Escolha do melhor fornecedor de bebidas alcoólicas para a Churrascaria Pau de Fruta utilizando o método AHP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escolha do melhor fornecedor de bebidas alcoólicas para a Churrascaria Pau de Fruta utilizando o método AHP"

Transcrição

1 Escolha do melhor fornecedor de bebidas alcoólicas para a Churrascaria Pau de Fruta utilizando o método AHP Guilherme Rafael Araujo Martins Mestrando em Engenharia de Produção, UFF/Rio das Ostras Dalessandro Soares Vianna Departamento de Computação, UFF/Rio das Ostras Marcilene de Fátima Dianin Vianna Departamento de Computação, UFF/Rio das Ostras Edwin Benito Mitacc Meza Departamento de Engenharia, UFF/Rio das Ostras Resumo: Este trabalho apresenta uma aplicação de análise de multicritério - utilizando o Método AHP (Processo de Análise Hierárquica) como recurso para auxiliar na seleção do melhor fornecedor de bebidas para a Churrascaria Pau de Fruta, localizada em Diamantina- MG. Nesse trabalho foram realizadas coletas de dados junto aos gestores da empresa de forma que fossem estabelecidos os principais critérios que influenciam na escolha do fornecedor. Foram selecionados 3 fornecedores fazendo análise com 5 critérios de peso que podem influenciar bastante na escolha. A análise preocupa-se em otimizar o processo de compra da empresa, usando o método AHP. Os resultados demonstram que o método AHP é eficiente no que tange à obtenção da definição dos critérios utilizados na seleção, à possibilidade de julgamento de importância relativa dos critérios definidos e, efetivamente, à obtenção de um ranking de fornecedores. Entende-se que apesar do eficiente recurso para tomada de decisão em múltiplos cenários, o método AHP ainda é pouco utilizado nas organizações. Palavras-chave: AHP; Seleção de Fornecedores; Churrascaria; Análise de multicritério. 1. Introdução A qualidade tem sido buscada constantemente pelos consumidores mais exigentes no que remete a produtos ou serviços. Pois, se antes a qualidade era um fator de diferenciação, hoje passou a ser requisito obrigatório em função da competitividade das empresas e da exigência de consumidores e órgãos fiscalizadores. Em um restaurante onde o consumo de bebidas é extremamente elevado, os gestores têm como objetivo manter sempre o seu estoque atualizado para que a falta de produto não gere queda na qualidade dos serviços prestados. Numa Churrascaria, por exemplo, destacam-se alguns fatores que influenciam no desempenho da empresa como um todo: variação dos estoques, deficiência em compras, demandas definidas em curto prazo, variações sazonais, seleção de fornecedores, considerando a diversidade de critérios em consonância aos objetivos estratégicos da empresa. 1

2 Dessa forma, cabe à gerência da empresa desenvolver estratégias que busquem atingir os objetivos traçados pela organização (RUFCA, 2004, apud BASTOS et al., 2011, pg. 02). Uma das opções para auxiliar os gestores no alcance de resultados é a utilização de modelos matemáticos no planejamento de fornecedores dos seus produtos. Os modelos matemáticos ajudam na visualização dos problemas e fazem com que o responsável pela tomada de decisão possa se basear em informações quantitativas que sirvam de base para a geração de ações e para a comparação das consequências absolutas ou relativas destas ações (CORRÊA, 1996, apud BASTOS et al., 2011). Este trabalho se desenvolveu através do fornecimento de informações dos gestores da empresa Churrascaria Pau de Fruta, com o objetivo da utilização de análise de multicritério, utilizando o método AHP na tomada de decisão do melhor fornecedor de bebidas para a empresa. Através destas informações e das visitas realizadas, foram selecionados as variáveis que mais influenciam na escolha do fornecedor para a empresa. Foram listados os critérios e alternativas mais relevantes para a tomada de decisão, em seguida, foram utilizados na construção do modelo. 2. Contextualização do tema A empresa objeto deste estudo é a HS Alimentação LTDA, localizada na cidade de Diamantina (MG), conhecida pelo nome fantasia Churrascaria Pau de Fruta. Possui 15 anos de atividade no mercado e atende em média clientes por mês. No entanto, apesar da vasta experiência prática, esta organização tem buscado a melhoria da qualidade através de boas práticas da gestão. A Figura 1 apresenta uma foto da Churrascaria Pau de Fruta. Figura 1 Churrascaria Pau de Fruta. 2

