Tecnologias de Programação, Acionamento e Controle de Operações - Oficina de trabalho: FazTudo & Quero Logo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologias de Programação, Acionamento e Controle de Operações - Oficina de trabalho: FazTudo & Quero Logo"

Transcrição

1 1 EMPRES FZTUO & O LIENTE QUEROLOGO empresafztuo é uma oficina de reparos. Isto é, os clientes enviam os materiais que devem ser reprocessados eafztuo realiza o serviço. FZTUO é especializada em USINGEM MEÂNI. planta tem centros de trabalho, a saber: TRÇGEM, MNRILHMENTO, TORNEMENTO, FRESMENTO e FURÇÃO. Nesse momento, a FZTUO tem 4 pedidos em carteira. Os processos de fabricação de cada pedido já estão definidos, mas nenhum deles teve ainda sua fabricação iniciada. Pedido Instante de Entrega Prometido 13 / 1 / / 1 / 98 1 / 1 / / 1 / 98 1

2 Quando os pedidos foram aceitos, fez-se o orçamento de preços considerando os custos estimados de material e de processamento relacionados à fabricação de cada pedido. Especificou-sese também as multas a serem pagas pela FZTUO caso a entrega do serviço ao cliente fosse feita com atraso.. Pedido Preço Multa diária por atraso Totais Para o orçamento dos custos de processamento foram considerados valores históricos relacionados a custos fixos, de mão-de-obra e de uso das máquinas. Quanto ao custo de material considerou-se um orçamento de R$1., para cada pedido. tabela a seguir apresenta os valores utilizados no orçamento : ustos fixos (em R$/mês) usto de mão-de-obra (R$/mês) na traçagem usto de mão-de-obra (R$/mês) nos demais centros usto de uso das máquinas (R$/h) na traçagem usto de uso das máquinas (R$/h) nos demais centros 7 1.

3 3 Entendendo o programa de produção O setor de Planejamento e ontrole de Produção da FZTUO acaba de preparar a programação de trabalho que deverá entrar em vigor no início da próxima semana. Os materiais para o processamento dos pedidos e já estão disponíveis i no galpão da FZTUO (instante ). Os materiais para o processamento dos pedidos e já estão disponíveis i no galpão da FZTUO (instante ). Quanto aos pedidos e, os materiais estarão disponíveis, para uso imediato, no instante e no instante 1, respectivamente. 3

4 4 Observações a) programação supõe que todas as máquinas estão funcionando normalmente desde o instante ZERO; b) fábrica trabalha todos os dias, 4 horas por dia. Observações c) programação considerou um tempo de transporte padrão de 1 unidade de tempo para simular a movimentação dos materiais entre estágios consecutivos de fabricação, inclusive após a última operação (isto é, finda a última operação, os materiais estão disponíveis para entrega ao cliente só no dia seguinte); d) Não há tempos de preparação relevantes; Torneamento Questão 1 Se a programação apresentada é válida Qual é o ROTEIRO E PROUÇÃO determinado para cada serviço 4

5 Questão Se a programação apresentada é válida Qual é a SEQUÊNI E PROUÇÃO determinada em cada posto de trabalho Roteiro de produção Sequencia de produção Questão 1 Se a programação apresentada é válida Qual é o ROTEIRO E PROUÇÃO determinado para cada serviço Torneamento 1) escreva o ROTEIRO E PROUÇÃO de cada um dos quatro pedidos. TR (1), TOR (), MN (), FRE (1), FUR (1) TR (1), FRE (1), MN (1), FUR (1), TOR (1) TR (1), FUR (), TOR (3), MN (1), FRE (1) TR (1), MN (), TOR (), FRE ()

6 6 Questão Se a programação apresentada é válida Qual é a SEQUÊNI E PROUÇÃO determinada em cada posto de trabalho Torneamento ) escreva a SEQUENI E PROUÇÃO cada um dos cinco centros de trabalho. TR TOR FRE FUR MN,,,,,,,,,,,,,, de Questão 3 INIORES E PONTULIE Tendo por base a programação elaborada Qual é o TRSO esperado em cada serviço 6

7 7 Questão 4 Tendo por base a programação elaborada Qual é o ESVIO esperado em cada serviço Questão Tendo por base a programação elaborada Que multa por atraso deverá a FZTUO pagar Pedido Preço Multa diária por atraso TRSOS, ESVIOS E MULTS Totais

8 8 Torneamento ENTREG PROGRM ENTREG PROMETI ESVIO TRSO ENTREG PROGRM ENTREG PROMETI ESVIO TRSO TRSO MÁXIMO TRSO MÉIO ESVIO MÁXIMO ( ) =, + ESVIO MÉIO ( ) = ENTREG PROGRM ENTREG PROMETI ESVIO TRSO -1-1 O LE-TIME (tempo de atravessamento) MULT ( dias x R$ 9 ) = R$ 1.9 E SEUS OMPONENTES 8

9 9 Torneamento Tempo de atravessamento de Tempo de máquina ado do problema => ependente do roteiro Tempo de preparação ado do problema => ZERO Tempo de transporte ado do problema => 1 dia Tempo de fila ependente da prioridade Questão 6 Tendo por base a programação elaborada Qual é o TEMPO E TRVESSMENTO esperado para cada serviço Questão 7 Tendo por base a programação elaborada Qual dos pedidos perderá mais tempo com TEMPOS QUE NÃO GREGM VLOR 9

10 1 Tempo que não agrega valor Tudo que não é tempo de máquina quando o material efetivamente está sofrendo a transformação desejada pelo cliente Questão 8 Tendo por base a programação elaborada Qual dos pedidos perderá mais tempo esperando em FILS Questão 6 Tendo por base a programação elaborada Qual é o TEMPO E TRVESSMENTO esperado para cada serviço Torneamento Tempo de atravessamento de 1

11 11 Torneamento Torneamento Tempo de atravessamento de Tempo de atravessamento de Torneamento Tempo de atravessamento de Qual pedido apresenta o TEMPO TRVESSMENTO máximo Entrega programada Início mais cedo 1 E Tempo de atravessamento

12 1 Questão 7 Tendo por base a programação elaborada Qual pedido perdeu mais tempo na fábrica com atividades que não agregavam valor Qual dos pedidos perderá mais tempo com TEMPOS QUE NÃO GREGM VLOR TRVES- SMENTO 1 13 TEMPO MÁQUIN TEMPO S/ VLOR 8 1 Qual pedido perdeu mais tempo esperando em fila TEMPO S/ VLOR GREG. 8 1 TEMPO TRNSPORTE 4 TEMPO FIL 3 6 INIORES E ESPER 1

13 13 Questão 9 Tendo por base a programação elaborada Quais operações mais esperaram em FILS Quais operações mais esperaram em fila antes de serem realizadas Qual foi a espera máxima verificada Operação Início Início mais Espera programado cedo Torno Mandril Mandril Questão 1 Tendo por base a programação elaborada Qual a ESPER MÉI na fila do mandrilhamento Qual a espera média no mandrilhamento Início programado p g 7 11 Início mais cedo (capacitado) 11 Espera 8 3 EsperaMédia= (+++3)/ 4 = 1, 13

14 14 Questão 11 INIORES E FIL E RG Tendo por base a programação elaborada Qual a FIL MÉI na fila do mandrilhamento Média em que período Torneamento Período total Período de uso programado 14

15 1 Torneamento Período de uso programado Qual a fila média (em número de itens) prevista para ocorrer no centro MNRILMENTO ao longo do seu PERÍOO E USO PROGRMO Intervalo Itens na fila Quantidade , Fila Média = ( x ) + ( 1 x 1 ) + ( x 4 ) / ( 1 - ) =,71 itens Questão 1 Tendo por base a programação elaborada Qual a RG MÉI na fila do mandrilhamento Qual a carga média (em número de dias enfileirados) prevista para ocorrer no centro MNRILMENTO ao longo do seu PERÍOO E USO PROGRMO Intervalo Itens na fila arga , arga Média = (3 x ) + ( x 1) + ( x 4) / (1 - ) = 1,149 dias 1

16 16 Questão 13 Tendo por base a programação elaborada Qual centro de trabalho teve a maior UTILIZÇÃO UTILIZÇÃO Mede o PROVEITMENTO do (racionalização ou economicidade) OS REURSOS EMPREGOS RG LO ISPONIILIE Torneamento Período total Período de uso programado Qual centro de trabalho teve a maior utilização ao longo de seu PERÍOO E ISPONIILIE TOTL Torno Fresa Mandril ar ga Último período Primeiro período Utiliza ção 3, % 47,1 % 9,4 % 3, % 17 3,3 % 16

17 17 Torneamento Torneamento Período de uso programado Torneamento Período de uso programado Torneamento Torneamento Período de uso programado Período de uso programado 17

18 18 Torneamento Mandrilhamento Período uso programado Qual centro de trabalho teve a maior utilização ao longo de seu PERÍOO E USO PROGRMO Torno Fresa Mandril ar ga Último período 4 14 Primeiro período Utiliza ção 1, % 66,7 % 3,7 % 7,1 % 1 8,7 % UTILIZÇÃO OEE (Overall Equipment Effectiveness) EFIIÊNI OEE (Overall Equipment Effectiveness) 18

19 19 UTILIZÇÃO Mede o PROVEITMENTO do (racionalização ou economicidade) OS REURSOS EMPREGOS UTILIZÇÃO Mede o PROVEITMENTO do (racionalização ou economicidade) OS REURSOS EMPREGOS RG LO ISPONIILIE Quanto usei do ativo Qual é a capacidade do ativo EFIIÊNI Mede o grau de acerto (racionalização ou economicidade) na UTILIZÇÃO OS REURSOS EMPREGOS OEE (Overall Equipment Effectiveness) FZER ERTO OIS 19

20 LOING Janela legal planejada Tempo total do calendário VILILITY Janela legal paradas planejadas Janela Legal planejada PERFORMNE Necessidade teórica de tempo Tempo gasto QULITY Peças boas Total de unidades processadas OEE (Overall Equipment Effectiveness) Exemplo: Loading... 7% vailability... 91% Performance... 8% Quality... 99% OEE = 7% x 91% x 8% x 99% = % Questão 14 Supondo que uma única regra foi utilizada para priorizar produtos na programação elaborada pergunta-se: Qual regra de descarregamento de fila terá sido utilizada para compor este programa de produção Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair Torneamento

21 1 Os materiais para o processamento dos pedidos e já estão disponíveis i no galpão da FZTUO (instante ). Quanto aos pedidos e, os materiais estarão disponíveis, para uso imediato, no instante e no instante 1, respectivamente. Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair Torneamento Regra PEPS NÃO Maior valor de venda Maior multa Torneamento Torneamento Regra VLOR E VEN NÃO Regra MIOR MULT NÃO 1

22 Menor tempo de processamento Menor data de entrega Torneamento Torneamento Regra MTP NÃO Regra ME SIM!!! Folga dinâmica REGRS INÂMIS Torneamento Regra FOLG INÂMI NÃO

23 3 Razão crítica Torneamento GNHO TOTL PROGRMO Regra RZÃO RÍTI NÃO Pedido Preço Multa diária por atraso Quanto ao custo de material considerou-se um orçamento de R$1., para cada pedido. Totais

24 4 Qual o LURO ESTIMO (em Reais) decorrente da solução programada Ganho programado = Ganho bruto com vendas ustos da empresa Ganho ruto com vendas = Faturamento ruto usto de materiais Para o orçamento dos custos de processamento foram considerados valores históricos relacionados a custos fixos, de mão-de-obra e de uso das máquinas ( ) = 3.96 ustos da empresa Qual o LURO ESTIMO (em Reais) decorrente da solução programada Ganho programado = Ganho bruto com vendas ustos da empresa Ganho bruto com vendas = Faturamento ruto usto de materiais ( ) = 3.96 ustos da empresa = Uso das máquinas + ustos Fixos + usto MO + ustos gerenciais (multa) tabela a seguir apresenta os valores utilizados no orçamento : ustos fixos (em R$/mês) usto de mão-de-obra (R$/mês) na traçagem usto de mão-de-obra (R$/mês) nos demais centros usto de uso das máquinas (R$/h) na traçagem usto de uso das máquinas (R$/h) nos demais centros

25 Então... ustos fixos = R$ 9.93 x 18 / 3 = R$.98 ustos de uso dos recursos : (4 x 4) x R$ = R$ 19 Torno: (8 x 4) x R$ = R$ 96 Furadeira: (4 x 4) x R$ = R$ 48 : ( x 4) x R$ = R$ 6 Mandril: (6 x 4) x R$ = R$ 7 Total: R$.9 Qual o LURO ESTIMO (em Reais) decorrente da solução programada Ganho programado = Ganho bruto com vendas ustos da empresa Ganho bruto com vendas = Faturamento ruto usto de materiais ( ) = 3.96 ustos da empresa = Uso das máquinas + ustos Fixos + usto MO + ustos gerenciais (multa) Então... ustos gerenciais (multas) = R$ 9 x = R$ 1.9 ustos de mão-de-obra Supondo que... O custo de mão-de-obra obra é calculado com base no período de uso programado de cada máquina. omo a carga de trabalho foi toda processada no horizonte de 18 dias...

26 6 Torneamento arga 4 Torno 8 Fresa 4 Mandril 6 Último uso Primeiro uso Uso efetivo Então... ustos gerenciais (multas) = R$ 9 x = R$ 1.9 ustos de mão-de-obra : 4 / 3 x R$ 7 = R$ 1 Torno: 1 / 3 x R$ 1. = R$ 6 Furadeira: 14 / 3 x R$ 1. = R$ 7 : 7 / 3 x R$ 1. = R$ 3 Mandril: 7 / 3 x R$ 1. = R$ 3 Total: R$.1 Portanto... ustos fixos R$.98 ustos de uso dos recursos R$.9 ustos gerenciais (multas) R$ 1.9 ustos de mão-de-obra R$.1 USTOS EMPRES R$ 1.91 Qual o LURO ESTIMO (em Reais) decorrente da solução programada Ganho bruto com vendas = Faturamento ruto usto de materiais ( ) = 3.96 ustos da empresa = Uso das máquinas + ustos Fixos + usto MO + ustos gerenciais (multa) = 1.91 Ganho programado = Ganho bruto com vendas ustos da empresa = = R$ 11. 6

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. Eng. Liane Freitas

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. Eng. Liane Freitas PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Eng. Liane Freitas O que será visto hoje? PCP: definição e objetivos Funções do PCP Programação da Produção Plano Mestre de Produção Programação para Volumes Intermediários

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

SOLUÇÃO EXERCÍCIO CASO HIGIENEX

SOLUÇÃO EXERCÍCIO CASO HIGIENEX UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

UNIDADE VI - Planejamento e Controle de Projetos

UNIDADE VI - Planejamento e Controle de Projetos UNIDADE VI - Planejamento e Controle de Projetos Características do Planejamento e Controle Tarefas do Planejamento e Controle Processo de Planejamento e Controle de Projetos Técnicas e Ferramentas de

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Exercícios de Consolidação - gabarito - Prof. Eduardo G. M. Jardim,

Leia mais

Klabin eleva produtividade e eficiência operacional e financeira de fábricas com SAP MII

Klabin eleva produtividade e eficiência operacional e financeira de fábricas com SAP MII Klabin eleva produtividade e eficiência operacional e financeira de fábricas com SAP MII Com 16 fábricas no Brasil e uma na Argentina, a Klabin S.A. é a maior produtora e exportadora de papéis do Brasil.

Leia mais

SIMULADO 1 CERTIFICAÇÃO PMP

SIMULADO 1 CERTIFICAÇÃO PMP SIMULADO 1 CERTIFICAÇÃO PMP Nível Básico Página 0 de 5 1) Das alterativas apresentadas abaixo, qual não é considerada uma das ferramentas do processo Realizar o Controle da Qualidade? a) Auditoria da Qualidade.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Seqüenciamento e Controles de Ordens de Produção

Seqüenciamento e Controles de Ordens de Produção Seqüenciamento e Controles de Ordens de Produção Seu computador é rápido o suficiente? Universo Tempo de Itens Máquinas de soluções processamento 4 5 7.962.624 1,3 minutos 5 5 2,49 x 10 10 2,9 dias 6 5

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

IDG -Informação Diária de Gestão. PF - PRODUÇÃO E FACTURAÇÃO Mapa Excel

IDG -Informação Diária de Gestão. PF - PRODUÇÃO E FACTURAÇÃO Mapa Excel IDG -Informação Diária de Gestão PF - PRODUÇÃO E FACTURAÇÃO Mapa Excel / Fevereiro de 2012 Agenda 1. Funcionamento 2. Descrição geral 3. Tipos de mapas Excel 4. Informação apresentada nos mapas Excel 5.

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão de Manufatura

Sistema Integrado de Gestão de Manufatura O Conceito Competitiva. Rentável. Produtiva. Não é assim que você quer ver a sua empresa? Nós também. A SIGMA SERVICES sabe que o sucesso da sua empresa depende basicamente das decisões que você toma e

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO. Prof. Fernando 1

PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO. Prof. Fernando 1 PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO Prof. Fernando 1 Manutenção Antigamente Visão da empresa: Mal necessário Função: consertar eventuais defeitos Funcionários: Pouco qualificados Restritos apenas

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2

MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2 MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2 1. Questões teóricas de sistemas de planejamento da produção: a. Defina e descreva planejamento agregado. b. Relacione as vantagens e desvantagens dos

Leia mais

Exercícios. Exercício 1

Exercícios. Exercício 1 Exercícios Exercício 1 Considere um sistema de processamento com os seguintes tempos entre chegadas de tarefas: Tempo entre Chegadas (horas) Probabilidade 0 0.23 1 0.37 2 0.28 3 0.12 Os tempos de processamento

Leia mais

Universidade da Beira Interior Departamento de Informática (6619, 11543, 11552) Programação I

Universidade da Beira Interior Departamento de Informática (6619, 11543, 11552) Programação I Universidade da Beira Interior Departamento de Informática (6619, 11543, 11552) Programação I Ficha prática 4 Ano letivo 2014-15 Exercícios 1. Escreva um programa que mostre no ecrã a parte da tabela ASCII

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. www.grima.ufsc.br/jcarlos/ jcarlos@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de

Leia mais

Apresentação do Sistema GPS integrado com o Sistema TopSolid Punch/Cut

Apresentação do Sistema GPS integrado com o Sistema TopSolid Punch/Cut Apresentação do Sistema GPS integrado com o Sistema TopSolid Punch/Cut Objetivo Esta apresentação tem como objetivo mostrar o software GPS, um produto francês da empresa Missler Software que se especializou

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital Página 1 de 15 Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital O cadastro de produtos permite organizar as informações relativas a produtos e serviços, como grupo, marca, peso, unidades e outros, que

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado Modelos Clássicos de Reposição de Estoques

Estruturando o Fluxo Puxado Modelos Clássicos de Reposição de Estoques 1 GESTÃO DE S EM SISTEMAS DE ESTÁGIO ÚNICO Modelos Clássicos e Cálculo dos Parâmetros de Controle SISTEMAS DE ESTÁGIO ÚNICO CASOS REAIS TÍPICOS Venda de produtos no varejo Venda de produtos em máquinas

Leia mais

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro

EXERCÍCIO 01. Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro EXERCÍCIO 01 Classificar em: Custos de Fabricação Despesas Administrativas Despesas Comerciais ou de Vendas Lucro - Despesas de viagens 1.000 - Material direto 35.000 - Salário da administração 14.000

Leia mais

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de PCP É a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de material e as atividades de processamento de

Leia mais

3 Indicadores de Resultados da gestão comercial. Série Indicadores Essenciais Volume 3

3 Indicadores de Resultados da gestão comercial. Série Indicadores Essenciais Volume 3 3 Indicadores de Resultados da gestão comercial Série Indicadores Essenciais Volume 3 Gestão Comercial de Alta Performance Clique abaixo e saiba como podemos colaborar com o desenvolvimento de sua equipe.

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí / SP QUESTÕES SIMULADAS DE GESTÃO DE PROJETOS PARA 1ª AVALIAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí / SP QUESTÕES SIMULADAS DE GESTÃO DE PROJETOS PARA 1ª AVALIAÇÃO QUESTÕES SIMULADAS DE GESTÃO DE PROJETOS PARA 1ª AVALIAÇÃO Gabarito: 1D, 2B, 3A, 4C, 5C, 6A, 7C, 8B, 9D, 10A, 11D, 12B, 13A, 14B, 15D, 16B, 17D, 18D, 19B Fórmulas: VC = VA - CR VPR = VA - VP IDC = VA /

Leia mais

Simulação de Evento Discreto

Simulação de Evento Discreto Simulação de Evento Discreto Simulação de evento discreto As variáveis de estado modificam-se apenas pela ocorrência de eventos Os eventos ocorrem instantaneamente em pontos separados no tempo São simulados

Leia mais

Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE]

Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE] Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE] Entre [ ].. representada pelas pessoas devidamente autorizadas nomeadas na página de assinatura do presente CONTRATO, doravante denominada

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Muito mais rápido. Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Faça certo desde o início

Muito mais rápido. Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Faça certo desde o início Investimentos em máquinas Faça certo desde o início Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Muito mais rápido. 12 minutos podem reduzir 12 meses Se você estiver

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

CAPÍTULO 3 - MÃO-DE-OBRA QUESTÕES TEÓRICAS

CAPÍTULO 3 - MÃO-DE-OBRA QUESTÕES TEÓRICAS APÍTULO 3 - MÃO-E-OBRA QUESTÕES TEÓRIAS MEGLIORINI, Evandir. ustos: análise e gestão. 2.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007. 1 omo distinguir a mao-de-obra direta da mao-de-obra indireta? Mão-de-obra

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Brochura BX MRO Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Manutenção, Reparo & Revisão para SAP Business One Esta combinação de SAP Buisness One

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537.

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537. Assist24h_AutoPasseio_jul 6/13/07 4:32 PM Page 1 CARO SEGURADO Para você que adquiriu o Real Automóvel e contratou os serviços de Assistência 24 horas, este é o seu guia de serviços da Real Assistência.

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

Sistemas de Administração e Gestão da Produção

Sistemas de Administração e Gestão da Produção Sistemas de Administração e Gestão da Produção Izabel Cristina Zattar izabelzattar@netvision.com.br www.grima.ufsc.br/izabel/index.html Os 3 Grandes Níveis do Planejamento Horizonte de detalhamento Diário/Semanal

Leia mais

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto.

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto. Discussão sobre Nivelamento Baseado em Fluxo de Caixa. Item aberto na lista E-Plan Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em

Leia mais

Manual - Relatórios Gerenciais.

Manual - Relatórios Gerenciais. Manual - Relatórios Gerenciais. Perguntas que temos que responder quase que diariamente sobre: Vendas Financeiro Produção Emissão: 04/02/2014 Revisão: 28/05/2015 Revisado por: Juliana 1 Área de Vendas

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO 58 91 SOLUÇÃO DE PROBLEMAS JUNTO AOS CLIENTES QUANTIDADE DE ATENDIMENTOS SOMATÓRIO DOS TEMPOS DE SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS EM UM PERÍODO/QUANTIDADE DE PROBLEMAS RESOLVIDOS NO PERÍODO SOMATÓRIO DA QUANTIDADE

Leia mais

PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO

PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO Produto: Conjunto: Subconjunto: Título: TRABALHO CONTRATO ADMINISTRAÇÃO POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATO DE TRABALHO 1. OBJETIVO: 1.1. Definir as políticas, metodologia e diretrizes referentes à rotina

Leia mais

Sistema CarOnline365 S I S T E M A D E O R Ç A M E N TA Ç Ã O E G E R E N C I A M E N T O PA R A O F I C I N A S E C O N C E S S I O N Á R I A S

Sistema CarOnline365 S I S T E M A D E O R Ç A M E N TA Ç Ã O E G E R E N C I A M E N T O PA R A O F I C I N A S E C O N C E S S I O N Á R I A S Sistema CarOnline365 S I S T E M A D E O R Ç A M E N TA Ç Ã O E G E R E N C I A M E N T O PA R A O F I C I N A S E C O N C E S S I O N Á R I A S Módulos do Sistema CarOnline365 Orçamentos Ordens de Serviço

Leia mais

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND

Aspectos Sociais de Informática. Simulação Industrial - SIND Aspectos Sociais de Informática Simulação Industrial - SIND Jogos de Empresas Utilizada com sucesso para o treinamento e desenvolvimento gerencial Capacita estudantes e profissionais de competência intelectual

Leia mais

ESTUDO DE CASO HIGIENEX SRL (Solução Parcial)

ESTUDO DE CASO HIGIENEX SRL (Solução Parcial) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Introdução a Teoria das Filas

Introdução a Teoria das Filas DISC. : PESQUISA OPERACIONAL II Introdução a Teoria das Filas Prof. Mestre José Eduardo Rossilho de Figueiredo Introdução a Teoria das Filas Introdução As Filas de todo dia. Como se forma uma Fila. Administrando

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

Gerência de processos Estudos de caso - BSD Unix

Gerência de processos Estudos de caso - BSD Unix Gerência de processos Estudos de caso - BSD Unix Escalonamento preemptivo com prioridades dinâmicas Prioridades entre 0 e 127 0 a 49 kernel 50 a 127 usuário 32 filas de pronto Processos executando em modo

Leia mais

ESTÁGIO DE DOCÊNCIA II

ESTÁGIO DE DOCÊNCIA II FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Tecnologia - CTC Departamento de Informática - DIN Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação PCC ESTÁGIO DE DOCÊNCIA II Disciplina: Engenharia

Leia mais

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time)

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time) Sistemas de Empurrar Os componentes são fabricados em resposta a um programa, independentemente do próximo estágio poder absorver ou de fato necessitar peças naquele momento ada estágio envia os componentes

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

Gestão do custo do projeto

Gestão do custo do projeto Nome: N. Série: Gestão do custo do projeto A gestão do custo é representada pelos processos necessários para cumprimento do orçamento. São eles o Planejamento dos Recursos, a Estimativa dos Custos, o Orçamento

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

SIMULADO 4 CERTIFICAÇÃO PMP

SIMULADO 4 CERTIFICAÇÃO PMP SIMULADO 4 CERTIFICAÇÃO PMP Nível Básico Página 0 de 5 76) A estimativa análoga: a) Usa técnicas de estimativa bottom-up. b) É usada mais frequentemente durante a execução do projeto. c) Usa técnicas de

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

Orçamentos e outras ferramentas

Orçamentos e outras ferramentas Finanças na Advocacia Orçamentos e outras ferramentas AXIS Consult Gestão Jurídica Luiz Machado ESG CORP 26º COMITÊ DE DEPARTAMENTOS JURÍDICOS E ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA MERCADO Atividade > Advocacia Mercantilismo

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

Gestão Estratégica de Escritórios Nelson Acar ArqProd (www.arqprod.com.br)

Gestão Estratégica de Escritórios Nelson Acar ArqProd (www.arqprod.com.br) Gestão Estratégica de Escritórios Nelson Acar ArqProd (www.arqprod.com.br) Roteiro da Apresentação (duração estimada 45minutos) : O uso de TI nas empresas O uso estratégico de TI nas empresas de arquitetura

Leia mais

Sequência orçamental

Sequência orçamental Sequência orçamental 1º Vendas Vendas = Quantidade de produto * PU 2º Produção Produção = Vendas + (Stock final de PA Stock inicial de PA) 3º ompras ompras = onsumo + (Existência final Existência inicial)

Leia mais

CPM (Critical Path Method) Método do caminho crítico

CPM (Critical Path Method) Método do caminho crítico U UL L CPM (Critical Path Method) Método do caminho crítico O serviço de manutenção de máquinas é indispensável e deve ser constante. Por outro lado, é necessário manter a produção, conforme o cronograma

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO

TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO TÓPICO ESPECIAL DE CONTABILIDADE: IR DIFERIDO! O que é diferimento?! Casos que permitem a postergação do imposto.! Diferimento da despesa do I.R.! Mudança da Alíquota ou da Legislação. Autores: Francisco

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes

A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes O que é Logística? CLM Council Logistics Management. Logística no Cenário Nacional? De acordo com uma pesquisa da Fundação Dom Cabral de 2012, as empresas

Leia mais

Guia Rápido - Notas Fiscais

Guia Rápido - Notas Fiscais Guia Rápido - Notas Fiscais Conhecimento global. Foco local. www.audatex.com.br / www.solerainc.com Versão 1.0 Histórico das versões VER DATA AUTOR DESCRIÇÃO DA MODIFICAÇÃO 2.0 23.07.2010 LV Versão Inicial

Leia mais

REUNIÃO DE ASSESSMENT

REUNIÃO DE ASSESSMENT Empresa: ABCDE Tecnologia Participantes: Diretores e Jorge Couto. Data: 13/6/2011 Qtde. de Gerentes de Contas: 12 Objetivo: Analisar junto com os executivos da empresa os três processos principais de vendas,

Leia mais

Valter Venturelli Controller Zen. www.otm.com.br

Valter Venturelli Controller Zen. www.otm.com.br Valter Venturelli Controller Zen Local: Brusque Santa Catarina Brasil Infraestrutura: 32.000 m² 1.100 empregados (jan.2012) Produção: 20,1 milhões de produtos e componentes (2011) Transformar metais em

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Planejamento e Projeto Professor: Roberto César SISTEMA ECONÔMICO Mercado de Bens e Serviços O que e quando produzir Famílias Empresas Pra quem produzir Mercado de Fatores

Leia mais

LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA

LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA 1) [Alocação de Recursos] A Capitão Caverna S.A., localizada em Pedra Lascada, aluga 3 tipos de barcos para passeios marítimos: jangadas, supercanoas

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Aqui seus Resultados Aparecem

Aqui seus Resultados Aparecem Aqui seus Resultados Aparecem 2 Evolution Materiais: Controle de Estoque, Compras Gerencia necessidades de compra para reposição de estoque ou para atender à necessidade de um Centro de Custo. Envolve

Leia mais

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES? COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?! Qual a importância do orçamento de caixa?! Como os grandes orçamentos da empresa se inter-relacionam?! Quais as maneiras de

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

MANUAL PAPELETA MOTORISTA Criado em: 15/02/2013 Atualizado em: 12/11/2014

MANUAL PAPELETA MOTORISTA Criado em: 15/02/2013 Atualizado em: 12/11/2014 O objetivo deste manual é explicar passo a passo o controle da papeleta do motorista realizado no SAT. De acordo com a LEI Nº 12.619, DE 30 DE ABRIL DE 2012, que pode ser acessada em: http://www.planalto.gov.br

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO GOVERNADORIA COMISSÃO CENTRAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO CCL ERRATA N.º 001 / 2014 POE/MA REF.: PREGÃO N.

ESTADO DO MARANHÃO GOVERNADORIA COMISSÃO CENTRAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO CCL ERRATA N.º 001 / 2014 POE/MA REF.: PREGÃO N. OVERNDORI OMISSÃO ENTRL PERMNENTE DE LIITÇÃO L ERRT N.º 001 / 2014 POE/M REF.: PREÃO N.º 024/ 2014 POE/M PROESSO DMINISTRTIVO N. 214.395/2013 VIV IDDÃO O Pregoeiro Oficial do Estado do Maranhão, após analise

Leia mais

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes Gestão Laboratorial GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Prof. Archangelo P. Fernandes GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Manutenção: conjunto de medidas necessárias, que permitam manter ou restabelecer um sistema no estado

Leia mais

------------------------------------------------------------------------------ Laboratório de Vibrações Mecânicas. Aluno: Caio Mesquita Ayres

------------------------------------------------------------------------------ Laboratório de Vibrações Mecânicas. Aluno: Caio Mesquita Ayres Departamento de Engenharia Mecânica ------------------------------------------------------------------------------ Laboratório de Vibrações Mecânicas Aluno: Caio Mesquita Ayres Matricula: 0920636 DADOS

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

Portal Gestão de Recebimentos

Portal Gestão de Recebimentos Portal Gestão de Recebimentos Introdução O Portal Gestão de Recebimentos proporciona agilidade e rapidez na interação dos clientes HSBC com seus fornecedores. Permite a você consultar as operações liberadas

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Multas. Ordem de Serviço. Sinistro. Estoque

Multas. Ordem de Serviço. Sinistro. Estoque Multas Orçamento Manutenção Ordem de Serviço Sinistro Abastecimento Plano de Manutenção (Revisão) Estoque Comece o cadastro de Multas clicando em Incluir, depois coloque a data e horário do momento da

Leia mais

Ponto de Equilíbrio Contábil

Ponto de Equilíbrio Contábil CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Viviane da Costa Freitag 3. ANÁLISE CUSTO X VOLUME X LUCRO A análise da relação Custo x Volume x Lucro, busca apresentar o comportamento dos custos e do lucro em função do

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

PMBOK PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA.

PMBOK PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA. Planejamento, Programação e Controle em Projetos PMBOK PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA. 1 Gestão de projetos com PMBoK PMBOK Lembrar que Sabemos o que são projetos Como projetos são gerenciados

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 7º Encontro - 09/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - PRODUTIVIDADE - VÍDEOS PARA DEBATE -

Leia mais

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia MBA em Gestão de Energia PROPPEX Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Centro Universitário Fundação Santo André Gerenciamento de custos Objetivo

Leia mais