LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada"

Transcrição

1 ISSN LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada Volume 8, Número 1 Março de 24-1ª Edição Londrina - Paraná

2 LFNATEC - Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada ISSN COMISSÃO EDITORIAL (LFNA- UEL) Prof. Dr. Carlos Roberto Appoloni Prof. Dr. Otávio Portezan Filho Prof. Dr. Avacir Casanova Andrello Prof. Dr. Paulo Sérgio Parreira APOIO TÉCNICO: Msc. Fábio Lopes ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Camila Veiga EDITORAÇÃO WEB Eduardo Galliano CORRESPONDÊNCIA LABORATÓRIO DE FÍSICA NUCLEAR APLICADA Departamento de Física Centro de Ciências Exatas Universidade Estadual de Londrina CEP Caixa Postal 61 Londrina Paraná FLUORESCÊNCIA DE RAIOS X POR DISPERSÃO EM ENERGIA RICHARD M. DA CUNHA E SILVA, VIRGÍLIO FRANCO DO NASCIMENTO FILHO e CARLOS R. APPOLONI Universidade Estadual de Londrina, CCE, Departamento de Física, C.P 61, CEP , Londrina, Brasil. Contato: TELEFONES (43) (43) FAX (43) HOMEPAGE: publictec.html Os artigos aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores e seus colaboradores, sempre identificados em cada texto. A reprodução parcial ou total do conteúdo aqui publicado, para fins que não sejam educacionais, de divulgação científica e não comerciais, é proibida. LFNATEC - Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada, v. 8, n. 1, março 24.

3 Índice 1 Introdução Raios X Refração e reflexão dos raios X Fluorescência de raios X por dispersão em energia (EDXRF) e por reflexão total (TXRF) Fluorescência por microssonda de raios X (µ-xrf) Programa AXIL Equação dos parâmetros fundamentais Limite de detecção (LD) Equipamentos Sistema de fluorescência de raios X por dispersão em energia (EDXRF) no Laboratório de Instrumentação Nuclear/CENA/USP Sistema de microfluorescência de raios X por dispersão em energia (µ-xrf) no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron/Campinas Sistema de fluorescência de raios X por dispersão em energia (EDXRF) no Laboratório de Física Nuclear Aplicada/UEL Experimentos Análise de elementos minoritários em alumínio pela técnica de fluorescência de raios X por dispersão em energia (EDXRF), empregando a equação dos parâmetros fundamentais Resultados Método da Emissão/Transmissão (ETM) para Correção do Efeito de Absorção da Matriz para Amostras Desconhecidas Resultados Referências bibliográficas...18 i

4 1 INTRODUÇÃO 1.1 Raios X A descoberta dos raios X ocorreu quase acidentalmente em 1895 com físico alemão Wilhelm Conrad Roentgen, quando realizava experimentos de descargas elétricas dentro de um tubo de vidro onde o ar fora rarefeito. Observou-se que chapas fotográficas cobertas com papel escuro e deixadas próxima ao tubo eram sensibilizadas. A partir desse momento, Roentgen realizou a primeira chapa fotográfica da mão de sua esposa, mostrando claramente a reprodução da forma de um objeto oculto em um envoltório opaco à luz, desde que se colocasse o objeto entre o tubo e a chapa fotográfica. A primeira aplicação dos raios X foi na Medicina, e posteriormente na Indústria e na pesquisa científica. Na Medicina, os raios X são amplamente usados em radiografias dos ossos e órgãos internos. As radiografias auxiliam os médicos em diagnósticos de doenças, ossos quebrados, identificação de objetos estranhos no organismo, etc. Há a utilização dos raios X com finalidade terapêutica, baseando-se na sua ação destruidora e modificadora sobre células e os tecidos, podendo-se citar o tratamento de câncer. Ainda, os raios X são também empregados para esterilizar materiais utilizados para fins médicos, como luvas cirúrgicas, equipamentos para transfusão e seringas. Na indústria os raios X empregados para inspecionar vários tipos de amostras, como alumínio, aço e outros materiais fundidos. As radiografias revelam rachaduras e outros defeitos não visíveis nos materiais de interesse, são ainda utilizados nos testes de qualidade de muitos produtos fabricados em série, como transistores e outras peças eletrônicas e nos maiores aeroportos do mundo como aparelhos de detecção de armas. Na fabricação de plásticos utilizam-se os raios X que causam uma transformação química nas substâncias que compõem o plástico, tornado-os mais resistentes e fortes e ainda possuem grande aplicação no controle de pragas, sendo que depois de uma exposição aos raios X, os insetos machos tornando estéreis podendo copular (competindo com os machos normais), mas sem se reproduzirem. Por fim, a mais importante contribuição vem da pesquisa cientifica. Os raios X são empregados nas mais variadas linhas de pesquisa, sendo algumas delas: (1) a difratometria de raios X, responsável pela análise da estrutura e constituição de muitas substâncias químicas complexas, possibilitando a identificação da composição mineralógica da amostra, e a (2) fluorescência de raios X, possibilitando a determinação da composição química de elementos presentes em amostras, permitindo uma análise qualitativa e principalmente quantitativa. Por outro lado, a microscopia eletrônica de varredura, além da composição química do elemento na amostra, esta técnica possibilita uma micro-análise qualitativa e semiquantitativa, e uma análise morfológica de superfícies de materiais e particulados. É de conhecimento que existem várias outras técnicas que aplicam os raios X na pesquisa científica, mas a linha de grande interesse neste trabalho é a fluorescência de raios X. 1

5 A fluorescência de raios X (XRF X-Ray Fluorescence) é uma técnica analítica multielementar e não destrutiva usada para obter informações qualitativas e quantitativas da composição elementar das amostras. Esta metodologia está baseada na produção e detecção de raios X característicos emitidos pelos elementos constituintes da amostra quando irradiada com elétrons, prótons, raios X ou gama com energias apropriadas. A XRF basicamente divide-se em duas variantes analíticas distintas: a baseada na dispersão por comprimento de onda (WDXRF), existente em mais de 15. laboratórios no mundo, e a dispersão por energia (EDXRF), em 3. laboratórios (IAEA, 1999). A WDXRF desenvolveu-se nos meados da década de 6, enquanto que a EDXRF dez anos após, com o surgimento dos detectores semicondutores de silício e germânio. As sub variantes da técnica EDXRF, além da convencional, são: (1) a fluorescência de raios X por reflexão total (TXRF Total Reflection X-Ray Fluorescence), possuindo vantagens como quantidades diminutas das amostras (da ordem de 5 µl) e menores valores de limites de detecção em relação à EDXRF convencional; (2) a microfluorescência de raios X (µ-xrf), sendo a única a fornecer informações sobre a distribuição elementar na amostra. Nestas técnicas e variantes, normalmente se utiliza raios X de elementos alvo (Mo, Rh, etc) de um tubo de raios X, e mais recentemente raios X da luz síncrotron. Há outras técnicas de grande interesse que utilizam os raios X característicos produzidos para analises qualitativas e quantitativas, tais como em microscopia eletrônica de varredura (SEM Scanning Electron Microscopy), e emissão de raios X induzida por próton (PIXE Proton Induced X-Ray Emission) Refração e reflexão dos raios X Quando um feixe de radiação eletromagnética mono-energética passa de um meio (ar ou vácuo) e atinge uma superfície plana de um dado material, pode ocorrer: (1) a refração, adentrando pelo material, (2) a reflexão, refletindo pela sua superfície, com um ângulo de emergência igual ao de incidência, ou (3) a propagação do feixe sobre o plano da interface, se o ângulo de incidência for igual ao ângulo crítico, dado pela lei de Snell. De acordo com AIGINGER & WOBRAUSCHEK (1974), AIGINGER (1991) e PRANGE & SCHWENKE (1992), a ocorrência desses processos depende da energia da radiação eletromagnética incidente, da densidade eletrônica do material e do ângulo de incidência da radiação, sendo o ângulo crítico φ crit dado pela equação (1). φ crit eh =.. E ne 2πm (1) onde: e = carga elétrica do elétron (1, coulombs), h = constante de Planck (6,625 joules.s), E = energia da radiação eletromagnética (joule), n e = densidade eletrônica do material (elétron m -3 ), e 2

6 m = massa de repouso do elétron (9, gramas). A densidade eletrônica do material n e é dada pela equação (2): N Z n =. ρ. (2) e A onde: N = número de Avogadro (6, átomos), ρ = densidade do material (kg m -3 ), Z = número de elétrons em um átomo ou molécula componente do material, e A = átomograma ou molécula-grama do material (kg mol -1 ). Substituindo-se a equação (2) na equação (1) e os valores das constantes, e utilizando-se o fator de conversão de energia da radiação (1 kev = 1, J), pode-se calcular o ângulo crítico em minutos, mostrado na equação (3). φ crit = 99, 1. E ρ. Z (3) A Como exemplo, considerando um suporte de quartzo (SiO 2 ) e o feixe de excitação proveniente de um tubo de raios X com um alvo de Mo (energia da radiação do Mo K α = 17,44 kev), o ângulo crítico será de 6,4 (Figura 1). Assim, dependendo dos valores dos ângulos de incidência φ e do ângulo crítico φ crit para um dado material e para a mesma energia da radiação, tem-se as seguintes condições (Figura 2): Mo (a) se φ > φ crit ocorrerá a refração da radiação incidente, (b) se φ = φ crit ocorrerá a propagação da radiação incidente na direção da interface, e (c) se φ < φ crit ocorrerá a reflexão da radiação incidente. 6,4 Mo quartzo Figura 1 - Representação esquemática do ângulo crítico (em minutos) para o raios X Mo-K α de 17,44 kev incidindo sobre o quartzo. 3

7 Figura 2 - Representação esquemática da refração e reflexão de um feixe de radiação monocromático, incidindo em um material em um ângulo φ Fluorescência de raios X por dispersão em energia (EDXRF) e por reflexão total (TXRF) Como já foi dito, existem duas variantes clássicas na técnica de fluorescência de raios X: (1) a WDXRF, utilizando a lei de Bragg na detecção dos raios X característicos, e portanto necessitando de um movimento sincronizado e preciso entre o cristal difrator e o detector, encarecendo o sistema, e (2) EDXRF, também conhecida como fluorescência de raios X não dispersiva, com instrumentação menos dispendiosa e emprego mais prático (NASCIMENTO FILHO, 1993). Uma sub variante da fluorescência de raios X por dispersão de energia é a fluorescência de raios X por reflexão total (TXRF), descrita em HOLYNSKA (1995) e NASCIMENTO FILHO (1997). YONEDA (1963) publicou em 1963 o primeiro trabalho mostrando o fenômeno da reflexão total dos raios X, e em 1971 YONEDA & HORIUCHI utilizaram como método analítico, classificando-o de microanálise. Nesta sub variante, uma diminuta quantidade da amostra é colocada sobre um suporte de quartzo e depois excitada, fazendose incidir a radiação incidente na condição de ângulo crítico. Com isto, a amostra pode ser tratada como filme fino para fins de análise quantitativa. Assim a diferença fundamental entre a EDXRF e TXRF é na geometria de excitação-detecção, conforme mostrado na Figura 3. As vantagens do uso da TXRF em relação à EDXRF são: podem ser utilizadas amostras líquidas (da ordem de microlitros) e sólidas (da ordem de miligramas), não ocorrem os efeitos de absorção e reforço e portanto, não há necessidade de correção do efeito matriz (SIMABUCO, 1993; SIMABUCO & NASCIMENTO FILHO, 1994; ZUCCHI, 1994; CARNEIRO, 1995; CARNEIRO & NASCIMENTO FILHO, 1996), menor distância entre amostra e detector (resultando maior eficiência de detecção dos raios X), e diminuição do continuum sob os picos, resultando maior sensibilidade analítica (WOBRAUSCHEK, 1998). Porém há uma grande desvantagem, não se podendo trabalhar com amostras espessas, como é o caso das amostras geológicas e arqueológicas. 4

8 ED-XRF TXRF DETECTOR DETECTOR 3 a 6 2 a 4 cm 5 a 15 AMOSTRA 5 mm AMOSTRA SUPORTE Figura 3 - Geometria de excitação-detecção da EDXRF e TXRF, com linhas contínuas representando os raios X incidentes e espalhados, e os tracejados os raios X característicos Fluorescência por microssonda de raios X (µ-xrf) As técnicas de microanálise, particularmente aquelas que utilizam microssondas, têm demonstrado serem muito eficientes para localizar e determinar a distribuição espacial de elementos em diversos tipos de amostras. Encontram-se atualmente em vias de desenvolvimento dispositivos ópticos capazes de focalizar um feixe de raios X em pequenas regiões da amostra. Estes dispositivos, baseados no fenômeno de reflexão total, consistem de tubos capilares, dentro dos quais os feixes de raios X se propagam, refletindo-se totalmente sobre as paredes internas, sem sofrer atenuação ou dispersão. Com eles obtém-se microssondas de raios X com alta resolução espacial, da ordem de µm. Um dos principais campos de aplicação das microssondas de raios X com capilares é na microfluorescência. Mediante a realização de uma varredura da microssonda sobre a superfície da amostra, pode-se obter informações de elementos majoritários, minoritários e traços presentes. Estes mapas de elementos (mapeamento químico) são muito úteis para compreender certos processos que ocorrem em amostras heterogêneas de origem industrial, geológica, arqueológica, biológica e ambiental. 1.2 Programa AXIL A interpretação dos espectros de raios X foi feita utilizando-se o programa AXIL (Analysis of X-ray spectra by Interative Least squares fitting; ESPEN, 1977), integrante do pacote computacional QXAS (Quantitative X-ray Analysis System), desenvolvido na Universidade de Antuérpia, Bélgica. Os fatores de absorção dos raios X característicos pela matriz de interesse foram calculados utilizando-se uma sub-rotina do pacote QXAS, sendo necessário fornecer a composição química e a densidade superficial da matriz, a energia da radiação incidente (ou de excitação) e as energias dos raios X característicos dos elementos químicos presentes nessa matriz. 5

9 1.3 Equação dos parâmetros fundamentais Na µ-xrf é necessário o conhecimento básico da fluorescência de raios X por dispersão de energia. Na parte de análise quantitativa por XRF, é de fundamental importância o conhecimento e aplicação da equação básica dos parâmetros fundamentais. Quando se utiliza na excitação um feixe de radiação eletromagnética monoenergética, temse: I = c. S. A (4) onde I representa a intensidade líquida do raio X característico (cps), c a concentração (g cm -2 ), S a sensibilidade elementar (cps g -1 cm 2 ) e A o fator de absorção (adimensional) para o elemento de interesse ou analito. A sensibilidade elementar S é dada pela equação: ( 1 ). ε S = τ. w. f. 1 G. (5) onde τ representa o coeficiente de absorção do elemento para o efeito fotoelétrico na energia da radiação incidente (cm 2 g -1 ), w o rendimento da fluorescência para raios X K (fração), f a fração dos fótons emitidos como raios X K α, 1-1/j a razão de jump no corte de absorção K, G o fator geométrico e ε a eficiência do detector para o raio X característico emitido pelo analito. Por sua vez, o fator de absorção A é dado pela equação: j χρ 1 e A = χρ D D (6) sendo ρ a densidade (g cm -3 ) e D a espessura da matriz (cm), e χ o coeficiente de absorção total da matriz (cm 2 g -1 ), dado pela equação: µ µ (7) χ = + senθ senθ onde µ e µ são os coeficientes de absorção da matriz (cm 2 g -1 ) para as energias das radiações incidente e do raio X característico, respectivamente, e θ e θ são os ângulos das radiações incidente e emergente, respectivamente, em relação à superfície da amostra. Multiplicando a equação 4 por ρ.d no numerador e no denominador, tem-se: ρ. D (8) I = c. S. A ρ. D e realizando as seguintes considerações: c (9) C = ρ. D e A = A. ρ. D (1) ' 6

10 tem-se que C representa a concentração (fração) e c também, porém dimensional (g cm -2 ). Com isto, pode-se reescrever a equação 4 na forma: I = C. S. A' (11) sendo este novo fator de absorção A dimensional (g cm -2 ). Para amostras finas e espessas, duas situações experimentais extremas, a equação 11 pode ser simplificada para equações 12 e 13, respectivamente. Amostras finas A = 1 (12) 1 (13) Amostras espessas A = χ. ρ D 1.4 Limite de detecção (LD) O limite de detecção (fração) para cada elemento de interesse foi calculado de acordo com a equação proposta por BERTIN (1975, p. 531): BG t LD 3 (14) = S onde BG representa a intensidade (cps) do continuum sob o pico do analito, t o tempo (s) de excitação/detecção e S a sensibilidade elementar do analito (cps g -1 cm 2 ). 2 EQUIPAMENTOS 2.1 Sistema de fluorescência de raios X por dispersão em energia (EDXRF) no Laboratório de Instrumentação Nuclear/CENA/USP O equipamento de fluorescência de raios X convencional de EDXRF utilizado no Laboratório de Instrumentação Nuclear (LIN/CENA) mostrada na fotografia da Figura 4, é constituído por: 1. tubo de raios X, Philips, modelo PW 2215/2, com alvo de Mo e filtro de Zr; 2. energia de excitação: raio X Mo-Kα, 17,44 kev (monoenergética), 3. gerador de alta tensão, Philips, modelo PW 183, possibilitando variações de tensão e corrente de 1 a 6 kv e 1 a 6 ma, respectiva; 4. estabilizador de tensão, marca BST 6 Plus; 5. sistema de arrefecimento do tubo, marca Refrisat-Santana, mantendo a água resfriada a 17 o C; 6. detector semicondutor de Si(Li), marca Canberra, modelo SL 8175, com 8 mm 2 de área ativa, 175 ev de resolução e ; 7. sistema de aquisição de dados, baseado em analisador de pulsos multicanal, Canberra, modelo Inspector, com o programa Genie 2. 7

11 Gerador Detector Tubo Aquisição Figura 4 - Fotografia do sistema de EDXRF no LIN. 2.2 Sistema de microfluorescência de raios X por dispersão em energia (µ-xrf) no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron/Campinas Na linha de fluorescência de raios X por dispersão em energia (EDXRF) do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), centro de pesquisa operado pela Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron (ABTLuS) - CNPq/MCT, foi implantado um arranjo de microfluorescência de raios X (µ-xrf), mostrado na fotografia da Figura 5. Câmera CCD Capilar Detector Porta amostra (mesa Figura 5 - Fotografia do sistema de µ-xrf no LNLS. As características da linha de µ-xrf são: 1. dipolo D9B do anel de armazenamento (1,37 GeV e 1 ma), dupla janela de berílio; 2. energia de excitação: raio X polienergético, de 2 a 3 kev, predominando 4 kev (vide espectro mostrado na Figura 6), 3. sistema automático para o posicionamento da amostra (mesa posicionadora), 4. câmera CCD acoplada a um monitor de vídeo de 14 ; para a realização do foco; 5. capilar de quartzo, geometria cônica; com diâmetro de 2 µm no feixe de saída, 6. detector semicondutor de HPGe, marca Canberra, modelo 795-WR/S, com janela de berílio de 25 µm; 7. sistema de aquisição de dados baseado em analisador de pulsos multicanal, marca ORTEC, modelo AccuSpec-B. 8

12 4.x x1 5 Intensidade relativa (cps cm -2 ) 3.x x1 5 2.x x1 5 1.x1 5 5.x Energia (kev) Figura 6 - Espectro do feixe policromático de raios X na linha e fluorescência de raios X no LNLS 2.3 Sistema de fluorescência de raios X por dispersão em energia (EDXRF) no Laboratório de Física Nuclear Aplicada/UEL O equipamento de fluorescência de raios X de EDXRF utilizado no Laboratório de Física Nuclear Aplicada (UEL) mostrada na fotografia da Figura 7, é constituído por: 1. detector Si-PIN 2. Alta voltagem e amplificador 3. Porta amostra 4. Analisador de pulsos multicanal 5. Palm Top para aquisição dos dados Pu(13,6 e 17,2 kev)-1 mci (fonte de excitação) Figura 7 Fotografia do sistema de XRF no Laboratório de Física Nuclear Aplicada/UEL 9

13 3 EXPERIMENTOS 3.1 Análise de elementos minoritários em alumínio pela técnica de fluorescência de raios X por dispersão em energia (EDXRF), empregando a equação dos parâmetros fundamentais O objetivo deste experimento é determinar a concentração de elementos minoritários em uma matriz espessa de alumínio, com a utilização de padrões para a estimativa da sensibilidade elementar e de tabelas com valores dos coeficientes de absorção. A fonte de excitação usada foi 238 Pu (3,7 GBq) e o tempo de análise de 1 s. Para a aquisição dos dados utilizou-se espectrômetro de raios X multicanal, acoplado a um detector semicondutor de Si(Li) (LIN/CENA/USP) e detector Si-PIN (LFNA/UEL), e para a quantificação das linhas características utilizou-se o aplicativo AXIL. A quantificação das concentrações é determinada utilizando a equação 11 da FRX, e isolando a concentração, temos: I C = S.A ' (15) onde C representa a concentração (em fração), I a intensidade líquida, S a sensibilidade do determinado elemento, e A representa o fator de absorção (neste caso para amostras espessas), calculado teoricamente pela equação 16: onde χ representa o coeficiente de absorção total da matriz (em cm 2.g -1 ) A ' = 1 χ (16) µ µ χ = + senθ senθ (17) onde µ e µ representam os coeficientes de absorção da matriz para as energias das radiações incidente e do raios X característico, respectivamente, e θ e θ os ângulos da radiação incidente e emergente, respectivamente. O valor de µ é constante visto que a matriz é Al e a energia de excitação é 13,8 kev (U-L α ), sendo µ dados em Tabelas (Liebhafsky et al., 1972) ou equações (como foi o caso deste experimento) Resultados No LIN/CENA, utilizando uma fonte de 238 Pu (U-L α - 13,8 kev) e quatro amostras de referência certificadas monoelementares de filme fino da MicroMatter, EUA, de Mn, Fe, Cu e Zn, obteve-se as sensibilidades mostradas na Tabela 1 e Figura 8. 1

14 Tabela 1 Valores calculados da sensibilidade utilizando quatro amostras de referência certificadas monoelementares de filme fino da MicroMatter. Linhas Intensidade (cps) Concentração (µg.cm -2 ). Sensibilidade (cps.µg -1.cm 2 ). Mn 7,4 44,7,166 Zn 7,1 16,16,443 Fe 1,1 49,4,24 Cu 15,3 42,3,363.5 Sensibilidade (cps.µg -1.cm 2 ) S=,53.Z 2 -,235.Z + 2, R 2 =, Número atômico (Z) Figura 8 Gráfico da sensibilidade elementar versus o número atômico com detector de Si(Li). No LFNA, utilizando a mesma fonte de 238 Pu (U-L α - 13,8 kev) e oito amostras de referência certificadas monoelementares de filme fino da MicroMatter, EUA, de K, Ca, Sc, Ti Mn, Fe, Cu e Zn, obteve-se as sensibilidades mostradas na Tabela 2 e Figura 9. Tabela 2 Valores calculados da sensibilidade utilizando oito amostras de referência certificadas monoelementares de filme fino da MicroMatter. Linhas Intensidade (cps) Concentração (µg.cm -2 ). Sensibilidade (cps.µg -1.cm 2 ). 19K,6 32, Ca,8 26, Sc,8 3, Ti 2,3 21, Mn 5,3 44, Fe 6,2 49, Cu 8,9 42, Zn 3,8 16,

15 Sensibilidade elementar (cps. g -1.cm 2 ) S =,9.Z 2 -,263.Z +,1759 R 2 = Número atômico (Z) Figura 9 Gráfico da sensibilidade elementar versus o número atômico com detector de Si-PIN. A amostra de alumínio em análise mostrou picos para os elementos Ni e Ga (além do Mn, Fe, Cu e Zn), apenas o elemento Ni não foi detectado no detector de Si-PIN, e as suas sensibilidades foram calculadas através da equação dada nas Figuras 8 e 9. A partir dos valores tabelados dos valores dos coeficientes de absorção do raios X característicos fez-se um gráfico de energia versus µ s, Figura 1, podendo-se assim determinar os valores desejados para os elementos de interesse. Sendo constante o coeficiente de absorção do Al para a energia de excitação (µ = 1,3 cm 2.g -1 ), foram em seguida calculados os coeficientes totais de absorção χ de acordo com a equação 17. Coeficiente de absorção (cm 2 /g) y = 15483x -2,7994 R 2 = 1 1 Energia (kev) Figura 1 Gráfico do coeficiente de absorção (µ) versus a energia dos raios X característicos. Em seguida, utilizando a equação 15 foram calculadas as concentrações para vários elementos na amostra de alumínio. O limite de detecção em concentração para a 12

16 linha do Fe foi de 47,3 µg.g -1 e,6 µg.g -1 para o detector de Si(Li) e o Si-PIN, respectivamente. Tabela 3 Valores calculados das concentrações para alguns elementos na amostra de alumínio. Linha Energia número (kev) atômico µ (cm 2.g -1 ) χ (cm 2.g -1 ) Concentração (µg.g -1 ) Si(Li) Si-PIN Mn-Kα 5, ,3 122,5 2199, 2853,6 Fe-Kα 6, ,8 1, 2414, 2558,6 Ni-Kα 7, ,7 59,5 27,7 *ND Cu-Kα 8, ,3 69,9 3334,7 2363,2 Zn-Kα 8, ,2 51,4 99,1 11,5 Ga-Kα 9, ,7 44,9 67,6 19,4 *ND Não Detectável Esta metodologia tem a grande vantagem de necessitar de poucos padrões, ou seja, de um único padrão para cada elemento, preparado a partir de compostos puros. Apesar deste número reduzido de padrões, tem a desvantagem de necessitar a determinação dos fatores de absorção, em cada energia dos raios X característicos dos elementos de interesse. 3.2 Método da Emissão/Transmissão (ETM) para Correção do Efeito de Absorção da Matriz para Amostras Desconhecidas A metodologia apresentada anteriormente só pode ser aplicada quando se conhece a composição majoritária da matriz, mas na maioria dos casos este é o objetivo. Neste caso, pode-se aplicar o método da Emissão/Transmissão (ETM) (Hallak e Saleh, 1983; Leroux e Mahmud, 1966; Simabuco, 1993; Simabuco e Nascimento Filho, 1993). Utilizando-se uma pastilha, denominada de irradiador, contendo vários elementos, colocada na excitação em uma posição posterior à amostra. O cálculo das concentrações é realizado empregando-se a equação 4: I = c. S. A (4) onde o fator de absorção A é dado pela equação 6: χρd 1 e A = (6) χρ D O termo χρ D, e consequentemente o fator de absorção A é determinado realizando-se três medidas, conforme mostra a Figura 11, obtêm-se para a situação A um espectro de raios X emitidos pelos elementos do irradiador (V, Mn, Cu e Se), para a situação B um espectro dos elementos da amostra e do irradiador (mas a intensidade dos 13

17 elementos que compõem o irradiador é atenuada pela amostra) e para a situação C um espectro da amostra. A Figura 12 mostra os espectros obtidos para o experimento da Figura 11. irradiador irradiador irradiador amostra amostra amostra A detector B detector C detector Figura 11 Esquema representativo do arranjo experimental. Situação A: apenas irradiador; situação B: irradiador + amostra e; situação C: apenas amostra. Pela Lei de Beer, pode-se escrever: I. ou I (19) χρ D = ln I sendo I e I as intensidades do feixe incidente e emergente na amostra, oriundas do irradiador. Pela Figura pode-se rescrever esta última equação de outra forma: χρ D = I e (18) Irrad = I (2) i χρ D ln Irrad + am I I am i i irrad. onde I i representa a intensidade líquida para do elemento de interesse i na situação A, irrad.+am. I i a intensidade líquida para do elemento de interesse i na situação B, e I am i a intensidade líquida para do elemento de interesse i na situação C. A amostra a ser analisada por esta metodologia é uma amostra de solo certificado (soil7), produzido pela AIEA, adicionando-se 1 mg a 4 mg de H 3 BO 3 e prensado à 12 toneladas por 5 minutos, formando uma pastilha de 2,54 cm de diâmetro. A fonte de excitação utilizada foi o 238 Pu (3,7 GBq), a excitação foi feita por 3 s, e o espectro apresentou picos dos elementos Ca, Ti, Mn, Fe, Co, Zn, Cu e Pb. 14

18 1 V K α A 8 6 Contagens 4 Mn K α Cu K α Se K α 2 V K β Mn K β Cu K β Energia (kev) Se K α B 6 Fe K α Contagens 4 2 Ti K α Mn K α Fe K β Cu K α Zn K α Cu K β Energia (kev) 5 Fe K α C 4 Contagens Ti K α Mn K α Fe K β Zn K α Energia (kev) Figura 12 Espectro do irradiador (situação A), da amostra mais irradiador (situação B), e da amostra (situação C). 15

19 3.2.1 Resultados As intensidades dos elementos V, Mn, Cu e Se contidos no irradiador, assim como os fatores de absorção calculados, estão mostrados na Tabela 4 e 5 para o detector de Si(Li) e de Si-PIN, respectivamente. A Figura 13 e 14 mostram os fatores da absorção versus o número atômico para o detector de Si(Li) e de Si-PIN, respectivamente, e para os outros elementos da amostra de solo calculou-se o valor do fator de absorção pela equação da Figura 13 e 14. Tabela 4 Valores das intensidades dos elementos V, Mn, Cu e Se para o arranjo experimental da Figura 12 utilizando o detector de Si(Li). Linhas Intensidade (cps) Fator de Soil7 + irradiador Soil7 irradiador absorção (A) V-Kα,26 273,21,14 Mn-Kα 1,4,43 84,65,22 Cu-Kα 12,7,8 15,7,42 Se-Kα 55,37 152,39,63 Tabela 5 Valores das intensidades dos elementos Mn, Cu e Se para o arranjo experimental da Figura 12 utilizando o detector de Si-PIN. Linhas Intensidade (cps) Fator de Soil7 + irradiador Soil7 irradiador absorção (A) Mn-Kα,34,21 12,78,18 Cu-Kα,54 9,32,34 Se-Kα 1,8,43 6,3,92.8 Fator de Absorção (A) A =,446.Z -,8856 R 2 =, número atômico (Z) Figura 13 Gráfico do fator de absorção versus o número atômico para o detector de Si(Li). 16

20 .8 Fator de absorção (A) A =,35Z 2 -,1581.Z + 1,9626 R 2 = Número atômico (Z) Figura 14 Gráfico do fator de absorção versus o número atômico para o detector de Si- PIN A concentração é determinada pela equação 4, dada em µg.cm -2 converter em ppm ou porcentagem, utilizou-se a equação 21: e para C = c D S. Diluição onde D S representa a densidade superficial da matriz (=,1 g.cm -2 ), Diluição realizada foi de 1:5 (Diluição=5). Os resultados das concentrações dos elementos químicos de interesse utilizando os detectores de Si(Li) e Si-PIN estão na Tabela 6 mostrando boa concordância com os valores certificados. (21) Tabela 6 Valores da concentração dos elementos de interesse da amostra de solo. Linha número Energia Concentração atômico (kev) Calculado/Si(Li) Calculado/Si-PIN Tabelado Ti-Kα 22 4,59,32 %,21 %,3 % Mn-Kα 25 5, µg g µg g µg g -1 Fe-Kα 26 6,399 2,68 % 2,35 % 2,57 % Cu-Kα 29 8,41 29 µg g -1 *ND 11 µg g -1 Zn-Kα 3 8, µg g µg g µg g -1 *ND = Não Detectável A grande vantagem desta metodologia é a determinação experimental dos fatores de absorção, não havendo a necessidade de se trabalhar com inúmeros padrões. Como desvantagem a amostra não pode ser muito espessa, pois o feixe da radiação incidente deve atravessar a amostra e atingir o irradiador, e os raios X característicos do irradiador devem atravessar a amostra. 17

Fluorescência de raios X por reflexão total (TXRF)

Fluorescência de raios X por reflexão total (TXRF) Fluorescência de raios X por reflexão total (TXRF) Eduardo de Almeida Especialista em Laboratório Laboratório de Instrumentação Nuclear (LIN) Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fluorescência

Leia mais

Espectrometria de fluorescência de raios X

Espectrometria de fluorescência de raios X Espectrometria de fluorescência de raios X Espectro eletromagnético E = h.f f = c / λ E.λ = h.c Fonte: PROGRAMA EDUCAR CDCC USP SÃO CARLOS. Luz: fundamentos teóricos. São Carlos: CDCC/USP, 2009. Disponível

Leia mais

Utilização da técnica de fluorescência de raios X com microssonda (m-xrf) aplicada a amostras de interesse arqueológico

Utilização da técnica de fluorescência de raios X com microssonda (m-xrf) aplicada a amostras de interesse arqueológico Utilização da técnica de fluorescência de raios X com microssonda (m-xrf) aplicada a amostras de interesse arqueológico RICHARD MAXIMILIANO DA CUNHA E SILVA Tese apresentada ao Centro de Energia Nuclear

Leia mais

LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada

LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada ISSN 2178-4507 LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada Volume 09, Número 03 Agosto de 2005-1ª Edição Londrina - Paraná LFNATEC - Publicação Técnica do Laboratório de Física

Leia mais

Espectometriade Fluorescência de Raios-X

Espectometriade Fluorescência de Raios-X FRX Espectometriade Fluorescência de Raios-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro FEG Conceito A espectrometria de fluorescência de raios-x é uma técnica não destrutiva que permite identificar

Leia mais

LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada

LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada ISSN 2178-4507 LFNATEC Publicação Técnica do Laboratório de Física Nuclear Aplicada Volume 10, Número 01 Junho de 2006-1ª Edição Londrina - Paraná LFNATEC - Publicação Técnica do Laboratório de Física

Leia mais

TÉCNICAS ANALÍTICAS NUCLEARES DE FLUORESCÊNCIA DE RAIOS X POR DISPERSÃO DE ENERGIA (ED-XRF) E POR REFLEXÃO TOTAL (TXRF)

TÉCNICAS ANALÍTICAS NUCLEARES DE FLUORESCÊNCIA DE RAIOS X POR DISPERSÃO DE ENERGIA (ED-XRF) E POR REFLEXÃO TOTAL (TXRF) TÉCNICAS ANALÍTICAS NUCLEARES DE FLUORESCÊNCIA DE RAIOS X POR DISPERSÃO DE ENERGIA (ED-XRF) E POR REFLEXÃO TOTAL (TXRF) VIRGÍLIO F. NASCIMENTO FILHO Dept o de Ciências Exatas/ESALQ Lab. de Instrumentação

Leia mais

Poluição ambiental: Análise. ) por SR-TXRF

Poluição ambiental: Análise. ) por SR-TXRF FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ARQUITETURA E URBANISMO Poluição ambiental: Análise Quantitativa de material particulado (PM 10 ) por SR-TXRF Pesquisador: Profº. Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO

Leia mais

Remoção de metais num sistema de. Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

Remoção de metais num sistema de. Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ARQUITETURA E URBANISMO Remoção de metais num sistema de tratamento de esgoto por Filtro Lento Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO Crescimento acelerado

Leia mais

MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA

MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA 1 MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA 1 INTRODUÇÃO A microscopia eletrônica de varredura é a técnica de caracterização microestrutural mais versátil hoje disponível, encontrando aplicações em diversos

Leia mais

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Radiografias: Princípios físicos Roteiro Definições e histórico

Leia mais

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Tópicos relacionados Bremsstrahlung, radiação característica, espalhamento de Bragg, lei de absorção,

Leia mais

Difração. Espectrometria por Raios X 28/10/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://ww.walmorgodoi.com

Difração. Espectrometria por Raios X 28/10/2009. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://ww.walmorgodoi.com Difração Espectrometria por Raios X Fenômeno encontrado enquanto ondas (sísmicas, acústicas, ondas de água, ondas eletromagnéticos, luz visível, ondas de rádio, raios X) encontram um obstáculo teia de

Leia mais

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Absorção,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TÉCNICAS DE ANÁLISE CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS 2º Semestre de 2014 Prof. Júlio César Giubilei

Leia mais

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Raios Absorção, um fóton de energia é absorvido promovendo

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Detectores de Radiação Ionizante

Detectores de Radiação Ionizante Detectores de Radiação Ionizante As radiações ionizantes por si só não podem ser medida diretamente, a detecção é realizada pelo resultado produzido da interação da radiação com um meio sensível (detector).

Leia mais

Aplicações nas Áreas Agrícolas e Alimentos

Aplicações nas Áreas Agrícolas e Alimentos Aplicações nas Áreas Agrícolas e Alimentos Antonio Figueira Centro de Energia Nuclear na Agricultura CENA Universidade de São Paulo - USP Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA) Piracicaba, SP

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Espectroscopia Óptica Instrumentação e Aplicações CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Classificação dos métodos de análises quantitativas Determinação direta

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Radiologia Industrial Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. Fundamentos de Radiologia Industrial Quando pensamos em aeronaves, automóveis, metro, trens, navios, submarinos, etc todas estas máquinas não poderiam

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Armando Cristóvão Adaptado de "The Tools of Biochemistry" de Terrance G. Cooper Como funciona um espectrofotómetro O espectrofotómetro é um aparelho

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

EFEITO COMPTON. J.R. Kaschny

EFEITO COMPTON. J.R. Kaschny EFEITO COMPTON J.R. Kaschny Os Experimentos de Compton Das diversas interações da radiação com a matéria, um destaque especial é dado ao efeito, ou espalhamento, Compton - Arthur Holly Compton (93, Nobel

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO ESPECTROSCÓPICA DE PRODUTOS DE CORROSÃO DE DUAS PEÇAS METÁLICAS DO MAE-USP

CARACTERIZAÇÃO ESPECTROSCÓPICA DE PRODUTOS DE CORROSÃO DE DUAS PEÇAS METÁLICAS DO MAE-USP CARACTERIZAÇÃO ESPECTROSCÓPICA DE PRODUTOS DE CORROSÃO DE DUAS PEÇAS METÁLICAS DO MAE-USP Appoloni, Carlos R. 1, Parreira, Paulo S. 1, Tabacniks, Manfredo H. 2, Rizzutto, Márcia A. 2, Added, Nemitala 2,

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1 Física Quântica Caex 005 Questão 1 Se as partículas listadas abaixo têm todas a mesma energia cinética, qual delas tem o menor comprimento de onda? a) elétron b) partícula α c) nêutron d) próton Questão

Leia mais

TÍTULO: ANALISE DOS TEORES DE FE, K, P E S EM VARIEDADES DE FEIJÃO APLICANDO A TÉCNICA EDXRF

TÍTULO: ANALISE DOS TEORES DE FE, K, P E S EM VARIEDADES DE FEIJÃO APLICANDO A TÉCNICA EDXRF Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANALISE DOS TEORES DE FE, K, P E S EM VARIEDADES DE FEIJÃO APLICANDO A TÉCNICA EDXRF CATEGORIA:

Leia mais

MEDIDAS DO PERFIL DE UMIDADE EM AMOSTRAS DE CONCRETO, COM FLUXO DE ÁGUA VERTICAL, ATRAVÉS DO MÉTODO DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA

MEDIDAS DO PERFIL DE UMIDADE EM AMOSTRAS DE CONCRETO, COM FLUXO DE ÁGUA VERTICAL, ATRAVÉS DO MÉTODO DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA MEDIDAS DO PERFIL DE UMIDADE EM AMOSTRAS DE CONCRETO, COM FLUXO DE ÁGUA VERTICAL, ATRAVÉS DO MÉTODO DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA L. M. da Silva *, M. C. da Rocha *, C. R. Appoloni *, O. Portezan Filho

Leia mais

Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história. Isto ocorreu quando

Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história. Isto ocorreu quando Thiago Machado Foi Wilhelm Conrad Röntgen (1845-1923) quem descobriu e batizou os Raios X, além de fazer a primeira radiografia da história. Isto ocorreu quando Röntgen estudava o fenômeno da luminescência

Leia mais

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01

MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS NO REATOR IPEN-MB-01 2011 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2011 Belo Horizonte,MG, Brazil, October 24-28, 2011 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-04-5 MEDIDA DO FLUXO DE NÊUTRONS

Leia mais

Notas para a apresentação dos hologramas:

Notas para a apresentação dos hologramas: Notas para a apresentação dos hologramas: Folha 2 -> Imagem representando um holograma analisado no laboratório de feixes de iões do ITN Folha 3 -> O que se pretende estudar. No que diz respeito à composição

Leia mais

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Produção, Propriedades e Interações dos Raios X Os raios X foram descobertos em 1895, por William Conrad Röentgen. São na verdade, uma forma de onda eletromagnética

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos Ensaio Radiográfico O Ensaio Radiográfico Peça Filme Introdução de radiação na peça, que é absorvida diferencialmente quando ocorrem variações de densidade, espessura ou composição

Leia mais

Radiografia industrial

Radiografia industrial A U A UL LA Radiografia industrial Introdução Se você já teve algum tipo de fratura óssea ou pegou uma gripe mais forte, certamente o médico deve ter solicitado uma radiografia da área afetada, para fazer

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

TÉCNICA DE INDUÇÃO DE RAIOS X POR PARTÍCULAS NA IDENTIFICAÇÃO E MEDIDA DA CONCENTRAÇÃO DE ELEMENTOS E ELEMENTOS-TRAÇO EM SOLOS E PLANTAS

TÉCNICA DE INDUÇÃO DE RAIOS X POR PARTÍCULAS NA IDENTIFICAÇÃO E MEDIDA DA CONCENTRAÇÃO DE ELEMENTOS E ELEMENTOS-TRAÇO EM SOLOS E PLANTAS N o 4, dez/96, p.1-5 TÉCNICA DE INDUÇÃO DE RAIOS X POR PARTÍCULAS NA IDENTIFICAÇÃO E MEDIDA DA CONCENTRAÇÃO DE ELEMENTOS E ELEMENTOS-TRAÇO EM SOLOS E PLANTAS Paulo E. Cruvinel 1 Silvio Crestana 2 A indução

Leia mais

Laboratório de Física - 2011/2012. Propriedades físicas de um filme fino magnético. Centro de Física da Matéria Condensada da UL

Laboratório de Física - 2011/2012. Propriedades físicas de um filme fino magnético. Centro de Física da Matéria Condensada da UL T1 Propriedades físicas de um filme fino magnético Difracção raios X, Microscopia Força Atómica, Magnetometria SQUID Rui Borges Centro de da UL Estudo de um filme fino de óxido magnético depositado por

Leia mais

Estrutura do Curso...

Estrutura do Curso... Radiologia Digital Aula 2 Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Estrutura do Curso... 1. Introdução à Radiologia Digital 2. A imagem digital e etapas de PDI 3. Equipamento - Detectores

Leia mais

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções 1. O polarímetro Polarímetros são aparelhos que medem directamente a rotação de polarização, através da medição do ângulo de rotação de um analisador.

Leia mais

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos

3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos 3 Espectroscopia no Infravermelho 3.1. Princípios Básicos A espectroscopia estuda a interação da radiação eletromagnética com a matéria, sendo um dos seus principais objetivos o estudo dos níveis de energia

Leia mais

Radiografia Industrial MANFRED RONALD RICHTER

Radiografia Industrial MANFRED RONALD RICHTER MANFRED RONALD RICHTER 1. Princípios Radiografia Industrial OBJETIVO Verificação da existência de descontinuidades internas em materiais opacos pelo uso das radiações X ou (gama), que incidem em um dado

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

Figura 1: imagem obtida por Röntgen utilizando feixes de raios-x.

Figura 1: imagem obtida por Röntgen utilizando feixes de raios-x. LISTA TEMÁTICA E DE PROBLEMAS o. 7 - Transições Eletrônicas: Aparelho de Produção de Denominamos raios-x, descobertos por Wilhelm Conrad Roentgen (1845-1923) em 1895, a emissões eletromagnéticas cujos

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS Prof. Homero Schiabel 6. FORMAÇÃO DE IMAGENS POR RAIOS X A Radiografia 2 fatores fundamentais: padrão de intensidade de raios-x transmitido através

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta Absorbância Centro Universitário Padre Anchieta 1) O berílio(ii) forma um complexo com a acetilacetona (166,2 g/mol). Calcular a absortividade molar do complexo, dado que uma solução 1,34 ppm apresenta

Leia mais

Instalação e Blindagem de Equipamento de Raios-X Industrial em Ambiente Laboratorial

Instalação e Blindagem de Equipamento de Raios-X Industrial em Ambiente Laboratorial Universidade Federal de São João Del-Rei MG 26 a 28 de maio de 2010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Instalação e Blindagem de Equipamento de Raios-X Industrial em Ambiente

Leia mais

CIÊNCIA DE MATERIAIS I

CIÊNCIA DE MATERIAIS I CIÊNCIA DE MATERIAIS I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS PARA AS LICENCIATURAS EM ENGENHARIA MECÂNICA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INDUSTRIAL ENGENHARIA QUÍMICA Compilação efectuada por Alexandre Velhinho, Lucelinda Cunha,

Leia mais

Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira

Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira 2 Cristais são arranjos atômicos ou moleculares cuja estrutura

Leia mais

DIFRAÇÃO DE RAIO X. Daiane Bueno Martins

DIFRAÇÃO DE RAIO X. Daiane Bueno Martins DIFRAÇÃO DE RAIO X Daiane Bueno Martins Descoberta e Produção de Raios-X Em 1895 Wilhen Konrad von Röntgen (pronúncia: rêntguen) investigando a produção de ultravioleta descobriu uma radiação nova. Descobriu

Leia mais

1895: Wilhelm Conrad Röntgen, físico alemão, descobriu os raios-x em suas experiências com tubos de raios catódicos;

1895: Wilhelm Conrad Röntgen, físico alemão, descobriu os raios-x em suas experiências com tubos de raios catódicos; I. INTRODUÇÃO A radiologia geral de diagnóstico foi a primeira técnica de diagnóstico por imagem e continua sendo hoje uma das mais importantes modalidades. Suas principais aplicações são em traumatologia

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ATENUAÇÃO DE MASSA DE AMOSTRAS DA SUPERFÍCIE DE MARTE, DA LUA E DA TERRA, NO INTERVALO DE 1 kev A 100 GeV

DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE ATENUAÇÃO DE MASSA DE AMOSTRAS DA SUPERFÍCIE DE MARTE, DA LUA E DA TERRA, NO INTERVALO DE 1 kev A 100 GeV 25 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 25 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 25 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-1-5 DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE DE

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ESPECTROFOTÔMETRO - EQUIPAMENTO 6 Ed. Cap. 13 Pg.351-380 6 Ed. Cap. 1 Pg.1-28 6 Ed. Cap. 25 Pg.703-725 09/04/2015 2 1 Componentes dos instrumentos (1) uma fonte estável de

Leia mais

Luis Filipe Baptista MEMM 2

Luis Filipe Baptista MEMM 2 INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO CAPÍTULO V Transdutores Optoelectrónicos 2012/2013 Índice do capítulo Introdução Transdutores ópticos Transdutores optoelectrónicos - Absolutos - Incrementais Aplicações industriais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO ANÁLISE QUANTITATIVA DO MATERIAL PARTICULADO NA REGIÃO DE CAMPINAS ATRAVÉS DAS TÉCNICAS DE MICROFLUORESCÊNCIA DE

Leia mais

ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF

ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF ANALISE DE RESÍDUOS MINERAIS E ORGÂNICOS AGROINDUSTRIAIS COM O USO DA TÉCNICA DE XRF 1* Ferreira, Ricardo R. F.; 1 Assunção, Hildeu Ferreira.; 1 Ribeiro, Dinalva Donizete Ribeiro; 1** Martins, Alessandro.

Leia mais

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada

ARRANJOS ATÔMICOS. Química Aplicada ARRANJOS ATÔMICOS Química Aplicada Sólidos Sólidos 1. Arranjo Periódico de Átomos SÓLIDO: Constituído por átomos (ou grupo de átomos) que se distribuem de acordo com um ordenamento bem definido; Esta regularidade:

Leia mais

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização Polarização: Propriedade das ondas transversais Ondas em uma corda Oscilação no plano vertical. Oscilação no plano horizontal. Onda

Leia mais

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração Física IV Difração Sears capítulo 36 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Difração e a Teoria Ondulatória da Luz Difração e a Teoria Ondulatória da Luz A difração é um fenômeno essencialmente ondulatório, ou

Leia mais

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker

Estrutura de Sólidos Cristalinos. Profa. Dra Daniela Becker Estrutura de Sólidos Cristalinos Profa. Dra Daniela Becker Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 3, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais,

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 60, de 06 de agosto de 2015 D.O.U de 07/08/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

2 A física da monocromatização 2.1. Raios-X

2 A física da monocromatização 2.1. Raios-X 2 A física da monocromatização 2.1. Raios-X A famosa experiência de William Crookes, na qual um gás à pressão ambiente numa ampola era submetido a uma alta tensão elétrica, fazendo, dessa forma, com que

Leia mais

Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Radiologia Digital Sensores Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Detectores Digitais de Raios-X Formação de Imagens por Raios - X Nosso Sensor de Imagens O Olho Humano Cones 7 milhões,

Leia mais

O nosso trabalho. Desenvolver um sistema útil e robusto para aplicação em ambiente industrial/laboratorial. Objectivo

O nosso trabalho. Desenvolver um sistema útil e robusto para aplicação em ambiente industrial/laboratorial. Objectivo O nosso trabalho Objectivo Desenvolver um sistema útil e robusto para aplicação em ambiente industrial/laboratorial Estratégia Iniciar a investigação com um problema simples e fazer uma aproximação progressiva

Leia mais

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão 2 Deposição por PVD 2.1. Introdução Pretendemos fazer uma pequena revisão da física da erosão induzida por íons energéticos (sputtering), os processos físicos que acontecem nas interações na superfície

Leia mais

DIFRAÇÃO DE RAIOS-X. Prof. Dr. Estéfano A. Vieira

DIFRAÇÃO DE RAIOS-X. Prof. Dr. Estéfano A. Vieira DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Prof. Dr. Estéfano A. Vieira A descoberta dos raios-x em 1895 Prof. Dr. Estéfano A. Vieira Raios-x i) Identificação de descontinuidades de corpos (não será abordado neste curso em detalhes)

Leia mais

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 39 4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 4.1 O Processo de absorção atômica A absorção de energia por átomos livres, gasosos, no estado fundamental, é a base da espectrometria

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna

Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Universidade Federal do Paraná Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Bloco 01: DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Introdução Entende-se por raios-x, a região do espectro eletromagnético com comprimentos

Leia mais

Copyright : Prof. Dr. Herman S. Mansur, 2011 CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS E INTERFACES

Copyright : Prof. Dr. Herman S. Mansur, 2011 CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS E INTERFACES Copyright : Prof. Dr. Herman S. Mansur, 2011 CARACTERIZAÇÃO DE MATERIAIS E INTERFACES Microscopia Óptica: Fundamentos, Teoria e Aplicações Práticas Dra. Alexandra A. P. Mansur Prof. Dr. Herman S. Mansur

Leia mais

Capítulo 12 Detectores

Capítulo 12 Detectores Capítulo 12 Detectores terceira versão 2006.1 Embora haja uma variedade enorme de detectores para as mais diversas aplicações, todos são baseados no mesmo princípio fundamental: o depósito de parte ou

Leia mais

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com EMENTA Produção de Raios X : O Tubo de Raios X Sistema de geração de imagens por raios X Formação de Imagem radiográfica

Leia mais

Determinação experimental do raio atômico do cobre a partir da sua densidade.

Determinação experimental do raio atômico do cobre a partir da sua densidade. Determinação experimental do raio atômico do cobre a partir da sua densidade. Rosane Saraiva Melo, Jéssica Silva de Aquino, Israel Bezerra Pereira, Adilson Luis Pereira Silva *. Universidade Federal do

Leia mais

4.2. Técnicas radiográficas especiais

4.2. Técnicas radiográficas especiais SEL 5705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (III. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) 4.2. Técnicas radiográficas especiais 4.2.1. Abreugrafia Chapa, em

Leia mais

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética Introdução aos métodos espectrométricos A espectrometria compreende um grupo de métodos analíticos baseados nas propriedades dos átomos e moléculas de absorver ou emitir energia eletromagnética em uma

Leia mais

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Lei de Bragg e Espaço Recíproco

2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Lei de Bragg e Espaço Recíproco 2015 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. 000000000000000000000000000000000000000 000000000000000000000000000000000000000 000000000000111111111110001100000000000 000000000001111111111111111111000000001 000000000111111111111111111111111000000

Leia mais

Otimização no preparo de amostras para análise em espectrofotômetro de fluorescência de raios X

Otimização no preparo de amostras para análise em espectrofotômetro de fluorescência de raios X Otimização no preparo de amostras para análise em espectrofotômetro de fluorescência de raios X Daisiana Frozi Brisola Bolsista de Iniciação Científica, Engenharia Química, UFRJ Thaís de Lima Alves Pinheiro

Leia mais

Análise Estrutural. José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira

Análise Estrutural. José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira Análise Estrutural José Carlos Marques Departamento de Química Universidade da Madeira Objectivos Usar a espectroscopia na identificação de substâncias puras ou compostos orgânicos compreender a interacção

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas.

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3 Laser a Fibra Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3.1 Propriedades Gerais A palavra LASER é um acrônimo

Leia mais

FLUORESCÊNCIA DE RAIOS X: METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE METAIS PRESENTES EM MEDICAMENTO

FLUORESCÊNCIA DE RAIOS X: METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE METAIS PRESENTES EM MEDICAMENTO FLUORESCÊNCIA DE RAIOS X: METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE METAIS PRESENTES EM MEDICAMENTO Assis, J.T., joaquim@iprj.uerj.br Friburgo, RJ, Brasil Carvalho, G.de, gilde@iprj.uerj.br; gil.carvalho@estacio.br

Leia mais

ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA

ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA Princípios básicos A espectrofotometria visível e ultravioleta é um dos métodos analíticos mais usados nas determinações analíticas em diversas áreas. É aplicada para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO SOLAR ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-MN12 DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÕES DE SOFTWARE PARA ANÁLISE DO ESPECTRO

Leia mais

ipen Entrgétiom* Nuol nê

ipen Entrgétiom* Nuol nê CNEN/SP ipen Entrgétiom* Nuol nê AUTARQUIA ASSOCIADA A UNIVERSIDADE DE SAO RAULO CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DE ELEMENTOS, PELA TÉCNICA DE FLUORESCÊNCIA DE RAIOS X, EM SUPLEMENTOS MINERAIS

Leia mais

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm)

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm) Ultravioleta e Visível ~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js Se, c = λ υ, então: E fóton = h c λ Espectro Contínuo microwave Luz Visível Comprimento

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 16

8ª série / 9º ano U. E. 16 8ª série / 9º ano U. E. 16 Radiação O dicionário de física descreve radiação como: Designação genérica da energia que se propaga de um ponto a outro do espaço, no vácuo ou em um meio material, mediante

Leia mais

Lista de Exercícios Espectrometria Atômica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Espectrometria Atômica ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 No intuito de se determinar a pureza do sal Na 2 HPO 4, 2,469 g de amostra foi pesada, dissolvida e diluída

Leia mais

Demonstrações de Reflexão Total Interna para Alunos do Segundo Grau

Demonstrações de Reflexão Total Interna para Alunos do Segundo Grau 296 Revista Brasileira de Ensino de Física vol. 20, no. 3, Setembro, 1998 Demonstrações de Reflexão Total Interna para Alunos do Segundo Grau (Demonstration of total internal reflection for high school

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

Microscopia Eletrônica na Engenharia

Microscopia Eletrônica na Engenharia Microscopia Eletrônica na Engenharia 1. INTRODUÇÃO Diego Augusto de Sá policristalino de material opticamente anisotrópico é analisado sob luz polarizada, cada grão do material aparece com uma Este trabalho

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

Lista de refração e reflexão Ondulatória - Prof. Flávio

Lista de refração e reflexão Ondulatória - Prof. Flávio 1. (Ufu 2006) João corre assoviando em direção a uma parede feita de tijolos, conforme figura a seguir. A frequência do assovio de João é igual a f(inicial). A frequência da onda refletida na parede chamaremos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em relação à produção, à emissão e à interação dos raios X com a matéria, julgue os itens a seguir. 41 O deslocamento de elétrons da camada M para a camada K produz radiação característica. 42 Bremsstrahlung,

Leia mais

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição A U A UL LA Ensaio por raios X Introdução Na aula anterior você conheceu os raios X e os raios gama, que são radiações eletromagnéticas, e algumas de suas propriedades. Nesta aula, estudaremos mais detalhadamente

Leia mais