XXXVIII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL Pesquisa Operacional na Sociedade: Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XXXVIII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PESQUISA OPERACIONAL Pesquisa Operacional na Sociedade: Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DE MÉTODOS DIFERENTES DE TOMADA DE DECISÃO COM MÚLTIPLOS CRITÉRIOS NA TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE PUBLICAÇÕES TÉCNICAS DE PEÇAS NA INDÚSTRIA AERONÁUTICA Angelo José Castro Alves Ferreira Filho Departamento de Produção, UNESP , Guaratinguetá, SP, Brasil Artur Henrique Moellmann Departamento de Produção, UNESP , Guaratinguetá, SP, Brasil Marcela Guerreiro Machado Departamento de Produção, UNESP , Guaratinguetá, SP, Brasil Valério A.P. Salomon Departamento de Produção, UNESP , Guaratinguetá, SP, Brasil Resumo A terceirização passou a ser um recurso cada vez mais utilizado no setor industrial atualmente. Isto é um tipo de decisão onde a metodologia do auxílio a decisão pode ser aplicada. No presente trabalho à decisão da terceirização de algumas atividades da atualização das publicações técnicas de peças de aeronaves em função do aumento na carga das atividades devido ao desenvolvimento de novos programas ou de modificações liberadas pelo projeto durante um período de tempo é apresentada. Aplicando-se os métodos AHP (Analytic Hierarchy Process), MACBETH (Measuring Attractiveness by a Categorical Based Evaluation Technique) e MAUT (Multi-Attribute Utility Theory) será possível comparar os resultados encontrados pelos métodos entre si, e definir a melhor alternativa Palavras-chave: Tomada de Decisão com Múltiplos Critérios. Terceirização. Industria Aeronáutica. Abstract Outsourcing has become a very useful resource in the field of the industry today. This is a kind of decision where the decision-aid methodology can be applied. In this paper the decision of outsourcing some activities of updating aircraft spare parts technical publications in the aeronautical industry due the increasing in the level of activities during a new program or modifications released by project team during a period of time is shown. Applying AHP (Analytic Hierarchy Process), MACBETH (Measuring Attractiveness by a Categorical Based Evaluation Technique) and MAUT (Multi-Attribute Utility Theory) methods will be possible to compare the results each other and to define the best alternative Key-words: Multiple Criteria Decision Making.Outsourcing.Aeronautical Industry. [ 1158 ]

2 1. Introdução A terceirização de serviços é um recurso utilizado por muitas empresas, nos dias de hoje, como busca pela redução de custos, e otimização de processo. A escolha pela terceirização de serviços devido ao aumento da carga de atividades a serem cumpridas por prazos estabelecidos é um tipo de decisão gerencial onde o auxílio à decisão pode ser perfeitamente aplicado. O auxílio à decisão recebe também outros nomes como gestão do conhecimento, inteligência organizacional, sistemas especialistas ou até mesmo inteligência artificial, e freqüentemente como decidimos é tão importante quanto o que decidimos cujo objetivo é se chegar a uma tomada de decisão baseada em uma abordagem sistemática e compreensiva de acordo com Saaty (2001) constituindo um importante tema para pesquisas segundo Enslin et al.(2001). Para Shimizu (2000) apesar da imensa sofisticação das técnicas modernas da gestão de risco não se deve pensar que há um domínio total deste risco, ou que tal conquista seja possível um dia. A necessidade de se eliminar as subjetividades nas decisões corporativas faz do auxílio à decisão uma importante ferramenta para a tomada de decisão. É neste contexto que este artigo visa apresentar uma aplicação do MCDM (Multiple Criteria Decision Making) com a utilização do auxílio à decisão na indústria aeronáutica cujo objetivo será o de comparar os resultados obtidos com a aplicação de três métodos distintos do auxílio a decisão: AHP (Analytic Hierarchy Process), MACBETH (Measuring Attractiveness by a Categorical Based Evaluation Technique) e MAUT (Multiple Attribute Utility Theory) e de se tomar uma decisão que seja a melhor para o processo de publicações técnicas de peças das aeronaves atendendo sobretudo aos critérios de qualidade,prazo, custo e eficiência. 2. A Tomada de Decisão com Múltiplos Critérios Os métodos de MCDM são aplicados em situações em que se necessita da análise de múltiplos (dois ou mais) critérios, ou múltiplos atributos (Doumpos & Zopounidis, 2002). Para Gomes (2002) os métodos de MCDM objetivam auxiliar analistas e decisores em situações nas quais há necessidade de identificação de prioridades sob a ótica de múltiplos critérios. Os métodos de MCDM estão classificados em três escolas de abordagens segundo Salomon (2004): Escola Americana com métodos baseados na utilidade. Escola Francesa ou Escola Européia com métodos de subordinação e análise. Programação matemática de múltiplos objetivos com múltiplos interativos. Duas fases são identificadas nos processos de apoio à decisão de acordo com a definição de Dias et al. (1996): a fase de estruturação e a fase de avaliação. Para Bana e Costa et al. (2000 apud Mello, 2003) a fase de estruturação representa 80% do total do problema, e equivale justamente na definição do objetivo do problema como sendo extremamente necessária, e logo após a definição dos critérios, e das alternativas envolvidas. No MCDM geralmente adota-se o uso de estruturas hierárquicas também denominadas de arborescentes de acordo com Ensslin et al. (2001). A identificação do objetivo do problema se dá no primeiro nível hierárquico, no segundo nível estão os critérios utilizados e no terceiro nível hierárquico estão situadas as alternativas. Para Salomon (2004) o aumento de níveis hierárquicos torna a estrutura de MCDM mais complexa. Por outro lado constitui uma melhoria da qualidade no processo de auxílio à decisão. Uma vez estruturado o MCDM os critérios, e as alternativas estão definidos. A etapa seguinte é a atribuição dos pesos, ou dos valores de importância para os critérios, e de valores de desempenho para as alternativas. O estabelecimento da importância entre os critérios diferencia-se conforme o método a ser aplicado podendo ser atribuído de forma direta ou indiretamente como apresentado nas seções 2.1, 2.2 e 2.3. Após a atribuição de valores tem-se a [ 1159 ]

3 síntese dos resultados sendo esta a última fase do processo de auxílio a decisão, fase esta também chamada de avaliação. As particularidades da aplicação dos métodos de MCDM: AHP, MAUT e MACBETH serão apresentadas na seção 3 mostrando as diferenças nas maneiras de se obter os valores de importância entre os critérios, e a síntese dos resultados com o emprego de software O Método AHP AHP é um método de escolha da melhor alternativa de decisão considerando critérios ou múltiplos objetivos expressos nos meios de valores qualitativos ou quantitativos (Shimizu,2000). O método foi criado por Saaty na década de 70 (Saaty, 1980) e tem sido empregado para situações de definição de prioridades, decisões estratégicas, avaliação de custos, planejamento e seqüência de atividades, previsões e decisões. Como em todo problema de MCDA, a estruturação de um problema no método AHP começa com a definição de um objetivo global (Shimizu,2000). Após a sua estruturação, e definição dos objetivos, os julgamentos entre os critérios para eventual escolha das alternativas devem ser feitos. Esses pesos não são atribuídos de forma direta como no caso da utilidade, mas através de uma matriz de julgamento que obedece à Escala Fundamental de Saaty (Saaty,1980). Os critérios são representados nos julgamentos por seus respectivos atributos, ou seja os julgamentos são realizados entre os atributos ( Valério,2004). Os valores de importância das atividades são obtidos com o auto vetor w da matriz de julgamento A, conforme a equação (1): Aw=λw (1) Os respectivos pesos são calculados conforme as fórmulas abaixo: onde w i = v i = n a... v v1 + v i1. ai2 ain (2) 1 Neste caso λ é o auto valor máximo. A coerência entre os julgamentos pode ser verificada no método AHP. CR é um indicador de coerência entre os julgamentos, e considere o afastamento entre λ e n conforme a equação (4) abaixo: vn (3) CR = λ n ( n 1) RI (4) Para Saaty (2001) os valores acima de 0,20, os julgamentos devem ser revistos. Entretanto a incoerência entre os julgamentos deve servir mais como um alerta do que um fato desejável (Salomon,2004). Na síntese dos resultados para o método AHP prevalece a utilização das matrizes de julgamentos através dos valores encontrados para o desempenho global de cada critério. Em muitos casos os cálculos podem se tornar mais difíceis conforme a quantidade de coeficientes a serem gerados pelo vetor de prioridades. Para estes casos se recomenda a utilização do software Expert Choice (Shimizu,2000) MACBETH A aplicação do método MACBETH foi desenvolvido por Bana e Costa & Vansnick (1994) atendendo a questões essenciais tais como para cada critério atender a uma escala de valores através de notas atribuídas para cada alternativa necessitando ser transformada em quantitativa quando a avaliação é qualitativa. [ 1160 ]

4 Diferente do método AHP no método MACBETH os julgamentos da importância dos critérios ocorrem de maneira indireta onde as alternativas não são comparadas umas com as outras, mas sim com padrões ou normas devendo-se identificar inicialmente diferentes níveis para o desempenho esperado de cada alternativa. Cinco níveis são recomendados conforme Ensslin et al. (2001 apud Salomon,2004): excelente, bom, médio, e fraco. Logo após os níveis de desempenho são comparados entre si onde ao final para cada alternativa conforme o critério analisado é atribuído um valor ao nível de desempenho. No MACBETH não se utiliza a Escala Fundamental (Saaty,1980), mas a escala adotada (Ensslin et al.,2001) é composta por sete categorias denominada de Escala de Atratividade. No método MACBETH não se utiliza um auto vetor como no método AHP, mas sim modelos de programação linear ( Ensslin et al.,2001). Dessa forma as diversas aplicações do método MACBETH encontrado em Bana e Costa et al (2002), e Mello et al.(2003) são conduzidas através de um software homônimo do método o qual fora desenvolvido pelos autores do método, Prof.Carlos Antonio Bana e Costa (London Business of School) e Prof.Jean-Claude Vasnick ( Université de Mons-Hainaut, Bélgica) e se encontram disponíveis no endereço: O melhor domínio do aplicativo só é possível através de um software proprietário (Sêmola, 2002), uma vez que o software M-MACBETH não evidencia a função objetivo ou até mesmo as restrições do modelo de programação linear utilizado com o emprego de uma versão diferente da proprietária (Salomon, 2004). Decorre-se então a síntese dos resultados obtidos com a matriz de julgamento que diferentemente do AHP, no MACBETH se dá de forma indireta conforme já mencionado anteriormente através dos julgamentos realizados pelo software M-MACBETH MAUT A aplicação da teoria da utilidade para múltiplos atributos se faz de maneira direta onde após a estruturação do problema, a atribuição de valores é feita conforme a classificação que se dá aos critérios para cada alternativa. Por exemplo, no caso de se classificar como excelente, bom, e ruim um dado critério pode-se atribuir notas de 0 a 1 onde a de menor valor é atribuída ao menor conceito dado para a alternativa em um certo critério, e a nota de maior valor para a de melhor conceito dentre as alternativas para um dado critério. O cálculo dos valores pode ser facilmente obtido com a construção de tabelas no EXCEL, e a partir daí atribuem-se os pesos para os critérios a fim de se determinar a matriz de utilidade, e como conseqüência o vetor de decisão aonde se extrairá o valor da utilidade média (Salomon, 2004). 3. Aplicação do MCDM A atualização das publicações técnicas de peças das aeronaves é um fator essencial para a manutenção de uma frota de aviões. Dentre essas publicações de peças se encontram o Catálogo Ilustrado de Peças, o Manual de Reparo Estrutural e o Manual de Manutenção de Componentes. Esses manuais são próprios da indústria aeronáutica, e visam atender a manutenção e reposição de peças dos aviões que se encontram em operação ou até mesmo ainda em fabricação. Entretanto todo este processo de integração e informação entre os diversos fabricantes de aeronaves, e operadores (companhias aéreas) é regido por um conjunto de normas internacionais estabelecidas pela ATA (Air Transport Association of America) como as normas SPEC 2000 (Air Transport Association of America Specification 2000), e SPEC 2200 (Air Transport Association of America Specification 2200) em conjunto com a atuação dos órgãos homologadores nacionais e internacionias como a FAA (Federal Aviation Administration), EASA (European Aviation Safety Agency) e o CTA (Centro Tecnológico da Aeronáutica). Esse conjunto de normas é rigorosamente seguido tanto pelos fabricantes quanto pelos operadores ou companhias aéreas focando sempre a qualidade do produto, e acima de tudo zelando pela segurança do vôo. [ 1161 ]

5 É neste contexto que também está inserida a atualização e elaboração das publicações técnicas de peças das aeronaves seguindo sempre as normas e procedimentos regidos pela ATA e pelas demais autoridades aeronáuticas nacionais e internacionais. A importância da atualização das publicações técnicas de peças de reposição se reflete na manutenção das aeronaves, uma vez que a programação e o planejamento de peças de reposição para a manutenção é feita através das publicações de peças em conjunto com os procedimentos e manuais técnicos operacionais de manutenção dos aviões indicados pelo fabricante. Em decorrência de modificações de projetos, de projetos novos ou até mesmo de solicitações de clientes ocorre um aumento sensível na carga de atividades planejadas para um dado período de tempo onde se faz necessária a utilização do recurso da terceirização a fim de se manter o processo atualizado e com os prazos cumpridos. Para se tomar a decisão de se utilizar o recurso da terceirização ou de se ampliar ou até mesmo de manter o quadro efetivo da mão-de-obra é que o auxílio à decisão se faz necessário. Dessa forma será feito uma comparação dos resultados obtidos com os três diferentes métodos de MCDM mencionados na seção Estruturação do Problema A fase de estruturação começa com a definição das alternativas, e os critérios a serem utilizados na resolução do problema. No caso em questão as alternativas são: terceirizar, contratar ou manter o efetivo atual da empresa (sendo utilizadas as horas-extras). Já os critérios são os seguintes: Qualidade, Prazo, Custo e Eficiência em ordem de importância respectivamente. A partir deste ponto os critérios, e as alternativas serão avaliados segundo os pesos atribuídos aos mesmos sendo possível determinar o desempenho das alternativas conforme mostrado no Quadro 1. Alternativa Qualidade Prazo Custo Eficiência Terceirizar Muito boa Demora Médio Média Contratar Aceitável Atrasa Baixo Baixa Manter Efetivo Boa No prazo Alto Alta Quadro 1 Desempenho das Alternativas A estruturação do problema de MCDM encontra-se definida pela tela do software Superdecisions conforme indicado pela Figura 1. No primeiro nível hierárquico se encontra o objetivo do problema em questão, no segundo nível se encontram os critérios, e no último nível as alternativas. Figura 1 Estruturação do Problema (software SuperDecisions) Através da estruturação do problema será possível desenvolver a aplicação dos três diferentes métodos de MCDM. [ 1162 ]

6 3.2. Aplicação da MAUT Este desenvolvimento se inicia com a etapa de atribuição de pesos para os critérios, e as alternativas onde os valores obtidos da atribuição direta do desempenho das alternativas encontram-se no Quadro 2. Alternativa Qualidade Prazo Custo Eficiência Terceirizar Contratar Manter Efetivo Quadro 2 Matriz de Decisão O Quadro 3 apresenta os valores de utilidade para os desempenhos apresentados no Quadro 2.Adotou-se uma função utilidade neutra ao risco, ou seja, linear (Shimizu, 2001). Alternativa Qualidade Prazo Custo Eficiência Terceirizar 1 0,5 0,5 0,667 Contratar Manter Efetivo 0, Quadro 3 Matriz de Utilidade Também de forma direta se atribui o vetor [0,8; 0,6; 0,5; 0,4] para os pesos dos critérios Qualidade, Prazo, Custo e Eficiência nesta ordem. Em seguida é feito o cálculo do valor para o desempenho global obtido para cada alternativa através do vetor de decisão resultante da utilidade normalizada. Neste caso prevalece o valor de 0,46 encontrado para a alternativa de terceirizar como indicado pelo Quadro 4. Alternativa Utilidade média Utilidade normalizada Terceirizar 0,718 0,46 Contratar 0,22 0,14 Manter 0,61 0,39 Efetivo Quadro 4 Vetor de decisão Pelo vetor de decisão a alternativa de terceirizar foi a que apresentou o maior valor de utilidade normalizada sendo portanto esta a escolha a ser feita mediante a aplicação da MAUT Aplicação do método AHP Na Aplicação do método AHP utilizou-se o software Expert Choice. As Figuras de 2 a 7 apresentam as telas do software com os julgamentos de peso dos critérios, e desempenho das alternativas para alguns critérios. [ 1163 ]

7 Figura 2 Julgamento e importância dos atributos (software Expert Choice) Figura 3 Julgamento com relação ao atributo Qualidade (software Expert Choice) Figura 4 Julgamento com relação ao atributo Prazo (software Expert Choice) Com relação ao Custo por se tratar de um atributo quantitativo e inverso, o desempenho das alternativas é obtido com a harmonização dos dados disponíveis para o desempenho. [ 1164 ]

8 Figura 5 Julgamento com relação ao atributo Custo (software Expert Choice) Figura 6 Desempenho Global AHP (software Expert Choice) Analisando o resultado final na aplicação do método AHP, a alternativa que apresentou o maior valor de desempenho global foi a de terceirizar com um valor igual a 0,481 sendo a mesma alternativa escolhida com a aplicação da MAUT. Figura 7 Análise de sensibilidade quanto ao Prazo (software Expert Choice) [ 1165 ]

9 Na aplicação do método AHP a análise de sensibilidade reforça a escolha pela alternativa de se terceirizar. Esta opção se torna mais evidente conforme apresentado na Figura 7 que mostra a variação do Desempenho Global dos fornecedores em função da importância do Prazo. Observa-se que a alternativa de se terceirizar irá somente ser superada pelas demais alternativas, caso ao critério do Prazo for atribuída uma importância relativa maior do que 35%. Assim, a Análise da Sensibilidade contribui para o indicativo do Auxílio à Decisão de selecionar a alternativa de terceirizar no que se refere ao atributo prazo Aplicação do método MACBETH Na aplicação do método MACBETH utilizou-se o software M-MACBETH. As Figuras 8 a 12 apresentam as telas do software com os julgamentos dos critérios e o desempenho das alternativas para os critérios Custo, Prazo e Qualidade. Figura 8 Julgamento e importância do critério Custo (software M-MACBETH) Figura 9 Julgamento e importância do critério Qualidade (software M-MACBETH) Figura 10 Julgamento e importância do critério Prazo (software M-MACBETH) [ 1166 ]

10 Figura 11 Desempenho das alternativas (software M-MACBETH) A alternativa de se terceirizar é novamente aquela com maior valor de desempenho global sendo esta igual a 70,50 conforme indicado pelo Desempenho das alternativas na Figura 14. A alternativa de contratar mão de obra obteve um valor de desempenho global igual a 24,14, e já a alternativa de se manter o efetivo obteve um valor igual a 64,14 para o desempenho global. Observa-se que pela Análise de Sensibilidade apresentada na Figura 12 caso ao atributo ou critério do Prazo seja dado um valor de importância maior que 35% é que o desempenho global da alternativa de se terceirizar passa a ser superada pelas demais alternativas. Assim, a Análise da Sensibilidade evidencia a decisão pela alternativa de se terceirizar. Figura 12 Análise de Sensibilidade (software M-MACBETH) Após a aplicação do MCDM utilizando os três métodos AHP, MACBETH e MAUT os resultados encontrados apontaram para a mesma alternativa de melhor desempenho global que é a alternativa de se recorrer ao recurso da terceirização dos serviços referentes ao aumento da carga das atividades na atualização das publicações técnicas de peças das aeronaves. 4. Conclusões Com a apresentação da aplicação do MCDM com três diferentes métodos AHP, MACBETH e MAUT ficou claro a importância desta ferramenta no que se refere a tomada de decisões gerenciais, e às vezes estratégicas para a resolução de um problema dentro de uma empresa. A escolha pela utilização do recurso da terceirização de serviços nas atividades de atualização das publicações técnicas das aeronaves mostrou ser a melhor alternativa no processo de tomada de decisão coma aplicação do MCDM. Entretanto esta não é uma decisão definitiva podendo ser alterada de acordo com os critérios e as alternativas escolhidos. Para a aplicação em questão foi a terceirização que apresentou o melhor desempenho. Ficou evidenciado então que todos os métodos empregados apontaram para o mesmo vetor ordinal: 1º) Terceirizar; 2º) Manter Efetivo; 3º) Contratar Mãode-obra.As ordens de grandeza dos desempenhos foram similares quando analisadas isoladamente, porém o método AHP apresentou a maior diferença entre as duas primeiras [ 1167 ]

11 alternativas, decidindo-se pela alternativa de se recorrer ao recurso da terceirização. Referências Bana e Costa, C. A., Vansnick, J.C, MACBETH: an interactive path towards the construction of cardinal value functions, International Transactions in Operational Research, v. 1, n. 4, p , Bana e Costa, C.A., Ferreira, J.A.A, Correa, E.C., Metodologia multicritério de apoio à avaliação de propostas em concursos público, em Antunes, C.H. e Tavares, L.V. (Org.), Casos de Aplicação da Investigação Operacional, McGraw Hill, Amadora, , Bana e Costa, C.A., Corrêa, E. C, De Corte, J.M., Vansnick, J.C., Facilitating bid evaluation in public call for tenders: a socio technical approach, Omega (The International Journal of Management Science), v. 30, n. 3, p , Dias, L. C., J. P. Costa, J. N. Clímaco, "O Processamento Paralelo e o Apoio Multicritério à Decisão: Algumas Experiências Computacionais", Investigação Operacional, Vol. 16, pp , Doumpos, M., Zopounidis, C, Multicriteria Decision Aid Classification Methods, Kluwer, Dordrecht (Nederland), Ensslin, L., Montibeller Neto, G, Noronha, S. M., Apoio à Decisão: metodologias para estruturação de problemas e avaliação multicritério de alternativas, Insular, Florianópolis, Gomes, L. F. A. M.,Gomes, C. F. S, Almeida, A. T, Tomada de Decisão Gerencial:enfoque multicritério, Atlas, São Paulo,2002. Mello, J.C.C.B.S., Gomes, E.G, Leta, F. R., Pessolani, R.B.V., Conceitos básicos do apoio multicritério à decisão e sua aplicação no projeto aerodesign, Engevista (Revista da Escola de Engenharia da UFF), 5, 22-35, Universidade Federal Fluminense,2003. Saaty, T. L., The Analytic Hierarchy Process, McGraw-Hill, New York,1980. Saaty, T. L., Decision Making with Dependence and Feedback: the Analytic Network Process, 2nd edition, RWS,Pittsburgh (USA), Salomon, V. A. P, Contribuição para Auxílio à Decisão em Processos de Compras, dissertação de mestrado, Universidade Federal de Itajubá, Itajubá,1998. Salomon, V. A. P, Desempenho da Modelagem do Auxílio à Decisão por Múltiplos Critérios na Análise do Planejamento e Controle da Produção, Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, Shimizu,T,Decisão nas organizações:introdução aos problemas de decisão gerencial encontrados nas organizações e nos sistemas de apoio à decisão, Atlas, São Paulo, SPEC 2000, Air Transport Association of America Specification 2000, Washington, USA, SPEC 2200, Air Transport Association of America Specification 2002, Washington, USA, [ 1168 ]

APOIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO NA ESCOLHA DA LOCALIZAÇAO DE UMA ESTAÇÃO RÁDIO BASE

APOIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO NA ESCOLHA DA LOCALIZAÇAO DE UMA ESTAÇÃO RÁDIO BASE APOIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO NA ESCOLHA DA LOCALIZAÇAO DE UMA ESTAÇÃO RÁDIO BASE Carolina Carvalho Maia Curso de Engenharia de Telecomunicações Universidade Federal Fluminense Rua Passo da Pátria, 156,

Leia mais

Escolha do melhor fornecedor de bebidas alcoólicas para a Churrascaria Pau de Fruta utilizando o método AHP

Escolha do melhor fornecedor de bebidas alcoólicas para a Churrascaria Pau de Fruta utilizando o método AHP Escolha do melhor fornecedor de bebidas alcoólicas para a Churrascaria Pau de Fruta utilizando o método AHP Guilherme Rafael Araujo Martins Mestrando em Engenharia de Produção, UFF/Rio das Ostras guilhermerafael2000@yahoo.com.br

Leia mais

Uma análise de investimentos considerando fatores intangíveis

Uma análise de investimentos considerando fatores intangíveis Uma análise de investimentos considerando fatores intangíveis Leila Keiko Canegusuco Jansen (POLIUSP) leila.jansen@poli.usp.br Tamio Shimizu (POLIUSP) tmshimiz@usp.br José Ulisses Jansen (IPEN) nana021295@uol.com.br

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO. Roterdan Moura da Silva, Mischel Carmen Neyra Belderrain, IC

CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO. Roterdan Moura da Silva, Mischel Carmen Neyra Belderrain, IC CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO Roterdan Moura da Silva, Mischel Carmen Neyra Belderrain, IC Instituto Tecnológico de Aeronáutica / Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica, roterdan05@hotmail.com;

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO PARA ESCOLHA DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO EM AMBIENTES CRÍTICOS UTILIZANDO MÉTODO AHP

PROPOSTA DE UM MODELO PARA ESCOLHA DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO EM AMBIENTES CRÍTICOS UTILIZANDO MÉTODO AHP PROPOSTA DE UM MODELO PARA ESCOLHA DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO EM AMBIENTES CRÍTICOS UTILIZANDO MÉTODO AHP Autor: Edmilson de Novais Silva Orientador: Prof. Dr. Marcelo Duduchi 1 Introdução Objetivo Aplicar

Leia mais

A Utilização do método AHP para traçar, como ferramenta para o auxilio a decisão de um candidato, a escolha de um curso de engenharia

A Utilização do método AHP para traçar, como ferramenta para o auxilio a decisão de um candidato, a escolha de um curso de engenharia A Utilização do método AHP para traçar, como ferramenta para o auxilio a decisão de um candidato, a escolha de um curso de engenharia Andreia Mingroni Besteiro Giovani Paiva Valeria Miucciato Jomar Bueno

Leia mais

AVALIAÇÃO MULTICRITÉRIO DA INTERIORIZAÇÃO DOS CURSOSDE GRADUAÇÃO DA UFF

AVALIAÇÃO MULTICRITÉRIO DA INTERIORIZAÇÃO DOS CURSOSDE GRADUAÇÃO DA UFF AVALIAÇÃO MULTICRITÉRIO DA INTERIORIZAÇÃO DOS CURSOSDE GRADUAÇÃO DA UFF Luís Alberto Duncan Rangel Departamento de Ciência dos Materiais Universidade Federal Fluminense Av. dos Trabalhadores 420, 27.255-125

Leia mais

Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização de Projetos Aplicação do Método Analytic Hierarchy Process

Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização de Projetos Aplicação do Método Analytic Hierarchy Process Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA em Gestão Avançada de Projetos - Turma nº20 28 de maio de 2015 Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto Tópicos Abordados Criação, Estruturação e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto. O Papel

Leia mais

Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1

Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1 242 Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1 1Instituto Federal Farroupilha Campus São Borja

Leia mais

AUXILIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO

AUXILIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO AUXILIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO João Carlos C. B. Soares de Mello Universidade Federal Fluminense O QUE É Processo quantitativo de apoio à decisão Oposição à otimização clássica Vários pontos de vista,

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

ESTUDO DE OTIMIZAÇÃO DA ESCOLHA DE AERONAVE PARA OFFSHORE

ESTUDO DE OTIMIZAÇÃO DA ESCOLHA DE AERONAVE PARA OFFSHORE Anais do XVI Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XVI ENCITA / 2010 Instituto Tecnológico de Aeronáutica, São José dos Campos, SP, Brasil, 20 de outubro de 2010 ESTUDO DE OTIMIZAÇÃO

Leia mais

A APLICAÇÃO DO MODELO MULTICRITÉRIO MACBETH NO APOIO À DECISÃO: ESCOLHA DE UM GERENTE DE PROJETOS

A APLICAÇÃO DO MODELO MULTICRITÉRIO MACBETH NO APOIO À DECISÃO: ESCOLHA DE UM GERENTE DE PROJETOS A APLICAÇÃO DO MODELO MULTICRITÉRIO MACBETH NO APOIO À DECISÃO: ESCOLHA DE UM GERENTE DE PROJETOS Felipe Ricardo dos Santos Fernandes Ingridy Marina Pierre Barbalho Juscimara Gomes Avelino Valquiria Melo

Leia mais

SELEÇÃO DE SISTEMA ESPECIALISTA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO DE FROTA PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PEQUENO PORTE

SELEÇÃO DE SISTEMA ESPECIALISTA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO DE FROTA PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PEQUENO PORTE SELEÇÃO DE SISTEMA ESPECIALISTA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO DE FROTA PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE PEQUENO PORTE Graziela Hess 1, Álvaro P. Graziani 2 Resumo: Este estudo consiste em selecionar

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção

Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção Introdução - Sistema de PCP - Previsão da demanda - Planejamento da produção Gerência de Estoques - Lote Econômico - Plano de Produção Gerência de Projetos - CPM - PERT

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA DE COST DRIVERS PELO MÉTODO AHP

AVALIAÇÃO QUALITATIVA DE COST DRIVERS PELO MÉTODO AHP AVALIAÇÃO QUALITATIVA DE COST DRIVERS PELO MÉTODO AHP Edson de Oliveira Pamplona, Dr. Escola Federal de Engenharia de Itajubá Av. BPS, 1303 Itajubá, MG CEP: 37500-000 e-mail: pamplona@iem.efei.br Prof.

Leia mais

A Escolha de um Sistema Integrado de Gestão Empresarial (ERP) através do Método de Análise Hierárquica (AHP)

A Escolha de um Sistema Integrado de Gestão Empresarial (ERP) através do Método de Análise Hierárquica (AHP) A Escolha de um Sistema Integrado de Gestão Empresarial (ERP) através do Método de Análise Hierárquica (AHP) Jeanderson da Silva Azeredo (UENF) jazeredo@yahoo.com.br Geraldo Galdino de Paula Junior (UENF)

Leia mais

UM MODELO DE AVALIAÇÃO PARA DISCIPLINAS QUE ADOTAM TRABALHOS EM GRUPOS

UM MODELO DE AVALIAÇÃO PARA DISCIPLINAS QUE ADOTAM TRABALHOS EM GRUPOS UM MODELO DE AVALIAÇÃO PARA DISCIPLINAS QUE ADOTAM TRABALHOS EM GRUPOS Valério A. P. Salomon salomon@feg.unesp.br Universidade Estadual Paulista, Departamento de Produção Av. Ariberto Pereira da Cunha,

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Uma Análise Sobre Reversão de Ranking no Método PROMETHEE II

Uma Análise Sobre Reversão de Ranking no Método PROMETHEE II Uma Análise Sobre Reversão de Ranking no Método PROMETHEE II Renan Felinto de Farias Aires Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA, UFRN Avenida Senador Salgado Filho, 3000, Lagoa Nova, Natal-RN

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com RESUMO Em razão da abertura de

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Método para aplicação de modelos de melhoria e avaliação do processo de desenvolvimento de software em sistemas críticos de segurança.

Método para aplicação de modelos de melhoria e avaliação do processo de desenvolvimento de software em sistemas críticos de segurança. Método para aplicação de modelos de melhoria e avaliação do processo de desenvolvimento de software em sistemas críticos de segurança. Eng. Christian Becker Bueno de Abreu Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

Leia mais

Indicadores de desempenho essenciais para projetos

Indicadores de desempenho essenciais para projetos Indicadores de desempenho essenciais para projetos Sérgio Fernando, SCJA, PMP Gerente de Projetos Memora Processos Inovadores Ltda Distrito Federal, Brasil E-mail: sergio.muniz@memora.com.br RESUMO Como

Leia mais

Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos

Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos Antonio Mendes da Silva Filho * The most important thing in communication is to hear what isn't being said. Peter Drucker

Leia mais

Definição de Prioridades para Ordens de Serviço de Ti para uma Instituição Federal de Ensino Superior

Definição de Prioridades para Ordens de Serviço de Ti para uma Instituição Federal de Ensino Superior Definição de Prioridades para Ordens de Serviço de Ti para uma Instituição Federal de Ensino Superior Thiago Nardini Moura thiago.nardini@gmail.com UFF Juliana Monteiro Lopes jujumonteiro_18@hotmail.com

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Produto 2. Proposta de PPM (Project and Portfólio Management) alinhando os conceitos, processos e melhores práticas à plataforma Microsoft EPM 2013

Produto 2. Proposta de PPM (Project and Portfólio Management) alinhando os conceitos, processos e melhores práticas à plataforma Microsoft EPM 2013 Produto 2 Proposta de PPM (Project and Portfólio Management) alinhando os conceitos, processos e melhores práticas à plataforma Microsoft EPM 2013 Autor: Carlos Eduardo Freire Gurgel Sumário 1. Introdução...

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max

Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Análise estrutural do problema de programação da produção F3 r j, s ijk C max Sânia da Costa Fernandes (UFG) saninha_fernandes@hotmail.com Tatiane Albuquerque Pires (UFG) tati_albuquerque_3@hotmail.com

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Consultoria Estratégica. PMSolution Consultoria

Consultoria Estratégica. PMSolution Consultoria PMSolution Consultoria Nossa Atuação Cliente Governança Corporativa Governança de TI Áreas de Conhecimento Consultoria Estratégica Gerenciamento de Projetos e Portfólio Tecnologia Capacitação Confidencial

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

ANÁLISE DE PROJETOS COM IMPACTO AMBIENTAL E O PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO CONSIDERANDO ATRIBUTOS DE SUSTENTABILIDADE

ANÁLISE DE PROJETOS COM IMPACTO AMBIENTAL E O PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO CONSIDERANDO ATRIBUTOS DE SUSTENTABILIDADE ANÁLISE DE PROJETOS COM IMPACTO AMBIENTAL E O PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO CONSIDERANDO ATRIBUTOS DE SUSTENTABILIDADE - Universidade Mackenzie Eduardo Kazuo Kayo - Universidade de São Paulo Belo Horizonte

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

Metodologia multicritério em apoio à decisão (MCDA) construtivista: uma visão do processo de validação

Metodologia multicritério em apoio à decisão (MCDA) construtivista: uma visão do processo de validação Metodologia multicritério em apoio à decisão (MCDA) construtivista: uma visão do processo de validação Walter Luís Mikos (CEFET-PR) mikos@cefetpr.br João Carlos Espíndola Ferreira (UFSC) jcarlos@emc.ufsc.br

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA

OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA OTIMIZAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO E SEQUENCIAMENTO DA PRODUÇÃO EM UM TRATAMENTO TÉRMICO COM A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE CAPACIDADE FINITA Izabel C. Zattar, Carlos M. Sacchelli, M. Eng. Instituto Superior de Tecnologia

Leia mais

X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO 08 e 09 de agosto de 2014. 1. Introdução

X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO 08 e 09 de agosto de 2014. 1. Introdução ISSN 1984-9354 APLICAÇÃO DO MÉTODO AHP CLÁSSICO NA ESCOLHA DE UM MODELO DE CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL (CLP) PARA A INSTALAÇÃO EM UM NOVO PROJETO DE PLATAFORMA MARÍTIMA Édio Pereira Neto, Vinícius W.

Leia mais

Pesquisa Operacional para o Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v.2, n.2, p. 89-99, maio a agosto de 2010

Pesquisa Operacional para o Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v.2, n.2, p. 89-99, maio a agosto de 2010 Versão inicial submetida em 13/8/2009. Versão final recebida em 30/11/2009. Pesquisa Operacional para o Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v.2, n.2, p. 89-99, maio a agosto de 2010 USO INTEGRADO DE DOIS

Leia mais

O sistema operacional onde a solução será implementada não foi definido.

O sistema operacional onde a solução será implementada não foi definido. Respostas aos Questionamentos Nº Itens Pergunta Resposta 1 R T-1. 2. 4. 4; R T-1.3.2. 2; R T-1.3.3. 3; RT-2. 2.8; RT-5.7; RT-1.2.4. 3; RT-1. 3.2.1; RT-1. 3. 3. 2; R T- 2. 1. 2; R T-2. 2. 11; O sistema

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS

ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Planejamento de 2011.1 ETAPA 1 DISTRIBUIÇÃO DOS CONTEÚDOS Disciplina 7oPe/PRD8026 Informaçõs Gerenciais Integradas Professor Alessandro Martins Mês/Semana Conteúdos Trabalhados Estratégias e Recursos Textos

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM GRUPO NA PRIORIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS EM EMPRESAS MÉDIAS DE ELETRÔNICOS

TOMADA DE DECISÃO EM GRUPO NA PRIORIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS EM EMPRESAS MÉDIAS DE ELETRÔNICOS TOMADA DE DECISÃO EM GRUPO NA PRIORIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS EM EMPRESAS MÉDIAS DE ELETRÔNICOS Eduardo Gomes Salgado Universidade Federal de Alfenas Alfenas, MG, Brasil

Leia mais

Palavras-Chaves: Método TODIM; Apoio Multicritério à Decisão; Avaliação de Empresas

Palavras-Chaves: Método TODIM; Apoio Multicritério à Decisão; Avaliação de Empresas UTILIZANDO O MÉTODO TODIM PARA AVALIAR AS MELHORES EMPRESAS PARA TRABALHAR RESUMO: Renato Teixeira da Silva Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá (UNESP/FEG )- Brazil E-mail: renatovr@gmail.com Nilson

Leia mais

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3.

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - Tecnologia da Informação, bem como

Leia mais

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 Renan J. Borges 1, Késsia R. C. Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí, PR Brasil renanjborges@gmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

MULTICRITÉRIO DE APOIO A DECISÃO E O AUMENTO DE EQUIPE NA VIGILÂNCIA SANITARIA DE AGROLÂNDIA-SC.

MULTICRITÉRIO DE APOIO A DECISÃO E O AUMENTO DE EQUIPE NA VIGILÂNCIA SANITARIA DE AGROLÂNDIA-SC. MULTICRITÉRIO DE APOIO A DECISÃO E O AUMENTO DE EQUIPE NA VIGILÂNCIA SANITARIA DE AGROLÂNDIA-SC. Fábio Alexandrini, José Ernesto de Fáveri, Leonardo Weiss, Norton Gabriel Schaade, Rafael Leonardo Felácio.

Leia mais

PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Alexandre Moreira Batista Higor Fernando Manginelli PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Trabalho apresentado para a disciplina Laboratório de Estatística II do curso de graduação em Estatística da

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ENTERPRISE RESOURCE PLANNING APPLIED IN THE MANUFACTURING PLANNING AND CONTROL José Eduardo Freire 1 Ruchele Marchiori Coan

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

M-MACBETH. M-MACBETH Versão 3.0.0 (beta) Manual do usuário

M-MACBETH. M-MACBETH Versão 3.0.0 (beta) Manual do usuário M-MACBETH M-MACBETH Versão 3.0.0 (beta) Manual do usuário Janeiro 2015 www.m-macbeth.com M-MACBETH permite avaliar opções comparando-as qualitativamente em termos das suas diferenças de atratividade em

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000

Gerenciamento do Escopo. PMBOK Guide 2000 PMBOK Guide 2000 Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar o escopo de um projeto Hermano Perrelli CIn-UFPE 2 Ao final desta aula você será capaz de... Organizar

Leia mais

ESCOLHA DE UM FRAMEWORK PARA A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PHP ATRAVÉS DO MÉTODO AHP CLÁSSICO

ESCOLHA DE UM FRAMEWORK PARA A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PHP ATRAVÉS DO MÉTODO AHP CLÁSSICO ISSN 1984-9354 ESCOLHA DE UM FRAMEWORK PARA A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PHP ATRAVÉS DO MÉTODO AHP CLÁSSICO Patrick Helder Alvarenga Belém, Adriano Neves De Souza, Edwin Benito Mitacc Meza, Dalessandro Soares

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM PROCESSOS BATELADAS UTILIZANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS

PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM PROCESSOS BATELADAS UTILIZANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS IX Congresso Brasileiro de Engenharia Química - Iniciação Científica 03 a 06 de julho de 2011 Maringá, Paraná, Brasil PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO EM PROCESSOS BATELADAS UTILIZANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS MIRANDA

Leia mais

IMPACTOS DO MESTRADO PROFISSIONAL NO DESEMPENHO DOS SEUS EGRESSOS: MODELO PARA MAPEAMENTO DE PERCEPÇÕES DA EMPRESA

IMPACTOS DO MESTRADO PROFISSIONAL NO DESEMPENHO DOS SEUS EGRESSOS: MODELO PARA MAPEAMENTO DE PERCEPÇÕES DA EMPRESA IMPACTOS DO MESTRADO PROFISSIONAL NO DESEMPENHO DOS SEUS EGRESSOS: MODELO PARA MAPEAMENTO DE PERCEPÇÕES DA EMPRESA Livia Dias de Oliveira (UFF) livia@vm.uff.br Helder Gomes Costa (UFF) hgc@vm.uff.br Ruben

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Relato de experiência WAMPS2014 Gestão de Portfólio como ferramenta de execução da estratégia

Relato de experiência WAMPS2014 Gestão de Portfólio como ferramenta de execução da estratégia Relato de experiência WAMPS2014 Gestão de Portfólio como ferramenta de execução da estratégia Quem somos Karina Klein Hartmann, PMP, CFPS, CPRE Gerente de projetos e membro do GEPS. Osmar A. M. Pedrozo,

Leia mais

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO Sandra Biégas 1, Patrícia Machado Mellero Cardoso 2 RESUMO: Com base em uma realidade onde indústrias

Leia mais

1.Apresentação 1 2.Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil

1.Apresentação 1 2.Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil AULA 10: Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público NBC T SP 16.3 a 16.5: Planejamento e seus Instrumentos sob o Enfoque Contábil; Transações no Setor Público; Registro Contábil. SUMÁRIO

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Priorizando Projetos. Métodos Matemáticos. Métodos de análise de benefícios. Selecionando

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais