Equações paramétricas da Reta

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Equações paramétricas da Reta"

Transcrição

1 39 6.Retas e Planos Equações de Retas e Planos Equações da Reta Vamos supor que uma reta r é paralela a um vetor V = a, b, c) não nulo e que passa por um ponto P = x, y, z ). Um ponto P = x, pertence a reta r se, e somente se, o vetor seja, P P é paralelo ao vetor V, isto é, se o vetor P P tv ) para algum real t. De ), vem P P é um múltiplo escalar de V, ou P P tv ou P P tv ) ou, em coordenadas Fig. 6. x, x, y, z ) t a, b, c) 3) Qualquer uma das equações ), ) ou 3) é denominada equação vetorial de r. O vetor V é chamado vetor diretor da reta r e t é denominado parâmetro. Ex.: 6. A reta r que passa por A,,4) e tem direção de V,3,), tem equação vetorial, de acordo com 3): r : x,,,4) t,3,) onde x, representa um ponto qualquer de r. Se desejarmos obter pontos de r, basta atribuir valores para t. Por exemplo, para t, obtém-se r : x,,,4),3,),,4),3,) 3,,6) e, portanto, P 3,,6) r. De forma análoga, para t, obtém-se o ponto P 5,5,8 ) ; para t 3, obtém-se o ponto P 7,8, 3 ) ; de fevereiro de Alex N. Brasil

2 4 para t, obtém-se o próprio ponto A,,4) e assim por diante. Se t assumir todos os valores reais, teremos todos os infinitos pontos da reta. A figura 6. mostra os pontos obtidos com seus correspondentes parâmetros. Fig. 6. Equações paramétricas da Reta Da equação vetorial da reta ou ainda pela condição de igualdade, obtém-se x, x, y, z ) t a, b, c) x, x at, y bt, z ct) x y z x y z at bt ct para todo t R 4) As equações são de uma reta r que passa por um ponto P = x, y, z ) e é paralela ao vetor V = a, b, c). As equações 4) são chamadas equações paramétricas da reta r. O vetor V = a, b, c) é chamado vetor diretor da reta r. O parâmetro t pode ser interpretado como o instante de tempo, se o ponto P = x, descreve o movimento de uma partícula em movimento retilíneo uniforme com vetor velocidade V = a, b, c). Observe que para t =, P = x, = x + a, y + b, z + c), para t =, P = x, = x + a, y + b, z + c) e assim por diante. As equações 4), podem ser reescritas como x, x at, y bt, z ct). Obs.: Não faz sentido dizer que o vetor está contido na reta. Por um lado, a reta é um conjunto de pontos e por outro um vetor não tem posição fixa. Fig. 6.3 reta paralela ao vetor V a, b, c) de fevereiro de Alex N. Brasil

3 4 Ex.: 6. A reta que passa por P =,, 3) e é paralela ao vetor V = 4, 5, - 7) tem equações paramétricas x y z 3 4t 5t 7t para todo t R Equações Simétricas da Reta Se todas componentes do vetor diretor da reta r são não nulos, podemos resolver cada equação em 4) para t e igualar os resultados obtendo o que chamamos de equações na forma simétrica de r: x x y y z z a b c 5) No exemplo 6.) as equações de r na forma simétrica são: x y z Fig. 6.4 reta que passa pelos pontos x, y, ) P e P x, y, ) z z Ex.: 6.3 Vamos encontrar as equações paramétricas da reta r que passa pelos pontos P =, 4, - ) e P = 5,, 7). O vetor P P 5, 4,7 )) 3, 4,8) é paralelo a r e o ponto P =, 4, - ) pertence a r. Portanto, as equações paramétricas de r são x y z 4 3t 4t 8t para todo t R de fevereiro de Alex N. Brasil

4 4 Podemos também encontrar a interseção da reta r com os planos coordenados x yz e xz. A equação do plano xy é z =, do plano yz é x = e do plano xz é y =. Substituindo z = nas equações de r, obtemos t 8, x 9 8 e y 7 ou seja, o ponto de interseção de r com o plano xy é x, = 9/8, 7/, ). De forma análoga, encontramos que x,, 3, 9 3) é o ponto de interseção de r com o plano yz e x, = 5,, 7) é o ponto de interseção de r com o plano xz. Fig. 6.5 reta interseção de dois planos Equação do Plano Existe uma analogia entre uma reta no plano e um plano no espaço. No plano, a equação de uma reta é determinada se forem dados sua inclinação e um de seus pontos. No espaço, a inclinação de um plano é dada por um vetor perpendicular a ele e a equação de um plano é determinada se são dados um vetor perpendicular a ele e um de seus pontos. Fig. 6.6 plano perpendicular a N a,b,c) e que passa por P o x o,y o,z o ) Proposição A equação de um plano que passa por um ponto P = x, y, z ) e é perpendicular ao vetor N = a, b, c) é onde d ax by cz ) ax by cz d, 6) A equação 6) é chamada equação geral do plano e o vetor N é chamado vetor normal do plano. de fevereiro de Alex N. Brasil

5 43 Demonstração Um ponto P = x, pertence ao plano se, e somente se, o vetor perpendicular ao vetor N, ou seja, P P for z N P P 7) Como, P P x x, y y, z ), a equação 7) pode ser reescrita como ou seja, a x x ) b y y ) c z z ), ax by cz ax by cz ). Ex.: 6.4 Vamos encontrar a equação do plano que passa pelo ponto P = 3, -, 7) e é perpendicular ao vetor N = 4,, - 5). Da proposição anterior, a equação do plano é da forma ax + by + cz + d =, onde os coeficientes de x, y e z são as componentes do vetor normal, ou seja, a = 4, b = e c = - 5. Assim, a equação de é da forma 4x + y - 5z + d =. Para determinar o coeficiente d, basta usarmos o fato de que P = 3, -, 7) pertence a e um ponto P = x, pertence a se, e somente se, ele satisfaz a sua equação, ou seja, ) d =. De onde tiramos que d = = 5. Finalmente, a equação do plano é 4x + y - 5z + 5 =. No plano, a equação de uma reta é determinada se forem dados dois pontos da reta. Analogamente, no espaço, a equação de um plano é determinada se são dados três pontos P, P e P não alinhados. Com os três pontos podemos formar os vetores P P e P P. E o produto vetorial P P P P é perpendicular ao plano, ou seja, é um vetor normal ao plano. Assim, podemos tomar N P P P P. Desta forma temos um ponto do plano e um vetor normal ao plano e aplicamos a técnica do exemplo anterior. A outra é observando que temos três vetores paralelos ao plano: P P x x, y y, z z ), P P e P P. Como vimos anteriormente, os três vetores são coplanares se, e somente se, o produto misto entre eles é zero, ou seja, x x y y z z P P P P P P ) det x x y y z z, 8) x x y y z z de fevereiro de Alex N. Brasil

6 44 Fig. 6.7 plano que passa por três pontos onde x x, y y, z z ) P P e x x, y y, z z ) P P. Assim, um ponto P x, pertence a um plano e P x, y, ), P x, y, ) e z z P x, y, z ) não colineares) se, e somente se, a equação 8) é verdadeira. Isto pode ser usado para determinar a equação de um plano como mostra o próximo exemplo. Ex.: 6.5 Vamos encontrar a equação do plano que passa pelos pontos P,, ), P,3,) e P 3 3,,). Com os três pontos podemos formar os vetores P P e P. Pela proposição anterior um ponto P x, z ) pertence a se, e somente se, P 3 Mas, P P P P P P ) 3. P P x, y, z )), P,, ), P, 3,3). Então, a equação do plano é P P 3 x det y 3 z 9 x ) y ) 5 z ) 9x y 5z 6. 3 Alternativamente, podemos encontrar a equação do plano da seguinte forma. O vetor N P P P P3 9,, 5) é um vetor normal ao plano. Assim, a equação do plano é da forma 9x y 5z d onde os coeficientes x, y e z são as componentes do vetor N. Para determinar o coeficiente d, vamos usar o fato de que o ponto P,, ) pertence ao plano. Mas, o ponto P pertence a se, e somente se, as suas coordenadas satisfazem a equação de, ou seja, 9 5 ) d. De onde tiramos que d Finalmente, a equação do plano é 9x y 5z 6. de fevereiro de Alex N. Brasil

7 45 A equação do plano também é determinada se ao invés de serem dados três pontos, forem dados um ponto P e dois vetores paralelos ao plano, V v, v, ) e v3 W w, w, w3 ), desde que eles sejam não paralelos entre si. Neste caso temos novamente pelo menos duas maneiras de encontrarmos a equação do plano. Uma delas é observando que o vetor N V W é um vetor normal ao plano. A outra é observando que temos três vetores paralelos ao plano: P P x x, y y, z z ), V e W. Como vimos anteriormente, os três vetores são coplanares se, e somente se, o produto misto entre eles é zero, ou seja, x x y y z z P P V W ) det v v v3. 9) w w w3 Assim, um ponto P x, pertence a um plano que passa pelo ponto P x, y, z ) e é paralelo aos vetores V v, v, v3 ) e W w, w, w3 ) não paralelos) se, e somente se, a equação 9) é verdadeira. Obs.: Não faz sentido dizer que um vetor pertence a um plano. Pois, por um lado, um plano é um conjunto de pontos e por outro, os vetores são livres, podem ser colocados em qualquer ponto. O correto é dizer que um vetor é paralelo a um plano. Equação Vetorial e Equações Paramétricas do Plano Seja A x, y, ) um ponto pertencente a um z a, b, c plano e U ) e V a, b, c ) figura 6.8), porém U e V não paralelos. Para todo ponto P do plano, os vetores AP, U e V são coplanares. Um ponto P x, pertence a se, e somente se, existem números reais h e t tais que Fig. 6.8 ou ou, em coordenadas P A hu tv P A hu tv x, x, z ) h a, b, c) t a, b, c ), h, t R ) Esta equação é denominada equação vetorial do plano. Os vetores U e V são vetores diretores de. de fevereiro de Alex N. Brasil

8 46 x y z x y z a h b h c h a b t c t t, h, t R ) Estas equações são chamadas equações paramétricas do plano e, h e t são variáveis auxiliares denominadas parâmetros. Fig. 6.9 plano ax d Fig. 6. plano cz d Fig. 6. plano by d Fig. 6. plano ax by d Fig. 6.3 plano ax cz d Fig. 6.4 plano by cz d Fig. 6.5 plano by cz ax Fig. 6.6 plano ax by cz d de fevereiro de Alex N. Brasil

9 47 Ângulos, Distâncias e Posições Relativas Ângulo entre Retas Com duas retas no espaço pode ocorrer um dos seguintes casos: a) As retas se interceptam em um ponto; b) As retas são paralelas ou coincidentes); c) As retas são reversas, ou seja, não são paralelas mas também não se interceptam. Fig. 6.7 ângulo entre duas retas reversas r e r Se as retas se interceptam, então elas determinam quatro ângulos, dois a dois opostos pelo vértice. O ângulo entre elas é definido como sendo o menor destes ângulos. Se as retas r e r são reversas, então por um ponto P de r passa uma reta r ' que é paralela a r. O ângulo entre r e r é definido como sendo o ângulo entre r e r ' figura 6.7). Se as retas são paralelas o ângulo entre elas é igual a zero. Em qualquer dos casos, se V e V são vetores paralelos a r e r respectivamente, então o cosseno do ângulo entre elas é onde é o ângulo entre V e V. cosr, r ) = cos, Lembrando que da definição de produto escalar, podemos encontrar o cosseno do ângulo entre dois vetores, ou seja, V V cos V V, com. ) Proposição Sejam duas retas r : x y z x y z ta tb tc x x ta r : y y tb para todo t R. z z tc O cosseno do ângulo entre r e r é cos r, r V V ) cos, V V onde V a, b, ) e V a, b, ). c c de fevereiro de Alex N. Brasil

10 48 Ex.: 6.6 Encontrar o ângulo entre a reta e a reta x y z r : x y z x t r : y t para qualquer t R. z 3t Vamos encontrar vetores paralelos a estas retas. A reta r é dada como a interseção de pois planos, portanto o produto vetorial dos vetores normais dos dois planos é paralelo a r. N =,, - ), N =, -, ), i j k V N N det i j k k j i, 3, 3) é paralelo a r e V =, -, 3) é paralelo a r. Assim, V V 3) ) 3) 3 6 cos r, r ) V V 3) 3) ) Portanto, o ângulo entre r e r é arccos 7 67º. Ângulo entre Planos Dois planos e ou são paralelos ou se cortam segundo uma reta. Caso eles sejam paralelos, os vetores normais N = a, b, c ) e N = a, b, c ) de e respectivamente, são paralelos, portanto um é um múltiplo escalar do outro. Caso os planos não sejam paralelos, o ângulo entre eles é definido como o ângulo entre duas retas perpendiculares a eles, ou seja, é o ângulo positivo cujo cosseno é, cos cos, onde é o ângulo entre os vetores normais N = a, b, c ) e N = a, b, c ) de e, respectivamente figura 6.8). de fevereiro de Alex N. Brasil

11 49 Portanto, o cosseno do ângulo entre e é prova o resultado seguinte. N N cos, ). O que N N Proposição Sejam dois planos : : a x a x b y b y c z c z d d,. O cosseno do ângulo entre e é N N cos ) com N N onde N = a, b, c ) e N = a, b, c ) são os vetores normais de e, respectivamente. Fig. 6.8 ângulo entre dois planos Obs.: Chama-se ângulo entre dois planos e o menor ângulo que um vetor normal a forma com um vetor normal. Ex.: 6.7 Determinar o ângulo entre os planos cujas equações são : : x x y y z z Os vetores normais a estes planos são os vetores cujas componentes são os coeficientes de x, y e z nas equações dos planos, ou seja, N =,, ) e N =, -, - ). Assim, o cosseno do ângulo entre e é N N cos ) N N ) ) ) ) Portanto, o ângulo entre eles é arccos 7º. 3 de fevereiro de Alex N. Brasil

12 5 Distância entre Dois Pontos Dados os pontos P x, y, ) e P x, y, ), a distância d entre eles é P P. z z Como tem-se P P P z P x x, y z ) dist P, P ) x x) y y) z 3) Ex.: 6.8 Calcular a distância entre P,,3) e P,,5 ). Como P P P P,,5 3),,) De acordo com 3) tem-se dist P, P ) ) ) ) 9 3u.c. unidades de comprimento) Distância de Um Ponto a Um Plano Sejam P = x, y, z ) um ponto qualquer e : ax + by + cz + d = um plano. A distância de P a é definida como sendo a distância de P até o ponto de mais próximo de P. Dado um ponto P = x, y, z ) de, podemos decompor o vetor P P em duas parcelas, uma na direção do vetor normal de, N = a, b, c) e outra perpendicular a ele. A componente na direção do vetor N é a projeção ortogonal de P P em N. Como vemos na figura 6.9, a distância de P a é igual a norma da projeção, ou seja, dist P, ) proj P P. N Mas, pela proposição vista no capítulo anterior, temos que proj N P P P P N N N P P N. N Fig. 6.9 distância de um ponto P a um plano O que prova o resultado seguinte. de fevereiro de Alex N. Brasil

13 5 Proposição Sejam P = x, y, z ) um ponto qualquer e : ax + by + cz + d = um plano. A distância de P a é dist P, ) proj N P P N P P N ax dist P, ) by cz d onde N = a, b, c) e P = x, y, z ) é a b c um ponto de isto é, um ponto que satisfaz a equação de ). Observemos que a expressão ax by cz d se obtém substituindo x, y e z no primeiro membro da equação geral de pelas coordenadas do ponto P. Ex.: 6.9 Calcular a distância do ponto P 4,, 3) ao plano : x 3y 6z 3. 4) 3) 6 3) dist P, ) 3 6) Distância de Um Ponto a Uma Reta Sejam P = x, y, z ) um ponto qualquer e r uma reta. A distância de P a r é definida como a distância de P ao ponto de r mais próximo de P. Dado um ponto qualquer P = x, y, z ) de r podemos decompor o vetor P P em duas parcelas, uma na direção do vetor diretor V de r e outra perpendicular a ele. A componente na direção do vetor V é a projeção ortogonal de P em V. Como vemos na figura 6., P P P V dist P, r) V Fig. 6. distância de um ponto P a uma reta r de fevereiro de Alex N. Brasil

14 5 Proposição Sejam P = x, y, z ) um ponto qualquer e r x x ta : y y tb para todo t R z z tc uma reta. A distância de P a r é P P V dist P, r) V onde V = a, b, c) é um vetor diretor e P = x, y, z ) é um ponto da reta r. Ex.: 6. Calcular a distância do ponto P =, -, ) à reta r x t : y t para todo t R z 3t Um vetor diretor da reta r é V =, -, - 3) e um ponto de r é P =,, ). Assim, P = -, - -, - ) =, -, ), P P V = 3,, ), P Portanto, P P V 3 e V 4. P P V 3 dist P, r). V 4 Distância entre Dois Planos Sejam dois planos e quaisquer. A distância entre e é definida como a menor distância entre dois pontos, um de e outro de. Se os seus vetores normais não são paralelos, então os planos são concorrentes e neste caso a distância entre eles é zero. Se os seus vetores normais são paralelos, então os planos são paralelos ou coincidentes) e a distância entre e é igual a distância entre um ponto Fig. 6. distância entre dois planos de fevereiro de Alex N. Brasil

15 53 de um deles, por exemplo P de, e o ponto de, mais próximo de P figura 6.). Mas, esta distância é igual a distância de P a. Vamos ver isto em um exemplo. Ex.: 6. Os planos : x + y - z - 3 = e : x + 4y - 4z - 7 = são paralelos, pois os seus vetores normais N =,, - ) e N =, 4, - 4) são paralelos um é múltiplo escalar do outro). Vamos encontrar a distância entre eles. Vamos encontrar dois pontos quaisquer de cada um deles. Fazendo z = e y = em ambas as equações obtemos x = 3 e x = 7/. Assim, P = 3,, ) pertence a e P = 7/,, ) pertence a. Portanto, temos que P P N dist, ) dist, P ) proj N P P N 7 3,, ),, ) ) ). ) 9 6 Distância entre Duas Retas Sejam r e r duas retas quaisquer. A distância entre r e r é definida como a menor distância entre dois pontos, um de r e outro de r. Para calcular a distância entre duas retas, vamos dividir em dois casos: a) Se os vetores diretores são paralelos, então as retas r e r são paralelas ou coincidentes). Neste caso, a distância entre elas é igual a distância entre um ponto de r e a reta r, ou vice-versa, entre um ponto de r e a reta r figura 6.). Assim, temos que dist r, r Fig. 6. distância entre duas retas paralelas P P V ) dist P, r ), V onde P e P são pontos de r e r e V e V são vetores diretores de r e r, respectivamente. de fevereiro de Alex N. Brasil

16 54 b) Se os vetores diretores não são paralelos, então elas são reversas ou concorrentes. Os dois casos podem ser resolvidos da mesma forma. Estas retas definem dois planos paralelos que podem ser coincidentes, no caso em que elas são concorrentes). Um é o plano que contém r e é paralelo a r, vamos chamá-lo de. O outro, contém r e é paralelo a r,. O Fig. 6.3 distância entre duas retas reversas vetor N = V x V, é normal ou perpendicular) a ambos os planos, onde V e V são os vetores diretores de r e r respectivamente. Assim, a distância entre as retas é igual a distância entre estes dois planos figura 6.3), ou seja, dist r, r P P N P P V V ) ) dist, ) dist, P ) N V V onde P e P são pontos de r e r e V e V são vetores diretores de r e r, respectivamente. Observe que se as retas são concorrentes a distância entre elas é zero, pois os vetores P P, V e V são coplanares e P. V x V ) =. P Ex.: 6. Vamos determinar a distância entre as retas e x y z r :. 4 6 x t r : y t para todo t R. z 3t As retas são paralelas, pois seus vetores diretores V = 4, -, - 6) e V =, -, - 3) exemplo 6.) são paralelos um é um múltiplo escalar do outro, ou ainda as componentes correspondentes são proporcionais). Além disso, o ponto P =, -, ) pertence à reta r. Como dissemos acima, a distância de r a r é igual à distância entre um ponto de r e a reta r figura 6.). Assim, temos que P P V 3 dist r, r ) dist r, P ). V 4 As contas são as mesmas do exemplo 6.. de fevereiro de Alex N. Brasil

17 55 Ex.: 6.3 Determinar a distância entre as retas e x y r : z. 3 x t r : y t para todo t R. z t As retas r e r são paralelas aos vetores V = 3,, ) e V =,, - ) e passam pelos pontos P = -,, ) e P =,, ), respectivamente. As retas não são paralelas, pois seus vetores diretores não são paralelos observe que a ª componente de V é 3 vezes a ª componente de V, mas as ª's componentes são iguais). Logo, P = - - ), -, - ) =, -, ). P Um vetor perpendicular a ambas as retas é N = V x V = - 4, 4, 4). Este vetor é normal aos planos que contém r e é paralelo a r ) e que contém r e é paralelo a r ) veja afigura 6.3). Assim, dist r, r ) dist, ) dist, P P P N 4) ) ) N 4) Exercícios Numéricos. Dado o ponto A =, 3, -4) e o vetor v =, -, 3), pede-se: a) Encontrar a equação vetorial da reta r que passa por A e tem a direção de v ; b) Encontrar os dois pontos B e C de r de parâmetros t = e t = 4, respectivamente; c) Determinar o ponto r cuja abscissa é 4; d) Verificar se os pontos D = 4, -, ) e E = 5, -4, 3) pertencem a r; e) Determinar para que valores de m e n o ponto F = m, 5, n) pertence a r; f) Escrever equações paramétricas da reta s que passa por G = 5,, -4) e é paralela a r; g) Escrever equações paramétricas da reta t que passa por A e é paralela ao eixo dos y. R.: a) x,,3, 4) t,,3) ; b) B 3,, ), C 6, 5,8) r; c) 4,,) ; d) D r e E r; e) m, n 7 ; f) x 5 t s : y t ; g) z 4 3t x t : y 3 t. z 4 de fevereiro de Alex N. Brasil

18 56. Escrever equações paramétricas da reta r que passa por A = 3, -, -) e B =,, 4). R.: r: x 3 t y 3t z 6t 3. Os vértices de um triângulo são os pontos A,,3 ), B,,4 ) e C 3,, ). Obter as equações vetoriais dos lados AB e AC, e da reta r que contém a mediana relativa ao vértice B. R.: x 3t AB : y z 3 t AC x 4t : y t, z 3 4t x t r : y t z 4 3t 4. Calcular o ângulo entre as retas r : x 3 t y t z t e r : x y 3 z R.: rad 6º 3 5. Obter uma equação geral do plano que passa pelo ponto A,,3) N 3,, 4) como um vetor normal. e tem R.: 3x y 4z 8 x 5 3t 6. A reta r : y 4 t é ortogonal ao plano que passa pelo ponto A =,, -). z t Determinar a equação geral do plano e representá-lo graficamente. R.: 3x y z 6 7. Encontre as equações da reta que passa pelo ponto Q =,, ) e é perpendicular ao plano x y z R.: x,,,) t,,) 8. Determinar o ângulo entre os planos : x y z 3 e : x y 4. R.: rad 3º 6 de fevereiro de Alex N. Brasil

19 57 Exercícios usando o MATLAB >> V=[v,v,v3] cria um vetor V, usando as componentes numéricas v, v, v3. Por exemplo >> V=[,,3] cria o vetor V =,, 3); >> V+W é a soma de V e W; >> V-W é a diferença V menos W; >> num*v é o produto do vetor V pelo escalar num; >> subsexpr,x,num,) substitui x por num na expressão expr; >> solveexpr) determina a solução da equação expr=; >> box desenha uma caixa em volta de uma figura. Comandos do pacote GAAL: >> nov) calcula a norma do vetor V. >> pev,w) calcula o produto escalar do vetor V pelo vetor W. >> pvv,w) calcula o produto vetorial do vetor V pelo vetor W. Comandos gráficos do pacote GAAL: >> linp,v) desenha a reta que passa por P com direção V. >> linp,v,p,v) desenha retas que passam por P, P, direções V, V. >> planp,n) desenha o plano que passa por P com normal N. >> planp,n,p,n) desenha planos que passam por P, P, normais N, N. >> planp,n,p,n,p3,n3) desenha planos que passam por P, P e P3 com normais N, N e N3. >> poplanp,p,n) desenha ponto P e plano passando por P com normal N. >> polinep,p,v) desenha ponto P e reta passando por P com direção V. >> lineplanp,v,p,n) desenha reta passando por P com direção V e plano passando por P com normal N. >> axiss reescala os eixos com a mesma escala. >> rota faz uma rotação em torno do eixo z. Observação Importante: Digite no prompt demog, sem a vírgula!). Esta função demonstra as funções gráficas para visualização de retas e planos. de fevereiro de Alex N. Brasil

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA (UFCG- CUITÉ)

ÁLGEBRA VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA (UFCG- CUITÉ) P L A N O S PARALELOS AOS EIXOS E AOS PLANOS COORDENADOS Casos Particulares A equação ax + by + cz = d na qual a, b e c não são nulos, é a equação de um plano π, sendo v = ( a, b, c) um vetor normal a

Leia mais

O Plano. Equação Geral do Plano:

O Plano. Equação Geral do Plano: O Plano Equação Geral do Plano: Seja A(x 1, y 1, z 1 ) um ponto pertencente a um plano π e n = (a, b, c), n 0, um vetor normal (ortogonal) ao plano (figura ao lado). Como n π, n é ortogonal a todo vetor

Leia mais

Capítulo 4. Retas e Planos. 4.1 A reta

Capítulo 4. Retas e Planos. 4.1 A reta Capítulo 4 Retas e Planos Neste capítulo veremos como utilizar a teoria dos vetores para caracterizar retas e planos, a saber, suas equações, posições relativas, ângulos e distâncias. 4.1 A reta Sejam

Leia mais

GEOMETRIA ANALÍTICA II

GEOMETRIA ANALÍTICA II Conteúdo 1 O PLANO 3 1.1 Equação Geral do Plano............................ 3 1.2 Determinação de um Plano........................... 7 1.3 Equação Paramétrica do Plano........................ 11 1.4 Ângulo

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA. 01) Dados os vetores e, determine o valor da expressão vetorial. Resp: A=51

LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA. 01) Dados os vetores e, determine o valor da expressão vetorial. Resp: A=51 1 LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA 01) Dados os vetores e, determine o valor da expressão vetorial. A=51 02) Decomponha o vetor em dois vetores tais que e, com. 03) Dados os vetores, determine

Leia mais

Planos e Retas. Equações do Plano e da Reta. Anliy Natsuyo Nashimoto Sargeant José Antônio Araújo Andrade Solange Gomes Faria Martins

Planos e Retas. Equações do Plano e da Reta. Anliy Natsuyo Nashimoto Sargeant José Antônio Araújo Andrade Solange Gomes Faria Martins Planos e Retas Uma abordagem exploratória das Equações do Plano e da Reta Anliy Natsuyo Nashimoto Sargeant José Antônio Araújo Andrade Solange Gomes Faria Martins Na geometria, um plano é determinado se

Leia mais

Resolução do exemplo 8.6a - pág 61 Apresente, analítica e geometricamente, a solução dos seguintes sistemas lineares.

Resolução do exemplo 8.6a - pág 61 Apresente, analítica e geometricamente, a solução dos seguintes sistemas lineares. Solução dos Exercícios de ALGA 2ª Avaliação EXEMPLO 8., pág. 61- Uma reta L passa pelos pontos P 0 (, -2, 1) e P 1 (5, 1, 0). Determine as equações paramétricas, vetorial e simétrica dessa reta. Determine

Leia mais

. B(x 2, y 2 ). A(x 1, y 1 )

. B(x 2, y 2 ). A(x 1, y 1 ) Estudo da Reta no R 2 Condição de alinhamento de três pontos: Sabemos que por dois pontos distintos passa uma única reta, ou seja, dados A(x 1, y 1 ) e B(x 2, y 2 ), eles estão sempre alinhados. y. B(x

Leia mais

Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici

Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici 3 R E TA S E P L A N O S Dando continuidade ao nosso estudo sobre lugares geométricos e suas equações, vamos nos concentrar agora no estudo de dois elementos geométricos fundamentais da geometria as retas

Leia mais

Capítulo 7. 1. Bissetrizes de duas retas concorrentes. Proposição 1

Capítulo 7. 1. Bissetrizes de duas retas concorrentes. Proposição 1 Capítulo 7 Na aula anterior definimos o produto interno entre dois vetores e vimos como determinar a equação de uma reta no plano de diversas formas. Nesta aula, vamos determinar as bissetrizes de duas

Leia mais

Aula 9. Superfícies de Revolução. Seja C uma curva e r uma reta contidas num plano π.

Aula 9. Superfícies de Revolução. Seja C uma curva e r uma reta contidas num plano π. Aula 9 Superfícies de Revolução Seja C uma curva e r uma reta contidas num plano π. Fig. 1: Superfície de revolução S, geratriz C e eixo r contidos no plano π A superfície de revolução S de geratriz C

Leia mais

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que Capítulo 11 1. Equações da reta no espaço Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que AP = t AB Fig. 1: Reta r passando por A e B. Como o ponto

Leia mais

2.1 Equações do Plano

2.1 Equações do Plano 2.1 Equações do Plano EXERCÍCIOS & COMPLEMENTOS 2.1 1. Classi que as a rmações em verdadeiras V) ou falsas F), justi cando cada resposta. a) ) Um ponto A x; y; z) pertence ao eixo z se, e somente se, x

Leia mais

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira:

Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira: Aula 1 1. Ângulo entre duas retas no espaço Definição 1 O ângulo (r1, r ) entre duas retas r1 e r se define da seguinte maneira: (r1, r ) 0o se r1 e r são coincidentes, Se as retas são concorrentes, isto

Leia mais

Lista 3: Geometria Analítica

Lista 3: Geometria Analítica Lista 3: Geometria Analítica A. Ramos 25 de abril de 2017 Lista em constante atualização. 1. Equação da reta e do plano; 2. Ângulo entre retas e entre planos. Resumo Equação da reta Equação vetorial. Uma

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA PRODUTO DE VETORES PRODUTO ESCALAR

LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA PRODUTO DE VETORES PRODUTO ESCALAR LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOMETRIA ANALÍTICA PRODUTO DE VETORES PRODUTO ESCALAR 9) Sendo u = ( ) e v = ( ). Calcular: a) u v b) (u v ) c)(u + v ) d) (u v ) e) (u - v )(u + v ) a) 9 b)8 c)9 d)66 e) f) 8 )Sendo

Leia mais

Da aula passada... Posição relativa entre duas retas no espaço: { paralelas concorrentes COPLANARES. NÃO COPLANARES = reversas

Da aula passada... Posição relativa entre duas retas no espaço: { paralelas concorrentes COPLANARES. NÃO COPLANARES = reversas Simulados Na semana passada foi divulgado o primeiro simulado de gaal: vetores e produto escalar. Hoje será divulgado o segundo simulado: retas, planos e produto vetorial. Procure Monitoria GAAL 2013/1

Leia mais

MATEMÁTICA (11º ano) Exercícios de Exames e Testes Intermédios Equações de retas e planos

MATEMÁTICA (11º ano) Exercícios de Exames e Testes Intermédios Equações de retas e planos MATEMÁTICA (11º ano) Exercícios de Exames e Testes Intermédios Equações de retas e planos 1 Seja um número real. Considere, num referencial o.n., a reta e o plano definidos, respetivamente, por e Sabe-se

Leia mais

MATRIZ - FORMAÇÃO E IGUALDADE

MATRIZ - FORMAÇÃO E IGUALDADE MATRIZ - FORMAÇÃO E IGUALDADE 1. Seja X = (x ij ) uma matriz quadrada de ordem 2, onde i + j para i = j ;1 - j para i > j e 1 se i < j. A soma dos seus elementos é igual a: 2. Se M = ( a ij ) 3x2 é uma

Leia mais

1 - RECORDANDO 2 - CENTRO NA ORIGEM 3 - EQUAÇÃO GERAL DA CIRCUNFERÊNCIA. Exercício Resolvido 2: Exercício Resolvido 1: Frente I

1 - RECORDANDO 2 - CENTRO NA ORIGEM 3 - EQUAÇÃO GERAL DA CIRCUNFERÊNCIA. Exercício Resolvido 2: Exercício Resolvido 1: Frente I Matemática Frente I CAPÍTULO 22 EQUAÇÕES DA CIRCUNFERÊNCIA 1 - RECORDANDO Até agora, o nosso foco principal foi as retas: calculamos as equações geral e reduzida de uma reta, a interseção entre duas retas,

Leia mais

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ

INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA 2ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO PROF. ILYDIO PEREIRA DE SÁ INSTITUTO E PLIÇÃO FERNNO RORIGUES SILVEIR 2ª SÉRIE O ENSINO MÉIO PROF. ILYIO PEREIR E SÁ Geometria Espacial: Elementos iniciais de Geometria Espacial Introdução: Geometria espacial (euclidiana) funciona

Leia mais

1.10 Sistemas de coordenadas cartesianas

1.10 Sistemas de coordenadas cartesianas 7 0 Sistemas de coordenadas cartesianas Definição : Um sistema de coordenadas cartesianas no espaço é um v v conjunto formado por um ponto e uma base { } v3 Indicamos um sistema de coordenadas cartesianas

Leia mais

UNIVERSITÁRIO DE SINOP CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSITÁRIO DE SINOP CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Exercícios propostos: aulas 01 e 02 GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO GA - LISTA DE EXERCÍCIOS 001 1. Calcular o perímetro do triângulo ABC, sendo dado A = (2, 1), B = (-1, 3) e C = (4, -2). 2. Provar que

Leia mais

NOTAÇÕES. : distância do ponto P à reta r : segmento de extremidades nos pontos A e B

NOTAÇÕES. : distância do ponto P à reta r : segmento de extremidades nos pontos A e B R C i z Rez) Imz) det A tr A : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos : unidade imaginária: i = 1 : módulo do número z C : parte real do número z C : parte imaginária do número z C

Leia mais

6. Calcular as equações paramétricas de uma reta s que passa pelo ponto A(1, 1, 1) e é ortogonal x 2

6. Calcular as equações paramétricas de uma reta s que passa pelo ponto A(1, 1, 1) e é ortogonal x 2 Lista 2: Retas, Planos e Distâncias - Engenharia Mecânica Professora: Elisandra Bär de Figueiredo x = 2 + 2t 1. Determine os valores de m para que as retas r : y = mt z = 4 + 5t sejam: (a) ortogonais (b)

Leia mais

Geometria Diferencial de Curvas Espaciais

Geometria Diferencial de Curvas Espaciais Geometria Diferencial de Curvas Espaciais 1 Aceleração tangencial e centrípeta Fernando Deeke Sasse Departamento de Matemática CCT UDESC Mostremos que a aceleração de uma partícula viajando ao longo de

Leia mais

FUNÇÃO QUADRÁTICA. Resumo

FUNÇÃO QUADRÁTICA. Resumo 01 / 08 / 12 FUNÇÃO QUADRÁTICA 1. Definição Resumo Função do 2º grau ou função quadrática é a função f: R R definida por f(x) = ax² + bx + c, com a, b, c reais e a 0. Em que a é o coeficiente de x²; b

Leia mais

Assunto: Estudo do ponto

Assunto: Estudo do ponto Assunto: Estudo do ponto 1) Sabendo que P(m+1;-3m-4) pertence ao 3º quadrante, determine os possíveis valores de m. resp: -4/3

Leia mais

Aula 5 Equações paramétricas de retas e planos

Aula 5 Equações paramétricas de retas e planos Aula 5 Equações paramétricas de retas e planos MÓDULO 1 - AULA 5 Objetivo Estabelecer as equações paramétricas de retas e planos no espaço usando dados diversos. Na Aula 3, do Módulo 1, vimos como determinar

Leia mais

Lista de Exercícios 02: Reta, Plano, Cônicas e Quádricas

Lista de Exercícios 02: Reta, Plano, Cônicas e Quádricas Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Centro de Ciências e Tecnologias Agroalimentar - CCTA Unidade Acadêmica de Ciências e Tecnologia Ambiental - UACTA Disciplina: Geometria Analítica e Álgebra

Leia mais

Geometria Analítica. Prof Marcelo Maraschin de Souza

Geometria Analítica. Prof Marcelo Maraschin de Souza Geometria Analítica Prof Marcelo Maraschin de Souza Disciplina Aulas: Segunda-feira e terça-feira: 8:00 até 9:50 Avaliações: listas de exercícios e três provas; Sala: 222; Livros. Conteúdos Plano de Ensino

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano 2015-2 a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano 2015-2 a Fase Prova Escrita de MATEMÁTICA A - o Ano 205-2 a Fase Proposta de resolução GRUPO I. O valor médio da variável aleatória X é: µ a + 2 2a + 0, Como, numa distribuição de probabilidades de uma variável aleatória,

Leia mais

Prof. Fernando Carneiro Rio de Janeiro, Outubro de 2015

Prof. Fernando Carneiro Rio de Janeiro, Outubro de 2015 Ga - retas e planos na solução de problemas 1 GA - Retas e planos na solução de problemas Prof. Fernando Carneiro Rio de Janeiro, Outubro de 2015 1 Reta concorrente a duas retas dadas Este tipo de problema

Leia mais

b) 1, 0. d) 2, 0. Página 1 de 10

b) 1, 0. d) 2, 0.  Página 1 de 10 Retas: Paralelas, Perpendiculares, Inequações de retas, Sistema de inequações de retas, Distância entre ponto e reta e Distância entre duas retas paralelas. 1. (Insper 014) No plano cartesiano da figura,

Leia mais

6.2. Volumes. Nesta seção aprenderemos a usar a integração para encontrar o volume de um sólido. APLICAÇÕES DE INTEGRAÇÃO

6.2. Volumes. Nesta seção aprenderemos a usar a integração para encontrar o volume de um sólido. APLICAÇÕES DE INTEGRAÇÃO APLICAÇÕES DE INTEGRAÇÃO 6.2 Volumes Nesta seção aprenderemos a usar a integração para encontrar o volume de um sólido. SÓLIDOS IRREGULARES Começamos interceptando S com um plano e obtemos uma região plana

Leia mais

CINEMÁTICA DO PONTO MATERIAL

CINEMÁTICA DO PONTO MATERIAL 1.0 Conceitos CINEMÁTICA DO PONTO MATERIAL Cinemática é a parte da Mecânica que descreve os movimentos. Ponto material é um corpo móvel cujas dimensões não interferem no estudo em questão. Trajetória é

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE MATEMÁTICA PRODUTO DA DISSERTAÇÃO GEOMETRIA VETORIAL NA ESCOLA: UMA LEITURA GEOMÉTRICA PARA SISTEMAS

Leia mais

6.1 equações canônicas de círculos e esferas

6.1 equações canônicas de círculos e esferas 6 C Í R C U LO S E E S F E R A S 6.1 equações canônicas de círculos e esferas Um círculo é o conjunto de pontos no plano que estão a uma certa distância r de um ponto dado (a, b). Desta forma temos que

Leia mais

Ponto 1) Representação do Ponto

Ponto 1) Representação do Ponto Ponto 1) Representação do Ponto Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Plano Cartesiano, sistemas de coordenadas: pontos e retas Na geometria

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO MATEMÁTICA II GEOMETRIA ANALÍTICA PLANA (Ponto, reta e circunferência)

EXERCÍCIOS DE REVISÃO MATEMÁTICA II GEOMETRIA ANALÍTICA PLANA (Ponto, reta e circunferência) EXERCÍCIOS DE REVISÃO MATEMÁTICA II GEOMETRIA ANALÍTICA PLANA (Ponto, reta e circunferência) ************************************************************************************* 1) (U.F.PA) Se a distância

Leia mais

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores.

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores. Aula 5 Produto interno - Aplicações MÓDULO 1 - AULA 5 Objetivos Calcular áreas de paralelogramos e triângulos. Calcular a distância de um ponto a uma reta e entre duas retas. Determinar as bissetrizes

Leia mais

= 1 1 1 1 1 1. Pontuação: A questão vale dez pontos, tem dois itens, sendo que o item A vale até três pontos, e o B vale até sete pontos.

= 1 1 1 1 1 1. Pontuação: A questão vale dez pontos, tem dois itens, sendo que o item A vale até três pontos, e o B vale até sete pontos. VTB 008 ª ETAPA Solução Comentada da Prova de Matemática 0 Em uma turma de alunos que estudam Geometria, há 00 alunos Dentre estes, 30% foram aprovados por média e os demais ficaram em recuperação Dentre

Leia mais

Sistemas de equações do 1 grau com duas variáveis LISTA 1

Sistemas de equações do 1 grau com duas variáveis LISTA 1 Sistemas de equações do 1 grau com duas variáveis LISTA 1 INTRODUÇÃO Alguns problemas de matemática são resolvidos a partir de soluções comuns a duas equações do 1º a duas variáveis. Nesse caso, diz-se

Leia mais

A Reta. Docente Pedro Macário de Moura

A Reta. Docente Pedro Macário de Moura A Reta Docente Pedro Macário de Moura A Matemática é a única linguagem que temos em comum com a natureza. Hawking. A Matemática é a honra do espírito 2 Equação Vetorial da Reta Seja r uma reta que passa

Leia mais

1 Segmentos orientados e vetores, adição e multiplicação

1 Segmentos orientados e vetores, adição e multiplicação MAP2110 Modelagem e Matemática 1 o Semestre de 2007 Resumo 1 - Roteiro de estudos - 07/05/2007 Espaços vetoriais bi e tri-dimensionais (plano ou espaço bidimensional E 2, e espaço tridimensional E 3 )

Leia mais

Planificação do 2º Período

Planificação do 2º Período Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro Planificação do 2º Período Disciplina: Matemática A Grupo: 500 Ano: 10º Número de blocos de 45 minutos previstos: 0 Ano

Leia mais

Plano cartesiano, Retas e. Alex Oliveira. Circunferência

Plano cartesiano, Retas e. Alex Oliveira. Circunferência Plano cartesiano, Retas e Alex Oliveira Circunferência Sistema cartesiano ortogonal O sistema cartesiano ortogonal é formado por dois eixos ortogonais(eixo x e eixo y). A intersecção dos eixos x e y é

Leia mais

com 3 Incógnitas A interseção do plano paralelo ao plano yz, passando por P, com o eixo x determina a coordenada x.

com 3 Incógnitas A interseção do plano paralelo ao plano yz, passando por P, com o eixo x determina a coordenada x. Interpretação Geométrica de Sistemas Lineares com 3 Incógnitas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática Instituto de Ciências Eatas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi

Leia mais

ÁLGEBRA. Aula 5 _ Função Polinomial do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora

ÁLGEBRA. Aula 5 _ Função Polinomial do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora 1 ÁLGEBRA Aula 5 _ Função Polinomial do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega Maria Auxiliadora 2 FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU Uma função polinomial do 1º grau (ou simplesmente, função do 1º grau) é uma relação

Leia mais

OB e. BC, entãoa, B, C e D são vértices de um paralelogramo; ( ) Três vetores LD são sempre colineares.

OB e. BC, entãoa, B, C e D são vértices de um paralelogramo; ( ) Três vetores LD são sempre colineares. 1.1 Classifique as afirmações em verdadeiras ou falsas, justificando sua resposta. ( ) AB = CD A = C e B = D; ( ) Se AB CD,entãoAC BD eosvetores AC e BD são iguais; ( ) Se a e b são LD, então a e b têm

Leia mais

3º. EM Prof a. Valéria Rojas Assunto: Determinante, Área do Triângulo, Equação da reta, Eq. Reduzida da Reta

3º. EM Prof a. Valéria Rojas Assunto: Determinante, Área do Triângulo, Equação da reta, Eq. Reduzida da Reta 1 - O uso do Determinante de terceira ordem na Geometria Analítica 1.1 - Área de um triângulo Seja o triângulo ABC de vértices A(x a, y a ), B(x b, x c ) e C(x c, y c ). A área S desse triângulo é dada

Leia mais

Equações da reta no plano

Equações da reta no plano 3 Equações da reta no plano Sumário 3.1 Introdução....................... 2 3.2 Equação paramétrica da reta............. 2 3.3 Equação cartesiana da reta.............. 7 3.4 Equação am ou reduzida da reta..........

Leia mais

21- EXERCÍCIOS FUNÇÕES DO SEGUNDO GRAU

21- EXERCÍCIOS FUNÇÕES DO SEGUNDO GRAU 1 21- EXERCÍCIOS FUNÇÕES DO SEGUNDO GRAU 1. O gráfico do trinômio y = ax 2 + bx + c. Qual a afirmativa errada? a) se a > 0 a parábola possui concavidade para cima b) se b 2 4ac > 0 o trinômio possui duas

Leia mais

VETORES. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga

VETORES. Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga VETORES Álgebra Linear e Geometria Analítica Prof. Aline Paliga INTRODUÇÃO Grandeza é tudo aquilo que pode variar quantitativamente. Algumas vezes necessitamos mais que um número e uma unidade para representar

Leia mais

Projeto Jovem Nota 10 Geometria Analítica Circunferência Lista 2 Professor Marco Costa

Projeto Jovem Nota 10 Geometria Analítica Circunferência Lista 2 Professor Marco Costa 1 1. (Fgv 2001) a) No plano cartesiano, considere a circunferência de equação x +y -4x=0 e o ponto P(3,Ë3). Verificar se P é interior, exterior ou pertencente à circunferência. b) Dada a circunferência

Leia mais

PARTE 11 VETOR GRADIENTE:

PARTE 11 VETOR GRADIENTE: PARTE 11 VETOR GRADIENTE: INTERPRETAÇÃO GEOMÉTRICA 11.1 Introdução Dada a função real de n variáveis reais, f : Domf) R n R X = 1,,..., n ) f 1,,..., n ), se f possui todas as derivadas parciais de primeira

Leia mais

4.1 posição relativas entre retas

4.1 posição relativas entre retas 4 P O S I Ç Õ E S R E L AT I VA S Nosso objetivo nesta seção é entender a posição relativa entre duas retas, dois planos e ou uma reta e um plano, isto é, se estes se interseccionam, se são paralelos,

Leia mais

UNICAMP - 2005. 2ª Fase MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UNICAMP - 2005. 2ª Fase MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UNICAMP - 2005 2ª Fase MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 São conhecidos os valores calóricos dos seguintes alimentos: uma fatia de pão integral, 55 kcal; um litro de leite,

Leia mais

Geometria Analítica II - Aula 4 82

Geometria Analítica II - Aula 4 82 Geometria Analítica II - Aula 4 8 IM-UFF K. Frensel - J. Delgado Aula 5 Esferas Iniciaremos o nosso estudo sobre superfícies com a esfera, que já nos é familiar. A esfera S de centro no ponto A e raio

Leia mais

n. 18 Estudo da reta: ângulo, paralelismo, ortogonalidade, coplanaridade e interseção entre retas Ângulo entre duas retas

n. 18 Estudo da reta: ângulo, paralelismo, ortogonalidade, coplanaridade e interseção entre retas Ângulo entre duas retas n. 18 Estudo da reta: ângulo, paralelismo, ortogonalidade, coplanaridade e interseção entre retas Ângulo entre duas retas Sejam as retas r1, que passa pelo ponto A (x1, y1, z1) e tem a direção de um vetor

Leia mais

Frente 3 Aula 20 GEOMETRIA ANALÍTICA Coordenadas Cartesianas Ortogonais

Frente 3 Aula 20 GEOMETRIA ANALÍTICA Coordenadas Cartesianas Ortogonais Frente ula 0 GEOETRI NLÍTI oordenadas artesianas Ortogonais Sistema cartesiano ortogonal Sabemos que um sistema cartesiano ortogonal é formado por dois eios perpendiculares entre si com uma origem comum.

Leia mais

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS

BANCO DE EXERCÍCIOS - 24 HORAS BANCO DE EXERCÍCIOS - 4 HORAS 9º ANO ESPECIALIZADO/CURSO ESCOLAS TÉCNICAS E MILITARES FOLHA Nº 04 GABARITO COMENTADO 40 40 ) Sabendo que O B M = 40 O B = B M M = O, 40 O B+ M = 46 + M = 46 M 46M + 40 =

Leia mais

FICHA DE ATIVIDADE - FÍSICA: MRU E MRV

FICHA DE ATIVIDADE - FÍSICA: MRU E MRV Alexandre Santos (Xandão) 9º FICHA DE ATIVIDADE - FÍSICA: MRU E MRV 1 Assinale na coluna I as afirmativas verdadeiras e, na coluna II as falsas. A velocidade da partícula varia de acordo com o gráfico

Leia mais

PROVA PARA OS ALUNOS DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO. 4 cm

PROVA PARA OS ALUNOS DE 2º ANO DO ENSINO MÉDIO. 4 cm PROVA PARA OS ALUNOS DE º ANO DO ENSINO MÉDIO 1ª Questão: Um cálice com a forma de um cone contém V cm de uma bebida. Uma cereja de forma esférica com diâmetro de cm é colocada dentro do cálice. Supondo

Leia mais

Matemática para a Economia I - 1 a lista de exercícios Prof. - Juliana Coelho

Matemática para a Economia I - 1 a lista de exercícios Prof. - Juliana Coelho Matemática para a Economia I - 1 a lista de exercícios Prof. - Juliana Coelho 1 - Para cada função abaixo, calcule os valores pedidos, quando for possível: (a) f(x) = x 3 3x + 3x 1, calcule f(0), f( 1)

Leia mais

Por que as antenas são parabólicas?

Por que as antenas são parabólicas? Por que as antenas são parabólicas? Adaptado do artigo de Eduardo Wagner A palavra parábola está, para os estudantes do ensino médio, associada ao gráfico da função polinomial do segundo grau. Embora quase

Leia mais

(b) Excetuando o caso trivial em que a = b = c = 0, mostre que vale a igualdade se, e somente se, existe m R tal que x = ma, y = mb e z = mc.

(b) Excetuando o caso trivial em que a = b = c = 0, mostre que vale a igualdade se, e somente se, existe m R tal que x = ma, y = mb e z = mc. Questão 1. (a) Prove que, para quaisquer x, y, z, a, b, c R, tem-se (ax + by + cz) (a + b + c )(x + y + z ). (b) Excetuando o caso trivial em que a = b = c = 0, mostre que vale a igualdade se, e somente

Leia mais

Determinantes. Matemática Prof. Mauricio José

Determinantes. Matemática Prof. Mauricio José Determinantes Matemática Prof. Mauricio José Determinantes Definição e Conceito Matriz de ordem 1 Dizemos que um determinante é um resultado (numérico) de operações que são realizadas em uma matriz quadrada.

Leia mais

Professor Dacar Lista de Revisão - Trigonometria

Professor Dacar Lista de Revisão - Trigonometria 1. Obtenha a medida, em graus, de um arco AB de comprimento 3 metros, sabendo que ele está contido em uma circunferência de diâmetro igual a 24 metros. 45 2. (UFPR) Em uma circunferência de 12 dm de comprimento,

Leia mais

Projeto Jovem Nota 10 Geometria Analítica Circunferência Lista 3 Professor Marco Costa

Projeto Jovem Nota 10 Geometria Analítica Circunferência Lista 3 Professor Marco Costa 1 1. (Fgv 97) Uma empresa produz apenas dois produtos A e B, cujas quantidades anuais (em toneladas) são respectivamente x e y. Sabe-se que x e y satisfazem a relação: x + y + 2x + 2y - 23 = 0 a) esboçar

Leia mais

Projeto Jovem Nota 10 Geometria Analítica Circunferência Lista 1 Professor Marco Costa

Projeto Jovem Nota 10 Geometria Analítica Circunferência Lista 1 Professor Marco Costa 1 1. (Fgv 2005) No plano cartesiano, considere o feixe de paralelas 2x + y = c em que c Æ R. a) Qual a reta do feixe com maior coeficiente linear que intercepta a região determinada pelas inequações: ýx

Leia mais

Matemática Básica Intervalos

Matemática Básica Intervalos Matemática Básica Intervalos 03 1. Intervalos Intervalos são conjuntos infinitos de números reais. Geometricamente correspondem a segmentos de reta sobre um eixo coordenado. Por exemplo, dados dois números

Leia mais

Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Referência: cadernos de aula: Professor Eduardo Wagner. Seções Cônicas

Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Referência: cadernos de aula: Professor Eduardo Wagner. Seções Cônicas Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Referência: cadernos de aula: Professor Eduardo Wagner 1 - Elipses Seções Cônicas Definição 1.1: Dados os pontos no plano, F e F com FF =2c e um comprimento

Leia mais

GABARITO PROVA AMARELA

GABARITO PROVA AMARELA GABARITO PROVA AMARELA 1 MATEMÁTICA 01 A 11 A 0 E 1 C 03 Anulada 13 Anulada 04 A 14 B 05 B 15 C 06 D 16 A 07 D 17 E 08 A 18 C 09 E 19 C 10 C 0 C GABARITO COMENTADO PROVA AMARELA 01. Utilizando que (-1)

Leia mais

Aula Distância entre duas retas paralelas no espaço. Definição 1. Exemplo 1

Aula Distância entre duas retas paralelas no espaço. Definição 1. Exemplo 1 Aula 1 Sejam r 1 = P 1 + t v 1 t R} e r 2 = P 2 + t v 2 t R} duas retas no espaço. Se r 1 r 2, sabemos que r 1 e r 2 são concorrentes (isto é r 1 r 2 ) ou não se intersectam. Quando a segunda possibilidade

Leia mais

Unidade 10 Trigonometria: Conceitos Básicos. Arcos e ângulos Circunferência trigonométrica

Unidade 10 Trigonometria: Conceitos Básicos. Arcos e ângulos Circunferência trigonométrica Unidade 10 Trigonometria: Conceitos Básicos Arcos e ângulos Circunferência trigonométrica Arcos e Ângulos Quando em uma corrida de motocicleta um piloto faz uma curva, geralmente, o traçado descrito pela

Leia mais

Unidade 3 Função Afim

Unidade 3 Função Afim Unidade 3 Função Afim Definição Gráfico da Função Afim Tipos Especiais de Função Afim Valor e zero da Função Afim Gráfico definidos por uma ou mais sentenças Definição C ( x) = 10. x + Custo fixo 200 Custo

Leia mais

Aula 10 Produto interno, vetorial e misto -

Aula 10 Produto interno, vetorial e misto - MÓDULO 2 - AULA 10 Aula 10 Produto interno, vetorial e misto - Aplicações II Objetivos Estudar as posições relativas entre retas no espaço. Obter as expressões para calcular distância entre retas. Continuando

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano 2015 - Época especial

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano 2015 - Época especial Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 1o Ano 015 - Época especial Proposta de resolução GRUPO I 1. Como P A B = P A + P B P A B, substituindo os valores conhecidos, podemos calcular P A: 0,7 = P A + 0,4 0, 0,7

Leia mais

Aula 01 Introdução à Geometria Espacial Geometria Espacial

Aula 01 Introdução à Geometria Espacial Geometria Espacial Aula 01 Introdução à 1) Introdução à Geometria Plana Axioma São verdades matemáticas aceitas sem a necessidade de demonstração. 1 1.1) Axioma da Existência Existem infinitos pontos em uma reta (e fora

