Workshop de Teste de Software. Visão Geral. Emerson Rios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Workshop de Teste de Software. Visão Geral. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br"

Transcrição

1 Workshop de Teste de Software Visão Geral Emerson Rios 1

2 AGENDA DO CURSO Conceitos Básicos Documentação Processo Plano de Teste Caso de Teste

3 BIBLIOGRAFIA 3

4 4

5 MATERIAL PARA ESTUDO Material das clinicas de teste de software promovidas pelo SEBRAE/RJ e pela Riosoft no ano de 2013 que pode ser baixado no site Livro Documentação de Teste de Software.

6 CLINICA: CONCEITOS BÁSICOS

7 O QUE É TESTE DE SOFTWARE?

8 O que é teste de software? O QUE É TESTE DE SOFTWARE? Considerando-se todas as definições dadas sobre teste de software podemos concluir o seguinte: Testamos para verificar se o software está fazendo o que foi pedido que ele fizesse num requisito; O teste deve ser considerado um projeto; É importante termos um processo de teste; Testamos para garantir que o negócio não vai correr riscos provocados por defeitos em produção; Testamos para assegurar a qualidade do software. 8

9 NUNCA É DEMAIS LEMBRAR O custo da correção do defeito Especificação Projeto Construção Teste Produção 9

10 EXPLICAÇÃO MAIS DETALHADA Termo Defeito Erro Bug Incidente Anomalia Falha Definição Ver incidente Falha humana que provoca o aparecimento de um defeito Ver defeito A norma ISO diz que o testador registra um incidente que apenas virá defeito quando é reconhecido como tal Igual a incidente (definido pela norma IEEE 829:2008) Software consequência de um defeito 10

11 SEQÜÊNCIA DE EVENTOS Erro pode ser cometido pelo desenvolvedor ou pelo usuário Erro Incidente ou anomalia ou defeito ou bug Falha 11

12 NÍVEIS DE TESTE Teste Unitário ou Teste de componente normalmente feito pelo programador. Teste de Integração normalmente feito pelo analista de sistemas para um módulo ou conjunto de programas ou casos de uso em ambiente de desenvolvimento. Teste de Sistemas normalmente feito pelo analista de testes (caso de testes) em ambiente de testes. Teste de Aceitação normalmente feito pelo usuário em ambiente de homologação, 12

13 CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADE DOS SOFTWARES ISO/IEC Funcionalidade 2. Performance 3. Compatibilidade (inter-operabilidade) 4. Usabilidade 5. Confibilidade (maturidade, disponibilidade) 6. Segurança 7. Manutenibilidade 8. Portabilidade A norma ISO/IEC substitui a antiga norma ISO/IEC

14 PROCESSO (BÁSICO) DE TESTE Planejar Planejar Projetar Executar Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 14

15 Recursos Humanos Líder do Projeto de LT Técnico responsável pela liderança de um projeto de teste Arquiteto de Teste AT Analista de Teste AN Testador TE É o técnico responsável pela montagem da infra-estrutura de teste É o técnico responsável pela modelagem e elaboração dos casos de teste e pelos scripts de teste Técnico responsável pela execução dos casos de teste e scripts de teste Atenção: As terminologias usadas para identificar os técnicos da área de testes podem variar entre organizações. Além disso em algumas empresas um único técnico pode representar diversos papéis. 15

16 Custo da automação Ciclo de Teste Esforço despendido (horas) para testar Casos de Uso Simples Intermediário Complexo Manual Automat Manual Automat Manual Automat 6,0 10,07 12,0 23,01 16,0 29,64 12,0 10,37 24,0 23,41 32,0 30,32 18,0 10,67 36,0 23,81 48,0 31,00 24,0 10,97 48,0 24,21 64,0 31,68 30,0 11,27 60,0 24,61 80,0 32,36 Fonte: Instituto Atlântico Fortaleza CE

17 CONCEITOS BÁSICOS TAMANHO ESFORÇO CUSTO PRAZO 18

18 ESTIMATIVA E GERÊNCIA DE PROJETO Falta equipe quando planejado Recursos desviados Requisitos retirados Funcionalidades removidas estimativa P R O J E T O Requisitos acrescentados Equipe menos experiente Equipe atendendo outro projeto Novos recursos acrescentados 19

19 Distribuição entre as etapas de teste Preparação Especificação Execução Transição 10% 40% 45% 5% Cada ambiente tem os seus próprios números Para aqueles que querem um número mágico para estimativas rápidas sugerimos um valor entre 1 e 2 horas de teste por ponto de função. No entanto cabe lembrar que são valores médios de mercado e nem sempre correspondem a um projeto de teste específico. 20

20 DOCUMENTAÇÃO EM PROJETOS DE TESTE DE SOFTWARE 21

21 PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Projetos para serem bem conduzidos precisam de processos. Concorda ou não concorda? Isso já foi conversado também no outro curso.

22 PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Agora fique aí quietinho que eu vou te mostrar como os documentos são produzidos durante o projeto de teste, conforme definido no processo.

23 PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE E se disser que documentar o projeto de teste é muito chato, nós vamos conversar depois do curso. Fique ai quietinho.

24 Você entendeu o que o Anderson Silva falou? Fica quietinho aí. Por que para os projetos funcionarem você vai precisar também de documentos. Não comprou o livro? Quer dizer que vai tirar uma cópia do livro do amigo? Pera aí que eu já estou indo conversar contigo. 25

25 PROCESSO (BÁSICO) DE TESTE Planejar Planejar Projetar Executar Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 26

26 PROCESSO (BÁSICO) DE TESTE Projeto n Projeto 2 Projeto 1 Planejar Planejar Projetar Executar Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 27

27 Por que todos os defeitos nem sempre podem ser encontrados num projeto de teste?

28 OUTRA PERGUNTA Quando eu posso encerrar um projeto de teste?

29 Níveis de Teste Teste de Unidade Teste de Iteração ou Integração Teste de Sistema Teste de Aceitação 30

30 POR QUE PADRONIZAR? Propósito da norma: Descrever o grupo básico de documentos de teste. Documentos padronizados facilitam a comunicação entre as partes envolvidas pois definem uma forma de comunicação comum. Documentos padronizados são a base para o processo de teste de software. Rembrandt, A Scholar Documentos produzidos, muitas vezes, marcam o fechamento de uma etapa do ciclo de vida do projeto de teste 31

31 SÓ PARA LEMBRAR Deixa eu te lembrar uma coisa. Isso aqui não aula de pintura, logo não fique olhando para os quadros do Rembrandt. Preste atenção na lista de documentos de teste. O que está olhando? Vai encarar?

32 DOCUMENTAÇÃO IEEE 829:1998 Documentos básicos Planejamento Plano de teste. Especificação de teste Projeto de teste Casos de teste Procedimentos de teste Relatórios de Teste Relatório de passagem de itens de teste Log de teste Relatório de incidentes de teste Relatório de sumário de teste 33

33 DOCUMENTAÇÃO IEEE-829:2008 Plano Máster de Teste Plano de Teste Plano de Teste de Componente ou de Teste Unitário Plano de Teste de Integração de Componentes Plano de Teste de Sistema Plano de Teste de Aceitação Desenho (Projeto) de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Casos de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Procedimentos de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Relatórios de Execução dos Relatório de Estado de Teste / Relatório de Progresso Relatório de Teste (sumário) Relatório de Log de Teste Relatório de Anomalias (ex-relatório de Incidentes) Relatório Máster de Teste / Relatório de Sumário Relatório de teste de componente Relatório de teste de integração de componentes Relatório de teste de sistema Relatório de teste de aceitação 34

34 PLANO MÁSTER DE TESTE Para que serve o Plano Máster de Teste? 35

35 Plano Máster de Teste Plano Master de Teste Plano de Teste Unitário Plano de Teste de Integração Plano de Teste de Sistemas n 36

36 Plano de Teste

37 PLANO DE TESTE Introdução Identificador do Plano de Teste; Escopo; Referências Nível na sequencia de teste Classe de teste e visão das condições de teste Detalhes para este nível do plano de teste Itens de teste e seus identificadores; Matriz de rastreabilidade do teste; Funcionalidades a serem testadas; Funcionalidades que não serão testadas; Abordagem do teste; Critérios de liberação/falha dos itens; Requisitos de suspensão e retomada; Entregas do teste; (continua) 38

38 PLANO DE TESTE Gerência de Teste Tarefas do teste; Necessidades de ambientes; Responsabilidades; Integração entre as partes envolvidas; Recursos e sua alocação; Treinamento; Cronograma, estimativas e custos; Riscos e contingências; Geral Procedimentos de garantia de qualidade; Métricas; Cobertura do teste; Glossário; Procedimentos de alteração do documento e histórico. 39

39 MAIS PERGUNTAS O que é escopo? Como posso medir o tamanho de um projeto de teste?

40 DESIGN OU PROJETO DE TESTE Introdução Identificador; Escopo; Referências; Detalhes deste nível do Desenho (Projeto) de Teste Geral Features (ou funcionalidades) a serem testadas; Abordagem refinada; Casos de teste com a sua respectiva identificação; Critérios de passagem e falha por feature ou funcionalidade; Entregáveis; Glossário; Procedimentos de alterações do documento e histórico de alterações. 41

41 Plano Máster de Teste Plano Master de Teste Plano de Teste Unitário Plano de Teste de Integração Plano de Teste de Sistemas n Design de Teste Design de Teste 42

42 CASO DE TESTE Introdução (uma por documento) Identificador do documento Escopo Referências (itens de teste) Contexto Notas para descrição Detalhes (um por caso de teste) Identificador do caso de teste Objetivos Especificações de entrada Especificações de saída Necessidades de ambiente Requisitos ou procedimentos especiais Dependências entre casos de teste Global Glossário Procedimentos de alterações do documento e histórico de alterações Rembrandt, Lição de Anatomia em detalhe 43

43 Quantos casos de teste seriam necessários para testar esta funcionalidade ou requisito? Quanto tempo você estima que precisaria para testar este requisito? 44

44 RELATÓRIO DE LOG Introdução Identificador; Escopo; Referências; Detalhes Descrição Descrição da execução (identificar o que foi executado); Resultados (mensagens, requisições operacionais, etc); Informações sobre o ambiente; Eventos anormais (conexão com o Relatório de Anomalias); Qualquer situação que causou a interrupção do teste. Entradas das atividades e eventos Geral Glossário 45

45 RELATÓRIO DE ANOMALIAS Introdução Identificador Escopo Referências Detalhes Sumário Data da anomalia Contexto Descrição da anomalia Descrição da execução (identificar o que foi executado) Resultados (mensagens, requisições operacionais, etc) Informações sobre o ambiente Eventos anormais (conexão com o Relatório de Anomalias) Qualquer situação que causou a interrupção do teste. Impacto Estimativa de urgência Descrição das ações corretivas Estado da anomalia Conclusões e recomendações Geral Procedimentos de alterações do documento e histórico de alterações Defeitos Incidentes 46

46 RELATÓRIO DE ESTADO Introdução Identificador Escopo Referências Detalhes Sumário Alterações do planejado Métricas de estado do teste Geral Relatório de progresso Procedimentos de alterações do documento e histórico de alterações 47

47 RELATÓRIO MÁSTER DE TESTE OU RELATÓRIO DE SUMÁRIO Introdução Identificador Escopo Referências Detalhes Geral Visão geral dos resultados do teste Resultados detalhados do teste Racional das decisões Conclusões e recomendações Glossário Reunião dos relatórios de níveis de teste Procedimentos de alterações do documento e histórico de alterações 48

48 DOCUMENTAÇÃO X CICLO DE VIDA Planejar Projetar Executar Analisar Resultados Gerenciar Defeitos Plano Máster de Teste Plano de Teste Plano de Teste de Componente ou de Teste Unitário Plano de Teste de Integração de Componentes Plano de Teste de Sistema Plano de Teste de Aceitação Desenho (Projeto) de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Casos de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Procedimentos de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Relatórios de Execução dos Relatório de Estado de Teste Relatório de Teste (sumário) Relatório de Log de Teste Relatório de Anomalias (ex-relatório de Incidentes) Relatório Máster de Teste Relatório de teste de componente Relatório de teste de integração de componentes Relatório de teste de sistema Relatório de teste de aceitação Ligar os documentos ao ciclo de vida 49

49 IEEE Política Organizacional de Teste Estratégia Organizacional de Teste Plano de Teste Relatório de Estado do Teste Relatório de Término do Teste Lista de revisão Regras de análise estática Relatório de incidente (ver teste dinâmico) Lista de itens de ação Relatório de teste estático Especificação de teste Especificação de desenho de teste Especificação de caso de teste Especificação de procedimento de teste Requisitos de dados de teste Requisitos de ambiente de teste Relatório de situação de ambiente de teste Conseqüências (gerados por CT) do teste Resultados (se o CT passou ou não) do teste Log de execução do teste Relatório de incidente Plano Máster de Teste Plano de Teste Plano de Teste de Componente ou de Teste Unitário Plano de Teste de Integração de Componentes Plano de Teste de Sistema Plano de Teste de Aceitação Desenho (Projeto) de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Casos de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Procedimentos de Teste de Aceitação, Sistema, Integração e Unitário Relatórios de Execução dos Relatório de Estado de Teste Relatório de Teste (sumário) Relatório de Log de Teste Relatório de Anomalias (ex- Relatório de Incidentes) Relatório Máster de Teste Relatório de teste de componente Relatório de teste de integração de componentes Relatório de teste de sistema Relatório de teste de aceitação

50 PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Emerson Rios

51 PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Deixa eu te dizer uma coisa. Teste de Software é um projeto. Certo? CERTO? Você está duvidando de mim?

52 PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Projetos para serem bem conduzidos precisam de processos. Concorda ou não concorda? No final do curso nós vamos conversar, Quero ver se você concorda ou não.

53 PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Agora fique aí quietinho que eu vou te mostrar porque o teste é um projeto e porque projetos precisam de processos. Não saia daí não. Vai encarar?

54 VISÃO DO PMI Disciplinas da gerência de projetos: Gerência de Integração Gerência de Escopo Gerência de Tempo Gerência de Custo Gerência de Qualidade Gerência de Recursos Humanos Gerência de Comunicações Gerência de Riscos Gerência de Aquisições

55 VISÃO DO MPT A área de processo Gerência de Projetos aparece no nivel 1 do MPT e contem as seguintes práticas: GPT1 Realizar análise de risco do produto GPT2 Estabelecer objetivos do teste GPT3 Definir estratégia de teste GPT4 Definir o escopo do trabalho para o projeto de teste GPT5 Estabelecer estimativas de tamanho GPT6 Definir as fases do ciclo de vida do projeto de teste GPT7 Estimar o esforço e o custo GPT8 Estabelecer e manter o orçamento e o cronograma do projeto GPT9 Identificar riscos do projeto GPT10 Planejar os recursos humanos GPT11 Planejar o ambiente de teste para o projeto GPT12 Planejar os artefatos e dados do projeto GPT13 Estabelecer indicadores de desempenho de teste GPT14 Estabelecer o Plano de Teste GPT15 Revisar e obter compromisso com o Plano de Teste GPT16 Monitorar o projeto GPT17 Gerenciar o envolvimento dos stakeholders GPT18 Executar revisões em marcos do projeto GPT19 Analisar e registrar os problemas identificados GPT20 Estabelecer e acompanhar ações corretivas até a sua conclusão Fonte: Guia de Referência

56 PROJETOS FALHAM Falharam Com Problemas Sucesso % 51% 34% % 46% 35% % 44% 32% Fonte: Standish Group Chaos Report 2010

57 GERENCIANDO MUDANÇAS Visão Habilidades Incentivos Recursos Plano Mudança Habilidades Incentivos Recursos Plano Confusão Visão Incentivos Recursos Plano Ansiedade Visão Habilidades Recursos Plano Mudança parcial Visão Habilidades Incentivos Plano Frustração Visão Habilidades Incentivos Recursos Falsa partida 58

58 O QUE É UM PROJETO? Projeto é um empreendimento temporário com objetivo de criar um produto, serviço ou resultado único. PMBOK, 2008.

59 SÓ PARA LEMBRAR Você entendeu o que o Anderson Silva falou? Fica quietinho aí. Por que para os projetos funcionarem você vai precisar também de processos. O que está olhando? Vai encarar?

60 PROJETO X PROCESSO Qual a diferença entre projeto e processo?

61 PROCESSO (BÁSICO) DE TESTE Planejar Planejar Projetar Executar Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 62

62 PROCESSO (BÁSICO) DE TESTE Projeto n Projeto 2 Projeto 1 Planejar Planejar Projetar Executar Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 63

63 PROCESSO DE TESTE Planejar Planejar Projetar Executar Analisar Resultados Requisitos Gerenciar Defeitos 64

64 PROCESSO DE TESTE Planejar Planejar Projetar Executar Analisar Resultados Requisitos de Teste Gerenciar Defeitos 65

65 Exemplo de um caso real Macro-atividade: Planejar Atividade: Atividade: Atividade: Atividade: Atividade: Atividade: Atividade: Atividade: Atividade: Realizar estudo de viabilidade do projeto de teste Fazer a análise de riscos do produto Verificar a testabilidade dos requisitos Definir o escopo do projeto Definir o tamanho e o esforço (cronograma) Listar os riscos do projeto Preparar o ambiente de teste Definir os recursos humanos do projeto Fechar o planejamento do projeto de teste 66

66 PLANO DE TESTE O QUE DIZ A NORMA IEEE 829:2008 Introdução Identificador do Plano de Teste; Escopo; Referências Nível na sequencia de teste Classe de teste e visão das condições de teste Detalhes para este nível do plano de teste Itens de teste e seus identificadores; Matriz de rastreabilidade do teste; Funcionalidades a serem testadas; Funcionalidades que não serão testadas; Abordagem do teste (Estratégia de Teste na ISO 29119); Critérios de liberação/falha dos itens; Requisitos de suspensão e retomada; Entregas do teste; (continua) Quando o teste deve ser suspenso? Foi você que fez este processo? Eu quero saber se ele está em conformidade com o Plano de Teste da norma IEEE 829. Por que se não estiver nós vamos ter que conversar 67

67 PLANO DE TESTE Quem foi que mandou inventar um padrão? Já existe um padrão mundial. Essa gracinha vai te Gerência de Teste custar caro. Tarefas do teste; Necessidades de ambientes; Responsabilidades; Integração entre as partes envolvidas; Recursos e sua alocação; Treinamento; Cronograma, estimativas e custos; Riscos e contingências; Geral Procedimentos de garantia de qualidade; Métricas; Cobertura do teste; Glossário; Procedimentos de alteração do documento e histórico. 68

68 PROCESSO DE TESTE PROJETAR OU ESPECIFICAR (EXEMPLO REAL) Planejar Planejar Projetar Executar Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 69

69 PROCESSO DE TESTE PROJETAR OU ESPECIFICAR (EXEMPLO REAL) Macro-atividade: Projetar (Desenhar) Teste (ou Especificar Teste) Atividade: Atividade: Atividade: Definir os Cenários de Teste Elaborar Casos de Teste Elaborar Procedimento de Teste 70

70 CASO DE TESTE PADRÃO IEEE 829 Introdução (uma por documento) Identificador do documento Escopo Referências (itens de teste) Contexto Notas para descrição Detalhes (um por caso de teste) Identificador do caso de teste Objetivos Especificações de entrada Especificações de saída Necessidades de ambiente Requisitos ou procedimentos especiais Dependências entre casos de teste Global Glossário Procedimentos de alterações do documento e histórico de alterações Referências (Itens de teste) Requisitos Projeto de teste e features Guia do usuário Guia operacional Guia de instalação Etc. Ainda bem que o Minotauro sumiu. Analistas de Teste preocupados 71

71 Não sumi não. Entenderam direitinho até agora? Processos são muito importantes para que os projetos sejam bem sucedidos. Concordam? Não vão me dizer que inventaram um modelo de Caso de Teste das suas cabecinhas? Eu já estou chegando.

72 PROCESSO DE TESTE PROJETAR OU ESPECIFICAR (EXEMPLO REAL) Planejar Planejar Projetar Executar testes Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 73

73 PROCESSO DE TESTE EXECUTAR (EXEMPLO REAL) Macro-atividade: Executar Executar casos de teste e/ou scripts automáticos, que foram definidos para cada iteração, bem como executar testes específicos, como teste de desempenho e outros. Na ocorrência de alterações das especificações ou do código, durante ou posteriormente a esta atividade, é verificado se estas alterações afetam também os casos de teste/scripts. Caso isto tenha ocorrido e a execução já tenha sido iniciada, será planejado um novo ciclo de teste ou teste de regressão. Antes de executar os casos de teste devem ser definidos os responsáveis pela sua execução. Atividade: Executar Casos de Teste Atividade : Gerar Resultados (logs) de Teste Atividade: Acompanhar Defeitos Atividade: Executar Especiais 74

74 Nós ainda estamos aqui. Sabemos que processos são chatos, mas depois nós vamos conversar sobre isso. Tem alguém dormindo aí? Não fizeram nenhuma gracinha não, não é? Será que inventaram um relatório de defeitos das suas cabecinhas?

75 PROCESSO DE TESTE ENCERRAR (EXEMPLO REAL) Planejar Planejar Projetar Executar Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 76

76 PROCESSO DE TESTE ENCERRAR (EXEMPLO REAL) Macro-Atividade: Analisar Resultados Ao encerramento do projeto de teste conforme as regras definidas no Plano de Teste devem ser elaborados os artefatos de conclusão. Atividade: Gerar Resultados dos

77 PROCESSO DE TESTE GERENCIAR DEFEITOS (EXEMPLO REAL) Planejar Planejar Projetar Executar Analisar Resultados Gerenciar Defeitos 78

78 PROCESSO DE TESTE GERENCIAR DEFEITOS (EXEMPLO REAL) Macro-Atividade: Gerenciar Defeitos ou Incidentes Registrar e acompanhar a correção dos defeitos, decorrentes da execução dos testes. Se for identificado que o defeito persiste, após o re-teste, a correção é rejeitada, caso contrário ela é aprovada. Defeitos podem ser identificados durante ciclo de desenvolvimento, durante a execução do teste de aceite, no ambiente de homologação ou após a entrega do sistema (ambiente de produção). Em todos os casos, é utilizado um workflow para acompanhar todo o ciclo de vida do defeito. Os defeitos devem ser classificados conforme as regras estabelecidas. Atividade: Atividade: Atividade: Atividade: Cadastrar Defeitos ou Incidentes Rejeitar Correções Aprovar Correções Executar Re-Teste 79

79 ADERÊNCIA Avaliação Objetiva da Aderência ao Processo A aderência a este processo por cada projeto é auditada pelo Grupo de Qualidade ao final de cada macro atividade a partir da entrega dos artefatos previstos. Isso é com a gente. Quem é que não vai aderir ao processo de teste? Vai aderir ou não vai? O controle de qualidade vai ser com a gente.

80 LIÇÕES APREENDIDAS Revisão do Status do Processo com a Gerência de Alto Nível Periodicamente os dados obtidos das avaliações com relação à aderência e adequação do processo Gerência de Requisitos nos diversos projetos são sintetizados pelo GQ e elaborados gráficos que evidenciem: Evolução da aderência ao processo Teste de Software na organização. Não Conformidades observadas no período Inadequações relatadas no período Análise de possíveis causas e ações implementadas para cada não-conformidade Análise de possíveis causas e ações implementadas para cada inadequação Oportunidades de melhorias. É elaborado Relatório de Status do Processo Teste de Software que é apresentado e discutido com a gerência de alto nível da empresa. Seria muito importante um documento organizacional regulamentando o uso dos processos da empresa.

81 PRINCIPAIS DOCUMENTOS DOS PROJETOS DE TESTE (IEEE 829:2008) Plano Master de Teste Plano de Teste Projeto de Teste Roteiro/Procedimento de Teste Caso de Teste Relatório de Anomalias (Incidentes / Defeitos) Relatório de Estado Relatório de Encerramento / Sumário Relatório Master 82

82 Plano de Teste Projeto de Teste Roteiro/Procedimento de Teste Caso de Teste Relatório de Anomalias (Incidentes / Defeitos) Relatório de Estado Relatório de Encerramento / Sumário Planejar Planejar Projetar Executar Analisar Resultados Gerenciar Defeitos Ligue os documentos produzidos nos projetos de teste à respectiva etapa no ciclo de vida (processo) 83

83 VISÃO DO MPT A área de processo Gerência de Projetos aparece no nível 1 do MPT e contem as seguintes práticas: GPT1 Realizar análise de risco do produto GPT2 Estabelecer objetivos do teste GPT3 Definir estratégia de teste O MPT é GPT4 Definir o escopo do trabalho para o projeto de teste coberto pelo GPT5 Estabelecer estimativas de tamanho processo que GPT6 Definir as fases do ciclo de vida do projeto de teste apresentamos? GPT7 Estimar o esforço e o custo GPT8 Estabelecer e manter o orçamento e o cronograma do projeto GPT9 Identificar riscos do projeto GPT10 Planejar os recursos humanos GPT11 Planejar o ambiente de teste para o projeto GPT12 Planejar os artefatos e dados do projeto GPT13 Estabelecer indicadores de desempenho de teste GPT14 Estabelecer o Plano de Teste GPT15 Revisar e obter compromisso com o Plano de Teste GPT16 Monitorar o projeto GPT17 Gerenciar o envolvimento dos stakeholders GPT18 Executar revisões em marcos do projeto GPT19 Analisar e registrar os problemas identificados GPT20 Estabelecer e acompanhar ações corretivas até a sua conclusão Fonte: Guia de Referência

84 NÍVEIS DE MATURIDADE Automação e Otimização Controle Estatístico do Processo Otimização do Processo de Teste Automação de Teste Gestão de Ferramentas Case Parcialmente Gerenciado Gerenciado Definido Gerência de Projeto de Teste Projeto e Execução do Teste Prevenção de Defeitos Organização do Teste Medição e Análise Teste estático Treinamento Garantia da Qualidade Teste de Aceitação Fechamento de Teste Gerência de Projeto de Teste (Evolução) Projeto e Execução do Teste (Evolução) Gerência de Requisitos de Teste Gerência de Projeto de Teste (Evolução) Projeto e Execução do Teste (Evolução) Gestão de Defeitos Teste Não Funcional Avaliação da Qualidade do Software Organização do Teste (evolução) 17 áreas de processo

85 PROCESSO (BÁSICO) DE TESTE Planejar Planejar Projetar Executar Analisar Resultados O Minotauro sumiu mas eu apareci. Eu sou o Lyoto Machida. Eu quero saber o que está faltando neste processo. Vai responder ou não vai? Gerenciar Defeitos 86

86 NORMA ISO/IEC O que diz a norma ISO/IEC Parte 2 sobre os processos de teste? Preste atenção! A norma vai introduzir alguns novos conceitos. Será que eu vou ter que enfiar isso na sua cabeça?

87 PROCESSOS DE TESTE Processo Organizacional de Teste Processos de Gerência de Teste Planejamento de Teste Monitoração e controle de teste Término de teste Processos de Teste Dinâmico Desenho e especificação Projeto 1 Montagem e monitoração do ambiente Execução do teste Relatar incidente de teste Projeto 2

88 FIM 89

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br

PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE Emerson Rios emersonrios@riosoft.org.br www.emersonrios.eti.br PROJETO DE TESTE DE SOFTWARE Deixa eu te dizer uma coisa. Teste de Software é um projeto. Certo? CERTO? Você

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema

a) Teste das funções do sistema com outros sistemas b) Teste de componentes que em conjunto compõem a função do sistema Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 60 minutos 1. Considerando as seguintes afirmações: I. 100% de cobertura de sentença (comando) garante 100% de cobertura de desvio II. 100% de cobertura de desvio

Leia mais

Clinica de Teste de Software

Clinica de Teste de Software Clinica de Teste de Software Emerson Rios emersonrios@iteste.com.br 1 Primeira Empresa Brasileira com certificação Nível 2 Bibliografia 2 Primeira Empresa Brasileira com certificação Nível 2 3 4 5 Agenda

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade?

1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? 2. Qual das alternativas é um atributo da qualidade? Simulado CTFL- BSTQB Tempo de duração: 30 minutos 1. Qual das seguintes alternativas não é um tipo de revisão? a) Acompanhamento b) Revisão técnica c) Revisão informal d) Aprovação da gerência 2. Qual

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS

08/09/2011 GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK GESTÃO DE PROJETOS GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Luís Felipe Schilling "Escolha batalhas suficientemente grandes para importar, suficientemente pequenas para VENCER." Jonathan Kozol GERÊNCIA DA INTEGRAÇÃO PMBOK 1 GERÊNCIA

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

POLÍTICA ORGANIZACIONAL

POLÍTICA ORGANIZACIONAL POLÍTICA ORGANIZACIONAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE NA DR TECH Data 01/03/2010 Responsável Doc ID Danielle Noronha PoliticaOrg_DR_V003 \\Naja\D\Gerenciamento\Política Localização Organizacional Versão

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Definição e Implantação de Modelo de Maturidade em Testes. Fone/Fax: +55 11 3384.4113 - www.qualiti.com - info@qualiti.com

Definição e Implantação de Modelo de Maturidade em Testes. Fone/Fax: +55 11 3384.4113 - www.qualiti.com - info@qualiti.com Definição e Implantação de Modelo de Maturidade em Testes Objetivo e Produto Objetivo Melhorar a medição de qualidade dos códigos antes de promovê-los para produção. Produto Modelo de Maturidade em Testes,

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Teste de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Teste de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Teste de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade Garantia de Qualidade Qualidade do processo Qualidade do produto Testes Estáticos Testes Dinâmicos Teste de software

Leia mais

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Qualidade de Software. MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos) Qualidade de Software MC626 Adaptado de notas de aula da Prof. Eliane Martins (http://www/ic.unicamp.br/~eliane/cursos)

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com. Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos

Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com. Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos ,PSODQWDomRGHXP 3URFHVVR GH *HVWmR GH 5HTXLVLWRV VHJXLQGRR R &00, 0, Instrutora: Claudia Hazan claudinhah@yahoo.com Agenda Motivações para Engenharia de Requisitos (ER) Processo de Requisitos Visão Geral

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB

Testes de Software. Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Testes de Software 1 AULA 01 INTRODUÇÃO A TESTES DE SOFTWARE Anne Caroline O. Rocha TesterCertified BSTQB NTI UFPB Conteúdo Programático do Curso Introdução a Testes de Software Técnicas de Testes de Software

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior FATTO Consultoria e Sistemas - www.fattocs.com.br 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário,

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015

ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO ATO Nº 91/2015/GP/TRT 19ª, DE 1º DE JUNHO DE 2015 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento da Integração do Projeto. Introdução. Vamos pensar um pouco?

Capítulo 4 Gerenciamento da Integração do Projeto. Introdução. Vamos pensar um pouco? www.emmene Capítulo 4 Gerenciamento da Integração do Projeto 1 Introdução Vamos pensar um pouco? 2 P Introdução Qual é o principal papel de um gerente de projeto? Integrar todas as partes de um projeto

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

MPT Melhoria de Processo de Teste Brasileiro. MPT.BR - Melhoria de Processo de Teste Guia de Implementação Parte 1: Nível 1 (Versão 2.

MPT Melhoria de Processo de Teste Brasileiro. MPT.BR - Melhoria de Processo de Teste Guia de Implementação Parte 1: Nível 1 (Versão 2. MPT.BR - Melhoria de Processo de Teste Guia de Implementação Parte 1: Nível 1 (Versão 2.2) Sumário 1 Prefácio... 4 2 Introdução... 5 Os modelos de maturidade de teste de software... 8 Por que não usarmos

Leia mais

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA

O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas. Fátima Cesarino CAIXA O Impacto da Engenharia de Requisitos no Processo de Métricas Fátima Cesarino CAIXA Apresentação Diferentes Cenários Desenvolvimento Software Importância do SISP Agradecimento Oportunidade Responsabilidade

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Planejamento e Gestão de Projetos Prof. Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Integração 1 Agenda Principais documentos do projeto

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Capítulo X. Gerenciar Mudanças dos Requisitos. Aluizio Saiter, M. Sc.

Capítulo X. Gerenciar Mudanças dos Requisitos. Aluizio Saiter, M. Sc. Capítulo X Gerenciar Mudanças dos Requisitos., M. Sc. 2 1. Sobre a disciplina de gerência de requisitos. 2. Boas práticas em engenharia de software. 3. Introdução a gerência de requisitos. 4. Introdução

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 1- Visão Geral de Testes de Software Aula 1 Teste como Suporte para o Software SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Exemplos

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE

GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE GERENCIAMENTO DE PROJETOS PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE O PMI e a Certificação PMP Visão Geral sobre o Modelo PMI APRESENTAÇÃO DO PMI O PMI - Project Management Institute é uma instituição sem fins lucrativos,

Leia mais

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec ÁREA DE NORMAS, QUALIDADE E PROCESSOS. I - NORMA ISO/IEC 29110 Micro e Pequenas Empresas focadas no desenvolvimento de software. 2) Ambiente É possível constatar,

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior

O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio. Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas superior 1 Orientações iniciais Dê preferência ao uso de uma conexão de banda larga O evento não fará uso do vídeo (webcam), somente slides e áudio Se necessário, ajuste o idioma da sala na barra de ferramentas

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª REGIÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SETI Versão 1.0 MANAUS-AM (2010) MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR

Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR Project Builder: uma Ferramenta de Apoio a Implementação do Processo Gerência de Projetos do MPS.BR Bernardo Grassano, Eduardo Carvalho, Analia I.F. Ferreira, Mariano Montoni bernardo.grassano@projectbuilder.com.br,

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System

Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Rastreabilidade e Análise de Impacto: Um caso de aplicação utilizando a ferramenta Visual Studio Team System Tiago Domenici Griffo 1, Gothardo Francisco de Magalhães Santos 1, Rodrigo Becke Cabral 1 1

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado A, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

4ª Parte Processo de Teste

4ª Parte Processo de Teste 4ª Parte Processo de Teste Atividades de preparação Ø Planejamento: define itens a testar, aspectos gerenciais e recursos necessários; para a execução da bateria de testes. Ø Desenho: completa as especificações

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Qualidade de Produtos de Software

Qualidade de Produtos de Software Capítulo 10 Qualidade de Produtos de Software Renata Bezerra e Silva de Araújo 1, Virgínia Carvalho Chalegre 2 O objetivo deste capítulo é explicar as diversas formas de se melhorar a qualidade do software,

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software Coordenação Geral de Tecnologia da Informação 2 Índice 1. Processos Organizacionais... 7 1.1. A gestão da demanda... 7 1.2. e Responsabilidades... 7

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Teste de Software Apresentação

Teste de Software Apresentação Teste de Software Apresentação Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Agenda Teste de Software VV&T e Defeitos de Software Inspeção de Software Teste

Leia mais

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Agenda: Carlos Simões cs@synapsisbrasil.com.br carlossimoes@cos.ufrj.br

Leia mais

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES

MBA ARQUITETURA DE INTERIORES MBA ARQUITETURA DE INTERIORES Coordenador: Carlos Russo Professor: Fábio Cavicchioli Netto, PMP 1 APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR CONHECENDO OS PARTICIPANTES EXPECTATIVAS DO GRUPO 2 SUMÁRIO PMI / PMBoK / Certificados

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Teste de Software. Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br

Teste de Software. Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Engenharia de Software Conceitos Básicos: Evolução Os primeiros anos (1950 a início dos 60) Aplicações científicas

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

Para cada fase consideramos. Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo. Arquitetura do Processo Unificado. A meta a ser atingida

Para cada fase consideramos. Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo. Arquitetura do Processo Unificado. A meta a ser atingida Arquitetura do Processo Unificado Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo O tempo gasto nas fases iniciais aumentam Para cada fase consideramos A meta a ser atingida Workflows a executar

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software (MDS) do DNIT

Metodologia de Desenvolvimento de Software (MDS) do DNIT Versão 1.02 Metodologia de Desenvolvimento de Software (MDS) do DNIT Projeto: FUB/DNIT Emissão: 08/06/2015 Arquivo: MDS DNIT v1.02 20150701a - revisado e formatado (2).doc 1/86 FICHA TÉCNICA Grupo de Trabalho

Leia mais

Tipos de teste de software

Tipos de teste de software Tipos de teste de software Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br Adilson Hira ayhira@lsi.usp.br Laboratório de Sistemas Integráveis Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Sumário

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Especificação de Processo Desenvolvimento de DW

Especificação de Processo Desenvolvimento de DW Especificação de Processo Desenvolvimento de DW Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Tabela de Stakeholders... 3 3. Diagrama de Contexto... 4 4. Ciclo de Vida... 4 4.1. Iniciação... 4 4.2. Elaboração...

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

PLANEJAMENTO DO ESCOPO

PLANEJAMENTO DO ESCOPO PLANEJAMENTO DO ESCOPO Dr. rer. nat. Christiane Gresse von Wangenheim, PMP Objetivo de aprendizagem desta aula Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Motivar a importância do planejamento de escopo.

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

Guia de Referência do Modelo MPT.Br

Guia de Referência do Modelo MPT.Br Guia de Referência do Modelo MPT.Br Copyright c 2011 - SOFTEXRECIFE Direitos desta edição reservados pela SOFTEXRECIFE A distribuição ilimitada desse documento está sujeita a copyright Sumário Parte I:

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: - I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Gerência de Projetos (GEP) CH: 72 h/a Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação Semestre: 2011/1 Fase: 8ª

Leia mais

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas?

Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Qualidade, Qualidade de Software e Garantia da Qualidade de Software São as Mesmas Coisas? Fábio Martinho. obtido [on-line] na URL http://www.testexpert.com.br/?q=node/669, em 11/03/2008. Segundo a NBR

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE TESTE COMO PARCELA NO PROCESSO DE QUALIDADE DE SOFTWARE Por: Camilla Ayub de Barros Chagas Orientador Prof. Fabiane Muniz

Leia mais

Gestão da qualidade do software

Gestão da qualidade do software Gestão da qualidade do software Empenhada em assegurar que o nível de qualidade requerido de um produto de software é atingido Envolve a definição de normas e procedimentos de qualidade apropriados, e

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

ANEXO TÉCNICO IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE GEMCO ANYWHERE

ANEXO TÉCNICO IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE GEMCO ANYWHERE ANEXO TÉCNICO IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE GEMCO ANYWHERE A BEMATECH realizará as seguintes atividades: Instalação do banco de dados do sistema GEMCO ANYWHERE no servidor do CLIENTE; Treinamento de atualização

Leia mais

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Introdução ao Teste de Software

Introdução ao Teste de Software Introdução ao Teste de Software Prof. Dr. Sandro Bezerra - srbo@ufpa.br AGENDA Verificação e Validação Motivação para teste Finalidades dos Testes Testes de Software: Definições e Conceitos Formando a

Leia mais