Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom)"

Transcrição

1 Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Vergílio Antonio Martins Engenheiro de Eletrônica e Teleco, formado em 1983, FACENS-Sorocaba, tendo atuado nas áreas de Implantação e Gerenciamento de Projetos de Redes Ópticas, Sistemas Celulares e Sistemas de Automação e Controle. Cursou MBA em Gestão Empresarial , pela EPGE-RJ da FGV, e atualmente participa do Curso de Especialização em Gestão de Projetos pela CEGP Fundação Carlos Alberto Vanzolini. A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de Teleco, tendo sido Gerente de Operação e Manutenção da Pegasus Telecom e Gerente de Planejamento e Controle de Projetos da BMT-Bechtel Método Telecom. Atualmente trabalha em sua empresa a Kuai Tema Engenharia, criada em 2001, que tem por finalidade a prestação de serviços de gerenciamento de projetos. 1

2 Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas áreas de Redes Ópticas, Sistemas Celulares e Comunicações por Satélite. Ocupou várias posições de Direção em empresas de Teleco como VP de Operações da BMT, Diretor de Operações da Pégasus Telecom e Gerente de Planejamento Celular da Ericsson. Pioneiro no desenvolvimento de Satélites no Brasil (INPE), tem vasta experiência internacional, é detentor de uma patente na área e tem participado constantemente como palestrante em seminários. Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Duração: 15 minutos Publicado: 03/11/

3 etom: O que é Toda empresa, de forma explícita ou não, tem um plano estratégico do negócio com itens como visão, missão, clientes alvo e metas/objetivos. A execução de um plano de negócios envolve a estruturação da empresa em torno de seus principais processos operacionais. As prestadoras de serviço de telecomunicações em particular, que perseguem o que Michael Treacy e Fred Wiersema definiram como a "disciplina da excelência operacional", estão constantemente buscando entregar um serviço confiável com o menor custo possível. Neste quadro, a espinha dorsal da empresa passa a ser um conjunto de processos operacionais com um grau de automatização cada dia maior. O estabelecimento de padrões para a automatização dos processos operacionais de uma prestadora de serviço de telecomunicações foi iniciado pelo modelo TMN (Telecommunications Management Network) criado em 1988 pela UIT (União Internacional de Telecomunicações). A importância do TMN é que ele permite introduzir uma padronização da especificação dos softwares que implementam as funções ou processos de cada camada do modêlo. Desta forma é possível padronizar as interfaces e promover a interoperabilidade de equipamentos e sistemas. A figura a seguir apresenta o modelo TMN de Gerência Integrada de Redes e Serviços (GIRS). Para mais detalhes consulte o tutorial do Teleco GIRS. Neste contexto foram criados dois grandes grupos de sistemas para dar suporte aos processos operacionais de uma prestadora de serviços de telecomunicações: Business Support Systems (BSS) ou sistemas de suporte ao negócio envolvendo sistemas como Billing e CRM Operations Support Systems (OSS) ou sistemas de suporte à operação envolvendo os sistemas que dão suporte à operação da rede propriamente dita. 3

4 Em 1998 o Telecommunications Management Forum (TMF), estabeleceu um novo modelo, o TOM (Telecom Operations Map), que busca consolidar uma visão de operação da empresa como um todo por meio da integração das funções de BSS e OSS. Em 2002 o TMF aperfeiçoou este modelo com o etom (enhanced Telecom Operations Map), que amplia ainda mais este quadro passando a representar uma visão completa dos processos de uma prestadora de serviços de telecomunicações. O objetivo do TMF ao estabelecer o etom foi definir um modelo de processos que sirva de base para a criação de uma nova geração de sistemas e softwares de operação que propicie uma automação dos processos integrando softwares comerciais padrões. Este programa do TM forum é denominado New Generation of Operations Systems and Software (NGOSS). Este tutorial apresenta os níveis iniciais de processo do etom. Ele não tratará dos sistemas, softwares o interfaces para implantação destes processos. O objetivo é apresentar o mapa de processos de uma operadora de telecomunicações desenvolvido pelo TMF. Entender estes processos operacionais é importante para a gestão da empresa e para melhorar a sua performance, seja pela racionalização de procedimentos manuais, seja pela sua automatização. 4

