PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS"

Transcrição

1 PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software Livre GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 1/52

2 Introdução GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 2/52

3 Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Um processo: Descreve quem faz o quê, como e quando; Define as atividades de uma equipe e especifica quais artefatos devem ser desenvolvidos. O PDS-DATASUS: Provê linhas gerais para os usuários e desenvolvedores, permitindo o estabelecimento de uma visão comum para os projetos do DATASUS; É baseado no RUP (Rational Unified Process); Sofre evolução constante. Objetivo: Estabelecer um modelo de processo que possa ser adequado e utilizado por diferentes projetos. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 3/52

4 O que é o Rational Unified Process (RUP)? O RUP é um modelo genérico de processo da Rational Software que fornece uma abordagem disciplinada para produzir e gerenciar software. O RUP captura algumas das melhores práticas do desenvolvimento de software. É fornecido em mídia eletrônica acessível por um navegador (browser). Não define uma metodologia. É uma biblioteca de processos. Fornece atividades, artefatos e guias. É representado através da UML. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 4/52

5 Características do RUP Iterativo e Incremental. O sistema é construído incrementalmente através de vários mini-projetos que se repetem (iterações). Guiado por casos de uso. A arquitetura de software tem papel central. Planejado com foco na eliminação de riscos. Reduz riscos e aumenta a previsibilidade. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 5/52

6 As Seis Melhores Práticas GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 6/52

7 As Seis Melhores Práticas As melhores práticas apresentadas aqui são abordagens comprovadamente eficazes no meio comercial que, quando usadas em conjunto, atingem diretamente a raiz dos problemas do desenvolvimento de software. São consideradas melhores práticas não apenas porque podem ser quantificadas precisamente, mas, principalmente, porque são amplamente utilizadas em empresas de sucesso da indústria de software. Desenvolvimento Iterativo. Gerência de Requisitos. Arquitetura Baseada em Componentes. Modelagem Visual. Verificação Contínua da Qualidade. Controle de Mudanças. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 7/52

8 As Seis Melhores Práticas Desenvolvimento Iterativo: Cada iteração incorpora atividades de modelagem de negócio, requisitos, análise e projeto, implementação, testes e implantação à medida em que o projeto vai evoluindo em suas fases de maturação; A cada iteração um conjunto de produtos é gerado. Benefícios: O desenvolvimento iterativo lida com mudanças; O sistema é integrado contínua e progressivamente; Os riscos são atacados cedo; Permite aprendizado e melhoria contínua do processo; Aumenta o reuso; Gera produtos mais robustos; Prevê a possibilidade de mudanças táticas. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 8/52

9 As Seis Melhores Práticas Desenvolvimento Iterativo: GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 9/52

10 As Seis Melhores Práticas Desenvolvimento Iterativo: Modelo cascata, atrasa a resolução de riscos. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 10/52

11 As Seis Melhores Práticas Desenvolvimento Iterativo: GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 11/52

12 As Seis Melhores Práticas Gerência de Requisitos. Forma sistemática de elicitar, organizar, comunicar e gerenciar requisitos em um projeto de desenvolvimento de software; Busca elencar, documentar, e controlar requisitos e suas mudanças ao longo do projeto. Algumas dificuldades na definição de requisitos: Alguns requisitos não são óbvios, podendo vir de várias fontes; Nem sempre estão bem escritos; O número de requisitos pode ser incontrolável, o que dificulta o gerenciamento; Requisitos podem sofrer alterações. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 12/52

13 As Seis Melhores Práticas Arquitetura Baseada em Componentes. A arquitetura de um sistema de software é sua organização ou estrutura de componentes significantes interagindo entre si através de interfaces, sendo estes compostos por componentes e interfaces sucessivamente menores. No RUP, as atividades de projeto são focadas na arquitetura, e fornecem um modo sistemático para produzi-la e validá-la. O foco principal das iterações iniciais do PDS é produzir e validar a arquitetura do software. Benefícios: Reuso ou customização de componentes existentes; Uso de componentes de prateleira (COTS); Evolução incremental dos software existentes. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 13/52

14 As Seis Melhores Práticas Modelagem Visual: Permite maior nível de abstração mantendo rigorosa sintaxe e semântica; Compreende a utilização de textos e notações gráficas, como a UML, para descrever o projeto de um sistema; Benefícios: Facilita a comunicação entre a equipe do projeto e usuários; Permite decisões de comunicação sem ambigüidade; Explora e compara alternativas de projeto com um baixo custo; Captura requisitos precisamente; Forma a base para a implementação. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 14/52

15 As Seis Melhores Práticas Verificação Contínua da Qualidade. A verificação contínua da qualidade envolve a avaliação de versões intermediárias do produto e dos artefatos completados ao final de cada iteração, ao longo de todo projeto; A qualidade é de responsabilidade de todos os membros da organização; Qualidade não pode ser alcançada se não for descrita e medida. O PDS não define um papel específico responsável por atividades de controle de qualidade. A qualidade é controlada por atividades específicas de revisão e avaliação periódicas. Em uma abordagem mais tradicional os testes de integração de um software seriam realizados tardiamente no ciclo de vida. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 15/52

16 As Seis Melhores Práticas Controle de Mudanças: Definição: Controle de Mudanças é uma forma sistemática de se gerenciar modificações em requisitos, projeto e implementação. Cobre também a importante tarefa de manter a rastreabilidade de defeitos, falhas de entendimentos e comprometimento de projeto bem como associar esta atividade com artefatos específicos. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 16/52

17 As Seis Melhores Práticas Controle de Mudanças: Descrição: Mudanças sempre ocorrem. O controle de mudanças oferece soluções para as raízes dos problemas da construção de um software: Existe um fluxo de trabalho bem definido e que pode ser repetido para todas as requisição de mudanças; Estatísticas de requisição de mudanças servem como métricas para o desenvolvimento de um software futuro; A propagação de mudança é controlável e calculável. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 17/52

18 Desenvolvimento Iterativo GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 18/52

19 Desenvolvimento Iterativo O ciclo de vida é dividido em fases e iterações; As fases indicam a maturidade do sistema; Cada fase é dividida em iterações; Os riscos são mitigados mais cedo, porque os elementos são integrados progressivamente; Mudanças de requisitos e táticas são acomodadas; É mais fácil melhorar e refinar o produto, aumentando sua robustez. Testes e integrações são realizados muito mais cedo; Organizações podem aprender a medida em que o ciclo de vida evolui. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 19/52

20 Desenvolvimento Iterativo O que é uma iteração? Uma seqüência distinta de atividades com baseline e critérios de avaliação planejados, resultando em um produto (release) que pode ser interno ou externo. Fatores que podem alterar a duração e a quantidade das iterações de um projeto: Tamanho, estabilidade e maturidade da empresa; Familiaridade com o processo iterativo Tamanho e simplicidade técnica do projeto; Nível de automação utilizado para manejar código e distribuição de informação. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 20/52

21 Desenvolvimento Iterativo Fase Espaço de tempo entre dois marcos significativos do projeto, durante o qual objetivos são atingidos, artefatos elaborados e decisões sobre passar ou não para a próxima fase são tomadas. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 21/52

22 Desenvolvimento Iterativo Fase de Concepção: Objetivos: Estabelecer o escopo do projeto; Determinar os principais casos de uso e cenários; Identificar uma arquitetura candidata de acordo com os cenários principais; Estimar custo de projeto e prazo; Identificar riscos potenciais; Preparar o ambiente de suporte do projeto. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 22/52

23 Desenvolvimento Iterativo Fase de Concepção: Alguns Artefatos produzidos: Documento de Visão; Modelo de Casos de Uso (10% a 20%); Análise de Riscos; Plano de Desenvolvimento de Software; Glossário. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 23/52

24 Desenvolvimento Iterativo Fase de Concepção: Critérios de Avaliação: Acordo dos stakeholders quanto ao escopo e às estimativas de custo e prazo; Credibilidade das estimativas, prioridades, riscos e processo de desenvolvimento; Os principais riscos foram identificados e existe uma estratégia de mitigação para cada um. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 24/52

25 Desenvolvimento Iterativo Fase de Elaboração: Objetivos: Definir, validar e estabelecer uma baseline da arquitetura o mais rápido possível; Refinar o ambiente de suporte; Detalhar o plano para a fase de construção; Demonstrar que a arquitetura escolhida sustenta as características funcionais e não funcionais com um custo e prazo de implementação razoável. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 25/52

26 Desenvolvimento Iterativo Fase de Elaboração: Alguns Artefatos produzidos: Modelo de Casos de Uso (80% completo); Especificação Suplementar; Documento de Arquitetura de Software; Protótipo executável da arquitetura; Analise de Riscos (revisado); Plano de Desenvolvimento de Software (estabilizado); Material de Suporte. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 26/52

27 Desenvolvimento Iterativo Fase de Elaboração: Critérios de Avaliação: Visão do produto e requisitos estáveis; Arquitetura estável; Testes e avaliações críticos foram realizados; elementos de maior riscos foram encaminhados e resolvidos; Plano de iteração para a fase de construção foi suficientemente detalhado; Todos os stakeholders concordam que a visão atual pode ser atingida se o plano atual for executado para desenvolver o sistema completo de acordo com o contexto atual da arquitetura; Os gastos com recursos planejados versus realizados até o momento são aceitáveis. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 27/52

28 Desenvolvimento Iterativo Fase de Construção: Objetivos: Completar o produto de software até que ele esteja pronto para a produção; Minimizar o custo de desenvolvimento otimizando recursos e evitando retrabalhos desnecessários; Atingir qualidade adequada o mais rápido possível; Atingir versões utilizavéis (alfa, beta e outros releases de teste) o mais rápido possível. Alguns Artefatos produzidos: Sistema integrado; Manuais de usuário; Notas de Versão; Plano de Implantação. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 28/52

29 Desenvolvimento Iterativo Fase de Construção: Critérios de Avaliação: Os critérios de avaliação para a fase de construção envolvem as respostas para as seguintes questões : Esta versão do produto está estável e madura suficiente para ser distribuída para a comunidade de usuários? Todos os stakeholders estão prontos para transição do produto para comunidade de usuários? Os gastos com recursos planejados versus realizados até o momento continuam aceitáveis? GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 29/52

30 Desenvolvimento Iterativo Fase de Transição: Objetivos: Atingir auto-suficiência do usuário quanto ao produto; Obter o consentimento dos stakeholders de que a implementação está completa e consistente de acordo com os critérios de avaliação da visão do produto; Estabilizar o produto final de maneira rápida com custos aceitáveis. Alguns Artefatos produzidos: Versão final do sistema; Aceite Final do Projeto. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 30/52

31 Desenvolvimento Iterativo Fase de Transição: Critérios de Avaliação: O critério de avaliação para a fase de transição envolvem a resposta para a seguinte questão: O usuário esta satisfeito? GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 31/52

32 Elementos do PDS GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 32/52

33 Elementos Chave do PDS Papéis São as responsabilidades de um indivíduo ou grupo. Definem O quem (Ex.: Analista de Sistemas, Projetista, Arquiteto, Gerente do Projeto). Artefatos Pedaço de informação que é produzido,modificado ou usado por um processo. Definem O quê (Ex.: documentos, diagramas, código-fonte, executável). Atividades São unidades de trabalho que produzem um resultado de valor significativo para o projeto. São realizadas por um papel específico e são compostas de: objetivos, passos, entradas e saídas, guias e padrões. Definem O como. Fluxos de Atividades Representam uma seqüência de atividades correlacionadas e mostram as interações entre os papéis. O PDS utiliza o Diagrama de Atividades para representar o workflow de uma disciplina. Definem O quando. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 33/52

34 Estrutura Estática Disciplinas Agrupam as atividades correlacionadas, especificando o que deve ser feito pelos papéis, em termos de atividades e artefatos, através dos Fluxos de Atividades. Fluxo de Atividades Detalhe de Fluxo de Atividades GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 34/52

35 Elementos Adicionais do PDS Modelos São modelos de artefatos. O PDS possui templates para a maior parte dos artefatos gerados pelas atividades. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 35/52

36 Disciplinas GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 36/52

37 Disciplinas GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 37/52

38 Disciplina Planejamento e Gerência Objetivos: Prover um framework para gerência de projetos de software; Guia o planejamento, a execução e o monitoramento do projeto; Prover um framework para gerenciar riscos. O fluxo de atividades foca nos aspectos específicos de um processo de desenvolvimento iterativo e incremental : Planejar o projeto e uma iteração em particular (2 níveis de planos - fases e iteração); Gerenciar riscos; Monitorar o progresso e as métricas de um projeto iterativo; Não cobre todos os aspectos da gerência de projetos: gestão de pessoas, orçamentária e de contratos, por exemplo. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 38/52

39 Disciplina Modelagem do Negócio Objetivos: Permitir um entendimento da estrutura e da dinâmica da organização na qual o sistema está inserido; Fornecer uma visão dos problemas da organização e identificar oportunidades de melhoria em seus processos de negócio; Garantir que os usuários, clientes e desenvolvedores tenham um entendimento comum dos processos de negócio da organização; Derivar os requisitos de sistema necessários para suportar os negócios da organização. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 39/52

40 Disciplina Requisitos Objetivos: Estabelecer e manter um entendimento comum entre os usuários e desenvolvedores sobre o quê o sistema deve fazer e por quê; Definir o escopo do sistema; Prover uma base para planejamento das iterações; Prover uma base para estimativa de custos e tempo de desenvolvimento; Definir uma interface para o sistema focando nas necessidades dos usuários. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 40/52

41 Disciplina Análise e Projeto Objetivos: Traduzir os requisitos do sistema em uma especificação que descreva como implementá-lo: A atividade de Análise transforma as especificações de requisitos dirigidos por casos de uso em um conjunto de classes e seus relacionamentos e contempla alguns diagramas (Diagrama de Classes, de Seqüência); A atividade de Projeto refina o modelo gerado na análise, incorporando elementos de projeto (novas classes, detalhamento dos atributos e métodos, definição de subsistemas e elementos da arquitetura) e define as tabelas do banco de dados; GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 41/52

42 Disciplina Implementação Objetivos: Construir, testar e manter de forma mais eficiente possível os componentes que implementam os requisitos do sistema. Definir uma estrutura de implementação através da organização dos artefatos de implementação, definição da dependência entre os componentes e estrutura de diretórios; Implementar componentes e testá-los (testes de unidade); Integrar componentes implementados em subsistemas; Integrar os diversos subsistemas no sistema. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 42/52

43 Disciplina Teste A disciplina de Teste do PDS, está descrita detalhadamente no Processo de Teste de Software (PTS). O PTS integra técnicas de testes, procedimentos e ferramentas para avaliação da qualidade do software desenvolvido no DATASUS. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 43/52

44 Disciplina Implantação Objetivos: Garantir que o produto de software seja disponibilizado a seus usuários finais. Gerenciar os testes dos usuários e de aceitação; Empacotar, distribuir e instalar o produto; Treinar os usuários; Migrar e/ou converter sistemas e bases de dados legados. Muito dependente do contexto do negócio e do produto. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 44/52

45 Disciplina Gerência de Configuração e Mudanças Objetivos: Gerenciar e controlar a evolução do software através do controle formal de versão e de solicitações de mudanças, mantendo a integridade dos artefatos do projeto; Prover e gerenciar um espaço de trabalho (repositório) para armazenar os artefatos que terão controle de versão, identificando as versões existentes e o histórico de mudanças dos mesmos; Controlar as requisições de mudanças, mantendo informações sobre as razões e motivações para cada uma delas, além de: artefatos que serão afetados, status (nova, aprovada, reprovada) e o impacto das mesmas no projeto. GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 45/52

46 Papéis GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 46/52

47 Papéis Analistas Analistas: Analista de Negócio Analista de Sistemas GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 47/52

48 Papéis Desenvolvedores Desenvolvedores: Arquiteto Integrador Programador Projetista de Banco de Dados GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 48/52

49 Papéis Gerentes Gerentes: Comitê de Controle de Mudança Gerente de Configuração Gerente de Implantação Gerente de Projeto GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 49/52

50 Papéis Outros Outros Papéis: Escritor Técnico Stakeholders GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 50/52

51 Maiores Informações Site: GPSL- Gerência de Padrões e Software Livre 51/52

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos e Metodologias para Desenvolvimento de Software Cascata, Prototipação, Espiral e RUP Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002

Visão Geral do RUP Rational Unified Process. Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Visão Geral do RUP Rational Unified Process Jorge Fernandes UFRN Junho de 2002 Resumo do Artigo de Krutchen O que é o RUP? 6 Práticas Comprovadamente Efetivas Desenvolvimento Interativo Gestão de Requisitos

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Construção 2 VISÃO GERAL Fase Construção. Visão Geral 3

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP RUP Rational Unified Process ( Unificado de Desenvolvimento da Rational) Conjunto de passos que tem como objetivo atingir uma meta de software na ES, processo que visa a produzir o software - de modo eficiente

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Planejamento Iterativo

Planejamento Iterativo Planejamento Iterativo Planejando as Fases e Iterações Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br 1 Revisando Processo iterativo Req A&P Imp I/T Imp Req A&P Imp I/T Imp Req A&P Imp I/T Imp Iteração 1 Iteração

Leia mais

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP

Curso: Engenharia de Software com Ênfase em Padrões de Software (UECE Universidade Estadual do Ceará) RUP Conceitos RUP RUP, abreviação de Rational Unified Process (ou Processo Unificado da Rational), é um processo de Engenharia de software criado pela Rational Software Corporation(a qual foi incorporada pela

Leia mais

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Engenharia de Software e Gerência de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana

Leia mais

Uma Abordagem usando PU

Uma Abordagem usando PU Uma Abordagem usando PU Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Baseada em: Rational Software Corpotation G. Booch, Ivar Jacobson,

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

Professor: Curso: Disciplina:

Professor: Curso: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Aula 1 Turma: Esp. Marcos Morais de Sousa Sistemas de informação Engenharia de Software I Dinâmica da disciplina, plano de curso e avaliação 03º semestre Prof. Esp. Marcos

Leia mais

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1

Capítulo 2. Processos de Software. 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. slide 1 Capítulo 2 Processos de Software slide 1 Tópicos apresentados Modelos de processo de software. Atividades de processo. Lidando com mudanças. Rational Unified Process (RUP). Um exemplo de um processo de

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 02. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software Aula 02. Prof.: Franklin M. Correia Princípios da Engenharia de Software Aula 02 Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Introdução a Engenharia de Software O que é software? O que é Engenharia de Software? Conceitos importantes Tipos

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA ENGENHARIA DE SOFTWARE III

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA ENGENHARIA DE SOFTWARE III UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA ENGENHARIA DE SOFTWARE III FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS TRAC E DOTPROJECT ORIETADOS AO RUP ACADÊMICOS: GUSTAVO

Leia mais

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Unified Process Sueleni Mendez Batista Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Processo de Desenvolvimento de Software 8O processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades e resultados

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Para cada fase consideramos. Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo. Arquitetura do Processo Unificado. A meta a ser atingida

Para cada fase consideramos. Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo. Arquitetura do Processo Unificado. A meta a ser atingida Arquitetura do Processo Unificado Tempo para um projeto típico Tempo para um projeto Complexo O tempo gasto nas fases iniciais aumentam Para cada fase consideramos A meta a ser atingida Workflows a executar

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PARA METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO EXÉRCITO

MANUAL TÉCNICO PARA METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO EXÉRCITO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA MANUAL TÉCNICO PARA METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DO EXÉRCITO 1ª Edição 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação

Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software. Coordenação Geral de Tecnologia da Informação Metodologia de Gestão e Desenvolvimento de Software Coordenação Geral de Tecnologia da Informação 2 Índice 1. Processos Organizacionais... 7 1.1. A gestão da demanda... 7 1.2. e Responsabilidades... 7

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software. Prof. Hélio Engholm Jr

Processos de Desenvolvimento de Software. Prof. Hélio Engholm Jr Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos Descrever o processo de desenvolvimento de software Orientado a Objetos (Object Oriented Software Development - OOSD) Descrever como a modelagem suporta

Leia mais

Capítulo X. Gerenciar Mudanças dos Requisitos. Aluizio Saiter, M. Sc.

Capítulo X. Gerenciar Mudanças dos Requisitos. Aluizio Saiter, M. Sc. Capítulo X Gerenciar Mudanças dos Requisitos., M. Sc. 2 1. Sobre a disciplina de gerência de requisitos. 2. Boas práticas em engenharia de software. 3. Introdução a gerência de requisitos. 4. Introdução

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Rational Unified Process

Rational Unified Process Rational Unified Process Engenharia de Software Bruno Braun Fernando Coelho Jonatas Teixeira Vinicius Massuchetto Sobre o RUP Metodologia proprietária de desenvolvimento de software Iterativo e incremental

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier. Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML - 2ª edição

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier. Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML - 2ª edição Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier 1 Capítulo 2 Processo de Desenvolvimento de Software Quanto mais livros você leu (ou escreveu), mais

Leia mais

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP

Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Fábio Lúcio Meira Objetivos Gerais Apresentar os conceitos básicos da metodologia de desenvolvimento Processo Unificado, utilizando como aporte o Processo Unificado Rational RUP Específicos Apresentar

Leia mais

Processos de Software

Processos de Software Processos de Software Prof. Márcio Lopes Cornélio Slides originais elaborados por Ian Sommerville O autor permite o uso e a modificação dos slides para fins didáticos O processo de Um conjunto estruturado

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Disciplina: Engenharia de Software Tópico: Modelos de Ciclo de Vida Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Ciclo de Vida A Engenharia de

Leia mais

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton

Tecnologia da Informação para EPPGG 2013. Victor Dalton Tecnologia da Informação para EPPGG 2013 Victor Dalton Edital TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: 1. Noções sobre processo de desenvolvimento de software: modelos organizacionais, stakeholders, modelagem de negócio,

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Introdução ao Processo Unificado (PU)

Introdução ao Processo Unificado (PU) Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sistemas de Informação - CPCX Introdução ao Processo Unificado (PU) Prof. Fernando Maia da Mota Slides gentilmente cedidos por Profa. Dra. Maria Istela Cagnin

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS. Sumário

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS. Sumário CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO IV PROJETO BÁSICO: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS Sumário 1. DIRETRIZES PARA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APLICATIVOS...172 1.1. INTRODUÇÃO...172

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª REGIÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - SETI Versão 1.0 MANAUS-AM (2010) MDS Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

O Processo Unificado

O Processo Unificado UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo Unificado 879SCC Projeto e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.

Guia do Nexus. O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado. Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum. Guia do Nexus O Guia Definitivo para o Nexus: O exoesqueleto do desenvolvimento Scrum escalado Desenvolvido e mantido por Ken Schwaber e Scrum.org Tabela de Conteúdo Visão Geral do Nexus... 2 O Propósito

Leia mais

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software

FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas. OpenUp. Arquitetura de software FIC Faculdade Integrada do Ceará Curso em tecnologia em analise e desenvolvimento de sistemas OpenUp Arquitetura de software Fortaleza/2010 OpenUP Alguns anos atrás, vários funcionários da IBM começaram

Leia mais

A Experiência na Definição de um Processo Padrão Baseado no Processo Unificado

A Experiência na Definição de um Processo Padrão Baseado no Processo Unificado A Experiência na Definição de um Processo Padrão Baseado no Processo Unificado RICARDO DE ALMEIDA FALBO Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória ES falbo@inf.ufes.br Abstract

Leia mais

Segurança de Aplicações Aula 6

Segurança de Aplicações Aula 6 Segurança de Aplicações Aula 6 Prof. Msc. Anderson da Cruz Apresentação Atividade Apresentação da atividade realizada na aula 4 2 Desenvolvimento de Software 3 Modelos de Desenvolvimento de Software Cascata

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software (MDS) do DNIT

Metodologia de Desenvolvimento de Software (MDS) do DNIT Versão 1.02 Metodologia de Desenvolvimento de Software (MDS) do DNIT Projeto: FUB/DNIT Emissão: 08/06/2015 Arquivo: MDS DNIT v1.02 20150701a - revisado e formatado (2).doc 1/86 FICHA TÉCNICA Grupo de Trabalho

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

MÉTRICAS DE SOFTWARE

MÉTRICAS DE SOFTWARE MÉTRICAS DE SOFTWARE 1 Motivação Um dos objetivos básicos da Engenharia de Software é transformar o desenvolvimento de sistemas de software, partindo de uma abordagem artística e indisciplinada, para alcançar

Leia mais

Requisitos. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista )

Requisitos. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Qualidade de Software Aula 8 (Versão 2012-01) 01) Requisitos Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Revisando... 1. Qual o

Leia mais

Especificação de Processo Desenvolvimento de DW

Especificação de Processo Desenvolvimento de DW Especificação de Processo Desenvolvimento de DW Versão 1.0 Sumário 1. Introdução... 3 2. Tabela de Stakeholders... 3 3. Diagrama de Contexto... 4 4. Ciclo de Vida... 4 4.1. Iniciação... 4 4.2. Elaboração...

Leia mais

Poder Judiciário. Justiça do Trabalho. Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Poder Judiciário. Justiça do Trabalho. Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Poder Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DIVISÃO DE SISTEMAS E INTERNET METODOLOGIA DE PRODUÇÃO DE SOFTWARE Versão 1.0 APROVAÇÃO

Leia mais

Engenharia de Software-2003

Engenharia de Software-2003 Engenharia de Software-2003 Mestrado em Ciência da Computação Departamento de Informática - UEM Profa. Dra. Elisa H. M. Huzita eng. de software-2003 Elisa Huzita Produto de Software Conceitos Software

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Tecnologias Atuais de. Desenvolvimento de Software

Tecnologias Atuais de. Desenvolvimento de Software Tecnologias Atuais de Desenvolvimento de Software volução dos Processos de Desenvolvimento de Software Prof. Luiz Antônio lpereira@uninet.com.br Agenda onceitos volução dos Processos de Software Modelos

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

RUP Rational Unified Process

RUP Rational Unified Process Universidade do Contestado UNC Unidade Universitária de Mafra Otávio Rodolfo Piske Curso de Sistemas de Informação 5ª Fase RUP Rational Unified Process MAFRA 2003 Otávio Rodolfo Piske 1 - Introdução O

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 01/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI I FINALIDADE Instituir a Metodologia

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos. Prof.: Franklin M. Correia 1 Princípios da Engenharia de Software aula 05 Gerenciamento de planejamento de projetos Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Metodologias ágeis Princípios do Manifesto ágil 12 itens do manifesto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Agência Nacional de Vigilância Sanitária METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GGTIN GESIS Brasília, julho de 2006. Página: 1 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/06/2006 1.0.00 Criação

Leia mais