3 O setor de compras dessa empresa sofre por não ter um modelo definido na escolha dos seus fornecedores. Portanto, o presente trabalho pretende ajudar no melhor processo decisório de fornecedores de bebidas alcoólicas. Zeleny (2005, apud BASTOS et al., 2011) mostrou, em essência, que inexiste gestão do conhecimento que passe ao largo do processo humano de tomada de decisão, sendo precisamente o Apoio Multicritério à Decisão o enfoque adequado ao tratamento de tal processo em sua multiplicidade de critérios e pontos de vista. Hickling (1981, apud CORRÊA,1996, apud BASTOS et al, 2011, pag. 05) argumenta sobre os fatores que devem ser administrados no processo de tomada de decisão. O autor reforça que, na prática, este processo consiste em decisões relacionadas a muitas alternativas, variedade de efeitos, mudança de foco, etc. Gomes (2004 apud BASTOS et al., 2011, pag. 05) ressalta sobre a importância de se fazer uma pré avaliação dos critérios envolvidos no processo de tomada de decisão. Em alguns casos, há a necessidade de defini-los em outros e reduzir as alternativas em uma lista menor, visando facilitar o processo de tomada de decisão. Nas informações coletadas, a empresa dispõe de 3 fornecedores principais como alternativas de compra. Nos estudos realizados, foram selecionados 5 critérios mais relevantes junto aos gestores que poderiam influenciar nesse processo decisório. Segue o trabalho apresentando o método AHP e a aplicação do mesmo no processo de decisão. 3. Método AHP Segundo (SANTOS, 2009, apud BASTOS et al., 2011, pg. 3), o método AHP foi um dos primeiros métodos desenvolvidos no ambiente das decisões multicritério discretas. Este método foi criado em 1980 pelo professor Tomas L. Saaty sendo um dos mais usados no mundo. O método AHP tem por definição uma função que busca agregar os valores de cada alternativa sujeita em cada critério. Isso representa que a importância relativa de cada critério advém do conceito de taxa de substituição (tradeoff). A teoria da utilidade multiatributo possibilita definir uma medida de mérito (valor) global para cada alternativa, indicadora de sua posição relativa numa ordenação final e facilita o estabelecimento de hierarquias. (GOMES, 2002, apud BASTOS et al., 2011, pg. 3). A grande vantagem do AHP é permitir aos seus usuários atribuir pesos relativos para múltiplas alternativas para um dado critério, ao mesmo tempo em que realiza uma comparação par a par entre os mesmos. Isso permite que, mesmo quando dois critérios são incompatíveis, a mente humana possa, ainda assim, reconhecer qual dos critérios é mais importante para o processo decisório (SAATY, 1980, apud AZEREDO et al., 2009). Além disso, através de um índice de consistência de julgamento, verificam-se os valores atribuídos a cada par de critérios estão coerentes (RAFAELI, 2007 apud BASTOS et al., 2011, pg. 04). A aplicação do método AHP consiste nas seguintes etapas (AZEREDO et al., 2009; BASTOS et al., 2011; RODRIGUEZ; COSTA; CARMO, 2013): 1. Definir o objetivo (ou objetivos); 2. Definir os critérios relevantes para o problema de decisão; 3

4 3. Definir as Alternativas; 4. Estruturar em níveis hierárquicos; 5. Avaliar as alternativas em relação aos critérios (denominado pontuação, scoring) quantificar o valor de cada alternativa; 6. Avaliar a importância relativa de cada critério, calculando e avaliando a consistência das prioridades relativas dos critérios; 7. Construção da matriz de comparação paritária para cada critério, considerando cada um dos fornecedores; e 8. Determinar a avaliação global de cada alternativa em relação aos critérios. 4. Aplicação do método AHP no problema abordado Nesta seção serão apresentados cada uma das 8 etapas do método AHP, descritas na Seção 3, quando aplicadas ao problema abordado Objetivo O objetivo é escolher o melhor fornecedor de bebidas alcoólicas para a Churrascaria Pau de Fruta utilizando o método de análise multicritério AHP (Analytic Hierarchy Process) no processo decisório Critérios Preço: o valor de cada bebida comparada ao das suas concorrentes. O menor valor pesa como o mais interessante para escolha. Variedade de Bebidas: o fornecedor pode fornecer todas as bebidas ou apenas uma delas (Brahma / Antartica / Skol / Original). No entanto, os fornecedores que oferecem todas as quatro bebidas possuem maior prioridade. Visitas Agendadas: representantes de cada fornecedor fazem visitas semanais, quinzenais ou até mensais no almoxarifado da empresa. Aqueles que executam um maior número de visitas têm prioridade na escolha. Prazo de entrega: alguns fornecedores gastam entre uma semana ou mais para entregar seus pedidos. Os que possuem mais rapidez em suas entregas têm prioridade no processo decisório. Prazo de Pagamento: o melhor prazo para pagamento dentro do restaurante são os estendidos em 30 dias no boleto, isso porque o valor desse produto pode ser retirado do próprio lucro do mesmo. Sendo assim, o fornecedor com maior prazo de pagamento tem prioridade para escolha. 4

5 4.3. Alternativas Fornecedor 1: Preço: média de R$ 2,00. Variedade de Bebidas: Possui 3 das bebidas escolhidas. Visitas Agendadas: 2 vezes ao mês. Prazo de Entrega: 1 semana após o pedido. Prazo de Pagamento: 7 dias no boleto após entrega. Fornecedor 2: Preço: média de 2,30 Variedade de Bebidas: Possui todas as bebidas Visitas Agendadas: Semanal Prazo de Entrega: 1 semana após o pedido Prazo de Pagamento: 10 dias no boleto após entrega Fornecedor 3: Preço: Média de 2,10 Variedade de Bebidas: Possui todas as bebidas Visitas Agendadas: 1 vez por mês Prazo de Entrega: 15 dias após o pedido Prazo de Pagamento: 20 dias no boleto após entrega 4.4. Definir Hierarquias Com a estruturação em nível hierárquico, ilustrado na Figura 2, podem-se visualizar os critérios dos fornecedores em relação ao objetivo, que é o fornecedor ideal. 5

6 Figura 2 Estrutura hierárquica para a seleção do fornecedor ideal Avaliar alternativas em relação aos seus respectivos critérios A próxima etapa é definir as prioridades entre os critérios. Para isso, usou-se a matriz de comparação utilizando Escala fundamental de Saaty (1980), Quadro 1. Quadro 1-Escala fundamental de Saaty Fonte: (SAATY, 1980). Saaty (1991) explica que a determinação das prioridades dos fatores mais baixos com relação ao objetivo reduz-se a uma sequência de comparação por pares, com relações de 6

7 feedback, ou não, entre os níveis. Essa foi a forma racional encontrada para lidar com os julgamentos. Através dessas comparações por pares, as prioridades calculadas pelo AHP capturam medidas subjetivas e objetivas e demonstram a intensidade de domínio de um critério sobre o outro ou de uma alternativa sobre a outra. Nesta etapa é definida a importância de cada critério e é julgada par a par numa matriz quadrada de comparação de 5 critérios. Os valores devem ser estimados tendo como base o conhecimento sobre o negócio dos tomadores de decisão e seus julgamentos. Um questionário foi desenvolvido e distribuído entre os gerentes setoriais da empresa, o qual requisitava que os gerentes marcassem suas prioridades em relação aos critérios propostos. Através da coleta e a transformação das informações, de acordo com o Quadro 1, escala fundamental de Saaty (1980), do método AHP, obteve-se as matrizes de comparações paritárias dos critérios de avaliação. Da mesma forma, obtiveram-se as comparações paritárias entre os critérios de avaliação e os fornecedores utilizados no estudo. Desta forma, foi elaborada a matriz conforme descrita na Tabela 1. MATRIZ DE JULGAMENTO DOS CRITÉRIOS Tabela 1 Comparação paritária entre os critérios de avaliação Preço Variedade de Bebidas Visitas Agendadas Prazo de Entrega Prazo de Pagamento Preço Variedade de Bebidas /2 Visitas Agendadas 1/3 1/3 1 1/3 1/3 Prazo de Entrega 1/ /2 Prazo de Pagamento 1/ SOMA 3,17 5,33 13,00 7,33 4, relativa de cada critério. Para obter a prioridade relativa de cada critério é necessário normalizar a matriz de julgamento igualando todos os critérios a uma mesma unidade para achar o peso das alternativas que estão sendo comparadas. A Tabela 2 apresenta a prioridade relativa de cada critério, na qual nota-se que o critério preço aparece em primeiro lugar seguido dos critérios prazo de pagamento, variedade de bebidas, prazo de entrega e visitas agendadas. Tabela 2 relativa dos critérios Critérios Preço 0,3210 Variedade de Bebidas 0,1972 7

8 Visitas Agendadas 0,0734 Prazo de Entrega 0,1550 Prazo de Pagamento 0,2534 O passo seguinte é o cálculo da razão de consistência, a qual deve apresentar um valor inferior a 0,10 (COSTA, 2006; SAATY, 1980; SAATY, 2000). Para os 5 critérios avaliados, a razão de consistência resultou em 0, Construção da matriz de comparação paritária para cada critério A etapa seguinte ilustra a aplicação do questionário na Churrascaria Pau de Fruta, de acordo com os três fornecedores de bebidas alcoólicas. Esta etapa consiste na aplicação da matriz de comparação com os três fornecedores estudados, analisando cada critério em questão. A determinação da prioridade relativa de cada critério deve ser feita novamente, observando agora importância relativa de cada um dos fornecedores que compõem a estrutura hierárquica do problema em questão. Observa-se nas Tabelas 3 a 7 a comparação entre os fornecedores para cada um dos critérios. Critério Preço: Tabela 3 Comparação paritária para o critério Preço PREÇO Fornecedor 1 Fornecedor 2 Fornecedor 3 Fornecedor ,70% Fornecedor 2 1/5 1 1/3 10,50% Fornecedor 3 1/ ,80% Critério Variedade de Bebidas: Tabela 4 Comparação paritária para o critério Variedade de Bebidas VARIEDADE BEBIDAS Fornecedor 1 Fornecedor 2 Fornecedor 3 Fornecedor 1 1 1/3 1/3 14,30% Fornecedor ,90% Fornecedor ,90% Critério Visitas Agendadas: Tabela 5 Comparação paritária para o critério Visitas Agendadas 8

9 VISITAS AGENDADAS Fornecedor 1 Fornecedor 2 Fornecedor 3 Fornecedor 1 1 1/3 3 25,80% Fornecedor ,70% Fornecedor 3 1/3 1/5 1 10,50% Critério Prazo de Entrega: Tabela 6 Comparação paritária para o critério Prazo de Entrega PRAZO DE ENTREGA Fornecedor 1 Fornecedor 2 Fornecedor 3 Fornecedor ,50% Fornecedor ,50% Fornecedor 3 1/5 1/5 1 9,10% Critério Prazo de Pagamento: Tabela 7 Comparação paritária para o critério Prazo de Pagamento PRAZO DE PAGAMENTO Fornecedor 1 Fornecedor 2 Fornecedor 3 Fornecedor 1 1 1/2 1/5 12,20% Fornecedor /3 23,00% Fornecedor ,80% Todos os valores encontrados para as razões de consistência foram inferiores a 10%. Sendo assim, pode-se dar continuidade ao processo, calculando as prioridades compostas para cada alternativa (AZEREDO, 2009) composta para as alternativas É a fase de calcular um peso composto para cada alternativa baseada nas prioridades encontradas nas matrizes de comparação. Obtêm-se as prioridades compostas das alternativas multiplicando as matrizes prioridades dos fornecedores pela matriz prioridade critério, obtido no início do método. A Figura 3 exibe as prioridades globais ou compostas de cada alternativa. 9

10 Figura 3 s globais ou compostas. Pelo vetor de prioridades compostas pode-se observar que o Fornecedor 3, com 35,34% de prioridade, é o fornecedor mais indicado para a compra de bebidas pela Churrascaria Pau de Fruta. No entanto, o Fornecedor 1 possui uma prioridade muito próxima, 35,31%, podendo também ser uma alternativa interessante na compra de bebidas. Essa decisão poderá ser resolvida de acordo com as necessidades dos gestores e avaliação dos critérios em estudo. 4. Considerações Finais A metodologia proposta pelo método AHP se mostrou versátil e flexível para a escolha do melhor fornecedor de bebidas para a Churrascaria Pau de Fruta. Com base no conjunto de informações coletadas foi possível chegar ao Fornecedor 3 como melhor alternativa avaliada através dos passos do método AHP. Embora esta alternativa não seja a de melhor preço, ela é a melhor opção levando em conta todos os critérios selecionados pelos gestores. O uso do método solucionou a grande dúvida sobre as diferentes variáveis que permeavam na escolha do melhor fornecedor; a sua aplicação economizou tempo, custo e principalmente riscos nas escolhas dentro da Churrascaria Pau de Fruta. A análise da consistência dos resultados do modelo apresenta um resultado dentro dos padrões estipulados, razão de consistência menor ou igual a 0,10, o que assegura que as informações coletadas são consistentes e precisas e desta forma respeitam as propriedades básicas do modelo AHP que são reciprocidade, transitividade e proporcionalidade. Referências ALMEIDA BASTOS, A. L. et al. Modelo Multicritério de Apoio a Decisão para Seleção de Fornecedores. VII Congresso Nacional de Excelencia em Gestão. 12 e 13 de agosto de AZEREDO, J.S. et al. Utilização do método de análise hierárquica (ahp) para a seleção de um sistema integrado de gestão (ERP). XXIX Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Salvador, BA, Brasil, 06 a 09 de outubro de COSTA, H. G. Auxílio multicritério à decisão: método AHP. Rio de Janeiro: ABEPRO,

11 RAFAELI, L.; MÜLLER, C. J. Estruturação de um Índice Consolidado de Desempenho Utilizando o AHP. Produção, v.14, n.2, Disponível em: < Acesso em: 11 set RODRIGUEZ, D. S. S.; COSTA, H. G.; CARMO, L. F. R. R. S. Métodos de auxílio multicritério à decisão aplicados a problemas de PCP: Mapeamento da produção em periódicos publicados no Brasil - Gest. Prod., São Carlos, vol. 20, n. 1, p , RUFCA, R. L. Modelo Multicritério de Planejamento de Produção de Curto Prazo para uma Empresa de Produtos Alimentícios p. Dissertação (Mestre em Ciências), Setor de Ciências Exatas e Tecnologia, Universidade Federal do Paraná, Paraná SAATY, T. L. Decision making for leaders. Pittsburg, USA: WS. Publications, SAATY, T. L. Método de Análise Hierárquica. São Paulo: McGraw-Hill, Makron, SAATY, T. L. The Analytic Hierarchy Process. Mcgraw-hill, New York, SELLITTO, M. A; MENDES L. W. Avaliação comparativa do desempenho de três cadeias de suprimentos em manufatura,

USO DO MÉTODO AHP CLÁSSICO PARA AUXILIAR NA ESCOLHA DE UM NOVO CURSO SUPERIOR EM UM CAMPUS DA UFF NO INTERIOR

USO DO MÉTODO AHP CLÁSSICO PARA AUXILIAR NA ESCOLHA DE UM NOVO CURSO SUPERIOR EM UM CAMPUS DA UFF NO INTERIOR ISSN 1984-9354 USO DO MÉTODO AHP CLÁSSICO PARA AUXILIAR NA ESCOLHA DE UM NOVO CURSO SUPERIOR EM UM CAMPUS DA UFF NO INTERIOR Jefferson de Jesus Costa, Thiago Jéffery Barisão De Lima, Edwin Benito Mitacc

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO 08 e 09 de agosto de 2014. 1. Introdução

X CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO 08 e 09 de agosto de 2014. 1. Introdução ISSN 1984-9354 APLICAÇÃO DO MÉTODO AHP CLÁSSICO NA ESCOLHA DE UM MODELO DE CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL (CLP) PARA A INSTALAÇÃO EM UM NOVO PROJETO DE PLATAFORMA MARÍTIMA Édio Pereira Neto, Vinícius W.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE ANÁLISE HIERÁRQUICA (AHP) PARA A SELEÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP)

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE ANÁLISE HIERÁRQUICA (AHP) PARA A SELEÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP) XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE ANÁLISE HIERÁRQUICA (AHP) PARA A SELEÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (ERP) Jeanderson da Silva Azeredo (UENF) jd.azeredo@gepro.uenf.br

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios.

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios. Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 2 E-business: como as empresas usam os sistemas de informação

Leia mais

A Escolha de um Sistema Integrado de Gestão Empresarial (ERP) através do Método de Análise Hierárquica (AHP)

A Escolha de um Sistema Integrado de Gestão Empresarial (ERP) através do Método de Análise Hierárquica (AHP) A Escolha de um Sistema Integrado de Gestão Empresarial (ERP) através do Método de Análise Hierárquica (AHP) Jeanderson da Silva Azeredo (UENF) jazeredo@yahoo.com.br Geraldo Galdino de Paula Junior (UENF)

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

A Utilização do método AHP para traçar, como ferramenta para o auxilio a decisão de um candidato, a escolha de um curso de engenharia

A Utilização do método AHP para traçar, como ferramenta para o auxilio a decisão de um candidato, a escolha de um curso de engenharia A Utilização do método AHP para traçar, como ferramenta para o auxilio a decisão de um candidato, a escolha de um curso de engenharia Andreia Mingroni Besteiro Giovani Paiva Valeria Miucciato Jomar Bueno

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

3 O Método AHP Analytic Hierarchy Process

3 O Método AHP Analytic Hierarchy Process 3 O Método AHP Analytic Hierarchy Process Medição de desempenho é uma tarefa desafiante. Nem sempre os dados estão disponíveis, acessíveis ou estruturados na forma ideal para consolidação. Além disso,

Leia mais

APLICAÇÃO DO MÉTODO AHP PARA SELEÇÃO DE INVESTIMENTOS EM UM REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (RPPS)

APLICAÇÃO DO MÉTODO AHP PARA SELEÇÃO DE INVESTIMENTOS EM UM REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (RPPS) APLICAÇÃO DO MÉTODO AHP PARA SELEÇÃO DE INVESTIMENTOS EM UM REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL (RPPS) Erenildo Motta da Silva Júnior erenildo_motta@hotmail.com UFF João Conrado Cavalcanti de Carvalho

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA DE COST DRIVERS PELO MÉTODO AHP

AVALIAÇÃO QUALITATIVA DE COST DRIVERS PELO MÉTODO AHP AVALIAÇÃO QUALITATIVA DE COST DRIVERS PELO MÉTODO AHP Edson de Oliveira Pamplona, Dr. Escola Federal de Engenharia de Itajubá Av. BPS, 1303 Itajubá, MG CEP: 37500-000 e-mail: pamplona@iem.efei.br Prof.

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida

GEBD aula 2 COMPRAS. Profª. Esp. Karen de Almeida GEBD aula 2 COMPRAS Profª. Esp. Karen de Almeida Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa; b) Aquisição; c) Administração; d) Diversos. Atividades típicas da Seção de Compras: a) Pesquisa: Estudo

Leia mais

ESCOLHA DE UM FRAMEWORK PARA A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PHP ATRAVÉS DO MÉTODO AHP CLÁSSICO

ESCOLHA DE UM FRAMEWORK PARA A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PHP ATRAVÉS DO MÉTODO AHP CLÁSSICO ISSN 1984-9354 ESCOLHA DE UM FRAMEWORK PARA A LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PHP ATRAVÉS DO MÉTODO AHP CLÁSSICO Patrick Helder Alvarenga Belém, Adriano Neves De Souza, Edwin Benito Mitacc Meza, Dalessandro Soares

Leia mais

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO 1 - INTRODUÇÃO Segundo Akao (1990), QFD é a conversão dos requisitos do consumidor em características de qualidade do produto e o desenvolvimento da qualidade de

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO PARA ESCOLHA DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO EM AMBIENTES CRÍTICOS UTILIZANDO MÉTODO AHP

PROPOSTA DE UM MODELO PARA ESCOLHA DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO EM AMBIENTES CRÍTICOS UTILIZANDO MÉTODO AHP PROPOSTA DE UM MODELO PARA ESCOLHA DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO EM AMBIENTES CRÍTICOS UTILIZANDO MÉTODO AHP Autor: Edmilson de Novais Silva Orientador: Prof. Dr. Marcelo Duduchi 1 Introdução Objetivo Aplicar

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

SELEÇÃO DE UMA ESCOLA DE IDIOMAS UTILIZANDO MÉTODOS DE APOIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO

SELEÇÃO DE UMA ESCOLA DE IDIOMAS UTILIZANDO MÉTODOS DE APOIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO SELEÇÃO DE UMA ESCOLA DE IDIOMAS UTILIZANDO MÉTODOS DE APOIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO MILEINE HENRIQUES ELIAS VELASCO (UENF ) mileineadm@gmail.com Andre Luis Policani Freitas (UENF ) policani@uenf.br Em

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA

Capítulo PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Capítulo 1 PLANEJAMENTO MARIA DE FÁTIMA DA COSTA ALMEIDA Boas práticas de laboratório Maria de Fátima da Costa Almeida Doutora em Fisiologia pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e mestre em

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

Uma análise de investimentos considerando fatores intangíveis

Uma análise de investimentos considerando fatores intangíveis Uma análise de investimentos considerando fatores intangíveis Leila Keiko Canegusuco Jansen (POLIUSP) leila.jansen@poli.usp.br Tamio Shimizu (POLIUSP) tmshimiz@usp.br José Ulisses Jansen (IPEN) nana021295@uol.com.br

Leia mais

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com

Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente. Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Avaliação da Eficiência Energética do Grande Cliente Eng. Gilson Nakagaki COPEL Distribuição S.A. Gilson.nakagaki@copel.com RESUMO Em razão da abertura de

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Sistemas ERP. A Interdisciplinaridade dos

Sistemas ERP. A Interdisciplinaridade dos A Interdisciplinaridade dos Sistemas ERP CLEBER DE CARVALHO OLIVEIRA CLEVER LOPES RODRIGUES LEANDRO SILVA CAMPOS LILIANE VERÔNICA MICHELLE GOMES SAINÇA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL INSTITUTO LUTERANO

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e Elétrica na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos

Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e Elétrica na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos Levantamento Inicial do Consumo de Energias Térmica e na Indústria Brasileira de Revestimentos Cerâmicos Helton José Alves, Fábio Gomes Melchiades, Anselmo Ortega Boschi* Laboratório de Revestimentos Cerâmicos

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1

Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1 242 Aplicação do Método AHP na Seleção de Software para Modelagem de Processos de Negócios Amanda Alves 1, Thiago Depoi Stoll 1, Rafael Baldiati Parizi 1 1Instituto Federal Farroupilha Campus São Borja

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Gerência de Projetos Oferece uma visão integrada de todos

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Os benefícios da ce ISO 14001

Os benefícios da ce ISO 14001 Pesquisa Os benefícios da ce ISO 14001 A Revista BANAS QUALIDADE e a Destaque Pesquisa e Marketing realizaram um estudo para medir o grau de satisfação da implementação da certificação ISO 14001. Confira

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin

Business Intelligence. BI CEOsoftware Partner YellowFin Business Intelligence BI CEOsoftware Partner YellowFin O que é Business Intelligence Business Intelligence (BI) é a utilização de uma série de ferramentas para coletar, analisar e extrair informações,

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Aula 7 Mapeamento de processos e Questionário de Diagnóstico Organizacional (QDO)

Aula 7 Mapeamento de processos e Questionário de Diagnóstico Organizacional (QDO) Aula 7 Mapeamento de processos e Questionário de Diagnóstico Organizacional (QDO) Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL (QDO) QUESTIONÁRIO DE

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO. Roterdan Moura da Silva, Mischel Carmen Neyra Belderrain, IC

CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO. Roterdan Moura da Silva, Mischel Carmen Neyra Belderrain, IC CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO Roterdan Moura da Silva, Mischel Carmen Neyra Belderrain, IC Instituto Tecnológico de Aeronáutica / Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica, roterdan05@hotmail.com;

Leia mais

Sistemas de Apoio a Decisão

Sistemas de Apoio a Decisão Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Sistemas de Apoio a Decisão DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão O QUE É UM SISTEMA DE APOIO À DECISÃO?

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

ANÁLISE DE PROJETOS COM IMPACTO AMBIENTAL E O PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO CONSIDERANDO ATRIBUTOS DE SUSTENTABILIDADE

ANÁLISE DE PROJETOS COM IMPACTO AMBIENTAL E O PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO CONSIDERANDO ATRIBUTOS DE SUSTENTABILIDADE ANÁLISE DE PROJETOS COM IMPACTO AMBIENTAL E O PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO CONSIDERANDO ATRIBUTOS DE SUSTENTABILIDADE - Universidade Mackenzie Eduardo Kazuo Kayo - Universidade de São Paulo Belo Horizonte

Leia mais

Garantia da Qualidade - GQA. Fabrício Almeida Araújo

Garantia da Qualidade - GQA. Fabrício Almeida Araújo Garantia da Qualidade - GQA Fabrício Almeida Araújo Agenda Definições Garantia da Qualidade Propósito Resultados Esperados Definições Qualidade: o grau no qual um sistema, componente ou processo satisfaz

Leia mais

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO INTRODUÇÃO Todo problema de decisão envolve julgamento sobre um conjunto conhecido de alternativas; Informações Disponíveis (Dados) Conhecidos com certeza;

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização de Projetos Aplicação do Método Analytic Hierarchy Process

Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização de Projetos Aplicação do Método Analytic Hierarchy Process Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA em Gestão Avançada de Projetos - Turma nº20 28 de maio de 2015 Análise de metodologias para gerenciamento de programas e múltiplos projetos: Priorização

Leia mais

RETORNO DO INVESTIMENTO NO PROJECT MANAGEMENT OFFICE RELATÓRIO FINAL

RETORNO DO INVESTIMENTO NO PROJECT MANAGEMENT OFFICE RELATÓRIO FINAL RETORNO DO INVESTIMENTO NO PROJECT MANAGEMENT OFFICE RELATÓRIO FINAL DADOS DA EMPRESA Tipo Capital Sede TIGER SCREWS 1 Funcionários 800 Produção Mix de Produtos Faturamento (último ano) Ranking Principais

Leia mais

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral:

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral: 7. Conclusão A conclusão do trabalho de pesquisa, exposto através desta dissertação, perpassa por duas vertentes. A primeira está relacionada aos objetivos traçados no início do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Sistema de Informação Sistemas de Informação em Negócios e SIG Francisco Rodrigues Sistemas de Informação em Negócios Ajudam os funcionários na execução das tarefas, principalmente

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

Método para aplicação de modelos de melhoria e avaliação do processo de desenvolvimento de software em sistemas críticos de segurança.

Método para aplicação de modelos de melhoria e avaliação do processo de desenvolvimento de software em sistemas críticos de segurança. Método para aplicação de modelos de melhoria e avaliação do processo de desenvolvimento de software em sistemas críticos de segurança. Eng. Christian Becker Bueno de Abreu Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

Oficina de Trabalho OIPSS/EVIPNet Decisão informada por evidências nas políticas de saúde: promovendo o uso do conhecimento para a tomada de decisão

Oficina de Trabalho OIPSS/EVIPNet Decisão informada por evidências nas políticas de saúde: promovendo o uso do conhecimento para a tomada de decisão brasil.evipnet.org Oficina de Trabalho OIPSS/EVIPNet Decisão informada por evidências nas políticas de saúde: promovendo o uso do conhecimento para a tomada de decisão Sessão 9 Como usar evidências de

Leia mais

CA Clarity PPM. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Clarity PPM. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DO PRODUTO CA Clarity PPM agility made possible O CA Clarity Project & Portfolio Management (CA Clarity PPM) o ajuda a inovar com agilidade, a transformar seu portfólio com confiança e a manter os

Leia mais