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CENTRO DE ENGENHARIA DA MOBILIDADE CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA Aula 01 Introdução a Geometria Plana Ângulos Potenciação Radiciação Introdução a Geometria Plana Introdução: No estudo da Geometria Plana, consideraremos três conceitos primitivos:

Leia mais

Aula 18 Cilindros quádricos e identificação de quádricas

Aula 18 Cilindros quádricos e identificação de quádricas MÓDULO 2 - AULA 18 Aula 18 Cilindros quádricos e identificação de quádricas Objetivos Estudar os cilindros quádricos, analisando suas seções planas paralelas aos planos coordenados e estabelecendo suas

Leia mais

Álgebra Linear I - Aula 9. Roteiro

Álgebra Linear I - Aula 9. Roteiro Álgebra Linear I - Aula 9 1. Distância entre duas retas. 2. A perpendicular comum a duas retas. 3. Posições relativas. Roteiro 1 Distância entre duas retas r e s Calcularemos a distância entre duas retas

Leia mais

Retas e Planos. Equação Paramétrica da Reta no Espaço

Retas e Planos. Equação Paramétrica da Reta no Espaço Retas e lanos Equações de Retas Equação aramétrica da Reta no Espaço Considere o espaço ambiente como o espaço tridimensional Um vetor v = (a, b, c) determina uma direção no espaço Dado um ponto 0 = (x

Leia mais

FUNÇÃO DO 2º GRAU PROF. LUIZ CARLOS MOREIRA SANTOS

FUNÇÃO DO 2º GRAU PROF. LUIZ CARLOS MOREIRA SANTOS Questão 01) FUNÇÃO DO º GRAU A função definida por L(x) = x + 800x 35 000, em que x indica a quantidade comercializada, é um modelo matemático para determinar o lucro mensal que uma pequena indústria obtém

Leia mais

Capítulo Coordenadas no Espaço. Seja E o espaço da Geometria Euclidiana tri-dimensional.

Capítulo Coordenadas no Espaço. Seja E o espaço da Geometria Euclidiana tri-dimensional. Capítulo 9 1. Coordenadas no Espaço Seja E o espaço da Geometria Euclidiana tri-dimensional. Um sistema de eixos ortogonais OXY Z em E consiste de três eixos ortogonais entre si OX, OY e OZ com a mesma

Leia mais

TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA

TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA TEORIA 5: EQUAÇÕES E SISTEMAS DO 1º GRAU MATEMÁTICA BÁSICA Nome: Turma: Data / / Prof: Walnice Brandão Machado Equações de primeiro grau Introdução Equação é toda sentença matemática aberta que exprime

Leia mais

Consideremos um triângulo de lados a,b e c. Temos duas possibilidades: ou o triângulo é acutângulo ou é obtusângulo. Vejamos:

Consideremos um triângulo de lados a,b e c. Temos duas possibilidades: ou o triângulo é acutângulo ou é obtusângulo. Vejamos: Lei dos Cossenos Consideremos um triângulo de lados a,b e c. Temos duas possibilidades: ou o triângulo é acutângulo ou é obtusângulo. Vejamos: Triângulo Obtusângulo Tomemos um triângulo Obtusângulo qualquer,

Leia mais

Aula 3 Função do 1º Grau

Aula 3 Função do 1º Grau 1 Tecnólogo em Construção de Edifícios Aula 3 Função do 1º Grau Professor Luciano Nóbrega 2 FUNÇÃO POLINOMIAL DO 1º GRAU Uma função polinomial do 1º grau (ou simplesmente, função do 1º grau) é uma relação

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº09 Prof. Paulo Henrique

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº09 Prof. Paulo Henrique Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº09 Prof. Paulo Henrique Assunto: Funções do Segundo Grau 1. Conceitos básicos Definição: É uma função que segue a lei: onde, Tipos

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. alternativa A. alternativa E. alternativa E

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. alternativa A. alternativa E. alternativa E Questão TIPO DE PROVA: A Uma empresa entrevistou k candidatos a um determinadoempregoerejeitouumnúmerode candidatos igual a 5 vezes o número de candidatos aceitos. Um possível valor para k é: a) 56 b)

Leia mais

Álgebra Linear AL. Luiza Amalia Pinto Cantão. Depto. de Engenharia Ambiental Universidade Estadual Paulista UNESP luiza@sorocaba.unesp.

Álgebra Linear AL. Luiza Amalia Pinto Cantão. Depto. de Engenharia Ambiental Universidade Estadual Paulista UNESP luiza@sorocaba.unesp. Álgebra Linear AL Luiza Amalia Pinto Cantão Depto. de Engenharia Ambiental Universidade Estadual Paulista UNESP luiza@sorocaba.unesp.br Sistemas Lienares 1 Sistemas e Matrizes 2 Operações Elementares e

Leia mais

n. 17 ESTUDO DA RETA: equações Uma direção e um ponto determinam uma reta Dois pontos determinam uma reta

n. 17 ESTUDO DA RETA: equações Uma direção e um ponto determinam uma reta Dois pontos determinam uma reta n. 17 ESTUDO DA RETA: equações Uma direção e um ponto determinam uma reta Dois pontos determinam uma reta Equação geral de uma reta Para determinar a equação geral de uma reta utilizamos os conceitos relacionados

Leia mais

XXXII Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

XXXII Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase XXXII Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível Segunda Fase Parte A PARTE A Na parte A serão atribuídos 4 pontos para cada resposta correta e a pontuação máxima para essa

Leia mais

Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear

Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear MÓDULO 1 - AULA 4 Objetivos Compreender os conceitos de independência e dependência linear. Estabelecer condições para determinar quando uma coleção

Leia mais

Proposta de resolução da Prova de Matemática A (código 635) 2ª fase. 19 de Julho de 2010

Proposta de resolução da Prova de Matemática A (código 635) 2ª fase. 19 de Julho de 2010 Proposta de resolução da Prova de Matemática A (código 65) ª fase 9 de Julho de 00 Grupo I. Como só existem bolas de dois tipos na caixa e a probabilidade de sair bola azul é, existem tantas bolas roxas

Leia mais

2 Igualdade e Operações com pares ordenados. 1 Conjunto R 2. 3 Vetores. 2.1 Igualdade. 1.2 Coordenadas Cartesianas no Plano

2 Igualdade e Operações com pares ordenados. 1 Conjunto R 2. 3 Vetores. 2.1 Igualdade. 1.2 Coordenadas Cartesianas no Plano 1 Conjunto R 1.1 Definição VETORES NO PLANO Representamos por R o conjunto de todos os pares ordenados de números reais, ou seja: R = {(x, y) x R y R} 1. Coordenadas Cartesianas no Plano Em um plano α,

Leia mais

3. Obter a equação do plano que contém os pontos A = (3, 0, 1), B = (2, 1, 1) e C = (3, 2, 2).

3. Obter a equação do plano que contém os pontos A = (3, 0, 1), B = (2, 1, 1) e C = (3, 2, 2). Lista II: Retas, Planos e Distâncias Professora: Ivanete Zuchi Siple. Equação geral do plano que contém o ponto A = (,, ) e é paralelo aos vetores u = (,, ) e v = (,, ).. Achar a equação do plano que passa

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo INTRODUÇÃO O traçado de linhas retas PERPENDICULARES, PARALELAS e OBLÍQUAS é feito com o auxílio de esquadros,

Leia mais

ÁLGEBRA. Aula 1 _ Função Polinomial do 2º Grau Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora

ÁLGEBRA. Aula 1 _ Função Polinomial do 2º Grau Professor Luciano Nóbrega. Maria Auxiliadora 1 ÁLGEBRA Aula 1 _ Função Polinomial do 2º Grau Professor Luciano Nóbrega Maria Auxiliadora FUNÇÃO POLINOMIAL DO 2º GRAU 2 Uma função polinomial do 2º grau (ou simplesmente, função do 2º grau) é uma relação

Leia mais