LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES"

Transcrição

1 Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Exercícios de Consolidação - gabarito - Prof. Eduardo G. M. Jardim, PhD. Prof. Ricardo Sarmento Costa, DSc.

2 EXERCÍCIO 1 1 Suponha que um sistema de produção fabrica um único tipo de produto e é composta pelos Centros de Trabalho A, A, B, C, D, E e F com capacidade de produção conforme registrado abaixo: F 140 produtos / hora A 160 produtos / hora B 120 produtos / hora C 130 produtos / hora D 110 produtos / hora E 150 produtos / hora A 150 produtos / hora Com base no método do Tambor / Pulmão / Corda (DBR Drum / Buffer / Rope) ou Tecnologia OPT, responda: a) Se o mercado requer 180 produtos / hora, qual é o gargalo do sistema? É O CENTRO DE TRABALHO D (com base em que centro deve-se programar a produção?) É O PRÓPRIO CENTRO DE TRABALHO D b) Nessa hipótese, qual ou quais centros devem ter sua produção puxada? OS CENTROS DE TRABALHO A, A, B, C, e F c) Qual ou quais centros devem ter a sua produção empurrada? O CENTRO DE TRABALHO E

3 d) Entre quais centros devem ser colocados pulmões de capacidade? 2 ENTRE OS CENTROS DE TRABALHO C e D e) Entre quais centros devem ser colocados pulmões de cumprimento de prazo? ENTRE OS CENTROS DE TRABALHO E e F f) O que aconteceria com a capacidade de produção do sistema se o Centro de Trabalho E tivesse sua capacidade reduzida para 130 produtos por hora? (*) A CAPACIDADE DE PRODUÇÃO CONTINUARIA SENDO A MESMA g) O que aconteceria com a capacidade de produção do sistema se o Centro de Trabalho E passasse a produzir 5% de peças defeituosas irrecuperáveis (isto é, sucata)? (*) O ATENDIMENTO DA DEMANDA SERIA REDUZIDO EM 5 % h) Se houvesse mercado para apenas 80 produtos por hora, quem seria o gargalo do sistema? (*) SERIA O PRÓPRIO MERCADO (*) Observação: As modificações no sistema produtivo apresentadas nos itens e, f e g não devem ser consideradas de maneira acumulativa.

4 EXERCÍCIO 2 3 Uma fábrica produz dois modelos diferentes do produto X, quais sejam o modelo XY e o modelo XZ. Ambos os modelos são fabricados numa linha de produção que é exclusivamente dedicada à fabricação desses modelos; A lucratividade dos dois modelos é a mesma, de modo que não há nenhuma espécie de prioridade especificada para a fabricação de um em detrimento de outro; A estimativa de demanda para o próximo ano prevê a venda de 12 unidades de XY e 12 unidades de XZ por mês; A linha de produção onde são fabricados os modelos XY e XZ é composta por 4 centros de trabalho, quais sejam, os centros A, B, C e D. A capacidade máxima de produção de cada um desses centros de trabalho é de 200 horas produtivas / mês; Os modelos XY e XZ são fabricados segundo roteiros de produção absolutamente idênticos conforme especificado na tabela abaixo: Etapa Centro de Trabalho Tempo de Processamento Tempo de Preparação para troca de XY para XZ e Vice-Versa 1 A B C D 7 3

5 Com base na tecnologia OPT / DBR, responda: 4 a) É possível fabricar as quantidades especificadas na previsão de vendas? Justifique. (Considere que a produção deve ser planejada para funcionar em regime, isto é, o processamento planejado deve se repetir mensalmente ao longo do ano). CENTRO TEMPO TOTAL DE PROCESSAMENTO TEMPO MÍNIMO DE PREPARAÇÃO OCIOSIDADE MÁXIMA A 24 X 6 = X 2 = = 52 B 24 X 6 = X 2 = = 48 C 24 X 8 = X 2 = = 0 D 24 X 7 = X 2 = = 26 É POSSÍVEL FABRICAR AS QUANTIDADES ESPECIFICADAS NA PREVISÃO SE CONSIDERARMOS TL = 12, OU SEJA, APENAS UMA TROCA. b) Qual o gargalo dessa linha de produção? Justifique. É O CENTRO C, POIS A CAPACIDADE ATENDE EXATAMENTE À DEMANDA DE XY e XZ c) Quais centros devem ter sua produção empurrada (planejada pela data mais cedo)? CENTRO D d) Quais centros devem ter sua produção puxada (planejada pela data mais tarde)? SÃO OS CENTROS A e B e) Que centro de trabalho deve ter sua capacidade de produção protegida? O CENTRO C

6 5 f) Preencha na tabela abaixo os tamanhos mínimos de lote de processamento que devem ser usados nos centros A, B, C e D para que a capacidade de produção do sistema seja a máxima possível e o estoque em processo seja o menor possível? Suponha lotes de transferência unitários. Centro de Trabalho Lote de Processamento aconselhado A 1 B 2 C 12 D 3 BASE DE CÁLCULO DO TAMANHO DO LOTE CENTRO TEMPO TOTAL DE PROCESS AMENTO TEMPO DISPONÍVEL PARA PREPARAÇÃ O TEMPO DE PREPAR A-ÇÃO MÍNIMO MÁXIMO DE PREPARA -ÇÕES TAMANHO DO LOTE TEÓRICO TAMANH O DO LOTE REAL MÍNIMO A 24 X 6 = = 56 1 X 2 = 2 56 / 2 = 28 24/28 = 0,86 1 B 24 X 6 = = 56 1 X 4 = 4 56 / 4 = 14 24/14 = 1,71 2 C 24 X 8 = = 8 1 X 4 = 4 8 / 4 = 2 24/2 = 12,00 12 D 24 X 7 = = 32 1 X 3 = 3 32 / 3 = 10,7 24/10,7 = 2,25 3 g) O que aconteceria com a capacidade de produção do sistema se o Centro de Trabalho A tivesse sua capacidade reduzida para 160 horas produtivas por mês? Aumentaria, diminuiria ou não se alteraria? NÃO SE ALTERARIA O ATENDIMENTO À DEMANDA, APENAS SERIA ALTERADO O TAMANHO DO LOTE QUE PASSARIA PARA 3 UNIDADES, ISTO PORQUE: CENTRO TEMPO TOTAL DE PROCESSA MENTO TEMPO DISPONÍVEL PARA PREPARAÇÃ O TEMPO DE PREPAR A-ÇÃO MÍNIMO MÁXIMO DE PREPARA -ÇÕES TAMANHO DO LOTE TEÓRICO TAMANH O DO LOTE REAL MÍNIMO A 24 X 6 = = 16 1 X 2 = 2 16 / 2 = 8 24/8 = 3,00 3

7 EXERCÍCIO 3 6 As perguntas abaixo referem-se ao jogo de Flutuações Aleatórias e Eventos Dependentes apresentado nas vídeo-aulas do blog da disciplina. Responda sucintamente. a) Por que o sistema de produção, mesmo dispondo de centros com capacidades balanceadas, teve a sua taxa de produção real menor que a sua capacidade nominal (reduzindo a eficácia do sistema)? E ao mesmo tempo, porque o estoque em processo aumentou durante o experimento (reduzindo também a eficiência do sistema)? PORQUE OS EFEITOS DAS FLUTUAÇÕES ALEATÓRIAS EM EVENTOS DEPENDENTES NÃO SE ANULAM, AO INVÉS DISSO, SE ACUMULAM. NÃO HÁ COMPENSAÇÃO ENTRE FLUTUAÇÕES ALEATÓRIAS NA TAXA DE PRODUÇÃO DOS POSTOS CONSECUTIVOS. b) Qual foi a influência dos 5 turnos extras realizados, sobre a taxa de produção global e o estoque em processo global? OS TURNOS EXTRAS REALIZADOS APENAS ATENUARAM A TENDÊNCIA CRESCENTE DOS ATRASOS. c) Indique as possíveis soluções para o problema. INCREMENTAR O NIVEL DE ESTOQUE ENTRE AS OPERAÇÕES PARA PROTEGER A CAPACIDADE EXISTENTE FAZENDO LOGO DE INÍCIO OS TURNOS EXTRAS POSSÍVEIS; UTILIZAR TÉCNICAS DE TQC E 6 VISANDO A REDUÇÃO DE VARIABILIDADE; AMPLIAR A CAPACIDADE INSTALADA; BALANCEAR O FLUXO; REDUZIR O COMPRIMENTO DO CANO ; e ALTERNATIVAMENTE, PROGRAMAR A PRODUÇÃO COM FOLGA (ISTO É, ABAIXO DA CAPACIDADE MÉDIA DE PROCESSAMEN-TO).

8 EXERCÍCIO 4 7 Para a fábrica utilizada no Experimento 6 do jogo realizado em sala de aula, considere o seguinte problema de planejamento de produção do gargalo pela técnica OPT: Intervalo entre chegadas de - Jornada de trabalho: J = 300 segundos cliente = 300 = 10s - Demanda: D = Capacidade de produção em 5 minutos: C = 40 - Tempo unitário de preparação no gargalo: t s = 7,5 segundos - Tempo de atravessamento após o gargalo: t ap = 15 segundos - Oscilações no tempo de atravessamento: O = 15 segundos - Demais informações: idêntico ao jogo realizado em sala a) Qual deve ser o tamanho do lote de processamento no gargalo? PROCEDIMENTO DE CÁLCULO: TEMPO UNITÁRIO DE PROCESSAMENTO (OPERAÇÃO) NO GARGALO t 0 = J = 300 = 7,5 s / produtos C 40 TEMPO TOTAL DE PROCESSAMENTO NO GARGALO T 0 = D X t 0 = 30 x 7,5 = 225 s TEMPO TOTAL DISPONÍVEL PARA PREPARAÇÃO (SET-UP) NO GARGALO T DS = J - T 0 = = 75 s Nº MÁXIMO DE PREPARAÇÕES (SET-UP) TEÓRICO NO GARGALO max N S = T DS = 75 = 10 preparações (não arredondar) t s 7,5 TAMANHO DE LOTE ÓTIMO NO GARGALO L* = D = 30 = 3 produtos max N S 10 (OBS: SE L* FOR FRACIONÁRIO, ARREDONDAR PARA MAIS) b) Qual deveria ser o setup máximo no gargalo para operarmos em todos os recursos do sistema com lotes de processamento e transferência iguais a 1 (um), de forma a gerar um fluxo contínuo, conforme busca a filosofia Lean? Setup mínimo = takt tact = (jornada / demanda) (jornada / capacidade) = 300 / / 40 = 10 7,5 = 2,5 seg c) Construa na planilha em anexo o plano de produção do gargalo. PARÂMETROS NECESSÁRIOS PARA A CONSTRUÇÃO DA PLANILHA: TEMPO DE PRODUÇÃO DO LOTE: T L = t s + ( L* X t 0 ) = 7,5 + ( 3 x 7,5 ) = 30 s TEMPO TOTAL DE ATRAVESSAMENTO DO 1º ITEM DO LOTE A PARTIR DO GARGALO: t s + t 0 + t ap = 7,5 + 7, = 30 s

9 EXPERIMENTO 6 PROGRAMA DE PRODUÇÃO DO GARGALO (passos do algoritmo) CARTEIRA DE PEDIDOS Produtos Data de Chegada do Prazo de Entre ga Seqüência de Fabricação do Produto Prazo de Entr e ga P1 00:00 00:10 P1 00:10 7,5 7, :55 A2 00:10 00:20 P3 00:30 P3 00:20 00:30 P5 00:50 A4 00:30 00:40 A2 00:20 7,5 7, :25 P5 00:40 00:50 A4 00:40 A6 00:50 01:00 A6 01:00 - P7 01:00 01:10 P7 01:10 7,5 7, :05 A8 01:10 01:20 P9 01:30 P9 01:20 01:30 P11 01:50 A10 01:30 01:40 A8 01:20 7,5 7, :35 P11 01:40 01:50 A10 01:40 A12 01:50 02:00 A12 02:00 P13 02:00 02:10 P13 02:10 7,5 7, : :05 A14 02:10 02:20 P15 02:30 P15 02:20 02:30 P17 02:50 A16 02:30 02:40 A14 02:20 7,5 7, : :35 P17 02:40 02:50 A16 02:40 A18 02:50 03:00 A18 03:00 P19 03:00 03:10 P19 03:10 7,5 7, : :05 A20 03:10 03:20 P21 03:30 P21 03:20 03:30 P23 03:50 A22 03:30 03:40 A20 03:20 7,5 7, : :35 P23 03:40 03:50 A22 03:40 A24 03:50 04:00 A24 04:00 P25 04:00 04:10 P25 04:10 7,5 7, : :05 A26 04:10 04:20 P27 04:30 P27 04:20 04:30 P29 04:50 TEMPO DE ATRAVESSAMENTO Set-up Gargalo Operação Pós- Gargalo Oscilações no Tempo de Atravessame nto ( %) Data mais tarde de acionament o do gargalo Intervalo entre datas mais tarde de acionamento do gargalo Tempo de Produção do lote no gargalo Data programada de acionamento do gargalo A28 04:30 04:40 A26 04:20 7,5 7, : :35 P29 04:40 04:50 A28 04:40 A30 04:50 05:00 A30 05:00 - Data real de acionament o do gargalo Programação por Capacidade Infinita Programação por Capacidade Finita Apontamento

10 EXERCÍCIO 5 9 Seja uma empresa que produz dois produtos cujo processo está apresentado abaixo (obs.: a notação utilizada é a da Teoria das Restrições): X $ 80 / U 10 U/Sem Y $ 100 / U 10 U/Sem A 2 horas/u A 2 horas/u B 5 horas/u D 2 horas/u D 2 horas/u C 2 horas/u E 2 horas/u G 2 horas/u MP4 $ 20 / U MP1 $ 10 / U F 1 hora/u MP3 $ 20 / U MP2 $ 20 / U Considere ainda que: A capacidade semanal de cada centro de trabalho é de 54 horas; Não existem incertezas de nenhum tipo e Não existem tempos de preparação significativos. Com base na tecnologia OPT / Teoria das Restrições, responda: Lean e a Teoria das Restrições

11 a) Identifique a(s) eventual(ais) restrição(ções) de capacidade. 10 CENTROS T.PROC. X T. PROC. Y TOTAL X+Y DISP. SALDO A 10 X 2 10 X B 10 X 5 10 X C 10 X 2 10 X D 10 X 2 10 X E 10 X 2 10 X F 10 X 1 10 X G 10 X 2 10 X A RESTRIÇÃO DE CAPACIDADE É O CENTRO D b) Qual é o melhor mix de produção? E qual seria o ganho total correspondente? PRODUTOS GANHO TEMPO DE OPERAÇÃO (h) GANHO P/ HORA DA RESTRIÇÃO X = 30 2 $ 15 / h Y = 40 4 $ 10 / h Baseando-se na contribuição dos produtos, prioriza-se a produção de X. então X=10 tempo = 20 horas Restam 34 horas para fabricar Y. como cada unidade de Y gasta 4 horas em D, então poderão ser fabricadas 34 / 4 = 8,5 unidades teóricas ou 8 unidades reais de Y. Então, o mix de produção ótimo seria X = 10 unidades e Y = 8 unidades com o Ganho Total x=10 / y=8 = 10 x x 40 = R$ 620 / semana? Antes de responder a esta pergunta, vamos calcular o Ganho Total para o mix X=9 e Y=9 (que é viável porque 9 x x 4 = 54 h que é igual á capacidade semanal) : Ganho Total X=9 / Y=9 = 9 X X 40 = R$ 630 / semana!!! Assim, Ganho Total X=9 / Y=9 = R$ 630 > Ganho Total X=10 / Y=8 = R$ 620, que pensávamos ser o mix ótimo!! Será que a teoria das restrições está errada? Senão, aonde erramos? Erramos ao desconsiderar o que a Teoria das Restrições nos informou com precisão, arredondando 8,5 produtos para 8,0 produtos. Lean e a Teoria das Restrições

12 11 Portanto, para um sistema que possa funcionar em regime, para não desprezar o 0,5 produto, deveríamos pensar em um mix ótimo não para 1 semana, mas sim para 2 semanas. ou seja, 20 x e 17 y. assim, o Ganho Total seria: Ganho Total X=20 / Y=17 = 20 x X 40 = R$ 1280 / 2 semanas ou Ganho Total X=20 / Y=17 = R$ 640 / semana > Ganho Total X=9 / Y=9 = R$ 630 Se o sistema não pudesse alcançar um regime de funcionamento por 2 semanas ou mais (como no caso da produção não seriada, por exemplo, de equipamentos sob encomenda) temos que tomar muito cuidado ao se chegar a um mix ótimo fracionário, pois aproximações aparentemente naturais, podem levar a conclusões erradas. Na verdade, neste caso, teríamos que analisar os mix alternativos que estão em torno da solução teórica encontrada. E, ao proceder desta forma, concluiríamos que o mix para o ganho máximo seria X = 9 e Y = 9. Especificamente, esta análise consiste em verificar o que seria melhor fazer com estas 2 horas de capacidade que sobram por não podermos fazer 1/2 Y ou, alternativamente, mais uma unidade de X pois a demanda já está atendida. Assim temos 2 opções: (1) simplesmente desprezar estas 2 h, deixando o gargalo ocioso (!?!), ou (2) deixar de fazer a 10ª unidade de X para ter 4h disponíveis para fazer a 9ª unidade de Y. Temos assim que comparar os ganhos entre dois mix alternativos: (1) X=10, Y=8 Ganho Total = 10x30 + 8x40 = R$ 620, e (2) X=9, Y=9 Ganho Total = 9x30 + 9x40 = R$ 630 O que mostra que a 2a alternativa proporciona o maior Ganho. Aplicamos, desta forma, literalmente a Teoria das Restrições, pois está á a solução que melhor aproveita do gargalo D. Em síntese, com as 4 últimas horas do gargalo, só posso fazer o 10º X (porque senão ultrapassaria a demanda),tendo um Ganho de R$ 30. Alternativamente posso deixar de fazer o 10º X para fazer integralmente um 9º Y, tendo um Ganho de R$ 40. Lean e a Teoria das Restrições

13 12 c) O mercado de algum dos produtos constitui-se em uma restrição para a empresa? Em caso positivo, de qual produto? Não, pois embora o ganho por hora de restrição no gargalo (centro D) seja maior produzindo-se X, a produção de 1 unidade a mais de X seria inviável devido à capacidade do centro B (54h). isto é: para produzir 1 X no centro B 5h 11x x 5h = 55h > capacidade de B = 54h Portanto teríamos 2 gargalos: B, que limita a produção de X a apenas 10 produtos; e D, que limita a produção da demanda total de X e Y. Em outras palavras, mesmo que a demanda de X cresça, o mix ótimo continuaria sendo X=20 e Y=17, em 2 semanas. d) Suponha que a empresa pode subcontratar capacidade extra para executar as operações de qualquer centro de trabalho pagando um custo-hora de R$ 12. (A eventual contratação destes serviços não alteraria as despesas operacionais da empresa). Preencha a tabela abaixo indicando se a subcontratação vale a pena e, em caso positivo, quantas horas você contrataria por centro de trabalho? Centro de Trabalho Vale a pena subcontratar? Em caso positivo, quantas horas por semana? (justificar abaixo) A NÃO - B NÃO - C NÃO - D NÃO / SIM - / 2h (*) E NÃO - F NÃO - G NÃO - (*) Para responder a esta pergunta, tenho que, de novo, considerar 2 situações distintas: (1) Sistema funcionando em regime, com mix podendo ser calculado a cada 2 semanas, não vale a pena fazer hora extra porque : Já atendi a demanda de X e para fazer 1 produto de Y em hora extra, gasto 4 horas X R$ 12 = R$ 48 que é maior que o ganho unitário = R$ 40 Lean e a Teoria das Restrições

14 13 Só valeria a pena se pudéssemos aumentar a demanda de X, já que para fazer 1 produto de X em hora extra, gasto 2 horas X R$ 12 = R$ 24 que é menor que o ganho unitário = R$ 30, mas como já vimos no item c), isto não seria possível porque não temos capacidade no Centro B. (2) Sistema não seriado, operando só em 1 semana: Considerando o mix ótimo teórico de 10 X e 8,5 Y, com mais 2 horas extras poderíamos ter um mix de 10X e 9 Y, cujo Ganho Líquido seria: Ganho Líquido X=10 / Y=9 = (10 x x 40) 2 x 12 = R$ 636 Portanto, como Ganho Líquido X=10 / Y=9 = R$ 636 > Ganho X=9 / Y=9 = R$ 630, neste caso vale a pena fazer hora extra. Isto porque, como já vimos no item 5b, após atender a demanda de X (que proporcionou um maior ganho por tempo de uso do gargalo D) ficam sobrando 34 h normais para atender a demanda de Y. Com mais 2h extras teremos então 36h disponíveis que divididas por 4 h (tempo de operação de Y no gargalo D) permitem fazer 9 unidades de produto. Com este novo mix (X=10, Y=9) teremos um ganho líquido de: (produção de X x ganho de X) + (produção de Y x ganho de Y) (nº de horas extras x custo da hora extra) = (10 x 30) + (9 x 40) 2 x 12 = R$ 636 o que é superior ao ganho líquido anterior de R$ 630 quando o melhor mix era X=9 e Y=9 Mas por que não atender logo toda a demanda de Y (de 10 unidades/semana) fazendo uma outra unidade adicional em hora extra? Porque para fazer toda uma outra unidade de Y em hora extra gastaríamos: 4h x R$ 12 / h = R$ 48 montante superior ao ganho de R$ 40 proporcionado por cada unidade de Y no gargalo D. Portanto, para um sistema não seriado, só valeria a pena fazer 2 horas extras para produzir o mix X=10 e Y=9. Lean e a Teoria das Restrições

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Exercícios de Consolidação - formulação - Prof. Eduardo G. M. Jardim,

Leia mais

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA Peter Wanke, D.Sc. Introdução A Teoria das Restrições, também denominada de TOC (Theory of Constraints) é um desenvolvimento relativamente

Leia mais

Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Exercícios

Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) Exercícios Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) A FILOSOFIA DA PRODUÇÃO ENXUTA (LEAN THINKING) Exercícios Prof. Eduardo G. M. Jardim, PhD. Prof.

Leia mais

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ]

Questões de Concursos Tudo para você conquistar o seu cargo público www.qconcursos.com ] 01 - Q223454A contabilidade foi definida no I Congresso Brasileiro de Contabilidade como: a ciência que estuda e pratica as funções de orientação, controle e registro relativo aos atos e fatos da administração

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial...

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial... Aula 22 Juros Simples. Montante e juros. Descontos Simples. Equivalência Simples de Capital. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Descontos: Desconto racional simples e

Leia mais

MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2

MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2 MOG-45 - GESTÃO DE OPERAÇÕES LISTA DE EXERCÍCIOS 2 1. Questões teóricas de sistemas de planejamento da produção: a. Defina e descreva planejamento agregado. b. Relacione as vantagens e desvantagens dos

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42

Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da Costa 42 2.8. GESTÃO DE DUPLICATAS A RECEBER Entre os objetivos do gestor financeiro destaca-se como principal a maximização do

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Jonas Alves de Paiva (UFPB) jonas@ct.ufpb.br Thiago Miranda de Vasconcelos

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Distribuições de Frequências e Representação Gráfica UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade, você deverá ser capaz de: Calcular

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO GESTÃO DE ESTOQUES (Parte 2) DEMANDA & CONSUMO Definição de Demanda: Demanda representa a vontade do consumidor em comprar ou requisitar um produto necessário na fabricação de um outro componente. Essa

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

VALE EMPREENDEDORISMO

VALE EMPREENDEDORISMO V A L E E M P R E E N D E D O R I S M O Page 1 VALE EMPREENDEDORISMO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE EMPREENDEDORISMO) Março 2015 V A L E E M P R E E N D E D O R I S M O Pag. 2 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Estudo encomendado a Rating de Seguros Consultoria pela Terra Brasis Resseguros Autor: Francisco Galiza Sumário 1. Introdução... 3 2. Descrição do Setor...

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

Precisamos também entender que existem dois tipos de rescisão: com aviso prévio trabalhado e com aviso prévio indenizado:

Precisamos também entender que existem dois tipos de rescisão: com aviso prévio trabalhado e com aviso prévio indenizado: Precisamos também entender que existem dois tipos de rescisão: com aviso prévio trabalhado e com aviso prévio indenizado: Aviso Prévio Trabalhado: neste caso, o funcionário é avisado com 30 dias de antecedência

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

PREVISÃO DE DEMANDA - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS

PREVISÃO DE DEMANDA - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS CONTEÚDO DO CURSO DE PREVISÃO DE DEMANDA PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - O QUE PREVISÃO DE DEMANDA - TIPOS E TÉCNICAS DE PREVISÃO DE DEMANDA - MÉTODOS DE PREVISÃO - EXERCÍCIOS - HORIZONTE

Leia mais

Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010.

Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010. Olá pessoal! Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010. 01. (Fundação CASA 2010/VUNESP) Em um jogo de basquete, um dos times, muito mais forte, fez 62 pontos a mais que o seu

Leia mais

SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS

SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER 1 SEQÜÊNCIA DE DEPÓSITOS Vimos que a variação de um capital ao longo do tempo pode ser ilustrada em uma planilha eletrônica. No

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária II

Administração Financeira e Orçamentária II Administração Financeira e Orçamentária II Capítulo 6 Matemática Financeira Série Uniforme de Pagamentos e de Desembolsos Sistemas de Amortização Análise de Fluxo de Caixa Séries Uniformes de Pagamentos

Leia mais

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO Aula 0 Olá, pessoal! Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO DE PROJETOS E GESTÃO SOCIAL para o concurso de ANALISTA DE POLÍTICAS SOCIAIS do MPOG. Esta é uma carreira nova,

Leia mais

ELABORAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROJETOS AULA 01: CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS A PROJETOS TÓPICO 04: NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 1.14 NECESSIDADE DE UMA AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 Americana SP, 23 de março de 2005 A VIVAX S.A. (Bovespa: VVAX11), ou Companhia, segunda maior operadora de TV a Cabo do Brasil, em número de assinantes, e uma das principais

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Orientações para Elaboração de Projetos Gerência Técnica Outubro/2014

Orientações para Elaboração de Projetos Gerência Técnica Outubro/2014 s 1 I Introdução Um projeto compreende a utilização coordenada de recursos humanos, financeiros e materiais dentro de um período de tempo para alcançar objetivos definidos. Elaborar um projeto é visualizar

Leia mais

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO:

UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) CONCEITO: UNIDADE IV : ANÁLISE DE INVESTIMENTOS (A.I.) (ENGENHARIA ECONÔMICA) 1 CONCEITO: Quando da realização de um determindado investimento, levantamos várias alternativas para sua execução final. Ao conjunto

Leia mais

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA Em um amostra, quando se têm os valores de uma certa característica, é fácil constatar que os dados normalmente não se distribuem uniformemente, havendo uma

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

Métodos de Análise de Investimentos

Métodos de Análise de Investimentos Aula Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos 11.1- Introdução Neste capítulo mostraremos aplicações de valor presente líquido (VPL) e taxa interna de retorno (TIR) em comparações de fluxos de caixa

Leia mais

COMO TRATAR O VALOR RESIDUAL NA ANÁLISE DE UM NOVO INVESTIMENTO

COMO TRATAR O VALOR RESIDUAL NA ANÁLISE DE UM NOVO INVESTIMENTO COMO TRATAR O VALOR RESIDUAL NA ANÁLISE DE UM Para novos investimentos com ciclo de vida determinado. Para novos investimentos com ciclo de vida indeterminado. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Considere os demonstrativos a seguir: Balanço Patrimonial em 31.12.2011 Ativo Passivo Ativo Circulante R$ 252.000,00 Passivo Circulante R$ 168.000,00 Ativo Imobilizado R$ 348.000,00

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

SIMULADO DO TESTE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

SIMULADO DO TESTE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS SIMULADO DO TESTE DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS PROPOSTA Este simulado é um material de apoio para você se preparar para o Teste de Resolução de Problemas, com o objetivo de: 1. Compartilhar dicas e normas

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda. HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro

QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda. HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro A REALIDADE ATUAL DOS NEGÓCIOS: QUEM SOMOS? O QUE FAZEMOS? ONTEM: Custo+ Lucro= Preço de Venda HOJE: Preço de venda= Custo+ Lucro Somos uma empresa especializada em consultoria de FÁBRICA e CUSTOS. QUEM

Leia mais

Setor Externo: O Que as Contas Externas Contam Sobre a Atual Crise Econômica

Setor Externo: O Que as Contas Externas Contam Sobre a Atual Crise Econômica 7 Setor Externo: O Que as Contas Externas Contam Sobre a Atual Crise Econômica V M S (*) As dimensões da atual crise econômica são evidentemente grandes. No entanto, como em todos os demais aspectos da

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS

Prof. Me. Alexandre Saramelli. Unidade III ESTRUTURA DAS Prof. Me. Alexandre Saramelli Unidade III ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Estrutura das demonstrações contábeis Dividida em quatro Unidades: Unidade I 1. Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO)

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE GERAL EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTONIO CÉSAR AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) AULA 11: EXERCÍCIOS (CONTINUAÇÃO) 11- (AFRE MG/ESAF 2005) Duas empresas coligadas avaliam seus investimentos pelo método da equivalência patrimonial. A primeira empresa tem Ativo Permanente de R$ 500.000,00,

Leia mais

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15

Sumário. 1.3 Identificação dos principais autores em PCR, 15. 1.4 Questões, 15 Sumário Apresentação, xiii 1 Definições e Conceitos Fundamentais, l 1.1 Sistemas de produção: conceituação, evolução e algumas importantes classificações, l 1.2 O Planejamento e Controle da Produção (PCP),

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO

Relação de Documentos para Análise. Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO Nome da Empesa: CNPJ: Contato: Telefone: Relação de Documentos para Análise Constam os documentos PESSOA JURIDICA: SIM NÃO 1 Ficha cadastral e Autorização de Consulta de Restritivos assinada (Anexo); 2

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências Socioeconómicas PROVA 712/12 Págs. Duração da prova: 120

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

Unidade III FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade III 8 GESTÃO DE RISCOS Neste módulo, trabalharemos a importância do gerenciamento dos riscos econômicos e financeiros, focando alguns exemplos de fatores de riscos. Estudaremos também o cálculo

Leia mais

Treinamento de Tesouraria Gestão 2013/14

Treinamento de Tesouraria Gestão 2013/14 2 Treinamento de Tesouraria Gestão 2013/14 Willian Vinícius Peixoto Tesoureiro Distrital Gestão 2013/14 Tesoureiro Rotaract de Itaúna Cidade Universitária Gestão 2012/13 Tesoureiro Rotaract de Itaúna Cidade

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

Introdução a Teoria das Filas

Introdução a Teoria das Filas DISC. : PESQUISA OPERACIONAL II Introdução a Teoria das Filas Prof. Mestre José Eduardo Rossilho de Figueiredo Introdução a Teoria das Filas Introdução As Filas de todo dia. Como se forma uma Fila. Administrando

Leia mais

6. Programação Inteira

6. Programação Inteira Pesquisa Operacional II 6. Programação Inteira Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção Programação Inteira São problemas de programação matemática em que a função objetivo, bem

Leia mais

Instruções para a Prova de MATEMÁTICA APLICADA:

Instruções para a Prova de MATEMÁTICA APLICADA: Instruções para a Prova de : Confira se seu nome e RG estão corretos. Não se esqueça de assinar a capa deste caderno, no local indicado, com caneta azul ou preta. A duração total do Módulo Discursivo é

Leia mais

Petrobras 2013. Apostila. Exercícios Resolvidos e Comentados. Passe Concursos. Engenheiro de Produção Jr. http://blog.passeconcursos.com.

Petrobras 2013. Apostila. Exercícios Resolvidos e Comentados. Passe Concursos. Engenheiro de Produção Jr. http://blog.passeconcursos.com. Apostila Petrobras 2013 Engenheiro de Produção Jr Exercícios Resolvidos e Comentados Junho 2013 2 Conteúdo 1. Gestão Econômica...4 1.1. Juros Simples...4 1.2. Juros Compostos...4 1.3. Tipos de Taxas...8

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Guia de Finanças Pessoais

Guia de Finanças Pessoais Guia de Finanças Pessoais GUIA DE FINANÇAS PESSOAIS Como estão suas FinanÇas? De onde vem o dinheiro não costuma ser um mistério. Em geral, as pessoas têm uma boa noção de suas receitas, provenientes do

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau.

FUNÇÃO DE 1º GRAU. = mx + n, sendo m e n números reais. Questão 01 Dadas as funções f de IR em IR, identifique com um X, aquelas que são do 1º grau. FUNÇÃO DE 1º GRAU Veremos, a partir daqui algumas funções elementares, a primeira delas é a função de 1º grau, que estabelece uma relação de proporcionalidade. Podemos então, definir a função de 1º grau

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA AUTORIA: Prof Edgar Abreu CONTEÚDOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITAL 2010 DA CEF 1. Funções exponenciais e logarítmicas. 2. Noções de probabilidade e estatística. Juros simples e compostos:

Leia mais

Qual seu nível de preocupação?

Qual seu nível de preocupação? FASE DIFÍCIL EXIGE ORGANIZAÇÃO E DISCIPLINA. Qual seu nível de preocupação? Faça o teste e veja se o descontrole financeiro está afetando seu desempenho no trabalho. www.serasaconsumidor.com.br/testes/teste-indicador-de-educacao-financeira/

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 05: ADMINISTRAÇÃO DO DISPONÍVEL VERSÃO TEXTUAL Numa situação ideal, em que uma empresa tem um controle total

Leia mais

Fórmula do Montante. - Valor Futuro após 1 período: F 1 = P + Pi = P(1 + i) - Valor Futuro após 2 períodos:

Fórmula do Montante. - Valor Futuro após 1 período: F 1 = P + Pi = P(1 + i) - Valor Futuro após 2 períodos: DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 3 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES. Economia da Engenharia

CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES. Economia da Engenharia INTRODUÇÃO CONCEITOS PRINCÍPIOS CONSIDERAÇÕES A Eng. Econômica objetiva a análise econômica de decisão sobre investimentos, considerando o custo do capital empregado. ETAPAS DA ANÁLISE: 1) Análise técnica

Leia mais

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira 1. Uma alternativa de investimento possui um fluxo de caixa com um desembolso de R$ 10.000,00, no início do primeiro mês, Outro desembolso, de R$ 5.000,00, ao final do primeiro mês, e duas entradas líquidas

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO FATOR MAX CORPORATIVO DE RENDA FIXA

FUNDO DE INVESTIMENTO FATOR MAX CORPORATIVO DE RENDA FIXA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FUNDO FUNDO DE INVESTIMENTO FATOR MAX CORPORATIVO DE RENDA FIXA CNPJ: 00.828.035/0001-13 Informações referentes a Novembro/2015 Esta lâmina contém um resumo das

Leia mais

O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS?

O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS? O QUE É ORÇAMENTO? QUAIS SÃO SUAS CARACTERÍSTICAS? OBJETIVOS DA EMPRESA LUCRO? BEM ESTAR DA COLETIVIDADE? MISSÃO? VISÃO? O ORÇAMENTO E O ELEMENTO HUMANO O ORÇAMENTO E A TOMADA DE DECISÕES SLIDE 01 A INCERTEZA

Leia mais

Aula 1: Introdução à Probabilidade

Aula 1: Introdução à Probabilidade Aula 1: Introdução à Probabilidade Prof. Leandro Chaves Rêgo Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFPE Recife, 07 de Março de 2012 Experimento Aleatório Um experimento é qualquer processo

Leia mais

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Lógica Aula 2 Técnicas de Programação Criando algoritmos Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Criando

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Veículo: Bahia Negócios Data: 28/05/14 Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Em 1994, quando foi instituído o Plano Real, o salário mínimo custava R$ 64,79. Passados

Leia mais

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE 1 ÍNDICES FINANCEIROS E LUCRATIVIDADE - UM ESTUDO DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE Giselle Damasceno da Silva Graduanda em Ciências Contábeis pela UFPA RESUMO Este estudo, parte da necessidade de utilização

Leia mais

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção)

Taxa de Aplicação de CIP (Custos Indiretos de Produção) Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação MBA em Engenharia de Produção Custos Industriais Aplicação de Custos Diretos e Indiretos Luizete Fabris Introdução tema. Assista à videoaula do professor

Leia mais

Olá pessoal! Sem mais delongas, vamos às questões.

Olá pessoal! Sem mais delongas, vamos às questões. Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova para AFRE/SC 2010 realizada pela FEPESE no último final de semana. Nosso curso teve um resultado muito positivo visto que das 15 questões, vimos 14 praticamente

Leia mais

O BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM SEGUINDO A ABORDAGEM LEAN MANUFACTURING

O BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM SEGUINDO A ABORDAGEM LEAN MANUFACTURING O BALANCEAMENTO DE UMA LINHA DE MONTAGEM SEGUINDO A ABORDAGEM LEAN MANUFACTURING Rodrigo Martinez Gori (UFSCar) rodrigogori@hotmail.com A busca pela eficiência dos recursos produtivos e dos menores custos

Leia mais

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE

ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE ASPECTOS AVANÇADOS NA ANÁLISE! O que é Necessidade de Capital de Giro (NCG)! Como se determina a NCG! Reclassificação das contas do Ativo e Passivo Circulante! Causas das variações da NCG Autores: Francisco

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DO PRESIDENTE 2014 PERI ODO: C.18 a 20/2014

REGULAMENTO PROGRAMA DO PRESIDENTE 2014 PERI ODO: C.18 a 20/2014 REGULAMENTO PROGRAMA DO PRESIDENTE 2014 PERI ODO: C.18 a 20/2014 Quem participa? Participam deste programa os Revendedores de produtos Avon. Revendedores cadastrados na Avon Expressa participam do Programa,

Leia mais

Aula 00 Curso: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Aula 00 Curso: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Prof. Ricardo Soncim - Aula 00 Aula 00 Curso: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento APRESENTAÇÃO Curso: Matemática Financeira p/ ICMS RJ Futuros Auditores Fiscais da Receita Estadual do

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

5. ETAPA DOS INVESTIMENTOS. Prof. Elisson de Andrade www.profelisson.com.br

5. ETAPA DOS INVESTIMENTOS. Prof. Elisson de Andrade www.profelisson.com.br 5. ETAPA DOS INVESTIMENTOS Prof. Elisson de Andrade www.profelisson.com.br Introdução Poupar versus investir É possível investir dinheiro nos mercados: Imobiliário Empresarial Financeiro Fatores a serem

Leia mais