UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS LUIZ FERNANDO FERNANDES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS LUIZ FERNANDO FERNANDES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS LUIZ FERNANDO FERNANDES PROPOSTA DE MELHORIA NA CADEIA DE SUPRIMENTOS ATRAVÉS DA ADOÇÃO DE PORTAL ELETRÔNICO DE COMPRAS EM UMA INDÚSTRIA DO RAMO METAL-MECÂNICO. JOINVILLE SC - BRASIL 2014

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS LUIZ FERNANDO FERNANDES PROPOSTA DE MELHORIA NA CADEIA DE SUPRIMENTOS ATRAVÉS DA ADOÇÃO DE PORTAL ELETRÔNICO DE COMPRAS EM UMA INDÚSTRIA DO RAMO METAL-MECÂNICO. Trabalho de Graduação apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do título de Engenheiro de Produção e Sistemas. Orientador: Prof Dr. Fernando Natal de Pretto JOINVILLE SC - BRASIL 2014

3 LUIZ FERNANDO FERNANDES PROPOSTA DE MELHORIA NA CADEIA DE SUPRIMENTOS ATRAVÉS DA ADOÇÃO DE PORTAL ELETRÔNICO DE COMPRAS EM UMA INDÚSTRIA DO RAMO METAL-MECÂNICO. Trabalho de Graduação aprovado como requisito parcial para a obtenção do título de Engenheiro do curso de Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Estado de Santa Catarina. Banca Examinadora: Orientador: Dr. Fernando Natal de Pretto Membro: Dr. Adalberto José Tavares Vieira Membro: Msc. Valdésio Benevenutti Joinville, 10/06/2014

4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, por estar comigo em todos os momentos, e estar sempre iluminando meu caminho. Aos meus pais, Luiz Cesar Fernandes e Rosita Luz Fernandes, pelo exemplo que são para mim, por todo esforço, educação e dedicação para o meu crescimento. Sem vocês não seria ninguém. A minha irmã Bárbara Luz Fernandes e a minha namorada Bruna Louize Monteiro, por todo apoio e carinho incondicional em todas as ocasiões. Muito Obrigado! Aos meus amigos Raul Piva Burigo e João Paulo Bonsenhor, por terem sido minha família por diversas vezes durante esta jornada. A todos os grandes amigos que fiz, em especial, Bruno Schneider, Gabriel Casagrande Brascher, Diego Antonio Kuster, Marco Túlio de Camargo, Leonam Goudinho e Thiago Bonfanti Pimentel. Vocês são fundamentais. Muito Obrigado! A Udesc e a todos os meus professores, por todo conhecimento compartilhado para que eu pudesse alcançar este objetivo, em especial, meu orientador Fernando Natal de Pretto. Enfim, agradeço a todos que de alguma forma fizeram parte do meu crescimento durante o período da minha faculdade. Muito Obrigado!

5 A mente que se abre a uma nova ideia jamais voltará ao seu tamanho original. Albert Einstein

6 RESUMO As empresas buscam cada vez mais, maneiras de alavancar sua lucratividade e seus resultados globais através da redução de desperdícios na cadeia produtiva. A estratégia da cadeia de suprimentos colaborativa propõe formas de buscar melhorias em diversas frentes para as empresas envolvidas no processo. Este estudo de caso tem o propósito de apresentar os benefícios que o portal eletrônico de compras pode trazer para as empresas em geral. Enfocando os processos da logística com o objetivo de estabelecer a adoção do portal eletrônico de compras na empresa Nova Motores e Geradores Elétricos Ltda, desenvolvendo um estudo de caso, onde é demonstrado o processo atual desta empresa e os pontos que precisam ser melhorados. Para isso foi feita uma pesquisa bibliográfica referente a compras e tecnologia de informação para consequentemente realizar o estudo de caso. Este trabalho tem o intuito de oferecer uma proposta de melhoria nos processos de logística direta, focando o setor de compras e suprimentos de materiais, e para que seja reintegrado com maior velocidade ao ciclo de negócios da empresa, tornando-a mais competitiva. Como resultado, são apresentadas as melhorias advindas para a empresa através de uma simulação de implantação do portal. Ao final é demonstrado o retorno do investimento bem como a economia possível com a adoção da proposta para o negócio. Palavras chaves: Portal de compras, e-procurement, Redução de custos, Cadeia de Suprimentos.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 O modelo de Suplly Chain Management Figura 2 Elementos Básicos da Logística Figura 3 Evolução dos sistemas para e-procurement - novos negócios e oportunidades Figura 4 O tempo e a qualidade na informação Figura 5 e-commerce B2B tipo lado da compra Figura 6 Nova Motores e Geradores Elétricos Matriz Figura 7 Catálogo de produtos do grupo Nova Figura 8 Explosão dos itens de um motor elétrico Figura 9 Fluxograma proposta de adoção do portal eletrônico de compras à empresa Nova Motores

8 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Quadro de Informações sobre o setor de Compras Quadro 2 Quadro de necessidade de compra... Erro! Indicador não definido. Quadro 3 Comparativo de custos Quadro 4 Simulação de aplicação do portal Quadro 5 Ganhos obtidos em tempo com a utilização do portal

9 LISTA DE ABREVIATURAS SCM TI CE EDI B2B ERP PCP MRP Supply Chain Management Tecnologia de Informação Comércio Eletrônico Electronic Data Interchange Business to Business Enterprise Resource Planning Planejamento e Controle de Produção Material Requirement Planning

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS) Implementando o Conceito de SCM LOGÍSTICA Logística Uma Função Essencial na Empresa A Concepção Logística na Empresa Atividades Logísticas COMPRAS A Função Compras TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA COMÉRCIO ELETRÔNICO Características do Comércio Eletrônico Oportunidades e Benefícios do Comércio Eletrônico Estratégias para os Negócios Digitais E-PROCUREMENT Eficiência do Processo do e-procurement EDI (Electronic Data Interchange) Business to Business (B2B) Características e Benefícios do B2B Tipos Básicos de Transações B2B LEILÕES Leilões Eletrônicos METODOLOGIA MÉTODO DE PESQUISA COLETA E PROCEDIMENTOS PARA ANÁLISE DE DADOS PROPOSTA DE ESTUDO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA LEVANTAMENTO DA SITUAÇÃO ATUAL... 43

11 4.2.1 Cotação e Fechamento de Venda Análise da Engenharia Geração da Programação pelo PCP Análise de Compras Elaboração e Envio do Pedido de Compra Recebimento do Pedido de Compra pelo Fornecedor Vencimento da Data de Entrega do Pedido de Compra DIFICULDADES ENCONTRADAS NO PROCESSO ATUAL Telefonia e Impressões Utilizadas em Alta Escala Cotação de Preços Realizada de Forma Inadequada Atraso nas Entregas Pelos Fornecedores Divergência nas Informações de Entrega e Estoques CENÁRIO PROPOSTO Fluxo da Informação no Portal PCP Gera Requisições de Compras Análise do Fornecedor Tempo de Análise no Portal Avaliação da Cotação pelo Comprador Envio do Pedido de Compra Recebimento da Confirmação do Pedido de Compra Vencimento do Prazo de Entrega Importação da Nota Fiscal Encerramento do Pedido de Compra ANÁLISE DOS RESULTADOS DO PROJETO Mudanças Conceituais Benefícios do Portal para a Empresa Benefícios do Portal aos Fornecedores Resultados Futuros Projetados CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 68

