PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão 1.4.0"

Transcrição

1 PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Versão Banco Central do Brasil, 2015 Página 1 de 14

2 Índice 1. FLUXO DO PEN - PROCESSO DE ENTENDIMENTO DAS NECESSIDADES DE NEGÓCIO SOBRE ESTE DOCUMENTO GUIA DE UTILIZAÇÃO DEFINIÇÕES PROCESSO PROPÓSITO ESCOPO RESULTADOS ESPERADOS PAPÉIS PRODUTOS DE TRABALHO ATIVIDADES Formar equipe de iniciação Preparar para a identificação das necessidades do negócio Identificar as necessidades do negócio HISTÓRICO DE VERSÕES Banco Central do Brasil, 2015 Página 2 de 14

3 1. Fluxo do PEN - Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio Banco Central do Brasil, 2015 Página 3 de 14

4 2. Sobre este documento 2.1 Guia de utilização Atividades: lista de tarefas que podem ser executadas para alcançar o resultado do processo. Definições: as definições encontradas neste documento têm por objetivo prover o entendimento correto das expressões utilizadas, de forma que a leitura se torne compreensível a todos e sem ambiguidades. Descrição: é um termo geral para complementar as informações relativas às atividades do processo. Entradas e saídas: listam os produtos de trabalho obrigatórios ou opcionais, intermediários ou finais. Indicam os produtos de trabalho consumidos ou produzidos pela atividade para que sua execução seja efetiva. Escopo: é a delimitação do propósito do processo. Histórico de versões: lista que contém informações sobre quando e o que foi alterado nesse processo. Notas de rodapé: fazem referência a técnicas ou práticas aplicáveis à execução das atividades e cuja utilização é recomendada pelo processo. são informações adicionais às tarefas que complementam sua declaração e melhoram seu entendimento. Papéis: são declarações de perfis que representam uma responsabilidade no processo. Produto de trabalho: algo que é produzido, modificado ou consumido durante a execução da atividade do processo. Propósito: apresenta os objetivos gerais da execução do processo. Resultados esperados: é um resultado observável do atendimento ao propósito do processo. Um resultado esperado é descrito em termos do benefício da execução bem-sucedida do processo. Tarefas: ações específicas que podem ser executadas para realizar uma atividade. Uma tarefa é expressa na forma de um requisito, recomendação ou ação permitida. É também um apoio intencional para o atendimento aos resultados esperados de um processo. Para esse propósito, a definição de uma tarefa emprega certos verbos auxiliares (deve, convém e pode) para diferenciar as formas distintas de uma tarefa. O verbo deve é empregado para expressar disposições ou prescrições mandatórias para obter-se a conformidade, convém para expressar recomendação entre outras possibilidades e pode para indicar um curso de ação permitido dentro dos limites do processo. 2.2 Definições Área de relacionamento com o negócio: área do Deinf responsável pelo atendimento de demandas da unidade de negócio. Brainstorming: técnica dedicada a produzir um conjunto diverso de opções para um problema ou oportunidade de melhoria. Banco Central do Brasil, 2015 Página 4 de 14

5 Condução de reuniões: técnica utilizada pelo facilitador da reunião a fim de mantê-la participativa, rica em ideias e focada no seu objetivo. Veja mais Diagrama de contexto: é uma ferramenta de modelagem que representa em alto nível o processo (ou sistema) em questão e suas interfaces. Equipe de metodologia: equipe de apoio do Deinf responsável pelos processos de desenvolvimento de software. É responsável pelo apoio ao entendimento do negócio. Impact Mapping: é uma técnica de planejamento estratégico que ajuda a identificar os objetivos de negócio que se deseja alcançar com o produto e evitar o scope creep. Necessidades do negócio: lista de problemas e oportunidades de melhoria no processo de negócio. Matriz GUT: é uma ferramenta usada para definir prioridades levando em consideração: Gravidade, Urgência e Tendência. Modelagem de processos: é a representação visual do processo que pode ser em alto nível, com a identificação das etapas que agregam valor, ou detalhado, com o fluxo das atividades e identificação dos responsáveis pela execução. Objetivo do negócio: são metas mensuráveis que se pretende alcançar com a execução do processo de negócio. Objetivo da demanda de TI: é o que se pretende alcançar com o atendimento da demanda de TI. Patrocinador da demanda: é o stakeholder mais importante do projeto, com autoridade para tomada de decisão. Stakeholder: indivíduo ou grupo de indivíduos que tenha interesse ou envolvimento no processo de negócio escopo da demanda de TI. Pode ser da área de negócio ou da área de TI. Unidade envolvida: são as unidades impactadas no seu dia-a-dia pela solução de TI solicitada pela unidade demandante. Banco Central do Brasil, 2015 Página 5 de 14

