Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 12. Ângulo entre duas retas no espaço. Definição 1. O ângulo (r1, r2 ) entre duas retas r1 e r2 se define da seguinte maneira:"

Transcrição

1 Aula 1 1. Ângulo entre duas retas no espaço Definição 1 O ângulo (r1, r ) entre duas retas r1 e r se define da seguinte maneira: (r1, r ) 0o se r1 e r são coincidentes, Se as retas são concorrentes, isto é, r1 r {P}, então (r1, r ) é o menor dos ângulos positivos determinados pelas retas no plano que as contém. Em particular, 0 < (r1, r ) 90o. se r1 r, temos duas situações a considerar: se r1 k r, então (r1, r ) 0o. se r1 e r não são paralelas e não se intersectam, dizemos que as retas são reversas. Neste caso, seja P r1 e seja r0 a paralela a r que passa por P. Então as retas r1 e r0 são concorrentes e definimos (r1, r ) (r1, r0 ) Além disso, pelo paralelismo, (r1, r ) independe do ponto P escolhido. Fig. 1: Retas concorrentes: θ (r1, r ) < ϕ. Fig. : Retas reversas: θ (r1, r ) (r1, r0 ). A medida dos ângulos pode ser dada em graus ou radianos.

2 Geometria Analítica - Aula Sejam v 1 e v vetores paralelos às retas r 1 e r, respectivamente. Então, v 1, v cos (r 1, r ) cos (v 1, v ) v 1 v, 0o (r 1, r ) 90 o De fato, a fórmula vale também quando r 1 e r são paralelas ou coincidentes, isto é, quando (r 1, r ) 0 o, pois v 1 λ v λ v, v λ v v λ v, v λ v v 1 cos 0o cos (r 1, r ). Exemplo 1 Calcule o ângulo entre as retas r 1 : x 1 y + 1 z Mostre, também, que essas retas são reversas. e r : x + y 1 z. Temos que v 1 (,, ) r 1 e v (1,, ) r. Logo, v1, v cos (r 1, r ) v 1 v Assim, o ângulo entre r 1 e r é o ângulo entre 0 e 90 o π cujo cosseno é 7. Para verificar que as retas r 1 e r são reversas, observamos primeiro que os vetores v 1 e v não ( ) são múltiplos, pois det Portanto, as retas não podem ser coincidentes e nem paralelas, devendo ser, concorrentes ou reversas. Para concluir que r 1 e r são reversas, devemos mostrar que elas não se intersectam (não são concorrentes). As equações paramétricas de r 1 são: x 1 + t r 1 : y 1 + t ; t R. z t Seja P (1 + t, 1 + t, t) um ponto de r 1. Vamos tentar determinar o valor do parâmetro t de modo que P esteja, também, em r. P r ( 1 + t) 1 (1 + t) + + t + t t + t 1 + t (t 1) t Da segunda igualdade, obtemos t 1 0, ou seja, t 1. Porém, substituindo esse valor na primeira igualdade, obtemos a identidade impossível 5 0. Portanto, não existe P r 1 r. Isto é, as retas não são concorrentes e sim reversas. IM-UFF K. Frensel - J. Delgado

3 145 Geometria Analítica - Aula 1. Ângulo entre dois planos Definição Sejam π 1 : a 1 x + b 1 y + c 1 z d 1 e π : a x + b y + c z d dois planos no espaço. O ângulo entre os planos π 1 e π, representado por (π 1, π ), se define da seguinte maneira: (π 1, π ) 0 o se os planos são paralelos (π 1 π ) ou coincidentes (π 1 π ). Se π 1 e π não são paralelos nem coincidentes, então se intersectam ao longo de uma reta r. Sejam P r um ponto qualquer, r 1 a reta perpendicular a r contida em π 1 que passa por P e r a perpendicular a r contida em π que passa por P. Definimos (π 1, π ) (r 1, r ) Fig. : (π 1, π ) θ. Com a mesma terminologia da definição, tomando A r 1 e B r, vemos que (π 1, π ) é o menor ângulo positivo cujo cosseno é cos (π 1, π ) cos (r 1, r ) cos ( PA, PA, PB PB ) PA PB Seja, agora, s 1 a reta perpendicular ao plano π 1 que passa pelo ponto A, e seja s a reta perpendicular ao plano π que passa por B. temos As retas s 1 e s se intersectam em um ponto C. Como os ângulos ( PA, PB ) e ( CA, CB ) são suplementares (a sua soma é 180 o ), cos (π 1, π ) cos ( PA, PB ) cos ( CA, CB ). Além disso, como π 1 v 1 (a 1, b 1, c 1 ) e π v (a, b, c ), os ângulos ( v 1, v ) e ( CA, CB ) são iguais ou suplementares. Logo, cos (π 1, π ) cos ( v1, v ) v 1, v v 1 v Essa fórmula vale, também, quando os planos são paralelos ou coincidentes. Exemplo Calcule o ângulo entre os planos π 1 : y e π : y + z + 0. K. Frensel - J. Delgado IM-UFF

4 Geometria Analítica - Aula 1 14 Temos que v 1 (0, 1, 0) π 1 e v (0, 1, 1) π. Logo (π 1, π ) é o menor ângulo positivo cujo cosseno é cos (π 1, π ) cos ( v 1, v ) Portanto, (π 1, π ) 45 o π 4. v1, v v 1 v (0, 1, 0), (0, 1, 1) (0, 1, 0) (0, 1, 1) 1 (1) 1,. Ângulo entre uma reta r e um plano π Definição Sejam r uma reta e π um plano no espaço. Sejam w um vetor normal ao plano π e v um vetor paralelo à reta r. Seja θ o menor ângulo não-negativo entre r e w (0 θ 90 o ). O ângulo entre r e π é, por definição, o complementar do ângulo θ. Isto é, (r, π) 90 o θ π θ Logo, ( π ) sen (r, π) sen θ cos θ v, w v w Fig. 4: (r, π) π θ. Essa fórmula vale ainda quando r π e quando r π, pois, nesses casos, θ 90 o já que v w, sendo v um vetor paralelo a r e w um vetor perpendicular a π. Exemplo Calcular o seno do ângulo entre a reta r e o plano π, onde x t r : y t 1 ; t R e π : x y + 0. z 4 Temos que v (1,, 0) r e w (1,, 0) π. Logo, sen (r, π) v, w v w (1,, 0), (1,, 0) (1,, 0) (1,, 0) IM-UFF K. Frensel - J. Delgado

5 147 Geometria Analítica - Aula 1 4. Distância de um ponto P 0 a um plano π Definição 4 A distância do ponto P 0 ao plano π, designada d(p 0, π) é, por definição, a menor das distâncias de P 0 aos pontos P π. Isto é, d(p 0, π) min { d(p 0, P) P π } (Nota: min significa o mínimo do conjunto de números considerado). Com a notação da definição anterior, seja P o ponto de intersecção de π com a reta r que passa por P 0 e é perpendicular a π. Se P é um ponto qualquer no plano π, diferente de P, temos, pelo teorema de Pitágoras aplicado ao triângulo retângulo P 0 P P: d(p 0, P) d(p 0, P ) + d(p, P) > d(p 0, P ). Logo d(p 0, P) > d(p 0, P ) e, portanto, d(p 0, P ) min { d(p 0, P) P π }. Isto é, d(p 0, π) d(p 0, P ) Se P 0 (x 0, y 0, z 0 ) e π : ax + by + cz d, temos r w (a, b, c) π e as equações paramétricas de r são: x x 0 + at r : y y 0 + bt ; t R. z z 0 + ct Além disso, como P r, temos P (x 0 + at, y 0 + bt, z 0 + ct), para algum valor t R por determinar. ou seja, Como P π, temos a(x 0 + at) + b(y 0 + bt) + c(z 0 + ct) d, Fig. 5: Cálculo de d(p 0, π). (a + b + c )t d ax 0 by 0 cz 0, e, portanto, t ax 0 + by 0 + cz 0 d a + b + c. Assim, d(p 0, P ) P 0 P (at, bt, ct) t(a, b, c) t (a, b, c) ax 0 + by 0 + cz 0 d (a, b, c) a + b + c ax 0 + by 0 + cz 0 d (a, b, c) ax 0 + by 0 + cz 0 d (a, b, c) (a, b, c) K. Frensel - J. Delgado IM-UFF

6 Geometria Analítica - Aula Logo a distância do ponto P 0 (x 0, y 0, z 0 ) ao plano π : ax + by + cz d é Exemplo 4 d(p 0, π) ax 0 + by 0 + cz 0 d a + b + c Calcular a distância do ponto A (1,, ) ao plano π : x + y 5z 4. (a) Usando a fórmula: (b) Sem usar a fórmula: d(a, π) ax 0 + by 0 + cz 0 d a + b + c (1) + 1() 5() ( 5) 0. A reta r que passa por A (1,, ) e é paralela ao vetor w (, 1, 5) π, é x 1 + t r : y + t ; t R. z 5t Seja {B} r π. As coordenadas de B (1 + t, + t, 5t) satisfazem a equação de π: ou seja, (1 + t) + ( + t) 5( 5t) 4, + 4t + + t t 4 0t 15 t 1. Logo B A + 1 w, isto é, AB 1 w 1 (, 1, 5) e, portanto, d(a, π) d(a, B) AB 1 w é a distância procurada Distância entre dois planos Definição 5 A distância entre os planos π 1 e π, designada d(π 1, π ), é, por definição, a menor dentre as distâncias dos pontos de π 1 aos pontos de π. Isto é, d(π 1, π ) min { d(p, Q) P π 1 e Q π } Note que, Se π 1 e π são coincidentes, isto é, π 1 π, então d(π 1, π ) 0. IM-UFF K. Frensel - J. Delgado

7 149 Geometria Analítica - Aula 1 Se π 1 e π são concorrentes, isto é, π 1 π é uma reta, então, também, d(π 1, π ) 0. O caso interessante a considerar é o seguinte: Suponhamos que π 1 e π são planos paralelos dados pelas equações: π 1 : ax + by + cz d 1 π : ax + by + cz d Sejam P 1 π 1 e Q 1 o pé da perpendicular baixada do ponto P 1 sobre o plano π. Sejam P π 1, Q π e P o pé da perpendicular baixada do ponto P sobre o plano π. Então d(p, Q) d(p, P ) d(p 1, Q 1 ), pois P 1 Q 1 P P é um retângulo. Assim, Fig. : Cálculo de d(π 1, π ). d(π 1, π ) d(p 1, Q 1 ) d(p 1, π ), qualquer que seja P 1 π 1 Se P 1 (x 1, y 1, z 1 ) π 1, então ax 1 + by 1 + cz 1 d 1 e, portanto, d(π 1, π ) d(p 1, π ) ax 1 + by 1 + cz 1 d a + b + c d 1 d a + b + c. Isto é, a distância entre π 1 : ax + by + cz d 1 e π : ax + by + cz d é dada por: d(π 1, π ) d 1 d a + b + c Exemplo 5 Calcule a distância entre os planos π 1 : x + y + z e π : x + 4y + z. Como π : x + y + z, temos π 1 π ; portanto, d(π 1, π ) Distância entre uma reta e um plano Definição A distância entre uma reta r e um plano π é o número d(r, π) definido por: d(r, π) min { d(p, Q) P r e Q π } Note que, se r π (isto é, r π ou r π {P}), então d(r, π) 0. K. Frensel - J. Delgado IM-UFF

8 Geometria Analítica - Aula O caso interessante a considerar ocorre quando r π, isto é, r π. Sejam P 1 r e Q 1 o pé da perpendicular baixada do ponto P 1 sobre o plano π. Sejam P r, Q π pontos arbitrários e seja P o pé da perpendicular baixada do ponto P sobre o plano π. Então d(p, Q) d(p, P ) d(p 1, Q 1 ), pois P 1 Q 1 P P é um retângulo. Logo, Fig. 7: Cálculo de d(r, π ). d(r, π) d(p 1, Q 1 ) d(p 1, π), qualquer que seja P 1 r Exemplo Mostre que a reta r é paralela ao plano π, onde Calcule também d(r, π). r : x + y z e π : x y + z. A equação simétrica de r é r : x + y + 1 z 1. Logo r é a reta que passa pelo ponto A (, 1, 1) e é paralela ao vetor v (,, ). O vetor w (,, ) é perpendicular ao plano π. Como v, w (,, ), (,, ) ()() + ( )( ) + ( )() , temos v w. Isto é, r é paralela ao plano π ou r está contida no plano π. Para mostrar que r π, basta verificar que um ponto de r não pertence a π. De fato, A (, 1, 1) π, pois ( ) ( 1 ) + (1) Portanto, r π, isto é, r π. Além disso, ( ) ( 1 d(r, π) d(a, π) ) + (1) IM-UFF K. Frensel - J. Delgado

9 151 Geometria Analítica - Aula 1 7. Distância de um ponto a uma reta Definição 7 Sejam P um ponto e r uma reta no espaço. A distância do ponto P à reta r, designada d(p, r), é o número d(p, r) min { d(p, Q) Q r } Seja P o pé da perpendicular baixada do ponto P sobre a reta r. Para todo ponto Q r, Q P, temos, pelo teorema de Pitágoras, que d(p, Q) d(p, P ) + d(p, Q) > d(p, P ), Logo e, portanto, d(p, Q) > d(p, P ). d(p, r) d(p, P ) Fig. 8: Cálculo de d(p, r). Assim, para calcular a distância de P a r devemos: determinar o ponto P, pé da perpendicular baixada de P sobre a reta r; calcular d(p, P ) PP. Determinando o ponto P Suponhamos que r é dada por r { P 1 + t v t R }. Como P r, temos P P 1 + t v para algum t R. Determinar P equivale, então, a determinar t. Sendo que o vetor PP PP 1 + t v é perpendicular a v, temos PP, v 0, ou seja, Logo 0 PP, v PP 1 + t v, v PP 1, v + t v, v PP 1, v + t v, v PP 1, v + t v. PP 1, v + t v 0, K. Frensel - J. Delgado IM-UFF

10 Geometria Analítica - Aula 1 15 e, portanto, t PP 1, v. v Com esse valor de t, determinamos o ponto P : Cálculo de d(p, r) P P 1 + t v P1 PP 1, v v v Conhecendo o ponto P, pé da perpendicular baixada de P sobre a reta r, formamos o vetor PP, cuja norma é a distância d(p, r) procurada. Temos Logo, Substituindo PP PP 1 + t v PP1 d(p, r) PP PP, PP PP 1 t PP 1, v v + t v, PP1 + t v PP 1, v v. v PP 1, PP 1 + t PP 1, v + (t ) v, v PP 1 + t PP 1, v + (t ) v. d(p, r) PP 1 PP 1, v v nessa expressão, obtemos ( PP 1, v + PP 1 PP 1, v + PP 1, v v v PP 1 PP 1, v v PP 1 v PP 1, v v PP 1, ) v v v Isto é, d(p, r) PP 1 v PP 1, v v Exemplo 7 Calcule a distância entre P (, 5, 1) e a reta r que passa por P 0 (1, 1, ) e é paralela ao vetor v (1, 0, 1). IM-UFF K. Frensel - J. Delgado

11 15 Geometria Analítica - Aula 1 Seja Q o pé da perpendicular baixada do ponto P sobre a reta r e seja t 0 R tal que Q P 0 + t 0 v. Então PQ é perpendicular à reta r se, e somente se, 0 PQ, v PP 0 + t 0 v, v PP0, v + t 0 v, v. Como PP 0 ( 1,, ) e v (1, 0, 1), temos: Logo t 0 1 e, portanto, Assim, 0 PP 0, v + t 0 v, v ( 1,, ), (1, 0, 1) + t 0 (1, 0, 1), (1, 0, 1) ( 1 + ) + t 0 (1 + 1) + t 0. Q P 0 + t 0 v (1, 1, ) (1, 0, 1) (0, 1, 1). d(p, r) d(p, Q) PQ ( 0) + (5 ( 1)) + ( 1 1) Exemplo 8 Determine o conjunto dos pontos do plano π : x + y + z 1 que estão a distância três da reta r que passa pelos pontos A (1, 0, 1) e B (, 1, 1). A reta r é paralela ao vetor AB (1, 1, 0) e o plano π é perpendicular ao vetor w (1, 1, ). Como AB, w (1, 1, 0), (1, 1, ) 1 1 0, temos que AB w e, como A π (note que as coordenadas de A (1, 0, 1) não satisfazem a equação de π) obtemos r π. Seja P A + t AB (1 + t, t, 1) um ponto de r e seja Q (x, y, z) π, tal que, PQ r e d(q, r) d(p, Q). Então, PQ, AB (x 1 t, y + t, z 1), (1, 1, 0) x 1 t y t x y t 1 0, ou seja x y t + 1. Como Q π, as suas coordenadas x, y e z satisfazem o sistema formado pela equação acima e pela equação de π: x y t + 1 x + y z + 1. Somando as equações, obtemos x + t z, ou seja x 1 + t z e, subtraindo a primeira K. Frensel - J. Delgado IM-UFF

12 Geometria Analítica - Aula equação da segunda, obtemos y z t, ou seja, y t z. Isto é, as coordenadas de um ponto Q (x, y, z) do plano π que se projeta perpendicularmente sobre o ponto P (1 + t, t, 1) r, satisfazem x 1 + t z y t z. Fig. 9: Exemplo 8. Além disso, devemos ter d(p, Q), ou seja, 9 d(p, Q) (x (1 + t)) + (y ( t)) + (z 1) ( z) + ( z) + (z 1) z z + 1. Resolvendo a equação z z + 1 9, ou seja, z z 8 0, obtemos as raízes z e z 4 Substituindo essas raízes no sistema anterior, obtemos as retas x 7 x 1 + t + t r 1 : y t ; t R, e r : y 4 t z z 4 ; t R. paralelas à reta r, contidas no plano π e cujos pontos estão a distância três de r. Exemplo 9 Determine o conjunto S dos pontos do espaço que estão a distância da reta r paralela ao vetor v (1,, 1) que passa pela origem. Temos que Q S se, e somente se, existe P r tal que PQ r e PQ. Sejam P (t, t, t), t R, um ponto de r e Q (x, y, z). IM-UFF K. Frensel - J. Delgado

13 155 Geometria Analítica - Aula 1 Então, PQ r PQ v PQ, v 0, se, e somente se, 0 PQ, v (x t, y t, z t), (1,, 1) x t + y 4t + z t x + y + z t. Isto é, t x + y + z. Suponhamos, agora, que PQ. Como ( x + y + z P obtemos, ( PQ x x + y + z ( 5x y z,, x + y + z, y x + y + z x + y z,, x + y + z ), z x + y + z ) ). x y + 5z Fig. 10: Exemplo 9. Logo d(q, r) d(p, Q) PQ se, e somente se, PQ 4, isto é, se, e somente se, ou seja, 4 PQ (5x y z) + ( x + y z) + ( x y + 5z) (5x y z) + ( x + y z) + ( x y + 5z) 4(). Desenvolvendo os quadrados e simplificando, obtemos a equação de S: S : 0x + 1y + 0z 4xy 1xz 4yz , K. Frensel - J. Delgado IM-UFF

Aula Distância entre duas retas paralelas no espaço. Definição 1. Exemplo 1

Aula Distância entre duas retas paralelas no espaço. Definição 1. Exemplo 1 Aula 1 Sejam r 1 = P 1 + t v 1 t R} e r 2 = P 2 + t v 2 t R} duas retas no espaço. Se r 1 r 2, sabemos que r 1 e r 2 são concorrentes (isto é r 1 r 2 ) ou não se intersectam. Quando a segunda possibilidade

Leia mais

Geometria Analítica II - Aula 4 82

Geometria Analítica II - Aula 4 82 Geometria Analítica II - Aula 4 8 IM-UFF K. Frensel - J. Delgado Aula 5 Esferas Iniciaremos o nosso estudo sobre superfícies com a esfera, que já nos é familiar. A esfera S de centro no ponto A e raio

Leia mais

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores.

Objetivos. em termos de produtos internos de vetores. Aula 5 Produto interno - Aplicações MÓDULO 1 - AULA 5 Objetivos Calcular áreas de paralelogramos e triângulos. Calcular a distância de um ponto a uma reta e entre duas retas. Determinar as bissetrizes

Leia mais

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que

Capítulo Equações da reta no espaço. Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que Capítulo 11 1. Equações da reta no espaço Sejam A e B dois pontos distintos no espaço e seja r a reta que os contém. Então, P r existe t R tal que AP = t AB Fig. 1: Reta r passando por A e B. Como o ponto

Leia mais

Capítulo Coordenadas no Espaço. Seja E o espaço da Geometria Euclidiana tri-dimensional.

Capítulo Coordenadas no Espaço. Seja E o espaço da Geometria Euclidiana tri-dimensional. Capítulo 9 1. Coordenadas no Espaço Seja E o espaço da Geometria Euclidiana tri-dimensional. Um sistema de eixos ortogonais OXY Z em E consiste de três eixos ortogonais entre si OX, OY e OZ com a mesma

Leia mais

Retas e círculos, posições relativas e distância de um ponto a uma reta

Retas e círculos, posições relativas e distância de um ponto a uma reta Capítulo 3 Retas e círculos, posições relativas e distância de um ponto a uma reta Nesta aula vamos caracterizar de forma algébrica a posição relativa de duas retas no plano e de uma reta e de um círculo

Leia mais

Aula 10 Produto interno, vetorial e misto -

Aula 10 Produto interno, vetorial e misto - MÓDULO 2 - AULA 10 Aula 10 Produto interno, vetorial e misto - Aplicações II Objetivos Estudar as posições relativas entre retas no espaço. Obter as expressões para calcular distância entre retas. Continuando

Leia mais

Coordenadas e distância na reta e no plano

Coordenadas e distância na reta e no plano Capítulo 1 Coordenadas e distância na reta e no plano 1. Introdução A Geometria Analítica nos permite representar pontos da reta por números reais, pontos do plano por pares ordenados de números reais

Leia mais

Geometria Analítica - Aula

Geometria Analítica - Aula Geometria Analítica - Aula 19 246 IM-UFF K. Frensel - J. Delgado Aula 20 Vamos analisar a equação Ax 2 + Cy 2 + Dx + Ey + F = 0 nos casos em que exatamente um dos coeficientes A ou C é nulo. 1. Parábola

Leia mais

Distância entre duas retas. Regiões no plano

Distância entre duas retas. Regiões no plano Capítulo 4 Distância entre duas retas. Regiões no plano Nesta aula, veremos primeiro como podemos determinar a distância entre duas retas paralelas no plano. Para isso, lembramos que, na aula anterior,

Leia mais

Posição relativa entre retas e círculos e distâncias

Posição relativa entre retas e círculos e distâncias 4 Posição relativa entre retas e círculos e distâncias Sumário 4.1 Distância de um ponto a uma reta.......... 2 4.2 Posição relativa de uma reta e um círculo no plano 4 4.3 Distância entre duas retas no

Leia mais

0 < c < a ; d(f 1, F 2 ) = 2c

0 < c < a ; d(f 1, F 2 ) = 2c Capítulo 14 Elipse Nosso objetivo, neste e nos próximos capítulos, é estudar a equação geral do segundo grau em duas variáveis: Ax + Bxy + Cy + Dx + Ey + F = 0, onde A 0 ou B 0 ou C 0 Para isso, deniremos,

Leia mais

Na forma reduzida, temos: (r) y = 3x + 1 (s) y = ax + b. a) a = 3, b, b R. b) a = 3 e b = 1. c) a = 3 e b 1. d) a 3

Na forma reduzida, temos: (r) y = 3x + 1 (s) y = ax + b. a) a = 3, b, b R. b) a = 3 e b = 1. c) a = 3 e b 1. d) a 3 01 Na forma reduzida, temos: (r) y = 3x + 1 (s) y = ax + b a) a = 3, b, b R b) a = 3 e b = 1 c) a = 3 e b 1 d) a 3 1 0 y = 3x + 1 m = 3 A equação que apresenta uma reta com o mesmo coeficiente angular

Leia mais

Equações da reta no plano

Equações da reta no plano 3 Equações da reta no plano Sumário 3.1 Introdução....................... 2 3.2 Equação paramétrica da reta............. 2 3.3 Equação cartesiana da reta.............. 7 3.4 Equação am ou reduzida da reta..........

Leia mais

Capítulo 7. 1. Bissetrizes de duas retas concorrentes. Proposição 1

Capítulo 7. 1. Bissetrizes de duas retas concorrentes. Proposição 1 Capítulo 7 Na aula anterior definimos o produto interno entre dois vetores e vimos como determinar a equação de uma reta no plano de diversas formas. Nesta aula, vamos determinar as bissetrizes de duas

Leia mais

Bacharelado em Ciência e Tecnologia 2ª Lista de Exercícios - Geometria Analítica

Bacharelado em Ciência e Tecnologia 2ª Lista de Exercícios - Geometria Analítica MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS Bacharelado em Ciência e Tecnologia ª Lista de Exercícios - Geometria Analítica 008. ) São dados os pontos

Leia mais

6.1 equações canônicas de círculos e esferas

6.1 equações canônicas de círculos e esferas 6 C Í R C U LO S E E S F E R A S 6.1 equações canônicas de círculos e esferas Um círculo é o conjunto de pontos no plano que estão a uma certa distância r de um ponto dado (a, b). Desta forma temos que

Leia mais

Curso de Geometria Analítica

Curso de Geometria Analítica Curso de Geometria Analítica Abrangência: Graduação em Engenharia e Matemática - Professor Responsável: Anastassios H. Kambourakis Resumo Teórico 10 - Posições relativas entre Pontos Retas e Planos. I.

Leia mais

Ponto 1) Representação do Ponto

Ponto 1) Representação do Ponto Ponto 1) Representação do Ponto Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Plano Cartesiano, sistemas de coordenadas: pontos e retas Na geometria

Leia mais

6. Calcular as equações paramétricas de uma reta s que passa pelo ponto A(1, 1, 1) e é ortogonal x 2

6. Calcular as equações paramétricas de uma reta s que passa pelo ponto A(1, 1, 1) e é ortogonal x 2 Lista 2: Retas, Planos e Distâncias - Engenharia Mecânica Professora: Elisandra Bär de Figueiredo x = 2 + 2t 1. Determine os valores de m para que as retas r : y = mt z = 4 + 5t sejam: (a) ortogonais (b)

Leia mais

1 Segmentos orientados e vetores, adição e multiplicação

1 Segmentos orientados e vetores, adição e multiplicação MAP2110 Modelagem e Matemática 1 o Semestre de 2007 Resumo 1 - Roteiro de estudos - 07/05/2007 Espaços vetoriais bi e tri-dimensionais (plano ou espaço bidimensional E 2, e espaço tridimensional E 3 )

Leia mais

Plano cartesiano, Retas e. Alex Oliveira. Circunferência

Plano cartesiano, Retas e. Alex Oliveira. Circunferência Plano cartesiano, Retas e Alex Oliveira Circunferência Sistema cartesiano ortogonal O sistema cartesiano ortogonal é formado por dois eixos ortogonais(eixo x e eixo y). A intersecção dos eixos x e y é

Leia mais

n. 18 Estudo da reta: ângulo, paralelismo, ortogonalidade, coplanaridade e interseção entre retas Ângulo entre duas retas

n. 18 Estudo da reta: ângulo, paralelismo, ortogonalidade, coplanaridade e interseção entre retas Ângulo entre duas retas n. 18 Estudo da reta: ângulo, paralelismo, ortogonalidade, coplanaridade e interseção entre retas Ângulo entre duas retas Sejam as retas r1, que passa pelo ponto A (x1, y1, z1) e tem a direção de um vetor

Leia mais

Álgebra Linear I - Aula 9. Roteiro

Álgebra Linear I - Aula 9. Roteiro Álgebra Linear I - Aula 9 1. Distância de um ponto a uma reta. 2. Distância de um ponto a um plano. 3. Distância entre uma reta e um plano. 4. Distância entre dois planos. oteiro 1 Distância de um ponto

Leia mais

Álgebra Linear I - Aula 9. Roteiro

Álgebra Linear I - Aula 9. Roteiro Álgebra Linear I - Aula 9 1. Distância entre duas retas. 2. A perpendicular comum a duas retas. 3. Posições relativas. Roteiro 1 Distância entre duas retas r e s Calcularemos a distância entre duas retas

Leia mais

Lembremos que um paralelogramo é um quadrilátero (figura geométrica com quatro lados) cujos lados opostos são paralelos.

Lembremos que um paralelogramo é um quadrilátero (figura geométrica com quatro lados) cujos lados opostos são paralelos. Capítulo 5 Vetores no plano 1. Paralelogramos Lembremos que um paralelogramo é um quadrilátero (figura geométrica com quatro lados) cujos lados opostos são paralelos. Usando congruência de triângulos,

Leia mais

Sistemas de equações lineares com três variáveis

Sistemas de equações lineares com três variáveis 18 Sistemas de equações lineares com três variáveis Sumário 18.1 Introdução....................... 18. Sistemas de duas equações lineares........... 18. Sistemas de três equações lineares........... 8

Leia mais

Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici

Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici Geometria Analítica e Vetorial - Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici 5 Â N G U LO S E D I ST Â N C I A 5.1 ângulos No capítulo anterior nos concentramos no estudo da posição relativa entre dois

Leia mais

Álgebra Linear e Geometria Anaĺıtica. Vetores, Retas e Planos

Álgebra Linear e Geometria Anaĺıtica. Vetores, Retas e Planos universidade de aveiro departamento de matemática Álgebra Linear e Geometria Anaĺıtica Agrupamento IV (ECT, EET, EI) Capítulo 3 Vetores, Retas e lanos roduto interno em R n [3 01] Dados os vetores X =

Leia mais

2.1 Equações do Plano

2.1 Equações do Plano 2.1 Equações do Plano EXERCÍCIOS & COMPLEMENTOS 2.1 1. Classi que as a rmações em verdadeiras V) ou falsas F), justi cando cada resposta. a) ) Um ponto A x; y; z) pertence ao eixo z se, e somente se, x

Leia mais

Aula 3 A Reta e a Dependência Linear

Aula 3 A Reta e a Dependência Linear MÓDULO 1 - AULA 3 Aula 3 A Reta e a Dependência Linear Objetivos Determinar a equação paramétrica de uma reta no plano. Compreender o paralelismo entre retas e vetores. Entender a noção de dependência

Leia mais

Produto interno, externo e misto

Produto interno, externo e misto Produto interno, externo e misto Definição: Chama-se norma (ou comprimento) do vector u ao comprimento do segmento de recta [OP ] e representa-se por u. Definição: Sejam a = OA e b = OB dois vectores não

Leia mais

Geometria Analítica retas equações e inclinações, distância entre dois pontos, área de triângulo e alinhamento de 3 pontos.

Geometria Analítica retas equações e inclinações, distância entre dois pontos, área de triângulo e alinhamento de 3 pontos. Geometria Analítica retas equações e inclinações, distância entre dois pontos, área de triângulo e alinhamento de pontos. 1. (Ufpr 014) A figura abaixo apresenta o gráfico da reta r: y x + = 0 no plano

Leia mais

3º. EM Prof a. Valéria Rojas Assunto: Determinante, Área do Triângulo, Equação da reta, Eq. Reduzida da Reta

3º. EM Prof a. Valéria Rojas Assunto: Determinante, Área do Triângulo, Equação da reta, Eq. Reduzida da Reta 1 - O uso do Determinante de terceira ordem na Geometria Analítica 1.1 - Área de um triângulo Seja o triângulo ABC de vértices A(x a, y a ), B(x b, x c ) e C(x c, y c ). A área S desse triângulo é dada

Leia mais

4.1 posição relativas entre retas

4.1 posição relativas entre retas 4 P O S I Ç Õ E S R E L AT I VA S Nosso objetivo nesta seção é entender a posição relativa entre duas retas, dois planos e ou uma reta e um plano, isto é, se estes se interseccionam, se são paralelos,

Leia mais

MAP2110 Matemática e Modelagem

MAP2110 Matemática e Modelagem 1 Reta e Plano MAP2110 Matemática e Modelagem Folha de Estudos 4 1 o semestre de 2010 Prof. Claudio H. Asano 1.1 Encontre as equações paramétricas e simétricas da reta que passa pelos pontos A e B. Em

Leia mais

Coordenadas Cartesianas

Coordenadas Cartesianas 1 Coordenadas Cartesianas 1.1 O produto cartesiano Para compreender algumas notações utilizadas ao longo deste texto, é necessário entender o conceito de produto cartesiano, um produto entre conjuntos

Leia mais

Equação Geral do Segundo Grau em R 2

Equação Geral do Segundo Grau em R 2 8 Equação Geral do Segundo Grau em R Sumário 8.1 Introdução....................... 8. Autovalores e autovetores de uma matriz real 8.3 Rotação dos Eixos Coordenados........... 5 8.4 Formas Quadráticas..................

Leia mais

A equação da circunferência

A equação da circunferência A UA UL LA A equação da circunferência Introdução Nas duas últimas aulas você estudou a equação da reta. Nesta aula, veremos que uma circunferência desenhada no plano cartesiano também pode ser representada

Leia mais

Módulo de Círculo Trigonométrico. Relação Fundamental da Trigonometria. 1 a série E.M.

Módulo de Círculo Trigonométrico. Relação Fundamental da Trigonometria. 1 a série E.M. Módulo de Círculo Trigonométrico Relação Fundamental da Trigonometria a série EM Círculo Trigonométrico Relação Fundamental da Trigonometria Exercícios Introdutórios Exercício Se sen x /, determine Exercício

Leia mais

Como a PA é decrescente, a razão é negativa. Então a PA é dada por

Como a PA é decrescente, a razão é negativa. Então a PA é dada por Detalhamento das Soluções dos Exercícios de Revisão do mestre 1) A PA será dada por Temos Então a PA será dada por:, e como o produto é 440: Como a PA é decrescente, a razão é negativa. Então a PA é dada

Leia mais

Aula 5 Equações paramétricas de retas e planos

Aula 5 Equações paramétricas de retas e planos Aula 5 Equações paramétricas de retas e planos MÓDULO 1 - AULA 5 Objetivo Estabelecer as equações paramétricas de retas e planos no espaço usando dados diversos. Na Aula 3, do Módulo 1, vimos como determinar

Leia mais

n. 19 Estudo da reta: vetor normal, posições relativas, intersecção, sistemas de equações

n. 19 Estudo da reta: vetor normal, posições relativas, intersecção, sistemas de equações n. 19 Estudo da reta: vetor normal, posições relativas, intersecção, sistemas de equações Vetor normal (ortogonal) a uma reta - R plano: (x, y) Considere a reta r do plano cartesiano, de equação ax + by

Leia mais

Ricardo Bianconi. Fevereiro de 2015

Ricardo Bianconi. Fevereiro de 2015 Seções Cônicas Ricardo Bianconi Fevereiro de 2015 Uma parte importante da Geometria Analítica é o estudo das curvas planas e, em particular, das cônicas. Neste texto estudamos algumas propriedades das

Leia mais

Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear

Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear Aula 4 Colinearidade, coplanaridade e dependência linear MÓDULO 1 - AULA 4 Objetivos Compreender os conceitos de independência e dependência linear. Estabelecer condições para determinar quando uma coleção

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula

CÁLCULO I. 1 Número Reais. Objetivos da Aula CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida EMENTA: Conceitos introdutórios de limite, limites trigonométricos, funções contínuas, derivada e aplicações. Noções introdutórias sobre a integral

Leia mais

3) O ponto P(a, 2) é equidistante dos pontos A(3, 1) e B(2, 4). Calcular a abscissa a do ponto P.

3) O ponto P(a, 2) é equidistante dos pontos A(3, 1) e B(2, 4). Calcular a abscissa a do ponto P. Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Lista 2: Plano cartesiano, sistema de coordenadas: pontos e retas. 1) Represente no plano cartesiano

Leia mais

r O GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Março de 2013

r O GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Março de 2013 GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Março de 013 Questão 1. (pontuação: 1,5) É dado um retângulo ABCD tal que em seu interior estão duas circunferências tangentes exteriormente no ponto T, como mostra a figura abaixo.

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 2011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

1 Geometria Analítica Plana

1 Geometria Analítica Plana UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ CAMPUS DE CAMPO MOURÃO Curso: Matemática, 1º ano Disciplina: Geometria Analítica e Álgebra Linear Professora: Gislaine Aparecida Periçaro 1 Geometria Analítica Plana A Geometria

Leia mais

com 3 Incógnitas A interseção do plano paralelo ao plano yz, passando por P, com o eixo x determina a coordenada x.

com 3 Incógnitas A interseção do plano paralelo ao plano yz, passando por P, com o eixo x determina a coordenada x. Interpretação Geométrica de Sistemas Lineares com 3 Incógnitas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática Instituto de Ciências Eatas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi

Leia mais

Geometria Analítica II - Aula

Geometria Analítica II - Aula Geometria Analítica II - Aula 0 94 Aula Coordenadas Cilíndricas e Esféricas Para descrever de modo mais simples algumas curvas e regiões no plano introduzimos anteriormente as coordenadas polares. No espaço

Leia mais

Lista de Exercícios Geometria Analítica e Álgebra Linear MAT 105

Lista de Exercícios Geometria Analítica e Álgebra Linear MAT 105 Lista de Exercícios Geometria Analítica e Álgebra Linear MAT 105 2 de fevereiro de 2017 Esta lista contém exercícios de [1], [2] e [3]. Os exercícios estão separados por aulas em ordem decrescente de aula.

Leia mais

Aula 19 Operadores ortogonais

Aula 19 Operadores ortogonais Operadores ortogonais MÓDULO 3 AULA 19 Aula 19 Operadores ortogonais Objetivos Compreender o conceito e as propriedades apresentadas sobre operadores ortogonais. Aplicar os conceitos apresentados em exemplos

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Matemática Geometria Analítica

Exercícios de Aprofundamento Matemática Geometria Analítica 1. (Unicamp 015) Seja r a reta de equação cartesiana x y 4. Para cada número real t tal que 0 t 4, considere o triângulo T de vértices em (0, 0), (t, 0) e no ponto P de abscissa x t pertencente à reta

Leia mais

Lista 3: Geometria Analítica

Lista 3: Geometria Analítica Lista 3: Geometria Analítica A. Ramos 25 de abril de 2017 Lista em constante atualização. 1. Equação da reta e do plano; 2. Ângulo entre retas e entre planos. Resumo Equação da reta Equação vetorial. Uma

Leia mais

Figura 9.1: Corpo que pode ser simplificado pelo estado plano de tensões (a), estado de tensões no interior do corpo (b).

Figura 9.1: Corpo que pode ser simplificado pelo estado plano de tensões (a), estado de tensões no interior do corpo (b). 9 ESTADO PLANO DE TENSÕES E DEFORMAÇÕES As tensões e deformações em um ponto, no interior de um corpo no espaço tridimensional referenciado por um sistema cartesiano de coordenadas, consistem de três componentes

Leia mais

Escola Secundária de Alberto Sampaio Ficha Formativa de Matemática A Geometria IV Paralelismo e perpendicularidade. Sistemas de equações.

Escola Secundária de Alberto Sampaio Ficha Formativa de Matemática A Geometria IV Paralelismo e perpendicularidade. Sistemas de equações. Escola Secundária de Alberto Sampaio Ficha Formativa de Matemática A Geometria IV Paralelismo e perpendicularidade. Sistemas de equações. 11º Ano Paralelismo e perpendicularidade de retas No espaço, duas

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito

MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL. ENQ Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL ENQ 016. Gabarito Questão 01 [ 1,00 ] A secretaria de educação de um município recebeu uma certa quantidade de livros para distribuir entre as escolas

Leia mais

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I

MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I 1 MAT001 Cálculo Diferencial e Integral I RESUMO DA AULA TEÓRICA 4 Livro do Stewart: Apêndice D e Seção 16 FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS O círculo trigonométrico e arcos orientados Num plano cartesiano, considere

Leia mais

A lei dos co-senos. Utilizando as razões trigonométricas nos triângulos. b = = 48. b = 4 cos B = 4 8 = 1 2 Þ B = 60º

A lei dos co-senos. Utilizando as razões trigonométricas nos triângulos. b = = 48. b = 4 cos B = 4 8 = 1 2 Þ B = 60º A UA UL LA A lei dos co-senos Introdução Utilizando as razões trigonométricas nos triângulos retângulos, podemos resolver vários problemas envolvendo ângulos e lados. Esse tipo de problema é conhecido

Leia mais

1. Arcos de mais de uma volta. Vamos generalizar o conceito de arco, admitindo que este possa dar mais de uma volta completa na circunferência.

1. Arcos de mais de uma volta. Vamos generalizar o conceito de arco, admitindo que este possa dar mais de uma volta completa na circunferência. UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Trigonometria II Prof.: Rogério

Leia mais

MATRIZ FORMAÇÃO E IGUALDADE

MATRIZ FORMAÇÃO E IGUALDADE MATRIZ FORMAÇÃO E IGUALDADE 1. Seja X = (x ij ) uma matriz quadrada de ordem 2, onde i + j para i = j ;1 - j para i > j e 1 se i < j. A soma dos seus elementos é igual a: a. -1 b. 1 c. 6 d. 7 e. 8 2. Se

Leia mais

Curvas Planas em Coordenadas Polares

Curvas Planas em Coordenadas Polares Curvas Planas em Coordenadas Polares Sumário. Coordenadas Polares.................... Relações entre coordenadas polares e coordenadas cartesianas...................... 6. Exercícios........................

Leia mais

Na figura acima, o vetor tem origem no ponto A e extremidade no ponto B. Notação usual: 1 O ESPAÇO R3

Na figura acima, o vetor tem origem no ponto A e extremidade no ponto B. Notação usual: 1 O ESPAÇO R3 VETORES E R3 Ultra-Fast Prof.: Fábio Rodrigues fabio.miranda@engenharia.ufjf.br Obs.: A maioria das figuras deste texto foram copiadas do livro virtual álgebra vetorial e geometria analítica, 9ª edição,

Leia mais

Da aula passada... Posição relativa entre duas retas no espaço: { paralelas concorrentes COPLANARES. NÃO COPLANARES = reversas

Da aula passada... Posição relativa entre duas retas no espaço: { paralelas concorrentes COPLANARES. NÃO COPLANARES = reversas Simulados Na semana passada foi divulgado o primeiro simulado de gaal: vetores e produto escalar. Hoje será divulgado o segundo simulado: retas, planos e produto vetorial. Procure Monitoria GAAL 2013/1

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M21 Geometria Analítica: Cônicas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M21 Geometria Analítica: Cônicas Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Analítica: Cônicas p. FGV-SP) Determine a equação da elipse de centro na origem que passa pelos pontos A, 0), B, 0) e C0, ). O centro da elipse

Leia mais

Professor Mascena Cordeiro

Professor Mascena Cordeiro www.mascenacordeiro.com Professor Mascena Cordeiro º Ano Ensino Médio M A T E M Á T I C A. Determine os valores de m pertencentes ao conjunto dos números reais, tal que os pontos (0, -), (, m) e (-, -)

Leia mais

Geometria Analítica. Números Reais. Faremos, neste capítulo, uma rápida apresentação dos números reais e suas propriedades, mas no sentido

Geometria Analítica. Números Reais. Faremos, neste capítulo, uma rápida apresentação dos números reais e suas propriedades, mas no sentido Módulo 2 Geometria Analítica Números Reais Conjuntos Numéricos Números naturais O conjunto 1,2,3,... é denominado conjunto dos números naturais. Números inteiros O conjunto...,3,2,1,0,1, 2,3,... é denominado

Leia mais

Em cada caso, estamos interessados em achar a menor distância possível, por exemplo, de um dado ponto a cada ponto de um plano fixo.

Em cada caso, estamos interessados em achar a menor distância possível, por exemplo, de um dado ponto a cada ponto de um plano fixo. Capítulo 4 distâncias em 3d Vamos aprender a calcular distâncias 1 de ponto a plano; 2 de ponto a reta; 3 de plano a plano; 4 de reta a plano e 5 de reta a reta Em cada caso, estamos interessados em achar

Leia mais

Prof. Fernando Carneiro Rio de Janeiro, Outubro de 2015

Prof. Fernando Carneiro Rio de Janeiro, Outubro de 2015 Ga - retas e planos na solução de problemas 1 GA - Retas e planos na solução de problemas Prof. Fernando Carneiro Rio de Janeiro, Outubro de 2015 1 Reta concorrente a duas retas dadas Este tipo de problema

Leia mais

Conceitos básicos de Geometria:

Conceitos básicos de Geometria: Conceitos básicos de Geometria: Os conceitos de ponto, reta e plano não são definidos. Compreendemos estes conceitos a partir de um entendimento comum utilizado cotidianamente dentro e fora do ambiente

Leia mais

Transformações geométricas planas

Transformações geométricas planas 9 Transformações geométricas planas Sumário 9.1 Introdução....................... 2 9.2 Transformações no plano............... 2 9.3 Transformações lineares................ 5 9.4 Operações com transformações...........

Leia mais

Conjunto dos Números Complexos

Conjunto dos Números Complexos Conjunto dos Unidade Imaginária Seja a equação: x + 0 Como sabemos, no domínio dos números reais, esta equação não possui solução, criou-se então um número cujo quadrado é. Esse número, representado pela

Leia mais

EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO - MATEMÁTICA - RETA

EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO - MATEMÁTICA - RETA EXERCICIOS DE APROFUNDAMENTO - MATEMÁTICA - RETA - 015 1. (Unicamp 015) Seja r a reta de equação cartesiana x y 4. Para cada número real t tal que 0 t 4, considere o triângulo T de vértices em (0, 0),

Leia mais

RETA E CIRCUNFERÊNCIA

RETA E CIRCUNFERÊNCIA RETA E CIRCUNFERÊNCIA - 016 1. (Unifesp 016) Na figura, as retas r, s e t estão em um mesmo plano cartesiano. Sabe-se que r e t passam pela origem desse sistema, e que PQRS é um trapézio. a) Determine

Leia mais

Álgebra Linear I - Aula 2. Roteiro

Álgebra Linear I - Aula 2. Roteiro Álgebra Linear I - ula 2 1. Vetores. 2. Distâncias. 3. Módulo de um vetor. Roteiro 1 Vetores Nesta seção lembraremos brevemente os vetores e suas operações básicas. Definição de vetor. Vetor determinado

Leia mais

O conhecimento é a nossa propaganda.

O conhecimento é a nossa propaganda. Lista de Exercícios 1 Trigonometria Gabaritos Comentados dos Questionários 01) (UFSCAR 2002) O valor de x, 0 x π/2, tal que 4.(1 sen 2 x).(sec 2 x 1) = 3 é: a) π/2. b) π/3. c) π/4. d) π/6. e) 0. 4.(1 sen

Leia mais

a) b) 5 3 sen 60 o = x. 2 2 = 5. 3 x = x = No triângulo da figura abaixo, o valor do x é igual a: a) 7 c) 2 31 e) 7 3 b) 31 d) 31 3

a) b) 5 3 sen 60 o = x. 2 2 = 5. 3 x = x = No triângulo da figura abaixo, o valor do x é igual a: a) 7 c) 2 31 e) 7 3 b) 31 d) 31 3 Matemática a. série do Ensino Médio Frentes e Eercícios propostos AULA FRENTE Num triângulo ABC em que AB = 5, B^ = º e C^ = 5º, a medida do lado AC é: a) 5 b) 5 c) 5 d) 5 e) 5 Sabendo-se que um dos lados

Leia mais

Aula 9 Cônicas - Rotação de sistemas de coordenadas

Aula 9 Cônicas - Rotação de sistemas de coordenadas MÓDULO 1 - AULA 9 Aula 9 Cônicas - Rotação de sistemas de coordenadas Objetivos Entender mudanças de coordenadas por rotações. Identificar uma cônica rotacionada a partir da sua equação geral. Identificar

Leia mais

SEMINÁRIOS DE ENSINO DE MATEMÁTICA (SEMA FEUSP) SERÁ O INFINITO UM PONTO?

SEMINÁRIOS DE ENSINO DE MATEMÁTICA (SEMA FEUSP) SERÁ O INFINITO UM PONTO? SMINÁRIS D NSIN D MATMÁTICA (SMA FUSP) SRÁ INFINIT UM PNT? Sergio Alves IM USP salves@ime.usp.br Inspirado no artigo de mesmo título publicado na Revista ducação e Matemática, Nº 95, Portugal (2007) :

Leia mais

G1 de Álgebra Linear I Gabarito

G1 de Álgebra Linear I Gabarito G1 de Álgebra Linear I 2013.1 6 de Abril de 2013. Gabarito 1) Considere o triângulo ABC de vértices A, B e C. Suponha que: (i) o vértice B do triângulo pertence às retas de equações paramétricas r : (

Leia mais

Extensão da tangente, secante, cotangente e cossecante, à reta.

Extensão da tangente, secante, cotangente e cossecante, à reta. UFF/GMA Notas de aula de MB-I Maria Lúcia/Marlene 05- Trigonometria - Parte - Tan-Cot_Sec-Csc PARTE II TANGENTE COTANGENTE SECANTE COSSECANTE Agora estudaremos as funções tangente, cotangente, secante

Leia mais

Distâncias no plano e regiões no plano

Distâncias no plano e regiões no plano Capítulo 4 Distâncias no plano e regiões no plano 1. Distância de um ponto a uma reta Dados um ponto P eumaretar no plano, já sabemos calcular a distância de P acadapontop 0 2 r. Definição 1 Definimos

Leia mais

APLICAÇÕES NA GEOMETRIA ANALÍTICA

APLICAÇÕES NA GEOMETRIA ANALÍTICA 4 APLICAÇÕES NA GEOMETRIA ANALÍTICA Gil da Costa Marques 4.1 Geometria Analítica e as Coordenadas Cartesianas 4. Superfícies 4..1 Superfícies planas 4.. Superfícies limitadas e não limitadas 4.3 Curvas

Leia mais

Programa. 3. Curvas no Plano: equação de lugar geométrico no plano; equações reduzidas da elipse,

Programa. 3. Curvas no Plano: equação de lugar geométrico no plano; equações reduzidas da elipse, Programa 1. Vetores no Plano e no Espaço: conceito; adição de vetores; multiplicação de vetor por n real; combinação linear de vetores; coordenadas; produto interno; produto vetorial; produto misto. 2.

Leia mais

2 Igualdade e Operações com pares ordenados. 1 Conjunto R 2. 3 Vetores. 2.1 Igualdade. 1.2 Coordenadas Cartesianas no Plano

2 Igualdade e Operações com pares ordenados. 1 Conjunto R 2. 3 Vetores. 2.1 Igualdade. 1.2 Coordenadas Cartesianas no Plano 1 Conjunto R 1.1 Definição VETORES NO PLANO Representamos por R o conjunto de todos os pares ordenados de números reais, ou seja: R = {(x, y) x R y R} 1. Coordenadas Cartesianas no Plano Em um plano α,

Leia mais

Ângulos entre retas Retas e Planos Perpendiculares. Walcy Santos

Ângulos entre retas Retas e Planos Perpendiculares. Walcy Santos Ângulos entre retas Retas e Planos Perpendiculares Walcy Santos Ângulo entre duas retas A idéia do ângulo entre duas retas será adaptado do conceito que temos na Geometria Plana. Se duas retas são concorrentes

Leia mais

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão)

Resolvendo inequações: expressões com desigualdades (encontrar os valores que satisfazem a expressão) R é ordenado: Se a, b, c R i) a < b se e somente se b a > 0 (a diferença do maior com o menor será positiva) ii) se a > 0 e b > 0 então a + b > 0 (a soma de dois números positivos é positiva) iii) se a

Leia mais

FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 11.º Ano Versão 1

FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 11.º Ano Versão 1 FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 11º Ano Versão 1 Nome: Nº Turma: Apresente o seu raciocínio de forma clara, indicando todos os cálculos que tiver de efetuar e todas as justificações necessárias Quando,

Leia mais

Tecnologia em Construções de Edifícios

Tecnologia em Construções de Edifícios 1 Tecnologia em Construções de Edifícios Aula 9 Geometria Analítica Professor Luciano Nóbrega 2º Bimestre 2 GEOMETRIA ANALÍTICA INTRODUÇÃO A geometria avançou muito pouco desde o final da era grega até

Leia mais

Relembrando: Ângulos, Triângulos e Trigonometria...

Relembrando: Ângulos, Triângulos e Trigonometria... Relembrando: Ângulos, Triângulos e Trigonometria... Este texto é apenas um resumo. Procure estudar esses assuntos em um livro apropriado. Ângulo é a região de um plano delimitada pelo encontro de duas

Leia mais

NOTAÇÕES. R : conjunto dos números reais C : conjunto dos números complexos

NOTAÇÕES. R : conjunto dos números reais C : conjunto dos números complexos NOTAÇÕES R : conjunto dos números reais C : conjunto dos números complexos i : unidade imaginária: i = 1 z : módulo do número z C Re(z) : parte real do número z C Im(z) : parte imaginária do número z C

Leia mais

GEOMETRIA ANALÍTICA E CÁLCULO VETORIAL GEOMETRIA ANALÍTICA BÁSICA. 03/01/ GGM - UFF Dirce Uesu Pesco

GEOMETRIA ANALÍTICA E CÁLCULO VETORIAL GEOMETRIA ANALÍTICA BÁSICA. 03/01/ GGM - UFF Dirce Uesu Pesco GEOMETRIA ANALÍTICA E CÁLCULO VETORIAL GEOMETRIA ANALÍTICA BÁSICA 03/01/2013 - GGM - UFF Dirce Uesu Pesco CÔNICAS Equação geral do segundo grau a duas variáveis x e y onde A, B e C não são simultaneamente

Leia mais

Análise Vetorial na Engenharia Elétrica

Análise Vetorial na Engenharia Elétrica nálise Vetorial na Engenharia Elétrica ula 13/03/09 1.3 - Medida algébrica de um segmento Segmento: um segmento é determinado por um par ordenado d de pontos. figura 1.8 apresenta um segmento Figura 1.8

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS MAT GEOMETRIA E DESENHO GEOMÉTRICO I

LISTA DE EXERCÍCIOS MAT GEOMETRIA E DESENHO GEOMÉTRICO I LISTA DE EXERCÍCIOS MAT 230 - GEOMETRIA E DESENHO GEOMÉTRICO I 1. Numa geometria de incidência, o plano tem 5 pontos. Quantas retas tem este plano? A resposta é única? 2. Exibir um plano de incidência

Leia mais

n. 15 ÁREA DE UM TRIÂNGULO Logo, a área do triângulo é obtida calculando-se a metade da área do S = 1 2

n. 15 ÁREA DE UM TRIÂNGULO Logo, a área do triângulo é obtida calculando-se a metade da área do S = 1 2 n. 15 ÁREA DE UM TRIÂNGULO Do cálculo da área do paralelogramo temos: S ABCD = u x v Logo, a área do triângulo é obtida calculando-se a metade da área do paralelogramo, portanto S ABC = 1 u x v Assim,

Leia mais

3. Obter a equação do plano que contém os pontos A = (3, 0, 1), B = (2, 1, 1) e C = (3, 2, 2).

3. Obter a equação do plano que contém os pontos A = (3, 0, 1), B = (2, 1, 1) e C = (3, 2, 2). Lista II: Retas, Planos e Distâncias Professora: Ivanete Zuchi Siple. Equação geral do plano que contém o ponto A = (,, ) e é paralelo aos vetores u = (,, ) e v = (,, ).. Achar a equação do plano que passa

Leia mais

GABARITO. tg B = tg B = TC BC, com B = 60 e tg 60 = 3 BC BC. 3 = TC BC = TC 3. T Substituindo (2) em (1): TC. 3 = 3TC 160.

GABARITO. tg B = tg B = TC BC, com B = 60 e tg 60 = 3 BC BC. 3 = TC BC = TC 3. T Substituindo (2) em (1): TC. 3 = 3TC 160. Matemática Intensivo V. Eercícios 0) No triângulo abaio: teto adjacente ao ângulo. omo 5 e,8 km, vamos relacionar essas informações através da razão tangente: tg cat. oposto cat. adjacente y om: 5, cateto

Leia mais

Aula 15 Superfícies quádricas - cones quádricos

Aula 15 Superfícies quádricas - cones quádricos Aula 15 Superfícies quádricas - cones quádricos MÓDULO - AULA 15 Objetivos Definir e estudar os cones quádricos identificando suas seções planas. Analisar os cones quádricos regrados e de revolução. Cones

Leia mais