12 12 1 INTRODUÇÃO Com o mercado global exigindo cada vez mais, tudo indica que muito em breve todas as empresas terão de estar adaptadas ao cenário da informatização, buscando incluir em suas transações operacionais ferramentas e recursos tecnológicos voltados a reduzir custos, ou não irão sobreviver no mercado. Neste estudo de caso serão discutidos os assuntos pertinentes aos benefícios provenientes da evolução na era digital, mostrando a importância que essa nova ferramenta proporciona às organizações, auxiliando os gestores no processo de tomada de decisão. Para Kalakota e Robinson (2002) a chave para competir na economia digital é a inovação do modelo de negócio que explora o poder das redes de negócios. De setor em setor, tais redes estão destruindo o velho modelo de empresa convencional e transformando-as em empresas muito mais flexíveis. Baseando-se neste conceito, estudou-se a viabilidade da adoção de uma solução moderna e atual baseada em uma ferramenta eletrônica, que contribuirá para uma melhoria nos processos logísticos da empresa Nova Motores e Geradores Elétricos Ltda. A proposta é de adotar um portal eletrônico de compras, oferecendo uma solução informatizada para a política de preços das matérias primas e materiais necessários para a manufatura, controle das entradas e saídas de matérias primas, envio e controle eletrônico de pedidos de compra, notas fiscais eletrônicas e outros benefícios obtidos, procurando eficácia na relação entre comprador e fornecedor, com a finalidade de aprimorar e contribuir para uma melhoria significativa na manufatura, procurando somar na busca constante da redução dos custos, e aperfeiçoar a logística em um todo de uma forma com que reduza o tempo de produção e entrega do produto final ao cliente. Esta solução, nada mais é do que uma necessidade dos tempos atuais, pois o mundo dos negócios nos contempla com um grande número de empresas que utilizam este conceito e que estão conseguindo reduzir custos, e somar valores, mantendo seus clientes e buscando novos mercados. O Portal Eletrônico de Compras é uma ferramenta utilizada para o comércio via internet, que como no processo convencional, coexistem compradores e vendedores, que interagem entre si, buscando negociações, investimentos e resultados. É uma tecnologia que viabiliza negócios de forma otimizada, rápida, precisa e possibilita a

13 13 armazenagem de todas as informações transcorrentes das negociações. Oferece vantagens e oportunidades, tanto para os fornecedores como para os clientes. Há uma crescente manifestação de aceitação no mercado desta tecnologia, que facilita em muito o andamento logístico e comercial das organizações. Essa adoção procura obter uma nova ótica sobre a atual política de compras utilizada na empresa, onde o processo ainda está baseado no modelo tradicional e convencional, sendo que não existe uma manutenção preventiva sobre custos e preços, e sim um procedimento corretivo quando da existência de algum problema relacionado a esses preços de compra da matéria prima para confecção do produto. O objetivo geral do trabalho é o de propor uma melhoria consistente no processo de compras, que trará diversos benefícios em um novo ambiente de negócios, que requer primeiramente uma nova infra-estrutura logística e também projetar novos protocolos internos e externos para agilizar os processos, buscando um alto nível de excelência na prestação do serviço e uma redução ao mínimo dos custos. Adaptar-se à era digital é uma necessidade. Porém, digitalizar o negócio requer ações sistemáticas. O primeiro passo é analisar esse ambiente mutável, procurando por trás de sua atividade e problemas superficiais, os padrões, modelos e projetos emergentes de negócios nos quais serão construídas. Nos negócios, o objetivo é estabelecer uma posição dominante que seja altamente lucrativa (KALAKOTA; ROBINSON, 2002). Haja vista a situação atual, a ideia parte do princípio em implantar um sistema integrado com o fornecedor via internet, um portal para troca de informações. A proposta torna-se atraente em comparação ao problema atual, pois uma parte dos preços está desatualizada frente aos praticados no mercado hoje, situação que acaba sendo visualizada muitas vezes somente quando existe alguma intenção de alteração nos preços por parte do fornecedor ou quando o comprador busca uma redução nos custos, solicitando reavaliação de preço junto ao fornecedor. Como objetivos específicos o trabalho propõe algumas melhorias nos processos da empresa, visando uma melhora consistente do processo num todo. Tais objetivos são: Verificar a velocidade e qualidade de serviço aumentada pela redução de erros; Redução de tempo e de custos no setor de compras; Conhecer o atendimento da demanda com eficiência;

14 14 Relatar as melhorias obtidas com a implantação da ferramenta Conferir a ferramenta, pois a mesma contempla diversos gráficos que servem de apontadores de qualidade, procurando uma melhoria constante no processo e redução nos custos diretos e indiretos. O sucesso de uma empresa depende de sua capacidade de inovar e de integrar novas tecnologias em ofertas e serviços. Essas melhorias são objetivos de estudo nesta análise de adoção do portal eletrônico de compras. O processo de adaptação das estratégias organizacionais ao seu ambiente interno e externo tem sido motivo de preocupação constante às organizações. A aceitação do novo cenário mundial competitivo e a adequação a ele são fatores cruciais para as organizações alcançarem seus objetivos. Baseado nestes conceitos, e para que a adequação às mudanças não seja o único e principal fator para o sucesso de uma organização é essencial que se escolham ações e estratégias, para atender às exigências do mercado globalizado. Vale ressaltar que a organização atualmente enfrenta dificuldades de efeito grave nos processos atualmente desenvolvidos, todos esses processos encarecem o custo nos mais diversos ramos, como: Telefonia utilizada em alta escala; Cotação dos preços realizada de forma inadequada; Atraso nas entregas pelos fornecedores; Divergência nas informações de entrega; Atraso na entrega do produto final ao cliente; Custos elevados em diversos setores; Dentre outros problemas detalhados no desenvolvimento do trabalho; Os administradores precisam se concentrar nas novas tendências que estabelecem as estratégias lucrativas de negócios no futuro. A mensagem para o mercado é clara: para ter sucesso as empresas têm que reduzir o tempo de processamento de procura, seleção, entrada de pedido e cumprimento do pedido. A segmentação do trabalho está estruturada de forma a demonstrar claramente todo o processo desde a análise realizada até os resultados obtidos com o estudo.

15 15 No segundo capítulo, apresenta-se a fundamentação teórica sobre assuntos pertinentes à logística e a tecnologia da informação como auxílio nos processos modernos para habilitação na nova era tecnológica, bem como para seus benefícios. O terceiro capítulo traz metodologia, descrevendo os materiais e métodos utilizados para a coleta e análise de dados. O quarto capítulo apresenta a empresa num todo, explorando seu perfil de negócio, histórico, dentre outras particularidades da empresa, destacando o processo atual do cotidiano da Nova, demonstrando as dificuldades encontradas. Ainda evidencia a proposta apresentada, demonstrando os benefícios, e particularidades que essa mesma proposta oferece, explicando-se passo a passo todas as atividades correlacionadas à implantação do Portal Eletrônico de Compras. O quinto capítulo busca os resultados obtidos com o estudo realizado, tendo a finalidade de demonstrar este resultado de forma clara e de fácil entendimento sobre as vantagens que o projeto oferece. Por fim, busca-se uma vasta compreensão sobre a adoção deste projeto para a empresa, trazendo muitos benefícios e reduzindo custos, além de dinamizar a empresa e elevá-la com essa tecnologia.

16 16 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capítulo serão abordados os referenciais bibliográficos baseados no tema estudado, onde foram levantadas informações pertinentes ao estudo. Serão abordados os assuntos principais que orientam atividades da Logística, cadeia de suprimentos, setor de compras, comércio eletrônico, e-commerce, pautados e apresentados sistematicamente com a demonstração dos conceitos relevantes da logística nas organizações, face ao crescente ambiente de competitividade, bem como o processo de adoção do portal eletrônico de compras. 2.1 SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS) Segundo Novaes (2007, p. 41) Supply Chain é a integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores iniciais, gerando produtos, serviços e informações que agreguem valor para o cliente. Para Martins e Alt (2006, p. 377): O gerenciamento da cadeia de suprimentos, ou supply chain management, (SCM), nada mais é do que administrar o sistema de logística integrada da empresa, ou seja, o uso de tecnologias avançadas, entre elas gerenciamento de informações e pesquisa operacional, para planejar e controlar uma complexa rede de fatores visando produzir e distribuir produtos e serviços para satisfazer o cliente. Na visão de Cavanha (2001), SCM (Supply Chain Management) é todo esforço envolvido nos processos e atividades empresariais que criam valor na forma de produtos e serviços para o consumidor final, sendo também uma forma integrada de planejar e controlar o fluxo das mercadorias. Em outras palavras, a expressão Supply Chain (cadeia de abastecimento) engloba todos os esforços empenhados na elaboração e na distribuição de um produto ou serviço, desde o primeiro fornecedor até o consumidor final. Como resultado, as empresas melhoram a eficiência e a qualidade de toda a cadeia de suprimentos, maximizando os lucros com níveis ideais de satisfação do cliente.

17 17 Cavanha (2001), explica que, este fluxo deve receber atributos de qualidade, tempo, informação e atendimento, suficientes para que mantenha a menor perda de carga possível ao longo de seu trajeto físico, de informação ou financeiro, sem desperdício, agregando valor ao longo do processo, com o mínimo risco de falta e excesso. O Supply Chain Management tem contribuído de forma efetiva para que as empresas interessadas na obtenção de vantagens competitivas criassem uma visão atualizada dos processos administrativos tradicionais, tornando toda a cadeia produtiva de forma estratégica e integrada Implementando o Conceito de SCM Segundo Fleury, Wanke e Figueiredo (2008), grandes benefícios pode ser obtidos com a utilização do SCM, mas poucas empresas o tem implementado devido a novidade do conceito que é pouco divulgado entre os profissionais e ainda a dificuldade e complexidade de implementação do conceito. Descreve também que SCM requer mudanças radicais, tanto no nível de procedimentos interno quanto no externo no que diz respeito aos parceiros da cadeia de suprimentos. Os componentes da cadeia de suprimentos devem ser preparados para juntos maximizarem seu desempenho e se adaptar a mudanças externas e em outros componentes, onde é necessária uma grande integração entre fornecedor e cliente. (MARTINS; ALT, 2006) Segundo a perspectiva de Ballou (2006), materiais e informações fluem tanto para baixo quanto para cima na cadeia de suprimentos. O gerenciamento da cadeia de suprimentos integra as atividades logísticas de transportes, distribuição, armazenagem, produção e suprimentos com o objetivo de conquistar uma vantagem competitiva sustentável. Para Fleury, Wanke e Figueiredo (2008), alguns processos são considerados chave para o sucesso de implementação do SCM, como: Relacionamento com o cliente; Serviço ao cliente; Administração da demanda; Atendimento de pedidos;

18 18 Administração do fluxo de produção; Compras/ suprimentos; Desenvolvimento de novos produtos. Esses processos têm como objetivos principais desenvolver equipes focadas nos clientes estratégicos, fornecer um ponto único de contato entre todos os clientes para atender de forma eficiente suas requisições atualizando dados para equilibrar a oferta com a demanda, atender pedidos sem erro dentro do prazo estipulado gerenciando relações de parceria com fornecedores para garantir respostas rápidas e buscar o mais cedo possível o envolvimento dos fornecedores no desenvolvimento de novos produtos. A Figura 1 apresenta um modelo esquemático do conceito de SCM com base no gerenciamento de processos. Figura 1 - O modelo de Suplly Chain Management Fonte: Fleury, Wanke e Figueiredo (2008, p. 47) Os autores enfatizam ainda que a cadeia de suprimentos necessita de um canal de informação que conecte todos os participantes. A maioria das grandes empresas possui a tecnologia para fazer a integração só que é utilizada de forma incorreta. O ideal seria que quando o consumidor faz a compra, as informações sejam compartilhadas com todos os participantes da cadeia, ou seja, transportadoras, fabricantes, fornecedores de componentes e de matéria prima. Para Novaes (2007), na implementação do SCM são necessários altos investimentos em informática, já que em muitos casos as empresas possuem sistemas

19 19 autônomos que não conversam entre si e que são utilizados nas atividades rotineiras de operação e de controle. É a tecnologia da informação que possibilitará a integração dos dados e o compartilhamento mais eficiente de informação entre os parceiros da cadeia de valor. Pelo que foi visto anteriormente, fica evidente que a implementação do conceito de SCM exige mudanças significativas tanto nos procedimentos internos quanto nos externos, principalmente no que diz respeito ao relacionamento com clientes e fornecedores. 2.2 LOGÍSTICA O conceito de logística já vinha sendo utilizado desde a década de 40 pelos militares norte-americanos na segunda guerra mundial, conforme Ching (2009). Os generais necessitavam ter uma equipe que deslocasse os suprimentos na hora certa para o campo de batalha seguindo uma determinada estratégia militar, complementa Novaes (2007). Segundo Bowersox e Closs (2001, p. 19), a logística tem como objetivo tornar disponíveis produtos e serviços no local onde serão necessários, no momento em que são desejados. Já Christopher (2008, p. 03) propõe que: Logística é o processo de gerenciamento estratégico da compra, do transporte e da armazenagem de matérias-primas, partes e produtos acabados, além dos fluxos de informação relacionados. Ballou (2006), define a Logística como o processo de planejar, implementar e controlar o fluxo de mercadorias, serviços e informações desde o ponto de origem até o ponto de consumo com objetivo de satisfazer o cliente. Citando Novaes (2007, p, 31) sobre a Logística: No inicio era confundida com o transporte e armazenagem de produtos. Hoje, é o ponto nevrálgico da cadeia produtiva integrada, atuando em estreita consonância com o moderno Gerenciamento da Cadeia de Suprimento (Supply Chain Management). Na Figura 2 é apresentado um quadro resumido contendo os principais elementos conceituais da Logística.

20 20 Figura 2 Elementos Básicos da Logística. Fonte: Novaes (2007, p. 36) Atualmente, o tema Logística é um assunto tão importante que as empresas criaram áreas específicas para seu tratamento. Desenvolveu-se através do tempo, e é na atualidade, um aspecto básico na constante luta para que uma organização se torne uma empresa de primeiro mundo Logística Uma Função Essencial na Empresa Para Ballou (2007), a logística é um assunto vital, ela estuda como a administração pode melhorar o nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores, planejando, organizando e controlando as atividades de movimentação e armazenagem que visam facilitar o fluxo de produtos. É de inteira responsabilidade dos empresários proverem os serviços logísticos necessários se adaptando às exigências do mercado que muda constantemente, assim a logística representa uma nova visão empresarial.

21 21 Quando o ambiente competitivo, segundo Ching (2009), exige das organizações uma maior agilidade e uma procura constante por redução de custos, assim como produtividade e qualidade, a logística assume um papel fundamental nas diversas atividades da empresa, que busca atingir seus objetivos. Já Christopher (2008, p. 11) argumenta que, o gerenciamento logístico tem um potencial para ajudar a organização a obter vantagem de custo e de valor. Adiante veremos como trazer essa função essencial para a empresa, como conceber e preparar a organização para tal mudança A Concepção Logística na Empresa Para Gomes e Ribeiro (2004), o empresário ao inserir a logística em seus negócios deve ter em mente outras três etapas como: Suprimentos com o objetivo de adquirir materiais na quantidade correta, com qualidade e ao menor custo; Administração de produção que define o quanto produzir, o que e para quem; Distribuição que envolve todo o processo de embalagem, movimentação e transporte. Segundo Ching (2009), com a logística as empresas passam a contar com uma ferramenta precisa, que possa medir o desempenho de um bom planejamento no que se refere à distribuição de suas mercadorias, tanto externa, consumidores e fornecedores, quanto interna, fluxo de materiais e armazenamento físico, permitindo a possibilidade de redução de custos e aumentando a competitividade perante aos concorrentes. Ballou (2007), enfatiza que a concepção logística de agrupar conjuntamente as atividades relacionadas ao fluxo de produtos e serviços para administrá-los de forma coletiva, é uma evolução natural do pensamento administrativo. As atividades de transporte, estoque e comunicações iniciaram-se antes mesmo da existência de um comércio ativo entre regiões vizinhas. Hoje, as empresas devem realizar essas mesmas atividades como parte essencial de seus negócios, a fim de atender seus clientes com os bens e serviços que eles desejam.