6 3. Processo 3.1 Propósito O propósito do Processo de Entendimento das Necessidades de Negócio (PEN) é o entendimento das necessidades dos stakeholders para se atingir os objetivos de negócio. 3.2 Escopo O PEN se aplica às demandas de TI a serem atendidas pelo Deinf, por meio de software. 3.3 Resultados esperados Como resultados do uso bem sucedido do processo: a. O conhecimento sobre a visão geral do processo de negócio é nivelado entre os stakeholders e a equipe de iniciação; b. Os objetivos do processo de negócio são alinhados e comunicados; c. Os papéis envolvidos e suas necessidades para se atingir cada objetivo de negócio são identificados; d. Os objetivos de negócio são priorizados e suas necessidades classificadas conforme relevância para o negócio. 3.4 Papéis Equipe de iniciação: equipe formada por membros do Deinf, da unidade demandante e das unidades envolvidas. É fortemente recomendável que pelo menos alguns membros da equipe de iniciação venham a fazer parte da equipe do projeto. As características recomendadas para que a equipe de iniciação desempenhe com sucesso o seu papel são: a. Gerenciar as expectativas dos stakeholders; b. Comunicar e negociar; c. Ser proativo. Participante: membro da equipe de iniciação ou stakeholder que participa da atividade Identificar as necessidades do negócio. As características recomendadas para que o participante da área de negócio desempenhe com sucesso o seu papel são: a. Conhecer o processo de negócio, seus objetivos e necessidades; b. Ser (ou ter sido) executor de algumas das atividades do processo de negócio que estejam relacionadas ao escopo da demanda de TI; c. Ser bom ouvinte e questionador. A característica recomendada para que o participante da área de TI desempenhe com sucesso o seu papel é: a. Ter uma visão analítica; b. Ser bom ouvinte e questionador. Banco Central do Brasil, 2015 Página 6 de 14

7 Responsável pela iniciação: servidor do Deinf, responsável pelo gerenciamento das atividades da equipe de iniciação. As características recomendadas para que o responsável pela iniciação desempenhe com sucesso o seu papel são: a. Liderar; b. Gerenciar conflitos e expectativas; c. Tomar decisões; d. Comunicar e negociar. Solicitante da demanda: representante da unidade demandante e principal ponto de apoio e colaboração para o responsável pela iniciação. A unidade demandante pode ser o próprio Deinf ou uma unidade de negócio. As características recomendadas para que o solicitante da demanda desempenhe com sucesso o seu papel são: a. Conhecer o processo de negócio e seus objetivos; b. Capacidade de transmitir conhecimento. 3.5 Produtos de trabalho Apresentação da visão geral do processo de negócio: documento produzido pelo solicitante da demanda para os stakeholders a fim de nivelar o conhecimento sobre o negócio. Apresentação para condução do workshop: esentacaoconducaoworkshoppen.pptx Demanda de TI: solicitação de serviços feita ao Deinf cuja finalidade é prover soluções de TI de natureza corporativa ou departamental. A demanda de TI pode ou não estar vinculada a um projeto de TI. Documento de Visão: contém as informações identificadas durante o entendimento das necessidades de negócio e as características do produto de software que atenderá a estas necessidades. Template: umentovisao.docx Banco Central do Brasil, 2015 Página 7 de 14

8 3.6 Atividades Formar equipe de iniciação Descrição Identificação das pessoas responsáveis por preparar a execução das atividades relativas ao entendimento das necessidades de negócio. Entradas Demanda de TI Tarefas a) O gerente da área de relacionamento com o negócio responsável pelo atendimento da demanda deve nomear o responsável pela iniciação; i. O responsável pela iniciação deve ser servidor do Deinf; ii. Convém que o responsável pela iniciação faça parte da equipe responsável pela solução de forma a difundir o conhecimento adquirido. b) O responsável pela iniciação deve formar a equipe de iniciação; i. A equipe de iniciação deve ser composta, além do responsável pela iniciação, por representantes da unidade demandante da solução e das unidades diretamente envolvidas no processo de negócio; ii. Convém que outros integrantes da área de relacionamento com o negócio façam parte da equipe de iniciação; iii. Convém que desenvolvedores candidatos a participarem do atendimento da demanda de TI integrem a equipe de iniciação; iv. Convém que os integrantes da equipe de iniciação tenham designação de alterno. c) O responsável pela iniciação deve manter registro da composição da equipe de iniciação no Documento de Visão. i. O responsável pela iniciação deve preencher a seção Identificação dos envolvidos ; ii. Convém que o registro seja feito também na ferramenta oficial de gerência de projetos. Saídas Documento de Visão (com as informações da equipe de iniciação) Banco Central do Brasil, 2015 Página 8 de 14

9 Preparar para a identificação das necessidades do negócio Descrição Esclarecimento da forma como será feita a identificação das necessidades do negócio. Cada reunião preparatória tem duração aproximada de 1h. Entradas Demanda de TI Documento de Visão Tarefas a) O responsável pela iniciação deve convidar demais integrantes da equipe de iniciação para esclarecer como será feito o workshop para identificação das necessidades do negócio; Nota: i. O responsável pela iniciação pode convidar a equipe de metodologia para auxiliá-lo na reunião. b) O responsável pela iniciação deve realizar reunião preparatória com os desenvolvedores que participarão da identificação das necessidades do negócio; i. O responsável pela iniciação deve conscientizar os desenvolvedores sobre os benefícios para o projeto de TI quando conhecem o processo de negócio, seus problemas e oportunidades; ii. O responsável pela iniciação deve explicar como será feita a identificação das necessidades do negócio; iii. O responsável pela iniciação deve estimular a participação ativa dos desenvolvedores durante a identificação das necessidades do negócio. c) O responsável pela iniciação deve realizar reunião preparatória com os representantes da área de negócio que fazem parte da equipe de iniciação; i. O responsável pela iniciação deve explicar como será feita a identificação das necessidades do negócio, expondo os seguintes itens: objetivo da demanda de TI, programação e resultados esperados de cada sessão, técnica 1 a ser utilizada, o que se espera de cada participante, o que deve ser evitado e próximos passos; 1 Técnica: Workshop. Banco Central do Brasil, 2015 Página 9 de 14

10 ii. O responsável pela iniciação deve solicitar que a equipe identifique os demais stakeholders que poderão contribuir para a identificação das necessidades do negócio. Os stakeholders devem ter experiência na execução das atividades do processo de negócio que estejam relacionadas ao escopo da demanda de TI. Convém que a quantidade de participantes não seja superior a 20; iii. O responsável pela iniciação deve informar ao solicitante da demanda que convém que o patrocinador fale durante a abertura do workshop; iv. O responsável pela iniciação deve pedir ao solicitante da demanda que prepare uma apresentação sobre o processo de negócio e seus objetivos, restrições e riscos. A apresentação deve durar no máximo 1h e deve conter a visão geral 2 do processo, incluindo seu ciclo de vida. d) Após a reunião, a equipe de iniciação deve executar as ações solicitadas pelo responsável pela iniciação; i. Os demais integrantes da equipe de iniciação devem informar ao responsável pela iniciação os stakeholders identificados e as respectivas unidades organizacionais representadas; ii. O responsável pela iniciação deve registrar as informações sobre os stakeholders na seção Demais stakeholders do Documento de Visão; iii. O solicitante da demanda deve convidar o patrocinador para fazer a abertura do workshop; iv. O solicitante da demanda deve preparar a apresentação da visão geral do processo de negócio. A representação da visão geral do processo de negócio deve utilizar linguagem entendida por todos os participantes; v. O solicitante da demanda pode pedir o auxílio da equipe de metodologia na representação do processo de negócio; vi. O responsável pela iniciação deve preparar a apresentação para a reunião de identificação das necessidades de negócio. Saídas Documento de Visão (com as informações sobre os stakeholders) Apresentação da visão geral do processo de negócio Apresentação para condução do workshop 2 Técnicas: Modelagem de processo, Diagrama de contexto. Banco Central do Brasil, 2015 Página 10 de 14

11 Identificar as necessidades do negócio Descrição Ocorre em um workshop com a participação da equipe de iniciação e dos demais stakeholders e tem duração aproximada de 8h, distribuídas em duas tardes. Entradas Demanda de TI Documento de Visão Apresentação da visão geral do processo de negócio Apresentação para condução do workshop Tarefas a) A equipe de iniciação deve convidar todos os stakeholders relacionados para a identificação das necessidades do negócio; Nota: i. O responsável pela iniciação pode convidar outros colaboradores do Deinf para auxiliá-lo na condução 3 do workshop, conforme necessidade. b) O responsável pela iniciação deve contextualizar os participantes a respeito do objetivo e da forma de condução do workshop; i. O responsável pela iniciação deve informar a programação e os resultados esperados de cada sessão, a técnica a ser utilizada, o que se espera de cada participante e os próximos passos; ii. O responsável pela iniciação deve comunicar que devem ser evitadas questões relacionadas a soluções de TI e detalhamento excessivo das atividades do processo de negócio; iii. Convém que discussões sem consenso sejam suspensas e registradas em ata como pendências com atribuição de responsável para acompanhamento. c) O patrocinador ou o solicitante da demanda devem fazer a abertura do workshop; i. O patrocinador ou o solicitante devem informar a motivação da demanda de TI; ii. Convém que a abertura dure até 30 minutos. d) O solicitante da demanda deve apresentar o processo de negócio; i. A apresentação deve conter as seguintes informações sobre o processo de negócio: visão geral 4 incluindo o ciclo de vida, objetivos mensuráveis de negócio, restrições e riscos do negócio; 3 Técnica: Condução de reuniões. Banco Central do Brasil, 2015 Página 11 de 14

12 ii. Convém que a apresentação dure até 1 hora. e) Os participantes devem refinar 5 os objetivos de negócio; i. Os participantes devem analisar os objetivos de negócio apresentados pelo solicitante da demanda; ii. Os objetivos devem restringir-se ao escopo da demanda de TI; iii. Os participantes devem verificar se todo o escopo da demanda de TI está contemplado pelos objetivos ou se há novos objetivos a serem adicionados; iv. Cada objetivo deve: conter, no seu nome, a etapa do processo de negócio ou o benefício/impacto que se deseja alcançar; ter uma declaração da razão pela qual ele é importante. f) Para cada objetivo de negócio os participantes devem identificar os papéis envolvidos e suas necessidades 6 ; i. As pessoas envolvidas são os executores ou consumidores de informação que podem ajudar a atingir o objetivo; ii. As necessidades são o que as pessoas precisam fazer para atingir o objetivo; iii. Convém que tanto aspectos funcionais quanto não funcionais sejam explorados. g) Para cada objetivo de negócio os participantes devem definir indicadores 7 para saber se o mesmo foi alcançado; h) Os participantes devem priorizar 8 os objetivos de negócio; Nota: i. Não havendo consenso quanto à priorização de algum objetivo, convém que o valor da priorização seja a média dos valores atribuídos pelos participantes. i) Os participantes devem classificar as necessidades; i. Convém que a classificação siga a escala: a. essencial - sem ela o objetivo de negócio não é alcançado; b. importante - sem ela o objetivo de negócio é alcançado, mas de forma menos eficaz; c. desejável: não é necessária para que o objetivo de negócio seja alcançado. ii. Não havendo consenso quanto à classificação de alguma necessidade, convém que seja assumido o critério definido pela maioria. j) Os participantes devem refinar os riscos e as restrições relacionados à demanda de TI; 4 Técnicas: Modelagem de processo, Diagrama de contexto. 5 Técnica: Impact Mapping. 6 Técnica: Brainstorming, Análise da causa raiz. 7 Técnica: modelo SMART (Específico, Mensurável, Atingível, Relevante e Tempo). 8 Técnica: Matriz GUT. Banco Central do Brasil, 2015 Página 12 de 14

13 i. Os participantes devem analisar os riscos e restrições apresentados pelo solicitante da demanda; ii. Os participantes podem acrescentar novos riscos e restrições; iii. Riscos e restrições são eventos que podem afetar negativamente o atendimento da demanda e/ou o processo de negócio escopo da demanda. k) Os participantes devem identificar os sistemas que fazem interface com o processo de negócio escopo da demanda de TI; l) O responsável pela iniciação deve registrar as informações identificadas nessa atividade no Documento de Visão. Nota: i. O responsável pela iniciação deve preencher a seção Visão do negócio. Saídas Documento de Visão (com as informações da Visão de negócio) Banco Central do Brasil, 2015 Página 13 de 14

14 3.7 Histórico de versões Data Versão Descrição 10/04/ Inclusão de tarefa para preparar os desenvolvedores na atividade Preparar para a identificação das necessidades do negócio ; Alteração no nome do produto de trabalho. 26/02/ Alteração do endereço de hiperlinks para o endereço do novo Portal do Desenvolvedor. 22/08/ Alteração do endereço de hiperlinks para o endereço da nova plataforma da intranet do Bacen. 18/07/ Revisão das seções Propósito, Escopo e Resultados Esperados. 12/05/ Pequenas correções nas atividades Preparar para a identificação das necessidades do negócio e Identificar as necessidades do negócio. 16/04/ Revisão das atividades do processo visando o alinhamento das necessidades com os objetivos de negócio; Inclusão de técnicas de apoio; Revisão das seções: Definições e Papéis. 29/08/ Revisão das seções: Definições, Resultados esperados, Produtos de trabalho; 12/07/ Versão inicial. Revisão nas atividades Preparar para a identificação das necessidades do negócio e Identificar as necessidades do negócio ; Exclusão das setas de fluxo do processo. Banco Central do Brasil, 2015 Página 14 de 14

PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1

PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1 PPS - Processo de Proposta de Solução Versão 1.3.1 Banco Central do Brasil, 2015 Página 1 de 13 Índice 1. FLUXO DO PPS - PROCESSO DE PROPOSTA DE SOLUÇÃO... 3 2. SOBRE ESTE DOCUMENTO... 4 2.1 GUIA DE UTILIZAÇÃO...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Nome da Empresa. <Nome do Projeto> Plano de Desenvolvimento de Software. Versão <1.0>

Nome da Empresa. <Nome do Projeto> Plano de Desenvolvimento de Software. Versão <1.0> Nome da Empresa Plano de Desenvolvimento de Software Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 2/7 Índice Analítico 1. Objetivo

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, POLÍTICA INSTITUIDA ATO TRT 11ª REGIÃO Nº 058/2010/SGP (Publicado DOJT 26/10/2010) Institui a Política Organizacional de Gerenciamento de Projetos no âmbito do A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO

PLANO DE GERENCIAMENTO DO PROJETO Identificação do Projeto Projeto Nome do projeto. Unidade Demandante Unidade que solicitou o projeto. Gestor do Projeto Nome do Gestor do projeto. Responsável na Unidade Demandante Nome do Responsável

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Termo de Abertura do Projeto. Identificando as Partes Interessadas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 9 de Dezembro de 2005 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Parte 8 Leandro Loss, Dr. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Quantitativa Qualitativa Medidas de tratamento

Leia mais

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014.

SETIS- III Seminário de Tecnologia Inovação e Sustentabilidade 4 e 5 de novembro de 2014. A importância da comunicação no gerenciamento de projetos de softwares: reflexões teóricas Lucas Krüger lucas_kruger-@hotmail.com Resumo: Esse artigo objetiva estudar a comunicação entre cliente e desenvolvedor

Leia mais

QUANDO este projeto deve ser realizado e QUANTO este projeto deverá custar?

QUANDO este projeto deve ser realizado e QUANTO este projeto deverá custar? O PROJECT MODEL CANVAS (www.pmcanvas.com.br) é uma ferramenta que permite que um projeto seja entendido no contexto dos aspectos Fundamentals da teoria de gerenciamento de projetos. A metodologia facilita

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3.

Disciplina: Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3. Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração AULA 3 Ago/2013 Gerenciamento de Projetos e Práticas de Integração Áreas de conhecimentos de gerenciamento de projetos ESCOPO TEMPO CUSTO QUALIDADE RECURSOS

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP.

II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP. II. FASE DE PLANEJAMENTO define a maturidade do entendimento do escopo e, o desenvolvimento do Plano do Projeto PP. Nesta fase busca-se o refinamento dos objetivos do projeto e detalhamento do melhor caminho

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Prêmio Inovação UP 2012 Manual de Preenchimento do Formulário

Prêmio Inovação UP 2012 Manual de Preenchimento do Formulário ORIENTAÇÕES GERAIS Considerando que projeto deverá ser executado de agosto de 2012 a janeiro de 2013, avaliar a viabilidade de execução e finalização no prazo. Para preencher o formulário, observar as

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

Gestão de Projetos GNG- 103

Gestão de Projetos GNG- 103 Gestão de Projetos GNG- 103 GNG-103 Gestão de Projetos Definir metas e objetivos do projeto Conciliar entregas Descobrir requisitos Determinar premissas e restrições Compilando a declaracao do escopo do

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais

MPU 2010 CESPE. Série Provas Comentadas. Cargo 25 Analista de Desenvolvimento de Sistemas

MPU 2010 CESPE. Série Provas Comentadas. Cargo 25 Analista de Desenvolvimento de Sistemas http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Provas Comentadas CESPE MPU 2010 Cargo 25 Analista de Desenvolvimento de Sistemas Conceitos de Governança de TI e Escritório de Projetos Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Aula 04 - Planejamento Estratégico

Aula 04 - Planejamento Estratégico Aula 04 - Planejamento Estratégico Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você saiba definir o escopo do projeto. Para tal, serão apresentados elementos que ajudem a elaborar

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Módulo 4 Governança de TI Dinâmica 1 Discutir, em grupos: Por que então não usar as palavras ou termos Controle, Gestão ou Administração? Qual seria a diferença entre os termos:

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto Produto do Projeto

Gerenciamento do Escopo do Projeto Produto do Projeto Gerenciamento do Escopo do Projeto Produto do Projeto 5. Gerenciamento do escopo do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 5.1 Iniciação *** Reescrita e transferida para o capítulo 4 5.2 Planejamento do escopo

Leia mais

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente.

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente. Copyright 2015 PMtotal.com.br - Todos os direitos reservados PMI, Guia PMBOK, PMP, CAPM são marcas registradas do Project Management Institute, Inc Simulado de 20 questões para as provas CAPM e PMP do

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos

Workshop PMBoK. Gerenciamento de Recursos Humanos Workshop PMBoK Gerenciamento de Recursos Humanos Paulo H. Jayme Alves Departamento de Inovação Tecnológica - DeIT Janeiro de 2009 1 Envolvimento da equipe Os membros da equipe devem estar envolvidos: Em

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador>

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador> FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser desenvolvido

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO

ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO ELABORAÇÃO DE UM PRODUCT BACKLOG EFETIVO Product Backlog Building Fábio Aguiar Agile Coach & Trainer SCRUM SCRUM Desenvolvimento de Software com ENTREGAS FREQUENTES e foco no VALOR DE NEGÓCIO PRODUTO release

Leia mais

Extração de Requisitos

Extração de Requisitos Extração de Requisitos Extração de requisitos é o processo de transformação das idéias que estão na mente dos usuários (a entrada) em um documento formal (saída). Pode se entender também como o processo

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Planejamento e Gestão de Projetos Prof. Msc Maria C. Lage Prof. Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Riscos 1 Introdução Gerenciamento

Leia mais

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Preparado por Cassius Marcellus de Freitas Rodrigues Versão: 1.1 Renata Rossi de Oliveira Aprovado por 17/09/12 Nome do Projeto:

Leia mais

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma sequência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e definido,

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

Questões. Gestão de Projetos GNG- 103. Questões. Gestão de Projetos GNG- 103 15/11/2006

Questões. Gestão de Projetos GNG- 103. Questões. Gestão de Projetos GNG- 103 15/11/2006 Questões Gestão de Projetos GNG- 103 GNG-103 Gestão de Projetos O que é gerenciamento de s? Cite algumas vantagens da organização por. Quais são os cinco grupos de processos de gerenciamento de s? Cite

Leia mais

Plano de Gerenciamento do Projeto

Plano de Gerenciamento do Projeto Projeto para Soluções Contábeis 2015 Plano de Gerenciamento do Projeto Baseado na 5ª edição do Guia PMBOK Brendon Genssinger o e Elcimar Silva Higor Muniz Juliermes Henrique 23/11/2015 1 Histórico de alterações

Leia mais

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso

Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Engenharia de Requisitos Estudo de Caso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Engenharia de Requisitos Exemplo 1 Reserva de Hotel 1. INTRODUÇÃO Este

Leia mais

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MPR MPR/SPI-801-R00 PARCERIAS COM INSTITUIÇÕES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO 05/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 18 de maio de 2015. Aprovado, Tiago Sousa Pereira 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Capítulo X. Gerenciar Mudanças dos Requisitos. Aluizio Saiter, M. Sc.

Capítulo X. Gerenciar Mudanças dos Requisitos. Aluizio Saiter, M. Sc. Capítulo X Gerenciar Mudanças dos Requisitos., M. Sc. 2 1. Sobre a disciplina de gerência de requisitos. 2. Boas práticas em engenharia de software. 3. Introdução a gerência de requisitos. 4. Introdução

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial Conexão Gerencial é um programa modular de Desenvolvimento Gerencial cujos principais objetivos são: Promover um choque de cultura e competência gerencial e tornar mais efetivo o papel dos Gestores. Alinhar

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto

Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto Gerenciamento de Integração do Projeto Planejamento e Execução do Projeto 4. Gerenciamento de integração do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 4.1 Desenvolver o termo de abertura do projeto 4.2 Desenvolver

Leia mais

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) PMI O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? O PMBoK Guide 3º Edition (2004) é uma denominação que representa todo o somatório de conhecimento dentro da área de gerenciamento de projetos, além de fornecer uma

Leia mais

Como Elaborar uma RFP

Como Elaborar uma RFP Como Elaborar uma RFP Eduardo Mayer Fagundes Engenheiro eletricista, especialista em telecomunicações, mestre em Ciência da Computação. Extensão universitária em Darden School of Business na Universidade

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES

Prova de Conhecimento para Consultores de Implementação MPS.BR INSTRUÇÕES Implementação MPS.BR 26 de maio de 2008 4 horas de duração e-mail: (DEIXAR EM BRANCO) RESULTADO: Q1 Q2 Q3 Q4 Q5 Q6 Q7 Q8 Q9 Q10 Nota INSTRUÇÕES Para a maioria das questões você tem mais de uma opção e

Leia mais

GUIA DO SGD. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS. Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará

GUIA DO SGD. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS. Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará GUIA DO SGD Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará em vigor em todas as empresas do Sistema Eletrobrás ainda este ano. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS A T R A N S

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço Service Level Management SLM Gerenciamento de Níveis de Serviço 1 É o balanço o entre... Qualidade dos serviços entregues Expectativa do cliente 2 Processo: Definições Service Level Management (SLM) Têm

Leia mais

Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013)

Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013) Qualidade de Software MPS.BR - Questões CESPE (2010 a 2013) Professor Gledson Pompeu gledson.pompeu@gmail.com Acesse nosso site em WWW.DOMINANDOTI.COM.BR Versões atualizadas de notas de aula e listas de

Leia mais

O que acontece antes do projeto começar?

O que acontece antes do projeto começar? O que acontece antes do projeto começar? Selecionar o projeto com base no alinhamento estratégico e retorno para o negócio Identificar necessidades do negócio e oportunidades que serão atendidas pelo projeto

Leia mais

Guia para elaboração de lições aprendidas

Guia para elaboração de lições aprendidas Guia para elaboração de lições aprendidas Versão: 2.0 Elaborado por: Caio Ruegg Data: 19 de Novembro 2009 Conteúdo Pág. # Objetivo 3 Alcance 3 Definições básicas 3 Por que realizá-las 3 Como preparar-las

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014 Dispõe sobre a aprovação do Documento Acessório Comum Política de Gestão de Riscos,

Leia mais

O Planejamento Estratégico pode ser considerado como uma Bússola e Guia de Apoio à decisão das organizações. É uma metodologia para construir o

O Planejamento Estratégico pode ser considerado como uma Bússola e Guia de Apoio à decisão das organizações. É uma metodologia para construir o O Planejamento Estratégico pode ser considerado como uma Bússola e Guia de Apoio à decisão das organizações. É uma metodologia para construir o futuro da empresa. O que pode fazer pela minha empresa? Avaliar

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Comunicações

Plano de Gerenciamento das Comunicações Projeto: Simul-e Plano de Gerenciamento das Comunicações Versão 1.0 Página 1 de 9 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 01/11/2015 1.0 Criação do Documento Hugo Pazolline Página 2 de 9 Índice

Leia mais

Atividade: COBIT : Entendendo seus principais fundamentos

Atividade: COBIT : Entendendo seus principais fundamentos SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PIAUÍ CAMPUS FLORIANO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PERÍODO

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Edital CESAR.EDU N 02/2011

Edital CESAR.EDU N 02/2011 C.E.S.A.R.EDU Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE SOFTWARE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Recomendação MEC/CAPES N o. 234_6/2006/CTC/CAPES

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Rafael Milani do Nascimento, Claudete Werner Universidade Paranaense (Unipar)

Leia mais

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling

DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING. Uma aplicação da Análise de Pontos de Função. Dimensionando projetos de Web- Enabling DIMENSIONANDO PROJETOS DE WEB-ENABLING Uma aplicação da Análise de Pontos de Função Dimensionando projetos de Web- Enabling Índice INTRODUÇÃO...3 FRONTEIRA DA APLICAÇÃO E TIPO DE CONTAGEM...3 ESCOPO DA

Leia mais

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software

Modelo para Documento de. Especificação de Requisitos de Software Modelo para Documento de Especificação de Requisitos de Software Prof. Dr. Juliano Lopes de Oliveira (Baseado na norma IEEE Std 830-1993 - Recommended Practice for Software Requirements Specifications)

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações METODOLOGIA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES ORIGEM Departamento de

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Trabalho / PEM Tema: Frameworks Públicos Grupo: equipe do TCC Entrega: versão digital, 1ª semana de Abril (de 31/03 a 04/04), no e-mail do professor (rodrigues.yuri@yahoo.com.br)

Leia mais

ATO Nº 233/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 233/2013. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 233/2013 Institui a Política de Gerenciamento de Serviços de Tecnologia da Informação (TI) no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

Módulo5. Módulo 5. Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício

Módulo5. Módulo 5. Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício Módulo5 Módulo 5 Planejamento e realização de projeto de mapeamento e modelagem de processos, Responsabilidades, Atividades-chaves, Exercício Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Elaborado por: 21/08/2006 Revisado por: 21/08/2006 Aprovado por: 21/08/2006

Elaborado por: 21/08/2006 Revisado por: 21/08/2006 Aprovado por: 21/08/2006 01/07 Elaborado por: 21/08/2006 isado por: 21/08/2006 provado por: 21/08/2006 Silas Sampaio Moraes Junior SQ/MTZ Silas Sampaio Moraes Junior SQ/MTZ Silas Sampaio Moraes Junior SQ/MTZ Objetivos: Determinar,

Leia mais

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Auditoria da Tecnologia da Informação Auditoria da Tecnologia da Informação A Auditoria da TI é uma auditoria operacional, analisa a gestão

Leia mais