CONSTITUIÇÃO DE IF S DATA: 25/03/2010 O CAPITAL É CONSTITUÍDO EM MOEDA CORRENTE OU TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS SUBSCRIÇÃO MÍNIMA - 50%

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTITUIÇÃO DE IF S DATA: 25/03/2010 O CAPITAL É CONSTITUÍDO EM MOEDA CORRENTE OU TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS SUBSCRIÇÃO MÍNIMA - 50%"

Transcrição

1 DATA: 25/03/2010 PROFs. SÔNIA LIMA VALTUIR CONSTITUIÇÃO DE IF S DE ACORDO LEI 4.595/64 O CAPITAL É CONSTITUÍDO EM MOEDA CORRENTE OU TÍTULOS PÚBLICOS FEDERAIS SUBSCRIÇÃO MÍNIMA - 50% 1

2 A INTEGRALIZAÇÃO SERÁ VINCULADA AO BACEN ATÉ 5 DIAS DO RECEBIMENTO DOS RECURSOS A INTEGRALIZAÇÃO DO RESTANTE DEVE OCORRER ATÉ UM ANO DA HOMOLOGAÇÃO DO PROCESSO. CAPITAL MÍNIMO EXIGIDO BANCO COMERCIAL R$ MIL BANCO DE DESEN. R$ MIL BANCO DE INVESTIMENTO R$ MIL CAIXAS ECONÔMICAS R$ MIL AGÊNCIA DE FOMENTO R$4.000 MIL SOC. CRÉDITO IMOBILIÁRIA R$7.000 MIL ESQUEMA CONTÁBIL Subscrição capital D CAPITAL A REALIZAR (6) C CAPITAL SOCIAL (6) Acionista A Acionista B Acionista C 2

3 ESQUEMA CONTÁBIL Integralização D DEPÓSITOS BANCÁRIOS (1) C CAPITAL A REALIZAR (6) RECOLHIMENTO AO BACEN (APÓS 5 DIAS DO RECEBIMENTO PELOS SUBSCRITORES) QUANDO EM DINHEIRO D - BACEN RESERVA LIVRE EM ESPÉCIE(1.1.3) C DEPÓSITOS BANCÁRIOS (1.1.2) D BACEN DEP. CAPITAL DINHEIRO (1.4.2) C BACEN RES. LIVRE EM ESPÉCIE(1.1.3) RECOLHIMENTO AO BACEN (APÓS 5 DIAS DO RECEBIMENTO PELOS SUBSCRITORES) QUANDO EM TÍTULOS D - BACEN DEPÓSITO CAPITAL EM TÍTULOS (1.3.4) C TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LIVRES-TÍTULOS DE RENDA FIXA- LFT (1.3.1) 3

4 ESQUEMA CONTÁBIL Custódia dos Títulos D- DEPOSITÁRIOS VALORES CUSTÓDIA( ) C - VALORES CUSTODIADOS ( ) LIBERAÇÃO DO RECOLHIMENTO (após solução processo pelo BACEN) QDO. EM DINHEIRO D BACEN Reserva Livre em espécie (1.1.3) C BACEN Depósito Capital em dinheiro (1.4.2) QDO. EM TÍTULOS D- TVM Títulos de Renda Fixa LFT(1.3.1) C BACEN Depósito Capital em títulos (1.3.4) CASO HIPOTÉTICO CONSTITUIÇÃO DE UM BANCO MÚLTIPLO COM AS SEGUINTES CARTEIRAS: Carteira Investimento - $ Carteira Comercial - $ Carteira Desenvolvimento - $ TOTAL $

5 CAPITAL SOCIAL SERÁ DE $ ,00 O acionista A - $ ,00 O acionista B - $ ,00 O acionista C - $ ,00 EM 01/03/2008 OS ACIONISTAS DEPOSITARAM NO BANCO DO BRASIL 50% DO CAPITAL SOCIAL SUBSCRITO - R$ ,00 FORAM ADQUIRIDOS TÍTULOS PÚBLICOS (LFT-Letras Financeiras do Tesouro) COM A FINALIDADE DE VINCULAR AO BACEN PARA PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO DA IF. SUBSCRIÇÃO DO CAPITAL 6- D CAPITAL A REAL C CAPITAL SOCIAL CAPITAL A REALIZAR CAPITAL SOCIAL (1) (1) 5

6 INTEGRALIZAÇÃO DO CAPITAL (1)- D DEP. BANCÁRIO (6)- C CAPITAL A REAL DEPÓSITO BANCÁRIO CAPITAL A REALIZAR (2) (1) (2) AQUISIÇÃO DOS TÍTULOS D TVM-TÍTULOS RENDA FIXA.-LFT C DEP. BANCÁRIOS TVM- LFT DEPÓSITOS BANCÁRIOS (3) (2) (3) RECOLHIMENTO (VINCULAÇÃO) AO BACEN (1.3.4) D BACEN-Dep. Capital em títulos (1.3.1 ) C TVM-Títulos Renda Fixa-LFT BACEN-DEPÓSITO CAPITAL EM TÍTULOS (4) TVM-LFT (3) (4) 6

7 CUSTÓDIA DE TÍTULOS D Depositários Valores Custódia (3) C Valores Custodiados (9) DEPOSITÁRIOS VALORES CUSTÓDIA VALORES CUSTODIADOS (5) (5) LIBERAÇÃO DO RECOLHIMENTO (APÓS SOLUÇÃO PROCESSO PELO BACEN) (1.3.1) D TVM-Títulos Renda Fixa-LFT C BACEN- Depósito Capital Títulos TVM. LFT BACEN - DEP. CAPITAL EM TÍTULO (6) (6) NOTA: NÃO FOI REGISTRADO OS RENDIMENTOS DOS TÍTULOS 7

8 DEPÓSITO À VISTA DEPÓSITO A PRAZO 8

9 DEPÓSITO À VISTA D CAIXA (1) C DEPÓSITO À VISTA (4) CAIXA DEPÓSITO À VISTA A) A) TAXA PREFIXADA 1,0% AO MÊS VLR. R$ 3.000,00 DEPÓSITO A PRAZO D DEPÓSITO A VISTA (4) C DEPÓSITO A PRAZO(4) DEPÓSITO A VISTA DEPÓSITO A PRAZO B) B)

10 D- DAP- DEPÓSITO A PRAZO C DEPÓSITO A PRAZO 30 DEPÓSITO A PRAZO B) 30 C) DAP- DEPÓSITO A PRAZO C)30 APROPRIAÇÃO ENCARGOS DESPESA DEP. A PRAZO D) 30 DAP. DEP. A PRAZO C)30 30 D) SALDO DAS CONTAS REPRESENTATIVAS DE DEPÓSITOS DEPÓSITO A VISTA DESPESA DEP. A PRAZO 30 DEPÓSITO A PRAZO

11 RESGATE DEPÓSITO A PRAZO (E) DEPÓSITO A VISTA (E) DEPÓSITO A PRAZO TAXA PÓS- FIXADA DEPÓSITO A PRAZO CONSIDERE QUE EM 01 DE JUNHO, NA RUBRICA DEPÓSITO A VISTA CONSTA SALDO R$ ,00 E O CLIENTE AUTORIZA A TRANSFERÊNCIA DE R$ ,00 PARA DEPÓSITO A PRAZO, CUJA TAXA PACTUADA TJLP(0,8%) A.M., COM PRAZO DE 30 DIAS. 11

12 D DEPÓSITO À VISTA (4) C- DEPÓSITO A PRAZO (4) DEPÓSITO A PRAZO DEPÓSITO DEPÓSITO A VISTA APROPRIAÇÃO ENCARGOS DEPÓSITO A PRAZO A) DESPESA DEPÓSITO PRAZO A)560 RESGATE DEPÓSITO A PRAZO A) (B) DEPÓSITO À VISTA (B)

13 RESUMO NA APROPRIAÇÃO DOS ENCARGOS DEVEM SER LEVADOS EM CONTA A TAXA PREFIXADA E PÓS-FIXADA. QUANDO PREFIXADA, REGISTRAM-SE NO ATO O PRINCIPAL E ACESSÓRIO. QUANDO PÓS-FIXADA, REGISTRA-SE NO ATO O PRINCIPAL. DEPÓSITO POUPANÇA É UMA MODALIDADE DE DEPÓSITO QUE INCENTIVA A POUPANÇA DO PEQUENO INVESTIDOR E CONFERE AOS SEUS TITULARES JUROS E CORREÇÃO DEPÓSITO POUPANÇA SUPOMOS QUE DETERMINADO CLIENTE AUTORIZA AO GERENTE A TRANSFERÊNCIA DE R$ PARA ABERTURA DE POUPANÇA. SABE- SE QUE A DATA DE ANIVERSÁRIO FOI DIA 01/04. 13

14 RESOLUÇÃO D DEPÓSITO A VISTA 8000 C- DEPÓSITO POUPANÇA DEPÓSITO À VISTA (A) DEPÓSITO POUPANÇA 8000 (A) RESOLUÇÃO D DESPESA DEPÓSITO POUPANÇA 46,99 C- DEPÓSITO POUPANÇA- 46,99 DESPESA DEPÓSITO POUPANÇA (B)46,99 DEPÓSITO POUPANÇA 46,99 (B) CALCULO: 8000 X 0,5874%= 46,99 OBRIGAÇÕES POR EMPRÉSTIMOS E REPASSE SÃO VALORES CAPTADOS JUNTO A OUTRAS INSTITUIÇÕES, INCLUSIVE JUNTO A INSTITUIÇÕES E ÓRGÃOS OFICIAIS. 14

15 RESOLUÇÃO D DESPESA DEPÓSITO POUPANÇA 46,99 C- DEPÓSITO POUPANÇA- 46,99 DESPESA DEPÓSITO POUPANÇA (B)46,99 DEPÓSITO POUPANÇA 46,99 (B) CALCULO: 8000 X 0,5874%= 46,99 OPERAÇÕES DE CRÉDITO Modalidades: TÍTULOS DESCONTADOS EMPRÉSTIMOS FINANCIAMENTOS TÍTULOS DESCONTADOS SÃO OPERAÇÕES DE COMPRA À VISTA DE DUPLICATAS, DESCONTANDO NO ATO AS DESPESAS BANCÁRIAS E OS JUROS A QUE TEM DIREITO PELO PERÍODO ENTRE A DATA DO DESCONTO E A DATA DO VENCIMENTO DA DUPLICATA 15

16 EXEMPLIFICANDO EM 10/03, A FIRMA SANTOS & CIA ENVIA PARA O BANCO ALEGRIA S/A A A DUPLICATA Nº 50 COM AS SEGUINTES CARACTERÍSTICAS: VALOR DA OEPRAÇÃO - R$10.000,00 PRAZO OPERAÇÃO 30 DIAS JUROS - 3% A.M. (R$ 300,00) TAXA ABERTURA DE CRÉDITO - R$100,00 IOF - R$ 24,60 EFETIVAÇÃO DO DESCONTO EM 10/03 D TÍTULOS DESCONTADOS-TD (1) ,00 C -RAP - TD (1) 300,00 C- RENDAS DE OUTROS SERVIÇOS (7) 100,00 C IOF A RECOLHER (4) 24,60 C DEPÓSITO À VISTA (4) 9.575,40 CLASSIFICAÇÃO DA OPERAÇÃO D OPERAÇÕES DE RISCO A (3) C- CARTEIRA CRÉDITO CLASSIF.(9)

17 APROPRIAÇÃO DA RECEITA 31/03 21 DIAS D RAP - TD(1) 210 C RENDA DE TD(7) 210 RAP- TÍTULOS DESCONTADOS RENDA DE TÍTULOS DESCONTADOS 210 APROPRIAÇÃO DA RECEITA 09/04 9 DIAS D RAP - TD(1) 90 C RENDA TD (7) 90 RAP- TÍTULOS DESCONTADOS RENDA DE TÍTULOS DESCONTADOS LIQUIDAÇÃO 09/04 D DEPÓSITO À VISTA (4) C TÍTULOS DESCONTADOS (1) DEPÓSITO A VISTA SI TÍTULOS DESCONTADOS

18 BAIXA DA CLASSIFICAÇÃO D- CARTEIRA CRÉDITO CLASSIF. (9) C OPERAÇÕES DE RISCO A (3) ESQUEMA CONTÁBIL EMPRÉSTIMOS LIBERAÇÃO DA OPERAÇÃO D EMPRÉSTIMOS (1) C RENDA OUTROS SERVIÇOS (7) C IOF A RECOLHER (4) C RAP- EMPRÉSTIMOS (1) C DEPÓSITO À VISTA (4) TAC- TAXA DE ABERTURA DE CRÉDITO 18

19 CLASSIFICAÇÃO DA OPERAÇÃO D - OPERAÇÕES DE RISCO A (3) C - CART. DE CRÉD. CLASSIFICADA (9) APROPRIAÇÃO MENSAL DA RECEITA TAXA PREFIXADA D RAP - EMPRÉSTIMO (1) C RENDA DE EMPRÉSTIMO (7) TAXA PÓS-FIXADA D EMPRÉSTIMO (1) C RENDA DE EMPRÉSTIMO (7) LIQUIDAÇÃO DA OPERAÇÃO D DEPÓSITOS À VISTA (4) C EMPRÉSTIMO (1) 19

20 BAIXA DA CLASSIFICAÇÃO DA OPERAÇÃO D - CART. DE CRÉD. CLASSIFICADA (9) C - OPERAÇÕES DE RISCO A (3) RESOLUÇÃO CMN N 2.682/99 OPERAÇÕES DE CRÉDITOS VENCIDAS CONSTITUIÇÃO DE PROVISÃO MENSAL E DE ACORDO COM O NÍVEL DE RISCO 20

21 TABELA CÁLCULO PROVISÃO DIAS DE NÍVEL DE RISCO ATRASO % Zero AA a 14 A 0,5 15 e 30 B 1 31 a 60 C 3 61 e 90 D a 120 E a 150 F a 180 G 70 ACIMA DE 180 H 100 REGIME CONTÁBIL OPERAÇÕES DE CRÉDITO VENCIDAS ACIMA DE 59 DIAS ATRASO ATÉ 59 DIAS ATRASO REGIME DE CAIXA REGIME DE COMPETÊNCIA SUPOMOS QUE DETERMINADA OPERAÇÃO CRÉDITO APRESENTE 30 DIAS DE ATRASO COMO PROCEDER? CORRIGIR O SALDO DEVEDOR- RENDA EFETIVA D- EMPRÉSTIMO(1) C-RENDAS DE EMPRÉSTIMO(7) 21

22 SUPOMOS QUE DETERMINADA OPERAÇÃO CRÉDITO APRESENTE 60 DIAS DE ATRASO COMO PROCEDER? CORRIGIR O SALDO DEVEDOR E CONTABILIZAR 59 DIAS EM RENDA EFETIVA E 01 DIA EM RAP-RENDAS A APROPRIAR- EMPRÉSTIMO D- EMPRÉSTIMO 01 DIA C- RAP-EMPRÉSTIMO RESOLUÇÃO CMN N 2.682/99 Provisão=(Saldo Devedor- RAP) x % Provisão= ($ $500) x 10% Provisão= $1.000 ESQUEMA CONSTITUIÇÃO DA PROVISÃO PARA OPERAÇÃO DE CRÉDITO D DESPESA PROVISÃO OP. CRÉDITO (8) C PROVISÃO OPERAÇÃO CRÉDITO (1) 22

23 AJUSTE DA PROVISÃO MENSAL QDO. HÁ INSUFICIÊNCIA DA PROVISÃO UTILIZAR O MESMO LANÇAMENTO DE CONSTITUIÇÃO AJUSTE DA PROVISÃO MENSAL QDO. HÁ EXCESSO DA PROVISÃO IDENTIFICAR SE ORIUNDA DO SEMESTRE ATUAL OU SEMESTRES ANTERIORES EXCESSO DA PROVISÃO SE ORIUNDA DO SEMESTRE ATUAL D- PROVISÃO OPERAÇÃO CRÉDITO (1) C- DESP. PROVISÃO OP. CRÉDITO (8) 23

24 EXCESSO DA PROVISÃO SE ORIUNDA DE SEMESTRE ANTERIOR D- PROVISÃO OPERAÇÃO CRÉDITO (1) C- REVERSÃO PROVISÃO OPERAC. (7) CRÉDITOS BAIXADOS COMO PREJUÍZO OPERAÇÕES DE CRÉDITO VENCIDAS A MAIS DE 360 DIAS. CONCEITO 24

25 PROCEDIMENTO BAIXAR DA CONTA DE ATIVO; REGISTRAR EM CONTAS DE COMPENSAÇÃO. ESQUEMA CONTÁBIL CRÉDITOS BAIXADOS COMO PREJUÍZO BAIXA DAS CONTAS DO ATIVO D RENDA A APROPRIAR EMPRÉSTIMO (1) D PROVISÃO PARA OPERAÇÃO DE CRÉDITO (1) C EMPRÉSTIMO (1) 25

26 REGISTRO DAS CONTAS DE COMPENSAÇÃO D CRÉDITOS BAIXADOS COMO PREJUÍZOS (3) C BAIXA DE CRÉDITO DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA (9) RECUPERAÇÃO DE CBP BENS OU DINHEIRO QUANDO EM BENS SE O VALOR DO BEM FOR SUPERIOR AO SALDO DEVEDOR REGISTRA PELO VALOR DA DÍVIDA 26

27 QUANDO EM BENS SE O VALOR DO BEM FOR INFERIOR AO SALDO DEVEDOR REGISTRA PELO VALOR DO BEM ESQUEMA CONTÁBIL QUANDO EM BENS D- BENS NÃO DE USO PRÓPRIO ( ) C- RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS BAIXADOS COMO PREJUÍZO ( ) ESQUEMA CONTÁBIL QUANDO EM DINHEIRO D- DEPÓSITO À VISTA( 4) C- RECUPERAÇÃO DE CRÉDITOS BAIXADOS COMO PREJUÍZO ( ) 27

28 D Baixa de Credito de Liquidação Duvisosa (9) C Crédito Baixado como Prejuízo (3) ,00 ESQUEMA CONTÁBIL D BAIXA DE CRÉDITO LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA-BCLD (9) C CRÉDITO BAIXADO COMO PREJUÍZO-CBP (3) AVALIAÇÃO DO BEM SEMESTRALMENTE ENTRE O CUSTO DE AQUISIÇÃO E O VALOR DE MERCADO, PREVALECE O MENOR ENTRE ELES. ESQUEMA CONTÁBIL D DESPESAS PROVISÕES DESV. DE OUTROS VALORES E BENS (8) C PROVISÃO DESVALORIZAÇÃO DE OUT. VALORES E BENS (1) 28

29 SITUAÇÃO 1 RECUPERAÇÃO CRÉDITO AINDA NÃO BAIXADOS COMO PREJUÍZO VEJA OS SALDOS: FINANCIAMENTO = R$ ,60 RAP- FINANCIAMENTO = R$ ,60 PROV. OPER. CRÉDITO = R$ ,00 VALOR DO BEM R$ ,00. A)ESTORNO DA RAP-FINANCIAMENTO: D RAP FINANCIAMENTO (1) C FINANCIAMENTO (1) ,60 B)REGISTRO DA BAIXA DO CRÉDITO: D BENS NÃO DE USO PRÓPRIO IMÓVEL (1) C FINANCIAMENTO (1) ,00 VALOR DO BEM R$ ,00. A)EFETIVAÇÃO DA RECEITA PELO RECEBIMENTO: D RAP FINANCIAMENTO (1) C RENDA FINANC. (7) ,60 B)REGISTRO DA BAIXA DO CRÉDITO: D BENS NÃO DE USO PRÓPRIO IMÓVEL (1) C FINANCIAMENTO (1) ,60 29

30 SITUAÇÃO 2 RECUPERAÇÃO DO CRÉDITOS BAIXADOS COMO PREJUÍZO VEJA OS SALDOS: CRÉDITOS BAIXADOS COMO PREJUÍZO-CBP = R$ ,00 DÍVIDA = R$ ,00 VLR. BEM= R$ ,00 VALOR DO BEM R$ ,00. A) REGISTRO DO RECEBIMENTO DO BEM: D BEM NÃO DE USO PRÓPRO (1) C RECUPERAÇÃO DE CBP (7) ,00 B) REGISTRO DE BAIXA DAS CONTAS DE COMPENSAÇÃO: D BCLD (9) C CBP (3) ,00 AVALIAÇÃO DO BEM VALOR CONTÁBIL = R$ ,00 VALOR DE MERCADO = R$ ,00 DESVALORIZAÇÃO = R$ 2.000,00 A) REGISTRO DA DESVALORIZAÇÃO DO BEM: D DESPESAS PROVISÕES DESV. DE OUTROS VALORES E BENS (8) C PROVISÃO DESVALORIZAÇÃO DE OUTROS VALORES E BENS (1) 2.000,00 30

31 PRÓXIMA AULA TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 31

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias

Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários adquiridos por instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central

Leia mais

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95

Parágrafo 2º As operações de crédito contratadas a taxas prefixadas passam a ser informadas, a partir de 01.07.95 CIRCULAR Nº 2568/95 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar.

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

1.6.9.70.00-7 (-) PROVISÃO PARA FINANCIAMENTOS DE INFRAESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO

1.6.9.70.00-7 (-) PROVISÃO PARA FINANCIAMENTOS DE INFRAESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO CARTA-CIRCULAR Nº 2899/2000 Altera, no COSIF, procedimentos para registro das operações de crédito e constituição de provisão para fazer face aos créditos de liquidação duvidosa. Tendo em vista o disposto

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima

Curso Online Contabilidade Concurso do BDMG Teoria e Exercícios Prof. Jaildo Lima AULA 06 CONTABILIDADE DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1. Introdução A partir dessa aula, estudaremos conteúdo na área contábil mais diretamente relacionado com o certame do BDMG: contabilidade de instituições

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

Aplicações Financeiras

Aplicações Financeiras Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Aplicações Financeiras São operações realizadas pelas empresas com o objetivo de gerar recursos financeiros(dinheiro); Normalmente quando existe uma ociosidade

Leia mais

4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos

4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos 1 4. Operações Interfinanceiras de Liquidez, Operações com Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos 1. Classificação dos Títulos e Valores Mobiliários em Categorias 1 - Os títulos e valores mobiliários

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 A.1.1.1.2. L100B - Financeiras 1.0.3.9.9.99.99 ATIVO GERAL 01012014 S 1 01 1.1.0.0.0.00.00 ATIVO 01012014 S 1.0.0.0.0.00.00 2 01 1.1.1.0.0.00.00 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 01012014 S 1.1.0.0.0.00.00

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/08/2013 a 31/08/2013. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 58.764.189,56 169.901.510,67 169.746.419,72 58.919.280,51 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 469.845,67 62.841.447,38 62.796.662,79 514.630,26 1.1.1.00.00-9

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário (LCI) é um título de renda fixa emitido

Leia mais

Contabilidade de Instituições Financeiras

Contabilidade de Instituições Financeiras AMOSTRA DA OBRA www.editoraferreira.com.br O sumário aqui apresentado é reprodução fiel do livro Contabilidade de Instituições Financeiras 2ª edição. Contabilidade de Instituições Financeiras 2ª edição

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas

a) Débito: Dividendos e Bonificações em Dinheiro a Receber Crédito: Rendas de Ajuste em Investimento em Coligadas e Controladas Olá, pessoal! Desta vez, trago para vocês uma coletânea de questões resolvidas da Fundação Carlos Chagas (FCC). Achei apropriado inserir esta aula neste momento em razão da proximidade da prova de Fiscal

Leia mais

OPERAÇÕES BANCÁRIAS & CONTABILIDADE DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INFORMAÇÕES GERAIS ANALISTA - BANCO CENTRAL. Revisão de Contabilidade

OPERAÇÕES BANCÁRIAS & CONTABILIDADE DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INFORMAÇÕES GERAIS ANALISTA - BANCO CENTRAL. Revisão de Contabilidade OPERAÇÕES BANCÁRIAS & CONTABILIDADE DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS INFORMAÇÕES GERAIS ANALISTA - BANCO CENTRAL ENFOQUE DO CURSO: - Áreas 2 e 3, no que são comuns - Abordagem conceitual, normativa e prática

Leia mais

As demonstrações contábeis foram preparadas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil.

As demonstrações contábeis foram preparadas e estão sendo apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. FUNDO CONSTITUCIONAL DE FINANCIAMENTO DO CENTRO-OESTE (FCO) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2005 E 31 DE DEZEMBRO DE 2004 (Em milhares de Reais)

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR BALANÇO EM 31 DE MARÇO 2009 E 2008 (Em milhares de Reais)

ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR BALANÇO EM 31 DE MARÇO 2009 E 2008 (Em milhares de Reais) ATIVO ELETROBRÁS PARTICIPAÇÕES S/A - ELETROPAR CIRCULANTE Disponibilidades Aplicação Financeira 27.880 14.201 Caixa e Bancos 18 65 27.898 14.266 Contas a Receber Eletronet 59.145 59.145 Empresas Cedentes

Leia mais

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015

Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis n o 20/2015 Manual de Orientação do Leiaute da ECF Atualização: Março de 2015 2.05.01.01.05 Fundos Especiais de Domiciliados e Residentes no País 01012014 A 2.05.01.01 5 03 2.05.01.02 PATRIMÔNIO SOCIAL REALIZADO - DE RESIDENTE/DOMICILIADO NO EXTERIOR 01012014 S 2.05.01 4 03 2.05.01.02.01

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008)

BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) BERJ PUBLICA BALANÇO DE 2007 AUDITADO (25/08/2008) As Demonstrações Financeiras de 2007 do Berj foram publicadas no dia 22 de agosto de 2008, após serem auditadas PricewatershouseCoopers Auditores Independentes.

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

2. Classificação das Operações de Crédito por Nível de Risco e Provisionamento

2. Classificação das Operações de Crédito por Nível de Risco e Provisionamento TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 6. Operações de Crédito 1. Classificação das Operações de Crédito 1 - Na classificação das operações de crédito, pelos

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Aula 02 Juros Simples, Descontos Simples e Juros Compostos Prof.Dr. Edmilson J.T. Manganote Juros Simples Fórmula do Juros Simples e Montante S P 1 i n Taxas Equivalentes i i 1 2

Leia mais

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/12/2010 a 31/12/2010. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

SICOOB - Contabilidade. Período: 01/12/2010 a 31/12/2010. Conta Cod. Red. Descrição da Conta Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual 1.0.0.00.00-7 CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 9.671.194,34 29.326.303,91 29.462.756,13 9.534.742,12 1.1.0.00.00-6 DISPONIBILIDADES 80.215,82 11.749.129,63 11.810.017,76 19.327,69 1.1.1.00.00-9 CAIXA

Leia mais

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível

Graficamente, o Balanço Patrimonial se apresenta assim: ATIVO. - Realizável a Longo prazo - Investimento - Imobilizado - Intangível CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 02: BALANÇO PATRIMONIAL. É a apresentação padronizada dos saldos de todas as contas patrimoniais, ou seja, as que representam

Leia mais

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário

Perícia Contábil. Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes 17/5/2013. UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil Prof. Guilherme Luiz Bertoni Pontes UNISEB Centro Universitário 17/5/2013 Módulo 6.2 Unidade 5 UNISEB Centro Universitário Perícia Contábil em Processos Bancários 3 A PERÍCIA BANCÁRIA

Leia mais

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014 Introdução, perguntas e respostas que vão te ajudar a conseguir dialogar com clientes que tenham dúvidas sobre os investimentos que estão fazendo, ou alguma outra pessoa que realmente entenda do mercado

Leia mais

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional)

Leia mais

STJ00085281 NOTA À 9." EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário...

STJ00085281 NOTA À 9. EDIÇÃO... OBRAS DO AUTOR... 1.2 Operações bancárias... 18. 1.4 Natureza dos contratos de crédito bancário... STJ00085281 SUMÁRIO NOTA À 9." EDIÇÃO.................. OBRAS DO AUTOR................... 5 7 1. CRÉDITO BANCÁRIO........ 17 1.1 Atividade creditícia dos bancos.............. 17 1.2 Operações bancárias..........................

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

3. BANCO BANORTE 266,6 285,0 17,4 569,0. CPI Proer Capítulo III-3 100

3. BANCO BANORTE 266,6 285,0 17,4 569,0. CPI Proer Capítulo III-3 100 3. BANCO BANORTE O Banco Banorte S/A foi constituído em 05/05/1942 sob a denominação de Banco Nacional do Norte S/A. Quando da intervenção, possuía uma rede de 81 agências e um quadro de pessoal de 2.612

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 1 Sandra Figueiredo 1. Aspectos econômicos e jurídicos das instituições financeiras O Aparecimento das instituições financeiras foi motivado pelas relações

Leia mais

Tesouro Direto. Florianópolis. Renato Andrade

Tesouro Direto. Florianópolis. Renato Andrade Tesouro Direto Florianópolis Renato Andrade Visão Geral Vantagens Comprando Tributação e Vendendo Títulos Comprando e Vendendo Títulos Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto Perfil

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Tesouro Direto. Títulos Públicos

[CONFIDENCIAL] Tesouro Direto. Títulos Públicos 1 Tesouro Direto Títulos Públicos Títulos Públicos Os títulos públicos possuem a finalidade primordial de captar recursos para o financiamento da dívida pública. Comprando títulos públicos, você emprestará

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

INSTRUMENTOS FINANCEIROS

INSTRUMENTOS FINANCEIROS INSTRUMENTOS FINANCEIROS Afonso Henrique Carvalho França* DEFINIÇÕES O Comitê de Pronunciamento Contábil emitiu durante o ano de 2009 os seguintes pronunciamentos sobre os instrumentos financeiros: CPC

Leia mais

Tesouro Direto. Segurança, Rentabilidade, Praticidade, Diversidade e Baixo Risco!

Tesouro Direto. Segurança, Rentabilidade, Praticidade, Diversidade e Baixo Risco! Tesouro Direto Segurança, Rentabilidade, Praticidade, Diversidade e Baixo Risco! Escolha a melhor instituição para você Ela ajuda em cada etapa antes de seu primeiro investimento e está sempre ao seu lado,

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

ING. Demonstrações Financeiras

ING. Demonstrações Financeiras ING Demonstrações Financeiras 30/junho/2002 ÍNDICE ING BANK N.V. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE 2002 E 2001... 3 ING CORRETORA DE CÂMBIO E TÍTULOS S.A. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SEMESTRAIS DE

Leia mais

MODELO DE PLANO DE CONTAS

MODELO DE PLANO DE CONTAS 26 MODELO DE PLANO DE CONTAS SINTÉTICA ANALÍTICA TÍTULO 1 ATIVO 1.1 CIRCULANTE 1.1.1 DISPONÍVEL 1.1.1.1 Caixa 1.1.1.2 Bancos Conta Movimento 1.1.1.3 Aplicações de Liquidez Imediata 1.1.2 CRÉDITOS DE VENDAS

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53

Banco Caterpillar S.A. Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Rua Alexandre Dumas, 1711 - Edifício Birmann 11-9º andar Setor 2 - São Paulo - SP CNPJ: 02.658.435/0001-53 Balanço Patrimonial - Conglomerado Prudencial em 30 de Junho ATIVO 2014 CIRCULANTE 1.893.224 Disponibilidades

Leia mais

Aula 2 Contextualização

Aula 2 Contextualização Gestão Financeira Aula 2 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Segmentos do Mercado Financeiro Mercado monetário Mercado de crédito Mercado de capitais Mercado de câmbio Mercado Monetário

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Parte 1: PRINCÍPIOS GERAIS DO COSIF. Questão 1

LISTA DE EXERCÍCIOS. Parte 1: PRINCÍPIOS GERAIS DO COSIF. Questão 1 LISTA DE EXERCÍCIOS Parte 1: PRINCÍPIOS GERAIS DO COSIF Questão 1 Fonte: Esaf Concurso Analista do Banco Central 2002 Questão 2 As normas e procedimentos, bem como as demonstrações financeiras padronizadas

Leia mais

O mecanismo de débito x crédito.

O mecanismo de débito x crédito. O mecanismo de débito x crédito. Represente os fatos abaixo, utilizando os balanços sucessivos. 1- Os sócios integralizaram capital social, no valor de R$ 1.000.000, em dinheiro. 2- Compra de veículos,

Leia mais

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida

CORREÇÃO MONETÁRIA. Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida CORREÇÃO MONETÁRIA 1 Prof. M. Sc. Jarbas Thaunahy Santos de Almeida Roteiro 2 Roteiro 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução 1. Em maio de 2008, João emprestou R$ 20.000,00 a Pedro, à taxa de juros compostos

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO

S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO S E M I N Á R I O NOVOS INSTRUMENTOS PRIVADOS PARA FINANCIAMENTO DO AGRONEGÓCIO OS NOVOS INSTRUMENTOS C D C A L C A C R A MOTIVOS DA CRIAÇÃO Essencialmente 3: 1º Falta de recursos 2º Insuficiência de credibilidade

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade I

Prof. Luiz Felix. Unidade I Prof. Luiz Felix Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Matemática financeira A Matemática Financeira estuda o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Do ponto de vista matemático, um determinado valor a

Leia mais

Renda fixa e Tesouro Direto

Renda fixa e Tesouro Direto Renda fixa e Tesouro Direto Classificação de investimentos Collor CDB Renda fixa Caderneta de poupança Fundos DI Imóveis Renda variável Ações Liquidez Liquidez Liquidez Segurança Segurança Segurança Rentabilidade

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Paulo Berger SIMULADO ATIVOS FINANCEIROS E ATIVOS REAIS. Ativo real, é algo que satisfaz uma necessidade ou desejo, sendo em geral fruto de trabalho

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. Bancos Comerciais. Bancos Comerciais. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Mercado Financeiro Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 5ª aula Início da aula Instituições Operadoras Livro Como esticar seu dinheiro Ricardo

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2.471. Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.589, de 28/1/1999.

RESOLUÇÃO N 2.471. Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.589, de 28/1/1999. RESOLUÇÃO N 2.471 Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.568, de 6/11/1998. Prazo de renegociação prorrogado. Vide Resolução nº 2.589, de 28/1/1999. Prazo de renegociação prorrogado. Vide

Leia mais

------ Saldo Anterior ------ --------- Movimento no Período --------- ------- Saldo Atual ------- ARMINDO/27/01/2015 15:56 41.401,12 41.

------ Saldo Anterior ------ --------- Movimento no Período --------- ------- Saldo Atual ------- ARMINDO/27/01/2015 15:56 41.401,12 41. 27/01/2015 * * * S. C. C. 32 - SISTEMA DE CONTROLE COOPERATIVISTA * * * PÁG. 1 Código da Conta Descrição da Conta 1.0.0.00.00-7 C I R C U L A N T E E R E A L I Z. A L O N G O 805.210,35 306.096,11 298.659,00

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro

Prof. Cid Roberto. Spread. Operações passivas. Operações ativas. Operações acessórias. Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários e Atualidades do Mercado Financeiro Mercado Financeiro Prof. Cid Roberto Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) http://goo.gl/4a6y7

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2

Conhecimentos Bancários. Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2 Conhecimentos Bancários Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Parte 2 Item 3.1.3 Formação da Taxa de Juros Alguns conceitos importantes: 1. PIB PRODUTO INTERNO BRUTO; 2. Índices de Inflação; 3. Títulos

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais