PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DO CONHECIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DO CONHECIMENTO"

Transcrição

1 ISSN PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DO CONHECIMENTO Alexandre Barbosa Marques (CEFET-RJ) Sidney Teylor (CEFET-RJ) Úrsula Maruyama (CEFET-RJ) Resumo Na era do conhecimento, cada vez mais pessoas realizam trabalhos essencialmente intelectuais, cuja matéria prima são os dados e informações. Neste contexto, a capacidade de realizar a gestão do conhecimento (GC) torna-se um recurso organizaacional importante. Acontece que, para gerar os benefícios que apregoa, a gestão do conhecimento precisa ser inserida nas rotinas organizacionais e isso não será alcançado senão por ações deliberadas. Este artigo, baseado em pesquisa bibliográfica, objetiva apresentar as ferramentas para gestão do conhecimento (FGC) como um dos instrumentos de gestão nesse sentido. Revisam-se os conceitos de gestão do conhecimento e de rotinas organizacionais, relacionando-os. Adicionalmente, apresentase a noção de FGC, seu papel na gestão do conhecimento, os critérios para sua seleção e uso, bem como uma breve descrição de algumas dessas ferramentas. Conclui-se destacando que a GC não se resume ao uso das FGC e que as organizações e seus colaboradores são responsáveis pelos resultados gerados com o uso delas. Palavras-chaves: Gestão do conhecimento; ciclos da gestão do conhecimento; rotinas organizacionais; ferramentas para gestão do conhecimento.

2 1.INTRODUÇÃO A era do conhecimento é caracterizada, entre outras coisas, por uma profusão de dados e informações, crescente complexidade e incerteza, inovação acelerada, restrições de vários tipos e metas cada vez mais desafiadoras. Entretanto, talvez a sua característica mais marcante seja a crescente desmaterialização do trabalho. Um crescente número de pessoas realizam trabalhos essencialmente intelectuais, cujas matérias-primas são os dados e informações que atravessam todos os processos independentemente do tipo, ramo de atuação e porte das organizações em que trabalham. Em contrapartida, as ferramentas físicas, do trabalho predominantemente físico da era industrial, decrescem em importância relativa. Obviamente, isso não significa que não se precisa mais daquelas ferramentas ou de qualquer outro bem material. No contexto da era do conhecimento, o tipo de ferramenta que vem ganhando importância são as chamadas ferramentas de gestão, mais especificamente, as de gestão do conhecimento. Assim como as ferramentas físicas, as ferramentas de gestão do conhecimento (FGC) requerem que apliquemos o nosso intelecto para desenvolvê-las e utilizá-las. Análoga à caixa de ferramentas de um profissional técnico (i.e. um mecânico), na caixa de FGC há diferentes ferramentas para diferentes propósitos. Este artigo, baseado em pesquisa bibliográfica, tem como objetivo apresentar os resultados preliminares de um grupo de estudo de Gestão do Conhecimento (GC) sobre as FGC, destacando sua contribuição para implantar rotinas organizacionais que tornem a GC uma realidade nas organizações. Com este propósito, na primeira seção, o conceito de gestão do conhecimento é apresentado. Na segunda seção, faz-se uma incursão sobre o conceito de rotinas organizacionais e a sua relação com a gestão do conhecimento é exposto sob a forma de revisão. Na terceira seção, as ferramentas de gestão do conhecimento são apresentadas sob os seguintes tópicos: o que são, quais são as motivações para estudá-las, como se relacionam com a gestão do conhecimento e com as rotinas organizacionais. Além disso, são relacionadas algumas dessas ferramentas em uma descrição. Na quarta e última seção, apresentam-se as considerações finais, destacando que as FGC não são a gestão do conhecimento em si, que é 2

3 preciso aplicá-las com critérios e que seu uso não isenta as organizações e seus colaboradores da responsabilidade pelos resultados. 2.GESTÃO DO CONHECIMENTO Neste artigo, a GC está sendo considerada como o conjunto de políticas, objetivos e iniciativas coordenados para dirigir e controlar uma organização no que diz respeito ao conhecimento. A rigor, o termo gestão refere-se ao planejamento e controle realizado pelos mais elevados níveis de decisão em uma organização (MOSSO, 2010). Entretanto, as necessidades de conhecimento manifestam-se nos três níveis de decisão organizacional: estratégico, tático e operacional. Além disso, existe muita complementaridade e interrelacionamento entre os conhecimentos destes níveis. Por esta razão, a presente abordagem também inclui os processos táticos e operacionais na GC, sendo este último o foco principal da presente abordagem. Como cada um desses níveis tem objetivos e funções diferenciadas é possível vislumbrar um ciclo de GC para cada um deles, resultando no esquema mostrado na figura 1. 3

4 Figura 1 Ciclos da Gestão do Conhecimento. Fonte: Elaboração própria adaptado de BUCKOWITZ e WILLIWAMS, O ciclo estratégico diz respeito ao conjunto de processos inter-relacionados e interativos que capacitam a organização como um todo para enfrentar e usufruir das mudanças do macroambiente de negócio no médio e longo prazos. Conforme mostrado na figura, ele compreende cinco processos principais: alinhamento, planejamento, organização, controle e redirecionamento. O processo de alinhamento visa a garantir que a gestão do conhecimento estará em harmonia com a estratégia organizacional. O processo de planejamento visa a estabelecer objetivos, metas e iniciativas de gestão do conhecimento para a organização como um todo. O processo de organização visa a identificar, prover e dispor os recursos necessários à execução do plano de gestão do conhecimento. O processo de controle visa a avaliar em que medida as iniciativas de gestão do conhecimento estão sendo realizadas e em que medida os resultados almejados estão sendo alcançados. O processo de redirecionamento visa a influenciar os rumos do negócio a partir da perspectiva do conhecimento. 4

