Sistema de Informações de Crédito SCR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Informações de Crédito SCR"

Transcrição

1 Sistema de Informações de Crédito SCR Consultas às Informações do Cliente Cidadão Versão 2.0

2 Este manual descreve a forma como os cidadãos e as pessoas jurídicas não financeiras acessam as informações sobre as operações de crédito registradas em seus nomes no SCR, pelas instituições financeiras, no Sistema de Informações de Crédito SCR. 1. Os clientes do Sistema Financeiro Nacional podem acessar, pela internet, as informações sobre operações e títulos com características de crédito e coobrigações (fianças e avais prestados pelas instituições financeiras) de suas responsabilidades contidas na base de dados do Sistema de Informações de Crédito (SCR). 2. O acesso ao SCR é realizado mediante credenciamento do cliente no Sisbacen, conforme orientação disponível no endereço 3. Maiores informações a respeito dos procedimentos necessários para se obter acesso ao SCR, bem como sua utilização, podem ser obtidas pelo telefone , nos dias úteis, das 9h às 16h, pelo correio eletrônico BC Fale conosco, ou no endereço eletrônico 4. De posse de sua senha, o cliente deve acessar na internet o endereço https://www3.bcb.gov.br/scr2/dologin, que é a página de login do SCR, mostrada abaixo. Nessa página, o cliente informa os campos unidade, dependência, operador e senha. Página: 2 de 10

3 5. Para cliente Pessoa Física o campo Unidade deve ser preenchido com 98000, o campo Dependência com 0001, o campo Operador com o seu CPF (nove primeiros dígitos) e o campo Senha com a sua senha. 6. Autorizado o acesso, o cidadão deve trocar a senha 7. Alterada a senha por uma nova, o cidadão verá a seguinte tela: Página: 3 de 10

4 8. Para consultar os dados de suas operações de crédito registradas, selecionar, no menu consultas, a opção Consultar Informações do Cliente - Cliente 9. O SCR disponibiliza os dados do último dia do mês (data-base), dos últimos 60 meses (60 datas-base). Deve-se salientar que os dados são informados com uma defasagem de Página: 4 de 10

5 cerca de 20 dias, e ainda há de se considerar o tempo para processamento das informações. Por exemplo, os dados da data-base de mar/12 (31/03/12) estarão disponíveis, provavelmente, apenas no final do mês de abril/12. Logo ao consultar as informações de mar/12, no princípio do mês de abril/12 é provável que nenhum dado seja apresentado simplesmente por que os dados ainda não foram disponibilizados. Por essas razões, sugere-se que as consultas que tomem como referência a última data-base disponível sejam analisadas com cuidado. 10. O cliente pode optar por consultar seus dados em todo Sistema Financeiro Nacional, ou restringir a pesquisa a um Conglomerado Financeiro ou determinada Instituição Financeira, para isso deve selecionar a opção desejada no campo Instituição. 11. Para as consultas de operações em um Conglomerado ou Instituição deve-se informar o código do Conglomerado ou o CNPJ da Instituição (oito primeiros dígitos). Se necessário, o usuário poderá fazer uma pesquisa nominal. Para isso, o usuário deve digitar sua pesquisa no campo e selecionar a IF na lista. Pressionando o botão Consultar, a pesquisa será concluída e retornará automaticamente à tela Informações Detalhadas do Cliente 12. O Sistema mostra a tela Informações Detalhadas do Cliente, para a data-base selecionada, onde são apresentadas, para o Sistema Financeiro Nacional, Conglomerado ou Instituição, conforme a opção inicial, as seguintes informações: a) Quantidade de Operações b) Quantidade de Instituições em que o Cliente possui operações c) Exposição em Moeda Estrangeira (ME) d) Quantidade de Operações Amparadas por Sub-judice e) Operações Amparadas por Sub-judice f) Quantidade de Operações com Manifestação de Discordância g) Operações com Manifestação de Discordância h) Data de Início de Relacionamento com a IF i) Valor total das operações de crédito concedidas ao cliente distribuído por vencimentos tanto em aberturas a vencer, vencidas e baixadas como prejuízo. Adicionalmente são exibidos os valores de Limites de Crédito, Risco Indireto, Repasses Interfinanceiros e Coobrigações Página: 5 de 10

6 13. Com base nas últimas datas-base disponíveis, o SCR informa a data de início de relacionamento do cliente com o Sistema Financeiro Nacional, Conglomerado ou Instituição pesquisada. Todas as telas de consulta do SCR apresentam os valores monetários em milhares de reais (R$ mil), arredondados. 14. Pressionando o botão + ao lado da data base, o Sistema abre uma tela detalhando informações por instituições que enviaram ao SCR dados sobre o cliente, apresentando informações detalhadas por modalidade e submodalidade 15. Pressionando a data-base a que se referem as informações, o Sistema apresenta a tela "Fluxo de Vencimentos Consolidados", em que todas as operações do cliente na database são somadas e exibidas segundo a distribuição do fluxo de vencimentos. Também são exibidos os valores da Responsabilidade Total sujeitos a variação cambial, na coluna Moeda Estrangeira: 16. A mesma tela Fluxo de Vencimentos Consolidados" também é exibida quando na tela Informações Detalhadas do Cliente o usuário pressionar o nome da instituição financeira, ao invés da data base. Entretanto neste caso serão consideradas apenas as operações na instituição selecionada. Página: 6 de 10

7 17. Nas telas de "Fluxo de Vencimentos Consolidados" e Informações Detalhadas do Cliente, pode-se acessar uma versão adequada para impressão, basta pressionar o botão Imprimir Relatório 18. Essa versão poderá conter também um Glossário e Texto Explicativo, que poderá ser visualizado em tela por meio do botão Glossário e Texto Explicativo, ou ser impresso juntamente com o relatório, neste caso, basta marcar a opção Imprimir Glossário e Texto Explicativo e pressionar o botão Imprimir Relatório. 19. Para sair do sistema, o usuário poderá a qualquer momento selecionar a opção Logout, localizado no canto superior direito da tela (ao lado da aba Consultas). Página: 7 de 10

8 Dúvidas Freqüentes 1. Dados referem-se a uma instituição financeira ou ao Sistema Financeiro Nacional? Se o campo Instituição informar Sistema Financeiro, os dados se referirão ao total deste campo em todas as instituições financeiras cujos dados, para a data-base pesquisada, já tenham sido incorporados ao SCR. Se o campo Instituição informar uma instituição financeira ou conglomerado financeiro específico, os dados das tabelas se referirão apenas àquela instituição ou conglomerado. 2. O que é crédito a vencer? É o valor (presente) resultante da soma das parcelas cujas datas de pagamento ainda não venceram, ou venceram até 14 dias, dias transcorridos até o último dia da data-base informada. Observação: parcelas pagas somente deixarão de constar quando for consultada a data-base correspondente ao mês de pagamento. 3. O que é crédito vencido? É o valor resultante da soma das parcelas cujas datas de pagamento venceram há mais de 14 dias (dias transcorridos até o último dia da data-base informada). O valor da dívida vencida informado ao SCR somente incorpora os juros calculados até 60 dias de atraso. Após este período, a IF continuará calculando e cobrando os juros das parcelas atrasadas normalmente, conforme previsto no contrato, apenas não os informará ao SCR. 4. O que é prejuízo? Quando parte de uma operação está vencida (atrasada), o Banco Central exige que a instituição financeira reconheça uma pequena probabilidade de que toda a operação não seja paga. Se o tempo vai passando e as parcelas atrasadas não são quitadas, a instituição tem que reconhecer que essa probabilidade está aumentando. Ao fim de no mínimo 6 meses e no máximo 1 ano de atraso de alguma parte da operação, a instituição tem que reconhecer todo o valor da operação como prejuízo. Operações com atraso demoram de 6 a 12 meses para serem reconhecidas como prejuízo. As instituições financeiras devem informar operações em prejuízo por 4 anos. 5. O que é carteira de crédito? Carteira de crédito é a soma dos créditos a vencer, créditos vencidos e prejuízo. Carteira de crédito = créditos a vencer + créditos vencidos + prejuízo. 6. O que são repasses interfinanceiros? São operações, em sua maioria, oriundas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES e de instituições estrangeiras, em que os recursos são repassados para instituições financeiras emprestarem a seus clientes. Outro tipo de repasse interfinanceiro é o realizado entre as instituições financeiras. 7. O que são coobrigações? Coobrigações não são dívidas. São coobrigações assumidas mais as garantias prestadas exclusivamente por instituições financeiras a seus clientes. Não incluem garantias prestadas por pessoas físicas ou pessoas jurídicas não-financeiras. Por exemplo, se uma instituição financeira conceder uma carta de fiança para garantir um contrato de locação de imóveis ou um contrato com um fornecedor, o valor deste contrato será exibido como coobrigação na consulta ao cliente que recebeu a carta de fiança. É uma informação positiva: mostra que o cliente tem credibilidade junto à instituição com que se relaciona. 8. E se uma coobrigação for executada? Em geral, a instituição financeira que se coobrigou paga o valor devido ao credor e transforma o contrato de coobrigação em contrato de empréstimo (ou financiamento). Nesse caso, a informação de coobrigação desaparecerá do SCR e aparecerá um empréstimo (ou financiamento). Há outras possibilidades, dependendo das cláusulas contratadas. A instituição que honrou a garantia não poderá, contudo, informar a mesma operação duas vezes, uma em coobrigação e outra em carteira de crédito. Página: 8 de 10

9 9. O que é responsabilidade total? Responsabilidade total é a soma da carteira de crédito, repasses interfinanceiros e coobrigações. Responsabilidade Total = carteira de crédito + repasses interfinanceiros + coobrigações. Relembrando: clientes com responsabilidade total igual ou superior a R$ 1.000,00 (mil reais) devem ser informados ao SCR. 10. O Que é Crédito a Liberar? Parcelas de crédito que foram efetivamente contratadas e que serão liberadas mediante o cumprimento de alguma exigência (etapa de projeto, cronograma, etc); 11. O que é Limite de Crédito? É um limite contratado e não utilizado em alguma modalidade, ou conjunto de modalidades de crédito, tipicamente atribuído a modalidades como cheque especial, cartão de crédito, capital de giro, etc. O limite de crédito pode se tornar uma operação de crédito a qualquer momento ou pode nunca se tornar em uma operação de crédito. Para fins de informação no SCR, não se enquadram em limite de crédito os limites gerenciais (não contratados). Exemplo: um cliente que possui limite de cheque especial igual a R$ 3.000,00 (três mil reais) vamos considerar que a parte utilizada do cheque especial seja R$ 500,00 (quinhentos reais), e vamos supor que quando essa parte seja somada a outras operações totalizem responsabilidade total superior a R$ 1.000,00 (mil reais), nesse caso R$ 500,00 será informado como empréstimo - cheque especial e conta garantida e a parte não utilizada do cheque especial, os R$ 2.500,00 (dois mil e quinhentos reais), será informada como Limite de Crédito. 12. O que é risco total? Risco total é a soma da responsabilidade total com limites de crédito e o crédito a liberar. Risco total = responsabilidade total + limite de crédito + crédito a liberar. 13. O que é quantidade de IFs em que o cliente possui operações? Nas consultas a um cliente no Sistema Financeiro Nacional, é o total de instituições financeiras que informaram o cliente na data-base pesquisada. 14. O que é exposição em moeda estrangeira (ME)? É o somatório de todas as operações vinculadas a moeda estrangeira. A conversão para reais é feita pela taxa de câmbio do último dia útil da data-base pesquisada. 15. O que são operações amparadas por medida judicial (responsabilidade total)? É a soma dos valores, na data-base pesquisada, de todas as operações do cliente que estejam marcadas sub judice em atendimento a uma ordem judicial. Os valores das operações sub judice são exibidos normalmente no SCR, conforme determinação da ordem judicial. Diferentemente, se a ordem judicial determinar que a operação deva ser excluída, a operação desaparece totalmente do SCR. 16. O que é quantidade de operações amparadas por medida judicial? É a quantidade total de operações do cliente marcadas sub judice, em atendimento a uma ordem judicial, na data-base pesquisada. 17. O que é Operações com Manifestação de Discordância? É a soma dos valores, na data-base pesquisada, de todas as operações do cliente que estejam marcadas com manifestação de discordância, na esfera administrativa. Observando-se que é responsabilidade da Instituição Financeira a marcação, se for o caso, de tais manifestações de discordância, conforme o Art. 9º da Res. Nº 3.658, de 17 de Dezembro de 2008: As informações remetidas para fins de registro no SCR são de exclusiva responsabilidade das instituições de que trata o art. 4º, inclusive no que diz respeito às inclusões, às correções, às exclusões, às marcações sub judice e ao registro de medidas judiciais e de manifestações de discordância apresentadas pelos contratantes. Página: 9 de 10

10 18. O que é Quantidade de Operações com Manifestação de Discordância? É a quantidade total de operações do cliente marcadas com manifestação de discordância. 19. O que é início do relacionamento com a IF ou início do relacionamento com as IF informantes do SFN? É a menor data informada pela IF/SFN como a data de início de relacionamento do cliente com a IF/SFN. 20. O que são modalidades? São agrupamentos definidos pelo Banco Central do Brasil nos quais as instituições financeiras devem enquadrar suas operações, dependendo das características de cada produto bancário oferecido no mercado de crédito. As principais modalidades informadas ao SCR são adiantamentos a depositantes, empréstimos, títulos descontados, financiamentos, financiamentos à exportação, financiamentos à importação, financiamentos com interveniência, financiamentos rurais e agroindustriais, financiamentos imobiliários, financiamentos de títulos e valores mobiliários, financiamentos de infraestrutura e desenvolvimento, operações de arrendamento, outros créditos, repasses interfinanceiros, coobrigações, Títulos de crédito (fora da carteira classificada) e limite e Retenção de Risco. 21. Porque um relatório sem dados não pode ser interpretado como um nada consta? Porque existem várias situações em que ainda existem dados do cliente e que, contudo, o relatório retorna vazio. Exemplos: - O Banco Central do Brasil ainda não recebeu/aprovou os dados enviados pela instituição financeira credora; - O cliente quitou parcialmente a dívida, ficando com responsabilidade total menor que R$ 1.000,00 (mil reais); - Uma medida judicial determinou que os dados não fossem exibidos no SCR; - Uma dívida vencida há mais de 60 meses deixa de ser informada ao SCR. Página: 10 de 10

Sistema de Informações de Crédito SCR

Sistema de Informações de Crédito SCR Sistema de Informações de Crédito SCR às Informações do Cliente Versão 1.1 1. Os clientes do Sistema Financeiro Nacional podem acessar, pela internet, as informações sobre operações e títulos com características

Leia mais

Cidadão Perguntas e Respostas

Cidadão Perguntas e Respostas Cidadão Perguntas e Respostas 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 1.1 O QUE É O SCR?... 2 1.2 QUEM PODE CONSULTAR AS INFORMAÇÕES ARMAZENADAS?... 2 1.3 PARA QUE SERVEM OS DADOS?... 2 1.4 OUTROS PAÍSES TÊM SISTEMAS

Leia mais

Informações ao BACEN sobre operações de Crédito SCR. RB Capital DTVM

Informações ao BACEN sobre operações de Crédito SCR. RB Capital DTVM Informações ao BACEN sobre operações de Crédito SCR RB Capital DTVM Maio 2011 Objetivo Este documento tem como objetivo estabelecer um guia do registro das operações de crédito no Sistema de Informações

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002

CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002 BANCO CENTRAL DO BRASIL Diretoria de Normas e Organização do Sistema Financeiro Departamento de Normas do Sistema Financeiro CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE

TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE GERAÇÃO DE BOLETOS BRADESCO NO FINANCE 2 Índice Como gerar Boleto Bancário pelo Bradesco... 3 Como gerar os arquivos de Remessa para o Banco pelo Finance... 14 Como enviar

Leia mais

Dúvida sobre o envio do Doc 3050

Dúvida sobre o envio do Doc 3050 www.bcb.gov.brinício Legislação e normas Normas do CMN e do BC Normas com caracteres especiais Circular Circular 3.493 Dúvida sobre o envio do Doc 3050 01. Quem está obrigado a enviar o Doc 3050 ao Banco

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2999. 1.4.3.00.00-2 Repasses Interfinanceiros; 3.0.1.30.00-5 BENEFICIÁRIOS DE GARANTIAS PRESTADAS;

CARTA-CIRCULAR N 2999. 1.4.3.00.00-2 Repasses Interfinanceiros; 3.0.1.30.00-5 BENEFICIÁRIOS DE GARANTIAS PRESTADAS; CARTA-CIRCULAR N 2999 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados na remessa de informações no âmbito da Central de Risco de Credito. Para fins da prestação das informações de que trata a Circular

Leia mais

DIRETORIA COLEGIADA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO E DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO

DIRETORIA COLEGIADA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO E DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO DIRETORIA COLEGIADA DIRETORIA DE FISCALIZAÇÃO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO E DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO CARTA-CIRCULAR Nº 3.389, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Altera e consolida os procedimentos

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA SERVELOJA

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA SERVELOJA MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA SERVELOJA A Serveloja soluções empresariais é uma empresa de tecnologia, especialista em consultoria, serviços financeiros e softwares. Disponibilizamos diversas soluções de cobranças

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

CRÍTICA NO RECEBIMENTO DE DOCUMENTOS NÃO-CONTÁBEIS CAPTAÇÃO DE DADOS DE CDB/RDB CIRCULAR 2.132 ART 2º

CRÍTICA NO RECEBIMENTO DE DOCUMENTOS NÃO-CONTÁBEIS CAPTAÇÃO DE DADOS DE CDB/RDB CIRCULAR 2.132 ART 2º CRÍTICA NO RECEBIMENTO DE DOCUMENTOS NÃO-CONTÁBEIS CAPTAÇÃO DE DADOS DE CDB/RDB CIRCULAR 2.132 ART 2º São captados dados diários via Sisbacen (PESP500) relativos a Captação, Resgate, Saldo Fim Dia e Taxa

Leia mais

Sumário. www.samisistemas.com.br Porto Alegre 51 3254.5454 Florianópolis 48 3094.1775 São Paulo 11 3076.499 Rio de Janeiro 21 3031.

Sumário. www.samisistemas.com.br Porto Alegre 51 3254.5454 Florianópolis 48 3094.1775 São Paulo 11 3076.499 Rio de Janeiro 21 3031. Sumário Legenda... 3 1. Caixa... 4 1.1. Caixa... 4 1.1.1. Abertura de Caixa... 4 1.1.1.1. Lançamentos de Caixa... 6 1.1.2. Fechamento de Caixa... 38 1.2. Consultas... 39 1.2.1. Fita do Caixa... 39 1.2.2.

Leia mais

PORTAL DE SERVIÇOS AUTOMATIZADOS À PREFEITURA

PORTAL DE SERVIÇOS AUTOMATIZADOS À PREFEITURA O Portal de Serviços Automatizados à Prefeitura disponibiliza ao contribuinte a emissão de faturas referente os débitos do IPTU, ISSQN e DÍVIDAS DIVERSAS, do exercício e dívida ativa, tanto negociada (parcelamentos)

Leia mais

Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras

Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras Manual de Consulta Web Service Consulta ao SCR para Instituições Financeiras 1. Introdução O que é a Consulta ao SCR via Web Service? A consulta ao SCR via Web Service permite a consulta da posição consolidada

Leia mais

Portal Gestão de Recebimentos

Portal Gestão de Recebimentos Portal Gestão de Recebimentos Introdução O Portal Gestão de Recebimentos proporciona agilidade e rapidez na interação dos clientes HSBC com seus fornecedores. Permite a você consultar as operações liberadas

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 A.1.1.1.2. L100B - Financeiras 1.0.3.9.9.99.99 ATIVO GERAL 01012014 S 1 01 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO 01012014 S 1.0.0.0.0.00.00 2 01 1.1.1.0.0.00.00 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 01012014 S 1.1.0.0.0.00.00

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014.

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre os procedimentos para a remessa das informações relativas às exposições ao risco de mercado e à apuração das respectivas parcelas no cálculo

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 3 O QUE É CNAB?... 3 QUAL O OBJETIVO DO CNAB?... 3 QUAIS BANCOS E CARTEIRAS O EMPRESÁRIO ERP NOS FORNECE?...

Sumário INTRODUÇÃO... 3 O QUE É CNAB?... 3 QUAL O OBJETIVO DO CNAB?... 3 QUAIS BANCOS E CARTEIRAS O EMPRESÁRIO ERP NOS FORNECE?... Sumário INTRODUÇÃO... 3 O QUE É CNAB?... 3 QUAL O OBJETIVO DO CNAB?... 3 QUAIS BANCOS E CARTEIRAS O EMPRESÁRIO ERP NOS FORNECE?... 4 COMO CONFIGURAR O CNAB... 5 CADASTRO DE BANCOS... 5 PARAMETROS DO CNAB...

Leia mais

TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE

TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE TUTORIAL COM OS PROCEDIMENTOS DE GERAÇÃO DE BOLETOS CAIXA ECONÔMICA FEDERAL NO FINANCE Finance V10 New 2 Índice Como gerar Boleto Bancário pela Caixa Econômica... 3 Como efetuar a Conciliação por Extrato

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema

Manual de Utilização do Sistema Manual de Utilização do Sistema 2015 Nota Control Nota Premiada Índice Parte I Informações Iniciais 1 Sobre o documento Parte II Apresentação 1 Menu Home 2 Menu Cadastro 3 Menu Entrar 4 Menu Sorteio Realizados

Leia mais

CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS ATRIBUTOS

CÓDIGOS TÍTULOS CONTÁBEIS ATRIBUTOS 1 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO UBDKIFJACTSWEROLMNHZ - - - 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES UBDKIFJACTSWEROLMNHZ - - - 1.1.1.00.00-9 Caixa UBDKIFJACTSWER-LMNHZ - - - 1.1.1.10.00-6 CAIXA

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 2.05.01.01.05 Fundos Especiais de Domiciliados e Residentes no País 01012014 A 2.05.01.01 5 03 2.05.01.02 PATRIMÔNIO SOCIAL REALIZADO - DE RESIDENTE/DOMICILIADO NO EXTERIOR 01012014 S 2.05.01 4 03 2.05.01.02.01

Leia mais

Convênio, Contrato de Repasse e Termo de Parceria operados por OBTV

Convênio, Contrato de Repasse e Termo de Parceria operados por OBTV MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO Portal dos Convênios SICONV Convênio, Contrato de Repasse

Leia mais

CCS - Cadastro de Clientes do SFN Orientação sobre Produtos - Fase I. Versão 1.0.3

CCS - Cadastro de Clientes do SFN Orientação sobre Produtos - Fase I. Versão 1.0.3 CCS - Cadastro de Clientes do SFN Orientação sobre Produtos - Fase I Versão 1.0.3 Banco Central do Brasil, junho de 2007 1. OBJETIVO Este documento visa orientar as IF envolvidas na Fase I do Cadastro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000.

RESOLUÇÃO Nº 1748. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de 01/03/2000. RESOLUÇÃO Nº 1748 01/03/2000. Documento normativo revogado pela Resolução 2682, de 21/12/1999, a partir de Altera e consolida critérios para inscrição de valores nas contas de créditos em liquidação e

Leia mais

Convênio, Contrato de Repasse e Termo de Parceria operados por OBTV

Convênio, Contrato de Repasse e Termo de Parceria operados por OBTV MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO Portal dos Convênios SICONV Convênio, Contrato de Repasse

Leia mais

PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro

PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro PRONIM ED - EDUCAÇÃO Financeiro SUMÁRIO 1. FINANCEIRO... 5 1.1. ED - SECRETARIA... 5 1.2. ED - ESCOLA... 5 1.3. USUÁRIOS POR ENTIDADE NO ED SECRETARIA E ESCOLA... 6 2. FINANCEIRO - SECRETARIA... 7 2.1.

Leia mais

PREFEITURA MUNCIPAL DE CONTAGEM MANUAL DO USUÁRIO. versão 1.0 SISTEMA IPTU ONLINE

PREFEITURA MUNCIPAL DE CONTAGEM MANUAL DO USUÁRIO. versão 1.0 SISTEMA IPTU ONLINE MANUAL DO USUÁRIO versão 1.0 SISTEMA IPTU ONLINE Caro contribuinte, você acaba de acessar a página na internet da Prefeitura Municipal de Contagem que disponibiliza a prestação de serviços eletrônicos.

Leia mais

Capitais Brasileiros no Exterior - Declaração Anual. Manual do Declarante. Índice. 1. Apresentação. 2. Instruções gerais

Capitais Brasileiros no Exterior - Declaração Anual. Manual do Declarante. Índice. 1. Apresentação. 2. Instruções gerais Capitais Brasileiros no Exterior - Declaração Anual Manual do Declarante Índice 1. Apresentação 2. Instruções gerais 2.1 Retificação da declaração 2.2 Punição 2.3 Atendimento ao declarante 3. Como fazer

Leia mais

Convênio, Contrato de Repasse e Termo de Parceria operados por OBTV (Ordem Bancária de Transferências Voluntárias) Perfil Convenente

Convênio, Contrato de Repasse e Termo de Parceria operados por OBTV (Ordem Bancária de Transferências Voluntárias) Perfil Convenente MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO Portal dos Convênios SICONV Convênio, Contrato de Repasse

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL. Versão 1.3

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL. Versão 1.3 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL Versão 1.3 Sumário 1. ACESSO AO SISTEMA... 3 1.1. Primeiro acesso ao sistema... 3 1.2. Como alterar a senha no primeiro acesso... 4

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

REMOÇÃO 2015 MANUAL DE DESISTÊNCIA

REMOÇÃO 2015 MANUAL DE DESISTÊNCIA REMOÇÃO 2015 MANUAL DE DESISTÊNCIA Versão 05/05/2015 SUMÁRIO ACESSANDO O SISTEMA... 03 VISUALIZANDO A SOLICITAÇÃO... 05 DEMONSTRATIVO DAS VAGAS... 06 DESISTÊNCIA DA REMOÇÃO... 08 IMPRIMIR PROTOCOLO...

Leia mais

Manual de Versionamento

Manual de Versionamento Manual de Versionamento Versão de Site Sumário 1. Group Reports... 3 2. Pesquisa de Relatórios... 8 3. Notificações de atualização de versão... 9 4. Templates de Relatórios... 11 Criação de Templates...

Leia mais

Fundação COELCE de Seguridade Social - FAELCE

Fundação COELCE de Seguridade Social - FAELCE Fundação COELCE de Seguridade Social - FAELCE MANUAL DO PREVSYSTEM WEB Índice Objetivo... 2 Iniciando... 2 Menu de Opções... 3 Opção Participantes... 3 Opção Benefícios... 4 Opção Empréstimos... 4 Opção

Leia mais

Tutorial contas a pagar

Tutorial contas a pagar Tutorial contas a pagar Conteúdo 1. Cadastro de contas contábeis... 2 2. Cadastro de conta corrente... 4 3. Cadastro de fornecedores... 5 4. Efetuar lançamento de Contas à pagar... 6 5. Pesquisar Lançamento...

Leia mais

PLANO DE SAÚDE SÃO CRISTOVÃO SITE - TISS DIGITAÇÃO E ENTREGA DE FATURAMENTO MANUAL DO USUÁRIO (PRESTADOR)

PLANO DE SAÚDE SÃO CRISTOVÃO SITE - TISS DIGITAÇÃO E ENTREGA DE FATURAMENTO MANUAL DO USUÁRIO (PRESTADOR) PLANO DE SAÚDE SÃO CRISTOVÃO SITE - TISS DIGITAÇÃO E ENTREGA DE FATURAMENTO MANUAL DO USUÁRIO (PRESTADOR) Página 1 de 23 Sumário Tela de Login... 03 Menu Principal... 04 Home...05 Alterar meus dados...06

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

Cadastros. Versão 2.0. Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais

Cadastros. Versão 2.0. Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais Cadastros Versão 2.0 Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais Sumário Cadastro de Grupos de Usuário... 3 Cadastro de Usuários... 4 Cadastro de Clientes... 7 Cadastro de Empresas...

Leia mais

Assim que o usuário entrar nesta ferramenta do sistema a seguinte tela será exibida:

Assim que o usuário entrar nesta ferramenta do sistema a seguinte tela será exibida: O que é o TDMax Web Commerce? O TDMax Web Commerce é uma ferramenta complementar no sistemas de Bilhetagem Eletrônica, tem como principal objetivo proporcionar maior conforto as empresas compradoras de

Leia mais

Realizando Vendas no site do Cartão BNDES

Realizando Vendas no site do Cartão BNDES Realizando Vendas no site do Cartão BNDES Fornecedor Atualizado em 16/07/2013 Pág.: 1/23 Introdução Este manual destina-se a orientar os fornecedores que irão registrar as vendas no site do Cartão BNDES,

Leia mais

Acif Sistema de Recuperação de Crédito

Acif Sistema de Recuperação de Crédito Acif Sistema de Recuperação de Crédito 2 Índice Acesso ao Sistema...3 Menu de acesso...3 Cadastro de Devedores...4 Cadastro de Dívidas...5 Alertas do sistema...8 3 Acif Sistema de Recuperação de Crédito

Leia mais

Circulação de Materiais

Circulação de Materiais Circulação de Materiais Manual APC Manual PER-MAN-001 Circulação de Materiais Sumário 1. EMPRÉSTIMO/DEVOLUÇÃO/DÉBITOS/RENOVAÇÃO... 1-1 1.1 1.2 EMPRÉSTIMO... 1-3 DEVOLUÇÃO... 1-7 1.3 DÉBITOS... 1-10 1.4

Leia mais

Manual Sistema Curumim. Índice

Manual Sistema Curumim. Índice Versão 1.0 Índice 1. Instalação do Sistema... 3 2. Botões e Legenda... 4 3. Login do Sistema... 5 4. Tela Principal... 6 5. Dados Cadastrais da Empresa... 7 6. Aluno Cadastro... 8 7. Aluno - Cadastro de

Leia mais

Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento

Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento (Versão 05/2014) Estas são as Condições Gerais do Aditamento para Parcelamento, solicitado por você e contratado por meio de digitação de senha ou ligação

Leia mais

TUTORIAL. COMO ACESSAR ÁREA EXCLUSIVA DO CLIENTE NO SITE www.qualicont.com.br

TUTORIAL. COMO ACESSAR ÁREA EXCLUSIVA DO CLIENTE NO SITE www.qualicont.com.br TUTORIAL COMO ACESSAR ÁREA EXCLUSIVA DO CLIENTE NO SITE www.qualicont.com.br O que você vai encontrar nesse Tutorial? Índice 1. Quais as principais funcionalidades da Área Exclusiva do Cliente... 2. Como

Leia mais

CCS. Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional. Manual do Usuário

CCS. Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional. Manual do Usuário CCS Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional Manual do Usuário Banco Central do Brasil Junho/2009 Sumário I. SOBRE O SISTEMA CCS... 1 1 Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional -

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo Mediante Consignação em Folha de Pagamento ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE CONSIGNAÇÃO EM FOLHA DE PAGAMENTO,

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

Manual Contas a Pagar

Manual Contas a Pagar Manual Contas a Pagar Prezado Cliente, Este é o material de apoio aos usuários e implantadores do SOFTLAND COMERCIAL, o seu sistema integrado de gestão empresarial. O bom uso deste manual o habilitará

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.12

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.12 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.12 Pagueban...2 Bancos...2 Configurando Contas...5 Aba Conta Banco...5 Fornecedores Referências Bancárias...7 Duplicatas a Pagar...9 Aba Geral...10 Aba PagueBan...11 Rastreamento

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FIMT

MANUAL DO USUÁRIO FIMT FÁCIL IMÓVEL MT MANUAL DO USUÁRIO FIMT GESTOR IMOBILIÁRIO SANDRO RAMIRO 05/06/2015 Manual completo de funcionalidade do Sistema FIMT. Versão 2.0 INTRODUÇÃO PÁGINA INICIAL 03 ANUNCIANTE 04 LANÇAMENTO 05

Leia mais

Passos básicos para utilização de Nota Fiscal Eletrônica (NF-E)

Passos básicos para utilização de Nota Fiscal Eletrônica (NF-E) Conteúdo Solicitação de Autorização...2 Numeração da NF-E...3 Emissão de NF-E...3 Pesquisa de NF-E emitida...5 Cancelamento de NF-E emitida...5 Carta de Correção...6 Envio de Arquivo de RPS...6 Número

Leia mais

www.compusofts.com.br\aref 3271-3245 Guia de utilização versão Sou Empresa SISCONV AREF

www.compusofts.com.br\aref 3271-3245 Guia de utilização versão Sou Empresa SISCONV AREF www.compusofts.com.br\aref 3271-3245 Guia de utilização versão Sou Empresa SISCONV AREF ÍNDICE 1 Introdução... 03 1.1 Requerimentos necessários para a utilização... 03 2 ACESSANDO E UTILIZANDO O SISTEMA...

Leia mais

Cédula de Crédito. Versão 28.03.2011

Cédula de Crédito. Versão 28.03.2011 Cédula de Crédito Versão 28.03.2011 1 O Sistema Cédula de Crédito é um aplicativo desenvolvido pelo Banco Intermedium, com o objetivo de consolidar os dados cadastrais da empresa e movimentação de títulos

Leia mais

RENAJUD. Restrições Judiciais de Veículos Automotores. Manual do Usuário Versão 1.0

RENAJUD. Restrições Judiciais de Veículos Automotores. Manual do Usuário Versão 1.0 RENAJUD Restrições Judiciais de Veículos Automotores Manual do Usuário Versão 1.0 Sumário I. SOBRE O SISTEMA RENAJUD... 3 1 RENAJUD versão 1.0... 3 2 Usuários... 3 3 Habilitação no Sistema... 4 II. ACESSO

Leia mais

Treinamento de. Linx Pos

Treinamento de. Linx Pos Treinamento de caixa Linx Pos Será instalados no terminal da loja, o ícone, conforme imagem abaixo: Linx POS ÍNDICE Abertura de caixa e leitura X Lançamentos Cancelamento de itens Consulta preços no ato

Leia mais

RENAJUD Restrições Judiciais de Veículos Automotores. Manual do Usuário Versão 1.0

RENAJUD Restrições Judiciais de Veículos Automotores. Manual do Usuário Versão 1.0 RENAJUD Restrições Judiciais de Veículos Automotores Manual do Usuário Versão 1.0 1 ÍNDICE I. SOBRE O SISTEMA RENAJUD... 3 1- RENAJUD versão 1.0... 3 2- Usuários... 4 3- Habilitação no Sistema... 4 II.

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO O Sistema Cédula de Crédito é um aplicativo desenvolvido pelo Banco Intermedium, com o objetivo de consolidar os dados cadastrais da empresa e movimentação de títulos em cobrança.

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Tutorial para geração de boletos

Tutorial para geração de boletos Tutorial para geração de boletos Conteúdo 1. Criar desconto padrão... 2 2. Geração de boleto com desconto até o vencimento em porcentagem (inclusive bolsa) no momento da matrícula:... 2 3.Geração de boletos

Leia mais

SISCOMEX EXPORTAÇÃO WEB

SISCOMEX EXPORTAÇÃO WEB SISCOMEX EXPORTAÇÃO WEB MÓDULO COMERCIAL 2 ÍNDICE REGISTRO DE EXPORTAÇÃO RE 04 REGISTRO DE VENDA RV 16 REGISTRO DE CRÉDITO RC 24 3 REGISTRO DE EXPORTAÇÃO - RE 4 INCLUSÃO DE RE Na tela de inclusão de Registro

Leia mais

Demonstrativo de Informações Previdenciárias e Repasses

Demonstrativo de Informações Previdenciárias e Repasses CADPREV CADPREV Ente Local Aplicativo Desktop Manual do Usuário Demonstrativo de Informações Previdenciárias e Repasses Data Publicação: 28/08/2013 1 de 21 Índice 1 Finalidade... 3 2 Visão Geral... 3 3

Leia mais

Manual do Sistema Carteira do Idoso

Manual do Sistema Carteira do Idoso Manual do Sistema Carteira do Idoso SUMÁRIO Manual do Sistema Carteira do Idoso... 3 1. Acessando o Sistema... 3 2. Tela Inicial... 4 2.1. Início... 5 2.2. Pesquisar Idoso... 5 2.2.1. Como pesquisar o

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Financeiro 1

Treinamento GVcollege Módulo Financeiro 1 Treinamento GVcollege Módulo Financeiro 1 2013 GVDASA Sistemas Caixa AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVO... 1 3. FORMAS DE ACESSO... 1 4. COMO ACESSAR O SISTEMA?... 1 5. ESQUECI MINHA SENHA, O QUE DEVO FAZER?... 2 6.

1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVO... 1 3. FORMAS DE ACESSO... 1 4. COMO ACESSAR O SISTEMA?... 1 5. ESQUECI MINHA SENHA, O QUE DEVO FAZER?... 2 6. 1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVO... 1 3. FORMAS DE ACESSO... 1 4. COMO ACESSAR O SISTEMA?... 1 5. ESQUECI MINHA SENHA, O QUE DEVO FAZER?... 2 6. COMO FAZER UMA SOLICITAÇÃO DE VIAGEM?... 3 7. COMO FAZER A

Leia mais

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios Portal Sindical Manual Operacional Empresas/Escritórios Acesso ao Portal Inicialmente, para conseguir acesso ao Portal Sindical, nos controles administrativos, é necessário acessar a página principal da

Leia mais

Imóvel Mix Administração

Imóvel Mix Administração Imóvel Mix Administração Guia de Referência Rápida 01. Acesso ao Sistema 02. Aspectos Gerais 03. Configuração da Empresa 04. Configuração do Sistema 05. Usuários 06. Controle de Acesso 07. Cadastro de

Leia mais

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA.

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA MANUAL DO VTWEB CLIENT CADASTROS /PEDIDOS E PROCEDIMENTOS Resumo Esse manual tem como o seu objetivo principal a orientação de uso do

Leia mais

Manual do Usuário Versão 3.0

Manual do Usuário Versão 3.0 Manual do Usuário Versão 3.0 Externa 2 /20 APRESENTAÇÃO 03 19/04/13 Este manual, estruturado em capítulos, visa orientar os Credores na utilização do Serviço de consulta de CCI, uma ferramenta de pesquisa

Leia mais

NeXT ERP Manual do usuário. Resumo das principais funcionalidades. Dezembro/2009. NeXT Software

NeXT ERP Manual do usuário. Resumo das principais funcionalidades. Dezembro/2009. NeXT Software NeXT ERP Manual do usuário Resumo das principais funcionalidades Dezembro/2009 NeXT Software Página 1 de 33 Índice Iniciando NeXT ERP...3 Tela inicial...3 Interface padrão do NeXT ERP...3 Interface - Cadastro

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Sumário 1 CONCEITO... 4 2 REQUISITOS... 4 3 CONFIGURAÇÕES... 4 3.1 Permissões de Acesso... 4 3.2 Plano de Contas... 5 3.2.1 Parcelado... 6 3.2.2 Parcelamento Notas a Prazo...

Leia mais

Cadastramento e compra de vale transporte para o Cartão Metrocard Metropolitano Integrado. Em substituição ao Vale Transporte Temporário de Papel

Cadastramento e compra de vale transporte para o Cartão Metrocard Metropolitano Integrado. Em substituição ao Vale Transporte Temporário de Papel Cadastramento e compra de vale transporte para o Cartão Metrocard Metropolitano Integrado Em substituição ao Vale Transporte Temporário de Papel Acesso para cadastramento da empresa 2 Caso já tenha se

Leia mais

Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE FREQUÊNCIA

Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE FREQUÊNCIA Universidade Federal Fluminense SIRH - SISTEMAS INTEGRADOS DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE FREQUÊNCIA MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE 1.0 OBJETIVO:...3 2.0 ACESSO AO SISTEMA:...3 3.0 BOLETIM DE FREQÜÊNCIA:...4

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV. Ajuste do Plano de Trabalho, Termo Aditivo e Prorroga de Ofício Perfis de Convenente e Concedente.

Portal dos Convênios SICONV. Ajuste do Plano de Trabalho, Termo Aditivo e Prorroga de Ofício Perfis de Convenente e Concedente. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios SICONV Ajuste do Plano de Trabalho, Termo

Leia mais

ÍNDICE 1 Introdução 3 2 Principais Recursos 4 3 Segurança 4 4 Roubo/Estravio do cartão MerchCard 4 5 Noções Gerais para o Uso do Sistema 5

ÍNDICE 1 Introdução 3 2 Principais Recursos 4 3 Segurança 4 4 Roubo/Estravio do cartão MerchCard 4 5 Noções Gerais para o Uso do Sistema 5 BENTO GONÇALVES Julho de 2005 ÍNDICE 1 Introdução 3 2 Principais Recursos 4 3 Segurança 4 4 Roubo/Estravio do cartão MerchCard 4 5 Noções Gerais para o Uso do Sistema 5 5.1 Para acessar o sistema 5 5.2

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CÉLULA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA UNIDADE DE ARRECADAÇÃO IMOBILIÁRIAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CÉLULA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA UNIDADE DE ARRECADAÇÃO IMOBILIÁRIAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CÉLULA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA UNIDADE DE ARRECADAÇÃO IMOBILIÁRIAS MANUAL DO USUÁRIO Apoio SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ROTINAS... 3 2.1 GUIA

Leia mais

Conhecendo os Processos de Cobrança

Conhecendo os Processos de Cobrança Conhecendo os Processos de Cobrança 03 Processos de Cobrança Entenda a Fatura Ferramentas de Suporte Consulta de Extratos 05 09 11 16 Consumo Consciente 02 Processos de Cobrança conheça os processos de

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV. Ajuste do Plano de Trabalho, Termo Aditivo e Prorroga de Ofício Perfis de Convenente e Concedente.

Portal dos Convênios SICONV. Ajuste do Plano de Trabalho, Termo Aditivo e Prorroga de Ofício Perfis de Convenente e Concedente. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios SICONV Ajuste do Plano de Trabalho, Termo

Leia mais

Módulo de Acesso Remoto

Módulo de Acesso Remoto Módulo de Acesso Remoto Manual do Usuário Página 1 de 30 Índice 1. Introdução 3 1.1. Objetivos deste documento 3 2. Requisitos do Sistema 4 2.1. Acrobat Reader 4 2.2. Pop Up Liberados 4 3. Acesso ao Sistema

Leia mais

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB CNS LEARNING MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB Versão Online 13 Índice ÍNDICE... 1 VISÃO GERAL... 2 CONCEITO E APRESENTAÇÃO VISUAL... 2 PRINCIPAIS MÓDULOS... 3 ESTRUTURAÇÃO... 3 CURSOS... 4 TURMAS... 4

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO WEB TRIBUTOS SAATRI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO WEB TRIBUTOS SAATRI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO WEB TRIBUTOS SAATRI 130325 SUMÁRIO SAATRI (Serviço de Auto Atendimento Tributário)... 3 ECONÔMICO... 4 Acesso ao Sistema... 4 Emissão de Certidão Negativa... 5 Verificar Autenticidade

Leia mais

Manual do sistema Versão 1.0

Manual do sistema Versão 1.0 SIACON SISTEMA INTEGRADO DE CONVÊNIO Manual do sistema Versão 1.0 1. Introdução O SIACON é um sistema de convênio-empresa, baseado na plataforma de internet, aonde os funcionários de empresas conveniadas

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

Administrador (cliente):

Administrador (cliente): PROJETO M & S COBRANÇA Institucional: 1. Índex; 2. Sobre a empresa; 3. Institucional; 4. Serviços; 5. Noticias com texto e imagens; 6. Formulário de contato; 7. História Fundação; 8. Logotipo dos clientes

Leia mais

Sistema de Controle de Cheques GOLD

Sistema de Controle de Cheques GOLD Sistema de Controle de Cheques GOLD Cheques GOLD é um sistema para controlar cheques de clientes, terceiros ou emitidos. Não há limitações quanto as funcionalidades do programa, porém pode ser testado

Leia mais

Versão: 1.7.8.8 com instruções para Protesto

Versão: 1.7.8.8 com instruções para Protesto Versão: 1.7.8.8 com instruções para Protesto Utilização Para dar início ao processo, o cooperado deverá ter acesso ao internet banking. Se ainda não possuir, dirija-se aos caixas da Sicoob-Cocred. O programa

Leia mais

1.1 EXTRAÇÃO DE RELATÓRIOS 03 1.2 CONSULTA CADASTRAL E IMPRESSÃO DE BOLETOS 12 1.3 RENEGOCIAÇÕES 15 2 FUNCIONALIDADES DISPONÍVEIS NO SITE

1.1 EXTRAÇÃO DE RELATÓRIOS 03 1.2 CONSULTA CADASTRAL E IMPRESSÃO DE BOLETOS 12 1.3 RENEGOCIAÇÕES 15 2 FUNCIONALIDADES DISPONÍVEIS NO SITE 1 ACESSO EXCLUSIVO PARA SUBSEÇÕES 1.1 EXTRAÇÃO DE RELATÓRIOS 03 1.2 CONSULTA CADASTRAL E IMPRESSÃO DE BOLETOS 12 1.3 RENEGOCIAÇÕES 15 2 FUNCIONALIDADES DISPONÍVEIS NO SITE 2.1 IMPRESSÃO RÁPIDA DE ANUIDADE

Leia mais

1.1 EXTRAÇÃO DE RELATÓRIOS 03 1.2 CONSULTA CADASTRAL 10 1.3 IMPRESSÃO DE BOLETOS 12 1.4 RENEGOCIAÇÕES 15 2 FUNCIONALIDADES DISPONÍVEIS NO SITE

1.1 EXTRAÇÃO DE RELATÓRIOS 03 1.2 CONSULTA CADASTRAL 10 1.3 IMPRESSÃO DE BOLETOS 12 1.4 RENEGOCIAÇÕES 15 2 FUNCIONALIDADES DISPONÍVEIS NO SITE 1 ACESSO EXCLUSIVO PARA SUBSEÇÕES 1.1 EXTRAÇÃO DE RELATÓRIOS 03 1.2 CONSULTA CADASTRAL 10 1.3 IMPRESSÃO DE BOLETOS 12 1.4 RENEGOCIAÇÕES 15 2 FUNCIONALIDADES DISPONÍVEIS NO SITE 2.1 IMPRESSÃO RÁPIDA DE

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍCONES COMUNS A VÁRIAS TELAS. 03 ATALHO ORDEM DE SERVIÇO 16 GARANTIA 16 PESQUISA PRODUTO. 05 NOVO CLIENTE 05 ESTOQUE 17

ÍNDICE GERAL ÍCONES COMUNS A VÁRIAS TELAS. 03 ATALHO ORDEM DE SERVIÇO 16 GARANTIA 16 PESQUISA PRODUTO. 05 NOVO CLIENTE 05 ESTOQUE 17 1 ÍNDICE GERAL ÍCONES COMUNS A VÁRIAS TELAS. 03 ATALHO PESQUISA PRODUTO. 05 NOVO CLIENTE 05 NOVO PRODUTO 07 NOVA VENDA VENDA IDENTIFICADA 07 NOVA ORDEM DE SERVIÇO 08 NOVO ORÇAMENTO 09 BALANÇO DIÁRIO DE

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF

Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF Condições Gerais Contrato de Abertura de Crédito em Conta Corrente de Depósito CEP Plus PF 1. Partes 1.1. Cliente - é o cliente do Personnalité e solicitante da abertura de crédito em conta corrente de

Leia mais

MANUAL NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇO

MANUAL NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇO MANUAL NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇO Versão: 1.0 1.0 - CREDENCIAMENTO 1º Passo Acesse o site: www.almenara.mg.gov.br e clique no menu superior Serviços e em seguida na opção Nota Fiscal Eletrônica,

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL DE SISTEMAS

MANUAL OPERACIONAL DE SISTEMAS MANUAL OPERACIONAL DE SISTEMAS NETPAN CDC VEÍCULOS CONTATO COMERCIAL ÍNDICE 1. ACESSO AO SISTEMA... 3 1.1. ABERTURA DO INTERNET EXPLORER...3 1.2. ACESSO AO NETPAN...3 1.2.1. Tela Inicial...4 1.2.2. Digitando

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

ROTEIRO DE UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA REDEFIS CURITIBA

ROTEIRO DE UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA REDEFIS CURITIBA ROTEIRO DE UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA REDEFIS CURITIBA 1/24 Apresentação O presente manual tem por objetivo orientar os servidores da ADAPAR Agência de Defesa Agropecuária do Paraná, em relação a utilização

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 3 OBJETIVO... 3 QUEM DEVE USAR... 3 CAPÍTULO 1 - INICIANDO O SISTEMA... 4

APRESENTAÇÃO... 3 OBJETIVO... 3 QUEM DEVE USAR... 3 CAPÍTULO 1 - INICIANDO O SISTEMA... 4 INDICE APRESENTAÇÃO... 3 OBJETIVO... 3 QUEM DEVE USAR... 3 CAPÍTULO 1 - INICIANDO O SISTEMA... 4 1.1 - ENTRADA NO SISTEMA... 4 1.2 - TELA DO ORGANIZADOR DO MULTICONTAS... 4 CAPÍTULO 2 - FUNCIONALIDADES

Leia mais