22 Atividades Logísticas Para Ballou (2007, p. 26) o transporte, a manutenção de estoques e o processamento de pedidos são os principais elementos que contribuem na disponibilidade e a condição física de bens e serviços. Ching (2009, p. 25) define tais atividades chaves em: Transportes: refere-se aos métodos de movimentar os produtos aos clientes: via rodoviário, ferroviário, aeroviário, dutoviário e marítimo. Ballou (2007, p.24) complementa ainda que para a maioria das firmas, o transporte é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em média, de um a dois terços do custo logístico; Manutenção e gestão de estoques: resumidamente Ching (2009, p. 26) diz que dependendo do setor em que a empresa atua e da sazonalidade temporal, é necessário um nível mínimo de estoque que aja como amortecedor entre oferta e demanda. De uma forma mais abrangente Ballou (2007, p. 25) salienta que: enquanto o transporte adiciona valor de lugar ao produto, o estoque agrega valor de tempo ; Processamento de pedidos: sua importância deriva do fato de ser um elemento crítico em termos do tempo necessário para levar bens e serviços aos clientes. É através da administração adequada dessas atividades que a logística empresarial vai atender ao objetivo de proporcionar ao cliente produtos e serviços que satisfaçam suas necessidades. 2.3 COMPRAS Para Viana (2009, p. 26) a atividade de compras tem por finalidade suprir as necessidades da empresa mediante a aquisição de materiais e serviços emanados das solicitações dos usuários, objetivando identificar no mercado as melhores condições comerciais e técnicas. Já para Dias (1993), a função de compras tem por finalidade suprir as necessidades de materiais no momento certo e na quantidade correta, complementa ainda que compras é uma função indispensável na área de matérias entre as demais que compõem o processo de suprimentos.

23 23 Compras envolve a aquisição de matérias-primas, componentes e suprimentos para o conjunto da organização, (BALLOU, 2006). O autor salienta ainda algumas atividades associadas a compras: Selecionar e qualificar fornecedores; Avaliar desempenho de fornecedores; Negociar contratos; Comprar matérias e insumos com menores preços, obedecendo a padrões de qualidade e quantidade; Pesquisar bens e serviços; Programar as compras; Procurar estabelecer uma negociação justa e honesta. Prever mudanças de preços, serviços e, às vezes, da demanda A Função Compras Dias (1993, p. 259) relata que a função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais ou Suprimentos. Acrescenta ainda que um dos parâmetros importante para o bom funcionamento de compras e para alcançar os objetivos é a previsão das necessidades de suprimentos. Martins e Alt (2006, p.82) ainda comentam que: Esses objetivos devem estar alinhados aos objetivos estratégicos da empresa como um todo, visando o melhor atendimento ao cliente externo e interno. Essa preocupação tem tornado a função compras extremamente dinâmica, utilizando-se de tecnologias cada vez mais sofisticadas e atuais como o EDI, a Internet, cartões de crédito e leilões. A evolução da função compras nas organizações mostra que é fundamental a atenção a ser dada a este setor. Atualmente as empresas se preocupam muito com o processo de compras, pois este sendo executado com sucesso pode ser motivo de redução de custos para a empresa. Neste sentido cabe aos responsáveis por tal processo estarem atentos a preço, prazo, volume e qualidade para se beneficiarem da execução eficaz deste processo (DIAS, 1993).

24 24 Martins e Alt (2006, p. 82) afirmam que hoje a função compras é vista como parte do processo de logística das empresas, ou seja, como parte integrante da cadeia de suprimentos (supply chain). Muitas empresas passaram a usar a denominação gerenciamento da cadeia de suprimentos ou simplesmente gerenciamento de suprimentos TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO NA LOGÍSTICA Pode-se conceituar tecnologia de informação (TI), segundo Moura et al (2003), como recursos tecnológicos e computacionais para geração e uso da informação. Para Gomes e Ribeiro (2004, p. 155) a TI é o elo entre todas as atividades e permitem, com as gerencias e equipes, uma interação entre as atividades logísticas. Segundo Fleury, Wanke e Figueiredo (2008, p. 285): O avanço da Tecnologia da Informação nos últimos anos vem permitindo as empresas executar operações que antes eram inimagináveis. Atualmente existem várias empresas que utilizam a TI para obter reduções de custos e vantagens competitivas. Conforme sugere Bowersox e Closs (2001), para as empresas manterem-se competitivas, o papel da infraestrutura de informação deve ser ampliado. Assim, deverão incluir o planejamento, o controle gerencial, a análise de decisão e da integração com a tecnologia da informação visando rapidez e minimizar custos. Um dos fatores mais relevantes ao desenvolvimento dos processos administrativos é a aplicação de tecnologia de informação, proporcionando um grande aumento de eficiência. Tais sistemas abrangem todas as ferramentas que a tecnologia disponibiliza para o controle e gerenciamento do fluxo de informação de uma organização (BALLOU, 2007). Fleury, Wanke e Figueiredo (2008), descrevem que o fluxo de informações tem grande importância nas operações logísticas, pois o gerenciamento eletrônico e a transferência de informações proporcionam uma oportunidade de reduzir custos permitindo o aperfeiçoamento do serviço baseando-se principalmente na melhoria da oferta de informações ao cliente. A tecnologia de informação quando utilizada de maneira adequada, torna-se um diferencial muito importante para as empresas que buscam excelência no atendimento

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

4. As novas tecnologias

4. As novas tecnologias 4. As novas tecnologias É evidente que estamos em uma nova fase do desenvolvimento humano, que deve ser chamada Era da Informação. Não porque nas eras anteriores a informação deixasse de desempenhar seu

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O SANGUE E A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS ( * )

A RELAÇÃO ENTRE O SANGUE E A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS ( * ) A RELAÇÃO ENTRE O SANGUE E A CONTABILIDADE NAS EMPRESAS ( * ) A Contabilidade é o sangue que circula no Sistema Integrado de Gestão. Implanta e integra controles em todos os órgãos da empresa e retorna

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Gestão em Nó de Rede Logística

Gestão em Nó de Rede Logística Gestão em Nó de Rede Logística Armando Oscar Cavanha Filho Com o crescimento das atividades de uma empresa e a sua multiplicação horizontal, ou seja, a repetição de processos semelhantes em diversos pontos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho Sistemas de Produção Administração de Compras José Roberto de Barros Filho Compras e o Planejamento e Controle da Produção Planejamento da Produção nos 3 níveis Planejamento Estratégico da Produção Departamento

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística

1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Habilitação, qualificações e especializações: 1 Habilitação: Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Administração de Logística Carga-Horária: 960 horas 1.2 Objetivo Geral do Curso O curso de Educação

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 15 E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET INTRODUÇÃO As empresas que, de alguma forma, estão envolvidas

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo Comércio Eletrônico 1 A evolução do sistema mercadológico tem exigido das organizações grande esforço para a assimilação e utilização das tecnologias de informação referentes a comércio eletrônico, em

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística?

Logistica e Distribuição. Responsabilidades. O Fluxo do Processamento do Pedido. Mas quais são as atividades da Logística? Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Processamento de Pedidos e Aquisição/Programação de Produtos Primárias Apoio 1 2 Responsabilidades O Fluxo

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais