O que o professor de matemática deve fazer para que seu aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que o professor de matemática deve fazer para que seu aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula?"

Transcrição

1 RENILSON ANDRADE COSTA¹ O que o professor de matemática deve fazer para que seu aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula? Dezembro/ 2014

2 SUMÁRIO 1- Introdução 2 - Motivação em sala de aula 3- Interesse do aluno na sala de aula 4- Dedicação do aluno há aprende matemática 5- Considerações finais 6- REFERÊNCIAS

3 1- Introdução O professor de matemática por ensina uma disciplina de exata, o terro de muitos alunos do ensino básico ate o superior, tem o deve de motiva seu aluno, apresentando em suas aulas a importância de aprende matemática. Nos dias atuas muitos professores esta na sala de aula apenas para passa o conteúdo para o aluno sem se importa se o aluno esta aprendendo ou não. A motivação exige do professor um diálogo com seus alunos, levantando do conteúdo um introdução com relação do que aprende em sala de aula e como usa no cotidiano e em sua vida profissional. O professor desde já deve apresenta profissões que envolva a matemática e que futuramente o seu aluno será bem sucedido já que na verdade os cursos de exata é uma demanda no mercado de trabalho. KIYOSAKI O poder da escolha, esta é a principal razão pela qual as pessoas querem viver num país livre. Há uma importância de o aluno ter interesse em aprende matemática, assim o professor vai ter a tranquilidade de ensina sem se preocupa com a desmotivação em sala de aula, sem pressiona o aluno a aprende como é visto em muitos casos, através de caderneta de presença pontua o aluno com uma avaliação que nem sempre que dizer se o aluno aprendeu de verdade só por que tiro boas notas. O interesse em aprende matemática, nem sempre vem do aluno, pois se em seu ensino básico não teve um bom professor de matemática que lhe mostrasse a importância da matemática e suas vantagens que pode ser oferecida, o aluno nunca vai encontra em si a vontade de aprende matemática já que muitos alunos se perguntam aonde vou usa isso em minha vida? para que aprende certas coisas em matemática?. A dedicação do aluno em sala de aula traz uma tranquilidade ao professor de matemática, a maioria dos professores já entra em sala de aula sabendo que maioria de seus alunos tem dificuldade em matemática, e assim ele tenta busca com que esses alunos aprenda mesmo tendo que facilita o conteúdo, a minoria que são os que gosta de matemática perde de aprende a verdade da matemática do ensino básico. No momento que o aluno tem a dedicação de aprende matemática, o professor vai de aprofunda cada vez mais e assim o aluno vai ter uma base para fazer um nível superior na área de exata. 2- Motivação em sala de aula A motivação em sala de aula tem contribuído muito para aprendizagem no ensino á matemática. No momento que o aluno tem a motivação de aprende matemática ele ira busca cada vez mais, isso fara com que esse aluno tenha uma visão bem ampla com a matemática.

4 O ensino a matemática exigem muito do aluno a compreensão e participação em sala de aula, para que o conteúdo apresentação em sala de aula não fique só na explicação, mais também na participação do aluno, nas pesquisas e resolução de exercício. [...] a aprendizagem matemática que se realiza na escola esta vinculada não só às capacidades cognitivas do aluno e ao objetivo de conhecimento, mas também às interações que os sujeitos envolvidos na situação estabelecem entre si. [...] Para os matemáticos, a matemática é uma atividade que consiste em colocar e resolve problemas. Da mesma forma, é resolvendo problemas que o aluno constrói seus conhecimentos matemáticos. (PINTO, p.58) Como cita PINTO o desejo de motiva o aluno vem do professor, ele sim é quem constrói de uma simples aula de matemática uma grande aula com aluno motivado e disposto e resolver qualquer desafio. A aula de matemática deve está presente, além dos cálculos, uma dinâmica ou uma aplicação da matemática em laboratório para que o aluno relacione a matemática com as atividades do cotidiano, e veja aonde esta a matemática e seus cálculos. [...] a linguagem não é suficiente para explicar o pensamento, pois as estruturas que caracteriza esta última têm suas raízes na ação e nos mecanismos sensomotores que são mais profundo que o fato linguístico. (Piaget, p.85). Como cita Piaget a linguagem não é suficiente para que o aluno aprenda, é necessária uma ação do que esta sendo ensinado com a aplicação, o seja o aluno tem que pratica o que aprendeu na teoria. Segundo COLL et al (2010) A aprendizagem autodirigida ou autônoma existe desde que exista um motivo para aprende alguma coisa [...]. Para motiva o aluno o professor deve trazer coisas novas que seja do entenrece do aluno e possa relaciona com o conteúdo. 3- Interesse do aluno na sala de aula O interesse do aluno na sala de aula ira ajuda na participação e interação a aprendizagem. Para que o aluno tenha o interesse de aprende algo, é necessário ter uma motivação, pois na atualidade deparamos com aluno que estão na sala de aula no intuito de termina o ensino básico, sem se preocupa com o que esta aprendendo ou para que aprender certos conteúdos. Um ser ligado a interesses e em relação aos quais tanto pode manter-se fiel à eticidade quanto pode transgredi-la. É exatamente porque nos tornamos éticos que se criou para nós a probabilidade como afirmou antes, de violar a ética. (FREIRE, p.69). O professor deve além de ensina o conteúdo, apresenta para seu aluno aonde ele vai usa. Segundo GADOTTI (2013), enquanto não construirmos um sentido a nossa profissão, o nosso aprendizado o aluno estará ligado á escola. Assim o aluno não ira ter uma conclusão

5 de aprende para usa futuramente. A incorporação de novo conhecimentos sobre o ensinar e o aprender matemática não se faz de forma linear: é preciso que alguns conflitos sejam colocados ao professor, com vistas a um redimensionamento de suas ações. (PINTO, p. 149). No entendo a colocação de apresenta aos alunos a matemática no dia a dia traz da teoria uma realidade cotidiana, levado o aluno a interessa cada vez mais no conteúdo de matemática. ''[ ] os conteúdos escolares estão em contradição não somente com a possibilidades reais dos alunos em assimilá-los como também com os interesses majoritários da sociedade [...].''(LIBÂNEO, 2006, p.121). Como cita LIBÂNEO o conteúdo ensinado em sala de aula esta presente no cotidiano, no momento que o aluno ver essa relação da realidade com a teoria escola ele ira desenvolver o seu pensamento e interessando nas aula sabendo que o que aprende existe no dia a dia. 4- Dedicação do aluno há aprende matemática A dedicação do aluno em sala de aula tem uma grande contribuição ao o ensino á matemática, já que matemática aprende praticando. No entanto o aluno deve se dedica inteiramente para que possa ter resultado nos seus estudos. Mais devemos também entende que a dedicação maior deve vim do docente, ele tem o meio deve de se dedica no ensino, e se preocupa de seus discentes estão aprendendo de verdade, lhe proporcionando um ensino para que o aluno dedique a aprende. No caso do ensino a matemática, as situações-problemas deverão ser inteligentes para os alunos. Entretanto somente isso não é suficiente, e se houve situações que leve o aluno a novos desequilíbrios. Como observaram Carvalho et al. (1992), ao torna possível ao aluno reconstrução do conhecimento, o professor permite que a aprendizagem seja o que ela ser: uma incansável perscrutação. (PINTO, p.45) O ensino exige a dedicação tanto do aluno quanto do professor, com isso o aluno irá aprende mais e o professor terá mais oportunidade de ensina, já que a dedicação motiva e interessa o aluno a aprende. A dedicação esta presente no desempenho do professor, em sua aparência e em seus métodos de ensino, o verdadeiro profissional é aquele que se dedica ao seu trabalho, no intuito de que esta contribuindo a outras pessoas sem se imposta com o seu próprio beneficio e sim com o próximo. O desempenho da sua profissão, o professor deve ter em mente a formação de personalidade dos alunos, não somente no aspecto intelectual, como também no aspecto moral, afetivo e físico. (Libâneo, p.99).

6 Portanto a dedicação em sala de aula é um fundamento do professor, quem é levado ao aluno, para que possa ajuda no ensino aprendizagem. O aluno dedicado a aprende ira ter o desejo de busca além do que se deve e o professor dedicado a ensina contribuirá em um ensino de qualidade e eficaz. 5- Considerações finais O professor de matemática é visto para uma grande parte de seus alunos um pesadelo, devido lecionar uma disciplina que é visto na sala de aula com uma péssima aparência. Além de ter um grande índice de aluno reprovado em matemática, tanto em escolas publica quanto em escolas particular. O docente de matemática tem o desafio de fazer com que o aluno goste da matemática, com isso ira lhe proporciona uma vitória de leciona em sala com alunos que interaja nas aulas com interesse de aprende. Esse perfil que a matemática é visto hoje vem de varias geração, mais estamos cientes que com a motivação, interesse e dedicação em sua aula o professor irá ter mais facilidade de ensina e também vai esta apagando da sociedade que a matemática é um terro. Na aula de matemática o docente tem o dever de mostra á teoria da matemática com uma introdução que a matemática esta presente no nosso cotidiano, pois o que é aprendido na sala de aula esta presente no dia a dia. Portanto de acordo com o que foi citado anteriormente é se levado a cré, que a matemática é uma disciplina que pelos motivos de esta sendo visto como pesadelo para o seus alunos. O ensino vem buscando cada vez mais um método para que o aluno tenha motivação, interesse e dedicação em sua aula, e que todo possa aprende com facilidade para que em seu futuro esse aluno possa ter fim lucrativo já que as áreas de exata são e serão as mais oportunas para o mercado de trabalhos. Pois o aluno que tem facilidade em matemática terá também facilidade em entra em qualquer emprego e universidade.

7 REFERÊNCIAS: COLL, César. MONEREO, Carles e colaboradores. Psicologia da Educação Virtual: Aprender e Ensina com as Tecnologias Da Informação e da Comunicação. Porto Alegre: Artmed, FREIRE, Paulo: Pedagogia da Autonomia. 26ª ed. São Paulo. Coletivo Sabotagem GADOTTI, Moacir. Boniteza de um sonho; ensinar-e-aprender com sentido, Novo Hamburgo; Feevele; LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo. Costez, 2006 KIYOSAKI; Robertt, LECHTER. Sharon. Pai Rico, Pai Pobre: O que os ricos ensinam a seus filhos sobre dinheiro. New York. Consultor Editorial: Moisés Swirski PINTO, Neuza Bertoni: O Erro Como Estratégia Didática. 2ª ed. São Paulo. Papirus PIAGET, Jean. Seis Estudos da Psicologia; 24º ed; Rio de Janeiro; Forense Universitária; 2003.

Programa de Matemática 2º ano

Programa de Matemática 2º ano Programa de Matemática 2º ano Introdução: A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

A Herança de Paulo Freire

A Herança de Paulo Freire A Herança de Paulo Freire Cinco Princípios-Chave que definem a visão Freiriana de Educação Musical. Eles são: Primeiro Princípio 1. Educação Musical é um Diálogo Alunos e professores apresentam um problema

Leia mais

PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA

PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA MANUAL DO PROJETO PEDAGÓGICO PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA PRÁTICAS CURRICULARES MATEMÁTICA LICENCIATURA Ribeirão Pires Missão da FIRP Alcançar a oferta e a prática de uma educação solidária, possibilitando

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. O que são os Parâmetros Curriculares Nacionais? (A) Um documento com leis educacionais. (B) Um livro didático para ser aplicado em sala. (C) Um referencial para

Leia mais

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos

A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos Organizadoras: Francisca Izabel Pereira Maciel Mônica Correia Baptista Sara Mourão Monteiro Estrutura da exposição 1. O contexto

Leia mais

Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM

Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM UniãoMetropolitana deeducaçãoecultura Interdisciplinar II Módulo CST: GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação do projeto interdisciplinar

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ DALGLISH GOMES ESTRUTURAS CRISTALINAS E MOLECULARES NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ DALGLISH GOMES ESTRUTURAS CRISTALINAS E MOLECULARES NA PRÁTICA PEDAGÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ DALGLISH GOMES ESTRUTURAS CRISTALINAS E MOLECULARES NA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO A utilização de materiais de fácil manuseio pode levar a um

Leia mais

TÓPICOS DE RELATIVIDADE E NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO MÉDIO: DESIGN INSTRUCIONAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM.

TÓPICOS DE RELATIVIDADE E NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO MÉDIO: DESIGN INSTRUCIONAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM. TÓPICOS DE RELATIVIDADE E NOVAS TECNOLOGIAS NO ENSINO MÉDIO: DESIGN INSTRUCIONAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM. Palavras-chave: física moderna, ambiente virtual de aprendizagem, design instrucional,

Leia mais

Programa Competências Transversais

Programa Competências Transversais Programa Competências Transversais o Consumo Consciente de Energia o Desenho Arquitetônico o Educação Ambiental o Empreendedorismo o Fundamentos de Logística o Finanças Pessoais o Legislação Trabalhista

Leia mais

4.2.2 Filtrando Macro filtro

4.2.2 Filtrando Macro filtro MACRO FILTRO A: A história O exercício de Macro Filtro é um exercício curto, mas constitui um passo muito importante que liga a geração da idéia de projeto à decisão final sobre a idéia de negócio mais

Leia mais

Reforço em Matemática. Professora Daniela Eliza Freitas. Disciplina: Matemática

Reforço em Matemática. Professora Daniela Eliza Freitas. Disciplina: Matemática Reforço em Matemática Professora Daniela Eliza Freitas Disciplina: Matemática PROPOSTA PEDAGÓGICA Justificativa: Existe um grande número de alunos que chegam no ensino médio sem saberem a matemática básica

Leia mais

INCLUSÃO NO ENSINO DE FÍSICA: ACÚSTICA PARA SURDOS

INCLUSÃO NO ENSINO DE FÍSICA: ACÚSTICA PARA SURDOS INCLUSÃO NO ENSINO DE FÍSICA: ACÚSTICA PARA SURDOS Jederson Willian Pereira de Castro Helena Libardi Escola Estadual Sinhá Andrade SEE/MG Universidade Federal de Lavras Eixo Temático: Pesquisa e inovação

Leia mais

Parcerias Digitais e a formação de professores de Língua Portuguesa: um estudo à luz da Teoria da Atividade. Simone da Costa Lima CPII/UFRJ

Parcerias Digitais e a formação de professores de Língua Portuguesa: um estudo à luz da Teoria da Atividade. Simone da Costa Lima CPII/UFRJ Parcerias Digitais e a formação de professores de Língua Portuguesa: um estudo à luz da Teoria da Atividade Simone da Costa Lima CPII/UFRJ 1. Introdução Pesquisa de cunho etnográfico e natureza colaborativa

Leia mais

O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS

O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) O profissional da informação e o papel de educador em uma Escola Técnica de Porto Alegre-RS Luciane Berto Benedetti (GHC) - lucianeberto@yahoo.com.br Resumo: Relata a experiência

Leia mais

SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS PARA OS 6ºS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ESPAÇO COMPLEMENTAR DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

SALA DE APOIO À APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS PARA OS 6ºS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ESPAÇO COMPLEMENTAR DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE

Leia mais

METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA

METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA Unidade II METODOLOGIA E PRÁTICA DO ENSINO DA MATEMÁTICA E CIÊNCIAS Prof. Me. Guilherme Santinho Jacobik Recursos para o planejamento das aulas Resolução de problemas. Portadores numéricos. Lúdico: Jogos,

Leia mais

O uso de jogos didáticos como instrumento motivador para o ensino de química: o jogo Banco Atômico Químico Ana Beatriz Francelino Jota Universidade

O uso de jogos didáticos como instrumento motivador para o ensino de química: o jogo Banco Atômico Químico Ana Beatriz Francelino Jota Universidade O uso de jogos didáticos como instrumento motivador para o ensino de química: o jogo Banco Atômico Químico Ana Beatriz Francelino Jota Universidade Federal do Rio Grande do Norte Programa Institucional

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Faculdade AIEC, mantida pela Associação Internacional de Educação Continuada AIEC, iniciou, em 2002, o curso de Bacharelado em Administração, na metodologia semipresencial. Foi pioneira e até hoje é

Leia mais

PREPARANDO ALUNOS DO ENSINO MÉDIO PARA O ENEM E PARA O VESTIBULAR

PREPARANDO ALUNOS DO ENSINO MÉDIO PARA O ENEM E PARA O VESTIBULAR PREPARANDO ALUNOS DO ENSINO MÉDIO PARA O ENEM E PARA O VESTIBULAR Diego de Souza Oliveira (Bolsista UEMS)¹; Marco Aparecido Queiroz Duarte (Orientador)² 1 Estudante do curso de Matemática da UEMS, Unidade

Leia mais

LIDANDO COM O DESCONHECIDO: A IMPORTÂNCIA DE RECORDAR CONCEITOS BÁSICOS DA MATEMÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

LIDANDO COM O DESCONHECIDO: A IMPORTÂNCIA DE RECORDAR CONCEITOS BÁSICOS DA MATEMÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO LIDANDO COM O DESCONHECIDO: A IMPORTÂNCIA DE RECORDAR CONCEITOS BÁSICOS DA MATEMÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO MÉDIO MALVEIRA, Fabiana Alves NOGUEIRA, Raiane alecrim ALMEIDA, Carlos Henrique Paula de GOMES,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED CURSO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED CURSO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS Este material foi elaborado como requisito de avaliação final da Oficina de Softwares Educacionais JClic, sob orientação da docente e assessora pedagógica Adriana Regina Perez Rech, da equipe da Coordenação

Leia mais

RELATÓRI O DE ATI VI DADES 2 0 1 3

RELATÓRI O DE ATI VI DADES 2 0 1 3 RELATÓRI O DE ATI VI DADES 2 0 1 3 Parceria Celulose Irani S.A & Junior Achievem ent de Minas Gerais Tão importante quanto semear flores, é semear idéias. Fale com outras pessoas sobre a importância de

Leia mais

Atividades do Crédito Trabalho

Atividades do Crédito Trabalho Física Moderna I Universidade de São Paulo Instituto de Física Atividades do Crédito Trabalho Profa. Márcia de Almeida Rizzutto Pelletron sala 220 rizzutto@if.usp.br 1o. Semestre de 2014 Monitores: Gabriel

Leia mais

ENRIQUECIMENTO ESCOLAR

ENRIQUECIMENTO ESCOLAR ENRIQUECIMENTO ESCOLAR Cristina Delou, Psicóloga; Doutora em Educação Professora Associado da Faculdade de Educação da UFF Presidente do ConBraSD Conselho Brasileiro para Superdotação By PresenterMedia.com

Leia mais

Público Alvo: Empresas de micro e pequeno porte do setor de Tecnologia da Informação.

Público Alvo: Empresas de micro e pequeno porte do setor de Tecnologia da Informação. GESTÃO COMERCIAL Entidade Proponente: IEL/NR Minas Gerais e SEBRAE Minas Público Alvo: Empresas de micro e pequeno porte do setor de Tecnologia da Informação. OBJETIVOS Geral: Apresentar abordagens integradas

Leia mais

CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS ACERCA DO LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS NO ENSINO FUNDAMENTAL DO 6º AO 9º ANOS DO MUNICÍPIO DE ALTOS PI

CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS ACERCA DO LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS NO ENSINO FUNDAMENTAL DO 6º AO 9º ANOS DO MUNICÍPIO DE ALTOS PI CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS ACERCA DO LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS NO ENSINO FUNDAMENTAL DO 6º AO 9º ANOS DO MUNICÍPIO DE ALTOS PI Isaura Pereira de Araújo Mesquita Graduanda em Licenciatura em Língua

Leia mais

Soletrando o Br- As- I- L com símbolos químicos

Soletrando o Br- As- I- L com símbolos químicos Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Química DQ PIBID - Química Soletrando o Br- As- I- L com símbolos químicos Antônio Joaquim Franco- Mariscal e Maria José Cano- Iglesias Bolsista:

Leia mais

Geometria Analítica. Geometria Analítica. Geometria Analítica 15/08/2012. Objetivos gerais da disciplina. Prof. Luiz Antonio do Nascimento

Geometria Analítica. Geometria Analítica. Geometria Analítica 15/08/2012. Objetivos gerais da disciplina. Prof. Luiz Antonio do Nascimento Prof. Luiz Antonio do Nascimento Objetivos gerais da disciplina Desenvolver a capacidade lógica para resolução de problemas, e de tomada de decisões. Fornecer as noções básicas de Geometria Analítica.

Leia mais

PLANEJAMENTO ACADÊMICO. Carga Horária: Presencial Distância Total PROFESSOR (A): MAT. SIAPE

PLANEJAMENTO ACADÊMICO. Carga Horária: Presencial Distância Total PROFESSOR (A): MAT. SIAPE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUDO DE EDUCAÇÃO, MATEMATICA E CIENTÍFICA LICENCIATURA INTEGRADA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, MATEMÁTICA E LINGUAGENS PLANEJAMENTO ACADÊMICO TEMA: CÓDIGO: Carga Horária: Presencial

Leia mais

Apresentação da disciplina

Apresentação da disciplina FEUP MIEIG & MIEM Ano letivo 2013/14 Disciplina: Gestão da Qualidade Total Apresentação da disciplina (v1 em 2 de setembro) José A. Faria, jfaria@fe.up.pt Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto,

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR EM EDUCAÇÃO QUÌMICA: Em busca de uma nova visão

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR EM EDUCAÇÃO QUÌMICA: Em busca de uma nova visão PROCESSO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR EM EDUCAÇÃO QUÌMICA: Em busca de uma nova visão Ranniery Felix dos Santos (IC) 1 ; Diego Robson das Chagas (IC) 1 ; Maria da Conceição Maciany de Lima (IC) 1

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS PROJETO DE PRÁTICAS BEM SUCEDIDAS EM SALA DE AULA EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DIRCEU FERNANDES BATISTA SÃO JOÃO DA BOA VISTA

Leia mais

INTEGRAR ESCOLA E MATEMÁTICA

INTEGRAR ESCOLA E MATEMÁTICA INTEGRAR ESCOLA E MATEMÁTICA BONFIM, Isabela Prado 1 NETTO, Geisson Fernandes 2 SILVA, Élida Alves da 3 CUNHA, Juliana Bernardes Borges da 4 PALAVRAS-CHAVE: Educação, Matemática, Oficinas, Laboratório.

Leia mais

Nome do autor E-mail para contato Escola Município / Estado Conteúdo Série Relato

Nome do autor E-mail para contato Escola Município / Estado Conteúdo Série Relato Nome do autor: Valmir Pereira dos Santos E-mail para contato: valmirefabio@hotmail.com Escola: Colégio Estadual Professor Jaime Rodrigues Município / Estado: Guaira / Paraná Conteúdo: Sólidos Geométricos

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS: O CARTEIRO CHEGOU

GÊNEROS TEXTUAIS: O CARTEIRO CHEGOU PRODUÇÃO b DE TEXTOS E GÊNEROS TEXTUAIS: O CARTEIRO CHEGOU Profª. Ms. Rafaela C. Beleboni Coordenação Pedagógica da Formação Continuada NAME http://ww2.itau.com.br/itaucrianca/index.htm ROTEIRO DAS AULAS

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Luciano João de Sousa. Plano de aula

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Luciano João de Sousa. Plano de aula FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Luciano João de Sousa Plano de aula Trabalho da disciplina Metodologia do português: a alfabetização Profa. Nilce da silva São Paulo 2012 Parte I caracterização

Leia mais

Professores Regentes: Angela Aparecida Bernegozze Marlei Aparecida Lazarin Asoni Marlene Antonia de Araujo

Professores Regentes: Angela Aparecida Bernegozze Marlei Aparecida Lazarin Asoni Marlene Antonia de Araujo 4 1. IDENTIFICAÇÃO Título do Projeto: Trabalhando a tabuada através de jogos on-line Público Alvo: Alunos do 3º e 5º do Ensino Fundamental Turno: Matutino Disciplinas Envolvidas: Matemática Professores

Leia mais

GUIA DO PROFESSOR SHOW DA QUÍMICA

GUIA DO PROFESSOR SHOW DA QUÍMICA Conteúdos: Tempo: Objetivos: Descrição: Produções Relacionadas: Estudo dos gases Uma aula de 50 minutos SHOW DA QUÍMICA Testar o conhecimento do aluno quanto à teoria dos gases. Os alunos de um colégio

Leia mais

Baralho das soluções: Aprendendo e se Divertindo com o PIBID de Química UFPE/CAA.

Baralho das soluções: Aprendendo e se Divertindo com o PIBID de Química UFPE/CAA. Baralho das soluções: Aprendendo e se Divertindo com o PIBID de Química UFPE/CAA. José Ewerton da Silva*, Naira Moraliza Cabral, Emília de O. Gomes e Ana Paula Souza *jose_ewer@hotmail.com/*nayrynha_cabral@hotmail.com

Leia mais

Operações com números naturais: Adição e Subtração

Operações com números naturais: Adição e Subtração Operações com números naturais: Adição e Subtração Resumo Iconográfico Duração Pré-requisitos Pré-requisitos técnicos Estratégias Avaliação LEGENDA Uma hora-aula de 45 minutos Livro Didático Conhecimentos

Leia mais

AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC S) NO ENSINO SUPERIOR: O CASO DE UM CURSO DE DIREITO EM MINAS GERAIS

AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC S) NO ENSINO SUPERIOR: O CASO DE UM CURSO DE DIREITO EM MINAS GERAIS AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC S) NO ENSINO SUPERIOR: O CASO DE UM CURSO DE DIREITO EM MINAS GERAIS Álisson de Almeida Santos Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) RESUMO: As Tecnologias

Leia mais

Resolução de Problemas. Orientador(a): Giselle Costa Alunos: André Parducci Elidiel Dantas

Resolução de Problemas. Orientador(a): Giselle Costa Alunos: André Parducci Elidiel Dantas Resolução de Problemas Orientador(a): Giselle Costa Alunos: André Parducci Elidiel Dantas Introdução Das tendências metodológicas, para o ensino da matemática, entendemos que, por meio da resolução de

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA ESCOLA NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO INFANTIL O PAPEL DA ESCOLA NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO INFANTIL (2007) Juliane Callegaro Borsa Psicóloga. Mestranda em Psicologia Clínica, PUCRS, Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisadora Bolsista do CNPq Email:

Leia mais

1. A IMPORTÂNCIA DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS.

1. A IMPORTÂNCIA DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS. Formulação de Objetivos Educacionais 1. A IMPORTÂNCIA DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS. A prática educativa atua no desenvolvimento individual e social dos indivíduos, proporcionando-lhes os meios de apropriação

Leia mais

CURSO DE PROGRAMAÇÃO BÁSICA PARA A OLIMPÍADA BRASILEIRA DE INFORMÁTICA EM DOURADOS

CURSO DE PROGRAMAÇÃO BÁSICA PARA A OLIMPÍADA BRASILEIRA DE INFORMÁTICA EM DOURADOS CURSO DE PROGRAMAÇÃO BÁSICA PARA A OLIMPÍADA BRASILEIRA DE INFORMÁTICA EM DOURADOS Jong Wan Silva 1 ; Gláucia Gabriel Sass 2 ; Discente do Curso de Ciência da Computação da UEMS, Unidade Universitária

Leia mais

O SOFTWARE R EM AULAS DE MATEMÁTICA

O SOFTWARE R EM AULAS DE MATEMÁTICA O SOFTWARE R EM AULAS DE MATEMÁTICA Renata Teófilo de Sousa (autora) Graduanda - Curso de Matemática UVA Arlécia Albuquerque Melo (co-autora) Graduanda - Curso de Matemática UVA Nilton José Neves Cordeiro

Leia mais

DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO O curso de Engenharia de Produção da Escola Superior de Tecnologia e Educação de

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP

Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Universidade de São Paulo Escola de Comunicação e Artes, ECA-USP Qual a USP que queremos: A USP hoje e daqui a 20 anos Estela Damato NUSP 7693618 São Paulo 2014 Introdução Pensar no futuro de uma universidade

Leia mais

Orientações gerais. Apresentação

Orientações gerais. Apresentação Apresentação O professor no Ensino Fundamental anos iniciais é um profissional polivalente e portanto seu campo de atuação é amplo. Seu dever é aproximar o aluno das quatro áreas do conhecimento: Linguagem

Leia mais

Administração do Relacionamento com clientes

Administração do Relacionamento com clientes Administração do Relacionamento com clientes 1 Professor: Demóstenes Moreira de Farias Fortaleza, fevereiro de 2011 Mensagem da Diretoria boas vindas e cumprimentos o professor é um educador educar é mudar

Leia mais

Formas de abordagem dramática na educação

Formas de abordagem dramática na educação 1 Formas de abordagem dramática na educação Ana Carolina Müller Fuchs O teatro no contexto escolar possui diversas abordagens que se modificaram conforme a transformação da própria educação. Inicialmente

Leia mais

NÚMEROS, ÁLGEBRA E FUNÇÕES

NÚMEROS, ÁLGEBRA E FUNÇÕES Colégio Estadual Senador Attílio Fontana - Ensino Fundamental, Médio e Profissionalizante Plano Trabalho Docente 2014 Professora: Silvia Cella Finger Disciplina: Matemática Ano:1º C 1º BIMESTRE NÚMEROS,

Leia mais

As TICs como aliadas na compreensão das relações entre a Química e a Matemática

As TICs como aliadas na compreensão das relações entre a Química e a Matemática As TICs como aliadas na compreensão das relações entre a Química e a Matemática Fernanda Hart Garcia 1* ; Denis da Silva Garcia 2 1* Professora Mestra de Matemática do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Mestrados Profissionais em Ensino: Características e Necessidades

Mestrados Profissionais em Ensino: Características e Necessidades Mestrados Profissionais em Ensino: Características e Necessidades Carlos Eduardo Aguiar Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Instituto de Física, Universidade Federal do Rio de Janeiro www.if.ufrj.br/~pef/

Leia mais

ESCOLA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

ESCOLA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 1 GUIA DO TUTOR ESCOLA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 2 ÍNDIÇE ÍNDIÇE...2 GUIA DO TUTOR...3 Introdução... 3 Orientações Gerais para TUTORES... 3 Antes de começar o curso:... 5 Ao começar o curso:... 5 Durante o

Leia mais

NAPE. Núcleo de Apoio PsicoEducativo. Divisão de Assuntos Sociais

NAPE. Núcleo de Apoio PsicoEducativo. Divisão de Assuntos Sociais NAPE Núcleo de Apoio PsicoEducativo Divisão de Assuntos Sociais Missão A missão do NAPE centra-se no combate ao insucesso e abandono escolar com intervenção dirigida preferencialmente aos alunos do pré-escolar

Leia mais

Aula 7 Projeto integrador e laboratório.

Aula 7 Projeto integrador e laboratório. Projeto integrador e laboratório Conteúdos da aula 2. Laboratório 2 O Projeto integrador: uma forma de evidenciar o saber Ao ingressar no ensino técnico, os alunos se deparam com a questão da formatação

Leia mais

VII E P A E M Encontro Paraense de Educação Matemática Cultura e Educação Matemática na Amazônia

VII E P A E M Encontro Paraense de Educação Matemática Cultura e Educação Matemática na Amazônia UTILIZAÇÃO DE JOGOS MATEMÁTICOS PARA O ENSINO DE FRAÇÕES Adriane Trindade Lopes UEPA adriane_lopes18@yahoo.com.br Gleida Tatyanna Condede Sousa UEPA gleidaconde@hotmail.com Lana Princila Brabosa Pereira

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE MATRIZ ADJUNTA E INVERSA ATRAVÉS DA INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA

RELAÇÃO ENTRE MATRIZ ADJUNTA E INVERSA ATRAVÉS DA INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA RELAÇÃO ENTRE MATRIZ ADJUNTA E INVERSA ATRAVÉS DA INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA Tahieny Kelly de Carvalho¹ Valter Costa Fernandes Junior², Marcelo Cunha Figueiredo ³ 1- IF Sudeste MG / e-mail: tahieny174@hotmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES Ms. Vanessa Paula Reginatto Dra. Miriam Ines Marchi Dra. Eniz Conceição de Oliveira Um curso de formação continuada de professores ocorreu no Centro Universitário UNIVATES,

Leia mais

Eixo Temático: (Resolução de Problemas e Investigação Matemática) TRABALHANDO COM A TRIGONOMETRIA

Eixo Temático: (Resolução de Problemas e Investigação Matemática) TRABALHANDO COM A TRIGONOMETRIA (ISBN N. 978-85-98092-14-0) Eixo Temático: (Resolução de Problemas e Investigação Matemática) TRABALHANDO COM A TRIGONOMETRIA Ana Rita DOMINGUES UNESP SP (anarita_smiley@hotmail.com) Jaime Edmundo Apaza

Leia mais

Metodologias de Ensino para a Melhoria do Aprendizado

Metodologias de Ensino para a Melhoria do Aprendizado Metodologias de Ensino para a Melhoria do Aprendizado Victor Ulisses Pugliese viktao@msn.com IFSP Eduardo Noboru Sasaki ensasaki@uol.com.br IFSP Resumo:O projeto tem por objetivo a pesquisa e o estudo

Leia mais

Aula 1 Estatística e Probabilidade

Aula 1 Estatística e Probabilidade Aula 1 Estatística e Probabilidade Anamaria Teodora Coelho Rios da Silva Aula 1 Plano de ensino Planejamento das aulas Referências Bibliográficas Atividades de Aprendizagem Orientadas Sistema de Avaliação

Leia mais

Tecnologias Digitais no Ensino da Estatística

Tecnologias Digitais no Ensino da Estatística Tecnologias Digitais no Ensino da Estatística Mauren Moreira Porciúncula da Silva Universidade Federal do Rio Grande Brasil maurenmoreira@furg.br Suzi Samá Pinto Universidade Federal do Rio Grande Brasil

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Didática II Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Compreensão dos conceitos de competências

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em Marketing

Leia mais

Estágio Supervisionado Educação Especial. Roteiro para a Elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado: Desenvolvimento.

Estágio Supervisionado Educação Especial. Roteiro para a Elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado: Desenvolvimento. Estágio Supervisionado Educação Especial Teleaula 3 Profa. Me. Cristina Rolim Chyczy Bruno tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Roteiro para a Elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado: Desenvolvimento

Leia mais

OS FATORES QUE INFLUENCIAM O DESENVOLVIMENTO HUMANO

OS FATORES QUE INFLUENCIAM O DESENVOLVIMENTO HUMANO 1 A PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO A psicologia do desenvolvimento estuda o desenvolvimento do ser humano em todos os seus aspectos: Físico-motor, intelectual, afetivo, emocional e social, ou seja, desde

Leia mais

O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A ALUNOS PORTADORES DE NECESSIDADES VISUAIS E AUDITIVAS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A ALUNOS PORTADORES DE NECESSIDADES VISUAIS E AUDITIVAS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ISSN 2316-7785 O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A ALUNOS PORTADORES DE NECESSIDADES VISUAIS E AUDITIVAS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Alexandre da Silva Universidade Regional Integrado

Leia mais

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz

A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Silvia Helena Vieira Cruz A FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia Helena Vieira Cruz INTRODUÇÃO Os ganhos decorrentes das experiências vividas pelas crianças em creches e pré-escolas dependem diretamente

Leia mais

Aula 1 Oficina de Programação e Laboratório Apresentação. Profa. Elaine Faria UFU - 2016

Aula 1 Oficina de Programação e Laboratório Apresentação. Profa. Elaine Faria UFU - 2016 Aula 1 Oficina de Programação e Laboratório Apresentação Profa. Elaine Faria UFU - 2016 Dados do Professor Elaine Ribeiro de Faria Paiva Email: elaine@ufu.br Sala: 1B137 Horário de atendimento (agendado

Leia mais

EXPLORANDO A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM O MAPLE

EXPLORANDO A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM O MAPLE EXPLORANDO A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COM O MAPLE José Domingos Albuquerque Aguiar UFRPE domingos.aguiar@ig.com.br Polyana de Cássia Cavalcanti dos Santos UFRPE - poly.cavalcanti@ig.com.br 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Educação e Avaliação: a Prova Operatória Oficina apresentada no Projeto Rondon 2015

Educação e Avaliação: a Prova Operatória Oficina apresentada no Projeto Rondon 2015 Educação e Avaliação: a Prova Operatória Oficina apresentada no Projeto Rondon 2015 Prof. Me. Roger Marcelo Martins Gomes e-mail: roger.gomes@usc.br Prof. Ms. Evete Polidoro Alquati e-mail: evete.alquati@usc.br

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE 2015

CONSELHO DE CLASSE 2015 CONSELHO DE CLASSE 2015 A visão dos professores sobre a educação no Brasil Apoio: Para fortalecer ainda mais seu compromisso com a participação dos professores no debate educacional, a Fundação Lemann

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE TABELA PERIÓDICA UTILIZANDO RÓTULOS DE ALIMENTOS

CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE TABELA PERIÓDICA UTILIZANDO RÓTULOS DE ALIMENTOS CONTEXTUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE TABELA PERIÓDICA UTILIZANDO RÓTULOS DE ALIMENTOS Jaqueline de Souza (1); Caio César Alves de Souza Lima (1); Maria Betania Hermenegildo dos Santos (1) Universidade Federal

Leia mais

CIDADANIA: será esse o futuro do desenvolvimento do País?

CIDADANIA: será esse o futuro do desenvolvimento do País? THATIANA SOUZA CIDADANIA: será esse o futuro do desenvolvimento do País? Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em Legislação

Leia mais

TRABALHANDO AS RELAÇÕES DO TEOREMA DE PITÁGORAS NO SOFTWARE GEOGEBRA. Palavras-chave: Teorema de Pitágoras; Matemática; Geogebra.

TRABALHANDO AS RELAÇÕES DO TEOREMA DE PITÁGORAS NO SOFTWARE GEOGEBRA. Palavras-chave: Teorema de Pitágoras; Matemática; Geogebra. TRABALHANDO AS RELAÇÕES DO TEOREMA DE PITÁGORAS NO SOFTWARE GEOGEBRA Josislei de Passos Vieira josisleipassos@gmail.com Liliane Martinez Antonow Liliane.martinez@ifsudestemg.edu.br Instituto Federal de

Leia mais

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR

EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais. Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO, PEDAGOGOS E PEDAGOGIA questões conceituais Maria Madselva Ferreira Feiges Profª DEPLAE/EDUCAÇÃO/UFPR EDUCAÇÃO prática social NÃO-ESCOLAR - fábrica - igreja - mídia - partido político - ONGs -

Leia mais

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando

Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando Funções Assegurar a racionalização, organização e coordenação do trabalho Docente, permitindo ao Professor e Escola um ensino de qualidade, evitando a improvisação e a rotina. Explicitar princípios, diretrizes

Leia mais

REUNIÃO PAIS. COLÉGIO VALPARAISO REDE PITÁGORAS Adolfo Eduardo Marini e Souza

REUNIÃO PAIS. COLÉGIO VALPARAISO REDE PITÁGORAS Adolfo Eduardo Marini e Souza REUNIÃO PAIS COLÉGIO VALPARAISO REDE PITÁGORAS Adolfo Eduardo Marini e Souza adolfo@colegvalparaiso.com.br Conversando O QUE ESPERAMOS DA ESCOLA DE NOSSOS FILHOS? EM QUE NOS BASEAMOS PARA ESTABELECERMOS

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome Nº 8º Ano Data: Professor: Piero/ Thales Nota: (valor 1,0) 3 o Bimestre a) Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou os conteúdos

Leia mais

MATEMÁTICA ENSINO FUNDAMENTAL

MATEMÁTICA ENSINO FUNDAMENTAL CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP PARABÉNS!!! VOCÊ JÁ É UM VENCEDOR! Voltar a estudar é uma vitória que poucos podem dizer que conseguiram. É para você, caro aluno, que desenvolvemos esse material.

Leia mais

A FLUÊNCIA TECNOLÓGICA NA EXECUÇÃO DO PAPEL DE TUTORIA*

A FLUÊNCIA TECNOLÓGICA NA EXECUÇÃO DO PAPEL DE TUTORIA* A FLUÊNCIA TECNOLÓGICA NA EXECUÇÃO DO PAPEL DE TUTORIA* Profa. Me. Érica Pereira Neto - Instituto Federal Fluminense / Campos - Centro-RJ Prof. Esp. Wellington Ribeiro Barbosa SEEDUC- RJ RESUMO: O presente

Leia mais

MESTRADO ACADÊMICO. 1. Proposta do programa

MESTRADO ACADÊMICO. 1. Proposta do programa MESTRADO ACADÊMICO Os projetos de cursos novos serão julgados por uma comissão de avaliação da área de antropologia/arqueologia com base nos dados obtidos pela aplicação dos critérios abaixo relacionados

Leia mais

ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO E SIGNIFICADOS

ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO E SIGNIFICADOS ADIÇÃO, SUBTRAÇÃO E SIGNIFICADOS CÉLIA MARIA CAROLINO PIRES Introdução: Fazendo uma breve retrospectiva O ensino das chamadas quatro operações sempre teve grande destaque no trabalho desenvolvido nas séries

Leia mais

A prova é constituída por duas partes, prova escrita e prova oral, a ter lugar em datas distintas.

A prova é constituída por duas partes, prova escrita e prova oral, a ter lugar em datas distintas. 2015/2016 ANO DE ESCOLARIDADE: 9º ANO DURAÇÃO DA PROVA ESCRITA: 90 minutos TOLERÂNCIA: 00 minutos DURAÇÃO DA PROVA ORAL: ± 15 MINUTOS INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 3.º CICLO - 1.ª e 2.ª

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL 2014/01 a 2014/02 APRESENTAÇÃO O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E PROCESSOS GERENCIAIS ADM 205 - ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL 2012_2

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E PROCESSOS GERENCIAIS ADM 205 - ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL 2012_2 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E PROCESSOS GERENCIAIS ADM 205 - ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL 2012_2 Prof. Dr. Sandro Cabral Professor do Departamento de Sistemas

Leia mais

O USO DE EXPERIMENTOS COM MATERIAIS ALTERNATIVOS NO ENSINO DE ELETROSTÁTICA

O USO DE EXPERIMENTOS COM MATERIAIS ALTERNATIVOS NO ENSINO DE ELETROSTÁTICA O USO DE EXPERIMENTOS COM MATERIAIS ALTERNATIVOS NO ENSINO DE ELETROSTÁTICA Francinaldo Maciel de Brito PPGECM/UEPB francinaldo.uepb@hotmail.com Dr. Alessandro Frederico da Silveira PPGECM/UEPB alessandrofred@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

CURRICULUM WEB PARA O LETRAMENTO DIGITAL NA EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA: EM BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS E NOVOS PÚBLICOS ATRAVÉS DA EAD.

CURRICULUM WEB PARA O LETRAMENTO DIGITAL NA EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA: EM BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS E NOVOS PÚBLICOS ATRAVÉS DA EAD. 1 CURRICULUM WEB PARA O LETRAMENTO DIGITAL NA EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA: EM BUSCA DE NOVOS DOMÍNIOS E NOVOS PÚBLICOS ATRAVÉS DA EAD Maio de 2007 Eveline Katia de Souza Pontual Cavalcante Universidade Santa

Leia mais

Júlio Furtado

Júlio Furtado Avaliação de competências: da teoria à prática Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br www.juliofurtado.com.br 1 As desaprendizagens necessárias O que é Mediar a aprendizagem? É colocar-se, intencionalmente,

Leia mais

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO

Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO Novo Programa de Matemática do Ensino Básico 3º ANO Tema: Geometria Tópico: Orientação Espacial Posição e localização Mapas, plantas e maquetas Propósito principal de ensino: Desenvolver nos alunos o sentido

Leia mais

PLANO DE AULA I. Escrito por Eliani Pereira de Souza Nascimento. Supervisionado por Rosana Silva Bonfim

PLANO DE AULA I. Escrito por Eliani Pereira de Souza Nascimento. Supervisionado por Rosana Silva Bonfim PLANO DE AULA I Escrito por Eliani Pereira de Souza Nascimento Funções no Geogebra 1 º Série do Ensino Médio (Matemática) Compreender a construção do gráfico de funções de 1o - grau, sabendo caracterizar

Leia mais

BOLETINS, UMA NOVA FORMA DE APRENDER HISTÓRIA

BOLETINS, UMA NOVA FORMA DE APRENDER HISTÓRIA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E A FORMAÇÃO DA CRIANÇA

A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E A FORMAÇÃO DA CRIANÇA A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E A FORMAÇÃO DA CRIANÇA Iama dos Santos Souza Faculdades Integradas de Patos FIP Email: iamasantossouza@hotmail.com INTRODUÇÃO A organização do espaço é um

Leia mais

Ética, Moral e Deontologia

Ética, Moral e Deontologia Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Educação Mestrado em Ensino do 1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico Ética, Moral e Deontologia Unidade Curricular: Educação para a Cidadania Docentes:

Leia mais

A Área do Círculo: Atividades Experimentais

A Área do Círculo: Atividades Experimentais A Área do Círculo: Atividades Experimentais Resumo Rita de Cássia Pavani Lamas 1 Durante o ano de 2008 foi desenvolvido o Projeto do Núcleo de Ensino da UNESP, Material Concreto para o Ensino de Geometria,

Leia mais

PNL Programação Neurolinguística para Coaching, Mentoring e outras metodologias voltadas para o Desenvolvimento e Bem-estar.

PNL Programação Neurolinguística para Coaching, Mentoring e outras metodologias voltadas para o Desenvolvimento e Bem-estar. PNL Programação Neurolinguística para Coaching, Mentoring e outras metodologias voltadas para o Desenvolvimento e Bem-estar. Suporte nos instrumentais do Sistema ISOR e na abordagem holo-sistêmica. M O

Leia mais

Trabalho 001- Estratégias oficiais de reorientação da formação profissional em saúde: contribuições ao debate. 1.Introdução

Trabalho 001- Estratégias oficiais de reorientação da formação profissional em saúde: contribuições ao debate. 1.Introdução Trabalho 001- Estratégias oficiais de reorientação da formação profissional em saúde: contribuições ao debate. 1.Introdução As pesquisas e os investimentos que influenciaram as mudanças nas propostas para

Leia mais