendedor encontra indicações dos conhecimentos que aumentam e melhoram suas chances de sucesso, desde a identificação da oportunidade, riscos

Leia mais

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014.

MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. MANUAL DE INTEGRAÇÃO - DIRETORIA Edição 1 Balneário Camboriú, novembro de 2014. OBJETIVO O presente manual se destina a orientar a diretoria da ACIBALC, quanto à administração de suas pastas, o gerenciamento

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Contextualização do problema e questão-problema

1. Introdução. 1.1 Contextualização do problema e questão-problema 1. Introdução 1.1 Contextualização do problema e questão-problema A indústria de seguros no mundo é considerada uma das mais importantes tanto do ponto de vista econômico como do ponto de vista social.

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC De origem grega, o termo ethos significa costumes e deve ser entendido com um conjunto de princípios básicos que visam disciplinar e regular, a moral e a conduta das

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III ESPECIALIZAÇÕES. Profa. Cláudia Palladino Unidade III ESPECIALIZAÇÕES DO MARKETING Profa. Cláudia Palladino Marketing social Atuação das empresas hoje e a Responsabilidade social: Obtenção de insumos e processamento de matéria prima de maneira

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

Código de Ética e Conduta. Trabin Software & Consulting

Código de Ética e Conduta. Trabin Software & Consulting Trabin Software & Consulting Sumário 1. Apresentação... 4 2. Empresa... 5 2.1. Histórico... 5 2.2. Missão... 5 2.3. Visão..... 6 2.4. Valores... 6 2.5. Princípios... 6 3. Conceito de Ética... 8 3.1. Ética

Leia mais

Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem

Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem Plano de Negócios e Pesquisas de Mercado: Ninguém Vive Sem Henrique Montserrat Fernandez Muitas pessoas, antes de abrir a empresa, já têm uma idéia do que ela produzirá. Mas será que é isso que os clientes

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Introdução à Administração Financeira

Introdução à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Conceitos Introdutórios e Revisão de alguns elementos e conceitos essenciais à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Administração: é a ciência

Leia mais

APRESENTAÇÃO O DESIGN É HOJE UM RECURSO ESTRATÉGICO FUNDAMENTAL PARA AUMENTAR O POTENCIAL COMPETITIVO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

APRESENTAÇÃO O DESIGN É HOJE UM RECURSO ESTRATÉGICO FUNDAMENTAL PARA AUMENTAR O POTENCIAL COMPETITIVO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. O QUE É DESIGN APRESENTAÇÃO O design ocupa grande parte do cotidiano das pessoas e das empresas, representado por uma infinidade de produtos e serviços. Ele é o meio que as empresas utilizam para transformar

Leia mais

PRINCÍPIOS CORPORATIVOS

PRINCÍPIOS CORPORATIVOS PRINCÍPIOS CORPORATIVOS Os princípios corporativos do grupo Witzenmann Witzenmann GmbH Östliche Karl-Friedrich-Str. 134 75175 Pforzheim Telefone +49 7231 581-0 Fax +49 7231 581-820 wi@witzenmann.com www.witzenmann.de

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E EMPRESARIAL GRUPO VIVO SABOR INTRODUÇÃO Ciente de sua responsabilidade como fornecedora de refeições coletivas e prestadora de serviços, o Grupo Vivo Sabor divulga seu Manual

Leia mais

sobrevivência reforçada

sobrevivência reforçada Conceito Realização de princípios, visão e missão. Orientação das ações dos colaboradores. Postura social da empresa com os seus diferentes públicos. Empresas sensíveis, não voltadas apenas para produção

Leia mais

3.6 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

3.6 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.6 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL MANUAL DE RESPONSABILIDADE Definição: A responsabilidade socioambiental é a responsabilidade que uma empresa ou organização tem com a sociedade e com o meio ambiente além das obrigações legais e econômicas.

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Departamento de Engenharia. Administração e Finanças para Engenharia. Departamento de Pessoal (DRH)

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Departamento de Engenharia. Administração e Finanças para Engenharia. Departamento de Pessoal (DRH) Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Administração e Finanças para Engenharia Departamento de Pessoal (DRH) Grupo: Thahenne O. Ribeiro Paulo Victor M. Cordeiro Eduardo Borges

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as Normas de Auditoria as normas são para controlar a qualidade do exame e do relatório; os procedimentos de auditoria descrevem as tarefas realmente cumpridas pelo auditor, na realização do exame. 2 CONCEITO

Leia mais

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA

SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA SIMULADO TURMA 1414 TUTORA TACIANE DISCIPLINA: LOGÍSTICA 1) ASSINALE A ALTERNATIVA QUE CORRESPONDE A UMA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO. A) Recebimento de matérias-primas. B) Alimentação de sistemas produtivos.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado.

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado. 3 PAPEL DOS GERENTES Os gerentes são os protagonistas do processo administrativo. Eles são responsáveis por coordenar o trabalho dos outros funcionários da empresa. Não existe apenas um modelo administrativo,

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente Código de Ética OBJETIVO Este código de ética serve de guia para atuação dos empregados e contratados da AQCES e explicita a postura que deve ser adotada por todos em relação aos diversos públicos com

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PlusPixel Marketing Digital SOMOS MAIS SOCIAIS DO QUE NUNCA

PlusPixel Marketing Digital SOMOS MAIS SOCIAIS DO QUE NUNCA PlusPixel Marketing Digital SOMOS MAIS SOCIAIS DO QUE NUNCA Proposta de Marketing Digital Design inox Marketing de Resultados A PlusPixel vem oferecendo seus serviços desde o início da internet, isso nos

Leia mais

Marketing no Varejo e Serviços.

Marketing no Varejo e Serviços. Aula 9-11 Marketing no Varejo e Serviços. Nogueira Aula 9_11 Planejamento Estratégico orientado para o mercado (Varejo e Serviços) Porque a empresa deve fazer o seu planejamento estratégico? Existe uma

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

GESTÃO CONFLITUOSA ADMINISTRAÇÃO

GESTÃO CONFLITUOSA ADMINISTRAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO GESTÃO CONFLITUOSA A administração das empresas de transportes de cargas está assentada basicamente, em quatro pés: área operacional; área comercial; área financeira e RH. A departamentalização,

Leia mais

Código de Ética. Diante dos Consumidores Diante dos Vendedores Diretos e entre Empresas

Código de Ética. Diante dos Consumidores Diante dos Vendedores Diretos e entre Empresas Código de Ética Diante dos Consumidores Diante dos Vendedores Diretos e entre Empresas Código de Ética Diante dos Consumidores (Texto em conformidade com as deliberações da Assembléia Geral Extraordinária

Leia mais

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições:

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições: 1.0 - CÓDIGO DE ÉTICA DO BANRISUL Preâmbulo O compromisso maior da instituição deve ser o de possibilitar continuamente a consecução de sua missão, a saber: Ser o agente financeiro do Estado para promover

Leia mais

Código de Ética e Conduta. Elaborado por: Lilian Scaraviello e Carlos Espanholeto

Código de Ética e Conduta. Elaborado por: Lilian Scaraviello e Carlos Espanholeto Código de Ética e Conduta Elaborado por: Lilian Scaraviello e Carlos Espanholeto Introdução As açoes de todos os colaboradores pela integridade, respeito e transparência buscando o fortalecimento das relações

Leia mais

BSC Balance Score Card

BSC Balance Score Card BSC (Balance Score Card) BSC Balance Score Card Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Uma das metodologias mais visadas na atualidade éobalanced ScoreCard, criada no início da década de 90 por Robert

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Workshop Descrição de cargos Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Agenda 1 2 3 Nossa metodologia O Projeto Workshop de Descrição de Cargos 2011 Hay Group. All rights reserved 1 01 Nossa metodologia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO Administração do latim ad(direção, tendência para) e minister(subordinação

Leia mais

AGILIDADE ORGANIZACIONAL

AGILIDADE ORGANIZACIONAL PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO AGILIDADE ORGANIZACIONAL Destaques do Estudo O lento crescimento econômico e as prioridades mutantes do mercado global criaram um ambiente de negócios complexo

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Código de Ética e de Conduta Empresarial

Código de Ética e de Conduta Empresarial O da Irmãos Parasmo S/A leva em consideração os elementos essenciais existentes nas suas relações com os seus diferentes públicos acionistas, clientes, colaboradores, fornecedores, prestadores de serviços,

Leia mais

Desenvolvimento e Capacitação de Servidores Públicos

Desenvolvimento e Capacitação de Servidores Públicos Desenvolvimento e Capacitação de Servidores Públicos I-Organização da Administração Pública A vida da sociedade organizada pressupõe uma organização racional do trabalho, constituída de uma hierarquia

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Thaisa Rodrigues Marcondes 1, Maria Auxiliadora Antunes 2 ¹ Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

1. O Contexto do SBTVD

1. O Contexto do SBTVD CT 020/06 Rio de Janeiro, 27 de janeiro de 2006 Excelentíssimo Senhor Ministro Hélio Costa MD Ministro de Estado das Comunicações Referência: Considerações sobre o Sistema Brasileiro de Televisão Digital

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Informativo - nº 14-27 de março - 2015 ADEP saúde

Informativo - nº 14-27 de março - 2015 ADEP saúde Informativo - nº 14-27 de março - 2015 corretora de seguros CONSULTOR DE SEGUROS Que tal um atendimento diferenciado, personalizado e qualificado? Onde o profissional te oriente sobre as melhores opções

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO

ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO ETAPA 1 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Nome da Empresa: Sapatos e Bolsas BACANAS. Razão Social: Sócios: Endereço: Fone/Fax: Pessoa para Contato: CEP: ETAPA 2 DESCRIÇÃO GERAL DO NEGÓCIO O que a empresa

Leia mais

VALUE BASED MANAGEMENT (Gerenciamento Baseado no Valor - GBV) - PARTE ll

VALUE BASED MANAGEMENT (Gerenciamento Baseado no Valor - GBV) - PARTE ll VALUE BASED MANAGEMENT (Gerenciamento Baseado no Valor - GBV) - PARTE ll! Como implantar com sucesso?! Quais os passos para sua implantação?! O foco na criação de valor para o acionista. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta Ética das Empresas Concremat contempla os princípios que devem estar presentes nas relações da empresa com seus colaboradores, clientes,

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Desenvolvimento de Recursos Humanos para a Comercialização Hortigranjeiro Autor: Equipe do CDRH

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Desenvolvimento de Recursos Humanos para a Comercialização Hortigranjeiro Autor: Equipe do CDRH Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Companhia Nacional de Abastecimento Conab Diretoria de Gestões de Estoques Diges Superintendência de Programas Institucionais e Sociais de Abastecimento

Leia mais

Como planejar e executar um treinamento

Como planejar e executar um treinamento Como planejar e executar um treinamento Treinamento: uma breve conceituação Não há possibilidade de nos desenvolvermos economicamente e, consequentemente, elevarmos o nosso nível social, sem aumentarmos

Leia mais

Processos Administrativos de Compras

Processos Administrativos de Compras Processos Administrativos de Compras INTRODUÇÃO A função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais e Suprimentos, que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O currículo, ora alterado, será implantado no início do ano letivo de 2001, para os matriculados na 5ª série.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O currículo, ora alterado, será implantado no início do ano letivo de 2001, para os matriculados na 5ª série. RESOLUÇÃO CONSEPE 54/00 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, REGIME SERIADO ANUAL, TURNO NOTURNO, DO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, JURÍDICAS E ADMINISTRATIVAS, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA.

Leia mais

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor.

5 Conclusão. FIGURA 3 Dimensões relativas aos aspectos que inibem ou facilitam a manifestação do intraempreendedorismo. Fonte: Elaborada pelo autor. 5 Conclusão Este estudo teve como objetivo a análise dos diversos fatores que influenciam tanto de maneira positiva quanto negativa no exercício do papel dos gerentes e também dos elementos que facilitam

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

SOLUÇÕES DA SAP PARA ENGAJAMENTO DO CLIENTE REPRESENTAM MAIS QUE UM SIMPLES CRM

SOLUÇÕES DA SAP PARA ENGAJAMENTO DO CLIENTE REPRESENTAM MAIS QUE UM SIMPLES CRM SOLUÇÕES DA PARA ENGAJAMENTO DO CLIENTE REPRESENTAM MAIS QUE UM SIMPLES CRM As soluções da para Engajamento do Cliente representam mais do que um simples CRM. Ao integrar completamente marketing, comércio,

Leia mais

ÉTICA APLICADA Ética e Moral

ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA é o ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, é ciência que se ocupa do estudo do comportamento humano e investiga o sentido que o homem confere às suas ações.

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições:

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições: 1.0 - CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO BANRISUL Preâmbulo O compromisso é servir como Guia Prático de Conduta Pessoal e Profissional, a ser utilizado por todos os Colaboradores do Banrisul, possibilitando a

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578

JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578 JHSF PARTICIPAÇÕES S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF Nº. 08.294.224/0001-65 - NIRE Nº. 35.300.333.578 CÓDIGO DE ÉTICA Escopo Este Código de Ética ( Código ) reúne as principais normas de conduta que devem

Leia mais

$ $ $ $ CRECHE DE CÃES: ANÁLISE ESTRATÉGICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NEGOCIO Monica Alejandra Noemi Romero Claudia Francis Vieira Ana Maria Ferreira

$ $ $ $ CRECHE DE CÃES: ANÁLISE ESTRATÉGICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NEGOCIO Monica Alejandra Noemi Romero Claudia Francis Vieira Ana Maria Ferreira XXVIENANGRAD CRECHE DE CÃES: ANÁLISE ESTRATÉGICA PARA IMPLEMENTAÇÃO DE NEGOCIO Monica Alejandra Noemi Romero Claudia Francis Vieira Ana Maria Ferreira FOZDOIGUAÇU,2015 TGA%TeoriaGeraldaAdministração CRECHEDECÃES:

Leia mais

Módulo 2. Valores e princípios

Módulo 2. Valores e princípios Módulo 2. Valores e princípios Para o bem-estar de uma sociedade é necessário que existam normas compartidas que orientam o comportamento de seus integrantes. Todo ser humano se rege por valores próprios,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA

FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA FACULDADE FAMA ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS RECIFE DEZ/2014 ALEXSANDRA SOARES DA SILVA A NECESSIDADE DE CONSULTORIA NAS EMPRESAS Artigo científico apresentado em

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 3 - AS PERSPECTIVAS DO BSC - FINANCEIRA E CLIENTES PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Table of Contents. Sobre o material. Geo Studio. Apresentação. Mercado de Rastreadores. Mercado de Rastreadores. Equipamentos. Estrutura.

Table of Contents. Sobre o material. Geo Studio. Apresentação. Mercado de Rastreadores. Mercado de Rastreadores. Equipamentos. Estrutura. Table of Contents Sobre o material Geo Studio Apresentação Mercado de Rastreadores Mercado de Rastreadores Equipamentos Estrutura Estrutrua Localização Pessoal Mercadoria Produtividade da Empresa Automação

Leia mais

Passar o bastão - Desenvolver parcerias

Passar o bastão - Desenvolver parcerias CAPÍTULO VI CONSTRUINDO A VISÃO DA QUALIDADE TOTAL... não fui desobediente à visão celestial Apóstolo Paulo Como já vimos anteriormente, as empresas vivem num cenário de grandes desafios. A concorrência,

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2

RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RISCO E RETORNO FINANCEIRO NAS DECISÕES EMPRESARIAIS Renata Foltran MANCINI 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo desenvolver a reflexão sobre o Risco e Retorno Financeiro,

Leia mais

Karla Juliana Lopes. Plano de Candidatura. Diretoria de Gestão de Pessoas. Viçosa MG. Julho de 2015.

Karla Juliana Lopes. Plano de Candidatura. Diretoria de Gestão de Pessoas. Viçosa MG. Julho de 2015. Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular da Universidade Federal de Viçosa Viçosa (MG) - CEP 36570-000 CNPJ: 07.245.367/0001-14 Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Universidade Federal

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas

A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas Anderson Catapan Ana Carolina Teixeira Cortes ** Patrícia Baptista de Souza *** Rosângela Moreira dos Santos **** Vanessa

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais