Tecnologias de Programação, Acionamento e Controle de Operações - Oficina de trabalho: FazTudo & Quero Logo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologias de Programação, Acionamento e Controle de Operações - Oficina de trabalho: FazTudo & Quero Logo"

Transcrição

1 1 EMPRES FZTUO & O LIENTE QUEROLOGO empresafztuo é uma oficina de reparos. Isto é, os clientes enviam os materiais que devem ser reprocessados eafztuo realiza o serviço. FZTUO é especializada em USINGEM MEÂNI. planta tem centros de trabalho, a saber: TRÇGEM, MNRILHMENTO, TORNEMENTO, FRESMENTO e FURÇÃO. Nesse momento, a FZTUO tem 4 pedidos em carteira. Os processos de fabricação de cada pedido já estão definidos, mas nenhum deles teve ainda sua fabricação iniciada. Pedido Instante de Entrega Prometido 13 / 1 / / 1 / 98 1 / 1 / / 1 / 98 1

2 Quando os pedidos foram aceitos, fez-se o orçamento de preços considerando os custos estimados de material e de processamento relacionados à fabricação de cada pedido. Especificou-sese também as multas a serem pagas pela FZTUO caso a entrega do serviço ao cliente fosse feita com atraso.. Pedido Preço Multa diária por atraso Totais Para o orçamento dos custos de processamento foram considerados valores históricos relacionados a custos fixos, de mão-de-obra e de uso das máquinas. Quanto ao custo de material considerou-se um orçamento de R$1., para cada pedido. tabela a seguir apresenta os valores utilizados no orçamento : ustos fixos (em R$/mês) usto de mão-de-obra (R$/mês) na traçagem usto de mão-de-obra (R$/mês) nos demais centros usto de uso das máquinas (R$/h) na traçagem usto de uso das máquinas (R$/h) nos demais centros 7 1.

3 3 Entendendo o programa de produção O setor de Planejamento e ontrole de Produção da FZTUO acaba de preparar a programação de trabalho que deverá entrar em vigor no início da próxima semana. Os materiais para o processamento dos pedidos e já estão disponíveis i no galpão da FZTUO (instante ). Os materiais para o processamento dos pedidos e já estão disponíveis i no galpão da FZTUO (instante ). Quanto aos pedidos e, os materiais estarão disponíveis, para uso imediato, no instante e no instante 1, respectivamente. 3

4 4 Observações a) programação supõe que todas as máquinas estão funcionando normalmente desde o instante ZERO; b) fábrica trabalha todos os dias, 4 horas por dia. Observações c) programação considerou um tempo de transporte padrão de 1 unidade de tempo para simular a movimentação dos materiais entre estágios consecutivos de fabricação, inclusive após a última operação (isto é, finda a última operação, os materiais estão disponíveis para entrega ao cliente só no dia seguinte); d) Não há tempos de preparação relevantes; Torneamento Questão 1 Se a programação apresentada é válida Qual é o ROTEIRO E PROUÇÃO determinado para cada serviço 4

5 Questão Se a programação apresentada é válida Qual é a SEQUÊNI E PROUÇÃO determinada em cada posto de trabalho Roteiro de produção Sequencia de produção Questão 1 Se a programação apresentada é válida Qual é o ROTEIRO E PROUÇÃO determinado para cada serviço Torneamento 1) escreva o ROTEIRO E PROUÇÃO de cada um dos quatro pedidos. TR (1), TOR (), MN (), FRE (1), FUR (1) TR (1), FRE (1), MN (1), FUR (1), TOR (1) TR (1), FUR (), TOR (3), MN (1), FRE (1) TR (1), MN (), TOR (), FRE ()

6 6 Questão Se a programação apresentada é válida Qual é a SEQUÊNI E PROUÇÃO determinada em cada posto de trabalho Torneamento ) escreva a SEQUENI E PROUÇÃO cada um dos cinco centros de trabalho. TR TOR FRE FUR MN,,,,,,,,,,,,,, de Questão 3 INIORES E PONTULIE Tendo por base a programação elaborada Qual é o TRSO esperado em cada serviço 6

7 7 Questão 4 Tendo por base a programação elaborada Qual é o ESVIO esperado em cada serviço Questão Tendo por base a programação elaborada Que multa por atraso deverá a FZTUO pagar Pedido Preço Multa diária por atraso TRSOS, ESVIOS E MULTS Totais

8 8 Torneamento ENTREG PROGRM ENTREG PROMETI ESVIO TRSO ENTREG PROGRM ENTREG PROMETI ESVIO TRSO TRSO MÁXIMO TRSO MÉIO ESVIO MÁXIMO ( ) =, + ESVIO MÉIO ( ) = ENTREG PROGRM ENTREG PROMETI ESVIO TRSO -1-1 O LE-TIME (tempo de atravessamento) MULT ( dias x R$ 9 ) = R$ 1.9 E SEUS OMPONENTES 8

9 9 Torneamento Tempo de atravessamento de Tempo de máquina ado do problema => ependente do roteiro Tempo de preparação ado do problema => ZERO Tempo de transporte ado do problema => 1 dia Tempo de fila ependente da prioridade Questão 6 Tendo por base a programação elaborada Qual é o TEMPO E TRVESSMENTO esperado para cada serviço Questão 7 Tendo por base a programação elaborada Qual dos pedidos perderá mais tempo com TEMPOS QUE NÃO GREGM VLOR 9

10 1 Tempo que não agrega valor Tudo que não é tempo de máquina quando o material efetivamente está sofrendo a transformação desejada pelo cliente Questão 8 Tendo por base a programação elaborada Qual dos pedidos perderá mais tempo esperando em FILS Questão 6 Tendo por base a programação elaborada Qual é o TEMPO E TRVESSMENTO esperado para cada serviço Torneamento Tempo de atravessamento de 1

11 11 Torneamento Torneamento Tempo de atravessamento de Tempo de atravessamento de Torneamento Tempo de atravessamento de Qual pedido apresenta o TEMPO TRVESSMENTO máximo Entrega programada Início mais cedo 1 E Tempo de atravessamento

12 1 Questão 7 Tendo por base a programação elaborada Qual pedido perdeu mais tempo na fábrica com atividades que não agregavam valor Qual dos pedidos perderá mais tempo com TEMPOS QUE NÃO GREGM VLOR TRVES- SMENTO 1 13 TEMPO MÁQUIN TEMPO S/ VLOR 8 1 Qual pedido perdeu mais tempo esperando em fila TEMPO S/ VLOR GREG. 8 1 TEMPO TRNSPORTE 4 TEMPO FIL 3 6 INIORES E ESPER 1

13 13 Questão 9 Tendo por base a programação elaborada Quais operações mais esperaram em FILS Quais operações mais esperaram em fila antes de serem realizadas Qual foi a espera máxima verificada Operação Início Início mais Espera programado cedo Torno Mandril Mandril Questão 1 Tendo por base a programação elaborada Qual a ESPER MÉI na fila do mandrilhamento Qual a espera média no mandrilhamento Início programado p g 7 11 Início mais cedo (capacitado) 11 Espera 8 3 EsperaMédia= (+++3)/ 4 = 1, 13

14 14 Questão 11 INIORES E FIL E RG Tendo por base a programação elaborada Qual a FIL MÉI na fila do mandrilhamento Média em que período Torneamento Período total Período de uso programado 14

15 1 Torneamento Período de uso programado Qual a fila média (em número de itens) prevista para ocorrer no centro MNRILMENTO ao longo do seu PERÍOO E USO PROGRMO Intervalo Itens na fila Quantidade , Fila Média = ( x ) + ( 1 x 1 ) + ( x 4 ) / ( 1 - ) =,71 itens Questão 1 Tendo por base a programação elaborada Qual a RG MÉI na fila do mandrilhamento Qual a carga média (em número de dias enfileirados) prevista para ocorrer no centro MNRILMENTO ao longo do seu PERÍOO E USO PROGRMO Intervalo Itens na fila arga , arga Média = (3 x ) + ( x 1) + ( x 4) / (1 - ) = 1,149 dias 1

16 16 Questão 13 Tendo por base a programação elaborada Qual centro de trabalho teve a maior UTILIZÇÃO UTILIZÇÃO Mede o PROVEITMENTO do (racionalização ou economicidade) OS REURSOS EMPREGOS RG LO ISPONIILIE Torneamento Período total Período de uso programado Qual centro de trabalho teve a maior utilização ao longo de seu PERÍOO E ISPONIILIE TOTL Torno Fresa Mandril ar ga Último período Primeiro período Utiliza ção 3, % 47,1 % 9,4 % 3, % 17 3,3 % 16

17 17 Torneamento Torneamento Período de uso programado Torneamento Período de uso programado Torneamento Torneamento Período de uso programado Período de uso programado 17

18 18 Torneamento Mandrilhamento Período uso programado Qual centro de trabalho teve a maior utilização ao longo de seu PERÍOO E USO PROGRMO Torno Fresa Mandril ar ga Último período 4 14 Primeiro período Utiliza ção 1, % 66,7 % 3,7 % 7,1 % 1 8,7 % UTILIZÇÃO OEE (Overall Equipment Effectiveness) EFIIÊNI OEE (Overall Equipment Effectiveness) 18

19 19 UTILIZÇÃO Mede o PROVEITMENTO do (racionalização ou economicidade) OS REURSOS EMPREGOS UTILIZÇÃO Mede o PROVEITMENTO do (racionalização ou economicidade) OS REURSOS EMPREGOS RG LO ISPONIILIE Quanto usei do ativo Qual é a capacidade do ativo EFIIÊNI Mede o grau de acerto (racionalização ou economicidade) na UTILIZÇÃO OS REURSOS EMPREGOS OEE (Overall Equipment Effectiveness) FZER ERTO OIS 19

20 LOING Janela legal planejada Tempo total do calendário VILILITY Janela legal paradas planejadas Janela Legal planejada PERFORMNE Necessidade teórica de tempo Tempo gasto QULITY Peças boas Total de unidades processadas OEE (Overall Equipment Effectiveness) Exemplo: Loading... 7% vailability... 91% Performance... 8% Quality... 99% OEE = 7% x 91% x 8% x 99% = % Questão 14 Supondo que uma única regra foi utilizada para priorizar produtos na programação elaborada pergunta-se: Qual regra de descarregamento de fila terá sido utilizada para compor este programa de produção Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair Torneamento

21 1 Os materiais para o processamento dos pedidos e já estão disponíveis i no galpão da FZTUO (instante ). Quanto aos pedidos e, os materiais estarão disponíveis, para uso imediato, no instante e no instante 1, respectivamente. Primeiro a Entrar, Primeiro a Sair Torneamento Regra PEPS NÃO Maior valor de venda Maior multa Torneamento Torneamento Regra VLOR E VEN NÃO Regra MIOR MULT NÃO 1

22 Menor tempo de processamento Menor data de entrega Torneamento Torneamento Regra MTP NÃO Regra ME SIM!!! Folga dinâmica REGRS INÂMIS Torneamento Regra FOLG INÂMI NÃO

23 3 Razão crítica Torneamento GNHO TOTL PROGRMO Regra RZÃO RÍTI NÃO Pedido Preço Multa diária por atraso Quanto ao custo de material considerou-se um orçamento de R$1., para cada pedido. Totais

24 4 Qual o LURO ESTIMO (em Reais) decorrente da solução programada Ganho programado = Ganho bruto com vendas ustos da empresa Ganho ruto com vendas = Faturamento ruto usto de materiais Para o orçamento dos custos de processamento foram considerados valores históricos relacionados a custos fixos, de mão-de-obra e de uso das máquinas ( ) = 3.96 ustos da empresa Qual o LURO ESTIMO (em Reais) decorrente da solução programada Ganho programado = Ganho bruto com vendas ustos da empresa Ganho bruto com vendas = Faturamento ruto usto de materiais ( ) = 3.96 ustos da empresa = Uso das máquinas + ustos Fixos + usto MO + ustos gerenciais (multa) tabela a seguir apresenta os valores utilizados no orçamento : ustos fixos (em R$/mês) usto de mão-de-obra (R$/mês) na traçagem usto de mão-de-obra (R$/mês) nos demais centros usto de uso das máquinas (R$/h) na traçagem usto de uso das máquinas (R$/h) nos demais centros

25 Então... ustos fixos = R$ 9.93 x 18 / 3 = R$.98 ustos de uso dos recursos : (4 x 4) x R$ = R$ 19 Torno: (8 x 4) x R$ = R$ 96 Furadeira: (4 x 4) x R$ = R$ 48 : ( x 4) x R$ = R$ 6 Mandril: (6 x 4) x R$ = R$ 7 Total: R$.9 Qual o LURO ESTIMO (em Reais) decorrente da solução programada Ganho programado = Ganho bruto com vendas ustos da empresa Ganho bruto com vendas = Faturamento ruto usto de materiais ( ) = 3.96 ustos da empresa = Uso das máquinas + ustos Fixos + usto MO + ustos gerenciais (multa) Então... ustos gerenciais (multas) = R$ 9 x = R$ 1.9 ustos de mão-de-obra Supondo que... O custo de mão-de-obra obra é calculado com base no período de uso programado de cada máquina. omo a carga de trabalho foi toda processada no horizonte de 18 dias...

26 6 Torneamento arga 4 Torno 8 Fresa 4 Mandril 6 Último uso Primeiro uso Uso efetivo Então... ustos gerenciais (multas) = R$ 9 x = R$ 1.9 ustos de mão-de-obra : 4 / 3 x R$ 7 = R$ 1 Torno: 1 / 3 x R$ 1. = R$ 6 Furadeira: 14 / 3 x R$ 1. = R$ 7 : 7 / 3 x R$ 1. = R$ 3 Mandril: 7 / 3 x R$ 1. = R$ 3 Total: R$.1 Portanto... ustos fixos R$.98 ustos de uso dos recursos R$.9 ustos gerenciais (multas) R$ 1.9 ustos de mão-de-obra R$.1 USTOS EMPRES R$ 1.91 Qual o LURO ESTIMO (em Reais) decorrente da solução programada Ganho bruto com vendas = Faturamento ruto usto de materiais ( ) = 3.96 ustos da empresa = Uso das máquinas + ustos Fixos + usto MO + ustos gerenciais (multa) = 1.91 Ganho programado = Ganho bruto com vendas ustos da empresa = = R$ 11. 6

ESTADO DO MARANHÃO GOVERNADORIA COMISSÃO CENTRAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO CCL ERRATA N.º 001 / 2014 POE/MA REF.: PREGÃO N.

ESTADO DO MARANHÃO GOVERNADORIA COMISSÃO CENTRAL PERMANENTE DE LICITAÇÃO CCL ERRATA N.º 001 / 2014 POE/MA REF.: PREGÃO N. OVERNDORI OMISSÃO ENTRL PERMNENTE DE LIITÇÃO L ERRT N.º 001 / 2014 POE/M REF.: PREÃO N.º 024/ 2014 POE/M PROESSO DMINISTRTIVO N. 214.395/2013 VIV IDDÃO O Pregoeiro Oficial do Estado do Maranhão, após analise

Leia mais

Klabin eleva produtividade e eficiência operacional e financeira de fábricas com SAP MII

Klabin eleva produtividade e eficiência operacional e financeira de fábricas com SAP MII Klabin eleva produtividade e eficiência operacional e financeira de fábricas com SAP MII Com 16 fábricas no Brasil e uma na Argentina, a Klabin S.A. é a maior produtora e exportadora de papéis do Brasil.

Leia mais

UNEB Universidade do Estado da Bahia Campus II Alagoinhas DCET Curso: Análise de Sistemas Aluno: Data: / /

UNEB Universidade do Estado da Bahia Campus II Alagoinhas DCET Curso: Análise de Sistemas Aluno: Data: / / UN Universidade do stado da ahia ampus lagoinhas T urso: nálise de Sistemas luno: ata: / / Gerência de Projeto de Sistemas PRT/PM : Representação tem escrição Representação PROJTO onjunto de ações e Rede,

Leia mais

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar

Parece-me que alguém nos quer ultrapassar O que é a Manutenção? Conjunto de acções conduzidas com o fim de manter em condição aceitável as instalações e o equipamento fabril de forma a assegurar a regularidade da produção, a sua qualidade e a

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Exercícios. Exercício 1

Exercícios. Exercício 1 Exercícios Exercício 1 Considere um sistema de processamento com os seguintes tempos entre chegadas de tarefas: Tempo entre Chegadas (horas) Probabilidade 0 0.23 1 0.37 2 0.28 3 0.12 Os tempos de processamento

Leia mais

Tecnonews Maio-2012. 3. Reciclagem para clientes e Palestras abertas gratuitas: Confiram a agenda!

Tecnonews Maio-2012. 3. Reciclagem para clientes e Palestras abertas gratuitas: Confiram a agenda! Tecnonews Maio-2012 1. Artigo: UEP, OEE, OEE+ e OEE++ : Rastreie, mensure, reduza custos e melhore a produtividade e os resultados de sua empresa rápida e eficazmente. Produtividade e otimização da capacidade

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

&UHDWH±'LVSRVH±3URFHVV±(QWLW\±5HVRXUFH

&UHDWH±'LVSRVH±3URFHVV±(QWLW\±5HVRXUFH $5(1$±$8/$ &UHDWH±'LVSRVH±3URFHVV±(QWLW\±5HVRXUFH )OX[RGD6LPXODomR5HFXUVRV(QWLGDGHV ygxorv%ivlfrvgr$uhqd ygxor&5($7( Cria as entidades para a simulação Campo Name: Identifica e documenta o módulo. Está

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Seqüenciamento e Controles de Ordens de Produção

Seqüenciamento e Controles de Ordens de Produção Seqüenciamento e Controles de Ordens de Produção Seu computador é rápido o suficiente? Universo Tempo de Itens Máquinas de soluções processamento 4 5 7.962.624 1,3 minutos 5 5 2,49 x 10 10 2,9 dias 6 5

Leia mais

IDG -Informação Diária de Gestão. PF - PRODUÇÃO E FACTURAÇÃO Mapa Excel

IDG -Informação Diária de Gestão. PF - PRODUÇÃO E FACTURAÇÃO Mapa Excel IDG -Informação Diária de Gestão PF - PRODUÇÃO E FACTURAÇÃO Mapa Excel / Fevereiro de 2012 Agenda 1. Funcionamento 2. Descrição geral 3. Tipos de mapas Excel 4. Informação apresentada nos mapas Excel 5.

Leia mais

MARCELO RONALDO DE OLIVEIRA

MARCELO RONALDO DE OLIVEIRA IMPLANTAÇÃO DO ÍNDICE DE EFICIÊNCIA GLOBAL DOS EQUIPAMENTOS EM UMA CÉLULA DE MANUFATURA DE UMA EMPRESA DE GRANDE PORTE DO SETOR AUTOMOTIVO SEGMENTO DE EMBREAGENS MARCELO RONALDO DE OLIVEIRA ( marcelotlf@yahoo.com.br

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição

Caso de uma Central de distribuição Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

REQUISITOS, CARACTERÍSTICAS E RECURSOS TÉCNICOS DO SIGMA SISTEMA GERENCIAL DE MANUTENÇÃO

REQUISITOS, CARACTERÍSTICAS E RECURSOS TÉCNICOS DO SIGMA SISTEMA GERENCIAL DE MANUTENÇÃO REQUISITOS, ARATERÍSTIAS E REURSOS TÉNIOS DO SIGMA SISTEMA GERENIA DE MANUTENÇÃO Atualizado em Setembro de 2015 1 1. Requisitos Técnicos Arquitetura inguagem Plataforma Requisitos Mínimos Servidor para

Leia mais

MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2

MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2 MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2 1. Questões teóricas de sistemas de planejamento da produção: a. Defina e descreva planejamento agregado. b. Relacione as vantagens e desvantagens dos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA

LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA LISTA SOBRE MODELAGEM DE PROBLEMAS DE PROGRAMAÇÃO INTEIRA 1) [Alocação de Recursos] A Capitão Caverna S.A., localizada em Pedra Lascada, aluga 3 tipos de barcos para passeios marítimos: jangadas, supercanoas

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

Sequência orçamental

Sequência orçamental Sequência orçamental 1º Vendas Vendas = Quantidade de produto * PU 2º Produção Produção = Vendas + (Stock final de PA Stock inicial de PA) 3º ompras ompras = onsumo + (Existência final Existência inicial)

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar:

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar: 1. INTRODUÇÃO: O nível da organização da manutenção reflete as particularidades do estágio de desenvolvimento industrial de um país. A partir do momento em que começa a ocorrer o envelhecimento dos equipamentos

Leia mais

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537.

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537. Assist24h_AutoPasseio_jul 6/13/07 4:32 PM Page 1 CARO SEGURADO Para você que adquiriu o Real Automóvel e contratou os serviços de Assistência 24 horas, este é o seu guia de serviços da Real Assistência.

Leia mais

------------------------------------------------------------------------------ Laboratório de Vibrações Mecânicas. Aluno: Caio Mesquita Ayres

------------------------------------------------------------------------------ Laboratório de Vibrações Mecânicas. Aluno: Caio Mesquita Ayres Departamento de Engenharia Mecânica ------------------------------------------------------------------------------ Laboratório de Vibrações Mecânicas Aluno: Caio Mesquita Ayres Matricula: 0920636 DADOS

Leia mais

Universidade da Beira Interior Departamento de Informática (6619, 11543, 11552) Programação I

Universidade da Beira Interior Departamento de Informática (6619, 11543, 11552) Programação I Universidade da Beira Interior Departamento de Informática (6619, 11543, 11552) Programação I Ficha prática 4 Ano letivo 2014-15 Exercícios 1. Escreva um programa que mostre no ecrã a parte da tabela ASCII

Leia mais

SOLUÇÃO EXERCÍCIO CASO HIGIENEX

SOLUÇÃO EXERCÍCIO CASO HIGIENEX UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO. Prof. Fernando 1

PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO. Prof. Fernando 1 PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO Prof. Fernando 1 Manutenção Antigamente Visão da empresa: Mal necessário Função: consertar eventuais defeitos Funcionários: Pouco qualificados Restritos apenas

Leia mais

ESTUDO DE CASO HIGIENEX SRL (Solução Parcial)

ESTUDO DE CASO HIGIENEX SRL (Solução Parcial) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

CAPÍTULO 3 - MÃO-DE-OBRA QUESTÕES TEÓRICAS

CAPÍTULO 3 - MÃO-DE-OBRA QUESTÕES TEÓRICAS APÍTULO 3 - MÃO-E-OBRA QUESTÕES TEÓRIAS MEGLIORINI, Evandir. ustos: análise e gestão. 2.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007. 1 omo distinguir a mao-de-obra direta da mao-de-obra indireta? Mão-de-obra

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.04

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.04 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.04 Inventário Manual...2 Relatório de contagem...2 Contagem...3 Digitação...3 Inventário Programado...6 Gerando o lote...7 Inserindo produtos manualmente no lote...8 Consultando

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

Enumere as grandezas físicas com suas respectivas unidades e assinale a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo.

Enumere as grandezas físicas com suas respectivas unidades e assinale a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo. Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletromecânica Os condutores devem apresentar características de: A. alta condutibilidade, baixa elasticidade, grande peso. B. baixa elasticidade, pequeno

Leia mais

FLUXO DE CAIXA DE UMA EMPRESA INDUSTRIAL

FLUXO DE CAIXA DE UMA EMPRESA INDUSTRIAL UNIVERSIE ESTUL E MPINS - UNIMP INSTITUTO E FILOSOFI E IÊNIS HUMNS - IFH EPRTMENTO E EONOMI E PLNEJMENTO EONÔMIO - EPE ENTRO TÉNIO EONÔMIO E SSESSORI EMPRESRIL - TE FLUXO E IX E UM EMPRES INUSTRIL Professores

Leia mais

Roteiro para Apresentação de Projetos (Para sugestões da II OFICINA NACIONAL DE TRABALHO)

Roteiro para Apresentação de Projetos (Para sugestões da II OFICINA NACIONAL DE TRABALHO) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SEDR - DEPARTAMENTO DE EXTRATIVISMO APOIO A GRUPOS VULNERÁVEIS SESAN COORDENAÇÃO GERAL DE CARTEIRA DE PROJETOS FOME ZERO

Leia mais

Modelos, em escala reduzida, de pontes e barragens. Simuladores de voo (ou de condução), com os quais se treinam pilotos (ou condutores).

Modelos, em escala reduzida, de pontes e barragens. Simuladores de voo (ou de condução), com os quais se treinam pilotos (ou condutores). SIMULAÇÃO 1 Introdução Entende-se por simulação a imitação do funcionamento de um sistema real recorrendo a uma representação desse sistema. Com essa representação modelo, pretende-se realizar experimentações

Leia mais

ANEXO VI AO TERMO DE REFERÊNCIA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ANALÍTICA

ANEXO VI AO TERMO DE REFERÊNCIA PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - ANALÍTICA NXO VI O TRMO RRÊNI PLNILH USTOS ORMÇÃO PRÇOS - NLÍTI NXO VI - PLNILH USTOS ORMÇÃO PRÇOS (NLÍTI - MÃO OR) MÃO--OR VINUL À XUÇÃO ONTRTUL Nº do processo: Licitação nº: Regime de Tributação: SIMPLS ( ) PRSUMIO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Ponto de Equilíbrio Contábil

Ponto de Equilíbrio Contábil CONTABILIDADE DE CUSTOS Prof. Viviane da Costa Freitag 3. ANÁLISE CUSTO X VOLUME X LUCRO A análise da relação Custo x Volume x Lucro, busca apresentar o comportamento dos custos e do lucro em função do

Leia mais

25/10/2015. Módulo III Programação e Controle da Produção. PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Implantação de Sistema Produtivo

25/10/2015. Módulo III Programação e Controle da Produção. PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Implantação de Sistema Produtivo Módulo III Programação e Controle da Produção Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Implantação de Sistema Produtivo Fluxo de Informações e PCP Marketing Previsão de Vendas

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

Orçamentos e outras ferramentas

Orçamentos e outras ferramentas Finanças na Advocacia Orçamentos e outras ferramentas AXIS Consult Gestão Jurídica Luiz Machado ESG CORP 26º COMITÊ DE DEPARTAMENTOS JURÍDICOS E ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA MERCADO Atividade > Advocacia Mercantilismo

Leia mais

Contudo, os diferentes aspectos do planejamento e controle podem ser vistos como a representação da conciliação entre suprimento e demanda.

Contudo, os diferentes aspectos do planejamento e controle podem ser vistos como a representação da conciliação entre suprimento e demanda. Fascículo 7 Planejamento e Controle O projeto físico de uma operação produtiva deve proporcionar recursos capazes de satisfazer as exigências dos consumidores. O planejamento e controle preocupam-se com

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 1. Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 1. Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001 Sistemas de Filas: Aula 1 Amedeo R. Odoni 10 de outubro de 2001 Tópicos em Teoria das Filas 9. Introdução a sistemas de filas; lei de Little, M/M/1 10. Filas Markovianas (processo de renovação) 11. Fila

Leia mais

O que é Sigma? E o que é Seis Sigma?

O que é Sigma? E o que é Seis Sigma? O que é Sigma? Sigma é uma letra grega (s) usada na Estatística para representar o desvio-padrão de uma distribuição. Em Estatística, letras gregas são usadas para representar parâmetros, e seus valores

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO 58 91 SOLUÇÃO DE PROBLEMAS JUNTO AOS CLIENTES QUANTIDADE DE ATENDIMENTOS SOMATÓRIO DOS TEMPOS DE SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS EM UM PERÍODO/QUANTIDADE DE PROBLEMAS RESOLVIDOS NO PERÍODO SOMATÓRIO DA QUANTIDADE

Leia mais

Simulação Industrial. Descrição dos Custos e Despesas do Sind 4.0g. www.bernard.com.br

Simulação Industrial. Descrição dos Custos e Despesas do Sind 4.0g. www.bernard.com.br Simulação Industrial Descrição dos Custos e Despesas do Sind 4.0g Custos e Despesas 1 - Custos de Produção 1.1. Fixos Folha de pagamento dos empregados Treinamento dos empregados da produção Custos de

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. Eng. Liane Freitas

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO. Eng. Liane Freitas PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Eng. Liane Freitas O que será visto hoje? PCP: definição e objetivos Funções do PCP Programação da Produção Plano Mestre de Produção Programação para Volumes Intermediários

Leia mais

Cadastros e Acessos. Conhecimento global. Foco local. www.audatex.com.br / www.solerainc.com Versão 1.0

Cadastros e Acessos. Conhecimento global. Foco local. www.audatex.com.br / www.solerainc.com Versão 1.0 Cadastros e Acessos Conhecimento global. Foco local. www.audatex.com.br / www.solerainc.com Versão 1.0 Histórico das versões VER DATA AUTOR DESCRIÇÃO DA MODIFICAÇÃO 1.0 18/08/2010 MT Versão Inicial Índice

Leia mais

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD

GABARITO DA AVALIAÇÃO AMD GRITO VLIÇÃO M FULS INTGRS IPIRNG OS XTRÍOS M //0 6:9:0 Turma TLGN Semestre 0 MINISTRO SISTMS INFORMO- 60 MINISTRO SISTMS INFORMO MINISTRO SISTMS INFORMO T 7. MINISTRO SISTMS INFORMO MINISTRO SISTMS INFORMO

Leia mais

Curso: Engenharia de Produção. Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística. Curso: Engenharia de Produção

Curso: Engenharia de Produção. Prof. Lorí Viali, Dr. PUCRS FAMAT: Departamento de Estatística. Curso: Engenharia de Produção λ número médio de clientes que entram no sistema por unidade de tempo; µ número médio de clientes atendidos (que saem do sistema) por unidade de tempo; Servidores (mecânicos) no sistema; número de máquinas

Leia mais

CPM (Critical Path Method) Método do caminho crítico

CPM (Critical Path Method) Método do caminho crítico U UL L CPM (Critical Path Method) Método do caminho crítico O serviço de manutenção de máquinas é indispensável e deve ser constante. Por outro lado, é necessário manter a produção, conforme o cronograma

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA

PREFEITURA DE ITABUNA ESTADO DE BAHIA TABELA REFERÊNCIA DE PREÇOS 1. DIMENSIONAMENTO DE CUSTOS DE OBRAS E INSTALAÇÕES DA GARAGEM Par0a o dimensionamento dos custos de Obras e Instalações de Garagem foram adotados os seguintes parâmetros baseados

Leia mais

$$$%&% Centro de Computação Diretoria! "#

$$$%&% Centro de Computação Diretoria! # $$$%&% Centro de Computação Diretoria! "# ' ( ) & - Inexistência de um programa específico para atender às necessidades de capacitação dos Técnicos e Analistas de TI. - Ocorrência de ações na infraestrutura

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de PCP É a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de material e as atividades de processamento de

Leia mais

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Roberto Campos MAXMES Agenda Introdução Definição de Métricas M de Operações e KPIs Sistemas

Leia mais

Muito mais rápido. Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Faça certo desde o início

Muito mais rápido. Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Faça certo desde o início Investimentos em máquinas Faça certo desde o início Vamos trabalhar juntos para amortizar os custos de investimento de sua nova máquina. Muito mais rápido. 12 minutos podem reduzir 12 meses Se você estiver

Leia mais

Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais

Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais Pós-graduação Gestão Empresarial Módulo GPE Gestão de Projetos Empresariais Prof. MSc José lexandre Moreno prof.moreno@uol.com.br gosto/setembro/200 1 Gerenciamento do Tempo Lista de tividades Diagrama

Leia mais

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time)

Sistemas de Empurrar. Sistemas de Empurrar. Sistemas de empurrar dificilmente vão produzir no tempo necessário (Just-on-time) Sistemas de Empurrar Os componentes são fabricados em resposta a um programa, independentemente do próximo estágio poder absorver ou de fato necessitar peças naquele momento ada estágio envia os componentes

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

30/10/2012. Ciclo de vida típico. Módulo: Projeto de Investimento e Financiamento 2º sem 2012. Objetivos

30/10/2012. Ciclo de vida típico. Módulo: Projeto de Investimento e Financiamento 2º sem 2012. Objetivos Gestão financeira GESTÃO DE PROJETOS 2 Planejamento, execução e conclusão do projeto Módulo: Projeto de Investimento e Financiamento 2º sem 2012 Objetivos Compreender os passos e requisitos de um plano

Leia mais

Sistema de Custos ABC. As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção

Sistema de Custos ABC. As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção Sistema de Custos ABC 85 As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção 86 80% 70% 60% 50% 40% As Inadequações do Sistema Tradicional de custos ao Novo Ambiente de Produção

Leia mais

Para acionar o Carro Reserva Yasuda Ligue para 0800 17 01 02

Para acionar o Carro Reserva Yasuda Ligue para 0800 17 01 02 UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS O Segurado poderá acessar o conjunto de serviços de Carro Reserva nas situações especificadas neste Manual, durante a vigência de sua Apólice, a qualquer hora do dia e da noite.

Leia mais

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Exercícios de Consolidação - gabarito - Prof. Eduardo G. M. Jardim,

Leia mais

ANEXO III PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PREENCHIDA

ANEXO III PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS PREENCHIDA SRVIÇO VIGILÂNI Regime de Tributação: Lucro Real c/onta Vinculada NXO III PLNILH USTOS FORMÇÃO PRÇOS PRNHI Nº Pregão: 02/2015 Nº do processo: 23365.000028.2015-06 OS ÁSIOS ata de apresentação da proposta

Leia mais

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias.

de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, a sua conta de luz está mais transparente. Conheça as bandeiras tarifárias. Agora, em todo o país, as bandeiras tarifárias vêm impressas na conta de luz. E, para saber se o valor da sua conta irá

Leia mais

14/07 - Baixe AQUI o edital de divulgação do resultado do sorteio

14/07 - Baixe AQUI o edital de divulgação do resultado do sorteio 14/07 - Baixe AQUI o edital de divulgação do resultado do sorteio O PMCMV no município de Niterói é coordenado pela Secretaria Municipal de Habitação e Regularização Fundiária, tendo como principal objetivo

Leia mais

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS Sumário 1. Introdução... 2 2. Início Portal Coordenador... 2 2.1. Novos Pedidos... 2 2.2. Pendências... 3 2.3. Menu... 4 2.4. Sair... 4 3. Saldo de Projetos... 5 4. Extrato

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção II Engenharia de Produção. 19/02/2014 Propriedade da Produtividade Consultoria LTDA

Planejamento e Controle da Produção II Engenharia de Produção. 19/02/2014 Propriedade da Produtividade Consultoria LTDA Planejamento e Controle da Produção II Engenharia de Produção. 1 O que é o PCP. PCP Planejamento e Controle da Produção. O conceito antigo limitava-se exclusivamente à produção. É responsável por definir

Leia mais

Atividade de Contabilidade Gerencial

Atividade de Contabilidade Gerencial FAULAE E TENOLOGIA SENA GOIÁS ontabilidade Gerencial IV PERÍOO Gestão da Tecnologia da Informação Noturno Atividade de ontabilidade Gerencial Professora: Niuza Adriane da Silva Aluno: Thiago hagas astilho

Leia mais

Manutenção Efetiva e Competitiva

Manutenção Efetiva e Competitiva Manutenção Efetiva e Competitiva Marcelo Albuquerque de Oliveira (1) Resumo Existem várias técnicas para gerenciamento de manutenção disponíveis, com uma gama de alternativas, facilidades e complexidades.

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET - Gerenciamento de Ferramentas

Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET - Gerenciamento de Ferramentas www.gildemeister.com DMG tecnologia e inovação Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET Gerenciamento de Ferramentas 02 I 03 DMG MICROSET 04 I 08 Equipamento de Ajuste Vertical 09

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DAS SECRETARIAS DE OBRAS E AGRICULTURA PROJETO DE TRABALHO

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DAS SECRETARIAS DE OBRAS E AGRICULTURA PROJETO DE TRABALHO SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DAS SECRETARIAS DE OBRAS E AGRICULTURA PROJETO DE TRABALHO INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia trouxe inúmeros benefícios à população. Quando usada de maneira saudável e inteligente,

Leia mais

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto.

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto. Discussão sobre Nivelamento Baseado em Fluxo de Caixa. Item aberto na lista E-Plan Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em

Leia mais

Construção do FMEA para um torno mecânico e uma furadeira coluna existentes na oficina de tornearia do CEFET PB UnED Cajazeiras

Construção do FMEA para um torno mecânico e uma furadeira coluna existentes na oficina de tornearia do CEFET PB UnED Cajazeiras Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba Unidade de Ensino Descentralizada de Cajazeiras Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial Disciplina: Manutenção Industrial José Rômulo Vieira

Leia mais

Injeção de plásticos

Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Simulação e Gerenciamento de Manufatura. Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado)

Simulação e Gerenciamento de Manufatura. Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado) Simulação e Gerenciamento de Manufatura Quadro comparativo entre o Max-Prod e seu principal concorrente (Software importado) Max-Prod Software importado Simulação e Otimização da Carga de Máquinas e Sequenciamento

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

Métricas empresariais

Métricas empresariais Métricas empresariais 1 Índice 1. Lista de Indicadores Setoriais Pág. 4 2. Métricas de Marketing Geral Pág. 5. Métricas de Propaganda Pág. 4. Métricas de Promoção Pág. 7 5. Métricas de Distribuição Pág.

Leia mais

Como levantar o ciclo de serviço:

Como levantar o ciclo de serviço: CONSTRUÇÃO DE QUESTIONÁRIOS PARA MEDIÇÃO E MONITORAMENTO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES CICLO DE SERVIÇO : A base do questionário é um roteiro que contém os principais incidentes críticos do ciclo de serviço.

Leia mais

OBS.: Usem as funções rand() e srand(). Qualquer duvida, http://www.cplusplus.com

OBS.: Usem as funções rand() e srand(). Qualquer duvida, http://www.cplusplus.com QUESTÃO 1-Escreva um programa que faça o jogo de adivinhar um número. Seu programa escolhe um numero aleatoriamente, entre 1 e 1000, e o usuário deverá adivinhar conforme exemplo abaixo: Tenho um numero

Leia mais

Redução de custos por meio de departamentalização por família de produtos. Pesquisa Ação Numa Linha de Transformadores.

Redução de custos por meio de departamentalização por família de produtos. Pesquisa Ação Numa Linha de Transformadores. Redução de custos por meio de departamentalização por família de produtos. Pesquisa Ação Numa Linha de Transformadores. Anderson do Nascimento Jorge Muniz Universidade Estadual Paulista - UNESP RESUMO

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Tutorial OPENCIM. Parte 2

Tutorial OPENCIM. Parte 2 Laboratório CIM - Computer Integrated Manufacturing 1 Tutorial OPENCIM Parte 2 Máquinas, peças e equipamentos Laboratório CIM - Computer Integrated Manufacturing 2 Página em branco Laboratório CIM - Computer

Leia mais

Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl.

Onde encontrar. Para utilização em rede (Multiusuário) Suporte. Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl. Onde encontrar Página principal do RDL www.suframa.gov.br www.fpf.br/rdl Para utilização em um único computador (Monousuário) RDL Completo software de instalação adequado para a utilização em somente um

Leia mais

Informativo Referente à DNC, Indenização Integral e Não Acordo de Valores e informações adicionais. Sistema Audatex Versão

Informativo Referente à DNC, Indenização Integral e Não Acordo de Valores e informações adicionais. Sistema Audatex Versão Informativo Referente à DNC, Indenização Integral e Não Acordo de Valores e informações adicionais. Sistema Audatex Versão - DNC (Danos Não Cobertos) O DNC é um recurso existente no Audatex que tem como

Leia mais

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos ÍNDICE Aplicativos TOTVS Smart Analytics 03 Controladoria 07 Financeiro 10 Materiais 11 Produção 15 Recursos Humanos 18 App Avaliação de Crédito Vl Limite Crédito Vl Limite Crédito Disponível Indica o

Leia mais

Capítulo 3 Implementação de Modelos de Simulação

Capítulo 3 Implementação de Modelos de Simulação 33 Capítulo 3 Implementação de Modelos de Simulação A simulação é uma ferramenta disponibilizada pela área de pesquisa operacional que possibilita: orientar o processo de tomada de decisão, proceder análises

Leia mais

COMO CALCULAR OS JUROS

COMO CALCULAR OS JUROS COMO CALCULAR OS JUROS Este texto foi redigido para aqueles que se interessam pelo cálculo dos juros. A maioria das pessoas prefere deixá-lo aos especialistas. Entretanto, como estes cálculos representam

Leia mais

Simulação Industrial

Simulação Industrial Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Simulação Industrial Enunciados de Exercícios Para as Aulas Práticas Acácio M. de O. Porta Nova Departamento de Engenharia e Gestão Instituto Superior Técnico

Leia mais

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques

Custos Industriais. Custo de aquisição. Custo de aquisição. Métodos de avaliação dos estoques s Industriais Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 de aquisição O custo das mercadorias e materiais adquiridos deve incluir todos os gastos necessários para que a mercadoria ou material

Leia mais