5 O ciclo tático da gestão do conhecimento refere-se ao conjunto de processos interrelacionados e interativos que capacitam a organização como um todo, ou parte dela, para responder adequadamente as oportunidades e/ou ameaças do seu ambiente de negócio no curto e médio prazos. Ele compreende quatro processos principais: adquirir / criar, difundir, reter e renovar. A aquisição de conhecimento pressupõe sua existência e disponibilidade no ambiente externo, e implica que a organização realizará iniciativas de gestão do conhecimento para internalizá-lo. Neste sentido, a Transferência de Tecnologia é um exemplo. A criação de conhecimento implica que a organização realizará iniciativas de gestão do conhecimento voltadas para gerar conhecimento novo (para ela), isto é, não disponível no ambiente externo. A Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) é outro exemplo significativo. A difusão do conhecimento abrange as iniciativas de gestão do conhecimento necessárias para disponibilizá-lo para as pessoas certas da organização. As Comunidades de Praticantes e as Bases de Lições Aprendidas favorecem a difusão do conhecimento, pois esta é influenciada pela cultura organizacional e pela infraestrutura disponível. A renovação diz respeito à reciclagem das bases de conhecimento sobre as quais o negócio existe e funciona. A renovação sistemática da base de conhecimento tem o benefício potencial de evitar a rigidez essencial (Leonard-Barton, 1998). O ciclo operacional da gestão do conhecimento contém o conjunto de processos interrelacionados e interativos que uma parte da organização executa para responder adequadamente às demandas (oportunidades e/ou ameaças) rotineiras do negócio, bem como para atender às iniciativas da gestão do conhecimento nos níveis tático e estratégico. O ciclo operacional compreende quatro processos principais: processamento, aplicação, contribuição e atualização. O processamento consiste em uma operação mista de levantamento, seleção, reunião e tratamento de dados e informações visando a gerar conhecimento útil. A aplicação utiliza o conhecimento disponível para melhorar a eficácia e a eficiência organizacional. Geralmente, a aplicação do conhecimento implica em algum grau de inovação dos produtos, processos produtivos e/ou de apoio. A contribuição permite auxiliar outras partes da organização a aplicarem o conhecimento em benefício do negócio. Em complemento, a atualização insere novos e/ou modificar os dados e informações nas bases pertinentes. As primeiras iniciativas da GC podem surgir, por exemplo, do nível tático, mas sua institucionalização dependerá da alta administração e precisará alcançar o nível operacional. Este caminho decisório ficou conhecido na literatura de GC como middle-top-down (TAKEUCHI, NONAKA, 2008). 5

6 De modo geral, a GC segue uma sequência de etapas, que consiste na implantação e manutenção e aprimoramento. A implantação refere-se à decisão da alta direção da organização de adotar determinada política, medida, método de gestão, por exemplo. Ela, por si só, não assegura nenhum benefício. A implantação da GC (e de qualquer coisa importante em uma organização) deve ser divulgada pela própria alta direção, a fim de comunicar claramente que a decisão tem o seu apoio e de buscar o compromisso das demais pessoas. Isso implica despertar o interesse da alta administração sobre o tema, convencê-la de que a GC é uma necessidade para a sustentação do negócio ao longo do tempo e, por fim, obter dela a autorização e comprometimento formais. A implantação representa todo o trabalho necessário para concretizar a decisão de implantar a GC. Como as pessoas podem não estar habituadas às novas políticas, objetivos e métodos de gestão, espera-se algum nível de dificuldade, requerendo algum esforço para ajudá-las a se adaptar à nova cultura organizacional que está se estabelecendo e, por isso mesmo, a capacidade de gerenciar mudança. Embora a GC se realize por meio da execução de várias iniciativas, inclusive processos rotineiros, sua implantação inicial engloba a realização de alguns projetos pilotos; daí a necessidade de saber gerenciar projetos. A efetiva implantação da GC não é uma tarefa nem trivial nem de uma pessoa só, motivo pelo qual também serão necessárias determinação e capacidade de trabalho em equipe. Uma abordagem estruturada tem o potencial de reduzir o esforço despendido e as incertezas ao longo do caminho. A última etapa engloba uma dupla orientação: manutenção e aprimoramento. A manutenção consiste no esforço para que as iniciativas que forem implantadas não caiam no desuso. Por exemplo, é comum encontrar pessoas falando que uma determinada iniciativa começou com um impulso forte, porém, com o passar do tempo, ninguém mais ligou para aquilo, que acabou ficando esquecido ou caindo em desuso. Como resultado final, aquela iniciativa fica desacredita e, dificilmente, consegue-se reestabelecê-la novamente. A manutenção também engloba a análise crítica periódica das políticas, objetivos e estratégias da GC. Por sua vez, o aprimoramento consiste em levar as iniciativas implantadas a um nível de desenvolvimento superior ao inicial, além de implantar novas iniciativas. Entendemos que a GC só se tornará uma realidade nas organizações quando as pessoas tiverem os meios para passar da teoria à prática; da implantação à implantação, e desta à manutenção e aprimoramento. 6

7 3.ROTINA ORGANIZACIONAL Rotinas são padrões de práticas (ou comportamentos) eficazes que definem como uma empresa opera suas atividades cotidianas. Uma empresa desenvolve rotinas particulares para lidar com as diversas situações como resultado de experiências em torno do que parece funcionar bem. O valor das rotinas está mais no fato de que elas representam uma resposta automática do que no fato de que elas representam uma resposta habitual. Em outras palavras, rotinas não são necessariamente repetitivas, mas sim um padrão de comportamento que não implica pensamento consciente e articulado (TIDD, BESSANT e PAVITT, 2008). As rotinas possuem oito características inerentes: padrão, no sentido de regularidade, seja de ação ou de cognição; repetição, no sentido de recorrência; natureza coletiva, isto é, uma prática compartilhada entre as pessoas de uma organização; natureza braçal versus intelectual, ou seja, se dependem pouco ou muito do raciocínio; natureza processual, rotinas que compreendem atividades práticas, que devem ser executadas de uma maneira mais ou menos específica para gerar o resultado pretendido; dependência do contexto em que são desempenhadas; dependência do caminho (path dependence), significando que as rotinas atuais estão baseadas em aprendizados anteriores; e gatilhos, isto é, as rotinas são disparadas, seja por ação de algum agente relacionado a elas, seja por um estímulo externo a elas (BECKER, 2004). Dentre essas características e considerando os propósitos deste artigo, a dependência do contexto chama a atenção. As rotinas originam-se em contextos específicos e representam uma resposta adequada, não propriamente uma resposta certa, em termos absolutos, às situações específicas daquele contexto, o que faz com que elas sejam específicas à empresa que as desenvolveu. As especificidades do contexto dizem respeito à história, aos fatores ambientais e modelos mentais utilizados para interpretar as diferentes situações vividas, ao local reforçando a ideia de que as rotinas são o resultado de um aprendizado espacial e culturalmente contextualizado e às relações na organização, que são influenciadas pela cultura. Uma consequência imediata dessas especificidades é que as rotinas são difíceis, senão impossíveis, de se transferir em sua totalidade para diferentes contextos. Logo, não existiria o que se convencionou chamar de best practices. No máximo, o que se poderia ter são as melhores soluções locais. Isso se aplica mesmo entre partes diferentes de uma mesma empresa ou unidades de negócio diferentes de uma mesma corporação, ou seja, só será possível transferir rotinas dentro de uma empresa ou entre unidades de negócio de uma corporação na medida em que a empresa conseguir estabelecer 7

8 certo nível de homogeneidade. Cabe destacar que as rotinas compreendem conhecimento processual, isto é, conhecimento sobre como fazer, e isso envolve aspectos cognitivos e motores (BECKER, 2004). Outra característica de interesse neste artigo é a dependência de caminho (path dependence), que significa que as rotinas mudam de uma maneira que depende de como elas se encontravam no momento anterior, e isso se refere à própria história da rotina. Em outras palavras, isso significa que a mudança de uma rotina não é um fenômeno (ou decisão) livre do caminho percorrido pela rotina até ali. Nesse contexto, o principal mecanismo de mudança de uma rotina seria o feedback, que pode ser positivo ou negativo. O feedback positivo ocorre quando, por exemplo, uma rotina gera um desempenho positivo. Seria um mecanismo de reforço para manter e aperfeiçoar levemente a rotina. Por outro lado, o feedback negativo seria um motivador mais poderoso para se revisar uma rotina. Outro aspecto relativo à dependência de caminho é a impossibilidade de se reconstruir o contexto histórico em que a rotina se originou. Segundo o autor, isso seria importante para conhecer as razões pelas quais o caminho de uma rotina foi um e não outro, a fim de reconstruir o caminho e o problema para o qual uma dada rotina foi a solução (BECKER, 2004). As lições experimentais da história são capturadas pelas rotinas de um jeito que funciona, mas não a história em si, acessível à organização e aos membros da organização que não vivenciaram a história (LEVIT & MARCH, citados por BECKER, 2004). A esse respeito, cabem três observações. Primeira, a impossibilidade de se reconstruir uma condição histórica faz parte da realidade das organizações, nunca foi e nem será possível recriar aquelas condições e saber exatamente o que estava acontecendo naquele momento. Segunda, o fato anterior não impede que lições sejam aprendidas e incorporadas nas rotinas atuais. Terceira, considerando a atual dinâmica das mudanças, o esforço de reconstruir a história ou o caminho pelo o qual uma dada rotina se desenvolveu pode acrescentar pouco valor para a mudança da rotina. Em conjunto, essas observações não invalidam a dependência do caminho em si, apenas a coloca como uma característica inerente à rotina. Como o termo rotina freqüentemente é associado às idéias de não-variação e de inércia, a mudança da rotina precisa ser entendida a fim de ajudar a compreender como as firmas, e a própria economia, mudam. Nesse sentido, torna-se necessário reconhecer que as noções de variação e mudança são inerentes ao conceito de rotina (BECKER, 2004). As rotinas mudam com maior freqüência em termos incrementais do que substanciais, mas elas 8

9 sempre mudam. O desafio que permanece é melhorar o entendimento de como as rotinas afetam a evolução das organizações e da economia como um todo. As rotinas influenciam as organizações de várias maneiras. Becker (2004) faz referência a seis efeitos típicos: coordenação e controle; trégua; economia de recursos cognitivos; redução da incerteza; estabilidade; e armazenamento do conhecimento. Neste artigo, será enfocados a economia de recursos cognitivos e o armazenamento do conhecimento. A economia de recursos cognitivos chama a atenção para o fato de que tais recursos são limitados e precisam ser alocados de maneira seletiva, isto é, alocados em atividades em que potencialmente gerarão o maior nível de retorno. Nesse sentido, uma vez que as rotinas estejam estabelecidas e operantes, elas liberam, pelo menos em parte, esses recursos cognitivos para aplicação naquelas atividades de maior valor agregado. Este efeito é ainda mais relevante para as pequenas e médias empresas (PMEs), onde há uma relativa escassez destes recursos. Em relação ao armazenamento do conhecimento, rotinas têm existência independente de um grupo específico de colaboradores novos membros da organização as aprendem ao chegar e a maioria das rotinas sobrevive à mudança de rotinas individuais. (TIDD, BESSANT e PAVITT, 2008). As rotinas são de interesse para a gestão do conhecimento, porque elas representam o modus operandi da organização, no qual a gestão do conhecimento precisa ser inserida, a fim de modificá-lo e de se beneficiar do que ele já tiver de adequado. Em suma, a eficácia e eficiência da gestão do conhecimento dependem do quanto conseguirão influenciar as rotinas organizacionais e usufruir das características e efeitos delas. 4.Ferramentas para Gestão do Conhecimento 9

10 PLANEJAR ORGANIZAR CONTROLAR RENOVAR ALINHAR ADQUIRIR CRIAR DIFUNDIR RETER APLICAR CONTRIBUIR ATUALIZAR PROCESSAR IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO Uma ferramenta para gestão do conhecimento (FGC) é um conjunto coerente e ordenado de instruções bem definidas e organizadas em etapas para auxiliar as pessoas de uma organização a lidar com as necessidades de conhecimento do presente e do futuro. Ferramentas para a Gestão do Conhecimento CICLO ESTRATÉGICO CICLO TÁTICO CICLO OPERACIONAL Alianças Balanced Scorecard Banco de Talentos Benchmarking Patentes Coaching Comunidades de Praticantes Contação de históricas CRM Delphi FMEA Grupo de foco Inteligência Competitiva Lições Aprendidas Mapeamento de Competências Mapeamento de processos Matriz de habilidades ou Plano de Capacitação Memória organizacional Mentoring Modelagem de negócios Open Innovation P&D Portal do conhecimento Simulação de Cenários Transferência de Tecnologia Universidade Corporativa Figura 2 Relacionamento da ferramenta com as fases do ciclo de vida da Gestão do Conhecimento. Fonte: Elaboração própria. 10

11 Uma revisão da literatura permitiu compilar as FGC mostradas na tabela 1. Na primeira coluna, apresentam-se as denominações mais comuns que foram dadas às ferramentas. Na segunda coluna, procurou-se registrar o foco com que as ferramentas têm sido empregadas. Nem todas as ferramentas compiladas são originárias do recente movimento de GC. Por exemplo, o Benchmarking, conhecido desde a década de 1970, foi originalmente definido como o processo contínuo de medição de produtos, serviços e práticas em relação aos mais fortes concorrentes, ou às empresas reconhecidas como líderes em suas indústrias (CAMPOS, 1998). Pela perspectiva da gestão do conhecimento, o Benchmarking é redefinido como um processo, sistemático e ético, de aprendizagem com os melhores. Algumas ferramentas tem um grande suporte das tecnologias de informação e comunicação (TIC), como é o caso da Gestão do Relacionamento com Clientes (GRC)/ Customer Relationship Management (CRM). Este é outro exemplo de ferramenta não originalmente definida de uma perspectiva da GC. Entretanto, novamente por esta perspectiva, entende-se que, em essência, o GRC/CRM é um processo, apoiado por aplicativos de computador e intensivo uso de banco de dados, para aprender sobre os clientes, isto é, um meio auxiliar a organização para compreender melhor as necessidades e desejos dos seus clientes e, a partir daí, adequar seus produtos de modo a atendê-los melhor. Ferramentas de GC Foco Autores Alianças Estratégicas Aprender se relacionando. Hamel (1991); Mowery, Oxley, Silverman (1996); Gulati, Singh (1998); Das, Teng (2000); Kale, Singh, Perlmutter (2000). Benchmarking Aprender com os melhores. Griffin (1997). BSC Balanced Scorecard Comunidades de Praticantes Gestão de Ativos Intelectuais Gestão do Relacionamento com Aprender medindo (indicadores). Grupos de aprendizagem autogeridos. Lucrar com propriedade intelectual Aprender sobre os clientes. Norreklit (2000); Malmi (2001); Stewart, Carpenter-Hubin(2001); Kallas (2003); Karathanos, Karathanos (2005); Fernandes, Fleury, Mills (2006); Kaplan, Norton (1997,2000, 2004). Góes et al (2011); Sartori (2012). Bontis (1998); Malhotra (2000); Hussi (2003); Marr, Schiuma, Neely (2004); Backes, Wiethaeuper, Ott (2005); Gomes, Serra, Ferreira (2007). Bull (2003); Capbell (2003); Gebert et al (2003); Chen, Popovich (2003); Zablah, 11

12 Clientes Bellenger, Johnston (2004). Inteligência Competitiva Lições Aprendidas Mapeamento de Competências Aprender sobre os concorrentes. Aprender com as experiências. Identificar o que sabemos e o que falta saber. Santos (2000); Torapanoff (2001); Rezende (2002); Valentim (2002); Cândido, Araújo (2003); Canongia et al (2004). Liebowitz, Suen (2000); Schindler, Eppler (2003); Leitner, Warden (2004); Lin, Wang, Tserng (2006); Costa, Toledo (2011). Sydanmaanlakka(2003); Miranda (2004). Método Delphi Aprender com especialistas. Fink et al (1984); Powell (2003); Skulmoski, Hartman, Krahn (2007) Páginas Amarelas Identificar quem sabe o quê. Fleury, Fleury (2001); Leite, Costa (2006); Lousada et al (2011). Planejamento de Cenários Portais do Conhecimento Transferência de tecnologia Universidade Corporativa Usuários avançados Lead Users Aprender a partir do ambiente externo. Disponibilizar o conhecimento organizacional. Aprender com quem já sabe e faz. Desenvolver estruturado de competências. Aprender com os clientes / consumidores. Mintzberg (1994); Ghemawat (2000); Marcial, Costa (2001); Muller (2003); Wright, Spers (2006); Mosso (2010). Leite, Costa (2007); De Paula, Cianconi (2007); Rossetti, Morales (2007); Fachin et al (2009). Szulanski (1999); Amesse, Cohendet (2001); Cummings, Teng (2003); Dhanaraj et al (2004); Alwis, Hartmann (2008) Dealtry (2000); Alperstedt (2001); Silva (2005); Paton, Peters, Quintas (2007). Urban, Hippel (1988); Gibbert, Leibold, Probst (2002); Morrison, Roberts, Midgley (2002); Schreier, Oberhauser, Prugl (2007) Tabela 1 Lista de Ferramentas de gestão do conhecimento compiladas da literatura. Fonte: elaboração própria. Dada multiplicidade de ferramentas, sua seleção e uso devem ser realizados com critério. Tal tarefa é dividida em duas grandes partes. Na primeira, deve-se buscar entender em que consiste a ferramenta, quando e onde surgiu, conhecer os principais autores, e pesquisar casos de sucesso, nacionais e/ou estrangeiros. Não se recomenda aprofundar exaustivamente estes aspectos, pois eles têm a finalidade apenas de situar o futuro usuário. Na segunda parte, deve-se buscar instruções sobre como e em quais situações aplicar a ferramenta. Em outras palavras, trata-se de um manual de instrução que acompanha a ferramenta e inclui os cuidados a tomar, sinalizando os pontos de atenção para seu uso eficaz 12

13 e eficiente. Além disso, dois aspectos que nem sempre foram mencionados na literatura pesquisada, mas que os futuros usuários precisarão considerar quando forem utilizar as FGC, são o custo e o prazo. Não há nada de novo nestes argumentos. Foi exatamente isso que ocorreu com a gestão da qualidade (GQ), que só se tornou uma prática nas organizações quando as pessoas, em todos os níveis e funções organizacionais, internalizaram não só os princípios da GQ, mas também desenvolveram a habilidade de aplicar ferramentas, tais como, estratificações, histogramas, regra de Pareto, gráficos de causa e efeito. Em resumo, ferramentas como essas são capazes de mostrar as pessoas como as suas atividades de trabalho podem se beneficiar de métodos e procedimentos estruturados, por exemplo, para coletar, processar, interpretar dados e informações, e como o conhecimento resultante disso pode ser aplicado. As FGC também auxiliam as pessoas a operacionalizar e institucionalizar novas práticas de trabalho em um contexto relativamente novo para elas, que é o trabalho do conhecimento. 5.CONSIDERAÇÕES FINAIS A era do conhecimento, como tudo que é novo, trouxe consigo novas oportunidades e desafios. Em termos de gestão, a perspectiva do conhecimento tem proporcionado novos insights e tem gerado novos instrumentos de gestão, dentre os quais as FGC. Da revisão anterior, surgem dois argumentos que justificam a utilização das FGC. Primeiro, a gestão do conhecimento, para gerar os benefícios potenciais que apregoa, necessita ser inserida nas atividades cotidianas nos três níveis organizacionais. Em outras palavras, é preciso incorporar a GC às rotinas organizacionais, tornando-a parte do trabalho cotidiano das pessoas. Segundo, as FGC são um dos meios à disposição das organizações para auxiliá-las a lidar com esta necessidade. As FGC são capazes de mostrar as pessoas como as suas atividades de trabalho podem se beneficiar de métodos e procedimentos estruturados para coletar, processar, interpretar dados e informações, e como o conhecimento resultante disso pode ser aplicado. As FGC também auxiliam as pessoas a operacionalizar e institucionalizar novas práticas de trabalho em um contexto relativamente novo para elas, que é o trabalho do conhecimento. A gestão do conhecimento é um processo complexo, não um evento, que envolve os vários níveis organizacionais (estratégico, tático/gerencial e operacional), mas possível de ser 13

14 realizado. A adequada gestão do conhecimento, entre outros requisitos, implica criar rotinas eficazes nesses três níveis organizacionais para que a resposta adequada às múltiplas e intricadas situações (problemas e oportunidades) enfrentadas pela organização seja facilitada, mesmo diante dos altos níveis de incerteza e mudança. Tais rotinas são valorizadas mais pelo estado de prontidão em que colocam uma organização do que pelo seu caráter de habitualidade, pela sua contribuição à retenção do conhecimento e pela liberação de recursos cognitivos, que ficam disponíveis para alocação em atividades onde eles sejam mais bem aproveitados. Neste contexto, as FGC são um dos meios existentes para implementar as rotinas, pelo que constituem-se em um conjunto coerente e ordenado de instruções que as pessoas seguem para lidar com as necessidades de conhecimento do presente e do futuro de uma organização. Elas não devem ser entendidas como a gestão do conhecimento em si, mas como instrumentos auxiliares ao estabelecimento de rotinas que facilitam a GC nos ciclos de gestão do conhecimento e conforme os objetivos organizacionais. O fato de que existe uma coleção de FGC leva à necessidade de selecioná-las e utilizálas com critério, reconhecendo que uma mesma ferramenta não serve a todos os propósitos. Em outras palavras, cada ferramenta atende bem a um ou poucos propósitos para os quais foi desenvolvida. Eis porque, antes de iniciar a obra, o trabalhador do conhecimento precisa considerar os objetivos que deve atender, conhecer a matéria prima (dados e informações) que tem, para só então escolher o conjunto de ferramentas mais adequado. Cabe lembrar também que o resultado obtido com o uso de uma ferramenta de gestão dependerá muito da habilidade e criatividade do profissional que a utiliza. Assim como um computador de última geração não faz ninguém mais inteligente, a mera aplicação de uma ferramenta de gestão do conhecimento não garante que o sucesso organizacional será alcançado. Boas ferramentas são sempre úteis, mas o diferencial está no capital humano. Portanto, sua aplicação não deve ser desculpa ou muleta. Este é um alerta tanto para as organizações quanto para os profissionais do conhecimento: as pessoas são imprescindíveis, mas também são, em última instância, as responsáveis pelos resultados alcançados com o uso das FGC. Finalizando, cabe registrar que as FGC estão para a gestão do conhecimento, assim como as chamadas Sete ferramentas estatísticas estão para a gestão da qualidade. A gestão do conhecimento tem um bom caminho a avançar no desenvolvimento das suas próprias 14

15 ferramentas se souber aproveitar as lições aprendidas da gestão da qualidade com as suas respectivas ferramentas. Referências Bibliográficas ALPERSTEDT, C. Universidades corporativas: discussão e proposta de uma definição. RAC, v. 5, n. 3, Set./Dez. 2001, pp ALWIS, R.; HARTMANN, E. The use of tacit knowledge within innovative companies: knowledge management in innovative enterprises. Journal of Knowledge Management, v. 12, n.1, 2008, pp AMESE, F. COHENDET P. Technology transfer revisited from the perspective of the knowledge-based economy. Research Policy, 2001, n.30, pp BECKER, Markus C. Organizational routines: a review of the literature. Industrial and Corporate Change, v. 13, n. 4, 2004, pp BONTIS, N. Intellectual capital: an exploratory study that develops measures and models. Management Decision, 1998, 36/2, pp BULL, C. Strategic Issues in Customer Relationship Management (CRM) Implementation. Business Process Management Journal, 2003, 9 (5), pp BUKOWITZ, W. R.; WILLIWAMS, R. L. Manual de Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman, CAMPBELL, A. Creating customer knowledge competence: managing customer relationship management programs strategically. Industrial Marketing Management, 2003, n.32, pp CAMPOS, Vicente F. Gerenciamento da rotina do trabalho do dia a dia. Belo Horizonte: Editora de Desenvolvimento Gerencial, CHALMETA, R. Methodology for customer relationship management. The Journal of Systems and Software, 2006, n.79, pp

16 CHEN, I.; POPOVICH, K. Understanding customer relationship management (CRM) People, process and technology. Business Process Management Journal, 2003, v. 9 n. 5, pp COSTA, W. ; TOLEDO, J.C. Lições aprendidas no desenvolvimento de produtos: proposta de incorporação em revisões de fase. VIII Congresso Brasileiro de Gestão de Desenvolvimento de Produto CBGDP Anais. Setembro. Porto Alegre, CUMMINGS, J.; TENG, B. Transferring R&D knowledge: the key factors affecting knowledge transfer success. Journal of Engineering and Technology Managament, 2000, n.20, pp DAS, T.K.; TENG, B. A resource-based theory of strategic alliances. Journal of Management. 2000, v. 26, n. 1, pp DEALTRY, R. Strategic directions in the management of the corporate university paradigma. Journal of Workplace Learning: Employee Counselling Today, v. 12, n.4, 2000, pp DE PAULA, D.; CIANCONI, R. Práticas de gestão do conhecimento: caso dos sítios associados ao portal corporativo da FIOCRUZ. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 12, n. 2, mai/ago 2007, pp FACHIN, G. et al. Gestão do conhecimento e a visão cognitiva dos repositórios institucionais. Perspectivas em Ciência da Informação, v.14, n. 2, mai/ago, 2009, pp FERNANDES, B. FLEURY, M.; MILLS, J. Construindo o diálogo entre competência, recursos e desempenho organizacional. RAE, v. 46 n.4, out/de, 2006, pp FINK, A. et al. Consensus methods: characteristics and guidelines for use. AJPH. September, 1984, v.74, n.9, pp FLEURY, M.; FLEURY, A. Construindo o conceito de competência. RAC, Edição Especial 2001, pp GEBERT, H.; GEIB, M.; KOLBE, L.; BRENNER, W. Knowledge-enabled customer relationship management: integrating customer relationship management and knowledge management concepts. Journal of Knowledge Management, 2003, v.7, n.5, pp GHEMAWAT, P. A estratégia e o cenário dos negócios: texto e casos. Porto Alegre: Bookman, GIBBERT, M.; LEIBOLD, M.; PROBST, G. Five styles of Customer Knowledge Management, and how smart companies put them into action Universitè de Geneve. Disponível em < > Acesso em 07/03/

17 GÓES, D.et al. O papel das incubadoras na formação e desenvolvimento das comunidades de práticas. XXXV Encontro da ANPAD. Anais. Rio de Janeiro, 4 a 7 de setembro de GOMES, P.; SERRA, S.; FERREIRA, E. Medida e divulgação do capital intelectual: as empresas portuguesas cotadas na Euronext. Revista del Instituto International de Costos, n.1, jan./jun. 2007, pp GRIFFIN, A. PDMA Research on New Product Development Practices: Updating Trends and Benchmarking Best Practices. Journal of Product Innovation Management, n.14, 1997, pp GULATI, R.; SINGH, H. The architecture of cooperation: managing coordination costs and appropriation concerns in strategic alliances. Administrative Science Quartely, v. 43, n. 4, Dec., 1998, pp HAMEL, G. Competition for competence and inter-partner learning within international strategic alliances. Strategic Management Journal, v. 12, 1991, pp HIPPEL, E. Lead Users: A Source of Novel Product Concepts. Management Science, July 1986, v. 32, n. 7, pp HUSSI, T. Reconfiguring knowledge management: combining intellectual capital, intangible assets and knowledge creation. Working paper. ETLA Discussion papers, The Research Institute of the Finnish Economy (ETLA), n Disponível em <http://hdl.handle.net/10419/63966> KALLAS, D. Balanced scorecard: aplicação e impactos. Um estudo com jogos de empresas. Dissertação de mestrado. 187fls. Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. São Paulo, KAPLAN, R.; NORTON, D. A Estratégia em Ação. Rio de Janeiro: Editora Campus, KAPLAN, R.; NORTON, D. Organização Orientada para a Estratégia. Rio de Janeiro: Editora Campus, KAPLAN, R.; NORTON, D. Mapas Estratégicos. Rio de Janeiro: Editora Campus, KARATHANOS,D.; KARATHANOS, P. Applying the balanced scorecard to education. Journal of Education for Business. March/April, pp LEITE, F.; COSTA, S. Repositórios institucionais como ferramentas de gestão do conhecimento científico no ambiente acadêmico. Perspectivas da ciência da informação, Belo Horizonte, v.11 n.2, mai./ago. 2006, pp

18 LEITE, F.; COSTA, S. Gestão do conhecimento científico: proposta de um modelo conceitual com base em processos de comunicação científica. Ciência da Informação, Brasília, v. 36, n. 1, p , jan./abr LEITNER, K.; WARDEN, C. Managing and reporting knowledge-based resources and processes in research organisations: specifics, lessons learned and perspectives. Management Accounting Research, 2004, n.15, pp LIEBOWITZ, J. SUEN, C. Developing knowledge management metrics for measuring intelectual capital. Journal of Intellectual Capital. v.1, n.1, 2000, pp LIN, Y.; WANG, L.; TSERNG, H. Enhancing knowledge exchange through web map-based knowledge management system in construction: Lessons learned in Taiwan. Automation in Construction, 2006, n.15, pp LOUSADA, M.et al. Políticas de indexação no âmbito da gestão do conhecimento organizacional. Informação & Sociedade: Estudos., João Pessoa, v.21, n.1, p , jan./abr MALHOTRA, Y. Knowledge assets in the global economy: assessment of national intellectual capital. Journal of Global Information Management, July-Sep, 2000, 8(3), MALMI, T. Balanced scorecards in Finnish companies: A research note. Management Accounting Research, 2001, 12, pp MARCIAL, E.; COSTA, A. O uso de cenários prospectivos na estratégia empresarial: vidência especulativa ou Inteligência Competitiva? Anais do 25º Encontro da ANPAD Campinas, set MARR, B.; SCHIUMA, G.; NEELY, A. Intellectual capital defining key performance indicators for organizational knowledge assets. Business Process Management Journal, v. 10 n. 5, 2004, pp MINTZBERG, H. The fall and rise of strategic planning. Harvard Business Review, reprint 94107, Jan./Feb. 1994, pp MIRANDA, S. Identificando competências informacionais. Ciências da Informação, Brasília, v. 33, n. 2, maio/ago. 2004, pp MOSSO, M.M. Pequena empresa e empreendedorismo: eternamente fênix. Rio de Janeiro: Qualitymark, MORRISON, P.; ROBERTS, J.; MIDGLEY, D. The nature of lead users and measurement of leading edge status. Working papers. 2002/110/MKT. INSEAD: R&D

19 MOWERY, D.; OXLEY, J.; SILVERMAN, B. Strategic alliances and interfirm knowledge transfer. Strategic Management Journal, vol. 17, special issue: Knowledge and the firm, winter, 1996, pp MULLER, C.J. Modelo de gestão integrando planejamento estratégico, sistemas de avaliação de desempenho e gerenciamento de processos. Tese de doutorado. 292 fls. Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS. Engenharia de Produção. Porto Alegre, NORREKLIT, H. The balance on the balanced scorecard a critical analysis of some of its assumptions. Management Accounting Research, 2000, 11, pp PATON, R.; PETERS, G.; QUINTAS, P. Estratégias de Educação Corporativa: universidades corporativas na prática Open Research University. Disponível em <http: oro.open.ac.uk> POWELL, C. The Delphi technique: myths and realities. Journal of Advanced Nursing, 2003, 41(4), pp PRASHANT, K.; SINGH, H.; PERLMUTTER, H. Learning and protection of proprietary assets in strategic alliances: building relational capital. Strategic Management Journal, n.21, 2000, pp REZENDE, J. F. Balanced Scorecard e a Gestão do Capital Intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier, REZENDE, Y. Informação para negócios: os novos agentes do conhecimento e a gestão do capital intelectual. Ciência da Informação, Brasília, v. 31, n.1, jan/abr. 2002, pp ROSETTI, A.; MORALES, A. O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Ciências da Informação, Brasília, jan/abr. 2007, v. 36, n.1, pp SANTOS, R. Métodos e ferramentas para gestão de inteligência e do conhecimento. Perspectivas em Ciências da Informação. Belo Horizonte, v.5, n.2, jul/dez, 2000, pp SARTORI, V. Comunidade de prática virtual como ferramenta de compartilhamento de conhecimento na educação a distância. Dissertação de mestrado. 145 fls. Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento. UFSC. Florianópolis, SCHINDLER, M. EPPLER, M. Harvesting project knowledge: a review of project learning methods and success factors. International Journal of Project Management, 2003, n. 21, pp

20 SCHREIER, M.; OBERHAUSER, S.; PRÜGL, R. W. Lead users and the adoption and diffusion of new products: Insights from two extreme sports communities. Marketing Letters, 18 (1-2). 2007, pp SKULMOSKI, G.; HARTMAN, F.; KRAHN, J. The Delphi method for graduate research. Journal of Information Technology Education, v Disponível em: h.pdf STEWART, A.; CARPENTER-HUBIN, J. The balanced scorecard: beyond reports and rankings. Planning for Higher Education, winter , pp SYDANMAANLAKKA, P. Intelligent leadership and leadership competencies: developing a leadership framework for intelligent organizations. Tese de doutorado. 181fls. Helsinki University of Technology. Department of Industrial Management. SZULANSKI, G. The process of knowledge transfer: a diachronic analysis of stickiness. Knowledge Transfer, Special issue, June Disponível em: TIDD, Joe; BESSANT, John; PAVITT, Keith. Gestão da inovação. 3ª edição Porto Alegre: URBAN, G, HIPPEL, E. Lead User Analyses for the Development of New Industrial Products. Management Science, May/1988, vol. 34, no. 5, pp TAKEUCHI, H.; NONAKA, I. Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman, TAPARANOFF, K. Inteligência Organizacional e Competitiva. Brasília: editora UnB, VALENTIM, M. Inteligência Competitiva em Organizações: dado, informação e conhecimento. DataGramaZero: Revista de Ciência da Informação, v.3, n.4, ago/02. Disponível em <http://www.dgz.org.br/ago02/art_02.htm> WRIGHT, J.T.C.; SPERS, R.G. O país no futuro: aspectos metodológicos e cenários. Estudos Avançados, 20 (56), ZABLAH, A.; BELLENGER, D.; JOHNSTON, W. An evaluation of divergent perspectives on customer relationship management: Towards a common understanding of an emerging phenomenon. Industrial Marketing Management, 2004, n. 33, pp

O USO DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DO CONHECIMENTO EM SISTEMAS DE GESTÃO INTEGRADA: RESPONSABILIDADE SOCIAL E GESTÃO AMBIENTAL.

O USO DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DO CONHECIMENTO EM SISTEMAS DE GESTÃO INTEGRADA: RESPONSABILIDADE SOCIAL E GESTÃO AMBIENTAL. ISSN 1984-9354 O USO DE FERRAMENTAS PARA GESTÃO DO CONHECIMENTO EM SISTEMAS DE GESTÃO INTEGRADA: RESPONSABILIDADE SOCIAL E GESTÃO AMBIENTAL. Icaro dos Santos França (LATEC-UFF) Resumo: A era do conhecimento,

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Módulo 2: O que é GC na Administração Pública Brasileira?

Módulo 2: O que é GC na Administração Pública Brasileira? Módulo 2: O que é GC na Administração Pública Brasileira? 1 Objetivos do Módulo Situar a GC no contexto das iniciativas de Eficiência, Qualidade e Efetividade Social na Administração Pública Brasileira

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias

A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias A Aprendizagem como Processo de Aquisição e Construção do Conhecimento e a Capacidade de Absorção da Organização com Base nas Novas Tecnologias Rui Franganito Resumo A importância da capacidade de do conhecimento

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1

GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÕES: UMA ABORDAGEM CONCEITUAL 1 Heide Miranda da SILVA 2 RESUMO As exigências do mercado atual somadas aos avanços das tecnologias de informação

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento Prof a Dr a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Coordenadora Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados Instituto Brasileiro de Informação em Ciência

Leia mais

hem.consultoria@terra.com.br

hem.consultoria@terra.com.br Conceito Básico: Gestão do Conhecimento Significa rever, organizar as políticas, processos e ferramentas de gestão e tecnológicas frente a uma melhor compreensão dos processos de GERAÇÃO, IDENTIFICAÇÃO,

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Daniela GIBERTONI 1 RESUMO A inovação tecnológica continua a ser um desafio para as empresas e para o desenvolvimento do país. Este

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

Tecnologia, Negócio e Educação ( Startup )

Tecnologia, Negócio e Educação ( Startup ) Tecnologia, Negócio e Educação ( Startup ) Palestra: Desafios do Analista de Negócio na Era do Digital Business Agenda Apresentação Trends Analista de Negócio Digital transformation A & Q Apresentação

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Maturidade Organizacional: Melhorando a Qualidade do Gerenciamento de Projetos Leonardo Luiz Barbosa Vieira Cruciol

Maturidade Organizacional: Melhorando a Qualidade do Gerenciamento de Projetos Leonardo Luiz Barbosa Vieira Cruciol Maturidade Organizacional: Melhorando a Qualidade do Gerenciamento de Projetos Leonardo Luiz Barbosa Vieira Cruciol Resumo. O gerenciamento de projetos tem se tornado, durante os últimos anos, alvo de

Leia mais

Gestão do Conhecimento em Projetos. Emir José Redaelli, Msc Fortaleza, CE - 11.11.2010

Gestão do Conhecimento em Projetos. Emir José Redaelli, Msc Fortaleza, CE - 11.11.2010 Gestão do Conhecimento em Projetos Emir José Redaelli, Msc Fortaleza, CE - 11.11.2010 Objetivo da palestra Compartilhar a experiência profissional prática da gestão do conhecimento organizacional via gestão

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto Brasília, 26 de Agosto de 2014 Sumário APRESENTAÇÃO FUNDAMENTOS TEÓRICOS PRÁTICAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ESTUDO

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Gerenciamento de portfolio de projetos alinhado aos objetivos estratégicos por meio do Balanced Scorecard

Gerenciamento de portfolio de projetos alinhado aos objetivos estratégicos por meio do Balanced Scorecard Gerenciamento de portfolio de projetos alinhado aos objetivos estratégicos por meio do Balanced Scorecard Alexandre Dias P. Cassiano 1 Farhad Abdollahyan 2 1- Pós-graduando MBA - FGV, MSc, Coordenador

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS

BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DE CONHECIMENTO PARA MELHORAR RESULTADOS DE PROJETOS Marcela Souto Castro (UFF ) idearconsultoria@gmail.com Jose Rodrigues de Farias Filho (UFF ) rodrigues@labceo.uff.br Arnaldo

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Organização. Como organizar e dirigir uma empresa para crescer? O que fazer para organizar e crescer?

Organização. Como organizar e dirigir uma empresa para crescer? O que fazer para organizar e crescer? Organização Como organizar e dirigir uma empresa para crescer? O que fazer para organizar e crescer? Quando um empreendedor começa um negócio, o que ele mais deseja é: crescer, contratar pessoas, ter instalações

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Ponta Grossa Gerência de Pesquisa e Pós-graduação Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção Ponta Grossa 2008 SISTEMA

Leia mais

Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software

Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software Uma Abordagem para Condução de Iniciativas de Melhoria de Processos de Software Mariano Montoni, Cristina Cerdeiral, David Zanetti, Ana Regina Rocha COPPE/UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

PALESTRA: GESTÃO DO CONHECIMENTO COMO PROCESSO ORGANIZACIONAL: O CONTEXTO DA GESTÃO PÚBLICA PROF. HEITOR JOSÉ PEREIRA ( Doutor em Administração EAESP/ FGV - Presidente da SBGC Gestão 2005-2007 ) Revolução

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer

Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer 1 O QUE REALMENTE MUDOU??? 2 1 O Que Realmente MUDOU??? Você S/A Agosto/2011 O Que Realmente MUDOU??? Você S/A Agosto/2011 2 CENÁRIO

Leia mais

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br)

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Investigando aspectos da geração de novos produtos de software Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Estrutura Parte1. Inovação é igual em software? Parte 2. Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

CRITÉRIOS PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INDICADORES DE DESEMPENHO VINCULADOS AOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DE EMPRESAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

CRITÉRIOS PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INDICADORES DE DESEMPENHO VINCULADOS AOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DE EMPRESAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL CRITÉRIOS PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INDICADORES DE DESEMPENHO VINCULADOS AOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DE EMPRESAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Dayana Bastos Costa Eng. Civil, Mestranda NORIE/UFRGS. Av.

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico

INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW. Palavras-chaves: Gestão, Inovação, Referencial Bibliográfico Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade RESUMO INOVAÇÃO: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE O TEMA INNOVATION: A REVIEW Thiago Favarini Beltrame, Andressa Rocha Lhamby e Victor K. Pires O que seria inovar?

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

PROPOSTA DE UM SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO BASEADO NO BALANCED SCORECARD PARA INDÚSTRIAS DE BENS DE CAPITAL

PROPOSTA DE UM SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO BASEADO NO BALANCED SCORECARD PARA INDÚSTRIAS DE BENS DE CAPITAL ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROPOSTA DE UM SOFTWARE PARA ACOMPANHAMENTO DE INDICADORES

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Aprendizagem organizacional na gestão de Universidades. Organizational learning in management of Universities

Aprendizagem organizacional na gestão de Universidades. Organizational learning in management of Universities Catarina Barbosa Careta, Marcel Andreotti Musetti & Edson Walmir Cazarini Aprendizagem organizacional na gestão de Universidades Ca t a r i n a Ba r b o s a Ca r e t a EESC/USP Ma r c e l An d r e o t

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL BALANCED SCORECARD DAS EMPRESAS BASEADO NO

MAPA ESTRATÉGICO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL BALANCED SCORECARD DAS EMPRESAS BASEADO NO MAPA ESTRATÉGICO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS BASEADO NO BALANCED SCORECARD Ricardo Miyashita (NEPRO UERJ) ricardomiya@yahoo.com.br Karina Gomes Soares (UERJ) kgsoares@ig.com.br Resumo As empresas

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos A importância da aplicação de um processo de desenvolvimento de produtos André L. C. Silveira, PMP Não importa o segmento em que sua empresa atue,

Leia mais

O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento

O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento Carlos Cesar Cavalcante Dias (UNIP/UNIFIEO) carlos.cesar@unifieo.br Dra. Irenilza

Leia mais

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de ERP Enterprise Resource Planning Pacote de ferramentas que integram toda a empresa, a grande vantagem é que os dados

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

RUMO À INOVAÇÃO SISTÊMICA

RUMO À INOVAÇÃO SISTÊMICA RUMO À INOVAÇÃO SISTÊMICA FERRUGEM, Kael 1 ; SANTOS, Rozali Araujo 2 ; FERREIRA, Ana Paula Alf Lima 3. Palavras-chave: sistemas, inovação e inovação sistêmica. 1. Introdução Cada vez mais as evoluções

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento e do Capital Intelectual Anhanguera Educacional Unidade FACNET Curso: MBA em Gestão de Pessoas Disciplina: Aula 01 08/02/2014 Professor: Rodrigo Porto Agenda 1º encontro 08/02/2014 Parte 1 Curso e Apresentações

Leia mais

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL 1 ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL ORGANIZATION THE FIRST STEP TO BUSINESS CONTROL Adriane C. Lopes * Elisiane Godoy* Emanuel O. Batista* Sheila C. M. Guilherme* Aparecida Vani Frasson

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

www.fernando.parreiras.nom.br

www.fernando.parreiras.nom.br Análise comparativa de processos de desenvolvimento de software à luz da gestão do conhecimento: um estudo de caso de empresas mineiras Fernando Silva Parreiras Gilzirene Simone Oliveira Contexto A engenharia

Leia mais

Gestão do conhecimento nos sistemas de educação a distância: técnicas e ferramentas para melhorar o processo de produção. Florianópolis 05/2010

Gestão do conhecimento nos sistemas de educação a distância: técnicas e ferramentas para melhorar o processo de produção. Florianópolis 05/2010 Gestão do conhecimento nos sistemas de educação a distância: técnicas e ferramentas para melhorar o processo de produção Florianópolis 05/2010 Giovana Schuelter - doutoranda Universidade Federal de Santa

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Eduardo Alves de Oliveira eduaopec@yahoo.com.br SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Rua Pacheco Leão, 1235 - Fundos

Leia mais

BSC Funciona: Novo método para planejamento de empresas incubadas

BSC Funciona: Novo método para planejamento de empresas incubadas BSC Funciona: Novo método para planejamento de empresas incubadas Maria Clara Fonteque Scacchetti 1 Aparecido Rudnick 2 Washington Fernando Silva 3 Lucia Braga Sousa 4 Resumo: Este artigo tem o objetivo

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO

PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO PMO ESTRATÉGICO DE ALTO IMPACTO TOBIAS ALBUQUERQUE E LEONARDO AVELAR OUTUBRO DE 2015 I. INTRODUÇÃO O conceito de escritórios de projetos Project Management Office (PMO) vem evoluindo desde meados da década

Leia mais

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica

A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica A busca de Competitividade Empresarial através da Gestão Estratégica No início dos anos 90, as organizações passaram a incorporar a visão de processos nos negócios na busca pela qualidade, produtividade

Leia mais

BALANCED SCORECARD: UTILIZANDO INDICADORES ESTRATÉGICOS NA MELHORIA DO DESEMPENHO EMPRESARIAL

BALANCED SCORECARD: UTILIZANDO INDICADORES ESTRATÉGICOS NA MELHORIA DO DESEMPENHO EMPRESARIAL BALANCED SCORECARD: UTILIZANDO INDICADORES ESTRATÉGICOS NA MELHORIA DO DESEMPENHO EMPRESARIAL BALANCED SCORECARD: USING PERFORMANCE INDICATORS IMPROVEMENT IN STRATEGIC BUSINESS BALANCED SCORECARD: UTILIZANDO

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

UNIVERSIDADE FUMEC Faculdade de Ciências Empresariais Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento

UNIVERSIDADE FUMEC Faculdade de Ciências Empresariais Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento UNIVERSIDADE FUMEC Faculdade de Ciências Empresariais Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento Arquitetura de Dados: modelo conceitual e abordagem para criação e manutenção.

Leia mais

THE ROLE OF INFORMATION TECHNOLOGY TO SUPPORT KNOWLEDGE MANAGEMENT ENGINEERING

THE ROLE OF INFORMATION TECHNOLOGY TO SUPPORT KNOWLEDGE MANAGEMENT ENGINEERING O PAPEL DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO À ENGENHARIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO Giuvania Terezinha Lehmkuhl Carla Rosana Veiga Gregório Jean Varvakis Rado Resumo: Estamos vivendo na Era do Conhecimento,

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

A representatividade dos ativos intangíveis na Petrobras

A representatividade dos ativos intangíveis na Petrobras A representatividade dos ativos intangíveis na Petrobras Resumo Com a adoção no Brasil do International Financial Reporting Standards (IFRS) e sua aplicação sendo normatizada através dos pronunciamentos

Leia mais

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços)

FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) FUNÇÕES MOTORAS (Produtos e Serviços) 1. MÉTODO MENTOR - Modelagem Estratégica Totalmente Orientada para Resultados Figura 1: Método MENTOR da Intellectum. Fonte: autor, 2007 O método MENTOR (vide o texto

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

Elaboração e aplicação de um modelo de Gestão do Conhecimento adaptado para o departamento comercial de uma indústria farmacêutica

Elaboração e aplicação de um modelo de Gestão do Conhecimento adaptado para o departamento comercial de uma indústria farmacêutica Elaboração e aplicação de um modelo de Gestão do Conhecimento adaptado para o departamento comercial de uma indústria farmacêutica Roberto Rego Vieira da Rocha (UFRGS) roberto.rocha@roche.com Paulo Fernando

Leia mais

O impactoda Sociedadedo Conhecimentono GED/EIM

O impactoda Sociedadedo Conhecimentono GED/EIM O impactoda Sociedadedo Conhecimentono GED/EIM Helio Ferenhof, MBA, PMP, ITIL Bacharel em Ciência da Computação; MBA em E-Business pela FGV/RJ; Certificado como PMP, Project Manager Professional pelo PMI;

Leia mais

MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos

MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez, DSc martius@kmpress.com.br MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação Gestão do Conhecimento evolução conceitual.

Leia mais

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias

RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias RDPG - Programa de Desenvolvimento da Liderança com foco nas Estratégias A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática

Leia mais