Loss Given Default: Um Estudo sobre Perdas em Operações Prefixadas no Mercado Brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Loss Given Default: Um Estudo sobre Perdas em Operações Prefixadas no Mercado Brasileiro"

Transcrição

1 Loss Given Default: Um Estudo sobre Perdas em Operações Prefixadas no Mercado Brasileiro Antonio Carlos Magalhães da Silva DEPEP/RJ Jaqueline Terra Moura Marins DEPEP/RJ Myrian Beatriz Eiras das Neves DEPEP/RJ

2 Motivação Basiléia II Implementação no Brasil Risco de Crédito Desafios: PD, LGD, EAD Internal Ratings Based Approach Foundation (IRB-F) (Órgão supervisor informa o valor de LGD) IRB-Advanced (Instituições Financeiras estimam o valor de LGD) 3

3 Motivação Loss Given Default (LGD) LGD = 1 Taxa de Recuperação Definição Padrão LGD inclui três tipos de perdas: Principal Custos de empréstimos não pagos (incluindo custos de oportunidade) Processos de cobrança e recuperação de crédito (Workout) 4

4 Motivação Quatro abordagens para o cálculo da LGD (Jacobs Jr. e Karagozoglu ): Market LGD preço de mercado de papéis em default Inexistência de títulos no Mercado Nacional Workout LGD fluxo de caixa descontado Previsão dos Fluxos de Caixa Implied Market LGD modelo teórico de precificação de ativos Preços de títulos de risco (não sob default) Implied Historical LGD dados históricos de recuperação (Modelagem) Base de Dados específica de LGD e longo período 5

5 Motivação Workout LGD Parâmetros cruciais: Medidas de recuperação e custos associados; Momento do fim do processo de cobrança; Taxa de desconto ( Sempre discutível ); ETT desconto em função do Rating Como fazer? 6

6 Objetivo Calcular a LGD de operações de crédito prefixadas. Período de default: janeiro de 2003 a setembro de meses. Base de Dados: SCR BACEN (Central de Risco de Crédito) Metodologia: Fluxo de caixa descontado - Workout LGD Resultados: LGD Média Mínima: 47% LGD Média Máxima: 92% 7

7 Revisão Bibliográfica Trabalho Base de dados LGD Variáveis Obs. Hurt & Felsovalyi (1998) Empréstimos bancários (1970 a 1996) Média: 31,8% (América Latina) Tamanho (+) Fluxo de caixa descontado Gripa P., Iannotti S., Leandri F. (2003) Banco da Itália (114 bancos) Média: 63% Tamanho (+), colateral (+), área geográfica Expert judgment, custo de workout, acordos privados 8

8 Revisão Bibliográfica Trabalho Base de dados LGD Variáveis Obs. Schuermann Títulos Bimodal (20% (2004) e 80%) Dermine e Carvalho (2006) Banco privado de Portugal pequenas e médias empresas (1995 a 2000) Média: 29% (Bimodalidade (0% e 100%) Senioridade, colateral, setor, ciclo econômico Tamanho (+), colateral (+), setor Crítica à perda média Fluxo de caixa descontado QIS Outros não-g10 Grupo 2* 55.7% para crédito rotativo de varejo qualificado (QRRE) * Austrália, Bahrein, Brasil, Chile, Índia, Indonésia, Peru, Cingapura 9

9 Dados e Metodologia Amostra: Operações de crédito prefixadas do SCR. Acompanhamento: de 01/2003 a 09/2007 (57 meses). Critérios de Seleção: Valor da operação: acima de R$ 100 mil Operações classificadas entre AA e D no momento da concessão e que passaram a classificação entre E e H em algum mês posterior. 10

10 Dados e Metodologia Eliminadas operações com data vencimento > 03/2007 Modalidades (com informações da taxa média de mercado prefixado): Cheque especial / Conta garantida Capital de giro com prazo superior a 30 dias Empréstimos/Financiamentos Vendor Desconto de duplicatas Financiamento de veículos Financiamentos outros bens Total de operações:

11 Cálculo dos Componentes da LGD Solução: LGD dividido em três componentes: LGD1* custo de oportunidade do crédito em default; LGD2 100% da última informação de saldo total na base / EAD para operações em H ou HH LGD3 100% da última informação de saldo total na base / EAD para operações em E a HH * Neste cálculo é excluído o custo de oportunidade do valor não recuperado 12

12 Cálculo dos Componentes da LGD LGD 1 = VP i EAD i P in N ( n ) 1+ Taxai n= 1 N ( n ) 1+ Taxai n= 1 EAD i 1 Onde : VP i = N ( n ) Saldo devedori N n= 1 ( n ) 1+ Taxa n= 1 i Taxa n i P in = Saldo devedor da N-ésima parcela da i-ésima operação IV Seminário sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária do Banco Central do Brasil 13

13 Cálculo dos Componentes da LGD LGD2 = H ou HH = E a G = 0 Saldo devedor EAD i N i LGD3 = E a HH = Saldo devedor EAD i N i EAD = Valor a Vencer + Valor Vencido + Valor em Prejuízo na data do default LGD mínima = LGD1 + LGD2 LGD máxima = LGD1 + LGD3 14

14 Investigação Empírica sobre a LGD Regressão Tobit Variáveis independentes utilizadas na regressão para investigar o comportamento da LGD : Ano do default Setor econômico do tomador (Código CNAE) Renegociação Garantia Risco da operação na concessão do crédito (rating) Porte do Cliente Prazo de relacionamento da IF com o cliente Valor da operação no default 15

15 Investigação Empírica sobre a LGD Regressão Tobit defasagem 1,3,6 e 12 meses Variação Mensal da Taxa Selic Variação Mensal do Volume Cheque Sem Fundo Variação do Consumo EE Variação da Consulta ao SPC Variação da Utilização da Capacidade Industrial Variação do Índice de Desemprego 16

16 Descrição da Amostra Tabela 1 - Total de operações inadimplentes conforme a modalidade - jan 2003 a set 2007 Modalidade unidades % Cheque especial / conta garantida Capital de giro Empréstimos Vendor Desconto de duplicatas Financiamento de veículos Financiamento outros bens Financiamentos Vendor Total : limitado às operações vencidas até março IV Seminário sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária do Banco Central do Brasil Tabela 2 - Total de operações conforme o ano da inadimplência Ano unidades % Total

17 Descrição da Amostra Tabela 3 Total de operações conforme a existência de garantia real Modalidade com garantia sem garantia unidades % unidades % Cheque especial / conta garantida Capital de giro Empréstimos Vendor Desconto de duplicatas Financiamento de veículos Financiamento outros bens Financiamentos Vendor Total Conforme informação fornecida pelas IFs! IV Seminário sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária do Banco Central do Brasil 18

18 Descrição da Amostra Tabela 4 Total de operações conforme o saldo devedor na data da inadimplência Valores em R$ unidades % Entre a De a De a De a De a De a De a De a Acima de Total Tabela 5 Total de operações conforme o segmento econômico do tomador Segmento econômico unidades % Primário Secundário Terciário Sem informação Total IV Seminário sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária do Banco Central do Brasil 19

19 Resultados LGD Mínima Figura 1 - LGD Mínima - Amostra completa Amostra: observações Média Mediana Máximo Mínimo Desvio padrão Assimetria Curtose Jarque-Bera Probabilidade IV Seminário sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária do Banco Central do Brasil 20

20 Resultados LGD Máxima Figura 2 - LGD Máxima - Amostra completa Amostra: observações Média Mediana Máximo Mínimo Desvio padrão Assimetria Curtose Jarque-Bera Probabilidade IV Seminário sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária do Banco Central do Brasil 21

21 RESULTADO DAS REGRESSÕES

22 Empresas Industriais Sinais conforme esperado Sinais contrários ao esperado Tabela 6 Estimação do modelo de LGD Mínima para toda a amostra Variáveis independentes Coef. Erro padrão Estat. t Prob. Constante 0,967 0,070 13,9 0,000 Dummy ,051 0,017-2,9 0,004 Dummy ,043 0,013-3,2 0,001 Dummy ,110 0,015-7,4 0,000 Dummy CNAE 2 0,050 0,011 4,6 0,000 Dummy renegociação 0,123 0,043 2,9 0,004 Log (prazo de relacionamento) - 0,016 0,002-9,1 0,000 Log (saldo devedor no default) - 0,026 0,006-4,8 0,000 Dummy porte do cliente 2-0,269 0,019-14,3 0,000 Dummy porte do cliente 3-0,204 0,014-14,7 0,000 Dummy porte do cliente 4-0,150 0,012-12,4 0,000 Dummy porte do cliente 5-0,253 0,015-16,7 0,000 Garantia 0,164 0,010 17,0 0,000 Rating - 0,011 0,003-3,7 0,000 Taxa selic (-12) - 0,066 0,027-2,4 0,016 Observações Log likelihood Pseudo R 2 0,073 R 2 0,092 Adj R 2 0,091 23

23 Empresas de Serviços Sinais conforme esperado Sinal contrário ao esperado Tabela 7 Estimação do modelo de LGD Máxima para toda a amostra Variáveis independentes Coef. Erro padrão Estat. t Prob. Constante Dummy Dummy Dummy Dummy Dummy CNAE Dummy renegociação Log (saldo devedor no default) Dummy porte do cliente Dummy porte do cliente Dummy porte do cliente Dummy porte do cliente Rating Desemprego (-12) Observações Log likelihood Pseudo R R Adj R

24 Conclusões LGD Média Mínima = 47% LGD Média Máxima = 92% Resultados compatíveis com os trabalhos de Dermine e Carvalho (2006), Schuermann (2004) e Hurt e Felsovalyi (1998). Limitações: Apenas operações prefixadas. Dados de variações de saldos e não de fluxos. Sem informação sobre o tomador, o que dificulta a modelagem. 25

25 Conclusões Variáveis exógenas resultados não explicativos. Modelagem com baixo poder de determinação Trabalho de Belloti e Crook (2009) Resultados brasileiros demonstram uma forte perda referente ao custo de oportunidade em função das elevadas taxas de juros praticadas nas operações de crédito no período analisado. 26

26 Sugestões para Trabalhos Futuros Trabalhos com base de dados específica de LGD. Inexistência de trabalhos de risco de crédito em LGD no Brasil novos trabalhos serão interessantes! Inserção da crise do sub-prime (bases novas) 27

27 OBRIGADA DEPEP/RJ 28

Trabalhos para Discussão Brasília n 193 setembro 2009 p. 1-46

Trabalhos para Discussão Brasília n 193 setembro 2009 p. 1-46 ISSN 1519-1028 CGC 00.038.166/0001-05 Trabalhos para Discussão Brasília n 193 setembro 2009 p. 1-46 Trabalhos para Discussão Editado pelo Departamento de Estudos e Pesquisas (Depep) E-mail: workingpaper@bcb.gov.br

Leia mais

As oportunidades em Analytics com Basiléia

As oportunidades em Analytics com Basiléia Evento Gestão do Risco de Crédito e a Resolução 3721 As oportunidades em Analytics com Basiléia Julio Guedes Experian Head of Analytics for Latin America 22/03/2012 Agenda Visão geral do Controle de Risco

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Qual é o Efeito da Garantia Real na Exigência de Capital para Risco de Crédito no Brasil?

Qual é o Efeito da Garantia Real na Exigência de Capital para Risco de Crédito no Brasil? Qual é o Efeito da Garantia Real na Exigência de Capital para Risco de Crédito no Brasil? Autoria: Myrian Beatriz Eiras das Neves, Alan Cosme Rodrigues da Silva, Antônio Carlos Magalhães da Silva, Jaqueline

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO E FUNDOS PRÓPRIOS Miguel A. Ferreira. Seminário ASFAC-APELEASE Novembro 2003

RISCO DE CRÉDITO E FUNDOS PRÓPRIOS Miguel A. Ferreira. Seminário ASFAC-APELEASE Novembro 2003 RISCO DE CRÉDITO E FUNDOS PRÓPRIOS Miguel A. Ferreira Seminário ASFAC-APELEASE Novembro 2003 Basileia I (1988) IF sujeitas a requisitos mínimos de capital para fazer face a risco Apenas risco de crédito

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL. Resumo

FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL. Resumo FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL Luciano Rodrigues Lara* Resumo No Brasil, a partir da implantação do Plano Real, houve uma acentuada queda no spread bancário,

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

DPGE - COM ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE RECEBÍVEIS CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE

DPGE - COM ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE RECEBÍVEIS CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE DPGE - COM ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA DE RECEBÍVEIS CRITÉRIOS DE ELEGIBILIDADE Regras Gerais São aceitos em alienação recebíveis de operações de Consignado do Setor Público, de Veículos (Leves, Pesados e Motos)

Leia mais

B R A S I L. Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08

B R A S I L. Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08 B R A S I L Resumo dos temas discutidos em conference call em 26/ fev /08 e 04/ mar/08 Participantes da Conference Call em 26 de fevereiro de 2008 Wagner Roberto Pugliese - Brasil Gilson Oliveira Marques

Leia mais

Macro Brasil. Impacto do corte dos spreads bancários dependerá da abrangência dessa medida. 2 de maio de 2012 Emerging Markets Research Brasil

Macro Brasil. Impacto do corte dos spreads bancários dependerá da abrangência dessa medida. 2 de maio de 2012 Emerging Markets Research Brasil Emerging Markets Research Brasil Macro Brasil Análise Econômica Credit Suisse Brasil Nilson Teixeira +55 11 3841 6288 nilson.teixeira@credit-suisse.com Iana Ferrão +55 11 3841 6345 Iana.ferrao@credit-suisse.com

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES

Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES Informações sobre os Sistemas Internos de Classificação do Risco de Crédito (abordagens IRB) I INSTRUÇÕES As informações a seguir devem compor relatório a ser fornecido pelas instituições financeiras que

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF CADASTRO POSITIVO Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF AGENDA O QUE É O BUREAU POSITIVO IMPORTÂNCIA E EFEITOS SOBRE O CRÉDITO BENCHMARKING EXPECTATIVAS DE UTILIZAÇÃO NOS NEGÓCIOS EXPERIÊNCIAS DA SERASA

Leia mais

Estimando Risco e Retorno em Operações de Empréstimo: Estudo de Caso Em Uma Cooperativa de Crédito

Estimando Risco e Retorno em Operações de Empréstimo: Estudo de Caso Em Uma Cooperativa de Crédito Estimando Risco e Retorno em Operações de Empréstimo: Estudo de Caso Em Uma Cooperativa de Crédito RESUMO Autoria: Rudson Franz Rudio Neste trabalho estimou-se os determinantes do lucro (retorno) e da

Leia mais

Mensurando e comparando a inadimplência do crédito pessoal via matrizes de transição

Mensurando e comparando a inadimplência do crédito pessoal via matrizes de transição III Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária do Banco Central do Brasil Mensurando e comparando a inadimplência do crédito pessoal via matrizes de transição Ricardo Schechtman

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

IX O Pass-Through da Taxa Básica: Evidências para as Taxas de Juros Bancárias

IX O Pass-Through da Taxa Básica: Evidências para as Taxas de Juros Bancárias IX O Pass-Through da Taxa Básica: Evidências para as Taxas de Juros Bancárias Leonardo Soriano de Alencar * IX.1 Introdução Uma idéia amplamente aceita pelos economistas é que a política monetária afeta

Leia mais

Cidadão Perguntas e Respostas

Cidadão Perguntas e Respostas Cidadão Perguntas e Respostas 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 1.1 O QUE É O SCR?... 2 1.2 QUEM PODE CONSULTAR AS INFORMAÇÕES ARMAZENADAS?... 2 1.3 PARA QUE SERVEM OS DADOS?... 2 1.4 OUTROS PAÍSES TÊM SISTEMAS

Leia mais

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Risco de Crédito. Risco de Crédito. 1. Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito 1. Estrutura de Gerenciamento de Em observância à resolução 3.721/2009 do Banco Central do Brasil, o Banco GMAC S.A, doravante denominado Chevrolet Serviços Financeiros, instituiu sua estrutura de gerenciamento

Leia mais

Crédito Direto ao Consumo e Securitização via FIDCs

Crédito Direto ao Consumo e Securitização via FIDCs Crédito Direto ao Consumo e Securitização via FIDCs Jayme Bartling Senior Director 19 de fevereiro de 2008 Agenda > O Processo de Análise da Fitch > Riscos Inerentes à Securitização > Quantificando Subordinação

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

Ciclo de Crédito uma Visão integrada

Ciclo de Crédito uma Visão integrada Ciclo de Crédito uma Visão integrada Analitix Soluções em Finanças ABBC São Paulo, 18 de junho de 2013 Agenda Processo do Ciclo de Crédito Descrição das etapas e processos do ciclo do crédito Concessão,

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

O BDMG tem como visão ser o banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais, impulsionando assim o crescimento socioeconômico sustentável do

O BDMG tem como visão ser o banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais, impulsionando assim o crescimento socioeconômico sustentável do 1 O BDMG tem como visão ser o banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais, impulsionando assim o crescimento socioeconômico sustentável do Estado. 2 Sumário 1) LIMITE DE CRÉDITO... 3 2) BDMG

Leia mais

BASILÉIA II E EXIGÊNCIA DE CAPITAL PARA RISCO DE CRÉDITO DOS BANCOS NO BRASIL

BASILÉIA II E EXIGÊNCIA DE CAPITAL PARA RISCO DE CRÉDITO DOS BANCOS NO BRASIL BASILÉIA II E EXIGÊNCIA DE CAPITAL PARA RISCO DE CRÉDITO DOS BANCOS NO BRASIL Guilherme M. Yanaka 1 Marcio Holland 2 Resumo Com a implementação do Acordo de Basiléia II no Brasil, os grandes conglomerados

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Crédito no Cartão Evolução do saldo e análise da taxa de juros cobrada

Crédito no Cartão Evolução do saldo e análise da taxa de juros cobrada Crédito no Cartão Evolução do saldo e análise da taxa de juros cobrada Estudo elaborado por: Boanerges Ramos Freire boanerges@boanergesecia.com.br Rafael Durer rafael@boanergesecia.com.br Fabricio Winter

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva.

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. 1 Segmentação do Mercado Financeiro MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL JUROS:

Leia mais

CRÍTICA NO RECEBIMENTO DE DOCUMENTOS NÃO-CONTÁBEIS CAPTAÇÃO DE DADOS DE CDB/RDB CIRCULAR 2.132 ART 2º

CRÍTICA NO RECEBIMENTO DE DOCUMENTOS NÃO-CONTÁBEIS CAPTAÇÃO DE DADOS DE CDB/RDB CIRCULAR 2.132 ART 2º CRÍTICA NO RECEBIMENTO DE DOCUMENTOS NÃO-CONTÁBEIS CAPTAÇÃO DE DADOS DE CDB/RDB CIRCULAR 2.132 ART 2º São captados dados diários via Sisbacen (PESP500) relativos a Captação, Resgate, Saldo Fim Dia e Taxa

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

Validação de Modelos Avançados de Risco de Crédito

Validação de Modelos Avançados de Risco de Crédito www.pwc.com Validação de Modelos Avançados de Risco de Crédito Estrutura da área, governança, aspectos técnicos qualitativos e quantitativos. Fórum ABBC Fevereiro 2011 Agenda da nossa reunião 1- Calendário

Leia mais

Aula 1 Conteúdo Programático

Aula 1 Conteúdo Programático Planejamento Financeiro Aula Conteúdo Programático Profa. Claudia Abramczuk Aula : controles financeiros básicos Aula 2: principais demonstrativos financeiros Aula 3: ferramentas utilizadas para tomada

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Dúvida sobre o envio do Doc 3050

Dúvida sobre o envio do Doc 3050 www.bcb.gov.brinício Legislação e normas Normas do CMN e do BC Normas com caracteres especiais Circular Circular 3.493 Dúvida sobre o envio do Doc 3050 01. Quem está obrigado a enviar o Doc 3050 ao Banco

Leia mais

O BDMG tem como visão ser o banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais, impulsionando assim o crescimento socioeconômico sustentável do

O BDMG tem como visão ser o banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais, impulsionando assim o crescimento socioeconômico sustentável do 1 O BDMG tem como visão ser o banco indispensável ao desenvolvimento de Minas Gerais, impulsionando assim o crescimento socioeconômico sustentável do Estado. 2 Sumário 1. Limite de Crédito pág. 03 2. BDMG

Leia mais

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS José Aguiar Superintendente - Abecip Rio de Janeiro, 18 de Setembro de 2014 AGENDA: Overview Pilares do crescimento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais

Rating Interno de Clientes

Rating Interno de Clientes inquest serviços de consultoria económica lda rua arquitecto cassiano barbosa, 6F sala 23 4100-009 porto portugal T. +351 22 616 8746 E. anascimento@inquest.pt Rating Interno de Clientes Estimativas da

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 Fonte: Bacen 27/01/2009 DESTAQUES DE DEZEMBRO / 2008 As operações de crédito no SFN, incluindo recursos livres e direcionados, finalizaram o ano com um incremento

Leia mais

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4.1 Preparação de Dados Foi utilizada uma base de dados de 156 clientes que tiveram o vencimento de seus títulos compreendidos no período de abril

Leia mais

Principais Características Clique para editar o estilo do de BII e BIII título mestre

Principais Características Clique para editar o estilo do de BII e BIII título mestre A Evolução da Gestão do Risco de Crédito Principais Características Clique para editar o estilo do de BII e BIII título mestre Caio Fonseca Ferreira Consultor Departamento de Normas do Sistema Financeiro

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

Gestão. Basileia II Como funciona?

Gestão. Basileia II Como funciona? Basileia II Como funciona? O tema Basileia não é novo, mas continua a merecer cada vez mais destaque. Para os Bancos que optaram pelo Foundation Internal Ratings-Based Approach (IRB Simples) a implementação

Leia mais

TÁ NA MESA Alavancando o Crescimento com Inteligência. Francisco Valim, Ago 2009

TÁ NA MESA Alavancando o Crescimento com Inteligência. Francisco Valim, Ago 2009 TÁ NA MESA Alavancando o Crescimento com Inteligência Francisco Valim, Ago 2009 A CRISE GLOBAL EM UM DIAGRAMA Política Monetária Expansionista 2003-05 Risco Subestimado nos Mercados Financeiros Falhas

Leia mais

Apresentação. Economia Bancária e Crédito III

Apresentação. Economia Bancária e Crédito III Apresentação O ano de 2008 foi marcado pelos efeitos da crise internacional, principalmente após a quebra do Lehman Brothers, sobre os mercados financeiros domésticos. Entretanto, um ambiente de estabilidade

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco de Crédito

Estrutura da Gestão de Risco de Crédito Estrutura A estrutura de Gestão do está sob a responsabilidade do Conselho de Administração. Tais estruturas compreendem as atividades descritas nos quadros abaixo: Análise e Aprovação de Crédito Comitê

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito

Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito Nova estrutura de dados de crédito Nota Metodológica 1. Introdução Esta Nota tem por objetivo descrever os principais aprimoramentos incorporados

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 31-CNA Brasília, 18 de setembro de 2006. Assunto: Redução das Taxas de Juros dos Fundos Constitucionais de Financiamento.

NOTA TÉCNICA Nº 31-CNA Brasília, 18 de setembro de 2006. Assunto: Redução das Taxas de Juros dos Fundos Constitucionais de Financiamento. NOTA TÉCNICA Nº 31-CNA Brasília, 18 de setembro de 2006. Técnicos: Luciano Marcos de Carvalho Rosemeire Cristina dos Santos Comissão: Crédito Rural Assunto: Redução das Taxas de Juros dos Fundos Constitucionais

Leia mais

Seminário Crédito Imobiliário Visão do regulador e o mercado externo Banco Central do Brasil (BCB)

Seminário Crédito Imobiliário Visão do regulador e o mercado externo Banco Central do Brasil (BCB) Seminário Crédito Imobiliário Visão do regulador e o mercado externo Banco Central do Brasil (BCB) São Paulo, 20 de março de 2014 Agenda 1. Panorama do Segmento 2. Particularidades do Mercado Brasileiro

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro

Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro Modelos de Risco de Crédito em Carteiras Uma Comparação Aplicada ao Caso Brasileiro Alexandre de Oliveira - out/2013 No atual estágio de desenvolvimento das metodologias para mensuração do risco de crédito

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

3 Default estratégico e crédito pessoal: o experimento natural brasileiro

3 Default estratégico e crédito pessoal: o experimento natural brasileiro 3 Default estratégico e crédito pessoal: o experimento natural brasileiro 3.1. Introdução No final de 2003, o congresso brasileiro aprovou uma nova lei regulando o crédito consignado. O crédito consignado

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Gestão de Atendimento AFAF D.GA.03 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

Only buy something that you d be perfectly happy to hold if the market shut down for 10 years.

Only buy something that you d be perfectly happy to hold if the market shut down for 10 years. Only buy something that you d be perfectly happy to hold if the market shut down for 10 years. Warren Buffet 0 Classes de Ativos Emergentes Ely Mizrahi, Associate Director Mirian Abe, Director 7 de Maio

Leia mais

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II AULA 08 Produtos e Serviços Financeiros II Operações Ativas As operações ativas são aquelas em que o banco, além dos investimentos destinados à formação do seu ativo permanente e disponibilidades, atua

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2013. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2013. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r 1º Trimestre 2013 w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r Sumário I. Introdução... 2 I.1 Apresentação... 2 II. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 3 II.1 Gestão Integrada de

Leia mais

Fracionamento no Seguro de Automóvel: Manutenção das Taxas no Último Ano 1 Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.

Fracionamento no Seguro de Automóvel: Manutenção das Taxas no Último Ano 1 Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com. Fracionamento no Seguro de Automóvel: Manutenção das Taxas no Último Ano 1 Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br outubro/2005 I) Critérios Este estudo compara as taxas de juros praticadas no parcelamento

Leia mais

Crédito Privado e os riscos no atual cenário econômico. Elber Kenji Numata Ogasavara

Crédito Privado e os riscos no atual cenário econômico. Elber Kenji Numata Ogasavara Crédito Privado e os riscos no atual cenário econômico Elber Kenji Numata Ogasavara Risco de Crédito - Características do Mercado de Títulos Privados Baixa liquidez de títulos privados Brasileiro Preponderância

Leia mais

Títulos de Crédito títulos de crédito formalizar dívidas que serão pagas no futuro prazo previamente estipulado ativos financeiros vendê-los por

Títulos de Crédito títulos de crédito formalizar dívidas que serão pagas no futuro prazo previamente estipulado ativos financeiros vendê-los por Desconto Simples Títulos de Crédito Os títulos de crédito são instrumentos legais previstos no direito comercial (contratos) e são usados para formalizar dívidas que serão pagas no futuro, em prazo previamente

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

Organização da Aula. Análise de Crédito e Risco. Aula 2. Contextualização. Instituições Financeiras

Organização da Aula. Análise de Crédito e Risco. Aula 2. Contextualização. Instituições Financeiras Análise de Crédito e Risco Aula 2 Prof. Cleverson Luiz Pereira Organização da Aula Instituições financeiras X estrutura do departamento de crédito Modalidades de crédito Contextualização As instituições

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2013 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Tendências e perspectivas

Tendências e perspectivas Economia brasileira Tendências e perspectivas Apresentação para o VIII Seminário Econômico da Fundação CEEE Gustavo H. B. Franco Porto Alegre, 23 de novembro de 2006 4 Temas Fundamentais Para entender

Leia mais

Relatório de Economia Bancária e Crédito

Relatório de Economia Bancária e Crédito Relatório de Publicação anual do Banco Central do Brasil (BCB) Os textos e os quadros estatísti cos correspondentes são de responsabilidade dos seguintes componentes: Departamento de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico

Soluções em Recebimentos. Manual Técnico Soluções em Recebimentos CNAB400/CBR643 Manual Técnico Layout de Arquivo Retorno para convênios na faixa numérica entre 1.000.000 a 9.999.999 (Convênios de 7 posições) Orientações Técnicas Versão Jan/2014

Leia mais

Conhecendo os Processos de Cobrança

Conhecendo os Processos de Cobrança Conhecendo os Processos de Cobrança 03 Processos de Cobrança Entenda a Fatura Ferramentas de Suporte Consulta de Extratos 05 09 11 16 Consumo Consciente 02 Processos de Cobrança conheça os processos de

Leia mais

O Seguro de Crédito na Gestão de Capital

O Seguro de Crédito na Gestão de Capital O Seguro de Crédito na Gestão de Capital Dr. Lourenço Miranda Banco ABN AMRO REAL S.A. Superintendente de Modelos de Risco e Gestão Integrada Diretoria de Gerenciamento de Riscos para América Latina Cláudio

Leia mais

Apoio ao Encadeamento Produtivo Setor Automotivo

Apoio ao Encadeamento Produtivo Setor Automotivo Apoio ao Encadeamento Produtivo Setor Automotivo SISTEMISTAS Empresas Associadas ao SINDPEÇAS Atuação CAIXA para apoio ao Setor Renovação de Frota Pro-Transporte Financiamento de Máquinas e Equipamentos

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE IF S DATA: 25/03/2010 O CAPITAL É CONSTITUÍDO EM MOEDA CORRENTE OU TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS SUBSCRIÇÃO MÍNIMA - 50%

CONSTITUIÇÃO DE IF S DATA: 25/03/2010 O CAPITAL É CONSTITUÍDO EM MOEDA CORRENTE OU TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS SUBSCRIÇÃO MÍNIMA - 50% DATA: 25/03/2010 PROFs. SÔNIA LIMA VALTUIR CONSTITUIÇÃO DE IF S DE ACORDO LEI 4.595/64 O CAPITAL É CONSTITUÍDO EM MOEDA CORRENTE OU TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS SUBSCRIÇÃO MÍNIMA - 50% 1 A INTEGRALIZAÇÃO

Leia mais

INCUMPRIMENTO NO CRÉDITO AOS PARTICULARES: QUAL É O PAPEL DO PERFIL DE CRÉDITO DOS DEVEDORES?*

INCUMPRIMENTO NO CRÉDITO AOS PARTICULARES: QUAL É O PAPEL DO PERFIL DE CRÉDITO DOS DEVEDORES?* INCUMPRIMENTO NO CRÉDITO AOS PARTICULARES: QUAL É O PAPEL DO PERFIL DE CRÉDITO DOS DEVEDORES?* Luísa Farinha** Ana Lacerda** 1. INTRODUÇÃO A crise económica recente, no contexto de um elevado nível de

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Agosto de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing do Banco Itaú Indicadores de Mercado 2 Mercado de Cartões 2008 Indicadores de

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito SCR

Sistema de Informações de Crédito SCR Sistema de Informações de Crédito SCR Consultas às Informações do Cliente Cidadão Versão 2.0 Este manual descreve a forma como os cidadãos e as pessoas jurídicas não financeiras acessam as informações

Leia mais