Palavras Chave: Ambientes Virtuais, Conhecimento, Informação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras Chave: Ambientes Virtuais, Conhecimento, Informação"

Transcrição

1 AMBIENTES COMPLEXOS E VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ivete Picarelli PUC/SP 2010 Resumo A Internet de um modo geral está abrindo espaços para novas formas de comunicação e de buscas de informação, permitindo uma nova visão mundial sem fronteiras e favorecendo a formação de grandes redes de pessoas interligadas por interesses comuns. Assim como em outras áreas, na educação cada vez mais a Internet com seus recursos está sendo utilizada, pois em franca expansão, a rede pode favorecer desde o marketing institucional, até a reflexão, produção e divulgação do conhecimento através de seus diferentes instrumentos: sites, blogs, fóruns, plataformas de estudo, comunidades de relacionamento, entre outros. Este trabalho pretende refletir sobre a necessidade de um novo pensar e fazer pedagógico com a utilização da Internet e das Tecnologias da Informação e Comunicação TIC - na educação, sob o prisma do Pensamento Complexo para que possibilitem um real avanço cognitivo em nossos alunos e alunas, de modo a garantir a efetiva comunicação e a transformação da informação em conhecimento analisada como um processo auto-eco-organizacional. Palavras Chave: Ambientes Virtuais, Conhecimento, Informação

2 2 AMBIENTES COMPLEXOS E VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ivete Picarelli PUC/SP 2010 Introdução A Internet de um modo geral está abrindo espaços para novas formas de comunicação e de buscas de informação, permitindo uma nova visão mundial sem fronteiras, favorecendo a formação de grandes redes de pessoas interligadas por interesses comuns. Na educação, assim como em outras áreas, a Internet está em crescente uso. Segundo dados do MEC Ministério da Educação e Cultura em 2009 cerca de alunos do Ensino Superior optaram por estudar na modalidade a distancia 1. Números como estes, nos permitem dizer que esta modalidade está sendo utilizada cada vez mais pelos brasileiros, que por diferentes motivos, pensam na EAD - Educação a Distancia - como uma modalidade de ensino que promove a formação ou a qualificação não presencial. Porém, o fato de termos a disposição um amplo número de informações e ferramentas nesta grande rede mundial, cada vez mais utilizada com finalidade educacional, não garante necessariamente a comunicação na educação, como também não garante a transformação da informação em conhecimento. Este artigo pretende refletir sobre a necessidade de um novo pensar e fazer pedagógico com a utilização da Internet e das Tecnologias da Informação e Comunicação TIC - na educação, para que possibilitem um real avanço cognitivo em nossos alunos e alunas. Informação não é Conhecimento O direito à informação na educação é fundamental num estado democrático, mas devemos garantir que ela chegue ao aprendiz com sentido, contextualizada, para passar a ser real a quem a detêm. 1 acessado em 20/11/2009

3 3 Uma preocupação constante quando se utiliza a Internet nas práticas educacionais é a grande quantidade de dados e informações disponíveis nestes ambientes, fazendo com que sua transformação em conhecimento requeira mais que tarefas e estudos de memorização. Valente (2005) e Morin (1990), dizem-nos que uma informação é equivalente a um dado, e difere de conhecimento.este processo de transformação da informação em conhecimento é organizacional, ou melhor, auto-eco- organizacional, pois depende de cada pessoa, das situações vivenciadas por ela e de sua interação com a sociedade e com o meio biológico em que está envolvido e compreende segundo Morin (2000) quatro níveis: o contextual, o global, o dimensional e o complexo. Quando não se consegue estruturar uma informação nesta organização que se faz em torno da interação entre sujeitos e ambiente, a informação não se sustenta não se estabelece e passa a ser desconsiderada pelo indivíduo Este processo tem início na contextualização, ou seja, na forma como cada pessoa interpreta e dá significado, de acordo com a sua apropriação individual, à informação. A contextualização da informação em ambientes virtuais de aprendizagem é necessária, mas não consegue sozinha organizá-la em conhecimento. Depende também da forma como ocorre a rede de relações, a interação entre diferentes sujeitos, sujeitos e tecnologias, sujeitos e o meio físico e virtual, professor e aluno, sujeito e realidade, e sujeito e comunidade. É a visão global do processo que faz com que entendamos as partes, ao mesmo tempo em que sua análise e suas interações nos dão a visão global do processo. Segundo Moraes (2002) e Morin (2000) devemos considerar também neste processo as multidimensões dos processos educacionais que nos permite analisar as diferentes facetas das interações, os diferentes modos como as relações podem ocorrer, e o modo como as diversidades podem favorecer os processos de ensino e de aprendizagem. E finalmente, os ambientes virtuais destinados a educação devem favorecer a construção da informação em conhecimento pela perspectiva da complexidade onde todos os elementos constitutivos e inseparáveis que os formam são analisados como numa rede em que as interações e os diálogos possibilitados entre estes elementos e o meio

4 4 ambiente biológico e social, em uma concepção global, caracterizam-se como um sistema aberto, capaz de se auto-organizar diante de situações de incerteza e caos, em busca de um novo equilíbrio. Esta organização do conhecimento envolvendo o contexto, o global, a multidimensão e o complexo favorecem a organização da informação e a construção do conhecimento, lembrando sempre que ao construir um conhecimento, o sujeito torna-se disponível para organizar novos conhecimentos, conforme explicado na figura 1: Figura 1: Organização do conhecimento elaborado pela autora INFORMAÇÃO CONTEXTUAL (meio social e cultural, paradigmas, interações) MULTI- DIMENSIONAL (reconhecer diferentes dimensões no processo, como emoção e razão) GLOBAL (descontextualização,visão global do processo, autoorganização) COMPLEXO (reconhecer que é um sistema aberto às trocas, às interações, interferências e emergências) CONHECIMENTO Portanto, para uma educação de qualidade deve-se considerar que os ambientes virtuais de aprendizagem são além de uma grande fonte de informações, acessíveis a um clique no mouse, um ambiente favorável ao processo auto-eco-organizacional essencial à construção do conhecimento. Comunicação e Conhecimento Este processo auto-eco- organizacional de transformação da informação em conhecimento, envolve outro fator; a comunicação efetiva entre os sujeitos envolvidos.

5 5 Esta comunicação ocorre na intrínseca relação entre a explicação (do professor) e a compreensão (do aluno). Sendo assim, entre a informação e o conhecimento, existe ainda a comunicação e a compreensão, que sendo subjetivas, nunca são iguais nos sujeitos envolvidos. Mas, a grande dificuldade que Morin (2003) vê na comunicação, não é a explicação e nem a compreensão, é a existência de paradigmas como estruturas de pensamento que não se alteram: tudo aquilo que não entrar no seu esquema será afastado, como insignificante (Id., Ibid., p. 127). Em ambientes virtuais de aprendizagem a explicação pode ser favorecida pelo diálogo em rede, pelo debate e enfrentamento de idéias, nos diferentes espaços de interação assíncrona ou síncrona como fórum, bate-papo, correio, já que não existe a figura do professor explicando. Pode ser também incentivada pela mediação pedagógica que garanta a problematização e argumentação na procura de respostas e pelo estar junto virtual (PRADO; VALENTE, 2002), que provoque o pensamento pela reflexão, ao mesmo tempo em que acolhe e diz estou aqui, garantindo um acompanhamento do processo de construção do conhecimento. Podemos afirmar que, através do uso das tecnologias, aumenta-se o número de informações disponíveis e novas formas de comunicação podem ser introduzidas no sistema escolar. Porém, a qualidade desta comunicação e a transformação das informações em conhecimento dependerão, em grande parte, da mediação feita pelo professor e das propostas metodológicas apresentadas pelas instituições educacionais. A mudança de paradigmas e concepções do educador e das instituições educacionais se constitui muitas vezes no elemento dificultador na comunicação efetiva que leva à aprendizagem em ambientes virtuais. Assim, o papel do professor, como sujeito detentor do poder, de discursar sobre teorias inatingíveis e incompreensíveis ao aluno, perde o significado neste novo paradigma de ensino e aprendizagem em rede, sistêmico, onde cabe ao professor permitir o diálogo, a reflexão, a relação teoria e prática, e provocar o desequilíbrio cognitivo do aluno, através de situações-problema, questionamentos, desafios, simulações, para que, através da auto-eco-organização, novos níveis de conhecimento possam ser estabelecidos.

6 6 Conclusões provisórias A construção do conhecimento não é transmitida de forma mecânica pelo ambiente virtual, ela resulta da interação do sujeito ativo, que procura respostas aos desafios surgidos, com o ambiente e com o outro. Esta interação deve ser vista em sua totalidade, como uma rede, em conexão de informações, interdependentes e complementares. Envolve, também, a relação e a comunicação entre os sujeitos envolvidos; as ferramentas virtuais, os ambientes presenciais se houverem e as realidades de cada um. Portanto, ao se utilizar tecnologias na educação deve ser considerada a sua totalidade: objetivos, estratégias, metodologias, meios culturais, sociais e físicos em que ocorre, e nas interações entre os sujeitos envolvidos e entre a tecnologia. Porém, devemos sempre considerar que esta totalidade está presente nas partes que o constituem, pois através das interações promovidas, ele estará representado em cada um dos sujeitos envolvidos. Referencial Bibliográfico FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 29. ed. São Paulo: Paz e Terra, LÉVY, P. As tecnologias da inteligência-o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, MORAES, MC. O Paradigma Educacional Emergente. 11. ed. São Paulo: Papirus, Tecendo a rede, mas com que paradigma? In: MORAES, MC (Org.). Educação a distância: fundamentos e práticas. Campinas: UNICAMP /NIED, Complexidade e mediação pedagógica: novas perspectivas para a educação e a pesquisa. São Paulo: PUC/SP, MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 4.ed. Lisboa: Instituto Piaget, Os sete saberes necessários à Educação do Futuro. 2.ed. São Paulo: Cortez, O Desafio Humano da Comunicação. In: ALMEIDA, CRS; PETRAGLIA, I; VEGA, AP (Orgs.). Edgar Morin: ética, cultura e educação. 2.ed.São Paulo: Cortez, p PICARELLI, I. Qualidades Emergentes em Ambientes Virtuais. Dissertação de Mestrado em Educação: Currículo. PUC/SP, PRADO; VALENTE, JA. A educação a distância possibilitando a formação do professor com base no ciclo da prática pedagógica. In: MORAES, MC. (Org.). Educação a distância: fundamentos e práticas. Campinas: UNICAMP /NIED, REGO, TC. Vygotsky: uma perspectiva histórico cultural na educação. 8.ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

7 7 AMBIENTES COMPLEXOS E VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM A Educação na modalidade a distancia, em franca expansão nas instituições educacionais brasileiras, torna essencial a reflexão sobre o processo de transformação da informação em conhecimento nestes ambientes. A construção do conhecimento, não é transmitida de forma mecânica pelo ambiente virtual de aprendizagem de um curso a distancia, ela é um processo organizacional, ou melhor, auto-eco- organizacional, pois depende de cada pessoa, das situações vivenciadas por ela e de sua interação com a sociedade, com o meio biológico e físico em que está envolvido. Este processo compreende segundo Morin (2000) quatro níveis: o contextual, o global, o dimensional e o complexo. INFORMAÇÃO CONTEXTUAL (meio social e cultural, paradigmas, interações) MULTI- DIMENSIONAL (reconhecer diferentes dimensões no processo, como emoção e razão) GLOBAL (descontextualização,visão global do processo, autoorganização) COMPLEXO (reconhecer que é um sistema aberto às trocas, às interações, interferências e emergências) CONHECIMENTO Portanto, o processo auto-eco-organizacional da construção do conhecimento em ambientes virtuais estará condicionado à organização interna de cada indivíduo, à proposta metodológica educacional e à comunicação efetiva entre ambos. Quando não se consegue estruturar uma informação nesta organização que se faz em torno da interação entre sujeitos e ambiente, a informação não se sustenta não se estabelece e passa a ser desconsiderada pelo indivíduo. Ivete Picarelli PUC/SP

Conhecendo Ferramentas de Interação

Conhecendo Ferramentas de Interação Gerência de Ensino a Distância Curso Tutoria em EaD Conhecendo Ferramentas de Interação Organizadora: Professora: Elisângela dos S. Menezes Ferramentas de Interação Conceito: Técnicas que possibilitam

Leia mais

TÍTULO: PROJETO EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS (EJA) CIDADÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE ESCOLA.

TÍTULO: PROJETO EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS (EJA) CIDADÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE ESCOLA. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROJETO EDUCAÇÃO JOVENS E ADULTOS (EJA) CIDADÃO: UMA EXPERIÊNCIA DE PARCERIA ENTRE UNIVERSIDADE

Leia mais

NOME DO CURSO: A Gestão do Desenvolvimento Inclusivo da Escola Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância. Parte 1 Código / Área Temática

NOME DO CURSO: A Gestão do Desenvolvimento Inclusivo da Escola Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância. Parte 1 Código / Área Temática NOME DO CURSO: A Gestão do Desenvolvimento Inclusivo da Escola Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação

Leia mais

O currículo do Ensino Religioso: formação do ser humano a partir da diversidade cultural

O currículo do Ensino Religioso: formação do ser humano a partir da diversidade cultural O currículo do Ensino Religioso: formação do ser humano a partir da diversidade cultural Prof. Ms. Henri Luiz Fuchs Pedagogo e teólogo. Professor no Centro Universitário La Salle, Canoas, RS. Integrante

Leia mais

Alfabetização matemática e direitos de aprendizagem no 1º ciclo. Luciana Tenuta lutenuta@gmail.com

Alfabetização matemática e direitos de aprendizagem no 1º ciclo. Luciana Tenuta lutenuta@gmail.com Alfabetização matemática e direitos de aprendizagem no 1º ciclo Luciana Tenuta lutenuta@gmail.com Direitos de Aprendizagem O artigo 32 da LDB estabelece que é necessário garantir o desenvolvimento da capacidade

Leia mais

Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Aprendizagem e Tecnologia Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto DEFINIÇÕES Tecnologia: A palavra Tecnologia é de origem grega, o prefixo techne significa "ofício" e o sufixo logia corresponde a"que diz". Tecnologia

Leia mais

Boas situações de Aprendizagens. Atividades. Livro Didático. Currículo oficial de São Paulo

Boas situações de Aprendizagens. Atividades. Livro Didático. Currículo oficial de São Paulo Atividades Boas situações de Aprendizagens Livro Didático Currículo oficial de São Paulo LÓGICA NUMA CONCEPÇÃO QUE SE APOIA EXCLUSIVAMENTE EM CONTEÚDOS E ATIVIDADES Enfoque fragmentado, centrado na transmissão

Leia mais

Tecnologias Digitais no Ensino da Estatística

Tecnologias Digitais no Ensino da Estatística Tecnologias Digitais no Ensino da Estatística Mauren Moreira Porciúncula da Silva Universidade Federal do Rio Grande Brasil maurenmoreira@furg.br Suzi Samá Pinto Universidade Federal do Rio Grande Brasil

Leia mais

A FLUÊNCIA TECNOLÓGICA NA EXECUÇÃO DO PAPEL DE TUTORIA*

A FLUÊNCIA TECNOLÓGICA NA EXECUÇÃO DO PAPEL DE TUTORIA* A FLUÊNCIA TECNOLÓGICA NA EXECUÇÃO DO PAPEL DE TUTORIA* Profa. Me. Érica Pereira Neto - Instituto Federal Fluminense / Campos - Centro-RJ Prof. Esp. Wellington Ribeiro Barbosa SEEDUC- RJ RESUMO: O presente

Leia mais

TÓPICOS DE RELATIVIDADE E NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO MÉDIO: DESIGN INSTRUCIONAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM.

TÓPICOS DE RELATIVIDADE E NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO MÉDIO: DESIGN INSTRUCIONAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM. TÓPICOS DE RELATIVIDADE E NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO MÉDIO: DESIGN INSTRUCIONAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM. Palavras-chave: física moderna, ambiente virtual de aprendizagem, design instrucional,

Leia mais

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia Helena Vieira Cruz INTRODUÇÃO Os ganhos decorrentes das experiências vividas pelas crianças em creches e pré-escolas dependem diretamente

Leia mais

Parcerias Digitais e a formação de professores de Língua Portuguesa: um estudo à luz da Teoria da Atividade. Simone da Costa Lima CPII/UFRJ

Parcerias Digitais e a formação de professores de Língua Portuguesa: um estudo à luz da Teoria da Atividade. Simone da Costa Lima CPII/UFRJ Parcerias Digitais e a formação de professores de Língua Portuguesa: um estudo à luz da Teoria da Atividade Simone da Costa Lima CPII/UFRJ 1. Introdução Pesquisa de cunho etnográfico e natureza colaborativa

Leia mais

Novas tecnologias ao serviço de uma pedagogia por competências. Ana Isabel Gonçalves Eliseu Alves Manuela Mendes Sónia Botelho

Novas tecnologias ao serviço de uma pedagogia por competências. Ana Isabel Gonçalves Eliseu Alves Manuela Mendes Sónia Botelho Novas tecnologias ao serviço de uma pedagogia por competências Ana Isabel Gonçalves Eliseu Alves Manuela Mendes Sónia Botelho 1 Tecnologia e sociedade de informação A velocidade das mudanças tecnológicas

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. O que são os Parâmetros Curriculares Nacionais? (A) Um documento com leis educacionais. (B) Um livro didático para ser aplicado em sala. (C) Um referencial para

Leia mais

TÍTULO: A ARTE COMO PROCESSO EDUCATIVO: UM ESTUDO SOBRE A PRÁTICA DO TEATRO NUMA ESCOLA PÚBLICA.

TÍTULO: A ARTE COMO PROCESSO EDUCATIVO: UM ESTUDO SOBRE A PRÁTICA DO TEATRO NUMA ESCOLA PÚBLICA. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A ARTE COMO PROCESSO EDUCATIVO: UM ESTUDO SOBRE A PRÁTICA DO TEATRO NUMA ESCOLA PÚBLICA. CATEGORIA:

Leia mais

CONECTIVIDADE GLOBAL E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO SÉCULO XXI Escola de GoveRNo do Rio Grande do Norte Fundação Getulio Vargas

CONECTIVIDADE GLOBAL E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO SÉCULO XXI Escola de GoveRNo do Rio Grande do Norte Fundação Getulio Vargas CONECTIVIDADE GLOBAL E COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO SÉCULO XXI Escola de GoveRNo do Rio Grande do Norte Fundação Getulio Vargas O QUE O FUTURO NOS RESERVA? CONECTIVIDADE GLOBAL MÁQUINAS INTELIGENTES

Leia mais

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO prática social NÃO-ESCOLAR - fábrica - igreja - mídia - partido político - ONGs -

Leia mais

Ambientes Virtuais e Mídias de Comunicação: Tarefa A Aluno: Maykon Dos Santos Marinho 1. Relação do itens principais

Ambientes Virtuais e Mídias de Comunicação: Tarefa A Aluno: Maykon Dos Santos Marinho 1. Relação do itens principais Ambientes Virtuais e Mídias de Comunicação: Tarefa A Aluno: Maykon Dos Santos Marinho 1. Relação do itens principais A interface está presente nos ambientes virtuais e nas mídias utilizadas em cursos EAD

Leia mais

Possibilidades da EAD na formação continuada de professores centrada no protagonismo docente. Janeiro, 2014

Possibilidades da EAD na formação continuada de professores centrada no protagonismo docente. Janeiro, 2014 Possibilidades da EAD na formação continuada de professores centrada no protagonismo docente Janeiro, 2014 Questão Central Que possibilidades a EAD fornece para o aperfeiçoamento das ações de formação

Leia mais

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/73

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/73 Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/73 Exposições 2/73 Longa duração maior tempo para pesquisar e conhecer o acervo, pensar a comunicação e as ações, desenvolver estratégias, avaliar

Leia mais

CADASTRO. Quem pode se inscrever para fazer esses cursos? Qualquer professor em exercício da rede pública estadual ou municipal.

CADASTRO. Quem pode se inscrever para fazer esses cursos? Qualquer professor em exercício da rede pública estadual ou municipal. CADASTRO O que é a Plataforma Paulo Freire? A Plataforma Paulo Freire é um sistema desenvolvido pelo Ministério da Educação para que o professor faça sua pré-inscrição em cursos de graduação, especialização,

Leia mais

O que o professor de matemática deve fazer para que seu aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula?

O que o professor de matemática deve fazer para que seu aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula? RENILSON ANDRADE COSTA¹ O que o professor de matemática deve fazer para que seu aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula? Dezembro/ 2014 SUMÁRIO 1- Introdução 2 - Motivação em sala de aula

Leia mais

Categoria Trabalho Acadêmico / Resumo Expandido

Categoria Trabalho Acadêmico / Resumo Expandido Categoria Trabalho Acadêmico / Resumo Expandido Eixo Temático - (Mudanças Climáticas) Titulo do Trabalho O Tema Aquecimento Global como instrumento de discussão do Ensino de Ciências, no projeto Casa da

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Didática II Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Compreensão dos conceitos de competências

Leia mais

TENDÊNCIA TECNICISTA. Denise Cristiane Kelly Mendes Mariane Roque

TENDÊNCIA TECNICISTA. Denise Cristiane Kelly Mendes Mariane Roque TENDÊNCIA TECNICISTA Denise Cristiane Kelly Mendes Mariane Roque O PAPEL DA ESCOLA A tendência tecnicista, na educação, tem como objetivo inserir a escola nos modelos de racionalização do sistema de produção

Leia mais

Educação Infantil e Ensino Fundamental: outras possibilidades através do PLANETA ROODA

Educação Infantil e Ensino Fundamental: outras possibilidades através do PLANETA ROODA Educação Infantil e Ensino Fundamental: outras possibilidades através do PLANETA ROODA Autoras: Caroline Bohrer do Amaral, Daisy Schneider e Sílvia Meirelles Leite. Orientadora: Prof.ª Dr.ª Patricia Alejandra

Leia mais

PROJETO CULTURA DIGITAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL

PROJETO CULTURA DIGITAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL PROJETO CULTURA DIGITAL E MOBILIZAÇÃO SOCIAL Apresentação Objetivo Geral e Justificativa Objetivos Específicos Resultados Metodologia Operacionalização Formas de investimento Orçamento Contrapartidas Apresentação

Leia mais

Tecnologias da Comunicação e da Informação na Educação

Tecnologias da Comunicação e da Informação na Educação Tecnologias da Comunicação e da Informação na Educação Prof. Liliana M. Passerino 2009 O que a educação tem a ver com tecnologia? Presença inegável da tecnologia em nossa sociedade; é segundo Levy (1993)

Leia mais

Boletim de Educação Matemática ISSN: 0103-636X bolema@rc.unesp.br. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Brasil

Boletim de Educação Matemática ISSN: 0103-636X bolema@rc.unesp.br. Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Brasil Boletim de Educação Matemática ISSN: 0103-636X bolema@rc.unesp.br Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Brasil Andrade, Mirian Maria Reseña de "A Matemática na Formação do Químico Contemporâneo"

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Formação Continuada. Alfabetização. Professores. Anos Iniciais.

PALAVRAS-CHAVE Formação Continuada. Alfabetização. Professores. Anos Iniciais. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

NOME DO CURSO: O Ensino do Sistema Braille na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: O Ensino do Sistema Braille na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância NOME DO CURSO: O Ensino do Sistema Braille na Perspectiva da Educação Inclusiva Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA

PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA JUSTIFICATIVA O ato de planejar faz parte da história do ser humano, pois o desejo de transformar sonhos em realidade objetiva é uma preocupação marcante de toda pessoa.

Leia mais

Fundamentos da Educação Infantil

Fundamentos da Educação Infantil FAAC Faculdade Afonso Cláudio Pólo Tijuca Rio de Janeiro Pós-graduação em Educação Fundamentos da Educação Infantil Rosane Tesch rosanetesch@gmail.com Educação Infantil: Fundamentos e Métodos Zilma Ramos

Leia mais

CONTEÚDOS DE FILOSOFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE FILOSOFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE FILOSOFIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE)

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) Núcleo de Apoio à Prática Profissional das Licenciaturas CURSOS DE LICENCIATURAS PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Atualizado em 17 jun 2016 5º. PERÍODO 4º. PERÍODO

Leia mais

Universidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saúde Comunitária. Professor: Walfrido Kühl. Svoboda MÉTODOS E MEIOS DE

Universidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saúde Comunitária. Professor: Walfrido Kühl. Svoboda MÉTODOS E MEIOS DE Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saúde Comunitária Disciplina: Saúde Pública P I (MS052) Professor: Walfrido Kühl Svoboda MÉTODOS E MEIOS DE EDUCAÇÃO SANITÁRIA

Leia mais

PROPOSTA DE PERFIS PV PARA ÁREAS DE VACÂNCIA OBSERVAÇÕES INICIAIS

PROPOSTA DE PERFIS PV PARA ÁREAS DE VACÂNCIA OBSERVAÇÕES INICIAIS PROPOSTA DE PERFIS PV PARA ÁREAS DE VACÂNCIA OBSERVAÇÕES INICIAIS I) A definição dos perfis propostos abaixo se deu a partir da análise do Cadastro de Pesquisas promovida pela Vice-Direção de Pesquisa

Leia mais

A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A PRÁTICA DA PESQUISA COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA ATRAVÉS DA EXTENSÃO

A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A PRÁTICA DA PESQUISA COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA ATRAVÉS DA EXTENSÃO A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A PRÁTICA DA PESQUISA COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA ATRAVÉS DA EXTENSÃO Área Temática: Educação Palavras- Chave: EaD, Extensão, Formação Continuada, Pesquisa.

Leia mais

Extensão na EaD: desafios e potencialidades

Extensão na EaD: desafios e potencialidades Extensão na EaD: desafios e potencialidades MARIA CRISTINA SCHWEITZER VEIT ASSISTENTE DE EXTENSÃO UNISULVIRTUAL ROSILÉIA ROSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CERTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL ELETIVA DE EXTENSÃO Meta

Leia mais

AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC S) NO ENSINO SUPERIOR: O CASO DE UM CURSO DE DIREITO EM MINAS GERAIS

AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC S) NO ENSINO SUPERIOR: O CASO DE UM CURSO DE DIREITO EM MINAS GERAIS AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC S) NO ENSINO SUPERIOR: O CASO DE UM CURSO DE DIREITO EM MINAS GERAIS Álisson de Almeida Santos Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) RESUMO: As Tecnologias

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Universidade de São Paulo Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Qual a USP que queremos: A USP hoje e daqui a 20 anos Estela Damato NUSP 7693618 São Paulo 2014 Introdução Pensar no futuro de uma universidade

Leia mais

Após anos 70: aumento significativo de recursos para restauração. Não se observa um aumento proporcional de

Após anos 70: aumento significativo de recursos para restauração. Não se observa um aumento proporcional de Aspectos sociais em projetos de restauração de áreas degradadas Maria Castellano CTR Campinas Gestão de recursos naturais Os recursos naturais são passíveis de serem utilizados por muitos indivíduos; É

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E PROJETOS EM TURISMO

Curso de Especialização em GESTÃO E PROJETOS EM TURISMO Curso de Especialização em GESTÃO E PROJETOS EM TURISMO ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. Turismo. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Projetos em Turismo. OBJETIVO

Leia mais

Professores Regentes: Angela Aparecida Bernegozze Marlei Aparecida Lazarin Asoni Marlene Antonia de Araujo

Professores Regentes: Angela Aparecida Bernegozze Marlei Aparecida Lazarin Asoni Marlene Antonia de Araujo 4 1. IDENTIFICAÇÃO Título do Projeto: Trabalhando a tabuada através de jogos on-line Público Alvo: Alunos do 3º e 5º do Ensino Fundamental Turno: Matutino Disciplinas Envolvidas: Matemática Professores

Leia mais

A Brink Mobil Tecnologia Educacional atua no cenário educativo há mais de trinta anos, sempre comprometida com o desenvolvimento da educação no país.

A Brink Mobil Tecnologia Educacional atua no cenário educativo há mais de trinta anos, sempre comprometida com o desenvolvimento da educação no país. Projeto Pedagógico A Brink Mobil Tecnologia Educacional atua no cenário educativo há mais de trinta anos, sempre comprometida com o desenvolvimento da educação no país. Destaca-se no âmbito da tecnologia,

Leia mais

O ENSINO NUMA ABORDAGEM CTS EM ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA

O ENSINO NUMA ABORDAGEM CTS EM ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA O ENSINO NUMA ABORDAGEM CTS EM ESCOLA PÚBLICA DE GOIÂNIA Rafaella Rodrigues Santos 1 Danielle Regina de Ávila 2 Paulo Vinícius de Carvalho 3 Mirian Pacheco Silva 4 RESUMO: Pensando na formação de sujeitos

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 3-CEPE/UNICENTRO, DE 5 DE JANEIRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Educação e Diversidade, modalidade regular, a ser ministrado no Campus de Irati, da UNICENTRO. O VICE-REITOR,

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE CURSO EM EaD. JUSTIFICATIVA (análise de cenário / análise das características da Instituição):

PROJETO BÁSICO DE CURSO EM EaD. JUSTIFICATIVA (análise de cenário / análise das características da Instituição): PROJETO BÁSICO DE CURSO EM EaD JUSTIFICATIVA (análise de cenário / análise das características da Instituição): - Objetivos da Instituição; - Programas da Instituição (citar, indicar em que fase estão

Leia mais

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL, ESPECIAL E TRANSTORNOS GLOBAIS

Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL, ESPECIAL E TRANSTORNOS GLOBAIS Curso de Especialização em EDUCAÇÃO INFANTIL, ESPECIAL E TRANSTORNOS GLOBAIS ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Infantil, Especial

Leia mais

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando a improvisação e a rotina. Explicitar princípios, diretrizes

Leia mais

O TRABALHO PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA.

O TRABALHO PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. O TRABALHO PEDAGÓGICO COMO MEDIADOR NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Roseane Soares Almeidai Rroseane Cruz Freire Rodriguesii Palavras-chave: trabalho pedagógico; formação de professor; educação

Leia mais

Concepções de educação e avaliação da aprendizagem. Prof.ª Marisa Narcizo Sampaio marisamns@gmail.com

Concepções de educação e avaliação da aprendizagem. Prof.ª Marisa Narcizo Sampaio marisamns@gmail.com Concepções de educação e avaliação da aprendizagem Prof.ª Marisa Narcizo Sampaio marisamns@gmail.com Alguns saberes docentes do campo da didática, segundo Cunha (2004) Saberes relacionados ao contexto

Leia mais

Como produzir conteúdos midiáticos digitais à Educação a Distância na educação superior Engº Doutorando Gilberto Oliani

Como produzir conteúdos midiáticos digitais à Educação a Distância na educação superior Engº Doutorando Gilberto Oliani Como produzir conteúdos midiáticos digitais à Educação a Distância na educação superior Engº Doutorando Gilberto Oliani Diretor de Educação a Distância Faculdade de Educação da UNICAMP Campinas, 11 de

Leia mais

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos Organizadoras: Francisca Izabel Pereira Maciel Mônica Correia Baptista Sara Mourão Monteiro Estrutura da exposição 1. O contexto

Leia mais

NOVOS DEBATES SOBRE A BASE NACIONAL COMUM: Desafios, perspectiva, expectativas. Suely Melo de Castro Menezes

NOVOS DEBATES SOBRE A BASE NACIONAL COMUM: Desafios, perspectiva, expectativas. Suely Melo de Castro Menezes NOVOS DEBATES SOBRE A BASE NACIONAL COMUM: Desafios, perspectiva, expectativas. Suely Melo de Castro Menezes Construção da Política Nacional Curricular MOMENTO ATUAL O MEC, em articulação com os entes

Leia mais

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA CRIANÇAS DE 6 MESES A 2 ANOS DE IDADE

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA CRIANÇAS DE 6 MESES A 2 ANOS DE IDADE 1 BERNADETE LOURDES DE SOUSA BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL PARA CRIANÇAS DE 6 MESES A 2 ANOS DE IDADE SINOP 2010 2 BERNADETE LOURDES DE SOUSA BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Leia mais

NOVOS PARADIGMAS DE LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DO LETRAMENTO DIGITAL*

NOVOS PARADIGMAS DE LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DO LETRAMENTO DIGITAL* NOVOS PARADIGMAS DE LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DO LETRAMENTO DIGITAL* 1 Eliane Miranda Machado Universidade Federal do Tocantins - UFT RESUMO: O presente artigo busca realizar um levantamento teórico acerca

Leia mais

Gerência de Integração de Tecnologias Educacionais GEIED Departamento de Tecnologia e Desenvolvimento Educacional DETED Secretaria Municipal de

Gerência de Integração de Tecnologias Educacionais GEIED Departamento de Tecnologia e Desenvolvimento Educacional DETED Secretaria Municipal de Gerência de Integração de Tecnologias Educacionais GEIED Departamento de Tecnologia e Desenvolvimento Educacional DETED Secretaria Municipal de Educação - SEMED I - articular a disseminação do uso pedagógico

Leia mais

Destaca iniciativa do Ministério da Educação de ampliar o crédito estudantil para o financiamento dos cursos superiores a distância.

Destaca iniciativa do Ministério da Educação de ampliar o crédito estudantil para o financiamento dos cursos superiores a distância. ** Discurso pronunciado pelo Deputado GONZAGA PATRIOTA PSB/PE Na Sessão do dia / / Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Destaca iniciativa do Ministério da Educação de ampliar o crédito estudantil

Leia mais

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania.

Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. Marta Lima Gerente de Políticas Educacionais de Educação em Direitos Humanos, Diversidade e Cidadania. FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DEMOCRACIA REGIME PAUTADO NA SOBERANIA POPULAR E NO RESPEITO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RONDÔNIA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE E DA DEFESA DOS USUÁRIOS DOS SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE RONDÔNIA CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE E DA DEFESA DOS USUÁRIOS DOS SERVIÇOS DE EDUCAÇÃO "A educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Se a nossa opção é progressista, se estamos a favor da vida e não da morte, da equidade e não da injustiça, do direito

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE TABELA PERIÓDICA UTILIZANDO RÓTULOS DE ALIMENTOS

CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE TABELA PERIÓDICA UTILIZANDO RÓTULOS DE ALIMENTOS CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE TABELA PERIÓDICA UTILIZANDO RÓTULOS DE ALIMENTOS Jaqueline de Souza (1); Caio César Alves de Souza Lima (1); Maria Betania Hermenegildo dos Santos (1) Universidade Federal

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Curso: Bacharelado em Psicologia. Portaria de Autorização n 657 de 08/05/2009 Publicado no D.O.U. 11/05/2009

Curso: Bacharelado em Psicologia. Portaria de Autorização n 657 de 08/05/2009 Publicado no D.O.U. 11/05/2009 Curso: Bacharelado em Psicologia Portaria de Autorização n 657 de 08/05/2009 Publicado no D.O.U. 11/05/2009 Área de Formação: Psicologia Diploma em: Bacharel em Psicologia Período de Integralização: Mínimo

Leia mais

Palavras-chave: Paulo Freire. Formação Permanente de Professores. Educação Infantil.

Palavras-chave: Paulo Freire. Formação Permanente de Professores. Educação Infantil. FORMAÇÃO PERMANENTE DOS EDUCADORES EM UMA UNIDADE ESCOLAR DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS NA PERSPECTIVA FREIREANA Ilka Campos Amaral Arnholdt Pontifícia Universidade Católica PUC/SP RESUMO Esta pesquisa tem

Leia mais

GERÊNCIA DE ENSINO Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras Português/Inglês CONCURSO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO PPP III CIRCUITO 9

GERÊNCIA DE ENSINO Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras Português/Inglês CONCURSO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO PPP III CIRCUITO 9 GERÊNCIA DE ENSINO Coordenação do Curso de Licenciatura em Letras Português/Inglês CONCURSO DO PROJETO DE INTERVENÇÃO PPP III CIRCUITO 9 SALVADOR - BAHIA - BRASIL 2009 CONCURSO PARA ESCOLHA DO MELHOR PROJETO

Leia mais

PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A)

PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A) PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A) Responsável: Setor de Coordenação Pedagógica São Luís 2010 PROJETO PROFESSOR(A) CONSELHEIRO(A) 1. APRESENTAÇÃO: A escola é espaço de construção, sistematização, apropriação

Leia mais

A Herança de Paulo Freire

A Herança de Paulo Freire A Herança de Paulo Freire Cinco Princípios-Chave que definem a visão Freiriana de Educação Musical. Eles são: Primeiro Princípio 1. Educação Musical é um Diálogo Alunos e professores apresentam um problema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS EMENTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA CH TOTAL TEÓRICA: OBJETIVOS EMENTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE BIOLOGIA CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Psicologia da Educação CÓDIGO: UNIDADE ACADÊMICA: Faculdade de Psicologia PERÍODO:

Leia mais

EAJA/PROEJA-FIC/PRONATEC

EAJA/PROEJA-FIC/PRONATEC Eixos temáticos Os Eixos Temáticos são o agrupamento de temas que auxiliam na orientação e no planejamento do trabalho, suscitando questões relacionadas à um determinado assunto e o articulando com outros

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A universalização da inclusão digital, através do desenvolvimento de uma Política Pública de Inclusão Digital, que contemple a criação de um Sistema Municipal de Inclusão Digital,

Leia mais

Reforço em Matemática. Professora Daniela Eliza Freitas. Disciplina: Matemática

Reforço em Matemática. Professora Daniela Eliza Freitas. Disciplina: Matemática Reforço em Matemática Professora Daniela Eliza Freitas Disciplina: Matemática PROPOSTA PEDAGÓGICA Justificativa: Existe um grande número de alunos que chegam no ensino médio sem saberem a matemática básica

Leia mais

ESTUDOS SOBRE SABERES DO MOVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE UM GRUPO DE PESQUISA DA UFPR

ESTUDOS SOBRE SABERES DO MOVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE UM GRUPO DE PESQUISA DA UFPR ESTUDOS SOBRE SABERES DO MOVIMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE UM GRUPO DE PESQUISA DA UFPR Marynelma Camargo Garanhani UFPR marynelma@ufpr.br Marcos Rafael Tonietto UFPR rafaeltonietto@hotmail.com

Leia mais

INCLUSÃO NO ENSINO DE FÍSICA: ACÚSTICA PARA SURDOS

INCLUSÃO NO ENSINO DE FÍSICA: ACÚSTICA PARA SURDOS INCLUSÃO NO ENSINO DE FÍSICA: ACÚSTICA PARA SURDOS Jederson Willian Pereira de Castro Helena Libardi Escola Estadual Sinhá Andrade SEE/MG Universidade Federal de Lavras Eixo Temático: Pesquisa e inovação

Leia mais

PORTARIA/SS/GAB/Nº041/2011

PORTARIA/SS/GAB/Nº041/2011 PORTARIA/SS/GAB/Nº041/2011 Aprova a Política Municipal de Educação Permanente em Saúde e dá outras providências O Secretário Municipal de Saúde, no uso das atribuições que lhe confere o Art.82, inciso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E PLANEJAMENTO EDUCACIONAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E PLANEJAMENTO EDUCACIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR E PLANEJAMENTO EDUCACIONAL INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO EDITAL N 127, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010, PUBLICADO NO

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Gestão Escolar II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Gestão escolar democrática: aspectos

Leia mais

Prof. Paulo Barreto. Teoria do Desenvolvimento organizacional

Prof. Paulo Barreto. Teoria do Desenvolvimento organizacional Prof. Paulo Barreto Teoria do Desenvolvimento organizacional Introdução O Desenvolvimento Organizacional nada mais é que as mudanças que ocorrem dentro de uma organização. Segundo essa teoria aberta, democrática

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DAS CRIANÇAS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DAS CRIANÇAS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONGRESSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA - 2013 Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis O PROCESSO DE AVALIAÇÃO DAS CRIANÇAS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL Fábio Tomaz Alves (SME/PMF e NUPEIN/UFSC) A ESTRUTURA

Leia mais

Aprendizagem Industrial. no contexto da formação profissional e tecnológica e da construção de carreiras para adolescentes e jovens

Aprendizagem Industrial. no contexto da formação profissional e tecnológica e da construção de carreiras para adolescentes e jovens Aprendizagem Industrial no contexto da formação profissional e tecnológica e da construção de carreiras para adolescentes e jovens O Instituto Jurídico da Aprendizagem No Brasil, a aprendizagem passou

Leia mais

Escrito por Administrator Qua, 02 de Setembro de 2009 00:00 - Última atualização Ter, 01 de Setembro de 2009 09:48

Escrito por Administrator Qua, 02 de Setembro de 2009 00:00 - Última atualização Ter, 01 de Setembro de 2009 09:48 Fonte: http://www.computadorparaprofessores.gov.br/ Os Correios, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil de 64 cidades recebem pedidos de educadores da rede pública ou privada para aquisição de equipamentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Edital UFRGS EAD 16 Fomento para o oferecimento de disciplinas a distância ou disciplinas presenciais com uso das TICs em cursos de graduação presenciais (Programa UAB/CAPES) I. APRESENTAÇÃO A Secretaria

Leia mais

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO DAS DST/AIDS Belo Horizonte - Minas Gerais Novembro de 2006

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO DAS DST/AIDS Belo Horizonte - Minas Gerais Novembro de 2006 VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO DAS DST/AIDS Belo Horizonte - Minas Gerais Novembro de 2006 Contextos Epidêmicos e Aspectos Sociais das DST/Aids no Brasil: Os Novos Horizontes da Prevenção José Ricardo

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Faculdade AIEC, mantida pela Associação Internacional de Educação Continuada AIEC, iniciou, em 2002, o curso de Bacharelado em Administração, na metodologia semipresencial. Foi pioneira e até hoje é

Leia mais

Gestão da Informação oportunidade ou necessidade? Luis Borges Gouveia

Gestão da Informação oportunidade ou necessidade? Luis Borges Gouveia Gestão da Informação oportunidade ou necessidade? Luis Borges Gouveia Apresentação no IESF 19:00, 12 de Abril de 2006 Gestão da Informação: oportunidade ou necessidade? As preocupações com a Gestão da

Leia mais

A TABELA PERÍÓDICA EM LIBRAS COMO INSTRUMENTO DE ACESSIBILIDADE PARA O ESTUDANTE SURDO NO APRENDIZADO DA QUÍMICA. Introdução

A TABELA PERÍÓDICA EM LIBRAS COMO INSTRUMENTO DE ACESSIBILIDADE PARA O ESTUDANTE SURDO NO APRENDIZADO DA QUÍMICA. Introdução A TABELA PERÍÓDICA EM LIBRAS COMO INSTRUMENTO DE ACESSIBILIDADE PARA O ESTUDANTE SURDO NO APRENDIZADO DA QUÍMICA *Deivisson Santos da Silva, Elias de Melo, Joferlândia Grigório Siqueira, Marcos Rogério

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO. Joselaine S. de Castro

ALFABETIZAÇÃO. Joselaine S. de Castro ALFABETIZAÇÃO Joselaine S. de Castro Pressuposto n Preciso conhecer/compreender o fenômeno para poder intervir eficazmente nele. LINGUAGEM Quatro habilidades: Ouvir Falar Ler Escrever n Recebemos: Ouvir

Leia mais

1. A IMPORTÂNCIA DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS.

1. A IMPORTÂNCIA DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS. Formulação de Objetivos Educacionais 1. A IMPORTÂNCIA DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS. A prática educativa atua no desenvolvimento individual e social dos indivíduos, proporcionando-lhes os meios de apropriação

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores. Educação a Distância. Pedagogia.

Palavras-chave: Formação de professores. Educação a Distância. Pedagogia. PARCERIA NO ENGENDRAMENTO DE UMA EDUCAÇÃO SEM DISTÂNCIAS: A EXPERIÊNCIA DA UFES NO CURSO DE PEDAGOGIA/EAD MORETO, Charles. UFES caumoreto@ig.com.br GT: Formação de Professores / n. 08 RESUMO A EAD vem

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL DO TRT DA 13ª REGIÃO

RELATÓRIO DA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL DO TRT DA 13ª REGIÃO RELATÓRIO DA PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL DO TRT DA 13ª REGIÃO A Presidência do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região, através da Assessoria de Gestão Estratégica AGE, realizou em consonância

Leia mais

Curso de Atendimento Personalizado e Call Center. Referencial Pedagógico

Curso de Atendimento Personalizado e Call Center. Referencial Pedagógico Curso de Atendimento Personalizado e Call Center Referencial Pedagógico 1. Competências Globais e Específicas Desenvolver competências gerais e específicas no âmbito do Atendimento ao Público, ao nível

Leia mais

Edital Nº04/2008 Seleção de Tutores a Distância para os cursos de:

Edital Nº04/2008 Seleção de Tutores a Distância para os cursos de: Edital Nº04/2008 Seleção de Tutores a Distância para os cursos de: Gestão do Meio Ambiente: Educação, Direito e Análise Ambiental; Gestão Pública Municipal Integrada; Tecnologia de Informação e Comunicação

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Desbravando o Mundo Digital

Resumo Aula-tema 07: Desbravando o Mundo Digital Resumo Aula-tema 07: Desbravando o Mundo Digital Você já ouviu falar em redes sociais, Twitter, Web 2.0, Blog, Orkut, YouTube? As mudanças que ocorrem na área da tecnologia são constantes e tão rápidas

Leia mais

CIDADANIA: será esse o futuro do desenvolvimento do País?

CIDADANIA: será esse o futuro do desenvolvimento do País? THATIANA SOUZA CIDADANIA: será esse o futuro do desenvolvimento do País? Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Legislação

Leia mais

Comunicações Organizacionais

Comunicações Organizacionais Comunicações Organizacionais Ideia geral Estabelecer diálogos entre diversos níveis hierárquicos a fim de promover o bom funcionamento organizacional. Objetivos Explicitar o que são comunicações organizacionais.

Leia mais

PARA PENSAR O ENSINO DE FILOSOFIA

PARA PENSAR O ENSINO DE FILOSOFIA PARA PENSAR O ENSINO DE FILOSOFIA Rosevânio de Britto Oliveira UEPB e-mail: rosevaniobritto@hotmail.com Prof. Dr. Valmir Pereira UEPB e-mail: provalmir@gmail.com Introdução Temos consciência de que a educação

Leia mais

Curso de Formação Continuada Faculdade de Educação

Curso de Formação Continuada Faculdade de Educação 1 Projeto: Curso de Formação Continuada Faculdade de Educação Autores: Cliente: Eng. Cecilio Cosac Fraguas Eng. Leandro Camara Ledel Faculdade de Educação FE Unicamp. Campinas, 06 de maio de 2002. 2 Projeto

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VERGÍLIO FERREIRA Este documento contempla as linhas gerais de orientação, para uniformização

Leia mais

CURRICULUM WEB PARA O LETRAMENTO DIGITAL NA EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA: EM BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS E NOVOS PÚBLICOS ATRAVÉS DA EAD.

CURRICULUM WEB PARA O LETRAMENTO DIGITAL NA EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA: EM BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS E NOVOS PÚBLICOS ATRAVÉS DA EAD. 1 CURRICULUM WEB PARA O LETRAMENTO DIGITAL NA EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA: EM BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS E NOVOS PÚBLICOS ATRAVÉS DA EAD Maio de 2007 Eveline Katia de Souza Pontual Cavalcante Universidade Santa

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte

Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FATEC SENAI BH A Faculdade de Tecnologia SENAI Belo Horizonte, credenciada pelo MEC pela Portaria n 1788 de 27 de maio de 2005 e despacho SEMTEC nº 311/2005, apresenta

Leia mais