5 etom: Quadro Conceitual Global O quadro de processos do etom procura posicionar a empresa operadora de serviços dentro de um contexto geral de sua área de negócio, isto é, fazendo com que seus negócios estejam alinhados com outras organizações. O quadro de processos representa o ambiente global da empresa, como pode ser observado na figura a seguir. No nível conceitual, o etom pode ser visto como tendo três grandes áreas de processos: Estratégia, Infraestrutura e Produto cobrindo planejamento e gerenciamento do ciclo de vida do negócio; Operações cobrindo o núcleo do gerenciamento operacional; Gestão Empresarial cobrindo o gerenciamento corporativo ou suporte do negócio. A estrutura conceitual dá uma visão geral do contexto, diferenciando os processos estratégicos e do ciclo de vida em relação aos processos operacionais em duas grandes áreas, representados no diagrama da figura como dois grandes blocos, seguidos logo abaixo por outro bloco identificado como gestão empresarial. Processos de Operações: O etom define como sendo o seu coração. Estes processos incluem todos os processos da empresa que dão suporte a operações e gerenciamento dos clientes. Processos de Estratégia, Infraestrutura e Produto: Estes processos dizem respeito ao desenvolvimento de estratégias, criação de planos da empresa, construção de infraestrutura, desenvolvimento e gerenciamento de produtos, assim como o desenvolvimento e gerenciamento de canais de distribuição. Processos de Gestão Empresarial: Referem-se basicamente aos processos gerenciais da empresa necessários em qualquer negócio. Estes processos estão focados no nível empresarial, em suas metas e objetivos. 5

6 As duas maiores áreas de processos apresentadas acima dão suporte para os processos das áreas funcionais da empresa, apresentados como blocos horizontais, a saber: Processos de Mercado, Produto e Cliente Referem-se a tudo aquilo que se relaciona ao gerenciamento de vendas e distribuição, marketing, propostas e produtos, assim como CRM (Customer Relationship Management) e ordens de serviço, solucão de problemas, SLA e faturamento. Processos de Serviços Incluem todas as ações relacionadas ao desenvolvimento e configuração dos serviços, gestão dos problemas nos serviços, análise de qualidade e preços. Processos de Recursos Tudo que é feito relacionado ao desenvolvimento de gerenciamento da infraestrutura da empresa, relacionado aos produtos e serviços ou para suportar a empresa como um todo. Processos de Fornecedores/Parceiros Interações da empresa com seus fornecedores e parceiros. Para fechar este nível conceitual, o diagrama apresenta as principais entidades que interagem com a empresa, conforme segue: Clientes Fornecedores Parceiros Empregados Acionistas Interessados para quem o serviço da empresa é vendido: foco no negócio! quem provê recursos ou produtos usados pela empresa com quem a empresa opera conjuntamente numa área de negócio quem trabalha para a empresa com o propósito de atingir seus objetivos quem investe na empresa e é proprietário das ações quem tem de uma certa forma compromissos com a empresa 6

7 etom: Visão a nível do CEO Abaixo do nível conceitual, o modelo etom é decomposto num conjunto de processos que provê o primeiro nível de detalhe. Esta visão é considerada como sendo do nível do CEO, em que o desempenho irá determinar o sucesso da empresa. Para representar melhor este nível de observação, os processos podem ser vistos sob duas perspectivas: Agrupamento Vertical dos Processos que representam uma visão dos processos fim-a-fim dentro de um negócio, como por exemplo tudo que estiver envolvido num fluxo de bilhetagem para um cliente; Agrupamento Horizontal dos Processos representação de uma visão funcional dentro de um negócio, como por exemplo a gestão de canais de fornecimento. A figura a seguir apresenta o nível 1 de detalhamento dos processos do modelo etom. Processos de Operação - OPS OPS - Grupo de Processos Verticais Os processos da área de operação contêm quatro agrupamentos verticais, conforme a figura. Na versão TOM os grupos de processos de Implantação, Garantia e Faturamento - IGF eram focados separadamente, em processos relacionados diretamente a clientes. Na versão do etom estes processos são incorporados ao modelo, tendo um tratamento de mais alta prioridade. 7

8 Implantação Este processo é responsável pela entrega dos produtos desejados pelo cliente. Informa ao cliente o status de seu pedido, garantindo a sua execução a tempo, atendendo a sua satisfação. Garantia Este processo é responsável pela execução de atividades de manutenção preventiva e corretiva, de forma que os serviços estejam continuamente disponíveis e nos níveis de performance estabelecidos pelo SLA ou QoS (Quality of Service). Faturamento Este processo é responsável pela produção de faturas precisas e no tempo correto. Além deste dos processos IGF, a área dos processos de operação (OPS) contém um quarto agrupamento de processos: Suporte e Facilidades da Operação. Suporte e Facilidades da Operação Este processo é responsável pelo suporte aos três outros processos do grupo IGF, e por garantir as facilidades operacionais das áreas de implantação, garantia e faturamento. As atividades deste processo não estão na mesma velocidade daquelas presentes no IGF e, portanto, o modelo etom dá um tratamento em separado. No entanto, no mundo real é possível encontrar nas empresas um mix destes processos com aqueles do IGF. 8

9 OPS - Grupo de Processos Horizontais Os processos da área de operação podem ser agrupados horizontalmente em quatro partes, conforme mostrado na figura a seguir. Gerenciamento do Relacionamento com Clientes (CRM) Este processo considera como fundamental o conhecimento das necessidades dos clientes e inclui todas as funcionalidades necessárias para a aquisição, ganho e retenção do relacionamento com um cliente. Quer dizer serviço e suporte para clientes com qualidade, seja pelo atendimento direto, por telefone, pela WEB ou através de serviços em campo. O CRM também inclui a coleta de informações do cliente para aplicação em serviços personalizados, assim como na identificação de oportunidades para incrementar o valor dos clientes para a empresa. A introdução do CRM é um dos elementos chaves do etom sobre a versão TOM. Sendo assim, destacam-se os seguintes aspectos dessa expansão do etom sobre o TOM: Foco na retenção do cliente; Melhoria dos processos da empresa em resposta às expectativas do cliente; Integração da execução do marketing e implantação; Melhor representação da função faturamento ao nível do cliente e para a garantia de receita. Gerência e Operação de Serviços Este agrupamento de processos está focado no conhecimento dos serviços e inclui todas as funcionalidades necessárias para o gerenciamento e operação dos serviços de comunicações e informações que atendam aos propósitos dos clientes. Desenvolvimento e Gerenciamento de Recursos Este agrupamento de processos mantém o conhecimento de recursos da empresa (aplicações, sistemas computacionais e infraestrutura de rede) e, da mesma maneira, é responsável pelo gerenciamento de todos os recursos utilizados para entregar os serviços assim como dar o suporte requerido pelo cliente. 9

10 Gerenciamento do Relacionamento com Fornecedores/Parceiros Este agrupamento de processos é o núcleo de suporte dos processos operacionais, nos dois sentidos: da área do IGF (vertical) e da área funcional de operação (horizontal). A inclusão deste processo é um dos elementos chaves que diferenciam o etom do modelo TOM. Ele inclui a garantia de que os RFPs (Request For Propose) sejam parte das compras, incluindo solicitações de compra e o acompanhamento desde a entrega, resolução de problemas, validação da fatura e autorização para o pagamento, assim como o gerenciamento da qualidade dos fornecedores e parceiros. Processos Estratégicos, Infraestrutura e Produtos - SIP* (*) SIP - mantido do texto original em ingles Strategy, Infrastructure and Product SIP - Grupo de Processos Verticais A figura apresenta as áreas de agrupamento verticais de processos do SIP. Estratégia e Compromissos Este grupo de processos é responsável pela geração de estratégias que dêem suporte aos processos do ciclo de vida das Infraestruturas e Produtos da empresa. Ele é também responsável pelo estabelecimento de compromissos dentro da organização que dêem suporte às estratégias. Este processo também é responsável pelo acompanhamento do sucesso e efetividade das estratégias a realização dos ajustes que forem necessários. Gerenciamento do Ciclo de Vida Estes processos estão orientados à verificação das demandas de mercado e expectativas dos clientes. Existem dois ciclos fim-a-fim que foram introduzidos no etom, a saber o da Infraestrutura e dos Produtos. Gerenciamento do Ciclo de Vida das Infraestruturas Este processo é responsável pela definição, planejamento e implementação de tudo quanto for necessário em termos de infraestrutura (aplicações, computadores e redes), assim como ao suporte de outras infraestruturas e facilidades (centros de operação, etc.). 10

11 Gerenciamento do Ciclo de Vida dos Produtos Este processo é responsável pela definição, projeto e implementação de todos os produtos do portfolio da empresa. Ele gerencia os produtos em operação de forma a permitir um lucro e perdas marginais, a satisfação do cliente e o atendimento aos requisitos de qualidade. SIP Grupo de Processos Horizontais Da mesma forma que os agrupamentos dos processos das áreas funcionais de operação, existem quatro grupos funcionais de processos no SIP, conforme apresentado na figura. Gerenciamento de Marketing e Oferta Este grupo de processos está focado no conhecimento e desenvolvimento do Núcleo do Negócio da empresa, por meio de um ICSP (Information and Communications Service Provider). Este inclui as funcionalidades necessárias para definir estratégias, desenvolvimento de novos produtos, gerenciando os produtos existentes e implementando estratégias de marketing e ofertas, especialmente adequadas para informação e divulgação de produtos e serviços. Gerenciamento e Desenvolvimento de Serviço Este grupo de processos está focado no planejamento, desenvolvimento e entrega de serviços no domínio da Operação. Gerenciamento e Desenvolvimento de Recursos Este grupo de processos está focado no planejamento, desenvolvimento e entrega de recursos necessários para dar suporte aos produtos e serviços sob domínio da Operação. Gerenciamento e Desenvolvimento de Canais de Fornecimento Este grupo de processos está focado na interação requerida à empresa para relacionar-se com os seus fornecedores e parceiros, que estejam envolvidos na manutenção de seus canais de fornecimento. O canal de fornecimento é uma rede complexa de relacionamentos que o provedor de serviços gerencia de maneira a fornecer e entregar seus produtos. 11

12 Processos de Gestão da Empresa Por fim, este grupo de processos envolve o conhecimento de ações e necessidades no nível da empresa, envolvendo todos os processos de gerenciamento do negócio necessários para dar o devido suporte às demais partes da empresa. Os processos de Gestão da Empresa são: Planejamento Estratégico e Empresarial; Gerenciamento de Marca, Pesquisa Mercado e Propaganda; Gestão da Qualidade, Processos, Planejamento e Arquitetura de IT; Pesquisa, Desenvolvimento e Aquisição de Tecnologia; Gestão Financeira e de Ativos; Gerenciamento de Relacionamentos Externos e Outros Interessados; Gestão de Recursos Humanos; Gestão de Fraudes, Segurança e Restauração de Desastres. 12

13 etom: Contexto da Operadora As operadoras de telecomunicações funcionam hoje cada vez mais como uma rede de empresas, a exemplo do que ocorre na industria automobilística, onde a montadora integra e coordena todo o processo de projeto, desenvolvimento, produção, comercialização e assistência técnica de automóveis. A prestação de serviço fim-a-fim para a um cliente de forma verticalizada e utilizando uma rede inteiramente sua, esta deixando de ser a regra entre os provedores de serviços de telecomunicações. Tendo em vista esta realidade o etom definiu um modelo para o contexto em que estão inseridos os operadores de telecomunicações, representado na figura a seguir. Estes elementos compõem uma rede cujo objetivo é fornecer um serviço ou produto que tenha valor para o cliente. Cliente A rede existe para servir as necessidades do cliente. O cliente pode ser um indivíduo ou outra empresa. Dependendo das atividades que executa o cliente pode ser um assinante (responsável por firmar e pagar o contrato), um usuário final (usa os produtos e serviços), ou ambos. Empresa Operadora O Operador é o núcleo desta rede de valor. Ele é o ponto central de execução e é responsável pela rede de valor. Estão sob sua responsabilidade a plataforma operacional e infraestrutura através da qual outros parceiros podem colaborar para fornecer produtos e serviços ao cliente. 13

14 Fornecedor Fornecedores interagem com a empresa fornecendo produtos e serviços, que são integrados pelo prestador de serviços de modo a que ele possa fornecer seus produtos e serviços ao cliente. Estão aí incluídos tanto os Vendors que fornecem equipamentos, software e soluções para o operador, como prestadores de serviço para os quais são terceirizadas funções do operador e outros operadores dos quais são contratados infra-estrutura e/ou serviços de conectividade, circuito ou rede. Intermediário O intermediário executa uma função em nome da empresa junto a clientes ou fornecedores. Existem tipicamente 3 categorias de intermediários: vendas, implantação e serviços de informação. Complemento Fornece produtos e serviços adicionais para estender as capabilidades da rede de valor. Geralmente os produtos e serviços complementares são construídos em cima da infraestrutura fornecida pela empresa. Um exemplo são os provedores de serviço de valor adicionado. 14

15 etom: Considerações Finais Este tutorial procurou apresentar os conceitos gerais do Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações, em conformidade com o etom estabelecido pelo TM Forum. O modelo etom apresentado nos documentos de referência do TM Fórum vão muito mais a fundo na descrição desses processos, sendo recomendado àqueles que desejarem um maior aprofundamento no tema. Para os provedores de serviço de telecomunicações, este modelo de processos provê uma referência que pode ser utilizada para a reengenharia de seus processos internos, assim como dos processos de relacionamento com o ambiente externo da organização, em especial com seus parceiros, fornecedores, clientes e demais empresas operadoras de telecom. Para os fornecedores de soluções ao mercado de telecomunicações, o etom é uma boa referência para o desenvolvimento de seus produtos, em especial para as empresas desenvolvedoras de software. Referência enhanced Telecom Operations Map (etom) The Business Process Framework; TM Forum Approved/Version3.0; June

16 etom: Teste seu Entendimento 1) De acordo com o texto, qual das alternativas a respeito de etom não está correta: Trata-se de um modelo de processos criado em 2002 pelo TM Forum que apresenta um mapa de operação em Telecom. As três grandes áreas de processos são divididas em: Gerenciamento Empresarial; Operações; e Estratégia, Infraestrutura e Produto. O grupo de processos de implantações faz parte da área de estratégia do modelo do etom. 2) Qual dos processos não faz parte do grupo de processos verticais de operação : Suporte de facilidades de operações; Garantia; Faturamento; Relacionamento com Clientes. 3) De acordo com o tutorial, qual das alternativas é a correta: O etom é uma mapa de processos obrigatório para a sobrevivência das operadoras de Telecom, que posiciona a empresa dentro de um contexto geral de sua área de negócio. Na versão etom 2002 existe uma preocupação quanto a melhoria dos processos da empresa em resposta às expectativas do cliente. As modernas operadoras de Telecom vêem adotando um modelo de gestão de negócio verticalizado, tal qual as demais industrias do mercado. 16

Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum).

Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI GOVERNANÇA DE TI Unidade IV 4 etom ENHANCED TELECOM OPERATIONS MAP 1 Em 1986, o International Telecommunications Union Telecommunications (ITU-T) definiu uma arquitetura-padrão para o gerenciamento de

Leia mais

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações

Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Inteligência de Parceiros e Colaboração nos Negócios: a evolução no setor de Telecomunicações Daniela Ramos Teixeira Para vencer a guerra diária num cenário co-opetivo (competitivo e cooperativo), as empresas

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

Este dimensionamento pode ser feito utilizando os calculadores de Erlang C e Erlang B do Teleco.

Este dimensionamento pode ser feito utilizando os calculadores de Erlang C e Erlang B do Teleco. Dimensionamento de Centrais de Atendimento (Call Center) Este tutorial apresenta os conceitos básicos para dimensionamento de centrais de atendimento também conhecidas como Call Center ou Contact Center.

Leia mais

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI. Prof. Gislaine Stachissini

Unidade IV GOVERNANÇA DE TI. Prof. Gislaine Stachissini Unidade IV GOVERNANÇA DE TI Prof. Gislaine Stachissini TMN - Telecommunication Management Network Definido como uma arquitetura padrão para o gerenciamento de redes de Telecom em 1986, utiliza o modelo

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre o que é um Service Level Agreement (SLA).

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre o que é um Service Level Agreement (SLA). Service Level Agreement (SLA) Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre o que é um Service Level Agreement (SLA). Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Dimensionamento de Centrais de Atendimento (Call Center)

Dimensionamento de Centrais de Atendimento (Call Center) 1 Dimensionamento de Centrais de Atendimento (Call Center) Este tutorial apresenta os conceitos básicos para dimensionamento de centrais de atendimento também conhecidas como Call Center ou Contact Center.

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Código de Seleção de Prestadora (CSP) Este tutorial apresenta o Código de Seleção de Prestadora (CSP) utilizado no Brasil para chamadas de longa distância. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e

Leia mais

Governança de TI. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de TI. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de TI Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança Governar Governança Ato de governar(-se), governo, governação Governar ter mando, direção, dirigir, administrar tratar

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Tarifas de Uso de Rede Este tutorial apresenta os conceitos básicos de Tarifas de Uso de Rede das Operadoras de Telefonia Fixa e Celular. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE

Leia mais

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Este artigo introduz os conceitos de computação em nuvem, Cloud Computing, e a insere no contexto de mercado de serviços ao apresenta-la como uma

Leia mais

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL A Sytel Reply foi comissionada por uma grande operadora global de Telecom para o fornecimento de um Service Assurance de qualidade.

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

Mapeamento do CPqD-OSP/Provisioning utilizando o framework de processos de negócios enhanced Telecom Operations Map (etom)

Mapeamento do CPqD-OSP/Provisioning utilizando o framework de processos de negócios enhanced Telecom Operations Map (etom) Mapeamento do CPqD-OSP/Provisioning utilizando o framework de processos de negócios enhanced Telecom Operations Map (etom) Simone Garcia Schmidt *, Tatiana Cristina Nogueira Pereira O New Generation Operations

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

Numeração Telefônica no Brasil. Este tutorial apresenta a estrutura básica do plano de numeração utilizada em sistemas telefônicos no Brasil.

Numeração Telefônica no Brasil. Este tutorial apresenta a estrutura básica do plano de numeração utilizada em sistemas telefônicos no Brasil. Numeração Telefônica no Brasil Este tutorial apresenta a estrutura básica do plano de numeração utilizada em sistemas telefônicos no Brasil. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA.

CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. CIGAM SOFTWARE CORPORATIVA LTDA. Raquel Engeroff Neusa Cristina Schnorenberger Novo Hamburgo RS Vídeo Institucional Estratégia Visão Missão Ser uma das 5 maiores empresas de software de gestão empresarial

Leia mais

Gerenciamento de Níveis de Serviço

Gerenciamento de Níveis de Serviço Gerenciamento de Níveis de Serviço O processo de Gerenciamento de Níveis de Serviço fornece o contato entre a organização de TI e o cliente, para garantir que a organização de TI conhece os serviços que

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight CUSTOMER SUCCESS STORY Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Empresa: Scitum Funcionários: 450+ EMPRESA Empresa

Leia mais

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I

E-business - como as empresas usam os sistemas de informação. Administração de Sistema de Informação I E-business - como as empresas usam os sistemas de informação Administração de Sistema de Informação I Supply Chain Management - Cadeia de suprimento Sistemas de Gerenciamento de Cadeia de Suprimentos Os

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de TI Os modelos atuais para governança partem de processos empresariais serviços prestados, modelos

Leia mais

Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento

Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento Case Livraria Saraiva: Solução de Atendimento Multicanal e Internalização da Central de Atendimento Livraria Saraiva A Livraria Saraiva é uma empresa brasileira, fundada em 1914 e hoje é a maior livraria

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI. ITIL (IT Infraestructure Library) Conceitos Básicos Aula 1

Gerenciamento de Serviços de TI. ITIL (IT Infraestructure Library) Conceitos Básicos Aula 1 Gerenciamento de Serviços de TI ITIL (IT Infraestructure Library) Conceitos Básicos Aula 1 Objetivo do Curso Ensinar os conceitos do ITIL V3 apresentando pelos menos as seguintes visões: Mercado Aplicação

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai

Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai Plug & Play Options Integrating Systems Flávio De Nadai Desenvolvimento de Negócios Utilities & Telecom

Leia mais

BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos

BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos BPM Uma abordagem prática para o sucesso em Gestão de Processos Este curso é ideal para quem está buscando sólidos conhecimentos em como desenvolver com sucesso um projeto de BPM. Maurício Affonso dos

Leia mais

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações

CobIT. Eduardo Mayer Fagundes. Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações CobIT Um framework para a eficiência das organizações de Tecnologia da Informação e Telecomunicações Eduardo Mayer Fagundes Copyright(c)2008 por Eduardo Mayer Fagundes 1 Agenda 1. Princípio de Gestão Empresarial

Leia mais

O que significa esta sigla?

O que significa esta sigla? CRM Para refletir... Só há duas fontes de vantagem competitiva. A capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que o nosso concorrente e a capacidade de transformar este conhecimento

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

FÁBRICA DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS FÍSICOS

FÁBRICA DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS FÍSICOS FÁBRICA DE SOFTWARE Quem somos A Fábrica de Software da Compugraf existe desde 1993 e atua em todas as etapas de um projeto: especificação, construção, testes, migração de dados, treinamento e implantação.

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Data de Lançamento do RFP: 23/05/2005

Data de Lançamento do RFP: 23/05/2005 REQUEST FOR PROPOSAL Data de Lançamento do RFP: 23/05/2005 Data Limite para Submissão de Propostas: 26/05/2005 Conteúdo 1. Overview da Empresa 2. Objetivo da RFP 3. Escopo do Projeto 4. Diretrizes para

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

OPERADORA MÓVEL VIRTUAL, UMA REALIDADE

OPERADORA MÓVEL VIRTUAL, UMA REALIDADE OPERADORA MÓVEL VIRTUAL, UMA REALIDADE Eng. Roberto Aroso Cardoso SINDITEC Sindicato das Indústrias de Eletrônica, Telecomunicações, Teleinformática, Componentes e Similares do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Sistemas de Automação de Infra-estrutura de Sites de Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Sistemas de Automação de Infra-estrutura de Sites de Telecom. (Versão revista do tutorial

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

IT SERVICES. 1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia. LOCAL: São Paulo -SP 20/03/2014

IT SERVICES. 1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia. LOCAL: São Paulo -SP 20/03/2014 IT SERVICES 1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia LOCAL: São Paulo -SP 20/03/2014 TEMA DA PALESTRA: Desafios da Gestão de TI no Mercado Jurídico PALESTRANTE:

Leia mais

IT SERVICES. 1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia. LOCAL: Rio de Janeiro -RJ 13/02/2014

IT SERVICES. 1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia. LOCAL: Rio de Janeiro -RJ 13/02/2014 IT SERVICES 1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia LOCAL: Rio de Janeiro -RJ 13/02/2014 TEMA DA PALESTRA: Desafios da Gestão de TI no Mercado Jurídico

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros A experiência da Copel na implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros COPEL Projeto

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

Qualidade na Telefonia Fixa

Qualidade na Telefonia Fixa Qualidade na Telefonia Fixa Este tutorial apresenta os indicadores básicos utilizados pela Anatel para acompanhar a Qualidade do Serviço prestado pelas operadoras do Serviço Telefônico Fixo Comutado no

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar AGOSTO/2015 LINHA DE APRENDIZADO Departamento de Compras Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar Central de Compras Modelo de Negócio Fundada há 120 anos. Atendimento de média e alta

Leia mais

1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Escritórios de Advocacia e Departamentos Jurídicos de Brasília. LOCAL: Brasília DF - 22/05/2014

1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Escritórios de Advocacia e Departamentos Jurídicos de Brasília. LOCAL: Brasília DF - 22/05/2014 1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Escritórios de Advocacia e Departamentos Jurídicos de Brasília LOCAL: Brasília DF - 22/05/2014 TEMA DA PALESTRA: Ferramentas de Gestão Estratégica x Desafio na Excelência

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

GIRS: Gerência Integrada de Redes e Serviços

GIRS: Gerência Integrada de Redes e Serviços GIRS: Gerência Integrada de Redes e Serviços Este Tutorial apresenta os conceitos básicos de Gerência Integrada de Redes e Serviços (GIRS) como defina pela UIT sob o título de TMN(Telecommunications Management

Leia mais

FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager

FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager CUSTOMER SUCCESS STORY Julho 2013 FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager PERFIL DO CLIENTE Indústria: Bebidas Companhia: FEMSA Funcionários: +177

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço

Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Módulo 8 Gerenciamento de Nível de Serviço Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies

CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies CUSTOMER SUCCESS STORY CPD Informática otimiza gestão de serviços de TI com soluções CA Technologies EMPRESA A CPD Informática atua com a venda de soluções, serviços, planejamento e gestão de TI, contribuindo

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Visão Geral (problema resolvido)

Visão Geral (problema resolvido) 1 Trabalho: Elaborar uma sintese do artigo sôbre o papel e natureza de uma arquitetura empresarial e comparar com o que esta sendo apresentado no curso arquitetura de informação Solução : Visão Geral (problema

Leia mais

Conversão da Tarifação das Chamadas Locais do STFC de Pulso para Minuto. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 04/11/2005).

Conversão da Tarifação das Chamadas Locais do STFC de Pulso para Minuto. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 04/11/2005). Conversão da Tarifação das Chamadas Locais do STFC de Pulso para Minuto Este tutorial apresenta os conceitos básicos envolvidos na mudança do critério de tarifação de chamadas locais do STFC de Pulso para

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais