Aula 8 Fótons e ondas de matéria II. Física Geral F-428

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 8 Fótons e ondas de matéria II. Física Geral F-428"

Transcrição

1 Aula 8 Fótons e ondas de matéria II Física Geral F-428 1

2 Resumo da aula anterior: Planck e o espectro da radiação de um corpo negro: introdução do conceito de estados quantizados de energia para os osciladores nas paredes, e de emissão/absorção de quanta de luz de energia E=h ; Einstein e a explicação do efeito fotoelétrico: h = E cin + (conceitos de quantum de luz, frequência/comprimento de onda de corte, potencial de corte); Compton e o espalhamento de raios-x em alvo de carbono: - = = h/mc (1-cos). Os quanta de radiação têm momento. Comprimento de onda Compton do elétron O nome fóton para o quantum de energia h só foi introduzido por G. Lewis em

3 A experiência de Young A teoria ondulatória da radiação eletromagnética nos ensinou que, depois de passar radiação eletromagnética de um dado por duas fendas, ela apresenta uma figura de interferência ao ser detectada num anteparo. 3

4 A experiência de Young Por outro lado, corpúsculos clássicos apresentariam uma figura da forma: I=I 1 +I 2 Como conciliar a teoria ondulatória com a corpuscular? 4

5 A experiência de Young 1- feixe de luz intenso: figura de interferência na medida de intensidade no anteparo 5

6 A experiência de Young 2- feixe de luz intenso + detector no anteparo: figura de interferência na medida de intensidade no anteparo, mas... contagem discreta da chegada dos fótons; apesar de muitos por segundo detector 6

7 A experiência de Young 3- feixe de luz não intenso + detector no anteparo: 1 fóton por segundo atravessa uma das fendas e 1 fóton por segundo é registrado em algum ponto do anteparo. (Experiência de 1 fóton) detector 7

8 A experiência de Young Mas, no decorrer de um intervalo de tempo muito longo: o histograma apresenta um perfil de interferência compatível com a sobreposição dos resultados de N >>1 experiências envolvendo apenas 1 fóton! 8

9 A experiência de Young Por onde passou o fóton? Bloqueador de fenda A informação (bloqueada) destrói a figura de interferência! 9

10 A teoria quântica O objeto principal da teoria é a função de onda, ou amplitude de probabilidade, com as seguintes propriedades: ( r, t) Princípio da superposição: ( r, t) 1( r, t) 2 ( r, t) ( r, t) ( r, t) Interpretação probabilística: é a densidade de probabilidade de se encontrar um fóton (ou partícula) no ponto r, de modo que: ( r, t) d 1 Então, no caso de fótons, não podemos somar as probabilidades dele ser oriundo de uma fenda ou outra. Devemos somar as amplitudes de probabilidade (superposição) para depois tomar o seu módulo quadrado (intensidade)! 10 V 2 3 r

11 A hipótese de de Broglie Louis de Broglie (7.º duque de Broglie, ) Baseado no fato da radiação eletromagnética propagar-se como onda e, ao interagir com a matéria, apresentar características corpusculares, Louis de Broglie (em 1924) considerou a possibilidade de partículas materiais também apresentarem, em determinadas circunstâncias, um comportamento ondulatório. 11

12 A hipótese de de Broglie Usando as relações de Planck Einstein: p k E de Broglie associou um comprimento de onda e uma freqüência a uma partícula de momento p e energia E, através das relações: h p E h Louis de Broglie recebeu o prêmio Nobel em

13 Difração de elétrons A confirmação da hipótese de de Broglie veio em 1927, através das observações de C. J. Davisson e L. H. Germer; e de G. P. Thomson, que fizeram experimentos com feixes de elétrons incidindo sobre amostras cristalinas de níquel (os dois primeiros) ou amostras policristalinas de vários materiais (o segundo). Davisson e Germer Thomson 13

14 Difração de elétrons Experimento de Davisson-Germer 2 p E p 2mE 2m E m h ο ( 1eV) 12.2 A J 1 ev kg J.s h 2mE Difração de Bragg: d ο ο 2.15 A 50 2 h ( E ~ 54 ev) 2 2m d sin ο 1.65 A 14

15 Difração de elétrons Experimento de Thomson Davisson e Thomson receberam o prêmio Nobel em 1937 raios X elétrons Os resultados aqui apresentados para elétrons são compatíveis com os dos fótons através da fenda dupla 15

16 A experiência de Young Os experimentos de difração eletrônica indicam que, depois de passar por duas fendas, partículas suficientemente pequenas (como elétrons, por exemplo) apresentam uma figura de interferência ao serem detectadas num anteparo. 16

17 A experiência de Young Mas corpúsculos clássicos apresentariam uma figura da forma: I 1 I = I 1 +I 2 I 2 Como conciliar a teoria ondulatória com a corpuscular? 17

18 A experiência de Young 1- feixe eletrônico intenso: figura de interferência na medida do número de partículas que chegam no anteparo 18

19 A experiência de Young 2- feixe eletrônico intenso + detector no anteparo: figura de interferência na medida de intensidade no anteparo, mas...contagem discreta da chegada dos elétrons, apesar de muitos por segundo detector 19

20 A experiência de Young 3- feixe eletrônico não intenso + detector no anteparo: 1 elétron por segundo atravessa uma das fendas e 1 elétron por segundo é registrado em algum ponto do anteparo. detector 20

21 A experiência de Young Mas, no decorrer de um intervalo de tempo muito longo: o histograma apresenta um perfil de interferência compatível com a sobreposição dos resultados de N >>1 experiências envolvendo apenas 1 elétron! 21

22 A experiência de Young Intensidade do feixe de elétrons wavemechanics-duality 22

23 A experiência de Young Por onde passou o elétron? Bloqueador de fenda Esta informação destrói a figura de interferência! 23

24 Interferência de objetos complexos Em 1999, foi mostrado que moléculas com um grande número de átomos também podem apresentar uma figura de interferência. 24

25 Interferência de objetos complexos Nature 401 (1999)

26 Em 2012 : Interferência, com moléculas bem maiores! 26

27 27

28 PcH 2 (58 atoms) t = 0 t = 2 min t = 90 min t = 20 min t = 40 min 28

29 PcH 2 (58 atoms) F 24 PcH 2 (114 atoms) 29

30 Dualidade e complementaridade Propriedades ondulatórias e corpusculares podem coexistir. Esta é a chamada dualidade partícula onda Entretanto, não há nenhuma forma dessas duas propriedades serem testadas simultaneamente. Ou fazemos um esquema de medida onde o aspecto corpuscular seja evidenciado, ou um que revele o caráter ondulatório do sistema em questão. Este é o chamado princípio da complementaridade. 30

31 A teoria quântica O objeto principal da teoria é a função de onda, ou amplitude de probabilidade, com as seguintes propriedades: ( r, t) Princípio da superposição: ( r, t) 1( r, t) 2 ( r, t) ( r, t) ( r, t) Interpretação probabilística: é a densidade de probabilidade de se encontrar um fóton (ou partícula) no ponto r, de modo que: ( r, t) d 1 Então, no caso de fótons, não podemos somar as probabilidades dele ser oriundo de uma fenda ou outra. Devemos somar as amplitudes de probabilidade (superposição) para depois tomar o seu módulo quadrado (intensidade)! 31 V 2 3 r

32 Radiação Eletromagnética E E x, y,z,t E sink. r t 0 x, y,z,t E sinkx t 0 vetor de Poyting S,intensidade I E p h k Partículas??????? E p h k 32

33 Introduzindo a função de onda Ψ x, y,z,t, a qual é uma solução de uma equação diferencial, a equação de Schrödinger. 33

34 A função de onda Em resumo, dada uma partícula atômica, este objeto pode ser descrito pela chamada amplitude de probabilidade ( r, t), ou função de onda, à qual podemos aplicar: Princípio da superposição: Interpretação probabilística: (Max Born) V ( r, t) 1( r, t) 2 ( r, t) ( r, t) ( r, t) 3 ( r, t) d r 1 2 Max Born A função de onda carrega a informação máxima que podemos ter sobre o sistema em questão. 34

35 35

36 Físicos mencionados no capítulo que receberam o Prêmio Nobel de Física 1. Max Planck: Albert Einstein: Louis de Broglie: Erwin Schrödinger: Arthur Compton: Werner Heisenberg: Clinton Davisson & George Thomson: Max Born:

37 Prob. 11: Uma lâmpada de sódio de 100 W ( = 589 nm) irradia energia uniformemente em todas as direções. a) Quantos fótons por segundo (R) são emitidos pela lâmpada? b) A que distância da lâmpada uma tela totalmente absorvente absorve fótons à razão de 1,00 fóton/(cm 2 s)? c) Qual é o fluxo de fótons (número por unidade de área e de tempo) em uma pequena tela situada a 2,00 m da lâmpada? r 37

38 Prob. 11: Uma lâmpada de sódio com potência (P) de 100 W radia energia ( = 589 nm) uniformemente em todas as direções. a) Quantos fótons por segundo (R) são emitidos pela lâmpada? b) A que distância da lâmpada uma tela totalmente absorvente absorve fótons à razão (ou fluxo F) de 1,00 fóton/(cm 2 s)? c) Qual é o fluxo de fótons, F (número por unidade de área por unidade de tempo), em uma pequena tela situada a 2 m da lâmpada? a) P R E f R h c R h R P hc 9 ( m) (100 W) 20 2,96 10 fótons/s 34 8 (6,63 10 J s)(310 m/s) b) F R 4 r 2 r R 4 F 1/ ,96 10 fótons/s fótons/(m s) 1/ 2 4, m onde: F = 1 fóton/(cm 2 s) = 10 4 fótons/(m 2 s) r c) F R 4 r 2 2, (2 fótons/s m) 2 5, fótons/(m 2 s) 38

39 Prob. 22: Numa experiência do efeito fotoelétrico, onde utilizamos luz monocromática e um fotocatodo de sódio, encontramos um potencial de corte de 1,85 V para um comprimento de onda de 3000 Å e de 0,82 V para um comprimento de onda de 4000 Å. Destes dados determine: a) O valor da constante de Planck. b) A função trabalho do sódio. c) O comprimento de onda de corte do sódio. 39

40 Prob. 22: Numa experiência do efeito fotoelétrico, onde utilizamos luz monocromática e um fotocatodo de sódio, encontramos um potencial de corte de 1,85 V para um comprimento de onda de 3000 Å e de 0,82 V para um comprimento de onda de 4000 Å. Destes dados determine: a) O valor da constante de Planck. 7 V01 1,85 V m b) A função trabalho do sódio. 7 c) O comprimento de onda de corte do sódio. V 0,82 V 4 10 m ev ev a) e b) c) 0 hc 0 1 hc 0 0 h 2 c max h ( 1 1 e ( V01 V02) e V01 V02) hc( 1 2 ) h 1 c ( 1 ),85 ev 0,82 ev (3 4 ) , ,03 ev (0,083) 15 8 hc 4, ev01 1,85 ev max hc 0 max ,28 ev 4, ,44 10 m 544 2,28 : frequência de corte : comprimento de onda de corte ev s nm

41 Efeito Compton: Considere um feixe de raios-x com comprimento de onda de 1,00 Å. Se a radiação espalhada pelos elétrons livres é observada a 90 o do feixe incidente, determine: a) O deslocamento Compton. b) A energia cinética fornecida ao elétron. c) A percentagem da energia do fóton incidente que é cedida ao elétron. 41

42 Efeito Compton: Considere um feixe de raios-x com comprimento de onda de 1,00 Å. Se a radiação espalhada pelos elétrons livres é observada a 90 o do feixe incidente, determine: a) O deslocamento Compton. b) A energia cinética fornecida ao elétron. c) A percentagem da energia do fóton incidente que é cedida ao elétron. a) h (1 cos90) m c 0 i m ; 90 h m c 0 f 34,6310 Js 31 (9,1110 kg)(3 10 i ,4310 m/s ) m 2,43pm b) E E cin i f E cin E i e E f f c c h i f 1, E f e hc h i h f E cin i ; E e (6,6310 )(310 ) ,0243 i i , ,7210 J 2,95 10 ev 295 ev 0 1 f i 1 E f E f hc f c) Variação da energia do fóton: i E 1 1 f i 1 E f hci f E f (%) , ,4% 10 1, (cedida ao elétron) 42

43 Prob. 42: Se o comprimento de onda de de Broglie de um próton é 100 fm, a) qual é a velocidade do próton? b) A que diferença de potencial deve ser submetido o próton para chegar a esta velocidade? a) p m p v h h v m p b) ev m p 2 v 2 V m p v 2 e 2 43

Propriedades Corpusculares da. First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit

Propriedades Corpusculares da. First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit Propriedades Corpusculares da Radiação First Prev Next Last Go Back Full Screen Close Quit Vamos examinar dois processos importantes nos quais a radiação interage com a matéria: Efeito fotoelétrico Efeito

Leia mais

2.1: Espalhamento de Raios X

2.1: Espalhamento de Raios X Unidade 1 - Aula * Tradução e adaptação livre das aulas do Professor Rick Trebino em: www.physics.gatech.edu/frog Propriedades da Onda de Matéria ria* * + Difração de Elétrons.1 Espalhamento de Raios X.

Leia mais

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14 17/Abr/2015 Aula 14 Introdução à Física Quântica Radiação do corpo negro; níveis discretos de energia. Efeito foto-eléctrico: - descrições clássica e quântica - experimental. Efeito de Compton. 22/Abr/2015

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA

NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA NOTAS DE AULAS DE FÍSICA MODERNA Prof. Carlos R. A. Lima CAPÍTULO 5 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DA MATÉRIA Primeira Edição junho de 2005 CAPÍTULO 5 PROPRIEDADES ONDULATÓRIAS DA MATÉRIA ÍNDICE 5.1- Postulados

Leia mais

EFEITO COMPTON. J.R. Kaschny

EFEITO COMPTON. J.R. Kaschny EFEITO COMPTON J.R. Kaschny Os Experimentos de Compton Das diversas interações da radiação com a matéria, um destaque especial é dado ao efeito, ou espalhamento, Compton - Arthur Holly Compton (93, Nobel

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica FUNDAMENTOS DE ONDAS, RADIAÇÕES E PARTÍCULAS Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Questões... O que é uma onda? E uma radiação? E uma partícula? Como elas se propagam no espaço e nos meios materiais?

Leia mais

Aula de Véspera - Inv-2009 Professor Leonardo

Aula de Véspera - Inv-2009 Professor Leonardo 01. Dois astronautas, A e B, encontram-se livres na parte externa de uma estação espacial, sendo desprezíveis as forças de atração gravitacional sobre eles. Os astronautas com seus trajes espaciais têm

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA - UFRGS. Roteiro de Estudo I

INSTITUTO DE FÍSICA - UFRGS. Roteiro de Estudo I INSTITUTO DE FÍSICA - UFRGS Depto. de Física - FIS01053 - Introdução à Física Quântica Roteiro de Estudo I Este roteiro foi preparado para servir de guia de estudo e para chamar a atenção sobre os pontos

Leia mais

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta

Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta XXII Encontro Sergipano de Física Efeito estufa: como acontece, por que acontece e como influencia o clima do nosso planeta Prof. Dr. Milan Lalic Departamento de Física Universidade Federal de Sergipe

Leia mais

sábado, 28 de julho de 12 Prof: Alex

sábado, 28 de julho de 12 Prof: Alex Modelo de Sommerfeld (1916) Modelo de Sommerfeld (1916) Sommerfeld aperfeiçoou o modelo de BOHR, incluindo órbitas elípticas para o elétron, que teria energias diferentes dependendo do tipo de órbita descrita.

Leia mais

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny

EFEITO FOTOELÉTRICO. J.R. Kaschny EFEITO FOTOELÉTRICO J.R. Kaschny Histórico 1886-1887 Heinrich Hertz realizou experimentos que pela primeira vez confirmaram a existência de ondas eletromagnéticas e a teoria de Maxwell sobre a propagação

Leia mais

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1

Física Quântica Caex 2005 Série de exercícios 1 Física Quântica Caex 005 Questão 1 Se as partículas listadas abaixo têm todas a mesma energia cinética, qual delas tem o menor comprimento de onda? a) elétron b) partícula α c) nêutron d) próton Questão

Leia mais

Princípios da Mecânica Quântica

Princípios da Mecânica Quântica Princípios da Mecânica Quântica Conceitos básicos de Mecânica Quântica Em 1900 Max Planck introduziu o conceito de quantum de energia. Neste conceito a energia só poderia ser transferida em unidades discretas

Leia mais

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras

Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Professor Felipe Técnico de Operações P-25 Petrobras Contatos : Felipe da Silva Cardoso professorpetrobras@gmail.com www.professorfelipecardoso.blogspot.com skype para aula particular online: felipedasilvacardoso

Leia mais

O SURGIMENTO DA FÍSICA QUÂNTICA

O SURGIMENTO DA FÍSICA QUÂNTICA O SURGIMENTO DA FÍSICA QUÂNTICA (NOTAS DE AULA) SILVIO SENO CHIBENI Departamento de Filosofia - IFCH - UNICAMP A história das grandes transformações sofridas pela física e que culminaram na formulação

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

Épreciso imaginação para pensar como um químico. Imaginação química significa que

Épreciso imaginação para pensar como um químico. Imaginação química significa que Átomos: O Mundo Quântico Quais São as Idéias Importantes? A matéria é composta de átomos. A estrutura dos átomos pode ser entendida por meio da teoria conhecida como mecânica quântica, na qual as propriedades

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO FÍSICA PARA ENGENHARIA ELÉTRICA José Fernando Fragalli Departamento de Física Udesc/Joinville EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Near the end of this decade, when they begin enumerating the names of the people who

Leia mais

Física IV. Interferência

Física IV. Interferência Física IV Interferência Sears capítulo 35 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Interferência Arco-íris = Bolha de sabão refração interferência Princípio da superposição Quando duas ou mais ondas se superpõem,

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX

DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX DIFRAÇÃO DE RAIOS X DRX O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Raios Absorção, um fóton de energia é absorvido promovendo

Leia mais

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração

Física IV. Difração. Sears capítulo 36. Prof. Nelson Luiz Reyes Marques. Capítulo 36 Difração Física IV Difração Sears capítulo 36 Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Difração e a Teoria Ondulatória da Luz Difração e a Teoria Ondulatória da Luz A difração é um fenômeno essencialmente ondulatório, ou

Leia mais

Alfred Landé (13 de dezembro de 1888, Elberfeld, Alemanha 30 de outubro de 1976, Columbia, EUA ). -> foi um físico alemão/norte americano.

Alfred Landé (13 de dezembro de 1888, Elberfeld, Alemanha 30 de outubro de 1976, Columbia, EUA ). -> foi um físico alemão/norte americano. Alfred Landé (13 de dezembro de 1888, Elberfeld, Alemanha 30 de outubro de 1976, Columbia, EUA ). -> foi um físico alemão/norte americano. -> mais conhecido por suas contribuições para a teoria quântica.

Leia mais

INTRODUÇÃO À MECÂNICA QUÂNTICA E A FÍSICA NUCLEAR

INTRODUÇÃO À MECÂNICA QUÂNTICA E A FÍSICA NUCLEAR INTRODUÇÃO À MECÂNICA QUÂNTICA E A FÍSICA NUCLEAR Prof.: Giovane Irribarem de Mello Uniforte pré vestibular - 1870 A Ampola de Crookes e os Misteriosos Raios Catódicos (William Crookes Físico Inglês) -

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Goiânia, de de 2014 Aluno(a): ou h = 4,14 10 15 ev s é a O ÁTOMO DE BOHR

LISTA DE EXERCÍCIOS Goiânia, de de 2014 Aluno(a): ou h = 4,14 10 15 ev s é a O ÁTOMO DE BOHR LISTA DE EXERCÍCIOS Goiânia, de de 2014 Aluno(a): Série: 3ª Turma: Disciplina: Física Professor: Hélio Código: INTRODUÇÃO À FÍSICA MODERNA Física Clássica: Física desenvolvida antes de 1900. Física Moderna:

Leia mais

Com base no enunciado, nas figuras e nos conhecimentos sobre mecânica e eletromagnetismo, considere as afirmativas a seguir.

Com base no enunciado, nas figuras e nos conhecimentos sobre mecânica e eletromagnetismo, considere as afirmativas a seguir. 1.A obra Molhe Espiral (acima) faz lembrar o modelo atômico planetário, proposto por Ernest Rutherford (Fig. 1). Esse modelo satisfaz as observações experimentais de desvio de partículas alfa ao bombardearem

Leia mais

Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira

Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira 2 Cristais são arranjos atômicos ou moleculares cuja estrutura

Leia mais

Fótons e ondas de matéria

Fótons e ondas de matéria Fótons e ondas de matéria Um novo mundo Física quântica Por que as estrelas brilham? Tabela periódica Dispositivos microeletrônica Cobre bom condutor Vidro isolante Bioquímica etc O espectro de corpo negro

Leia mais

Princípio da Incerteza de Heisenberg

Princípio da Incerteza de Heisenberg Princípio da Incerteza de Heisenberg UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Instituto de Física. Departamento de Física. Física do Século XXA (FIS1056). Prof. César Augusto Zen Vasconcellos. Lista

Leia mais

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm)

~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js. Comprimento de Onda (nm) Ultravioleta e Visível ~1900 Max Planck e Albert Einstein E fóton = hυ h = constante de Planck = 6,63 x 10-34 Js Se, c = λ υ, então: E fóton = h c λ Espectro Contínuo microwave Luz Visível Comprimento

Leia mais

Louis de Broglie. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons.

Louis de Broglie. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. Camila Welikson Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/ Teoria Pura Tenho

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2012 GABARITO DA PROVA DE FÍSICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2012 GABARITO DA PROVA DE FÍSICA UFJF CONCURSO VESTIBULAR GABARITO DA PROVA DE FÍSICA Na solução da prova, use quando necessário: Aceleração da gravidade g = m / s ; Densidade da água ρ =, g / cm = kg/m 8 Velocidade da luz no vácuo c

Leia mais

Espectometriade Fluorescência de Raios-X

Espectometriade Fluorescência de Raios-X FRX Espectometriade Fluorescência de Raios-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro FEG Conceito A espectrometria de fluorescência de raios-x é uma técnica não destrutiva que permite identificar

Leia mais

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem Lista de exercícios -Fenômenos Física Dudu 1-Pedro está trabalhando na base de um barranco e pede uma ferramenta a Paulo, que está na parte de cima (ver figura). Além do barranco, não existe, nas proximidades,

Leia mais

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA

EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA EXERCÍCIOS ESTRUTURA ELETRONICA Questão 1 O molibdênio metálico tem de absorver radiação com frequência mínima de 1,09 x 10 15 s -1 antes que ele emita um elétron de sua superfície via efeito fotoelétrico.

Leia mais

1 Bases experimentais da Mecânica Quântica.

1 Bases experimentais da Mecânica Quântica. 1-1 1 Bases experimentais da Mecânica Quântica. 1.1 A radiação térmica No último ano do século XIX, e especialmente no ano 1900, Max Planck (1858-1947) procurou encontrar uma fórmula, com a qual se poderia

Leia mais

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas)

SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS. (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) SEL 705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (1. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) III. RAIOS-X 1. HISTÓRICO Meados do séc. XIX - Maxwell: previu a existência

Leia mais

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro.

A Mecânica Quântica nasceu em 1900, com um trabalho de Planck que procurava descrever o espectro contínuo de um corpo negro. Radiação de Corpo Negro Uma amostra metálica como, por exemplo, um prego, em qualquer temperatura, emite radiação eletromagnética de todos os comprimentos de onda. Por isso, dizemos que o seu espectro

Leia mais

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X DRIFRAÇÃO DE RAIOS-X Prof. Márcio Antônio Fiori Prof. Jacir Dal Magro O espectro eletromagnético luz visível raios-x microondas raios gama UV infravermelho ondas de rádio Comprimento de onda (nm) Absorção,

Leia mais

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ

Absorção de Raios-X. Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira UFRJ Tópicos relacionados Bremsstrahlung, radiação característica, espalhamento de Bragg, lei de absorção,

Leia mais

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

MODELOS ATÔMICOS. Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio MODELOS ATÔMICOS Química Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PRIMEIRA IDEIA DO ÁTOMO 546 a.c. Tales de Mileto: propriedade da atração e repulsão de objetos após atrito; 500 a.c. Empédocles:

Leia mais

A Dualidade Onda-Partícula

A Dualidade Onda-Partícula A Dualidade Onda-Partícula O fato de que as ondas têm propriedades de partículas e viceversa se chama Dualidade Onda-Partícula. Todos os objetos (macroscópicos também!) são onda e partícula ao mesmo tempo.

Leia mais

FISICA. Justificativa: Taxa = 1,34 kw/m 2 Energia em uma hora = (1,34 kw/m 2 ).(600x10 4 m 2 ).(1 h) ~ 10 7 kw. v B. v A.

FISICA. Justificativa: Taxa = 1,34 kw/m 2 Energia em uma hora = (1,34 kw/m 2 ).(600x10 4 m 2 ).(1 h) ~ 10 7 kw. v B. v A. FISIC 01. Raios solares incidem verticalmente sobre um canavial com 600 hectares de área plantada. Considerando que a energia solar incide a uma taxa de 1340 W/m 2, podemos estimar a ordem de grandeza

Leia mais

Eletromagnetismo e Radiações

Eletromagnetismo e Radiações Sumário Radiação 1 1 Eletromagnetismo e Radiações 1 1.1 Eletricidade................................... 1 1.2 Carga, força, potencial e campo elétricos.................... 1 1.3 Magnetismo...................................

Leia mais

Física das Radiações e suas aplicações em Ciências da Vida

Física das Radiações e suas aplicações em Ciências da Vida Conteúdo 5 Física das Radiações e suas aplicações em Ciências da Vida 5.1 Conceitos básicos sobre radiação Como discutimos em sala de aula a radiação é um tipo de propagação de energia que não deve ser

Leia mais

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta.

c) A corrente induzida na bobina imediatamente após a chave S ser fechada terá o mesmo sentido da corrente no circuito? Justifique sua resposta. Questão 1 Um estudante de física, com o intuito de testar algumas teorias sobre circuitos e indução eletromagnética, montou o circuito elétrico indicado na figura ao lado. O circuito é composto de quatro

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DA UFPR (2015) FÍSICA A (PROF. HAUSER)

RESOLUÇÃO DA PROVA DA UFPR (2015) FÍSICA A (PROF. HAUSER) DA PROVA DA UFPR (2015) FÍSICA A (PROF. HAUSER) 01)Um veículo está se movendo ao longo de uma estrada plana e retilínea. Sua velocidade em função do tempo, para um trecho do percurso, foi registrada e

Leia mais

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27

TIPO-A FÍSICA. r 1200 v média. Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 2. Resposta: 27 1 FÍSICA Dado: Aceleração da gravidade: 10 m/s 01. Considere que cerca de 70% da massa do corpo humano é constituída de água. Seja 10 N, a ordem de grandeza do número de moléculas de água no corpo de um

Leia mais

INSTITUTO DE QUÍMICA da UFRJ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA. Programa de Disciplina. Química Geral EQ. Nome: Código: IQG 115 CARACTERÍSTICAS

INSTITUTO DE QUÍMICA da UFRJ DEPARTAMENTO DE QUÍMICA INORGÂNICA. Programa de Disciplina. Química Geral EQ. Nome: Código: IQG 115 CARACTERÍSTICAS Programa de Disciplina Nome: Química Geral EQ Código: IQG 115 Categoria: Carga Horária Semanal: CARACTERÍSTICAS Número de Semanas Previstas para a Disciplina: 15 Número de Créditos da Disciplina: 4 Pré-Requisito

Leia mais

Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva

Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva Prof. Dr. Lucas Barboza Sarno da Silva O Efeito Compton Einstein, em 1919, concluiu que um fóton de energia E se desloca em uma única direção (diferentemente de uma onda esférica) e é portador de um momento

Leia mais

O Átomo de BOHR. O Átomo de Bohr e o Espectro do Hidrogênio.

O Átomo de BOHR. O Átomo de Bohr e o Espectro do Hidrogênio. O Átomo de BOHR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Instituto de Física. Departamento de Física. Física do Século XXB (FIS1057). Prof. César Augusto Zen Vasconcellos. Lista 1 Tópicos. O Átomo de

Leia mais

O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau

O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau O degrau de potencial. Caso II: energia maior que o degrau U L 9 Meta da aula plicar o formalismo quântico ao caso de uma partícula quântica que incide sobre o degrau de potencial, definido na ula 8. Vamos

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

RAIOS-X (RAIOS RÖNTGEN)

RAIOS-X (RAIOS RÖNTGEN) RAIOS-X (RAIOS RÖNTGEN) Descobertos por Wilhelm Röntgen (1895) Primeiro prêmio Nobel em física (1901) Radiação extremamente penetrante (

Leia mais

RAIOS-X (RAIOS RÖNTGEN)

RAIOS-X (RAIOS RÖNTGEN) RAIOS-X (RAIOS RÖNTGEN) Descobertos por Wilhelm Röntgen (1895) Primeiro prêmio Nobel em física (1901) Radiação extremamente penetrante (

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA RAIOS-X + MATÉRIA CONSEQUÊNCIAS BIOLÓGICAS EFEITOS DAZS RADIAÇÕES NA H2O A molécula da água é a mais abundante em um organismo biológico, a água participa praticamente

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

29/Abril/2015 Aula 17

29/Abril/2015 Aula 17 4/Abril/015 Aula 16 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos Ensaio Radiográfico O Ensaio Radiográfico Peça Filme Introdução de radiação na peça, que é absorvida diferencialmente quando ocorrem variações de densidade, espessura ou composição

Leia mais

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18

24/Abril/2013 Aula 19. Equação de Schrödinger. Aplicações: 1º partícula numa caixa de potencial. 22/Abr/2013 Aula 18 /Abr/013 Aula 18 Princípio de Incerteza de Heisenberg. Probabilidade de encontrar uma partícula numa certa região. Posição média de uma partícula. Partícula numa caixa de potencial: funções de onda e níveis

Leia mais

CÁLCULO DA PROBABILIDADE DE REINCIDÊNCIA DO NEUTRINO ELETRÔNICO SOLAR MARIA JOSÉ DE BRITO ROCHA

CÁLCULO DA PROBABILIDADE DE REINCIDÊNCIA DO NEUTRINO ELETRÔNICO SOLAR MARIA JOSÉ DE BRITO ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS-CCEA CAMPUS VII- GOVERNADOR ANTÔNIO MARIZ LICENCIATURA EM CIÊNCIAS EXATAS CÁLCULO DA PROBABILIDADE DE REINCIDÊNCIA DO NEUTRINO

Leia mais

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível.

Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Como o material responde quando exposto à radiação eletromagnética, e em particular, a luz visível. Radiação eletromagnética componentes de campo elétrico e de campo magnético, os quais são perpendiculares

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

PROPRIEDADE DA LUZ UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DA FISICA MNPEF

PROPRIEDADE DA LUZ UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DA FISICA MNPEF UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DA FISICA MNPEF PROPRIEDADE DA LUZ ORIENTADOR: Dr. Militão Vieira Figueredo. ALUNO: Francisco Frandson Beserra

Leia mais

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Produção, Propriedades e Interações dos Raios X Os raios X foram descobertos em 1895, por William Conrad Röentgen. São na verdade, uma forma de onda eletromagnética

Leia mais

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt

Adaptado de Professora: Miwa Yoshida. www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Adaptado de Professora: Miwa Yoshida www.colegionobel.com.br/2004quimica1oano/atomo.ppt Leucipo de Mileto ( 440 a.c.) & Demócrito (460 a.c. - 370 a.c. ) A ideia de dividirmos uma porção qualquer de matéria

Leia mais

Radiações Radiação corpuscular Radiação eletromagnética

Radiações Radiação corpuscular Radiação eletromagnética Radiações Quando se fala em radiação, as pessoas geralmente associam esta palavra com algo perigoso. O que elas não sabem é que estamos expostos diariamente à radiação. Radiação nada mais é do que a emissão

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

Espectro de Raios-X. Difração de Bragg. Constante de Planck. Absorção.

Espectro de Raios-X. Difração de Bragg. Constante de Planck. Absorção. Universidade de São Paulo Instituto de Física de São Carlos Laboratório Avançado de Física Espectro de Raios-X. Difração de Bragg. Constante de Planck. Absorção. I- Objetivos: Determinar o espectro de

Leia mais

Coerência temporal: Uma característica importante

Coerência temporal: Uma característica importante Coerência temporal: Uma característica importante A coerência temporal de uma fonte de luz é determinada pela sua largura de banda espectral e descreve a forma como os trens de ondas emitidas interfererem

Leia mais

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética

Introdução aos métodos espectrométricos. Propriedades da radiação eletromagnética Introdução aos métodos espectrométricos A espectrometria compreende um grupo de métodos analíticos baseados nas propriedades dos átomos e moléculas de absorver ou emitir energia eletromagnética em uma

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta Questão 1 A energia que um atleta gasta pode ser determinada pelo volume de oxigênio por ele consumido na respiração. Abaixo está apresentado o gráfico do volume V de oxigênio, em litros por minuto, consumido

Leia mais

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização Polarização: Propriedade das ondas transversais Ondas em uma corda Oscilação no plano vertical. Oscilação no plano horizontal. Onda

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR

APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE FÍSICA DE JI-PARANÁ DEFIJI SEMESTRE TURMA ESPECIAL ÓPTICA PROF. DR. ROBINSON APRESENTAÇÃO DO PROFESSOR Robinson Viana Figueroa

Leia mais

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador

Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador Identificação de materiais radioativos pelo método de espectrometria de fótons com detector cintilador 1. Introdução Identificar um material ou agente radiológico é de grande importância para as diversas

Leia mais

A DESIGUALDADE DE BELL E A LOCALIDADE NA MECÂNICA QUÂNTICA.

A DESIGUALDADE DE BELL E A LOCALIDADE NA MECÂNICA QUÂNTICA. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E SOCIAIS APLICADAS CCEA CAMPUS VII GOVERNADOR ANTÔNIO MARIZ LICENCIATURA EM CIÊNCIAS EXATAS A DESIGUALDADE DE BELL E A LOCALIDADE NA MECÂNICA

Leia mais

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO COLÉGIO ESTADUAL RAINHA DA PAZ, ENSINO MÉDIO REPOSIÇÃO DAS AULAS DO DIA 02 e 03/07/2012 DAS 1 ª SÉRIES: A,B,C,D,E e F. Professor MSc. Elaine Sugauara Disciplina de Química ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO As ondas

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

FÍSICA MODERNA PROFº MÁRCIO LISTA I

FÍSICA MODERNA PROFº MÁRCIO LISTA I FÍSICA MODERNA PROFº MÁRCIO LISTA I 1. Não é radiação eletromagnética: a) infravermelho. b) ultravioleta. c) luz visível. d) ondas de rádio. e) ultra-som. 2. (UFRS) Das afirmações que se seguem: I. A velocidade

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Difração de Elétrons

Difração de Elétrons UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Licenciatura em Ciências Exatas SLC-567 Práticas de Ensino de Ciências do Primeiro Grau Profº Euclydes Marega Jr. Difração de Elétrons Carlos Alberto de Souza Claudio Bonse Bretas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

01. (ITA ) A tabela abaixo mostra os níveis de energia de um átomo do elemento X que se encontra no estado gasoso.

01. (ITA ) A tabela abaixo mostra os níveis de energia de um átomo do elemento X que se encontra no estado gasoso. 01. (ITA - 1999) A tabela abaixo mostra os níveis de energia de um átomo do elemento X que se encontra no estado gasoso. E 0 0 E 1 7,0 ev E 2 13,0 ev E 3 17,4 ev Ionização 21,4 ev Dentro das possibilidades

Leia mais

1. 3 2. 4 3. 4 4. 5 5. 6 6. 8 7. 9 8. 12 9. 16 10. 17 11. O

1. 3 2. 4 3. 4 4. 5 5. 6 6. 8 7. 9 8. 12 9. 16 10. 17 11. O 1 DIFRAÇÃO DE RAIOS X Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. Laboratório de Sistemas Biomoleculares. Departamento de Física-Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas-UNESP, São José do Rio

Leia mais

Se fizermos a mesma análise, para qualquer outra face do dado, teremos a mesma probabilidade 1/6 (um sexto).

Se fizermos a mesma análise, para qualquer outra face do dado, teremos a mesma probabilidade 1/6 (um sexto). Entendendo a Função de Onda: 1º Exemplo) Suponha que vamos jogar um dado de 6 (seis) faces para o alto. Qual é a probabilidade de tirarmos o número 3 (três)? -> como o total de lados possíveis é 6 (seis),

Leia mais

Figura 1: imagem obtida por Röntgen utilizando feixes de raios-x.

Figura 1: imagem obtida por Röntgen utilizando feixes de raios-x. LISTA TEMÁTICA E DE PROBLEMAS o. 7 - Transições Eletrônicas: Aparelho de Produção de Denominamos raios-x, descobertos por Wilhelm Conrad Roentgen (1845-1923) em 1895, a emissões eletromagnéticas cujos

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1

Projeto CAPAZ Básico Física Óptica 1 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso a alguns conceitos que fazem parte da física óptica. Refletiu sobre o conceito de luz, seus efeitos, de que forma ela está relacionada à nossa visão e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Força Central. Na mecânica clássica, uma força central é caracterizada por uma magnitude que depende, apenas, na distância r do objeto ao ponto de origem da força e que é dirigida ao longo do vetor que

Leia mais

O átomo de Rutherford

O átomo de Rutherford O átomo de Rutherford Elétrons orbitando o núcleo F Elétrica F Centrifúga Quando uma carga elétrica muda de velocidade ou direção, ela deve irradiar energia. Radiação Eletromagnética É o produto de campos

Leia mais

2 A física da monocromatização 2.1. Raios-X

2 A física da monocromatização 2.1. Raios-X 2 A física da monocromatização 2.1. Raios-X A famosa experiência de William Crookes, na qual um gás à pressão ambiente numa ampola era submetido a uma alta tensão elétrica, fazendo, dessa forma, com que

Leia mais

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções

O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções O Polarímetro na determinação de concentrações de soluções 1. O polarímetro Polarímetros são aparelhos que medem directamente a rotação de polarização, através da medição do ângulo de rotação de um analisador.

Leia mais

FÍSICA. Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração desta prova: TRÊS HORAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FAÇA LETRA LEGÍVEL

FÍSICA. Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração desta prova: TRÊS HORAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FAÇA LETRA LEGÍVEL FÍSICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este caderno contém oito questões, constituídas de itens e subitens, abrangendo um total de doze páginas,

Leia mais

Instituto de Física USP. Física V - Aula 14. Professora: Mazé Bechara

Instituto de Física USP. Física V - Aula 14. Professora: Mazé Bechara Instituto de Física USP Física V - Aula 14 Professora: Mazé Bechara Aula 14 - Efeito Compton ou o espalhamento dos Raios-X na interação com a matéria 1. Efeito ou espalhamento Compton o que é.. As características

Leia mais

História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.)

História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.) Prof.: Manzi História da Química: Empédocles (Séc. V a.c.) Teoria sobre os 4 elementos: Terra, Fogo, água e ar Aristóteles ( 350 a.c.) Quando a matéria recebe a forma ela se organiza nos quatro elementos

Leia mais

Aula 13 - Capítulo 38 Fótons e Ondas de Matéria

Aula 13 - Capítulo 38 Fótons e Ondas de Matéria Aula 13 - Capítulo 38 Fótons e Ondas de Matéria Física 4 Ref. Halliday Volume4 Sumário Elétrons e Ondas de Matéria A Equação de Schrödinger Determinação da Densidade de Probabilidade 2 Elétrons e Ondas

Leia mais

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados

Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser. Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Separação de Isótopos de Terras Raras usando Laser Nicolau A.S.Rodrigues Instituto de Estudos Avançados Roteiro 1. Motivação: - Isótopos: o que são porque um determinado isótopo é mais interessantes que

Leia mais